MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SUBSECRETARIA-GERAL DO SERVIÇO EXTERIOR RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SUBSECRETARIA-GERAL DO SERVIÇO EXTERIOR RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SUBSECRETARIA-GERAL DO SERVIÇO EXTERIOR RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 Relatório de Gestão do exercício de 2011 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas ordinárias anual a que esta Unidade está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da Instrução Normativa TCU nº 63/2010, da Decisão Normativa TCU nº 117/2011 e da Portaria-TCU nº 123/2011 e das orientações do órgão de controle interno. Brasília, março/2012

2 SUMÁRIO 1 INFORMAÇÕES DE IDENTIFICAÇÃO DA SUBSECRETARIA-GERAL DO SERVIÇO EXTERIOR INFORMAÇÕES SOBRE O PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DA SGEX, CONSIDERANDO O ATINGIMENTO DOS OBJETIVOS E METAS FÍSICAS E FINANCEIRAS, BEM COMO AS AÇÕES ADMINISTRATIVAS CONSUBSTANCIADAS EM PROJETOS E ATIVIDADE4 2.1) Responsabilidades institucionais da SGEX ) Estratégias de atuação frente às responsabilidades institucionais ) Programas de Governo sob a responsabilidade do SGEX ) Desempenho Orçamentário e Financeiro INFORMAÇÕES SOBRE O RECOLHIMENTO DE PASSIVOS POR INSUFICIÊNCIA DE CRÉDITOS OU RECURSOS INFORMAÇÕES SOBRE A MOVIMENTAÇÃO E OS SALDOS DE RESTOS A PAGAR DE EXERCÍCIOS ANTERIORES INFORMAÇÕES SOBRE RECURSOS HUMANOS DA UNIDADE...7 a) Composição do quadro de servidores ativos...7 c) Composição do quadro de estagiários...10 d) Custos associados à manutenção de recursos humanos...7 e) Locação de mão de obra mediante contratos de prestação de serviços...10 f) Indicadores gerenciais sobre recursos humanos INFORMAÇÃO SOBRE AS TRANSFERÊNCIAS MEDIANTE CONVÊNIO, CONTRATO DE REPASSE, TERMO DE PARCERIA, TERMO DE COOPERAÇÃO, TERMO DE COMPROMISSO OU OUTROS ACORDOS, AJUSTES OU INSTRUMENTOS CONGÊNERES, VIGENTES NO EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA DECLARAÇÃO DA ÁREA RESPONSÁVEL ATESTANDO QUE AS INFORMAÇÕES REFERENTES A CONTRATOS E CONVÊNIOS OU OUTROS INSTRUMENTOS CONGÊNERES ESTÃO DISPONÍVEIS E ATUALIZADAS, RESPECTIVAMENTE, NO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS SIASG E NO SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS, CONTRATOS DE REPASSE E TERMOS DE PARCERIA SICONV, CONFORME ESTABELECE O ARTIGO 19 DA LEI / INFORMAÇÕES SOBRE O CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES ESTABELECIDAS NA LEI 8.730/1993, RELACIONADAS À ENTREGA E AO TRATAMENTO DAS DECLARAÇÕES DE BENS E RENDAS INFORMAÇÕES SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO INFORMAÇÕES QUANTO À ADOÇÃO DE CRITÉRIOS DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA AQUISIÇÃO DE BENS, MATERIAIS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) E NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS OU OBRAS INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DO PATRIMÔNIO IMOBILIÁRIO DE RESPONSABILIDADE DA SGEX, CLASSIFICADO COMO BENS DE USO ESPECIAL, DE PROPRIEDADE DA UNIÃO OU LOCADO DE TERCEIROS INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) DA SGEX INFORMAÇÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE CARTÕES DE PAGAMENTO DO GOVERNO FEDERAL, OBSERVANDO-SE AS DISPOSIÇÕES DOS DECRETOS 5.355/2005 E 6.370/ INFORMAÇÕES SOBRE RENÚNCIA TRIBUTÁRIA INFORMAÇÕES SOBRE AS PROVIDÊNCIAS ADOTADAS PARA ATENDER ÀS DELIBERAÇÕES EXARADAS EM ACÓRDÃOS DO TCU OU EM RELATÓRIOS DE AUDITORIA DO ÓRGÃO DE CONTROLE INTERNO OU JUSTIFICATIVAS PARA O NÃO CUMPRIMENTO INFORMAÇÕES SOBRE O TRATAMENTO DAS RECOMENDAÇÕES REALIZADAS PELA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO, APRESENTANDO JUSTIFICATIVAS PARA O CASO DE NÃOACATAMENTO OUTRAS INFORMAÇÕES CONSIDERADAS RELEVANTES

3 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS CDO - Coordenação-Geral de Documentação Diplomática CGPLAN - Coordenação-Geral de Planejamento Administrativo CGU Controladoria-Geral da União CISET - Secretaria de Controle Interno CMOR - Coordenação-Geral de Modernização COF - Coordenação-Geral de Orçamento e Finanças CPAT - Coordenação de Patrimônio DA - Departamento de Administração DAEX - Divisão de Acompanhamento e Coordenação Administrativa dos Postos no Exterior DCD - Departamento de Comunicações e Documentação DN Decisão Normativa DP - Divisão do Pessoal DPAG - Divisão de Pagamentos DSE - Departamento do Serviço Exterior DSG - Divisão de Serviços Gerais IN Instrução Normativa DTA - Divisão de Treinamento e Aperfeiçoamento LOA Lei Orçamentária Anual MRE Ministério das Relações Exteriores Port. Portaria RG Relatório de gestão RISE Regimento Interno da Secretaria de Estado SAMS - Serviço de Assistência Médica e Social SERE Secretaria de Estado das Relações Exteriores SGEX Subsecretaria-Geral do Serviço Exterior TCU Tribunal de Contas da União 2

4 MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SUBSECRETARIA-GERAL DO SERVIÇO EXTERIOR UNIDADE GESTORA / RELATÓRIO DE GESTÃO (EXERCÍCIO DE 2011) 1 INFORMAÇÕES DE IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE JURISDICIONADA QUADRO A IDENTIFICAÇÃO DA UJ RELATÓRIO DE GESTÃO INDIVIDUAL Poder e Órgão de Vinculação Poder: Executivo Órgão de Vinculação: Ministério das Relações Exteriores Código SIORG: Identificação da Unidade Jurisdicionada consolidadora Denominação completa: Subsecretaria-Geral do Serviço Exterior Denominação abreviada: SGEX Código SIORG: Código LOA: MRE Código SIAFI: Situação: ativa Natureza Jurídica: Órgão Público do Poder Executivo Federal Principal Atividade: Administração (Pessoal, Patrimonial, Orçamentária e Financeira) Código CNAE: Telefones/Fax de contato: (061) (061) (061) Página na Internet: Endereço Postal: Ministério das Relações Exteriores, Esplanada dos Ministérios, Bloco H, Anexo I, 2 andar, CEP: , Brasília-DF. Normas relacionadas às Unidades Jurisdicionadas Normas de criação e alteração das Unidades Jurisdicionadas Decreto n , de 22 de setembro de 2010, que aprovou a Estrutura Regimental da Secretaria de Estado das Relações Exteriores; Manual de Patrimônio e Inventário Revisão 2006 Outras normas infralegais relacionadas à gestão e estrutura das Unidades Jurisdicionadas Portaria nº 212, de 30 de abril de 2008, que publicou o Regimento Interno da Secretaria de Estado das Relações Exteriores (RISE), publicada no Diário Oficial da União de 6 de maio de Manuais e publicações relacionadas às atividades das Unidades Jurisdicionadas Administração dos Postos - GAP 2008; Manual de Patrimônio e Inventário - Revisão 2006; Diário Oficial da União. Unidades Gestoras e Gestões Relacionadas às Unidades Jurisdicionadas Unidades Gestoras Relacionadas às Unidades Jurisdicionadas Código SIAFI Nome Coordenação-Geral de Orçamento e Finanças Departamento de Comunicações e Documentação Departamento do Serviço Exterior Divisão de Serviços Gerais Não aplicável. Coordenação-Geral de Licitações Coordenação de Patrimônio Gestões relacionadas às Unidades Jurisdicionadas Código SIAFI Nome Coordenação-Geral de Orçamento e Finanças 3

5 00001 Coordenação de Patrimônio Divisão de Serviços Gerais Departamento do Serviço Exterior Departamento de Comunicações e Documentação Relacionamento entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Unidade Gestora Código SIAFI da Gestão Não aplicável. Não aplicável. 2 INFORMAÇÕES SOBRE O PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DA UNIDADE, CONSIDERANDO O ATINGIMENTO DOS OBJETIVOS E METAS FÍSICAS E FINANCEIRAS, BEM COMO AS AÇÕES ADMINISTRATIVAS CONSUBSTANCIADAS EM PROJETOS E ATIVIDADES 2.1. Responsabilidades institucionais da unidade Competência Compete à Subsecretaria-Geral do Serviço Exterior (SGEX): (I) assessorar o Secretário- Geral das Relações Exteriores no trato de todos os aspectos administrativos relacionados com a execução da política exterior; (II) coordenar a execução de política administrativa do Ministério das Relações Exteriores. À Coordenação-Geral de Orçamento e Finanças (COF), subordinada à SGEX, compete (I) orientar as Unidades Gestoras na apresentação das necessidades orçamentárias anuais; (II) descentralizar créditos orçamentários e recursos financeiros às Unidades Gestoras e coordenar sua execução de despesas; (III) realizar estudos para instruir decisões sobre as 5 prioridades de despesa e a compatibilidade da execução orçamentária e financeira com os objetivos da política exterior; (IV) acompanhar a arrecadação da renda consular e da renda cultural. Ao Departamento de Comunicações e Documentação (DCD), subordinado à SGEX, compete (I) modernização contínua da infra-estrutura de informática e de comunicações do Ministério mediante a aquisição de equipamentos de informática, de aparelhos de fac-símile, scanners e aparelhos de telefonia; (II) o pagamento de contratos de manutenção, assistência técnica, instalação e lease de sistemas de informática para atividades correntes na SERE e no Exterior; (III) o constante aperfeiçoamento e desenvolvimento de sistemas de informática em benefício de todas as áreas do Itamaraty; (IV) a cobertura, no exterior, de despesas com aluguel de equipamentos destinados a facilitar as atividades de apoio a visitas presidenciais e de altas autoridades do Ministério das Relações Exteriores; e (V) o constante aprimoramento da guarda, da catalogação e do atendimento às consultas ao acervo bibliográfico e documental do Ministério. Ao Departamento do Serviço Exterior (DSE), subordinado à SGEX, compete (I) a administração de recursos humanos do Ministério das Relações Exteriores, de maneira a assegurar a formulação e execução da política exterior do Brasil, a manutenção das relações diplomáticas e a promoção dos interesses do Estado e da sociedade brasileira no exterior, (II) planejar, coordenar e supervisionar as atividades de formulação e execução da política de pessoal, os processos de remoção e lotação, (III) executar processos de pagamentos e de assistência médica e social, observando a orientação do órgão central do SIPEC, ao qual se vincula tecnicamente como órgão setorial. À Divisão de Serviços Gerais (DSG), subordinada à SGEX, compete a administração da infra-estrutura da Secretaria de Estado das Relações Exteriores, e agrega despesas de natureza administrativa que não podem ser apropriadas em ações finalísticas, nem a um programa finalístico. 4

6 A Coordenação-Geral de Licitação é a unidade administrativa, subordinada ao Departamento de Administração, responsável pela coordenação dos processos de licitações. À Coordenação de Patrimônio (CPAT), subordinada à SGEX, compete o planejamento e supervisão das atividades de administração de patrimônio dos órgãos do Ministério, no País e no exterior Objetivos estratégicos (I) Coordenar a execução da política administrativa do MRE, de modo a possibilitar a execução da Política Externa Nacional. (II) Aprimorar os métodos de gerenciamento e supervisão das atividades relacionadas com a administração de material e do patrimônio, incluindo a aquisição no Brasil de material padronizado para os Postos no exterior e serviços gerais de apoio administrativo no Brasil e de apoio à Comissão Permanente de Inventário. (III) Prover meios e sistemas de tecnologia da informação para a Secretaria de Estado e Postos no exterior. Desenvolver programas de elaboração, transmissão e salvaguarda de informação oficial. Manter, preservar e divulgar o acervo bibliográfico do MRE. (IV) recrutar e capacitar pessoal e promover maior eficiência na lotação e movimentação dos servidores e na formalização e publicação de atos diversos. 2.2) Estratégias de atuação frente às responsabilidades institucionais Análise do andamento do plano estratégico da unidade ou do órgão em que a unidade esteja inserida: A Subsecretaria-Geral do Serviço Exterior, por meio de suas unidades subordinadas, tem logrado satisfazer às demandas da Secretaria de Estado e dos Postos no que se refere ao provimento dos meios materiais e sistêmicos necessários à manutenção, modernização e ampliação da infraestrutura física, inclusive de redes de informática, e de pessoal, condizente com a expansão geográfica e dos temas de política externa brasileira. Ao mesmo tempo, sua atuação tem sido tolhida, em determinados casos, sobretudo nos processos licitatórios, no sentido de tempestivamente assegurar a ampliação e renovação de materiais e serviços. Os entraves jurídicoburocráticos externos ao expedito encaminhamento de processos têm ocasionalmente limitado a capacidade da SGEX de cumprir a contento suas metas estratégicas Análise do Plano de Ação referente ao exercício a que se referir o relatório de gestão: Estabeleceu-se, como Plano de Ação, dar prosseguimento ao processo de modernização e ampliação da infra-estrutura física e de pessoal, para fazer face às novas demandas da Secretaria de Estado das Relações Exteriores, em razão da crescente atuação da política externa brasileira no cenário internacional. Por sua vez, decidiu-se pela manutenção da estrutura de apoio administrativo da unidade, considerando as demandas da Secretaria de Estado das Relações Exteriores. Nesse sentido, no âmbito do Departamento do Serviço Exterior, a Divisão de Treinamento e Aperfeiçoamento (DTA) promoveu, ao longo de 2011, ações de capacitação técnica do quadro de servidores lotados no Brasil e no Exterior. O CHSE Curso de Habilitação para o Serviço Exterior composto de aulas e palestras com o objetivo de capacitar Diplomatas, Oficiais de Chancelaria e Assistentes de Chancelaria, bem como os servidores de nível superior e médio do Plano de 5

7 Classificação de Cargos (PCC) para o exercício de funções no exterior, capacitou 221 servidores em A DTA disponibilizou cursos dos idiomas inglês, espanhol, francês, italiano, chinês, russo, alemão, japonês, hebraico, polonês, persa e árabe. As turmas são abertas aos servidores de todas as carreiras lotados no MRE. Em 2011, 192 servidores foram capacitados nos idiomas oferecidos. No exterior, a DTA custeia cursos de idiomas realizados pelos servidores do Serviço Exterior Brasileiro e pelos integrantes do Plano de Classificação de Cargos (PCC) lotados nos Postos. No ano de 2011, 238 servidores participaram de cursos de 23 idiomas. No âmbito do Departamento de Comunicações e Documentação, destaque-se a migração do servidor de correio eletrônico MS EXCHANGE SERVER > Esta operação nivelou a experiência do usuário quando da utilização tanto do aplicativo desktop (MS OUTLOOK) quanto da interface web. Além disso, teve seqüência o desenvolvimento do Sistema de Gestão Financeira (SIGEF). Atualmente em sua 5º Fase, o SIGEF já se encontra integrado ao Escritório Financeiro e processa DRF's. No Setor de Atualização no Uso de Sistemas (SAU) foram ministrados um total de 32 cursos (24 de Exped-Clic, 4 de Windows XP, 1 de Word Básico, 1 de Internet e correio eletrônico, 14 1 de Excel e 1 de Excel Intermediário), habilitando 205 funcionários para o uso desses programas (177 para Exped-Clic, 13 para Windows XP, 4 para Word Básico, 3 para Internet e correio eletrônico 4 para Excel e 4 para Excel Intermediário). Pode-se destacar também o processo de siafização dos principais Postos da rede diplomática brasileira, em que pese seu caráter de atividade meio. Esta ação constitui um dos objetivos primordiais da COF, cujo resultado tem sido alcançado a contento, tendo em vista que, em 2011, 17 postos foram interligados ao SIAFI. Finalmente, no âmbito do Departamento de Administração, a Divisão de Serviços Gerais estabeleceu, como Plano de Ação, a manutenção da estrutura de apoio administrativo da unidade, considerando as novas demandas da Secretaria de Estado das Relações Exteriores. Note-se que a DSG gerencia atualmente 90 contratos, e, em sua estrutura interna, conta com setores cuja competência relaciona-se diretamente com o suporte administrativo do Ministério das Relações Exteriores, tais como: setor de compras diretas, almoxarifado, garagem e oficina, setor de apoio administrativo, setor de portaria e limpeza, setor de guarda e proteção, setor de telefonia e setor de moradias funcionais. A execução financeira encerrou-se exitosamente, em que pese o recebimento tardio da última fatia de recursos orçamentários e financeiros. Em razão de ter recebido quantidade inferior de recursos em relação ao que havia sido previsto pela Unidade, não foi possível liquidar completamente os compromissos contratuais, dificuldade que foi superada em janeiro de 2012 com o recebimento de recursos em exercícios anteriores. É importante observar, por fim, que houve melhorias significativas em todas as áreas de atuação da Divisão. Os pagamentos têm sido efetuados tempestivamente e as despesas executadas como despesas de exercícios anteriores relativas ao exercício de 2011 foram as menores dos últimos anos. A fim de cumprir as funções de sua alçada, a DSG recebeu, no exercício de 2011, R$ ,87 em créditos orçamentários. Desse total foram aplicados R$ ,88, o que resultou na aplicação de 99,65% do orçamento recebido Programas de Governo sob a responsabilidade da SGEX As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades COF, DSE e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 6

8 2.4. Desempenho Orçamentário e Financeiro As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades COF, DCD, DSE e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 3 INFORMAÇÕES SOBRE O RECOLHIMENTO DE PASSIVOS POR INSUFICIÊNCIA DE CRÉDITOS OU RECURSOS As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades DSE e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 4 INFORMAÇÕES SOBRE A MOVIMENTAÇÃO E OS SALDOS DE RESTOS A PAGAR DE EXERCÍCIOS ANTERIORES As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades DCD, DSE e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 5 INFORMAÇÕES SOBRE RECURSOS HUMANOS DA UNIDADE a) Composição do quadro de servidores ativos Quadro A.5.1 Força de Trabalho da SGEX Situação apurada em 31/12 Lotação Ingressos no Tipologias dos Cargos Autorizada Efetiva exercício Quantidade Egressos no exercício 1. Servidores em cargos efetivos ( ) Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira ( ) Servidores de carreira vinculada ao órgão Servidores de carreira em exercício descentralizado Servidores de carreira em exercício - - provisório Servidores requisitados de outros órgãos e esferas 2. Servidores com Contratos Temporários Total de Servidores (1+2)

9 Fonte: SGRH Quadro A.5.2 Situações que reduzem a força de trabalho do MRE Situação em 31/12 Tipologias dos afastamentos Quantidade de pessoas na situação em 31 de dezembro 1. Cedidos ( ) Exercício de Cargo em Comissão Exercício de Função de Confiança Outras situações previstas em leis específicas (especificar as leis) 2. Afastamentos ( ) Para Exercício de Mandato Eletivo Para Estudo ou Missão no Exterior Para Serviço em Organismo Internacional Para Participação em Programa de Pós-Gradução Stricto Sensu no País 0 3. Removidos ( ) De oficio, no interesse da Administração A pedido, a critério da Administração A pedido, independentemente do interesse da Administração para acompanhar cônjuge/companheiro 54 (Dec /2001) 3.4. A pedido, independentemente do interesse da 2 Administração por Motivo de saúde 3.5. A pedido, independentemente do interesse da 5 Administração por Processo seletivo 4. Licença remunerada ( ) Doença em pessoa da família Capacitação 1 5. Licença não remunerada ( ) Afastamento do cônjuge ou companheiro Serviço militar Atividade política Interesses particulares Mandato classista 1 6. Outras situações (Especificar o ato normativo) 0 7. Total de servidores afastados em 31 de dezembro ( ) 2040 Fonte: SGRH 0 Quadro A.5.3 Detalhamento estrutura de cargos em comissão e funções gratificadas da SGEX (Situação em 31 de dezembro) Tipologias dos cargos em comissão e Lotação Ingressos no Egressos no das funções gratificadas Autorizada Efetiva exercício exercício 1. Cargos em comissão Cargos Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento superior Servidores de carreira vinculada ao órgão Servidores de carreira em exercício descentralizado Servidores de outros órgãos e esferas Sem vínculo Aposentados Funções gratificadas Servidores de carreira vinculada

10 ao órgão 2.2. Servidores de carreira em exercício descentralizado 2.3. Servidores de outros órgãos e esferas 3. Total de servidores em cargo e em função (1+2) Fonte: Quadro A.5.4 Quantidade de servidores da SGEX por faixa etária - Situação apurada em 31/12 Quantidade de Servidores por Faixa Etária Tipologias do Cargo Até 30 De 31 a De 41 a De 51 a 60 anos 40 anos 50 anos anos Acima de 60 anos 1. Provimento de cargo efetivo Membros de poder e agentes políticos 1.2. Servidores de Carreira Servidores com Contratos Temporários 2. Provimento de cargo em comissão Cargos de Natureza Especial 2.2. Grupo Direção e Assessoramento Superior Funções gratificadas 3. Totais (1+2) Fonte: SGRH Quadro A.5.5 Quantidade de servidores da SGEX por nível de escolaridade - Situação apurada em 31/12 Tipologias do Cargo Quantidade de pessoas por nível de escolaridade Provimento de cargo efetivo Membros de poder e agentes políticos 1.2. Servidores de Carreira Servidores com Contratos Temporários 2. Provimento de cargo em comissão Cargos de Natureza Especial 2.2. Grupo Direção e Assessoramento 2 Superior 2.3. Funções gratificadas 3. Totais (1+2) LEGENDA Nível de Escolaridade 1 - Analfabeto; 2 - Alfabetizado sem cursos regulares; 3 - Primeiro grau incompleto; 4 - Primeiro grau; 5 - Segundo grau ou técnico; 6 - Superior; 7 - Aperfeiçoamento / Especialização / Pós-Graduação; 8 Mestrado; 9 Doutorado/Pós Doutorado/PhD/Livre Docência; 10 - Não Classificada. b) Composição do quadro de servidores inativos Quadro A Composição do Quadro de Servidores Inativos do MRE - Situação apurada em 31 de dezembro Quantidade Regime de proventos / Regime de aposentadoria De Servidores Aposentados até 31/12 1. Integral 1.1 Voluntária Compulsória De Aposentadorias iniciadas no exercício de referência 9

11 1.3 Invalidez Permanente Outras Proporcional 2.1 Voluntária Compulsória Invalidez Permanente Outras 3. Totais (1+2) Fonte: SIAPE Quadro A Composição do Quadro de Instituidores de Pensão do MRE - Situação apurada em 31/12 Regime de proventos do servidor instituidor Quantidade de Beneficiários de Pensão Acumulada até 31/12 1. Aposentado 1.1. Integral Proporcional Em Atividade Total (1+2) Fonte: SIAPE c) Composição do quadro de estagiários Iniciada no exercício de referência Quadro A Composição do Quadro de Estagiários do MRE Quantitativo de contratos de estágio vigentes Nível de escolaridade 1º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre 4º Trimestre Despesa no exercício (em R$ 1,00) 1. Nível superior 1.1 Área Fim 1.2 Área Meio Nível Médio 2.1 Área Fim 2.2 Área Meio Total (1+2) ,75 Fonte: d) Custos associados à manutenção de recursos humanos As informações relativas a este item estão consubstanciadas no Relatório de Gestão da unidade DSE, que é parte deste Relatório de Gestão e encontra-se anexado ao final deste documento. e) Locação de mão de obra mediante contratos de prestação de serviços As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades DCD e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. f) Indicadores gerenciais sobre recursos humanos 10

12 As informações relativas a este item estão consubstanciadas no Relatório de Gestão da unidade DSE, que é parte deste Relatório de Gestão e encontra-se anexado ao final deste documento. 6 INFORMAÇÃO SOBRE AS TRANSFERÊNCIAS MEDIANTE CONVÊNIO, CONTRATO DE REPASSE, TERMO DE PARCERIA, TERMO DE COOPERAÇÃO, TERMO DE COMPROMISSO OU OUTROS ACORDOS, AJUSTES OU INSTRUMENTOS CONGÊNERES, VIGENTES NO EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades DCD e DSE, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 7 DECLARAÇÃO DA ÁREA RESPONSÁVEL ATESTANDO QUE AS INFORMAÇÕES REFERENTES A CONTRATOS E CONVÊNIOS OU OUTROS INSTRUMENTOS CONGÊNERES ESTÃO DISPONÍVEIS E ATUALIZADAS, RESPECTIVAMENTE, NO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS SIASG E NO SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS, CONTRATOS DE REPASSE E TERMOS DE PARCERIA SICONV, CONFORME ESTABELECE O ARTIGO 19 DA LEI /2010 As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades DSE e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 8 INFORMAÇÕES SOBRE O CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES ESTABELECIDAS NA LEI 8.730/1993, RELACIONADAS À ENTREGA E AO TRATAMENTO DAS DECLARAÇÕES DE BENS E RENDAS Todos os ocupantes de Cargos de Direção e Assessoramento da SGEX entregaram suas declarações de bens e de rendas ao Senhor Chefe da Divisão do Pessoal, que as encaminhou à Secretaria de Controle Interno até o dia 15 de fevereiro de 2011, em atendimento ao memorando CISET nº 26/ INFORMAÇÕES SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades CPAT, DSE e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 10 INFORMAÇÕES QUANTO À ADOÇÃO DE CRITÉRIOS DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA AQUISIÇÃO DE BENS, MATERIAIS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) E NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS OU OBRAS As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades CPAT, DCD e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 11

13 11 INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DO PATRIMÔNIO IMOBILIÁRIO DE RESPONSABILIDADE DA SGEX, CLASSIFICADO COMO BENS DE USO ESPECIAL, DE PROPRIEDADE DA UNIÃO OU LOCADO DE TERCEIROS As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades CPAT e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 12 INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) DA SGEX As informações relativas a este item estão consubstanciadas no Relatório de Gestão da unidade DCD, que é parte deste Relatório de Gestão e encontra-se anexado ao final deste documento. 13 INFORMAÇÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE CARTÕES DE PAGAMENTO DO GOVERNO FEDERAL, OBSERVANDO-SE AS DISPOSIÇÕES DOS DECRETOS 5.355/2005 E 6.370/2008 As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades DSE e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 14 INFORMAÇÕES SOBRE RENÚNCIA TRIBUTÁRIA Não houve ocorrências no período. 15 INFORMAÇÕES SOBRE AS PROVIDÊNCIAS ADOTADAS PARA ATENDER ÀS DELIBERAÇÕES EXARADAS EM ACÓRDÃOS DO TCU OU EM RELATÓRIOS DE AUDITORIA DO ÓRGÃO DE CONTROLE INTERNO OU JUSTIFICATIVAS PARA O NÃO CUMPRIMENTO As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades DCD, DSE e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 16 INFORMAÇÕES SOBRE O TRATAMENTO DAS RECOMENDAÇÕES REALIZADAS PELA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO, APRESENTANDO JUSTIFICATIVAS PARA O CASO DE NÃO ACATAMENTO As informações relativas a este item estão consubstanciadas nos Relatórios de Gestão das unidades CPAT, DCD, DSE e DSG, que são parte deste Relatório de Gestão e encontram-se anexados ao final deste documento. 17 OUTRAS INFORMAÇÕES CONSIDERADAS RELEVANTES Estão compilados, neste Relatório de Gestão, as informações concernentes à Subsecretaria- Geral do Serviço Exterior como um todo, deixando sob a forma dos anexos a seguir, a cargo de cada unidade jurisdicionada a saber, COF, DCD, DSE, DSG, CLI e CPAT a apresentação de suas próprias informações sob o formato de Relatório de Gestão requerido pela Portaria/TCU/ nº 123/

14 Anexo 1: Relatório de Gestão da Coordenação-Geral de Orçamento e Finanças (COF)...14 Anexo 2: Relatório de Gestão do Departamento de Comunicações e Documentação (DCD)..34 Anexo3: Relatório de Gestão do Departamento do Serviço Exterior (DSE)...70 Anexo 4: Relatório de Gestão da Divisão de Serviços Gerais (DSG) Anexo 5: Relatório de Gestão da Coordenação de Licitações (CLI) Anexo 6: Relatório de Gestão da Coordenação de Patrimônio (CPAT) Anexo 7: Informação complementar do Departamento de Administração

15 COORDENAÇÃO-GERAL DE ORÇAMENTO E FINANÇAS COF RELATÓRIO DE GESTÃO Brasília, fevereiro de

16 SUMÁRIO 1. PARTE A, ITEM 1, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ Relatório de Gestão Individual Relatório de Gestão Consolidado Relatório de Gestão Agregado Relatório de Gestão consolidado e Agregado PARTE A, ITEM 2, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ Responsabilidades institucionais da unidade Estratégia de atuação frente às responsabilidades institucionais Programas de governo sob a responsabilidade da unidade Execução dos programas de Governo sob responsabilidade da UJ Execução física das ações realizadas pela UJ Desempenho Orçamentário/Financeiro Programação Orçamentária da Despesa Programação de Despesas Correntes Programação de Despesas de Capital Quadro Resumo da Programação de Despesas Movimentação Orçamentária por Grupo de Despesa Execução Orçamentária da Despesa Despesas Correntes por Grupo/Elemento de Despesa dos créditos recebidos por movimentação Despesas de Capital por Grupo/Elemento de Despesa dos créditos recebidos por movimentação Indicadores Institucionais PARTE A, ITEM 3, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 4, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 5, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 6, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 7, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 8, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 9, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 10 DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 11, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 12, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 13, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 14, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 15, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE A, ITEM 16, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE B, ITEM I, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ Declaração do Contador Atestando a Conformidade das Demonstrações Contábeis PARTE B, ITEM 2, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE B, ITEM 3, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE B, ITEM 4, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE C, ITEM I, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/

17 22. PARTE C, DO ITEM 5, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE C, ITEM 7, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE C, ITEM 10, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ PARTE C, ITEM 12, DO ANEXO II DA DN TCU Nº Nº 108, DE 24/11/ PARTE C, DO ITEM 16, DO ANEXO II DA DN TCU Nº Nº 108, DE 24/11/ PARTE C, ITEM 19, DO ANEXO II DA DN TCU Nº Nº 108, DE 24/11/ PARTE C, ITEM 30, DO ANEXO II DA DN TCU Nº Nº 108, DE 24/11/ PARTE C, ITEM 37, DO ANEXO II DA DN TCU Nº Nº 108, DE 24/11/ PARTE C, ITEM 38, DO ANEXO II DA DN TCU Nº Nº 108, DE 24/11/

18 LISTA DE QUADROS E TABELAS 1. Quadro A Identificação da UJ Relatório de Gestão Individual 2. Quadro A Execução Física das ações realizadas pela UJ 3. Quadro A.2.3 Identificação das Unidades Orçamentárias 4. Quadro A.2.4 Programação de Despesas Correntes 5. Quadro A.2.5 Programação de Despesas de Capital 6. Quadro A Quadro Resumo da Programação de Despesas e da Reserva de Contingência 7. Quadro A.2.7 Movimentação Orçamentária por Grupo de Despesa 8. Quadro B Declaração Plena do Contador 17

19 Introdução O presente relatório de gestão inclui a identificação da Unidade Jurisdicionada (UJ), as responsabilidades institucionais da unidade, a estratégia de atuação frente às responsabilidades institucionais, os programas de governo sob responsabilidade da unidade e a execução física das ações realizadas pela UJ. Na análise do desempenho orçamentário/financeiro, abordou-se a programação orçamentária da despesa, a programação de despesas correntes e a programação de despesas de capital. Examinou-se a movimentação orçamentária por grupo de despesa, a execução orçamentária da despesa e os indicadores institucionais. Finalmente, foi anexada declaração do Contador atestando a conformidade das demonstrações contábeis. Os itens da lista de diretrizes do TCU que não foram abordados não se aplicam à realidade desta Coordenação-Geral de Orçamento e Finanças. 18

20 MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SUBSECRETARIA-GERAL DO SERVIÇO EXTERIOR COORDENAÇÃO-GERAL DE ORÇAMENTO E FINANÇAS UNIDADE GESTORA / RELATÓRIO DE GESTÃO (EXERCÍCIO DE 2011) 1. PARTE A, ITEM 1, DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108, DE 24/11/ Relatório de Gestão Individual QUADRO A IDENTIFICAÇÃO DA UJ RELATÓRIO DE GESTÃO INDIVIDUAL Poder e Órgão de Vinculação Poder: Executivo Federal Órgão de Vinculação: Ministério das Relações Exteriores Código SIORG: 263 Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Coordenação-Geral de Orçamento e Finanças Denominação abreviada: COF Código SIORG: Código LOA: Código SIAFI: Situação: Ativa Natureza Jurídica: Unidade Orçamentária e Financeira descentralizadora do Poder Executivo Federal, Administração Direta. Ministério das Relações Exteriores. Principal Atividade: Execução Orçamentária e Financeira do Ministério das Relações Exteriores MRE Código CNAE: Telefones/Fax de contato: (061) FAX (061) Página na Internet: Endereço Postal: Esplanada dos Ministérios, Bloco H, Anexo I, 6º andar, sala 634, CEP Brasília-DF Normas relacionadas à Unidade Jurisdicionada A estrutura de funcionamento do Ministério das Relações Exteriores decorre do Decreto nº 5.032, de 5/04/2004 Outras normas infra-legais relacionadas à gestão e estrutura da Unidade Jurisdicionada - Manuais e publicações relacionadas às atividades da Unidade Jurisdicionada - Unidades Gestoras e Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome - - Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome - - Relacionamento entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Unidade Gestora Código SIAFI da Gestão

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 00181.000687/2010-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Relatório de Gestão 2010 da Universidade Federal de Santa Catarina. Secretaria de Planejamento e Finanças Prof. Luiz Alberton

Relatório de Gestão 2010 da Universidade Federal de Santa Catarina. Secretaria de Planejamento e Finanças Prof. Luiz Alberton da Universidade Federal de Santa Catarina Secretaria de Planejamento e Finanças Prof. Luiz Alberton Estrutura Apresentação do Reitor e Vice-Reitor 1. A Universidade Federal de Santa Catarina 2. Dados sobre

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2013 PROCESSO : 09144.000037/2014-14 RELATÓRIO : 06/2014 UNIDADE

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO INSA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO INSA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO INSA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 MARÇO/2012 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCI Sistema de Controle Interno Versão: 1.0 Aprovada em: 31/10/2011 Unidade Responsável: Unidade Central de Controle Interno I -

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 15/02 ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 24/00 do Conselho

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento Terça-feira 54 - Ano I - Nº 98 Dom Macedo Costa LEI MUNICIPAL Nº 400/2010 De 27 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Cultura e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA PROCESSO : 03b UNIDADE GESTORA : Embaixada em Buenos Aires OBJETIVO DA AUDITORIA : Tomada de Contas Anual EXERCÍCIO

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009

PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009 PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009 Dispõe acerca de competências, estrutura, lotação e alocação de funções de confiança da Secretaria- Geral da Presidência (Segepres). A SECRETÁRIA-GERAL

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A GOVERNADORA

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EERCÍCIO DE 2014 Brasília - DF / 2015 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE)

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) [Segunda versão, 11.08.2009, a partir de construção evolutiva trabalhada com a Comissão de Autonomia da Andifes, sujeita à apreciação do

Leia mais

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação O que é capacitação? A Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal assim define capacitação: Processo permanente e deliberado

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012.

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. Altera o Regulamento de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas da Secretaria Municipal de Fazenda. A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei;

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei; PROJETO DE LEI Nº 004/2013 Ementa: Dispõe sobre o cargo de controlador interno e auditor público interno do Município de Governador Lindenberg ES e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Governador

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E OBRAS End: Travessa Anchieta, S-55 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9587 Email: engenharia@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Fábio Chaves Sgavioli Atribuições

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU ANEXO I PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU nº 47, de 2004, DN/TCU nº 81, de 2006, e NE/CGU nº 03, de 2006, instituída pela Portaria CGU nº 555, de 2006 Discriminação

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios; autoriza a prorrogação de contratos temporários firmados com fundamento no art.

Leia mais

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003.

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. Discriminação da peça I Rol de Responsáveis, assinado pela Diretoria Colegiada,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Programa 0641 Inteligência Federal Objetivo Desenvolver Atividades de inteligência e de Segurança da Informação no interesse do Estado e da Sociedade Indicador(es) úmero de Ações 14 Taxa de Relatórios

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC Programa 0630 Desenvolvimento da Aviação Civil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 0B09 Apoio a Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Produto: Entidade apoiada Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006.

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa e institui organograma da Câmara Municipal de Uruguaiana e dá outras providências. Faço saber,

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que prestam serviços preponderantemente na área da educação podem requerer a

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 EMENTA: Dispõe sobre a participação de servidores ocupantes de cargos

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO REGULAMENTO DA ASSESSORIA PLANEJAMENTO (RES. Nº 280/99-CAD) CAPÍTULO I DA FINALIDA Art. 1º - A Assessoria de Planejamento (ASP), órgão da reitoria, é responsável pela análise da evolução da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o afastamento do país e concessão de passagens para servidores da UNIRIO. O Conselho de

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

Faço saber que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 1833/2015. AUMENTA O NÚMERO DE CARGOS EM COMISSÃO, CRIA PADRÃO DE VENCIMENTO E FUNÇÕES GRATIFICADAS NO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES PÚBLICAS DO MUNICÍPIO, E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA PROCESSO :05.g UNIDADE GESTORA : Consulado-Geral do Brasil em Buenos Aires OBJETIVO DA AUDITORIA : Tomada de

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.102, DE 6 DE SETEMBRO DE 2013 Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Campina Grande Secretaria de Recursos Humanos

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Campina Grande Secretaria de Recursos Humanos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Campina Grande Secretaria de Recursos Humanos EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE INSTRUTORES CGDP/SRH Nº 01/2010 CREDENCIAMENTO DE INSTRUTORES PARA CURSOS DO PROGRAMA

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Subcomitê Estratégico de Gestão de Pessoas

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Subcomitê Estratégico de Gestão de Pessoas SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS Subcomitê Estratégico de Gestão de Pessoas COMPETÊNCIAS DA SGP Planejar, coordenar, orientar e supervisionar as atividades relacionadas à gestão de pessoas, referentes ao

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CADCAM/C/UNICENTRO, DE 04 DE MAIO DE 2015. Aprova o Regulamento da Farmácia Escola do Campus Cedeteg, UNICENTRO-PR. O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO CAMPUS CEDETEG, UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 - Bairro de Lourdes - CEP 30180-140 - Belo Horizonte - MG 4 andar PLANO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 - Bairro de Lourdes - CEP 30180-140 - Belo Horizonte - MG 4 andar PLANO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 - Bairro de Lourdes - CEP 30180-140 - Belo Horizonte - MG 4 andar PLANO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA EXERCÍCIO 2014 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 130, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 130, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 130, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2012 Disciplina o controle de acesso de usuários e sistemas clientes ao Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento SIOP. A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, no uso

Leia mais

Instituto Federal do Espírito Santo Prestação de Contas Ordinária Anual Relatório de Gestão do Exercício de 2012

Instituto Federal do Espírito Santo Prestação de Contas Ordinária Anual Relatório de Gestão do Exercício de 2012 1 Introdução O presente relatório tem como principais objetivos a prestação de contas anual realizada junto aos órgãos fiscalizadores e a apresentação de informações que contemplem a análise da gestão

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Assessoria de Planejamento de Modernização do Poder - APMP Divisão de Estatística do Tribunal de Justiça - DETJ Assessoria de Planejamento

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO.

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO. LEI Nº 1.827/2009. EMENTA: Institui a política de apoio e incentivo ao desenvolvimento do Cooperativismo no âmbito do município de Santa Cruz do Capibaribe/PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais