Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento"

Transcrição

1 Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento Observações 1. (1) O Relatório sobre Actividades Subsidiadas é composto por duas partes: Parte A Sumário Geral do Plano Subsidiado; Parte B Sumário de Cada Actividade Integrada no Plano Subsidiado. (2) Todas as pessoas / instituições subsidiadas devem preencher o Relatório sobre Actividades Subsidiadas composto pelas duas partes referidas. (3) Se o subsídio atribuído se destinar à realização de mais do que uma actividade, a pessoa / instituição subsidiada deve fazer tantas cópias da Parte B quantas forem as actividades subsidiadas, para descrever separadamente cada actividade. (4) Quando necessário, poderá usar as folhas complementares ou outros impressos disponibilizados para continuar a preencher as informações e os dados necessários. (5) O Relatório, devidamente preenchido, deverá ser apresentado em suporte papel e igualmente em formato electrónico. 2. O Relatório (com versões em Chinês, Português e Inglês) poderá ser preenchido quer à máquina quer por escrito, em letra de imprensa, na língua correspondente. 3. Todo e qualquer documento apresentado não será devolvido. 4. O Relatório devidamente preenchido deverá ser entregue, em conjunto com os outros documentos necessários, ao Departamento de Subsídios e Cooperação da Fundação Macau (FM), por correio ou em mão. Endereço: Avenida de Almeida Ribeiro, n.ºs 61-75, Circle Square, 7.º andar, Macau Linha Directa: ; Fax: ; 5. No caso de ter dúvidas ou dificuldades para preencher o Relatório, contacte com o Departamento de Subsídios e Cooperação, desta Fundação, que lhe dará toda a assistência necessária para que complete o Relatório. Parte A: Sumário geral do plano subsidiado 1.1 Pessoa / instituição subsidiada Quando se trata da pessoa subsidiada, deve preencher o mesmo nome constante do respectivo requerimento. Quando se trata da instituição subsidiada, deve preencher a mesma designação da instituição constante do respectivo requerimento. 1/10 (Fev. 2013)

2 1.2 O plano subsidiado foi alterado após a atribuição do subsídio solicitado / foi novamente alterado após a introdução das alterações autorizadas 1.3 Total das receitas efectivas 1.4 Total das despesas efectivas 1.5 Taxa de execução orçamental 1.6 Saldo Negativo / Equilibrado Escolha entre Sim e Não, assinalando com no quadrado apropriado. Se escolher Sim, por favor preenche o impresso Pedido de Autorização para a Introdução das Alterações ao Plano Subsidiado. Total das receitas efectivamente obtidas das actividades subsidiadas, incluindo o subsídio da Fundação Macau e outras receitas. Total das despesas efectivas relativamente às actividades subsidiadas. Indique a taxa de execução orçamental do plano subsidiado, calculada segundo a seguinte fórmula: despesas efectivas despesas orçamentadas 100. Se a actividade tiver um Saldo Negativo ou um Saldo Equilibrado, assinale com no quadrado apropriado, de acordo com a diferença entre as receitas efectivas e as despesas efectivas. Se tiver um Saldo Negativo, indique o montante da diferença entre as receitas e as despesas efectivas. 1.7 Indique como resolve, caso tenha um saldo positivo no plano subsidiado e tenha de proceder à devolução do(s) subsídio(s) recebido(s) (escolha uma ou mais opções) Preencha com o montante do Saldo Positivo e do(s) subsídio(s) recebido(s) a devolver, se for o caso, assinalando com no(s) quadrado(s) apropriado(s) para indicar como trata o montante em causa. Se tiver outra forma de tratar o montante em causa, é favor especificar, no espaço disponível a seguir, no quadrado Outro. Caso o remanescente dos subsídios obtidos não pertençam na totalidade à FM, ou seja parte desse remanescente pertence à FM e outra parte pertence a outra instituição, a entidade subsidiada deve identificar a quem pertence o montante em causa. Caso o remanescente dos subsídios obtidos pertençam na totalidade à FM, de acordo com o princípio de finalidade da verba atribuída igual à finalidade da verba aplicada, o 2/10 (Fev. 2013)

3 montante em causa deve ser devolvido à FM. 1.8 Cheque / livrança à ordem da Fundação Macau (no caso de devolução do subsídio, escolha a opção ) 1.9 As contas foram verificadas pelos contabilistas / auditores registados? 2.0 Total das actividades subsidiadas A devolução do subsídio recebido deve ser feito mediante a emissão de cheque / livrança à ordem da Fundação Macau, devendo tal cheque / livrança ser entregue à FM juntamente com o Relatório sobre Actividades Subsidiadas. A devolução não pode ser feita em prestações. Preencha a designação do banco que emitiu o cheque / livrança, assinale com no quadrado apropriado (entre Cheque e Livrança ), conforme o caso, e identifique o número do cheque / livrança. Assinale com no quadrado apropriado e por favor apresente as contas certificadas. Indique o número total das actividades subsidiadas no espaço disponível. 2.1 Título das actividades Indique os nomes de todas as actividades integradas no plano subsidiado. Se houve alterações ao nome da actividade, por favor indique os nomes original e actualizado. Exemplo: Publicação da Revista abc, no plano original : Revista yy. Preencha também as actividades canceladas e cujo subsídio remanescente seja para devolver. Indique o montante a devolver à FM, se for o caso. Exemplo: Produção de um vídeo (cancelada e MOP80,000 a devolver à FM, por motivo de...); J&K Espectáculo de Dança (MOP80,000 a devolver à FM, por motivo de...). Despesas efectivas A Receitas efectivas B+C Montante global das despesas efectivas de cada actividade integrada no plano subsidiado. Indique o montante do subsídio atribuído pela FM e o montante global de outras receitas de cada actividade integrada no plano subsidiado. 3/10 (Fev. 2013)

4 2.2 Indique como resolve, caso tenha um saldo negativo no plano subsidiado e necessite de mais apoio financeiro (escolha uma ou mais opções) 2.3 Apoios financeiros de outras entidades e outras receitas (não incluiu o apoio financeiro da FM) Assinale com no(s) quadrado(s) apropriado(s). Se escolher Outro, por favor descreva a solução para o saldo negativo, para que a FM conheça, integralmente, a situação financeira do plano subsidiado. Indique o montante global de outras receitas c das actividades subsidiadas e faça a soma das receitas oriundas da mesma fonte e preencha sepraradamente cada fonte de receitas e o correspondente montante obtido. Exemplo: (1) A actividade 1 foi subsidiada pelo IC no montante de MOP50,000 e tem uma receita resultante da venda dos materiais no montante de MOP2,000. (2) A actividade 2 foi subsidiada pela DSEJ e pelo IC no montante de MOP20,000 e MOP10,000 e tem uma receita resultante da venda dos materiais no montante de MOP4,000. (3) Feita a soma, preencha assim: Subsídio da DSEJ MOP20,000; Subsídios do IC MOP60,000; Venda dos materiais MOP6,000. Quando se trata de apoio ou receita não pecuniária, escreva Outro tipo de apoio. Exemplo: (1) Centro de Ciência de Macau espaço, equipamentos audiovisuais, etc. (2) IACM espaço. Poderá usar as folhas complementares disponibilizadas para continuar a preencher as informações e os dados necessários. 2.4 Avaliação sobre a execução das actividades subsidiadas Uma avaliação sobre a execução das actividades subsidiadas. A pessoa / instituição subsidiada poderá fazer uma avaliação dos seguintes aspectos, justificando com elementos factuais: (1) O plano subsidiado atinge o objectivo predefinido em termos de organização e concretização; 4/10 (Fev. 2013)

5 (2) Número de participantes ou utilizadores dos serviços relativamente ao plano subsidiado; (3) Resultados positivos, prémios ou louvores obtidos; (4) Comparação, avaliação e revisão da execução orçamental e eficácia social do plano subsidiado; (5) Capacidade de assunção de responsabilidades face ao plano subsidiado e disponibilidade de recursos humanos; (6) Dificuldades enfrentadas e soluções, bem como propostas sobre melhoramentos a efectuar. Caso pretenda descrever uma determinada actividade / projecto integrado no plano subsidiado, por favor identifique primeiro a sua ordem e nome. Especifique ponto a ponto e poderá usar as folhas complementares para continuar a preencher as informações e os dados necessários. 2.5 Comentários e sugestões sobre os trabalhos de acompanhamento efectuados pela FM Se tiver alguns comentários e/ou sugestões sobre os trabalhos de acompanhamento efectuados pela FM, por favor escreva neste espaço. Especifique ponto por ponto e na falta do espaço poderá usar as folhas complementares para continuar a preencher. Declaração A assinatura da pessoa subsidiada deve ser conforme a constante do documento de identificação. Quando se trata da instituição ou associação subsidiada, no Relatório deverá ser devidamente aposto o carimbo da instituição ou associação e assinado pelo pessoal da direcção, nomeadamente, o Presidente ou o Vice-Presidente, ou o Director ou o Subdirector ou pessoal de direcção, conforme o respectivo documento de identificação. A assinatura deve ser igual à constante do respectivo requerimento de apoio financeiro. O(s) signatário(s) deve(m) declarar que todas as informações apresentadas no Relatório são verdadeiras, que assumirá/ão toda e qualquer responsabilidade legal que ao caso couber e que cooperará/ão com as eventuais investigações e auditorias. Preenchido por / Contacto Por favor, indique um contacto (poderá ser a pessoa que 5/10 (Fev. 2013)

6 preenche o Relatório) para ser o interlocutor da FM e assim se poder esclarecer dúvidas e acompanhar melhor o plano subsidiado. Parte B: Sumário de Cada Actividade Integrada no Plano Subsidiado I. Informações da Actividade Subsidiada 1.1 Nome da actividade Preencha com o título da actividade subsidiada. Se tiver qualquer alteração relativamente ao título, identifique. 1.2 Organização Preencha com a designação da(s) entidade(s) organizadora(s) da actividade subsidiada. 1.3 Co-organização / colaboração Preencha com a designação da(s) entidade(s) co-organizadora(s) / colaboradora(s), se for o caso. Exemplo: 3 entidades colaboradoras A, B e C; 2 entidades co-organizadoras D e E. 1.4 Data do início da actividade 1.5 Data da conclusão da actividade 1.6 Local da realização da actividade 1.7 Número de participantes Preencha com a data do início da actividade subsidiada, indicando o dia, o mês e o ano. Preencha com a data da conclusão da actividade subsidiada, indicando o dia, o mês e o ano. Assinale com no quadrado apropriado e preencha com o local exacto para a realização da actividade. Preencha com o número dos destinatários / convidados / trabalhadores / outras pessoas que participam na actividade subsidiada e a taxa de assistência. Outro refere-se, nomeadamente, artistas que apresentam espectáculos, músicos, oradores, docentes, especialistas e jornalistas, etc. A taxa de assistência calcula-se segundo a seguinte fórmula: número de participantes efectivo número de participantes previsto Publicação Indique a tiragem, número de exemplares em circulação, número de páginas e o preço de venda da publicação 6/10 (Fev. 2013)

7 subsidiada. Indique o preço exacto de venda da publicação na respectiva moeda. 1.9 Produção de vídeo: Por favor especifique os canais e o horário de transmissão e o número de espectadores A actividade foi Assinale com no quadrado apropriado. executada conforme o plano original? 1.11 Foi feito previamente Assinale com no quadrado apropriado. um pedido de alteração Se assinalar no quadrado Não, por favor entregue entregue o junto da FM e foi impresso Pedido de Autorização para a Introdução das autorizado? Alterações ao Plano Subsidiado devidamente preenchido Categoria (Escolha única) Assinale com no quadrado apropriado. II. Balanço Financeiro 2.1 Receitas da actividade: Preencha com todas as receitas resultantes da actividade subsidiada, incluindo o subsídio da FM e outras receitas, nomeadamente, os apoios ou patrocínios de outras entidades ou indivíduos. Exemplo: IC, DSEJ, IAS, venda dos materiais, inscrição / matrícula, donativos e venda de bilhetes,etc. Além disso, por favor indique a diferença entre as receitas efectivas e as receitas previstas (calculada segundo a seguinte fórmula: receitas efectivas receitas previstas). Se a diferença entre as receitas efectivas e as receitas previstas for negativa, ponha o montante entre parênteses. Exemplo: (80,000.00). 2.2 Despesas da actividade Por favor especifique todas as despesas resultantes da actividade subsidiada e descreva a que tipo de despesa se refere em concreto. Mesmo que o subsídio da FM se destine apenas a uma determinada parte da actividade, é necessário 7/10 (Fev. 2013)

8 especificar todas as despesas resultantes da actividade. Além disso, indique a diferença entre as despesas efectivas e as despesas previstas (calculada segundo a seguinte fórmula: despesas efectivas despesas previstas). Se a diferença entre as despesas efectivas e as despesas previstas for negativa, ponha o montante entre parênteses. Exemplo: (80,000.00). Saldo equilibrado / Saldo positivo / Saldo negativo Assinale com no quadrado apropriado. Caso assinale com no quadrado Saldo positivo ou Saldo negativo, indique também o montante da diferença entre as receitas efectivas e as despesas efectivas. Se a diferença entre as receitas efectivas e as despesas efectivas for negativa, ponha o montante entre parênteses. Exemplo: (80,000.00). Taxa de execução orçamental Montante a devolver à FM Justificação Por favor indique a taxa de execução orçamental da actividade subsidiada, calculada segundo a seguinte fórmula: despesas efectivas despesas orçamentais 100. Trata-se do caso que implica a devolução de determinada quantia do subsídio recebido à FM e, neste caso, tem de indicar o montante a devolver e justificar a devolução. Exemplo: MOP28,000 a devolver à FM, dos quais MOP10,000 resultam do subsídio especial para a publicação e MOP18,000 resultam do subsídio para o arrendamento do espaço. 2.3 Indique como resolve, caso tenha um saldo positivo na actividade e tenha de proceder à devolução do(s) subsídio(s) recebido(s): (escolha uma ou mais opções) Preencha com o montante global do saldo positivo e do(s) subsídio(s) recebido(s) a devolver e assinale com no(s) quadrado(s) apropriado(s) para indicar como trata deste montante em causa. Se tiver outra forma de tratar do montante em causa, especifique no espaço disponível a seguir no quadrado Outro. Caso o remanescente dos subsídios obtidos não pertençam na totalidade à FM, ou seja parte desse remanescente pertence à 8/10 (Fev. 2013)

9 FM e outra parte pertence a outra instituição, a entidade subsidiada deve identificar a quem pertence os montantes em causa. Caso o remanescente dos subsídios obtidos pertençam na totalidade à FM, de acordo com o princípio de finalidade da verba atribuída igual à finalidade da verba aplicada, o montante em causa deve ser devolvido à FM. 2.4 Indique como resolve, caso tenha um saldo negativo na actividade e necessite de mais apoio financeiro: (escolha uma ou mais opções) 2.5 Tem facturas de todas as despesas efectuadas Assinale com no(s) quadrado(s) apropriado(s). Se escolher Outro, por favor descreva a solução para o saldo negativo, para que a FM conheça, integralmente, a situação financeira da actividade subsidiada. Assinale com no quadrado apropriado. A pessoa / instituição subsidiada deverá guardar o original das facturas relativamente às despesas do projecto apoiado, por um período mínimo de dois anos, no sentido de cooperar com o trabalho dos auditores ou para verificação da sua autenticidade e veracidade pela FM, caso necessário. Se assinalar no quadrado Não, deve especificar quais são as despesas sem facturas, indique a sua ordem prevista na tabela das despesas e justifique. 2.6 Justifique a diferença entre as receitas previstas e as receitas efectivas 2.7 Justifique a diferença entre as despesas previstas e as despesas efectivas Justifique a diferença entre as receitas previstas e as receitas efectivas. Exemplo: Se não obteve mais nenhum financiamento pretendido, pelo que as receitas efectivas diminuíram no montante cerca de MOP50,000 em comparação com as receitas previstas. Justifique a diferença entre as despesas previstas e as despesas efectivas. Exemplo: Aproveitámos a faixa do palco duma actividade passada, portanto, as despesas com a decoração do local para a actividade diminuíram no montante cerca de MOP3,000. 9/10 (Fev. 2013)

10 III. Anexos 1. Assinale com no quadrado apropriado para indicar os documentos que se juntam ao Relatório e entregue tudo à FM ao mesmo tempo. 2. A pessoa / instituição subsidiada deverá fornecer fotografias, panfletos, cartazes e recortes de jornais, entre outros artigos de propaganda, de acordo com os materiais disponíveis, de forma a dar uma perspectiva completa à FM sobre a realização da actividade subsidiada. 3. No caso de uma publicação/vídeos subsidiados, é preciso oferecer, como retribuição, publicações ou produtos audiovisuais, caso a FM solicite tal retribuição na notificação da deliberação sobre o respectivo requerimento de apoio financeiro. Nesse caso, a pessoa / instituição deverá entregá-los à FM, de acordo com a quantidade solicitada e dentro do prazo estabelecido. Se for um projecto de estudos e investigação, é preciso apresentar os respectivos resultados. IV. Declarações A assinatura da pessoa subsidiada deve ser conforme a constante do documento de identificação. Quando se trata da instituição ou associação subsidiada, o Relatório deverá ser devidamente aposto o carimbo da instituição ou associação e assinado pelo pessoal da direcção, nomeadamente, o Presidente ou o Vice-Presidente, ou o Director ou o Subdirector ou pessoal de direcção, conforme o respectivo documento de identificação. A assinatura deve ser igual à constante do respectivo requerimento de apoio financeiro. O(s) signatário(s) deve(m) declarar que todas as informações apresentadas no Relatório são verdadeiras, que assumirá/ão toda e qualquer responsabilidade legal que ao caso couber, e que cooperará/ão com as eventuais investigações e auditorias. Por outro lado, é favor indicar um contacto (poderá ser a pessoa que preenche o Relatório), para ser o interlocutor da FM de modo a se poder acompanhar melhor o caso. Obrigada pela Vossa Colaboração! 10/10 (Fev. 2013)

Departamento de Desenvolvimento de Convenções e Exposições e das Actividades Económicas Plano de Estímulo às Convenções e Exposições

Departamento de Desenvolvimento de Convenções e Exposições e das Actividades Económicas Plano de Estímulo às Convenções e Exposições N.º de candidatura: (Inscreva o n.º de candidatura aposta pela DSE) Departamento de Desenvolvimento de Convenções e Exposições e das Actividades Económicas Plano de Estímulo às Convenções e Exposições

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez Regulamento de Controlo Interno Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Controlo Interno Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos

Leia mais

Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento

Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento Observ a çõ es 1. (1) O impresso Relatório sobre Actividades Subsidiadas, utilizado pela Divisão de Subsídios e a Divisão de Cooperação

Leia mais

FICHA DE PERCURSO PROFISSIONAL E DE FORMAÇÃO

FICHA DE PERCURSO PROFISSIONAL E DE FORMAÇÃO FICHA DE PERCURSO PROFISSIONAL E DE FORMAÇÃO NRP / (A atribuir pelo IEFP) UNIDADE ORGÂNICA RECEPTORA Data de Recepção - - Técnicos Responsáveis: O Técnico Receptor PREENCHER ESTA PÁGINA COM LETRAS MAIÚSCULAS

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS 1/13 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ( nº SM ) Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito que seja apreciado o pedido de candidatura

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES. Guia de Candidatura

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES. Guia de Candidatura 2015 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES Guia de Candidatura 1. Objectivos Os objectivos deste Programa são como auxílio às associações locais de arte e cultura a criarem

Leia mais

Vivendi SEC Settlement Fund Administration P.O. Box 9000 #6371 Merrick, NY 11566-9000 U.S.A.

Vivendi SEC Settlement Fund Administration P.O. Box 9000 #6371 Merrick, NY 11566-9000 U.S.A. Prazo para apresentação: 12 de Junho de 2007 PEDIDO DE INDEMNIZAÇÃO: Número de reivindicação: VIV Vivendi SEC Settlement Fund Administration P.O. Box 9000 #6371 Merrick, NY 11566-9000 U.S.A. *P-VIV$F-APOC/1*

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO EM ACÇÕES PROMOCIONAIS

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO EM ACÇÕES PROMOCIONAIS REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO EM ACÇÕES PROMOCIONAIS IPIM - 1 - REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO EM ACÇÕES PROMOCIONAIS INTRODUÇÃO No exercício das atribuições que lhe foram cometidas pelo número 2 do artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO 2016 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian concede, através do Programa de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

Candidatura a pedido de Apoio Institucional à Embaixada do Japão

Candidatura a pedido de Apoio Institucional à Embaixada do Japão Candidatura a pedido de Apoio Institucional à Embaixada do Japão 1 de Agosto de 2015

Leia mais

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS CONDIÇÕES E DOCUMENTAÇÃO PARA REQUERER CONCESSÃO / RENOVAÇÃO DE ALVARÁ PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

4.1. A verba máxima disponível por projecto será de 200.000 Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de

4.1. A verba máxima disponível por projecto será de 200.000 Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de Bases reguladoras para a concessão das ajudas destinadas a dar apoio à valorização de projectos de investigação ao abrigo da Rede Universitária Iberoamericana de Incubação de Empresas (RedEmprendia) Em

Leia mais

ALGUMAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO PARA A CONTABILIDADE DO DECIVIL. 1. Enquadramento

ALGUMAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO PARA A CONTABILIDADE DO DECIVIL. 1. Enquadramento ALGUMAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO PARA A CONTABILIDADE DO DECIVIL 1. Enquadramento É essencial assegurar a uniformidade de procedimentos em todos os Serviços de Contabilidade do IST que dispõem de autonomia

Leia mais

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas.

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas. 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 高 等 教 育 輔 助 辦 公 室 Governo da Região Administrativa Especial de Macau Gabinete de Apoio ao Ensino Superior Financiamento para as instituições do ensino superior de Macau Instruções para

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 04/2013 De 31 de Julho

INSTRUTIVO N.º 04/2013 De 31 de Julho INSTRUTIVO N.º 04/2013 De 31 de Julho ASSUNTO: CASAS DE CÂMBIO - REGRAS OPERACIONAIS Considerando a necessidade de se adequar as regras operacionais das casas de câmbio, ao efectivo monitoramento do fluxo

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Estas informações, elaboradas conforme os documentos do Plano de Financiamento para Actividades Estudantis, servem de referência e como informações complementares. Para qualquer consulta, é favor contactar

Leia mais

澳 門 金 融 管 理 局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU

澳 門 金 融 管 理 局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU DIRECTIVA CONTRA O BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E O FINANCIAMENTO DO TERRORISMO SOBRE TRANSACÇÕES EM NUMERÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1 Esta Directiva contra o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:102558-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Serviços de subscrição de periódicos, publicações informativas, bases de

Leia mais

2 3 4 5 6 Parte I - Identificação Destina-se ao preenchimento dos dados pessoais de identificação do declarante e do seu cônjuge ou unido de facto. 1. Motivo da apresentação da declaração (1) Início do

Leia mais

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro Havendo necessidade de se regulamentar o funcionamento das sociedades de cessão financeira (factoring), com vista a desenvolver a matéria estabelecida no Decreto Presidencial

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA Largo da Penha de França, 1 1099-010 Lisboa Tel.: 21 814 97 16 Fax : 21 811 10 92 e.mail : deprh@psp.pt CIRCULAR N.º DRH/ 001/2011 P.º Mobilidade 27JULHO2011 ASSUNTO: Aplicação do Despacho Nº 12/GDN/2011

Leia mais

MANUAL DE FUNDO DE MANEIO

MANUAL DE FUNDO DE MANEIO MANUAL DE FUNDO DE MANEIO REV01/2014 ÍNDICE I. Apresentação... 3 II. Enquadramento legal... 3 III. Fundo de Maneio - Notas Explicativas... 4 IV. Criação de Fundo de Maneio... 6 V. Reposição de Fundo de

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CERTIFICAÇÃO/CONTROLO DE PRODUTOS. Segurança Alimentar

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CERTIFICAÇÃO/CONTROLO DE PRODUTOS. Segurança Alimentar Este Formulário é parte integrante do Dossier de Candidatura e é de preenchimento obrigatório. Destina-se a fornecer informações à Controlvet,, sobre a organização que solicita a certificação/controlo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE AUTORES BRASILEIROS NO EXTERIOR

EDITAL DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE AUTORES BRASILEIROS NO EXTERIOR EDITAL DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE AUTORES BRASILEIROS NO EXTERIOR A Fundação Biblioteca Nacional torna público que oferecerá apoio financeiro a editoras estrangeiras com o objetivo de promover a participação

Leia mais

Exemplares dos relatórios e pedidos. (Maio. 2013)

Exemplares dos relatórios e pedidos. (Maio. 2013) Exemplares dos relatórios e pedidos (Maio. 2013) Índice (I) Exemplar: Pedido de Autorização para a Introdução das Alterações ao Plano Subsidiado.... 3 (II) Exemplar: Relatório Intercalar da Actividade

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2015 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 30 de Maio de 2015

Leia mais

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico Regulamento Considerando que se mostra da maior relevância: a) Reconhecer e premiar a excelência de trabalhos jornalísticos

Leia mais

Preçário. Banco Cofidis, S.A.

Preçário. Banco Cofidis, S.A. Preçário Banco Cofidis, S.A. BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto e Despesas: 0-out-01 Data de Entrada em vigor do Folheto

Leia mais

BOLSA FUNDAÇÃO LUSO-AMERICANA / FULBRIGHT PARA DOUTORAMENTOS REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS

BOLSA FUNDAÇÃO LUSO-AMERICANA / FULBRIGHT PARA DOUTORAMENTOS REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS BOLSA FUNDAÇÃO LUSO-AMERICANA / FULBRIGHT PARA DOUTORAMENTOS REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto O presente Regulamento consagra as normas aplicáveis à atribuição das bolsas Fundação Luso-Americana

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações de Desemprego Montante Único

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de 2012. ENQUADRAMENTO 2ºs PRÉMIOS DE JORNALISMO CEPSA ESTRADAS

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato A preencher pela entidade empregadora CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Última actualização em 01/05/2007

Última actualização em 01/05/2007 Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro. - Regula o regime da promoção electrónica de actos de registo comercial e cria a certidão permanente, Ministério da Justiça, S.I 2º Suplemento, DR n.º 242, p.

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS. 1. Considerações gerais

NOTAS EXPLICATIVAS. 1. Considerações gerais 8.4.2004 L 104/59 Jornal Oficial da União Europeia PT NOTAS EXPLICATIVAS 1. Considerações gerais 1.1. Em conformidade com as disposições do Regulamento (CEE) n. o 3911/92 do Conselho, de 9 de Dezembro

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Subsecretário Regional da Presidência para as Relações Externas Direção Regional das Comunidades

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Subsecretário Regional da Presidência para as Relações Externas Direção Regional das Comunidades PROGRAMA EMANUEL FÉLIX FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. Entidade (editora ou tradutor): Endereço completo da sede: Fax: Página web: Nome do representante da entidade: Nome do representante da entidade: 2.

Leia mais

Edição Especial 28 de maio de 2014

Edição Especial 28 de maio de 2014 Edição Especial REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE FOGOS DO EMPREENDIMENTO DA AZINHAGA DOS BESOUROS, QUINTA DA FIGUEIRA, ENCOSTA DO SOL (Deliberação da CMA 19.03.2014) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA (Deliberação

Leia mais

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 16 de Setembro de 2005

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 16 de Setembro de 2005 Edição Especial Regulamento e Programa de Con- curso de Venda de Fogos a Custos Controlados no Alto da Mira (Deliberação da CMA de 15 de Junho de 2005) (Deliberação da AMA de 24 de Junho de 2005) CÂMARA

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO ARTIGO 1º Âmbito do Regulamento As estruturas, cargos e funções previstos no presente regulamento são válidos apenas

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2016

Regulamento PAPSummer 2016 Regulamento PAPSummer 2016 Artigo 1º Objetivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses ( Estudante ) de desenvolver um

Leia mais

Reinscrição em novo Curso de Estágio

Reinscrição em novo Curso de Estágio Reinscrição em novo Curso de Estágio 1) Requerimento de reinscrição de Advogado Estagiário (anexo A); 2) Certidão narrativa do Registo de Nascimento (no caso de haver novos averbamentos); 3) Certificado

Leia mais

Corredor da Fortaleza do Monte ESTATUTO DE ARRENDAMENTO

Corredor da Fortaleza do Monte ESTATUTO DE ARRENDAMENTO Corredor da Fortaleza do Monte ESTATUTO DE ARRENDAMENTO 1. INFORMAÇÃO GERAL SOBRE O CORREDOR DA FORTALEZA DO MONTE O Corredor da Fortaleza do Monte, adiante designado por Corredor, administrado pelo Museu

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Artigo 1.º Definição De acordo com o art.º 80 dos Estatutos da Escola Superior de Hotelaria (ESHTE) e Turismo do Estoril,

Leia mais

«PRODUÇÃO DO MENSÁRIO WHAT S ON VERSÃO CHINESA E VERSÃO INGLESA»

«PRODUÇÃO DO MENSÁRIO WHAT S ON VERSÃO CHINESA E VERSÃO INGLESA» PROCESSO DE CONSULTA PARA ADJUDICAÇÃO DO SERVIÇO DE «PRODUÇÃO DO MENSÁRIO WHAT S ON VERSÃO CHINESA E VERSÃO INGLESA» 1. PROGRAMA DE CONSULTA 2. CADERNO DE ENCARGOS 2.1 CONDIÇÕES JURÍDICAS E TÉCNICAS 2.2

Leia mais

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO I1058 19.01.2016 Cartões de Crédito Particulares Agência/ OE Gestor Rede Ponto 24/ VISA Electron Private Exclusivo PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO DAKI Pronto a Usar EU Não protocolado REFERÊNCIA

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MERCADOS SECÇÃO I

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MERCADOS SECÇÃO I REGIÃO AUTÓNOMA DOS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MERCADOS SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR E CAMPANHAS PROMOCIONAIS GABINETE DO SUBSECRETÁRIO REGIONAL DAS PESCAS SECÇÃO I

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro pelas

Leia mais

O que é o Contrato de Seguro?

O que é o Contrato de Seguro? O que é o Contrato de Seguro? O contrato de seguro é um acordo através do qual o segurador assume a cobertura de determinados riscos, comprometendo-se a satisfazer as indemnizações ou a pagar o capital

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Entidade Contratante: Delegação da União Europeia em Moçambique Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Orientações destinadas aos requerentes de subvenções CORRIGENDUM Concurso restrito

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:347015-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:347015-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:347015-2013:text:pt:html Itália-Ispra: Prestação de serviços de desenvolvimento de hardware e software e fornecimentos

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas

JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas JURINFOR JURIGEST Facturação e Mapas Índice Índice 1. Facturação...1 1.1. Gestão de Notas de Honorários...2 1.1.1. Emitir uma Nota de Honorários...3 1.1.2. Consultar Notas de Honorários Emitidas... 18

Leia mais

CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS

CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS SECÇÃO I RELAÇÃO ENTRE OS MODELOS Neste capítulo o principal objectivo é ajudar à compreensão global dos modelos e estabelecer a forma como os modelos se relacionam.

Leia mais

FUNDO PARA AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS EM PORTUGAL COMPONENTE AMBIENTE

FUNDO PARA AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS EM PORTUGAL COMPONENTE AMBIENTE Guia do Formulário de Candidatura Anexo I ao REGULAMENTO do PROJECTO GESTÃO GLOBAL DO FUNDO ONG COMPONENTE AMBIENTE PT0033 FUNDO PARA AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS EM PORTUGAL COMPONENTE AMBIENTE

Leia mais

MUNICÍPIO DE MELGAÇO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E SERVIÇOS PRESTADOS NA «PORTA DE LAMAS DE MOURO» www.cm-melgaco.pt

MUNICÍPIO DE MELGAÇO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E SERVIÇOS PRESTADOS NA «PORTA DE LAMAS DE MOURO» www.cm-melgaco.pt MUNICÍPIO DE MELGAÇO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E SERVIÇOS PRESTADOS NA www.cm-melgaco.pt Índice PREÂMBULO... 3 Artigo 1º Leis Habilitantes... 3 Artigo 2º Competência... 3 Artigo 3º Âmbito de Aplicação...

Leia mais

FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA (APC) ... (1.1) CNPJ:... ... Cidade:... Estado:... CEP:...

FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA (APC) ... (1.1) CNPJ:... ... Cidade:... Estado:... CEP:... FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA (APC) I. Requerente (1) Nome da Organização (1.1) CNPJ:... (2) Endereço completo Cidade:... Estado:... CEP:...

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 IDENTIFICAÇÃO (Denominação Social) (Denominação Abreviada) Residente Sim Não ( da Sede) (Localidade) (Código Postal) (País) (1º Telefone Empresa) (2º Telefone Empresa)

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

BOLSAS DE FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE APOIO A DOENTES REGULAMENTO. Artigo 1º (Objecto)

BOLSAS DE FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE APOIO A DOENTES REGULAMENTO. Artigo 1º (Objecto) BOLSAS DE FINANCIAMENTO A PROJECTOS DE APOIO A DOENTES REGULAMENTO Artigo 1º (Objecto) 1. A ROCHE concederá 5 Bolsas a projectos que visem a dinamização de iniciativas por parte das Associações de Doentes

Leia mais

SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CENTRO DE RECURSOS PARA A APRENDIZAGEM E INVESTIGAÇÃO

SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CENTRO DE RECURSOS PARA A APRENDIZAGEM E INVESTIGAÇÃO www.ipiaget.org SDI SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CENTRO DE RECURSOS PARA A APRENDIZAGEM E INVESTIGAÇÃO sdi@ipiaget.net Campus Académico de Macedo de Cavaleiros Campus Académico de Silves Campus

Leia mais

CIRCULAR DE 2011. Numa segunda parte chamaremos a atenção para alguns aspectos de índole contabilística. Aspectos de natureza fiscal

CIRCULAR DE 2011. Numa segunda parte chamaremos a atenção para alguns aspectos de índole contabilística. Aspectos de natureza fiscal CIRCULAR DE 2011 Das constantes alterações implementadas, tanto a nível fiscal como legal, através de circulares, fomos dando conhecimento, pelo menos, das que de uma forma directa ou indirectamente afectem

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais 5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais Como se pode constatar na regra 3, a filosofia de imputação de despesas com deslocações e subsistência, está directamente relacionada

Leia mais

1. Condições de inscrição

1. Condições de inscrição Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Regulamento das provas para inscrição inicial e revalidação de registo como auditor de contas Nos termos da alínea c) do nº 2 do artigo 4º do Estatuto

Leia mais

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas:

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: (Não dispensa a consulta do Diário da República) Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: - Portaria nº 562/2007, de 30 de abril; - Portaria nº 1256/2009,

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

NATIONAL ENDOWMENT FOR DEMOCRACY (Fundação Nacional para a Democracia) www.ned.org. Guia de preparação de proposta

NATIONAL ENDOWMENT FOR DEMOCRACY (Fundação Nacional para a Democracia) www.ned.org. Guia de preparação de proposta NATIONAL ENDOWMENT FOR DEMOCRACY (Fundação Nacional para a Democracia) www.ned.org Guia de preparação de proposta Este documento proporciona linhas de orientação para a elaboração de uma proposta à National

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Com a criação dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC),

Leia mais

PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO ERASMUS Gabinete de Relações Internacionais e Apoio a Projectos Europeus REGULAMENTO. Preâmbulo

PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO ERASMUS Gabinete de Relações Internacionais e Apoio a Projectos Europeus REGULAMENTO. Preâmbulo PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO ERASMUS Gabinete de Relações Internacionais e Apoio a Projectos Europeus REGULAMENTO Preâmbulo O Programa de Mobilidade de Estudantes SÓCRATES / ERASMUS é uma iniciativa da União

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Art.3. Esta Decisão Executiva entra em vigor na data de sua assinatura, devendo ser publicada no Diário Oficial da União D.O.U.

Art.3. Esta Decisão Executiva entra em vigor na data de sua assinatura, devendo ser publicada no Diário Oficial da União D.O.U. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL, no uso das atribuições legais que lhe confere o Estatuto da Entidade, aprovado pelo Decreto nº. 5.038, de 7 de abril de 2004, publicado no Diário Oficial da

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Exmos. Senhores, Em anexo encontra-se a proposta de [nome do candidato], em resposta ao convite à manifestação de interesse n.º MARKT/2003/12/F, para peritos no domínio dos serviços

Leia mais

ANEXO II REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO DE IDENTIFICAÇÃO

ANEXO II REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO DE IDENTIFICAÇÃO ANEXO II REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO DE IDENTIFICAÇÃO Artigo 1.º Âmbito e função 1. O cartão eletrónico de identificação tem por função identificar todos os utentes (alunos, pessoal

Leia mais

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente Estrutura Capital Salvo se indicação em contrário, as respostas reportam à situação a 31 de Dezembro do ano #### Contacto da sociedade para esclarecimento: Nome Telefone E mail Quesito Identificação da

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O principal objectivo deste Regulamento é salvaguardar o interesse comum de todos os utentes e permitir que a Biblioteca execute as suas funções de forma eficiente e eficaz. Desta

Leia mais

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios RG- 10-01 Data: 2010-01-06 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESAC Escola Superior Agrária de Coimbra ESEC Escola Superior de Educação de Coimbra ESTeSC Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/9 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:297835-2015:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, manutenção e serviços conexos de antenas, recetor de ensaio, gerador

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular de Projecto da. Licenciatura em Biologia Aplicada

Regulamento da Unidade Curricular de Projecto da. Licenciatura em Biologia Aplicada Regulamento da Unidade Curricular de Projecto da Licenciatura em Biologia Aplicada Janeiro de 2008 O presente Regulamento integra um conjunto de princípios básicos e fundamentais de organização da Unidade

Leia mais