Ministério do Comércio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério do Comércio"

Transcrição

1 Ministério do Comércio ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério do Comercio é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução, supervisão e controlo da política comercial, visando regular e disciplinar o exercício da actividade do comércio, promover o desenvolvimento, ordenamento e a modernização das infra estruturas comerciais, bem como assegurar a livre e leal concorrência entre comerciantes, salvaguardando os direitos dos consumidores. Artigo 2.º (Atribuições) São atribuições do Ministério do Comércio, entre outras as seguintes: a) Propor a política e implementar as estratégias de desenvolvimento do comércio, bem como incentivar a criação de infra estruturas comerciais e a reorganização, reabilitação e expansão da rede comercial e de prestação de serviços mercantis; b) Promover o desenvolvimento sustentável do sector e assegurar que a oferta de bens e de serviços mercantis seja competitiva em termos de qualidade, preços e de prazos de entrega; c) Promover o fomento da produção para o consumo interno, redução e/ou substituição das importações e assegurar a diversificação das exportações; d) Propor as regras e procedimentos do licenciamento da actividade comercial, modalidade de promoção de vendas, modalidades de vendas, vendas especiais, organização, ordenamento e gestão do cadastro comercial e de prestação de serviços mercantis; e) Licenciar a actividade comercial, de prestação de serviços mercantis, modalidade de promoção de vendas, modalidades de vendas, vendas especiais;

2 f) Coordenar toda a actividade de inspecção e fiscalização do exercício da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis colaborando quando necessário com outros organismos competentes e assegurar a aplicação das respectivas sanções; g) Promover e regular a instalação, construção, distribuição e implantação territorial dos estabelecimentos comerciais, tendo em conta a mobilidade populacional, o tráfego, o impacto ambiental e a valorização da função comercial; h) Definir os requisitos para infra estruturas comerciais de funcionalidade, higio sanitárias, técnico comerciais, segurança contra incêndios e de acondicionamento de bens e serviços mercantis; i) Participar na elaboração e execução das normas de controlo da qualidade de produtos, embalagens, manipulação, transportação, armazenagem, distribuição de bens, bem como na efectivação de analises, ensaios e exames para a verificação das características, origens e qualidade dos produtos; j) Promover e definir em colaboração com os organismos competentes do estado, a política geral de formação e superação técnico profissional e científica dos comerciantes e trabalhadores do sector do comércio; k) Promover a cooperação internacional, regional e mobilizar a assistência técnica, no âmbito do comércio; l) Colaborar com as demais instituições vocacionadas na elaboração e fiscalização de políticas de preços de bens e serviços mercantis; m) Colaborar na elaboração da balança comercial do país; n) Promover e executar a política de salvaguarda dos direitos dos consumidores; o) Promover e incentivar o movimento associativo e cooperativo no sector do comércio; p) Colaborar com as demais instituições vocacionadas, no estabelecimento e fiscalização dos horários de funcionamento dos estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços mercantis; q) Garantir o respeito pelas regras da livre e leal concorrência e remoção de obstáculos a entrada de novos agentes económicos no sector do Comércio; r) Assegurar em colaboração com os outros organismos do Estado o cumprimento das obrigações decorrentes do acordo que institui a Organização Mundial do Comércio (OMC) e demais organizações regionais e internacionais especializadas no tratamento de questões relacionadas com o Comércio; s) Assegurar em colaboração com demais organismos a promoção, organização e desenvolvimento da actividade de prestação de serviços mercantis e garantia da assistência técnica pós venda; t) Apoiar as actividades económicas relacionadas com a produção, industrialização, transformação e comercialização de bens e serviços mercantis;

3 u) Assegurar a estabilização da oferta e da procura de bens e serviços mercantis, com vista a regularização do mercado e proteger os consumidores; v) Promover a estabilização e regularização dos mercados e dos preços dos produtos, assegurando, através de produtos de compra, a produção e a garantia de preços mínimos; w) Divulgar as informações sobre as existências nas fontes de produção e as necessidades nas zonas de consumo, tomando medidas ou procurando soluções para a livre e eficaz circulação de mercadorias, bem como orientar e disseminar a informação sobre o volume da circulação mercantil e o censo da rede comercial; x) Assegurar as negociações e gestão dos acordos e protocolos internacionais de comércio, quer bilaterais, quer de integração económica em agrupamentos regionais; y) Assegurar a implementação de medidas de salvaguarda face a importações que se afigurem prejudiciais à economia nacional; z) Apoiar a expansão e diversificação das exportações; aa)assegurar a aplicação de medidas sanitárias e fitossanitárias em vigor para protecção da vida e saúde humana, animal e vegetal; bb)apoiar e acompanhar a organização de missões empresariais e promover a participação de operadores económicos nacionais em feiras ou exposições no estrangeiro. CAPITULO II Organização em Geral Artigo 3.º (Direcção) 1. O Ministério do Comércio é dirigido pelo respectivo Ministro, que coordena toda a sua actividade e o funcionamento dos serviços que o integram. 2. No exercício das suas funções, o Ministro do Comércio é coadjuvado por Vice Ministros a quem pode delegar competências para acompanhar, tratar, decidir os assuntos relativos aos serviços que lhes são afectos.

4 3. No exercício das suas funções compete aos Vice Ministros: a) Coadjuvar o Ministro no exercício das suas competências; b) Por designação expressa, substituir o Ministro nas suas ausências e impedimentos; c) Desempenhar as competências que lhe forem expressamente delegadas pelo Ministro. Compete ao Ministro do Comércio: Artigo 4.º (Competências do Ministro) a) Assegurar sob responsabilidade própria a execução dos programas e das leis e outros diplomas legais, bem como tomar as decisões necessárias para tal fim; b) Orientar, coordenar e fiscalizar toda a actividade do Ministério do Comercio, nos termos da lei e de acordo com as deliberações superiores; c) Nomear e exonerar os responsáveis do Ministério e das entidades tuteladas, bem como exercer o poder disciplinar sobre o pessoal do órgão central e serviços dependentes; d) Velar pela correcta aplicação da política de formação e desenvolvimento técnico e científico dos recursos humanos do sector; e) Praticar os demais actos necessários ao exercício das suas funções e os que lhe sejam determinados por lei ou decisão superior. Artigo 5.º (Estrutura Orgânica) A estrutura orgânica do Ministério do Comércio, compreende os seguintes serviços e órgãos: 1. Serviços de apoio consultivo: a) Conselho Consultivo; b) Conselho de Direcção; c) Conselho Nacional do Comércio.

5 2. Serviços de Apoio Técnico: a) Gabinete Jurídico; b) Secretaria Geral; c) Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística. 3. Serviços de apoio instrumental: a) Gabinete do Ministro; b) Gabinete dos Vice Ministros; c) Gabinete de Intercâmbio Internacional; d) Centro de Documentação e Informação. 4. Serviços Executivos Centrais: a) Direcção Nacional do Comércio; b) Inspecção geral das Actividades Comerciais; c) Direcção Nacional da Política Comercial. 5. Serviços no Exterior: a) Representações Comerciais. 6. Órgãos Tutelados: a) Instituto Nacional de Defesa do Consumidor; b) Laboratório Nacional de Controlo da Qualidade; c) Escola Nacional do Comércio; d) Instituto Nacional de Promoção das Exportações.

6 CAPÍTULO III Organização em Especial SECÇÃO I Serviços de Apoio Consultivo Artigo 6.º (Conselho Consultivo) 1. O Conselho Consultivo é o órgão ao qual incumbe funções consultivas na prossecução das atribuições acometidas ao Ministro do Comércio. 2. O Conselho Consultivo do Ministério do Comércio é presidido pelo Ministro do Comércio e tem a composição seguinte: a) Vice Ministros; b) Directores Nacionais; c) Directores Provinciais; d) Delegados Regionais do Comércio; e) Chefes de Departamento; f) Representantes Comerciais; g) Gestores de Empresas do Sector; h) Entidades convidadas. 3. O Ministro pode convidar para reuniões do Conselho Consultivo, sempre que achar conveniente, técnicos do Sector e outras entidades especializadas. 4. O Conselho Consultivo rege se por um regulamento interno aprovado por despacho do Ministro do Comércio.. Artigo 7.º (Conselho de Direcção) 1. O Conselho de Direcção é o órgão de apoio ao Ministro do Comércio nas matérias de programação, organização e controlo das actividades do respectivo Ministério.

7 2. Integram o Conselho de Direcção para além do Ministro do Comércio que o preside os seguintes membros: a) Vice Ministros; b) Directores Nacionais; c) Consultores; d) Chefe de Departamentos Nacionais; e) Directores dos Órgãos Tutelados. 3. O Conselho de Direcção é regido por um regulamento interno aprovado por despacho do Ministro do Comércio. Artigo 8.º (Conselho Nacional do Comércio) O Conselho Nacional do Comércio é um órgão multidisciplinar e multisectorial de concertação para actividade empresarial que se exerce no sector do comércio, cuja composição, competência e atribuições são estabelecidas em decreto executivo do Ministro do Comércio. SECÇÃO II Serviços de Apoio Técnico Artigo 9.º (Gabinete Jurídico) 1. O Gabinete Jurídico é o órgão de apoio técnico do Ministério do Comércio ao qual cabe superintender e realizar toda a actividade jurídica de assessoria e de estudos de matéria técnico jurídica e produção de instrumentos jurídicos do sector do Comércio. 2. Compete em especial ao Gabinete Jurídico: a) Assessorar o Ministro e Vice Ministros em questões de natureza jurídica relacionadas com actividade do Ministério e dos serviços dependentes; b) Emitir pareceres sobre assuntos de natureza jurídica que lhe sejam solicitados; c) Coordenar a elaboração e o aperfeiçoamento dos projectos de diplomas legais e demais instrumentos jurídicos relacionados com as actividades do Ministério do Comércio;

8 d) Participar nas negociações e dar corpo jurídico aos contratos, acordos ou protocolos no domínio do comércio; e) Velar com outros órgãos do Ministério pelo cumprimento das leis e demais normas que disciplinem a actividade do sector; f) Coligir, controlar e manter actualizada toda a documentação de natureza jurídica ou regulamentação necessária ao funcionamento do Ministério e velar pela sua correcta aplicação; g) Representar o Ministério nos actos jurídicos e processos judiciais mediante delegação expressa do Ministro do Comércio; h) Desempenhar as demais funções de índole jurídico que lhe sejam cometidas por lei ou determinação superior; 3. O Gabinete Jurídico tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Assessoria Técnico Jurídica; b) Departamento de Produção Legislativa; c) Departamento de Contencioso. 4. O Gabinete Jurídico é dirigido por um Director com categoria de Director Nacional. Artigo 10.º (Secretaria Geral) 1. A Secretaria Geral é o serviço ao qual compete tratar da generalidade das questões administrativas comuns à todos os serviços do Ministério, bem como dos recursos humanos, gestão do orçamento, do património, das relações públicas e protocolo. 2. A Secretaria Geral compete: a) Dirigir, coordenar e apoiar as actividades administrativas, do Ministério do Comércio; b) Colaborar na elaboração do projecto de orçamento de acordo com o plano de actividades do Ministério do Comércio; c) Colaborar na elaboração do relatório de execução orçamental do Ministério do Comércio; d) Assegurar a aquisição e a manutenção dos bens e equipamentos necessários ao funcionamento corrente do Ministério e gerir o seu património; e) Coordenar e controlar as actividades do sector nos domínios da segurança social, da protecção da saúde e da higiene no trabalho;

9 f) Assegurar a gestão integrada dos recursos humanos, promover e coordenar as acções da sua superação e formação profissional; g) Acompanhar a actividade dos centros de formação profissional tutelados pelo Ministério do Comércio; h) Estudar e propor normas, circuitos e modelos de funcionamento contabilístico e financeiro de uso geral dos serviços públicos; i) Assegurar as actividades de relações públicas e protocolo do Ministério; j) Desempenhar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei ou por determinação superior. 3. A Secretaria Geral tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Administração, Gestão do Orçamento e Património; b) Departamento de Recursos Humanos; c) Departamento de Formação; d) Repartição de Relações Públicas e Protocolo; e) Repartição de Expediente Geral. 4. A Secretaria Geral é dirigida por um Secretário Geral com categoria de Director Nacional. Artigo 11.º (Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística) 1. O Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística é o serviço de assessoria geral e especial de natureza interdisciplinar tendo como funções a preparação de medidas de política e estratégia global, do sector do comércio, estudos e análise regular sobre a execução geral das actividades dos distintos serviços do Ministério, bem como a orientação e coordenação da actividade de estatística. 2. O Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística, além das funções atribuídas por lei, tem as seguintes competências: a) Elaborar o projecto do orçamento de acordo com plano de actividades do Ministério do Comércio e assegurar a sua execução; b) Elaborar o relatório de execução do orçamento do Ministério do Comércio e submete lo a apreciação das entidades competentes; c) Propor políticas e estratégias de desenvolvimento do sector do comércio; d) Coordenar e elaborar em colaboração com outros organismos do Ministério e de outros sectores, os planos de desenvolvimento do sector do comércio; e) Coordenar a execução dos investimentos sob responsabilidade do Ministério do Comércio;

10 f) Elaborar, em colaboração com os organismos do sector e de outros Ministérios, os planos de curto, médio e longo prazos e os programas relativos ao sector; g) Definir e organizar o sistema de informação estatística do sector do comércio; h) Estudar as oportunidades e as necessidades de investimento do sector; i) Elaborar estudos e análises regulares sobre a execução geral das actividades dos serviços e projectos do Ministério do Comércio; j) Orientar e participar nos projectos de desenvolvimento da informática do Ministério, assessorando a elaboração de programas e sequências de trabalho para o processamento de dados; k) Colaborar na elaboração da balança comercial; l) Desempenhar as demais funções que lhe sejam cometidas por lei ou por determinação superior. 3. O Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística, tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Estudos e Investimentos; b) Departamento de Planeamento e Programação Financeira; c) Departamento de Estatística e Informática. 4. O Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística é dirigido por um Director; com categoria de Director Nacional; SECÇÃO III Serviços De Apoio Instrumental Artigo 12.º (Gabinetes do Ministro e dos Vice Ministros) 1. Os Gabinetes do Ministro e dos Vice Ministros são serviços de apoio directo e pessoal que tem por atribuições assistir os membros do governo no desempenho das suas funções. 2. As atribuições e organização interna dos Gabinetes do Ministro e dos Vice Ministros são as constantes do Decreto n.º 68/02, de 29 de Outubro.

11 3. Além das atribuições constantes do Decreto n.º 68/02, de 29 de Outubro, ao Gabinete do Ministro compete ainda: a) Assegurar as relações com os demais Ministérios e organismo do Estado; b) Recolher as informações de que careça o Ministro, bem como realizar estudos e trabalhos por si incumbidos, apoiando se por uma equipa técnica constituída por consultores; c) Assegurar a recepção e expedição da correspondência que o Ministro determinar, bem como o respectivo arquivo; d) Preparar o expediente relativo aos assuntos a submeter a Assembleia Nacional e ao Conselho de Ministros, bem como as demais reuniões em que o Ministro participe; e) Assistir as audiências e as reuniões em que participe o Ministro e elaborar as respectivas actas; f) Organizar as relações entre o Ministro e o público e assistir os visitantes convidados pelo Ministério do Comércio; g) Desempenhar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei ou por determinação superior. 4. Aos Gabinetes dos Vice Ministros compete desenvolver, com as devidas adaptações, as tarefas referidas no número anterior. 5. A organização e funcionamento dos Gabinetes do Ministro e dos Vice Ministros, será estabelecida de acordo com a legislação em vigor. 6. Os Gabinetes do Ministro e dos Vice Ministros são dirigidos por Directores com a categoria de Directores Nacionais. Artigo 13.º (Gabinete de Intercâmbio Internacional) 1. O Gabinete de Intercâmbio Internacional é o serviço de relacionamento e cooperação entre o Ministério do Comércio e os organismos homólogos de outros países; 2. São competências do Gabinete de Intercâmbio Internacional: a) Estudar e propor a estratégia de cooperação bilateral no domínio do comércio, em articulação com os restantes órgãos e acompanhar os trabalhos decorrentes dessa cooperação; b) Propor a orientação a seguir nas negociações dos acordos e convenções com países no domínio do comércio;

12 c) Estudar e propor as medidas adequadas a tomar no âmbito das relações comerciais externas, em especial as que resultam dos acordos, tratados e convénios comerciais bilaterais subscritos pela Republica de Angola, assim como as política comerciais externas dos distintos países, visando o aproveitamento das vantagens dai decorrentes; d) Participar na obtenção de financiamentos externos e mobilização da assistência técnica provenientes dos diferentes Estados para apoio da actividade comercial; e) Assegurar as negociações e gestão dos acordos e protocolos internacionais de comércio, quer bilaterais, quer de integração económica em agrupamentos regionais; f) Desempenhar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei ou por determinação superior. 3. O Gabinete de intercâmbio internacional tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Cooperação Comercial Bilateral; b) Departamento de Organizações Económicas Internacionais; 4. O Gabinete de Intercâmbio Internacional é dirigido por um Director com categoria de Director Nacional. Artigo 14.º (Centro de Documentação e Informação) 1. O Centro de Documentação e Informação é o serviço do Ministério do Comércio encarregue da recolha, tratamento, selecção e difusão da documentação e informação em geral, de interesse para o sector; 2. São competências do Centro de Documentação e Informação: a) Seleccionar, elaborar e mandar difundir as informações inerentes ao sector do Comércio; b) Seleccionar, recolher boletins, livros e monografias necessários à execução da actividade comercial; c) Organizar e coordenar a biblioteca central do Ministério do Comércio; d) Organizar e gerir o arquivo histórico e morto do Ministério do Comércio; e) Promover a aquisição de toda a documentação e bibliografia necessárias á consulta técnico científica e de interesse imediato ou mediato para o sector do comércio;

13 f) Colaborar com os organismos regionais, internacionais e outros centros congéneres na troca e difusão de informações e documentação sobre o comércio; g) Garantir a gestão e a difusão de toda informação relativa à actividade do sector, áreas e oportunidades de investimentos e respectiva legislação, utilizando as tecnologias de informação mais adequadas; h) Desempenhar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei ou determinação superior. 3. O Centro de Documentação e Informação, compreende: a) Repartição de Documentação e Informação; b) Secção de Edição c) Secção de Difusão; 4. O Centro de Documentação e Informação é dirigido por um chefe com categoria de chefe de departamento. SECÇÃO IV Serviços Executivos Centrais Artigo 15.º (Direcção Nacional do Comércio) 1. A Direcção Nacional do Comércio é o serviço de direcção, controlo, desenvolvimento e execução da política e estratégia comercial; 2. São competências da Direcção Nacional do Comércio: a) Assegurar com os demais sectores a implementação da política comercial; b) Assegurar a implementação da estratégia de desenvolvimento do comércio, bem como incentivar a criação de infra estruturas comerciais; c) Propor as regras e procedimentos do licenciamento da actividade comercial, modalidade de promoção de vendas, modalidade de vendas, vendas especiais, organização, ordenamento e gestão do cadastro comercial e de prestação de serviços mercantis; d) Licenciar as médias, grandes superfícies comerciais e de prestação de serviços mercantis, comércio de representação, importação e exportação; e) Elaborar e manter actualizado o cadastro comercial e de prestação de serviços mercantis;

14 f) Assegurar, em colaboração com demais organismos competentes, a instalação, construção, distribuição e a implementação territorial dos estabelecimentos comerciais, tendo em conta a mobilidade populacional, o tráfego, o impacte ambiental e a valorização da função comercial; g) Assegurar em colaboração com demais organismos, a promoção, organização e desenvolvimento, bem como incentivar a criação de infraestruturas da actividade de prestação de serviços mercantis e da assistência técnica pós venda; h) Propor requisitos para infra estruturas comerciais tendo em conta a funcionalidade, as condições higio sanitárias, técnico comerciais, segurança e de acondicionamento de bens e serviços mercantis; i) Participar na elaboração de normas de consum0, qualidade de produtos, embalagem, manipulação, armazenagem, transporte e comercialização de bens e serviços; j) Participar na promoção e na definição em colaboração com os organismos competentes, da política geral de formação, técnico profissional dos comerciantes; k) Assegurar a recolha, tratamento e disseminação de informação operativa do sector do comércio; l) Colaborar com as demais instituições vocacionadas, no estabelecimento e fiscalização dos horários de funcionamento dos estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços mercantis; m) Realizar com os demais órgãos do Estado estudos do mercado externo com vista, a disciplinar as importações, controlo de preços de bens importados e sua adequação as necessidades internas de consumo; n) Criar canais de recolha de informações que permitam coligir dados sobre a conjuntura do mercado internacional e divulga los aos órgãos de economia nacional; o) Propor sempre que necessário as providências para orientação do mercado assim como as restrições ao consumo incluindo o sistema de contingentação; p) Mobilizar e incentivar os comerciantes para fortalecer o movimento associativo e cooperativo no sector do comércio; q) Estudar e propor medidas que assegurem o regular e eficaz abastecimento de bens de consumo e serviços mercantis bem como promover inquéritos e sondagens sobre os hábitos e costumes das populações; r) Estabelecer com o sector produtivo e intervenientes no exercício da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis, mecanismos de articulação visando a promoção da produção interna e criação de excedentes comercializáveis; s) Elaborar a regulamentação necessária para promoção e desenvolvimento harmonioso das actividades comerciais, modalidades de promoção de vendas, modalidades de vendas e de vendas especiais;

15 t) Participar em estudos com vista a definição de propostas sobre preços de bens e serviços mercantis nas necessidades internas e garantia de assistência técnica pós venda; u) Orientar e acompanhar metodologicamente a actividade exercida pelas Direcções Provinciais e Delegações Regionais do Comércio; v) Participar na promoção da redução e/ou substituição das importações e diversificação das exportações; w) Adoptar medidas que facilitem o comércio internacional removendo as barreiras tarifárias e não tarifárias que afigurem desajustadas a prática do livre comércio; x) Apoiar a expansão e diversificação das exportações; y) Assegurar a implementação de medidas de salvaguarda face a importações que se afigurem prejudiciais à economia nacional; z) Apoiar e acompanhar a organização de missões empresariais e promover a participação de operadores económicos nacionais em feiras ou exposições no estrangeiro; aa) Assegurar a implementação de medidas de salvaguarda, com vista a substituição de importações de produtos com vantagens comparativas; bb) Participar na aplicação das medidas sanitárias e fito sanitárias no âmbito da Organização Mundial do Comércio; cc) Desempenhar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei ou por determinação superior. 3. A Direcção Nacional do Comércio tem a seguinte estrutura: a) Departamento do Comércio Interno; b) Departamento do Comércio Externo; c) Departamento de Cadastro e Infra estruturas Comerciais; d) Departamento de registo das operações de importação e exportação de mercadorias; e) Repartição de Licenciamento da Actividade Comercial; f) Repartição de Prestação de Serviços Mercantis; 4. A Direcção Nacional do Comércio é dirigida por um Director com categoria de Director Nacional.

16 Artigo 16.º (Inspecção Geral das Actividades Comerciais) 1. A Inspecção Geral das Actividades Comerciais é o serviço encarregue de assegurar o acompanhamento, apoio e fiscalização do cumprimento das funções horizontais ou da organização e funcionamento dos serviços em especial, no que se refere a legalidade dos actos, a eficiência e o rendimento dos serviços, utilização dos meios, bem como a proposição de medidas de correcção e de melhoria, ao abrigo das normas legais estabelecidas; 2. São competências da Inspecção Geral das Actividades Comerciais, sem prejuízo das especialmente acometidas à outros serviços ou organismos, as seguintes: a) Acompanhar a actividade dos serviços que integram o Ministério do Comércio; b) Inspeccionar e assegurar o acompanhamento das funções horizontais ou da organização e funcionamento dos serviços no que se refere a legalidade dos actos; c) Inspeccionar e acompanhar a eficiência e o rendimento dos serviços; d) Inspeccionar e acompanhar a utilização dos bens e meios do Ministério do Comércio, bem como a proposição de medidas de correcção e de melhorias; e) Verificar o cumprimento das leis, regulamentos e demais disposições legais pelos serviços do Ministério do Comércio e pelas instituições sob tutela deste; f) Elaborar e aplicar os programas e os procedimentos necessários á realização de inspecções ao exercício da actividade comercial e dos serviços que integram a estrutura do Ministério do Comércio; g) Verificar o tratamento dos assuntos passíveis de sanções e accionar o tratamento adequado, se for caso; h) Receber e dar o devido tratamento às denúncias, queixas e reclamações que lhe sejam submetidas; i) Emitir pareceres sobre a actuação de ordem inspectiva que sejam solicitados; j) Aplicar sanções e multas; k) Desempenhar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei ou por determinação superior; 3. A Inspecção Geral das Actividades Comerciais, compreende: a) Departamento de Controlo; b) Departamento de Inspecção; c) Departamento de Auditoria;

17 4. A Inspecção Geral das Actividades Comerciais é dirigida por um Inspector Geral com categoria de Director Nacional. Artigo 17.º (Direcção Nacional da Política Comercial) 1. A Direcção Nacional da Política Comercial é o serviço com funções de acompanhamento da execução da política comercial de Angola no exterior do País, desenvolvimento de negociações regionais e multilaterais bem como de direcção, controlo e orientação metodológica e administrativa das representações comerciais; 2. São competências da Direcção Nacional da Política Comercial: a) Assegurar em colaboração com os outros organismo do Estado, execução dos acordos estabelecidos e ratificados por Angola no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), Comunidade de Desenvolvimento de África Austral (SADC) e Comunidade dos Estados de África Central (CEAC); b) Assegurar e orientar metodologicamente e administrativamente toda a actividade das representações comerciais no exterior do País; c) Proceder a prospecção dos mercados externos para conhecimento e obtenção de dados passíveis de influenciar o volume das importações e exportações; d) Prestar informações regulares às representações comerciais sobre a evolução da economia nacional; e) Acompanhar, em colaboração com outras instituições do Estado, a execução da política comercial da República de Angola no estrangeiro; f) Analisar e emitir pareceres sobre a actividade trimestral e anual das representações comerciais; g) Difundir informações sobre a estruturação e funcionamento da Organização Mundial do Comércio (OMC), Comunidade de Desenvolvimento dos Estados da África Austral (SADC) e Comunidade dos Estados de África Central (CEAC). h) Acompanhar todas as actividades das representações comerciais desenvolvidas com outros sectores; i) Informar se e manter informado as instituições do Estado sobre a evolução da economia dos demais países; j) Participar com as estruturas dos demais órgãos do Estado, na internacionalização da economia angolana; k) Desempenhar as demais funções que lhe sejam acometidas por lei ou determinação superior.

18 3. A Direcção Nacional da Política Comercial tem a seguinte estrutura: a) Departamento das Negociações Regionais e Multilaterais; b) Departamento de Acompanhamento das Representações Comerciais. 4. A Direcção Nacional da Política Comercial é dirigida por um Director com categoria de Director Nacional SECÇÃO V Serviços no Exterior Artigo 18.º (Representações Comerciais) 1. As Representações Comerciais são órgãos de execução da política comercial da República de Angola no Estrangeiro, dotadas de autonomia administrativa, patrimonial e financeira. 2. As Representações Comerciais são dirigidas por um Representante Comercial com a categoria de Ministro conselheiro económico e comercial e, dependem politicamente do chefe da missão diplomática, metodológica e administrativamente do Ministério do Comércio. SECÇÃO VI Órgãos Tutelados Artigo 19.º (Instituto Nacional de Defesa do Consumidor) O instituto de defesa do consumidor, adiante designado por INADEC, é um Instituto Público destinado a política de salvaguarda dos direitos dos consumidores, bem como coordenar e executar as medidas tendentes a sua protecção, informação e educação e de apoio ás organizações de consumidores.

19 Artigo 20.º (Laboratório Nacional de Controlo da Qualidade) O laboratório Nacional de Controlo da Qualidade, adiante designado abreviadamente por LANCOQ, é uma Instituição Pública de investigação, desenvolvimento e de assistência técnica, vocacionada para o controlo da qualidade alimentar e de bens de consumo, dotado de autonomia científica, administrativa e financeira. Artigo 21.º (Escola Nacional do Comércio) A Escola Nacional do Comércio, adiante designada por ENCO, é uma Instituição vocacionada para o ensino técnico profissional, com especialização nas actividades enquadradas no sector do Comércio, bem como promover o nível académico, profissional e cultural dos quadros e agentes económicos. Artigo 22.º (Instituto Nacional de Promoção das Exportações) O Instituto Nacional de Promoção das Exportações, adiante designado por INAPEX, é uma Instituição Pública de promoção das exportações nacionais de origem industrial, artesanal, agrícola e agro industrial, como também propicia aos operadores Económicos de comércio externo, o necessário e indispensável apoio técnico administrativo que os habilite a enfrentarem os desafios do mercado Regional e Internacional. CAPÍTULO IV Disposições Finais Artigo 23.º (Quadro de Pessoal) 1. O quadro de pessoal do Ministério do Comércio é o constante do anexo II do presente Estatuto, do qual faz parte integrante. 2. O quadro de pessoal referido no número anterior pode ser alterado por Decreto Executivo Conjunto dos Ministros do Comércio, da Administração Pública, Emprego e Segurança Social e das Finanças.

20 Artigo 24.º (Provimento) 1. Os lugares do quadro de pessoal serão providos por nomeação ou contrato em obediência as regras legais vigentes. 2. As movimentações a efectuar no quadro de pessoal do Ministério do Comércio serão da competência do Ministro ou de quem ele delegar para o efeito. Artigo 25.º (Regulamentos Internos) No prazo máximo de 90 dias, contados a partir da data de publicação do presente Estatuto, o Ministério do Comércio fará publicar os regulamentos internos dos serviços referidos no Capitulo II.

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTERIO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL Missão 1. Ministério da Comunicação Social é o órgão do Governo encarregue de organizar e controlar a execução da

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento da Direcção Nacional da Política Comercial do Ministério do Comércio. Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Decreto-Lei n.º 4/09 de 18 de Maio A Lei Constitucional da República de Angola no seu artigo 24.º assegura que «todos os cidadãos têm o direito de viver num meio ambiente sadio e

Leia mais

Ministério de Hotelaria e Turismo

Ministério de Hotelaria e Turismo Ministério de Hotelaria e Turismo CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério de Hotelaria e Turismo é o órgão do Governo que dirige, coordena e assegura a execução da política do

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro Ministério da Saúde Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro As mudanças que ocorrem no âmbito das transformações em curso no País principalmente a reforma geral da administração pública e a adopção da Lei de

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza)

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza) ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I Natureza e atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Assistência e Reinserção Social, adiante designado por MINARS

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos Decreto Lei nº 7/97 Aprova o estatuto orgânico do Ministério da Juventude e Desportos e revoga toda a legislação que contrarie o presente decreto lei. Tornando se necessário

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO EXECUTIVO Nº / DE DE O Governo da República de Angola e a Assembleia Nacional aprovaram o quadro jurídico legal, que define um conjunto de iniciativas e acções de alcance

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL PROJECTO DE ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL NOTA JUSTIFICATIVA O nível de organização

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Decreto Lei n.º 4/98 de 30 de Janeiro Considerando que o Decreto no 181 A/80 de 19 de Novembro, já não tem aplicabilidade no actual estágio de desenvolvimento socio económico e

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11 4632 ORGANIGRAMA DIRECÇÃO CONSELHO DE DIRECÇÃO REPARTIÇÃO DOS SERVI- ÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO EREGISTO DE CADASTRO MINEIRO DE TOPOGRAFIA EDESENHO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÓMICA MODELO DE GOVERNAÇÃO

AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÓMICA MODELO DE GOVERNAÇÃO MODELO DE GOVERNAÇÃO Praia, 07 de Julho de 2009 João Renato Lima REGULAÇÃO EM CABO VERDE De acordo com Constituição da República revista em 2002, cabe ao Estado regular o mercado e a actividade económica

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi)

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Investigação em Psicologia, adiante designado por Centro, é

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Estratégia da Comissão Nacional de Tecnologias de Informação Decreto nº. 6/02 de 4 de Abril Considerando que as tecnologias de informação constituem um elemento fundamental

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 2562 DIÁRIO DA REPÚBLICA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 144/13 de 30 de Setembro Considerando que com a aprovação do Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/12, de 15 de Outubro, que aprova

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 31 de março de 2014 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL E SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 34/2014 Aprova a organização

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 78 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DO MAPUTO DIRECÇÃO PROVINCIAL PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DO MAPUTO DIRECÇÃO PROVINCIAL PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DO MAPUTO DIRECÇÃO PROVINCIAL PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL A DPCAM é uma instituição pública que se subordina ao Ministério para a Coordenação da Acção

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social DECRETO EXECUTIVO Nº 69 /2007 De 22 de Junho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Regulamento Interno do Centro de Documentação e Informação CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1º (Natureza) O Centro de Documentação e Informação, abreviadamente designado

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Diploma Ministerial 7/2013

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Diploma Ministerial 7/2013 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Diploma Ministerial 7/2013 O Programa do V Governo Constitucional para a Legislatura 2012-2017, apresentado ao Parlamento Nacional em Setembro de 2012, atribui ao sector

Leia mais

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau;

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau; REGULAMENTO DO CENTRO DE REFLEXÃO, ESTUDO, E DIFUSÃO DO DIREITO DE MACAU DA FUNDAÇÃO RUI CUNHA CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO E OBJECTIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Reflexão, Estudo, e Difusão do Direito

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO A criação de um sistema integrado de gestão da qualidade para as instituições de ensino superior resulta das melhores

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO /07 Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei nº.5/97 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros)

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros) ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º (Natureza, Membros) 1. O Centro de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, também designado abreviadamente como

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Comissão de automóveis antigos e clássicos do Automóvel Club de Portugal

Comissão de automóveis antigos e clássicos do Automóvel Club de Portugal Regulamento ACP-Clássicos Comissão de automóveis antigos e clássicos do Automóvel Club de Portugal REGULAMENTO CAPÍTULO I (Natureza, Duração e Objecto) Artigo 1.º (Natureza) 1. A Comissão de Automóveis

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais