ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA"

Transcrição

1 ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente designado por MESCT tem por missão propor a formulação, a condução, a execução e o controlo da política do Executivo nos domínios do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia. Artigo 2º (Atribuições) Na prossecução da sua missão, são atribuições do Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia: a) Propor e coordenar a implementação das políticas do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, bem como os respectivos modos de organização, financiamento e avaliação; b) Promover o desenvolvimento, a modernização, a qualidade, a competitividade e a avaliação do Subsistema de Ensino Superior, bem como do Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia; c) Estimular e desenvolver actividades nos domínios do ensino superior e da ciência e tecnologia no âmbito da agenda nacional e internacional, promovendo o desenvolvimento do ensino superior bem como difundir o conhecimento científico e tecnológico; d) Estimular e apoiar a formação e a qualificação de recursos humanos em áreas do ensino superior, da investigação científica e do desenvolvimento tecnológico; e) Propor e implementar as políticas de atribuição de bolsas de estudo internas e externas aos cidadãos nacionais para frequência de cursos de ensino superior; f) Promover a igualdade de oportunidades no acesso ao ensino superior e garantir uma alta qualificação profissional e científica; g) Promover, em articulação com outros ministérios, o desenvolvimento da capacidade tecnológica do país, da sociedade de informação e do conhecimento; h) Promover a articulação entre o subsistema de ensino superior e o Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia e entre estes com o sistema produtivo; 1

2 i) Promover e apoiar projectos de inovação tecnológica de interesse ao desenvolvimento do país; j) Promover, estimular e apoiar o estabelecimento de consórcios, redes e programas entre instituições de ensino superior, instituições de investigação científica; k) Promover, estimular e apoiar a criação de empresas abertas à inovação, à demonstração tecnológica e à investigação fundamental e aplicada; l) Coordenar acções de cooperação bilateral e multilateral, bem como assegurar os compromissos de Angola no plano regional e internacional, no domínio do ensino superior e da ciência e tecnologia sem prejuízo das atribuições próprias do Ministério das Relações Exteriores; m) Promover o desenvolvimento da cultura científica e tecnológica, estimulando e apoiando actividades de difusão, de informação e educação científica e de experimentação; n) Promover a observação permanente, a avaliação e a inspecção das instituições de ensino superior e das instituições que integram o Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia, nos termos da lei; o) Aprovar o calendário académico do subsistema de ensino superior e acompanhar a sua implementação; p) Assegurar a articulação e sequência do nível superior com os níveis precedentes do sistema de educação e exigir o cumprimento rigoroso dos critérios de acesso dos discentes; q) Propor a criação e o encerramento de instituições de ensino superior públicas, bem como a autorização de criação e de encerramento de instituições de ensino superior privadas e público-privadas; r) Aprovar a criação e o encerramento de cursos superiores; s) Promover a recolha, registo, protecção e desenvolvimento de conhecimento tradicional; t) Elaborar propostas com vista ao financiamento das instituições de ensino superior, bem como da actividade científica e tecnológica, observando as regras da sua aplicação; u) Estimular a participação da sociedade na implementação dos programas do Executivo nos domínios do ensino superior e da ciência e tecnologia; v) Zelar pela acreditação, supervisão, avaliação e salvaguarda dos mecanismos inerentes a qualidade e a protecção legal nos processos de transferência de tecnologia; w) Promover a politica de regulação do registo de obras científicas, patentes e direitos de autor, resultantes da investigação científica e inovação tecnológica; x) Organizar a Infra-Estrutura Nacional de Dados Geográficos do País através da compilação e produção de informação geográfica de apoio às instituições de ensino superior, de investigação científica e outras afins; 2

3 y) Exercer as demais actividades que lhe forem conferidas por lei e determinadas superiormente. CAPÍTULO II ORGANIZAÇÃO EM GERAL Artigo 3º (Estrutura Orgânica) 1. A estrutura orgânica do Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia compreende órgãos centrais de direcção superior, órgãos consultivos, serviços de apoio instrumental, de apoio técnico, serviços executivos centrais e órgãos tutelados. 2. Órgãos centrais de direcção superior: a) Ministro do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia; b) Secretário de Estado do Ensino Superior; c) Secretário de Estado da Ciência e Tecnologia. 3. Órgãos consultivos: a) Conselho Consultivo; b) Conselho de Direcção; c) Conselho Nacional das Instituições de Ensino Superior; d) Conselho Nacional da Ciência e Tecnologia. 4. Serviços de apoio instrumental: a) Gabinete do Ministro; b) Gabinete do Secretário de Estado do Ensino Superior; c) Gabinete do Secretário de Estado da Ciência e Tecnologia. 5. Serviços de apoio técnico: a) Secretaria-geral; b) Gabinete Jurídico; c) Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística; d) Gabinete de Intercâmbio e Relações Internacionais; e) Gabinete de Inspecção; f) Centro de Documentação e Informação. 6. Serviços executivos centrais: a) Direcção Nacional de Desenvolvimento e Expansão do Ensino Superior; b) Direcção Nacional de Formação Avançada; c) Direcção Nacional de Orientação Profissional e de Apoio ao Estudante; 3

4 d) Direcção Nacional de Investigação Científica; e) Direcção Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. 7. Órgãos tutelados: a) Instituto Nacional de Bolsas de Estudo; b) Instituto Nacional de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior; c) Centro Nacional de Investigação Científica; d) Centro Tecnológico Nacional; e) Fundo Nacional para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico; f) Instituto Nacional Regulador de Acreditação e de Transferência de Tecnologia; g) Instituto Nacional de Conhecimento Tradicional; h) Centro Nacional de Captação e Processamento de Imagens de Satélite CAPÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO ESPECÍFICA Secção I Órgão Central de Direcção Artigo 4º (Órgão Singular de Direcção) 1. O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia é dirigido pelo respectivo Ministro, que exerce poderes delegados pelo Presidente da República, na qualidade de titular do Poder Executivo. 2. No exercício das suas funções o Ministro é coadjuvado pelo Secretário de Estado do Ensino Superior e pelo Secretário de Estado da Ciência e Tecnologia, a quem subdelega competências para acompanhar, tratar e decidir sobre os assuntos relativos aos serviços que lhe forem afectos. 3. Nas suas ausências e impedimentos e sempre que julgue necessário, o Ministro subdelega o exercício das suas funções num dos Secretários de Estado por si indicado. 4

5 Artigo 5º (Competências do Ministro) 1. Ao Ministro na qualidade de Órgão Singular de Direcção do Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, na generalidade, compete dirigir e coordenar toda a actividade dos serviços do Ministério, bem como exercer poderes de superintendência e tutela sobre os órgãos sob sua dependência. 2. Ao Ministro do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia, compete em especial o seguinte : a) Dirigir a actividade do Ministério, velando pelo cumprimento das suas atribuições; b) Coordenar a implementação das políticas do executivo, nos domínios do ensino superior e da ciência e tecnologia; c) Exercer a supervisão, a coordenação, a fiscalização e orientação metodológica toda a sua actividade e o funcionamento dos órgãos e serviços que integram o Ministério; d) Assegurar o cumprimento das leis e regulamentos no âmbito da implementação das atribuições do Ministério; e) Representar o Ministério em todos os eventos nacionais e internacionais; f) Gerir o orçamento do Ministério; g) Nomear, empossar e exonerar o pessoal do Ministério; h) Propor planos de desenvolvimento de ensino superior e de ciência e tecnologia; i) Exercer os demais actos necessários ao normal exercício das suas funções e os que lhe forem conferidos por lei ou por decisão superior. Artigo 6º (Competências dos Secretários de Estado) 1. Os Secretários de Estado são coadjutores do Ministro no exercício das suas funções. 2. Compete aos Secretários de Estado: a) Apoiar o Ministro no desempenho das suas funções; b) Dar cumprimento as orientações do Ministro; c) Executar os demais actos e actividades que lhe forem subdelegados por despacho do Ministro; d) Substituir o Ministro nas suas ausências e impedimentos, por designação expressa deste. 5

6 SECÇÃO II Órgãos Consultivos Artigo 7º (Conselho de Direcção) 1. O Conselho de Direcção é o órgão de consulta, assessoria e apoio ao Ministro em matéria de planeamento, gestão, coordenação, orientação e disciplina dos serviços que integram o Ministério do Ensino Superior e Ciência e Tecnologia. 2. O Conselho de Direcção é presidido pelo Ministro e tem a seguinte composição: a) Secretários de Estado; b) Directores Nacionais e Equiparados; c) Directores Gerais dos Órgãos Tutelados d) Outras entidades que o Ministro entenda convidar. 3. O Conselho de Direcção rege-se por um regimento interno, a ser aprovado pelo Ministro. Artigo 8º (Conselho Consultivo) 1. O Conselho Consultivo é o órgão de consulta do Ministro, para análise das estratégias e políticas relativas ao desenvolvimento do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia. 2. O Conselho Consultivo é presidido pelo Ministro e tem a seguinte composição: a) Secretários de Estado; b) Directores Nacionais e Equiparados; c) Directores Gerais e Directores Gerais Adjuntos dos Serviços Tutelados; d) Chefes de Departamentos; e) Outras entidades que o Ministro entenda convidar. 3. O Conselho Consultivo rege-se por um regimento próprio a ser aprovado pelo Ministro. 6

7 Artigo 9º (Conselho Nacional das Instituições de Ensino Superior) 1. O Conselho Nacional das Instituições de Ensino Superior é o órgão consultivo do Ministro, para análise das principais questões relativas ao desenvolvimento do ensino superior. 2. O Conselho Nacional das Instituições de Ensino Superior é presidido pelo Ministro e tem a seguinte composição: a) Secretário de Estado do Ensino Superior; b) Reitores das Universidades e das Academias; c) Directores Gerais dos Institutos e Escolas Superiores; d) Associações de Docentes do Ensino Superior; e) Associações de Discentes do Ensino Superior; f) Associações de trabalhadores da área administrativa do Ensino Superior; g) Outras entidades que o Ministro entenda convidar. 3. O Conselho Nacional das Instituições de Ensino Superior rege-se por regimento próprio a ser aprovado pelo Ministro. Artigo 10º (Conselho Nacional da Ciência e Tecnologia) 1. O Conselho Nacional da Ciência e Tecnologia é o órgão consultivo do Ministro, para análise e definição de estratégias e políticas relativas ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia. 2. O Conselho Nacional da Ciência e Tecnologia é presidido pelo Ministro e tem a seguinte composição: a) Secretário de Estado da Ciência e Tecnologia; b) Directores Nacionais afectos aos domínios da ciência e tecnologia; c) Directores dos centros e institutos de investigação científica; d) Directores dos centros tecnológicos nacionais; e) Responsáveis pela área de investigação científica das instituições de ensino superior; f) Outras entidades que o Ministro entenda convidar. 3. O Conselho Nacional da Ciência e Tecnologia rege-se por um regimento próprio a ser aprovado pelo Ministro. 7

8 SECÇÃO III Órgãos de apoio instrumental Artigo 11º (Gabinetes do Ministro e dos Secretários de Estado) 1. Os Gabinetes do Ministro e dos Secretários de Estado, são serviços de apoio directo e pessoal que asseguram a actividade do Ministro e dos Secretários de Estado, no relacionamento com os diferentes órgãos e serviços do Ministério, com os demais órgãos da administração pública e com outras entidades públicas e privadas. 2. Aos Gabinetes do Ministro e dos Secretários de Estado, compete: a) Assegurar a recepção da correspondência destinada ao Ministro e respectivos Secretários de Estado; b) Remeter, após decisão superior, aos órgãos e serviços que integram o Minstério, à administração pública e a outras entidades públicas e privadas, os assuntos que mereçam o seu pronunciamento ou devam ser pelos mesmos acompanhados ou executados; c) Proceder ao controlo da documentação classificada destinada ao Ministro e respectivos Secretários de Estado; d) Organizar e preparar as audiências a serem concedidas pelo Ministro e pelos respectivos Secretários de Estado; e) Organizar e assegurar o apoio material e logístico necessário à realização das reuniões dos órgãos consultivos e demais encontros de trabalho, promovidos pelo Ministro; f) Preparar as deslocações do Ministro e respectivos Secretários de Estado; g) Desempenhar as demais funções que lhe sejam determinadas pelo Ministro e pelos respectivos Secretários de Estado. 3. Os Gabinetes do Ministro e dos Secretários de Estado têm a composição, atribuições, forma de provimento e categoria de pessoal definido pelo Decreto nº 26/97 de 4 de Abril, conjugado com o Decreto nº 68/02 de 29 de Outubro. 8

9 SECÇÃO IV Serviços de Apoio Técnico Artigo 12º (Secretaria - geral) 1. A Secretaria-geral é o serviço de apoio técnico que se ocupa da generalidade das questões administrativas comuns a todos os serviços do Ministério, em particular da gestão orçamental, do património e das relações públicas. 2. Compete à Secretaria- geral: a) Coordenar e controlar a execução do orçamento anual nos termos da legislação em vigor e das orientações metodológicas do Ministério das Finanças; b) Assegurar a elaboração do orçamento do Ministério, bem como acompanhar a sua execução; c) Coordenar e prestar apoio administrativo e logístico às actividades organizadas pelo Ministério; d) Promover de forma permanente e sistemática, o aperfeiçoamento das actividades administrativas e melhoria da produtividade dos serviços; e) Assegurar a recepção, distribuição, expedição e arquivo da correspondência geral do Ministério; f) Elaborar, propor e dinamizar medidas de carácter sócio-cultural, que visam o bem-estar dos funcionários afectos ao Ministério; g) Controlar e zelar pelos bens patrimoniais; h) Desempenhar as demais funções que lhe forem conferidas por lei ou determinadas superiormente; 3. A Secretaria-geral é dirigida por um Secretário-geral com a categoria de Director Nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Gestão do Orçamento; b) Departamento do Património; c) Departamento de Administração e Expediente Geral; d) Departamento de Relações Públicas e Protocolo; e) Departamento dos Recursos Humanos. 4. Os Departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamento. 9

10 Artigo 13º (Gabinete Jurídico) 1. O Gabinete Jurídico é um serviço de apoio técnico, ao qual cabe realizar e superintender toda a actividade de assessoria jurídica, produção de instrumentos jurídicos e estudo de matéria técnico-jurídica do sector do ensino superior e da ciência e tecnologia. 2. Ao Gabinete Jurídico compete: a) Emitir pareceres e prestar informações sobre os assuntos de natureza jurídica, relacionados com os domínios da actividade do Ministério; b) Elaborar projectos de diplomas legais e demais instrumentos jurídicos nos domínios do ensino superior e da ciência e tecnologia; c) Investigar e proceder a estudos de direito comparado, tendo em vista a elaboração ou aperfeiçoamento da legislação do ensino superior e da ciência e tecnologia; d) Apreciar os contenciosos em que os serviços do Ministério sejam parte; e) Elaborar estudos sobre a eficácia de diplomas legais e propor a respectiva alteração; f) Compilar a documentação de natureza jurídica necessária ao funcionamento do Ministério; g) Apoiar os serviços competentes do Ministro na concepção de procedimentos jurídicos adequados à implementação de acordos, de tratados, de contratos e de convenções; h) Exercer as demais actividades que lhe forem conferidas por lei e determinadas superiormente. 3. O Gabinete Jurídico é dirigido por Director com a categoria de Director nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento Técnico-Jurídico; b) Departamento de Produção Legislativa; c) Departamento de Contencioso. 4. Os Departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamento. 10

11 Artigo 14º (Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística) 1. O Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística é o serviço de apoio técnico de natureza transversal, em matéria de elaboração de estudos, planeamento e estatística do Ministério. 2. Ao Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística compete: a) Prestar apoio técnico em matéria de definição e estruturação das políticas, prioridades e objectivos do Ministério; b) Participar em actividades ligadas à elaboração de projectos, nos domínios específicos do Ministério e acompanhar a sua execução; c) Proceder ao diagnóstico do sistema de direcção, administração, gestão e planificação; d) Participar no estudo e na elaboração de propostas das linhas orientadoras da política do Ministério; e) Colaborar na elaboração do orçamento do Ministério, bem como acompanhar a sua execução; f) Acompanhar e avaliar a execução das políticas e programas do Ministério; g) Garantir a produção de informação adequada, designadamente a Estatística no quadro do sistema estatístico nacional, nas áreas de intervenção do Ministério; h) Definir os modelos e supervisionar o processo de construção e ampliação de infra-estruturas de ensino superior e de ciência e tecnologia, emitindo os pareceres correspondentes; i) Conceber, analisar, acompanhar e emitir pareceres sobre projectos de construção, reparação e ampliação de instituições de ensino superior e de centros de investigação; j) Desempenhar as demais funções que lhe forem conferidas por lei ou determinadas superiormente. 3. O Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística é dirigido por um Director, com categoria de Director Nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Estudos, Planeamento e Projectos; b) Departamento de Infra-estruturas, Equipamentos e Meios de Ensino; c) Departamento de Estatística. 4. Os Departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamento. 11

12 Artigo 15º (Gabinete de Intercâmbio e de Relações Internacionais) 1. O Gabinete de Intercâmbio e de Relações Internacionais é o serviço de apoio técnico que auxilia o Ministro no estabelecimento de relações com instituições internacionais nos domínios do ensino superior, da ciência e da tecnologia. 2. Ao Gabinete de Intercâmbio e de Relações Internacionais compete: a) Estabelecer e desenvolver relações de cooperação e de intercâmbio com organizações internacionais ligadas à actividade do Ministério; b) Elaborar propostas com vista a assegurar a participação de Angola nas actividades de organismos internacionais, nos domínios do ensino superior e da ciência e tecnologia; c) Assegurar e acompanhar o cumprimento das obrigações de Angola para com os organismos internacionais de que é membro, no domínio do ensino superior, ciência e tecnologia, sem prejuízo das atribuições próprias do Ministério das Relações Exteriores; d) Estudar e dinamizar a política de cooperação entre o Ministério e as entidades congéneres de outros países e organizações internacionais em colaboração com os demais organismos da administração central do Estado, sem prejuízo das atribuições próprias do Ministério das Relações Exteriores; e) Apresentar propostas relativas à ratificação de convenções internacionais relativas às matérias nos domínios do ensino superior, e da ciência e tecnologia; f) Desempenhar as demais funções que lhe forem acometidas por lei, regulamento ou por determinação superior. 3. O Gabinete de Intercâmbio e de Relações Internacionais é dirigido por um Director, com categoria de Director Nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Cooperação Bilateral; b) Departamento de Cooperação Multilateral; c) Departamento de Intercâmbio Multissectorial 4. Os Departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamentos. Artigo 16º (Gabinete de Inspecção) 1. O Gabinete de Inspecção é o serviço de apoio técnico encarregue da fiscalização da aplicação das políticas do Executivo para o subsistema de 12

13 ensino superior e para o sistema nacional de ciência e tecnologia, da apreciação da legalidade e da regularidade dos actos dos distintos serviços do Ministério, bem como das Instituições de ensino superior e das científicas e tecnológicas. 2. Ao Gabinete de Inspecção compete: a) Controlar o cumprimento das funções horizontais da organização e funcionamento dos serviços do Ministério, no que se refere à legalidade dos actos; b) Verificar a conformidade dos actos dos serviços do Ministério e dos órgãos tutelados com a legislação vigente; c) Efectuar o controlo geral do cumprimento das orientações metodológicas do Ministro ao nível dos órgãos sob sua tutela; d) Assegurar a relação com a Inspecção-Geral da Administração do Estado e demais órgãos de controlo, com vista a garantir a racionalidade e complementaridade das intervenções e conferir natureza sistemática ao controlo; e) Estabelecer programas e procedimentos necessários à realização de inspecções regulares; f) Promover a realização de inquéritos, sindicâncias, auditorias e demais actos inspectivos, julgados necessários para a observância da legislação em vigor ao nível dos órgãos e serviços do Ministério e nas instituições sob sua dependência; g) Informar aos órgãos competentes, dos resultados do seu trabalho e propor medidas de correcção que considere adequadas; h) Propor a institucionalização das formas de colaboração e coordenação com os serviços públicos, com competência para intervir no sistema de inspecção e fiscalização, ou na prevenção e repressão das respectivas infracções; i) Elaborar os relatórios das acções inspectivas e submeter à despacho superior, com os competentes processos devidamente organizados; j) Propor medidas de correcção e melhoria dos órgãos internos do Ministério, bem como das instituições tuteladas; k) Desempenhar as demais funções que lhe forem superiormente acometidas. 3. O Gabinete de Inspecção é dirigido por um Director Nacional com uma das categorias da carreira inspectiva e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Inspecção e Controlo; b) Departamento de Instrução Processual; c) Departamento de Auditoria. 13

14 4. Os Departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamento.com uma das categorias da carreira inspectiva. Artigo 17º (Centro de Documentação e Informação) 1. O Centro de Documentação e Informação é o serviço de apoio técnico do Ministério encarregue da recolha, da guarda e do tratamento da documentação, bem como da difusão de informação sobre o ensino superior e a ciência e tecnologia. 2. Compete ao Centro de Documentação e Informação: a) Recolher, coligir, anotar, guardar e disponibilizar a documentação e informação de interesse do Ministério; b) Conceber e executar uma estratégia de relacionamento com os órgãos de comunicação social, no sentido de divulgar as actividades desenvolvidas pelo Ministério; c) Conceber e assegurar a edição de boletins informativos sobre as actividades no domínio do ensino superior e da ciência e tecnologia; d) Assegurar a informatização dos serviços do Ministério; e) Inventariar o parque informático e planificar acções de manutenção e renovação de equipamentos; f) Emitir pareceres sobre propostas no âmbito de implementação de aplicativos informáticos; g) Conceber e desenvolver aplicativos para gestão dos diferentes serviços; h) Desempenhar as demais funções que lhe forem conferidas por lei ou determinadas superiormente. 3. O Centro de Documentação é dirigido por um chefe com a categoria de Director Nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Documentação e Informação; b) Departamento de Informática; c) Departamento de Comunicação e Imagem. 4. Os Departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamento. 14

15 SECÇÃO V Serviços Executivos Artigo 18º (Direcção Nacional de Desenvolvimento e Expansão do Ensino Superior) 1. A Direcção Nacional de Desenvolvimento e Expansão do Ensino Superior é o serviço executivo central encarregue de efectuar estudos para a política de desenvolvimento e expansão do ensino superior, assim como monitorar o processo de criação de cursos de graduação e de instituições de ensino superior. 2. À Direcção Nacional de Desenvolvimento e Expansão do Ensino Superior compete: a) Realizar estudos que visam o desenvolvimento do ensino Superior através da expansão da rede de instituições de ensino e de abertura de novos cursos de formação graduada; b) Preparar e executar, sem prejuízo da autonomia dos estabelecimentos do ensino superior, as decisões que cumpre ao Ministério tomar, no que respeita aos cursos de formação graduada; c) Emitir pareceres sobre projectos de criação de instituições de ensino superior e cursos de graduação; d) Acompanhar as actividades das instituições de ensino superior em conformidade com as orientações metodológicas no domínio do ensino, investigação científica e extensão universitária ao nível da formação graduada; e) Coordenar as acções relativas ao acesso e ingresso nos cursos de formação graduada; f) Acompanhar o funcionamento da rede de instituições de ensino superior e sugerir medidas tendentes à sua eficácia e consolidação; g) Pronunciar-se sobre a viabilidade de projectos respeitantes à expansão do ensino superior; h) Pronunciar-se a respeito de relatórios, programas e planos de desenvolvimento das instituições de ensino superior; i) Acompanhar as necessidades de qualificação e adequação das instalações e equipamentos para os cursos de formação graduada; j) Promover a divulgação dos resultados das actividades de formação graduada; 15

16 k) Promover o intercâmbio entre organismos internacionais congéneres ligados à formação graduada e outros afins; l) Desempenhar as demais funções que lhe forem conferidas por lei ou determinadas superiormente. 3. A Direcção Nacional de Desenvolvimento e Expansão do Ensino Superior é dirigida por um Director Nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Acompanhamento da Formação Graduada; b) Departamento de Expansão da Formação Graduada. 4. Os Departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamentos. Artigo 19º (Direcção Nacional de Formação Avançada) 1. A Direcção Nacional de Formação Avançada é o serviço executivo central encarregue da promoção e do acompanhamento da formação a nível da pós-graduação académica e profissional nas instituições do ensino superior. 2. À Direcção Nacional de Formação Avançada compete: a) Realizar estudos que visam a abertura de cursos de formação avançada; b) Emitir pareceres sobre a criação de cursos de formação avançada; c) Preparar e executar, sem prejuízo da autonomia dos estabelecimentos de ensino superior, as decisões que cumpre ao Ministério tomar no que respeita à formação avançada; d) Assegurar o cumprimento das normas relativas ao acesso e ingresso à formação avançada; e) Acompanhar as necessidades de qualificação e adequação das instalações e equipamentos para os cursos da formação avançada; f) Emitir pareceres sobre projectos de investigação a desenvolver no âmbito da implementação de cursos de formação avançada; g) Promover a divulgação dos resultados e da formação avançada; h) Promover o intercâmbio entre organismos internacionais congéneres ligados a formação avançada e outros afins; i) Desempenhar as demais funções que lhe forem conferidas por lei ou superiormente determinadas. 16

17 3. A Direcção Nacional de Formação Avançada é dirigida por um Director Nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Acompanhamento da Formação Avançada; b) Departamento de Expansão da Formação Avançada. 4. Os Departamentos referidos no número anterior são dirigidos por chefes de departamentos. Artigo 20º (Direcção Nacional de Orientação Profissional e de Apoio aos Estudantes) 1. A Direcção Nacional de Orientação Profissional e Apoio aos Estudantes é o serviço encarregue de promover acções para orientar e acompanhar os estudantes na sua inserção no ensino superior, bem como a sua integração profissional e ainda implementar acções que visam assegurar o apoio social diversificado aos estudantes das instituições de ensino superior. 2. À Direcção Nacional de Orientação Profissional e Apoio aos Estudantes compete: a) Promover acções de orientação profissional dos estudantes de modo a assegurar uma inserção bem sucedida no ensino superior; b) Implementar e supervisionar a execução da política de acção e apoio social ao estudante do ensino superior; c) Acompanhar as necessidades de qualificação e adequação das instalações e equipamentos para a implementação da acção social; d) Promover acções para fins de investigação científica e prestação de serviços nos domínios da orientação vocacional e profissional; e) Promover a realização de estágios pelas instituições de ensino superior e outras formas de contacto com o mundo do trabalho; f) Promover a divulgação de informação actualizada sobre os diversos cursos ministrados no Subsistema do Ensino Superior, bem como a divulgação das diferentes modalidades de ensino para o prosseguimento de estudos; g) Promover estudos que visam direccionar profissionalmente os estudantes do ensino superior; h) Promover acções de integração profissional dos estudantes; i) Promover o sucesso e mérito académico dos estudantes do ensino superior; j) Conceber programas especiais de apoio social dirigidos aos estudantes mais carenciados e portadores de deficiência física; 17

18 k) Elaborar normas metodológicas que regulem o funcionamento de lares, refeitórios, cantinas, livrarias e papelarias afectos às instituições de ensino superior; l) Fomentar actividades extra-académicas nos domínios da educação patriótica, cultura, desporto e recreação; m) Promover o intercâmbio entre organismos internacionais congéneres ligados a prestação de apoio aos estudantes e outros afins; n) Desempenhar as demais funções que lhe forem conferidas por lei ou superiormente determinadas. 3. A Direcção Nacional de Orientação Profissional e Apoio aos Estudantes é dirigida por um Director Nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Orientação e Integração Profissional; b) Departamento de Apoio aos Estudantes. 4. Os Departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamento. Artigo 21º (Direcção Nacional de Investigação Científica) 1. A Direcção Nacional de Investigação Científica é o serviço executivo central do Ministério encarregue da formulação de políticas de fomento e de apoio à investigação científica fundamental e aplicada. 2. À Direcção Nacional de Investigação Científica compete: a) Propor políticas e programas de apoio à investigação científica; b) Acompanhar aplicação das políticas do Executivo sobre a investigação científica; c) Promover a criação de instituições de investigação científica; d) Fomentar, promover e apoiar a realização de congressos, conferências e jornadas científicas; e) Promover e apoiar a efectivação de programas, acções ou actividades que visam divulgar os êxitos da ciência, tecnologia e inovação; f) Promover a cultura científica e o ensino das ciências no sistema educativo nacional e na sociedade em geral; g) Promover a identificação talentos para iniciação à investigação científica e inovação tecnológica; h) Promover o intercâmbio entre organismos internacionais congéneres e outros afins; i) Efectuar o levantamento e actualizar o potencial científico nacional; 18

19 j) Desempenhar as demais funções que lhe forem conferidas por lei ou determinadas superiormente. 3. A Direcção Nacional de Investigação Científica é dirigida por um Director Nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Fomento à Investigação Científica; b) Departamento de Apoio e de Divulgação Científica. 4. Os departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamentos. Artigo 22º (Direcção Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação) 1. A Direcção Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação é o serviço do Ministério encarregue da formulação de políticas de fomento e de programas de apoio ao desenvolvimento tecnológico e inovação. 2. À Direcção Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação compete: a) Propor políticas e promover programas de apoio ao desenvolvimento tecnológico; b) Emitir pareceres sobre projectos de criação de instituições de desenvolvimento tecnológico; c) Proceder ao cadastramento e acompanhamento dos inventores e criadores; d) Apoiar programas e projectos de desenvolvimento tecnológico; e) Dinamizar a criação de parques tecnológicos; f) Fomentar a realização de feiras e mostras na área das tecnologias; g) Elaborar programas de acompanhamento da evolução tecnológica global, tendo em vista a concepção de estratégias de inserção de Angola nesse âmbito; h) Assegurar a inventariação e preservação do património tecnológico nacional; i) Promover o intercâmbio entre organismos internacionais congéneres ligados ao desenvolvimento tecnológico e a inovação e outros afins; j) Desempenhar as demais funções que lhe sejam conferidas por lei ou determinadas superiormente. 3. A Direcção Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação é dirigida por um Director Nacional e tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Desenvolvimento Tecnológico; b) Departamento de Promoção da Inovação. 19

20 4. Os departamentos previstos no número anterior são dirigidos por chefes de departamento. SECÇÃO VI Órgãos tutelados Artigo 23º (Instituto Nacional de Bolsas de Estudo) 1. O Instituto Nacional de Bolsas de Estudo é o órgão do Ministério encarregue de apoiar o Ministro na execução da política nacional de bolsas de estudo destinadas a apoiar a frequência do Ensino Superior no país e no exterior. 2. O Instituto Nacional de Bolsas de Estudo goza de personalidade jurídica própria e de autonomia administrativa, financeira e patrimonial e rege-se pelo respectivo estatuto orgânico. 3. O Instituto Nacional de Bolsas de Estudo é dirigido por um Director Geral, coadjuvado por dois Directores Gerais Adjuntos. Artigo 24º (Instituto Nacional de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior) 1. O Instituto Nacional de Avaliação e Acreditação é o órgão do Ministério encarregue de promover e monitorar a qualidade dos serviços prestados pelas instituições de ensino superior, bem como a certificação de estudos superiores feitos no país e reconhecimento de estudos e emissão de equivalências de cursos feitos no exterior do país. 2. O Instituto Nacional de Avaliação e Acreditação goza de personalidade jurídica própria e de autonomia administrativa, financeira e patrimonial e rege-se pelo respectivo estatuto orgânico. 3. O Instituto Nacional de Avaliação e Acreditação é dirigido por um Director Geral coadjuvado por dois Directores Gerais Adjuntos. 20

21 Artigo 25º (Centro Nacional de Investigação Científica) 1. O Centro Nacional de Investigação Científica, é o órgão do Ministério encarregue da realização de actividades de investigação científica de natureza pluridisciplinar. 2. O Centro Nacional de Investigação Científica goza de personalidade jurídica própria e de autonomia administrativa, financeira e patrimonial e rege-se pelo respectivo estatuto orgânico. 3. O Centro Nacional de Investigação Científica é dirigido pelo Director Geral coadjuvado por dois Directores Gerais Adjuntos. Artigo 26º (Centro Tecnológico Nacional) 1. O Centro Tecnológico Nacional é o órgão do Ministério encarregue da realização de actividades de investigação e desenvolvimento experimental nas áreas tecnológicas. 2. O Centro Tecnológico Nacional goza de personalidade jurídica própria e de autonomia administrativa, financeira e patrimonial e rege-se pelo respectivo estatuto orgânico. 3. O Centro Tecnológico Nacional é dirigido por um Director Geral coadjuvado por dois Directores Gerais Adjuntos. Artigo 27º (Fundo Nacional para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico) 1. O Fundo Nacional para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico é o órgão do Ministério encarregue pela captação de recursos para apoio a projectos de investigação científica e de inovação tecnológica. 2. O Fundo Nacional para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico goza de personalidade jurídica própria e de autonomia administrativa, financeira e patrimonial e rege-se pelo respectivo estatuto orgânico. 3. O Fundo Nacional para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico é dirigido por um Director Geral coadjuvado por dois Directores Gerais Adjuntos. 21

22 Artigo 28º (Instituto Nacional Regulador de Acreditação e de Transferência de Tecnologia) 1. O Instituto Nacional Regulador de Acreditação e de Transferência de Tecnologia é o órgão do Ministério encarregue de promover, monitorar e avaliar a qualidade dos serviços das instituições de investigação, bem como proceder a acreditação de tecnologias e zelar pelo registo de obras científicas, patentes e direitos de autor, resultantes da investigação e/ou da transferência de tecnologias. 2. O Instituto Nacional Regulador de Acreditação e de Transferência de Tecnologia goza de personalidade jurídica própria e de autonomia administrativa, financeira e patrimonial e rege-se pelo respectivo estatuto orgânico. 3. O Instituto Nacional Regulador de Acreditação e de Transferência de Tecnologia é dirigido por um Director Geral coadjuvado por dois Directores Gerais Adjuntos. Artigo 29º (Instituto Nacional de Conhecimento Tradicional) 1. O Instituto Nacional de Conhecimento Tradicional é o órgão do Ministério encarregue de promover a recolha, a certificação e o registo de conhecimentos tradicionais considerados socialmente úteis. 2. O Instituto Nacional de Conhecimento Tradicional goza de personalidade jurídica própria e de autonomia administrativa, financeira e patrimonial e rege-se pelo respectivo estatuto orgânico. 3. O Instituto Nacional de Conhecimento Tradicional é dirigido por Director Geral coadjuvado por dois Directores Gerais Adjuntos. Artigo 30º (Centro Nacional de Captação e Processamento de Imagens de Satélite) 1. O Centro Nacional de Captação e Processamento de Imagens de Satélite é o órgão do Ministério encarregue de promover a captação, monitorar e processar imagens espaciais de apoio a actividades científico e tecnológico. 22

23 2. O Centro Nacional de Captação e Processamento de Imagens de Satélite goza de personalidade jurídica própria e de autonomia administrativa, financeira e patrimonial e rege-se pelo respectivo estatuto orgânico. 3. O Centro Nacional de Captação e Processamento de Imagens de Satélite é dirigido por um Director Geral coadjuvado por dois Directores Gerais Adjuntos. SECÇÃO VII SERVIÇOS LOCAIS Artigo 31º (Serviços Locais) A representação do Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia nas províncias é assegurada nos termos da legislação em vigor. CAPÍTULO IV DO PESSOAL Artigo 32º (Quadro de Pessoal e Organigrama) 1. O quadro de pessoal e o organigrama dos serviços centrais do Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia é o constante dos quadros I, II, III, IV, V e VI anexos ao presente estatuto orgânico do qual são parte integrante. 2. O quadro de pessoal referido no número anterior é adequado nos termos da legislação em vigor, que regula o quadro do regime geral da função pública e os quadros privativos ou de regime especial para os funcionários de carreira de regime especial. CAPÍTULO V DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Artigo 33º (Quadro de Pessoal Transitório) 1. O quadro privativo da carreira docente do ensino não superior constante do quadro IV, estabelecido no artigo anterior, deverá ser extinto no prazo de seis (6) meses, após publicação do presente diploma. 23

24 2. O pessoal afecto ao quadro privativo da carreira docente do ensino não superior, deve ser transferido para as categorias constantes do quadro do regime geral da função pública ou para os quadros privativos ou de regime especial para os funcionários de carreira de regime especial, no decurso do prazo estabelecido no número anterior. Artigo 34º (Orçamento) O Ministério do Ensino Superior e Ciência e Tecnologia, dispõe de Orçamento próprio para o seu funcionamento, cuja Gestão obedece às regras estabelecidas na legislação em vigor. Artigo 35º (Regulamentos) Os Serviços Executivos Centrais bem como os Serviços de Apoio Instrumental e de Apoio Técnico do Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia regem-se por regulamento internos a serem aprovados pelo Ministro, no prazo de 90 dias após a publicação do presente diploma. Artigo 36º (Estrutura Interna) Os serviços internos do Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia são estruturados nos termos da legislação em vigor, devendo as secções serem criadas nos casos devidamente justificadas. 24

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Decreto-Lei n.º 4/09 de 18 de Maio A Lei Constitucional da República de Angola no seu artigo 24.º assegura que «todos os cidadãos têm o direito de viver num meio ambiente sadio e

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza)

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza) ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I Natureza e atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Assistência e Reinserção Social, adiante designado por MINARS

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério do Comercio é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

Ministério de Hotelaria e Turismo

Ministério de Hotelaria e Turismo Ministério de Hotelaria e Turismo CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério de Hotelaria e Turismo é o órgão do Governo que dirige, coordena e assegura a execução da política do

Leia mais

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro Ministério da Saúde Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro As mudanças que ocorrem no âmbito das transformações em curso no País principalmente a reforma geral da administração pública e a adopção da Lei de

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos Decreto Lei nº 7/97 Aprova o estatuto orgânico do Ministério da Juventude e Desportos e revoga toda a legislação que contrarie o presente decreto lei. Tornando se necessário

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL PROJECTO DE ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL NOTA JUSTIFICATIVA O nível de organização

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 2562 DIÁRIO DA REPÚBLICA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 144/13 de 30 de Setembro Considerando que com a aprovação do Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/12, de 15 de Outubro, que aprova

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial.

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial. NOTA EXPLICATIVA 1. Introdução A recente alteração da legislação sobre a organização e funcionamento dos Institutos Públicos, pelo Decreto Legislativo Presidencial n.º 2/13, de 25 de Junho, que revoga

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTERIO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL Missão 1. Ministério da Comunicação Social é o órgão do Governo encarregue de organizar e controlar a execução da

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito Artigo 1 (Denominação e natureza jurídica) O Arquivo Histórico de Moçambique,

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Decreto Lei n.º 4/98 de 30 de Janeiro Considerando que o Decreto no 181 A/80 de 19 de Novembro, já não tem aplicabilidade no actual estágio de desenvolvimento socio económico e

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

BR Número 612 I SÉRIE-NÚMERO 52. Decreto n.º 50/2003. De 24 de Dezembro

BR Número 612 I SÉRIE-NÚMERO 52. Decreto n.º 50/2003. De 24 de Dezembro BR Número 612 I SÉRIE-NÚMERO 52 Decreto n.º 50/2003 De 24 de Dezembro Pelo Decreto n 18/99 de 4 de Maio, o Governo aprovou o Código da Propriedade Industrial de Moçambique, criando assim, no território

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO A criação de um sistema integrado de gestão da qualidade para as instituições de ensino superior resulta das melhores

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (157) A r t ig o 18 Reuniões do Colectivo de Direcção O Colectivo de Direcção reúne-se ordinariamente uma vez por semana e extraordinariamente quando convocado pelo Ar t ig o

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11 4632 ORGANIGRAMA DIRECÇÃO CONSELHO DE DIRECÇÃO REPARTIÇÃO DOS SERVI- ÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO EREGISTO DE CADASTRO MINEIRO DE TOPOGRAFIA EDESENHO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros)

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros) ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º (Natureza, Membros) 1. O Centro de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, também designado abreviadamente como

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

5924 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 230/12 de 3 de Dezembro

5924 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 230/12 de 3 de Dezembro 5924 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 230/12 de 3 de Dezembro Considerando a necessidade de se adequar a estrutura actual do Ministério da Geologia e Minas ao contexto imposto pela nova orgânica

Leia mais

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias:

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias: Decreto-Lei 186/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997. REVOGADO A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e da Tecnologia, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 144/96, de 26 de Agosto, estabeleceu o quadro

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 30 10 de fevereiro de 2012 661 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 6/2012 de 10 de fevereiro Primeira alteração à Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro, que cria o regime jurídico

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7941 nestas áreas não forem criados serviços locais de saúde mental nos termos do presente diploma; b) Disponibilizar respostas de âmbito regional

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social DECRETO EXECUTIVO Nº 69 /2007 De 22 de Junho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação 13 DE JUNHO DE 2014 1281 b) Programar a actividade da unidade orgânica; c) Analisar e emitir pareceres sobre projectos, plano e orçamento das actividades e relatórios a submeter a nível superior; d) Proceder

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO EXECUTIVO Nº / DE DE O Governo da República de Angola e a Assembleia Nacional aprovaram o quadro jurídico legal, que define um conjunto de iniciativas e acções de alcance

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau;

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau; REGULAMENTO DO CENTRO DE REFLEXÃO, ESTUDO, E DIFUSÃO DO DIREITO DE MACAU DA FUNDAÇÃO RUI CUNHA CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO E OBJECTIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Reflexão, Estudo, e Difusão do Direito

Leia mais

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Lei n.º 1/2003, de 6 de Janeiro APROVA O REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E DA QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Diploma Ministerial 7/2013

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Diploma Ministerial 7/2013 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Diploma Ministerial 7/2013 O Programa do V Governo Constitucional para a Legislatura 2012-2017, apresentado ao Parlamento Nacional em Setembro de 2012, atribui ao sector

Leia mais