PlínioOswaldo Assmann

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PlínioOswaldo Assmann"

Transcrição

1 O Metrô de São Paulo foi global antes da globalização Para o engenheiro Plínio Oswaldo Assmann, a Companhia do Metrô de São Paulo (Metrô-SP) que ele presidiu nos seus primórdios, de 1971 a 1977, durante a implantação da primeira linha de metrô e o delineamento da segunda constituiu-se, no final da década de 1960 e início da de 1970, numa das maiores competências mundiais em termos metroviários. Assmann recorda que no processo de seleção dos engenheiros era indispensável, na época, que estes apresentassem diploma e passaporte. Já que todos além dos técnicos de nível médio deveriam ser enviados a diversos países, de onde sempre voltavam com as mais avançadas propostas tecnológicas. Nesse sentido, o Metrô de São Paulo foi global antes da globalização, diz ele, acrescentando que logo depois muitos avanços tecnológicos aconteceram em São Paulo e foram seguidos pelos metrôs de outros países uma vitória da engenharia brasileira. Em cada item de que se compõe o sistema houve a preocupação de se escolher as mais modernas e avançadas tecnologias. Divisor de águas na engenharia brasileira, a implantação do Metrô-SP deflagrou não só um formidável desenvolvimento em projetos, obras e equipamentos, mas também elevou a novos patamares a qualidade técnica e a capacidade de absorção de tecnologia. Máquinas perfuradoras gigantescas passaram sob prédios num centro urbano altamente adensado, como o Palácio da Justiça, por exemplo, que foi construído por Ramos de Azevedo, a Caixa Econômica, a Praça da Sé onde aconteceu a histórica implosão do Edifício Mendes Caldeira e outros antigos edifícios. Segundo Assmann, eram edificações que não podiam ter um recalque maior do que 10 milímetros. Ele lembra que os túneis, com um diâmetro de 6 metros, passaram por debaixo desses prédios sem causar qualquer abalo. As obras se iniciaram na Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, no Jabaquara, ainda na época do prefeito José Vicente Faria Lima. Mas o grande impulsionador foi o engenheiro José Carlos de Figueiredo Ferraz, nomeado consultor especial pelo prefeito. Não tínhamos nenhuma experiência nessa área, porém em pouco tempo o Metrô e as empresas nacionais de engenharia de projetos, construção e montagem tornaram- -se autossuficientes, enquanto altos índices de nacionalização dos equipamentos eram atingidos, orgulha-se Assmann, que, entre muitos outros cargos, ocupou a presidência da Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa) e foi secretário estadual de Transportes, na gestão do governador Mário Covas FOTOs: leonardo moreira / ARQUIVO FOTOs: ARQUIVO ENGENHARIA PlínioOswaldo Assmann Consultor empresarial presidente do Metrô-SP de 1971 a engenharia 607 / 2011 engenharia 607 /

2 LINHA DE FRENTE DA ENGENHARIA engº Plínio Oswaldo Assmann, 78 anos, nascido na pequena cidade de Piratuba, no oeste de Santa Catarina, é o que se poderia chamar de homem dos sete instrumentos. Engenheiro mecânico eletricista graduado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (turma de 1956), Assmann foi, entre outras coisas, professor da mesma Politécnica/USP, na cadeira de Máquinas Elétricas; engenheiro da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e da Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa); gerente da companhia Aços Villares; presidente do Metrô de São Paulo por sete anos; presidente da Cosipa; presidente dos conselhos de administração da privatização da Caraíba Metais (BA) e da Companhia Nacional do Cobre (RS) empresas de propriedade do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); presidente do conselho de administração do Metrô do Rio de Janeiro; membro da primeira diretoria da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM); secretário de Transportes do Estado de São Paulo, na gestão do governador Mário Covas, quando implementou o Programa de Concessões Rodoviárias do Estado; diretor superintendente do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT); presidente do Instituto de Engenharia (IE) na A implantação do Metrô-SP incorporou, à época, o que de mais moderno havia em termos de tecnologia e induziu as empresas nacionais a dar um grande salto de qualidade gestão Eu sou um dócil indócil, define-se Assmann. Sempre trajado com sóbria elegância, empertigado, cosmopolita sem afetação, de comunicação fácil e clara, ele costuma guarnecer algumas frases com um olhar demorado em direção ao repórter e um riso que se interrompe tão rapidamente quanto aflora aos lábios: é a senha para que o interlocutor perceba que aquela fala merece tratamento VIP na estruturação da reportagem. Considerado um dos profissionais do setor de transporte público mais bem sucedidos e reconhecidos no Brasil em todos os tempos, Plínio Assmann é o focalizado desta edição na série de reportagens Linha de Frente da Engenharia sobre engenheiros que alcançaram grande destaque em suas trajetórias profissionais. A par de suas múltiplas realizações em outras áreas, não se pode desligar a figura de Plínio Assmann da história do Metrô de São Paulo. Divisor de águas na engenharia brasileira, a implantação do Metrô-SP deflagrou não só um formidável desenvolvimento em projetos, obras e equipamentos, mas também elevou a novos patamares o aumento da qualidade técnica e capacidade de absorção de tecnologia. Não tínhamos nenhuma experiência nessa área, porém em pouco tempo o Metrô e as empresas nacionais de engenharia de projetos, construção e montagem tornaram-se autossuficientes, enquanto altos índices de nacionalização dos equipamentos eram atingidos, orgulha-se ele, que presidiu a companhia durante a implantação da primeira linha e o delineamento da segunda, de 1971 a De fato, a implantação do Metrô-SP incorporou, à época, o que de mais moderno havia em termos de tecnologia e induziu as empresas nacionais a promoverem um grande salto de qualidade, pelo rigor de suas especificações. O metrô paulistano foi o primeiro no mundo a operar em Automatic Train Operation (ATO) e a ter um Centro de Controle Operacional (CCO) centralizado para todas as linhas. Muitos especialistas e estudiosos, brasileiros e do exterior, asseguram que o Metrô-SP foi uma universidade, com contribuições altamente positivas para a engenharia brasileira. Em sua entrevista exclusiva à REVIS- TA ENGENHARIA, Plínio Assmann proferiu, à queima-roupa, uma frase de impacto. O Metrô de São Paulo foi global muito antes da globalização. Ou seja, apesar do metrô que foi construído na capital paulista ter sido executado por engenheiros formados nas escolas brasileiras, ele foi extremamente moderno porque esses profissionais foram verificar o que havia de mais avançado em termos de tecnologia no mundo. Tudo isso foi feito sem outra coisa que não gosto de viajar e vontade de aprender. Para trabalhar no Metrô de São Paulo, o jovem engenheiro tinha que ter diploma e passaporte. Ele saía, ia aprender alguma coisa lá fora e trazia para cá. Ou seja, a companhia foi mesmo global antes da globalização. Isso tudo foi feito com simplicidade, sem custos exagerados, só as despesas normais das viagens. Os jovens pioneiros do Metrô passaram a conhecer os engenheiros dos outros metrôs do mundo que entendiam bastante daquele assunto, e que eles precisavam dominar para colocar em prática em São Paulo. O Metrô de São Paulo foi construído assim. Além disso, naquela época, os técnicos da companhia se correspondiam com os técnicos da mesma especialidade dos metrôs de Londres, Paris, Toronto. Quer dizer, o Metrô de São Paulo teve acesso à melhor tecnologia disponível naquele momento. Para Assmann, o desenvolvimento tecnológico não constitui, como poderia parecer à primeira vista, um processo de evolução gradual e contínuo tipicamente representável por uma curva ascendente. Essa seria somente a imagem simplificada de uma realidade mais complexa, que se apresenta na forma de verdadeiros saltos qualitativos, ou momentos tecnológicos, seguidos de períodos relativamente prolongados de assimilação, maturação e aplicação. Desses momentos resultaram verdadeiras ondas de desenvolvimento tecnológico, que extravasaram os limites de seus setores originais, induzindo processos abrangentes. São bem conhecidos os exemplos da introdução no país da indústria siderúrgica, através da implantação da Companhia Siderúrgica Nacional [CSN], e da Chesf [Companhia Hidro Elétrica do São Francisco], que abriu um longo caminho de construções de hidrelétricas com tecnologia e empresas nacionais; assim como outro momento tecnológico, o da instalação do parque automobilístico, todos com forte incentivo promocional do Estado, que criou o conceito de controle de qualidade do produto, ainda antes não atingido em nossa indústria, enumera Assmann. Depois veio o caso do Metrô de São Paulo, que se perfila junto com esses exemplos, e estabeleceu as bases da transição para uma nova fase no desenvolvimento urbano, fundamentada no transporte rápido de massa de avançada tecnologia. Era a democratização do transporte coletivo de massas com dignidade, apesar de, ironicamente, o início das obras ter-se dado exatamente no dia 14 de dezembro de 1968, quando as manchetes de todos os jornais brasileiros estampavam a assinatura, na véspera, do Ato Institucional nº 5. A exemplo da siderurgia, das barragens e da indústria automobilística, as linhas de metrô constituíam também, no imaginário de seus idealizadores, um grande universo tecnológico aparentemente impenetrável, de segredos quase míticos. Teríamos engenheiros e arquitetos em condições de projetar e implantar obras subterrâneas e túneis em plena área urbana densamente ocupada e utilizada? Teríamos engenharia elétrica e eletrônica? Teríamos recursos humanos à altura da tarefa de operar e manter o sistema? E até mesmo nossa população, estaria ela preparada para utilizar um metrô moderno e automatizado? Como já deu a entender Assmann, para enfrentar o desafio e em decidido gesto de autoestima, optou-se por adotar os recursos mais modernos e de mais avançada tecnologia disponíveis na época, o que significou em muitos casos o pioneirismo absoluto em nível mundial. O senhor foi o primeiro presidente do Metrô? indagamos. Não. Muita gente pensa que fui eu, mas o primeiro presidente do Metrô foi o Francisco Quintanilha Ribeiro, que foi ministro- -chefe da Casa Civil do então presidente da República, Jânio Quadros. Eu fui o que ficou mais tempo na presidência da companhia: sete anos. O Metrô de São Paulo foi uma das obras fundamentais realizadas pela moderna engenharia nacional. Mas como o resto do Brasil não acompanhava esta dinâmica de avanço tecnológico instaurada pela Companhia do Metrô, criamos uma associação, com o objetivo de ajudar a difundir essas inovações para as outras cidades brasileiras: a Associação Nacional de Transportes Públicos ANTP. Para que as outras partes do Brasil tivessem uma referência melhor sobre o que de mais moderno acontecia no mundo. A ANTP englobava metrô, ônibus, rede ferroviária, veio CBTU [Companhia Brasileira de Trens Urbanos], veio todo mundo que tratava de transportes públicos. Então o Metrô de São Paulo uniu toda a comunidade nacional de transportes públicos. A ANTP está para fazer 35 anos de vida. De dez em dez anos há um congresso que une o Brasil inteiro. Agora mesmo, na segunda quinzena de outubro, houve um, no Rio de Janeiro. E aí as pessoas que estão envolvidas com transportes públicos se informam umas com as outras sobre aquilo que o Metrô e demais companhias estão realizando. Por iniciativa do Metrô de São Paulo também se trouxe para o Brasil a reunião da União Internacional do Transporte Público, que é um congresso mundial na especialidade dos transportes públicos. De modo que foi criado um canal de comunicação permanente, sem custos, com o mundo. Ao fazer isso, o passo de modernidade que o Metrô de São Paulo deu foi enorme. Quer dizer, o Metrô trouxe a melhor tecnologia do mundo para ser feita no Brasil, mas com a participação ativa da indústria brasileira. Dessa forma, entramos no estado da arte, ou seja, atingimos o nível de desenvolvimento tecnológico mundial daquela época. Só para você ter ideia, o metrô da capital americana Washington, que foi inaugurado depois do metrô paulistano usou tecnologia mais atrasada que a nossa. Então o Metrô de São Paulo foi pioneiro numa série de inovações. Na época, nós tínhamos consciência de que, se estávamos fazendo o primeiro metrô do Brasil, tínhamos que ter um nível de excelência, porque aquele deveria passar a ser o padrão dali por diante. E esse padrão ainda hoje persiste, 40 anos depois. O senhor costuma dizer que há 40 anos o Metrô de São Paulo inovou em tecnologia da informação. Como é isso? pedimos que explicasse. Bom, naquela época nem se usava esse nome. Mas nós fomos pioneiros na base. Ou seja, o Metrô de São Paulo, mesmo nos primórdios, foi profundamente automático. Uma automação ousada, adotada com êxito. Tanto que nunca houve trombada entre trens no Metrô. Os trens sempre foram comandados pelo CCO [Centro de Controle Operacional] do Bairro do Paraíso, automaticamente. Eram três computadores. Naquela época os equipamentos eram enormes e hoje são menores, claro. Um que opera a linha, outro que faz tudo igual para o caso de acontecer algum problema, e o terceiro para ver qual dos dois primeiros é que está certo. Para não ter erro mesmo. Então o Metrô de são Paulo foi praticamente do primeiro metrô do mundo a usar circuitos eletrônicos vitais com êxito. Teve o de São Francisco, na Califórnia, também. Mas num sistema cheio de passageiros, com o usuário aceitando a novidade para valer, o primeiro a ter circuitos eletrônicos vitais que comandavam o trem, foi o de São Paulo. Na época só se tinha isso na agência espacial americana, a Nasa. Para lançamento de foguetes. A confiabilidade desses circuitos eletrônicos que comandam frenagem, aceleração do trem, todas essas coisas, foi plenamente confirmada pelo povo. Então foi um sucesso tecnológico monumental. E também foi espetacular a forma como o Metrô de São Paulo internalizou essa tecnologia no Brasil. Havia o fornecedor estrangeiro no caso, americano que entregava os sistemas de segurança encomendados. Aí o Metrô contratou a Unicamp e a USP para conferir tudo que os americanos faziam. Os americanos tinham que fazer os projetos, preparar os desenhos. Tudo era checado. A título de curiosidade: como subproduto desse processo, a USP acabou criando uma fundação, a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia [FDTE]. A fundação foi instituída em 1972 por um grupo de professores da Escola Politécnica. Concebida e estruturada como uma interface entre o ambiente acadêmico e o setor produtivo, a FDTE estabeleceu, como seu objetivo básico, contornar as diferenças naturais entre esses dois ambientes, possibilitando uma parceria eficiente e eficaz para o desenvolvimento tecnológico do Brasil. Além disso, contratamos outro laboratório independente que fazia testes nos Estados Unidos. De modo que tudo foi conferido. Tudo foi analisado pelos brasileiros, para que o fornecedor não cometesse erros. Até porque errar é humano. Interessante que hoje a Linha 4-Amarela do Metrô funciona sem operador. Mas há 40 anos o operador do trem só ficava lá na cabine e continuou ficando ano após ano porque ninguém tinha coragem de dizer que o trem podia funcionar sozinho. Havia o medo de que as pessoas apelidassem os trens do Metrô de trem fantasma. Mas não quero, de forma alguma, tirar o valor do operador. Ele faz algumas coisas. Fala com o CCO e outros detalhes. Mas o fato é que hoje a Linha 4-Amarela está sem operador e funciona normalmente. Quais as dificuldades iniciais para perfurar túneis e lidar com os diferentes tipos de solo da cidade de São Paulo? perguntamos a seguir. As operações envolvendo o subsolo foram outra aventura. Na região da Avenida Paulista é um tipo de solo, no Anhangabaú é outro solo. Então muitos perguntavam como é que o equipamento shield [Earth Pressure Balanced (EPB)], o popular tatuzão, vai passar por baixo de regiões tão diferentes umas das outras, do ponto de vista geológico? Passando, ué! Na Rua Boa Vista, no centro bancário da cidade, não havia só o problema dos prédios aparentes, mas tam- FOTOs: ARQUIVO ENGENHARIA 30 engenharia 607 / 2011 engenharia 607 /

3 bém as construções subterrâneas escondidas que existiam e não estavam no mapeamento. O tatuzão ia evoluindo pela Boa Vista e de repente trombava com verdadeiras caixas- -fortes no subterrâneo dos prédios, sem conhecimento de ninguém. Segundo técnicos atualmente em atividade no Metrô-SP, quando o primeiro shield furou túneis na primeira linha, a então Jabaquara-Santana, os operários trabalhavam na frente do equipamento escavando manualmente e sob pressão. Era um sacrifício muito grande. A pessoa entrava num compartimento que ficava dentro do túnel e que chamávamos eclusa. Na verdade, era uma câmara hiperbárica, um local em que a pressão de oxigênio pode ser elevada acima da pressão atmosférica normal. O operário permanecia sentado durante três horas, submetendo-se à pressão que havia dentro da câmara, com temperatura muito alta e ambiente muito úmido. Quando ele estivesse pronto, isto é, ficasse com a mesma pressão existente na frente do equipamento shield, ele saía do compartimento e ia trabalhar dentro do túnel. Ou seja, abria-se uma portinha e o operário trabalhava escavando por cerca de três horas. Eram vários operários, mas não muitos. Quando terminava aquele turno de três horas mais ou menos, eles voltavam para a eclusa e ficavam lá para mudar a pressão. Eram aproximadamente mais três horas na câmara hiperbárica reduzindo aos poucos a pressão para que esta se igualasse à pressão atmosférica e o trabalhador pudesse sair para o mundo exterior. Criou-se uma associação, com o objetivo de ajudar a difundir para as outras cidades brasileiras as inovações trazidas pelo Metrô-SP: a Associação Nacional de Transportes Públicos Hoje, conversando com técnicos do Metrô de São Paulo, apura-se que as pessoas que trabalhavam nisso, sofriam bastante naquela época. As velhas shields que fizeram a Norte-Sul (hoje Linha 1-Azul), foram utilizadas também no trecho entre a Praça da Sé e o Largo do Arouche da Linha 3-Vermelha (Leste Oeste, na época). Depois elas viraram sucata. Não tinham mais utilidade. Segundo os especialistas, a shield tem uma vida útil bem determinada, passando daquilo não adianta insistir, porque não dá para aproveitar. E o capítulo das implosões de grandes edifícios, como foi? pedimos que Assmann recordasse. A implosão do Edifício Mendes Caldeira, que deu lugar à Estação Sé do Metrô, vai completar 36 anos em 16 de novembro. Bom, pelo projeto, o Metrô tinha que demolir o prédio. E todo dia tinha gente que estava passando em baixo e levava tijolada na cabeça. Porque, apesar do tapume e demais cuidados, o trabalhador está lá em cima com a marreta... Broom! Pá! Pum! E atingia a pessoa. Não dava para continuar assim. Para demolir o Mendes Caldeira na base da marreta e picareta seria preciso isolar toda a Praça da Sé... Como seria possível? Um absurdo! Aí decidimos que iríamos fazer implosão. Mas antes teríamos que aprender a fazer implosão. O problema era que só existia uma firma americana que fazia isso. Ela teria que se associar a uma firma brasileira, para transferir conhecimento. Antes de o americano fazer a coisa, tinha que explicar tudo para a gente. Tínhamos que contratar um escritório de engenharia para saber o que o americano estava fazendo. Era americano falando, brasileiro junto, japonês junto, IPT [Instituto de Pesquisas Tecnológicas] junto... E uma companhia de engenharia brasileira acompanhando tudo. E assim o Mendes Caldeira acabou vindo abaixo. A implosão do prédio comercial de 30 andares com 364 escritórios durou apenas 8 segundos, num domingo, e reuniu centenas de espectadores que queriam ver de perto o espetáculo. A técnica ainda era novidade no Brasil. Nunca um prédio tão alto havia sido demolido desta forma. O edifício virou 20 toneladas de entulho com o novo método que pela primeira vez no país substituiu a demolição por picaretas. Durante semanas, 360 quilos do explosivo tritonita foram colocados em 972 furos, nos pilares do prédio de 30 andares. O Metrô convidou pessoas e credenciou 300 jornalistas para o espetáculo que mudou a paisagem do centro, unindo as praças Clóvis Beviláqua e a Sé. Mas a ideia original não era fazer a implosão sem avisar ninguém, num sigilo total até a hora da detonação? solicitamos que esclarecesse. De fato, tinha esse problema: a gente achava que não podia contar para ninguém. Não podia fazer chegar ao conhecimento dos jornalistas, não podia anunciar. Porque se anunciasse o povo vinha em massa e ninguém segurava. Então chegou o sábado anterior ao domingo da implosão, todo mundo teve que deixar os escritórios em volta, a praça foi fechada. Acontece que um jornalista do extinto Diário Popular [atual Diário de S. Paulo ] anunciou que no dia seguinte, domingo, haveria a implosão, porque o padre da Catedral da Sé comunicou aos fiéis que no domingo não vai ter missa, porque o Metrô vai fazer a implosão do Mendes Caldeira. Aí lotou. Afinal, quem tinha falado era padre. Não dava mais tempo de voltar atrás. Credenciou-se a imprensa e fizemos a implosão. De aprendizado em aprendizado, fomos seguindo. O Metrô estava aberto para a mídia, fez curso de metrô para jornalistas. Os jornalistas não sabiam o que era aquilo, nem sabiam fazer as perguntas. Então tem por aí jornalista que hoje é famoso e que fez o curso de metrô. E todo engenheiro ou técnico do Metrô podia falar com jornalista. Não tinha problema, podia falar à vontade. E os técnicos e engenheiros muitas vezes falavam besteira. Aí o jornalista vinha conferir comigo. E eu dizia se estava errado ou não. O senhor diria que o Metrô representou um ponto de inflexão na cobertura jornalística da editoria de Cidades? pedimos que opinasse. Eu diria que sim. Porque, com o advento das obras do Metrô, os jornais começaram a perceber que havia mais assunto para as editorias de Cidade que não apenas crimes e outros casos policiais. Porque, antes, as páginas de Cidade eram somente crime e afins. Os jornais perceberam que havia alguma coisa positiva acontecendo na cidade. Aí começaram a surgir os cadernos de Cidade com jornalistas de melhor qualidade. E, dessa forma, o Metrô estava todo dia no jornal. Na época, a censura à imprensa era braba e tinha receita de bolo nas páginas do Jornal da Tarde e versos de Camões nas do Estadão. As receitas e versos entravam nos vazios deixados pelas matérias censuradas. Até que um dia aconteceu um fato muito interessante: o Estadão publicou na primeira página uma fotografia do tapume do Metrô com aquela caveira sobre duas tíbias cruzadas, que é a sinalização universal de perigo por alta tensão elétrica. Embaixo da fotografia estava escrito: Liberdade interditada. O Metrô interditou a Avenida da Liberdade etc., dizia o texto. Aí eu percebi que o censor estava de nosso lado, do lado do Metrô. Esse foi o recado que o censor deu para todo mundo: certas coisas não vão mais ser censuradas. Pode censurar o que for, mas não o Metrô. Quer dizer, o Metrô vinha agindo de forma correta, não escondia nada e merecia confiança. Inclusive o Metrô ajudou a própria imprensa. E a imprensa ajudou o Metrô porque o editor só mandava para cá bons jornalistas. Aí, lembro-me que começou pelos jornais a polêmica do trem. Uns achavam o trem bonito, outros achavam feio. A companhia chegou a decidir colocar uma máscara de plástico na frente do trem, para agradar quem achava que era feio. Só que, de repente, percebemos que o maior sucesso, o galã do Metrô não era o trem, era a escada rolante. O povão adorou, não conhecia escada rolante. Porque não tinha. Só tinha na Galeria Prestes Maia, subindo do Anhangabaú para a Praça do Patriarca. O Metrô comprou 130 escadas rolantes, rápidas e largas. Foi a sensação. Qual o papel reservado para a engenharia brasileira no trabalho de ajudar o Brasil a superar suas insuficiências na área de infraestrutura? perguntamos. Você aí toca no ponto nevrálgico. Então vou dizer o seguinte: a coisa que mais faz falta no Brasil de hoje mas que o Brasil tinha 30 anos atrás é um projeto de nação. O planejamento brasileiro hoje é reflexo do que o mercado mundial pede e quer. O mercado quer mina de ferro? O Brasil é um grande produtor mundial de minério de ferro. O mercado mundial quer soja. Então o Brasil atende. Mas, décadas atrás, o Brasil fazia coisas como, por exemplo, a maior hidrelétrica do mundo: Itaipu. Recentemente Itaipu perdeu essa posição porque os chineses construíram a usina hidrelétrica de Três Gargantas, que a superou. Mas tudo bem. E veja que Itaipu foi feita pelos engenheiros brasileiros. O pessoal da área de engenharia começou a aprender a fazer hidrelétrica no Rio Tietê, no Rio Pardo, no Rio Grande, no Rio Paraná. Foi crescendo, crescendo... e chegou a Itaipu. No peito e na raça. Não fazemos mais hidrelétrica assim. Apesar de tudo o que se fala de Belo Monte, no Estado do Pará uma hidrelétrica de tamanho inferior do que seria desejável para um rio monumental como o Xingu, ela deveria ser projetada para produzir muito mais energia do que o volume que vem sendo anunciado. Admito que temos agora a questão do meio ambiente. Tá certo. Só que o meio ambiente virou maior que o próprio Brasil. O pano de fundo, no entanto, é que não temos projeto de nação. Porque o problema é o seguinte: as insatisfações dos mais diversos setores aparecem, mas como o Brasil não tem rumo, as insatisfações predominam. Então, minha resposta sintética a sua pergunta é essa: falta de projeto de nação. Qual a repercussão disso sobre a engenharia brasileira? pedimos que considerasse. Ah! A engenharia nacional não morrerá. O Brasil tem boas escolas de engenharia. Algumas são ótimas. A escola de engenharia ensina o aluno a estudar. Engenharia não é para vagabundo. Vagabundo não gosta de engenharia. Então a escola de engenharia ensina a estudar e o estudante sai de lá com capacidade para trabalhar e produzir. Como é uma pessoa culta, ele logo vira um líder. Ele vai liderar gente, chefiar equipes de operários, vai ter que produzir para o Brasil. Então a engenharia brasileira não morrerá nunca. Mesmo porque nós ainda temos muito para construir neste país. A infraestrutura não cai do céu. Outras coisas caem do céu: produção agrícola, por exemplo e outras coisas mais, dependem do céu. Mas infraestrutura tem que ser feita por completo pela mão do homem, do começo ao fim. Nós observamos uma falha enorme na área de infraestrutura. Para os mais jovens, que não se recordam, na década de 1970 veio o primeiro grande choque do petróleo. Justo quando nós estávamos para dar um grande salto para frente. Veio o choque... e o Brasil não produzia petróleo. Naquela época foi uma cacetada e tanto que o Brasil levou. A infraestrutura dos Estados Unidos foi feita com petróleo a 2 dólares por barril. E no primeiro choque do petróleo, o petróleo foi a 20 dólares o barril. Portanto, tivemos problema sério. Hoje nós temos petróleo. Hoje somos o país mais rico do mundo em recursos naturais. E temos tudo por fazer. E quem vai fazer isso? A engenharia. A engenharia é a profissão mais humana que existe. O engenheiro é mais humano que os profissionais de ciências humanas. Por quê? Porque o engenheiro faz a aplicação das leis da natureza em benefício do homem. Então o engenheiro aprende a domar um rio. Do conhecimento dele nascem estruturas, resistências de materiais. O engenheiro é um indivíduo que trabalha junto com os liderados dele. O engenheiro é assim: formou, foi procurar um emprego, é mandado a trabalhar em algum lugar às vezes distante de onde foi criado, e ele tem que virar líder. E os engenheiros brasileiros desempenharam bem as suas tarefas até agora. Eu diria que estamos numa fase eu espero de fim de um período de transição. O processo de recessão durou uma geração. Acho que hoje toda a instituição brasileira está estruturada para não fazer as coisas. A legislação brasileira atual desestimula a realização de empreendimentos. A Lei das Licitações 8.666, os tribunais de contas brecando obras dizendo que é em nome da honestidade, mas não é. No Brasil, toda essa legislação teria que ser refeita, se quisermos progredir. Então essa questão do projeto de Com o advento das obras do Metrô-SP, os jornais começaram a perceber que havia mais assunto para as editorias de Cidade que não apenas crimes e outros casos policiais nação diz respeito diretamente à engenharia. No Brasil só existe projeto de poder? indagamos. O tio Nicolau Maquiavel já falava, há mais de cinco séculos, que poder é algo que precisa existir e ser dominado. E não se pode escapar disso. Não é disso que estou falando em relação ao Brasil. O problema aqui é a falta de uma diretriz geral. De lideranças que entendam o Brasil. Os líderes brasileiros normalmente entendem de uma parte, mas não entendem a propositura geral do Brasil. Mas durante 50 anos, de 1930 até 1980, nós tivemos uma liderança no Brasil. O Brasil, no fim da década de 1970 tornou-se a oitava economia do mundo. Então o Brasil, sempre teve projeto nacional. A partir da recessão dos anos 1980, perdeu o rumo. Ainda não encontramos o caminho novamente, eu acho. O PAC, por exemplo, o que o senhor acha dele? perguntamos. É uma lista de obras. Não é um projeto, é uma lista. Mas, tudo bem, pelo menos existe isso. É melhor que nada. Mas não é um II PND Plano Nacional de Desenvolvimento dos tempos dos ministros Simonsen e Reis Velloso [Durante a gestão de Mario Henrique Simonsen, como ministro da Fazenda, e João Paulo dos Reis Velloso, como ministro do Planejamento, foi implementado o II Plano Nacional de Desenvolvimento, que visava dar seguimento ao processo de industrialização brasileiro no período mundial conturbado dos anos 1970, por meio de uma política de entrada de capitais com o fim de promover o desenvolvimento da indústria de base e possibilitar uma economia mais ampla e diversificada, estruturada para a dimensão do país]. O II PND era uma visão integrada do Brasil. O PAC é só um conjunto de obras. Como o senhor vê o futuro das parcerias público-privadas [PPPs] no país? pedimos que analisasse. Eu diria o seguinte: nós temos três modelos de contratação de obras públicas: as obras públicas regidas pela Lei [de licitações]; nós temos a PPP e nós temos as concessões. Eu acho que esse modelo institucional que nós temos aí não é normal. A não é um instrumento normal para contratação de obras públicas. A PPP é um pouco melhor, mas ela tem um viés parecido. E as concessões seguem a mesma linha. Então nós estamos dentro de uma instituição de direito que não facilita as 32 engenharia 607 / 2011 engenharia 607 /

4 contratações públicas. Claro que o pessoal especializado entende muito bem da matéria, e contorna todas as proibições com instrumentos que nem sempre são muito recomendáveis. Quer dizer, esse processo de legislação que nós temos, não valoriza a engenharia. Ao contrário, pune a engenharia. Pela 8.666, o contratante, que é o governo, é obrigado a fazer uma licitação de projeto que a esmagadora maioria das vezes é feita pelo menor preço. E a coisa melhor para que se tenha uma boa obra, é que seja feito um bom projeto. Esse problema todo que a mídia bateu forte, com a queda do ministro dos Transportes, do pessoal do DNIT, e assim por diante, tem um pano de fundo comum: a falta de projeto. A razão de tudo isso, com toda a corrupção envolvida, é não ter havido projeto nas obras. No Brasil, logo após a Segunda Guerra Mundial, tempos de Juscelino Kubitschek, foi construída uma das maiores redes rodoviárias do mundo: em todos os casos, o DNER fazia a obra com projeto. Sem projeto, a obra não saía. As obras que são taxadas hoje como promotoras de corrupção, são obras feitas sem projeto. E o novo ministro dos Transportes simplesmente afirma em público que o projeto da obra da BR-116 em Pernambuco, passava no meio de um lago. Quer dizer, o projeto simplesmente não foi feito. Por quê? Porque é licitação pelo menor preço. E ninguém deveria economizar no projeto. Porque com um bom projeto o custo da obra cai pela metade. Hoje o Brasil não dispõe de consultoria independente. Infelizmente. Como se explica essa falta de consultoria independente no mercado? pedimos que abordasse. Veja bem: a consultoria independente é uma engenharia que emite uma opinião que nem sempre é a opinião do governo. Afinal, é independente. Nos Estados Unidos é obrigatório por lei do Congresso Nacional deles que qualquer proposta de obra pública seja acompanhada de parecer de uma consultoria independente. Este poderia ser um caminho para o Brasil, mas aqui não é feito assim. Nosso modelo é o seguinte: o político brasileiro, o que ele quer é iniciar coisas novas e depois seu sucessor que termine a obra. E essas coisas novas são verdadeiras aventuras, porque não são estudadas a fundo. Mas o administrador público quer realizá-las de qualquer maneira, compreende? Isto é muito importante falar. Ou seja, nós destruímos nossa engenharia com Pela lei 8.666, de licitações, o contratante, que é o governo, é obrigado a fazer uma licitação de projeto que a esmagadora maioria das vezes é feita pelo menor preço esses modelos da lei de licitação & cia. ltda. Voltando à pergunta anterior: sem uma boa engenharia, a PPP não tem salvação e a concessão também não tem salvação. Então, a sua pergunta sobre a PPP que eu acho muito boa só tem uma resposta: é preciso haver bom projeto, é preciso que se tenha uma boa engenharia. Porque, com projeto ruim, tudo redunda numa solução ruim, numa demora da execução do empreendimento, e assim por diante. Então nada se faz seja em concessão, seja em PPP, seja em lei sem um bom projeto. O setor privado brasileiro é vivo o suficiente para se adaptar às circunstâncias, mas os empresários reconhecem que se o setor pudesse contar com bons projetos ele poderia produzir obras muito melhores do que as que está produzindo. Eles sabem disso. Pode falar um pouco de sua pessoa e carreira? solicitamos. Eu sou um dócil indócil (rindo). O primeiro aspecto que vou ressaltar o mais importante tem a ver com a minha geração. Eu me formei na Escola Politécnica da USP na especialidade de engenharia mais abrangente de toda a engenharia. Eu me formei engenheiro mecânico eletricista. Digo isso porque a engenharia mais popular é a civil. Mas ela não é a mais abrangente das engenharias. Pelo menos até recentemente. O desenvolvimento econômico e tecnológico do Brasil já aponta para que a engenharia mais popular não seja mais a civil. A engenharia de maior popularidade hoje é a engenharia mecânica. Bem, é uma questão marcadamente mercadológica. À época em que eu me formei, a atividade tecnológica brasileira era muito mais uma competência construtiva do que uma competência propriamente tecnológica. Da mesma forma, no futuro é possível até que as engenharias mais procuradas sejam as engenharias da tecnologia da informação. Então eu tive o privilégio de me formar numa modalidade de engenharia que cobria todas as modalidades de engenharias. Dessa maneira, eu aprendi bem as engenharias fundamentais. Que são baseadas nas leis naturais. Eu me formei em Os professores da Poli/ USP, na época, tinham salários correspondentes a desembargador. Infelizmente não é mais assim. A Politécnica não era no campus da universidade como é hoje. A escola funcionava no Bom Retiro, na Praça Coronel Fernando Prestes, onde atualmente está a Faculdade de Tecnologia, a Fatec-SP. Além da qualidade extrema do professorado, os estudantes eram jovens ciosos em ajudar no desenvolvimento brasileiro, de participar ativamente da vida da nação. Ou seja, participar da política brasileira. Era realmente uma oportunidade raríssima, um caldeirão de ideias e de informações que se desenvolvia no âmbito daquele grupo de estudantes. Na época, comigo se formaram outros 230 engenheiros. Minha turma. Então eu, como muitos outros, participei da militância da política estudantil. Ativamente. Eu participei da campanha do Petróleo é Nosso, que produziu mais tarde a Petrobras. E participei de um movimento político nacional da época, que se chamava Movimento Nacionalista. E representei o Grêmio Politécnico, que era o Centro Acadêmico da Poli e é até hoje, há mais de 100 anos. Representei o Grêmio nos congressos da UNE [União Nacional dos Estudantes]. Que figuras se destacavam? Quais os expoentes do Movimento Nacionalista, na época? pedimos que enumerasse. Um era o Gabriel Passos, deputado federal da UDN [União Democrática Nacional] por Minas Gerais e agora nome de refinaria de petróleo da Petrobras. Ele foi o autor do primeiro projeto do petróleo na Câmara Federal, espaço que eu frequentei muito lá no Rio de Janeiro, que era a capital federal. Quem assumiu o projeto finalmente foi o Getúlio Vargas, que era presidente da República. Mas a iniciativa foi da UDN. Esse era um movimento onde as várias faculdades da USP tinham a sua opinião política. A Poli tinha essa. Nacionalista. Havia as faculdades que tinham opiniões mais conservadoras. Ah! lembrei- me agora do nome de Dagoberto Salles, deputado federal paulista do PSD [Partido Social Democrático] que integrou com outros, como Darcy Passos, também paulista, a Frente Nacionalista que lutou pela preservação das riquezas nacionais. O nacionalismo de então nada teve com o nacionalismo europeu que deu origem às duas grandes guerras mundiais. Dagoberto Salles foi o autor do projeto que criou o CNEN, Conselho Nacional de Energia Nuclear. Na época lutava-se pela preservação do minério de tório, mineral atômico das chamadas areias monazíticas levadas à sorrata por submarinos alemães durante a Segunda Guerra Mundial. Bom, eu acabei dirigindo o Departamento de Cultura do Grêmio Politécnico, que se encarregava de trazer esses líderes nacionais para fazerem palestras para alunos e professores. Trouxe na época um intelectual brasileiro, Josué de Castro, autor de alguns livros importantes. Josué de Castro é uma destas figuras marcantes de cientista que teve uma profunda influência na vida nacional e grande projeção internacional nos anos que decorreram entre 1930 e Ele dedicou o melhor de seu tempo e de seu talento para chamar a atenção para o problema da fome e da miséria que assolavam e que, infelizmente, ainda assolam o mundo. Ao escrever, em 1946, o festejado livro Geografia da Fome afirmava que a fome não era um problema natural, isto é, não dependia nem era resultado dos fatos da natureza: ao contrário, era fruto de ações dos homens, de suas opções, da condução econômica que davam a seus países. Nós trazíamos para o Grêmio Politécnico pessoas de todos os matizes políticos. Trouxemos até Carlos Lacerda. Enfim, havia em torno da Poli um movimento em prol do conhecimento dos problemas brasileiros. A ideia central nascida na escola era a de que nós tínhamos que ajudar a industrialização do Brasil. E fizemos isso. Daí a vocação de muitos alunos da Poli que acabaram envolvidos na construção da indústria em São Paulo. Eu mesmo fui ser engenheiro da CSN em Volta Redonda. E, na época, a CSN era a maior e mais moderna empresa do Brasil. Petrobras ainda não existia. Nessa ocasião eu me casei com uma paulista e começamos nossa vida lá em Volta Redonda. A CSN foi o seu primeiro emprego? indagamos. Sim. E lá eu e outros de minha turma tivemos uma oportunidade raríssima: conhecer uma grande e moderna empresa nacional, construída com assessoria americana uma contrapartida do interesse brasileiro e americano na Segunda Guerra Mundial. E realmente tive a oportunidade de conhecer a mãe de todas as indústrias. Porque a indústria siderúrgica tem todas as indústrias dentro dela. Ela tem uma indústria metalúrgica dentro dela, uma indústria química dentro dela, uma indústria mecânica dentro dela, e uma indústria eletroeletrônica dentro dela. E isso me deu uma visão de Brasil grande. Coisa que nunca mais perdi, nem consigo perder. Aprendemos a fazer as coisas que nunca tínhamos visto antes, a não ser nas teorias dos professores da escola. E isso me deu uma confiança, não só a mim, mas a toda uma geração, de que nós éramos capazes de construir um país melhor e maior. Éramos capazes de fazer as coisas bem feitas. Aliás, o Metrô de São Paulo também foi construído por uma geração de jovens engenheiros formados nas nossas escolas de engenharia. Mas não só engenheiros também técnicos, economistas, administradores e advogados construíram o Metrô de São Paulo. O Metrô não é obra de um homem só, e sim de uma grande equipe: uma equipe que dialogava com a cidade. Então a cidade de São Paulo era fruto de um diálogo permanente. Tanto a Companhia do Metrô era capaz de ter sensibilidade suficiente para entender os anseios da cidade, como a cidade entendia o que estava sendo feito pela companhia. E a cidade participava, torcia para que tudo desse certo. E deu. Bem, digo isso tudo para mostrar que esse espírito coletivo presidiu o Brasil da época. E foi esse pensamento que construiu o Brasil até o outro dia mesmo. O senhor é paulistano? pedimos. Não. Eu nasci em Santa Catarina. Eu vim para São Paulo com sete anos de idade com meus pais e irmãos. Sou um produto de São Paulo. A minha família veio do interior catarinense, da cidade de Piratuba, no oeste do estado. Uma cidade mínima. Meus pais vieram para São Paulo para poder educar os filhos. Aliás, meus pais não vieram da Europa. Foi meu trisavô que veio da Alemanha. Ele chegou com a mulher e seus 11 filhos em Junto com outros companheiros, meu trisavô acabou fundando uma cidade no Rio Grande do Sul, chamada Santa Cruz. Na época, ele viajou de caravela. Pegaram uma tempestade no caminho e a caravela praticamente voltou para as proximidades do litoral da Inglaterra. A viagem prosseguiu e meu trisavô fez uma promessa: se conseguisse chegar ao Brasil com a família, todos vivos, ele fundaria uma cidade chamada Santa Cruz. Então meus ascendentes são dessa cidade gaúcha. E, como costuma acontecer com os gaúchos, aconteceu a diáspora. Mas os meus pais, não foram longe, entraram beirando Santa Catarina, numa cidadezinha que fica a 30 quilômetros da fronteira do Rio Grande do Sul: Piratuba. Como foi sua chegada a São Paulo, com sete anos de idade? solicitamos a seguir. Meus pais vieram porque estavam preocupados com a educação dos três filhos. A família chegou numa época em que as matrículas das escolas primárias tinham sido encerradas. A escola em que eu iria estudar chamava-se Escola Primária Manoel da Nóbrega, gerida pela Associação Paulista de Professores. E eu não me conformava em perder o primeiro ano. Meus pais tentaram de tudo para que eu me matriculasse, mesmo tardiamente. Eles não conseguiram. Aí eu, com sete anos, resolvi ir sozinho até a escola, numa cidade que eu não conhecia e era grande demais para meus olhos. Aí falei com a diretora. E consegui o que eu queria: a diretora concordou que eu podia cursar o primeiro ano primário. Eu passei para o segundo ano primário com nota 50, que era a mínima. Mas quem me desasnou (risos) foi uma professora, dona Rita da Silva Fleury de Freitas. Trinta anos depois eu vim a ser colega do filho dela. Enquanto eu presidia o Metrô, o filho dela foi secretário dos Transportes da prefeitura paulistana, mandato do prefeito Figueiredo Ferraz: Íon de Freitas. E assim conheci Íon, filho de dona Rita. Foi uma surpresa. Bem, daí eu fui fazer o secundário. Meu pai achava que o ginásio era fraco. Era Escola Primária Manoel da Nóbrega e Ginásio José de Anchieta, acoplados, no mesmo local. Foi então que ingressei no Instituto Mackenzie. Fiz o ginásio e o colégio na escola presbiteriana. Uma recordação agradabilíssima. Lá aprendi português. Ou seja, aprendi a escrever e aprendi verdadeiramente a língua portuguesa. Fundamental. Até hoje eu me lembro do hino do Mackenzie. E aí chegou a época de escolher o curso de engenharia. Resolvi tentar na Escola Politécnica, cujo vestibular era mais difícil do que o do Mackenzie. Eu tive que fazer cursinho. Entrei na Poli e lá fui escolher a modalidade de engenharia mais difícil: engenheiro mecânico eletricista. E até hoje eu frequento a escola, por meio da associação dos ex-alunos. Da CSN o senhor passou logo para a Cosipa? pedimos que contasse. Na CSN fiquei três anos. Fui engenheiro lá quando a Companhia Siderúrgica Paulista FOTOs: ARQUIVO ENGENHARIA 34 engenharia 607 / 2011 engenharia 607 /

5 estava iniciando a sua implantação. Eu participei da fundação, mas muito modestamente. Lá o crédito vai para o grande engenheiro Plínio de Queiroz. Ele e sua gente é que fundaram a Cosipa. Bom, então eu voltei para São Paulo. Também porque minha mulher era de São Paulo. Tive três filhos com ela, dois homens e uma mulher. É muito melhor ter filha (rindo). Fui ser engenheiro da Cosipa. Na Cosipa éramos pouquíssimos entendidos do assunto. Não havia meia dúzia de engenheiros que tivessem vivido e conhecido uma siderúrgica. E Plínio de Queiroz e seus companheiros inclusive do Instituto de Engenharia, presidido por Plínio estavam tentando construir uma grande siderúrgica. Quando eu cheguei aqui eu comecei a perceber, no entanto, que não havia o dinheiro necessário para construir a siderúrgica. Percebi que o pessoal não sabia o tamanho desse negócio. Os empresários paulistas que estavam no comando da Cosipa não tinham essa noção. Eu conhecia forno, aciaria, eu tinha ideia dos números, do custo. Eu disse: Não dá, gente!... Aí fui bater no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico, o BNDE naquele tempo não tinha o S de BNDES. O economista Roberto Campos era o superintendente. O presidente era o engenheiro Lucas Lopes. Gente patriota, gente de um valor extraordinário. O BNDE era no Rio de Janeiro, na Rua 7 de setembro. Fui lá. Eu e diretores da Cosipa, naturalmente, pois eu era apenas um engenheiro. O que existia então naquele bairro de Piaçaguera, um distrito de Cubatão, era um bananal. Não tinha sido lançada nem a primeira estaca. E logo houve uma campanha política contra a Cosipa, aqui em São Paulo mesmo. Os que protestavam diziam que a Cosipa ia afundar no pântano do mangue. Com aqueles equipamentos pesados, afundaria tudo. Concomitantemente, o pessoal de Minas Gerais, mais vivo que nós paulistas, já tinham conseguido passar a Usiminas para o BNDE. E aí começou o governo JK, que era de Minas Gerais. Os mineiros já tinham se acomodado com o BNDE e nós estávamos aqui com os empresários paulistas. Mas, de qualquer forma, o BNDE achou que tinha que nos ajudar. Só que o dinheiro não saía. Eu me lembro bem da época porque fazia minhas viagens ao Rio a bordo dos bimotores DC-3 da Cruzeiro do Sul, principalmente, e também da Vasp. A Panair era de um nível Tanto a Companhia do Metrô era capaz de ter sensibilidade suficiente para entender os anseios da cidade, como a cidade entendia o que estava sendo feito pela companhia melhor e a Varig estava apenas começando. E eu pegava toda hora o avião. Aí aconteceu que o Jânio Quadros foi eleito presidente. Já estamos em E nós batalhando pela Cosipa. Bom, aí acontece o seguinte: Carvalho Pinto foi nomeado ministro da Fazenda pelo Jânio. E ele era paulista! Ah, agora vai... E batemos lá, na porta do ministério. Porque eu conhecia todo mundo do Plano de Ação do Carvalho Pinto aqui em São Paulo. E o Carvalho Pinto tinha um assessor, do grupo de planejamento, que era um craque: Jorge Hori. Até que saiu um cheque de 8 milhões de cruzeiros do BNDE para a Cosipa. Fui eu que trouxe o cheque, no avião. Porque era preciso ir buscar o cheque lá no Rio. Não tinha transferência, internet, nada disso. Eles deram o dinheiro e disseram: Não enche mais!. Tudo bem, pode deixar (risos). E aí começou a Cosipa. A coisa deslanchou mesmo? Lembra de muitos fatos marcantes da época pedimos que relatasse. Bom, o fato de ser mangue não era um problema maior, a engenharia resolve tudo. Lá na Inglaterra eles fizeram uma usina desse tipo na charneca, no pântano! E nós tínhamos consultores, professores da Politécnica, o grande engenheiro Milton Vargas e tudo mais. Eles diziam: não tem problemas, podem estaquear e vamos em frente. Bom, aconteceram algumas coisas interessantíssimas na época. Por exemplo: o presidente francês Charles de Gaulle veio visitar a Cosipa. Tinham tido início as inaugurações dos setores da usina siderúrgica. Principiou em dezembro de 1963, com a entrega da Laminação a Quente pelo então presidente da República, João Goulart, e completou-se com a Laminação a Frio, em outubro de 1964, por ocasião da visita de Charles de Gaulle. O presidente francês veio com aquele encouraçado dele ele não se hospedou em hotel do Rio de Janeiro, ele ficou no encouraçado. Ele dizia que o Brasil não era um país sério, aquelas coisas. Acredito até que ele não tenha usado essa frase, mas enfim... Eu me lembro que ele resolveu visitar a Cosipa e o pessoal da embaixada francesa começou a enumerar problemas. O De Gaulle era muito alto e foi preciso arrumar um jipe especial para que as pernas dele coubessem no veículo. Bom, havia problemas mais salgados : o movimento sindical naquele tempo era fortíssimo. De tempos em tempos a turma lá fazia greve porque não havia dinheiro em caixa para pagar o salário. Aí aparecia um cheque, e eram assim que a coisa andava. O senhor ficou quanto tempo na Cosipa? perguntamos. Eu fiquei sete anos na Cosipa. Só para situar, saí um pouco depois da morte do presidente americano John Kennedy, que aconteceu em novembro de A Cosipa estava produzindo bem. Fazia muito aço e vendia muito. Antes disso, eu acabei virando um engenheiro da área financeira da Cosipa. Eu era então um homem que lidava com dinheiro, tinha que ir ao BNDE. E nós ficávamos de olho também no dinheiro do mundo. Nessa ocasião os Estados Unidos criaram a USAID [United States Agency for International Development]. E nós fomos atrás do dinheiro da USAID. Porque o BNDE não dava mais. Minha área era muito próxima da área de planejamento da Cosipa. E o diretor de planejamento da Cosipa era o meu professor: José Carlos de Figueiredo Ferraz. Então essa vida que estou contando para você, o Figueiredo Ferraz viveu na Cosipa. Um belo dia, o professor Figueiredo Ferraz virou prefeito. E me chamou lá, convidando para presidir o Metrô. Eu não entendia nada de Metrô. Eu disse: não. Ele disse: vai. Eu: não vou. Saí da sala dele e meus amigos todos: Você aceitou?. Eu: Não. Eles: Mas você é um idiota mesmo, tinha que aceitar volta lá para dentro. Bom, com pressão de tudo quanto é lado, eu cedi. Ok, vamos fazer esse negócio juntos. E 15 dias depois fui chamado para a Câmara dos Vereadores para vender o metrô, que eu não sabia o que era. E fui. Mas não é muito difícil, os vereadores também não entendiam nada (risos). Era moleza. Bom, aí o negócio era o seguinte: todo sábado vamos visitar as obras do metrô. E vamos percorrer tudo a pé, para conhecer todos os problemas bem de perto. Já tinha passado aquela fase do Grupo Executivo do Metropolitano de São Paulo, o GEM? pedimos que historiasse. Ah, sim, tinha passado. O GEM aconteceu no tempo do prefeito Faria Lima. O Figueiredo Ferraz fez parte do GEM, o Delfim Neto também, o geógrafo Aziz Ab Saber também. Então a Companhia do Metrô já estava constituída. Aí veio o Paulo Maluf prefeito e parou tudo. E o Figueiredo Ferraz foi o sucessor do Maluf. Então todo sábado a gente ia na obra. No percurso da obra se resolvia tudo quanto era problema com os empreiteiros. Porque o prefeito ia, a diretoria do Metrô ia, e a diretoria dos empreiteiros ia também. E aí e que se resolviam as pendências. Não tinha esse negócio de ficar mandando recado. A coisa Tudo em aço para construir a conexão do Brasil com o futuro. Soluções em aço para construção civil. Do projeto ao acabamento. Como se constrói um novo país? O país da próxima Copa e das Olimpíadas de Do investimento em infraestrutura. Da responsabilidade social e ambiental. Esse novo Brasil se constrói com a realização dos projetos da sua vida e com aço produzido no Brasil. Por isso, a ArcelorMittal coloca à disposição toda a sua linha de produtos e serviços, que abrange aços longos, planos, inoxidáveis e coberturas. São mais de 100 itens próprios, incluindo soluções sob medida para obras de todos os portes. É mais produtividade e economia com menos desperdício. É aço seguro e sustentável. Chegou a hora de construir o novo Brasil engenharia 607 / 2011 engenharia 607 / INOX LONGOS COBERTURA PLANOS RINO COM

6 toda acontecia no sábado. E aí que começou a deslanchar o Metrô de São Paulo. O senhor presidiu o Metrô por sete anos. E depois disso? indagamos. Um belo dia, estou em Montreal, no Canadá, participando de uma reunião internacional de metrôs. E recebo um telefonema do ministro Ângelo Calmon de Sá, da Indústria e Comércio do governo Ernesto Geisel. Eu nunca tinha visto antes o ministro. Eu estava no quarto do hotel, eu e minha mulher, e o ministro Calmon diz: Nós aqui decidimos convocá- -lo para que o senhor presida a Cosipa, que o senhor conhece muito bem. Eu fiquei na dúvida, mas o ministro insistiu e eu aceitei voltar para a Cosipa, agora como presidente. Antes, tive conversas com o prefeito Olavo Setubal. Eu comecei no Metrô com o prefeito Figueiredo Ferraz. Depois veio o prefeito Miguel Colasuonno. E depois veio o Setubal. Eu comentava com o Olavo que as notícias que eu tinha da Cosipa da época eram horrorosas. A companhia não estava bem. Mas ele me liberou e fui para a Cosipa. Exigi escolher minha diretoria. Sempre costuma haver influência de um ou de outro, indicando apaniguados. Eu prefiro escolher a minha diretoria e que os erros sejam meus. A sede da Cosipa era aqui em São Paulo, no edifício da Galeria Olido, no Largo do Paissandu, no centro de São Paulo. Para a primeira visita que fiz à usina eu chamei toda a imprensa. Os jornalistas, quando se despediram de mim, disseram: temos pena do senhor (rindo). O Metrô é uma joia rara, um diamante lapidado, como o senhor troca por este negócio aqui?. Mas aí começamos. O fato é que a Cosipa era muito maior que o Metrô. Quatro vezes maior. O Metrô hoje é grande, mas naquela época, a primeira linha tinha sido concluída menos a Estação Sé. Aliás, se eu for falar da Estação Sé, isso dá outra entrevista. Bom, a usina estava toda suja e eu tinha um grande rigor com a limpeza, basta ver o Metrô até hoje. Empreiteiro tem que ser limpo. Não pode ter obra suja. O povão tinha direito de olhar para dentro da obra do Metrô, através do tapume. Era tudo aberto. Os engenheiros do Metrô podiam falar com os jornalistas. Lá na Cosipa, tudo era fechado. Aí eu levei o meu jornalista do Metrô para fazer minha assessoria. Era o Mario Chuquini, ele tinha ideias abertas. Tudo aberto e jogo limpo. Na época, havia um jornalzinho interno na Cosipa: O Chapa. A qualidade de papel era excelente. Mas era aquele tipo de publicação que se preocupava mais em ver quem estava ao lado do presidente da Cosipa na foto. Aí resolvemos que o jornal O Chapa seria impresso na gráfica do Estadão. Não seria mais o jornal do presidente. Seria um jornal aberto. O presidente não teria que aparecer no jornal. E havia também o jornal do sindicato: O Metalúrgico. Começou a briga entre o jornal O Chapa e o jornal O Metalúrgico. Briga aberta, limpa. Falava besteira lá, levava cacete do lado de cá. Se nós faziamos burrada, levávamos cacete do lado de lá. E o pessoal começou a respeitar. Aí aconteceu, logo de cara, que um operário se acidentou na usina. Caiu de um lugar alto e morreu. Eu fui no enterro, a família do operário falecido estava raivosa. O que o senhor veio fazer aqui?! Eu vim dizer a vocês que eu sou o culpado. Eu disse aos familiares que reconhecia o erro e que a falha seria corrigida na usina. E corrigi. Isso gerou muito impacto? indagamos a seguir. Aí o pessoal começou a perguntar: quem é esse presidente, qual será o estilo dele? Havia insultos por trás e fofocas. Resolvi iniciar, então, um programa de acidente zero. Esses programas de hoje em dia de acidente zero que existem pelo Brasil afora, começaram lá na usina da Cosipa. Pusemos uma placa de tamanho gigante na portaria: Número de dias sem acidente: xis. E começou a diminuir o número de acidentes. Até que não havia mais acidente, só de vez em quando. O operariado começou a sentir que a coisa tinha mudado. Mandei colocar a bandeira do Brasil no alto do Morro da Tapera, também conhecido como Morro do Eusébio, bem no alto. Inclusive descobri como é que se confecciona bandeira no Brasil. Só havia um lugar que tinha grande experiência com bandeira. Era lá na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Porque a bandeira rasga com o vento. E tinha um japonês aqui em São Paulo que fazia as bandeiras lá de Brasília. É um trançado que aguenta o vento e, mesmo assim, de vez em quando rasga. Bom, então, em primeiro lugar: usina limpa. Não adianta chiar. O banheiro da usina tem que estar mais limpo do que o banheiro de casa. Porque em casa tem criança pequena e suja o banheiro. Na usina não. Outra coisa: uniforme. Os operários andavam antes com um molambo qualquer. Porque siderurgia é dureza. Tem que ter calça forte, não pode rasgar. E o pessoal daí começou a passear de uniforme, nos dias de folga. Interessante: veio o orgulho de pertencer à Cosipa. A coisa começou a mexer com o povão. Virou símbolo. Caro repórter: a produção cresceu quatro vezes. Na fase de presidente da Cosipa o senhor ficou quanto tempo? solicitamos. Eu sou como os sete anos bíblicos. Fiquei Eu comentava com o prefeito Olavo Setubal que as notícias que eu tinha da Cosipa da época eram horrorosas. Mas ele me liberou do Metrô e assumi a presidência da Cosipa sete anos. Em seguida, andei zanzando pelo mundo. Bom, aí o então governador paulista Mário Covas me convocou para ser secretário estadual dos Transportes. Covas assumiu e deu de cara com um grande problema: o Estado estava quebrado. Não havia dinheiro nem para comprar gasolina para a polícia. Aí eu combinei com o então secretário da Fazenda de São Paulo, Yoshiaki Nakano, o seguinte: eu não quero dinheiro de sua secretaria, eu vou viver de pedágio. Mas eu quero dinheiro para poder demitir o pessoal da Dersa [Desenvolvimento Rodoviário S.A.]. A Dersa tinha dois prédios. Eu conhecia bem a Dersa porque quando o Paulo Egydio Martins foi governador, o então diretor de obras do Metrô, Luiz Marri do Amaral, foi ser presidente da Dersa. E levou a turma do Metrô para fazer a Rodovia dos Bandeirantes. Eu conhecia bem. Era gente demais e dois prédios. Então resolvi acabar com um prédio. E era uma coisa muito chata porque eu ia aos sábados jantar com minha mulher num restaurante faço isso há 55 anos e encontrava um indivíduo que vinha e dizia: O senhor me demitiu. Mas o fato é que saneamos a Dersa e a companhia passou a viver só do pedágio. Concluimos a Rodovia Carvalho Pinto, que estava quase no fim, e passamos a fazer as primeiras concessões rodoviárias do Estado. Sucesso absoluto. No começo ninguém acreditou, nem o Covas. Ele me respeitava muito e não me pressionou. Mas ele achava que não ia dar certo. E deu certo. No decorrer do período sofri um AVC (acidente vascular cerebral). Afastei-me do governo e, para sobreviver, me dediquei à consultoria. Eu fui o cara que mais investiu em São Paulo até agora. Mas tenho que trabalhar para sobreviver. Então eu não tenho rabo preso de jeito nenhum. Hoje, além de trabalhar, faço o seguinte na minha vida: cuido do espírito. Mas não sou religioso. Como? Cuidando do corpo. Tem relação uma coisa com outra. Faço yoga, faço acupuntura... essas coisas todas. Passou a ser minha rotina. Acabei descobrindo outro mundo que eu nem sabia que existia. E olha, só ando de metrô, não ando de carro. Vou lendo meu livro no metrô. Quando entro no vagão logo tem um jovem que me oferece lugar. Eu aceito para não deixar o jovem constrangido, para não parecer orgulhoso. Eu me viro de metrô, me viro de ônibus e vivo num estado de gratidão. Tenho seis netos que me dão muita alegria. Mais mobilidade para o Brasil Siemens reforma trens da Linha 1 do Metrô de São Paulo No centro de modernização e montagem de trens para a América Latina, em São Paulo, a Siemens vem trabalhando na reforma dos trens da Linha 1 do Metrô de SP, utilizando para isso toda a sua reconhecida competência em soluções metro-ferroviárias. Neste momento em que o Brasil prepara-se para sediar dois grandes eventos internacionais, a Siemens faz a sua contribuição para o desenvolvimento de uma infraestrutura que atenda às crescentes demandas de transporte público nas cidades brasileiras. 38 engenharia 607 / 2011 engenharia 607 /

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL WWW.SUPERVISORPATRIMONIAL.COM.BR SUPERVISOR PATRIMONIAL ELITE 1 OS 3 PASSOS PARA O SUCESSO NA CARREIRA DA SEGURANÇA PATRIMONIAL Olá, companheiro(a) QAP TOTAL. Muito prazer, meu nome e Vinicius Balbino,

Leia mais

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações Edição: 5132010 Litoral Paulista, sexta-feira, 20 de agosto Página: 1 Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações w w w. u s i m i n a s.

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

Chegou a hora de olhar a classe média

Chegou a hora de olhar a classe média Chegou a hora de olhar a classe média Ricardo Paes de Barros (entrevista de Flavia Lima) Valor Econômico, 13.11.2013 Brasil desenhou política de combate à pobreza tão eficiente que está acabando com os

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações Mar/Abr 2015 ANO III Nº 16 R E V I S TA A REVISTA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Arranha-céu Ecológico O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Leia mais

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais?

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais? Depoimento de Oswaldo Setti de Almeida Filho Ação Moradia Carla- Bom dia, Oswaldo. Oswaldo Bom dia, meu nome... Carla- Eu gostaria que você me falasse primeiro o seu nome completo, a sua data de nascimento

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

A DEDICAÇÃO PELO TRABALHO DELINEADA EM CADA TÚNEL

A DEDICAÇÃO PELO TRABALHO DELINEADA EM CADA TÚNEL A DEDICAÇÃO PELO TRABALHO DELINEADA EM CADA TÚNEL O engenheiro civil George Teles de Souza, que ajudou a executar importantes obras de Metrô e também da Usina Hidrelétrica de Itaipu, encontra nos projetos

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

A Engenharia que transforma Da Metalurgia aos Materiais, grandes mudanças marcaram a trajetória de uma das primeiras modalidades implantadas pela FEI

A Engenharia que transforma Da Metalurgia aos Materiais, grandes mudanças marcaram a trajetória de uma das primeiras modalidades implantadas pela FEI A Engenharia que transforma Da Metalurgia aos Materiais, grandes mudanças marcaram a trajetória de uma das primeiras modalidades implantadas pela FEI Na década de 1960, em um curso pouco conhecido de Engenharia

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho Ano 2 Lagedo, Domingo, 25 de janeiro de 2015 N o 8 Datas das próximas viagens da UFMG Data Casa 8 23 a 25 de janeiro de 2015 Lúcia 9 27 de fevereiro a 1 de março de 2015 Irene/Paulo 10 27 de março a 29

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Quanto Ganha um Engenheiro?

Quanto Ganha um Engenheiro? Quanto Ganha um Engenheiro? Na média, R$ 5.096,50 por mês. A pesquisa online foi realizada no período de 19 de Março a 8 de Abril e colheu informação de duzentos profissionais espalhados por todo o país,

Leia mais

Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição

Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição Para Lúcia Stumpf, sua eleição para a presidência da UNE estimulou outras mulheres a ingressarem

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 54 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. São Paulo - 2012 BRUNO HENRIQUE CESAR ALBUQUERQUE GUILHERME CAVALHEIRO GUILHERME FERREIRA VINICIUS LIMA

ENGENHARIA CIVIL. São Paulo - 2012 BRUNO HENRIQUE CESAR ALBUQUERQUE GUILHERME CAVALHEIRO GUILHERME FERREIRA VINICIUS LIMA ENGENHARIA CIVIL São Paulo - 2012 BRUNO HENRIQUE CESAR ALBUQUERQUE GUILHERME CAVALHEIRO GUILHERME FERREIRA VINICIUS LIMA Sumário Como escolher sua carreira?...3 Bases disciplinares...4 O mar está para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na cerimónia comemorativa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após visita ao banco de sangue de cordão umbilical e placentário - Rede BrasilCord Fortaleza-CE, 08 de junho de 2010

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável Placa de reconhecimento foi entregue ao engenheiro durante a Conferência Aqua,

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 APMP: Como surgiu a ideia de prestar concurso para o MP? Desde

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Antônio Carlos Bento Ribeiro

Antônio Carlos Bento Ribeiro Antônio Carlos Bento Ribeiro Acredito que a Academia pode e deve participar do processo de renovação do Direito do Trabalho no Brasil. Centrada essencialmente nas transformações que têm afetado o mundo

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim PATRÍCIA CAMPOS MELLO DE SÃO PAULO 22/02/2015 02h00 Fechar embaixadas e consulados do Brasil no exterior seria um "retrocesso impraticável",

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Fim da exuberância Humberto Freitas, diretor executivo de Logística e Pesquisa Mineral da Vale

Fim da exuberância Humberto Freitas, diretor executivo de Logística e Pesquisa Mineral da Vale Fim da exuberância Humberto Freitas, diretor executivo de Logística e Pesquisa Mineral da Vale Terceira maior mineradora do mundo, a Vale completou este ano 73 anos. O Rio Doce ficou num passado já distante,

Leia mais

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Elias Nunes Júnior, 20 do 10 de 1958. Nasci em Bom Jesus de Itabapoana, interior do estado. FORMAÇÃO Eu sou formado em Ciências Contábeis, tenho Pós em

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho São José dos Campos SP Agosto de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica O meu nome é Arlindo de Figueiredo Filho, estou no momento..., completei

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

24/04/2007. Presidência da República Secretaria de Comunicação Social Discurso do Presidente da República

24/04/2007. Presidência da República Secretaria de Comunicação Social Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura dos atos normativos do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Palácio do Planalto, 24 de abril de 2007 Excelentíssimo senador Renan Calheiros,

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Maria Cristina Irigoyen Peduzzi

Maria Cristina Irigoyen Peduzzi Maria Cristina Irigoyen Peduzzi Ingressei na Academia realmente muito cedo... E fiquei muito feliz, pois tenho, até hoje, grande amor e grande dedicação por ela. Maria Cristina Peduzzi foi a primeira e

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

+informado. Ele estudou e conseguiu um bom emprego. 2 O diploma que abre portas Amanco ao seu lado. 4 Capa: a Amanco mudou a minha vida

+informado. Ele estudou e conseguiu um bom emprego. 2 O diploma que abre portas Amanco ao seu lado. 4 Capa: a Amanco mudou a minha vida +informado Ano VII - nº 4 - Dezembro de 2013 Ele estudou e conseguiu um bom emprego... E, HOJE, É INSTRUTOR DO SENAI Guilherme Moreira fez o curso de Instalador Hidráulico Amanco... Conheça uma história

Leia mais

Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] 1

Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] 1 Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] Categorias Apresentação do instrumento [-] Mobilidade/ portabilidade [,] 0 0 Transcrição Alguns

Leia mais

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 RL: Rodrigo Luna CB: Claudio Bernardes CB Senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à solenidade de entrega do Master Imobiliário. É uma honra poder saudar nossos convidados

Leia mais

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira Texto Naraiany Almeida Nicole Ferreira Ilustrações Davi Vinícius dos Santos Gomes Ítalo Gabriel Pimenta Italon Antunes Barreto Jéssica Pâmela de Souza

Leia mais

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas?

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas? Entrevistado: Guto Lacaz Data da Entrevista: 19 de Julho de 2011 Entrevista: Pessoalmente Formado em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura de São José dos Campos, faculdade onde também realizou cursos

Leia mais

POR QUE LIVRO 1 CRUZAMOS OS BRAÇOS. Coleção

POR QUE LIVRO 1 CRUZAMOS OS BRAÇOS. Coleção Coleção POR QUE CRUZAMOS OS BRAÇOS LIVRO 1 GREVES NO BRASIL (de 1968 aos dias atuais) DEPOIMENTOS DE LIDERANÇAS ÊNIO SEABRA JOSÉ IBRAHIN JOÃO PAULO PIRES VASCONCELOS JOSÉ FRANCISCO DA SILVA LUIZ INÁCIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

mdic.empauta.com Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 15 de abril de 2008 às 14h20

mdic.empauta.com Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 15 de abril de 2008 às 14h20 Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 15 de abril de 2008 às 14h20 Diário de Cuiabá MT Novo perfil trará mudanças à Casa Civil...............................................

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa.

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa. Angra dos Reis Agosto 2013 Depois da viagem a Londres, Lisboa, Praga e Genebra, esta seria a primeira travessia marítima que eu iria participar. Como o pessoal do grupo Maratonas Aquáticas tinha conseguido

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Humberto Luis de Rodrigues Pereira. São José dos Campos SP. Julho de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Humberto Luis de Rodrigues Pereira. São José dos Campos SP. Julho de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Humberto Luis de Rodrigues Pereira São José dos Campos SP Julho de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Me chamo Humberto Luis de Rodrigues Pereira, tenho cinquenta

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na cerimónia de apresentação

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

fazem bem e dão lucro

fazem bem e dão lucro Melhores práticas de fazem bem e dão lucro Banco Real dá exemplo na área ambiental e ganha reconhecimento internacional Reunidos em Londres, em junho deste ano, economistas e jornalistas especializados

Leia mais

São Paulo/SP - Dono de prédio rejeita nova proposta e Belas Artes fecha as portas dia 24

São Paulo/SP - Dono de prédio rejeita nova proposta e Belas Artes fecha as portas dia 24 São Paulo/SP - Dono de prédio rejeita nova proposta e Belas Artes fecha as portas dia 24 O proprietário do prédio em que funciona o Cinema Belas Artes, Flávio Maluf, recusou uma nova proposta dos sócios

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

SANÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

SANÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL SANÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Brasília, 04 de maio de 2000 Muitos dos Senhores que estão aqui hoje me conhecem e podem portanto imaginar o quanto é importante e especial para mim este dia. Ver

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia do Dia Nacional de Combate a Cartéis

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia do Dia Nacional de Combate a Cartéis , Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia do Dia Nacional de Combate a Cartéis Ministério da Justiça Brasília-DF, 08 de outubro de 2009. Meu querido companheiro José Alencar, vice-presidente da República,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Sr. Siderley: 1968 a 1971

Sr. Siderley: 1968 a 1971 Transcrição do Depoimento do Sr. Siderley Corrocher para a Comissão da Verdade da Câmara municipal de Araras realizado no dia 22/11/2013 (duração: 26min57s). Ver. Breno Cortella: Então o senhor foi...

Leia mais

Viagem à Costa Rica. foto-aventura

Viagem à Costa Rica. foto-aventura foto-aventura T E X TO E F O TO S : M AU R Í C I O M ATO S Viagem à Costa Rica Quando compramos um carro novo damos um passeio maior e dizemos que fomos fazer a rodagem. Ora, então quando se compra uma

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

ANDERSON OLIVEIRA -1- www.casapropriadosonho.webnode.com.br

ANDERSON OLIVEIRA -1- www.casapropriadosonho.webnode.com.br Por Anderson Oliveira ANDERSON OLIVEIRA -1- www.casapropriadosonho.webnode.com.br NÃO DEIXE-SE ENGANAR!!! TORNE O SEU SONHO DA CASA PRÓPRIA REALIDADE E NÃO PESADELO! 1ª EDIÇÃO SUZANO EDIÇÃO DO AUTOR 2011

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE LOGÍSTICA DE TRANSPORTES

PRONUNCIAMENTO SOBRE LOGÍSTICA DE TRANSPORTES PRONUNCIAMENTO SOBRE LOGÍSTICA DE TRANSPORTES Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Senadores, Amigos que nos assistem e nos ouvem pela Rádio Senado e pela TV Senado Há poucos dias, um fato foi amplamente

Leia mais

Atividades sociais pre -congresso (20 a 23/06/2015) e po s-congresso (28/06 a 01/07/2015):

Atividades sociais pre -congresso (20 a 23/06/2015) e po s-congresso (28/06 a 01/07/2015): Atividades sociais pre -congresso (20 a 23/06/2015) e po s-congresso (28/06 a 01/07/2015): Viagens de 20 a 23/06/2015 ou 28/06 a 01/07/2015 (4 dias) Viagem ao Rio de Janeiro Essa é a oportunidade de conhecer

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

PROGRAMA HISTÓRIA ORAL DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO TRANSCRIÇÃO DA ENTREVISTA DO PROJETO DE HISTÓRIA ORAL DO TST MINISTRO MARCELO PIMENTEL

PROGRAMA HISTÓRIA ORAL DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO TRANSCRIÇÃO DA ENTREVISTA DO PROJETO DE HISTÓRIA ORAL DO TST MINISTRO MARCELO PIMENTEL PROGRAMA HISTÓRIA ORAL DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO TRANSCRIÇÃO DA ENTREVISTA DO PROJETO DE HISTÓRIA ORAL DO TST MINISTRO MARCELO PIMENTEL COORDENADORIA DE GESTÃO DOCUMENTAL E MEMÓRIA - CGEDM Entrevistado:

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR É o sonho de consumo de qualquer pessoa ter uma máquina dessa, inclusive o meu. Com o equipamento vou poder ajudar as pessoas a terem o sorriso como o meu e a praticidade também. O que você achou de ser

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los.

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los. Ao longo de vários anos de trabalho com CRM e após a execução de dezenas de projetos, penso que conheci diversos tipos de empresas, culturas e apesar da grande maioria dos projetos darem certo, também

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais