ÍNDICE INTRODUÇÃO EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL EFECTIVOS GLOBAIS DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS..."

Transcrição

1 ÍNDICE INTRODUÇÃO EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL EFECTIVOS GLOBAIS DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS DISTRIBUIÇÃO POR GRUPOS PROFISSIONAIS DISTRIBUIÇÃO POR NÍVEIS DE ESCOLARIDADE DISTRIBUIÇÃO POR ESCALÃO ETÁRIO DISTRIBUIÇÃO POR AGRUPAMENTOS DE ANTIGUIDADE OUTROS INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL TAXA DE SINDICALIZAÇÃO TAXA DE EFECTIVOS COM DEFICIÊNCIA DESPESAS COM PESSOAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO FORMULÁRIO PREVISTO NO DECRETO - LEI N.º 190/96, DE 9 DE OUTUBRO...31 Balanço Social 2003 Pág. 1

2 INTRODUÇÃO Pelo terceiro ano consecutivo a Assembleia Legislativa Regional da Madeira apresenta o seu Balanço Social, documento reconhecido como um incontestável instrumento de gestão dos recursos humanos. Este Balanço, referente ao ano de 2003, fornece, do mesmo modo que os que o antecederam, um conjunto de indicadores da vida da Assembleia Legislativa, nas áreas dos recursos humanos e dos recursos financeiros a estes afectos. Os quadros elaborados, no presente Balanço Social, reportam ao pessoal em efectividade de funções na ALRM, em 31 de Dezembro de Não foram contabilizados os funcionários do quadro da ALRM, a usufruírem de licenças sem vencimento (2 funcionários), nem os que exerciam funções nos Grupos Parlamentares (2 funcionários), nem os que, de igual forma, exerciam funções em outros organismos públicos (2 funcionários). Refira-se, também, que os funcionários afectos aos Gabinetes da Presidência, Vice-Presidências e do Secretário-Geral e aqueles que se encontram em regime de substituição, foram inseridos no grupo de pessoal da respectiva categoria profissional (12 funcionários). Contudo, o Quadro de Pessoal cresceu 5% relativamente a 2002, ou seja, contou com mais 4 efectivos, em termos absolutos, apesar de em 2003 se terem verificado 5 admissões. Continua a verificar-se que o maior grupo profissional é o do Pessoal Auxiliar, com uma quota de 31% do total dos efectivos, e que o Pessoal Técnico-Profissional têm um peso de 23%, e o Pessoal Administrativo de 14%. No que se refere ao Pessoal Técnico-Superior, a taxa de tecnicidade é bastante reduzida - 9%, por sua vez, a taxa de enquadramento situa-se nos 4 pontos percentuais, isto é, existe 1 Dirigente para 19 Funcionários. Na estrutura habilitacional, constata-se a existência de dois grandes grupos: o dos efectivos com 4 anos de escolaridade (21 funcionários) e o dos efectivos com 12 anos de escolaridade (também, 21 funcionários). Balanço Social 2003 Pág. 2

3 Note-se, que cerca de 53% dos efectivos possui 9 anos ou menos de escolaridade. Relativamente à antiguidade na Função Pública, 77% dos efectivos, possuem mais de 10 anos de serviço e 67%, mais de 15 anos. Consequentemente, o nível médio de antiguidade apurado foi de 15,04 anos. Por último, refira-se que a taxa de feminização é de 54%. A informação para a elaboração do presente Balanço Social, foi coligida e tratada pela Técnica Superior, Drª Bárbara Vasconcelos, com recurso à aplicação Enterprise Resource Planning (ERP), através do Software SAP, tendo os dados necessários sido obtidos, mediante consulta à referida aplicação informática e à documentação produzida no âmbito dos Departamentos de Expediente e Pessoal, e Financeiro desta Assembleia Legislativa Regional da Madeira. Assembleia Legislativa Regional, aos 29 dias de Março de O Director de Serviços Gastão Duarte Teixeira de Sousa Jardim Balanço Social 2003 Pág. 3

4 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS Os quadros da Assembleia Legislativa Regional de Madeira, a 31 de Dezembro de 2003, contavam com 78 efectivos ao seu serviço, 36 homens e 42 mulheres. Destes 97% são nomeados, 1% com contrato de trabalho a termo certo, 1% em prestação de serviços e 1% em situação de requisição ou destacamento. Relativamente a 2002 (com um total de 74 efectivos) o quadro de pessoal sofreu um alargamento de cerca de 5%. Recursos Humanos 2003 TOTAL Recursos Humanos 2002 TOTAL H 36 H 35 Total de efectivos Nomeação Prestação de Serviços Contrato de trabalho a termo certo Requisição ou Destacamento M 42 T 78 H 36 M 39 T 75 H - M 1 T 1 H - M 1 T 1 H - M 1 T 1 Total de efectivos Nomeação Contrato administrativo de provimento Contrato de trabalho a termo certo Outras situações M 39 T 74 H 35 M 35 T 70 H - M 2 T 2 H - M 1 T 1 H - M 1 T 1 Efectivos Totais Nomeação 97% Prestação de Serviços 1% 1% 1% Contrato de Trabalho a termo certo Requisição ou Destacamento Balanço Social 2003 Pág. 4

5 Em 2003 registaram-se 5 admissões na Assembleia Legislativa Regional da Madeira, 2 por nomeação (1 homem e 1 mulher), 1 mulher contratada a termo certo, 1 mulher em prestação de serviços e uma mulher requisitada a outros serviços públicos. Admissões em TOTAL H 1 Total de efectivos Nomeação Prestação de Serviços Contrato de trabalho a termo certo M 4 T 5 H 1 M 1 T 2 H - M 1 T 1 H - M 1 T 1 Requisição e Destacamento 20% Prestação de Serviços 20% Contrato de trabalho a termo certo 20% Nomeação 40% Requisição ou Destacamento H - M 1 T 1 Comparativamente ao ano de 2001 e 2002, assistiu-se a uma diminuição no total das admissões de 44% em relação ao primeiro e uma conservação dos valores relativamente ao segundo. Registou-se, ainda, uma diminuição de 67% nas admissões por nomeação relativamente ao ano de 2001 e de 33% relativamente ao ano Admissões em 2001 TOTAL Admissões em TOTAL Total de efectivos H 6 M 3 Total de efectivos H 2 M 3 T 9 T 5 H 6 H 2 Nomeação M - Nomeação M 1 T 6 T 3 Contrato de trabalho a termo certo H - M 1 T 1 Contrato de trabalho a termo certo H - M 1 T 1 Contrato administrativo de provimento H - M 2 T 2 Outras situações H - M 1 T 1 Balanço Social 2003 Pág. 5

6 Evolução das Admissões Não se registaram quaisquer saídas de pessoal da ALRM, durante o ano de No decorrer do ano 2003, 23% dos efectivos do quadro de pessoal da Assembleia Legislativa Regional da Madeira viram a sua situação modificada, 12 (15% do pessoal) através de progressão na categoria, 4 (5% do pessoal) com promoção para categoria superior e 2 (3% do pessoal) assistiram a uma reclassificação profissional. Comparativamente às mudanças ocorridas em 2002, registou-se um aumento de 8 pontos percentuais nas mudanças de situação por progressão e à conservação dos valores absolutos e relativos das promoções para categorias superiores (5% para 2002 e 2003). Em 2002 não se contabilizaram reconversões ou reclassificações profissionais entre os efectivos da ALRM. Mudanças de situação Homens Mulheres TOTAL 2003 TOTAL 2002 Promoções Progressões Reconversões e Reclassificações Reconversões e Reclassificações 11% Promoções 22% Progressões 66% Balanço Social 2003 Pág. 6

7 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS Órgãos e Serviços Gabinete do Presidente Gabinetes da Vice Presidência Pessoal dos Dirigente Técnico Superior InformáticoTécnico Técnico Profissional Administrativo Auxiliar Operário TOTAL % Mulheres Gabinetes H M T ,10 H M T ,07 Gabinete H Técnico de Assessoria e M Estudos T ,14 Gabinete de H Relações Públicas e M Protocolo T ,02 H Gabinete de Informação e M Comunicação T ,14 Secretaria Geral Direcção de Serviços Departamento Financeiro Gabinete de Informática H M T ,02 H M T ,00 H M T ,07 H M T ,05 H Divisão de Documentação M T ,07 H Departamento de Expediente M e Pessoal T ,07 Serviços Gerais H M T ,24 Balanço Social 2003 Pág. 7

8 Numa análise sucinta à distribuição dos efectivos por órgãos e serviços da Assembleia Legislativa Regional da Madeira a 31 de Dezembro de 2003, verifica-se que os Serviços Gerais, à semelhança do ano anterior, é o serviço com mais recursos humanos afectos, com um total de 25 funcionários, representando 32% dos efectivos, seguido pelo Gabinete Técnico de Assessoria e Estudos e pelo Gabinete de Informação e Comunicação, ambos com 8 funcionários, com uma quota individual de 10% cada. Segue se o Departamento Financeiro com 9% dos efectivos correspondente a 7 funcionários e com 6 funcionários, 8% do total de efectivos, surge o Gabinete do Presidente e os Gabinetes da Vice-Presidência. O Departamento de Informática com 5 funcionários (6%), a Divisão de Documentação e o Departamento de Expediente e Pessoal, ambos com 4 trabalhadores (5%) e a Secretaria Geral com 3 efectivos (4%). Com 1 efectivo (1%) surgem a Direcção de Serviços e o Gabinete de Relações Públicas e Protocolo. Distribuição dos ef ectivos por serviço Serviços Gerais Gabinete Técnico de Assessoria e Estudos Gabinete de Informaç ão e Comunicação Departamento Fi nanceiro Gabinete do Pres idente Gabinetes da Vice Presidência Gabinete de Informáti ca Divisão de Doc umentação Departamento de Expedi ente e Pessoal Secretaria Geral Gabinete de Rel ações Públicas e Protocolo Direcção de Servi ços Balanço Social 2003 Pág. 8

9 Em 2003, a taxa de crescimento do número de efectivos, no Gabinete Técnico de Assessoria e Estudos e no Gabinete de Informação e Comunicação, foi de 33%, representando um aumento, em termos absolutos, de dois funcionários para cada gabinete. Órgãos e Serviços Gabinete do Presidente Gabinetes da Vice Presidência Gabinete Técnico de Assessoria e Estudos Gabinete de Relações Públicas e Protocolo Gabinete de Informação e Comunicação Secretaria Geral Direcção de Serviços Departamento Financeiro Gabinete de Informática Divisão de Documentação Departamento de Expediente e Pessoal Serviços Gerais TOTAL 2003 TOTAL 2002 H 2 2 M 4 4 T 6 6 H 3 3 M 3 3 T 6 6 H 2 2 M 6 4 T 8 6 H - - M 1 1 T 1 1 H 2 1 M 6 5 T 8 6 H 2 2 M 1 1 T 3 3 H 1 1 M - - T 1 1 H 4 4 M 3 3 T 7 7 H 3 3 M 2 2 T 5 5 H 1 1 M 3 3 T 4 4 H 1 1 M 3 3 T 4 4 H M T Taxa de Crescimento 0 0 0,33 0 0, Balanço Social 2003 Pág. 9

10 No respeitante ao contributo de cada órgão e gabinete para o número total de funcionários do sexo feminino, destaca se aqueles que obtiveram uma taxa superior a 7%: Serviços Gerais 25%, 10 mulheres; Gabinete de Informação e Comunicação 14%, 6 mulheres; Gabinete Técnico de Assessoria e Estudos 14%, 6 mulheres; Gabinete do Presidente 10%, 4 mulheres. Estes órgãos contribuem em 62% para o total das mulheres do quadro de pessoal da Assembleia Legislativa Regional da Madeira. Balanço Social 2003 Pág. 10

11 1.3 DISTRIBUIÇÃO POR GRUPOS PROFISSION AIS O maior grupo profissional na Assembleia Legislativa Regional da Madeira é o Auxiliar, com 24 efectivos representando 31 % do total dos efectivos, seguido do Técnico Profissional com 18 funcionários, expressando em conjunto uma quota de 54% dos efectivos totais. Ano 2003 Total de efectivos Nomeação Prestação de Serviços Contrato de trabalho a termo certo Requisição ou Destacamento Pessoal dos Dirigente Técnico Técnico Informático Técnico Administrativo Auxiliar Operário TOTAL Superior Profissional Gabinetes H M T H M T H M T H M T H M T Efectivos por grupos profissionais Técnico Superior 9% Dirigente 4% Informático 5% Técnico 3% Técnico Profissional 23% Administrativo 14% Pessoal dos Gabinetes 8% Operário 4% Auxiliar 31% Balanço Social 2003 Pág. 11

12 Com 11 funcionários (14%) surge o grupo de pessoal Administrativo seguindose os Técnicos Superiores com 7 efectivos (9%), o Pessoal dos Gabinetes com 6 efectivos (8%). Representando 5%, 4% e 3% do pessoal surgem, respectivamente, os grupos dos Informáticos (4), dos Dirigentes (3) e dos Operários (3), e com a menor percentagem o grupo do pessoal Técnico com 2 funcionários. Através de uma análise cronológica 2002/2003, distingue-se um aumento de recursos humanos no grupo técnico profissional e administrativo, ambos com mais dois elementos, e ainda uma diminuição de um efectivo no grupo de pessoal Auxiliar. Pessoal Ano 2002 dos Dirigente Técnico Informático Técnico Técnico Administrativo Auxiliar Operário TOTAL Superior Profissional Gabinetes H Total de M efectivos T Com uma taxa de feminização (relação entre o pessoal do sexo feminino e os efectivos globais) de 54%, a Assembleia Legislativa Regional da Madeira conta com 42 mulheres e 36 homens no seu quadro de pessoal, registando um aumento de um ponto percentual relativamente à taxa de N.º de efectivos Homens 36 Mulheres 42 Total 78 O grupo de pessoal técnico profissional apresenta o maior número de mulheres ao serviço 12, representando 29% das mulheres pertencentes ao quadro do Parlamento madeirense, aparecendo em segundo lugar o pessoal auxiliar com 9 mulheres (21%). Os grupos de pessoal com menor presença feminina é o pessoal Dirigente e o pessoal Operário, somente com uma mulher. Balanço Social 2003 Pág. 12

13 Efectivos femininos / masculinos Mulheres 54% Homens 46% 0 Homens Mulheres Ainda na análise por grupos profissionais, incube-se à apreciação da taxa de tecnicidade, que resulta da relação entre os quadros técnicos (técnicos superiores, informáticos, técnicos e técnico profissionais) e os efectivos globais. No último dia do ano de 2003 a referida taxa atingiu os 40%, mais dois pontos percentuais relativamente à mesma taxa mas em Esta taxa expressa uma apreciável componente técnica dos recursos humanos afectos ao Parlamento. A taxa de tecnicidade em termos restritos (somente técnicos superiores) apresenta uma percentagem menor comparativamente à alargada, rondando os 9%. A taxa de enquadramento relação entre o grupo de pessoal dirigente e os efectivos globais situa-se nos 4%, resultando na proporção de 1 dirigente para 19 funcionários. Balanço Social 2003 Pág. 13

14 1.4 DISTRIBUIÇÃO POR NÍVEIS DE ESCOLARIDADE Em análise à estrutura habilitacional do quadro de pessoal da Assembleia Legislativa Regional da Madeira, desprendem-se dois grandes grupos, os efectivos com 4 anos de escolaridade e os efectivos com 12 anos de escolaridade, ambos com 21 elementos, representando um tributo de 27%, cada um. Cerca de metade dos efectivos (53%) possui 9 anos ou menos de escolaridade. O segundo maior grupo é o dos efectivos com o 9º ano de escolaridade, que contempla 19% dos funcionários. Seguidamente surgem os licenciados, representando 12% do universo dos efectivos. Na quarta e quinta posição, respectivamente, figuram os detentores do 11º ano de escolaridade (9%) e de seis anos da escolaridade (5%). Em última posição, com um funcionário, temos um curso médio ou bacharelato representando cerca de 1%. Estrutura habilitacional 4 anos de escolaridade 6 anos de escolaridade 9 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade 12 anos de escolaridade Pessoal dos Dirigente Técnico Superior Gabinetes Técnico Informático Técnico Administrativo Auxiliar Operário TOTAL Profissional H M T H M T H M T H M T H M T Bacharelato H ou Curso M Médio T H Licenciatura M T Balanço Social 2003 Pág. 14

15 Habilitações Literárias 12 anos de escolaridade 28% Bacharelato ou Curso Médio 1% Licenciatura 12% 4 anos de escolaridade 27% 11 anos de escolaridade 8% 9 anos de escolaridade 19% 6 anos de escolaridade 5% Uma breve análise em termos relativos, revela-nos uma taxa de analfabetismo de 0%, e uma taxa de formação superior (relação entre os efectivos com formação de nível de bacharelato e licenciatura e os efectivos globais) de 12%, sendo que, 56% dos licenciados, pertencem ao sexo feminino. Licenciatura Bacharelato ou Curso Médio 12 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade 9 anos de escolaridade 6 anos de escolaridade 4 anos de escolaridade Homens Mulheres Balanço Social 2003 Pág. 15

16 Cerca de 8% das mulheres que exercem funções na Assembleia Legislativa Regional da Madeira possuem formação superior e 5% dos homens também têm essa formação. Apuramos, ainda, que 60% das mulheres pertencentes ao quadro de pessoal deste Parlamento possuem habilitações literárias superiores à escolaridade mínima obrigatória, enquanto que somente 36% dos homens estão nas mesmas condições. O maior grupo habilitacional feminino é o dos 12 anos de escolaridade e o masculino é o dos 4 anos de escolaridade. Habilitações Literárias Mulheres 32% 12% 2% 14% 19% 21% 25% Habilitações Literárias Homens 11% 17% 11% 36% 4 anos de escolaridade 6 anos de escolaridade 9 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade 12 anos de escolaridade Bacharelato ou Curso Médio Licenciatura Do ano 2002 para o ano 2003 as variações ocorridas na distribuição por níveis de escolaridade deram-se nos seguintes grupos: - 9 anos de escolaridade, mais um efectivo do sexo masculino; - 12 anos de escolaridade, mais dois efectivos do sexo feminino; - licenciatura, mais um efectivo do sexo feminino. Balanço Social 2003 Pág. 16

17 1.5 DISTRIBUIÇÃO POR ESCALÃO ETÁRIO Estudando a distribuição por escalão etário dos efectivos da Assembleia Legislativa Regional da Madeira a 31 de Dezembro de 2003, verificamos que 63% dos funcionários tinham menos de 45 anos de idade (49 efectivos). Faixas Etárias Pessoal dos Gabinetes Dirigente Técnico Superior Informático Técnico Técnico Administrativo Auxiliar Operário TOTAL Profissional e mais H M T H M T H M T H M T H M T H M T H M T H M T H M T H M T H M T Balanço Social 2003 Pág. 17

18 A classe etária com maior concentração de efectivos no último dia do ano de 2003 é a que contém as idades dos 35 aos 39 anos de idade, representando 24% dos recursos humanos, seguido pela faixa etária dos 40 aos 44 anos com 23% dos funcionários. Cerca de 68% dos funcionários tinham idades compreendidas entre os 35 e os 49 anos (53 efectivos). Com menos de 30 anos de idade encontram-se somente 4 efectivos (5% dos efectivos) e com 60 ou mais anos contam-se 3 efectivos (4%). O grupo mais representativo do sexo masculino é a faixa etária que vai dos 40 aos 44 anos, enquanto que para as mulheres é a dos 35 aos 39 anos. Distribuição etária por sexo 70 e mais anos Mulheres Homens O nível médio de idades dos efectivos do Parlamento a 31 de Dezembro de 2003 é de 42,5 anos. A média de idades dos homens é de 44,08 anos, sendo a respectiva média feminina de cerca de 41,14 anos de idade, portanto inferior à masculina. Estrutura etária Homens Mulheres TOTAL % anos , , , , , , , , ,03 70 e mais ,01 TOTAL Balanço Social 2003 Pág. 18

19 1.6 DISTRIBUIÇÃO POR AGRUPAMENTOS DE ANTIGUIDADE Antiguidade Total de Efectivos Até 5 anos 5 a 9 10 a a a a a 35 Analisando a distribuição dos efectivos da Assembleia Legislativa Regional da Madeira por agrupamentos de antiguidade, considerando para o efeito a antiguidade ao serviço do estado no último dia do ano de 2003, verificamos que 77% dos efectivos possuem mais de dez anos e que 67% detêm mais de 15 anos de serviço. Pessoal dos Dirigente Técnico Técnico Informático Técnico Administrativo Auxiliar Operário TOTAL Superior Profissional Gabinetes H M T H M T H M T H M T H M T H M T H M T H M T H 21,3 12,5 28,5 16,5-5,5 20,7 15, ,4 M 18, , ,5 14,6 18,4 10, ,7 T 20, ,4 16,75 24,5 11, ,4 15,3 15 O agrupamento de antiguidade com maior população é o que contém os efectivos com antiguidade entre os 15 e os 19 anos, contendo 33 efectivos com um peso de 42%. Balanço Social 2003 Pág. 19

20 O nível médio de antiguidade dos funcionários parlamentares resultante da relação entre a soma das antiguidades e o total de efectivos do quadro foi em 2003 de 15,04 anos. Estrutura antiguidade Homens Mulheres TOTAL % Até 5 anos , , , , , , ,04 36 e mais TOTAL As médias de antiguidade mais altas pertenciam ao grupo de pessoal Técnico, 24,5 anos, ao pessoal dos Gabinetes (20,3 anos) e ao pessoal Administrativo (19 anos). A mais baixa média de antiguidade registou-se no grupo de pessoal Técnico Profissional, sendo a mesma igual a 11,6 anos. Estrutura de antiguidade 5-9 6% % % Até 5 anos 18% % % % Balanço Social 2003 Pág. 20

21 Mulheres Homens Numa breve análise das médias de antiguidade por sexo, o grupo de pessoal com maior média masculina é o de Técnicos Superiores (28,5 anos), e com média mais baixa é o do pessoal Técnico Profissional (5,5 anos). Para as mulheres o grupo com maior valor médio é o do pessoal Técnico (24,5 anos), e o com menor média o dos Técnicos Superiores (10,2 anos). Balanço Social 2003 Pág. 21

22 2. OUTROS INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL 2.1 TAXA DE SINDICALIZAÇÃO A taxa de sindicalização nos serviços da Assembleia Legislativa Regional da Madeira a 31 de Dezembro de 2003, era de 15%, mantendo-se em termos absolutos, os valores de 2002, ou seja, 12 efectivos eram sindicalizados, dos quais 42% eram homens (5 efectivos) e os restantes 58% eram mulheres (7 efectivos). Sindicato Homens Mulheres Total Sindicato da Função Pública S.I.N.T.A.P Total O Sindicato da Função Pública detinha a maior parcela de sindicalizados, com uma quota de 67%. Mulheres 58% Homens 42% S.I.N.T.A.P. 33% Sindicato da Função Pública 67% Balanço Social 2003 Pág. 22

23 2.2 TAXA DE EFECTIVOS COM DEFICIÊN CIA Ao serviço na Assembleia Legislativa Regional da Madeira, encontrava-se a 31 de Dezembro de 2003, um cidadão portador de deficiência, do sexo masculino, constituindo cerca de 1% do total de efectivos do quadro de pessoal. O funcionário possui uma nomeação definitiva e pertence ao quadro deste parlamento à 17 anos, onde pertence ao grupo de pessoal Auxiliar. Homens Mulheres TOTAL Trabalhadores Deficientes 1-1 Balanço Social 2003 Pág. 23

24 3. DESPESAS COM PESSOAL As despesas com o pessoal em 2003 ascenderam a dois milhões, quinhentos e cinquenta e sete mil quatrocentos e quarenta e sete euros e dezassete cêntimos, sendo a maior fatia a que corresponde às despesas com remunerações certas e permanentes pertence ao pessoal dos quadros 69%, 18% na rubrica contribuições para a Segurança Social, 7% para outros das remunerações certas e permanentes (despesas de representação, subsídio de refeição e suplemento de risco) e cerca de 2% para pessoal aguardando aposentação e para a rubrica trabalho em dia de descanso semanal, complementar e feriados. Sem significado percentual seguem-se as restantes rubricas de despesas com o pessoal. DESPESAS COM O PESSOAL EM 2003 Valor em euros Remunerações Certas e Permanentes Pessoal dos quadros ,08 Pessoal contratado a prazo 6.591,36 Pessoal aguardando aposentação ,70 Pessoal em qualquer outra situação 977,54 Outros ,86 Outras Despesas com o Pessoal Trabalho em dia de descanso semanal, complementar e feriados ,76 Ajudas de Custo 8.424,85 Roupas e calçado ,74 Outros Abonos ,57 Segurança Social Prestações Complementares ,54 Contribuições para a Segurança Social ,17 Balanço Social 2003 Pág. 24

25 Remunerações Certas e Permanentes Pessoal em qualquer outra situação Pessoal aguardando aposentação Pessoal contratado a prazo Outros Pessoal dos quadros No grupo Outras Despesas com o Pessoal 48% da despesa foi sujeita à rubrica Trabalho em dias de descanso semanal, complementar e feriados, 22% para Outros abonos, que contempla entre outros o subsídio de insularidade e o abono para falhas. Com 20% aparecem as despesas com roupas e calçado e com a menor percentagem surge o montante despendido com as ajudas de custo (10%). Outras Despesas com o Pessoal 20% 22% 10% 48% Trabalho Extraordinário Ajudas de Custo Roupas e calçado Outros Abonos Balanço Social 2003 Pág. 25

26 4. FORMAÇÃO PROFISSIONAL No ano de 2003, foram proporcionadas 678 horas de formação profissional repartidas por 29 efectivos da Assembleia Legislativa Regional da Madeira, ministradas em 30 acções de formação, sendo uma interna e vinte e nove externas. Acções de formação Acções de formação realizadas em 2003 Menos de 30 horas De 30 a 59 horas De 60 a 119 horas 120 horas ou mais Internas Total Externas TOTAL A maioria das acções efectuadas 77% - possuem uma duração inferior a 30 horas, à semelhança dos anos anteriores. Número de Formandos Técnico 3% Informático 3% Técnico Profissional 52% Técnico Superior 13% Dirigente 13% Pessoal dos Gabinetes 0% Auxiliar 0% Operário 0% Administrativo 16% Analisando a distribuição dos formandos por grupo profissional, verifica-se que a maioria pertence ao grupo Técnico Profissional, com 53% dos formandos, seguido do pessoal Administrativo (17%) e do pessoal Técnico Superior e Dirigente, ambos com 13%. Balanço Social 2003 Pág. 26

27 Numa análise mais delineada, considerando a média de horas despendidas em acções de formação por efectivo e por grupo profissional, aferiu-se que o pessoal Informático surge em primeiro plano com 35 horas de formação por efectivo no ano de 2003, sucedendo-se o grupo de Técnicos Superiores com 33,3 horas, os Administrativos com 30,8 horas, os Dirigentes com 25 horas e o pessoal Técnico com 21 horas. Com uma média de 19,13 horas de formação por funcionário surge o grupo de pessoal Técnico Profissional. O grupo de Pessoal dos Gabinetes, o pessoal Auxiliar e o pessoal Operário não tiveram acções de Formação no decorrer do ano Distribuição por grupos de prof issionais Grupo de Pessoal 2002 Pessoal dos Gabinetes Dirigente Técnico Superior Informático Técnico Técnico Profissional Administrativo Auxiliar Operário Total N.º de Efectivos N.º de Formandos Horas de Formação Média de Horas por Efectivo H ,0 M ,0 T ,0 H ,0 M ,0 T ,3 H ,0 M ,8 T ,4 H ,0 M ,5 T ,3 H M ,0 T ,0 H ,2 M ,5 T ,7 H ,0 M ,1 T ,3 H ,8 M ,0 T ,3 H ,0 M T ,0 H ,7 M ,8 T ,9 Balanço Social 2003 Pág. 27

28 Grupo de Pessoal 2003 N.º de Efectivos N.º de Formandos Horas de Formação Média de Horas por Efectivo Pessoal dos Gabinetes Dirigente Técnico Superior Informático Técnico Técnico Profissional Administrativo Auxiliar Operário Total H M T H ,5 M ,0 T ,0 H ,0 M ,0 T ,3 H ,0 M T ,0 H M ,0 T ,0 H ,0 M ,8 T ,1 H M ,8 T ,8 H M T H M T H ,4 M ,5 T ,4 Relativamente a 2002, houve um decréscimo acentuado no total de horas de formação proporcionadas ao pessoal do quadro do Parlamento Madeirense, em cerca de 3238 horas, sendo o total de horas de 2003 corresponde a 17% das horas ministradas em Deu-se, consequentemente uma diminuição acentuada no valor médio de horas de formação por efectivo de 2002 para 2003, de 69,9 para 23,4 horas, respectivamente. Balanço Social 2003 Pág. 28

29 Cerca de 63% das participações em acções de formação pertencem ao sexo feminino, num total de 20 participações, quer internas quer externas. As acções internas contaram com a participação de 3 formandos e as externas com 29. Participantes em acções internas Participantes em acções externas Participação em acções de formação Pessoal dos Dirigente Técnico Informático Técnico Técnico Administrativo Auxiliar Operário TOTAL Superior Profissional Gabinetes H M T H M T H M Total de participantes em acções de formação T N.º de horas despendidas e m acções de formação Horas despendidas em acções internas Horas despendidas em acções externas Total de horas em acções de formação Pessoal dos Dirigente Técnico Informático Técnico Técnico Administrativo Auxiliar Operário TOTAL Superior Profissional Gabinetes H M T H M T H M T Balanço Social 2003 Pág. 29

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 Índice Nota de apresentação... 3 Organograma da DREM... 4 1. Pessoal ao serviço por tipo de carreira e tipo de contratação, segundo o sexo... 5 2. Estrutura etária segundo

Leia mais

BALANÇO SOCIAL RELATIVO AO ANO DE 2001

BALANÇO SOCIAL RELATIVO AO ANO DE 2001 S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DO ORÇAMENTO GABINETE DO DIRECTOR-GERAL BALANÇO SOCIAL RELATIVO AO ANO DE 2001 INTRODUÇÃO O Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro, consagrou, como medida de

Leia mais

Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional

Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional Angra do Heroísmo Março de 2015 2 Índice Introdução... 4 Sumário Executivo... 5 1. Trabalhadores

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 1. Organograma do IDE, IP-RAM 5 2. Distribuição global dos recursos humanos.. 6 3. Estrutura etária dos recursos humanos. 10 4. Estrutura de antiguidades.

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Balanço Social 2012

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Balanço Social 2012 FICHA TÉCNICA TÍTULO Balanço Social 2012 EDIÇÃO INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B, Edifício 4 Aeroporto da Portela 4 1749-034 Lisboa Telef.: +351 218 423 500 / Fax: +351 218 423 551

Leia mais

Direção de Serviços de Planeamento e Gestão de Recursos. Balanço Social 2013 2

Direção de Serviços de Planeamento e Gestão de Recursos. Balanço Social 2013 2 Balanço Social 213 2 Balanço Social 213 3 1 Índice 1. Introdução... 4 2. Caracterização dos Recursos Humanos... 6 Mapa de Pessoal... 6 Evolução de efetivos... 7 Distribuição por Género... 8 Modalidades

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

Relatório Balanço Social

Relatório Balanço Social Relatório Balanço Social 12 de Abril, 2012 Índice Introdução... 2 Identificação do Organismo... 3 Indicadores de gestão... 4 Perfil tipo do trabalhador... 5 1. Caracterização do efetivo global... 6 1.1

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 1 - RECURSOS HUMANOS

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 1 - RECURSOS HUMANOS ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 1 - RECURSOS HUMANOS Quadro 1: Contagem dos trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo a modalidade de vinculação e género Quadro 2: Contagem dos trabalhadores por grupo/cargo/carreira,

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Pela Ordem e Pela Pátria Balanço Social 2010 POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA 1 P á g i n a POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA BALANÇO SOCIAL 2010 Elaborado por: Departamento

Leia mais

Polícia de Segurança Pública. Balanço Social 2011

Polícia de Segurança Pública. Balanço Social 2011 Polícia de Segurança Pública Balanço Social 2011 DRH 2012 Polícia de Segurança Pública 2012 Balanço Social 2011 Elaborado por DGCRH DRH DNPSP 1 Índice 1. NATUREZA, MISSÃO E COMPETÊNCIAS DA PSP... 7 1.1.

Leia mais

Balanço Social 2014 30 de Março de 2015

Balanço Social 2014 30 de Março de 2015 Balanço Social 2014 30 de Março de 2015 Índice I Introdução... 5 1. Organogramas... 6 1.1 Organograma geral... 6 1.2 Serviços desconcentrados... 7 II - Caracterização de recursos humanos... 8 1. Efetivos

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS. 4 Gestão de Recursos Humanos

RELATÓRIO E CONTAS. 4 Gestão de Recursos Humanos 4 Gestão de Recursos Humanos 4 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS A Gestão de Recursos Humanos, na Administração Pública, é fortemente determinada por um quadro legal específico que regula a organização dos serviços

Leia mais

$ %&' TÍTULO Balanço Social 2011

$ %&' TÍTULO Balanço Social 2011 ! $ %&' TÍTULO Balanço Social 2011 EDIÇÃO Divisão de Planeamento, Qualificação e Avaliação dos Recursos Humanos Rua Dr. Manuel de Arriaga nº 7 2674-501 Loures Telefone: 21 115 12 51 E-mail: dpqa@cm-loures.pt

Leia mais

INDEZ 2010. Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES

INDEZ 2010. Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES INDEZ 2010 Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Setembro 2011 V1.2 DSSRES INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE Direcção

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Direção-Geral de Proteção Social aos Trabalhadores em Funções Públicas BALANÇO SOCIAL DE 2014 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 6 ESTRUTURA ORGÂNICA 7 INDICADORES DEMOGRÁFICOS 8 MAPA DE

Leia mais

Balanço Social. Ministério da Saúde. INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P.

Balanço Social. Ministério da Saúde. INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. Balanço Social 2014 Ministério da Saúde INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. 2 Índice Abreviaturas, acrónimos e siglas...6 Nota Introdutória...7 Enquadramento estratégico

Leia mais

Balanço Social 2013. Índice

Balanço Social 2013. Índice Índice ENQUADRAMENTO LEGAL, MISSÃO E ATRIBUIÇÕES DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 2 ORGANOGRAMA DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 7 RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO E GRUPOS PROFISSIONAIS... 10 HABILITAÇÕES ACADÉMICAS...

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2015/janeiro/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2015

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP Título: Agência para a Modernização Administrativa, I.P.: Balanço Social 2013 Autoria: Equipa de Recursos Humanos Aprovação: Conselho

Leia mais

Ministério das Finanças e da Administração Pública

Ministério das Finanças e da Administração Pública BALANÇO SOCIAL 2006 Ministério das Finanças e da Administração Pública BALANÇO SOCIAL 2006 ÍNDICE CAPÍTULO I - NOTA INTRODUTÓRIA 8 CAPÍTULO II EFECTIVOS 9 Quadro de Pessoal 9 Efectivos 11 Estrutura etária

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 8/98, de 18 de Março 1, (Declaração de Rectificação n.º 11/98, de 8 de Junho) com as alterações

Leia mais

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março O presente diploma, procedendo à revisão das carreiras de informática, procura perspectivar a função informática à luz da actual realidade informática, quer do ponto

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Abril 2013 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do MEE- Gabinete de Estratégia

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2007

Avaliação do Desempenho 2007 Outubro de 2008 Relatório Geral Avaliação do Desempenho 2007 Universidade de Coimbra Conselho de Coordenação da Avaliação da Universidade de Coimbra No ano de 2007, a avaliação do desempenho pelo Sistema

Leia mais

Tribunal de Contas. Direcção-Geral

Tribunal de Contas. Direcção-Geral Direcção-Geral 1 Tribunal de Contas Direcção-Geral Informação nº. 08/05 DGP-DP Processo: Data: 10/05/2005 Assunto: Balanço Social 2004 Parecer: Despacho: Direcção-Geral Informação nº. 08/04 DGP-DP Embora

Leia mais

Caracterização dos Recursos Humanos da. administração pública portuguesa

Caracterização dos Recursos Humanos da. administração pública portuguesa Caracterização dos Recursos Humanos da administração pública portuguesa 2005 Editor Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público Ministério das Finanças e da Administração Pública Título Caracterização

Leia mais

SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO

SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO 1 SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO (SCR) O SCR, aprovado por Decreto

Leia mais

RELATÓRIO ÚNICO I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE EMPREGADORA

RELATÓRIO ÚNICO I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE EMPREGADORA INFORAÇÃO SOBRE EPREGO E CONDIÇÕES DE TRABALO INISTÉRIO DO TRABALO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL RELATÓRIO ÚNICO Ano de referência I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE EPREGADORA 1. Número de Identificação Fiscal

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Notas Sobre o Direito do Trabalho Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Notas sobre o Direito do Trabalho As empresas já instaladas bem como

Leia mais

BDAP - Sessão de Formação

BDAP - Sessão de Formação Base de Dados de Recursos Humanos da Administração Pública BDAP - Sessão de Formação 1 Agenda (1h:30min) Introdução (DGAP) O que é a BDAP? Planeamento Apresentação dos Cenários de Carregamento da Informação

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março O Decreto-Lei n.º 177/2000, de 9 de Agosto, veio atribuir autonomia administrativa aos tribunais superiores da ordem dos tribunais judiciais e da ordem dos tribunais

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2013 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/2002 de 29 de Janeiro

Decreto-Lei n.º 15/2002 de 29 de Janeiro Decreto-Lei n.º 15/2002 de 29 de Janeiro Sendo indispensável criar as condições legais adequadas para que a Guarda Nacional Republicana possa responder com eficácia às responsabilidades decorrentes das

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 532/VIII REFORÇA OS DIREITOS LABORAIS DOS FUNCIONÁRIOS CIVIS DO SISTEMA DE AUTORIDADE MARÍTIMA. Exposição

PROJECTO DE LEI N.º 532/VIII REFORÇA OS DIREITOS LABORAIS DOS FUNCIONÁRIOS CIVIS DO SISTEMA DE AUTORIDADE MARÍTIMA. Exposição PROJECTO DE LEI N.º 532/VIII REFORÇA OS DIREITOS LABORAIS DOS FUNCIONÁRIOS CIVIS DO SISTEMA DE AUTORIDADE MARÍTIMA Exposição A dispersão legislativa a que tem estado sujeito o Sistema de Autoridade Marítima

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

Conselho de Segurança Privada. Relatório Anual de Segurança Privada 2012

Conselho de Segurança Privada. Relatório Anual de Segurança Privada 2012 Conselho de Segurança Privada Relatório Anual de Segurança Privada 2012 agosto de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SETOR DA SEGURANÇA PRIVADA EM PORTUGAL 4 2.1 Introdução e sumário

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIRECÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FERNANDO PESSOA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIRECÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FERNANDO PESSOA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIRECÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FERNANDO PESSOA Procedimento concursal comum de recrutamento para quatro postos de trabalho para

Leia mais

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO A prestação de serviços ao exterior por docentes com contrato em funções públicas, em regime de dedicação exclusiva,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000244/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031215/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.002359/2011-59 DATA DO

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos

Gestão de Recursos Humanos Gestão de Pessoal Definição A Gestão de Pessoal implica não apenas o tratamento oficial do esquema de remunerações, mas também a manutenção do Cadastro dos Empregados, Higiene e Segurança no Trabalho,

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

NOTA DE APRESENTAÇÃO

NOTA DE APRESENTAÇÃO NOTA DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às liquidações das declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares iniciado e divulgado

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

Transportes Públicos Interurbanos Rodoviários de Passageiros. Actividade Empresarial

Transportes Públicos Interurbanos Rodoviários de Passageiros. Actividade Empresarial Transportes Públicos Interurbanos Rodoviários de Passageiros Actividade Empresarial 2006 ÍNDICE GERAL 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 4 2. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 6 3. CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE... 9 3.1.

Leia mais

D.R. DO TRABALHO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Convenção Colectiva de Trabalho n.º 32/2008 de 26 de Maio de 2008

D.R. DO TRABALHO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Convenção Colectiva de Trabalho n.º 32/2008 de 26 de Maio de 2008 D.R. DO TRABALHO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Convenção Colectiva de Trabalho n.º 32/2008 de 26 de Maio de 2008 CCT entre a URMA União Regional das Misericórdias dos Açores e Outra e o SINTAP/Açores Sindicato

Leia mais

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Rendimento e Condições de Vida 2013 16 de outubro de 2014 Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Por ocasião da comemoração do Dia Internacional da Erradicação da Pobreza (17 de outubro), o INE apresenta

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MOGADOURO 28-10-2013 MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL

Leia mais

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS ADENDA AO APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Páginas 19 O artigo 1.º foi revogado pela Lei n.º 60/2005, de 29 de Dezembro: São revogados o artigo 1.º do Estatuto da Aposentação, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Artigo 1.º Âmbito pessoal Título I Âmbito pessoal, vigência, denúncia e revisão 1. O presente

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Âmbito

RECURSOS HUMANOS. Âmbito Página1 RECURSOS HUMANOS Âmbito Gestão de O MultiRH é um sistema desenvolvido especificamente para a área dos capaz de fornecer todas as respostas necessárias às exigências das organizações e a sua implementação

Leia mais

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n.

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n. 1- O que é o PEPAL? O Programa de Estágios Profissionais na Administração Local (PEPAL) representa uma oportunidade de valorização profissional e de emprego de recursos humanos, através de estágios remunerados,

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE I. OBJECTIVO O presente documento tem como objectivo divulgar as instruções de utilização das unidades de marcação (UM), adaptar as regras de assiduidade

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO Concurso externo de Ingresso para preenchimento de um posto de trabalho na categoria de Técnico de Informática do Grau 1, Nível 1, da carreira

Leia mais

NOTA: Este Balanço Social foi elaborado de acordo com o determinado pelo Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro.

NOTA: Este Balanço Social foi elaborado de acordo com o determinado pelo Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro. BALANÇO SOCIAL 2010 NOTA: Este Balanço Social foi elaborado de acordo com o determinado pelo Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro. icha técnica: Título: Balanço Social 2010 Editor: Direcção Regional

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

IAPMEI. (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação)

IAPMEI. (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação) IAPMEI (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação) 1 - Enquadramento: As funções do Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação foram redefinidas por intermédio do

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO 1.º DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO 1.º DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO 1.º DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO 1. A Associação de Promoção da Região Autónoma da Madeira, adiante abreviadamente designada por Associação

Leia mais

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Código do trabalho: Lei 99/2003, de 27 de Agosto Grávida, puérpera e lactante art. 34 Licença de maternidade 35º/68º Em situação de risco clínico na gravidez 35º/68º Licença

Leia mais

Balanço Social Global do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2013

Balanço Social Global do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2013 Balanço Social Global do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2013 Página 1 de 167 DEPARTAMENTO DE GESTÃO E PLANEAMENTO DE RECURSOS HUMANOS (DRH) Balanço Social Global do Ministério

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

AS DESIGUALDADES DE REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTAM COM O AUMENTO DO NIVEL DE ESCOLARIDADE E DE QUALIFICAÇÃO DAS MULHERES

AS DESIGUALDADES DE REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTAM COM O AUMENTO DO NIVEL DE ESCOLARIDADE E DE QUALIFICAÇÃO DAS MULHERES Desigualdades graves entre Homens e Mulheres com escolaridade e qualificação elevadas Pág. 1 AS DESIGUALDADES DE REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTAM COM O AUMENTO DO NIVEL DE ESCOLARIDADE E DE

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 Realização: Ana Paula Fontinha Ana Cristina Santos Disponibilização de Dados Estatísticos: Bruno Ramos Coordenação:

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS POFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO: MAGISTÉRIO E FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS.

PROPOSTA DE PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS POFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO: MAGISTÉRIO E FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS. PROPOSTA DE PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS POFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO: MAGISTÉRIO E FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS. Seção 1 Disposições Preliminares Art. 1º- Fica criado o Plano Unificado de

Leia mais

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de 6. Associativismo No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de movimento associativo e em termos de serviços/acções disponibilizados

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO 1. Nos termos do nº 2 do artigo 21º da Lei nº 2/2004, de 15 de Janeiro, com a redacção dada pela Lei nº 51/2005, de 30 de Agosto, e pela

Leia mais

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes A análise dos grupos profissionais da população activa portuguesa e estrangeira residente na Área Metropolitana do Porto, de acordo com o concelho é a seguinte: Figura 25. Repartição da população activa

Leia mais

APOIO PRINCIPAL: Orçamento do Estado 2013

APOIO PRINCIPAL: Orçamento do Estado 2013 APOIO PRINCIPAL: Orçamento do Estado 2013 AGENDA Redução Remuneratória Duodécimos Subsídio de Natal Faltas por Doença Subsídio de Férias IRS CES Horário de Trabalho Esclarecimentos Horário de Trabalho

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho sem termo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação de cláusulas

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 A presente Nota tem por objectivo auxiliar as entidades beneficiárias, conforme âmbito e condições estabelecidas no Aviso de Abertura nº 20/2010, na elaboração das candidaturas

Leia mais