1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:"

Transcrição

1

2

3 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego Estrutura Etária do Efectivo Antiguidade Trabalhadores Estrangeiros Trabalhadores Deficientes Estrutura dos Níveis de Habilitação Mobilidade Efectivos Admitidos e Regressados Efectivos Saídos Mudança de Situação dos Efectivos Absentismo Tempo de Trabalho Ausência ao Trabalho Estágios Profissionais na Administração Pública Encargos com Pessoal Higiene e Segurança Acidentes em Serviço Casos de incapacidade Declarados Situação de Doença Profissional Formação Profissional Relações Profissionais Disciplina Breves Considerações Finais Mapas Postos Trabalho Relatório Formação Profissional Mapas Balanço Social 47 2

4 1. Introdução A reforma do regime do emprego público que vem sendo realizada há alguns anos a esta parte alterou significativamente o regime aplicável aos trabalhadores titulares de um contrato de trabalho em funções públicas. Desde logo, com a saída de diplomas estruturais como: Lei dos Vínculos das Carreiras e Remunerações (Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro); Estatuto Disciplinar dos trabalhadores que exercem funções públicas (Lei nº 58/2008, de 9 de Setembro); Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas (Lei nº 59/2008, de 11 de Setembro). Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: Estatuto do pessoal dirigente dos serviços e Organismos da Administração Central, Local e Regional do Estado (Lei nº 2/2004, de 15 de Janeiro); O regime do contrato de trabalho na Administração Pública (Lei nº 23/2004, de 22 de Junho art. 16º, 17º e 18º); Enquadramento procedimental relativo à extinção, fusão e reestruturação de serviços na Administração Pública e à racionalização de efectivos (Decreto-Lei nº 200/2006, de 25 de Outubro); A Lei da Mobilidade (Lei nº 53/2006, de 7 de Dezembro); Regime Jurídico do Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração (Lei nº 66-B/2007, de 28 de Dezembro); 3

5 Tabela Remuneratória Única dos Trabalhadores que exercem funções públicas correspondentes às posições remuneratórias das categorias das carreiras gerais de técnico superior, de assistente técnico e de assistente operacional (Decreto-Regulamentar nº 14/2008, de 31 de Julho). Tramitação do procedimento concursal para preenchimento de postos de trabalho (Portaria nº 83-A/2009, de 22 de Janeiro). É hoje, mais do nunca, de extrema importância a planificação da actividade e dos recursos. Tendo em consideração a missão, as atribuições, a estratégia, os objectivos superiormente fixados, as competências das unidades orgânica e os recursos financeiros disponíveis, os órgão e serviços planeiam, aquando da preparação da proposta de orçamento as actividades, de natureza permanente ou temporária, a desenvolver durante a sua execução, as eventuais alterações a introduzir nas unidades orgânicas flexíveis, bem como o respectivo mapa de pessoal (nº 1 art. 4º do LVCR). Assim, o Balanço Social, instrumento privilegiado de planeamento e gestão dos Recursos Humanos dos serviços e organismos, revelando pontos fortes e fracos da gestão social dos RH no seio do organismo, permitindo, eventualmente, o design de uma política social que melhore as condições de trabalho dos trabalhadores. Deve ser elaborado anualmente no primeiro trimestre de cada ano civil, com referência a 31 de Dezembro do ano imediatamente anterior. O Decreto-Lei n.º 190/96, de 9 de Outubro, consagrou como medida de modernização da Administração Pública, a obrigatoriedade de elaboração do Balanço Social para a generalidade dos serviços públicos. 4

6 O presente documento pretende sintetizar toda a evolução verificada durante o ano de 2010, fornecendo um conjunto de indicadores estáticos e dinâmicos, que permitem extrair considerações e perspectivar tendências nas áreas de recursos humanos e recursos financeiros a eles afectos. São sem dúvida os RH considerados, indiscutivelmente, como o recurso mais valioso em qualquer organização, pois é deles que depende a capacidade de inovação e adaptação às novas tecnologias e do sucesso no cumprimento de forma eficaz e eficiente dos seus objectivos. 5

7 RECURSOS HUMANOS 6

8 2 - ORGANOGRAMA 7

9 8

10 3. Caracterização Global do Efectivo No final de 2010, a Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo, contava com um total de 277 efectivos. Através do quadro seguinte podemos verificar a variação do efectivo desde o ano de 2009, constatando uma razoável redução em Esta redução devese sobretudo às aposentações concretizadas. Ano Efectivo Variação (-5,8) (-9,3) De salientar também que as saídas de efectivos, não têm tido a correspondente compensação com entradas, o que se traduz na redução e envelhecimento dos respectivos quadros de pessoal, como é o caso da DRAPLVT. 9

11 4. Emprego Efectivos por Grupo de Pessoal 3% 10% 0,7% 0,4% 6% 32% 48% Dirigente Superior Dirigente Intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Informática Assistente Operacional Pessoal da Inspecção Distribuição do Efectivo por Grupo de Pessoal Pela análise do gráfico anterior verifica-se que os grupos de pessoal com maior predominância são o grupo de pessoal Técnico Superior (48%), o Assistente Técnico (32%) e o Assistente Operacional (10%). Tendo em conta a necessidade de aplicação, a nível regional, das políticas agro-alimentares, de desenvolvimento rural e segurança alimentar, sendo de destacar o papel das actividades de Fiscalização e Certificação, torna-se evidente a importância dos grupos de maior destaque (técnico superior). 10

12 GRUPOS DE PESSOAL ANO Dirigente Técnico Superior Assistente Técnico Informática Assistente Operacional Pessoal Inspecção O quadro anterior demonstra a comparação entre 2009 e 2010, dos diversos grupos de pessoal, registando-se uma diminuição de efectivos em todos os grupos de pessoal, excepto no pessoal dirigente, destacando-se esta diminuição nos grupos Técnico Superior e Assistente Técnico, reflexo das aposentações que têm vindo a ocorrer. Taxa de Enquadramento do Pessoal Dirigente (soma dos dirigentes / total de efectivos x 100%) Ano Taxa de Enquadramento ,94% ,86% Relativamente a este indicador, verifica-se que, comparativamente ao ano anterior, o valor da taxa aumenta ligeiramente. 11

13 Taxa de Enquadramento Feminina (soma dos dirigentes do sexo feminino / total de efectivos x 100%) Ano Taxa de Enquadramento Feminina ,97% ,25% A taxa de enquadramento feminina, comparativamente com o ano de 2009 cresceu ligeiramente. Taxa de Feminilização (soma dos efectivos do sexo feminino / total de efectivos x 100%) Ano Taxa de Feminilização ,12% ,60% No que concerne à distribuição por género, observa-se uma predominância do sexo feminino com um total de 154 efectivos, relativamente a 123 efectivos masculinos. Taxa de Tecnicidade (soma dos Téc. Superiores + Informáticos + Inspecção + Assistente Técnico / total de efectivos x 100%) Ano Taxa de Tecnicidade ,16% ,03% Ao contrário do ano 2009, em 2010 houve um decréscimo, devido às aposentações ocorridas. 12

14 5. Estrutura Etária do Efectivo Estrutura Etária do Pessoal da DRAPLVT (%) 35,00 33,21 30,00 25,00 20,00 16,97 22,38 15,00 10,11 9,03 10,00 5,00 0,00 0,00 2,17 5,78 0,36 0, Em 2010 média etária predominante dos efectivos da DRAPLVT, situa-se nos anos de idade. Nível Médio Idade Anos Global Homens Mulheres , O nível médio de idade global dos efectivos da DRAPLVT é de 51,5 anos, conforme comprova o quadro anterior. 13

15 6. Antiguidade Níveis de Antiguidade (%) 27, , ,3 13,36 11,19 14, ,08 1,81 0,36 0 Até 5 anos ou mais Na estrutura de antiguidade o maior número de trabalhadores situa-se entre os 30 e os 34 anos (27,44%), seguindo-se o grupo de 35 a 39 anos (22,02%) e o de 25 a 29 5 anos (14,44%). Nível Médio Antiguidade Anos Global Homens Mulheres ,

16 O nível médio de antiguidade foi, em 2010, de 26,5 anos, tendo-se registado um nível de 26 anos para os homens e de 27 anos para as mulheres. Taxa de Antiguidade (efectivos com mais de 5 anos / efectivo total x 100%) Anos Taxa de antiguidade (%) ,90 A taxa de antiguidade dos efectivos situa-se em 98.90% 7. Trabalhadores Estrangeiros Não existem trabalhadores estrangeiros na DRAPLVT no ano de Trabalhadores Deficientes O número total de trabalhadores com deficiência é 2. Ano Taxa Deficiência (%) , ,72 A taxa de deficiência aumentou em relação ao ano de 2009, devido ao aumento de trabalhadores com deficiência em

17 9. Estrutura dos Níveis de Habilitação Estrutura Habilitacional (%) 40,07 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 0,36 5,00 0,00 Menos 4 anos escolaridade 6,50 2,89 8,66 1,08 24,91 14,44 1,08 0,00 4 anos 6 anos 9 anos 11 anos 12 anos Bacharelato Licenciatura Mestrado Doutoramento Na estrutura habilitacional da DRAPLVT a licenciatura (40,7%) e o 12º Ano (24,91%) constituem os níveis habilitacionais de maior preponderância. A taxa de formação superior é bastante significativa, correspondendo a 55,96%. 16

18 10. Mobilidade 10.1 Efectivos Admitidos e Regressados Trabalhadores Admitidos e Regressados Procedimento Concursal Comissão Serviço Mobilidade Interna Regresso ao Serviço Origem No que diz respeito aos efectivos admitidos e regressados durante o ano, segundo a relação jurídica, verifica-se uma taxa de admissões e regressos de 6,14%, relativamente ao efectivo total, sendo que 3,97% correspondem ao efectivo masculino e 2,17% ao efectivo feminino. Regressos ao Serviço Dirigente Técnico Assistente Assistente Pessoal Informática Superior Técnico Operacional Inspecção Total H 0 M 1 1 Origem T 1 H Mobilidade M Interna Comissão de Serviço Procedimento Concursal T 5 7 H 5 5 M 0 T 5 5 H 2 2 M 2 2 T

19 10.2 Efectivos Saídos Durante o Ano Saída de Trabalhadores ( %) 0,36 0,36 0,72 0,36 2,53 Cessação Comissão Serviço Reforma Aposentação Mobilidade Interna Comissão Serviço Falecimento Cedência Interesse Público 11,19 A taxa de efectivos saídos durante o ano corresponde ao valor de 15.52%, sendo que 7.94% correspondem ao efectivo masculino e 7,58% ao efectivo feminino. Os valores atrás descritos, demonstram que o principal motivo de saída foi a Reforma/Aposentação com uma taxa de 11,19%. 18

20 Análise comparativa entre as Taxas de Admissões e Regressos e as Taxas de Saídas (%), segundo o Grupo de Pessoal: 25 22, ,3 14,7 10,7 10 9,5 9,7 5, ,2 2,5 2,6 0 Dirigente Téc. Sup. Inf ormática Assist ente Técnico Técncico Operacional Pessoal de Inspecção Regressos/Entradas Saídas Pela análise do gráfico anterior, podemos constatar que a percentagem de saídas se sobrepõe claramente às percentagens de admissões e regressos em qualquer um dos grupos de pessoal, à excepção no grupo de pessoal dirigente. 19

21 11. Mudança de Situação dos Efectivos Mudanças de Situação Alteração Posicionamento Procedimento Concursal Consolidação Mobilidade No ano de 2010 ocorreram 10 alterações de posicionamento remuneratório por opção gestionária ao nível do grupo dirigente, técnico superior e informático. Sendo que 1 situação foi por procedimento concursal e 1 situação por consolidação da mobilidade na categoria. Dirigente Técnico Superior Assistente Técnico Informática Assistente Operacional Pessoal Inspecção Total Alteração Posicionamento Procedimento Concursal Consolidação Mobilidade H M T H 1 1 M T 1 1 H 1 1 M T

22 12. Absentismo 12.1 Tempo de Trabalho Relativamente ao tempo de trabalho na DRAPLVT, encontramos a seguinte distribuição de efectivos de acordo com as diversas modalidades de horário: Efectivo (%) por Modalidades de Horário Ano Rígido Isenção J. Contínua ,07 5,94 0, ,42 6,86 0,72 As modalidades de horário de trabalho que mais se praticam são a de horário rígido, a qual se aplica à generalidade dos trabalhadores (92,42%), exceptuando-se o caso dos dirigentes (6,86%), que beneficiam de isenção de horário. Cerca de 0.72% dos trabalhadores beneficiam de jornada contínua, para acompanhamento de filhos menores, com deficiência. 21

23 12.2 Ausências ao Trabalho Absentismo (%) por Grupo Profissional 9 8 8, , , ,59 0,46 0,05 A taxa de absentismo foi em 2010 de 40.41%, sendo de 16.99% no efectivo masculino e 23.42% no efectivo feminino. De referir que as maiores percentagens da taxa de absentismo se verificam nos grupos profissionais com maior número de trabalhadores, o que demonstra uma distribuição proporcional da mesma. A principal justificação para as ausências do tempo de trabalho foi a doença (11.52%), seguida das ausências trabalhador estudante (0.47%), não tendo as restantes grande relevância, como por exemplo a assistência a familiares (0.35%) ou na protecção na parentalidade (0.11%). 22

24 Horas não Trabalhadas No ano de 2010 contabilizaram-se 483 horas não trabalhadas por motivo de greve, correspondendo 43.75% ao efectivo masculino e 56,25% ao efectivo feminino. Estes valores encontram-se distribuídos pelos grupos técnico superior (57,81%), assistente técnico (21.88%), assistente operacional (18,75%) e informático (1,56%). Neste ano existiram 3 dias de greve. 23

25 13. Estágios Profissionais na Administração Pública Na sequência do Decreto-Lei nº 18/2010, de 19 de Março e da Legislação complementar Portaria nº 172-A e B/2010, de 22 de Março que institui o Programa Anual de Estágios Profissionais na Administração Pública (PEPAC), procedeu esta Direcção Regional de Agricultura e Pescas à Celebração de Contratos com 11 Estagiários, nas seguintes áreas: Início do Área de Educação Nº Estagiários Local Estágio Montijo Design 2 Caldas da Rainha Economia 1 Caldas da Rainha Marketing e Publicidade 1 Vila Franca de Xira Santarém Contabilidade 3 Santarém Caldas da Rainha Secretariado 1 Santarém Santarém Indústrias Alimentares 2 Vila Xira Franca de Tecnologia e Protecção do Ambiente 1 Santarém TOTAL Para além desta situação, foi celebrado protocolo entre o IFAP e o Instituto Politécnico de Santarém (IPS) que permitiu à DRAPLVT ter 7 licenciados que efectuaram formação prática em contexto de trabalho na área do investimento nomeadamente no âmbito do PRODER e PROMAR. Estes 7 licenciados possuíam formação nas seguintes áreas: engenharia agronómica, de produção animal, ordenamento e desenvolvimento rural e florestal. Esta formação em contexto de trabalho constituiu uma mais-valia para a DRAPLVT em 2010, na medida em que contribuiu para alcançar resultados que de outra forma não seriam possíveis. 24

26 REMUNERAÇÕES E ENCARGOS 25

27 14. Encargos com Pessoal Durante o ano de 2010 registou-se um total de encargos com pessoal na ordem dos ,28, dos quais 87.88% correspondem à remuneração base dos trabalhadores Total de encargos com pessoal durante o ano Encargos com pessoal Valor (Euros) Remuneração base ,00 Suplementos remuneratórios ,72 Prémios de desempenho ,80 Prestações sociais ,92 Benefícios sociais ,84 Outros encargos com pessoal 503,245,23 Total ,28 De salientar que, relativamente ao leque salarial ilíquido, em 2010, o vencimento base mínimo do organismo era de e o vencimento base máximo 3.734,06. Remuneração ( ) Masculino Feminino Mínima ( ) 487,46 501,19 Máxima ( ) 3.734, ,67 26

28 Protecção Social Na DRAPLVT podemos considerar como elementos de protecção social a prestação de abono familiar, com uma representatividade de 11,47%, a prestação de subsídio de refeição, com 80,51%, não tendo expressão outras prestações sociais. Encargos com prestações/benefícios Sociais durante o ano Encargos com pessoal Valor (Euros) Abono de Família ,01 Subsidio no âmbito da protecção da parentalidade 8.276,20 Subsídio por morte ,02 Acidente de trabalho e doença profissional 271,69 Subsídio de refeição ,14 Subsídio de estudo 5.365,70 Total ,76 27

29 HIGIENE E SEGURANÇA 28

30 15. Higiene e Segurança 15.1 Acidentes em Serviço Foram registados, em 2010, um total de 3 acidentes em serviço, dos quais 1 ocorreu no local de trabalho, 1 acidente in intinere, ou seja, no percurso até ou a partir do local de trabalho e um 1 acidente em viatura do estado que se encontrava em serviço externo. Os acidentes ocorridos originaram uma perda de 27 dias perdidos de trabalho por parte dos acidentados Casos de Incapacidade Declarados Quanto aos casos de incapacidade, foram declarados 2 casos de incapacidade temporária parcial derivados dos acidentes de serviço ocorridos Situações de Doença Profissional No ano de 2010 não se verificou qualquer tipo de doença profissional na DRAPLVT. 29

31 FORMAÇÃO PROFISSIONAL 30

32 16. Formação Profissional Taxa de Formação Global (soma dos participantes em acções de formação / total de efectivos x 100%) Acções Internas Acções Externas Dirigente Superior Dirigente Intermédio Téc. Sup. Informática Assistente Técnico Técncico Operacional Pessoal de Inspecção Outro Pessoal 2 11 No ano de 2010 a taxa de formação profissional foi de (34,30%) aumentando ligeiramente em relação ao ano de 2009 (33,00%). Existiram 53 acções de formação e 95 trabalhadores tiveram formação profissional. Das 53 acções de formação que os 95 trabalhadores que frequentaram, 46 acções de formação foram externas e as restantes 7 acções de formação internas. Das acções de formação externas resultou uma despesa na ordem dos A restante formação foi suportada pelo Programa Operacional do Potencial Humano (POPH) 31

33 É imprescindível uma actualização e aprofundamento de novos saberes e conhecimentos dos RH, que se julga ser, pela sua natureza, a base do sucesso ou insucesso da Organização. Assim, a formação é por excelência a principal unidade na estrutura dos RH, tendo a preocupação de fomentar nos trabalhadores o desenvolvimento das suas potencialidades no exercício das suas funções. A formação profissional é um factor imprescindível de adaptabilidade, num contexto de grandes e constantes mudanças, que colocam o Homem perante novos desafios. A formação é, sem dúvida, uma área que nos envolve a todos; é, e será, cada vez mais, um instrumento de exigência numa sociedade mais competitiva. Por estes motivos foi considerado objectivo QUAR 2010 Melhorar a competência dos recursos humanos da DRAPLVT, tendo como meta 25%. O indicador é o nº de trabalhadores c/acções de formação sobre o nº total de trabalhadores. O objectivo foi superado dado que a taxa se fixou nos 34%. 32

34 RELAÇÕES PROFISSIONAIS 33

35 17. Relações Profissionais As relações profissionais referem-se à dimensão de trabalhadores sindicalizados, que no ano de 2010, correspondem a uma taxa de 26,35% do efectivo total da DRAPLVT, tendo havido um aumento significativo em relação ao ano de 2009 no qual de verificou uma taxa de 17,49%. Pela análise do quadro seguinte podemos constatar que o número de trabalhadores sindicalizados aumentou. Ano N.º Trabalhadores Sindicalizados Disciplina No ano de 2010 não ocorreram na DRAPLVT processos disciplinares. 34

36 19. Considerações Finais Analisando os dados relativos a 2010, quando comparados com os de 2009, verifica-se que não houve alterações significativas, apenas um decréscimo dos efectivos, tendo em conta as aposentações ocorridas no ano em análise. De salientar a elevada média etária do pessoal da DRAPLVT, significando um envelhecimento dos Recursos Humanos dado que as entradas não colmatam as saídas significando com esta situação que não se verifica a transmissão de saberes. Esta tendência para o emagrecimento dos RH dos Organismos Públicos, obriga a uma optimização dos RH disponíveis, que só é possível através da aquisição e actualização de novas competências. Deste facto decorre a valorização crescente da formação profissional, reflectida na Resolução do Conselho de Ministros nº 89/2010, de 4 Novembro. Este é hoje o grande desafio, tornar mais eficazes, eficientes e com mais qualidade os RH disponíveis no Organismo, para que seja possível prestar um serviço de excelência. Núcleo de Recursos Humanos Direcção de Serviços de Apoio e Gestão de Recursos 35

37 20 MAPAS POSTOS DE TRABALHO 36

38 37

39 LISTAGEM DE TRABALHADORES POR LOCAL DE TRABALHO LOCAL DE TRABALHO SEXO MASCULINO FEMININO TOTAL ABRANTES CALDAS DA RAINHA MONTIJO SANTARÉM SETÚBAL TOMAR TORRES VEDRAS VILA FRANCA DE XIRA TOTAL

40 39

41 40

42 41

43 21 RELATÓRIO FORMAÇÃO PROFISSIONAL 42

44 43

45 44

46 45

47 46

48 22 MAPAS BALANÇO SOCIAL 47

49 48

50 49

51 50

52 51

53 52

54 53

55 54

56 55

57 56

58 57

59 58

60 59

61 60

62 61

63 62

64 63

65 64

66 65

67 66

68 67

69 68

70 69

71 70

72 71

73 72

74 73

75 74

Relatório Balanço Social

Relatório Balanço Social Relatório Balanço Social 12 de Abril, 2012 Índice Introdução... 2 Identificação do Organismo... 3 Indicadores de gestão... 4 Perfil tipo do trabalhador... 5 1. Caracterização do efetivo global... 6 1.1

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP Título: Agência para a Modernização Administrativa, I.P.: Balanço Social 2013 Autoria: Equipa de Recursos Humanos Aprovação: Conselho

Leia mais

NOTA: Este Balanço Social foi elaborado de acordo com o determinado pelo Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro.

NOTA: Este Balanço Social foi elaborado de acordo com o determinado pelo Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro. BALANÇO SOCIAL 2010 NOTA: Este Balanço Social foi elaborado de acordo com o determinado pelo Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro. icha técnica: Título: Balanço Social 2010 Editor: Direcção Regional

Leia mais

Balanço Social 2013. Índice

Balanço Social 2013. Índice Índice ENQUADRAMENTO LEGAL, MISSÃO E ATRIBUIÇÕES DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 2 ORGANOGRAMA DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 7 RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO E GRUPOS PROFISSIONAIS... 10 HABILITAÇÕES ACADÉMICAS...

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 Índice Nota de apresentação... 3 Organograma da DREM... 4 1. Pessoal ao serviço por tipo de carreira e tipo de contratação, segundo o sexo... 5 2. Estrutura etária segundo

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 1. Organograma do IDE, IP-RAM 5 2. Distribuição global dos recursos humanos.. 6 3. Estrutura etária dos recursos humanos. 10 4. Estrutura de antiguidades.

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS INFORMAÇÃO Carreiras Médicas e Contratação Colectiva Na sequência da entrada em vigor da nova legislação laboral da Administração Pública (Lei n.º 12 A/2008 e Lei n.º 59/2008),

Leia mais

Relatório de Análise do Questionário de Satisfação aos Utentes da DRAPLVT 2014

Relatório de Análise do Questionário de Satisfação aos Utentes da DRAPLVT 2014 Relatório de Análise do Questionário de Satisfação aos Utentes da DRAPLVT 2014 Duração do Inquérito: 24 de novembro a 12 de dezembro Dando cumprimento ao Objetivo Operacional nº 8 do QUAR, Assegurar a

Leia mais

Publique-se no Diário da Republica, O Presidente da Câmara AVISO N.º 11/2011

Publique-se no Diário da Republica, O Presidente da Câmara AVISO N.º 11/2011 Publique-se no Diário da Republica, O Presidente da Câmara AVISO N.º 11/2011 PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONTRATACÃO EM REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNCÕES PÚBLICAS POR TEMPO DETERMINAVEL/TERMO

Leia mais

Referência E) - 1 Posto de Trabalho para a carreira e categoria de Técnico Superior (Planeamento Regional e Urbano); Referência F) - 1 Posto de

Referência E) - 1 Posto de Trabalho para a carreira e categoria de Técnico Superior (Planeamento Regional e Urbano); Referência F) - 1 Posto de A V I S O Procedimento concursal comum para constituição de relação jurídica de emprego público por tempo determinado contrato de trabalho em funções públicas por tempo determinado para ocupação de seis

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

Tribunal de Contas. Direcção-Geral

Tribunal de Contas. Direcção-Geral Direcção-Geral 1 Tribunal de Contas Direcção-Geral Informação nº. 08/05 DGP-DP Processo: Data: 10/05/2005 Assunto: Balanço Social 2004 Parecer: Despacho: Direcção-Geral Informação nº. 08/04 DGP-DP Embora

Leia mais

3 - Local de trabalho Jardim de Infância de Salsas, Concelho de Bragança - Departamento de Educação Social e Cultural, do Município de Bragança.

3 - Local de trabalho Jardim de Infância de Salsas, Concelho de Bragança - Departamento de Educação Social e Cultural, do Município de Bragança. Publique-se no Diário da Republica, O Presidente da Câmara AVISO N.º 9/2011 PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONTRATACÃO EM REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNCÕES PÚBLICAS POR TEMPO DETERMINADO/ TERMO

Leia mais

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 8/98, de 18 de Março 1, (Declaração de Rectificação n.º 11/98, de 8 de Junho) com as alterações

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE 2902 Diário da República, 1.ª série N.º 100 24 de Maio de 2011 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE Portaria n.º 207/2011 de 24 de Maio O Decreto -Lei n.º 177/2009, de 4 de Agosto,

Leia mais

2.3.12 Relatório de Gestão

2.3.12 Relatório de Gestão 2.3.12 Relatório de Gestão 2.3.12.1 Introdução O Exercício Económico de 2006 caracteriza-se por um ano de contenção. Apesar disso efectuouse um investimento no valor de 602 319,28. Apesar de continuar

Leia mais

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Ensino Superior Regulamento n.º 319/2013 Regulamento do Programa de Apoio Social a Estudantes através de atividades de tempo Parcial (PASEP) da Universidade

Leia mais

BALANÇO SOCIAL RELATIVO AO ANO DE 2001

BALANÇO SOCIAL RELATIVO AO ANO DE 2001 S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DO ORÇAMENTO GABINETE DO DIRECTOR-GERAL BALANÇO SOCIAL RELATIVO AO ANO DE 2001 INTRODUÇÃO O Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro, consagrou, como medida de

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTALEGRE

MUNICÍPIO DE MONTALEGRE Procedimento concursal comum para a ocupação de diversos postos de trabalho em regime de contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado No uso da competência conferida pelo artigo 68º

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST)

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST) PERFIL DO ALUNO UNIVERSITÁRIO DO MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico () 1. Introdução Esta comunicação faz uma caracterização do

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE GESTÃO DE RECURSOS 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE MARIA JOSÉ QUINTÃO 1 Índice... 3 1. Enquadramento... 3 2. Alinhamento Estratégico

Leia mais

LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro

LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012 Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro Principais normas aplicáveis aos Municípios Este é um documento de trabalho que pretende agregar as principais normas aplicáveis

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 41/90 de 29 de Novembro

Decreto Regulamentar n.º 41/90 de 29 de Novembro Decreto Regulamentar n.º 41/90 de 29 de Novembro O Decreto-Lei n.º 497/88, de 30 de Dezembro, estabelece o regime de férias, faltas e licenças dos funcionários e agentes da Administração Pública, disciplinando,

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Regula a concessão de apoios a projectos que dêm lugar à criação de novas entidades que originam a criação liquida de postos de trabalho Na apresentação do respectivo

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

Balanço Social Global do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2013

Balanço Social Global do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2013 Balanço Social Global do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2013 Página 1 de 167 DEPARTAMENTO DE GESTÃO E PLANEAMENTO DE RECURSOS HUMANOS (DRH) Balanço Social Global do Ministério

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Reitoria Gabinete do Reitor. Apreciação do anteprojecto de decreto-lei Graus académicos e diplomas do Ensino Superior

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Reitoria Gabinete do Reitor. Apreciação do anteprojecto de decreto-lei Graus académicos e diplomas do Ensino Superior Apreciação do anteprojecto de decreto-lei Graus académicos e diplomas do Ensino Superior 1. O anteprojecto de decreto-lei apresentado pelo governo regulamenta a recente alteração da Lei de Bases (Lei 49/2005,

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA Regulamento de Estágio para Ingresso nas Carreiras do Grupo de Pessoal Técnico Superior, Técnico e de Informática do Quadro de Pessoal da Câmara Municipal de Moura PREÂMBULO Publicado

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE AFONSO SILVA Índice... 3 Resumo... 3 Alinhamento estratégico dos objectivos...

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS Critérios específicos de apoio para época desportiva 2011/2012 Introdução O Regulamento n.º 635/2010 Regulamento Municipal de Apoio às Entidades

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

Novo regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais explorados em concorrência. Decreto-Lei nº 150/2001, de 7 de Maio

Novo regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais explorados em concorrência. Decreto-Lei nº 150/2001, de 7 de Maio Novo regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais explorados em concorrência Decreto-Lei nº 150/2001, de 7 de Maio 1. Licenças Está sujeita a licença a prestação dos seguintes

Leia mais

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC.

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC. O presente resumo não dispensa a consulta dos respectivos diplomas legais, referentes a cada um dos programas. A sua leitura e análise é essencial para o devido enquadramento de cada caso específico. RFAI

Leia mais

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. Março 2011

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. Março 2011 Perfil da presença feminina no tecido empresarial português Março 2011 Sumário executivo Em Portugal : Apenas 30,1% das funções de gestão são desempenhadas por mulheres Apenas 55,3% das empresas têm participação

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

MEDIDAS DE CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL ADICIONAIS (PENSÕES, AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE TRANSPORTE) Introdução

MEDIDAS DE CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL ADICIONAIS (PENSÕES, AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE TRANSPORTE) Introdução MEDIDAS DE CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL ADICIONAIS (PENSÕES, AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE TRANSPORTE) Introdução No âmbito da estratégia de consolidação orçamental adoptada pelo Governo, foi também publicado,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato A preencher pela entidade empregadora CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato OE201109/0090 CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Carreira

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD)

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Artigo 1.º...2 Artigo 2.º...3 Artigo 3.º...3 Artigo 4.º...3 Artigo 5.º...3 Artigo 6.º...4 Artigo 7.º...4

Leia mais

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO RELATÓRIO DE GESTÃO I Introdução 1.1 Nota Prévia Conforme se encontra preceituado no POCAL, apresenta-se o relatório de Gestão relativo ao ano de 2009 para que, dentro dos prazos previstos na Lei nº 98/97,

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas 8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Nota Introdutória No âmbito dos anexos às demonstrações financeiras e em conformidade com o ponto 8.2 do Decreto-lei nº 54-A/99 de 22 de Fevereiro,

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior RELATÓRIO A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior Dezembro 2007 Fevereiro, 2008 Ficha Técnica Título A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior Autor Gabinete de

Leia mais

ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DA TDP TELEDIFUSORA DE PORTUGAL, S.A. CELEBRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE

ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DA TDP TELEDIFUSORA DE PORTUGAL, S.A. CELEBRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DA TDP TELEDIFUSORA DE PORTUGAL, S.A. CELEBRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 1992 Entre: PT COMUNICAÇÕES, S.A., sociedade anónima, com sede na Rua Andrade

Leia mais

Município de Estarreja Aviso

Município de Estarreja Aviso Município de Estarreja Aviso Procedimento concursal comum para constituição de relação jurídica de emprego em contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado, para preenchimento de dez

Leia mais

Detalhe de Oferta de Emprego

Detalhe de Oferta de Emprego Detalhe de Oferta de Emprego Caracterização da Oferta Requisitos de Admissão Código da Oferta: OE201511/0119 Tipo Oferta: Procedimento Concursal Comum Estado: Activa Nível Orgânico: Ministério da Educação

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Direção de Serviços de Planeamento e Gestão de Recursos. Balanço Social 2013 2

Direção de Serviços de Planeamento e Gestão de Recursos. Balanço Social 2013 2 Balanço Social 213 2 Balanço Social 213 3 1 Índice 1. Introdução... 4 2. Caracterização dos Recursos Humanos... 6 Mapa de Pessoal... 6 Evolução de efetivos... 7 Distribuição por Género... 8 Modalidades

Leia mais

Proposta de Lei Exposição de motivos

Proposta de Lei Exposição de motivos Proposta de Lei Exposição de motivos A modernização da Administração Pública constitui um dos pilares essenciais da estratégia de crescimento do País, destacando-se as várias medidas que o Governo tem

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS. 4 Gestão de Recursos Humanos

RELATÓRIO E CONTAS. 4 Gestão de Recursos Humanos 4 Gestão de Recursos Humanos 4 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS A Gestão de Recursos Humanos, na Administração Pública, é fortemente determinada por um quadro legal específico que regula a organização dos serviços

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

São revogados o Decreto-Lei nº 47511 e o Decreto nº 47512, ambos de 25 de Janeiro de 1967.

São revogados o Decreto-Lei nº 47511 e o Decreto nº 47512, ambos de 25 de Janeiro de 1967. respectivamente, mais de cinco ou de três anos de funções técnicas na área da segurança e higiene no trabalho podem adquirir a equiparação ao nível de qualificação por meio de avaliação curricular, podendo

Leia mais

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007.

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007. COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM CABO VERDE ANO 27. SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES: Enquadramento A ANAC enquanto autoridade reguladora do sector

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Balanço Social 2012

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Balanço Social 2012 FICHA TÉCNICA TÍTULO Balanço Social 2012 EDIÇÃO INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B, Edifício 4 Aeroporto da Portela 4 1749-034 Lisboa Telef.: +351 218 423 500 / Fax: +351 218 423 551

Leia mais

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA 1 de Abril de 2004 População e Sociedade Educação e Formação 2003 (Dados provisórios) APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA No último ano, mais de um milhão e meio de indivíduos com 15 ou mais anos, ou seja, 18,7,

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

Na sequência dos compromissos

Na sequência dos compromissos Regime especial de exigibilidade do IVA dos serviços de transporte rodoviário nacional de mercadorias P o r R u i R i b e i r o G r i l o Foi publicada no «Diário da República», em 1 de último, a Lei 15/2009,

Leia mais

SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública

SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública Agrupamento de Escolas de Serpa Avaliação de Pessoal Não Docente SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública Legislação aplicável Lei n.º 66-B/2007 de 28 de

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS... ÍNDICE INTRODUÇÃO............ 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS......... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...... 7 1.3 DISTRIBUIÇÃO POR GRUPOS PROFISSIONAIS...

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO Concurso interno de acesso geral para a categoria de especialista de informática de grau 2, nível 1 da carreira de especialista de informática,

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

PARECER N.º 190/CITE/2011

PARECER N.º 190/CITE/2011 PARECER N.º 190/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 I Série Sumário SECRETARIAREGIONAL DO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 61/2010 Aprova o Regulamento de Aplicação

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO Capitulo I - Generalidades Artigo 1º Definição O Regulamento de Apoio ao Associativismo Desportivo, define os Programas, Tipos de apoio e critérios,

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 27-01-2015 Nº 12 O salário mínimo: a decência não é um custo A tendência dos últimos anos é de diminuição do peso dos ordenados e salários no Produto Interno Bruto (PIB). Por isso,

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA CAPÍTULO I Objecto e conceitos Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece as normas aplicáveis

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A seleção dos textos legislativos disponibilizados no sitio

Leia mais

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002 466 Decreto Legislativo Regional n.º 13/2002/A de 12 de Abril Organização e funcionamento do sistema de reconhecimento e validação de competências e da educação e formação de adultos A Lei de Bases do

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais