FUNDAÇÃO CULTURAL DR PEDRO LEOPOLDO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO. Marcelo Alves dos Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO CULTURAL DR PEDRO LEOPOLDO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO. Marcelo Alves dos Santos"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO CULTURAL DR PEDRO LEOPOLDO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO Marcelo Alves dos Santos O PROCESSO DE DESOSPITALIZAÇÃO Home Care : uma análise da comunicação das equipes multiprofissionais. Dissertação de Mestrado Pedro Leopoldo, MG. 2007

2 2 Marcelo Alves dos Santos O processo de desospitalização - Home Care: uma análise da comunicação das equipes multiprofissionais. Dissertação apresentada ao curso de Mestrado Profissional em Administração da Faculdade de Pedro Leopoldo, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. Orientadora: Prof. Adelaide Maria Coelho Baêta, Ph. D Pedro Leopoldo, MG 2007

3 3 S194p SANTOS, Marcelo Alves. O processo de desospitalização "Home Care": uma análise da comunicação das equipes multiprofissionais. Pedro Leopoldo: Fundação Pedro Leopoldo, p. Dissertação (mestrado) 1. Comunicação organizacional. 2. Interação entre equipes. 3. Administração Hospitalar. I Fundação Pedro Leopoldo. II. Título. CDD 658.3

4 4 Marcelo Alves dos Santos O processo de desospitalização - Home Care: uma análise da comunicação das equipes multiprofissionais. Esta dissertação foi julgada e aprovada para a obtenção do grau de Mestre em Administração no Programa de Pós - Graduação em Administração da Fundação Cultural Dr. Pedro Leopoldo. Pedro Leopoldo, 24 de novembro de 2007 Profª. Dra. Adelaide Maria Coelho Baeta Orientadora Banca Examinadora:... Prof. Dr. Luiz Aureliano Gama de Andrade Fundação Cultural Dr. Pedro Leopoldo... Profª. Dra. Íris Barbosa Goulart FEAD Centro de Gestão Empreendedora... Profª. Dra. Adelaide Maria Coelho Baeta Fundação Cultural Dr. Pedro Leopoldo

5 5 Dedico esta dissertação: Ao professor e grande mestre Alexandre Moura "In memóriam", considerando os estímulos positivos que provocaram em minha mente durante a graduação em Administração, fato que impulsiona a minha carreira acadêmica e me faz liberar o meu potencial humano.

6 6 Agradecimentos À Fundação Cultural Dr. Pedro Leopoldo. À minha orientadora Profª. Dra. Adelaide Maria Coelho Baeta. À minha amiga Pedagoga e companheira das discussões, Marilene Nunes, pela grande ajuda nas correções ortográficas e metodológicas. A todos os colegas de turma pela amizade e pelo aprendizado. A todos que direta ou indiretamente contribuíram para a realização desta pesquisa. À minha querida amiga Fernanda Nunes Botelho, pelo ombro nas horas difíceis, o ouvido nas horas de angústia e frustrações e simplesmente pelo fato de ser minha amiga.

7 7 Resumo SANTOS, Marcelo Alves. O processo de desospitalização "Home Care": uma análise da comunicação das equipes multiprofissionais. Pedro Leopoldo, p. (Dissertação de Mestrado em Administração). Este trabalho aborda a avaliação do processo percepção-comunicação entre equipes multiprofissionais, considerando as perspectivas da comunicação organizacional propostas por Daniels, Spiker e Papa (1997), e tomando como modelo base a proposta de Shannon Weaver (1975) para a comunicação organizacional e interpessoal. Foi utilizada como orientação metodológica uma abordagem qualitativa em um estudo de caso numa empresa brasileira que operacionaliza o Home Care. O método utilizado para o estudo apresenta certa limitação, pois é importante ressaltar que cada empresa possui características próprias que envolvem cultura, crenças e filosofias, que não podem ser estendidas às outras empresas. Por outro lado, este tipo de empresa possui certas restrições em relação a liberação de informações, visto que envolve o tratamento de crianças e idosos que são protegidos por leis, tais como: o estatuto da criança e do adolescente e o estatuto do idoso. Os resultados demonstram que os administradores procuram estabelecer um processo comunicativo mais participativo e coerente com objetivos organizacionais, mas ainda existem dificuldades quanto a interação entre os diversos profissionais. Verifica-se também, a necessidade de estratégias para a capacitação dos colaboradores envolvidos no processo percepção-comunicação, com vistas à adoção de métodos comunicativos que venham a romper com os instrumentos tradicionais utilizados. Ficou evidenciado que um dos entraves para a operacionalização do Home Care é o processo de comunicação, pois os problemas observados refletem a morosidade dos líderes para acompanhar o ritmo acelerado das transformações que vem ocorrendo. O principal desafio é entender que as mudanças ocorrem de forma variada e simultaneamente, exigindo com isso, novos modelos de gestão. Palavras-chaves: home care, processo percepção-comunicação, desospitalização,

8 8 Abstract SANTOS, Marcelo Alves. Don t` hospitalization process "Home Care": an analysis of the communication of the teams multi professionals. Pedro Leopoldo, p. (Dissertation of Mestrado in Administration). This work boards the evaluation of the perception-communication process between multi professionals teams, considering the perspectives of the communication organizational proposed for Daniels, Spiker and Papa (1997), and taking as base model the proposal of Shannon Weaver (1975) for the organizational and interpersonal communication. It was used as methodological orientations a qualitative approach in a study of case in a Brazilian company that operacion the Home Care. The method used to the study introduces certain limitation, because it is important to strike that each company owns own characteristics that involve culture, beliefs and philosophies, which they ca not be extended to other companies, and for another side this kind of company owns some restrictions regarding information liberation, since involves children's treatment and senior that are protected by laws, such as: the child's statute and teenagers and the statute of the senior. The results demonstrate that the managers try to establish a process more talkative participate and coherent with objective organizational, but still there are difficulties regarding interaction among several professionals. It verifies as well, the need to strategies for collaborators' training involved in the perception-communication process with sights to the adoption of talkative methods that come to break with the used traditional instruments. It was evidenced that one of the hindrances for operacionalization of the Home Care really is the communication process, because the observed problems reflect exactly leaders' slowness to accompany the rhythm accelerated of the transformations that comes occurring. The main challenge is to understand that the changes occur of varied form and simultaneously, demanding with that, new administration models. Words-keys: home care, prosecute perception-communication, don t hospitalization

9 9 Lista de figuras Figura 1: O modelo de Shannon e Weaver do processo de comunicação...44 Figura 2: O modelo do processo de comunicação...46 Figura 3: O modelo teórico...47 Figura 4: Representação do fluxo de informações na empresa Deltalar Figura 5: Sugestão para o novo fluxo de informações na empresa Deltalar...71

10 10 Lista de Quadros Quadro 1: Profissionais e funções da equipe interna...35 Quadro 2: Profissionais e funções da equipe externa...38 Quadro 3: Profissionais e funções da equipe interna (empresa Deltalar)...60 Quadro 4: Profissionais e funções da equipe externa (empresa Deltalar)...61

11 11 Lista de Tabelas Tabela 01: Distribuição dos atendimentos realizados pela Deltalar em 2006 por município de residência Tabela 02: Perfil dos pacientes que procuraram a Deltalar em 2006 por faixa etária...58 Tabela 03: Perfil dos pacientes que procuraram os serviços em 2006 por renda familiar...58 Tabela 04: Perfil dos pacientes que procuraram a Deltalar em 2006 por plano de saúde...59

12 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema e problema de pesquisa Objetivos da pesquisa Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa Metodologia do trabalho Delimitação do estudo Tipo de pesquisa A escolha da unidade de análise Coleta de dados no estudo de caso Limitação do método Suposições Definição de termos Estrutura do trabalho FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O conceito de hospital Mudanças e inovações em organizações hospitalares Home Care Atendimento domiciliar A relevância da comunicação para a competitividade empresarial Marco Teórico - (Daniels, Spiker e Papa (1997)) - 43 uma análise dos modelos básicos de comunicação Considerações ESTUDO DE CASO APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS Apresentação Histórico da empresa A história do Home Care adotada pela empresa A modalidade de internação domiciliar da Deltalar O Programa de Atendimento Domiciliar da Deltalar As características dos atendimentos da Deltalar O processo de comunicação na empresa estudada Estratégias desenvolvidas pela organização Relato dos dirigentes da organização Intenções dos dirigentes da empresa estudada Resultados e discussões Recomendações para a empresa estudada CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Conclusão Recomendações para futuros trabalhos REFERÊNCIAS ANEXOS Instrumento de coleta de dados... 83

13 13 1 INTRODUÇÃO 1.1 Tema e problema de pesquisa É imprescindível destacar a importância que a comunicação organizacional vem assumindo no novo cenário globalizado. A cultura organizacional abrange todas as formas de comunicação utilizadas pela organização para relacionar-se e interagir com seus públicos. Segundo Bowditch e Buono (1992), a comunicação é um dos processos fundamentais que constitui a base para quase todas as atividades na organização. Somando-se aos problemas de comunicação que pressionam as empresas e profissionais, encontra-se o ser humano, que está buscando de forma mais exigente a solução para as suas necessidades físicas e emocionais. Portanto, os tempos são de desafios e mudanças. Robbins (1998) propõe a mudança planejada, que em primeira instância busca a adaptação e, em segunda, a mudança do comportamento do empregado. Esse autor sugere a mudança em quatro categorias (estrutura, tecnologia, arranjo físico e de pessoas). Outros autores, como Barbieri e Alvares (2003), tratam a mudança como uma inovação tecnológica ou organizacional introduzida nas empresas, referindo-se às novidades que influenciam na eficiência organizacional buscando se adaptar à nova realidade. Diante da necessidade de adequação às mudanças organizacionais, o ambiente hospitalar, tendo em vista a diminuição de custos e melhoria na qualidade dos serviços, criou o Home Care - uma modalidade de atendimento domiciliar que, de acordo com Cruz (2005) e Loureiro (2005), reduz o risco de infecção hospitalar, melhora o convívio familiar e reduz número de internações hospitalares. Mesmo com tantos benefícios, esses mesmos autores afirmam que essa nova modalidade de atendimento hospitalar apresenta problemas relacionados à comunicação e interação entre os profissionais, principalmente quanto à passagem de plantão entre as equipes, os efeitos das reuniões multiprofissionais e o relacionamento entre os profissionais que realizam a assistência no domicílio. Também a falta de visão holística do profissional ou mesmo a

14 14 dificuldade de atuar, quando consegue identificar necessidades do paciente que não tenham relação com o seu trabalho técnico e, por último, a falta de conhecimento das coberturas dos planos de saúde constituem entraves a serem enfrentados nessa modalidade de atendimento. Considerando que o modelo de comunicação adotado por uma organização é uma variável importante que influencia na competitividade empresarial, questiona-se: Por que a forma de comunicação adotada pelo Home Care resulta em problemas de interação/entendimento entre os profissionais que o operacionalizam? Dentro desse conceito, buscou-se uma análise comparativa entre os modelos básicos de comunicação e o funcionamento da comunicação organizacional adotada por uma instituição que ofereçe os serviços de Home Care. 1.2 Justificativa A importância deste estudo pode ser entendida tendo em vista o desafio de se criar e recriar serviços de saúde de qualidade, visto que isso é uma empreitada que requer o entendimento e a participação de diversos segmentos. De acordo com Cruz (2005) a operacionalização do Home Care só é possível com a participação e envolvimento da sociedade, sendo indispensável a atenção dos familiares dos usuários do sistema. Economicamente, justifica-se pela valorização de benefícios que surgirão de ações simples e de baixo custo, como é o caso do sistema Home Care, para as unidades hospitalares melhorarem o seu processo administrativo/operacional. Do ponto de vista acadêmico, considerando a afirmação de Loureiro (2005) o tema Home Care tem sido pouco analisado, principalmente referindo-se ao sistema operacional. A relevância pessoal para o autor está diretamente ligada a oportunidade no desenvolvimento de habilidades e técnicas para a atuação em organizações hospitalares através do aprofundamento nas atividades e avaliação de seus benefícios, visto que a tendência atual é que as organizações hospitalares se organizem para melhorar o desempenho no mercado da

15 15 saúde. Por esse motivo o estudo é extremamente importante para impulsionar a atuação definitiva em organizações hospitalares. Nesse sentido, este estudo pretende contribuir para as análises relacionadas à administração da área de saúde, sobretudo no que diz respeito a adoção de modelos de atendimento inovadores. Segundo Loureiro (2005), é necessário explorar cada vez mais as possibilidades de modelos que melhorem a prática do desenvolvimento destes serviços e o modelo de assistência domiciliar vem crescendo e será um grande marco em mudanças na área hospitalar. 1.3 Objetivos da pesquisa Objetivo Geral O objetivo geral do trabalho consistiu em analisar como funciona o processo de comunicação organizacional utilizado para a operacionalização do Home Care Objetivos Específicos Os objetivos específicos incluem: 1) Descrever o sistema de operacionalização do Home Care. 2) Analisar as formas de comunicação adotadas pelo Home Care de acordo com os modelos básicos propostos por Daniels, Spiker e Papa (1997). 3) Identificar os principais problemas de comunicação entre os profissionais que operacionalizam o Home Care.

16 Metodologia do trabalho Delimitação do estudo O estudo em questão analisou, à luz dos modelos de comunicação propostos por Daniels, Spiker e Papa (1997), a forma de comunicação organizacional de um hospital da região metropolitana de Belo Horizonte que trabalha na modalidade de atendimento domiciliar (Home Care). A pesquisa ficou restrita às relações internas da organização, mais especificamente, às informações necessárias à dinâmica de funcionamento do sistema de atendimento. Não foram objetos de estudo, neste momento, os processos de comunicação com o público que recebe os serviços da instituição. As possíveis alterações no modelo de comunicação utilizado pelo atendimento domiciliar decorrentes deste processo de mudança e inovação no ambiente hospitalar, serão alvos do estudo, porém restritos à realidade da organização escolhida Tipo de pesquisa A pesquisa realizada foi considerada como explicativa, realizada a partir de uma revisão bibliográfica e o método um estudo de caso único pois, conforme Vergara (2000), os tipos de pesquisa não são, necessariamente, excludentes. Levando em consideração o levantamento bibliográfico sobre o assunto, é importante esclarecer que a pesquisa bibliográfica é, antes de tudo, um estudo sistematizado desenvolvido a partir de material publicado e que pode ser acessado de diversas maneiras. Vale ressaltar que, esse tipo de pesquisa fornece instrumental analítico para qualquer tipo de estudo. (VERGARA 2000)

17 17 O estudo de caso é um método circunscrito a uma ou poucas unidades, entendidas estas, como uma pessoa, uma família, um produto, uma empresa, um órgão público, uma comunidade ou mesmo um país. No entanto, de acordo com a autora supracitada esse processo tem caráter de profundidade e detalhamento, justamente o que se quer alcançar para a análise do objeto da pesquisa proposta. Cabe ainda esclarecer que a pesquisa será desenvolvida utilizando-se o método de estudo de caso único, tendo como unidade de análise uma empresa brasileira que operacionaliza uma unidade de atendimento domiciliar na região metropolitana de Belo Horizonte Minas Gerais. Como afirma Yin (2005), o estudo de caso é preferido como estratégia quando as questões de pesquisa são o como e o por quê?, e neste estudo o porquê é um questionamento fundamental A escolha da unidade análise A pesquisa foi realizada numa empresa do ramo hospitalar localizada na região metropolitana de Belo Horizonte (BH), um hospital na modalidade de atendimento domiciliar aqui denominado Deltalar nome fictício visando preservar a sua imagem no mercado. Na escolha desta organização, além de outros fatores, tais como: a localização da sede operacional da empresa, a facilidade para o acesso às informações necessárias, o interesse dos diretores em contribuir com o meio acadêmico, também se levou em consideração o fato de que o principal problema na operacionalização do atendimento domiciliar ser a comunicação organizacional.

18 Coleta de dados no estudo de caso A coleta de dados foi feita através de análises de documentos, observação das atividades internas, participação de reuniões de trabalho e entrevistas. Foram entrevistados, na própria organização em questão, os integrantes das equipes multiprofissionais e os gerentes operacionais na busca de depoimentos a respeito dos padrões de comunicação da empresa, o que possibilitou análise e interpretação dos dados. Adotando o conceito de hospital como organização, de acordo com Loriggio (1996), a coleta de dados deve propiciar o conhecimento do ambiente onde as variáveis estão inseridas de maneira sustentada e documentada, de forma a viabilizar a análise, proporcionando informações para as ações necessárias. Por isso, a pesquisa dentro da organização mostrou os principais padrões de comunicação utilizados para o processo administrativo/operacional em diversas atividades. A definição das características gerais do negócio e as tendências das atividades consideradas ajudaram a entender o macro ambiente da empresa Limitação do Método O método escolhido para o estudo apresentou certas limitações, principalmente relacionadas às restrições para a liberação de informações impostas pelo Estatuto do idoso e da criança e adolescente. É importante ressaltar, também, que cada empresa possui características próprias que envolvem cultura, crenças e filosofias, que não podem ser estendidas às outras empresas, pois de acordo com Pereira (2000), cada empresa é única e é por isso que a parte das soluções prescritas do tipo pacotes não costuma ser bem aceita ou eficaz. Além do mais, outras classificações podem ser adotadas para a produção de leituras diferentes sobre o processo de comunicação organizacional quando se considera a opinião do público externo.

19 Suposições Considerando que a modalidade de atendimento ao paciente (Home Care) constitui uma inovação no ambiente hospitalar e que na definição de Loureiro (2005), a comunicação se configura como um dos principais problemas para os operadores do sistema, adotou-se como suposição que o novo sistema de atendimento exija um modelo de comunicação diferenciado daquele adotado no hospital tradicional. Por outro lado, percebendo que os problemas de comunicação são comuns em várias organizações de características distintas, tomou-se por suposto que ainda não foram estabelecidos padrões de comunicação adequados para operacionalização do Home Care. Considerando que as organizações operam em um ambiente complexo e turbulento enfrentando uma situação de mudanças constantes, presume-se que os problemas de comunicação para a operacionalização do Home Care são oriundos da tentativa de transição do modelo tradicional de comunicação para um outro modelo qualquer Definição dos termos Assistência domiciliar - termo genérico que representa várias modalidades de atenção à saúde desenvolvidas no domicílio, entre elas o atendimento e a internação domiciliar e atenção domiciliar que envolve ações de promoção à saúde, prevenção de doenças e complicações abrangendo a assistência e reabilitação desenvolvida na casa do paciente. O atendimento domiciliar - se caracteriza pelo conjunto de atividades de caráter ambulatorial, programadas e continuadas por meio de ações preventivas e/ou assistenciais com participação da equipe multiprofissional.

20 20 A internação domiciliar - é o conjunto de atividades caracterizadas pela atenção em tempo integral para pacientes com quadros clínicos mais complexos e com necessidade de tecnologia especializada e recursos humanos, equipamentos, materiais, medicamentos, atendimento de urgência/emergência e transporte. A internação domiciliar inclui assistência nas 24 horas, com visitas programadas da equipe multiprofissional. Na maioria das vezes, é indicada a permanência de um profissional de enfermagem com períodos preestabelecidos de 6, 12 ou 24 horas. Problema ativo - é denominado pela empresa como uma situação clínica apresentada pelo enfermo que demanda uma atenção da equipe de saúde. Um procedimento como uma aspiração endotraqueal (retirada de secreções da garganta), medicação endovenosa, entre outros procedimentos que não podem ser realizados por leigos. Plano de cuidados - é um plano de tratamento elaborado pela equipe multiprofissional com objetivo de tratar as necessidades terapêuticas que a pessoa enferma apresentar. Ele inclui atendimento de enfermagem em horas diárias, fisioterapia, fonoaudiologia, nutrição, assistência social, terapia medicamentosa, suporte de equipamentos médico-hospitalares e procedimentos invasivos especializados. O plano é estabelecido com previsão de término (caso a pessoa enferma tenha perspectivas clínicas de alta) ou sem previsão de término (caso o enfermo tenha uma evolução ou um prognóstico que não possibilite uma previsão de alta). Alta complexidade - doentes com quadros clínicos graves, usualmente oriundos de unidade de terapia intensiva, dependentes de métodos invasivos, monitorização de sinais vitais, portadores de traqueostomia, dependentes ou não de ventilação mecânica contínua com a necessidade de vários procedimentos a serem realizados por profissionais da área de saúde. Indicação de internação domiciliar com 24 horas de atendimento de enfermagem por dia. Média complexidade - doentes em fase aguda ou subaguda em condições clínicas mais estáveis, podendo ainda estar dependentes de equipamentos especiais, métodos invasivos, monitorização de sinais vitais dependentes da equipe de saúde em tempo integral ou parcial. Indicação de internação domiciliar por 12 ou 24 horas de assistência de enfermagem por dia. Baixa complexidade - doentes portadores de doenças ou seqüelas incapacitantes que geram dependência de terceiros. Podem estar submetidos a processos invasivos definitivos e

21 21 necessitando de cuidados da equipe de saúde por determinado período do dia objetivando a readaptação e treinamento do doente e/ou família à sua nova realidade. Indicação de 2, 4, 6, 12 ou 24 horas de assistência de enfermagem por dia. 1.5 Estrutura do trabalho Este trabalho está dividido em quatro partes relacionadas com os seguintes assuntos: O Capítulo 1: constitui-se da contextualização do tema, que discorre sobre a definição da pesquisa, apresentando uma rápida visão do tema e os objetivos que alicerçam o trabalho, bem como a importância da realização de um estudo sobre o processo de comunicação nas empresas operadoras do Home Care. Apresenta também a metodologia, em cinco Sb itens. O primeiro aborda o tipo de pesquisa escolhido para realização do trabalho. O segundo descreve a unidade de observação e limita a unidade de estudo a ser pesquisada. O terceiro esclarece como será realizada a coleta de dados e o quarto apresenta a limitação apresentada pelo método escolhido com algumas suposições e definição de termos. O Capítulo 2: é formado pelo referencial teórico e está dividido em seis subtítulos principais. O primeiro descreve a origem e aborda algumas considerações acerca do conceito de hospital. O segundo aborda de forma breve o processo de mudanças em organizações hospitalares. O terceiro enfatiza o sistema de operacionalização do home care no Brasil e no mundo dando abertura para o próximo que fala sobre o importância da comunicação para a competitividade empresarial, finalizando com o marco teórico e algumas considerações. O Capítulo 3: Apresenta a caracterização e o histórico da unidade de análise, bem como a descrição do estudo de caso realizado. Nesse capítulo também são apresentados: a análise dos resultados obtidos, algumas considerações e recomendações para a empresa pesquisada. O Capítulo 4: é apresentado nesse capítulo as conclusões e as recomendações para futuros trabalhos.

22 22 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 O conceito de hospital O conceito atual de hospital, segundo Cherubin (1997:39), decorre da própria definição de saúde que o hospital procura manter como sua finalidade primeira e que foi definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como sendo: Perfeito bem estar físico, social e mental e não a simples ausência de doença ou enfermidade. Já na década de 1950, a OMS em seu informe Técnico nº122, de 1957 define o termo hospital da seguinte forma: O hospital é parte integrante de um sistema coordenado de saúde, cuja função é dispensar à comunidade completa assistência á saúde, tanto curativa quanto preventiva, incluindo serviços extensivos à família, em seu domicílio e ainda um centro de formação para os que trabalham no campo da saúde e para as pesquisas biossociais. OMS (1957:1) De acordo com as definições acima, o hospital deve concentrar todos os serviços de saúde da comunidade. Os serviços de atendimento externos (vacinação, supervisão medicamentosa e terapias diversas) assim como os de internação não devem ser exclusivos, pois é também função do hospital ser um centro de ensino por excelência e levar a efeito todo tipo de pesquisa em saúde (CHERUBIN,1997). De acordo com este mesmo autor, a Organização Mundial da Saúde fixou as seguintes funções para o hospital: a) Prevenir a doença é sem dúvida, uma função de grande e fundamental importância para o hospital e principalmente para a população assistida. Todo hospital devidamente equipado para diagnóstico e tratamento deve se preocupar com o exercício da medicina preventiva. Para que os programas de saúde pública e de medicina preventiva possam ser realizados, é necessário que exista uma adequada colaboração entre os hospitais, os serviços públicos de saúde e os órgão governamentais federais, estaduais e municipais, para que num planejamento integrado e participativo possam trocar mutuamente informações e recursos e nesta sinergia positiva, desenvolverem um plano de saúde.

23 23 Portanto, considerando que o homem vive no município, que ali é o seu meio, dele depende e nele atua, conclui-se que a comunidade municipal é a célula inicial de qualquer programa, é nela que se encontra a porta de qualquer sistema. Sendo fiel a esse raciocínio de unidade municipal, julga-se que a medicina preventiva deva ser o início do programa de saúde, e o ambulatório o portal do sistema. Assim será possível prevenir doenças num sistema organizado, integrado e participativo. Primeiramente, é preciso organizar os órgãos de saúde, para que se possa fundamentar a prevenção como elemento real do sistema. Percebe-se que a lacuna existente entre a medicina preventiva e a medicina curativa, principalmente naqueles municípios de pequeno porte e de poucos recursos, deve ser eliminada pelo hospital. É dever dessa instituição local, por menor que seja, desenvolver suas funções preventivo-ambulatoriais. Também se faz necessário o zelo pelos programas e pelos controles sanitários e principalmente pelos cuidados básicos de orientação da higienização materno-infantil. b) Restaurar a saúde esta é a mais importante função do hospital e também a mais solicitada pela coletividade a que serve, por isso, para satisfazer conveniente e eficazmente as necessidades de saúde da população é de suma importância que o hospital esteja em condições de realizar com rapidez e eficiência o diagnóstico e o tratamento das pessoas que dele necessitam. O objetivo do hospital moderno deve ser o diagnóstico e o tratamento precoce das doenças, através de cuidados clínicos, cirúrgicos e especiais que facilitem a reabilitação física, mental e social do paciente. Nenhum hospital pode ser considerado moderno sem contar com uma equipe eficientemente preparada para o cumprimento desses objetivos. Para obter uma reabilitação e readaptação física e psicossocial do homem, envolvendo inclusive a reabilitação profissional, o hospital deve contar com uma excelente equipe multiprofissional voltada para o paciente de forma global. Assim, torna-se imprescindível a participação de especialistas como: médico, enfermeira, assistente social, psicólogo, fisioterapeuta ocupacional, fononoaudiólogo e outros no atendimento aos casos diagnosticados nessas instituições de saúde.

24 24 c) Exercer funções educativas as funções educativas não se referem apenas aos aspectos do ensino médico, ou àquela visão estereotipada de hospital universitário; pelo contrário, todos os hospitais devem servir de campo para as funções de ensino, de educação e de cultura de uma forma geral. A própria educação sanitária, além de medicina preventiva, também é uma função educativa, contribuindo como forma de aprimorar a cultura do povo, pois a higiene e o saneamento são fundamentais à saúde e à educação. No ensino dos profissionais da saúde, a utilização de todos os meios e recursos do hospital, torna-o mais eficiente e alargam a sua esfera de ação. Assim, julga-se fundamental que todos os hospitais se desenvolvam como centros de ensino em potencial, colocando os seus serviços à disposição de tão nobre função. É necessário que os estudantes das ciências da saúde tenham nos hospitais seus campos naturais de aprendizagem. Os próprios médicos devem contar com os hospitais para progresso em suas respectivas especialidades e todos os profissionais do hospital merecem a qualificação e uma constante reciclagem técnica. Para isso o hospital deve promover conferências, cursos, palestras, seminários e outras formas de se desenvolverem as funções educativas e de ensino. d) Promover a pesquisa não se pode conceber um hospital sem que promova o desenvolvimento de pesquisas bio-sociais. O hospital é uma entidade integrante e operante na sociedade e, como tal, deve manter-se viva, dinâmica e altamente atualizada, testando e aplicando técnicas para o seu desenvolvimento e para o progresso da sociedade. Salienta-se que nesse campo as pesquisas se apresentam nos seguintes tipos: básicas ou puras, aplicadas ou operacionais, médicas ou clínicas e administrativas. As pesquisas básicas ou puras são aquelas que não têm qualquer finalidade específica além da expansão e aprofundamento do conhecimento humano. São impulsionadas pela curiosidade científica pura.

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos CONCEITO Despertar a potencialidade de indivíduos Utilizar a Arte como meio de comunicação e expressão e a Cultura no resgate de histórias de vida e valores 17 anos de atuação 231 mil atendimentos ARTE

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Prezados Associados,

Prezados Associados, Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE traz agora guias de procedimentos por assunto. O conteúdo está distribuído

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA

DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA FILOSOFIA DO TREINAMENTO, MODELO E ABORDAGEM O Coaching em Resiliência é uma formação de coaching exclusiva licenciada pela SOBRARE e única especializada

Leia mais

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização A relação do Programa Melhor em Casa com a rede hospitalar é estratégica e fundamental para viabilizar a desospitalização, permitindo

Leia mais

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1)

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) Odete Barros de ANDRADE (2) Nilce PIVA (2) ANDRADE, O. B. de & PIVA, N. Seminário sôbre supervisão em enfermagem. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 3(2): 233-241,

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995.

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. Governança Clínica As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. O Modelo de Gestão Atual foi desenvolvido a 100 anos. Repensar o Modelo de Gestão nos serviços

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Plano Anual de Educação Institucional 2013

Plano Anual de Educação Institucional 2013 Plano Anual de Educação Institucional 2013 Sumário Apresentação Metodologia de Construção do Plano Anual de Educação Ações do CEAF Planejadas para 2013 Programa Direito Programa Atuação Ministerial Programa

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 REVISÃO VACINAS 1. Conforme a Lei Federal n o 7.498/86, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, são atividades privativas do enfermeiro: a) administrar medicamentos e prestar consultoria de b) observar

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Experiências educativas no gerenciamento de resíduos gerados no Hospital de Clínicas de Porto Alegre Tainá Flôres da Rosa contato: tfrosa@hcpa.ufrgs.br telefone:(51)81414438

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC)

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC) O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A CONTRIBUIÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ADMINISTRAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO Florianópolis, 2012 Expedito Michels Mestrado Profissional

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais