UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIO BASILE. As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIO BASILE. As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO FLÁVIO BASILE As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring Orientador: Prof. Dr. Rogério Alessandre de Oliveira Castro Ribeirão Preto 2013

2

3 FLÁVIO BASILE As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo como requisito parcial da obtenção do título de Bacharel em Direito. Orientador: Prof. Dr. Rogério Alessandre de Oliveira Castro Ribeirão Preto 2013

4 Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer meio convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte. BASILE, Flávio. As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring. / Flávio Basile Ribeirão Preto, p. ; 30 cm. Trabalho de conclusão de curso (Graduação) - Faculdade de Direito de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo, Orientador: Prof. Dr. Rogério Alessandre de Oliveira Castro. 1.Factoring. 2.Cessão de crédito. 3.Endosso. 4.Pro soluto. 5.Pro solvendo. 6.Direito de regresso.

5 FOLHA DE APROVAÇÃO Flávio Basile As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo como requisito parcial da obtenção do título de Bacharel em Direito. Orientador: Prof. Dr. Rogério Alessandre de Oliveira Castro. Aprovado em: BANCA EXAMINADORA Professor Doutor Rogério Alessandre de Oliveira Castro. Instituição: Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Assinatura: Professor Doutor Instituição: Assinatura: Professor Doutor Instituição: Assinatura:

6

7 Ao meu pai.

8

9 RESUMO BASILE, Flávio. As cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring f. Trabalho de Conclusão de Curso Faculdade de Direito de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, RESUMO: O presente trabalho de conclusão de curso tem como objeto o estudo das cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring. A possibilidade ou não de o faturizador se voltar contra o faturizado, no caso de inadimplemento do devedor, é um tema controverso na doutrina e na jurisprudência e gera significativo impacto econômico para as partes, influenciando no custo da operação e na segurança jurídica e econômica do negócio. Assim, o trabalho se inicia com um panorama geral do instituto do factoring e sua distinção face às instituições financeiras. Feito isso, estuda-se os meios de transferência do crédito no factoring para, finalmente, enfrentar-se o tema das cláusulas pro soluto e pro solvendo. PALAVRAS-CHAVE: factoring, cessão de crédito, endosso, pro soluto, pro solvendo, direito de regresso.

10

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Recorte temático e justificativa Conteúdo dos capítulos EVOLUÇÃO HISTÓRICA Origens históricas: surgimento do factoring O surgimento do factoring no Brasil CONCEITO E PARTICULARIDADES DO FACTORING Conceito doutrinário de factoring Modalidades O contrato de factoring Natureza jurídica do contrato de factoring Classificação Conteúdo do contrato de factoring Sujeitos do contrato de factoring Direitos e obrigações das partes Legislação aplicável INSTITUIÇÃO FINANCEIRA X FACTORING Conceito de instituição financeira Distinção entre banco e factoring A operação de factoring e o desconto bancário OS PRINCIPAIS MEIOS DE TRANSFERÊNCIA DO CRÉDITO NO FACTORING A cessão de crédito A responsabilidade do cedente pela existência do crédito... 47

12 5.1.2 A responsabilidade do cedente pela solvência do devedor: as cláusulas pro solvendo e pro soluto O endosso Responsabilidade do endossante quanto ao pagamento do título A responsabilidade do endossante-sacador pelo pagamento do título na operação de factoring O DIREITO DE REGRESSO Doutrina majoritária: críticas Jurisprudência Jurisprudência contrária à cláusula pro solvendo Jurisprudência favorável à cláusula pro solvendo A validade da cláusula pro solvendo no contrato de factoring A legalidade da cláusula pro solvendo A cláusula pro solvendo não distingue o factoring das atividades típicas das instituições financeiras Direito comparado Convenção sobre factoring internacional Unidroit A possibilidade da cláusula pro solvendo em outros países O risco do mercado brasileiro CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 85

13 11 1 INTRODUÇÃO 1.1 Recorte temático e justificativa Este Trabalho de Conclusão de Curso traz à discussão o polêmico tema das cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring. Primeiramente, é importante destacar que a atividade do factoring possui grande importância para a economia brasileira. Sobretudo, porque ela fomenta o desenvolvimento das pequenas e médias empresas, que têm pouco ou nenhum acesso ao crédito junto aos bancos e demais instituições financeiras. O factoring, através da compra a vista dos créditos provenientes das vendas e serviços a prazo de seus clientes, possibilita com que as empresas e prestadores de serviço tenham capital de giro suficiente para honrar seus compromissos e investir no seu negócio. Papel este que deveria ser dos bancos, em especial os estatais, que não conseguem capilarizar recursos para atender as micro e pequenas empresas 1. Além disso, oferece uma gama de serviços de assessoria e acompanhamento de contas. Para ilustrar a importância da atividade, segundo dados da Associação Nacional de Fomento Comercial (ANFAC), o giro de carteira das empresas associadas registrou no exercício de 2010 um estoque de ativos, representados por direitos creditórios originados de vendas mercantis e da prestação de serviços, da ordem de aproximadamente R$ 81,0 bilhões, contribuindo para viabilizar transações econômicas industriais, comerciais e de serviços e, ainda, para sustentar 2,2 milhões de empregos diretos e indiretos 2. Além disso, o factoring está fortemente inserido no mercado brasileiro, com cerca de empresas espalhadas pelo país, número maior que o de agências do Banco do Brasil 3. Diante disso, o tema das cláusulas pro soluto e pro solvendo no contrato de factoring impacta diretamente o factoring e sua relação com as empresas-clientes, refletindo na escolha dos títulos a serem negociados e no custo e segurança da operação. 1 DAS NEVES, Alexandre Fuchs. Jornal destaca equívocos jurídicos contra o setor. Disponível em: acessado em 08 de agosto de Disponível em: acessado em 08 de agosto de DAS NEVES, Alexandre Fuchs. Op., cit.

14 12 Para enfrentá-lo, é preciso responder algumas perguntas, como: pode-se estabelecer o direito de regresso do faturizador face ao faturizado no caso de inadimplemento do crédito pelo devedor? A assunção do risco do inadimplemento da obrigação pelo faturizador é essencial ao contrato de factoring? Essas são algumas das questões centrais que nortearam este trabalho. Assim, nos dois capítulos iniciais do trabalho, tratou-se dos aspectos gerais do instituto do factoring, como sua evolução histórica, conceituação, natureza jurídica e classificação. Dessa maneira, pôde-se lançar as bases da discussão e delimitar sua importância no tempo e no espaço. Mais adiante, levou-se à discussão os temas relativos ao factoring e às instituições financeiras e aos principais meios de transferência do crédito no factoring. Isso porque são correlatos e essenciais ao estudo dos temas das cláusulas pro soluto e pro solvendo, estando na base da investigação. Passado esse caminho, enfrentou-se diretamente o tema no capítulo específico sobre o direito de regresso, no qual, discutindo-se a legislação, a jurisprudência, doutrina e a realidade brasileira, pôde-se chegar à conclusão da pesquisa. 1.2 Conteúdo dos capítulos Antes de adentrar ao tema proposto é interessante destacar, brevemente, o conteúdo dos capítulos do trabalho. Primeiramente, o capítulo 2 traça um panorama histórico do factoring, desde sua origem no mundo até seu desenvolvimento no Brasil. Assim, busca-se situar o instituto no espaço e traçar algumas de suas características essenciais. O capítulo 3 aborda o conceito e as particularidades do factoring. Dessa maneira, delineou-se as características gerais da atividade no Brasil, apontando sua conceituação doutrinária, as modalidades praticadas e as particularidades do contrato. O capítulo 4 diferencia o factoring das atividades típicas das instituições financeiras. Nesse ponto foi demonstrado que existe uma série de diferenças entre tais atividades, não sendo a responsabilidade do cedente-faturizado a distinção fundamental. O capítulo 5 trata dos principais meios de transferência do crédito no factoring. Principalmente através do estudo da legislação referente ao endosso dos títulos de crédito, em

15 13 especial da duplicata, e à cessão de crédito. Procurou-se, então, analisar a legalidade da cláusula pro solvendo. Finalmente, o capítulo 6 enfrenta definitivamente a questão do direito de regresso ou possibilidade de inserção da cláusula pro solvendo no contrato de factoring. Diante disso, é realizada uma análise da doutrina e jurisprudência, do direito comparado e da realidade brasileira acerca do tema, para que se pudesse chegar à conclusão da pesquisa.

16 14

17 15 2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Para que se comece a adentrar ao estudo do instituto do factoring, é interessante contextualizá-lo no espaço e no tempo, apresentando, assim, uma breve evolução histórica do mesmo, tanto no mundo quanto no Brasil. 2.1 Origens históricas: surgimento do factoring Diversos autores ligam o surgimento do factoring a períodos remotos, defendendo que ele teria nascido na Grécia antiga, em Roma ou, até mesmo, na Babilônia. Segundo Fran Martins, na Grécia e em Roma, comerciantes incumbiam a agentes (factors), disseminados por lugares diversos, a guarda e a venda de mercadorias de sua propriedade 4. No entanto, como bem acentua Newton de Lucca, tal indagação não guarda conexão histórica com o atual instituto do factoring. Isso porque tais agentes possuíam apenas a função de intermediadores, realizando as atividades de comércio em nome da outras pessoas 5. Assim, a tese mais plausível seria a de que o factoring teria surgido com os descobrimentos marítimos, no século XVI, mais especificamente, diante do comércio entre a Inglaterra e suas colônias americanas. Dessa forma, com a expansão do comércio ultramarino, surge a figura do factor, cujo papel era o de vender as mercadorias produzidas na metrópole, geralmente produtos têxteis, antecipando os valores das mercadorias ao comerciante e assumindo o risco pelas vendas. Vêse nessas últimas características, a imensa proximidade com o atual instituto do factoring 6. Percebe-se, também, que a grande importância dos factors nesse período, deve-se ao fato de que eles se instalavam nas colônias. Assim, possuíam ampla visão sobre o mercado 4 MARTINS, Fran. Contratos e obrigações comerciais, ed. rev. e aum. Rio de Janeiro, Forense, 2010, p DE LUCCA, Newton. A faturização no direito brasileiro. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 1986, p DE LUCCA, Newton. Op., cit. p

18 16 local, as necessidades e os compradores, informações de difícil acesso aos distantes comerciantes da metrópole 7. A atividade dos factors ingleses ainda foi predominante no século XVIII, mas com a enorme expansão da indústria norte-americana no século XIX, a atividade se deslocou maciçamente para as antigas colônias britânicas. Dessa maneira, Newton de Lucca, destaca que o vazio deixado na Europa pelo deslocamento da atividade do factoring para os EUA, a que oportunamente se refere Guillamón, foi suprido pela operação de desconto bancário, operação essa, como se sabe de utilização insignificante nos EUA 8. Por fim, a atividade do factoring apenas foi reintroduzida na Europa na década de Dessa forma, reiniciou-se na Inglaterra e depois se espalhou para o continente O surgimento do factoring no Brasil A primeira vez que o instituto do factoring, faturização ou fomento comercial, empresarial ou mercantil é trazido à discussão acadêmica no Brasil, segundo autores como Newton de Lucca 10, foi através de um artigo escrito por Fábio Konder Comparato na Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro, em Neste artigo o autor, através de bibliografia estrangeira, faz uma análise acerca do tema do factoring definindo suas bases (concessão de capital de giro para pequenas e médias empresas e algumas características fundamentais: garantia gestão de crédito - financiamento), por ele nomeado de faturização, e sua possível introdução no Brasil. No entanto, a atividade do factoring somente começou a ser praticada no país na década de Período no qual ocorreu uma série de discussões sobre o tema e intervenções do Banco Central diante da dúvida se ela seria ou não atividade típica das instituições financeiras. 7 DE LUCCA, Newton. O contrato de factoring. In: Novos contratos empresariais / Carlos Alberto Bittar (coordenador). São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 1990, p DE LUCCA, Newton, Op., cit. p MARTINS, Fran. Op., cit. p DE LUCCA, Newton. Op., cit. p COMPARATO, Fábio Konder. Op., cit.

19 17 No dia 11 de fevereiro de 1982, Luiz Lemos Leite, funcionário aposentado do Banco Central, funda a ANFAC Associação Nacional das Empresas de Fomento Comercial, com o objetivo de reunir as empresas de factoring, organizar o setor e divulgar suas funções 12. Coincidentemente, nesse mesmo ano, o Banco Central, a fim de impedir a prática de atividades próprias das instituições financeiras por agentes não autorizados, baseando-se na Lei nº 4595/64, que dispõe sobre o Sistema Financeiro Nacional, editou a Circular nº 703 de Eis o teor da Circular: CIRCULAR Nº 703 Em face das disposições da Lei nº 4.595, de , em especial as contidas em seus arts. 2º, 3º, inciso V, 4º, incisos VI e VIII, 10, inciso V, 11, inciso VII, e 44, 7º, o Banco Central do Brasil, ouvido o Conselho Monetário Nacional, em sessão realizada nesta data, decidiu tornar público os seguintes esclarecimentos: I - As operações conhecidas por "factoring", "compra de faturamento" ou denominações semelhantes - em que, em geral, ocorrem a aquisição, administração e garantia de liquidez dos direitos creditórios de pessoas jurídicas, decorrentes do faturamento da venda de seus bens e serviços - apresentam, na maioria dos casos, características e particularidades próprias daquelas privativas de instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central. II - Assim, e até que a matéria seja regulamentada pelo Conselho Monetário Nacional, as pessoas físicas ou jurídicas não autorizadas que realizarem tais operações continuampassíveis, na forma prevista no 7º do art. 44 da Lei nº 4.595, de , das penas de multapecuniária e detenção de 1 (um) a 2 (dois) anos, ficando a estas sujeitos, quando pessoas jurídicas, seus administradores. Brasília-DF, 16 de junho de 1982 Carlos Geraldo Langoni Presidente Dessa maneira, entendendo que a atividade do factoring possuía características próprias das instituições financeiras, o Banco Central determinou que as Juntas Comerciais não acolhessem os pedidos de arquivamento e registro dos atos constitutivos das empresas de factoring, até que a matéria fosse regulamentada pelo Conselho Monetário Nacional. Diante dessa imposição do Banco Central, diversas empresas de factoring recorreram ao poder judiciário para que conseguissem o direito de constituir e registrar suas sociedades. Assim, em 1986, a segunda turma do Tribunal Federal de Recursos proferiu sentença favorável 13, determinando que as Juntas Comerciais concedessem o arquivamento dos atos 12 LEITE, Luiz Lemos. Factoring no Brasil. 11 ed. São Paulo: Atlas, 2007, p. 11.

20 18 constitutivos das empresas de factoring sem o exame prévio do Banco Central, até que a matéria fosse regulamentada por lei. Vale transcrever a ementa desta decisão: COMERCIAL E ADMINISTRATIVO - REGISTRO DO COMÉRCIO - EXERCÍCIO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS - "FACTORING", FATURIZAÇÃO OU COMPRA DE ATIVOS BANCO CENTRAL DO BRASIL - FUNÇÕES DE REGISTRO E DE FISCALIZAÇÃO DE ATIVIDADES COMERCIAIS - DISTINÇÃO - LEIS Nº 4.595/64 e 4.726/65-1. Não pode o Banco Central do Brasil interferir nas funções de registro comercial, reguladas pela Lei nº 4.726/65. Estas funções competem às Juntas Comerciais, sob supervisão e orientação técnica do Departamento Nacional do Registro do Comércio. Não há confundir o registro comercial de firmas com o seu funcionamento. Controle e fiscalização deste, quando implique atividades financeiras, é que cabe ao Banco Central. 2. Factoring ou "faturização". Enquanto não regulada por lei a constituição ou registro de sociedades que se proponham ao exercício desse tipo de atividade comercial, não cabe às autoridades administrativas, com apoio em simples opiniões doutrinárias opor-lhes, "a priori", restrições de qualquer natureza. Se, no exercício efetivo de suas atividades comerciais, se verificar que interferem em atividades financeiras não autorizadas, então, sim, caberá ao Banco Central agir na forma da lei. (grifo nosso) Diante desta e de outras sentenças, o Banco Central editou, em 1988, a Circular nº 1.359/88 revogando a Circular nº 703/82: CIRCULAR Nº Comunicamos que a Diretoria do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em , decidiu revogar a Circular nº 703, de , relativa às operações de "factoring". Brasília-DF, 30 de setembro de Keyler Carvalho Rocha Diretor Pode-se dizer, então, que, a partir deste momento, a atividade do factoring passou a ser vista como comercial e não financeira e ser cada vez mais utilizada pelos empresários de pequeno e médio porte Brasil. Tribunal Federal de Recursos. Apelação em Mandado de Segurança nº RS. Relator: Ministro Costa Lima. Publicação: 24 de dezembro de CASTRO, Rogério Alessandre de Oliveira. Factoring no Brasil e na Argentina análise histórica, estrutural e funcional estudo de direito comparado, Convenção de Otawa do Unidroit. Curitiba: Juruá, 2009, p. 89.

21 19 Além disso, como aponta Fran Martins, nesse momento foram editados diversos atos normativos que fazem referência ao factoring, como o art. 28, 1º, c.4, da Lei n /95 e a Resolução nº 2.144/95, do Conselho Monetário Nacional. O primeiro trata do imposto sobre a renda das pessoas jurídicas e faz referência expressa ao factoring. O segundo dita que qualquer operação praticada por empresa de factoring, que seja própria de instituição financeira, será considerada ilícito administrativo, reconhecendo, assim, a natureza comercial do factoring 15. Em suma, nos dizeres de Rogério Alessandre de Oliveira Castro 16 : Enfim podemos dizer que o factoring no Brasil passou a ser estudado no início da década de 70 e praticado no início da década de 80, quando sofre inicialmente restrição do Banco Central do país. Essa restrição, consistente em condicionar a sua atividade apenas às instituições financeiras (Circular 703/82), foi removida em 1988 (Circular 1.359). A partir desse momento, passou-se a registrar, enquanto atividade comercial, crescentes volumes em suas operações internas (factoring doméstico), a ponto de desencadear iniciativas do Congresso Nacional para sua regulamentação, o que, contudo, não ocorreu. 15 MARTINS, Fran. Op., cit. p CASTRO, Rogério Alessandre de Oliveira. Op., cit. p. 90.

22 20

23 21 3 CONCEITO E PARTICULARIDADES DO FACTORING Faz-se necessário, antes de adentrar ao assunto específico das cláusulas pro soluto e pro solvendo nos contratos de factoring, realizar um breve estudo sobre o conceito do instituto, suas modalidades, características contratuais e legislação aplicável. 3.1 Conceito doutrinário de factoring Apesar de a atividade do factoring, como visto, vir sendo praticada no Brasil desde a década de 1980, a produção doutrinária sobre o assunto ainda não é muito vasta. No entanto, é indispensável analisarmos a conceituação do instituto no direito brasileiro. Para Fábio Konder Comparato, o precursor do estudo acadêmico sobre o assunto, o conceito de factoring ou faturização, baseia-se em seu tríplice objeto 17, a saber: garantia na liquidação dos valores no vencimento ou com antecipação, gestão de créditos (serviços de faturamento, cobrança, etc) e financiamento, já que com a negociação de seus títulos decorrentes das vendas a prazo, o faturizado ganha liquidez e capital giro. Segundo Fran Martins 18 : O contrato de faturização ou factoring é aquele em que um empresário cede a outro os créditos, na totalidade ou em parte, de suas vendas a terceiros, recebendo o primeiro do segundo o montante desses créditos, mediante o pagamento de uma remuneração. Na visão de Orlando Gomes 19 : Factoring é o contrato por via do qual uma das partes cede a terceiro (o factor) créditos provenientes das vendas mercantis, assumindo o cessionário o risco de não recebê-los contra o pagamento de determinada comissão a que o cedente se obriga. Arnaldo Rizzardo adota conceito semelhante a este COMPARATO, Fábio Konder. Op., cit. p MARTINS, Fran. Op., cit. p GOMES, Orlando. Contratos. 26 ed. Rio de Janeiro, Forense, 2008, p RIZZARDO, Arnaldo. Contratos. 8 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2008, p

24 22 Para Waldírio Bulgarelli 21 : (...) a operação de factoring repousa na sua substância, numa mobilização de créditos de uma empresa; necessitando de recursos, a empresa negocia os seus créditos cedendo-os a outra, que se incumbe de cobrá-los, adiantando-lhe o valor desses créditos (conventional factoring) ou pagando-os no vencimento (maturity factoring); obriga-se contudo a pagá-los mesmo em caso de inadimplemento por parte do devedor da empresa. Luiz Lemos Leite, fundador da já citada ANFAC, baseando-se na Convenção Diplomática de Ottawa - Maio/88, dita que factoring é 22 : É a prestação contínua de serviços de alavancagem mercadológica, de avaliação de fornecedores, cliente e sacados, de acompanhamento de contas a receber e de outros serviços, conjugada com a compra de créditos de empresas resultantes de suas vendas mercantis ou de prestação de serviços, realizadas a prazo. Para Antonio Carlos Donini 23 : (...) a operação de factoring ou fomento empresarial resume-se em atos que envolvem a compra de crédito, antecipação de recursos não-financeiros (matériaprima) e prestação de serviços convencionais ou diferenciados, conjugados ou separadamente, a título oneroso entre dois empresários, faturizador e faturizado. Assim, pode-se perceber que, geralmente, as definições atribuem duas funções básicas ao factoring, a compra de crédito e a prestação de serviços. Dessa forma, o factoring se mostra como técnica financeira e de gestão comercial 24. Em relação ao primeiro ponto, a técnica financeira, o faturizado/empresa-cliente vende os direitos/créditos provenientes de suas vendas realizadas a prazo, recebendo o valor a vista, pagando uma remuneração, que também é denominada fator de compra. Os títulos de crédito são transferidos através do endosso e da cessão de crédito. Através dessa operação, a empresa de factoring acaba financiando a empresa-cliente, já que lhe dá liquidez ou capital de giro, para que possa cumprir suas obrigações financeiras junto aos fornecedores, funcionários, etc. 21 BULGARELLI, Waldírio. Contratos mercantis. 13 ed. São Paulo: Atlas, 2000, p LEITE, Luiz Lemos. Op., cit. p DONINI, Antônio Carlos. Manual do Factoring. 1 ed. São Paulo: Klarear, 2004, p Diversos autores defendem a apresentação do factoring com técnica financeira e de gestão comercial, dentre eles: MARTINS, Fran. Contratos e obrigações comerciais, ed. rev. e aum. Rio de Janeiro, Forense, 2010, p. 432; DINIZ, Maria Helena. Tratado Teórico e Prático dos Contratos. 6 ed. Rio de Janeiro: Ed. Saraiva, v. 4, p ; RIZZARDO, Arnaldo. Contratos. 8 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2008, p

25 23 É indispensável destacar, como bem afirma Luiz Lemos Leite, que a empresa de factoring não cobra juros sobre os títulos de crédito, e sim um fator de compra, que é o preço de compra dos mesmos, sendo livremente pactuado entre as partes 25. Como explicita este autor, juro representa a remuneração pelo uso do capital de terceiros, levando-se em conta o prazo e o risco do desembolso, excluídas outras despesas e impostos. Enquanto o que ocorre na operação de factoring é a venda realizada, pelo faturizado, dos seus créditos mercantis ao faturizador, que os compra à vista, através da estipulação de um preço (fator). Assim, a operação representa uma compra e venda mercantil. Em relação ao segundo ponto, a técnica de gestão comercial, o factoring, além da negociação dos títulos de crédito, tem como característica a prestação de uma série de serviços, como acompanhamento de contas a receber e a pagar, cobrança, análise de riscos, consultoria, etc. Ou seja, o faturizado tem à sua disposição, quando necessário, com o pagamento de certa remuneração, uma série de serviços de gestão comercial, que têm por base gerar uma maior eficiência econômico-financeira em sua empresa. Apesar desses dois pontos comuns a quase todas as definições de factoring apresentadas na doutrina, há alguns outros que causam grandes discussões acadêmicas, o que é o caso, principalmente, da configuração do factoring como contrato bancário e da necessidade ou não da cláusula pro soluto, sendo este último tema central do presente trabalho. Tais tópicos serão abordados com vagar mais adiante. 3.2 Modalidades Embora o tema deste trabalho diga respeito, fundamentalmente, ao factoring convencional, existem outras modalidades presentes no mercado. Assim, é interessante que se faça um breve estudo sobre elas, no intuito de distinguir a modalidade que aqui está sendo tratada das outras que existem. Diversos autores 26 dividem o instituto do factoring em três grandes manifestações, classificação que Newton de Lucca denomina de levantamento histórico LEITE, Luiz Lemos. Op., cit. p. 63.

26 24 Tais manifestações seriam: a) Colonial factor (século XVI ao século XIX): espécie já desaparecida, nela o factor tem o papel de comissionário ou intermediário, operando como distribuidor dos produtos da metrópole na colônia. O factor tem a função de cobrar créditos, garantir a operação (star del credere) e conceder adiantamentos. b) Old line factor (fins do século XIX): nesta, em geral, deixa de existir a compra e venda de mercadorias, e há, por parte do factor, a atividade de gestão e cobrança dos créditos do faturizado. Há a concessão de adiantamentos dos créditos a prazo cedidos e pode haver a assunção dos riscos da operação pelo factor. Exemplos: conventional factoring, maturity factoring e import-export factoring estas modalidades serão tratadas mais especificamente nesse subitem. c) New style factor ou new line factor (a partir de 1930): desempenha a mesma função do old line factor, mas utilizando diversas técnicas financeiras especializadas. Exemplos: nonnotification factoring (não é realizada a notificação do devedor, a fim de preservar a imagem do faturizado em relação aos fornecedores), undisclosed factoring (o faturizado vende suas mercadorias ao faturizador, que as revende para os clientes do primeiro), entre outros 28. No entanto, mostra-se mais relevante abordar neste trabalho, as modalidades praticadas no Brasil, que quase em sua totalidade são derivadas do old line factor. Como bem aponta Antonio Carlos Donini, as modalidades praticadas no país atualmente são 29 : a) Factoring convencional (conventional factoring): é a modalidade mais comum no Brasil, e é a que está sendo abordada neste trabalho. As definições dadas no item 3.1, dizem respeito a este modelo, no qual se vê presente duas funções básicas: i) compra de crédito e ii) prestação de serviços. b) Maturity factoring: o objeto deste contrato é a compra de crédito pelo faturizador, com o pagamento na data de vencimento dos títulos. Nesta modalidade, o faturizador assume o risco contra o inadimplemento, ficando o faturizado desincumbido em relação aos custos de 26 Diversos autores apresentam dividem o factoring a partir destas três grandes manifestações, como: DE LUCCA, Newton. Op., cit. p ; CASTRO, Rogério Alessandre de Oliveira. Op., cit. p ; GERSCOVICH, Carlos G., y LISOPRAWSKY, Silvio V. Factoring análisis integral del negocio; aspectos legales, comerciales y operativos; financiamento de laspymes, modelos de contrato. Buenos Aires: Ediciones Depalma, 1997, p ; BIANCHI, Renzo. Il factoring i problema gestionaliche comporta. Turim: G. Giappichelli, 1970, p DE LUCCA, Newton. Op., cit. p CASTRO, Rogério Alessandre de Oliveira. Op., cit. p DONINI, Antônio Carlos. Op., cit. p

27 25 cobrança e ao inadimplemento por conta do devedor. O faturizador, também, poderá prestar serviços, como os do factoring convencional, ao faturizado. c) Trustee: nesta modalidade, o faturizador oferece uma gama de serviços diferenciados, dirigindo e administrando as contas a receber e a pagar do faturizado, realizando consultoria e assessorando o faturizado na seleção de clientes e riscos. No entanto, somente é objeto desta modalidade a prestação de serviços, não havendo a cessão de crédito 30. d) Compra de matéria-prima: nesta operação, ocorre a antecipação de recursos não financeiros, no caso, matéria-prima para a produção do faturizado. Assim, o faturizador negocia diretamente com o fornecedor da matéria-prima, assumindo o pagamento dos insumos, comprando-os em nome próprio ou do faturizado. Em contrapartida, o faturizador terá direito de exclusividade sobre os créditos decorrentes das vendas dos produtos derivados da matéria-prima financiada. e) Factoring de importação-exportação: segundo Antônio Carlos Donini, este tipo de contrato é voltado exclusivamente para o campo do comércio exterior, onde o factoring atua em três frentes: importação, exportação e a chamada garantia ou securitização 31. Nessa operação, atuam o exportador, o importador, o factoring de exportação e o factoring de importação (este está estabelecido no lugar da importação). Resumidamente, o importador solicita ao factoring de exportação um limite de crédito, baseado no valor das exportações. Assim, o factoring de exportação contata o factoring de importação, solicitando que este analise e aprove o crédito. Aprovado o crédito, o exportador embarca as mercadorias e notifica o importador de que os direitos constantes das faturas foram cedidos e que o pagamento deve ser realizado ao factoring de importação. Feito isso, o exportador entrega os documentos de embarque ao factoring de exportação, que, em contrapartida, lhe paga o equivalente a 80% do valor das mercadorias. Por fim, o factoring de importação, em posse de toda documentação, remete o valor da importação ao factoring de exportação, descontadas as comissões pactuadas, e cobra do importador o montante devido Autores como Antônio Carlos Donini e Maria Helena Diniz excluem da definição do trustee a operação de cessão de créditos. No entanto, para Rogério Alessandre de Oliveira Castro ela está presente também nessa modalidade. Além disso, este último autor compara a função do trustee com a da recuperação judicial/extrajudicial de empresas, já que basicamente tem como objetivo a superação da crise econômico-financeira do faturizado. (DONINI, Antônio Carlos. Manual do Factoring. 1 ed. São Paulo: Klarear, 2004, p. 18; DINIZ, Maria Helena. Tratado Teórico e Prático dos Contratos. 6 ed. Rio de Janeiro: Ed. Saraiva, v. 4, p. 86; CASTRO, Rogério Alessandre de Oliveira. Factoring no Brasil e na Argentina análise histórica, estrutural e funcional estudo de direito comparado, Convenção de Otawa do Unidroit. Curitiba: Juruá, 2009, p. 124.) 31 DONINI, Antônio Carlos. Op., cit. p LEITE, Luiz Lemos. Factoring no Brasil. 11 ed. São Paulo: Atlas, 2007, p ; GERSCOVICH, Carlos G., y LISOPRAWSKY, Silvio V. Op., cit. p

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Factoring Antonio César Barros de Lima Histórico As operações de Factoring têm sua origem nos séculos XIV e XV, na Europa. O factor era um agente mercantil, que vendia mercadorias

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 Fomento Mercantil 57 Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 A Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro promoveu, em 7 de outubro último, o II Encontro Jurídico de Fomento Mercantil, contando

Leia mais

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1 76 Fomento Mercantil Eunice Bitencourt Haddad 1 No II Encontro de Fomento Mercantil, realizado no dia 7 de outubro do corrente ano, foi possível a avaliação da atividade de factoring por vários ângulos,

Leia mais

BRB Banco de Brasília Escriturário

BRB Banco de Brasília Escriturário A1-AB98 6/1/2010 BRB Banco de Brasília Escriturário Conhecimentos Bancários Brasília 2010 2010 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610,

Leia mais

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza Local e data. À Prefeitura Municipal de Secretaria Municipal de Fazenda Divisão de Fiscalização ------------------------------------------------ Prezados Senhores, Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço

Leia mais

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring)

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) 162 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) Viviane Tovar de Mattos Abrahão 1 A atividade de fomento

Leia mais

Fomento Mercantil (factoring)

Fomento Mercantil (factoring) Fomento Mercantil (factoring) 153 Rudi Baldi Loewenkron 1 Fran Martins conceituou a atividade de fomento mercantil da seguinte forma: O contrato de faturização ou factoring é aquele em que um comerciante

Leia mais

O DIREITO DE REGRESSO NO EXERCÍCIO DO FOMENTO MERCANTIL (FACTORING)

O DIREITO DE REGRESSO NO EXERCÍCIO DO FOMENTO MERCANTIL (FACTORING) O DIREITO DE REGRESSO NO EXERCÍCIO DO FOMENTO MERCANTIL (FACTORING) ELAINY MORAIS GONÇALVES* Pós-Graduada em Direito Público 1. Introdução Em face da estreita faixa de sobrevivência imposta às pequenas

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

Fomento Mercantil. Mariana Moreira Tangari Baptista 1

Fomento Mercantil. Mariana Moreira Tangari Baptista 1 128 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring Fomento Mercantil Mariana Moreira Tangari Baptista 1 O contrato de faturização, fomento mercantil ou factoring é um contrato

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 133 ICMS - ES FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 133 LEGISLAÇÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Legislação aplicada ao factoring Heider Fiuza de Oliveira Filho* Direito Comercial 1. Legislação aplicável 1.1 Arcabouço legislativo Como já fora visto no capítulo anterior, o contrato

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007, que "dispõe sobre as operações de fomento mercantil - factoring, e dá outras providências".

Leia mais

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009).

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009). 1 FACTORING Verônica Barbosa da Costa 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo O presente estudo tem como finalidade colaborar com uma melhor compreensão, à luz do Direito Empresarial, sobre o conceito de Factoring

Leia mais

História e Natureza Jurídica do Factoring

História e Natureza Jurídica do Factoring Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring História e Natureza Jurídica do Factoring 145 Rose Marie Pimentel Martins 1 A palavra FACTORING é formada pela radical FACTOR,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Levi Hülse Período/ Fase: 10ª Semestre: 1º Ano: 2015 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Aspectos gerais da factoring Vitor Cardoso* Rafael Souto** 2. Aspectos gerais 2.1 Denominação O ilustre professor Waldirio Bulgarelli, ao abordar questão relativa a denominação do

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO CARINA SARTORI

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO CARINA SARTORI UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO CARINA SARTORI Da natureza jurídica do fomento comercial (factoring) ao controle do COAF Orientador: Profº Dr. Rogério Alessandre de Oliveira

Leia mais

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais.

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. FACTORING: UM INSTRUMENTO POUCO CONHECIDO WARGAFTIG, Sérgio Nougués Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. RESUMO A atividade de factoring

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais da Disciplina

Leia mais

DIREITO DE REGRESSO NOS CONTRATOS DE FOMENTO MERCANTIL

DIREITO DE REGRESSO NOS CONTRATOS DE FOMENTO MERCANTIL UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO DIREITO DE REGRESSO NOS CONTRATOS DE FOMENTO MERCANTIL RÔMULO MALLMANN COPETTI Itajaí, Junho de 2007. UNIVERSIDADE

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 186 ICMS MS/MT/RO FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 186 ICMS

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring)

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) Faculdade de Economia do Porto MEGI Direito dos Negócios Internacionais Professor Bruno Sousa Maio 2015 0. Índice 1. Noção e caraterísticas 2.

Leia mais

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL Guilherme J. Falcão Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3622 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3622 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 3622 Dispõe sobre as operações de redesconto e de empréstimo de que trata a Medida Provisória n 442, de 6 de outubro de 2008, e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma

Leia mais

Centro Universitário de Brasília Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento - ICPD RICARDO RODRIGUES FONSECA JUNIOR

Centro Universitário de Brasília Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento - ICPD RICARDO RODRIGUES FONSECA JUNIOR Centro Universitário de Brasília Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento - ICPD RICARDO RODRIGUES FONSECA JUNIOR O CONTRATO DE FACTORING E O DIREITO DE REGRESSO BRASÍLIA 2015 RICARDO RODRIGUES FONSECA

Leia mais

O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring

O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring 114 O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring Leonardo Cardoso e Silva 1 O factoring é uma atividade comercial, mista e atípica, que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO DO SCPC Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PROTEÇÃO PROTEÇÃO AO AO CRÉDITO CRÉDITO

Leia mais

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro Havendo a necessidade de se estabelecer os termos e condições que devem obedecer a celebração dos contratos de factoring, de harmonia com o regulamentado no Decreto

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 4.804-A, DE 2001 Dispõe sobre a atividade de empresa emissora de cartão de crédito, e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

Factoring e a Perícia Contábil

Factoring e a Perícia Contábil Factoring e a Perícia Contábil Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: O artigo apresenta de forma sucinta as operações de factoring e suas implicações, que resultam em auto de inspeção pericial;

Leia mais

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda OPERAÇÕES DE CÂMBIO CÂMBIO Câmbio é toda compra, venda ou troca de moeda nacional por moeda estrangeira ou papéis que o representem ou vice-versa. No Brasil em decorrência da atual legislação, sempre uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

LEASING E PRISÃO CIVIL

LEASING E PRISÃO CIVIL MARIANA RIBEIRO SANTIAGO (ADVOGADA FORMADA PELA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA-UFBA; ESPECIALISTA EM CONTRATOS PELA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/ SP; E MESTRANDA

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 10ª Semestre: 2º Ano: 2012 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL

ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL ANTE PROJETO DO CÓDIGO COMERCIAL DO SENADO FEDERAL Capítulo VII Fomento Comercial OUTUBRO 2013 O fomento mercantil consiste na prestação de serviços com as seguintes características: I O prestador dos

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA NOVEMBRO/2008 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO Constituição de subsidiárias integrais ou controladas para o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal...4 Aquisição

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento;

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento; RESOLUCAO 3.844 --------------- Dispõe sobre o capital estrangeiro no País e seu registro no Banco Central do Brasil, e dá outras providências. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO 1 RESOLUÇÃO Nº 20 Documento normativo revogado pela Resolução 2735, de 28/06/2000. O BANCO CENTRAL DA REPÚBLICA DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 28.2.66,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Estudo das garantias nos contratos mercantis internacionais Vanessa Rugai* Por várias razões, nem sempre os compradores conseguem crédito junto aos seus fornecedores. Uma forma de

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002.

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Leia mais

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D. 40 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL III Período: 5 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA O curso é estruturado de sorte a oferecer uma visão panorâmica dos principais aspectos dos títulos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CIRCULAR Nº 870. Brasília-DF, 24 de julho de 1984. José Kléber Leite de Castro Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 870. Brasília-DF, 24 de julho de 1984. José Kléber Leite de Castro Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 870 Comunicamos que, no uso da competência atribuída no item II da Resolução nº 816, de 06.04.83, a Diretoria do Banco Central, em sessão realizada em 18.07.84, objetivando viabilizar a sistemática

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : DUPLICATA Material de apoio para a disciplina Direito Empresarial Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com base nas

Leia mais

CONTRATOS MERCANTIS CONTRATOS MERCANTIS

CONTRATOS MERCANTIS CONTRATOS MERCANTIS CONTRATOS MERCANTIS Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br Homepage: www.armindo.com.br Celular: (82) 9143-7312 CONTRATOS MERCANTIS Tipos de contratos eletrônicos B2B: business to business

Leia mais

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Katyúscia Kelly Pereira de Sousa Feitoza* Títulos de crédito são documentos que representam obrigações

Leia mais

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO 12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO A duplicata mercantil é um documento criado pelo legislador brasileiro. O Código Comercial, embora revogado, previa, em seu art. 219, que nas vendas por atacado, o vendedor

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação:

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO N 2519 Documento normativo revogado pela Resolução 3.005, de 30/07/2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito para Desconto de Cheques Pessoas Jurídicas, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

RESOLUCAO N. 003568. Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências.

RESOLUCAO N. 003568. Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. RESOLUCAO N. 003568 RESOLUCAO 3.568 --------------- Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 25 - Data 23 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF xxxxxx xxxxxx xxxxxx ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br História do factoring Vitor de A. Cardoso* Rafael Teixeira Souto** 1.1. Do factoring antigo aos dias de hoje Determinar as origens históricas de qualquer instituto jurídico é um

Leia mais

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI VERSÃO: 20/7/2009 2/8 MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES

Leia mais

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima;

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima; Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 11 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: V- Transmissão das Obrigações: 1. Cessão de Crédito. V - Transmissão das Obrigações: 1. CESSÃO

Leia mais

CONTRATOS MERCANTIS CONTRATOS MERCANTIS COMPRA E VENDA COMPRA E VENDA COMPRA E VENDA COMPRA E VENDA CONTRATOS MERCANTIS 1

CONTRATOS MERCANTIS CONTRATOS MERCANTIS COMPRA E VENDA COMPRA E VENDA COMPRA E VENDA COMPRA E VENDA CONTRATOS MERCANTIS 1 CONTRATOS MERCANTIS Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br Homepage: www.armindo.com.br Celular: (82) 9143-7312 CONTRATOS MERCANTIS Tipos de contratos eletrônicos B2B: business to business

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Factoring e Legislação Brasileira Carlos Douglas Reinhardt Júnior Evolução histórica O factoring no Brasil surgiu há não mais que 16 Anos, especificamente em 1982, quando foi fundada

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

O ISS e as tarifas bancárias

O ISS e as tarifas bancárias O ISS e as tarifas bancárias No jargão bancário, tarifa é a contrapartida de uma prestação de serviço, é a receita decorrente do serviço prestado. Por conseguinte, sempre que o Banco registra uma receita

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. 1. CONTRATO DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA Dec-Lei 911/69

MATERIAL DE APOIO. 1. CONTRATO DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA Dec-Lei 911/69 MATERIAL DE APOIO 1. CONTRATO DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA Dec-Lei 911/69 Contrato de alienação fiduciária dentro do mercado de capitais, que se dá entre as instituições financeiras em geral e consórcios. Os

Leia mais

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-38 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U:

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U: RESOLUCAO 2.878 Dispõe sobre procedimentos a serem observados pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil na contratação de operações e na

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001.

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

CAPÍTULO I DO CONTRATO DE FOMENTO EMPRESARIAL

CAPÍTULO I DO CONTRATO DE FOMENTO EMPRESARIAL Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007 (PL nº 3.615, de 2000, na Casa de origem), que Dispõe sobre as operações de fomento mercantil factoring, e dá outras providências. Substitua-se

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990. Mensagem de veto Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de

Leia mais

FACTORING. PALAVRAS CHAVE: Contrato. Factoring. Evolução histórica. Divergências. Doutrinárias.

FACTORING. PALAVRAS CHAVE: Contrato. Factoring. Evolução histórica. Divergências. Doutrinárias. FACTORING Bernardo Augusto da Costa Pereira 1 RESUMO O presente artigo trata sobre o contrato de factoring, principalmente no Brasil. Seu objetivo foi analisar o desenvolvimento do contrato desde suas

Leia mais

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Altera a Resolução 3.121, de 2003, que estabelece as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos dos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal;

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal; RESOLUÇÃO Nº 2828 Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de agências de fomento. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº. 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.568 CAPÍTULO I. Art. 3º Os agentes autorizados a operar no mercado de câmbio podem realizar as seguintes operações:

RESOLUÇÃO Nº 3.568 CAPÍTULO I. Art. 3º Os agentes autorizados a operar no mercado de câmbio podem realizar as seguintes operações: RESOLUÇÃO Nº 3.568 Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen E-MAIL: thiara@uniarp.edu.br Período/ Fase: 5ª Semestre: 2º Ano: 2012

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING ROSA CRISTINA GUIMARÃES FIGUEIRA ORIENTADOR Prof. MARCO ANTÔNIO

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 19 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito empresarial: nome empresarial no novo Código Civil Joseph Robert Terrell* RESUMO Com o Novo Código Civil em vigor, ocorreram algumas modificações quanto ao nome empresarial.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994).

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994). 1 RESOLUÇÃO Nº 1.120 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista as disposições

Leia mais