Ministério do Comércio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério do Comércio"

Transcrição

1 Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento e/ou o primeiro emprego, determinou a criação da Escola Nacional do Comércio «ENCO», tutelada pelo Ministério do Comércio corno órgão inserido no Sistema Nacional de Formação Profissional instituído ao abrigo da Lei n.º 21 A/92, de 28 de Agosto: Tornando se necessário dotar a Escola Nacional do Comércio «ENCO», criada ao abrigo do Decreto Lei 5/00, de 2 de Junho, do respectivo estatuto orgânico por forma a cumprir cabalmente as tarefas a ela cometidas; Nos termos do n.º 3 do artigo 114. Da Lei Constitucional, determino: Artigo 1.º É aprovado o estatuto orgânico da Escola Nacional do Comércio, abreviadamente designada por «ENCO», anexo ao presente despacho e que dele faz parte integrante. Artigo 2.º É revogado o Despacho conjunto n.º 78/84, de 21 de Abril, bem como toda a legislação que contrarie o disposto no presente diploma. Artigo 3.º As dúvidas e omissões suscitadas da interpretação e aplicação do presente estatuto serão resolvidas por despacho do Ministro do Comércio. Artigo 4.º Este decreto executivo entra em vigor na data da sua publicação.

2 Estatuto Orgânico da Escola Nacional do Comércio «Enco» CAPÍTULO I Das Disposições Gerais ARTIGO 1.º (Natureza) A Escola Nacional do Comércio, abreviadamente designada por «ENCO», é uma pessoa colectiva de direito público, dotada de autonomia administrativa, financeira e de gestão, com personalidade jurídica própria, bem como de autonomia pedagógica e científica, mas tutelada pelo Ministério do Comércio. ARTIGO 2.º (Objecto) 1. A «ENCO» Escola Nacional do Comércio tem por objecto fundamental contribuir, através do ensino, para a qualificação e actualização da capacidade técnico profissional dos funcionários do Ministério do Comércio e para a ministração de conhecimentos que assegurem o desenvolvimento de capacidades e habilidades necessárias ao exercício de uma profissão qualificada. No domínio da formação conta com a orientação metodológica do INAFOP Instituto Nacional de Formação Profissional. 2. Para efeitos do número anterior, compete em especial «ENCO» Escola Nacional do Comércio: a) Formar, superar e proceder à reciclagem técnico profissional dos funcionários do Ministério do Comércio e órgãos afins; b) Organizar e realizar cursos de nível básico, bem como outras acções de formação, (simpósios, colóquios e seminários), tendo em vista a formação especializada, o aperfeiçoamento e actualização do pessoal ligado ao sector comercial, público e privado; c) Realizar estudos no domínio das ciências e técnicas comerciais e hotelarias, de acordo com a legislação comercial em vigor, em coordenação com as direcções especializadas do Ministério do Comércio, Instituto Nacional de Formação Profissional e associações comerciais; d) Prestar assessoria técnica nas áreas de sua especialidade;

3 e) Estabelecer e manter relações de cooperação com instituições similares, nacionais e estrangeiras, promovendo programas de interesse mútuo; f) Informar através de adequados instrumentos de divulgação do resultado das suas actividade. 3. À «ENCO» Escola Nacional do Comércio incumbe ainda participar na formulação das políticas de formação e aperfeiçoamento profissional na área comercial e hotelaria em articulação com os departamentos responsáveis pela concepção e aplicação de tais políticas. ARTIGO 3.º (Âmbito) A «ENCO» Escola Nacional do Comércio é uma instituição de âmbito nacional e tem a sua sede em Luanda, podendo proceder ao alargamento de acções por criação de Escolas Provinciais do Comércio em toda a extensão do território nacional, com apoio dos Governos Provinciais e aval do Ministério do Comércio. ARTIGO 4.º (Destinatários das acções de formação) 1. As acções de formação a ministrar na «ENCO» Escola Nacional do Comércio dirigem se aos funcionários públicos e aos particulares interessados. 2. Poderá a «ENCO» Escola Nacional do Comércio realizar acções de formação para grupos específicos, singulares ou colectivos por solicitação de outras entidades nacionais e estrangeiras e de organismos internacionais nas suas instalações ou nos locais a indicar pelos interessados.

4 CAPÍTULO II Dos Órgãos ARTIGO 5.º (Orgânica) Para o exercício das suas atribuições e enquanto as condições objectivas de organização e funcionalidade aconselharem, a «ENCO» Escola Nacional do Comércio possui os seguintes órgãos: 1. Órgãos de direcção: a) Director. 2. Órgãos de apoio: a) Conselho de Direcção; b) Conselho Técnico Pedagógico; c) Departamento de Estudos. Planeamento e Estatística. 3. Órgãos executivos: a) Departamento Técnico Pedagógico; b) Departamento de Administração e Finanças. 4. Órgãos Provinciais: a) Escola do Comércio de Benguela; b) Escola do Comércio de Cabinda; c) Escola do Comércio do Huambo.

5 SECÇÃO I Dos Órgãos de Direcção ARTIGO 6.º (Do director) 1. O director da «ENCO» Escola Nacional do Comércio é nomeado em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio e tem a categoria de director nacional. 2. Compete ao director da escola dirigir e coordenar as actividades e serviços da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, imprimindo lhe unidade, continuidade e eficiência, nomeadamente: a) Representar a «ENCO» Escola Nacional do Comércio em juízo e fora dele; b) Zelar pela observância das normas legais e regulamentares aplicáveis; c) Velar pela execução das recomendações dos órgãos consultivos de direcção da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; d) Submeter ao Ministro do Comércio todas as questões que careçam de resolução superior; e) Propor ao Ministro do Comércio a abertura de escolas provinciais em território nacional; f) Assegurar a gestão administrativa, financeira e patrimonial da escola; g) Convocar e presidir os Conselhos de Direcção e Técnico Pedagógico; h) Elaborar e apresentar ao Ministério do Comércio e ao Instituto Nacional de Formação Profissional o plano de formação e o programa de estudos a seguir em cada curso e ano académico; i) Informar o Conselho de Direcção das medidas tomadas pelos órgãos superiores, bem como orientar, dirigir e controlar a sua aplicação; j) Desempenhar as demais funções que lhe forem acometidas.

6 SECÇÃO II Dos Órgãos de Apoio ARTIGO 7.º (Conselho de Direcção) 1. O Conselho de Direcção é o órgão consultivo e de assessoria da direcção, em matéria de gestão administrativa, financeira e patrimonial da «ENCO» Escola Nacional do Comércio. 2. O Conselho de Direcção é composto pelo director que o preside e pelos chefes de gabinete, de departamento, de repartição e pelos responsáveis das Escolas Provinciais do Comércio quando convocados. 3. O Conselho de Direcção reúne ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre que o director o convocar. 4. Compete ao Conselho de Direcção: a) Apoiar o director na administração da «ENCO» Escola Nacional do Comércio e em todos os assuntos que não sejam da expressa competência de Outros órgãos, assegurando o seu regular funcionamento; b) Analisar e aprovar os planos e programas anuais de actividades, bem como controlar a sua execução e cumprimento nos prazos estabelecidos; c) Deliberar e submeter à aprovação das entidades competentes os planos de investimento necessários à execução do plano de formação da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; d) Deliberar sobre qualquer outro assunto que lhe seja apresentado pela direcção da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, ou por iniciativa dos membros do Conselho.

7 ARTIGO 8.º (Conselho Técnico Pedagógico) 1. O Conselho Técnico Pedagógico é o órgão consultivo de assessoria do director nas matérias didáctico pedagógicas. 2. O Conselho Técnico Pedagógico é composto pelo director que o preside e pelos chefes de departamento, chefes das repartições de formação e coordenadores de cursos. 3. O Conselho Técnico Pedagógico reúne ordinariamente no início e final de cada ciclo de formação e extraordinariamente sempre que o director o convocar. 4. Compete ao Conselho Técnico Pedagógico: a) Apoiar o director, deliberando sobre as questões de natureza pedagógica, cultural e científica que por ele lhe forem colocadas: b) Debruçar se sobre o grau de cumprimento das actividades docentes da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; c) Aprovar os programas e a metodologia dos cursos programados; d) Regulamentar as formas de avaliação de conhecimentos: e) Recomendar a programação das acções de formação de acordo com as necessidades dos clientes; f) Elaborar propostas com vista a melhorar o nível técnico e pedagógico dos professores; g) Propor a edição ou aquisição de manuais de consulta de interesse para a escola, assim como outra bibliografia de apoio; h) Aprovar os planos de estudos, o calendário académico e o horário dos cursos.

8 ARTIGO 9.º (Departamento de Estudos, Planeamento e Estatística) 1. O Departamento de Estudos, Planeamento e Estatística é o órgão de assessoria geral e especial de natureza interdisciplinar que tem as funções seguintes: a) Preparar medidas de política e estratégia global da escola; b) Promover estudos, projectos e análises regulares sobre a execução geral das actividades e serviços da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; c) Orientar e coordenar a actividade da estatística; d) Desenvolver acções de intercâmbio e cooperação com instituições nacionais e internacionais no domínio das atribuições da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; e) Promover as acções de relações públicas e de divulgação das acções da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; f) Apoiar as repartições na organização das acções pedagógicas, administrativas e financeiras; g) Emitir parecer técnico sobre documentos de natureza Técnico Pedagógico e administrativos que lhe sejam submetidos; h) Desempenhar as demais funções que lhe forem acometidas. 2. O Departamento de Estudos, Planeamento e Estatística compreende a seguinte estrutura; a) Repartição de Estudos e Planeamento; b) Repartição de Estatística e Intercâmbio. 3. O Departamento de Estudos, Planeamento e Estatística é dirigido por um chefe com categoria de chefe de departamento nacional, nomeado em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio.

9 SECÇÃO III Dos Órgãos Executivos ARTIGO 1O.º (Departamento Técnico Pedagógico) 1. O Departamento Técnico Pedagógico é o órgão que desenvolve as actividades de formação e aperfeiçoamento profissional nos seguintes domínios: a) Informática; b) Comércio, gestão e administração de empresas; c) Línguas estrangeiras; d) Hotelaria e turismo. 2. O Departamento Técnico Pedagógico compreende a seguinte estrutura: a) Repartição de Informática; b) Repartição de Comércio, Gestão e Administração; c) Repartição de Hotelaria e Turismo. 3. O Departamento Técnico Pedagógico é dirigido por um chefe com categoria de chefe de departamento nacional, nomeado em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio. ARTIGO 11.º (Departamento Administrativo Financeiro) 1. O Departamento Administrativo Financeiro é o órgão ao qual compete garantir o apoio geral de serviços indispensáveis ao normal funcionamento das actividades da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, prestando o apoio burocrático e administrativo, assegurando a gestão financeira e patrimonial, a administração do pessoal, a segurança e conservação das instalações.

10 2. Ao Departamento Administrativo Financeiro compete nomeadamente: a) Assegurar o expediente, recepção, classificação e distribuição da correspondência da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; b) Assegurar a gestão financeira e patrimonial da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; c) Elaborar, em colaboração com os demais serviços, o projecto do orçamento anual da «ENCO> Escola Nacional do Comércio e organizar as contas de gerência; d) Assegurar os serviços de tesouraria, arrecadar as receitas, pagar as despesas e manter devidamente escriturados os livros de tesouraria; e) Assegurar a gestão dos recursos humanos da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; f) Assegurar a segurança e manutenção das instalações, equipamentos e funcionamento dos serviços gerais de apoio. 3. O Departamento Administrativo Financeiro compreende a seguinte estrutura: a) Repartição de Contabilidade e Finanças; b) Repartição de Recursos Humanos e Expediente Geral. 4. O Departamento Administrativo Financeiro é dirigido por um chefe com categoria de chefe de departamento nacional, nomeado em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio. ARTIGO 12.º (Da Repartição de Informática) 1. A Repartição de Informática é o órgão executivo que, no quadro da orgânica da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, trata da formação no domínio de informática.

11 2. À Repartição de Informática compete nomeadamente: a) Promover na sua especialidade a formação e aperfeiçoamento profissional, mediante a realização de cursos para técnicos de informática, prestação de serviços de hardware e software: b) Desenvolver acções de assessoria e consultoria que lhe forem solicitadas com vista à racionalização e modernização do sector empresarial público e privado; c) Elaborar e propor planos de estudos e programação das acções de formação e de prestação de serviços; d) Propor estudos e experimentação de novas metodologias no âmbito da sua especialidade; e) Velar pelo grau de cumprimento da programação dos cursos, assim como a qualidade de ensino apresentado pelos formadores, inspeccionando com regularidade as suas actividades; f) Propor a realização de acções de formação pedagógica com vista a proporcionar aos formadores as metodologias mais actualizadas; g) Propor a elaboração, aquisição ou a produção dos meios didácticos de apoio aos cursos; h) Velar pela manutenção e segurança dos bens e equipamentos postos à sua disposição; i) Proceder estudos de prospecção de mercado com vista a determinar as necessidades de formação; j) Apresentar relatórios mensais e anuais das actividades desenvolvidas pela repartição ao longo do ano: k) Desempenhar as demais funções que lhe forem acometidas. 3. A Repartição de Informática estrutura se em: Secção Técnica.

12 4. Para a prossecução das suas competências, a Repartição de Informática poderá, quando as exigências funcionais o justificarem, ampliar o número das suas secções. 5. A repartição é dirigida por um chefe com categoria de chefe de repartição nacional, nomeado em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio. ARTIGO 13.º (Da Repartição do Comércio, Gestão e Administração) 1. A Repartição do Comércio, Gestão e Administração é o órgão executivo que, no quadro da orgânica da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, trata da formação nos domínios de comércio, administração e línguas estrangeiras. 2. À Repartição do Comércio. Gestão e Administração, compete nomeadamente: a) Promover na sua especialidade a formação e aperfeiçoamento profissional, mediante à realização de cursos, colóquios e seminários; b) Desenvolver acções de formação e assessoria técnica na área do comércio grossista e retalhista, contabilidade e finanças, gestão e administração de empresas. gestão de recursos humanos, gestão de stocks/aprovisionamento, operação e técnicas de importação, marketing, técnicas do comércio inglês (inicial, básico e intermédio) e francês: c) Elaborar e propor planos de estudos e programação das acções de formação e prestação de serviços; d) Propor estudos e experimentação de novas metodologias no âmbito da formação profissional; e) Velar pelo grau de cumprimento da programação dos cursos, assim como a qualidade de ensino apresentado pelos formadores, inspeccionando com regularidade as suas actividades; f)propor a realização de seminários pedagógicos (superação pedagógica ou formação específica) com vista a proporcionar aos formadores as metodologias mais actualizadas; g) Propor a elaboração, aquisição ou produção dos meios didácticos de apoio aos diferentes cursos; h) Velar pela manutenção e segurança dos bens e equipamentos postos à sua disposição;

13 i) Proceder estudos de prospecção de mercados com vista a determinar as necessidades de formação; j) Apresentar relatórios mensais e anuais das actividades desenvolvidas pela repartição ao longo do ano: k) Desempenhar outras actividades que lhe forem superiormente acometidas 3. Para a prossecução das suas competências, a Repartição do Comércio, Gestão e Administração poderá, quando as exigências funcionais o justificarem, ser estruturada em secções. 4. A repartição é dirigida por um chefe com a categoria de chefe de repartição nacional, nomeado em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio. ARTIGO 14.º (Da Repartição de Hotelarias e Turismo) (Pensão EscoIa de Luanda) 1. A Repartição de Hotelaria e Turismo é o órgão executivo que. no quadro da orgânica da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, trata da formação no domínio de hotelaria e turismo. 2. À Repartição de Hotelaria e Turismo compete nomeadamente: a) Promover na área de hotelaria a formação e aperfeiçoamento profissional, mediante a realização de cursos, colóquios e seminários: b) Desenvolver acções de prestação de serviços nas áreas de restaurante, hospedagem e turismo; c) Elaborar e propor planos de estudos e programação das acções e de prestação de serviços; d) Participar na elaboração do projecto previsional de receitas e despesas da Pensão Escola de Luanda em cada ano lectivo; e) Propor estudos e experimentação de novos segmentos que sirvam de base para ampliação dos seus serviços e negócios; f) Velar pelo grau do cumprimento da programação dos cursos, assim como a qualidade do ensino apresentado pelos formadores;

14 g) Propor a realização de acções de formação pedagógica de formadores; h) Propor a aquisição do material de exploração e bibliografia de apoio aos cursos e atendimento aos clientes; i) Apresentar relatórios mensais e anuais das actividades desenvolvidas pela repartição ao longo do ano: j) Velar pela manutenção e segurança dos bens e equipamentos postos sua disposição; k) Desempenhar as demais funções que lhe forem acometidas. 3. Para a prossecução das suas competências, a Repartição de Hotelaria e Turismo poderá, quando as exigências o justificarem, ser estruturada em secções. 4. A Repartição de Hotelaria e Turismo é dirigida por um chefe com a categoria de chefe de repartição nacional, nomeado em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio. ARTIGO 15.º (Da Repartição de Contabilidade e Finanças) 1. A Repartição de Contabilidade e Finanças é o órgão executivo que, no quadro da orgânica da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, trata da gestão administrativa, financeira e patrimonial. 2. À Repartição de Contabilidade e Finanças compete nomeadamente: a) Elaborar, em colaboração com o Departamento de Estudos, Planeamento e Estatística, o projecto de orçamento da escola; b) Dirigir e controlar a execução do orçamento anual, bem corno movimentar e contabilizar as receitas e despesas nos termos da legislação em vigor e das orientações metodológicas do Ministério, das Finanças; c) Fazer recebimentos, pagamentos e respectivos lançamentos contabilísticos, estudar e propor um sistema contabilístico para a gestão da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; d) Consolidar os planos de necessidades em bens de consumo corrente, móveis, utensílios e equipamentos dos diversos órgãos da escola, armazenagem e distribuição daqueles bens:

15 e) Coordenar e apoiar as actividades logísticas dos diversos órgãos da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; f)controlar e zelar os bens patrimoniais da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, estruturando sistematicamente e de forma actualizada os bens que constituem o seu património; g) Desempenhar as demais funções que lhe forem acometidas. 3. A Repartição de Contabilidade e Finanças poderá, quando as exigências o justificarem, ser estruturada em secções. 4. A Repartição de Contabilidade e Finanças é dirigida por um chefe com a categoria de chefe de repartição nacional, nomeado em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio. ARTIGO 16.º (Repartição de Recursos Humanos e Expediente Geral) 1. A Repartição de Recursos Humanos e Expediente Geral é o órgão executivo que, no quadro da orgânica da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, compete nomeadamente: a) Assegurar o expediente geral da «ENCO» Escola Nacional do Comércio: b) Assegurar a limpeza e segurança das instalações; c) Assegurar o funcionamento e manutenção do parque automóvel; d) Assegurar a informação necessária à correcta gestão do pessoal, submetendo a despacho os processos relativos ao recrutamento, selecção e provimento, bem como os respeitantes à promoção, recondução, nomeação e aposentação do pessoal da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; e) Elaborar e manter actualizado o cadastro do pessoal; f) Instruir os processos relativos à prestações sociais e outros abonos, dando lhes o devido seguimento; g) Desempenhar as demais funções que lhe forem acometidas.

16 2. A Repartição de Recursos Humanos e Expediente Geral poderá, quando as exigências o justificarem, ser estruturada em secções. 3. A Repartição de Recursos Humanos e Expediente Geral é dirigida por um chefe com a categoria de chefe de repartição nacional, nomeado em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio. SECÇÃO IV ÓRGÃOS PROVINCIAIS ARTIGO I7.º (Órgãos Provinciais) 1. São órgãos provinciais sob dependência da «ENCO» Escola Nacional do Comércio: a) Escola do Comércio de Benguela; b) Escola do Comércio de Cabinda; c) Escola do Comércio do Huambo. 2. As Escolas Provinciais do Comércio são órgãos dependentes, orgânica e administrativamente, da «ENCO» Escola Nacional do Comércio e metodologicamente do Instituto Nacional de Formação Profissional. 3. As Escolas Provinciais do Comércio têm por objecto fundamental contribuir, através da formação e de assessoria técnica, para a modernização do sector comercial público e privado e para a qualificação e actualização da capacidade técnica dos seus funcionários. No domínio da formação, contam com a orientação metodológica do INAFOP Instituto Nacional de Formação Profissional. 4. Para efeitos do número anterior, compete às Escolas Provinciais: a) Formar, superar e proceder à reciclagem técnico profissional dos funcionários do Ministério do Comércio e de particulares que solicitem os seus serviços;

17 b) Organizar e realizar cursos de nível básico, bem como outras acções de formação (simpósios, colóquios e seminários), tendo em vista a formação especializada, o aperfeiçoamento e actualização do pessoal ligado ao sector comercial público e privado do País: c) Realizar estudos de prospecção de mercados com vista a determinar as necessidades de formação nas áreas da sua especialidade; d) Realizar estudos no domínio das ciências e técnicas comerciais de acordo com a legislação comercial cm vigor, cm coordenação com as direcções especializadas do Ministério do Comércio. Instituto Nacional de Formação Profissional e as associações comerciais; e) Prestar assessoria técnica nas áreas da sua especialização; f) Prestar contas das suas actividades à direcção da «ENCO» Escola Nacional do Comércio, através de adequados instrumentos de divulgação dos resultados; g) Participar nos Conselhos de Direcção Alargados da «ENCO» Escola Nacional do Comércio; h) Desempenhar as demais funções que lhes forem acometidas. 5. As Escolas Provinciais referidas neste artigo terão a orgânica interna que vier a ser definida. 6. As Escolas Provinciais são dirigidas por directores provinciais com a categoria de chefes de departamento, nomeados em comissão de serviço pelo Ministro do Comércio sob proposta do director nacional.

18 CAPITULO III Do Pessoal Docente e Administrativo ARTIGO 18.º (Dos professores) 1. O professor é a máxima autoridade dentro da sala de aulas. 2. O pessoal docente subordina se ao chefe de repartição competente e, pontualmente, deve cumprir as normas que regulam e disciplinam a função pública e as estabelecidas no clausulado dos contratos individuais de trabalho. 3. Ao pessoal docente compete: a) Contribuir para a formação e realização integral dos formandos; b) Participar na organização e realização das actividades formativas; c) Gerir o processo de ensino e aprendizagem, aprovado pelo Conselho Técnico Pedagógico; d) Co responsabilizar se pela preservação e uso adequado das instalações e equipamentos e propor medidas de melhoramento e renovação; e) Empenhar se e concluir com êxito as acções de formação em que participar; f)assegurar a orientação profissional dos candidatos a formar. ARTIGO 19.º (Da estrutura de apoio à docência) 1. Sempre que tal justifique e de acordo com o desenvolvimento do processo docente, podem ser criadas, por proposta do chefe do Departamento Técnico Pedagógico, estruturas ou órgãos de apoio docente necessários ao funcionamento do processo. 2. As estruturas ou órgãos referidos no número anterior poderão ser coordenadores dos cursos, bibliotecas, áreas de reprodução, impressão e encadernação de brochuras, folhas técnicas, desenhos e outras.

19 ARTIGO 20.º (Do pessoal administrativo) 1. Aos trabalhadores da «ENCO» Escola Nacional do Comércio aplica se o regime jurídico dos funcionários e agentes da administração pública. 2. O quadro de pessoal da «ENCO» Escola Nacional do Comércio é o constante do anexo 1 do presente diploma, do qual faz parte integrante. CAPÍTULO IV Das Disposições Finais e Transitórias ARTIGO 21.º (Da regulamentação) 1. Todas as matérias de funcionamento interno dos órgãos da «ENCO» Escola Nacional do Comércio que não se encontrem expressamente regulamentadas no presente estatuto serão objecto de regulamentação interna. 2. O Conselho de Direcção da «ENCO» Escola Nacional do Comércio é o órgão competente para aprovar os regulamentos internos referidos no número anterior.

20 ANEXO 1 Quadro de pessoal a que se refere o artigo 20. do regulamento interno que o antecede: N.º de unidades Designação funcional 1 Direcção e chefia: 1 Director nacional 3 Chefes de departamento 7 Chefes de repartição 4 Chefes de secção Técnicos superiores: 1 Técnico superior de 1.º classe 2 Técnicos superiores de 2.º classe Técnicos médios: 2 Técnicos médios principais de 1.º classe. 2 Técnicos médios principais de 2.º classe. 6 Técnicos médios principais de 3.º classe. Pessoal administrativo: 1 Oficial administrativo principal 1 Terceiro oficial administrativo 5 Escriturárias dactilógrafas 2 Auxiliares administrativos de 1.º classe 3 Auxiliares administrativos de 2.º classe 2 Auxiliares de limpeza principais 1 Auxiliar de 2.º classe Pessoal auxiliar: 1 Motorista principal. 3 Cozinheiros de 1.º classe. 2 Lavadeiras de 1.º classe. 2 Empregados de mesa. 1 Operadora de máquina. 1 Estivador. 1 Empregado de serviços.

21 Organigrama da Escola Nacional do Comércio DIRECTOR CONSELHO TÉCNICO PEDAGÓGICO SECRETARIADO CONSELHO TÉCNICO PEDAGÓGICO DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO FINANCEIRO DEPARTAMENTO TÉCNICO PEDAGÓGICO DEPARTAMENTO DE ESTUDOS, PLANEAMENTO E ESTATISTICA Repartição de Contabilidade e Finanças Repartição de Recursos Humanos e Expediente Geral Repartição de Informática Repartição do Comércio, Gestão e Administração Repartição de Hotelaria e Turismo Repartição de Estudos e Planeam, Repartição do Comércio, Gestão e Administração Secção de Aprovisiona mento de Património Secção de Transporte e Manutenção Secção de Recursos Humanos e Expediente em geral Secção de Técnica Secção de Reprografia e Documentação ESCOLAS PROVINCIAIS Benguela Cabinda Huambo Luanda

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial.

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial. NOTA EXPLICATIVA 1. Introdução A recente alteração da legislação sobre a organização e funcionamento dos Institutos Públicos, pelo Decreto Legislativo Presidencial n.º 2/13, de 25 de Junho, que revoga

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro Ministério da Saúde Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro As mudanças que ocorrem no âmbito das transformações em curso no País principalmente a reforma geral da administração pública e a adopção da Lei de

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos Decreto Lei nº 7/97 Aprova o estatuto orgânico do Ministério da Juventude e Desportos e revoga toda a legislação que contrarie o presente decreto lei. Tornando se necessário

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério do Comercio é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução,

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Decreto-Lei n.º 4/09 de 18 de Maio A Lei Constitucional da República de Angola no seu artigo 24.º assegura que «todos os cidadãos têm o direito de viver num meio ambiente sadio e

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTERIO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL Missão 1. Ministério da Comunicação Social é o órgão do Governo encarregue de organizar e controlar a execução da

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito Artigo 1 (Denominação e natureza jurídica) O Arquivo Histórico de Moçambique,

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 5.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. Ministério das Obras Públicas

Leia mais

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA Decreto-Lei n.º 64/97 de 26 de Março O Decreto-Lei nº 64/97, de 26 de Março, foi revogado pelo Decreto-Lei nº 96/2003, de 07 de Maio, que

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Decreto Lei n.º 4/98 de 30 de Janeiro Considerando que o Decreto no 181 A/80 de 19 de Novembro, já não tem aplicabilidade no actual estágio de desenvolvimento socio económico e

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Ministério de Hotelaria e Turismo

Ministério de Hotelaria e Turismo Ministério de Hotelaria e Turismo CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério de Hotelaria e Turismo é o órgão do Governo que dirige, coordena e assegura a execução da política do

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Diploma Ministerial 7/2013

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Diploma Ministerial 7/2013 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Diploma Ministerial 7/2013 O Programa do V Governo Constitucional para a Legislatura 2012-2017, apresentado ao Parlamento Nacional em Setembro de 2012, atribui ao sector

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL PROJECTO DE ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL NOTA JUSTIFICATIVA O nível de organização

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias:

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias: Decreto-Lei 186/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997. REVOGADO A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e da Tecnologia, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 144/96, de 26 de Agosto, estabeleceu o quadro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO EXECUTIVO Nº / DE DE O Governo da República de Angola e a Assembleia Nacional aprovaram o quadro jurídico legal, que define um conjunto de iniciativas e acções de alcance

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto executivo n.º 131/06 de 3 de Novembro Considerando a necessidade de se regulamentar o funcionamento da Direcção Nacional para Acção Social Escolar. Considerando o disposto

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Lei de Alteração à Lei das Privatizações ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 8/03 de 18 de Abril Considerando que da interpretação e aplicação dos artigos 2.º e 3.º da Lei n.º 19/91, de

Leia mais

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau;

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau; REGULAMENTO DO CENTRO DE REFLEXÃO, ESTUDO, E DIFUSÃO DO DIREITO DE MACAU DA FUNDAÇÃO RUI CUNHA CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO E OBJECTIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Reflexão, Estudo, e Difusão do Direito

Leia mais

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização de Obras ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (157) A r t ig o 18 Reuniões do Colectivo de Direcção O Colectivo de Direcção reúne-se ordinariamente uma vez por semana e extraordinariamente quando convocado pelo Ar t ig o

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

Banco de Portugal EUROSISTEMA REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL

Banco de Portugal EUROSISTEMA REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL Tendo em conta: A lei orgânica do Banco de Portugal; As recomendações constantes do relatório do Fundo Monetário internacional relativo ao exercício

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 --------------------------------------------------------------------------------

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- ALTERAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL DO PARLAMENTO NACIONAL O

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 2562 DIÁRIO DA REPÚBLICA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 144/13 de 30 de Setembro Considerando que com a aprovação do Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/12, de 15 de Outubro, que aprova

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza)

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza) ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I Natureza e atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Assistência e Reinserção Social, adiante designado por MINARS

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO A criação de um sistema integrado de gestão da qualidade para as instituições de ensino superior resulta das melhores

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DA FACULDADE DE ENGENHARIA TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I ÂMBITO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE, PRINCÍPIOS E OBJECTIVOS Artigo 1 Âmbito 1. Ao abrigo do disposto

Leia mais

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11 4632 ORGANIGRAMA DIRECÇÃO CONSELHO DE DIRECÇÃO REPARTIÇÃO DOS SERVI- ÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO EREGISTO DE CADASTRO MINEIRO DE TOPOGRAFIA EDESENHO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social DECRETO EXECUTIVO Nº 69 /2007 De 22 de Junho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros)

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros) ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º (Natureza, Membros) 1. O Centro de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, também designado abreviadamente como

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 24/2012. instituto de apoio ao desenvolvimento empresarial (iade)

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 24/2012. instituto de apoio ao desenvolvimento empresarial (iade) REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 24/2012 instituto de apoio ao desenvolvimento empresarial (iade) O Ministério da Economia e Desenvolvimento tem levado a cabo um conjunto de reformas estruturais

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi)

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Investigação em Psicologia, adiante designado por Centro, é

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Estratégia da Comissão Nacional de Tecnologias de Informação Decreto nº. 6/02 de 4 de Abril Considerando que as tecnologias de informação constituem um elemento fundamental

Leia mais

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março O Decreto-Lei n.º 177/2000, de 9 de Agosto, veio atribuir autonomia administrativa aos tribunais superiores da ordem dos tribunais judiciais e da ordem dos tribunais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.º (Âmbito) Sem prejuízo do disposto

Leia mais

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação 13 DE JUNHO DE 2014 1281 b) Programar a actividade da unidade orgânica; c) Analisar e emitir pareceres sobre projectos, plano e orçamento das actividades e relatórios a submeter a nível superior; d) Proceder

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento da Direcção Nacional da Política Comercial do Ministério do Comércio. Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

BR Número 612 I SÉRIE-NÚMERO 52. Decreto n.º 50/2003. De 24 de Dezembro

BR Número 612 I SÉRIE-NÚMERO 52. Decreto n.º 50/2003. De 24 de Dezembro BR Número 612 I SÉRIE-NÚMERO 52 Decreto n.º 50/2003 De 24 de Dezembro Pelo Decreto n 18/99 de 4 de Maio, o Governo aprovou o Código da Propriedade Industrial de Moçambique, criando assim, no território

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais