21º Congresso APIMEC: O Papel do Mercado de Capitais em um Mundo Sustentável. Autorregulação e a Atividade do Profissional de Investimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "21º Congresso APIMEC: O Papel do Mercado de Capitais em um Mundo Sustentável. Autorregulação e a Atividade do Profissional de Investimento"

Transcrição

1 21º Congresso APIMEC: O Papel do Mercado de Capitais em um Mundo Sustentável Autorregulação e a Atividade do Profissional de Investimento Marcelo Giufrida - Presidente da ANBIMA Agosto/2010

2 REPRESENTA É uma das principais representantes das instituições que participam dos mercados financeiros e de capitais SUPERVISIONA Supervisiona o cumprimento de regras inseridas nos Códigos de Regulação e Melhores Práticas aos quais associados e nãoassociados são aderentes REGULA Atua como agente regulador voluntário privado, estabelecendo regras e aprimorando o padrão de funcionamento dos mercados CERTIFICA Qualifica profissionais de mercado, por meio de programas de certificação EDUCA Cria e oferece informações didáticas e acessíveis ao público investidor, de forma a subsidiar decisões maduras e conscientes de investimentos INFORMA Produz, compila e dissemina conjunto extenso de dados, informações e publicações técnicas sobre os mercados financeiro e de capitais 2

3 ALGUNS NÚMEROS Mais de 340 Associados. 27 Comitês, 29 Subcomitês e 29 Grupos de Trabalho. Mais de 800 representantes dos mercados atuando nos organismos de representação. R$ 1,5 trilhão em ativos precificados. 200 mil profissionais certificados. 7 Códigos de Regulação e Melhores Práticas. 50 mil profissionais formados em cursos de especialização e treinamento. 3

4 REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS Início da discussão sobre o tema na Associação Código de Fundos de Investimento Código de Custódia Códigos de Private Banking e de Serviços Qualificados (*) Assinatura de convênios com a CVM Início de suas atividades como reguladora voluntária privada, com a publicação do Código de Ofertas Públicas para Distribuição e Aquisição de Valores Mobiliários 2002 Código de Certificação Continuada 2005 Passa a integrar o Comitê de Autorreguladores da IOSCO 2007 Código de Processos (*) O Código de Serviços Qualificados incorporou o Código de Custódia e incluiu o capítulo de Controladoria. 4

5 REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS Regulação e Melhores Práticas (ÁREA REPRESENTAÇÃO) Comitês propõem normas A Diretoria da ANBIMA aprova e propõe alterações Audiência pública Aprovação pela Assembléia Geral Supervisão de Mercado (ÁREA TÉCNICA) Supervisão Procedimentos de Investigação Recebimento e apuração de denúncias Organismos (COMISSÃO E CONSELHO) Comissão de Acompanhamento Análise Técnica das Investigações Conselho de Regulação Instauração de Processos e Julgamento Aplicação de Penalidades e Celebração de Termos de Compromisso 5

6 CÓDIGO DE CERTIFICAÇÃO Escopo Princípios, regras e conduta ética no desempenho das atividades que devem ser observados pelas Instituições Participantes e pelos profissionais que atuam nos mercados financeiro e de capitais. O foco principal é a criação e regulamentação de Certificações para os profissionais. 6

7 CÓDIGO DE CERTIFICAÇÃO Destinam-se aos profissionais que tenham contato direto - presencial ou à distância - com os investidores na comercialização e distribuição de produtos de investimento. O exame da CPA-10 contém 50 questões de múltipla escolha e duas horas de duração. No da CPA-20, são 60 questões de múltipla escolha e duas horas e meia de duração. PRAZO DE ATUALIZAÇÃO Cinco anos a partir da data de obtenção da aprovação para os profissionais que mantiveram vínculo empregatício com uma Instituição Participante (*). Três anos a partir da data da perda do vínculo empregatício com uma Instituição Participante (*). Três anos a partir da data de obtenção da aprovação para os estudantes ou profissionais vinculados à Instituição Participante (*). (*) instituições filiadas à associação ou aquelas que, embora não filiadas, aderem ao código. 7

8 CÓDIGO DE CERTIFICAÇÃO Destina-se aos profissionais que assessoram decisões de investimento, atuando em agências bancárias ou plataformas de atendimento a clientes. É uma certificação de distinção, ou seja, até o momento não é regulada pelo Código de Certificação Continuada ANBIMA O exame CEA é composto por 60 questões e possui duas horas e meia de duração. Destina-se aos profissionais que desempenham atividade de gestão remunerada de recursos de terceiros, possuindo poderes para tomar decisões de investimento. O exame é composto por dois módulos de 60 questões e três horas de duração cada. A renovação é anual, mediante nova adesão ao Código de Certificação Continuada e envio da Declaração de Reputação Ilibada. 8

9 CÓDIGO DE CERTIFICAÇÃO Certificação de distinção, de caráter não obrigatório, que certifica profissionais que atuam em planejamento financeiro pessoal, segundo critérios internacionais da certificação CFP (Certified Financial Planner). Representada no Brasil pelo IBCPF Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros. Criada em nos Estados Unidos em 1986 O exame é composto por quatro módulos com 120 questões de múltipla escolha e duração de cinco horas. Critérios para obtenção da Certificação CFP que é concedida pelo IBCPF: (i) Aprovação no Exame; (ii)educação; (iii) Experiência Profissional; (iv) Adesão ao Código de Ética do IBCPF 9

10 ÁREA DE CERTIFICAÇÃO RESPONSABILIDADES Operacionalizar o programa de certificação continuada nos termos estabelecidos pelo Código Elaborar edital contendo os procedimentos de inscrição, datas e localidades de realização do exame, divulgação dos resultados e demais procedimentos relativos aos exames de certificação Programa detalhado dos exames Propagar o conhecimento sobre os mecanismos que devem ser observados no investimento pessoal, buscando ampliar os instrumentos de educação e formação do investidor no Brasil 10

11 CÓDIGO DE CERTIFICAÇÃO DADOS CONSOLIDADOS até 30/06/2010 Situação CPA-10 CPA-20 CGA CEA Total Inscritos Prestaram % % % % Certificados % % 80 35% 69 56% Ausentes % % 17 7% 6 5% Atualização CPA-10 CPA-20 Total Curso % % % Exame 533 3% % % Total

12 SUPERVISÃO DE MERCADOS OBJETIVO Assegurar a adequação das Instituições Participantes aos princípios e regras contidos nos Códigos de Regulação e Melhores Práticas da ANBIMA, estabelecidos pelos próprios agentes do Mercado de forma voluntária RESPONSABILIDADES Monitorar, supervisionar e analisar de forma direta e indireta as atividades das Instituições Participantes dos Códigos Investigar eventuais indícios de descumprimento das regras dos Códigos pelas Instituições Participantes Proporcionar suporte operacional aos Organismos responsáveis pelos processos sancionadores da atividade de Regulação e Melhores Práticas. 12

13 SUPERVISÃO DE MERCADOS INDIRETA - Monitoramento e verificação do cumprimento das regras estabelecidas nos Códigos através de filtros e análises das informações fornecidas pelas instituições participantes. Ofertas Públicas Fundos de Investimentos Certificação DIRETA (in loco) - Visitas às Instituições com foco na verificação da gestão efetiva de processos e do controle dos riscos existentes. Certificação Custódia e Controladoria Private Banking Fundos de Investimento implementação do plano piloto durante

14 SUPERVISÃO DE MERCADOS PROCESSO SANCIONADOR Multa por atraso a qualquer prazo estipulado no Código; Instauração de Procedimento Averiguação de Irregularidades (Investigação); Instauração de Processo Administrativo; Termo de Compromisso - tem o objetivo de cessar ou corrigir os atos que possam caracterizar descumprimento. Não há confissão, nem reconhecimento de ilicitude na celebração do Termo. PENALIDADES APLICÁVEIS Carta de Recomendação; Advertência Pública; Proibição Temporária de Uso do Selo; Desligamento da Associação 14

15 SUPERVISÃO DE MERCADOS Supervisão in loco Atividade Certificação 11 (*) 28 (**) (*) início do processo de supervisão (**) supervisões previstas 15

16 SUPERVISÃO DE MERCADOS Penalidades Aplicadas Pedido de Esclarecimentos Cartas de Orientação 9 8 Multas 9 93 Procedimento Averiguação de Irregularidades

17 NOVOS CÓDIGOS CÓDIGO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA A NEGOCIAÇÃO DE PRODUTOS FINANCEIROS CÓDIGO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA ATIVIDADE DE GESTÃO DE PATRIMÔNIO FINANCEIRO NO MERCADO DOMÉSTICO CÓDIGO ABVCAP/ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA O MERCADO DE FIP E FIEE 17

18 NOVOS CÓDIGOS CÓDIGO DE CÓDIGO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA A NEGOCIAÇÃO DE PRODUTOS FINANCEIROS OBJETIVOS Consolidar e atualizar regras para as atividades exercidas nas áreas de Tesouraria e Produtos tratadas no COM Código Operacional de Mercado Estabelecer organismos de supervisão como ocorre nos demais Códigos Fortalecer alcance da autorregulação em novas atividades dessas áreas ESCOPO Procedimentos adotados na negociação de produtos financeiros por instituições, abrangendo: Estruturação: originação, constituição do lastro e papel do credor original Negociação/Intermediação: padrões operacionais, confirmação e registro Venda: negociação privada, informações mínimas, material de venda e suitability Produtos de renda fixa ou estruturados negociados em mercado de balcão Melhores práticas: foco na responsabilidade fiduciária das instituições 18

19 NOVOS CÓDIGOS CÓDIGO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA ATIVIDADE DE GESTÃO DE PATRIMÔNIO FINANCEIRO NO MERCADO DOMÉSTICO OBJETIVOS Estabelecer procedimentos relativos à Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro Fortalecer os padrões éticos e de qualidade no desenvolvimento da atividade Aprimorar a transparência no relacionamento com o investidor ESCOPO Definição da atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro: o entendimento do perfil e dos objetivos do investidor, de acordo com suas necessidades econômico-financeiras a assessoria na seleção, alocação e realocação dos investimentos financeiros do cliente. Exigência de qualificação mínima dos profissionais que exercem a atividade Adoção de procedimentos mínimos para verificar o perfil do investidor (suitability) 19

20 NOVOS CÓDIGOS CÓDIGO ABVCAP/ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA O MERCADO DE FIP E FIEE OBJETIVOS Promover a transparência e padronização das práticas e processos Permitir melhor quantificação e acompanhamento do desenvolvimento do setor ESCOPO Responsabilidades do administrador, do gestor, do Comitê de Investimento e do Conselho de Supervisão Classificação dos fundos segundo composição de Comitê de Investimentos e adoção de Conselho de Supervisão Criação de Base de Dados PARTICIPANTES Membros efetivos da ABVCAP, instituições filiadas à ANBIMA ou instituições não associadas que aderirem ao Código, que desempenhem as funções relativas a FIP/FIEE de: Administração, Gestão de Carteira e Distribuição de Cotas 20

21 NOVOS CÓDIGOS CÓDIGO ABVCAP/ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA O MERCADO DE FIP E FIEE RESTRITO 50% ou mais do total de cotas do fundo detidas por: (i) um único cotista, (ii) cotistas que sejam cônjuges, companheiros ou que possuam entre si grau de parentesco até o 4º grau; (iii) cotistas que pertençam a um mesmo grupo ou conglomerado econômico. DIVERSIFICADO Tipo 1: Comitê de Investimentos com representantes indicados pelos cotistas Conselho de Supervisão facultativo. Tipo 2: Comitê de Investimentos composto apenas por profissionais integrantes da administração ou da gestão do fundo Conselho de Supervisão. Tipo 3: Sem Comitê de Investimentos Conselho de Supervisão facultativo 21

22 PRÓXIMOS PASSOS Parceria com CFA Society of Brazil - lançamento do Curso Preparatório para Exame CFA Level I Revisão do Código de Certificação Adequação dos processos e documentação segundo requerimentos da certificação ISO 9001 Implantação de Central Telefônica da certificação ANBIMA com o objetivo criar mais um canal de informações e agilidade no atendimento 22

23 São Paulo Av. das Nações Unidas, º e 21º andar São Paulo SP Brasil Fax Rio de Janeiro Av. República do Chile, º andar Rio de Janeiro RJ Brasil Fax

Modelo de Autorregulação, Supervisão e Enforcement Educação de Investidores

Modelo de Autorregulação, Supervisão e Enforcement Educação de Investidores Modelo de Autorregulação, Supervisão e Enforcement Educação de Investidores Tendências internacionais na proteção do investidor Participação no Estudo da IIMV - Proteção do Investidor na Região Ibero-americana

Leia mais

Workshop Supervisão de Certificação ANBIMA

Workshop Supervisão de Certificação ANBIMA Workshop Supervisão de Certificação ANBIMA 1 PAINEL I ABERTURA Sérgio Cutolo Vice Presidente da ANBIMA e Presidente do Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Certificação 27 de novembro de 2012 2

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE AUTORREGULAÇÃO DA ANBIMA

A EXPERIÊNCIA DE AUTORREGULAÇÃO DA ANBIMA A EXPERIÊNCIA DE AUTORREGULAÇÃO DA ANBIMA O que é? A ANBIMA A ANBIMA Associação Brasileiras das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais é uma associação civil, sem finalidade econômica, resultado

Leia mais

Sistema de Supervisão de Mercados 17.06.2015

Sistema de Supervisão de Mercados 17.06.2015 Sistema de Supervisão de Mercados 7.06.205 AGENDA Modelo de Autorregulação da ANBIMA Descrição da ferramenta e seus principais módulos Módulo I Cadastro de Usuários Módulo II Solicitação de Informações

Leia mais

Supervisão de Mercados Penalidades e Termos de Compromisso

Supervisão de Mercados Penalidades e Termos de Compromisso Supervisão de Mercados Penalidades e Termos de Compromisso FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTAS POR DESCUMPRIMENTO OBJETIVO DISPOSITIVOS DO CÓDIGO Registro de Fundos Atraso no Registro de Documentação de Fundo

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores

Leia mais

Manual de Educação Continuada do Profissional CFP

Manual de Educação Continuada do Profissional CFP Manual de Educação Continuada do Profissional CFP A Educação Continuada dos profissionais certificados CFP é imprescindível para a continuidade do uso da marca. É a garantia de que o profissional certificado

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Lâmina Bimestral: Cartas de Orientação, Penalidades e Termos de Compromisso

Lâmina Bimestral: Cartas de Orientação, Penalidades e Termos de Compromisso Lâmina Bimestral: Cartas de Orientação, Penalidades e Termos de Compromisso Relatório 4º bimestre de 2014 Página 1 de 15 APRESENTAÇÃO A ANBIMA possui um modelo de autorregulação voluntária, privada e independente

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1 - O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores Práticas para o Programa de Certificação Continuada ( Código ) é estabelecer princípios e regras que deverão

Leia mais

PAINEL I GOVERNANÇA DA ANBIMA. José Carlos Doherty Superintendente Executivo de Supervisão de Mercados

PAINEL I GOVERNANÇA DA ANBIMA. José Carlos Doherty Superintendente Executivo de Supervisão de Mercados PAINEL I GOVERNANÇA DA ANBIMA José Carlos Doherty Superintendente Executivo de Supervisão de Mercados 08 de maio de 2012 INSTITUTIONAL Compromissos da ANBIMA Representar Autorregular Informar Qualificar

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE Audiência Pública SDM nº 02/15 - Processo RJ 2015-1673

RELATÓRIO DE ANÁLISE Audiência Pública SDM nº 02/15 - Processo RJ 2015-1673 RELATÓRIO DE ANÁLISE Audiência Pública SDM nº 02/15 - Processo RJ 2015-1673 Objeto: Aprovação de exames de certificação para fins de obtenção de autorização como administrador de carteiras de valores mobiliários.

Leia mais

Código ANBIMA de. Regulação e Melhores Práticas. para o Programa de Certificação Continuada

Código ANBIMA de. Regulação e Melhores Práticas. para o Programa de Certificação Continuada Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Programa de Certificação Continuada CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1. O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E Solange Honorato Facilitadora Certificação Profissional ANBIMA - CPA-10 Destina-se aos profissionais que desempenham

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para os fins deste Código de Regulação e Melhores

Leia mais

WORKSHOP SUPERVISÃO DE SERVIÇOS QUALIFICADOS

WORKSHOP SUPERVISÃO DE SERVIÇOS QUALIFICADOS WORKSHOP SUPERVISÃO DE SERVIÇOS QUALIFICADOS Abertura Guilherme Benaderet Gerente de Supervisão de Mercados Serviços Qualificados INSTITUCIONAL Compromissos da ANBIMA Representar Autorregular Informar

Leia mais

La Supervisión de los Custodios en Brasil. Aspectos Legales

La Supervisión de los Custodios en Brasil. Aspectos Legales La Supervisión de los Custodios en Brasil Aspectos Legales CVM Competência Legal Lei nº 6.385/76 - Dispõe sobre o Mercado de Valores Mobiliários e Cria a Comissão de Valores Mobiliários. Art. 1º Serão

Leia mais

Prezado (a) Associado (a),

Prezado (a) Associado (a), Prezado (a) Associado (a), Seguem abaixo os itens do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico que estão em Audiência Pública

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

REGULAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO

REGULAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG REGULAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO Adriano Ferraz Graduado e Mestre em Direito Empresarial pela UFMG. Fundador e Conselheiro do Grupo

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Art. 1º. Para os fins deste Código de Regulação e Melhores

Leia mais

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código ) é estabelecer, para as Instituições Participantes abaixo definidas, os parâmetros

Leia mais

La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil

La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil Roberto Mendonça Pereira CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil Alerta As opiniões aqui expostas são

Leia mais

Metodologia para envio de Estatísticas de Private

Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia Definição A atividade de Private Banking exerce um importante papel na distribuição de valores mobiliários, especialmente fundos de investimento,

Leia mais

SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA (SARB)

SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA (SARB) SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA (SARB) Índice Sistema de Autorregulação Bancária (SARB)- Apresentação Participantes Evolução Evolução Normativa Evolução do Monitoramento Evolução do Canal Conte Aqui

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL Março 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO 1 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL... 5 CAPÍTULO 2 ÁREAS DE CONHECIMENTO... 6 Operações... 6 Back Office... 6 Compliance... 7 Risco...

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO

Leia mais

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto;

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto; Política de Exercício de Direito de Voto em assembleias gerais de fundos de investimento e companhias emissoras de valores mobiliários que integrem as carteiras dos fundos de investimento geridos pela

Leia mais

BB-BANCO DE INVESTIMENTO S.A. Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa

BB-BANCO DE INVESTIMENTO S.A. Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa BB-BANCO DE INVESTIMENTO S.A. Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa 1. Natureza e Abrangência dos Procedimentos 1.1. Os Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa ( Procedimentos ) constituem

Leia mais

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco N 01.006 Versão: 02 Atualizado: 19/01/2012 Abrangência: Departamentos, Agências, Empresas Ligadas

Leia mais

Metodologia para envio de Estatísticas de Private

Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia Definição A atividade de Private Banking exerce um importante papel na distribuição de valores mobiliários, especialmente fundos de investimento,

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto 1.1. Pelo presente documento, a INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. ( Gestora ), vem,

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 66

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 66 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 66 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Código ABVCAP ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Mercado de FIP e FIEE

Código ABVCAP ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Mercado de FIP e FIEE Código ABVCAP ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Mercado de FIP e FIEE TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II PRINCÍPIOS GERAIS 3 3 7 TÍTULO II FIP/FIEE

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Setembro de 2012 Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 50 13º andar 04543-000 Itaim Bibi - São Paulo - SP Tel 55 11 3318-9400 - Fax 55 11 3318 9403 Esta Política estabelece

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto 1.1. O objeto desta Política de Voto é estabelecer as regras a serem observadas pela INFRA

Leia mais

CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código ) é estabelecer, para as Instituições Participantes abaixo definidas, os parâmetros

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. MATÉRIAS OBRIGATÓRIAS...

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Versão 1 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO...3 2. EXCLUSÕES... 3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. POTENCIAIS SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSE...3 5. DA POLÍTICA DE

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código ) é estabelecer

Leia mais

Processos para inscrição Exames Online. Pública agosto/2010

Processos para inscrição Exames Online. Pública agosto/2010 Processos para inscrição Exames Online Pública agosto/2010 Acesso ao site www.anbima.com.br/cpa Esse site contém informações sobre os - Exames (Inscrição e Agendamento); - Editais dos Exames; - Programas

Leia mais

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E DESAFIOS Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 Agenda 1. Compliance conceito e missão 2. Atuação de Compliance nas instituições 3. Ferramentas de Compliance 4. Auditoria e Compliance

Leia mais

Workshop Supervisão de Mercados ANBIMA 16.10.2014

Workshop Supervisão de Mercados ANBIMA 16.10.2014 Workshop Supervisão de Mercados ANBIMA 16.10.2014 AGENDA 1. Código de Negociação de Instrumentos Financeiros i. Escopo e Abrangência; ii. Histórico; iii. Regras Gerais; iv. Regras de Negociação entre Instituições

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2014

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2014 abveap \,~ Prívate Equity & Venture Capital TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2014 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA INTELIGÊNCIA COMERCIAL COM VISTAS À EXPANSÃO DA CAPACIDADE DE GERAÇÃO DE DADOS, ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

P O L Í T I C A D E E X E R C Í C I O D E D I R E I T O D E V O T O E M AS S E M B L E I AS

P O L Í T I C A D E E X E R C Í C I O D E D I R E I T O D E V O T O E M AS S E M B L E I AS P O L Í T I C A D E E X E R C Í C I O D E D I R E I T O D E V O T O E M AS S E M B L E I AS V e r s ã o : 0 1 / 2014 01 d e o u t u b r o d e 2 0 1 4 V i g ê n c i a : A p a r t i r d e 07. 10. 2014 1

Leia mais

Proibida a reprodução.

Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é o de nortear a atuação dos Analistas de Valores Mobiliários em consonância a Instrução CVM nº

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS Versão: Setembro/2014 1 - Introdução e Objetivo A MV Capital adere ao Código de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento da ANBIMA,

Leia mais

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da autorregulação

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES WESTERN ASSET AÇÕES SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL NOME DO FUNDO:

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES WESTERN ASSET AÇÕES SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL NOME DO FUNDO: FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES WESTERN ASSET AÇÕES SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL NOME DO FUNDO: FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ/MF Nº: 29.413.945/0001-17 PERIODICIDADE

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Do Objetivo

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Do Objetivo POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CAPÍTULO I Do Objetivo 1.1 Esta política tem por objetivo estabelecer os requisitos e os princípios que nortearão a Finacap Consultoria Financeira

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Análise de Investimento Bradesco Corretora e Ágora

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Análise de Investimento Bradesco Corretora e Ágora MANUAL DE PROCEDIMENTOS Análise de Investimento Bradesco Corretora e Ágora Índice 1. Finalidade:... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. COMPROMISSO de Cumprir Leis e Normas... 1 3.1. Da Comissão de Valores

Leia mais

19 e 20 de maio de 2015 - Sheraton WTC Hotel, São Paulo. 08/05 é o último dia de inscrição! www.congressoanbimadefundos.com.br

19 e 20 de maio de 2015 - Sheraton WTC Hotel, São Paulo. 08/05 é o último dia de inscrição! www.congressoanbimadefundos.com.br 19 e 20 de maio de 2015 - Sheraton WTC Hotel, São Paulo 08/05 é o último dia de inscrição! www.congressoanbimadefundos.com.br Autorregulação e Supervisão na Distribuição de Produtos no Varejo Supervisão

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

CÓDIGO ANBID DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA A ATIVIDADE DE PRIVATE BANKING NO MERCADO DOMÉSTICO

CÓDIGO ANBID DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA A ATIVIDADE DE PRIVATE BANKING NO MERCADO DOMÉSTICO CÓDIGO ANBID DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA A ATIVIDADE DE PRIVATE BANKING NO MERCADO DOMÉSTICO CÓDIGO ANBID DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA A ATIVIDADE DE PRIVATE BANKING NO MERCADO DOMÉSTICO

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ. 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE. 35300010230 Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos Estabelece os conceitos e as diretrizes do Itaú Unibanco

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Voto (ou simplesmente Política ) é determinar as regras que deverão ser observadas pelos Fundos

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS PAINEIRAS INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS PAINEIRAS INVESTIMENTOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS PAINEIRAS INVESTIMENTOS I Aplicação e Objeto 1.1. A Paineiras Investimentos ( Gestor ), vem por meio desta, em conformidade com o Código de

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais 1. Objeto 1.1. Esta Política tem por objetivo estabelecer os princípios gerais, em matérias relevantes obrigatórias, os critérios e os procedimentos

Leia mais

Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento. Marcelo Trindade mtrindade@trindadeadv.com.br Rio de Janeiro, 15.03.

Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento. Marcelo Trindade mtrindade@trindadeadv.com.br Rio de Janeiro, 15.03. Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento Marcelo Trindade mtrindade@trindadeadv.com.br Rio de Janeiro, 15.03.2012 Arcabouço Regulatório da Indústria de Fundos de Investimento Sumário

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A POLÍTCA DE DVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A A Política estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados na divulgação de ato ou fato relevante e na manutenção do sigilo de tais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código de Regulação e Melhores Práticas

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TECNISA S.A., OU A ELES REFERENCIADOS, POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. 1 PROPÓSITO A presente Política de Negociação de Valores Mobiliários tem como propósito estabelecer regras para

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo histórico de sucesso no mercado de capitais brasileiro

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL INTRODUÇÃO 1. A Australian Securities Commission e a Comissão de Valores Mobiliários, reconhecendo

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Versão 10-Set-15 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DTVM S.A. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Art. 1º. A presente política, em conformidade com o Código de Auto-Regulação

Leia mais

Disclaimer. Advertências

Disclaimer. Advertências Disclaimer Advertências O investimento em ativos financeiros envolve riscos sobre os quais o investidor deve buscar informar-se lendo a documentação obrigatória referente a cada ativo. Fundos de investimento

Leia mais

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento LUCIANA BARBOSA SILVEIRA Superintendente de Jurídico e Compliance Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento Sumário A partir de out/2015, novas normas passarão a reger a indústria de fundos

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional O Grupo O Grupo MultinvestCapital está inserido no mercado financeiro e de capitais que, ao longo das últimas décadas, vem evoluindo e aprimorando os padrões e procedimentos

Leia mais

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Local:, Rua XV de Novembro, 275 - Centro 1º andar 08h40 09h00 Credenciamento 09h00 09h15 Abertura: Comitê Consultivo de Educação 09h15 10h30 A Comissão de Valores

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO DEX CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO DEX CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO DEX CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. 1 Definição e Finalidade O objetivo desta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ) é estabelecer os princípios

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Legal Brasil e Uruguai

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Legal Brasil e Uruguai Nível 3 Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Legal Brasil e Uruguai 1 ÍNDICE 1. Definição e Finalidade... 3 2. Princípios Gerais... 3 3. Matérias Relevantes Obrigatórias... 4

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundos de Investimento Difusão de Fundos de Investimento BB DTVM e FGV 17/05/2013 Programa. A ANBIMA. O que são Fundos de Investimento. Como se constituem. Governança. Operação. A indústria Brasileira

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA BACOR CCVM. Página: 1 Título: Exercício de Direito de Voto em Assembleia

POLÍTICA CORPORATIVA BACOR CCVM. Página: 1 Título: Exercício de Direito de Voto em Assembleia Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política:... 2 04.02. Responsáveis

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO 1.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO

POLÍTICA DE VOTO 1.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO POLÍTICA DE VOTO 1.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO A BRAM Bradesco Asset Management S.A DTVM ( BRAM ) aderiu ao Código de Auto Regulação de Fundos de Investimento ( Código ) da Associação Nacional de Bancos de

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Estácio Participações S.A. 1. Propósito Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados pelos (i) Administradores

Leia mais

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS Legenda: CVM = Código dos Valores Mobiliários EG = entidade gestora de organismos de investimento

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 10ª CHAMADA DE FUNDOS

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 10ª CHAMADA DE FUNDOS FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 10ª CHAMADA DE FUNDOS 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos, na qualidade de Secretaria Executiva da Incubadora de Fundos

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais