RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE GESTÃO 2013"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 1

2 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Março/2014 SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 2

3 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Relatório de Gestão do exercício de 2013 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas anual a que esta Unidade está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da IN TCU n o 63/2010, da IN TCU nº 72/2013, que altera dispositivos da IN TCU nº 63/2010, da Resolução TCU nº 234/2010, da Resolução TCU 244/2011, que altera dispositivos da Resolução TCU nº 234/2010, da DN TCU n o 127/2013, da Portaria TCU n o 175/2013 e da Portaria CGU n o 133/2013, que aprova a Norma de Execução n o 01/2013. Florianópolis-SC, Março/2014. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 3

4 MINISTÉRIO DA FAZENDA Ministro da Fazenda Guido Mantega Secretário-Executivo Paulo Rogério Caffarelli Subsecretario de Planejamento, Orçamento e Administração (SPOA) Paulo de Tarso Cancela Campolina de Oliveira SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO EM SANTA CATARINA Superintendente de Administração em Santa Catarina (SAMF-SC) Mario Augusto Gouvêa de Almeida Superintendente de Administração Substituto Ronaldo Pinto da Silva SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 4

5 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS CGU/SC Controladoria Geral da União em Santa Catarina E.L Elemento de Despesa ESAF Escola de Administração Fazendária FGV- Fundação Getúlio Vargas GDAFAZ Gratificação de Desempenho de Atividade Fazendária GEAP Fundação de Seguridade Social IMD - Instrumento de Monitoramento do Desempenho IN Instrução Normativa LOA Lei Orçamentária Anual MF Ministério da Fazenda NA Não se aplica OS Ordem de Serviço PFN/SC Procuradoria da Fazenda Nacional em Santa Catarina PI Plano Interno PPA Plano Plurianual RG Relatório de Gestão RFB Receita Federal do Brasil SAMF/MF Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda SC Santa Catarina SE Secretaria Executiva SMD Sistema de Medição de Desempenho SPOA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração SPU Superintendência do Patrimônio da União em Santa Catarina SUPLAN Subcomitê de Planejamento TCU Tribunal de Contas da União UO Unidade Orçamentária UUs Unidades Usuárias SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 5

6 UC/DF Unidade Central/Distrito Federal UNAFISCO União dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 6

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DAS UNIDADES CUJAS GESTÕES COMPÕEM O RELATÓRIO Identificação da Unidade Jurisdicionada Relatório de Gestão Individual Finalidade e Competências Institucionais da Unidade Finalidade Competências Institucionais da Unidade Organograma Funcional Macroprocessos de Apoio PLANEJAMENTO DA UNIDADE E RESULTADOS ALCANÇADOS Planejamento da Unidade Programação Orçamentária e Financeira e Resultados Alcançados Informações sobre Outros Resultados da Gestão Indicador Avaliação Pós-Serviço Prestado Indicador Cumprimento do Tempo Médio de Atendimento Indicador Desenvolvimento das Competências Indicador Desempenho da Execução Orçamentário das Unidades ESTRUTUTA DE GOVERNANÇA E DE AUTOCONTROLE DA GESTÃO Estrutura de Governança Avaliação do Funcionamento dos Controles Internos Remuneração Paga aos Administradores Sistema de Correição Cumprimento pela Instância de Correção da Portaria nº 1.043/007 da CGU Indicadores para monitoramento e avaliação do modelo de governança e efetividade dos controles internos TÓPICOS ESPECIAIS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Execução das Despesas Programação Movimentação de Créditos Interna e Externa Realização da Despesa Despesas Totais por Modalidade de Contratação Créditos Originários - Total 36 SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 7

8 Despesas Totais por Modalidade de Contratação Créditos de Movimentação Despesas Totais por Grupos e Elemento de Despesa Créditos de Movimentação Análise Crítica da Realização da Despesa Reconhecimento de Passivos por Insuficiência de Créditos ou Recursos Movimentação e os Saldos de Restos a Pagar de Exercícios Anteriores Análise Crítica Transferência de Recursos Suprimento de Fundos 40 Corporativo Suprimento de Fundos - Despesas Realizadas por meio da Conta Tipo B e por meio do Cartão de Crédito Suprimento de Fundos Conta Tipo B Suprimento de Fundos Cartão de Crédito Corporativo (CPGF) Prestação de Contas de Suprimento de Fundos Análise Crítica Renúncias sob a Gestão da UJ Gestão de Precatórios 43 5 GESTÃO DE PESSOAS, TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA E CUSTOS RELACIONADOS Estrutura de pessoal da unidade Demonstração da Força de Trabalho à Disposição da Unidade Jurisdicionada Lotação Situações que reduzem a força de trabalho da Unidade Jurisdicionada Qualificação da Força de Trabalho Estrutura de Cargos e de Funções Qualificação do Quadro de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Segundo a Idade Qualificação do Quadro de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Segundo a Escolaridade Custos de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Composição do Quadro de Servidores Inativos e Pensionistas Classificação do Quadro de Servidores Inativos da Unidade Jurisdicionada Segundo o Regime de Proventos e de Aposentadoria Demonstração das Origens das Pensões Pagas pela Unidade Jurisdicionada Cadastramento no Sisac Atos Sujeitos à Comunicação ao Tribunal por intermédio do SISAC Atos Sujeitos à comunicação ao TCU 51 SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 8

9 Regularidade do cadastro dos atos no Sisac Atos Sujeitos à Remessa ao TCU em meio físico Acumulação Indevida de Cargos, Funções e Empregos Públicos Providências Adotadas nos Casos de Acumulação Indevida de Cargos, Funções e Empregos Públicos Indicadores Gerenciais Sobre Recursos Humanos Terceirização de Mão de Obra Empregada e Contratação de Estagiários Informações sobre Terceirização de Cargos e Atividades do Plano de Cargos do Órgão Autorizações Expedidas pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para Realização de Concursos Públicos para Substituição de Terceirizados Informações sobre a Contratação de Serviços de Limpeza, Higiene e Vigilância Ostensiva pela Unidade Jurisdicionada Informações sobre Locação de Mão de Obra para Atividades não Abrangidas pelo Plano de Cargos do Órgão Análise Crítica dos itens e Composição do Quadro de Estagiários GESTÃO DO PATRIMÔNIO MOBILIÁRIO E IMOBILIÁRIO Gestão da Frota de Veículos Próprios e Contratados de Terceiros Gestão do Patrimônio Imobiliário Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial Discriminação dos Bens Imóveis Sob a Responsabilidade da UJ, Exceto Imóvel funcional Discriminação de Imóveis Funcionais da União sob Responsabilidade da UJ Distribuição Espacial dos Bens Imóveis Locados de Terceiros GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Gestão da Tecnologia da Informação (TI) GESTÃO DO USO DOS RECURSOS RENOVÁVEIS E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis Consumo de Papel, Energia Elétrica e Água CONFORMIDADE E TRATAMENTO DE DISPOSIÇÕES LEGAIS E NORMATIVAS Tratamento de deliberações exaradas em acórdão do TCU Deliberações do TCU Atendidas no Exercício Deliberações do TCU Pendentes de Atendimento ao Final do Exercício Tratamento de Recomendações do OCI Recomendações do Órgão de Controle Interno Atendidas no Exercício Recomendações do OCI Pendentes de Atendimento ao Final do Exercício 67 SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 9

10 9.3. Informações Sobre a Atuação da Unidade de Auditoria Interna Declaração de Bens e Rendas Estabelecida na Lei n 8.730/ Situação do Cumprimento das Obrigações Impostas pela Lei 8.730/ Situação do Cumprimento das Obrigações Medidas Adotadas em Caso de Dano ao Erário Alimentação SIASG E SICONV RELACIONAMENTO COM A SOCIEDADE Descrição dos canais de acesso do cidadão ao órgão ou entidade para fins de solicitações, reclamações, denúncias, sugestões, etc., contemplando informações gerenciais e estatísticas sobre o atendimento às demandas Mecanismos para medir a satisfação dos cidadãos-usuários ou clientes dos produtos e serviços resultantes da atuação da unidade Demonstração dos resultados de eventuais pesquisas de opinião feitas nos últimos três últimos anos com cidadãos em geral, segmentos organizados da sociedade ou usuários dos produtos e serviços resultantes da atuação do órgão ou entidade INFORMAÇÕES CONTÁBEIS Medidas Adotadas para Adoção de Critérios e Procedimentos Estabelecidos pelas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Declaração do Contador Atestando a Conformidade das Demonstrações Contábeis Declaração com Ressalva OUTRAS INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO Outras Informações Consideradas Relevantes pela UJ 77 SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 10

11 LISTA DE QUADROS, GRÁFICOS E FIGURA Quadro A Identificação da UJ Relatório de Gestão Individual Quadro A Rol de Responsáveis Quadro A Fundamentos Estratégicos da SPOA Quadro A Objetivos Estratégicos da SPOA Quadro A Painel Estratégico Quadro A Objetivos Estratégicos da Spoa Quadro A.3.2 Avaliação do Sistema de Controles Internos da UJ Quadro A Movimentação Orçamentária Interna por Grupo de Despesa Quadro A Movimentação Orçamentária Externa por Grupo de Despesa Quadro A Despesas por Modalidade de Contratação Créditos de Movimentação Quadro A Despesas por Grupo e Elemento de Despesa Créditos de Movimentação Quadro A Despesas Realizadas por meio da Conta Tipo B e por meio do Cartão de Crédito Corporativo (Série Histórica) Quadro A Despesa Com Cartão de Crédito Corporativo por UG e por Portador Quadro A Prestações de Contas de Suprimento de Fundos (Conta Tipo B e CPGF) Quadro A Força de Trabalho da UJ Situação apurada em 31/12 Quadro A Situações que reduzem a força de trabalho da UJ Quadro A Detalhamento da estrutura de cargos em comissão e funções gratificadas da UJ (Situação em 31 de dezembro) Quadro A Quantidade de servidores da UJ por faixa etária - Situação apurada em 31/12 Quadro A Quantidade de servidores da UJ por nível de escolaridade- Situação apurada em 31/12 Quadro A Quadro de custos de pessoal no exercício de referência e nos dois anteriores Quadro A Composição do Quadro de Servidores Inativos - Situação apurada em 31/12 Quadro A Instituidores de Pensão - Situação apurada em 31/12 Quadro A Atos Sujeitos ao Registro do TCU (Art. 3º da IN TCU 55/2007) Quadro A Atos Sujeitos à Comunicação ao TCU (Art. 3º da IN TCU 55/2007) Quadro A Regularidade do cadastro dos atos no Sisac Quadro A Atos sujeitos à remessa física ao TCU (Art. 14 da IN TCU 55/2007) Quadro A Contratos de prestação de serviços de limpeza e higiene e vigilância ostensiva Quadro A Contratos de prestação de serviços com locação de mão de obra Quadro A Composição da frota de veículos Quadro A Gastos Referentes a frota de veículos Quadro A informações sobre licitação dos serviços de transporte Quadro A Composição da frota de veículos Contratados Quadro A Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial de Propriedade da União Quadro A Discriminação dos Bens Imóveis de Propriedade da União sob responsabilidade da UJ, exceto Imóvel Funcional Quadro A.6.3 Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial Locados de Terceiros Quadro A.8.1 Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis Quadro A.8.2 Consumo de Papel, Energia Elétrica e Água Quadro A Cumprimento das deliberações do TCU atendidas no exercício SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 11

12 Quadro A Demonstrativo do cumprimento, por autoridades e servidores da UJ, da obrigação de entregar a DBR Quadro A Composição das demandas no SisOuvidor 3 Quadro Concursos realizados em 2013 Pólo ESAF/SC Gráfico 1 Avaliação Pós Serviço Prestado DEZEMBRO/2013 Gráfico 2 Cumprimento do Tempo Médio de Atendimento DEZEMBRO/2013 Gráfico 3 Desenvolvimento de Competências DEZEMBRO/2013 Gráfico 4 Desempenho da Execução Orçamentária DEZEMBRO/2013 Gráfico 5 Ocorrências de Afastamento por Local de Trabalho Figura 1A Organograma Funcional Figura 1B Organograma Funcional SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 12

13 INTRODUÇÃO O Relatório de Gestão da Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Estado de Santa Catarina (SAMF-SC) encontra-se estruturado de acordo com os normativos exarados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e Controladoria Geral da União (CGU), em especial: (i) Instrução Normativa TCU n 63, de 1º de setembro de 2010, alterada pela Instrução Normativa nº 72 de 15 de maio de 2013, estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas da administração pública federal, para julgamento do Tribunal de Contas da União, nos termos do art. 7º da Lei nº de 1992; (ii) Decisão Normativa TCU nº 127, de 15 de maio de 2013, dispõe acerca das unidades jurisdicionadas cujos dirigentes máximos devem apresentar relatório de gestão 2013, especificando a organização, a forma, os conteúdos e os prazos de apresentação, nos termos do art. 3º, da Instrução Normativa TCU no 63, de 1º de setembro de 2010; (iii) Portaria TCU nº 175, de 12 de julho de 2013, dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração de conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2013; (iv) Decisão Normativa TCU nº 132, de 2 de outubro de 2013, dispõe acerca das unidades jurisdicionadas cujos responsáveis terão as contas de 2013 julgadas pelo Tribunal, especificando a forma, os prazos de entrega e os conteúdos das peças complementares que comporão os processos de contas desse exercício, nos termos do art. 4º da Instrução Normativa TCU nº 63, de 1º de setembro de 2010; e (v) Portaria CGU nº 133, de 18 de janeiro de 2013, aprova a Norma de Execução nº 1, de mesma data, que tem por objetivo orientar, nos termos da Instrução Normativa TCU nº 63/2010 ou legislação que a substitua e das normas complementares publicadas pelo TCU, os responsáveis pela apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas da administração pública federal, nas Unidades Jurisdicionadas (UJ) ao Controle Interno do Poder Executivo Federal. Dentre os itens dispostos na Portaria TCU nº 175, não se aplicam à esta UJ nº (SAMF-SC) ou não ocorreram no exercício, as seguintes informações: a) Informações sobre o tratamento das recomendações realizadas pela Unidade de Controle Interno; b) Programas do PPA de responsabilidade da UJ; c) Transferências de Recursos; d) Gestão de Precatórios; e) Demonstrações Contábeis previstas na Lei n 4.320/64 e pela NBC 16.6; f) Demonstrações Contábeis previstas na Lei 6.404/76 ou em lei específica; g) Informações sobre a composição acionária do capital social; h) Parecer da auditoria independente sobre as Demonstrações Contábeis; e SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 13

14 i) Conteúdos específicos por UJ ou grupo de Unidades afins. Desta forma, o presente relatório está estruturado em três partes como segue: Primeira parte abrange a Identificação, Objetivos, Metas e Responsabilidades Institucionais da Unidade. Nesta parte está demonstrada sua estratégia de atuação, que está pautada no aprimoramento dos seus níveis de gestão. Segunda Parte demonstração do Desempenho Operacional da Unidade. São apresentados dados relativos à Gestão de Pessoal e Recursos Orçamentários e Financeiros sob responsabilidade da Superintendência de Administração no exercício de Terceira Parte Conclusão e anexos. As informações que integram o presente relatório são resultados do trabalho realizado em conjunto com o Órgão Central e demais Unidades atendidas pela Superintendência de Administração em Santa Catarina. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 14

15 CONTEÚDO DO RELATÓRIO DE GESTÃO (Anexo II da DN TCU nº 127/2013) PARTE A CONTEÚDO GERAL 1. IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DAS UNIDADES CUJAS GESTÕES COMPÕEM O RELATÓRIO 1.1. Identificação da Unidade Jurisdicionada Relatório de Gestão Individual Quadro A Identificação da UJ Relatório de Gestão Individual Poder e Órgão de Vinculação Poder: Executivo Órgão de Vinculação: A Superintendência de Administração do Ministério da Código SIORG: Fazenda no Estado de Santa Catarina está subordinada à Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração do Ministério da Fazenda SPOA/SE/MF. Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação Completa: Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Estado de Santa Catarina Denominação Abreviada: SAMF-SC Código SIORG: Código LOA: Código SIAFI: Natureza Jurídica: Órgão Público da Administração Direta CNPJ: / Principal Atividade: Atividade Meio do Ministério da Fazenda Código CNAE: Telefones/Fax de contato: (048) (048) (048) Endereço Eletrônico: Página na Internet: Não tem. Endereço Postal: Praça Getúlio Vargas nº 138, Edifício Dona Angelina Centro Florianópolis/SC CEP: Normas Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Normas de criação e alteração da Unidade Jurisdicionada Outras normas infralegais relacionadas à gestão e estrutura da Unidade Jurisdicionada Regimento Interno da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda aprovado por meio da Portaria MF no 81, de 27 de março de 2012, publicada na Seção 1 do Diário Oficial da União de 30 março de Estrutura Regimental e Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Ministério da Fazenda aprovados por meio do Decreto no 7.482, de 16 de maio de 2011, publicado no Diário Oficial da União de 17 de maio de 2011, com efeitos a partir de 23 de maio de 2011, alterado pelo Decreto no 7.696, de 6 de março de 2012, publicado no Diário Oficial da União de 7 de março de 2012 e Decreto no 8.029, de 20 de junho de 2013, publicado no Diário Oficial da União de 21 de junho de Manuais e publicações relacionadas às atividades da Unidade Jurisdicionada 1) Coordenação-Geral de Recursos Logísticos: 1.1) Regulamentos: Gestão do Almoxarifado; Sistema de Comunicação Visual; Contratações Públicas; Limpeza de Dutos e Higienização da Qualidade do Ar; Acesso às Dependências dos Edifícios - Versão 2.1; Locação de Imóveis - Versão 2; Administração de Imóveis - Versão 2; Atualização do Regulamento de Gestão do Patrimônio; 1.2) Jurisprudência: Obras e Serviços de Engenharia; Dispensa e Inexigibilidade de Licitação; Formação de Preços e Serviços Contínuos; Sistema de Registro de Preços; 1.3) Orientações e outros: Formalização das Alterações Contratuais; Reequilíbrio nos Preços das Contratações; Licitações: Projeto Básico ou Termo de Referência; Revisão do Edital de Licitação de Manutenção de Ar Condicionado; Projeto Básico para Contratação de Assessoria de Comunicação para o GMF; Termo de Referência SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 15

16 para Implantação do Sistema de Comunicação Visual Padronizado no Âmbito da SPOA; Edital para Implantação Sistema de Comunicação Visual; Manual de Fiscalização de Contratos - Versão 2. 2) Coordenação-Geral de Gestão de Pessoas: Manual do Sistema de Avaliação de Desempenho GDAFAZ Unidades Gestoras e Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome Não se aplica a esta Unidade Jurisdicionada. Gestões Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome Não se aplica a esta Unidade Jurisdicionada. Relacionamento entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Unidade Gestora Código SIAFI da Gestão UNIDADE GESTORA: SAMF-SC GESTÃO: 2013 NATUREZA DE RESPONSABILIDADE: Em conformidade com a IN TCU no 63/2010, art. 10 AGENTE: Mario Augusto Gouvêa de Almeida CPF: ENDEREÇO RESIDENCIAL: Avenida Campeche, 1830, bloco 3C / apto 204 Campeche MUNICÍPIO: Florianópolis CEP: UF: SC TELEFONE: (48) (48) CARGO OU Superintendente Administração do MF em Santa Catarina FUNÇÃO: DESIGNAÇÃO: D.O.U. DOCUMENTO: Portaria SPOA/MF Quadro A Rol de Responsáveis EXONERAÇÃO: - DOCUMENTO: - PERÍODO DE GESTÃO: 2013 Data 22/03/2012 Ato/no/ano 251/2012 Data - Ato/no/ano - Data início 01/01/ /02/ /03/ /11/2013 À data fim 27/01/ /03/ /11/ /12/2013 UNIDADE GESTORA: SAMF-SC GESTÃO: 2013 NATUREZA DE RESPONSABILIDADE: Em conformidade com a IN TCU no 63/2010, art. 10 AGENTE: Ronaldo Pinto da Silva CPF: ENDEREÇO RESIDENCIAL: Servidão Ferreira, 225 Campeche MUNICÍPIO: Florianópolis CEP: UF: SC TELEFONE: (48) (48) CARGO OU Superintendente Administração do MF em Santa Catarina Substituto FUNÇÃO: DESIGNAÇÃO: D.O.U. DOCUMENTO: Portaria SPOA/MF EXONERAÇÃO: - DOCUMENTO: - PERÍODO DE GESTÃO: 2013 SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 16

17 Data 23/03/2012 Fonte: SAMF-SC Ato/no/ano 253/2012 Data - Ato/no/ano - Data início 28/01/ /03/ /11/2013 À data fim 08/02/ /03/ /11/ Finalidade e Competências Institucionais da Unidade Finalidade A SAMF-SC tem como principal finalidade prestar apoio logístico aos órgãos do Ministério da Fazenda, bem como a órgãos extrafazendários sediados no Estado de Santa Catarina razão pela qual é considerado um órgão de atividade-meio. Como tal, participa indiretamente na execução das políticas públicas executadas pelos demais órgãos do Ministério da Fazenda em Santa Catarina, dentre eles, a Procuradoria da Fazenda Nacional (PFN/SC) e a Receita Federal do Brasil (RFB/SC). Além disso, participa indiretamente na atuação dos órgãos extrafazendários responsáveis pelo controle interno, auditoria pública, correição, prevenção, combate à corrupção e patrimônio público, notadamente a Controladoria Geral da União (CGU/SC) e a Secretaria de Patrimônio da União (SPU/SC), auxiliando-os a melhor desempenharem suas funções. Dentro de uma visão que busca melhorar a gestão dos gastos públicos, atividade fim deste Ministério da Fazenda, pode-se dizer que esta unidade participa diretamente na gestão dos recursos públicos da União, executando-os sob os princípios de eficiência, eficácia e efetividade Competências Institucionais da Unidade De acordo com art. 66 do Regimento Interno da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda, é da competência da Superintendência de Administração do MF, dentre outras: I - prestar apoio logístico aos órgãos do Ministério da Fazenda, sediados na área de suas jurisdições, planejando, coordenando, acompanhando e executando, de acordo com as normas e os procedimentos padrões estabelecidos, as atividades inerentes aos Sistemas de Pessoal Civil da Administração Federal - SIPEC, de Administração dos Recursos de Informação e Informática - SISP, de Serviços Gerais - SISG, Nacional de Arquivos - SINAR, de planejamento e de Orçamento Federal, de Administração Financeira Federal e de Contabilidade Federal; II - disseminar as informações aos órgãos do Ministério da Fazenda em sua jurisdição, quanto ao cumprimento das normas emanadas do órgão setorial dos sistemas citados no inciso I; III - assessorar, junto às unidades jurisdicionadas, a fiscalização de contratos, abrangendo os de âmbito Nacional, cuja contratação esteja dentro do escopo de atuação da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração; SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 17

18 IV - subsidiar a Subsecretaria na prestação de informações necessárias à elaboração da proposta orçamentária das áreas de logística, de gestão de pessoas e de tecnologia da informação e do conhecimento; V - realizar a tomada de contas anual do ordenador de despesa e demais responsáveis; VI - promover a análise das contas, balancetes, balanços e demonstrativos contábeis da Unidade; VII - prestar apoio técnico e orientação contábil às áreas de execução orçamentária, financeira e patrimonial da Superintendência de Administração; VIII - instaurar, quando couber, a tomada de contas especial de todo àquele que der causa a perda, extravio ou irregularidade que resulte em dano ao erário, no âmbito da Superintendência de Administração; IX - promover a conformidade dos registros de gestão no âmbito da Unidade; X - dar posse em cargos em comissão; XI - conceder salário-família, auxílio, vantagens e licença e demais benefícios previstos em lei; XII - conceder aposentadoria, reversão de servidor aposentado por invalidez, expedir títulos de inatividade e proceder apostilamentos; XIII - conceder pensão, de acordo com a legislação; XIV - reconhecer dívida relativa a pagamentos de exercícios anteriores Organograma Funcional Figura 1A Organograma Funcional Fonte:SAMF-SC De acordo com a Portaria GM nº 81 de 27 de março de 2012, que aprovou a estrutura Regimental da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda, as atribuições da SAMF-SC estão centradas na figura de seu Superintendente, conforme Organograma acima. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 18

19 Contudo, para viabilizar a gestão da Unidade, esta unidade está de fato estruturada conforme Organograma abaixo. Este foi baseado nas SAMFs devidamente estruturadas, que possuem cargos e atribuições adequados e categorizados. No entanto, o citado Organograma existe somente de fato e não de direito, uma vez que não há equivalência entre cargos comissionados (inexistentes) e atribuições desenvolvidas pelos servidores da SAMF-SC. Figura 1B Organograma Funcional SAMF ATI DGP SIOFI GPO GRL INATIVO / PENSÃO ORÇAMENTÁRIO COMPRAS DIRETAS E INDIRETAS TRANSPORTE ALMOX PATRIM ARQUIVO ATIVOS FIANCEIRO CONTRATOS MANUT. PREDIAL Desta forma, as competências foram subdelegadas aos servidores, por meio de Portarias, e estão de acordo com as atribuições elencadas no Regimento supracitado. Principais atribuições por área: Conforme atribuição dada no art. 68 à SAMF-SC e delegada à Gerência de Planejamento e Orçamento GPO, compete: I - coordenar e executar as atividades relacionadas ao processo de planejamento, no âmbito da Superintendência de Administração, em consonância com as políticas e diretrizes estabelecidas pela Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração; II - coordenar e acompanhar ações voltadas para a melhoria dos serviços prestados pela Superintendência de Administração, bem como implementar novas ações em consonância com as diretrizes e determinações da Unidade Central; SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 19

20 V - coordenar a elaboração dos planos anuais e plurianuais, programas e projetos da Superintendência de Administração e determinar ações corretivas, quando necessárias. Conforme atribuição dada no art. 71 à SAMF-SC e delegada ao Serviço de Orçamento e Finanças - SIOFI, compete: I - coordenar a elaboração da proposta orçamentária, no âmbito da Superintendência de Administração; II - promover a elaboração da proposta orçamentária da Superintendência de Administração; III - efetuar e controlar as atividades relacionadas com a programação e execução orçamentária e financeira da Superintendência de Administração. Conforme atribuição dada no art. 72 à SAMF-SC e delegada à Gerência de Recursos Logísticos - GRL, compete: I - planejar, coordenar, orientar e promover as atividades desenvolvidas nas funções de: documentação, arquivos, biblioteca e museus; material de expediente e de consumo; suprimentos, licitações e gestão de contratos, obras, patrimônio, serviços engenharia, transportes, administração de imóveis, serviços terceirizados e comunicação administrativa na jurisdição da Superintendência de Administração; II - acompanhar, controlar e executar as atividades relativas à gestão de documentos e informação; III - viabilizar as condições necessárias à celebração de contratos, convênios e ajustes e seus aditamentos, no âmbito da Superintendência de Administração; IV - gerir os contratos relativos à sua área de competência; V - propor a destinação dos bens móveis inservíveis, sob responsabilidade da Superintendência de Administração; VI - executar e controlar os registros de bens móveis e imóveis sob responsabilidade da Superintendência de Administração; VII - orientar e acompanhar a fiscalização dos contratos relativos à sua área de atuação; VIII - administrar as atividades relativas a arquivo, museu, biblioteca, protocolo, recepção e expedição de documentos, frota de veículos oficiais, administração predial, serviços e sistemas de telefonia e serviços de reprografia no âmbito de sua atuação; IX - executar as atividades relativas ao controle de tráfego, abastecimento e manutenção dos veículos oficiais; SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 20

21 X - organizar e manter atualizados os arquivos de plantas, gráficos, orçamentos e outros dados técnicos necessários à execução de obras e serviços de engenharia; XI - supervisionar e vistoriar obras; XII - solicitar, orientar, acompanhar e controlar a execução das atividades relativas a controle de acesso, administração de edifícios, serviços de limpeza e conservação, vigilância, reparos e conservação de bens móveis e imóveis; XIII - elaborar minutas de editais e contratos; XIV - propor dispensa e reconhecimento das situações de inexigibilidade de licitações; XV - controlar e executar as atividades referentes à administração de material de consumo; XVI - controlar e executar as atividades referentes à aquisição de bens imóveis, móveis, materiais e contratação de serviços; XVII - controlar e executar as atividades referentes à administração de contratos; XVII programar a aquisição de suprimentos de materiais com base nas necessidades; XIX - receber, conferir, codificar e armazenar os materiais de consumo; XX - providenciar a publicação, na imprensa oficial, de convênios, editais, contratos, termos aditivos e demais instrumentos estabelecidos na legislação; XXI - elaborar especificações para compras de materiais e contratações de serviços, bem como projetos básicos, termos de referência e termos aditivos no âmbito da Superintendência de Administração. Conforme atribuição dada no art. 76 à SAMF-SC e delegada à Divisão de Gestão de Pessoas - DGP, compete: I - acompanhar as atividades referentes ao Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal, no âmbito de sua jurisdição; II - acompanhar as atividades referentes à gestão de pessoas, no âmbito de sua jurisdição; III - prestar atendimento aos servidores ativos, aposentados e aos beneficiários de pensão, no âmbito de sua jurisdição; IV - subsidiar o Superintendente de Administração na prestação das informações à Advocacia-Geral da União - AGU/PR, a fim de garantir a defesa da União, bem como ao Poder Judiciário; SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 21

22 V - acompanhar as atividades relativas aos processos administrativos de exercícios anteriores de servidores ativos, aposentados e beneficiários de pensão, no âmbito de sua jurisdição; VI - promover ações necessárias ao cumprimento de decisões judiciais, no âmbito de sua jurisdição; VII - coordenar o processo de desenvolvimento de pessoas da Superintendência de Administração; VIII - acompanhar as atividades relativas ao estágio de estudante, no âmbito de sua jurisdição; IX - executar as atividades referentes à elaboração da folha de pagamento dos servidores ativos, inativos e pensionistas; X - instruir os processos de concessão de aposentadoria, elaborando os atos necessários; XI - instruir os processos de concessão de pensão, elaborando os atos necessários; XII - atender diligências e cadastrar as fichas de concessão de aposentadoria e pensão em sistema do Tribunal de Contas da União - TCU; XIII - instruir os processos administrativos de pagamento de exercícios anteriores, observadas as orientações do órgão gestor do SIPEC, relativas aos servidores aposentados e aos beneficiários de pensão, no âmbito de sua jurisdição Macroprocessos de Apoio Os macroprocessos de apoio da SAMF-SC são: Recursos Logísticos; Orçamento e Finanças; Recursos Humanos; Planejamento; 2. PLANEJAMENTO DA UNIDADE E RESULTADOS ALCANÇADOS 2.1. Planejamento da Unidade A SAMF-SC segue e se orienta pelo Planejamento Estratégico da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração SPOA/MF. Em 2012, a SPOA/MF realizou revisão de seus fundamentos estratégicos, redefinidos para o triênio : QUADRO A FUNDAMENTOS ESTRATÉGICOS DA SPOA MISSÃO Prover soluções administrativas ao Ministério da Fazenda, contribuindo para a melhoria contínua do serviço público, de forma sustentável. VISÃO Ser a provedora de soluções administrativas do Ministério da Fazenda até VALORES Sustentabilidade; inovação; atuação ética; valorização das pessoas; espírito de equipe; otimização; comprometimento; visão holística. Fonte: SPOA/MF. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 22

23 A metodologia adotada pela SPOA, e seguida pela SAMF-SC, é o Balanced Scorecard (BSC) e, para isso, definiu os objetivos estratégicos abaixo relacionados para : PERSPECTIVAS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Fonte: SPOA/MF. QUADRO A OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DA SPOA Cidadão e Sociedade - Aumentar a satisfação das Unidades Usuárias. - Ampliar a atuação junto aos órgãos fazendários. Processos Internos - Implantar novo modelo de gestão. - Automatizar processos de trabalho. Aprendizagem e Crescimento -Efetivar a gestão por competências. - Repor e manter a força de trabalho. - Promover a gestão da informação e do conhecimento. Orçamento e Finanças - Ampliar a disponibilidade de recursos. - Aumentar a produtividade e a efetividade no uso dos recursos. A Gestão estratégica da SAMF-SC, orientada e preconizada pela SPOA/MF, conta com alguns instrumentos para acompanhar o Planejamento Institucional, tais como: Mapa Estratégico, fundamentos estratégicos (missão, visão e valores), objetivos estratégicos e indicadores. Importante frisar que o direcionamento estratégico da SPOA e a deliberação dos assuntos relacionados ao Planejamento Estratégico garantem o envolvimento de todas as áreas e Unidades Regionais incluindo a SAMF-SC mediante reuniões semanais do Comitê de Planejamento (COPLAN), colegiado da SPOA criado em 24 de março de Os objetivos estratégicos estão centrados em quatro perspectivas, quais sejam: Perspectiva Cidadão e Sociedade: relata como a organização identifica as necessidades de seus clientes e usuários, a capacidade de atendê-los adequadamente e a satisfação com o serviço prestado, a dim de alcançar uma boa imagem institucional. Perspectiva Processos Internos: busca expressar as necessidades do órgão no que tange aos processos, ao operacional e ao suporte ao cliente. Perspectiva Aprendizagem e Crescimento: tem foco nos servidores, nas informações, na motivação e no alinhamento, contribuindo para criar a infraestrutura necessária. Perspectiva Orçamento e Finanças: tem como finalidade estruturar a base do órgão público, que é constituído pelos temas orçamentários e financeiros, viabilizando condições necessárias para o alcance dos objetivos almejados. O Painel Estratégico é a representação visual geral da estratégia da SPOA. Nele estão demonstrados os objetivos estratégicos onde a SPOA quer chegar; os fatores críticos de sucesso que são os principais desafios a serem superados para a consecução dos objetivos. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 23

24 QUADRO A PAINEL ESTRATÉGICO Fonte: SPOA/MF A manutenção, portanto, das atividades desta UJ (órgão de atividade-meio) para a consecução de trabalhos relativos ao apoio logístico das Unidades Usuárias envolve essas quatro perspectivas. Deve-se ressaltar a contexto de contingenciamento orçamentário experimentado no segundo semestre de 2013 e seus reflexos sobre a consecução das metas e objetivos propostos. Uma das consequências verificado na perspectiva Aprendizagem e Crescimento, foi a contenção de recursos destinados a Diárias e Passagens que restringiu o número de servidores enviados para treinamentos externos. Deve-se esclarecer que até 2013 não existia um Centro Regional da Escola Superior de Administração Fazendária (ESAF) em Santa Catarina. Assim, grande parte das capacitações presenciais tem sido efetivado por meio de envio dos servidores aos estados do Paraná ou Rio Grande do Sul, implicando em custos de transporte e hospedagem que nossos pares dos estados vizinhos não incorrem. Uma opção que esta unidade vem procurando viabilizar é o estabelecimento de um Centro Regional (CENTRESAF-SC) em Santa Catarina. Este ato institucional poderia fomentar as atividades de capacitação de nossos servidores, com menor custo per capita. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 24

25 2.2. Programação Orçamentária e Financeira e Resultados Alcançados A SAMF-SC não é responsável por programa de Governo, Objetivo ou Ação Informações sobre Outros Resultados da Gestão A SPOA/MF, por meio da portaria nº 840, de 5 de dezembro de 2012, aprovou o conjunto de indicadores definidos para o Planejamento Estratégico da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração (SPOA) e para as demais unidades subordinadas (SAMF-SC), exercício 2013, na forma da tabela a seguir: QUADRO A OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DA SPOA Perspectiva Indicador Meta 2012 Meta 2013 Cidadão e Sociedade Satisfação de Unidades Usuárias 72% 75% Cidadão e Sociedade Avaliação Pós-Serviço Prestado 80% 83% Processos Internos Cumprimento do Tempo Médio de Atendimento 80% 83% Aprendizagem e Crescimento Desenvolvimento de Competências 16h/p 30h/p Desempenho da Execução Orçamentária das Orçamento e Finanças Unidades Indicadores e Metas para a SPOA/MF - exercício % 90% Os indicadores, desenvolvidos então para , são anualmente atualizados com vistas a acompanhar a evolução do planejamento estratégico traçado para este triênio. As perspectivas definidas em nosso Planejamento Estratégico enfoca, dentre outros indicadores, a Avaliação Pósserviço Prestado, o Cumprimento do Tempo Médio de Atendimento, o Desempenho da Execução Orçamentária das Unidades e o Desenvolvimento de Competências. Os indicadores apresentam os seguintes atributos: estão integrados à estratégia e aos fatores críticos de sucesso, são quantificáveis, representativos, simples e claros, específicos, de fácil medição e rapidamente disponível e possuem baixo custo de implementação e obtenção Indicador Avaliação Pós-Serviço Prestado Esse indicador está vinculado ao objetivo de aumentar a satisfação das Unidades Usuárias, ou seja, é responsável por aferir a satisfação das Unidades Usuárias com relação aos serviços prestados pela SPOA, tanto na sua unidade central como nas unidades regionais dentre elas esta UJ (SAMF-SC). SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 25

26 O resultado desse indicador para 2013 foi de 89,93% - acima da meta de 83% estipulada pela SPOA/MF. Gráfico 1: Avaliação Pós Serviço Prestado DEZEMBRO/ ,00% 90,00% 80,00% 70,00% 60,00% 50,00% 40,00% Meta: 83% Resultado Dezembro Meta ,00% 20,00% 10,00% 0,00% Fonte: COPLAN/SPOA/MF Indicador Cumprimento do Tempo Médio de Atendimento Esse indicador está vinculado ao objetivo de implantar um novo modelo de gestão por meio da automatização dos processos de trablaho. É aferido por meio da mensuração da quantidade de atendimento das áreas de recurso humanos, recursos logísticos e tecnologia da informação da SPOA no tempo médio de atendimento em relação à quantidade total de atendimentos da SPOA. O resultado desse indicador para 2013 foi de 91% - acima da meta de 83% estipulada pela SPOA/MF. Gráfico 2: Cumprimento do Tempo Médio de Atendimento DEZEMBRO/2013 Fonte: COPLAN/SPOA/MF SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 26

27 2.3.3 Indicador Desenvolvimento das Competências Esse indicador foi desenvolvido a partir do Mapeamento das Competências, o qual visa direcionar a capacitação dos servidores. O objetivo principal é alinhar esforços para que as competências humanas possam gerar e sustentar as competências organizacionais necessárias à consecução dos objetivos estratégicos da organização. Tal indicador foi construído para mensurar a carga horária total aplicada à capacitação em relação ao número de servidores capacitados, com vistas a efetivar a gestão por competências. A meta prevista pela SPOA/MF para a SAMF-SC foi de 30hs/p para Pela fórmula definida pela SPOA, embora tenha capacitado um número considerável de servidores, não se alcançou a meta. No entanto, a COGEP/SPOA está reavaliando a fórmula do indicador para possível alteração no ano de 2014 com o intuito de que o seu resultado possa ser mais fidedigno com a realidade do desenvolvimento das competências no âmbito da SPOA e suas unidades regionais, nas quais está incluída a SAMF-SC. Segundo a SPOA, a fórmula não é a ideal uma vez que, para medir o resultado do indicador, ela não apresenta a redução do gap (lacuna) existente entre as competências que cada servidor possui e as que necessitam ser desenvolvidas para o alcance dos objetivos da SPOA, razão pela qual necessita urgente de reavaliação e ajuste. Gráfico 3: Desenvolvimento de Competências DEZEMBRO/ ,00 Resultado acumulado Meta 30,00 25,00 23,52 23,56 23,18 22,90 26,39 27,61 26,86 25,59 24,12 24,24 22,09 22,89 20,00 15,00 10,00 5,00 - Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fonte: COPLAN/SPOA/MF SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 27

28 2.3.4 Indicador Desempenho da Execução Orçamentário das Unidades Esse indicador é responsável por aferir a produtividade e a efetividade no uso dos recursos. Foi criado com o propósito de acompanhar e monitorar, mensalmente, a execução orçamentária dos créditos destinados às despesas de custeio da SPOA e Unidades Regionais de modo a evitar desperdícios de recursos. A meta prevista para 2013 foi de 90%, tendo a SAMF-SC alcançado o índice de 83%. Contudo se considerarmos o montante empenhado a liquidar, referente às despesas de novembro e dezembro não liquidadas até 27/12/2013 teríamos ultrapassado a meta estabelecida. Gráfico 4: Desempenho da Execução Orçamentária DEZEMBRO/2013 Fonte: COPLAN/SPOA/MF 3. ESTRUTUTA DE GOVERNANÇA E DE AUTOCONTROLE DA GESTÃO 3.1. Estrutura de Governança O Regimento Interno da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda aprovado pela Portaria nº 81, de 27 de março de 2012, prevê no artigo 24, inciso VIII, a competência da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração de supervisionar, coordenar e orientar as Superintendências de Administração do Ministério da Fazenda, como forma de garantir o alcance dos objetivos propostos para a estrutura de governança e autocontrole da gestão da Subsecretaria. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 28

29 A governança e os mecanismos de controle interno da SPOA se baseiam fundamentalmente na supervisão e monitoramento de ações relacionadas à correição ocorridas no âmbito das Superintendências de Administração e no cumprimento das determinações dos órgãos de controle interno (Controladoria Geral da União CGU) e externo (Tribunal de Contas da União TCU). A informação e a comunicação são instrumentos de controles internos também utilizados pela Subsecretaria e muitas vezes expressos na forma de normas, regulamentos, orientações, manuais, jurisprudência e outros serviços de informação às Superintendências de Administração, disponibilizados na Intranet do órgão. Contudo, deve-se ressaltar que não há uma estrutura de controle interno no âmbito das superintendências ou mesmo da SPOA/MF Avaliação do Funcionamento dos Controles Internos Quadro A.3.2 Avaliação do Sistema de Controles Internos da UJ ELEMENTOS DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS A Avaliação SEREM AVALIADOS Ambiente de Controle A alta administração percebe os controles internos como essenciais à X consecução dos objetivos da unidade e dão suporte adequado ao seu funcionamento. 2. Os mecanismos gerais de controle instituídos pela UJ são percebidos por todos os servidores e funcionários nos diversos níveis da estrutura da X unidade. 3. A comunicação dentro da UJ é adequada e eficiente. X 4. Existe código formalizado de ética ou de conduta. X 5. Os procedimentos e as instruções operacionais são padronizados e estão postos em documentos formais. X 6. Há mecanismos que garantem ou incentivam a participação dos funcionários e servidores dos diversos níveis da estrutura da UJ na elaboração dos procedimentos, das instruções operacionais ou código de X ética ou conduta. 7. As delegações de autoridade e competência são acompanhadas de definições claras das responsabilidades. X 8. Existe adequada segregação de funções nos processos e atividades da competência da UJ. X 9. Os controles internos adotados contribuem para a consecução dos resultados planejados pela UJ. X Avaliação de Risco Os objetivos e metas da unidade jurisdicionada estão formalizados. X SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 29

30 11. Há clara identificação dos processos críticos para a consecução dos objetivos e metas da unidade. X 12. É prática da unidade o diagnóstico dos riscos (de origem interna ou X externa) envolvidos nos seus processos estratégicos, bem como a identificação da probabilidade de ocorrência desses riscos e a consequente adoção de medidas para mitigá-los. 13. É prática da unidade a definição de níveis de riscos operacionais, de X informações e de conformidade que podem ser assumidos pelos diversos níveis da gestão. 14. A avaliação de riscos é feita de forma contínua, de modo a identificar mudanças no perfil de risco da UJ ocasionadas por transformações nos X ambientes interno e externo. 15. Os riscos identificados são mensurados e classificados de modo a serem tratados em uma escala de prioridades e a gerar informações úteis à X tomada de decisão. 16. Não há ocorrência de fraudes e perdas que sejam decorrentes de fragilidades nos processos internos da unidade. X 17. Na ocorrência de fraudes e desvios, é prática da unidade instaurar sindicância para apurar responsabilidades e exigir eventuais X ressarcimentos. 18. Há norma ou regulamento para as atividades de guarda, estoque e inventário de bens e valores de responsabilidade da unidade. X Procedimentos de Controle Existem políticas e ações, de natureza preventiva ou de detecção, para diminuir os riscos e alcançar os objetivos da UJ, claramente estabelecidas. 20. As atividades de controle adotadas pela UJ são apropriadas e funcionam consistentemente de acordo com um plano de longo prazo. 21. As atividades de controle adotadas pela UJ possuem custo apropriado ao nível de benefícios que possam derivar de sua aplicação. X X X 22. As atividades de controle adotadas pela UJ são abrangentes e razoáveis e X estão diretamente relacionadas com os objetivos de controle. Informação e Comunicação A informação relevante para UJ é devidamente identificada, documentada, armazenada e comunicada tempestivamente às pessoas X adequadas. 24. As informações consideradas relevantes pela UJ são dotadas de qualidade X suficiente para permitir ao gestor tomar as decisões apropriadas. 25. A informação disponível para as unidades internas e pessoas da UJ é X SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 30

31 apropriada, tempestiva, atual, precisa e acessível. 26. A Informação divulgada internamente atende às expectativas dos diversos grupos e indivíduos da UJ, contribuindo para a execução das X responsabilidades de forma eficaz. 27. A comunicação das informações perpassa todos os níveis hierárquicos da UJ, em todas as direções, por todos os seus componentes e por toda a sua X estrutura. Monitoramento O sistema de controle interno da UJ é constantemente monitorado para avaliar sua validade e qualidade ao longo do tempo. X 29. O sistema de controle interno da UJ tem sido considerado adequado e efetivo pelas avaliações sofridas. X 30. O sistema de controle interno da UJ tem contribuído para a melhoria de seu desempenho. X Análise Crítica: Dentro da já reduzida estrutura desta SAMF-SC seria inviável segregarmos uma atividade de controle interno, ainda mais que não há na estrutura regimental uma instância de auditoria. Existem controles internos, mas o reduzido quadro de pessoal impede atender de forma plenamente sistematizada, adequada, desejada ou ainda com efetividade comprovada, aos ítens relacionados com a avaliação de risco, procedimentos de controle e monitoramento. A insuficiência de pessoal contribui para reduzir o grau desejável na função do gerenciamento, uma vez que a participação dos gerentes na realização das atividades operacionais se eleva a cada dia. Também pela falta de pessoal a segregação de funções na sua totalidade é impossível de se atingir. Ao longo dos últimos anos não foram registradas ocorrências de desvios pelas auditorias da CGU e do TCU, o que permite dizer que o controle exercido tem sido suficiente e, aliado ao grau de profissionalismo dos servidores desta a Superintendência, tem garantido a realização dos procedimentos de acordo com as normas e sem danos indesejáveis. Escala de valores da Avaliação: (1) Totalmente inválida: Significa que o conteúdo da afirmativa é integralmente não observado no contexto da UJ. (2) Parcialmente inválida: Significa que o conteúdo da afirmativa é parcialmente observado no contexto da UJ, porém, em sua minoria. (3) Neutra: Significa que não há como avaliar se o conteúdo da afirmativa é ou não observado no contexto da UJ. (4) Parcialmente válida: Significa que o conteúdo da afirmativa é parcialmente observado no contexto da UJ, porém, em sua maioria. (5) Totalmente válido: Significa que o conteúdo da afirmativa é integralmente observado no contexto da UJ. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 31

32 3.3. Remuneração Paga aos Administradores Não se aplica a UJ Sistema de Correição A SAMF-SC não possui estrutura própria de correição. Por estar vinculada ao MF, submetese à Corregedoria daquele Órgão. Sua competência está especificada no Art. 25 da Portaria GMF nº 81, de 27 de março de 2012, publicada no Diário Oficial da União, de 30 de março de 2012, a qual aprovou o Regimento Interno da Secretaria Executiva Cumprimento pela Instância de Correção da Portaria nº 1.043/007 da CGU As ocorrências desta unidade são devidamente registradas no sistema CGU/PAD. 3.6 Indicadores para monitoramento e avaliação do modelo de governança e efetividade dos controles internos Não se aplica a esta unidade, uma vez que os indicadres de monitoramento e avaliação são acompanhados e executados no âmbito da Corregedoria do MF e da COGPL/SPOA. 4. TÓPICOS ESPECIAIS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA 4.1. Execução das Despesas Programação A SAMF-SC não se constitui UO e nem possui unidade consolidada ou agregada na qual tenham sido registrados contabilmente os créditos atribuídos originalmente pela LOA. Sendo assim, não será preenchido o Quadro A Programação de Despesas tampouco realizada Análise Crítica (item ). SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 32

33 Movimentação de Créditos Interna e Externa Origem da Movimentação Concedente Quadro A Movimentação Orçamentária Interna por Grupo de Despesa Movimentação dentro de mesma Unidade Orçamentária entre Unidades Jurisdicionadas Distintas UG Recebedora Classificação da ação 1 Pessoal e Encargos Sociais Despesas Correntes 2 Juros e Encargos da Dívida Concedidos Recebidos Origem da Movimentação 3 Outras Despesas Correntes ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE - NACIONAL , ASSISTENCIA MEDICA E ODONTOL AOS SERV. CIVIS, EMPREG., MILITARES E SEUS DEPEND. - NACIONAL , PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS E PENSOES - SERVIDORES CIVIS - NACIONAL , ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE - NACIONAL ,24 Concedente UG Recebedora Classificação da ação 4 Investimentos Despesas de Capital 5 Inversões Financeiras 6 Amortização da Dívida Concedidos Recebidos ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE - NACIONAL , Movimentação entre Unidades Orçamentárias do mesmo Órgão Origem da UG Classificação da ação Despesas Correntes SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 33

34 Movimentação Concedente Recebedora 1 Pessoal e Encargos Sociais 2 Juros e Encargos da Dívida Concedidos Recebidos Origem da Movimentação 3 Outras Despesas Correntes ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE - NACIONAL , AUDITORIA E FISCALIZACAO TRIBUTARIA E ADUANEIRA - NACIONAL , ASSISTENCIA MEDICA E ODONTOLOGICA AOS SERV. CIVIS, EMPREG., MILITARES E SEUS DEPEND. - NACIONAL , AUXILIO-TRANSPORTE AOS SERVIDORES CIVIS, EMPREGADOS E MILITARES - NACIONAL , RECUPERACAO DE CREDITOS, CONSULT, REPRES JUDICIAL E EXTRAJ DA FAZENDA NACIONAL - NACIONAL , ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE - NACIONAL , Concedente UG Recebedora SELECAO E FORMACAO DE RECURSOS HUMANOS EM FINANCAS PUBLICAS E AREAS AFINS - NACIONAL ,08 Classificação da ação 4 Investimentos Despesas de Capital 5 Inversões Financeiras 6 Amortização da Dívida Concedidos Recebidos Fonte: SIAFI Gerencial ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE - NACIONAL , ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE - NACIONAL , SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 34

35 Quadro A Movimentação Orçamentária Externa por Grupo de Despesa UG Despesas Correntes Origem da Movimentação Concedente Recebedora Classificação da ação 1 Pessoal e Encargos Sociais 2 Juros e Encargos da Dívida Concedidos Recebidos Origem da Movimentação Concedente UG Recebedora 3 Outras Despesas Correntes FISCALIZACAO E CONTROLE DO USO DE IMOVEIS DA UNIAO - NACIONAL , U4 - GESTAO DO PATRIMONIO IMOBILIARIO DA UNIAO - NACIONAL , D58 - CONTROLE INTERNO, PREVENCAO A CORRUPCAO, OUVIDORIA E CORREICAO - NACIONAL ,30 Classificação da ação 4 Investimentos Despesas de Capital 5 Inversões Financeiras Concedidos Recebidos Fonte: SIAFI Gerencial Amortização da Dívida U4 - GESTAO DO PATRIMONIO IMOBILIARIO DA UNIAO - NACIONAL , SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 35

36 Realização da Despesa A SAMF-SC não possui Créditos Originários., razão pela qual não serão preenchidos os seguintes Quadros: A Despesas por Modalidade de Contratação - Créditos Originários - Total A Despesas por Modalidade de Contratação - Créditos Originários Valores Executados Diretamente pela UJ A Despesas por Grupo e Elemento de Despesa - Créditos Originários - Total A Despesas por Grupo e Elemento de Despesa - Créditos Originários Valores Executados Diretamente pela UJ Despesas Totais por Modalidade de Contratação Créditos de Movimentação Quadro A Despesas por Modalidade de Contratação Créditos de Movimentação Valores em R$ 1,00 Modalidade de Contratação Despesa Liquidada Despesa paga Modalidade de Licitação (a+b+c+d+e+f+g) , , , ,10 a) Convite b) Tomada de Preços , ,26 c) Concorrência d) Pregão , , , ,84 e) Concurso SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 36

37 f) Consulta - g) Regime Diferenciado de Contratações Públicas Contratações Diretas (h+i) , , , ,80 h) Dispensa , , , ,08 i) Inexigibilidade , , , ,72 3. Regime de Execução Especial 7.980, , , ,85 j) Suprimento de Fundos 7.980, , , ,85 4. Pagamento de Pessoal (k+l) , , , ,19 k) Pagamento em Folha , , , ,52 l) Diárias , , , , ,18 5. Outros , , ,43 6. Total ( ) , , , ,12 Fonte: SIAFI Gerencial SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 37

38 Despesas Totais por Grupos e Elemento de Despesa - Créditos de Movimentação Quadro A Despesas por Grupo e Elemento de Despesa Créditos de Movimentação DESPESAS CORRENTES Grupos de Despesa Empenhada Liquidada RP não processados Valores Pagos 1. Despesas de Pessoal Outros Benefícios Assistenciais , , , Despesas de Exercícios Anteriores , , , , , ,01 2. Juros e Encargos da Dívida Outras Despesas Correntes Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica , , , , , , , , Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física , , , , , , , , Outros Benef. Assist. do Servidor e do Militar , , ,04 - Demais elementos do grupo , , , , , , , ,13 DESPESAS DE CAPITAL Grupos de Despesa Empenhada Liquidada RP não Processados Valores Pagos 4. Investimentos Equipamento e Material Permanente , , , , , , , ,00 5. Inversões Financeiras Amortização da Dívida Fonte: SIAFI Gerencial SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 38

39 Análise Crítica da Realização da Despesa A realização de despesas correntes da UJ no exercício 2013 foi afetada pelas restrições orçamentárias impostas pela Portaria MF 268/2013. O limite autorizado para custeio da SAMF-SC sofreu redução de 16,3%, passando de R$ ,67 para R$ ,15 (dados exclusivos da UG ). O contingenciamento de créditos redundou na redução das valores empenhados para atender despesas correntes e de capital em relação ao exercício anterior. Os impactos do contingenciamento foram administrados na SAMF-SC com remanejamento orçamentário e redução das despesas de manutenção predial e medidas de diminuição do consumo de energia elétrica, dentre outras ações para gestão do contingenciamento. As contratações permaneceram sendo efetuadas preferencialmente na modalidade Pregão, com 59% das despesas liquidadas, enquanto as contratações diretas representaram 26% do total Reconhecimento de Passivos por Insuficiência de Créditos ou Recursos Consultas ao SIAFI Gerencial não identificaram passivos da SAMF-SC por insuficiência de créditos ou recursos, razão pela qual não será preenchido o Quadro A.4.2 Reconhecimento de Passivos por Insuficiência de Créditos ou Recursos tampouco sua Análise Crítica (item 4.2.1) Movimentação e os Saldos de Restos a Pagar de Exercícios Anteriores Quadro A.4.3 Restos a Pagar inscritos em Exercícios Anteriores Valores em R$ 1,00 Restos a Pagar não Processados Ano de Inscrição Montante 01/01/2013 Pagamento Cancelamento Saldo a pagar 31/12/ , , , , , , , Restos a Pagar Processados Ano de Inscrição Montante 01/01/2013 Pagamento Cancelamento Saldo a pagar 31/12/ , , , , , ,02 149, ,27 Fonte: SIAFI Gerencial SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 39

40 Análise Crítica 4.4. Transferência de Recursos No exercício 2013 inexistiram transferências realizadas pela SAMF-SC mediante convênios, contratos de repasse, termos de cooperação ou termos de compromisso, tampouco transferências a título de subvenções, auxílios ou contribuições. Portanto, não serão preenchidos os seguintes quadros: A Caracterização dos Instrumentos de Transferências Vigentes no Exercício de Referência A Quantidade de Instrumentos de Transferências Celebrados e Valores Repassados nos Três Últimos Exercícios A Resumo da Prestação de Contas sobre Transferências Concedidas pela UJ na Modalidade de Convênio, Termo de Cooperação e de Contrato de Repasse A Visão Geral da Análise das Prestações de Contas de Convênios e Contratos de Repasse 4.5. Suprimento de Fundos Suprimento de Fundos - Despesas Realizadas por meio da Conta Tipo B e por meio do Cartão de Crédito Corporativo Quadro A Despesas Realizadas por meio da Conta Tipo B e por meio do Cartão de Crédito Corporativo (Série Histórica) Valores em R$ 1,00 Suprimento de Fundos Exercícios CPGF Conta Tipo B Saque Fatura Total (R$) Quantidade (a) Valor Quantidade (b) Valor Quantidade (c) Valor (a+b+c) , , , , , , Fonte: SIAFI Gerencial Suprimento de Fundos Conta Tipo B A SAMF-SC não concedeu Suprimento de Fundos por Conta Tipo B no exercício 2013, portanto não será preenchido o Quadro A Despesas Realizadas por Meio de Suprimento de Fundos por UG e por Suprido (Conta Tipo B ). SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 40

41 4.5.3 Suprimento de Fundos Cartão de Crédito Corporativo (CPGF) Quadro A Despesa Com Cartão de Crédito Corporativo por UG e por Portador Valores em R$ 1,00 Código da UG SAMF-SC Limite de Utilização da UG ,00 Portador CPF Valor do Limite Individual Saque Valor Fatura Total JOSE NILSON DA SILVA / , ,38 131, ,87 Total Utilizado pela UG 1.774,38 131, ,87 Código da UG 2: CGU/SC Limite de Utilização da UG: (incluído no limite SAMF-SC) DEBORAH CRISTINA GARCIA DA SILVA /65 800,00-458,50 458,50 Total Utilizado pela UG - 458,50 458,50 Código da UG 3: PFN/SC Limite de Utilização da UG: (incluído no limite SAMF-SC) ELISABETE FOGAR LOPES /08 700,00-473,29 473,29 FELIPE DULAC GOULART / ,00 270,00-270,00 GUILHERME GONÇALVES CARDOSO / ,00-658,91 658,91 JULIANE GARGHETTI /68 800,00-798,98 798,98 Total Utilizado pela UG 270, , ,18 Total Utilizado pela UJ 2.044, , ,55 Fonte: SIAFI Gerencial SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 41

42 Prestação de Contas de Suprimento de Fundos Quadro A Prestações de Contas de Suprimento de Fundos (Conta Tipo B e CPGF) Suprimento de Fundos Conta Tipo B CPGF Situação Qtd. Valor Qtd. Valor Qtd. Valor Qtd. Valor Qtd. Valor Qtd. Valor PC não Apresentadas PC Aguardando Análise PC em Análise PC não Aprovadas PC Aprovadas , ,05 Fonte: Controles Internos SAMF-SC SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 42

43 Análise Crítica As despesas com a utilização de suprimentos de fundos foram realizadas exclusivamente na modalidade Cartão de Crédito Corporativo - CPGF, inexistindo concessões da SAMF-SC para Conta Tipo `B`. Os recursos utilizados na sistemática de suprimento de fundos CPGF foram utilizados pelos supridos da SAMF-SC, PFN/SC e CGU/SC para atender despesas excepcionais e de pequeno vulto das respectivas UGs. As aquisições em geral referem-se a aquisição de materiais de consumo, de combustível para carros oficiais em postos não conveniados, além de pequenos reparos em veículos Renúncias sob a Gestão da UJ A SAMF-SC não possui renúncias de receitas sob a sua gestão, razão pela qual não serão preenchidos os seguintes Quadros: A Benefícios Financeiros e Creditícios Geridos pela UJ ou Benefícios Financeiros e Creditícios Estimados e Quantificados pela UJ A Renúncias Tributárias sob Gestão da UJ ou Renúncias Tributárias Estimadas e Quantificadas pela UJ A Valores Renunciados e Respectiva Contrapartida A Valores Renunciados por Tributo e Gasto Tributário A Contribuintes Beneficiados pela Renúncia - Pessoas Físicas A Contribuintes Beneficiados pela Renúncia - Pessoas Jurídicas A Beneficiários da Contrapartida da Renúncia - Pessoas Físicas A Beneficiários da Contrapartida da Renúncia - Pessoas Jurídicas A Aplicação de Recursos da Renúncia de Receita pela Própria UJ A Prestação de Contas de Renúncia de Receitas A Comunicações à RFB A Indicadores de Gestão da Renúncia de Receitas A Ações da RFB 4.7. Gestão de Precatórios O tópico Gestão de Precatórios não se aplica à SAMF-SC. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 43

44 5 GESTÃO DE PESSOAS, TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA E CUSTOS RELACIONADOS (Parte A, item 5, do Anexo II da DN TCU n.º 127, DE 15/5/2013) Atualmente, a SAMF-SC faz a gestão da folha de pagamentos dos servidores ativos, inativos e pensionistas do Ministério da Fazenda no estado de Santa Catarina excetuando-se os ativos da Receita Federal, que gerem sua própria folha desde Em que pese, o nível de responsabilidade do Chefe de Divisão de Gestão de Pessoas (DGP) perante CGU e TCU, a área de Recursos Humanos da SAMF-SC é chefiada por servidora que ocupa Função Comissionada Técnica, uma vez que o Gabinete não pode acumular tal função. Salientamos que as citadas Funções Comissionadas Técnicas não são destinadas para uma carreira ou cargo gerencial. Para fazer frente à rotina de trabalho, a DGP conta com 01 (um) servidor ocupante do cargo de Agente Administrativo, 02 (dois) ocupantes do cargo de Assistente Técnico Administrativo, 01 (um) servidor ocupante do cargo de Técnico em Contabilidade, e 05 (cinco) anistiados da Eletrosul Centrais Elétricas do Sul do Brasil S.A. e Serpro. Além disso, a DGP acompanha as ações judiciais relativas a área, assim como fornece subsídios a AGU quando solicitada. A DGP é responsável, ainda, pela alimentação do sistema SCDP Sistema de Concessão de Diárias e Passagens. Com relação a esta atividade, além das concessões de diárias e passagens da própria SAMF-SC, são executadas as rotinas referentes às concessões à PFN. 5.1 Estrutura de pessoal da unidade Demonstração da Força de Trabalho à Disposição da Unidade Jurisdicionada Lotação A SAMF-SC, até o momento, não conseguiu suprir a sua necessidade de pessoal. Embora o volume de trabalho tenha ampliado em função do aumento das demandas das Unidades Jurisdicionadas e demais atendidas por esta UJ o quadro de pessoal vem reduzindo a cada ano em função das aposentadorias e pedidos de vacância de cargos. Desde 2010, não foi realizado concurso com vistas a repor a mão de obra. Em 2009, foi realizado concurso, porém apenas 02 (dois) servidores tiveram o ingresso efetivado. Destes, somente 01 (um) permanece exercendo suas funções na SAMF-SC. A SAMF-SC encontrava-se, ao final do exercício de 2013, com 27 (vinte e sete) servidores ocupantes de cargos efetivos: 09 (nove) funcionários anistiados oriundos da SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 44

45 Eletrossul e Dataprev e 06 (seis) terceirizados. Estão divididos entre as seguintes divisões e assessorias: i) Divisão de Gestão de Pessoas (DGP); ii) Gerência de Recursos Logísticos (GRL); iii) Gerência de Planejamento e Orçamento (GPO); iv) Serviço de Orçamento e Finanças (SIOFI); e v) Assessoria de Tecnologia e Informática (ATI). Com relação ao contingente de pessoal envolvido na execução das atividades, em sua grande maioria, a força de trabalho é composta de servidores do quadro permanente, conforme demonstrado abaixo: QUADRO A FORÇA DE TRABALHO DA UJ SITUAÇÃO APURADA EM 31/12 Tipologias dos Cargos Autorizada Lotação Efetiva Ingressos no Exercício Egressos no Exercício 1. Servidores em Cargos Efetivos ( ) Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira ( ) Servidores de carreira vinculada ao órgão Servidores de carreira em exercício descentralizado Servidores de carreira em exercício provisório Servidores requisitados de outros órgãos e esferas Servidores com Contratos Temporários Servidores sem Vínculo com a Administração Pública Servidores cedidos - SERPRO Servidores anistiados - SEM Total de Servidores ( ) Fonte: SIAPE Situações que reduzem a força de trabalho da Unidade Jurisdicionada QUADRO A SITUAÇÕES QUE REDUZEM A FORÇA DE TRABALHO DA UJ Quantidade de Pessoas na Tipologias dos afastamentos Situação em 31 de Dezembro 1. Cedidos ( ) Exercício de Cargo em Comissão Exercício de Função de Confiança Outras Situações Previstas em Leis Específicas (especificar as leis)* Cessão para Justiça Eleitoral. Lei n / Afastamentos ( ) Para Exercício de Mandato Eletivo Para Estudo ou Missão no Exterior Para Serviço em Organismo Internacional Para Participação em Programa de Pós-Gradução Stricto Sensu 0 SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 45

46 no País 3. Removidos ( ) De Oficio, no Interesse da Administração A Pedido, a Critério da Administração A pedido, independentemente do interesse da Administração para acompanhar cônjuge/companheiro A Pedido, Independentemente do Interesse da Administração por Motivo de saúde A Pedido, Independentemente do Interesse da Administração por Processo Seletivo 0 4. Licença Remunerada ( ) Doença em Pessoa da Família Capacitação Para Tratamento da Saúde 4 5. Licença não Remunerada ( ) Afastamento do Cônjuge ou Companheiro Serviço Militar Atividade Política Interesses Particulares Mandato Classista 0 6. Outras Situações (Especificar o ato normativo) 0 7. Total de Servidores Afastados em 31 de Dezembro ( ) Fonte: SIAPE Qualificação da Força de Trabalho Para atender as demandas oriundas das competências que chefias são atribuídas via Regimento Interno, a estrutura de Cargos em Comissão e Funções Gratificadas da SAMF/SC é ínfima. Conforme demonstrado no quadro abaixo, esta conta com apenas 01 (um) DAS e 01 (um) DAS Assim, as competências de chefias são subdelegadas para servidores por meio de Funções Comissionadas Técnicas e Funções Gratificadas. Salientamos que as citadas Funções Comissionadas Técnicas não são destinadas para uma carreira ou cargo gerencial Estrutura de Cargos e de Funções QUADRO A DETALHAMENTO DA ESTRUTURA DE CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES GRATIFICADAS DA UJ (SITUAÇÃO EM 31 DE DEZEMBRO) Tipologias dos Cargos em Comissão e das Lotação Ingressos no Egressos no Funções Gratificadas Autorizada Efetiva Exercício Exercício 1. Cargos em Comissão Cargos Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 46

47 Superior Servidores de Carreira Vinculada ao Órgão Servidores de Carreira em Exercício Descentralizado Servidores de Outros Órgãos e Esferas Sem Vínculo Aposentados Funções Gratificadas Servidores de Carreira Vinculada ao Órgão Servidores de Carreira em Exercício Descentralizado Servidores de Outros órgãos e Esferas Total de Servidores em Cargo e em Função (1+2) Fonte: SIAPE Qualificação do Quadro de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Segundo a Idade Conforme pode ser verificado no quadro A abaixo, há predominância de servidores na faixa etária entre 51 a 60 anos. Tais servidores deverão implementar as condições para aposentadoria em um curtíssimo espaço de tempo. A situação demonstrada nesse quadro aponta para a necessidade urgente de novas contratações. Caso não haja essa reposição, isso incorrerá na inviabilização do desempenho desta UJ na medida em que se completem as condições para efetivar essas aposentadorias. QUADRO A QUANTIDADE DE SERVIDORES DA UJ POR FAIXA ETÁRIA SITUAÇÃO APURADA EM 31/12 Quantidade de Servidores por Faixa Etária Tipologias do Cargo Até 30 De 31 a De 41 a De 51 a Acima de anos 40 anos 50 anos 60 anos 60 anos 1. Provimento de Cargo Efetivo Membros de Poder e Agentes Políticos Servidores de Carreira Servidores com Contratos Temporários Provimento de Cargo em Comissão Cargos de Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento Superior Funções Gratificadas Totais (1+2) Fonte:SIAPE SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 47

48 Qualificação do Quadro de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Segundo a Escolaridade A força de trabalho é composta basicamente por servidores ocupantes de cargos de Nível Médio, embora a maior parte possua grau de escolaridade superior completo. QUADRO A QUANTIDADE DE SERVIDORES DA UJ POR NÍVEL DE ESCOLARIDADE SITUAÇÃO APURADA EM 31/12 Quantidade de Pessoas por Nível de Escolaridade Tipologias do Cargo Provimento de Cargo Efetivo Membros de Poder e Agentes Políticos Servidores de Carreira Servidores com Contratos Temporários Provimento de Cargo em Comissão Cargos de Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento Superior Funções Gratificadas Totais (1+2) LEGENDA Nível de Escolaridade 1 - Analfabeto; 2 - Alfabetizado sem cursos regulares; 3 - Primeiro grau incompleto; 4 - Primeiro grau; 5 - Segundo grau ou técnico; 6 - Superior; 7 - Aperfeiçoamento / Especialização / Pós-Graduação; 8 Mestrado; 9 Doutorado/Pós Doutorado/PhD/Livre Docência; 10 - Não Classificada. Fonte:SIAPE SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 48

49 5.1.3 Custos de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Tipologias/ Exercícios Vencimentos e Vantagens Fixas QUADRO A QUADRO DE CUSTOS DE PESSOAL NO EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA E NOS DOIS ANTERIORES Despesas Variáveis Retribuições Gratificações Adicionais Indenizações Benefícios Assistenciais e Previdenciários Demais Despesas Variáveis Despesas de Exercícios Anteriores Membros de Poder e Agentes Políticos Exercícios Servidores de Carreira que não Ocupam Cargo de Provimento em Comissão , , , , , ,46 R$ 0,00 457, , ,38 Exercícios , , , , , ,48 R$ 0,00 R$ 0, , , , , , , , ,47 R$ 0,00 R$ 0, , ,10 Servidores com Contratos Temporários Exercícios Servidores Cedidos com Ônus ou em Licença ,28 0, , , , ,52 78,26 0,00 0, ,62 Exercícios ,28 0, , , , ,00 0,00 0,00 0, , ,03 0, , , , ,78 0,00 0,00 0, ,03 Servidores Ocupantes de Cargos de Natureza Especial Exercícios Servidores Ocupantes de Cargos do Grupo Direção e Assessoramento Superior , , , , , ,50 0,00 0,00 0, ,15 Exercícios , , , , , ,00 0,00 0,00 0, , , , , , , ,93 0,00 0,00 0, ,69 Servidores Ocupantes de Funções Gratificadas , , , , , ,64 36,02 0, , ,22 Exercícios , , , , , ,51 0, ,70 0, , , , , , , ,61 0,00 0, , ,87 Fonte: Programa DW-DataWarehouse Decisões Judiciais Total SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 49

50 5.1.4 Composição do Quadro de Servidores Inativos e Pensionistas Classificação do Quadro de Servidores Inativos da Unidade Jurisdicionada Segundo o Regime de Proventos e de Aposentadoria QUADRO A COMPOSIÇÃO DO QUADRO DE SERVIDORES INATIVOS - SITUAÇÃO APURADA EM 31 DE DEZEMBRO Regime de Proventos / Regime de Aposentadoria De Servidores Aposentados até 31/12 Quantidade De Aposentadorias Iniciadas no Exercício de Referência 1. Integral Voluntária Compulsória Invalidez Permanente Outras Proporcional Voluntária Compulsória Invalidez Permanente Outras Totais (1+2) Fonte: SIAPE A SAMF-SC concede aposentadoria aos servidores da Receita Federal do Brasil (RFB) em Santa Catarina. O quadro acima apresenta o número total de aposentadorias concedidas no exercício de 2013, incluindo as concessões para a RFB Demonstração das Origens das Pensões Pagas pela Unidade Jurisdicionada QUADRO A INSTITUIDORES DE PENSÃO - SITUAÇÃO APURADA EM 31/12 Quantidade de Beneficiários de Pensão Regime de Proventos do Servidor Acumulada até Instituidor Iniciada no Exercício de Referência 31/12 1. Aposentado Integral Proporcional Em Atividade Total (1+2) Fonte: SIAPE SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 50

51 5.1.5 Cadastramento no Sisac Atos Sujeitos à Comunicação ao Tribunal por intermédio do SISAC QUADRO A ATOS SUJEITOS AO REGISTRO DO TCU (ART. 3º DA IN TCU 55/2007) Tipos de Atos Quantidade de atos sujeitos ao registro no TCU Exercícios Quantidade de atos cadastrados no SISAC Exercícios Admissão Concessão de aposentadoria Concessão de pensão civil Concessão de pensão especial a ex-combatente Concessão de reforma Concessão de pensão militar Alteração do fundamento legal de ato concessório Totais Atos Sujeitos à comunicação ao TCU QUADRO A ATOS SUJEITOS À COMUNICAÇÃO AO TCU (ART. 3º DA IN TCU 55/2007) Tipos de Atos Quantidade de atos sujeitos à comunicação ao TCU Exercícios Quantidade de atos cadastrados no SISAC Exercícios Desligamento Cancelamento de concessão Cancelamento de desligamento Totais Regularidade do cadastro dos atos no Sisac QUADRO A REGULARIDADE DO CADASTRO DOS ATOS NO SISAC Tipos de Atos Quantidade de atos de acordo com o prazo decorrido entre o fato caracterizador do ato e o cadastro no SISAC Exercício de 2013 Até 30 dias De 31 a 60 dias De 61 a 90 dias Mais de 90 dias Atos Sujeitos ao Registro pelo TCU (Art. 3º da IN TCU 55/2007) Admissão Concessão de aposentadoria Concessão de pensão civil Concessão de pensão especial a ex-combatente Concessão de reforma Concessão de pensão militar SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 51

52 Alteração do fundamento legal de ato concessório Total Atos Sujeitos à Comunicação ao TCU (Art. 3º da IN TCU 55/2007) Desligamento Cancelamento de concessão Cancelamento de desligamento Total Atos Sujeitos à Remessa ao TCU em meio físico A ATOS SUJEITOS À REMESSA FÍSICA AO TCU (ART. 14 DA IN TCU 55/2007) Quantidade de atos sujeitos ao envio ao Quantidade de atos TCU enviados ao TCU Exercícios Exercícios Tipos de Atos Pensões graciosas ou indenizatórias Outros atos fora do SISAC (especificar) Totais Acumulação Indevida de Cargos, Funções e Empregos Públicos Não há casos de acumulação indevida nesta UJ Providências Adotadas nos Casos de Acumulação Indevida de Cargos, Funções e Empregos Públicos Não se aplica a esta UJ Indicadores Gerenciais Sobre Recursos Humanos A SAMF-SC não possui indicadores gerenciais específicos para medir o número de Acidentes de Trabalho e Doenças ocupacionais. No entanto, realiza o acompanhamento da evolução do quadro de afastamentos por meio das homologações das licenças médicas e pelos relatórios enviados pelo Subsistema Integrado de Atenção a Saúde do Servidor (SIASS). O SIASS realiza perícias para homologar: Licenças médicas dos servidores, Avaliação da Capacidade laborativa, Remoção de servidor por motivo de doença, Concessão de horário especial para servidor portador de deficiência, Invalidez permanente, Avaliação da sanidade mental do servidor para fins de processo disciplinar, Concessão de isenção de Imposto de Renda dentre outros. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 52

53 Conforme demonstrado no gráfico abaixo, o percentual de afastamentos na SAMF-SC (código indicativo ), no período de 02/01/2013 a 31/12/2013, foi de 5% em relação ao número total de servidores. Ainda segundo aquela Unidade, tais afastamentos não foram motivados por doenças ocupacionais. Gráfico 5: Ocorrências de Afastamento por Local de Trabalho Fonte: Unidade do SIASS - INSS/FLORIANÓPOLIS 5.2 Terceirização de Mão de Obra Empregada e Contratação de Estagiários Informações sobre Terceirização de Cargos e Atividades do Plano de Cargos do Órgão Não se aplica a esta unidade, pois é de responsabilidade da Unidade Central: COGEP/SPOA/MF Autorizações Expedidas pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para Realização de Concursos Públicos para Substituição de Terceirizados Não se aplica a esta unidade, pois é de responsabilidade da Unidade Central: COGEP/SPOA/MF. O preenchimento do quadro A será providenciado pela unidade central SPOA, pois o quantitativo de substituição visa atender todas as Unidades do Órgão (Ministério da Fazenda), cuja responsabilidade de acompanhar o processo é atribuída ao administrador de cada unidade do serviço. SAMF-SC/SPOA/SE/MF RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Página 53

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Brasília (DF), março de 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Estado de São Paulo PRESTAÇÃO DE CONTAS

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 22 MARÇO/23 Relatório de Gestão 22 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 22 Relatório de Gestão

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Março/2015 Relatório de Gestão 2014 SAMF/RR 1 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Relatório

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU ANEXO I PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU nº 47, de 2004, DN/TCU nº 81, de 2006, e NE/CGU nº 03, de 2006, instituída pela Portaria CGU nº 555, de 2006 Discriminação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.102, DE 6 DE SETEMBRO DE 2013 Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EERCÍCIO DE 2014 Brasília - DF / 2015 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2013 PROCESSO : 09144.000037/2014-14 RELATÓRIO : 06/2014 UNIDADE

Leia mais

Relatório de Gestão - Exercício 2013

Relatório de Gestão - Exercício 2013 Relatório de Gestão - Exercício 2013 Março/2014 RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Relatório de Gestão do exercício de 2013 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Missão SPOA: Visão SPOA: Valores SPOA

RELATÓRIO DE GESTÃO. Missão SPOA: Visão SPOA: Valores SPOA RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 Missão SPOA: Visão SPOA: Valores SPOA Prover soluções Ser a provedora de Sustentabilidade; administrativas ao soluções administrativas inovação, atuação ética; Ministério da Fazenda,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ INTERESSADO: Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR ASSUNTO:

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda no Estado do Rio de PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Março/2013 Relatório de Gestão SAMF/RJ-2012 Superintendência

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília (DF), março de 2014 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP/CGE Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP/CGE Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais PORTARIA TRT 18ª GP/SGP/CGE Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais e regimentais; Considerando o disposto na Instrução

Leia mais

DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010.

DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Executiva do Núcleo Segurança. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

Auditorias Internas. Auditorias Internas

Auditorias Internas. Auditorias Internas Auditorias Internas Área Cod Sigla Oficina CH Planejamento 10 PPA 20 LDO 21 Previsão da Receita Orçamento 22 23 Orçamento - Elaboração Orçamento Alterações Orçamentárias 24 Orçamento Classificações Orçamentárias

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO 530 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL - CONSOLIDADA RELATÓRIO Nº : 189892 UCI EXECUTORA : 170961 EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 04972.000579/2007-59 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Abril/2015 Relatório de Gestão 2014 SAMF/AP RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Relatório de Gestão do exercício de 2014 apresentados aos órgãos de controle

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

Relatório de Gestão do exercício de 2013

Relatório de Gestão do exercício de 2013 GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Relatório de Gestão do exercício de 2013 Março, 2014. GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Relatório de Gestão do exercício de 2013 Relatório de Gestão do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre os prazos e procedimentos para apresentação do processo de Contas Anual das Superintendências Regionais e suas unidades jurisdicionadas.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Relatório de Gestão do exercício de 2014 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas anual

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA-EXECUTIVA

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA-EXECUTIVA MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA-EXECUTIVA UJ/SE/MTur PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Brasília-DF, março de 2013 MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA-EXECUTIVA

Leia mais

PORTARIA CGU Nº 328, DE 29 DE FEVEREIRO DE 2008

PORTARIA CGU Nº 328, DE 29 DE FEVEREIRO DE 2008 PORTARIA CGU Nº 328, DE 29 DE FEVEREIRO DE 2008 O SECRETÁRIO-EXECUTIVO DA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo art. 24 do Anexo ao Decreto nº 5.683, de 24 de janeiro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 10 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº :201108660 UNIDADE AUDITADA :110008 - MINISTERIO DA PESCA E

Leia mais

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011.

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA R E S O L U Ç Ã O Nº 074/2011-PGJ.* O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso das atribuições

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009

PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009 PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009 Dispõe acerca de competências, estrutura, lotação e alocação de funções de confiança da Secretaria- Geral da Presidência (Segepres). A SECRETÁRIA-GERAL

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003.

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. Discriminação da peça I Rol de Responsáveis, assinado pela Diretoria Colegiada,

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Ministério da Fazenda. Modelo de Mensuração dos Custos

Ministério da Fazenda. Modelo de Mensuração dos Custos Ministério da Fazenda Modelo de Mensuração dos Custos Novembro de 2014 Objetivo Desenvolver e implantar o modelo de mensuração dos custos do MF, de maneira a contribuir para a avaliação da eficiência das

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência Administrativa do Tribunal de Justiça e estabelece seu Regulamento. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO CÓDIGO UG : 170106 RELATÓRIO Nº : 208865 UCI EXECUTORA : 170113 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/MS, Em atendimento à determinação contida na Ordem de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 71000.010766/2007-25

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCI Sistema de Controle Interno Versão: 1.0 Aprovada em: 31/10/2011 Unidade Responsável: Unidade Central de Controle Interno I -

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 532 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL L E I Nº 7.071/2015 Dispõe sobre a estrutura administrativa da Câmara Municipal de Jaraguá do Sul e dá outras providências. O PREFEITO DE JARAGUÁ DO SUL, no uso das atribuições que lhe são conferidas,

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Gabinete do Ministro, órgão subordinado diretamente ao Ministro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Instituto Federal do Espírito Santo Prestação de Contas Ordinária Anual Relatório de Gestão do Exercício de 2012

Instituto Federal do Espírito Santo Prestação de Contas Ordinária Anual Relatório de Gestão do Exercício de 2012 1 Introdução O presente relatório tem como principais objetivos a prestação de contas anual realizada junto aos órgãos fiscalizadores e a apresentação de informações que contemplem a análise da gestão

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL. Relatório de Atividades de Auditoria Interna PAAI - 2013

CONTROLADORIA GERAL. Relatório de Atividades de Auditoria Interna PAAI - 2013 CONTROLADORIA GERAL Relatório de Atividades de Auditoria Interna PAAI - 2013 Dezembro/2012 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Controladoria Geral PLANO DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAAI ANO DE 2010

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA-EXECUTIVA

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA-EXECUTIVA MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA-EXECUTIVA UJ/SE/MTur PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília-DF, março de 2014 MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA-EXECUTIVA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais e PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais e regimentais; Considerando o disposto na Instrução Normativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício de 2011 SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO DO MF/ES 03/2012 1 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício de 2011

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011

PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA-EECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO NO PIAUÍ PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA PLANO ANUAL DE ATDADES DE EXERCÍCO DE 2011 1 Í N D C E : NTRODUÇÃO DA FATORES CONSDERADOS NA ELABORAÇÃO DO PANT DO PLANO ANUAL DE ATDADES DE CONSDERAÇÕES GERAS ANUAL 2 N T R O D U Ç Ã O Ministério da Educação

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

SAMF - AC PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

SAMF - AC PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 SAMF - AC PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Março/2015 SAMF - AC PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 Relatório de Gestão

Leia mais

ATO CSJT.GP.SG Nº 310/2014

ATO CSJT.GP.SG Nº 310/2014 1588/2014 Conselho Superior da Justiça do Trabalho 2 transformada em uma função comissionada de Supervisor de Seção, nível FC-5, e transferida para a Seção de Gestão Estratégica, subordinada à Coordenadoria

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25004.005767/2007-09 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL Coordenadoria de Acompanhamento e Orientação da Gestão Seção de Acompanhamento da Gestão Seção de Controle de Pessoal PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2015 14 de outubro de 2014 1. Introdução Tendo em vista a

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de São Paulo (Suest/SP)

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de São Paulo (Suest/SP) Fundação Nacional da Saúde RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de São Paulo (Suest/SP) Superintendência Estadual de São Paulo RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO INSA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO INSA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO INSA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 MARÇO/2012 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA

Leia mais