RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA"

Transcrição

1 RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia entre raças, essa é uma realidade ainda bastante distante de ser alcançada. Isso se deve a variados fatores. É válido reforçar as ideias de Lilia Scwarcz no seu livro Racismo no Brasil. Segundo ela, até os dias atuais, um fato marca tristemente a história do nosso país. Esse marco refere-se ao fato de ter sido o Brasil, o último país das Américas a ter abolido a escravidão. Nessa perspectiva, a escravidão no Brasil durou mais de 300 anos, sendo que entre meados do século 16 até a oficialização da abolição do tráfico (1850), cerca de 3,6 milhões de africanos foram importados. Tendo em vista esse longo período de convivência com a escravidão, muitas manifestações do povo negro foram sendo inseridas no Brasil, prova disso é a culinária, as danças, o batuque, cores, as manifestações religiosas entre outros costumes. Além disso, alterou-se também as estruturas sociais. Tendo sido a escravidão um regime em que um indivíduo (considerado superior), tinha o poder sobre outro (considerado inferior), a escravidão justificou, legitimou a hierarquia social e impediu discussões referentes à cidadania. Inclusive, Caio Prado Júnior em Formação do Brasil Contemporâneo, afirma que a escravidão era o único setor organizado da sociedade colonial, em que as relações eram bem definidas. Assim, todo o trabalho manual ficou restrito ao trabalho escravo, afinal, nenhum homem livre empregava seus esforços físicos no trabalho. Os escravos eram, portanto, os pés e as mãos do Brasil, sem o braço negro nada feito. Então, por um longo período de tempo, o trabalho negro foi o alicerce do nosso país. Lilia Moritz relata que ao ser arrancado da África, o negro era separado dos seus costumes, de seus laços pessoais e perdia sua origem e sua personalidade. (pág.39), de modo que não mais tinham antepassados, nomes ou bens próprios. No que se diz respeito a isto, um documentário chamado de Atlântico Negro- na rota dos orixás, um entrevistado africano afirma que antes de virem para o Brasil, os negros eram obrigados a darem 7 voltas ao redor de uma árvore chamada de árvore do esquecimento. Segundo ele, os brancos acreditavam que com aquele ritual, os escravos esqueceriam toda a sua origem e antepassado. Contudo é óbvio que isso não tinha praticidade, pois,embora fosse difícil, os negros buscaram recriar sua religião e seus

2 costumes, para pô-los em prática. Afinal, eram proibidos de manifestarem suas crenças e modos próprios de vida. O escravo era assim, um bem pessoal e podia ser trocado, vendido, leiloado ou emprestado. Era realmente tratado como uma coisa, uma peça, como outra qualquer posse do seu dono. E até o destino do negro era de responsabilidade do seu proprietário. O escravo não decidia os rumos de sua vida. Um paradoxo da época era o fato de que a corte imperial civilizada queria que esse universo escravo fosse silencioso e despercebido, porém, o alto número de cativos era alarmante. Em 1849, 79 mil pessoas eram escravas, dos quais 75% eram africanos. Esse elevado número levou a uma divisão do Rio de Janeiro, onde de um lado tinha-se pessoas com hábitos ocidentais e do outro lado, tinha uma cidade composta praticamente por negros, apenas, região que ficou conhecida como pequena África. Assim, essa alta densidade de negros tornava-se uma ameaça à estabilidade da monarquia. Ou seja, para fora tinha-se a imagem de um Brasil ordeiro,pautado na propriedade agrária, enquanto internamente, tinha-se uma sociedade marcada pelo trabalho servil e por relações de desigualdades. A ciência constitui-se como uma armadilha a favor do racismo Até então, o negro era considerado propriedade, uma coisa, objeto. E Somente com a aproximação do fim da escravidão (1988) e o fim da monarquia (1889), a questão racial começou a ganhar espaço. Ao mesmo tempo em que essas questões começam a ganhar repercussão, surgiam também teorias raciais que negavam a possibilidade de igualdade, colocando-a como algo inalcançável. Os teóricos tinham por base uma ciência positiva e determinista e explicavam de forma muito objetiva que realmente havia diferenças entre os grupos humanos. Essas conclusões davam-se a partir da FRENOLOGIA, os estudiosos realizavam procedimento de medidas, estudavam a estrutura do crânio de modo a determinar a capacidade mental do indivíduo, o intelecto e características físicas. E segundo eles, tais estudos comprovavam as diferenças entre os indivíduos, e, assim, surge a noção de raça, a partir de conceitos biológicos que definiam os grupos humanos de acordo com o fenótipo. Assim, essas teorias ajudaram a colocar desigualdade como um sinônimo de inferioridade. Então, no Brasil, nega-se aquela idéia de que a miscigenação levaria à degeneração. Acreditando numa miscigenação positiva, contanto que, nessa miscigenação prevalecesse o branqueamento.por isso, no século 19, buscou-

3 se incentivar a imigração européia, como uma estratégia de branqueamento, de modo a tornar o país mais claro. (pág.43) A abolição A abolição da escravatura foi tida como conservadora, devido a seu caráter pacífico e gradual. Os abolicionistas não viam a libertação como algo revolucionário, pois se tratava apenas de acabar com o cativeiro, sem que houvesse qualquer outra proposta, como projetos de inserção da mão de obra desses negros ou até mesmo algum tipo de ressarcimento pelos serviços prestados. A prova do quanto o processo da abolição foi gradual, revela-se nas leis abolicionistas, principalmente nas leis: VENTRE LIVRE (1871), LEI DOS SEXAGENÁRIOS (1885) E LEI ÁUREA (1888) 1-VENTRE LIVRE (1871): Foi uma estratégia política para amenizar a oposição após a Guerra do Paraguai. Essa Lei estabelecia que os filhos de mulheres escravas nascidas a partir da promulgação da lei, seriam considerados livres. No entanto, as mães desses recém-nascidos continuavam sendo escravas. Por isso, os menores ficavam sob o poder dos senhores de suas mães, os quais teriam a obrigação de criá-los até os oito anos de idade. A partir dessa idade, o senhor teria duas opções: Receber do Estado uma indenização no valor de 600 mil réis (nesse caso,o governo é quem dá um destino a estes libertos), ou utilizar os serviços do menor até que ele completasse 21 anos de idade.essa segunda alternativa trazia mais vantagens aos senhores, já que a mão-de-obra era dependente basicamente do trabalho servil, ele continuava a utilizar o trabalho do escravo, além do mais, para não libertar o negro com 21 anos de idade, era comum os senhores alterarem a data de nascimento dos cativos, como um modo de aumentar a permanência dele. 2- LEI DOS SEXAGENÁRIOS (1885): Concedia liberdade aos escravos com mais de 60 anos de idade. Ou seja, essa lei beneficiava os proprietários e não os cativos, pois escravos com trinta anos já demonstravam aspectos de velhice, cabelos brancos e bocas desdentadas (pág.45) Então, aos sessenta anos de idade já não eram tão produtivos, portanto a liberdade desses homens era na verdade um benefício para os senhores. 3 -LEI ÁUREA (1888) Quando a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, boa parcela de escravos já tinha conseguido sua liberdade, pois os movimentos de fugas intensificavam-se e frequentemente saiam nos jornais a notícia de que proprietários dormiram com suas senzalas cheias e acordaram com elas

4 vazias, sem nenhum escravos.diante disso, o exército se negava a perseguir os fugitivos e controlar tal fato fica cada vez mais difícil. Assim, em 1.888, a Lei declarava extinta a escravidão. Porém o texto seco presente na lei, nada falava sobre o destino dessa grande população de recém-libertos, simplesmente silenciava sem fazer qualquer ressalva sobre o rumo desses indivíduos daquele momento em diante.as conseqüências dessa suposta organização no processo de libertação, foi colocar um imenso número de indivíduos pouco instruídos e despreparados para competirem com a mão-deobra imigrante. Vale destacar que, diferentemente de outros locais que estabeleceram ideologias raciais e criaram estratégias de separação, como o apartheid na África do Sul, a imagem que buscou-se passar aqui no Brasil, foi a de uma escravidão abolida harmoniosamente, levando a impressão de haver uma DEMOCRACIA RACIAL, dando uma idéia de que a abolição foi um presente do grupo dominante. O resultado disso tudo era que o Brasil passou a representar um acontecimento interessante, uma vez que não se via explicitamente manifestações conflituosas entre etnias, além de que não havia nenhuma medida oficial racial, transmitindo assim, uma falsa idéia de paraíso racial, num país que na verdade foi tão dependente da dominação racial e dependente de um cativeiro negro. (pág.48) Enfim, o Brasil acaba tendo uma história oficial reconstruída de forma romântica e mítica, ainda que não haja fundamentação a partir de documentos, já que RUI BARBOSA ( EM1890/ quando era ministro de finança), ordenou que todos os documentos e registros referentes á escravidão fossem destruídos. Segundo esse texto, Rui Barbosa teria dito que era necessário apagar o nosso passado negro. Embora toda a visão romântica construída, tem-se um país miscigenado onde o branco não é apenas uma cor, mas sim, uma qualidade superior. Porém, como esses conflitos raciais, ficam cada vez mais camuflados e subentendidos, maiores são as dificuldades de desvendálos e infelizmente temos essa falsa idéia de democracia racial. Se reunirmos um grupo de pessoas e perguntarmos se alguém tem preconceito racial, provavelmente ninguém levante a mão. Porém, se perguntarmos se há preconceito racial no Brasil, provavelmente todos levantem a mão. Então, a verdade é que ninguém quer ser visto e considerado racista, isso é moralmente ruim, porém eu, todos concordam que há vivemos num país racista, onde uma maioria tem preconceito, exceto eu. E essa é exatamente a principal característica do racismo brasileiro, o qual é frequentemente praticado, porém pouco oficializado, as pessoas não assumem, no entanto, esse silêncio não significa ausência. E mesmo com a proclamação da república afirmando a universalidade dos direitos, percebemos leis que visam punir o preconceito. Então, se tais leis são necessárias é porque o preconceito existe, ou então, não seria preciso a criação de leis para contê-lo.

5 Nessa perspectiva tem-se a lei que afirma ser o racismo um crime inafiançável. No entanto, para que uma atitude seja considerada discriminatória, é necessário que aconteça em público, como em: hotéis, bares, restaurantes, clubes, ônibus, entre outros, pois, é necessário que haja testemunha. Para Lilia Swarcz, pode-se perceber em alguns artigos da Lei, a predominância de 3 verbos: IMPEDIR, RECUSAR E NEGAR. 3- Impedir o acesso, 4- negar emprego, 5- Recusar inscrição, 7- Impedir acesso escolar, 8- impedir acesso a restaurante, entre outros.. Ou seja, a autora coloca que RACISMO É, PORTANTO, PROIBIR ALGUÉM DE FAZER ALGUMA COISA POR CONTA DE SUA COR DE PELE. Porém o texto da lei não é muito claro, acerca do ato da punição. A lei se cala no que se refere às atitudes discriminatórias no âmbito privado, e o que realmente acontece é que, geralmente, não há punições, pois os flagrantes costumam ser quase impossíveis. Além dessas falhas nas leis, percebemos claramente os contrastes da sociedade brasileira a partir dos números que demonstram a ausência de uma distribuição igualitária em vários aspectos. No censo de 1960, no que se refere ao salário- a renda média dos brancos era o dobro do restante da população e boa parte dessa diferença é atribuída à discriminação. Um sociólogo realizou investigou a possibilidade de racismo nas práticas penais e concluiu que há diferenças de tratamento baseado na cor. RÉUS negros tendem a ser mais perseguidos e encontram maiores dificuldades para terem direito de defesa, além de que têm uma pena mais rigorosa que os brancos. No que se refere à educação, há maior concentração de negros em escolas públicas e nos cursos noturnos. A taxa de analfabetismo atingia 30% dos negros e 12% dos brancos. A COR DOS BRASILEIROS: Em 1988, estimava-se que 55,55% da população era branca e 5,4% era preta. Portanto, há de fato um apartheid social neste país. Um preconceito que ocorre no âmbito privado e é visível, até mesmo, no matrimônio. Os negros casam mais tarde; dos indivíduos que se encontram no grupo celibatário ( que nunca casaram) o número mais alto é o de negros do sexo masculino. Além de que o maior número de casamentos ocorre entre grupos de pessoas da mesma cor. Enfim, a população mais escura ganha menos, tem acesso à educação de menor qualidade, casa-se mais tarde e morre mais cedo. Diante de tudo isso, é inútil falar que vivemos uma democracia racial.

6 Referências Bibliográficas PRADO JUNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo: colônia. 12. ed. São Paulo: Brasiliense, SCHWARCZ, Lilia. Racismo no Brasil, São Paulo, PubliFolha, 2001.

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória PRECONCEITO RACIAL O QUE É PRECONCEITO? Preconceito é um juízo pré-concebido, que se manifesta numa atitude discriminatória, perante pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. O preconceito

Leia mais

ERICK ANJOS ROZA. Conseqüências Sociais do Racismo no Brasil

ERICK ANJOS ROZA. Conseqüências Sociais do Racismo no Brasil ERICK ANJOS ROZA Conseqüências Sociais do Racismo no Brasil Resumo As questões sociais que envolvem os pretos no Brasil, são questões que vem sendo percebidas pela história há muito tempo atrás, vindo

Leia mais

EDUCAÇÃO E RACISMO: O RACISMO VELADO DA SOCIEDADE BRASILEIRA PRESENTE NA ESCOLA BRASILEIRA

EDUCAÇÃO E RACISMO: O RACISMO VELADO DA SOCIEDADE BRASILEIRA PRESENTE NA ESCOLA BRASILEIRA EDUCAÇÃO E RACISMO: O RACISMO VELADO DA SOCIEDADE BRASILEIRA PRESENTE NA ESCOLA BRASILEIRA Miriã Anacleto Graduada em Licenciatura Plena pelo curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

História da escravidão

História da escravidão BRAZIL, Carlos. História da escravidão. 2004. Disponível em: http://www.universia.com.br/materia/materia.jsp?materia=2852. Acessado por Luciane Cuervo em 18 de fev.2010. História da escravidão Carlos Brazil

Leia mais

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS VANESSA COUTO SILVA A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula SÃO PAULO 2012 Introdução Este trabalho buscará uma problematização

Leia mais

A necessidade das cotas raciais num país como o Brasil

A necessidade das cotas raciais num país como o Brasil A necessidade das cotas raciais num país como o Brasil Priscila Bezerra*, Geledés Estava eu, me preparando para dormir, quando resolvo dar aquela última passada no FB e me deparo com uma postagem que dizia:

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

AÇÃO PROPOSTA PELO PARTIDO DEMOCRATAS ENCAMPANHANDO A TESE DE MESTRADO DA DRA. ROBERTA KAUFFMAN PROCURADORA DO DF E MESTRE PELA UNB.

AÇÃO PROPOSTA PELO PARTIDO DEMOCRATAS ENCAMPANHANDO A TESE DE MESTRADO DA DRA. ROBERTA KAUFFMAN PROCURADORA DO DF E MESTRE PELA UNB. ADPF 186 AÇÃO PROPOSTA PELO PARTIDO DEMOCRATAS ENCAMPANHANDO A TESE DE MESTRADO DA DRA. ROBERTA KAUFFMAN PROCURADORA DO DF E MESTRE PELA UNB. O QUÊ PEDEM OS DEMOCRATAS A ação movida pelo Democratas impugna

Leia mais

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO LESSA CURSOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO 1 O ESTATUTO DO IDOSO O Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003, é o diploma legal que tutela e protege, através de um conjunto

Leia mais

PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES

PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES EMEF ANTÔNIO ANDRADE GUIMARÃES PROJETO CONSCIÊNCIA NEGRA: EDUCAÇÃO NÃO TEM COR. PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo louro, traz na alma, quando

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo?

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS NAYARA DE SOUZA ARAUJO Identidade: importância e significados Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? SÃO PAULO 2012 O que define um povo

Leia mais

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos 2 3 Artigo 1º, Direito à Igualdade Você nasce livre e igual em direitos como qualquer outro ser humano. Você tem capacidade de pensar e distinguir o certo do errado.você

Leia mais

REFLETIR SOBRE A HISTÓRIA DO NEGRO NO BRASIL: UMA REPOSTA AO RACISMO

REFLETIR SOBRE A HISTÓRIA DO NEGRO NO BRASIL: UMA REPOSTA AO RACISMO REFLETIR SOBRE A HISTÓRIA DO NEGRO NO BRASIL: UMA REPOSTA AO RACISMO FREITAS, Madalena Dias Silva 1 Universidade Estadual de Goiás - Unidade Universitária de Iporá ¹madalenafreitasf@hotmail.com RESUMO

Leia mais

A FORMAÇÃO SOCIAL BRASILEIRA: A REALIDADE HISTÓRICA DOS NEGROS

A FORMAÇÃO SOCIAL BRASILEIRA: A REALIDADE HISTÓRICA DOS NEGROS A FORMAÇÃO SOCIAL BRASILEIRA: A REALIDADE HISTÓRICA DOS NEGROS Wanderleide Berto Aguiar 1 É traçado neste trabalho, o caminho da exploração que perpassaram a historia do negro no Brasil. Neste aspecto,

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

Sistemas de cotas. sempre souberam manipular a mão-de-obra necessária à manutenção de suas riquezas, utilizando-se de métodos por vezes cruéis.

Sistemas de cotas. sempre souberam manipular a mão-de-obra necessária à manutenção de suas riquezas, utilizando-se de métodos por vezes cruéis. Sistemas de cotas Pierre Souto Maior Coutinho de Amorim Procurador Federal em Pernambuco O sistema de cotas é a forma pela qual o Estado se propõe a compensar os integrantes da raça negra, mediante a reserva

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS Maria Carolina de Sá França* RESUMO Este artigo objetiva desenvolver um estudo a cerca das cotas raciais na perspectiva das

Leia mais

RACISMO SE AFIRMA NA ESFERA PRIVADA E SE OCULTA NA ESFERA PÚBLICA PATRICIA LOPES DE VARGAS 1

RACISMO SE AFIRMA NA ESFERA PRIVADA E SE OCULTA NA ESFERA PÚBLICA PATRICIA LOPES DE VARGAS 1 RACISMO SE AFIRMA NA ESFERA PRIVADA E SE OCULTA NA ESFERA PÚBLICA PATRICIA LOPES DE VARGAS 1 Resumo: O presente artigo apresenta parte das discussões realizadas durante o projeto NEPSO, desenvolvido pelos

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Revista Científica FacMais A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Daniel Sotelo 1 Resenha da obra: FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler - em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora

Leia mais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Aprovada e proclamada pela Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris em sua 20.º reunião,

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS Plataforma dos Centros Urbanos SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS PARTICIPATIVAS DE SÃO PAULO INTRODUÇÃO Este relatório sintetiza os dados consolidados do processo de consulta participativa, realizado

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES RACIAIS/ÉTNICAS

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES RACIAIS/ÉTNICAS EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES RACIAIS/ÉTNICAS Maria Aparecida Silva Bento Doutora em Psicologia Social pela USP Diretora do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades Este resumo está ancorado

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Etnocentrismo, racismo e preconceito

Etnocentrismo, racismo e preconceito MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 1 TEXTO 1 Etnocentrismo, racismo e preconceito Nesse texto, você terá a oportunidade de rever as idéias que circulam à sua volta a respeito de racismo. Será que

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL

GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL O 22º CONSINASEFE aprovou a reorganização do GT Gênero e Raça, criado no IX CONSINASEFE realizado em Florianópolis em 1996, agora com o nome de GT Gênero, Raça,

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

Unidade II RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E. Profa. Ms. Crislaine de Toledo

Unidade II RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E. Profa. Ms. Crislaine de Toledo Unidade II RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E AFRO-DESCENDÊNCIA Profa. Ms. Crislaine de Toledo Objetivos gerais da Unidade II Nesta Unidade, abordaremos os seguintes assuntos: O Antirracismo na Legislação Brasileira

Leia mais

NEGROS: COTÁ-LOS OU BOICOTÁ-LOS?

NEGROS: COTÁ-LOS OU BOICOTÁ-LOS? TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 53 NEGROS: COTÁ-LOS OU BOICOTÁ-LOS? *Agnaldo Kupper RESUMO A polêmica da implantação de cotas para negros nas universidades públicas está na ordem do dia. Discutir sobre

Leia mais

PLATAFORMA DOS CENTROS URBANOS

PLATAFORMA DOS CENTROS URBANOS PLATAFORMA DOS CENTROS URBANOS Consulta às Lideranças das Comunidades Consulta às Crianças e aos Adolescentes Síntese dos resultados Março 2010 Introdução Este relatório sintetiza os resultados de duas

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS: UM ESTUDO INICIAL

AÇÕES AFIRMATIVAS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS: UM ESTUDO INICIAL AÇÕES AFIRMATIVAS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS: UM ESTUDO INICIAL Gina Glaydes Guimarães de Faria Fábia de Oliveira Santos NEPPEC FE/UFG guima.fa@uol.com.br fabia.psi@gmail.com Objetiva-se, neste

Leia mais

Grupo de trabalho G10 INCLUSÃO SOCIAL DEVIDO AOS PRECONCEITOS SUTIL E FLAGRANTE: UMA RETRATAÇÃO ESCOLAR RESUMO

Grupo de trabalho G10 INCLUSÃO SOCIAL DEVIDO AOS PRECONCEITOS SUTIL E FLAGRANTE: UMA RETRATAÇÃO ESCOLAR RESUMO Grupo de trabalho G10 INCLUSÃO SOCIAL DEVIDO AOS PRECONCEITOS SUTIL E FLAGRANTE: UMA RETRATAÇÃO ESCOLAR RESUMO Maria Goreth Santana Mestranda da Universidad Autónoma delsur Margosan2012@hotmail.com Artemes

Leia mais

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 TRÁFICO DE PESSOAS Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo apresentar o tráfico

Leia mais

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira.

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Discurso do Ex-Presidente Lula Outorga do Título de Doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira 1 de Março de 2013 Recebo com emoção o título de doutor

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS: IDENTIDADE E PRECONCEITO

RELAÇÕES RACIAIS: IDENTIDADE E PRECONCEITO RELAÇÕES RACIAIS: IDENTIDADE E PRECONCEITO Marcela Mari Ferreira Arai (marcela_arai@hotmail.com.br) UEL 1 Cecília Teixeira da Silva (ceciliatjornalista@hotmail.com) UEL 2 Jeniffer Modenuti (jeniffermodenuti@hotmail.com)

Leia mais

O CONFLITO DO RACISMO DURANTE A INFÂNCIA

O CONFLITO DO RACISMO DURANTE A INFÂNCIA O CONFLITO DO RACISMO DURANTE A INFÂNCIA Ana Cristina da Paixão Silva Daiana Moreira Gomes Thainá Oliveira Lima S egundo a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), o Brasil tem feito avanços expressivos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas.

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas. REVELANDO SENTIDOS E DESPERTANDO PERTENÇAS: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CAMPINA GRANDE-PB Acacia Silva Alcantara Graduanda Pedagogia UEPB/PROPESQ/PIBIC-Af

Leia mais

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA Andrea Palmerston Muniz 1 Jones Ferreira Matos 2 Lília Mara Sousa Ribeiro 3 Marciene Batista Soares 4 RESUMO: O presente

Leia mais

Cotas para negros e a luta de classes na sociedade brasileira

Cotas para negros e a luta de classes na sociedade brasileira Cotas para negros e a luta de classes na sociedade brasileira Isaac Warden Lewis Resumo O artigo discute os conceitos de universalidade e de totalidade abstrata, absoluta e unilateralmente baseados na

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. INTRODUÇÃO

AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. INTRODUÇÃO AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. Leandro Farias VAZ Mestrando em Geografia - UFG-IESA leandrofvaz@hotmail.com INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva discutir

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA?

DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA? DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA? Laís Abramo Socióloga e Doutora em Sociologia pela USP Diretora do Escritório da OIT no Brasil XXII Encontro Brasileiro de Administração Painel V Rio de Janeiro

Leia mais

Formação docente para educação infantil: políticas e metodologias para promoção da igualdade racial

Formação docente para educação infantil: políticas e metodologias para promoção da igualdade racial Assuntos em pauta na conjuntura educacional Ebulição Virtual Nº21 Formação docente para educação infantil: políticas e metodologias para promoção da igualdade racial Cristina Teodoro Trinidad Mestre em

Leia mais

8 Jeitos de Mudar o Mundo

8 Jeitos de Mudar o Mundo 8 Jeitos de Mudar o Mundo No dia 8 de setembro de 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU) sintetizou uma série de acordos internacionais firmados em diversas cúpulas mundiais e desenvolveu a Declaração

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Carlos Ugo Santander Universidade Federal de Goiás - UFG csantander@hotmail.com Resumo: O artigo tem como objetivo discutir as questões

Leia mais

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Professor: Almiro de Sena Soares Filho 1. Introdução A declaração de direitos humanos da Organização das Nações Unidas de 1948 significou um divisor de

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO

LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO MODULAR AVANÇADO Disciplina: Legislação Penal Especial Tema: Racismo e Estatuto do Idoso. Profa.: Patrícia Vanzolini Data: 30 e 31/05/2007 LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO 7716/89 INTRODUÇÃO 1) HISTÓRICO LEGISLATIVO

Leia mais

IGUALDADE RACIAL É PRA VALER!

IGUALDADE RACIAL É PRA VALER! IGUALDADE RACIAL É PRA VALER! IGUALDADE RACIAL É PRA VALER! IGUALDADE RACIAL É PRA VALER! IGUALDADE RACIAL É PRA VALER! O OLHAR NOS ENGANA! Nós enxergamos apenas a aparência e acabamos por tirar conclusões

Leia mais

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES Delydia Cristina Cosme e Silva 1 Resumo Este trabalho apresenta um panorama da inclusão da história e cultura afro-brasileira nos currículos

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

A questão racial brasileira vista por três professores

A questão racial brasileira vista por três professores A questão racial brasileira vista por três professores FLORESTAN FERNANDES JOÃO BAPTISTA BORGES PEREIRA ORACY NOGUEIRA Apresentação de LILIA MORITZ SCHWARCZ As entrevistas que se seguem foram APRESENTAÇÃO

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

1 Concurso Cartão de Natal - IMEPAC

1 Concurso Cartão de Natal - IMEPAC CONCURSO FOTOGRÁFICO CARTÃO DE NATAL IMEPAC O INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS, situado na Avenida Minas Gerais, 1889, Centro, na cidade de Araguari/MG, inscrita no CNPJ sob o n.º 11.010.877/0001-80,

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17. João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22

Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17. João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22 Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17 João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22 2. UM POETA NO JORNALISMO 25 O (quase) pai de família 35 3.

Leia mais

RACISMO NO BRASIL DIFERENCIAÇÃO INJUSTA CÓDIGO PENAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

RACISMO NO BRASIL DIFERENCIAÇÃO INJUSTA CÓDIGO PENAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 No dia 20 de novembro celebra-se o Dia da Consciência Negra. A data, comemorada nacionalmente desde 1978 e com feriados em algumas cidades desde 1995, marca o aniversário de morte de Zumbi, o líder do

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Habilidades: Verificar as características dos principais grupos étnicos formadores da população brasileira: indígenas, negros e brancos.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE TÍTULO DO TRABALHO Por: Ines Maria Azevedo do Nascimento Orientador Prof. Maria poppe Rio de Janeiro 2004 UNIVERSIDADE CANDIDO

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil

CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil Há séculos que estamos em luta. Antes contra a escravidão, hoje enfrentamos a discriminação e o racismo. Os anos

Leia mais

Prof. Dra. Laiana Lannes.

Prof. Dra. Laiana Lannes. Entre a miscigenação e a multirracialização: brasileiros negros ou negros brasileiros? Os desafios do movimento negro brasileiro no período de valorização nacionalista Prof. Dra. Laiana Lannes. O tema

Leia mais

HISTÓRIA. Questão 16. Com relação ao assunto tratado no texto acima, é correto afirmar que

HISTÓRIA. Questão 16. Com relação ao assunto tratado no texto acima, é correto afirmar que HISTÓRIA Questão 16 A identidade negra não surge da tomada de consciência de uma diferença de pigmentação ou de uma diferença biológica entre populações negras e brancas e(ou) negras e amarelas. Ela resulta

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Retratos da Deficiência no Brasil

Retratos da Deficiência no Brasil Retratos da Deficiência no Brasil Marcelo Neri com a colaboração de: Alexandre Pinto Wagner Soares Hessia Costilla Retratos da Deficiência no Brasil é uma obra realizada pelo Centro de Políticas Sociais

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

Educação em Direitos Humanos Extensão

Educação em Direitos Humanos Extensão Código / Área Temática Direitos Humanos Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação em Direitos Humanos Extensão QUALQUER ETAPA DE ENSINO Nível do Curso Extensão Objetivo O objetivo

Leia mais

PRECONCEITO, ESTEREÓTIPO E DISCRIMINAÇÃO

PRECONCEITO, ESTEREÓTIPO E DISCRIMINAÇÃO PRECONCEITO, ESTEREÓTIPO E DISCRIMINAÇÃO ESTEREÓTIPO : categoria favorável ou desfavorável que é partilhada por um grupo social ou cultural e que se refere a características pessoais, especialmente a traços

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL E FORMAS CORRELATAS DE INTOLERÂNCIA

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO)

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) 1 DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) Cláudio Amorim Pereira 1 Resumo Esse artigo tem como objetivo falar sobre a criança negra e a mídia é, sobretudo, discutir hegemonia, ideologia, monopólio

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

Preta/Parda 3.626.733 30,9 49,8 3,9 14,1. Branca 4.258.209 11,6 35,3 6.3 46,4

Preta/Parda 3.626.733 30,9 49,8 3,9 14,1. Branca 4.258.209 11,6 35,3 6.3 46,4 1 DESIGUALDADES RACIAIS NA TRAJETÓRIA ESCOLAR DE ALUNOS NEGROS DO ENSINO MÉDIO ZANDONA, Eunice Pereira UFMT eunice.zandona@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Segundo dados do Programa das Nações

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

Ação Tutorial: redesenho de uma ação. Universidades virtuales y centros de educación a distancia

Ação Tutorial: redesenho de uma ação. Universidades virtuales y centros de educación a distancia Ação Tutorial: redesenho de uma ação. Universidades virtuales y centros de educación a distancia Prof. MSc. Paulo Cesar Lopes Krelling Universidade Federal do Paraná Núcleo de Educação a Distância Praça

Leia mais

UNIDADE 3 RACISMO NO BRASIL

UNIDADE 3 RACISMO NO BRASIL UNIDADE 3 RACISMO NO BRASIL Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 3 Racismo no Brasil Objetivos: Refletir sobre as manifestações do racismo no Brasil e as formas

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1 EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS Tendo em vista a construção do PNE e do SNE como política de Estado, são apresentadas, a seguir, proposições e estratégias, indicando

Leia mais

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU Felipe Agenor de Oliveira Cantalice Universidade Estadual da Paraíba/CH Orientador: Prof. Dr. Waldeci Ferreira Chagas Neste trabalho analisamos o cotidiano dos moradores

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR.

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. Elienai R.Fonseca 1, Consuela de Souza Romão 2, Marcelo Expedito Costa 3, Ana Maria da S. Raimundo 4, Vera Lucia Ignácio Molina 5 1,

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social 1ª Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial - Conapir Eu tenho um sonho... de que um dia minhas quatro crianças viverão numa nação onde elas não serão julgadas pela cor da sua pele, mas pela

Leia mais

Trabalho realizado por: Vanessa Teixeira Nº 318. Vanessa Mediros Nº319. Turma:10ºL. Tema: Exclusão/Inclusão Social. Disciplina: Filosofia.

Trabalho realizado por: Vanessa Teixeira Nº 318. Vanessa Mediros Nº319. Turma:10ºL. Tema: Exclusão/Inclusão Social. Disciplina: Filosofia. Trabalho realizado por: Vanessa Teixeira Nº 318. Vanessa Mediros Nº319. Turma:10ºL. Tema: Exclusão/Inclusão Social. Disciplina: Filosofia. Professor: David Afonso. Indíce : Indíce...página 2 Introdução..página

Leia mais

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora)

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS I MÓDULO IV Discutir sobre a educação das relações étnico-raciais na escola,

Leia mais

MINHA COR E A COR DO OUTRO: QUAL A COR DESSA MISTURA? - OLHARES SOBRE A DIVERSIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

MINHA COR E A COR DO OUTRO: QUAL A COR DESSA MISTURA? - OLHARES SOBRE A DIVERSIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL MINHA COR E A COR DO OUTRO: QUAL A COR DESSA MISTURA? - OLHARES SOBRE A DIVERSIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniela Lemmertz Bischoff Leni Vieira Dornelles RESUMO: A presente pesquisa procura investigar de

Leia mais

Lilia Moritz Schwarcz

Lilia Moritz Schwarcz ENTREVISTA Lilia Moritz Schwarcz Quase pretos, quase brancos CARLOS HAAG FOTOS MIGUEL BOYAYAN Quando vós nos feris, não sangramos nós? Quando nos divertis, não rimos nós? Quando nos envenenais, não morremos

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

Direito à vida, direito à saúde e direito à alimentação adequada

Direito à vida, direito à saúde e direito à alimentação adequada CURSO DE EDUCADOR SOCIAL MÓDULO II- AULA 2 Direito à vida, direito à saúde e direito à alimentação adequada ITS Brasil1 Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República2 Nascemos iguais,

Leia mais

Tarefa 1 As leituras solicitadas, até o momento, me deram uma idéia da complexidade do campo do planejamento. Neste artigo, irei resumir os temas principais que eu aprendi com essas leituras, que abrangem

Leia mais

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais