USUCAPIÃO DE IMÓVEIS: QUADRO ATUAL DA LEGISLAÇÃO E DA JURISPRUDÊNCIA NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USUCAPIÃO DE IMÓVEIS: QUADRO ATUAL DA LEGISLAÇÃO E DA JURISPRUDÊNCIA NO BRASIL"

Transcrição

1 USUCAPIÃO DE IMÓVEIS: QUADRO ATUAL DA LEGISLAÇÃO E DA JURISPRUDÊNCIA NO BRASIL José Isaac Pilati Professor de Direito Civil da Universidade Federal de Santa Catarina e Convidado da ESA/SC Curso ministrado na sede da ESA-OAB/SC, em Florianópolis, em 28 de junho de Introdução O CCB, no Livro III da Parte Especial: Direito das Coisas, tipifica e disciplina três modos de aquisição da propriedade imobiliária: usucapião, registro do título e acessão. Vou tratar aqui do primeiro caso, a usucapião, destacando dois aspectos: o primeiro, de que o contexto da abordagem é de um direito civil constitucionalizado, ou seja, com o foco principal na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, de cujos postulados vêm emergindo nos últimos anos novas espécies de usucapião especial; e o segundo, de que a usucapião é modo de aquisição não só da propriedade, mas também de todos os direitos reais de gozo dela desdobráveis: superfície, enfiteuse, servidão, usufruto, uso, habitação, concessão de uso e concessão de uso especial para fins de moradia (art do CC). Destaco também que não vou me ocupar da usucapião de bens móveis (CC 1260), voltando-me à realidade imobiliária. O fenômeno da constitucionalização consagrou novas espécies de usucapião, as usucapiões especiais constitucionais, que passam a conviver com a usucapião comum tradicional, bipartida esta em ordinária e extraordinária (conforme a presença ou não dos requisitos do justo título e da boa-fé). As usucapiões especiais cogitam de outros requisitos específicos, pois que surgem por desígnio dos princípios e direitos sociais constitucionais, como o direito à moradia, à proteção da família e ao cumprimento da função social da propriedade e da cidade. Assim, o advogado que propuser uma ação de usucapião constitucional especial vai seguir o rito próprio da espécie, e não o comum do art do CPC, que é destinado aos casos de usucapião tradicional do CC. Usucapião vem de usu capere, que significa tomar pelo uso, pela posse longeva, dentro de determinados requisitos e nos casos permitidos pelo 1

2 Direito. O texto antigo mais completo de que dispomos a respeito dos modos de aquisição é o das Institutas de Gaio; que trata da usucapião no Livro 2.41 usque 2.63: um ano para os móveis e dois anos para os imóveis, vedado tal direito ao ladrão, ao adquirente de má-fé, e até ao adquirente de boa-fé que tivesse adquirido do ladrão (2.49). O Digesto de Justiniano dedica à usucapião o Título 3 do Livro 41, como instituto introduzido a serviço do bem público: bono publico usucapio introducta est (41.3.1, Gaio); e adota a seguinte definição, de Modestino: agregação do domínio pelo tempo determinado na lei (41.3.3). Para nós usucapião da propriedade é o modo de aquisição que se dá mediante posse com animus domini, mansa, pacífica e ininterrupta, pelo prazo da lei. Posse própria, pública, sem interrupção e sem oposição juridicamente significativa. Não vou me ater à evolução histórica da usucapião, do medievo às codificações, partindo de imediato para o conceito de cada espécie, a classificação, os requisitos e os procedimentos respectivos. Isso vai me conduzir às lições jurisprudenciais que selecionei em pesquisa, sem perder de vista a exigüidade do tempo disponível para assunto tão vasto, complexo e dinâmico. Vou falar em tom de conferencista, por uma questão de disciplina de exposição e observância do tempo; mas estou franqueando as perguntas e interrupções que julgarem oportunas; cientes todos de que no final estarei aberto ao debate e à troca de idéias com colegas que pela própria atividade que exercem, muito tem a ensinar a mim e aos demais presentes que me honram com tamanho prestígio. 1 Conceito, fundamento, finalidade e objeto da usucapião Usucapião é um modo originário de aquisição da propriedade mediante posse própria com animus domini; e bem assim, modo de aquisição de outros direitos reais de gozo exercidos com animus rem sibi habendi (como usufruto, uso, habitação, superfície e servidão); aquisição em face de posse ad usucapionem mansa, pacífica e ininterrupta, por determinado tempo fixado em lei, conforme a espécie de usucapião de que se trate. A posse ad usucapionem exterioriza sempre o direito real pretendido: propriedade agrária com atividade agrária, enfiteuse com comportamento de enfiteuta; quem ocupa área de preservação perfilha-se com a preservação ou a concessão de uso especial para fins de moradia. É originário porque a aquisição não se dá por transmissão de proprietário anterior, e sim pelo cumprimento dos requisitos objetivos previstos na lei. A sentença declara-o, e o registro da carta de sentença dá-lhe publicidade; ou seja, a anotação no álbum imobiliário não é 2

3 constitutiva do direito, mas autoriza a dispor doravante do bem como proprietário declarado. 1.1 O fundamento da usucapião é objetivo: utilidade social. Interessa ao Direito sob a civilização, que cada coisa tenha um dono, que cuide dela de acordo com o interesse geral da Sociedade. Proprietário relapso que abandona o bem é preterido pelo direito, de um ponto em diante, em favor daquele que dá à coisa a destinação social de utilidade. A usucapião serve, ainda, para consolidar as aquisições, pacificar os conflitos, dar segurança e estabilidade à propriedade, além de facilitar como meio de prova. Por isso, quem já preencheu os requisitos pode alegá-lo como matéria de defesa (súmula 237 do STF, lei 6.969/81, art. 7º e lei /01 art. 13) 1 ; e pode defender-se como proprietário do bem (e não só como possuidor) antes mesmo de propor a ação de usucapião. Estou falando da ação publiciana, que decorre da autonomia desse modo de aquisição. 1.2 O objeto da usucapião no Direito das Coisas é a res habilis, ou seja, qualquer direito real de gozo suscetível de posse particular ad usucapionem. Nem todas as coisas sujeitas a tal modo de aquisição, ainda que corpóreas. As coisas fora do comércio, como os bens públicos, por exemplo, são insuscetíveis de aquisição particular; bens públicos não se adquirem fora do regime de direito administrativo que lhes é próprio. A mesma coisa se diga dos bens incorpóreos extrapatrimoniais como o ar e o meio ambiente, ou órgãos humanos para transplante. Mas há exceções: o Direito atual prevê a aquisição de concessão de uso especial para fins de moradia sobre imóvel público, assim como usucapião de linha telefônica, apesar de se tratar de simples serviço (STJ, Súmula 197). Os bens gravados com cláusula de inalienabilidade podem ser perdidos por usucapião: a possibilidade de conluio entre as partes, como alerta Gonçalves 2 apoiado na opinião de Orlando Gomes, não compromete a regra (cumpre provar a fraude, no caso, e frustrar o intento ilícito das partes). Por outro lado, não corre prazo de usucapião contra certas pessoas, como os menores impúberes e as pessoas que estão a serviço do país no Exterior (art c/c do CC). Também não corre prazo, regra geral, entre condôminos. 1 Art. 13 da lei /2001: A usucapião especial de imóvel urbano poderá ser invocada como matéria de defesa, valendo a sentença que a reconhecer como título para registro no cartório de registro de imóveis. 2 GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: direito das coisas. 7 ed. São Paulo: Saraiva, 2012, p

4 2 Requisitos da usucapião Para se obter a usucapião devem-se preencher alguns requisitos, pertinentes aos sujeitos, à própria coisa e ao aspecto formal. 2.1 Requisitos pessoais: o pretendente deve ser capaz e ter a qualidade para adquirir o direito no caso concreto (1244 e ). O juiz de uma causa, por exemplo, não pode usucapir bens objeto de sua judicatura; o cônjuge não pode usucapir contra o outro, ressalvada a exceção recente da lei 12424/2011. Outro caso, conforme dito é o do condômino, salvo no condomínio pro diviso. 2.2 Requisitos reais: objeto deve ser suscetível de posse particular, e não pode estar sob outro regime jurídico que não o direito das coisas, como é o caso, por exemplo, das coisas fora do comércio. Os bens públicos, como os terrenos de marinha, por exemplo, não podem ser usucapidos a título de propriedade pura, já que pertencem à União Federal. 2.3 Requisitos formais: são comuns (posse ad usucapionem e prazo) e especiais (justo título e boa-fé). Os requisitos formais especiais, quando presentes, têm o condão de diminuir o prazo de aquisição; é a usucapião ordinária. Uma escritura de posse, por exemplo, não é justo título, é mero instrumento de acessio possessionis. Justo título é uma escritura formalmente perfeita e registrada, mas que não transmite a propriedade em razão de algum defeito, como a procedência a non domino. Se concorrer boa fé, esses dois requisitos juntos e somados tem o condão de reduzir em 5 anos o prazo de usucapião extraordinária; sob o nomen iuris de usucapião ordinária. Este justo título ad usucapionem não se confunde com o justo título ad interdicta do parágrafo único do art do CC 3, que interessa à presunção da boa fé. Estes são os requisitos das usucapiões comuns. As usucapiões especiais acrescentam outros, que passo a examinar. 2.4 Usucapiões especiais: as usucapiões especiais, em cada caso, dependem da combinação de requisitos específicos, na forma da legislação própria, caso a caso. 3 Art. 1201, parágrafo único do CC: O possuidor com justo título tem por sai a presunção de boa-fé, salvo prova em contrário, ou quando a lei expressamente não admite esta presunção. 4

5 3 Espécies de usucapião e classificação: comuns e especiais Com a constitucionalização do direito civil, temos hoje um divisor de águas entre espécies tradicionais de usucapião de imóveis, as usucapiões comuns, ou seja, a extraordinária e a ordinária; e as novas espécies, ditas especiais constitucionais que surgiram desde a usucapião pro labore introduzida pela Constituição Federal de 1934 (art. 125) e mantida pela Carta de 1937 (art. 151, 3º); objeto hoje das leis 4504/64 (art. 98) e 6969/81; bipartida em urbana e rural pela CRFB/88 (art. 183 e 191), com reflexo no Estatuto da Cidade (art. 9º e 10), no CC (art e 1240), na MP 2220/2001 (concessão de uso especial para fins de moradia, singular e coletiva) e na lei 12424/2011 (art A do CC, usucapião entre cônjuges); e usucapião extrajudicial (lei 11977/2009). As diferenças entre as duas categorias, comum e especial, são radicais quanto aos requisitos, e especialmente, quanto ao procedimento. Então, as espécies de usucapião no direito contemporâneo são as seguintes: 3.1 Usucapião comum Extraordinária: Art. 1238: aquisição da propriedade em 15 e 10 anos (conforme haja ou não a posse trabalho 4 do parágrafo único, a qual pode reduzir o prazo, de 15 para 10 anos). Rito do art. 941 do CPC. 3.2 Usucapião comum Ordinária: art. 1242: em 10 anos mediante justo título 5 e boa-fé, ou até mesmo em 5 anos, se, além disso, concorrer posse-trabalho (moradia e/ou atividade produtiva). O rito é o do art. 941 do CPC. 3.3 Especial urbana: art do CC, art. 9º do Estatuto da Cidade e 183 da CRFB/88: possuir como sua (posse própria, com animus domini), por 5 anos ininterruptos e sem oposição, imóvel em zona rural ou urbana, área de terra não superior a 250m2, utilizando-a para sua moradia ou de sua família e desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural. Se tiver uma simples posse de outra área? Não será obstáculo, a menos que esteja pleiteando usucapião da outra área, o que arrastaria os dois pedidos para o âmbito da usucapião comum. O rito é sumário (art. 14 do EC). Não se exige boa fé nem justo título. O seu caráter constitucional prevalece frente a exigência de área mínima maior pelo plano diretor. 3.4 Especial rural: art.1239 do CC, 191 da CRFB e art. 1º da lei 6969/81 6 : 5 anos, até 50 ha. de área de terra em zona rural, tornando-a produtiva por seu 4 Parágrafo único do art do Código Civil: O prazo estabelecido neste artigo reduzir-se-á a dez anos se o possuidor houver estabelecido no imóvel sua moradia habitual, ou nele realizado obras ou serviços de caráter produtivo. 5 Art. 1242, parágrafo único do Código Civil: Será de cinco anos o prazo previsto neste artigo se o imóvel houver sido adquirido, onerosamente, com base no registro constante do respectivo cartório, cancelada posteriormente, desde que os possuidores nele tiverem estabelecido a sua moradia, ou realizado investimentos de interesse social e econômico. 5

6 trabalho ou de sua família, tendo nela sua moradia, e desde que não seja proprietário de outra área rural ou urbana. Se o pretendente tiver duas posses, obterá a usucapião daquela que requerer e preencher os requisitos; e posteriormente perseguirá a outra, mediante usucapião comum. O rito é o Sumário (art. 5º da lei 6969/81). Dispensa justo título e boa fé. 3.5 Coletiva urbana: é a prevista no art. 10 do Estatuto da Cidade (Lei 10257/01). O objeto são áreas urbanas por localização ou por destinação (moradia, comércio), ocupadas por pessoas de baixa renda que não tenham outra propriedade; utilizadas para moradia, e em condições em que não seja possível identificar os terrenos ocupados por cada possuidor, cuja fração máxima é de 250 m2. A lei presume frações iguais, a menos que os litisconsortes admitam expressamente diferenças. Se um dos pretendentes não preencher pessoalmente os requisitos, deve lançar mão da via própria, sem prejuízo de ninguém. Se o objeto for imóvel rural, poderá ser considerado urbano por destinação (moradia, comércio). 3.6 Concessão de uso especial para fins de moradia: art. 183, 1º da CRFB, MP 2220/01, lei 11481/07 e CCB art. 1225, XI. Aquele que tiver possuído por cinco anos ininterruptos e sem oposição, área de até 250 m2 de imóvel público 7 situado em área urbana, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, tem direito à concessão de uso especial para fins de moradia em relação ao bem objeto da posse, por via judicial ou administrativa (e registro no álbum imobiliário); desde que não seja proprietário ou concessionário, a qualquer título, de outro imóvel urbano ou rural. O direito é concedido uma única vez ao mesmo concessionário (art. 1º, 2º) e pode ser concedido à mulher ou ao homem ou a ambos. 3.7 Concessão coletiva de uso especial para fins de moradia. Trata-se do caso anterior, que admite a forma coletiva de aquisição (art. 2º da MP), sendo que a fração ideal de cada possuidor não poderá ser superior a 250 m2. Os ocupantes regularmente inscritos em imóveis públicos, que preencham os requisitos da MP, art. 1º e 2º, poderão optar pelo regime da concessão especial 6 Reza o art. 1º da lei 6969/81: Todo aquele que não sendo proprietário rural nem urbano, possuir como sua, por 5 (cinco) anos ininterruptos, sem oposição, área rural contínua, não excedente de 25 (vinte e cinco) hectares, e a houver tornado produtiva com seu trabalho e nela tiver sua mordia, adquirir-lhe-á o domínio, independentemente de justo título e boa-fé, podendo requerer ao juiz eu assim o declare por sentença, a qual servirá de título para transcrição no Registro de Imóveis. Por essa lei, a usucapião especial abrange terras devolutas em geral (art. 2º) excetuando-se áreas indispensáveis à segurança nacional, terras habitadas por silvícolas, ares de interesse ecológico consideradas como tais as reservas e parques assim declarados, assegurada aos atuais ocupantes a preferência para assentamento em outras regiões, pelo órgão competente (art. 3º). No caso de terras devolutas pode ser reconhecida administrativamente (art. 4º, 2º). Esta modalidade de usucapião foi introduzida pelo art. 125 da CF/34, para imóveis rurais e urbanos (até 10 ha), mantido na CF/37 (art. 151, 3º, 125 ha), passando para o Estatuto da Terra, lei 4.504/64, art. 98, e depois para a lei 6969/81. 7 O DL 271/67 trata de concessão de uso de terreno público e particular. 6

7 (art. 3º), assim como Poder Público, em caso de risco à vida e à saúde dos ocupantes, pode garantir o direito em outro local (art. 4º); a mesma coisa pode ser feita no caso de a área situar-se em imóvel de uso comum do povo, destinado a projeto de urbanização, de interesse da defesa nacional, preservação ambiental e de ecossistemas, reservado à construção de represas ou situado em via de comunicação (art. 5º). O direito pode extinguir-se, cancelando o registro, se o concessionário der destinação diversa ao imóvel ou se adquirir a propriedade ou a concessão de uso de outro imóvel urbano ou rural (art. 8º). Esse direito pode ser hipotecado, conforme art. 1473, VIII do CC (e arrematado por quem preencha os requisitos da lei, evidentemente), alienado e herdado, com preferência para o herdeiro que se encontre na posse, sem direito dos demais. O art. 9º da MP também faculta ao Poder Público conceder o direito à concessão de uso para fins comerciais, nas mesmas condições, mutatis mutandis. Os dispositivos dessa MP também se repetem, na mesma linha, na lei 11977/2009, inclusive na possibilidade de o direito ser concedido pelo Poder Público, a qualquer momento, em outro lugar (art. 71-A e parágrafos). 3.8 Usucapião entre cônjuges: art A, introduzido pela lei 12424/2011. O exercício de posse exclusiva sobre imóvel urbano de até 250 m2, em caso de propriedade dividida com ex-cônjuge ou ex-companheiro que abandonou o lar, desde que utilizada para moradia ou de sua família, acarreta a aquisição do domínio integral (sic) desde que o pretendente não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural; e não tenha sido beneficiado mais de uma vez pelo mesmo direito. Destaca-se a impropriedade técnica das expressões: posse direta (o caso é de usucapião entre co-proprietários e não de desdobramento da posse) e domínio integral (bastaria dizer domínio). 3.9 Usucapião extrajudicial: lei 11977/2009 (art. 46 et seq). Esta lei de cunho social é dedicada à regularização fundiária de assentamentos de pessoas de baixa renda, localizados em áreas urbanas. A regularização fundiária seja de interesse social (art. 53) seja específico (art. 61) pode incluir imóvel público, e permite a averbação do auto de demarcação no Registro de Imóveis, com concessão de título de legitimação de posse aos ocupantes cadastrados (art. 58 e 1º). Essa legitimação de posse assegura e constitui direito à moradia aos que não tenham outro imóvel e não tenham gozado de idêntico benefício anterior (art. 59 e 1º). E confere direito a usucapião após 5 anos de posse, mediante procedimento que corre extrajudicialmente, perante o oficial do Registro de Imóveis (art. 60). Se a área for maior do que 250 m2, a usucapião será concedida no prazo da espécie pertinente. 7

8 3.10 Usucapião de direitos reais sobre coisa alheia de gozo: assim como se adquire propriedade também se adquirem por usucapião direitos limitados de gozo, como usufruto e superfície, por exemplo. Qual é o prazo e qual é o procedimento? O mesmo da usucapião correspondente da propriedade. Se o usufruto é sobre área urbana de 250 m2, para moradia, e o usufrutuário não possuir outro bem imóvel, o prazo será de cinco anos. Se for usufruto de dois milhões de m2 de terras, por exemplo, será pelo prazo de usucapião ordinária ou extraordinária, conforme haja ou não justo título e boa fé Casos anômalos de usucapião: em princípio usucapião recai somente sobre coisas, no sentido técnico jurídico, ou seja, bens corpóreos que estão no patrimônio privado e que sejam suscetíveis de posse. Todavia, não é incomum a lei criar espécies de usucapião que escapam desse figurino, como é o caso da concessão de uso especial para fins de moradia. Mas, no Brasil, o direito pretoriano criou a usucapião de linha telefônica, conforme a súmula 193 do STJ. É um caso anômalo, considerando que se trata de criação de um novo direito real pela jurisprudência. Contraria o dogma dos direitos reais como numerus clausus da lei, e é isso que chama atenção Desapropriação judicial: art. 1228, 4º e 5º: em autos de ação reivindicatória, tendo por objeto extensa área, ocupada por mais de cinco anos por considerável número de pessoas, de forma ininterrupta e de boa-fé, com realização, em conjunto ou separadamente, de obras e serviços considerados pelo juiz de interesse social e econômico relevante, o juiz pode fixar o valor da justa indenização devida ao proprietário, e os réus, pagando tal preço, obterão, pela sentença, o título de propriedade para registro. Observe-se que, por falta de algum requisito, essas pessoas não têm direito a usucapião especial Retificação de área: após as leis 11977/09 e 12424/11 instituindo a usucapião extrajudicial, feita em cartório, começa a perder chão o entendimento do STJ que refutava a retificação de área do art. 212 e seguintes da Lei 6015/73, simplificada pela lei 10931/04. Com efeito, o STJ vem decidindo assim: A ação de retificação de registro não se presta para a aquisição de propriedade de imóvel sem o correspondente título dominial, nem tampouco para o acréscimo significativo da área original (STJ, Resp. n /ES. Quarta Turma, Rel. Min. Cesar Asfor Rocha, j. 06/12/2005). Ora, se a usucapião que é o mais pode ser feita em cartório, porque não o pode a retificação meramente administrativa não impugnada? E que não opera coisa julgada? 8

9 3.14 A ação publiciana: também merece menção frente ao direito de usucapião como modo de aquisição; porque frente ao art do CC 8, é um recurso jurídico valioso para o caso de perda da posse por quem não disponha de título de propriedade já tendo tempo de usucapião. É uma ação petitória de emergência, em que a usucapião é meio de prova, meramente; recuperada a posse com base no direito de usucapião, incumbe ao interessado propor a ação competente de usucapião para usufruir de todos os direitos pertinentes. 4 Diferenças principais entre usucapião comum e usucapião especial Sãos muitas as diferenças entre essas duas categorias, sendo de se destacar as referentes a rito, requisitos, prazos, e alegação em defesa (exceção de usucapião). 4.1 Quanto à usucapião comum O procedimento do processo de usucapião comum ordinária e extraordinária, tanto no caso da propriedade quanto dos direitos reais limitados correspondentes, como a servidão (1379 do CC), está disciplinado nos art do CPC. O art. 942 estabelece que o autor, expondo na petição inicial o fundamento do pedido e juntando planta do imóvel, obrigatoriamente requererá a citação daquele em cujo nome estiver registrado o imóvel usucapiendo; bem assim, dos confinantes e, por edital, dos réus em lugar incerto e dos eventuais interessados, observado quanto ao prazo, o disposto no art. 232 IV (entre 20 e 60 dias contados da publicação do edital). Os Documentos exigidos são: comprovantes de residência, de renda, certidão atualizada do terreno ou documento de posse, nome e endereço das partes confrontantes, rol de testemunhas com endereço e qualificação, planta descritiva da área, assinada por profissional habilitado, carnê do IPTU, fotografias com negativos. Diversas Súmulas disciplinam a matéria. Súmula 340 STF (bens dominicais públicos não podem ser adquiridos por usucapião desde o CC/16); Súmula 263 STF (possuidor deve ser citado pessoalmente); Súmula 391 STF (idem o confinante); Súmula 99 STJ (o MP tem legitimidade para recorrer, mesmo que não haja recurso da parte); Súmula 150 STJ (competência da Justiça Federal ns ações de interesse da União). Art. 943: intimação de representantes da Fazenda de União, Estados e Municípios, DF e Territórios: será por via postal. Os requisitos da usucapião comum são aqueles do n. 2 a 2.3 supra. 8 Art do CC: O possuidor pode intentar a ação de esbulho, ou a de indenização, contra o terceiro, que recebeu a coisa esbulhada sabendo que o era. 9

10 A exceção de usucapião comum ou usucapião como defesa é matéria da Súmula 237 do STF, que diz: O usucapião pode ser argüido em defesa. A jurisprudência dispensa a presença do MP nos casos de alegação de usucapião como defesa, na modalidade de usucapião comum (RJTJSP 110/366) 9 ; embora o disposto no art. 944 do CPC. Na usucapião especial, em face da legislação, é sempre obrigatória a presença do MP, mesmo nos casos de alegação como exceção (art. 11, 1º do Eci). O MP catarinense, por força do art. 944 do CPC e do Provimento 07/75 e hoje o Ato 103/2004/PGJ, deve ser intimado e manifestar-se nos processos de usucapião como fiscal da lei, ou como representante dos ausentes, velando contra irregularidades; inclusive para verificar se o imóvel está descrito com exatidão, tendo em vista os requisitos para o registro da nova propriedade imobiliária (v. Anexo II). De qualquer modo, perante a alegação de usucapião comum como defesa, o sucesso da exceção não dispensa a parte de propor, posteriormente, a ação de usucapião própria para obter a declaração do domínio ou outro direito real. 4.2 Quanto à usucapião especial É previsto o procedimento sumário para as usucapiões especiais rurais, do art do CC e da lei 6969/81(art. 5º); e para as urbanas do art do CC e Estatuto da Cidade (art. 14). A lei 6969/81 faz referência à competência (comarca da situação do imóvel, art. 4º); aos requisitos da petição inicial (art. 5º e ), prevendo a dispensa da respectiva planta, que deverá ser providenciada pela autoridade judicial no âmbito da justiça gratuita, a qual inclui as despesas com Registro (art. 6º). Quanto à usucapião urbana, o Estatuto da Cidade acrescenta outros aspectos relativamente ao procedimento: legitimidade ativa do possuidor, isolado ou em litisconsórcio originário ou superveniente; dos compossuidores; de substituto processual, a associação de moradores, regularmente existente, e desde que explicitamente autorizada (art. 12); sendo obrigatória a intervenção do MP e bem assim a concessão da justiça gratuita, incluindo as despesas de cartório e registro ( ). Estas vantagens, próprias das usucapiões especiais, são ampliadas pela lei 11977/09 e 12424/11. E também pelos dispositivos pertinentes da concessão de uso especial para fins de moradia da MP 2220/01. O 1º do art. 1º desta MP dispõe, na linha da CRFB, que o direito é concedido gratuitamente ao homem ou à mulher, ou a ambos, independentemente do estado civil; o 1º do art. 2º autoriza expressamente a soma de posses ou acessio possessionis; e o 3º do art. 1º, na sucessio possessionis prevê a exclusividade do direito em favor do herdeiro que reside com o antecessor e continua a posse (num caso de 9 Apud AQUINO, Leonardo Gomes de. Aquisição pela usucapião (prescrição aquisitiva). Acesso em 22/06/

11 sucessão anômala). O art. 6º estabelece a via administrativa, só se recorrendo à esfera judicial em caso de recusa ou omissão da Administração Pública titular do imóvel. Tanto a lei 6969/81 como o ECI prevêem expressamente a possibilidade de alegação da usucapião especial como defesa (art. 7º e 13, respectivamente), com um acréscimo importante no art. 11 do Estatuto: Na pendência da ação de usucapião especial urbana, ficarão sobrestadas quaisquer outras ações, petitórias ou possessórias, que venham a ser propostas relativamente ao imóvel usucapiendo. Isso significa dizer que o juiz deve dar prioridade máxima à alegação de usucapião especial, parando o processo principal e tratando de julgá-la imediatamente nos próprios autos em que foi suscitada, sejam eles de ação possessória ou petitória. Nesse caso, apesar do caráter de exceção, é obrigatória a intervenção do Ministério Público, incidindo sem dúvida a ressalva contida no Ato n. 103/2004/PGJ (art. 3º, XIII) constante do Anexo II. É um tratamento que modifica a regra geral de direito comum prevista no art. 923 do CPC 10, que dá prioridade ao possessório frente ao petitório. Assim, além dos requisitos especiais, como não ter outra propriedade, não ter sido beneficiado em outra ocasião pelo mesmo direito, ter baixa renda, outras mais se acrescentam: na usucapião rural, o autor de baixa renda é dispensado de ITR no caso de imóvel abaixo do módulo (art. 8 parágrafo único da lei 6969/81), vantagens que se ampliam pela lei Minha Casa Minha Vida, n /2009. Na usucapião especial urbana também o Estatuto prevê successio possessionis anômala (art. 9 3 ), conforme dito, e a possibilidade de accessio possessionis, se contínuas as posses, art ), denotando a desnecessidade de cessão por documento escrito, o que enfrenta a jurisprudência reinante da usucapião comum. Altera as regras da legitimação para a ação: o possuidor, os compossuidores em litisconsórcio, e como substituto processual, a própria associação de moradores legalmente instituída, nos termos do 12 do Estatuto. E a lei 11977/2009 amplia as vantagens e aumenta os requisitos, como por exemplo, no art. 3º. No tocante a usucapião coletiva urbana, a lei dispõe sobre as frações do condomínio e a sua indivisibilidade, vedando a extinção salvo no caso de execução de urbanização posterior. Observa-se que a intenção da lei é fazer com que tais condomínios funcionem no modelo edilício, estreitando os laços comunitários e transformando essa modalidade de usucapião em instrumento de re-ordenamento urbano. Se o imóvel for rural, a ocupação coletiva 10 Art. 923 do CPC: Na pendência do processo possessório, é defeso, assim ao autor como ao réu intentar a ação de reconhecimento do domínio. 11

12 transforma-o em urbana por destinação, a teor da legislação própria, sem falar nos aspectos da lei 11977/09 e seus programas nacionais de habitação urbana e rural. Esses requisitos especiais também se aplicam à concessão de uso especial para fins de moradia, que pode ser deferida, administrativa e judicialmente, na modalidade coletiva, já que surgiu no bojo do Estatuto da Cidade, onde foi vetada por alguns aspectos corrigidos pela MP 2220/01, como se observa no art. 5º (hipóteses em que o Poder Público pode conceder o direito em outro local). Também prevê a concessão de uso para fins comerciais (art. 9º da MP). Obs.: terrenos de marinha: DL 4120/42 e 9760/46: destinação do DL 9760/46 e lei 9636/98. Obs.: terra devoluta: DL 9760/46 (art. 5º) 11 e 1414/75, leis 6383/76, 6925/81, CF art. 225, 5º. Reza a CRFB: São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados, por ações discriminatórias, necessárias à proteção dos ecossistemas naturais. Regularização fundiária: as autoridades competentes e o Ministério Público, na forma da legislação, especialmente do Estatuto da Cidade, da lei 6766/79 (art. 44 e 40), das leis 11977/2009 e 12424/2011 podem lançar mão da usucapião coletiva, para regularização fundiária. Aí se destacam o procedimento e os requisitos da usucapião extrajudicial. 5 Efeitos da usucapião A usucapião é um modo de aquisição autônomo em relação ao registro do título, completando-se tão somente com o preenchimento dos seus requisitos, independente da Sentença judicial, que é meramente declaratória. Seus efeitos operam desde logo, retroagindo ao primeiro dia de posse para todas as finalidades: frutos, benfeitorias; redimindo o titular da condição possuidor injusto e de má fé. Tanto que a sua renúncia deve ser expressa e não prejudicar os eventuais credores. As hipotecas pendentes do período anterior, do antigo proprietário, perecem com a perda da propriedade, já que não são obstáculos à aquisição por usucapião. 11 Art. 5º do DL 9.760/46: São devolutas, na faixa da fronteira, nos Territórios Federais e no Distrito Federal, as terras que, não sendo próprias nem aplicadas a algum uso público federal, estadual ou municipal, não se incorporaram ao domínio privado: a-fg (desde a lei 601/1850 até a posse trintenária). 12

13 6 Aspectos práticos 6.1 Petição Inicial de usucapião A ação de usucapião é uma ação declaratória 12. Ante a propositura da ação, devem-se tomar alguns cuidados específicos Competência Será da comarca da situação do imóvel a competência para a ação de usucapião, em geral, da justiça comum estadual; mas há casos de competência da Justiça Federal, conforme a Súmula 150 do STJ: Compete à Justiça Federal decidir sobre a existência de interesse jurídico que justifique a presença, no processo, da União, suas autarquias ou empresas públicas. A Súmula 11 do mesmo STJ referindo-se à usucapião especial da Lei 6969/81: A presença da União ou de qualquer de seus entes, na ação de usucapião especial, não afasta a competência do foro da situação do imóvel. Não se podem esquecer, também, as peculiaridades dos casos de usucapião especial administrativa e extrajuidicial. No caso de ação que envolva sociedade de economia mista 13, o entendimento, quanto à competência Apelação Cível n , de Tubarão.Relator: Des. Luiz Cézar Medeiros: Nos termos da Súmula n. 42 do Superior Tribunal de Justiça, compete à Justiça Comum Estadual processar e julgar as causas cíveis em que é parte sociedade de 12 COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito civil. São Paulo: Saraiva, v.4, p A ação de usucapião, destaco, é declaratória, porque basta o atendimento dos requisitos estabelecidos na lei para que o o possuidor adquira desde logo a propriedade da coisa. [omissis] De outro lado, por não ser constitutiva a ação, a usucapião pod ser alegada também como matéria de defesa em reivindicatória. 13 SALLES, José Carlos de Moraes. Usucapião de bens imóveis e móveis. 6 ed. São Paulo: RT, 2005, p. 88, alerta para o fato de que bens imóveis de Sociedade de Economia Mista podem ser usucapidos. 13

14 6.1.2 Qualificação economia mista e os crimes praticados em seu detrimento. Seja qual for a espécie de usucapião de que se trate, o advogado ao elaborar a petição inicial deve qualificar o Requerente, com precisão, indicando identidade, CPF, profissão, endereço completo, estado civil, e se casado for, o nome da mulher, com identidade, CPF, regime de bens e ano da celebração do casamento se realizado anteriormente ou na vigência da lei 6.515/77, que alterou o regime de universal para comunhão parcial. Esses dados são importantes por ocasião do registro da sentença no álbum imobiliário, mais tarde. A falta de uma informação dessa natureza pode embaraçar o registro e provocar contratempo Descrição do objeto da usucapião Deve o autor informar a origem e o caráter da posse (posse própria, com animus domini), o seu início, os atos de senhoria (afinal, se a posse é fato, é poder sobre a coisa, cumpre descrever os atos correspondentes), o tempo de exercício, a união de posses anteriores (accessio possessionis ou successio possessionis), juntando os respectivos comprovantes; enfim, individualizar a coisa (orientando-se pela L /73, art e 167, n. 28 e pela planta de situação e locação elaborada por profissional habilitado). Deve constar da inicial, também, o número do cadastro do imóvel perante a Prefeitura ou perante o INCRA (se rural), pois sem esse dado o Registro de Imóveis não abre a matrícula. É importante incluir, na narração dos fatos, todos os requisitos da espécie de usucapião pretendida. Assim, se for o caso de usucapião especial rural, deve o autor narrar a posse trabalho, a não existência de outra propriedade em seu nome (comprovada por certidão negativa do registro de imóveis) e a extensão compatível do terreno com a exigência legal (não superior a 50 ha, no caso de usucapião especial rural). Deve o advogado, ao demais, juntar: Documentos 14

15 Além de procuração, comprovante do recolhimento de custas, enfim, dos documentos rotineiros de qualquer petição inicial, juntam-se: 14 : a) Instrumento de cessão de posse, pelo qual o autor tenha adquirido o direito, documento que deve indicar origem, data inicial e caráter da posse, descrição do imóvel, identificação do cedente (e cônjuge), cadeia de accessio ou successio possessionis. Pode ser público ou particular. Deve juntar também cópia dos instrumentos dos antecessores e respectivas cessões, provando a cadeia sucessória desde o início. b) Planta do imóvel com levantamento topográfico, constante de locação 15 do imóvel (situando-o no local) de situação (entre os confrontantes), e bem assim, memorial descritivo (medidas, confrontações, vegetação, acessões) feito por profissional inscrito no CREA, acompanhado da ART Anotação de Responsabilidade Técnica (CREA). Não existe regra fixando a escala, que pode ser 1/250, 1/500, ou outra, dependendo do imóvel, da situação e da comodidade à consulta nos autos. A lei 6969/81, 1º do art. 5º, no caso de usucapião especial rural, dispensa, expressamente, a necessidade de juntada da respectiva planta com a petição inicial, dado o cunho social dessa espécie de usucapião. Transfere ao magistrado e aos órgãos públicos envolvidos tal responsabilidade. c) Certidão atualizada do imóvel pelo Registro de Imóveis, se houver. Este documento é importante para definir o pólo passivo da ação (CPC, art.), ou então: d) Certidão negativa do Registro de Imóveis, frente ao Indicador Real; e) Certidões vintenárias expedidas pela Justiça Federal e pela Justiça Estadual, que atestem a existência ou não de ação possessória ou qualquer outra envolvendo o imóvel, autores e cedentes e respectivos cônjuges; f) Comprovantes de pagamento de impostos relativos ao imóvel, se houver (IPTU, ITR); g) Faturas de pagamento de energia elétrica, água ou telefone, se houver. 14 Interessante observar que na Ilha de Santa Catarina, em função dos problemas com a União Federal, a tramitação dos processos em massa pelas esferas da Justiça Federal e da Justiça Estadual, acabou definindo um perfil de exigências quanto à prova documental, que antes não se notava no foro. Daí a necessidade de apontar o rol de documentos normalmente exigidos pelos juízes, a fim de evitar as delongas que a sua falta pode provocar. 15 Locação aqui está no sentido de conjunto de operações com que se marcam, num terreno, os pontos de uma obra. FERREIRA, Aurélio B. de H. Novo Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p

16 h) Fotografias do local. Obs.: juntar jogo completo de petição inicial e cópia das plantas do imóvel para cada um dos mandados de citação a serem expedidos. 6.2 Requerimento final Além do pedido de procedência da ação e registro da sentença no álbum imobiliário, deve o autor requerer: a) citação por mandado (CPC 942 e súmulas 263 e 391 STF): a.1 - da pessoa e cônjuge que tiverem o imóvel em nome (devidamente qualificados); a.2 dos confrontantes com respectivos cônjuges (às vezes, a Prefeitura, no caso de confrontação do imóvel com rua municipal); b) citação por edital (CPC 942 in fine e 232,IV) b.1 dos réus em lugar incerto 16 b.2 dos eventuais interessados c) intimação por via postal (CPC, 943) para que manifestem interesse, dos representantes da Fazenda Pública da União, do Estado e do Município. d) intimação por via postal do representante do Ministério Público (CPC, 944). Obs.: assistência judiciária: a lei 1.060/50 sofreu alteração da lei 7.510/86, pelo que a condição de pobre deve ser provada por declaração do próprio interessado, na inicial ou em documento avulso, ou por procurador com poderes (art. 4º, 1º) 17. No caso específico de ação de usucapião, interessa destacar que a assistência judiciária dispensa a publicação do edital em outro jornal, bastando a publicação do órgão oficial (art. 3º, parágrafo único) 18.O art. 6º da lei 6969/81 e o art. 12, 2º do Estatuto da Cidade, lei /01, incluem no benefício da assistência judiciária despesas com o Registro de Imóveis No caso de ausente, cumpre lembrar a necessidade de nomear curador, a teor do art. 22 et seq. do Código Civil. 17 A redação atual do art. 4º, 1º da lei 1.060/50 é a seguinte: Presume-se pobre, até prova em contrário, quem afirmar essa condição nos termos desta lei, sob pena de pagamento até o décuplo das custas judiciais. (Redação dada pela Lei nº 7 510, de 04/07/86). 18 É a seguinte a redação do dispositivo: Parágrafo único. A publicação de edital em jornal encarregado de divulgação de atos oficiais, na forma do inciso III, dispensa a publicação em outro jornal. (Incluído pela Lei nº 7.288, de 18/12/84). 19 Diz o art. 6º, caput da lei 6969/81: O autor da ação de usucapião especial terá, se o pedir, o benefício da assistência judiciária gratuita,, inclusive para o Registro de Imóveis. 16

17 Obs: os honorários advocatícios são devidos, também, por entes públicos, quando sucumbentes. 20 Obs.: o valor da causa não será o valor do terreno em si, porque a sentença é meramente declaratória de uma propriedade que já existe; mas, certamente, leva-se em conta o aumento de valor que terá o imóvel, com a obtenção da sentença. Obs. Só se inclui no pedido a área efetivamente ocupada. Quantum possessum tantum praescriptum (TJSC,,Ap. civ , rel. des. Dionísio Jenczak). Obs.: Na ação de usucapião, a revelia não implica, simplesmente, a procedência da ação. Não se dispensa a prova dos requisitos (TJSC, Ap. Civ , rel. Des. Sérgio Baasch Luz). A prova do início da posse é também ônus do autor, sendo irrelevante o silêncio da contestação a respeito (TJSC, Ap. Civ , Rel. Juiz Sérgio Izidoro Heil). 6.3 Registro da sentença no Registro de Imóveis Sentenciado o feito, a parte deve apresentar, perante o registro de imóveis, com cópia da sentença e da petição inicial, Mandado ou Ofício contendo todos os requisitos para a abertura da matrícula, previstos no art. 167 da Lei 6.015/ Convém juntar, também, cópia do Cadastro Imobiliário Municipal, caso não tenha sido mencionado na petição inicial (às vezes pode ter sido providenciado após o ajuizamento da ação). E recolhe-se, finalmente, na Recepção do Cartório, a importância (em torno) de R$ 50,00 de emolumentos e selo de autenticação. Obs.: O art. 22, 5º da lei 4947/66, com a redação da lei 10267/01 dispõe sobre a usucapião de imóvel rural, dizendo: Nos casos de usucapião, o juiz intimará o INCRA do teor da sentença, para fins de cadastramento do imóvel rural. 20 Apelação Cível n , de Imbituba.Relator: Des. Luiz Cézar Medeiros: Embora os honorários advocatícios se incluam no conceito de despesas judiciais, não podem ser tidos como custas judiciais, motivo pelo qual são devidos também pelos entes públicos, quando sucumbentes. 21 No caso de já haver matrícula, com registro em nome de proprietário anterior, não é incomum o Oficial do Registro mantê-la, realizando nela as anotações pertinentes à usucapião. 17

18 ANEXO I JURISPRUDÊNCIA DE INTERESSE CATARINENSE (Emenda 46/2005). Apelação Cível n , da Capital. Relator: Des. Luiz Cézar Medeiros. Consta do corpo do acórdão: CIVIL USUCAPIÃO POSSE VINTENÁRIA DEMONSTRADA PRESCRIÇÃO AQUISITIVA CONFIGURADA TERRAS LOCALIZADAS NA ILHA DE SANTA CATARINA EC N. 46/2005 AUSÊNCIA DE INTERESSE DA UNIÃO Com a edição da Emenda Constitucional n. 46/2005 restou inequívoca a ausência de interesse da União nas ações de usucapião em que a alegação de Florianópolis estar sediada em ilha costeira consistia o único fundamento da intervenção. Nessa situação, o atendimento do pleito da União Federal, mais de quinze anos depois da edição da sentença hostilizada, quando já sacramentado e devidamente registrado o ato aquisitivo de propriedade, se traduziria num atentado contra o princípio da segurança jurídica. A anulação da sentença e o encaminhamento do processo à Justiça Federal, além da iniqüidade da medida, não atenderia a qualquer interesse. O único efeito seria o de incutir no jurisdicionado a descrença na atividade jurisdicional e, repita-se, colocar por terra a segurança jurídica que deve emanar dos provimentos judiciais. Ao sentenciar o feito, o Magistrado registrou: Apesar de ter havido manifestação do douto Procurador da República para que os autos fossem encaminhados à Justiça Federal, deve a Justiça Estadual decidir o presente usucapião vez que superados, desde há muito, os pareceres apresentados pela douta Fazenda Nacional. O pedido deve ser reconhecido diretamente por se tratar de matéria exclusivamente de direito (art. 330, I, do C.P.C). A Ilha de Santa Catarina, como ilha costeira e compondo a quase totalidade da Capital do Estado não pode ter enquadramento igual ao das outras ilhas oceânicas. Por outro lado, inexiste em nosso Direito regra que firme a presunção de serem públicas as terras que não forem objeto de transcrição... in RT 337/78 apud O Processo Civil à Luz da Jurisprudência Vol. VIII de Alexandre de Paula (pág. 21). 18

19 Na verdade, a nenhum Estado unitário é dado considerar como de sua propriedade terras que criaram gerações de cidadãos, simplesmente por estarem essas terras situadas numa Ilha Costeira, habitada antes mesmo que o restante do território nacional, muito menos, isso seria possível numa República Federativa e Democrática, como é o Brasil. O Superior Tribunal de Justiça, em oportunidade em que decidiu casos idênticos, considerou competente para processar e julgar ações de usucapião de imóveis localizados na Ilha de Santa Catarina a Justiça Estadual, motivo porque indefiro o requerimento da Procuradoria da República. Ante ao exposto, julgo procedente a presente ação de usucapião e declaro o domínio de Cláudio da Silva Braga sobre a área de terras descrita na inicial. Após o trânsito em julgado expeça-se mandado para registro no Cartório competente. Custas legais (fl. 75). E O SEGUINTE VOTO: 1. Da apelação O recurso interposto não pode ser conhecido. Durante a tramitação do feito, sobreveio a Emenda Constitucional n. 46/2005 que, dando nova redação ao inc. IV do art. 20 da Constituição Federal, excluiu do rol de bens da União as ilhas costeiras que sejam sede de Municípios, situação que se amolda ao presente caso. Desse modo, conforme autoriza o art. 462 do Código de Processo Civil (RSTJ 12/290), reconheço o direito superveniente para julgar prejudicado o recurso, em razão da perda do interesse recursal, haja vista a literalidade do dispositivo constitucional citado. Impende ressaltar que o atendimento do pleito da União Federal, mais de quinze anos depois da edição da sentença hostilizada, quando já sacramentado e devidamente registrado o ato aquisitivo de propriedade, se traduziria num atentado contra o princípio da segurança jurídica. Noutros termos, a anulação da sentença e o encaminhamento do processo à Justiça Federal, além da iniqüidade da medida, não atenderia a qualquer interesse. O único efeito seria o de incutir no jurisdicionado a descrença na atividade jurisdicional e, repita-se, colocar por terra a segurança jurídica que deve emanar dos provimentos judiciais. 2. Do reexame necessário 2.1. A mesma fundamentação poderia ser brandida para afastar a necessidade do reexame, já que ausente o interesse da pessoa jurídica de direito público que interveio no feito. Não obstante, como houve contestação pela União Federal e a sentença a ela se reportou, com a finalidade de evitar futura alegação de nulidade passa-se à análise do decisum. A sentença merece ser confirmada, pois deu o correto equacionamento à lide Partindo-se da premissa de que a União não possui interesse no feito, conforme o dispositivo constitucional antes mencionado, firma-se a competência da Justiça Estadual para o julgamento da lide, de modo que a sentença proferida pelo Juiz de Direito merece ser tida como válida. 19

20 2.3. Quanto ao mérito propriamente dito, compulsando-se os autos, verifica-se que o autor comprovou a posse mansa e pacífica do imóvel por mais de 20 anos (39-41), de modo que o reconhecimento da ocorrência da prescrição aquisitiva se impõe. Do termo de depoimento de Artur João de Souza, extraem-se as seguintes informações: que em realidade o depoente nasceu no imóvel, praticamente, o qual pertencia ao seu avô, ou mais precisamente a sua bisavó; até ser transmitido ao depoente; que a questão de dez anos, digo, 30 anos, o depoente vendeu a posse do imóvel ao sr. Máximo Pereira, que há dez o alienou ao autor, Cláudio da Silva Braga, que lá reside e ocupa integralmente o imóvel, que é cercado pelo mesmo; [...] que jamais houve qualquer litígio ou dúvida com relação as linhas divisórias do imóvel; que o depoente jamais soube de qualquer litígio envolvendo o imóvel (fl. 39) (sic) Do depoimento de José Silvio Cristóvão, que trabalha como topógrafo, colhem-se outros argumentos que corroboram a tese do autor: que o depoente é topógrafo e por volta de 1983 efetuou o levantamento topográfico do imóvel do usucapiente, de aproximadamente m²; que a parte da frente confronta com o próprio reqte., e que nos fundos com as encostas de um morro, nas laterais com a SERTE, uma sociedade beneficente do local; que o depoente constatou a existência de marcos bem antigos e de cercas velhas; que o imóvel é bem delimitado, com divisas certas, inexistindo qualquer litígio a respeito das mesmas; que o imóvel tem a dimensão de 150 m de frente por 900, aproximadamente da frente aos fundos; que o autor é dito por todos no local como titular do domínio do imóvel e lá reside na parte da frente e atua como se fosse titular deste domínio; que o autor ainda explora este imóvel economicamente, com lavouras diversas de manutenção e ainda cafezal e bananal; que o imóvel é integralmente ocupado pelo autor; que pelo que pode observar a sua posse é mansa e pacífica, no local, o mesmo ocorrendo com seus antecessores; que o depoente conhece o imóvel há 17 anos, que pertencia a testemunha anterior e o explorava da mesma forma, que por sua vez transmitiu a Máximo Pereira, que continuou ocupando da mesma forma; que o depoente fez o levantamento topográfico a 7 ou 8 anos, mas o autor o ocupava há algum tempo, na forma supra referida (fl. 40). Desse modo, tem-se como correta a decisão proferida pelo Magistrado a quo, eis que a posse mansa e pacífica restou devidamente justificada e comprovada. Além disso, não há registro do imóvel, bem como não há provas de que as terras pertençam a qualquer ente público. Assim, se as terras não são presumidamente da União, como visto, cabia a esta a comprovação do efetivo domínio. Inexistente provas nesse sentido, a confirmação da sentença em reexame se impõe. Sobre a matéria, colhe-se da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça: CIVIL. USUCAPIÃO. ALEGAÇÃO, PELO ESTADO, DE QUE O IMÓVEL CONSTITUI TERRA DEVOLUTA. A ausência de transcrição no Ofício Imobiliário não induz a presunção de que o imóvel se inclui no rol das terras devolutas; o Estado deve provar essa alegação. Precedentes do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça. Recurso especial não conhecido (REsp n / MT, Min. Ari Pargendler). 3. Diante do exposto, em face da superveniência da Emenda Constitucional n. 46/2005 não conheço do recurso e, em sede de reexame necessário, confirmo a sentença. 20

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO DO CONCEITO DE USUCAPIÃO Conceito: Usucapião é modo de aquisição da propriedade (ou outro direito real), que se dá pela posse continuada, durante lapso temporal, atendidos os requisitos de lei. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Usucapião Usucapião de Imóveis Usucapião de Móveis M Usucapião de outros direitos reais Processo Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Departamento de Direito Civil Professor Doutor Antonio

Leia mais

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP..., associação sem fins lucrativos, regularmente registrada no 4º Cartório de Registro de Títulos e Documentos,

Leia mais

Tanto bens móveis como imóveis podem ser usucapidos. Como nossa disciplina é direito imobiliário, dos imóveis é que estudaremos este instituto.

Tanto bens móveis como imóveis podem ser usucapidos. Como nossa disciplina é direito imobiliário, dos imóveis é que estudaremos este instituto. 1) Para o prof. Daniel Áureo: a usucapião é conceituada como modo de aquisição da propriedade pela posse continuada durante certo lapso de tempo somada aos requisitos estabelecidos em lei. É também chamada

Leia mais

DIREITO IMOBILIÁRIO. Aula 4. Forma de Aquisição Imobiliária Derivada, Usucapião na Constituição Federal, Usucapião na Legislação Ordinária.

DIREITO IMOBILIÁRIO. Aula 4. Forma de Aquisição Imobiliária Derivada, Usucapião na Constituição Federal, Usucapião na Legislação Ordinária. Material Teórico DIREITO IMOBILIÁRIO Aula 4 Forma de Aquisição Imobiliária Derivada, Usucapião na Constituição Federal, Usucapião na Legislação Ordinária. Conteudista Responsável: Profª Marlene Lessa cod

Leia mais

Usucapião e suas Modalidades

Usucapião e suas Modalidades Direitos Reais Usucapião e suas Modalidades 51 DÉBORA MARIA BARBOSA SARMENTO 1 CONCEITO Conceitua-se usucapião como modo de aquisição da propriedade de bens móveis ou imóveis pelo exercício da posse, nos

Leia mais

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO (Lei 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99 e Lei Estadual 7.943/2004) Lei 6.766/1979 - Art. 2º.: 1º - Considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 1 - MP2220/2001 CNDU - http://www.code4557687196.bio.br MEDIDA PROVISÓRIA No 2.220, DE 4 DE SETEMBRO DE 2001. CNDU Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 2010.011119-1 Tipo: Acórdão TJSC Data de Julgamento: 18/04/2013 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:26/04/2013 Estado: Santa Catarina Cidade: Braço do Norte Relator:

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Partindo-se da premissa da instrumentalidade do processo, há diferença ontológica entre a jurisdição

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA INTERES. : MARIA DE HOLANDA E SILVA E OUTROS EMENTA ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. DESAPROPRIAÇÃO.

Leia mais

USUCAPIÃO INSTRUÇÕES PARA PETIÇÃO INICIAL

USUCAPIÃO INSTRUÇÕES PARA PETIÇÃO INICIAL USUCAPIÃO INSTRUÇÕES PARA PETIÇÃO INICIAL PODER JUDICIÁRIO ĬSUMÁRIO I L. A espécie de Usucapião pág 3 II. O(s) autor(es) e seus documentos pág 4 III. O imóvel usucapiendo pág 6 IV. Antecipação de perícia

Leia mais

USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL

USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL DOCUMENTOS: Requerimento com a qualificação completa dos interessados, firmado por advogado devidamente constituído. Não há necessidade de reconhecimento de firma (item 2.1 da Circular

Leia mais

USUCAPIÃO E A POSSE DO IMÓVEL: DISCUSSÕES SÓCIO-JURÍDICAS. 1. Apresentação. 2. Introdução

USUCAPIÃO E A POSSE DO IMÓVEL: DISCUSSÕES SÓCIO-JURÍDICAS. 1. Apresentação. 2. Introdução USUCAPIÃO E A POSSE DO IMÓVEL: DISCUSSÕES SÓCIO-JURÍDICAS SILVA, Alexssandro Crivelli (Acadêmico, Finan) MARTINS, Eduardo (Docente, Finan) 1. Apresentação O presente artigo é fruto de uma pesquisa desenvolvida

Leia mais

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis.

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 23 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (IV) Direitos Reais

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.315.603 - SP (2012/0059155-1) RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA RECORRENTE : ADVOGADO : CARLOS ANTÔNIO STRAMANDINOLI MAZANTE RECORRIDO : E CÔNJUGE ADVOGADO : FERNANDO BRANDINI

Leia mais

USUCAPIÃO: CONCEITO, REQUISITOS E ESPÉCIES

USUCAPIÃO: CONCEITO, REQUISITOS E ESPÉCIES USUCAPIÃO: CONCEITO, REQUISITOS E ESPÉCIES João José Ramos Schaefer 1 Sumário O conceito -- O usucapião antes do Código Civil de 1916 -- O usucapião extraordinário -- O usucapião ordinário -- A soma dos

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

Cessação da. turbação da posse.

Cessação da. turbação da posse. d) Ação Negatória: É aquela movida pelo proprietário que sofrer atos de turbação da posse. Visa, portanto, a cessação da turbação da posse. Portanto, é o mesmo pedido da ação de manutenção de posse, o

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

1.2. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO MATERIAL: 1.3. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO PROCESSUAL ART. 946.

1.2. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO MATERIAL: 1.3. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO PROCESSUAL ART. 946. 1 DIREITO PROCESSUAL CIVIL - Professora Mestre Afifi Habib Cury ROTEIRO -Arts 946 a 981, do CPC. AÇÃO DE DEMARCAÇÃO E DIVISÃO DE TERRAS PARTICULARES 1. INTRODUÇÃO. 1.1. SEDE. Arts 946 a 981, do CPC. 1.2.

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 2.658, DE 2003

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 2.658, DE 2003 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 2.658, DE 2003 Dispõe sobre a concessão de uso especial para fins de moradia prevista pelo 1º do art. 183 da Constituição Federal e dá outras providências.

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELANTES J.B. D.S. e OUTRA APELADO J. F. A. S. RELATOR DESEMBARGADOR CARLOS ESCHER CÂMARA 4ª CÍVEL RELATÓRIO J. B. D. S. e sua esposa, qualificados

Leia mais

AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE

AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE - Compete ao autor, na ação de usucapião extraordinária, preencher os requisitos legais previstos no art. 1.238 do Código

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.228.778 - MT (2010/0217471-4) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO RECORRIDO : MINISTRO SIDNEI BENETI : WANDER CARLOS DE SOUZA : SÉRGIO DONIZETE NUNES : GILBERTO LUIZ DE REZENDE : DANIELA

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 447.888 - RO (2002/0084713-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : ADMINISTRADORA E CORRETORA DE SEGUROS - RONSEG ADVOGADO : ODAILTON KNORST RIBEIRO RECORRENTE : SUL AMÉRICA

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ).,, JI WrIlei ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO n 041.2007.001993-4/001 RELATOR: Eduardo José de Carvalho Soares

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

USUCAPIÃO. forma jurídica de solução da tensão existente entre a posse e a propriedade

USUCAPIÃO. forma jurídica de solução da tensão existente entre a posse e a propriedade forma jurídica de solução da tensão existente entre a posse e a propriedade Requisitos pessoais da usucapião - art. 1244 - art. 197 a 201 - prescrição aquisitiva não pode correr contra os cônjuges, companheiros,

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios Jaques Bushatsky Setembro de 2015 Rateio das despesas: O Decreto nº 5.481, de 25/06/1928 possibilitou a alienação parcial dos edifícios

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados.

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados. 4* 'L, Á `4'INI ~nu Pd Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça Gabinete do Des. Marcos Antônio Souto Maior ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 001.2008.001148-7/001 - CAMPINA GRANDE RELATOR : Juiz

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR CONSULTA N.º 36/2013 CAOP Cível OBJETO: Imóvel Sem Registro Imobiliário Terra Devoluta - Inexistência de Presunção de que se trata de Bem Público Possibilidade de Usucapião pelo Ente Municipal que Detém

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 23/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 30/08/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.169 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015 Estabelece normas gerais para o registro da regularização fundiária urbana. Seção I Disposições Gerais Art. 1º. O processo e os atos de registro da

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho , 1. " ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO. APELAÇÃO CÍVEL N 076.2005.000115-5/001 Comarca de Gurinhém RELATOR: Des. Genésio Gomes Pereira

Leia mais

PROVIMENTO CG N.º 02/2005

PROVIMENTO CG N.º 02/2005 PROVIMENTO CG N.º 02/2005 Altera a redação do item 48.3 da Seção II do Capítulo XX, e dos itens 123 e 124 da Subseção IV da Seção II do Capítulo XX das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça.

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação DIREITO DE SUPERFICIE E SEUS ASPECTOS RELEVANTES

9º Simposio de Ensino de Graduação DIREITO DE SUPERFICIE E SEUS ASPECTOS RELEVANTES 9º Simposio de Ensino de Graduação DIREITO DE SUPERFICIE E SEUS ASPECTOS RELEVANTES Autor(es) FABRICIA DE FREITAS AMÉRICO DE ARAUJO Orientador(es) VICTOR HUGO VELÁZQUES TEJERINA 1. Introdução Visto que

Leia mais

i nu mu mu um um um mi um mi mi *C)^Ã.nf : \RR~7*

i nu mu mu um um um mi um mi mi *C)^Ã.nf : \RR~7* TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N i nu mu mu um um um mi um mi mi *C)^Ã.nf : \RR~7* Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

KAROLINE PEREIRA DE OLIVEIRA Relator. Desembargador JOÃO EGMONT Revisor. Desembargador LUCIANO MOREIRA VASCONCELLOS Acórdão Nº 625.

KAROLINE PEREIRA DE OLIVEIRA Relator. Desembargador JOÃO EGMONT Revisor. Desembargador LUCIANO MOREIRA VASCONCELLOS Acórdão Nº 625. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 5ª Turma Cível Processo N. Apelação Cível 20100110194817APC Apelante(s) TERRACAP - COMPANHIA IMOBILIARIA DE BRASILIA

Leia mais

&RQVLGHUDo}HVVREUHRXVXFDSLmRHPIDFH

&RQVLGHUDo}HVVREUHRXVXFDSLmRHPIDFH &RQVLGHUDo}HVVREUHRXVXFDSLmRHPIDFH GRQRXYHDX&yGLJR&LYLO Resumo: A posse é requisito fundamental, embora não o único para o usucapião. Sendo mesmo o usucapião um dos principais efeitos da posse, além de

Leia mais

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário 1 ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário Posição histórica Também conhecido como sisa, até 1988 era da competência dos Estados. A partir da Constituição Federal de 1988, passou

Leia mais

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas.

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas. OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Civil Prof. Brunno Giancolli Data: 19/10/2009 Aula nº. 05 TEMAS TRATADOS EM AULA Direito Reais Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 719.474 - SP (2015/0125771-3) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : MUNICIPIO DE GUARULHOS : ANA PAULA HYROMI YOSHITOMI : CECÍLIA CRISTINA

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 437.853 - DF (2002/0068509-3) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : DANIEL AZEREDO ALVARENGA E OUTROS RECORRIDO : ADVOCACIA BETTIOL S/C

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DESEMBARGADOR CLÉCIO AGUIAR DE MAGALHÃES PROCESSO Nº 390-98.2006.8.06.0039/1 REEXAME NECESSÁRIO CÍVEL. Remetente: Juiz de Direito da Comarca de Aratuba. Autor: Município de Aratuba. Réu: João

Leia mais

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG,

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG, MERITÍSSIMA JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE UBERABA/ MINAS GERAIS. Autos n. 701. Secretaria cível BANCO xxxx., já qualificado nos autos epigrafados da AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Norberto da Silva, pessoa desprovida de qualquer bem material, adquiriu de terceiro, há nove anos e meio, posse de terreno medindo 240m² em área urbana, onde construiu

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

(6^_ê0â1R0) (D=:A5) - Nº Lote: 2013101705-2_1 - REEXAME NECESSÁRIO N. 2008.34.00.006506-3/DF - TR14403 V O T O RELATÓRIO

(6^_ê0â1R0) (D=:A5) - Nº Lote: 2013101705-2_1 - REEXAME NECESSÁRIO N. 2008.34.00.006506-3/DF - TR14403 V O T O RELATÓRIO (6^_ê0â1R0) PODER JUDICIÁRIO RELATÓRIO Trata-se de reexame necessário de sentença em que o magistrado da 9ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal, em ação de mandado de segurança, concedeu

Leia mais

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido:

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido: DECISÃO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL. DESAPROPRIAÇÃO POR INTERESSE SOCIAL PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA. CLASSIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE RURAL. INCLUSÃO DE ÁREAS NÃO APROVEITÁVEIS. PRECEDENTE DO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A ação de Usucapião Publicado desde 14/4/2005 José Cafezeiro Neto 1. Dos Procedimentos Especiais 2. Do Usucapião 2.1. Espécies de usucapião de imóveis 2.2. Requisitos Gerais e Específicos

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO TRIBUTÁRIO Questão 1 MÁRIO ROBERTO possui terreno limítrofe entre as zonas urbana e rural do município de Pedra Grande. No ano de 2009, ele recebeu o carnê do IPTU, emitido pela Secretaria de Fazenda de Pedra Grande,

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO COMPETÊNCIA AÇÃO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE DE FATO PEDIDO DE INDENIZAÇÃO.

AGRAVO DE INSTRUMENTO COMPETÊNCIA AÇÃO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE DE FATO PEDIDO DE INDENIZAÇÃO. Órgão : Quinta Turma Cível Classe : AGI Agravo de Instrumento N. Processo : 2007 00 2 003404-3 Agravante : E. C. R. Agravado : J. G. DA S. J. Relatora : Desembargadora HAYDEVALDA SAMPAIO EMENTA AGRAVO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº Registro: 2013.0000605821 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002348-73.2011.8.26.0238, da Comarca de Ibiúna, em que é apelante ASSOCIAÇAO DOS PROPRIETARIOS DO LOTEAMENTO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA AGTR Nº 74178 - PB (2007.05.00.005494-7) AGRAVANTE(S) : CEF CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO(S) : ISAAC MARQUES CATÃO e outros AGRAVADO(S) : ANA PATRÍCIA SAMPAIO DE ALMEIDA e cônjuge ADVOGADO(S) : JAIRO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL O Governador do Estado Y, premido da necessidade de reduzir a folha de pagamentos do funcionalismo público estadual, determinou que o teto remuneratório dos Defensores

Leia mais

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis RIDALVO MACHADO DE ARRUDA PROCURADOR FEDERAL (PFE-INCRA/PB) ESPECIALISTA EM DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO NO DIREITO AGRÁRIO

Leia mais

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A APELAÇÃO CÍVEL. TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. IPTU. TRANSFERÊNCIA DO DIREITO. REDIRECIONAMENTO. POSSIBILIDADE. OBRIGAÇÃO PROPTER REM. VERBETE Nº 392 DA SÚMULA DO STJ. INAPLICABILIDADE. A transferência da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Diferença entre Registro, Certidão e Matrícula Diferenças entre Averbar e Registrar Necessidade de Retificar um Registro ( retificação

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO Nº 26674 PB (0000052-38.2012.4.05.8200) APELANTE : CONSELHO FEDERAL DE BIOMEDICINA - CFBM ADV/PROC : AUGUSTO CESAR DE ARAUJO APELADO : UFPB - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 03/2016. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RECOMENDAÇÃO Nº 03/2016. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari, no uso de suas atribuições legais e regimentais, RECOMENDAÇÃO Nº 03/2016 Prescreve orientações concernentes à lavratura de ata notarial para fins de reconhecimento de usucapião extrajudicial. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari,

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

azt,p utnrrt43 r14% PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA

azt,p utnrrt43 r14% PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA (N\. t.,s6 azt,p utnrrt43 r14% PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 009.2006.000014-9/001 Taperoá RELATOR : Miguel de Britto Lyra Filho, Juiz de Direito Convocado.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 8 17/12/2013 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 635.398 SANTA CATARINA RELATORA AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN.

Leia mais

O ITBI e a Transmissão de Posse

O ITBI e a Transmissão de Posse O ITBI e a Transmissão de Posse Introdução Compete aos Municípios instituir imposto sobre a transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física,

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO SUMÁRIO ABREVIATURAS CAT Certidão Autorizativa de Transferência CC - Código Civil CF - Constituição Federal CGC Corregedoria Geral de Justiça CPC Código de Processo Civil CSM Conselho Superior de Magistratura

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade CURSO EXTENSIVO FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 Disciplina DIREITO CIVIL Aula 07 EMENTA DA AULA 1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade GUIA

Leia mais

A apelante aduziu serem devidas as verbas relativas às férias não gozadas e, por conseqüência, aos terços constitucionais decorrentes das férias.

A apelante aduziu serem devidas as verbas relativas às férias não gozadas e, por conseqüência, aos terços constitucionais decorrentes das férias. ESTADO rj'à PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Ga6inete d Desembargador José Lorenzo Seipa APELAÇÃO CÍVEL N 055.2005.000.156-3/002 Relator Miguel de Britto Lyra Filho, Juiz Convocado em substituição ao Des. José

Leia mais

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira AC no 035.2005.000.557-4/001 1 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 035.2005.000.5 001

Leia mais

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul FL. 637 7 de março de 2013 5ª Câmara Cível Apelação - Nº - Campo Grande Relator Exmo. Sr. Des. Vladimir Abreu da Silva Apelante : Claudia Rudge Ramos Villela de Souza Advogado : Alvaro de Barros Guerra

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - ANNIBAL DE REZENDE LIMA 10 de maio de 2011

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - ANNIBAL DE REZENDE LIMA 10 de maio de 2011 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - ANNIBAL DE REZENDE LIMA 10 de maio de 2011 APELAÇÃO CIVEL Nº 4080038336 - ANCHIETA - CARTÓRIO 2º OFÍCIO APELANTE :ADEIL DE ALMEIDA

Leia mais

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA RGI N: ESCRITURA DE COMPRA E VENDA VENDEDOR: COMPRADORA: IMÓVEL: VALOR DA VENDA E COMPRA: R$ VALOR VENAL DE REFERÊNCIA: R$ INSCRIÇÃO CADASTRAL: S A I B A M quantos esta pública escritura virem aos ----

Leia mais

INFORMATIVO. num. num. nossos clientes. Trataremos da penhora judicial de bens do devedor. Prezado leitor,

INFORMATIVO. num. num. nossos clientes. Trataremos da penhora judicial de bens do devedor. Prezado leitor, BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 8 05 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 8ª Edição Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz Advogados,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 883.859 - SC (2006/0195193-5) RECORRENTE : SUPERMERCADO GOMES LTDA - MASSA FALIDA REPR. POR : EDUARDO CÉSAR VIEIRA - SÍNDICO ADVOGADO : EDUARDO CESAR VIEIRA (EM CAUSA PRÓPRIA) RECORRIDO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA 7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA Apelante: MUNICÍPIO DE CERRO AZUL Apelado: ESTADO DO PARANÁ Relator: Des. GUILHERME LUIZ GOMES APELAÇÃO CÍVEL AÇÃO ANULATÓRIA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 575.590 - RS (2003/0130567-7) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADOR : LUCIANA MABILIA MARTINS E OUTROS RECORRIDO : BANCO DO BRASIL

Leia mais