Ministério das Finanças e da Administração Pública

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério das Finanças e da Administração Pública"

Transcrição

1 BALANÇO SOCIAL 2006 Ministério das Finanças e da Administração Pública

2

3 BALANÇO SOCIAL 2006

4 ÍNDICE CAPÍTULO I - NOTA INTRODUTÓRIA 8 CAPÍTULO II EFECTIVOS 9 Quadro de Pessoal 9 Efectivos 11 Estrutura etária 18 Estrutura de antiguidades 20 Trabalhadores deficientes 22 Estrutura habilitacional 23 CAPÍTULO III MOVIMENTOS DE PESSOAL 24 Admissões 25 Saídas 26 CAPÍTULO IV PROMOÇÕES, PROGRESSÕES E RECLASSIFICAÇÕES 28 CAPÍTULO V ASSIDUIDADE 29 Absentismo 30 CAPÍTULO VI -FORMAÇÃO 34 CAPÍTULO VII HORÁRIOS 39 CAPÍTULO VIII TRABALHO EXTRAORDINÁRIO 40 CAPÍTULO IX DESPESAS COM PESSOAL 41 CAPÍTULO X SÍNTESE 43

5 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 Evolução dos efectivos por categoria Quadro 2 Evolução dos efectivos Quadro 3 Evolução da distribuição dos efectivos, por Serviços Quadro 4 Trabalhadores deficientes Quadro 5 Admissões por Grupos Profissionais Quadro 6 Motivo das saídas totais Quadro 7 Saídas por grupos profissionais Quadro 8 Acidentes em serviço no local de trabalho Quadro 9 Actividade sindical e greve (nº dias) Quadro 10 Incapacidade Quadro 11 Modalidades de horários Quadro 12 Nº horas de trabalho extraordinário Quadro 13 Despesas com Pessoal (unid.: euros) Quadro 14 Despesas com Prestações Sociais (unid.: euros)... 42

6 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1 Efectivos por categoria Gráfico 2 Distribuição dos efectivos por unidades orgânicas Gráfico 3 Funções de execução/funções de Concepção Gráfico 4 Estrutura etária Gráfico 5 Evolução da idade média Gráfico 6 Evolução da estrutura de antiguidade Gráfico 7 Evolução do nível médio de antiguidade Gráfico 8 Evolução da estrutura habilitacional Gráfico 9 Evolução do total de efectivos Gráfico 10 Evolução do movimento de pessoal Gráfico 11 Evolução das promoções/progressões/reclassificações Gráfico 12 Número de dias de ausência Gráfico 13 Evolução do nº de dias de ausência Gráfico 14 Evolução do nº de dias de ausência por colaborador Gráfico 15 Nº de acções de formação e nº de participantes ( ) Gráfico 16 Custos com a formação ( )... 37

7 GLOSSÁRIO ADSE BSORG DCMVD DIRP DSB DSC DSGFP DSPCS DSSI GA GNR INA OLAP PAC PAM PRACE PSP SPS SQL XML - Assistência à Doença aos Servidores do Estado -Balanço Social do Organismo -Departamento de Consultoria Médica e Verificação da Doença -Divisão de Informação e Relações Públicas -Direcção de Serviços de Beneficiários -Direcção de Serviços de Comparticipações -Direcção de Serviços de Gestão Financeira e Patrimonial -Direcção de Serviços Prestadores Cuidados de Saúde -Direcção de Serviços de Sistemas de Informação -Gabinete de Auditoria -Guarda Nacional Republicana -Instituto Nacional de Administração -On-line analytic processing -Postos de Atendimento ao Cidadão -Postos de Atendimento Múltiplo -Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado -Polícia de Segurança Pública -Sistema de Protecção Social -Strutureb Query Language -Extensible Markup Language

8 CAPÍTULO I -NOTA INTRODUTÓRIA O Balanço Social é um instrumento de gestão que disponibiliza informação diversa sobre os recursos humanos de uma organização, demonstrando como a sua gestão eficiente contribui decisivamente para atingir os objectivos da entidade. No âmbito da inovação, modernização e promoção da qualidade dos serviços da Administração Pública, o balanço social permitirá ainda demonstrar, objectivamente, as necessidades e, até, os riscos associados à gestão de recursos humanos da organização. No contexto da reestruturação da Administração Pública, o balanço social pode, ainda, proporcionar a análise evolutiva e comparativa, extremamente útil. Na elaboração do presente Balanço Social, para além de observadas as disposições do Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro, foram utilizados os dados produzidos através da aplicação BSORG. Os mapas obtidos a partir desta aplicação incluem-se nos anexos. A utilização dos dados do BSORG permite desenvolver uma avaliação sustentada em indicadores construídos de acordo com metodologias padronizadas. 8

9 CAPÍTULO II EFECTIVOS Quadro de Pessoal Com o objectivo de dinamizar e flexibilizar a gestão dos recursos humanos e de melhorar a articulação e a coerência entre os meios existentes e os planos de actividades das entidades foi definido um modelo de fixação dos quadros de pessoal, cumprindo o previsto no art.º 25º do DL n.º 184/89, de 2 de Junho. A aplicação deste modelo foi aplicado a título experimental ao Instituto Nacional de Administração e à Direcção-Geral de Protecção Social aos Funcionários e Agentes da Administração Pública. As dotações por categoria constavam de mapas aprovados pelo Director-Geral da ADSE, e foram apuradas em função: dos efectivos existentes em 30 de Setembro de 1999; das necessidades de recrutamento interno e externo; do desenvolvimento harmónico das carreiras; da atribuição de mérito excepcional e; da utilização dos mecanismos de intercomunicabilidade, reclassificação e reconversão profissional. 9

10 O Despacho conjunto n.º571/99, de 1 de Julho, constituía uma comissão de acompanhamento à qual competia, entre outras, pronunciar-se sobre as propostas de dotação de pessoal e sobre a execução do orçamento de pessoal. Previa ainda que o regime experimental vigoraria por dois anos. Neste contexto, a Comissão de acompanhamento do modelo de fixação do quadro da Direcção-Geral elaborou um relatório onde formulava como proposta um quadro composto por 633 lugares (vd. Anexo I). Por despacho do Secretário de Estado do Orçamento, de 24 de Agosto de 2001, foi homologado o quadro de pessoal da ADSE a vigorar a partir de 1 de Janeiro de 2001, tendo determinado ainda a limitação de 487 lugares a preencher. A ratificação do Secretário de Estado da Administração Pública e da Modernização Administrativa verificou-se em 06 de Setembro de Actualmente e considerando: a saída de funcionários que ocupavam lugares a extinguir quando vagassem; a redefinição da equipa dirigente imposta pelo decreto regulamentar n.º 23/2007, de 29 de Março, e pela Portaria n.º351/2007, de 30 de Março; o número de lugares de quadro que poderão ser preenchidos passam a 481 lugares (vd. Anexo II). 10

11 Efectivos Em 2006, o efectivo que assegurou as actividades da Direcção-Geral ficava muito aquém do previsto no quadro, contando com 273 colaboradores. Informático Operário Pessoal Auxiliar Administrativo Técnico Profissional Técnico 3 1 Técnico Superior Dirigente Quadro Efectivos Gráfico 1 Efectivos por categoria Para além destes efectivos, a Direcção-Geral contou também com médicos, em regime de contrato de avença, que participam nas verificações domiciliárias (2) e na realização de juntas médicas, em Lisboa (12), Porto (6), Coimbra (1) e Évora (4). No início de 2007, o número de médicos afectos às juntas médicas de Coimbra passou a 6. Importa relembrar que o apoio administrativo às juntas médicas do Porto, Évora e Coimbra é assegurado por funcionários dos respectivos Governos Civis, conforme estipulado legalmente. 11

12 Nos 273 efectivos da Direcção-Geral (vd. Anexo III) incluem-se: quatro funcionários requisitados, um especialista de informática grau 3 ao Instituto de Informática, um assessor à Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, uma médica e uma técnica superior de 1ª classe à Administração Regional da Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. uma inspectora principal, do Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu, em regime de destacamento. Grupo Profissional Dirigente Técnico Superior Técnico Técnico Profissional Administrativo Auxiliar Operário Informático Total Quadro 1 Evolução dos efectivos por categoria Do pessoal do quadro da Direcção-Geral estão requisitados 4 funcionários: um técnico superior de 2º classe, em comissão extraordinária de serviço no Museu da Música; uma assistente administrativa especialista no Ministério da Cultura; uma assistente administrativa especialista no Gabinete do Coordenador Nacional de Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico; 12

13 uma assistente administrativa principal na Assembleia da República. Nos últimos anos, o número de funcionários tem registado uma sucessiva redução anual. Em 2006, essa redução foi de 7 colaboradores. Anos H M Total Quadro 2 Evolução dos efectivos As mulheres representam parte significativa do número de colaboradores da Direcção-Geral, fixando a taxa de emprego feminino nos 83,5%. Na sequência da aprovação do PRACE, a Resolução do Conselho de Ministros n.º 39/2006, de 21 de Abril, estabeleceu orientações gerais e especiais para a reestruturação dos ministérios e para a reorganização dos serviços. Com a publicação do Decreto-Lei n.º 205/2006, de 27 de Outubro, foi aprovada a orgânica do Ministério das Finanças e da Administração Pública em que a Direcção- Geral de Protecção Social aos Funcionários e Agentes da Administração Pública figura, no seu âmbito, como serviço central integrado na administração directa do Estado, com a missão de assegurar a protecção aos beneficiários nos domínios da promoção da saúde, prevenção da doença, tratamento e reabilitação. Em execução daquele diploma procedeu-se à reestruturação da ADSE, de forma a corresponder à responsabilidade acrescida que lhe é atribuída na gestão dos 13

14 benefícios e da rede de prestadores, na sequência da conformação dos subsistemas e na administração das receitas decorrentes dos descontos obrigatórios. É no decurso da elaboração do presente relatório que é publicada a nova orgânica da Direcção-Geral, estabelecida no Decreto Regulamentar n.º 23/2007, de 29 de Março, satisfazendo também uma necessidade elencada expressamente nos planos de actividade. Em 30 de Março, é publicada a Portaria n.º 351/2007 que veio a determinar a estrutura nuclear dos serviços e as competências das respectivas unidades orgânicas. Segundo esta Portaria o organograma da Direcção-Geral foi redesenhado: Ilustração 1 Organograma da Direcção-Geral Ainda segundo a orgânica definida no Decreto-Lei nº 279/99, de 26 de Julho, os efectivos apresentavam a seguinte distribuição pelas unidades orgânicas: 14

15 Serviço Direcção Direcção de Serviços de Beneficiários Direcção de Serviços de Comparticipações Direcção de Serviços de Prestadores de Cuidados de Saúde Departamento de Consultoria Médica e Verificação da Doença Direcção de Serviços de Gestão Financeira e Patrimonial Direcção de Serviços de Administração Direcção de Serviços de Sistemas de Informação Gabinete de Auditoria Gabinete Jurídico e do Contencioso Divisão de Informação e Relações Públicas Total de efectivos Quadro 3 Evolução da distribuição dos efectivos, por Serviços A evolução desta distribuição evidencia: os efeitos do processo reorganizativo das Direcções de Serviços, com a redução do número de colaboradores na DSB, DSGFP, DSPCS e DSC garantindo idêntica capacidade de resposta ou até melhorando a performance dos Serviços; as dificuldades em reconstruir a equipa da DSSI, em muito pelos constrangimentos em atrair colaboradores e; a preocupação em reforçar a função controlo, com o reforço dos colaboradores do Gabinete de Auditoria. 15

16 Gráfico 2 Distribuição dos efectivos por unidades orgânicas Aquele processo de reorganização interno tem influenciado a natureza do trabalho a realizar, conforme parece demonstrar a evolução da distribuição dos colaboradores pelo exercício de funções executivas e de concepção. De facto, procurou-se privilegiar a realização de um trabalho mais vocacionado para o acompanhamento da actividade dos prestadores, potenciando o controlo da despesa. Desde 2003, tem-se verificado uma maior progressão da representatividade das funções de concepção, passando a taxa de pessoal com funções de execução a situar-se nos 74% (vd.gráfico 3). 16

17 Gráfico 3 Funções de execução/funções de Concepção 17

18 Estrutura etária A estrutura etária dos colaboradores da Direcção-Geral caracteriza-se por uma significativa concentração nos escalões a partir dos 50 anos, representando 66% da população total Gráfico 4 Estrutura etária Observa-se um grupo de 26 funcionários com idade superior aos 60 anos de idade. O incremento do número de colaboradores nos escalões etários compreendidos entre os 30 e os 40 anos permitiu manter a idade média do efectivo da Direcção-Geral nos 49 anos, contrariando a evolução prosseguida nos anos anteriores. 18

19 47,2 47,5 48,6 49,2 49,1 46, Gráfico 5 Evolução da idade média 19

20 Estrutura de antiguidades A caracterização dos efectivos em função da antiguidade (vd. Anexo IV) reflecte igualmente uma concentração significativa dos colaboradores com mais de 30 de anos de serviço. 169 funcionários têm uma antiguidade superior aos 30 anos, pelo que se prevê, num futuro próximo, uma maior pressão da aposentação nas saídas e uma necessidade em assegurar um processo de renovação de efectivos. Gráfico 6 Evolução da estrutura de antiguidade A saída de um número significativo de funcionários por aposentação contribuiu para uma redução da média de antiguidade, para se situar nos 24 anos. 20

21 25,5 25,6 25,2 24,4 23,5 23, Gráfico 7 Evolução do nível médio de antiguidade Com base em alguns dos pressupostos correlacionados com a aposentação, é possível prever a seguinte evolução para o número de funcionários a sair: Nº de funcionários a aposentar

22 Trabalhadores deficientes São considerados como trabalhadores deficientes aqueles a quem foi atribuída uma deficiência para efeitos de benefícios fiscais. No Anexo V, distribui-se o número de funcionários em função do grau de deficiência. A taxa de trabalhadores que possuem uma deficiência mantém-se em Anos Nº Trab. Deficientes % dos efectivos ,3% ,3% ,3% ,3% ,4% ,4% Quadro 4 Trabalhadores deficientes 22

23 Estrutura habilitacional Desde 2001, tem-se assistido a um aumento de efectivos habilitados com o grau de licenciatura (vd. Anexo VI). Outros 4 anos escolaridade 6 anos escolaridade 9 anos escolaridade 11 anos escolaridade 12 anos escolaridade Bacharelato Licenciatura Pos-graduação Mestrado Gráfico 8 Evolução da estrutura habilitacional 23

24 CAPÍTULO III MOVIMENTOS DE PESSOAL O número de colaboradores tem registado uma quebra anual, mais atenuada em Tem sido possível sustentar esta situação com a reorganização interna que tem sido prosseguida, com a alteração da natureza do trabalho a desenvolver e com o recurso às tecnologias de informação. Gráfico 9 Evolução do total de efectivos 24

25 Admissões Em 2006 foi possível atenuar a quebra do número de colaboradores com a entrada de 24 funcionários (vd. Anexo VII) por transferência e com a conclusão de concursos internos, de acesso misto e de ingresso. Através de concurso foram admitidos: 1 técnico superior principal do serviço social; 4 técnicos superiores de 2ª classe; 2 assistentes administrativos especialista; 9 assistentes administrativos principal. Grupo Profissional Dirigente Técnico Superior Técnico Técnico Profissional Administrativo Auxiliar Operário Informático Total Variação -68% 33% 100% 50% Quadro 5 Admissões por Grupos Profissionais 25

26 Saídas Em 2006, deixaram a Direcção-Geral 31 funcionários, na sua maioria administrativos (vd. Anexo VIII). Motivos das saídas Exoneração Aposentação Transferência/Requisição/Outros Falecimento Total Quadro 6 Motivo das saídas totais A saída de efectivos é determinada especialmente pela aposentação. A relevância da aposentação está directamente correlacionada com o elevado nível de antiguidade. Grupo Profissional Dirigente Técnico Superior Técnico Técnico Profissional Administrativo Auxiliar Operário Informático Total Variação -7% -62% 56% 24% Quadro 7 Saídas por grupos profissionais 26

27 Por outro lado, as saídas incidiram especialmente nos grupos de pessoal administrativo, auxiliar e operário, enquanto nos técnicos superiores, a Direcção-Geral até conseguiu reforçar os seus recursos. Desta forma a capacidade de resposta da Direcção-Geral manteve-se intacta, garantindo ainda condições para desenvolver um processo de mudança Admissões Saídas Evolução do efectivo Gráfico 10 Evolução do movimento de pessoal 27

28 CAPÍTULO IV PROMOÇÕES, PROGRESSÕES E RECLASSIFICAÇÕES A alteração da relação jurídica de emprego (vd. Anexo IX) de 39 efectivos deveu-se: a promoção, na sequência dos concursos de pessoal já referidos, e; a reclassificação de uma auxiliar administrativa. Gráfico 11 Evolução das promoções/progressões/reclassificações 28

29 CAPÍTULO V ASSIDUIDADE A análise deste capítulo apoiou-se nos mapas produzidos pela aplicação BSORG. Em 2006, registaram-se dias de ausência cuja discriminação consta no Anexo X, estando associados a: dias de férias (vd. Anexo XI); dias de ausência ao trabalho (vd. Anexo XII); 339 dias não trabalhados por greve e por actividade sindical (vd. Anexo XIII). Maternidade 415 Internamento hospitalar 56 Outros 742 Doença 6168 Férias 7874 Greveeactividade sindical 339 Acidentesem serviço 378 Tratamentoem ambulatório 277 Gráfico 12 Número de dias de ausência 29

30 Absentismo O número de dias de ausência ao trabalho vem registando uma quebra anual sucessiva, verificando-se um decréscimo, em 2006, de 6% Gráfico 13 Evolução do nº de dias de ausência Esta evolução não foi influenciada pela redução do número de funcionários porque o número médio de dias de ausência por colaborador também evoluiu naquele sentido: Gráfico 14 Evolução do nº de dias de ausência por colaborador 30

31 Importa estudar com melhor detalhe a doença já que esta justifica 77% das ausências ao trabalho. Dos dias de ausência por doença foi possível constatar que: dias estão directamente relacionados com intervenções cirúrgicas, do foro oncológico, com traumatismos graves e com situações do foro psiquiátrico. Estas situações originam períodos de ausência muito prolongados; 844 dias estão associados a funcionários que adquiriram a aposentação. Desta forma, 56% dos dias de ausência por doença deveram-se a um número muito limitado de funcionários que concentraram um número de dias de ausência muito significativo. Importa também realçar que dias de ausência estão associados a internamentos, a tratamentos em ambulatório, à maternidade e a acidentes em serviço. No decurso do ano de 2006, diminuiu em 57% o número de acidentes em serviço, relativamente ao ano 2005, conforme se pode visualizar no quadro seguinte: Anos Sem baixa Com baixa Total Acidentes Dias Perdidos Quadro 8 Acidentes em serviço no local de trabalho Todos os acidentes em serviço verificaram-se no local de trabalho. 31

32 A ausência motivada por greve ou por exercício da actividade sindical totalizou 339 dias. A actividade sindical a que se referem os dias de ausência constantes do quadro seguinte, respeita à actividade exercida por um funcionário na qualidade de Secretário Distrital da Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo do SINTAP Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública, ao abrigo do Decreto-Lei 84/99, de 19 de Março. Anos Actividade Sindical Greve Total Quadro 9 Actividade sindical e greve (nº dias) A taxa de absentismo em 2006 é de 13,6%. Contudo se se excluir: os dias de ausência relacionados com as situações de doença prolongada, internamento, tratamento ambulatório e maternidade; os dias de ausência por acidente em serviço; e a actividade sindical de um funcionário; a taxa de absentismo passaria aos 5,8%. 32

33 Quanto às incapacidades, conclui-se que no ano de 2006, registou-se menos um caso de incapacidade temporária parcial. Tipo de Incapacidade Incapacidade permanente absoluta - - Incapacidade permanente parcial - - Incapacidade permanente absoluta para trabalho habitual - - Incapacidade temporária parcial 4 3 Incapacidade temporária absoluta - - Quadro 10 Incapacidade 33

34 CAPÍTULO VI -FORMAÇÃO A adopção de novas metodologias de trabalho designadamente com recurso às tecnologias de informação, tornou necessário aumentar as capacidades profissionais dos recursos humanos da Organização pela aprendizagem através da formação. Neste sentido durante o ano de 2006, adoptou-se uma política de formação profissional orientada para acções externas e internas. Ao nível da formação externa foi dada continuidade ao projecto em parceria com o Instituto Nacional de Administração (INA), com acções específicas orientadas para as necessidades próprias da ADSE, com o objectivo de preparar os utilizadores que necessitam de interagir com o Data Warehouse implementado para efectuarem uma utilização activa e informada e melhor apoiarem as decisões de gestão. A segunda fase destas acções foi orientada para a: formação teórica sobre Data Warehouse (conceitos e aplicações); formação prática em exploração de dados. Foram frequentadas diversas acções de carácter geral, nomeadamente: o Fórum Administração Pública Liderar Processos de Mudança: inovar as organizações, confiar nas pessoas; 34

35 sobre desenvolvimento pessoal e interpessoal, Aspectos do Novo Contencioso Administrativo, Contabilidade Orçamental, Processamento de Abonos e Regalias Sociais. Destaca-se ainda a formação na área informática, organizada por parceiros da Direcção-Geral, nas seguintes áreas: Introduction to XML and the Microsoft.Net Plataform; Designing and implementing OLAP Solutions Using Microsoft SQL Server 2000 Microsoft; Introdução ao Microsoft Visual Studio 2005 e ASP.Net; Microsoft Visual Basic Scripting Edition and Microsoft Windows Script Host Essentials; Microsoft Internet Security and Acceleration Server 2004 Instalação e Administração; Microsoft Exchange Server 2003-Instalação e Administração; Seminário Ibérico de Segurança Setting the Road to Secure Business Operations que se realizou em St Paul de Vence - Nice (França). Em 2006, procurou-se incentivar a formação interna envolvendo: acções sobre o tratamento de dados produzidos pelo sistema de processamento em regime livre; 35

36 um workshop para um projecto de Business inteligence Data Warehouse para o regime convencionado; um modelo relativo à apresentação de autenticação monitorado por um funcionário da ADSE. Foram ainda realizadas outras acções de formação destinadas a entidades públicas sobre temáticas relacionadas com a actividade da ADSE. Neste enquadramento leccionaram-se: acções a Organismos com autonomia financeira, hospitais SPA e outros subsistemas de saúde (PSP,GNR), com 33 participantes provenientes de 16 entidades de várias zonas do país. Esta formação foi prestada pela Direcção de Serviços de Comparticipações e abordou o processamento das comparticipações atribuídas no regime livre. acções aos PAC S e PAM S, realizadas nas instalações da ADSE em Lisboa tendo contado com a participação de 129 participantes oriundos de todo o país. A responsabilidade por estas acções pertenceu à Divisão de Informações e Relações Públicas. O número de acções de formação e de participantes (vd. Anexo XIV) tem envolvido um significativo acréscimo de encargos. 36

37 Nº Acções de formação Nº Participantes Gráfico 15 Nº de acções de formação e nº de participantes ( ) Os maiores encargos com a formação devem-se à realização de acções organizadas de acordo com os requisitos específicos estabelecidos pela Direcção-Geral. milhares de euros Gráfico 16 Custos com a formação ( ) 37

38 Tais requisitos estiveram relacionadas com os objectivos e necessidades da Direcção Geral, de modo a potenciar a eficácia das acções de formação. Os níveis de qualificação são caracterizados no Anexo XV. 38

39 CAPÍTULO VII HORÁRIOS A evolução das modalidades de horário existentes em 2006 (vd. Anexo XVI) é demarcada pela redução do número de jornadas contínuas: Modalidades de Horários Horário Flexível Trabalhador-Estudante Assistência Descendentes Menores Jornada Contínua Trabalho por Turnos Isenção de Horário Total Quadro 11 Modalidades de horários 39

40 CAPÍTULO VIII TRABALHO EXTRAORDINÁRIO Em 2006, registou-se um incremento do número de horas de trabalho extraordinário (vd. Anexo XVII). Ainda assim, as horas de trabalho extra realizadas naquele ano estiveram muito aquém do número de horas registadas em Horas extraordinárias diurnas (1ªh) Horas extraordinárias (outras horas) ,5 Dias descanso complementar Hora extraordinário em feriado ,5 Total Quadro 12 Nº horas de trabalho extraordinário O trabalho em dias de descanso complementar e em feriado, justifica-se pela necessidade de garantir uma recuperação de atrasos e, muito especialmente, para assegurar a capacidade de resposta às solicitações sazonais ou erráticas. O recurso a este tipo de trabalho permitiu pagar as comparticipações em prazos muito razoáveis para os beneficiários, garantindo o objectivo de assegurar um prazo de pagamento de 60 dias. 40

41 CAPÍTULO IX DESPESAS COM PESSOAL A análise das despesas com pessoal (vd. Anexo XVIII) sustenta-se na informação registada na conta de gerência. As despesas com pessoal constituem parte significativa das despesas de administração da Direcção-Geral Remunerações certas e permanentes Abonos variáveis ou eventuais Segurança Social Total Quadro 13 Despesas com Pessoal (unid.: euros) Estas despesas não registaram variações expressivas. Globalmente o acréscimo na ordem dos 84 mil euros representam uma variação de pouco mais de 1,5%. Desde já, importa realçar o facto das remunerações com pessoal do quadro que constituem 68% das despesas com pessoal terem evidenciado uma redução de 1,6%. Desta forma, a justificação para o ligeiro acréscimo das despesas com pessoal está principalmente correlacionada com o projecto de Modernização e Qualificação da Administração Pública que permitiu realizar 7 estágios a recém licenciados. As despesas directamente envolvidas com esta acção totalizaram euros. 41

42 Na análise comparativa das despesas importa ter em atenção as alterações de critérios de contabilização que originam variações muito expressivas e, por isso, não reflectem variações de actividade. É o exemplo das rubricas Trabalho extraordinário e Outros abonos em numerário ou espécie. Os diversos encargos com as prestações sociais apresentaram comportamentos evolutivos diferenciados: Prestações Sociais Subsídio de refeição Rem doença mater/pater Subsídio familiar crianças e jovens Outras prestações familiares Acidentes em serviço e doenças profissionais Outras pensões Seguros 531 Total Quadro 14 Despesas com Prestações Sociais (unid.: euros) 42

43 CAPÍTULO X SÍNTESE A análise conjunta dos diversos indicadores que caracterizam os recursos humanos da Direcção-Geral permite sustentar as seguintes conclusões: Os recursos humanos afectos têm permitido assegurar uma capacidade suficiente para garantir o pagamento da facturação dos prestadores, nos prazos contratuais, e até o pagamento de comparticipações aos beneficiários no prazo de 60 dias; O número de efectivos afigura-se insuficiente considerando a dimensão das amostras de facturação sujeita a conferência; A concentração da distribuição dos efectivos em escalões etários e níveis de antiguidade mais elevados constituem factores de risco que obrigam a uma gestão cuidada; O absentismo tem evidenciado uma sucessiva quebra e a sua expressão actual ainda está muito influenciado por ausências de um número reduzido de funcionários que registam períodos de ausência muito prolongados; Constatou-se uma significativa disponibilidade dos funcionários para realizar um número de horas de trabalho realizadas em dias de descanso semanal, demonstrando um forte empenho na prossecução dos objectivos da Direcção- Geral; 43

44 A redução dos efectivos não prejudicou a prossecução dos objectivos da Direcção-Geral por ter sido compensada com o recurso a trabalho extraordinário e à a alteração de metodologias de trabalho, privilegiando o controlo da despesa e a eliminação de tarefas associadas à introdução de dados; O esforço financeiro com a formação será, decerto, compensado porque as acções foram realizadas tendo em consideração as necessidades do posto de trabalho; A evolução das despesas com pessoal demonstra também a eficiência atingida. 44

45 ÍNDICEDEANEXOS ANEXO I Quadro de pessoal aprovado ANEXO II Quadro de pessoal em vigor ANEXO III Número de efectivos em ANEXO IV - Estrutura de antiguidades ANEXO V - Trabalhadores deficientes ANEXO VI - Estrutura habilitacional ANEXO VII - Admissões de pessoal ANEXO VIII - Motivo das saídas definitivas ANEXO IX Promoções, progressões e reclassificações ANEXO X Número total de dias de ausências ANEXO XI - Dias de férias ANEXO XII - Dias de ausência ao trabalho ANEXO XIII - Horas não trabalhadas ANEXO XIV - Acções de formação profissional ANEXO XV - Níveis de qualificação ANEXO XVI - Modalidades de horários ANEXO XVII - Trabalho extraordinário ANEXO XVIII - Encargos com pessoal

BALANÇO SOCIAL RELATIVO AO ANO DE 2001

BALANÇO SOCIAL RELATIVO AO ANO DE 2001 S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DO ORÇAMENTO GABINETE DO DIRECTOR-GERAL BALANÇO SOCIAL RELATIVO AO ANO DE 2001 INTRODUÇÃO O Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro, consagrou, como medida de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Direção-Geral de Proteção Social aos Trabalhadores em Funções Públicas BALANÇO SOCIAL DE 2014 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 6 ESTRUTURA ORGÂNICA 7 INDICADORES DEMOGRÁFICOS 8 MAPA DE

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS... ÍNDICE INTRODUÇÃO............ 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS......... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...... 7 1.3 DISTRIBUIÇÃO POR GRUPOS PROFISSIONAIS...

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS. 4 Gestão de Recursos Humanos

RELATÓRIO E CONTAS. 4 Gestão de Recursos Humanos 4 Gestão de Recursos Humanos 4 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS A Gestão de Recursos Humanos, na Administração Pública, é fortemente determinada por um quadro legal específico que regula a organização dos serviços

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 1 - RECURSOS HUMANOS

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 1 - RECURSOS HUMANOS ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 1 - RECURSOS HUMANOS Quadro 1: Contagem dos trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo a modalidade de vinculação e género Quadro 2: Contagem dos trabalhadores por grupo/cargo/carreira,

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 532/VIII REFORÇA OS DIREITOS LABORAIS DOS FUNCIONÁRIOS CIVIS DO SISTEMA DE AUTORIDADE MARÍTIMA. Exposição

PROJECTO DE LEI N.º 532/VIII REFORÇA OS DIREITOS LABORAIS DOS FUNCIONÁRIOS CIVIS DO SISTEMA DE AUTORIDADE MARÍTIMA. Exposição PROJECTO DE LEI N.º 532/VIII REFORÇA OS DIREITOS LABORAIS DOS FUNCIONÁRIOS CIVIS DO SISTEMA DE AUTORIDADE MARÍTIMA Exposição A dispersão legislativa a que tem estado sujeito o Sistema de Autoridade Marítima

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional

Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional Angra do Heroísmo Março de 2015 2 Índice Introdução... 4 Sumário Executivo... 5 1. Trabalhadores

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA Decreto-Lei n.º 64/97 de 26 de Março O Decreto-Lei nº 64/97, de 26 de Março, foi revogado pelo Decreto-Lei nº 96/2003, de 07 de Maio, que

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 REVALORIZAÇÃO DAS CARREIRAS DO PESSOAL TÉCNICO CONTABILISTA E DE AUXILIAR DE CONTABILIDADE DA DIRECÇÃO REGIONAL DO ORÇAMENTO E TESOURO O Decreto Regulamentar Regional

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

PLANO ACTIVIDADES. Ministério das Finanças e da Administração Pública

PLANO ACTIVIDADES. Ministério das Finanças e da Administração Pública PLANO de ACTIVIDADES 2006 Ministério das Finanças e da Administração Pública PLANO DE ACTIVIDADES 2006 ÍNDICE PREÂMBULO 7 METODOLOGIA 9 A DIRECÇÃO-GERAL 11 Recursos Financeiros 14 Organização Interna

Leia mais

Relatório Balanço Social

Relatório Balanço Social Relatório Balanço Social 12 de Abril, 2012 Índice Introdução... 2 Identificação do Organismo... 3 Indicadores de gestão... 4 Perfil tipo do trabalhador... 5 1. Caracterização do efetivo global... 6 1.1

Leia mais

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n.

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n. 1- O que é o PEPAL? O Programa de Estágios Profissionais na Administração Local (PEPAL) representa uma oportunidade de valorização profissional e de emprego de recursos humanos, através de estágios remunerados,

Leia mais

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7023 MAPA IV Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 10. o Consultor... MAPA V Assessor do tesouro. Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 11. o Técnico especialista principal... Chefe de secção...

Leia mais

Sugestões para a revisão das carreiras de regime geral dos trabalhadores dos serviços públicos

Sugestões para a revisão das carreiras de regime geral dos trabalhadores dos serviços públicos Sugestões para a revisão das carreiras de geral dos trabalhadores dos serviços públicos Preâmbulo O jurídico da função pública vigente e regulado por diversas normas, nomeadamente pelos Decretos-lei n

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Balanço Social 2012

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Balanço Social 2012 FICHA TÉCNICA TÍTULO Balanço Social 2012 EDIÇÃO INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B, Edifício 4 Aeroporto da Portela 4 1749-034 Lisboa Telef.: +351 218 423 500 / Fax: +351 218 423 551

Leia mais

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março O Decreto-Lei n.º 177/2000, de 9 de Agosto, veio atribuir autonomia administrativa aos tribunais superiores da ordem dos tribunais judiciais e da ordem dos tribunais

Leia mais

Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1

Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1 Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1 Lei n.º 77/88, de 1 de Julho, (Declaração de Rectificação de 16 de Agosto de 1988) com as alterações introduzidas pela

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde Gabinete de Apoio ao Consumidor Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014 Banco de Cabo Verde ÍNDICE pág. 1. Âmbito e atribuições do FGA...3 2. Actividades desenvolvidas pelo FGA em 2014...4

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Direção de Serviços de Planeamento e Gestão de Recursos. Balanço Social 2013 2

Direção de Serviços de Planeamento e Gestão de Recursos. Balanço Social 2013 2 Balanço Social 213 2 Balanço Social 213 3 1 Índice 1. Introdução... 4 2. Caracterização dos Recursos Humanos... 6 Mapa de Pessoal... 6 Evolução de efetivos... 7 Distribuição por Género... 8 Modalidades

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 1. Organograma do IDE, IP-RAM 5 2. Distribuição global dos recursos humanos.. 6 3. Estrutura etária dos recursos humanos. 10 4. Estrutura de antiguidades.

Leia mais

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e ESTATUTO DO PESSOAL Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, de 6 de Julho de 2000.

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS FUNCIONÁRIOS NÃO DOCENTES DO IST. Artigo 1º Princípios gerais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS FUNCIONÁRIOS NÃO DOCENTES DO IST. Artigo 1º Princípios gerais REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS FUNCIONÁRIOS NÃO DOCENTES DO IST Artigo 1º Princípios gerais 1 O Instituto Superior Técnico (adiante designado IST) adopta várias modalidades de horários previstos na lei.

Leia mais

Índice. Relatório da Avaliação de Desempenho SIADAP 2 e 3 2012 0

Índice. Relatório da Avaliação de Desempenho SIADAP 2 e 3 2012 0 Índice I Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 1 II Processo de Avaliação -----------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

Balanço Social 2013. Índice

Balanço Social 2013. Índice Índice ENQUADRAMENTO LEGAL, MISSÃO E ATRIBUIÇÕES DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 2 ORGANOGRAMA DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 7 RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO E GRUPOS PROFISSIONAIS... 10 HABILITAÇÕES ACADÉMICAS...

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Decreto-Lei 557/99, de 17 de Dezembro - I Série

Decreto-Lei 557/99, de 17 de Dezembro - I Série Decreto-Lei 557/99, de 17 de Dezembro - I Série Sistema de carreiras da DGCI Decreto-Lei nº 557/99, de 17 de Dezembro - Sistema de carreiras da DGCI Na sequência do profundo processo de reestruturação

Leia mais

Polícia de Segurança Pública. Balanço Social 2011

Polícia de Segurança Pública. Balanço Social 2011 Polícia de Segurança Pública Balanço Social 2011 DRH 2012 Polícia de Segurança Pública 2012 Balanço Social 2011 Elaborado por DGCRH DRH DNPSP 1 Índice 1. NATUREZA, MISSÃO E COMPETÊNCIAS DA PSP... 7 1.1.

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias:

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias: Decreto-Lei 186/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997. REVOGADO A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e da Tecnologia, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 144/96, de 26 de Agosto, estabeleceu o quadro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO DE 22 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS EM CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO N. 2 DO ART. 5 DO DEC. LEI 71/95, DE DE ABRIL, ENVIA-SE A RELAÇÃO TRIMESTRAL DAS ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS EFECTUADAS NOS ORÇAMENTOS

Leia mais

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março O presente diploma, procedendo à revisão das carreiras de informática, procura perspectivar a função informática à luz da actual realidade informática, quer do ponto

Leia mais

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Dando sequência ao estabelecido no art.º 2.º do Regulamento da Estrutura Flexível dos serviços municipais e usando das competências conferidas pelos

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.4) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro Decreto-Lei n.º 140-B/2010 de 30 de Dezembro O presente decreto-lei é mais um passo no objectivo do Governo de reafirmar os princípios de convergência e universalização dos regimes de protecção social

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA DAS DESPESAS

CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA DAS DESPESAS DESPESAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES 01 Despesas com o pessoal 01 Despesas com o pessoal 01 Remunerações certas e permanentes 01 Remunerações certas e permanentes 01 Titulares de órgãos de soberania e

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Artigo 1.º Âmbito pessoal Título I Âmbito pessoal, vigência, denúncia e revisão 1. O presente

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM MUNICIPIO DE CASTRO MARIM Câmara Municipal REGULAMENTO, INTERNO DE FUNCIONAMENTO, ATENDIMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO MARIM Regulamento Interno de Funcionamento, Atendimento

Leia mais

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro Ministério da Saúde Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro As mudanças que ocorrem no âmbito das transformações em curso no País principalmente a reforma geral da administração pública e a adopção da Lei de

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Pela Ordem e Pela Pátria Balanço Social 2010 POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA 1 P á g i n a POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA BALANÇO SOCIAL 2010 Elaborado por: Departamento

Leia mais

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Código do trabalho: Lei 99/2003, de 27 de Agosto Grávida, puérpera e lactante art. 34 Licença de maternidade 35º/68º Em situação de risco clínico na gravidez 35º/68º Licença

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL PROJECTO DE ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL NOTA JUSTIFICATIVA O nível de organização

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

Parecer Jurídico. Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades

Parecer Jurídico. Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades Parecer Jurídico FALTAS POR DOENÇA - Autorização do Abono de Exercício Perdido Decreto-Lei n.º 100/99, de 31 de Março Despacho

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP Título: Agência para a Modernização Administrativa, I.P.: Balanço Social 2013 Autoria: Equipa de Recursos Humanos Aprovação: Conselho

Leia mais

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n. PARECER N.º 88/CITE/2010 Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.º 396 DV/2008 I OBJECTO 1.1. A CITE recebeu em 28 de Julho de 2008, um

Leia mais

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 8/98, de 18 de Março 1, (Declaração de Rectificação n.º 11/98, de 8 de Junho) com as alterações

Leia mais

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO DESPACHO Para efeitos de apoio à implementação das medidas previstas na Lei do Orçamento do Estado para 2013, é aprovada a nota técnica em anexo, a qual deverá ser divulgada pela Direção Geral do Orçamento

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

VIII CONFERÊNCIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA VIII CONFERÊNCIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA XV REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS Luanda, 22 de Julho de 2010 Resolução sobre a Aprovação dos

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

8346 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 274 24-11-1999

8346 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 274 24-11-1999 8346 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 274 24-11-1999 direcção municipal na linha geral de actuação definida pelos órgãos municipais competentes. Dirige e coordena, de modo eficiente, a actividade dos

Leia mais

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO Última atualização 15.04.2015 1 Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas? As bolsas distinguem-se de

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES 2006 ÍNDICE 1. Nota Introdutória...

Leia mais

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. ALTERAÇÕES SEGURANÇA SOCIAL 4 3. BASES DE INCIDÊNCIA 6 3 1. Introdução Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento

Leia mais

Documentos de. Prestação de Contas. e Relatório de Gestão

Documentos de. Prestação de Contas. e Relatório de Gestão Documentos de Prestação de Contas e Relatório de Gestão 2012 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS E RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Município de Santa Marta de Penaguião Relatório de Gestão 2012 Í N D I C E Pág.

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Decreto-Lei n.º 4/09 de 18 de Maio A Lei Constitucional da República de Angola no seu artigo 24.º assegura que «todos os cidadãos têm o direito de viver num meio ambiente sadio e

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei n.º 15/VIII/08 ESTATUTO DO GABINETE DE REGISTO E INFORMAÇÃO PÚBLICA (GRIP) PREÂMBULO

Assembleia Nacional. Lei n.º 15/VIII/08 ESTATUTO DO GABINETE DE REGISTO E INFORMAÇÃO PÚBLICA (GRIP) PREÂMBULO República Democrática de São Tomé e Príncipe Assembleia Nacional Lei n.º 15/VIII/08 ESTATUTO DO GABINETE DE REGISTO E INFORMAÇÃO PÚBLICA (GRIP) PREÂMBULO O eixo principal da Lei-Quadro das Receitas Petrolíferas

Leia mais

8/2012 Lei n.º 8/2012 Remunerações Acessórias das Forças e Serviços de Segurança

8/2012 Lei n.º 8/2012 Remunerações Acessórias das Forças e Serviços de Segurança 8/2012 Lei n.º 8/2012 Remunerações Acessórias das Forças e Serviços de Segurança Assembleia Legislativa da Região Administrativa Especial de Macau 8/2012 Lei n.º 8/2012 Remunerações Acessórias das Forças

Leia mais

CAPÍTULO I Âmbito e Vigência

CAPÍTULO I Âmbito e Vigência Acordo Coletivo de Entidade Empregadora Pública entre o Município de Vila do Porto e o STAL Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e

Leia mais

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio No quadro das orientações definidas pelo Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE) e dos objectivos do Programa do Governo no tocante à

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO A prestação de serviços ao exterior por docentes com contrato em funções públicas, em regime de dedicação exclusiva,

Leia mais

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 010101 TITULARES DE ÓRGÃOS DE SOBERANIA E 98.400,00 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 26,43

Leia mais

DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2009

DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2009 DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2009 - ORÇAMENTO DA RECEITA E DA DESPESA - PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS - GRANDES OPÇÕES DO PLANO - RESUMO DE ORÇAMENTO APROVADO EM: C.A. / / C.M. / / A.M. /

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL CASA PIA DE LISBOA, I.P. CONTA DE GERÊNCIA. Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2007

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL CASA PIA DE LISBOA, I.P. CONTA DE GERÊNCIA. Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2007 CONTA DE GERÊNCIA Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2007 Débito Parcial Telnet Sif Total Crédito SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: DESPESAS CORRENTES De Receitas Próprias: 01 DESPESAS COM PESSOAL

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro Bases da contabilidade pública A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objecto

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais