ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP."

Transcrição

1 ESCRAVIDÃO MODERNA Marina Paula Zampieri BRAIANI 1 Mayara Maria Colaço TROMBETA 2 Rafaela Trevisan AVANÇO 3 Institución: Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente. Dirección: Praça Raul Furquim, n.º 9, Presidente Prudente, São Paulo Brasil CEP Telefono: (18) Eje: Lógicas colectivas: Grupos, Derechos Humanos, conciencia crítica y potencias inventivas. Area-Teórico/Practica: Derecho. Objetivos: A temática principal do trabalho é a analise da persistência de uma escravidão na sociedade moderna, que apenas mudou de forma, e por uma idéia de inexistência ficou acobertada, contudo aferimos o ferimento de vários princípios constitucionais até os dias atuais. Conclusiones: Buscou-se demonstrar que apesar de termos evoluído significativamente, e de termos a falsa idéia de que a escravidão é algo que ficou na história, constata-se que mesmo de forma mascarada ainda existe a prática da mesma, e que a cultura de subordinação da classe superior sobre a inferior ainda persiste, ferindo de forma ínfima os direitos constitucionalmente garantidos a pessoa humana, independente de raça ou classe social. Ficando assim, a lei como mero ideal a ser alcançado

2 Pode-se dizer que a escravidão é uma prática social, onde determinado ser humano exerce direito de propriedade sobre outrem, denominado escravo, sendo que tal condição é imposta ao mesmo através de vias compulsórias. Em tempos mais remotos o escravo era visto como mercadoria, onde aferiam seu preço pelas condições físicas, pelo sexo, força e habilidades, e eram negociados em verdadeiras feiras. Vale ressaltar que nem todas as sociedades viam os escravos como mercadorias, podemos mencionar p.ex. na Idade Média os escravos de Esparta, conhecidos como hilotas, que não poderiam ser negociados, pois pertenciam ao Estado Espartano, ao qual cabia o direito de ceder o uso de alguns hilotas. O comércio de escravos ocorreu, principalmente, no Atlântico entre 1450 e 1900 e contabilizou-se a venda de cerca de (onze milhões e trezentos e treze mil indivíduos), em torno deste comercio outros produtos foram negociados como marfim, tecido, tabaco, armas de fogo e peles e tinha como moeda de troca para o pagamento eram pequenos objetos de cobre, manilhas e contas de vidro trazidas de Veneza. O dia a dia destes escravos era o pior possível, jornadas exaustivas de 14 a 16 horas diárias, alimentavam-se no máximo duas vezes ao dia de maneira degradante, recebiam trapos para usar como vestimentas, passavam as noites em senzalas, que nada mais eram que galpões escuros, úmidos e sem nenhuma higiene, além de dormirem acorrentados para que não fugissem. Havia ainda as torturas físicas e psicológicas realizadas pelos senhores e seus algozes, buscando diminuir cada vez mais o negro e aumentar a superioridade da raça branca. Os primeiros a pensarem na abolição da escravatura foram: Bartolomeu de Las Casas e Pe. Antonio Vieira. Bartolomeu até meados de 1511 também valia-se da escravatura e possuía escravos, visando a exploração como medida necessária para obtenção de riquezas, ele mesmo participou de ataques contra tribos; contudo após escutar o célebre sermão do advento ministrado por Frei Antonio de Montesinos, que defendia a dignidade dos indígenas, o mesmo se converteu a causa, passando assim a lutar pela abolição dos escravos. Já Pe. Antonio Vieira nasceu em Portugal, mas morava no Brasil desde seis anos, não tardou a demonstrar sua preocupação com os problemas sociais. Os primeiros passos para o fim da escravidão iniciaram-se no século XVIII, todavia o primeiro país a abolir a escravidão foi Portugal em 12 de Fevereiro de 1761, sendo o responsável pelo feio Marquês de Pombal, fazendo com que Portugal fosse denominada o pioneiro do abolicionismo. Vale ressaltar que a escravidão no império

3 português, só se deu por completa em 25 de Fevereiro de 1869, quando foram libertos os escravos da igreja nas colônias. O Brasil por sua vez foi o último país do continente americano a abolir a escravatura, em 13 de Maio de 1888 pela Princesa Isabel, com a publicação da Lei Áurea. A escravidão no Brasil começou com os índios que aprisionavam prisioneiros de guerra antes da chegada dos portugueses, com a chegada dos mesmos negociavam tais prisioneiros com os europeus. Por intermédio dos portugueses chegaram os primeiros negros africanos para serem utilizados em minas e plantações. Por conta do surgimento do ideal liberal e da ciência econômica na Europa, a escravatura foi considerada pouco produtiva e incorreta moralmente. Em 1850, com o surgimento da lei Eusébio de Queirós, passa-se no Brasil a punir os traficantes de escravos, de modo a nenhum escravo entrar no país. Até que de fato ocorresse a escravatura nos país algumas medidas foram tomadas, como a lei do ventre livre em 1871, que determinava que filhos nascidos de escravos eram livres, e também a lei dos sexagenários em 1885, que concedia a liberdade aos escravos maiores de 60 anos. Antes mesmo de o Brasil abolir a escravatura, a Argentina em 1813, a Colômbia em 1821 e o México em 1829, já haviam adotado tal medida. Por fim o último país a realizar o fim da escravatura foi a Mauritânia em 9 de Novembro de 1981, pelo decreto de nº O governo deu a liberdade aos escravos denominados HARRANTINS povo de cerca de negros que serviam aos mouros, dos quais ainda eram escravos. Um adulto valia cerca de , o que corresponde nos dias atuais em reais a R$ 35, 00 (trinta e cinco). O grande impulsionador da abolição foi o liberalismo, sendo que esta ia contra os seus princípios de liberdade e igualdade, o liberalismo é uma corrente política que abrange diversas ideologias históricas e presentes, que proclama como devendo ser o último objetivo do governo a preservação da liberdade individual. No entanto, houve grande oposição por parte da burguesia que iria deixar de auferir lucros. Entretanto, a razão material da abolição consiste no surgimento da sociedade industrial, vinda pela introdução da máquina a vapor no processo produtivo. Não se tinha mais interesse em manter os escravos uma vez que estes não poderiam consumir, pois não tinham ordenado, e o consumo em massa exigia mercados livres e trabalhos assalariados. Embora, a escravidão de negros tenha se findando em 1981, quando vimos o último país que declarou o fim da escravatura. Porém, nos dias atuais, temos a presença de uma nova escravidão, que pode ser denominada por nós como Escravidão no

4 mundo contemporâneo ou escravidão branca, onde apesar de termos a falha idéia de que todos somos livres, a mesma não existe de fato. Pela letra da lei, a escravidão é considerada como extinta, porém em alguns países as leis não são aplicadas, tendo sido criadas apenas pela pressão advindas de outros países e da própria ONU, mas não exprimem a vontade do governo, restando hoje em dia pelo menos 27 milhões de escravos no mundo. Também encontramos a escravidão moderna de outras formas, como as falsas promessas apresentadas a mulheres pobres de uma vida melhor, e na realidade as mesmas são vendidas como mercadorias, para a prostituição que cresce cada dia mais. Existem também tráfico semelhante com crianças, que são obrigadas a mendigar para auferir o sustento de adultos que buscam nas crianças meios para a obtenção de lucro. Além disso, podemos verificar a presença da resquícios de escravidão, até mesmo no Brasil, no sentido de que o salário mínimo que é o único sustento da maior parte da população, não consegue suprir as necessidades básicas presentes em nossa carta magna, em seu artigo 5º e incisos, pois é praticamente impossível alcançar moradia, alimentação, saúde, educação, lazer com o valor de pequena monta concedido aos trabalhadores. Diante de tudo isso, podemos constatar que aqueles que tem pouco, acabam sendo escravizados, por aqueles que muito tem, restando assim, uma subordinação dos ricos sobre os pobres.

5 Referências Bibliográficas FLORENTINO, Manolo. Ensaios sobre escravidão. Minas Gerais: UFMG, MELTZER, Milton. História ilustrada da escravidão. São Paulo: Ediouro, A. J. Avelãs Nunes. Os Sistemas Económicos, Génese e Evolução do Capitalismo. Coimbra: MARTINS, Sergio Pinto. Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: Editora Atlas, MARTINS, Sergio Pinto. Curso de Direito Processual do Trabalho. São Paulo: Editora Atlas, 2009.

TRABALHO INFANTIL. Vivian Flores BRANCO 1

TRABALHO INFANTIL. Vivian Flores BRANCO 1 TRABALHO INFANTIL Vivian Flores BRANCO 1 RESUMO: O presente artigo trata do início do trabalho infantil, assim como as causas que levam crianças e adolescentes a se incorporarem no mercado de trabalho

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Lineamentos históricos Acerca do Trabalho Infantil no Brasil e no Mundo. Antônio Carlos Acioly Filho* 1.1 No mundo A história nos conta que desde épocas mais remotas já havia a utilização

Leia mais

02- Escreva uma característica do tipo de governo do Brasil Colônia. R.:

02- Escreva uma característica do tipo de governo do Brasil Colônia. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== 01- Relacione as

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 INTRODUÇÃO Colonização: trabalho escravo. Séc. XIX condenação da instituição escravista pelos países europeus (Inglaterra): pressiona

Leia mais

TRÁFICO DE SERES HUMANOS. RESUMO: Por séculos o se humano vem

TRÁFICO DE SERES HUMANOS. RESUMO: Por séculos o se humano vem TRÁFICO DE SERES HUMANOS Nathália Raíssa dos Santos SOUZA RESUMO: Por séculos o se humano vem explorando o seu semelhante. A Humanidade vem sofrendo com o tráfico de pessoas. Um ato ilícito que vem ganhando

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / /

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 8ºhist301r ROTEIRO DE ESTUDO RECUPERAÇÃO 2015 8º ano do Ensino Fundamental II HISTÓRIA 1º TRIMESTRE 1. Conteúdos Objetivo 1: Africanos no Brasil (Cap.

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos 2 3 Artigo 1º, Direito à Igualdade Você nasce livre e igual em direitos como qualquer outro ser humano. Você tem capacidade de pensar e distinguir o certo do errado.você

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Analise a gravura e explique qual crítica ela revela. Gravura anônima do século XVIII. Biblioteca Nacional da França, Paris

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

HISTÓRIA Resolução OBJETIVO 2001

HISTÓRIA Resolução OBJETIVO 2001 1 Tito Lívio, em História de Roma, referindo-se às lutas entre patrícios e plebeus que se estenderam do século V ao IV a.c., escreveu: "... apesar da oposição da nobreza, houve eleições consulares em que

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 RESUMO: O presente estudo vem a demonstrar a evolução do trabalhador doméstico no tempo e espaço, desde o inicio de seu reconhecimento

Leia mais

Nabuco na sua luta pela abolição. Os filhos livres de mãe escrava serão abordados neste

Nabuco na sua luta pela abolição. Os filhos livres de mãe escrava serão abordados neste Meninos Livres, Mãe Escrava Vera Lúcia Braga de Moura 1 Antes de o escravo nascer sofre na mãe 2 assim preconizava o pernambucano Joaquim Nabuco na sua luta pela abolição. Os filhos livres de mãe escrava

Leia mais

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Como já dizia a importante historiadora Letícia Bicalho Canêdo, a Revolução Industrial não pode ser explicada somente a partir de uma aceleração

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil SIMÕES, Jacqueline; GENOVESE, Paulo; DARÉ, Vânia; CASTRO,

Leia mais

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL Fernando Souza OLIVEIRA 1 Pedro Anderson da SILVA 2 RESUMO Princípio do Desenvolvimento Sustentável como um direito e garantia fundamental,

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 647/XII ALTERA O CÓDIGO PENAL, CRIMINALIZANDO A PERSEGUIÇÃO E O CASAMENTO FORÇADO. Exposição de motivos

PROJETO DE LEI N.º 647/XII ALTERA O CÓDIGO PENAL, CRIMINALIZANDO A PERSEGUIÇÃO E O CASAMENTO FORÇADO. Exposição de motivos PROJETO DE LEI N.º 647/XII ALTERA O CÓDIGO PENAL, CRIMINALIZANDO A PERSEGUIÇÃO E O CASAMENTO FORÇADO Exposição de motivos A Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência contra

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO Autora: Ludmila Carla Campello Jorge 1 Coautores: Aniele Soares Alves 2 Mônica Ferreira dos Santos 3 Letícia Costa Barros 4 Annielly da Silva

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

Por Uma Questão de Igualdade

Por Uma Questão de Igualdade Por Uma Questão de Igualdade Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores membros do Governo Nos últimos 5 anos a Juventude Socialista tem vindo a discutir o direito ao Casamento

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE O TRÁFICO DE PESSOAS NO BRASIL: TENUIDADE DA LEGISLAÇÃO E O PODER DA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA. O QUE FAZER PARA MELHORAR?

APONTAMENTOS SOBRE O TRÁFICO DE PESSOAS NO BRASIL: TENUIDADE DA LEGISLAÇÃO E O PODER DA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA. O QUE FAZER PARA MELHORAR? APONTAMENTOS SOBRE O TRÁFICO DE PESSOAS NO BRASIL: TENUIDADE DA LEGISLAÇÃO E O PODER DA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA. O QUE FAZER PARA MELHORAR? Marcos Gabriel Eduardo Ferreira Martins de Souza¹, Cleia Simone

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 TRÁFICO DE PESSOAS Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo apresentar o tráfico

Leia mais

Ensino Religioso no Brasil

Ensino Religioso no Brasil Ensino Religioso no Brasil Frederico Monteiro BRANDÃO 1 Cláudio José Palma SANCHEZ 2 José Artur Teixeira GONÇALVES³ RESUMO: Esse artigo tem como objetivo expor uma parte da história do ensino religioso

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Audiência Pública nº 107/2013 ANEEL 04.11.2013 Recife - PE A títularidade dos serviços e a Resolução da Aneel

TRANSFERÊNCIA DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Audiência Pública nº 107/2013 ANEEL 04.11.2013 Recife - PE A títularidade dos serviços e a Resolução da Aneel TRANSFERÊNCIA DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA Audiência Pública nº 107/2013 ANEEL 04.11.2013 Recife - PE A títularidade dos serviços e a Resolução da Aneel Alfredo Gioielli CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 21. Compete

Leia mais

Zumbi dos Palmares Vida do líder negro Zumbi dos Palmares, os quilombos, resistência negra no Brasil Colonial, escravidão, cultura africana

Zumbi dos Palmares Vida do líder negro Zumbi dos Palmares, os quilombos, resistência negra no Brasil Colonial, escravidão, cultura africana DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA O Dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro no Brasil e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A data foi escolhida por coincidir

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

OBRIGAÇÃO DE SOLVÊNCIA, EMPRÉSTIMOS.

OBRIGAÇÃO DE SOLVÊNCIA, EMPRÉSTIMOS. OBRIGAÇÃO DE SOLVÊNCIA, EMPRÉSTIMOS. Luiz Paulo OLIVEIRA SPINOLA BARBOSA 1 RESUMO: Este presente artigo pretende discorrer de forma breve sobre o direito das obrigações, obrigação de dar coisa certa, na

Leia mais

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico introdução A Armadilha do Crédito Fundiário do Banco Mundial Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico abrangente sobre os programas do Banco Mundial para o campo no Brasil. O estudo foi realizado pela

Leia mais

O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO

O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO Carolina Cicarelli GUASTALDI 1 RESUMO: O presente trabalho tem como meta analisar o Código de Defesa do Consumidor como instrumento

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Keila Grinberg * Este paper está inserido no projeto de pesquisa que venho desenvolvendo atualmente sobre escravidão e formação das relações

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Curso: Fundamental I Ano: 5º ano Componente Curricular: História Professor (a): Cristiane

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 34/2012

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 34/2012 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 34/2012 Dispõe sobre a outorga de Salva de Prata em homenagem aos Salesianos pelo extraordinário trabalho social desenvolvido na área da educação. A CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza

O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza Desde 1996, com a criação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 9.394/96 (LDBEN), ficou estabelecido que a Educação Infantil

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 1 PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Carlos Eduardo Cadoca) Altera a Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980, Estatuto do Estrangeiro, visando à criação de procedimento alternativo para a obtenção de visto

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO A CIVILIZAÇÃO GREGA Localização: Península Balcânica Condições geográficas: relevo acidentado, montanhoso e solo pouco fértil, isolava os vários grupos humanos

Leia mais

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos A ocupação da América do Norte foi marcada por intensos conflitos entre ingleses e indígenas da região. Duas companhias de comércio foram autorizadas

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 151/IX APROVA O REGIME DA RESPONSABILIDADE PENAL DAS PESSOAS COLECTIVAS Exposição de motivos Vários instrumentos de direito convencional comunitário, assim como diversas decisões-quadro

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

Minerva Studio/ Shutterstock. O passado colonial do continente africano: dominação e espoliação

Minerva Studio/ Shutterstock. O passado colonial do continente africano: dominação e espoliação Minerva Studio/ Shutterstock O passado colonial do continente africano: dominação e espoliação Mark Schwettmann/ Shutterstock Elena Niccolai/ Dreamstime.com O processo de exploração e colonização do continente

Leia mais

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 - Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 - Os Escravos 1.3 - Os Servos 1.4 - As corporações de ofício 1.5 - A revolução industrial

Leia mais

O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA

O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA 11º Colóquio de Moda 8ª Edição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA The Child's Costume in The Middle Ages Neotte, Linda

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) Requer informações ao Ministro da Educação sobre que medidas estão sendo desenvolvidas para cooperar tecnicamente com os estados que não

Leia mais

ATA DA SEXTA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA MESA SETORIAL DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DO MINISTÉRIO DA SAÚDE - MSNP/MS

ATA DA SEXTA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA MESA SETORIAL DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DO MINISTÉRIO DA SAÚDE - MSNP/MS ATA DA SEXTA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA MESA SETORIAL DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DO MINISTÉRIO DA SAÚDE - MSNP/MS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 ABERTURA: Aos dezenove dias

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT

Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT Senhor presidente, Senhores e senhoras senadoras, Amigos que nos acompanham pela agência Senado e redes sociais, Hoje, ocupo

Leia mais

TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA

TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA Este Termo de Orientação tem por objetivo orientar o trabalho de assistentes sociais ao realizarem, em sua intervenção profissional,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Colégio: Nome: Nº Sem limite para crescer! Professor (a): Série: 1º ano Turma: Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Questão 01: Pela exploração do mercado mundial a burguesia imprime um caráter

Leia mais

O caso trata da situação de trabalho forçado e servidão por dívidas na Fazenda Brasil Verde, situada no norte do Estado do Pará.

O caso trata da situação de trabalho forçado e servidão por dívidas na Fazenda Brasil Verde, situada no norte do Estado do Pará. 4 de março de 2015 Ref.: Caso Nº 12.066 Trabalhadores da Fazenda Brasil Verde Brasil Senhor Secretário: Em nome da Comissão Interamericana de Direitos Humanos tenho honra de dirigir-me a Vossa Excelência

Leia mais

DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA. PALAVRAS-CHAVES: Deficiência, Trabalho, Proteção Legal.

DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA. PALAVRAS-CHAVES: Deficiência, Trabalho, Proteção Legal. DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA Acimarney Correia Silva Freitas¹, Cecília Grabriela Bittencourt², Érika Rocha Chagas 3, Maria do Rosário da Silva Ramos 4 ¹Orientador deste Artigo e Professor de

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 5 SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE Percepção de diferenças entre índios e não índios no Brasil hoje Estimulada e única, em % Base: Total da amostra (402) NÃO S/ URBANOS POPULAÇÃO NACIONAL

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 Cria a Contribuição Social sobre Grandes Fortunas (CSGF), e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei cria a Contribuição Social sobre

Leia mais

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação População conhece pouco a atual lei de cotas, mas acha que os partidos que não cumprem a lei deveriam ser punidos A maioria da população

Leia mais

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA Alvaro YANAGUI 1 RESUMO: O presente artigo integra assuntos da responsabilidade social e ambiental no que tange

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 RESUMO: O artigo trata da Consignação em Pagamento, encontrado em nosso Código Civil, na Parte Especial,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSULTORIA DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA Nota Técnica nº 13/2007 Medida Provisória nº 359/2007 NOTA TÉCNICA Nº 13/2007

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSULTORIA DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA Nota Técnica nº 13/2007 Medida Provisória nº 359/2007 NOTA TÉCNICA Nº 13/2007 NOTA TÉCNICA Nº 13/2007 SUBSÍDIOS À APRECIAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 359, DE 16 DE MARÇO DE 2007, QUANTO À ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Altera as Leis n os 10.355, de 26 de dezembro de 2001, 10.855,

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO: AUSÊNCIA DE CONCRETIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS E A BUSCA PELO ESTADO DE BEM ESTAR SOCIAL

PLANEJAMENTO URBANO: AUSÊNCIA DE CONCRETIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS E A BUSCA PELO ESTADO DE BEM ESTAR SOCIAL PLANEJAMENTO URBANO: AUSÊNCIA DE CONCRETIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS E A BUSCA PELO ESTADO DE BEM ESTAR SOCIAL Luis Paulo de Oliveira Aluno do Curso de Direito do UNIFOR MG SANT'ANNA, Mariana Senna.

Leia mais

Tratados internacionais para evitar a bitributação no Direito Brasileiro

Tratados internacionais para evitar a bitributação no Direito Brasileiro Page 1 of 7 DireitoNet - Artigo www.direitonet.com.br Link deste Artigo: http://www.direitonet.com.br/artigos/x/45/37/4537/ Impresso em 19/09/2008 Tratados internacionais para evitar a bitributação no

Leia mais

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Apresentação O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 24 anos este ano, mas sua história

Leia mais

22/05/2006. Discurso do Presidente da República

22/05/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura de protocolos de intenções no âmbito do Programa Saneamento para Todos Palácio do Planalto, 22 de maio de 2006 Primeiro, os números que estão no

Leia mais

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE Candomblé: Fé e Cultura 1 Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE RESUMO O presente trabalho apresenta, por meio de um ensaio fotográfico, a cultura do

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Marcelo Belinati)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Marcelo Belinati) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Marcelo Belinati) Acrescenta o inciso VII no parágrafo segundo do art. 171 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940, para tornar crime de estelionato a abertura

Leia mais

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br.

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br. 559 ASPECTOS GERAIS SOBRE OS PRINCÍPIOS GERAIS DA CONTABILIDADE E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E O PAPEL PREPONDERANTE DA CONTABILIDADE PÚBLICA NA PROBIDADE ADMINISTRATIVA Luis Gustavo Esse Discente do curso

Leia mais

A GÊNESE DE UMA PROFISSÃO FRAGMENTADA E AS AULAS RÉGIAS NO BRASIL

A GÊNESE DE UMA PROFISSÃO FRAGMENTADA E AS AULAS RÉGIAS NO BRASIL A GÊNESE DE UMA PROFISSÃO FRAGMENTADA E AS AULAS RÉGIAS NO BRASIL RELEMBRANDO UM POUCO A EDUCAÇÃO JESUÍTICA 1549 1759: Período Jesuítico: Educação com caráter catequizador. Ensino básico nas escolas de

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

O próprio secretário de saúde afirmou que seus antecessores adquiriam. medicamentos através de compras direcionadas e sem qualquer critério.

O próprio secretário de saúde afirmou que seus antecessores adquiriam. medicamentos através de compras direcionadas e sem qualquer critério. Senador Pedro Taques Discurso contas da Saúde MT (06/2013) Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores, Amigos que nos acompanham pela Agência Senado A saúde de Mato Grosso pede socorro.

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO O que é trabalho? A palavra trabalho deriva do latim tripalium, objeto de três paus aguçados utilizado na agricultura e também como instrumento de tortura. O trabalho está associado

Leia mais