POLÍTICA DE REDUÇÃO DE DANOS A USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS: PRÁTICAS TERAPÊUTICAS NO PROJETO CONSULTÓRIO DE RUA EM FORTALEZA, CEARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE REDUÇÃO DE DANOS A USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS: PRÁTICAS TERAPÊUTICAS NO PROJETO CONSULTÓRIO DE RUA EM FORTALEZA, CEARÁ"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS CESA CENTRO DE HUMANIDADES CH MESTRADO ACADÊMICO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E SOCIEDADE MAPPS MARIA ENIANA ARAÚJO GOMES PACHECO POLÍTICA DE REDUÇÃO DE DANOS A USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS: PRÁTICAS TERAPÊUTICAS NO PROJETO CONSULTÓRIO DE RUA EM FORTALEZA, CEARÁ FORTALEZA - CE 2013

2 2 MARIA ENIANA ARAÚJO GOMES PACHECO POLÍTICA DE REDUÇÃO DE DANOS A USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS: PRÁTICAS TERAPÊUTICAS NO PROJETO CONSULTÓRIO DE RUA EM FORTALEZA, CEARÁ Dissertação apresentada à Coordenação do Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade MAPPS da Universidade Estadual do Ceará UECE, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre. Orientador: Prof. Dr. João Tadeu de Andrade. FORTALEZA - CE 2013

3 3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Universidade Estadual do Ceará Biblioteca Central Prof. Antônio Martins Filho Bibliotecário Responsável Francisco Welton Silva Rios CRB-3 / 919 P116p Pacheco, Maria Aniana Araújo Gomes Política de redução de danos a usuários de substâncias psicoativas: práticas terapêuticas no Projeto Consultório de Rua em Fortaleza, CE / Maria Aniana Araújo Gomes Pacheco CD-ROM. 143 f. ; il. (algumas color.) : 4 ¾ pol. CD-ROM contendo o arquivo no formato PDF do trabalho acadêmico, acondicionado em caixa de DVD Slim (19 x 14 cm x 7 mm). Dissertação (mestrado) Universidade Estadual do Ceará, Centro de Estudos Sociais Aplicados, Curso de Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade, Fortaleza, Área de Concentração: Políticas Públicas e Sociedade. Orientação: Prof. Dr. João Tadeu de Andrade. 1. Redução de danos. 2. Cuidado em saúde. 3. Projeto Consultório de Rua. Título. CDD: 362.1

4 4

5 A minha mãe, Zélia (in memoriam), ao meu pai, Chico, às minhas irmãs, Elidiana e Ana Paula, e, em especial, ao meu filho, Ênio Henrique, e esposo, Mário Henrique, porque somos realmente uns com os outros na vivência humana de cada dia! Ao ser psicóloga, como um instrumento de respeito e cuidado ao outro. 5

6 6 AGRADECIMENTOS Ao concluir este trabalho tenho muitas pessoas a quem agradecer, algumas das quais cuja nomeação é imprescindível. Por isso, com todo respeito e cuidado, destaco: João Tadeu de Andrade, meu orientador, pela dedicação com que conduziu nossos encontros e reencontros presenciais e virtuais. Zulmira Áurea Cruz Bomfim, minha primeira orientadora na graduação, por me ajudar a sentir o que é Ser Humana nas relações através das vivências em Biodança e participação no grupo de pesquisa do Laboratório em Psicologia Ambiental (LOCUS). Regianne Leila Rolim, minha primeira orientadora, que por motivos pessoais precisou se ausentar. João Bosco Feitosa dos Santos e Regina Heloísa Mattei de Oliveira Maciel, membros da banca de qualificação, pelas recomendações e sugestões. FUNCAP, pelo apoio financeiro. Aos professores docentes do programa de pós-graduação do MAPPS aos quais tive acesso. Cristina Maria Pires de Medeiros, secretária do programa de pós-graduação do MAPPS, por todos os encaminhamentos e esclarecimentos necessários à conclusão desta dissertação. Sâmea Moreira Mesquita Alves e Ana Marques, amigas queridas do MAPPS e, acredito, de toda a vida, pelo acolhimento e companheirismo em momentos difíceis do meu experienciar pessoal e profissional. Raimunda Félix, coordenadora do Colegiado de Saúde Mental do município de Fortaleza, durante o período desta pesquisa por todo o apoio. Equipe de profissionais do Projeto Consultório de Rua. A minha querida amiga Dirlândia Vieira da Silva, por ter me ajudado a acreditar que no final tudo dá certo. Mário Henrique, meu amado esposo, amigo e companheiro, por toda a dedicação.

7 7 RESUMO Atualmente o cenário epidemiológico no Brasil e em outros países cresce quanto ao consumo de drogas lícitas e ilícitas, desencadeando problemas no que diz respeito ao uso, abuso e dependência de substâncias psicoativas. Nesse contexto, o presente estudo objetiva analisar a Política de Redução de Danos na prática dos profissionais do Projeto Consultório de Rua, no município de Fortaleza, Ceará, Brasil. O Projeto Consultório de Rua é uma atividade aprovada pelo Ministério da Saúde desde No município de Fortaleza, local de recorte para este estudo, a Política de Redução de Danos teve início em 2005, no âmbito da Rede de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas, sob a coordenação do colegiado que participou da seleção "Projetos de Consultório de Rua", promovida pelo Ministério da Saúde em 2009, obtendo êxito. O município de Fortaleza foi o único lugar de todo o estado do Ceará que atendeu às exigências para concorrer à seleção do Projeto de Consultório de Rua com vistas ao desenvolvimento de práticas de Redução de Danos destinadas à população de rua, por intermédio de abordagens nas ruas e ações nos Centros de Atenção Psicossocial, Álcool e outras Drogas (CAPS AD). A primeira equipe desse município foi constituída em junho de 2010, e a segunda, após um período experimental durante o mês de dezembro de 2011, estabeleceu suas atividades a partir de fevereiro de Os sujeitos convidados a participar deste estudo tiveram acesso ao Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Optou-se por uma abordagem metodológica qualitativa para a obtenção dos dados necessários ao alcance dos objetivos propostos. O estudo foi desenvolvido nos locais de prática do Projeto Consultório de Rua. Foram considerados para a coleta de dados instrumentos metodológicos como a entrevista semiestruturada e a observação sistemática dos profissionais do Projeto Consultório de Rua no exercício de suas atividades. A entrevista semiestruturada áudiogravada teve fontes primárias como dados de identificação e contemplou questões abertas sobre o tema, sendo realizada em outubro de 2011; a observação sistemática da prática, buscando aprofundar o objeto em estudo, foi concretizada por diário de campo, durante os meses de janeiro e fevereiro de Participaram do estudo 05 sujeitos: 01 Psicólogo, 01 Redutor de Danos, 01 Motorista, 01 Técnico de enfermagem, 01 Educador social. Os sujeitos convidados a participar deste estudo tiveram acesso ao Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os dados obtidos foram processados por análise de conteúdo. Esta pesquisa, em respeito às exigências do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual do Ceará (CEP- UECE, processo nº ), teve aprovação em 14 de setembro de Observou-se que as práticas em redução de danos apresentam uma dinâmica diferenciada a depender do processo de territorialidade dos sujeitos envolvidos. Obteve-se, ainda, que a troca de saberes, assim como a disponibilidade relacional entre usuários e profissionais corroboram para a prática do cuidado. É o cuidado em saúde pela prática da redução de danos que se desdobra na construção de diferentes saberes. Palavras-chave: Redução de Danos. Drogas. Projeto Consultório de Rua. Território. Cuidado em Saúde.

8 8 ABSTRACT Currently the epidemiological scenario in Brazil and other countries grow regarding the licit and illicit drug use, triggering problems with regard to the use, abuse and dependence of psychoactive substances. In this context, the present study aims to analyze the Harm-Reduction Policy in practice of professionals of the Street Office Project in the city of Fortaleza, Ceará, Brasil. The Street Office Project is an activity approved by the Ministry of Health since In the city of Fortaleza, clipping site for this study, the Harm-Reduction Policy began in 2005, within the Mental Health, Alcohol and Other Drugs Network, under the coordination of the group that participated in the "Street Office Projects", promoted by the Ministry of Health in 2009, succeeding. The city of Fortaleza was the only place in the whole state of Ceará that has met the requirements to run for Street Office Projects selection aiming the development of Harm-Reduction practices for the street population, through approaches on the streets and in the Centers of Psychosocial Care, Alcohol and Other Drugs (CAPS AD). The first team of this municipality was constituted in June 2010, and the second, after a trial period during the month of December 2011, lays down its activities from February The subjects invited to participate in this study had access to informed consent. Were considered to the data collection methodological instruments as the semi-structured interview and systematic observation of the Street Office Project professionals in the exercise of their activities. The semi-structured interview audio recording had primary sources such as data identification and contemplated open questions on the topic, being held in October 2011; systematic observation of practice was obtained by field journal, seeking to deepen the object under study, during the months of January and February of Five subjects participated in the study: 01 Psychologist, 01 Damage reduction, 01 Driver, 01 Nursing technical, 01 Social educator. This is a qualitative study being developed in the Street Office Project local of practice, with data collection among the professionals, to be processed by content analysis. This research, in respect to the requirements of the Research Ethics Committee of the Universidade Estadual do Ceará (UECE, CEP-process nº ), had approval in September 14, It was observed that the harm-reduction practices are differentiated depending on the dynamic process of territoriality of the subjects involved. It was obtained, either, that the exchange of knowledge between professionals and users confirms a practice of care. Is the health care by harm-reduction practice that unfolds in the construction of different knowledge. Keywords: Harm-Reduction. Drugs. Street Office Project. Territory. Health Care.

9 9 LISTA DE FIGURAS 1 Localização Geográfica da Secretaria Regional Centro, pelo Google Maps 42 2 Localização Geográfica do território da Investigação no âmbito da Secretaria Regional II 43 3 Lateral da Kombi 44 4 Destaque da identificação institucional na lateral do veículo 45 5 Equipe I de profissionais do Projeto Consultório de Rua, no município de Fortaleza 48 6 Cartografia da rota dos profissionais do Consultório de Rua 82 7 Cartografia da rota dos profissionais do Consultório de Rua 83 8 Praça da Estação observada por trás da Kombi Praça da Estação observada pela frente da Kombi Moradores de rua esperam por ações caridosas e é oportunizada a abordagem de rua pelos profissionais do Consultório de Rua Estabelecimento Casa da Sopa Campanha de vacinação da Hepatite na Casa da Sopa Viaduto da Avenida Alberto Nepomuceno Acesso à Rua Gérson Gradvol Rua José Avelino Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura Igreja Santa Luzia, popularmente conhecido por Ferro de Engomar pelos 97 profissionais do PCR 18 Lateral da Pizza Hut, na Avenida Beira Mar Travessa Jacinto Atuação da equipe do Consultório de Rua no Vicente Pinzón Prática preventiva da equipe do Consultório de Rua no Vicente Pinzón 100

10 10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABAREDA Associação Baiana de Redução de Danos ABORDA Associação Brasileira de Redutores de Danos ACRD Associação Carioca de Redução de Danos AIDS Síndrome da Imunodeficiência Adquirida CAPS AD Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas CEBRID Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas CETAD Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas CONAD Conselho Nacional Antidrogas CONASS Conselho Nacional de Secretários de Saúde CONFEN Conselho Federal de Entorpecentes CSF Centros de Saúde da Família CUCA Centro Urbano de Cultura, Arte, Ciência e Esporte de Fortaleza DST Doença Sexualmente Transmissível ECR Equipes do Consultório de Rua ESF Equipes de Saúde da Família HGF Hospital Geral de Fortaleza HIV Human immunodeficiency vírus (Vírus da Imunodeficiência Adquirida) IDGS Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Apoio a Gestão em Saúde NASF Núcleo de Apoio à Saúde da Família NEPAD Núcleo de Estudos e Pesquisas em Atenção ao Uso de Drogas OEA OMS Organização dos Estados Americanos Organização Mundial de Saúde PCR Projeto de Consultório de Rua PEAD Plano Emergencial de Ampliação de Acesso ao Tratamento e Prevenção em Álcool e outras Drogas PIEC Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas PNAD Política Nacional Antidrogas PNAD PRD Política Nacional sobre Drogas Política de Redução de Danos PROJOVEM Programa Nacional de Inclusão de Jovens RD Redução de Danos REDUC Rede de Redução de Danos e Direitos Humanos

11 11 RELARD SEAR SEMAS SENAD SER SISNAD SMS SUAS SUS SPA UBS UFBA Rede Latino-Americana de Redução de Danos Serviço Especializado de Abordagem de Rua Secretaria Municipal de Assistência Social Secretaria Nacional Sobre Drogas Secretaria Executiva Regional Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas Secretaria Municipal de Saúde Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Saúde Substâncias Psicoativas Unidades Básicas de Saúde Universidade Federal da Bahia

12 12 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS 09 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS 10 1 INTRODUÇÃO 13 2 REDUÇÃO DE DANOS E CONSULTÓRIO DE RUA: CONQUISTAS, LIMITES E DESAFIOS O percurso das políticas públicas em saúde no Brasil destinadas a usuários de substâncias psicoativas Os movimentos da Redução de Danos e seus desdobramentos nas práticas em saúde Especificidades do Projeto Consultório de Rua no município de Fortaleza, Ceará O Consultório de Rua em interface com a redução de danos 48 3 PRÁTICAS TERAPÊUTICAS EM REDUÇÃO DE DANOS: O PROJETO CONSULTÓRIO DE RUA EM FORTALEZA-CE Redução de danos e subjetividade em espaço urbano: os saberes na prática de território Configuração dos saberes na Redução de Danos Produção terapêutica nas práticas de território 67 4 O CUIDADO EM SAÚDE: UM CAMINHO PARA A PRODUÇÃO DE PRÁTICAS TERAPÊUTICAS NO CONTEXTO DA REDUÇÃO DE DANOS A Redução de Danos na transversalidade da produção de práticas do cuidar Saúde e drogas Práticas do cuidar CONSIDERAÇÕES FINAIS 109 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 111 APÊNDICES 120 ANEXOS 125

13 13 1. INTRODUÇÃO Ao longo dos últimos anos observa-se que o cenário epidemiológico no Brasil e em vários outros países cresce quanto ao consumo de drogas lícitas e ilícitas, desencadeando problemas no que diz respeito ao uso, abuso e dependência de substâncias psicoativas. Além do crescimento observa-se que o fenômeno aumenta cada vez mais precocemente nas populações, incluindo grupos sociais menos favorecidos (OLIEVENSTEIN, 1980; MELMAN, 1992; LE BRETON, 2003). Frente a esse caráter de uso, abuso e dependência das drogas psicotrópicas adquiridas na pós-modernidade, a toxicomania e a farmacodependência se tornaram um problema de saúde pública. Nesse contexto, o presente estudo objetiva analisar a Política de Redução de Danos (PRD) aos usuários de substâncias psicoativas por intermédio das práticas terapêuticas realizadas pelos profissionais do Projeto Consultório de Rua, no município de Fortaleza, Ceará. Visando alcançar a proposta de análise deste estudo, elegeram-se como objetivos específicos: 1. Analisar a concepção dos profissionais atuantes no Projeto Consultório de Rua sobre Redução de Danos, no município de Fortaleza; 2. Identificar e descrever áreas de Fortaleza onde ocorre a prática dos profissionais atuantes no Projeto Consultório de Rua; 3. Conhecer as estratégias em Redução de Danos utilizadas na prática dos profissionais atuantes no Projeto Consultório de Rua do município de Fortaleza. O interesse por este estudo surgiu durante as vivências, no curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará, em atividades de extensão e pesquisa pelo Laboratório de Psicologia Ambiental LOCUS; e desenvolvimento de atividades profissionais no âmbito da Psicologia, em abril de 2008, no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas (CAPS AD), situado na Barra do Ceará, no município de Fortaleza. No LOCUS estuda-se a relação do indivíduo com seu entorno. O CAPS AD constitui-se enquanto um serviço extrahospitalar de assistência pública, estatal ou contratado, destinado a cuidar dos problemas de saúde mental, individual e coletivo, dos usuários de substâncias psicoativas, no nível da atenção secundária. A indagação inicial que gerou a construção do objeto dessa pesquisa foi: Existem práticas terapêuticas na abordagem de rua embasadas pelos ideais da Redução de Danos? A prática terapêutica na saúde pública brasileira é orientada e ofertada à população pelo Sistema Único de Saúde (SUS), considerado a maior política de inclusão

14 14 social do País, que possui como diretrizes os princípios doutrinários da universalidade 1, integralidade 2 e o princípio ético da equidade 3, cuja forma de organização e operacionalização apoiam-se na participação popular, na regionalização e hierarquização, na descentralização 4 e no comando único 5 (BRASIL, 1990a). O SUS agrega à prática em saúde conhecimentos sobre: meio físico, por intermédio das condições geográficas, água, alimentação, habitação; meios socioeconômico e cultural, incorporando o emprego, renda, educação, hábitos; e a promoção, proteção e recuperação da saúde (BRASIL, 2004a). Dentre as políticas públicas nacionais destinadas ao combate do uso e abuso de substâncias psicotrópicas, iniciativas estatais e projetos voltados à prevenção e promoção da saúde e ao tratamento das enfermidades são orientados pelos princípios do SUS, que preconizam a humanização dos serviços e a articulação entre os diferentes equipamentos sociais (BRASIL, 2004b). Assim, em 1994, o SUS inseriu oficialmente no Brasil a Redução de Danos (RD) enquanto política estratégica no âmbito da saúde pública, tendo como eixo inicial um conjunto de práticas voltadas para a prevenção da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) e hepatites virais em grupos estigmatizados vulneráveis à transmissão dos vírus pelo compartilhamento das agulhas e seringas contaminadas durante a prática do uso injetável de drogas, na maioria dos casos. Essa política, posteriormente, passou a ser utilizada com maior intensidade no desenvolvimento de ações preventivas e na promoção de saúde junto aos usuários de drogas, em espaços institucionalizados e abordagens de rua (NIEL, SILVEIRA, 2008). A RD é uma política que surge, enquanto estratégia de saúde pública, visando controlar possíveis consequências negativas associadas ao consumo de substâncias psicoativas 6 (lícitas e ilícitas) sem, necessariamente, interferir na oferta ou consumo, respeitando a liberdade de escolha, buscando inclusão social e cidadania para os usuários, em seus contextos de vida marginais, com um modo de atuar clínico e efeitos terapêuticos eficazes (BRASIL, 2004c). Essa política oportunizou a criação da categoria profissional Redutor de Danos, cujos integrantes, na sua maioria, são do nível médio de escolaridade e atuam em locais onde usuários de drogas vivem e convivem, assistindo-os pela promoção da saúde com acolhimento, construção de vínculos e norteamentos terapêuticos focados no sujeito. 1 Saúde como direito de todos os indivíduos. 2 Acesso a todos os serviços médicos como direito de todos. Fomento a ações e serviços preventivos, curativos e coletivos, articulados e contínuos, exigidos em todos os níveis de complexidade de assistência. 3 Reconhecimento das diferentes necessidades da população por meio de ações governamentais diferenciadas. 4 Transferência de ações do governo federal para o estadual ou municipal. 5 Um único gestor comanda as políticas de saúde na rede assistencial de abrangência. 6 Termo farmacológico utilizado atualmente para se referir às substâncias que modificam o funcionamento do Sistema Nervosos Central.

15 15 Por meio da Lei nº /2006, a Redução de Danos foi regulamentada como uma estratégia que se insere nos espaços institucionais por meio das políticas centrais de saúde do SUS, a exemplo da Política Nacional da Atenção Básica, da Política Nacional de Saúde Mental, da Política do Ministério da Saúde de Atenção Integral de Usuários de Álcool e outras Drogas e da Política Nacional sobre Drogas, realinhada em 2004 (BRASIL, 2006). Em 2009, o Ministério da Saúde selecionou Projetos de Consultório de Rua que fossem vinculados às secretarias municipais dos diferentes estados brasileiros com o fim de desenvolver ações destinadas a usuários de drogas em situação de rua. Foram selecionados 14 municípios 7 para executarem abordagem de rua com usuários de substâncias psicoativas por meio das intervenções clínicas, psicossociais e educativas (BRASIL, 2010b). Sob a Portaria nº 122, em 25 de janeiro de 2012, foram definidas as diretrizes de organização e funcionamento dos Projetos de Consultório de Rua (PCR), considerando como composição mínima da equipe dois profissionais de nível superior e dois de nível médio. As ações devem ser conjuntas e integradas às Unidades Básicas de Saúde (UBS) e, quando necessário, às equipes dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), serviços de Urgência e Emergência e outros equipamentos sociais (BRASIL, 2012). Os programas de redução de danos visam acessar e vincular usuários de drogas a serviços de saúde que promovam a diminuição da vulnerabilidade pela reinserção social (QUEIROZ, 2001), pelos princípios da busca ativa em locais onde o usuário vive e faz uso de drogas; o vínculo ético e afetivo na relação entre usuário e agente redutor de danos, adquirido pela confiança; a abordagem sigilosa, não estigmatizante ou excludente; a intervenção que instigue o desenvolvimento da autonomia do sujeito; e ações de educação em saúde que oportunizem novos modos possíveis de relação com as drogas (ROMERO, 2001). No município de Fortaleza, local de recorte deste estudo, o Programa de Redução de Danos teve início no âmbito da Rede de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas, sob a coordenação de colegiado 8 desde 2005, que, ao participar da seleção dos Projetos de Consultório de Rua, promovida pelo Ministério da Saúde, em 2009, obtive êxito. Em todo o estado do Ceará, Fortaleza foi o único município que atendeu às exigências para concorrer à seleção do Projeto Consultório de Rua. Por isso o recorte espacial para esta pesquisa ocorreu somente nesse município. Este PCR teve seu início em junho de Dentre as cidades destacam-se: Maceió/AL, Manaus/AM, Salvador/BA, Fortaleza/CE, Brasília/DF, Uberlândia/MG, Belém/PA, João Pessoa/PB, Curitiba/PR, Recife/PE, Niterói/RJ, Rio de Janeiro/RJ, São Bernardo do Campo/SP, Guarulhos/SP. (BRASIL, 2010c). 8 O Colegiado de Gestão em Saúde constitui-se por ser um espaço de negociação, pactuação e co-gestão solidária. Em Fortaleza, o Colegiado de Saúde Mental, no período da pesquisa, constituía-se por um Psiquiatra e duas Psicólogas que buscavam garantir e aprimorar a aplicação dos princípios do SUS.

16 16 Esta pesquisa foi submetida à análise do Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Estadual do Ceará (Anexo A). Devido à obrigatoriedade do cumprimento das exigências normativas aos princípios éticos da pesquisa envolvendo seres humanos estabelecidos pela Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996, do Conselho Nacional de Saúde (BRASIL, 1998), a pesquisa de campo só iniciou após a devida aprovação. Os sujeitos convidados a participar do estudo tiveram acesso ao Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Apêndice A), o qual foi assinado após manifestarem o desejo de participarem da pesquisa. Foram considerados para a coleta de dados instrumentos metodológicos como a entrevista semiestruturada (Apêndice C) e a observação sistemática (Apêndice D) dos profissionais do Projeto Consultório de Rua (PCR) no exercício de suas atividades. A entrevista semiestruturada audiogravada teve fontes primárias como dados de identificação e contemplou questões abertas sobre o tema, sendo realizada em outubro de 2011; a observação sistemática da prática foi registrada por diário de campo que seguiu alguns elementos de referência (Apêndice D), durante os meses de janeiro, fevereiro e março de Na entrevista, se buscou examinar os conteúdos dos discursos e as observações de campo, que aconteceram de forma sistemática. Vale ressaltar que a observação sistemática apresenta-se como adequada ao estudo por viabilizar a descrição precisa do confronto entre as informações apreendidas a partir das representações dos sujeitos por meio da fala/depoimento e a práxis concreta do serviço, no momento da ação (LEOPARDI, 2002). Participaram do estudo cinco sujeitos da equipe do PCR, e os critérios para a sua inclusão foram: 1 estar no serviço há pelo menos seis meses; 2 disponibilidade de tempo para a entrevista; e, por fim, 3 aceitar participar da pesquisa. Esse grupo de sujeitos da pesquisa foi constituído por um Psicólogo, um Redutor de Danos, um Motorista, um Técnico de enfermagem e um Educador social. Como característica desse grupo tem-se que todos os sujeitos têm idade variando entre 27 e 53 anos e, dos cinco sujeitos, um tem formação de nível superior, dois, em redução de danos, um concluiu o curso técnico e dois não têm experiência anterior com saúde mental. No município de Fortaleza, esses sujeitos da amostra possuem vínculo empregatício de terceirização com o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Apoio a Gestão em Saúde (IDGS). Objetivando detalhar mais a caracterização dos sujeitos da amostra identificouse os profissionais do Consultório de Rua por colaboradores e a sequência na descrição destes seguiu a ordem das entrevistas realizadas. Assim, o Colaborador 1 (C-1) tem 53 anos, é do sexo feminino, ocupa o cargo de redutora de danos, já trabalhou por dois anos em um Centro de atenção Psicossocial Álcool

17 17 e outras Drogas, concluiu o nível médio de escolarização, tem cursos em redução de danos pela Associação Brasileira de Redução de Danos do Brasil e Associação Cearense de Redução de Danos e está como membro da equipe do Consultório de Rua há um ano e quatro meses. O Colaborador 2 (C-2) tem 48 anos, é do sexo masculino, ocupa o cargo de motorista, não havia trabalhado anteriormente em saúde mental, concluiu o nível médio de escolarização, tem curso de condutor de veículos - categoria B, e está como membro da equipe do Consultório de Rua há seis meses. O Colaborador 3 (C-3) tem 37 anos, é do sexo masculino, ocupa o cargo de Técnico de Enfermagem, já trabalhou por três anos em um Centro de atenção Psicossocial e três meses em Hospital Psiquiátrico, concluiu o nível médio de escolarização, tem Curso Técnico em Enfermagem. O Colaborador 4 (C-4) tem 27 anos, é do sexo masculino, ocupa o cargo de Educador Social, não havia trabalhado anteriormente em saúde mental, más no Programa DST/AIDS, no município de Fortaleza, por um ano, concluiu o nível médio de escolarização, tem curso em redução de danos pela Associação Cearense de Redução de Danos e está como membro da equipe do Consultório de Rua há um ano e quatro meses. O Colaborador 5 (C-5) tem 28 anos, é do sexo masculino, ocupa o cargo de Psicólogo, já trabalhou por quatro anos em Centro de atenção Psicossocial com prática na especificidade Geral e Álcool e Outras Drogas, concluiu bacharelado em curso superior, tem especialização em Saúde Pública e está como membro da equipe do Consultório de Rua há um ano e quatro meses. Acrescenta-se que a observação sistemática de campo iniciou em 19/01/2012, persistindo até 09/03/2012, totalizando 75h. Foram oito semanas, no período de segunda a sexta de 17h até às 21h, em que foram observadas as práticas terapêuticas dos profissionais do PCR. Durante a realização da observação sistemática de campo algumas falas do supervisor da equipe do PCR se fizeram importantes para esse estudo. Optou-se pela realização de um estudo qualitativo tendo em vista a subjetividade que circunda os trabalhos com grupos sociais e o sujeito biopsicossocial (MARTINELLI, 1999). Esta escolha embasada na perspectiva crítico-analítica pretende analisar um fenômeno social e suas relações com o campo da saúde mental pela práxis social (MINAYO, 2006). Segundo Minayo (1999), a pesquisa qualitativa: [...] se preocupa, nas Ciências Sociais, com um nível de realidade que não pode ser quantificado. Ou seja, ela trabalha com o universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que corresponde a um espaço mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos que

18 18 não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis (MINAYO, 1999, p. 21). Conforme Minayo (2006) a pesquisa qualitativa se distingue da quantitativa pela empiria e sistematização progressiva de conhecimento até a compreensão da lógica interna do grupo ou do processo em estudo (p. 57). Essa sistematização do conhecimento, seguida pela análise dos dados, teve como passos operacionais: I - Ordenação dos dados transcrição e leitura geral do conteúdo das entrevistas gravadas durante a coleta empírica de material. Posteriormente foram organizados os dados observados nas entrevistas, objetivando um mapeamento horizontal do material empírico coletado no campo de estudo, organizando-o em diferentes conjuntos. II - Classificação dos dados versa sobre a organização das informações em que ocorre a relação entre os dados empíricos, objetivos e pressupostos teóricos da pesquisa. Há uma primeira aproximação com os significados das falas dos sujeitos possibilitando o surgimento dos núcleos de sentido. Os núcleos de sentido se constituem por três etapas, referenciadas por Assis et al. (1998). A primeira etapa constitui-se da leitura do material coletado nas entrevistas e observações, procurando relações entre as informações obtidas a fim de organizar as categorias sobre o tema em questão. As ideias centrais foram: saúde; drogas; configurações dos saberes; práticas do cuidar; produção de saberes nas práticas de território. Essas categorias centrais contribuíram para a organização das categorias empíricas que emergiram do trabalho de campo. As referidas categorias foram selecionadas por meio das falas dos entrevistados e da observação em diário de campo. Por conseguinte, foi feita a síntese de todos os trechos selecionados para cada unidade categorial em dois quadros de análise, um para os profissionais entrevistados e outro para o campo observado. Assim, iniciou-se a leitura transversal das unidades temáticas empíricas por intermédio do cruzamento das ideias contidas nesses dois quadros de análise. Após a leitura transversal, foram selecionados os temas mais relevantes ao objeto do estudo, assim como as questões orientadoras e os pressupostos teóricos da pesquisa de que as práticas terapêuticas na abordagem de rua contribuem para a Redução de Danos, sem serem desconsideradas as representações singulares e específicas dos sentidos. A segunda etapa elegeu como subtema da análise empírica a Redução de Danos e subjetividade em espaço urbano: os saberes na prática de território do Consultório de Rua; e A Redução de Danos na transversalidade da produção de práticas do cuidar no Consultório de Rua.

19 19 Nessas categorias empíricas confrontaram-se os sujeitos do estudo, analisandose a dialética das ideias e suas posições no campo das práticas do Projeto Consultório de Rua, no contexto da Redução de Danos, em Fortaleza. Esse confronto deu-se por meio das convergências, divergências, diferenças e complementaridades no processo dinâmico de (re)construção das práticas dos profissionais do Consultório de Rua, no município de Fortaleza. No tocante ao registro das observações, ressalta-se que os dados coletados por meio desse instrumento foram utilizados durante a análise, na medida em que foi procedida a sua triangulação (TRIVIÑOS, 1992) pelas categorias empíricas em interface com o processo metodológico e o referencial teórico. Na última etapa faz-se a releitura dos textos, objetivando-se identificar os conteúdos evidentes e ocultos, relacionando-os com as categorias empíricas deflagradas. Assim, se evidenciam os dados analisados mais relevantes a fim de melhor compreendê-los e interpretá-los. Segundo Assis et al. (1998), nessa etapa a análise ocorre pelo encontro da singularidade do objeto, a partir do que foi vivido, com as relações entre o real particularizado e social. Para Minayo (2006), é a etapa em que há a possibilidade de realização de uma síntese entre o real vivenciado pelos sujeitos sociais da pesquisa, em seu cotidiano, e os contextos práticos, teóricos e também subjetivo do pesquisador, ambos inseridos em condições sócio-históricas singulares. Dessa maneira, os resultados se conformaram, pela configuração analítica do objeto de estudo, em Compreensão das práticas de redução de danos: o caso do Projeto Consultório de Rua em Fortaleza-CE, sob as seguintes categorias empíricas: Redução de Danos e subjetividade em espaço urbano: os saberes na prática de território do Consultório de Rua e A Redução de Danos na transversalidade da produção de práticas do cuidar no Consultório de Rua, ambas discutidas, respectivamente, nos capítulos 2 e 3. No primeiro capítulo, que sucede esta introdução, destaca-se o percurso histórico dos movimentos e ações em Redução de Danos, originários de países da Europa. Esses movimentos e ações manifestaram seus resultados entre as políticas públicas sobre drogas, no Brasil, na esfera da saúde. Dessa forma o Ministério da Saúde incluiu a Redução de Danos como norteador das práticas no Projeto Consultório de Rua (PCR). O PCR existe enquanto um Projeto Nacional do Ministério da Saúde para atender usuários de substâncias psicoativas em situação de rua, orientado pela lógica da Redução de Danos. No capítulo segundo discutem-se as práticas de território do Projeto Consultório de Rua, no município de Fortaleza, que se especificam a depender dos processos de territorialização implicados durante as abordagens de rua.

20 20 No capítulo terceiro reflete-se sobre o cuidado em saúde na perspectiva da redução de danos. Nas Considerações Finais apresentam-se algumas conclusões extraídas das etapas bibliográfica, documental e de campo da pesquisa, ao mesmo tempo em que se verificam se os objetivos geral e específicos foram parcial ou plenamente atendidos e se faz algumas recomendações e sugestões, inclusive para o aprofundamento de estudos futuros sobre a temática.

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

MÓDULO 1. Neste módulo você estudará sobre as políticas públicas e a rede de atenção aos usuários de substâncias psicoativas.

MÓDULO 1. Neste módulo você estudará sobre as políticas públicas e a rede de atenção aos usuários de substâncias psicoativas. MÓDULO 1 Neste módulo você estudará sobre as políticas públicas e a rede de atenção aos usuários de substâncias psicoativas. Você conhecerá a história da atenção à saúde de usuários de álcool e outras

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy Políticas Públicas sobre drogas no Brasil Luciana Cordeiro Aline Godoy O que são políticas públicas? Para que servem? Como são elaboradas? Políticas Públicas para quê? Instrumento na organização da sociedade

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas RESULTADOS Setembro 2010 Parcerias Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Casa Civil da Presidência da República; Secretaria-Geral

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

1. PROJETO Fortalecimento da organização do movimento social das pessoas portadoras de deficiência no Brasil e divulgação de suas conquistas.

1. PROJETO Fortalecimento da organização do movimento social das pessoas portadoras de deficiência no Brasil e divulgação de suas conquistas. Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/12/2013-16:28:25 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2823 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31447 de 25/06/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DECRETOS

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31447 de 25/06/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DECRETOS DIÁRIO OFICIAL Nº. 31447 de 25/06/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DECRETOS Número de Publicação: 9546 D E C R E T O Nº 1.763, DE 24 DE JUNHO DE 2009 Institui a Política Estadual sobre Drogas, cria o Sistema

Leia mais

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR) 5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)... Art. 2º Estabelecer que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

Ministério da Saúde. (Versão Preliminar em Discussão)

Ministério da Saúde. (Versão Preliminar em Discussão) Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde Grupo Hospitalar Conceição Escola GHC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Rede Colaborativa

Leia mais

POLÍTICA SOBRE DROGAS: um debate necessário sobre a intervenção do assistente social ABSTRACT

POLÍTICA SOBRE DROGAS: um debate necessário sobre a intervenção do assistente social ABSTRACT POLÍTICA SOBRE DROGAS: um debate necessário sobre a intervenção do assistente social Tamara de Cáritas Silveira da Cruz 1 RESUMO As drogas psicoativas acompanham o processo de civilização, onde está fixado

Leia mais

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA TRATAMENTO E ACOLHIMENTO

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA TRATAMENTO E ACOLHIMENTO RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA TRATAMENTO E ACOLHIMENTO Coordenadora Deputada Iracema Portella Membros: Deputadas Carmen Zanotto e Rosane Ferreira e Deputado Pastor Eurico 1 Propostas do grupo

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA Figueredo Silva Monteiro, Silvana Patrícia; Carvalho Santos, Maria Francisca;

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

PROGRAMA DE BRAÇOS ABERTOS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ENTREVISTA COM MYRES MARIA CAVALCANTI

PROGRAMA DE BRAÇOS ABERTOS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ENTREVISTA COM MYRES MARIA CAVALCANTI PROGRAMA DE BRAÇOS ABERTOS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ENTREVISTA COM MYRES MARIA CAVALCANTI Médica com Residência em Medicina Preventiva e Social, Especialista em Gestão Pública. Coordena o Grupo Executivo

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS LISY MOTA DA CRUZ Orientador: Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO KOLLER, Evely Marlene Pereira 1 RAMOS,Flávia Regina Souza 2 O Brasil conta com uma população

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

POSICIONAMENTO POLÍTICO DO CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA RELATIVO À POLÍTICA DE DROGAS.

POSICIONAMENTO POLÍTICO DO CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA RELATIVO À POLÍTICA DE DROGAS. POSICIONAMENTO POLÍTICO DO CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA RELATIVO À POLÍTICA DE DROGAS. O consumo nocivo e dependente de substâncias psicoativas pode trazer relevantes danos sociais e à saúde da população;

Leia mais

PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. www.fortaleza.ce.gov.br

PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. www.fortaleza.ce.gov.br PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS www.fortaleza.ce.gov.br EIXOS DO PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK 1. Gestão e Informação 2. Prevenção e Mobilização Social 3.

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL SOBRE DROGAS

POLÍTICA NACIONAL SOBRE DROGAS GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL CONSELHO NACIONAL ANTIDROGAS RESOLUÇÃO Nº3/GSIPR/CH/CONAD, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005 Aprova a Política Nacional Sobre Drogas O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL ANTIDROGAS

Leia mais

Álcool e Outras Drogas no Contexto da Saúde Mental

Álcool e Outras Drogas no Contexto da Saúde Mental Álcool e Outras Drogas no Contexto da Saúde Mental 1º SEMINÁRIO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO AO CRACK 05 DE JULHO DE 2010 Rossana Rameh Psicóloga, Mestre em Saúde Coletiva, Técnica de saúde Mental e Redução

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghssdfghjklzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghssdfghjklzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghssdfghjklzxcvbnm POLITICA ESTADUAL SOBRE DROGAS qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui POLITICA ESTADUAL SOBRE

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

CONSTRUINDO REDE DE CUIDADOS NA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL, CRACK, ÁLCOOL E OUTRAS: O

CONSTRUINDO REDE DE CUIDADOS NA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL, CRACK, ÁLCOOL E OUTRAS: O CONSTRUINDO REDE DE CUIDADOS NA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL, CRACK, ÁLCOOL E OUTRAS: O desafio da intersetorialidade no cotidiano do trabalho em saúde e os direitos humanos Marco José de Oliveira Duarte 1 Esta

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Especial Brasília-DF Dezembro de 2011 O Sistema Único de Assistência Social (Suas) é um sistema

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro 2013 Dimensão demográfica População em 2010: 190.755.799

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 Márcia Maria Bragança Lopes 2 Marta Lenise do Prado 3 Denise Maria Guerreiro Vieira da Silva 4 Alacoque Lorenzini Erdmann 5

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Tema: Crack- Prevenção, resgate e cuidado em Saúde Mental. Considerações Iniciais:

Tema: Crack- Prevenção, resgate e cuidado em Saúde Mental. Considerações Iniciais: De: Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro Para: Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro Assunto: Contribuição propositiva para ser apresentada na Mesa 3/ Conselhos e Sociedade Civil

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais