Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio"

Transcrição

1 Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito importante no conjunto da economia, sendo o meio privilegiado de gestão dos recursos naturais propriedade do Estado e dos sectores económicos de reserva do Estado; As empresas públicas, de capitais públicos e as participadas pelo Estado, desempenham neste contexto histórico um papel estratégico estruturante da economia angolana, cujos reflexos nos níveis de crescimento e de desenvolvimento do País são consideráveis; Convindo criar as condições institucionais e legais para o exercício de uma eficaz superintendência e tutela do sector empresarial público da economia; Tendo em conta a necessidade de conferir à gestão pública e o acompanhamento deste sector da economia um carácter autónomo assente em métodos e critérios próprios; No interesse de uma melhoria das finanças públicas emgeral; Nestes termos e ao abrigo das disposições combinadas do n.º 3 do artigo 106. e do artigo 113.,ambos da Lei Constitucional, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1. º - É criada a Secretaria de Estado do Sector Empresarial Publico. Artigo 2.º - É aprovado o estatuto da Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público, anexo ao presente decreto-lei e dele sendo parte integrante. Artigo 3. º - 1. Enquanto não estiverem criadas as condições próprias para a instalação física da Secretaria de Estado ora criada, a mesma deve funcionar no Edifício do Ministério das Finanças. 2. O Ministério das Finanças e a Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público devem apresentar à Equipa Económica do Governo, no prazo de 30 dias, uma proposta de ajustamento do orçamento do Ministério das Finanças, face ao referido no número anterior.

2 Artigo Transitam para a Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público o pessoal actualmente afecto ao Departamento das Empresas Públicas da Direcção Nacional do Tesouro do Ministério das Finanças, bem como toda a informação e arquivo desse departamento. 2. Transitam igualmente para a tutela da Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público os seguintes órgãos: a) Instituto das Empresas Públicas; b) Instituto Angolano de Participações do Estado; c) Gabinete de Redimensionamento Empresarial. Artigo 5.º - As dúvidas e omissões suscitadas da aplicação e interpretação do presente decreto-lei são resolvidas em Conselho de Ministros. Artigo 6.º - O presente decreto-lei entra em vigor na data da sua publicação. ESTATUTO ORGÂNICO DA SECRETARIA DE ESTADO DO SECTOR EMPRESARIAL PÚBLICO CAPÍTULO I Definição, Dependência e Atribuições Artigo 1.º (Definições) 1. A Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público é o órgão da administração central do Estado, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial, encarregue de dirigir, acompanhar e fiscalizar a actividade de todas as empresas públicas e daquelas em que o Estado tenha participação. 2. A Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público depende do Chefe do Governo e é dirigida por um Secretário de Estado. Artigo 2.º (Atribuições) 1. A Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público tem as seguintes atribuições: a) Coordenar e controlar todas as estruturas que lhe forem afectas; b) Propor as políticas do sector empresarial público do Estado a adoptar pelo Governo;

3 c) Coordenar e dirigir as estratégias do referido sector com vista à sua execução; d) Criar instrumentos necessários para garantir a gestão efectiva das participações financeiras do Estado; e) Coordenar e acompanhar a política de redimensionamento e privatização do sector empresarial público do Estado; f) Definir as normas e métodos para a prestação de contas pelas empresas públicas e de outras em cujo capital o Estado participe e exija a prestação de contas destas; g) Elaborar as normas e instruções a que deve obedecer a gestão e a organização do inventário do património das empresas públicas e daquelas em cujo capital o Estado participe; h) Ordenar as empresas públicas e aquelas em cujo capital o Estado participe a apresentar os relatórios, balanços contabilísticos, informações e outros documentos necessários à planificação e controlo financeiro, orçamental e patrimonial; i) Colaborar na definição da política de formação profissional, desenvolvimento técnico e científico dos recursos humanos do sector financeiro e empresarial do Estado; j) Realizar inspecções à actividade financeira das empresas públicas e participadas; k) Definir a metodologia de acompanhamento e controlo da gestão financeira, orçamental e patrimonial das empresas públicas e de outras em cujo capital o Estado participe; l) Exercer o controlo financeiro, orçamental e patrimonial das empresas e participações estatais, incluindo as sedeadas no exterior do País; m) Exercer as demais atribuições que lhe sejam acometidas por lei. Artigo 3. (Competências do Secretário de Estado) Ao Secretário de Estado do Sector Empresarial Público compete em especial: a) Representar legalmente a Secretaria de Estado; b) Representar o País nas instituições internacionais de que Angola seja membro, quando, para tal, seja designado; c) Dirigir as reuniões do Conselho Consultivo, do Conselho de Direcção e do Conselho Técnico da Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público;

4 d) Assegurar o cumprimento das atribuições da Secretaria de Estado; e) Definir a estratégia de formação profissional dos quadros e técnicos da Secretaria de Estado, bem como dos serviços tutelados; f) Nomear e exonerar os titulares de cargos de direcção e chefia da Secretaria de Estado e apresentar propostas para nomear os responsáveis das empresas públicas; g) Assegurar a manutenção de relações de colaboração com os restantes órgãos da administração do Estado; h) Realizar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei. CAPÍTULO II Organização em Geral Artigo 4.º (Estrutura) 1. A Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público compreende Serviços de Apoio Consultivo, Serviços Executivos Centrais e de Apoio Técnico, Serviços de Apoio Instrumental, Serviços Executivos Locais e Serviços Tutelados. 2. São Serviços de Apoio Consultivo; a) Conselho Consultivo; b) Conselho de Direcção; c) Conselho Técnico. 3. São Serviços Executivos Centrais e de Apoio Técnico: a) Direcção Nacional de Estudos e Análise de Mercado; b) Direcção Nacional de Controlo, Auditoria e Fiscalização; b) Secretaria-geral. 4. São Serviços de Apoio Instrumental: a) Gabinete do Secretário de Estado; b) Centro de Documentação e Informação.

5 5. São Serviços Executivos Locais: a) Direcções Provinciais. 6.São Serviços Tutelados: a) Instituto de Empresas Públicas; b) Instituto Angolano das Participações do Estado; c) Gabinete de Redimensionamento Empresarial. CAPÍTULO III Organização em Especial SECÇÃO I Serviços de Apoio Consultivo Artigo 5. (Conselho Consultivo) 1. O Conselho Consultivo é o órgão de consultoria da Secretaria de Estado, ao qual compete pronunciar-se sobre os assuntos a ele submetidos pelo Secretário de Estado. 2. O Conselho Consultivo é presidido pelo Secretário de Estado e tem a seguinte composição: a) Directores nacionais; b) Director de gabinete; c) Secretário-geral; d) Presidentes dos Conselhos de Administração e directores gerais das empresas públicas; e) Responsáveis dos serviços tutelados; f) Directores provinciais; g) Entidades convidadas pelo Secretário de Estado.

6 3. O Conselho Consultivo é regido por regimento próprio a aprovar pelo Secretário de Estado. Artigo6.º (Conselho de Direcção) 1. O Conselho de Direcção é o órgão de apoio ao Secretário de Estado em matéria de programação, análise e coordenação das actividades. 2. O Conselho de Direcção tem a seguinte composição: b) Directores nacionais; c) Director de gabinete; d) Secretário-geral; e) Presidentes dos Conselhos de Administração e directores gerais das empresas e dos institutos públicos sob tutela directa da Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público; f) Responsáveis pelos serviços tutelados; g) Técnicos superiores convocados pelo Secretário deestado. 3. O Conselho de Direcção reúne, ordinariamente, uma vez por trimestre e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo Secretário de Estado. 4. O Conselho de Direcção é regido por regimento próprio a aprovar pelo Secretário de Estado. 5. O Secretariado do Conselho de Direcção é assegurado pelo Gabinete do Secretário de Estado. Artigo 7.º (Conselho Técnico) 1. O Conselho Técnico é o órgão que aprecia as questões da competência do Secretário de Estado e apresenta propostas, sugestões ou pareceres. 2. A composição do Conselho Técnico é variável, de acordo com os assuntos a analisar. 3. O Conselho Técnico é convocado e presidido pelo Secretário de Estado. 4. O Conselho Técnico é regido por regimento próprio a aprovar pelo Secretário de Estado.

7 5. O Secretariado do Conselho Técnico é assegurado pelo Gabinete do Secretário de Estado. 6. O Conselho Técnico reúne, ordinariamente, uma vez por mês e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo Secretário de Estado. SECÇÃO II Serviços Executivos Centrais e de Apoio Técnico Artigo 8.º (Direcção Nacional de Estudos e Análise de Mercado) 1. A Direcção Nacional de Estudos e Análise de Mercado é o órgão de apoio técnico ao Secretário de Estado, ao qual incumbe a actividade de assessoria e estudos do mercado interno, nos domínios das atribuições da Secretaria de Estado, a orientação e estratégia, à luz das políticas globais e sectoriais do Governo, bem como formular as políticas de privatização das empresas públicas. 2. Cabe, em especial, à Direcção Nacional de Estudos e Análise de Mercado: a) Preparar, planificar e efectuar estudos de viabilidade das empresas do sector empresarial público e dos potenciais investidores estrangeiros que pretendam investir no País; b) Emitir pareceres e informações preparatórias sobre a tomada de decisões; c) Elaborar estudos de natureza económica, financeira e jurídica sobre as empresas do sector empresarial público; d) Formular propostas de aperfeiçoamento ou alteração da legislação que incida sobre a Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público; e) Preparar seminários para divulgar a legislação publicada que seja de interesse para a Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público; f) Assegurar a orientação estratégica, o acompanhamento e o controlo da gestão das empresas públicas; g) Propor ao Secretário de Estado projectos legislativos respeitantes às empresas públicas; h) Recolher, tratar e facultar ao Secretário de Estado todas as informações sobre as empresas públicas;

8 i) Colaborar, no plano técnico, em ligação com os ministérios de tutela dos respectivos sectores de actividade, com as empresas públicas, promovendo ou apoiando estudos e acções necessários à reestruturação ou desenvolvimento dessas e ao aperfeiçoamento dos seus métodos de gestão; j) Organizar e manter actualizado o inventário das participações financeiras do sector público; k) Propor ao Secretário de Estado a nomeação dos representantes do Estado na administração das empresas públicas e naquelas em que o Estado tenha participação; l) Apresentar ao Secretário de Estado relatórios anuais da apreciação económica, financeira, orçamental, patrimonial e de avaliação da gestão das empresas públicas e daquelas em que o Estado tenha participação; m) Elaborar análises consolidadas dos orçamentos de exploração e de investimentos das empresas públicas e daquelas em que o Estado tenha participação e dos respectivos planos de financiamento; n) Preparar propostas de dotação de capital, de atribuição de indemnizações compensatórias ou de formas de subvenção às empresas públicas e àquelas em que o Estado tenha participação, e submetê-las à apreciação do Secretário de Estado; o) Determinar, sempre que se revelar conveniente, a realização de auditorias contabilísticas, financeiras ou patrimoniais às empresas públicas e àquelas em que o Estado tenha participação; p) Colaborar com as empresas públicas e com aquelas em que o Estado tenha participação e, em coordenação com o Instituto de Formação do Sector Financeiro do Estado, promover programas de formação e aperfeiçoamento profissional, incluindo a organização de cursos, estágios ou seminários, destinados à formação de gestores de empresas públicas e daquelas em que o Estado tenha participação; q) Colaborar com o Gabinete de Redimensionamento Empresarial na definição da oportunidade e das modalidades de alienação e privatização de empresas públicas; r) Propor ao Secretário de Estado sobre as empresas públicas que devem ser privatizadas, apresentando todas as informações sobre as mesmas; s) Propor ao Secretário de Estado a alteração da legislação relativa à privatização das empresas públicas; t) Apreciar planos de aplicação às empresas públicas privatizadas, visando o seu desenvolvimento; u) Desenvolver outras tarefas que lhe sejam atribuídas por lei ou pelo Secretário de Estado.

9 3. A Direcção Nacional de Estudos e Análise de Mercado é dirigida por um director nacional e compreende: a) Departamento Técnico Jurídico; b) Departamento de Estudos e Análise de Mercado; c) Departamento de Empresas Públicas; d) Departamento de Participações do Estado; e) Departamento de Privatizações. Artigo 9.º (Direcção Nacional de Controlo, Auditoria e Fiscalização) 1. A Direcção Nacional de Controlo, Auditoria e Fiscalização é o órgão executivo da Secretaria de Estado do Sector Empresaria! Público, responsável pela formulação das políticas de acompanhamento, controlo e fiscalização da gestão financeira, orçamental e patrimonial das empresas públicas, a coordenação, orientação e de outras, em cujo capital o Estado participe. 2. Cabe, em especial, à Direcção Nacional de Controlo, Auditoria e Fiscalização: a) Propor directrizes para a formulação da política financeira, orçamental e patrimonial do sector empresarial público; b) Assegurar as dotações financeiras para execução dos programas de investimentos públicos, de acordo com os critérios e prioridades definidas; c) Participar, em colaboração com os órgãos competentes, na elaboração do Orçamento Geral do Estado para o sector empresarial público e de outras empresas em cujo capital o Estado participe; d) Exercer o controlo financeiro, orçamental e patrimonial das empresas e participações estatais, incluindo as sedeadas no exterior do País; e) Apoiar as empresas públicas e aquelas em que o Estado tenha participação na preparação de programas e na celebração de contratos de gestão, que visam a sua reestruturação económica, financeira ou patrimonial; f) Desempenhar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei ou determinadas pelo Secretário de Estado.

10 3. A Direcção Nacional de Controlo, Auditoria e Fiscalização é dirigida por um director nacional e compreende: a) Departamento de Auditoria e Controlo Financeiro das Empresas Públicas e Participações Estatais; b) Departamento de Fiscalização das Empresas Públicas e Participações Estatais. Artigo 10.º (Secretaria Geral) 1. A Secretaria Geral é o órgão de apoio técnico ao Secretário de Estado do Sector Empresarial Público que coordena, organiza e põe em prática a política de recursos humanos, a actividade administrativa e a gestão do orçamento e do património da Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. 2. Cabe, em especial, à Secretaria-geral: c) Assegurar a recepção, distribuição, expedição e arquivo da correspondência geral; d) Estabelecer as normas e métodos de organização administrativa; e) Promover, de forma permanente e sistemática, o aperfeiçoamento das actividades administrativas e de melhoria da produtividade dos serviços; f) Propor o orçamento, fazer a sua gestão e elaborar relatórios de prestação de contas de execução; g) Inventariar as necessidades de pessoal e proceder ao respectivo recrutamento; h) Gerir os recursos humanos; i) Elaborar estudos e apresentar propostas sobre as carreiras do pessoal da Secretaria de Estado; j) Manter o registo actualizado do cadastro dos funcionários; k) Propor critérios e indicadores para a elaboração dos planos de formação; l) Coordenar o processo de avaliação do desempenho profissional dos funcionários; m) Elaborar, propor e dinamizar medidas de carácter sócio-cultural, que visem o bemestar dos funcionários; n) Dirigir os serviços de relações públicas e protocolo;

11 o) Desempenhar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei ou determinadas pelo Secretário de Estado. 3. A Secretaria-geral compreende: a) Departamento de Administração e Gestão do Orçamento; b) Departamento de Recursos Humanos; c) Departamento de Expediente e Arquivo Geral; d) Departamento de Protocolo e Relações Públicas. SECÇÃO III Serviços de Apoio Instrumental Artigo 11.º (Gabinete do Secretário de Estado) 1. O Secretário de Estado é assistido pelo respectivo Gabinete que se rege, com as devidas adaptações, pelos Decretos n. 26/97, de 4 de Abril e 68/02, de 29 de Outubro. Cabe ao Gabinete do Secretário de Estado: a) Coordenar os elementos de estudo e informação de que o Secretário de Estado careça, bem como realizar estudos e outras tarefas de que seja incumbido; b) Assegurar a recepção, expedição e arquivo do expediente do Gabinete e o tratamento da correspondência pessoal do Secretário de Estado; c) Preparar o expediente relativo aos assuntos a submeter ao Conselho de Ministros, bem como as demais reuniões em que o Secretário de Estado participe; d) Assistir às reuniões presididas pelo Secretário de Estado; e) Estado e elaborar as respectivas actas; f) Organizar as relações entre o Secretário de Estado e o público, bem como apoiar, em colaboração com a Secretaria-geral, os visitantes convidados pelo Secretário de Estado.

12 Artigo12.º (Centro de Documentação e Informação) 1. O Centro de Documentação e Informação é o órgão de apoio instrumental ao Secretário de Estado ao qual incumbe organizar de forma selectiva, conservar e difundir toda a documentação de natureza técnica de interesse para a Secretaria de Estado, bem como manter contactos com os meios de comunicação social sobre matérias específicas da área de actuação da Secretaria de Estado. 2. Cabe, em especial, ao Centro de Documentação e Informação: a) Adquirir, recolher, catalogar e difundir toda a documentação e publicações, tais como revistas, jornais e boletins informativos de interesse para a Secretaria de Estado; b) Recolher, classificar, arquivar e conservar a documentação técnica produzida pelas diferentes áreas da Secretaria de Estado; c) Compilar e manter actualizado o arquivo de toda a legislação publicada e difundir a que for de interesse para a Secretaria de Estado; d) Seleccionar e dar tratamento adequado às notícias e informações veiculadas através dos meios de comunicação social, relacionadas com a actividade da Secretaria de Estado; e) Proceder ao tratamento da documentação técnica e das publicações de interesse geral adquiridas, bem como assegurar a sua divulgação pelas áreas do ministério, através de boletins ou circulares informativos, periódicos; f) Organizar e assegurar o funcionamento da sala de leitura da Biblioteca da Secretaria de Estado; g) Assegurar os serviços de tradução; h) Relacionar-se com os órgãos de comunicação social, prestando-lhes informações autorizadas sobre as diversas actividades da Secretaria de Estado; i) Acompanhar e assessorar as actividades do Secretário de Estado que devam ter cobertura pelos meios de comunicação social; j) Estabelecer e coordenar os contactos do Secretário de Estado e outros responsáveis, com os meios de comunicação social; k) Realizar as demais tarefas que lhe sejam atribuídas pelo Secretário de Estado.

13 SECÇÃO IV Serviços Locais Artigo13 (Direcções Provinciais) 1. As Direcções Provinciais da Secretaria de Estado são órgãos executivos locais que exercem as atribuições acometidas à Secretaria de Estado. 2. As Direcções Provinciais da Secretaria de Estado são dirigidas por directores provinciais, nomeados por despacho conjunto do Ministro da Administração do Território e do Secretário de Estado do Sector Empresarial Público, ouvido o Governador Provincial. 3. Cabe ao Secretário de Estado, sob proposta do director nacional respectivo, ouvido o director provincial, implantar e definir as atribuições das áreas funcionais locais, consoante as necessidades de cada província. SECÇÃO V Serviços Tutelados Artigo 14.º (Natureza jurídica) 1. Os Serviços Tutelados pela Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público são estruturas com personalidade jurídica própria, dotadas de autonomia administrativa, financeira, patrimonial e de gestão, que exercem funções específicas. 2. São Serviços Tutelados pela Secretaria de Estado: a) Instituto das Empresas Públicas; b) Instituto Angolano das Participações do Estado; c) Gabinete de Redimensionamento Empresarial. 3. Os Serviços Tutelados regem-se por regulamento próprio, a aprovar em Conselho de Ministros ou pelos órgãos que tiverem essa competência, nos termos da legislação em vigor.

14 CAPÍTULO V Disposições Finais e Transitórias Artigo 15.º (Quadro de pessoal) 1. A organização e composição do quadro de pessoal da Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público é a que consta do quadro anexo, de acordo com as normas legais em vigor. 2. O pessoal que, actualmente, presta serviço no Departamento das Empresas Públicas da Direcção Nacional do Tesouro do Ministério das Finanças, no Instituto de Empresas Públicas, no Instituto de Participações do Estado e no Gabinete de Redimensionamento Empresarial transita para a Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público, mantendo os direitos adquiridos, nomeadamente os inerentes ao tempo de serviço prestado ao Estado. Artigo 16.º (Ingresso e acesso) 1. As condições de ingresso, progressão e acesso nas categorias e carreiras são regidas pelas disposições constantes do Decreto n.º 22/91, de 22 de Junho e Decreto n.º 24/91, de 29 de Junho, conjugadas com as do Decreto-Lei n.º 5/02, de 1 de Fevereiro. 2. As figuras de mobilidade ou de permuta de pessoal, tais como comissão de serviço, destacamento e requisição, são regidas pelas disposições constantes do Decreto n.º 25/91, de 29 de Junho, conjugadas com as do Decreto-Lei n.º 5/02, de 1 de Fevereiro. Artigo 17.º (Orçamento) A Secretaria do Estado do Sector Empresarial Público dispõe de orçamento próprio para o seu funcionamento, cuja gestão obedece às regras estabelecidas na legislação em vigor.

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Decreto Lei n.º 4/98 de 30 de Janeiro Considerando que o Decreto no 181 A/80 de 19 de Novembro, já não tem aplicabilidade no actual estágio de desenvolvimento socio económico e

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTERIO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL Missão 1. Ministério da Comunicação Social é o órgão do Governo encarregue de organizar e controlar a execução da

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos Decreto Lei nº 7/97 Aprova o estatuto orgânico do Ministério da Juventude e Desportos e revoga toda a legislação que contrarie o presente decreto lei. Tornando se necessário

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 78 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério do Comercio é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução,

Leia mais

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro Ministério da Saúde Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro As mudanças que ocorrem no âmbito das transformações em curso no País principalmente a reforma geral da administração pública e a adopção da Lei de

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Ministério de Hotelaria e Turismo

Ministério de Hotelaria e Turismo Ministério de Hotelaria e Turismo CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério de Hotelaria e Turismo é o órgão do Governo que dirige, coordena e assegura a execução da política do

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL PROJECTO DE ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL NOTA JUSTIFICATIVA O nível de organização

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Decreto-Lei n.º 4/09 de 18 de Maio A Lei Constitucional da República de Angola no seu artigo 24.º assegura que «todos os cidadãos têm o direito de viver num meio ambiente sadio e

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social DECRETO EXECUTIVO Nº 69 /2007 De 22 de Junho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Lei de Alteração à Lei das Privatizações ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 8/03 de 18 de Abril Considerando que da interpretação e aplicação dos artigos 2.º e 3.º da Lei n.º 19/91, de

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 5.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. Ministério das Obras Públicas

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2.

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2. Quarta-Feira, 27 de Julho de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 13 $ 2.00 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 3780 DIÁRIO DA REPÚBLICA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 298/10 de3dedezembro Convindo adequar o sistema de contratação pública à nova realidade constitucional, bem como uniformizar a

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial.

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial. NOTA EXPLICATIVA 1. Introdução A recente alteração da legislação sobre a organização e funcionamento dos Institutos Públicos, pelo Decreto Legislativo Presidencial n.º 2/13, de 25 de Junho, que revoga

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 24/2012. instituto de apoio ao desenvolvimento empresarial (iade)

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 24/2012. instituto de apoio ao desenvolvimento empresarial (iade) REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 24/2012 instituto de apoio ao desenvolvimento empresarial (iade) O Ministério da Economia e Desenvolvimento tem levado a cabo um conjunto de reformas estruturais

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril Estatuto Orgânico da Direcção de Eficácia da Assistência Externa O Estatuto

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO EXECUTIVO Nº / DE DE O Governo da República de Angola e a Assembleia Nacional aprovaram o quadro jurídico legal, que define um conjunto de iniciativas e acções de alcance

Leia mais

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA Decreto-Lei n.º 64/97 de 26 de Março O Decreto-Lei nº 64/97, de 26 de Março, foi revogado pelo Decreto-Lei nº 96/2003, de 07 de Maio, que

Leia mais

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação 13 DE JUNHO DE 2014 1281 b) Programar a actividade da unidade orgânica; c) Analisar e emitir pareceres sobre projectos, plano e orçamento das actividades e relatórios a submeter a nível superior; d) Proceder

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento da Direcção Nacional da Política Comercial do Ministério do Comércio. Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO A criação de um sistema integrado de gestão da qualidade para as instituições de ensino superior resulta das melhores

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito Artigo 1 (Denominação e natureza jurídica) O Arquivo Histórico de Moçambique,

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza)

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza) ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I Natureza e atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Assistência e Reinserção Social, adiante designado por MINARS

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Estratégia da Comissão Nacional de Tecnologias de Informação Decreto nº. 6/02 de 4 de Abril Considerando que as tecnologias de informação constituem um elemento fundamental

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março O Decreto-Lei n.º 177/2000, de 9 de Agosto, veio atribuir autonomia administrativa aos tribunais superiores da ordem dos tribunais judiciais e da ordem dos tribunais

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 REVALORIZAÇÃO DAS CARREIRAS DO PESSOAL TÉCNICO CONTABILISTA E DE AUXILIAR DE CONTABILIDADE DA DIRECÇÃO REGIONAL DO ORÇAMENTO E TESOURO O Decreto Regulamentar Regional

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau;

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau; REGULAMENTO DO CENTRO DE REFLEXÃO, ESTUDO, E DIFUSÃO DO DIREITO DE MACAU DA FUNDAÇÃO RUI CUNHA CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO E OBJECTIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Reflexão, Estudo, e Difusão do Direito

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Regulamento Interno do Centro de Documentação e Informação CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1º (Natureza) O Centro de Documentação e Informação, abreviadamente designado

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

LEI N.º4 /10 DE 31 DE MARÇO. Assembleia Nacional

LEI N.º4 /10 DE 31 DE MARÇO. Assembleia Nacional LEI N.º4 /10 DE 31 DE MARÇO Assembleia Nacional Considerando a necessidade de regular a organização interna, gestão dos recursos administrativo, financeiro, patrimonial e do quadro de pessoal da Assembleia

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

BR Número 612 I SÉRIE-NÚMERO 52. Decreto n.º 50/2003. De 24 de Dezembro

BR Número 612 I SÉRIE-NÚMERO 52. Decreto n.º 50/2003. De 24 de Dezembro BR Número 612 I SÉRIE-NÚMERO 52 Decreto n.º 50/2003 De 24 de Dezembro Pelo Decreto n 18/99 de 4 de Maio, o Governo aprovou o Código da Propriedade Industrial de Moçambique, criando assim, no território

Leia mais

EMPRESAS MUNICIPAIS INTERMUNICIPAIS e REGIONAIS : PÚBLICAS de CAPITAIS PÚBLICOS e de CAPITAIS MAIORITARIAMENTE PÚBLICOS. Lei nº 58/98, de 18 de Agosto

EMPRESAS MUNICIPAIS INTERMUNICIPAIS e REGIONAIS : PÚBLICAS de CAPITAIS PÚBLICOS e de CAPITAIS MAIORITARIAMENTE PÚBLICOS. Lei nº 58/98, de 18 de Agosto EMPRESAS MUNICIPAIS INTERMUNICIPAIS e REGIONAIS : PÚBLICAS de CAPITAIS PÚBLICOS e de CAPITAIS MAIORITARIAMENTE PÚBLICOS Lei nº 58/98, de 18 de Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3.

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3. ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º Denominação e Regime Jurídico 1 - A empresa adota a denominação de RESIALENTEJO TRATAMENTO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS, E.I.M., adiante designada por RESIALENTEJO,

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi)

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Investigação em Psicologia, adiante designado por Centro, é

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 --------------------------------------------------------------------------------

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- ALTERAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL DO PARLAMENTO NACIONAL O

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais