SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA"

Transcrição

1 REVISORES AUDITORES Revista da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA Entrevista ao Colega Domingos Cravo Conferência promovida pela OROC Plano de Formação Contínua Nº 45 ABRIL/JUNHO 2009 EDIÇÃO TRIMESTRAL DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

2 CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS OBJECTIVOS O objectivo principal do Curso é preparar os candidatos ao exame de acesso à profissão de Revisor Oficial de Contas. Para além disso, a frequência do Curso permitirá alcançar os seguintes objectivos genéricos: - O desenvolvimento profissional e científico; - A formação profissional avançada e multidisciplinar; - O desenvolvimento da capacidade para a prática de revisão de contas. O Curso terá lugar nas instalações da OROC: - Lisboa: Rua do Salitre, nº Lisboa - Porto: Avenida da Boavista, nº º 4100 Porto Abertas as inscrições para o Curso de Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Rua do Salitre Lisboa T F REVISORES AUDITORES JAN/MAR 2008

3 Editorial ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 3

4 Sumário Director António Gonçalves Monteiro Director Adjunto Ana Isabel Morais Coordenadora Ana Cristina Doutor Simões Conselho de Redacção Domingos José da Silva Cravo Luísa Anacoreta Correia António Sousa Menezes Design Rita Pires Apoio e Secretariado Ana Filipa Gonçalves Propriedade Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Rua do Salitre LISBOA NIPC : Tel: Fax: Registo de Propriedade n.º DGCS SRIP Depósito Legal n.º 12197/87 Execução Gráfica BRITOGRÁFICA Tel: / Distribuição Gratuita Tiragem 2000 Exemplares Os artigos são da responsabilidade dos seus autores e não vinculam a OROC Membro Fundador da: e Membro da: Em Foco 12 Eventos 24 Notícias 27 Actividade Interna da Ordem 28 Auditoria Controlo validação 42 Contabilidade 49 Direito 73 Mundo 76 Formação Contínua

5 Em Foco (entrevista realizada pela Colega Luísa Anacoreta Correia) 1. O colega foi convidado para presidir o grupo de acompanhamento e análise da proposta de SNC. Quais são os objectivos do referido grupo de trabalho? Qual a natureza dos profissionais que fazem consigo parte do grupo? Pode-se entender que a missão do grupo já terminou? ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 5

6 Em Foco ( )o processo de audição pública do novo SNC foi um êxito e entendo que deve marcar um ponto de mudança no processo de normalização contabilística em Portugal. 2. Numa primeira fase o grupo de trabalho analisou as cartas de comentários ao projecto, enviadas por quem mostrou interesse em tal. Foram recebidas muitas cartas? Pode-se concluir algo sobre convergência de opiniões dos profissionais nesta matéria, i.e. há ideias comuns em várias cartas? De uma forma geral, considerou úteis os comentários recebidos? Considera que foi uma forma positiva de proceder em matéria legislativa? 6 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

7 Em Foco ( )as modificações mais importantes têm a ver com a circunstância de o novo sistema assentar 3. O SNC está finalmente pronto para emissão em Diário da República. Considera que este novo sistema entre em choque com a cultura e conceitos já apreendidos e aceites pelos profissionais de contabilidade e auditoria? Que implicações prevê no modo de funcionamento e desempenho dos profissionais de auditoria e revisão de contas? predominantemente em princípios, contrariamente ao que acontecia com o modelo que assenta ainda hoje no Plano Oficial de Contabilidade, que faz prevalecer um conjunto de regras. ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 7

8 Em Foco A adopção do novo SNC terá, relativamente ao financeiros e as imparidades. POC, impactos essencialmente em três grandes áreas: os capitais próprios, os instrumentos 4. Quais as áreas específicas em que o SNC prevê relevantes diferenças de enquadramento em relação ao actual POC? É de esperar que em empresas de pequena dimensão as alterações não terão o mesmo impacto que em empresas grandes? 8 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

9 Em Foco 5. E em relação ao projecto inicial, que grandes alterações foram feitas na versão final do SNC? ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 9

10 Em Foco 6. A par da entrada em vigor do SNC é igualmente publicado um conjunto de alterações aos actuais códigos fiscais, nomeadamente ao Código do IRC. Neste novo contexto, o apuramento do imposto do exercício fica muito mais independente dos registos contabilísticos do que no actual contexto. Por outro lado, obriga os profissionais a conhecer aprofundadamente dois ambientes normativos distintos, o que já acontecia, mas em muito menor grau. Concorda com estas afirmações? Considera que este passo na separação entre a contabilidade e a fiscalidade acrescenta valor à economia como um todo? ( )a Contabilidade e a Fiscalidade são duas disciplinas ( )com objectivos diferentes 7. O SNC contém um conjunto de normas NCRF aplicáveis a médias e grandes empresas e uma única norma NCRF PE aplicável a pequenas empresas. Que limites definem, e como funcionam, a dimensão das empresas neste contexto? Que estimativa faz do peso das pequenas empresas no tecido empresarial português, ou seja, espera que a NCRF PE seja utilizada por um número grande ou pequeno de empresas? 10 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

11 Em Foco Esta Norma PE vai ser, seguramente, a norma de maior aplicação no quadro do SNC uma vez que admito que possa "Considero crucial que a preparação para a vir a ser utilizada por talvez um pouco mais de mudança se faça a três níveis: o do pessoal, o entidades de um universo de cerca de Daí a dos sistemas de informação, em geral e o dos preocupação de construir uma norma que sistemas contabilísticos, em particular." 8. A partir de 1 de Janeiro de 2010 os registos contabilísticos passam a ser efectuados em ambiente SNC. Que recomendações faz às entidades preparadoras de Demonstrações Financeiras e aos revisores para se adequarem a esta nova realidade? Qual pensa que deve ser o papel da OROC neste contexto? ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 11

12 Eventos 12 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

13 Eventos ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 13

14 Eventos 14 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

15 Eventos ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 15

16 Eventos 16 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

17 Eventos ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 17

18 Eventos 18 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

19 Eventos ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 19

20 Eventos Como vem sendo hábito, a Ordem agraciou os Colegas que completaram, este ano, 25 anos de carreira como Revisores Oficiais de Contas. Na sessão pública que ocorreu no dia 15 de Junho de 2009, foram entregues as medalhas comemorativas respectivas. A Ordem manifestou, assim, o apreço pela dedicação à profissão. A cerimónia permitiu a todos os Colegas presentes homenagear os agraciados, partilhando com eles a comemoração de tão importante data. 25 anos de Profissão ROC Nº NOME 540 JOSÉ BARATA FERNANDES 541 CARLOS MANUEL DUARTE TEIXEIRA 542 VÍTOR MANUEL FERNANDES MARQUES 543 SALVADOR FIGUEIREDO VAS E LIMA 544 MANUEL ANTÓNIO BOTELHO PEREIRA 545 JOAQUIM FERREIRA RIBEIRO 547 DUARTE MANUEL IVENS PITTA FERRAZ 549 HORÁCIO DA SILVA MARREIROS NEGRÃO 550 LUIS AUGUSTO GONÇALVES MAGALHÃES 551 JOÃO PEDRO PIRES FERREIRINHO 552 FLORENTINO GOMES DE OLIVEIRA 553 FRANCISCO FERREIRA DA APRESENTAÇÃO 554 VÍTOR MANUEL DO ESPÍRITO SANTO MARQUES 20 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

21 Eventos ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 21

22 Eventos No dia 15 de Junho de 2009, teve, também, lugar a recepção aos novos Revisores. Os novos Revisores foram felicitados pelo sucesso alcançado. Receberam as cédulas profissionais e os aplausos dos Revisores que são agora seus colegas. Os novos Colegas iniciam o exercício da sua actividade profissional como Revisores Oficiais de Contas numa época marcada por dificuldades. Dificuldades, quer no que respeita à conjuntura de crise económica quer no que respeita à atitude do mercado para com a profissão. A época exige à profissão que demonstre a sua relevância para o mercado. Exige-se aos profissionais que demonstrem as suas competências e os seus valores numa conjuntura em que a crise é, também, uma crise de confiança. Os Revisores têm de (re) conquistar a confiança do Mercado e, assim, preservar o seu lugar. É neste ambiente que se dá a entrada dos novos Revisores. A Ordem permanecerá disponível para prestar a todos o apoio necessário ao bom desempenho da profissão. Novos Revisores ROC NOME 1359 Nuno Alexandre Branco Cardoso 1360 Pedro Alexandre de Sousa Ascenção Duarte 1361 José Manuel de Jesus Brito da Cruz 1362 Pedro Manuel de Resende Pinguicha Galego 1363 João Carlos Cruzeiro da Silva 1364 Pedro Manuel Maia Ribeiro 1365 Catarina Isabel Furtado Pacheco 1366 Ana Gabriela Barata de Almeida 1367 António Carlos de Oliveira Samagaio 1368 Paul Charles Quartly Mallett 1369 Pedro Ferreira Martins Soares 1370 Edgar Alberto Marques Torrão 1371 Cecília da Conceição e Silva Linhares 1372 Joaquim Francisco da Luz Pereira 1373 Pedro Miguel Rocha Seara de Morais 1374 Ana Paula dos Santos Silva e Pinho 1375 Ana Catarina Guerra Rodrigues Breia 1376 Maria Manuela Fortunato Valério Ortega 1377 Carlos Miguel Lopes Pereira da Costa 1378 André Rafael Santos Prazeres Henriques 1379 Andreia Isabel Machado Isidoro 1380 Pedro Miguel Marques e Pereira 1381 Paula Cristina Gomes Teixeira Duarte de Armada 1382 Pedro Henrique Martins Vicente Domingos 1383 Nelson Pinto 1384 Dina Paula Magalhães Marques 1385 Fernando Adérito de Castro Gomes 1386 Edgar Jorge Caldas dos Reis e Silva dos Santos 1387 João Miguel Leonardo Capelo Rodrigues 1388 Rute Isabel Valadas Colaço Viegas 1389 Patrícia Bento Martins 1390 Ricarda Gabriela Gonçalves Fernandes 1391 Fernanda Maria Viegas Gamito 1392 Óscar Rodrigues Veloso 1394 João David Paredes Mendes Dias 22 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

23 Eventos Sorteio Público ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 23

24 Notícias 24 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

25 Notícias Seminário sobre Melhores Práticas no reporte de estatísticas de I&D ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 25

26 Notícias Oradores: Desafios e oportunidades para a melhoria da produção de estatísticas de I&D Medição da despesa em I&D em Hospitais e outros Serviços na área da saúde Medição da despesa em I&D em Serviços de Conhecimento Intensivo (Knowledge Intensive Services) Medição da despesa em I&D e dos Recursos Humanos no sector privado 26 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

27 Actividade Interna da Ordem Alterações dos Sistemas de Informação da OROC Encontros na Ordem Registo Comercial On-line Formação contínua Sistema de Normalização Contabilística ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 27

28 Auditoria 28 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

29 José Miguel Rodrigues Membro Estagiário da OROC Auditoria SUMÁRIO Objectos da Auditoria Controlos -chaves Testes aos controlos Testes Substantivos Todas as vendas e prestações de serviços registadas foram efectivamente realizadas para clientes da entidade (ocorrência); A concessão de crédito é autorizada Verificação do envio antes da prestação do serviço As facturas de vendas são emitidas dos extractos bem como a recepção das sequencialmente com recurso ao sistema de informação Só são prestados cuidados de saúde respostas por parte dos clientes. Análise e teste das a pessoas existentes no sistema e quando não existam, os dados dessas pessoas são carregados conciliações de saldo preparadas pela entidade. Mensalmente são enviados aos clientes extractos de conta, cujas respostas são subsequentemente analisadas pelos serviços. Pedir, por amostragem aleatória, para um dia de cada mês, as listagens de cuidados médicos prestados, extraídas do sistema; Observar nas listagens se todos os campos estão preenchidos, nomeadamente o campo nº de cartão (que identifica o sistema de saúde ao qual o utente pertence). Verificar o impacto destas situações na facturação da entidade. Procurar nos extractos das contas de prestações de serviços e clientes, movimentos avultados ou contra-natura e analisar a razão de ser desses movimentos; Entrar em contacto com os subsistemas no sentido de lhes pedir a base de dados de utilizadores; Confrontar essa base de dados com a base de dados da entidade, por forma a detectar incoerências; Promover reuniões entre membros da entidade e dos subsistemas por forma a resolverem estas incoerências. Obj. Aud. Controlos -chaves T.C. T.S. Todas as vendas e prestações de serviços realizadas foram registadas (integralidade) Todas as prestações de serviços (excepto as urgências) são marcadas previamente e introduzidas no sistema É feita uma correspondência entre as marcações e as prestações de serviços efectuadas Para os casos em que não existe marcação prévia, todas as prestações de serviços são registadas com todos os dados necessários Todas as prestações de serviços registadas no sistema são facturadas Trata-se de uma situação difícil de controlar neste caso em particular (conforme explanado no ponto 3.4 do relatório). Contudo o auditor deverá: Procurar junto dos responsáveis da entidade e dos serviços em causa, sensibilizá-los para os danos que são efectuados para a entidade por via destes comportamentos; Procurar criar procedimentos que dificultem a ocorrência destas situações. Outros procedimentos: Comparar, através do pedido de listagens mensais, as marcações de consultas em aberto no sistema das urgências com as consultas realizadas sem prévia marcação no sistema das consultas; Verificar eventuais desfasamentos. ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 29

30 Auditoria Obj. Aud. Controlos -chaves T.C. T.S. Todas as vendas e prestações de serviços encontram-se mensuradas correctamente (mensuração) A determinação dos preços, termos Verificar os termos, Analisar as listagens e os procedimentos efectuados pelo Administrador; e descontos dos serviços prestados a conformidade Efectuar o trabalho do Administrador, por amostragem, de um dia por mês; é previamente autorizada e legalidade Confrontar as conclusões de ambos os trabalhos; Os preços de venda unitários dos contratos Se diferentes, analisar essas mesmas as diferenças e respectivo impacto nas aprovados, encontram-se programa assinados demonstrações financeiras da entidade. introduzidos no sistema e são bem como dos Visitar os serviços pelo menos uma vez por trimestre, de forma a verificar se todos os utilizados para todas as prestações de serviços vários protocolos assinados com os meios complementares de diagnóstico são inseridos no sistema; Pedir, por amostragem aleatória, para um dia de cada mês, as listagens do sistema A facturas preparadas são vários subsistemas de gestão dos atendimentos e analisá-las no sentido de detectar todos os meios internamente conferidas antes de de saúde. complementares de diagnóstico efectuados; enviadas para os clientes Comparar as Fazer o follow-up dessas situações, ou seja, junto da área de doentes e da facturação Os montantes totais das facturas listagens de preços verificar (também por amostragem) quais destes meios complementares de diagnóstico emitidas são comparados com os do sistema com foram facturados; resumos constantes no sistema os existentes Pedir as listagens de facturação por acto médico praticado e comparar os vários centros na portaria e nos protocolos de saúde; Verificar se as listagens em causa possuem algum acto médico após a meia-noite; realizados com as Visitar os centros de saúde e falar com as pessoas responsáveis (entre outras pessoas que entidades. se revelem chave), de forma a verificar a evolução da situação face ao ano anterior; Obj. Aud. Controlos -chaves T.C. T.S. As vendas e prestações de serviços foram registadas nas datas correctas (mensuração especialização dos exercícios) Os procedimentos existentes garantem que o registo das prestações de serviços é realizado na data correcta. As vendas e prestações de serviços são verificadas internamente Verificar, por amostragem na área de doentes, a data dos atendimentos dos processos com entrada mais recente nesta área; Tendo em consideração os dados estatísticos mais recentes, estimar, por um lado, a facturação efectuada este ano respeitante ao ano anterior e, por outro, a facturação em falta até ao final do exercício; Analisar o impacto destas alterações nas demonstrações financeiras da entidade. Obj. Aud. Controlos chave T.C. T.S. As vendas e prestações de serviços encontram-se correctamente classificadas na contabilidade e devidamente enquadradas nas demonstrações financeiras (apresentação e divulgação) A entidade utiliza um plano de contas adequado As vendas e prestações de serviços são verificadas e revistas internamente Mensalmente são enviados aos clientes extractos de conta, cujas respostas são subsequentemente analisadas pelos serviços O ficheiro de contas receber é verificado internamente O ficheiro de contas a receber é comparado regularmente com os saldos constantes na contabilidade Analisar a adequação do plano de contas face às actividades desenvolvidas pela entidade na área de vendas e prestação de serviços. Análise de como o sistema de informação está construído, por forma a detectar algumas falhas. No caso em apreço, por se tratar de um E.R.P. já há alguns anos utilizado no mercado, consideramos que o mesmo se apresenta fiável nesta área. 30 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

31 José Miguel Rodrigues Auditoria CASO SLS 1.Apresentação da entidade 2.Os ciclos em auditoria 3.Ciclo das vendas e prestações de serviços RECONHECIMENTO DAERDA CRÉDITO MAL PARADO DEVOLUÇÃO VENDA/PRESTAÇÃO DOERVIÇO RECEBIMENTO ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 31

32 Auditoria 3.1. Asserções existência direitos e obrigações ocorrência integralidade valorização mensuração apresentação e divulgação 3.2. A importância do controlo interno 32 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

33 José Miguel Rodrigues Auditoria Nº DE ACTOS MÉDICOS PRATICADOS Actos Médicos % var % var. Consultas Médicas 470, , % 507, % Urgências 293, , % 301, % Consultas Enfermagem 346, , % 368, % Sessões Tratamento Med. Fisica Reabilitação 44,862 45, % 48, % Cirurgias Globais 14,274 14, % 15, % Visitação Domiciliária de Enfermagem 102, , % 106, % Meios Complementares de Diagonóstico 2,738,936 2,999, % 3,420, % Total dos Actos Médicos Praticados 4,011,657 4,296, % 4,768, % Doentes Tratados em Internamento 24,323 24, % 24, % Nº de Dias de Internamento 226, , % 228, % Nº médio de dias por Doente ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 33

34 Auditoria 3.3. Perceber as operações da entidade e os controlos existentes Análise dos fluxogramas Questionários de controlo interno e outros testes de controlo 34 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

35 José Miguel Rodrigues Auditoria Objectivos de auditoria Todas as vendas e prestações de serviços registadas foram efectivamente realizadas para clientes da entidade (ocorrência); Todas as vendas e prestações de serviços realizadas foram registadas (integralidade) Todas as vendas e prestações de serviços encontram-se mensuradas correctamente (mensuração) As vendas e prestações de serviços foram registadas nas datas correctas (mensuração especialização dos exercícios) As vendas e prestações de serviços encontramse correctamente classificadas na contabilidade e devidamente enquadradas nas demonstrações financeiras (apresentação e divulgação) Controlos-chave A concessão de crédito é autorizada antes da prestação do serviço As facturas de vendas são emitidas sequencialmente com recurso ao sistema de informação Só são prestados cuidados de saúde a pessoas existentes no sistema e quando não existem os dados dessas pessoas são carregados. Mensalmente são enviados aos clientes extractos de conta, cujas respostas são subsequentemente analisadas pelos serviços. Todas as prestações de serviços (excepto as urgências) são marcadas previamente e introduzidas no sistema É feita uma correspondência entre as marcações e as prestações de serviços efectuadas Para os casos em que não existe marcação prévia, todas as prestações de serviços são registadas com todos os dados necessários Todas as prestações de serviços registadas no sistema são facturadas A determinação dos preços, termos e descontos dos serviços prestados é previamente autorizada Os preços de venda unitários aprovados, encontram-se introduzidos no sistema e são utilizados para todas as prestações de serviços A facturas preparadas são internamente conferidas antes de enviadas para os clientes Os montantes totais das facturas emitidas são comparados com os resumos constantes no sistema Os procedimentos existentes garantem que o registo das prestações de serviços é realizado na data correcta. As vendas e prestações de serviços são verificadas internamente A entidade utiliza um plano de contas adequado As vendas e prestações de serviços são verificadas e revistas internamente Mensalmente são enviados aos clientes extractos de conta, cujas respostas são subsequentemente analisadas pelos serviços. O ficheiro de contas a receber é verificado internamente O ficheiro de contas a receber é comparado regularmente com os saldos constantes na contabilidade ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 35

36 Auditoria 3.4. Determinação do risco de controlo A concessão de crédito é autorizada antes da prestação do serviço 0.30 OCORRÊNCIA As facturas de vendas são emitidas sequencialmente com recurso ao sistema de informação 0.00 Só são prestados cuidados de saúde a pessoas existentes no sistema e quando não existem os dados dessas pessoas são carregados Mensalmente são enviados aos clientes extractos de conta, cujas respostas são subsequentemente analisadas pelos serviços Todas as prestações de serviços (excepto as urgências) são marcadas previamente e introduzidas no sistema 0.65 INTEGRALIDADE É feita uma correspondência entre as marcações e as prestações de serviços efectuadas 0.70 Para os casos em que não existe marcação prévia, todas as prestações de serviços são registadas com todos os dados necessários Todas as prestações de serviços registadas no sistema são facturadas 0.91 A determinação dos preços, termos e descontos dos serviços prestados é previamente autorizada 0.10 MENSURAÇÃO Os preços de venda unitários aprovados, encontram-se introduzidos no sistema e são utilizados para todas as prestações de serviços 0.05 A facturas preparadas são internamente conferidas antes de enviadas para os clientes Os montantes totais das facturas emitidas são comparados com os resumos constantes no sistema 0.86 MENSURAÇÃO - ESPECIALIZAÇÃO Os procedimentos existentes garantem que o registo das prestações de serviços é realizado na data correcta (ex. existe uma pessoa responsável por assegurar que não existem registos atrasados e caso existam haverá descontos nos ordenados) As vendas e prestações de serviços são verificadas internamente A entidade utiliza um plano de contas adequado 0.02 APRESENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO As vendas e prestações de serviços são verificadas e revistas internamente 0.60 Mensalmente são enviados aos clientes extractos de conta, cujas respostas são subsequentemente analisadas pelos serviços O ficheiro de contas a receber é verificado internamente O ficheiro de contas a receber é comparado regularmente com os saldos constantes na contabilidade REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

37 José Miguel Rodrigues Auditoria Ocorrência Integralidade ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 37

38 Auditoria Mensuração Mensuração Especialização dos exercícios Apresentação e divulgação 3.5. Avaliação do custo-benefício de realizar testes de controlo 38 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

39 José Miguel Rodrigues Auditoria 3.6. Desenho e realização dos testes de controlo Controlos A determinação dos preços, termos e descontos dos serviços prestados é previamente autorizada (mensuração). Os preços de venda unitários aprovados, encontram-se introduzidos no sistema e são utilizados para todas as prestações de serviços (mensuração). A entidade utiliza um plano de contas adequado. São enviados aos clientes extractos de conta, cujas respostas são subsequentemente analisadas pelos serviços. O ficheiro de contas a receber é comparado regularmente com os saldos constantes na contabilidade (não é efectuado) Testes aos Controlos Verificar os termos, a conformidade e legalidade dos contratos programa assinados bem como dos vários protocolos assinados com os vários subsistemas de saúde. Comparar as listagens de preços do sistema com os existentes na portaria e nos protocolos realizados com as entidades. Analisar a adequação do plano de contas face às actividades desenvolvidas pela entidade na área de vendas e prestação de serviços. Verificação do envio dos extractos bem como a recepção das respostas por parte dos clientes. Análise e teste das conciliações de saldo preparadas pela entidade. Análise de como o sistema de informação está construído, por forma a detectar algumas falhas. No caso em apreço, por se tratar de um E.R.P. já há alguns anos utilizado no mercado, consideramos que o mesmo se apresenta fiável nesta área Avaliação dos resultados ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 39

40 Auditoria Fraquezas (ponto 3.4) Descrição sumária 3.8. Realização de testes substantivos Testes Substantivos 1.a) 1.b) 2.a) Dados dos clientes não carregados Não cruzamento como base dados dos subsistemas Marcação prévia (consultas) Pedir, por amostragem aleatória, para um dia de cada mês, as listagens de cuidados médicos prestados, extraídas do sistema; Observar nas listagens se todos os campos estão preenchidos, nomeadamente o campo nº de cartão (que identifica o sistema de saúde ao qual o utente pertence). Verificar o impacto destas situações na facturação da entidade. Procurar nos extractos das contas de prestações de serviços e clientes, movimentos avultados ou contra-natura e analisar a razão de ser desses movimentos; Entrar em contacto com os subsistemas no sentido de lhes pedir a base de dados de utilizadores; Confrontar essa base de dados com a base de dados da entidade, por forma a detectar incoerências; Promover reuniões entre membros da entidade e dos subsistemas por forma a resolverem estas incoerências. Trata-se de uma situação impossível de controlar neste caso em particular. Contudo o auditor deverá: Procurar junto dos responsáveis da entidade e dos serviços em causa, sensibilizá-los para os danos que são efectuados para a entidade por via destes comportamentos; Procurar criar procedimentos que dificultem a ocorrência destas situações. 3.a) Cruzamento entre marcações e realizações (consultas) Comparar, através do pedido de listagens mensais, as marcações de consultas em aberto no sistema das urgências com as consultas realizadas sem prévia marcação no sistema das consultas; Verificar eventuais desfasamentos. 4.a) Igual à situação 1.a) 5.a) Facturação aos subsistemas Analisar as listagens e os procedimentos efectuados pelo Administrador; Efectuar o trabalho do Administrador, por amostragem, de um dia por mês; Confrontar as conclusões de ambos os trabalhos; Se diferentes, analisar essas mesmas as diferenças e respectivo impacto nas demonstrações financeiras da entidade. 5.b) Facturação meios complementares de diagnóstico Visitar os serviços pelo menos uma vez por trimestre, de forma a verificar se todos os meios complementares de diagnóstico são inseridos no sistema; Pedir, por amostragem aleatória, para um dia de cada mês, as listagens do sistema de gestão dos atendimentos e analisá-las no sentido de detectar todos os meios complementares de diagnóstico efectuados; Fazer o follow-up dessas situações, ou seja, junto da área de doentes e da facturação verificar (também por amostragem) quais destes meios complementares de diagnóstico foram facturados; 5.c) Facturação dos centros de saúde Pedir as listagens de facturação por acto médico praticado e comparar os vários centros de saúde; Verificar se as listagens em causa possuem algum acto médico após a meia-noite; Visitar os centros de saúde e falar com as pessoas responsáveis (entre outras pessoas que se revelem chave), de forma a verificar a evolução da situação face ao ano anterior; 6.a) Especialização da facturação internamentos Verificar, por amostragem na área de doentes, a data dos atendimentos dos processos com entrada mais recente nesta área; Tendo em consideração os dados estatísticos mais recentes, estimar, por um lado, a facturação efectuada este ano respeitante ao ano anterior e, por outro, a facturação em falta até ao final do exercício; Analisar o impacto destas alterações nas demonstrações financeiras da entidade. 40 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009

41 José Miguel Rodrigues Auditoria 4.Conclusões Data Trabalho a desenvolver Notas complementares Junho N Reunião preparatória com o Órgão de Gestão Nesta reunião dever-se-á procurar obter uma visão geral da evolução da entidade e de quais os seus pontos mais críticos, em qualquer uma das áreas (na qual se inclui as vendas e prestações de serviços). Junho N Identificação das áreas e rubricas significativas e planeamento global do trabalho de auditoria Neste sentido é crucial obter dados da actividade desenvolvida pela entidade (ex. nº e preço dos actos médicos praticados pela entidade nos últimos anos, bem como outros dados estatísticos) bem como informações sobre a sua forma de funcionamento. Julho / Setembro N Primeira fase da análise do sistema de controlo interno Nesta fase iremos proceder à realização dos questionários através de entrevistas nos locais de trabalho das pessoas, aproveitando a ocasião para observar e realizar um conjunto de testes ao controlo (ver ponto 3.3.2) Outubro N Segunda fase da análise do sistema de controlo interno Realização dos testes ao controlo com uma relação positiva entre custo-benefício, tendo em consideração as conclusões da primeira fase (ver ponto 3.5). Novembro N Definição da estratégia de auditoria Fase de carácter global e que tem em consideração as conclusões emanadas da análise do sistema de controlo interno da entidade. É aqui que se planeiam quais os testes substantivos que o auditor irá efectuar. (ver ponto 3.8) Janeiro, Fevereiro N+1 Realização dos testes substantivos Alguns destes testes poderão ser realizados ao longo de N, tendo em consideração que se trata de um trabalho de continuidade e a equipa de auditoria já possui um conhecimento alargado da entidade. Março N+1 Conclusões do trabalho efectuado Março N+1 Elaboração do capítulo referente a esta área do Relatório de Auditoria e discussão da minuta da Certificação Legal das Contas Até 15 Março de N+1 Entrega da Certificação Legal das Contas ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 41

12 REVISORES AUDITORES

12 REVISORES AUDITORES 12 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009 ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 13 14 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009 ABR/JUN 2009 REVISORES AUDITORES 15 16 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009 ABR/JUN 2009 REVISORES

Leia mais

28 REVISORES AUDITORES

28 REVISORES AUDITORES Auditoria 28 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009 José Miguel Rodrigues Membro Estagiário da OROC Auditoria SUMÁRIO Objectos da Auditoria Controlos -chaves Testes aos controlos Testes Substantivos Todas as

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística www.pwcacademy.pt Sistema de Normalização Contabilística Sector da Construção Academia da PwC Oportunidade para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística bem como os

Leia mais

Formação contínua. Curso de Preparação para Candidatos. E-learning. Formação. Secretariado e Instalações. Utilidade Profissional.

Formação contínua. Curso de Preparação para Candidatos. E-learning. Formação. Secretariado e Instalações. Utilidade Profissional. Formação Curso de Preparação para Candidatos a ROC Entre meados de junho e até final de agosto decorrerão as candidaturas ao Curso de Preparação para Revisores Oficiais de Contas 2016. Está previsto, o

Leia mais

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Almancil, Loulé Horário n.º: 27-18 horas 2013-10-09 Grupo de Recrutamento: 420 - Geografia LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Ordenação Graduação

Leia mais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais A 796 Neuza Soraia Rodrigues Carvalhas Direito e Processual 729 Maria Teresa Barros Ferreira Direito e Processual 938 Rute Isabel Bexiga Ramos Direito e Processual 440 Inês Lopes Raimundo Direito e Processual

Leia mais

LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600. Horário 28

LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600. Horário 28 LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600 Horário 28 Graduação Profissional Nº Candidato Nome 24,508 4716699811 Vanda Isabel do Vale Silva Almeida 24,203 8219102942 Cristina Maria da

Leia mais

EuraAudif'nternaíional

EuraAudif'nternaíional EuraAudif'nternaíional RELATÓRIO ANUAL DE TRANSPARÊNCIA Exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 1. Introdução Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 62. 0 A - do Decreto-Lei n.? 487/99, de

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DAS EQUIPAS VENCEDORAS

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DAS EQUIPAS VENCEDORAS DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DAS EQUIPAS VENCEDORAS Os docentes responsáveis pela elaboração e pela correção das provas das Olimpíadas do Conhecimento 2ª Edição 2012 fizeram chegar à Comissão Organizadora

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

PROGRAMA Módulo I Propriedade Industrial 29/01/2011 05/01/2011

PROGRAMA Módulo I Propriedade Industrial 29/01/2011 05/01/2011 II CURSO PÓS-GRADUADO DE DIREITO INTELECTUAL 2011 PROGRAMA Módulo I Propriedade Industrial (sábados de manhã, de 29 de Janeiro a 26 de Março) Coordenadores: Prof. Doutor José de Oliveira Ascensão Prof.

Leia mais

Índice. CAPÍTULO III - Regime Financeiro Artigo 17.º Gestão Financeira do CICF Artigo 18.º Verbas do CICF

Índice. CAPÍTULO III - Regime Financeiro Artigo 17.º Gestão Financeira do CICF Artigo 18.º Verbas do CICF Regulamento do Centro de Investigação em Contabilidade e Fiscalidade (CICF) Homologado na reunião do Conselho Científico em 23 de Junho de 2010 1 Índice CAPÍTULO I - Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza

Leia mais

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Gabinete/Cargo Nome Extensão E-mail Diretor Luiz Felipe Rocha de Faria 1450 lef@isep.ipp.pt Sub-diretor(es) António Constantino Lopes 1462 acm@isep.ipp.pt

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO:

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) Apresentação A Comissão de Normalização Contabilística aprovou em Julho de 2007 o projecto do novo Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

Apuramento do resultado fiscal em SNC

Apuramento do resultado fiscal em SNC www.pwcacademy.pt Apuramento do resultado fiscal em SNC Lisboa, 23 e 29 de Novembro Academia da PwC Lisboa, 7ª edição Esta formação reúne conteúdos para a atribuição de créditos, nos termos previstos no

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

Análise Matemática I - Informática de Gestão Avaliação da 1ª frequência

Análise Matemática I - Informática de Gestão Avaliação da 1ª frequência Análise Matemática I - Informática de Gestão Avaliação da 1ª frequência Número Nome Nota Obs 10780 ALEXANDRE JOSÉ SIMÕES SILVA 15 11007 ALEXANDRE REIS MARTINS 7,7 11243 Álvaro Luis Cortez Fortunato 11,55

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 RUA GENERAL FIRMINO MIGUEL, 3, TORRE 2-1º A/B, 1600-100 LISBOA, PORTUGAL TEL.: + 351217210180

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Pós Graduação. Conservação e Reabilitação de Construções

Pós Graduação. Conservação e Reabilitação de Construções Pós Graduação Conservação e Reabilitação de Construções Candidaturas on line Configuração do módulo datas: Data de Início das Candidaturas (AAAA-MM-DD) 2014-01-15 Data de Início da Seriação (AAAA-MM-DD)

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

Due Diligence Aspectos Práticos

Due Diligence Aspectos Práticos Due Diligence Aspectos Práticos Foi tendo em conta os aspectos práticos do tema que o Dr. Ivo Renato Moreira de Faria Oliveira apresentou o trabalho sobre o Due Diligence Financeiro no Contexto de uma

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

Artigo 23.º da Portaria 243/ 2012, de 10 de agosto 10.º ANO

Artigo 23.º da Portaria 243/ 2012, de 10 de agosto 10.º ANO Adriano Filipe Dias Sequeira Ana Carolina Leite da Silva 10.º ANO Ana Filipa Martins Façanha Marques Ana Laura Martins Dengucho Ana Luísa Marques Tomé Ana Sofia Tomé Vicente Andreia Cristina de Oliveira

Leia mais

Curso Breve de Inglês Jurídico Calendário das Sessões

Curso Breve de Inglês Jurídico Calendário das Sessões Calendário das Sessões Mês Dia Sala Grupo 1 Janeiro 16, 17, 23, 24, 30 31 Fevereiro 6,7 Grupo 2 Fevereiro 27,28 Março 5,6,12,13,19,20 Grupo 3 Abril 9,10,16,17,23,24 Maio 7,8 Grupo 4 Maio 14,15,21,22,28,29

Leia mais

Contabilidade e Fiscalidade

Contabilidade e Fiscalidade www. indeg. iscte-iul. pt ARTICULA OS PRINCIPAIS TEMAS DE RELEVÂNCIA ATUAL E FUTURA NA ÁREA DA ATRAVÉS DE UMA ESTRUTURA PROGRAMÁTICA SÓLIDA E ABRANGENTE NA ÁREA CIENTÍFICA DA CONTABILIDADE Contabilidade

Leia mais

BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM

BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS Relatório Final sobre a Consulta Pública n.º 3/2007 relativa à BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL 1 1. Introdução Entre

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Escola Superior de Gestão Março de 2009 JUSTIFICAÇÃO DO CURSO No âmbito do processo

Leia mais

Pós-Graduação. Contabilidade e Finanças. Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Edital 1ª Edição 2012

Pós-Graduação. Contabilidade e Finanças. Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Edital 1ª Edição 2012 Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação Contabilidade e Finanças Edital 1ª Edição 2012 3ª Fase Enquadramento O Sines Tecnopolo apresenta, em parceria

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA ESCOLA BÁSICA DE CAMPIA MATEMÁTICA - 2013/2014 (3.º período) 2.º Ciclo - TABUADA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA ESCOLA BÁSICA DE CAMPIA MATEMÁTICA - 2013/2014 (3.º período) 2.º Ciclo - TABUADA 2.º Ciclo - TABUADA 1.ºs 6.º Ac 7 Fernando Miguel L. Fontes 100,0 6.º Ac 8 Francisca Vicente Silva 100,0 6.º Bc 2 Daniel Henriques Lourenço 99,6 3.ºs 5.º Bc 16 Simão Pedro Tojal Almeida 99,6 5.º Ac 10

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13008 10 E Técnico de Instalações Elétricas Carlos Jorge Oliveira Rodrigues Escola Secundária de São Pedro do Sul 13791 10 E Técnico de Instalações Elétricas Daniel dos Santos Rodrigues Escola Secundária

Leia mais

Técnicos Especializados

Técnicos Especializados Nome da Escola : Data final da candidatura : Disciplina Projeto: Agrupamento de Escolas Alexandre Herculano, Porto Nº Escola : 153000 2015-09-03 Nº Horário : 75 Escola de Referência para a Educação Bilingue

Leia mais

3242 Instituto Politécnico de Tomar - Escola Superior de Tecnologia de Tomar. Concurso Nacional de Acesso 2007-3ª Fase - Candidatos Colocados

3242 Instituto Politécnico de Tomar - Escola Superior de Tecnologia de Tomar. Concurso Nacional de Acesso 2007-3ª Fase - Candidatos Colocados 9089 Engenharia Civil 13354712 01 ANA CATARINA PIRES SIMÕES FERREIRA DE CAMPOS 13571627 01 ANA RITA PINHO SOUTO 13219144 01 ANDRÉ FILIPE DA SILVA AMORIM 13273974 01 ANTÓNIO FRANCISCO MERCÊ FRAGOSO 12806209

Leia mais

Escola/Agrupamento Docente que requereu avaliação Período Grupo Avaliador Escola a que pertence

Escola/Agrupamento Docente que requereu avaliação Período Grupo Avaliador Escola a que pertence OBSERVAÇÃO DE AULAS Ano Letivo 2012-2013 Escola/Agrupamento Docente que requereu avaliação Período Grupo Avaliador Escola a que pertence Albertina de Jesus Ferraz Gouveia 2012-2013 500 José Luís Valério

Leia mais

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC.

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC. www.pwc.pt/academy SNC Casos Práticos Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 outubro, de novembro Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro Academia da PwC 6ªEdição Lideres na formação de executivos no SNC,

Leia mais

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º s de Castro Daire Turma : A 1498 1 Ana Catarina Costa Esteves 14920 2 Ana Francisca da Silva Fernandes 16292 3 Beatriz Monteiro Andrade 14409 4 Camila Almeida Oliveira

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

MBA em Gestão de Unidades de Saúde. 2ª Edição

MBA em Gestão de Unidades de Saúde. 2ª Edição MBA em Gestão de Unidades de Saúde 2ª Edição Funchal Junho de 2011 CURSO DE GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Justificação Num contexto de especial complexidade socio-económica, encontram fundamento as preocupações

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 840 Março de 2008 Relatório Sobre os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Direito do Trabalho e de Processo de Trabalho 2010/2011

Curso de Pós-Graduação em Direito do Trabalho e de Processo de Trabalho 2010/2011 Curso de Pós-Graduação em Direito do Trabalho e de Processo de Trabalho 2010/2011 INICIO: 11 de Fevereiro de 2011 COORDENAÇÃO: Dr. Paulo Morgado de Carvalho / Prof. Doutor Júlio Vieira Gomes Com a participação

Leia mais

Programa 1º Workshop Posicionar o Planeamento e Controlo de Gestão no Hospital. 6-7 Maio 2009 4ªf-5ªf

Programa 1º Workshop Posicionar o Planeamento e Controlo de Gestão no Hospital. 6-7 Maio 2009 4ªf-5ªf Programa 1º Workshop Posicionar o Planeamento e Controlo de Gestão no Hospital 6-7 Maio 2009 4ªf-5ªf A crescente relevância que as áreas do planeamento e controlo de gestão têm assumido na gestão das organizações

Leia mais

Notas do exame da época de recurso de Contabilidade Financeira II 2008/09 Curso de Gestão

Notas do exame da época de recurso de Contabilidade Financeira II 2008/09 Curso de Gestão Notas do exame da época de recurso de Contabilidade Financeira II 2008/09 Curso de Gestão Exame Nota No. Nome Regime Recurso Final 22528 Adriana da Silva Afonso Ordinário 1.25 R 21342 Alexandra Crespo

Leia mais

ATESTADOS DE FORMAÇÃO

ATESTADOS DE FORMAÇÃO Hélio Luís Coelho Nogueira 01/2012 22/11/2012 22/11/2019 Mário João Rodrigues Matias 02/2012 22/11/2012 22/11/2019 Nuno Miguel Gonçalves Saraiva 03/2012 22/11/2012 22/11/2019 Paulo Alexandre Gonçalves

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL Adriana da Conceição Palhares Lopes Alexandra Rodrigues Barbosa Ana Salomé Lopes Queirós Andreia Dias da Costa Bianca Patricia Gonçalves Ramos Carina Filipa Monteiro Rodrigues

Leia mais

Novo Modelo Contabilístico

Novo Modelo Contabilístico www.pwcacademy.pt Novo Modelo Contabilístico Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Academia da PwC Oportunidade única para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística.

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação Procedimento de concessão e acompanhamento da atribuição da Marca ACSS-Software Certificado a produtos de software para utilização nas instituições e Unidade Operacional de Normalização e Certificação

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Estas informações, elaboradas conforme os documentos do Plano de Financiamento para Actividades Estudantis, servem de referência e como informações complementares. Para qualquer consulta, é favor contactar

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE APRESENTAÇÃO DO PRONTUÁRIO TERAPÊUTICO INFARMED, 3 DE DEZEMBRO DE 2003 Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos Exmo. Senhor Bastonário

Leia mais

II CURSO DE VERÃO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL PROGRAMA SEGUNDA-FEIRA 6/07/09

II CURSO DE VERÃO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL PROGRAMA SEGUNDA-FEIRA 6/07/09 FACULDADE DE DIREITO DE LISBOA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DIREITO INTELECTUAL II CURSO DE VERÃO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL 6 a 10 de Julho de 2009 Coordenador: Prof. Doutor José de Oliveira Ascensão PROGRAMA

Leia mais

GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL

GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL Curso Novo Ficha Académica de Curso GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL Pós-Graduação Curso Pós-Graduação em GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL Unidade Orgânica ULP / FCNET Grau ECTS 65 ECTS Horas de Contacto

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE MUNICÍPIO DE ALCOCHETE ASSEMBLEIA MUNICIPAL N.º 05/08 ACTA DA SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL REALIZADA EM 19 DE NOVEMBRO DE 2008 1 Aos dezanove dias do mês de Novembro do ano de 2008, nesta

Leia mais

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos : A 12 1 Adriana Beatriz Pinto Pereira Cortez S 13078 2 Ana Francisca Conceição Costa S 136 3 Ana Francisca Rodrigues Preces 1307 4 António José da Silva Loreto S 13084 Beatriz Moura Neves Beja Facas S

Leia mais

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo Tecnologias na Contabilidade 1 SUMÁRIO 1. Introdução Impacto das Novas 2. Impacto das Novas Tecnologias na Economia e na Sociedade a) A Empresa na Hora b) A Empresa On-line c) A informação Empresarial

Leia mais

Lista Ordenada. Ponderação da Avaliação do Portefólio - 30%

Lista Ordenada. Ponderação da Avaliação do Portefólio - 30% Técnicos Especializados da Escola : Agrupamento de Escolas de Santo António, Barreiro Nº Escola : 121216 Data final da candidatura : 214-1-29 Nº Horário : 41 Disciplina Projeto: Gabinete GISP Nº Horas:

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

12CNG CONGREssO NaCiONal de GEOtECNia GUIMArães 2010

12CNG CONGREssO NaCiONal de GEOtECNia GUIMArães 2010 26 A 29 de abril. GUIMARãES 2010 geotecnia e desenvolvimento sustentável Convite A Sociedade Portuguesa de Geotecnia (SPG) e o Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho (DEC-UM) têm a honra

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

Contabilidade Introdução ao SNC

Contabilidade Introdução ao SNC Contabilidade Introdução ao SNC DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às

Leia mais

www.pwc.pt/academy Workshop Guias de Transporte: implicações no Inventário Permanente

www.pwc.pt/academy Workshop Guias de Transporte: implicações no Inventário Permanente www.pwc.pt/academy Workshop Guias de Transporte: implicações no Inventário Permanente PwC s Academy 2013 Enquadramento No passado dia 1 de Julho entraram em vigor as novas regras para a emissão e comunicação

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

LISTA ORDENADA DOS CANDIDATOS DO CONCURSO PARA LECCIONAR A DISCIPLINA DE Inglês (1440) 6 Horas - Abelheira + NO 1º CICLO

LISTA ORDENADA DOS CANDIDATOS DO CONCURSO PARA LECCIONAR A DISCIPLINA DE Inglês (1440) 6 Horas - Abelheira + NO 1º CICLO A DISCIPLINA DE Inglês (1440) 6 Horas - Abelheira + NO 1º CICLO Elisabete Margarida Viana G. da Rocha 15,00 Deolinda Rosa Arantes Torres 15,00 Raquel Maria SantosB. Oliveira Silva 9,50 Eunice Calisto Soares

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL 1 I - ENQUADRAMENTO 1. A iniciativa de Better Regulation

Leia mais

I CURSO PÓS-GRADUADO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO DO URBANISMO E DA CONSTRUÇÃO

I CURSO PÓS-GRADUADO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO DO URBANISMO E DA CONSTRUÇÃO I CURSO PÓS-GRADUADO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO DO URBANISMO E DA CONSTRUÇÃO Coordenação Científica: Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, Prof. Doutora Carla Amado Gomes, Prof. Doutor João Miranda

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO - INSPECÇÃO-GERAL DE FINANÇAS

ANÚNCIO DE CONCURSO - INSPECÇÃO-GERAL DE FINANÇAS ANÚNCIO DE CONCURSO - INSPECÇÃO-GERAL DE FINANÇAS A Direcção Geral da Administração Pública e a Inspecção-Geral de Finanças (IGF), através da Direcção Geral do Planeamento, Orçamento e Gestão do Ministério

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106 CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106 (4ª Reunião Extraordinária 03/ Março / 2015) De acordo com a deliberação nº2 do Conselho de Gestão, de 28 de outubro de 2010, o Conselho Técnico-Científico da ESSA

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Programa de Inserção Profissional Regulamento de Estágios Faculdade de Ciências Humanas Nos últimos anos, o ensino universitário tem vindo a integrar nos percursos formativos a realização de estágios curriculares

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Data: Sábado, 14 de Novembro de 2009, 14h00 18h30 Local: Palácio dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa

Leia mais

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos Nome Curso s Amarelos Vermelhos Carlos Júnior Mestrado 4 Jogo 15 Rui Nascimento Mestrado Jerónimo Mestrado 1 Jogo 15 Pedro Francês Mestrado 1 Andre Figueiredo Mestrado 3 Jogo6 Artur Daniel Mestrado 2 João

Leia mais

Novo Sistema de Normalização Contabilística

Novo Sistema de Normalização Contabilística Acção de Formação Novo Sistema de Normalização Contabilística Novo Sistema de Normalização Contabilística Programa: 16 horas Formador: Dr. Vitor de Almeida Apresentação das demonstrações financeiras Estrutura

Leia mais

CIRCUITO PORTUGAL TOUR 2015 4ª ETAPA BIATLE - ABRANTES - 04.07.2015. APRENDIZ - 2007 + NOVOS Prova- corrida 200 mts + natação 50 mts + corrida 200 mts

CIRCUITO PORTUGAL TOUR 2015 4ª ETAPA BIATLE - ABRANTES - 04.07.2015. APRENDIZ - 2007 + NOVOS Prova- corrida 200 mts + natação 50 mts + corrida 200 mts CIRCUITO PORTUGAL TOUR 0 ª ETAPA BIATLE - ABRANTES - 0.0.0 APRENDIZ - 00 + NOVOS Prova- corrida 00 mts + natação 0 mts + corrida 00 mts A LUISA CUNHA Casa Benfica de Abrantes 00 0:: A0 INÊS IACHIMOVSCHI

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado : A 137 1 Adriana Manuela Gomes Pinheiro 14 S S 20 2 Alexandra Pereira Ferreira 28 3 Ângelo Rafael Araújo Gomes S 28 4 Beatriz da Costa Oliveira S 2 5 Domingos Gonçalo Ferreira

Leia mais

Nº Escola : 145464. Nº Horário : 79. Nº Horas: 25. Tempo de Serviço antes da profissionalização. Data de Nascimento

Nº Escola : 145464. Nº Horário : 79. Nº Horas: 25. Tempo de Serviço antes da profissionalização. Data de Nascimento Nome da Escola : Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes, Portimão Nº Escola : 145464 Data final da candidatura : 2016-01-19 Nº Horário : 79 Grupo de Recrutamento: 110-1º Ciclo do Ensino Básico Nº

Leia mais

actualização gratuita *para clientes Gnotarium com contrato de manutenção activo.

actualização gratuita *para clientes Gnotarium com contrato de manutenção activo. novidades da versão 4.0 Registo automóvel o Pedido de certidão automóvel o Pedidos de registo automóvel o Estado dos pedidos Registo predial o Pedido de certidão predial o Pedido de depósito o Pedido de

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

Projeto de Movimento dos Oficiais de Justiça de junho de 2015

Projeto de Movimento dos Oficiais de Justiça de junho de 2015 Projeto de Movimento dos Oficiais de Justiça de junho de 2015 Alexandre Luís Albuquerque E Quinhones Gaiolas, 3274/10, Bom com Distinção, Transição, Ana Maria Pires Matias Soares, 3149/10, Muito Bom, Transferência,

Leia mais