La arquitectura construida en tierra, Tradición e Innovación

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "La arquitectura construida en tierra, Tradición e Innovación"

Transcrição

1 La arquitectura construida en tierra, Tradición e Innovación Congresos de Arquitectura de Tierra en Cuenca de Campos 2004/2009. Coord.: José Luis Sáinz Guerra, Félix Jové Sandoval Editor: Cátedra Juan de Villanueva, Escuela Técnica Superior de Arquitectura de Valladolid ISBN: D.L.: VA-648/2010 Impreso en España Valladolid Septiembre de 2010 Publicación online. Para citar este artículo: SILVA SEIXAS, María da Luz. Actualizar a tradição. En: Arquitectura construida en tierra, Tradición e Innovación. Congresos de Arquitectura de Tierra en Cuenca de Campos 2004/2009. [online]. Valladolid: Cátedra Juan de Villanueva. Universidad de Valladolid P Disponible en internet: URL de la publicación: Este artículo sólo puede ser utilizado para la investigación, la docencia y para fines privados de estudio. Cualquier reproducción parcial o total, redistribución, reventa, préstamo o concesión de licencias, la oferta sistemática o distribución en cualquier otra forma a cualquier persona está expresamente prohibida sin previa autorización por escrito del autor. El editor no se hace responsable de ninguna pérdida, acciones, demandas, procedimientos, costes o daños cualesquiera, causados o surgidos directa o indirectamente del uso de este material. This article may be used for research, teaching and private study purposes. Any substantial or systematic reproduction, re-distribution, re-selling, loan or sub-licensing, systematic supply or distribution in any form to anyone is expressly forbidden. The publisher shall not be liable for any loss, actions, claims, proceedings, demand or costs or damages whatsoever or howsoever caused arising directly or indirectly in connection with or arising out of the use of this material. Copyright Todos los derechos reservados de los textos: sus autores. de las imágenes: sus autores o sus referencias.

2 ACTUALIZAR A TRADIÇÃO III Congreso de Tierra en Cuenca de Campos, Valladolid, 2006 Maria da Luz Silva Dias Seixas Instituição/Empresa: Arquisol Arquitectura e Planeamento Lda. Betão e Taipa Construção e Recuperação de Edifícios Serpa, Portugal Introdução O Alentejo é uma das regiões de Portugal onde podemos encontrar um dos mais ricos e vastos patrimónios arquitectónicos em terra crua. Edifícios religiosos, torres, muralhas, muros rurais e habitações mais ou menos modestas foram, durante séculos, construídos em taipa e adobe, com complemento de alguns materiais de terra cozida, designadamente a tijoleira usada nos pavimentos e a telha usada nas coberturas. Zona de verões muito quentes e com acentuadas amplitudes térmicas anuais, o Alentejo desenvolveu um tipo de construção que tenta evitar a entrada de calor durante o Verão e conservá-lo durante o Inverno. Daí as paredes espessas e com pequenas aberturas, tão características das habitações tradicionais alentejanas. Apesar das reconhecidas vantagens que a construção em terra crua apresenta, vários factores fizeram com que, a partir dos anos 50, a actualmente designada «construção corrente» (em cimento Portland, ferro e tijolo industrial) se generalizasse e as técnicas e materiais de construção tradicionais fossem abandonados. Como corolário, o saber necessário à sua concretização perdeu utilidade e a sua linha de transmissão foi interrompida. Os taipeiros aprendiam a dominar a sua arte de forma empírica, através da observação, dos ACTUALIZAR A TRADIÇAO 229

3 ARQUITECTURA CONSTRUIDA EN TIERRA ensinamentos dos mais velhos os «mestres» e da execução na obra. O fim da sua prática equivaleu, portanto, à perda de um saber que nem a etnografia se esforçou muito por salvar 1. Contudo, nas últimas décadas, tem-se verificado um movimento no sentido de recuperar esses saberes e actualizá-los; por um lado, porque só dessa forma se pode preservar o nosso património arquitectónico, já que a recuperação e manutenção de edifícios em terra crua não pode efectuar-se com base nos materiais e nas técnicas utilizadas na construção corrente; por outro, porque se ganhou consciência das inúmeras vantagens da utilização da terra como material de construção, na condição de os materiais que com ela se conjugam e das técnicas que se utilizam para o seu manuseamento serem repensados e actualizados. Encontrar soluções construtivas que revalidem os aspectos positivos da tradição e que ao mesmo tempo dêem resposta às exigências actuais, e muito particularmente às que se prendem com o conforto, a sustentabilidade e a segurança, parece-nos ser, hoje, um dos principais desafios da «arquitectura de terra». Passos de um percurso Nascer e crescer no Alentejo, habitando em casas de paredes espessas que no Verão nos abrigavam dos calores tórridos e cujas irregularidades, suavizadas pelas inúmeras camadas de cal, nos faziam imaginar figuras feéricas como as que costumamos entrever nas formas cambiantes das nuvens, foram certamente factos e memórias decisivos para o meu interesse pela arquitectura tradicional do Alentejo. Assistir ao «nascimento» de uma casa, gerada de terra informe, que a sabedoria dos homens transformou pacientemente em salas, quartos e corredores, foi talvez uma das experiências que mais me marcaram, revelando-me o fascínio da arte de criar a partir de «quase nada». Estas memórias de infância foram recuperadas anos mais tarde, em longas conversas como meu avô que, embora não fosse taipeiro, construiu a sua própria casa e me revelou muitos dos mistérios desta forma de arquitectar. A vontade de aprofundar os saberes assim adquiridos esteve sempre presente ao longo da minha formação, estimulando-me para a aquisição de conhecimentos nesta área. Porém, a nível da concretização em projecto e obra surgiram, desde o início, vários obstáculos, decorrentes sobretudo do abandono e descrédito em que nas últimas décadas caiu a construção em terra. A oportunidade de passar aqueles conhecimentos à prática surgiu com o convite para integrar o corpo técnico do Curso de Mestre de Construção Civil Tradicional da Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa (EPDRS) 2, onde pude levar a cabo experiências de edificação em taipa, adobe, alvenaria de pedra, tijolo maciço, BTC s e construção de abóbadas. Durante a frequência do curso, um grupo de alunos mostrou-se bastante empenhado em dar continuidade às temáticas desenvolvidas. Porém, a inexistência de empresas vocacionadas para a construção tradicional obstava à sua entrada no mercado de trabalho. Foi pois neste contexto que, em parceria com um mestre experiente na recuperação de edifícios e na construção de abóbadas, o nosso gabinete de arquitectura (Arquisol Arquitectura e Planeamento Lda.) criou a empresa «Betão e Taipa, Construção e Recuperação de Edifícios, Lda.» 3. Desde a sua formação, em 2004, a empresa tem trabalhado não só na recuperação de edifícios antigos com recurso às técnicas tradicionais, como na construção de raiz, em taipa. A empresa iniciou a actividade com a execução do projecto de um edifício a que, por vontade do cliente, foi atribuído o nome de «Monte da Taipa». Demos assim os primeiros passos de um percurso cheio de desafios em que temos tentado encontrar respostas para os problemas que a arquitectura de terra ainda levanta. O projecto do «Monte da Taipa» O projecto «O Monte da Taipa» surgiu como resposta ao desejo do cliente de construir um «monte alentejano» destinado à habitação e turismo rural no concelho de Serpa. Tradicionalmente, o monte alentejano é uma construção rural isolada, constituída por um ou mais edifícios, implantados sobre uma suave colina. Apresenta uma volumetria marcadamente horizontal, desenvolvendo-se em geral num único piso, com telhados de duas águas pouco inclinados. Os montes de maiores dimensões organizam-se em torno de um pátio amplo, onde se articulam as diversas 230 MARÍA DA LUZ SILVA DIAS SEIXAS

4 TRADICIÓN E INNOVACIÓN instalações (habitação dos proprietário, dos caseiros e dos trabalhadores sazonais, espaços para resguardo das alfaias agrícolas e abrigos de animais). Estas construções têm em geral paredes de taipa e alvenaria de pedra, com algumas divisórias interiores em adobes ou tijolo de burro; os pavimentos das habitações são normalmente revestidos a baldosas; nas construções mais cuidadas, os tectos são em abóbada ou abobadilha nas zonas dos corredores e dos quartos, sendo na «casa do lume» 4 e nas restantes instalações constituídos por barrotes de madeira e caniço ou tabuado, sobre os quais assenta directamente a telha; as aberturas são poucas e pequenas, por forma a evitar a entrada de calor a porta principal e as aberturas mais generosas são, muitas vezes, protegidas por uma parreira, que sombreia no Verão e, a partir do Outono, com a queda das folhas, permite aproveitar toda a radiação solar. Por vezes, nas construções mais modestas, só as aberturas eram emoldurados por uma faixa caiada a branco, ficando o resto da taipa à vista, embora o mais habitual fosse toda a construção ser caiada. Independentemente das variantes de um «monte alentejano» a nível funcional, estético e construtivo, há elementos e aspectos que devem ser mantidos, pois constituem a sua «essência». Um deles é a construção em terra, o que foi proposto ao cliente e aceite. No local de implantação do edifício, podemos encontrar a «talisca», terra xisto-argilosa que os taipeiros antigos consideravam a melhor terra da região para construir em taipa facto que se pode comprovar pela observação de algumas casas abandonadas há décadas, cujas paredes têm resistido às várias formas de erosão. Verificámos também que este tipo de terra é indicado para o fabrico de BTC s. Optámos assim por recorrer à construção em taipa e BTC s, conjugando uma técnica tradicional e outra mais recente. Porém, conscientes dos problemas inerentes ao processo de construção, utilização e manutenção dos edifícios em terra crua, tentámos tornar os sistemas construtivos tradicionais mais eficientes, empenhando-nos, através de opções de projecto e construtivas, potenciar as capacidades da taipa e resolver os problemas relacionados com as fragilidades desta técnica. O projecto foi surgindo como um exercício em que procurámos articular tradição e modernidade e desenvolver uma arquitectura sustentável do ponto de vista ecológico. De entre os vários aspectos relacionados com a sustentabilidade no projecto de arquitectura, tivemos especial preocupação com as questões relacionadas com o conforto e a eficiência energética do edifício. Tradição e «modernidade» no «Monte da Taipa» À semelhança do «monte alentejano», a construção implanta-se numa colina, desenvolvese na horizontal, à volta de um pátio interior, apresenta aberturas na sua maioria contidas, telhados longos com beirados tradicionais e telha de canudo. No interior, utilizaram-se os caniços e as abóbadas e pavimento de tijoleira artesanal. Quanto à cor, optou-se por manter a tradicional caiação a branco no exterior e, no interior, utilizar o pigmento ocre, azul e vermelho, embora variando a gama dos seus tons. Porém, esta linguagem basicamente tradicional articulou-se com signos retirados de outros contextos e com técnicas e materiais Figuras 1 y 2 ACTUALIZAR A TRADIÇAO 231

5 ARQUITECTURA CONSTRUIDA EN TIERRA característicos da construção «moderna». Entre esses signos destacamos o pátio, que se desenvolve em «L» e integra uma pérgola com parreiras, um espelho de água e um pequeno aqueduto com sete bicas que constituem o sistema de rega de um jardim situado na cota inferior. Este conjunto inspira-se no sistema de rega tradicional utilizado nas hortas locais, mas também nos pátios de arquitectura mediterrânica, caracterizados pela presença de água e vegetação. Para além do aspecto estético, a sua concepção teve como objectivo criar um microclima em que se promove a evaporação da água, de forma a diminuir a temperatura do ar e aumentar a humidade relativa. Pelo efeito da ventilação natural, no Verão, esse ar fresco e húmido penetra nos compartimentos interiores, contribuindo para manter as temperaturas dentro da gama de conforto. Com o mesmo objectivo, projectámos um sistema de ventilação que canaliza o ar fresco do jardim, através de uma conduta subterrânea, para o interior da habitação. Durante o Inverno, a grelha de ventilação deverá, naturalmente, ser fechada. Entretanto, as parreiras terão perdido as folhas, permitindo a incidência directa dos raios solares nos envidraçados. A utilização de vidros duplos e de isolamento térmico na cobertura foram outras opções que pretenderam contribuir para melhorar as condições de conforto térmico. No mesmo sentido, as aberturas foram orientadas a nascente e a poente, de forma a permitir ganhos solares durante os períodos do ano em que as temperaturas atingem valores mais baixos. No Verão, os vãos do alçado nascente são sombreados por parreiras, enquanto a poente um alpendre e uma pérgola protegem as paredes e os envidraçados da radiação directa durante uma boa parte do dia. De salientar o facto de termos construído paredes de taipa não só no exterior mas também no interior, com o objectivo de aumentar a massa de armazenamento térmico do edifício. Sendo a massa térmica proporcionada pelas paredes de taipa elevada, uma parte considerável do calor que entra no edifício pela acção da radiação ou simplesmente devido à diferença de temperatura entre o exterior e o interior é armazenada nas paredes e devolvida ao ambiente mais tarde, quando a temperatura do ar for inferior à da massa térmica. Figuras 3, 4 y MARÍA DA LUZ SILVA DIAS SEIXAS

6 TRADICIÓN E INNOVACIÓN Ao serem desfasadas no tempo, estas trocas de calor entre as paredes de taipa e o ar permitem obter amplitudes térmicas inferiores às de edifícios com uma massa térmica reduzida. Esta estratégia bioclimática que permite obter conforto térmico sem gastos energéticos é um aspecto importante de uma arquitectura que pretende ser ecologicamente sustentável. Aspectos construtivos Entre os aspectos inovadores do projecto do «Monte da Taipa» devemos também referir a introdução de materiais e técnicas recentes no processo de construção em terra. Na verdade, utilizar apenas os métodos construtivos e materiais tradicionais deixou de ser viável, já que é necessário cumprir requisitos regulamentares no que se refere ao conforto e à resistência mecânica da construção. Sendo as principais fragilidades da taipa a fraca resistência mecânica e a sensibilidade à água, pareceu-nos que algumas das opções para as contrariar poderiam passar pela introdução de elementos de betão armado, pela impermeabilização e drenagem do terreno envolvente e pela utilização de meios mecânicos na compactação da terra. Fundações As fundações executaram-se em betão ciclópico, mais resistente e económico que a alvenaria de pedra tradicional. Foram elevadas acima do nível do terreno entre 40 a 50 cm, de forma a evitar a infiltração da água por capilaridade. Com o mesmo objectivo, procedeu se à impermeabilização das fundações através de uma emulsão betuminosa e à introdução de um sistema de drenagem constituído por uma película plástica drenante, um geodreno, gravilha e uma manta geotêxtil. A fim de melhorar a ligação entre a taipa e as fundações, foram-lhes introduzidos varões metálicos previamente envolvidos em betão, deixados salientes cerca de 30 cm. Execução da taipa Tradicionalmente o processo de extracção e preparação da terra, bem como o seu transporte até aos taipais era feito manualmente. As várias camadas eram compactadas pelos taipeiros com maços ou pisões de madeira. Os taipais e as restantes peças de cofragem, como os costeiros, as comportas e o côvado também eram de madeira, sendo as agulhas 5 as únicas peças metálicas utilizadas. Por considerarmos todo este processo moroso e desadequado, decidimos que tanto a extracção como a preparação e compactação da terra seria feita por meios mecânicos, o que implicou a substituição do taipal tradicional por outro tipo de cofragem. O apiloamento mecânico, executado com compactadores pneumáticos permite avançar mais rapidamente na execução de cada taipal, tornando a realização a obra bastante mais célere e, ao mesmo tempo, menos onerosa, já que permite diminuir os custos de mão-de-obra e torná-la mais eficaz. Pudemos também constatar ser psicologicamente mais motivador para os taipeiros executarem o trabalho com os meios técnicos modernos, sobretudo porque estão conscientes de que o método de apiloamento tradicional não constitui uma mais-valia para o resultado final do trabalho. Pelo contrário, a simples observação permite verificar que a taipa compactada por meios mecânicos é mais resistente. Essa constatação empírica é, aliás, confirmada pelos estudos efectuados pelo CRATerre, que apontam para um acréscimo da resistência mecânica da taipa batida com compactadores pneumáticos para valores entre 3 e 5 vezes superiores à da taipa apiloada de forma manual 6, factor determinante para o seu comportamento face aos sismos e à presença de água, o que contribui decisivamente para a segurança e longevidade da construção. Quanto aos taipais, continuamos a usar taipais de madeira, pois as experiências com taipais metálicos efectuadas EPDRS revelaram que o seu peso excessivo os tornava de difícil manuseamento em obra 7. Entre as madeiras possíveis, optámos pelo contraplacado vulgarmente usado em cofragens, que tem a vantagem de ser leve mas muito resistente e apresentar uma superfície bastante regular, permitindo obter paredes com um óptimo acabamento. Os costeiros foram substituídos por peças metálicas com agulhas roscadas. Estes e outros elementos metálicos introduzidos nos taipais permitem um maior número de utilizações e suportam uma energia de compactação superior. É importante notar que, apesar das alterações que introduzimos no processo de execução da taipa, mantivemos a espessura tradicional das paredes (cerca de 50 cm). ACTUALIZAR A TRADIÇAO 233

7 ARQUITECTURA CONSTRUIDA EN TIERRA Coberturas A cobertura tradicional de caniço ou tabuado, sobre o qual assentam directamente as telhas, revela-se ineficaz do ponto de vista térmico e da impermeabilização da cobertura. Optámos, por isso, pela introdução de isolamento térmico (poliuretano projectado) e de uma sub-telha (chapa ondulada de fibrocimento). Para além disso, o facto de os barrotes tradicionais só permitirem pequenos vãos levounos a incluir uma estrutura metálica tubular que suporta o peso da sub-telha e da telha. Esta estrutura é amarrada a uma viga de betão armado, encastrada na parede de taipa em todo o perímetro da cobertura. A viga perimetral tem como função receber e distribuir as cargas diminuindo assim as forças horizontais e constitui uma ligação resistente entre a cobertura e a parede. No interior do edifício, os barrotes tradicionais, encastrados nas paredes de taipa, servem apenas de apoio ao caniço, tendo perdido a sua função estrutural, mas preservandose como um signo fundamental da linguagem arquitectónica da região. A cobertura, revestida com telha de canudo recuperada de velhas construções demolidas, permitiu também manter o aspecto dos telhados dos montes antigos. Outro elemento tradicional que incorporámos foi uma abóbada de arestas, executada em «tijolo de burro» deixado à vista. Reboco e caiação Geralmente, as paredes exteriores dos «montes alentejanos» eram rebocadas e caiadas, embora alguns fossem apenas caiados podendo até, como já atrás referimos, a caiação limitar-se às zonas das aberturas. No projecto do «Monte da Taipa», tentámos articular essas duas imagens bem diferenciadas, dando predominância às paredes brancas, mas deixando algumas com a taipa à vista. Esta última opção levou-nos a aplicar um produto à base de silicato de potássio, dada a necessidade de proteger a taipa dos agentes erosivos. Nas paredes caiadas, a taipa foi previamente revestida com um reboco de cal aérea em pasta. De notar que a determinação do tipo de reboco a aplicar para cada tipo de taipa é de extrema importância para o seu desempenho, devendo cumprir os seguintes requisitos: 1) apresentar uma boa aderência à parede, de forma a evitar descolamentos, 2) Figura MARÍA DA LUZ SILVA DIAS SEIXAS

8 TRADICIÓN E INNOVACIÓN possuir uma resistência mecânica inferior à do suporte, para impedir o aparecimento de fissuras e 3) ser permeável ao vapor de água, para evitar condensações. A nossa experiência tem revelado a importância da qualidade da cal aérea a utilizar no reboco. De facto, a cal em pasta confere ao reboco maior resistência do que a cal em pó produzida industrialmente. Daí que tenhamos optado por recuperar os métodos tradicionais de produção de cal, aproveitando a oferta de cal em pedra que ainda subsiste na nossa região. Adquirimo-la, pois, em pedra, e apagamo-la em água, adicionando-lhe gordura (velas de sebo de Holanda, sebo de borrego ou óleo de linhaça). No final do processo, deve obter-se uma mistura homogénea. Esta pasta repousa no mínimo dois meses e é utilizada no reboco, conferindo-lhe maior resistência à água, dada a presença da gordura. Adicionando água à pasta de cal, obtém-se o chamado leite de cal, utilizado na caiação das paredes, que contribui para a consolidação do reboco. De notar que também neste caso a gordura funciona como elemento hidrófugo e ajuda a fixar a cal à parede. Apesar das vantagens que a caiação apresenta para a manutenção e desempenho das paredes de taipa, a necessidade de repetir a pintura anualmente constitui um factor de desencorajamento à sua aplicação. Como alternativa, recorre-se habitualmente à pintura com tintas de silicato, que apresentam características semelhantes e têm uma durabilidade muito superior. Considerações Finais Entrar no mundo da construção em terra crua foi para nós um desafio e levou-nos a uma reflexão profunda sobre a integração da arquitectura num contexto regional. Não há dúvida de que recuperar alguns métodos construtivos e saberes seculares e tentar manter a essência da linguagem arquitectónica local constitui uma justa valorização do património local, dos espaços, das gentes e das memórias, representando um contributo importante para a preservação da identidade cultural da região. Porém, a construção em terra permite muito mais do que isso, pois vai ao encontro do que há de mais actual em termos de conceitos de desenvolvimento: a sustentabilidade. Com efeito, podemos encontrar na construção em terra uma dimensão ambiental, económica e social, fortemente relacionada com o desenvolvimento local e regional e, ao mesmo Figura 7. ACTUALIZAR A TRADIÇAO 235

9 ARQUITECTURA CONSTRUIDA EN TIERRA Figura 8. tempo, com a protecção da paisagem natural e construída. A recuperação desta forma de construção tradicional permite criar uma dinâmica local, promovendo a formação e o emprego não só para aqueles que participam directamente no processo como para os que, de forma mais indirecta, nele se podem implicar. É, além disso um bom exemplo em termos de eficiência energética, pois ao utilizar materiais directamente saídos da natureza, requer muito menos energia que a construção corrente; esse ganho energético não se limita ao período da construção: prolonga-se no tempo de utilização do edifício, já que permite um conforto térmico derivado da utilização de métodos solares passivos e do desenvolvimento de uma arquitectura bioclimática. Entre os desafios que a aplicação do conceito de sustentabilidade levanta, foram estes aspectos relacionados com o consumo de energia, o conforto e a utilização de materiais com bom desempenho ecológico que mais mereceram a nossa atenção. Do conjunto das soluções possíveis para concretizar essa orientação, optámos sempre por aquelas que podiam ser integradas no edifício de forma imperceptível do ponto de vista da linguagem arquitectónica. Estamos conscientes de ter descurado aspectos igualmente importantes para uma arquitectura sustentável, como são o aproveitamento das fontes energéticas renováveis, a gestão do ciclo da água no edifício e o tratamento dos resíduos domésticos. No entanto, pretendemos que os nossos próximos projectos integrem também soluções nesses vários domínios, de forma a consolidar um caminho que pretendemos orientar no sentido de uma arquitectura atenta às questões ambientais e, ao mesmo tempo, sensível ao contexto histórico-cultural em que se insere. Isso implica a procura de respostas actuais do ponto de vista da optimização do processo construtivo, da utilização e do aproveitamento dos materiais, mas também do respeito pela dimensão regional de cada projecto. Porém, por entendermos que o futuro não é um regresso ao passado, procuraremos encontrar propostas actuais também ao nível da linguagem arquitectónica. O equilíbrio entre a tradição local e a «contemporaneidade» parece-nos essencial, pois uma tradição que não se actualiza acaba por desaparecer. 236 MARÍA DA LUZ SILVA DIAS SEIXAS

10 TRADICIÓN E INNOVACIÓN Bibliografía AAVV - Arquitectura de terra em Portugal. Earth Architecture in Portugal. Lisboa, Argumentum, 2005, 300 pp. AAVV - Arquitectura popular em Portugal, Lisboa, Ordem dos Arquitectos, 4ª edição, 2004, vol 2. Arquitecturas de terra: Trunfos e potencialidades, materiais e tecnologia, lógica do restauro, actualidade e futuro (Actas do Seminário animado por Jean Dethier e Hugo Houben e realizado pela Alliance Française de Coimbra e pelo Museu Monográfico de Conimbriga), Comissão de Coordenação da Região Centro Alliance Française de Coimbra Museu Monográfico de Coimbra, Conimbriga, 1992, 174 pp. EUSÉBIO, ANTÓNIO PAULO JACINTO Reabilitação e melhoramento de paredes de terra crua taipa (Dissertação para Obtenção do Grau de Mestre em Construção). Lisboa, UTL Instituto Superior Técnico, 2001, 234 pp. FARDEHEB, FEWZI - «Ventilação natural e brisa nocturna» in Arquitectura e vida, nº 10, Novembro de 2000, pp GALANTE, ROGÉRIO PEREIRA - A construção em taipa e a reciclagem de materiais.(relatório de estágio para a obtenção do Grau de Licenciado em arquitectura), Lisboa, UTL - Universidade Técnica de Lisboa, 2004, 96 pp. LOURENÇO, PATRÍCIA ISABEL MENDES Construções em terra. Os materiais naturais como contributo à sustentabilidade na construção.(dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Construção), Lisboa, UTL - Instituto Superior Técnico, MATEUS, JOÃO MASCARENHAS Técnicas tradicionais de construção em alvenarias. A literatura técnica de 1750 a 1900 e o seu contributo para a conservação de edifícios históricos. Lisboa, Livros Horizonte, 2002, 430 pp. MOURÃO, JOANA F. M. E PEDRO, JOÃO BRANCo O habitat urbano insustentável in Arquitectura e vida, nº 48, Abril de 2004, pp SERRA, RAFAEL Arquitectura y climas. Barcelona, Editorial Gustavo Gili, 3ª edição, 2002, 94 pp. TEIXEIRA, GABRIELA DE BARBOSA E BELÉM, MARGARIDA DA CUNHA Diálogos de edificação. Técnicas tradicionais de restauro. Porto, CRAT, 3ª edição, 1998, 206 pp. VEIGA, ROSÁRIO E AGUIAR, JOSÉ (COORD.) Cadernos. Edifícios, LNEC, Nº 2, Outubro de YANNAS, SIMOS - «Para uma arquitectura sustentável» in Arquitectura e vida, nº 61, Junho 2005, pp Notas al pie 1 Ver Pedro Prista «Taipa e adobe na etnografia portuguesa» in Arquitectura de terra em Portugal, Lisboa, Argumentum, 2005, pp O Curso de Mestre de Construção Civil Tradicional surgiu em 1993, com a criação da Escola de Artes e Ofícios Tradicionais, que actualmente integra a Escola Profissional de Desenvolvimento Rural (EPDSR). 3 Desde o início da actividade, a empresa integra alunos da EPDRS. Numa primeira fase, quatro dos quinze trabalhadores eram estagiários da escola (sendo dois do sexo feminino); actualmente a empresa conta com vinte e quatro funcionários, sendo cinco antigos alunos (três pertencentes ao quadro e dois estagiários). 4 Tradicionalmente a divisão mais importante da habitação, de dimensões generosas e várias funções, em que o elemento dominante é uma lareira a toda a largura do compartimento, mantida acesa ACTUALIZAR A TRADIÇAO 237

11 ARQUITECTURA CONSTRUIDA EN TIERRA durante todo o dia no Inverno, para cozinhar, aquecer as águas e a casa. 5 Peças que atravessam o taipal inferiormente e têm por função a sua fixação. 6 Eusébio, António Paulo Jacinto Reabilitação e melhoramento de paredes de terra crua taipa (Dissertação para Obtenção do Grau de Mestre em Construção). Lisboa, UTL Instituto Superior Técnico, 2001, p Experiências realizadas no âmbito do trabalho de estágio de Arquitectura efectuado por Rogério Pereira Galante, que deu origem ao relatório intitulado A construção em taipa e a reciclagem de materiais. Lisboa, UTL Instituto Superior Técnico, 2004, 96 pp. 238 MARÍA DA LUZ SILVA DIAS SEIXAS

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto O sistema construtivo é simples, tendo sido dada preferência a materiais correntes, ou seja, de utilização mais frequente no local, com soluções técnicas enquadradas na mão-de-obra local e adequadas ao

Leia mais

ENERGIA. Energias passivas

ENERGIA. Energias passivas Energias passivas ENERGIA Estes sistemas, quando bem dimensionados, são de longe mais económicos do que qualquer outro sistema que recorra a energia elétrica ou combustíveis convencionais. Com o aumento

Leia mais

Construcción con Tierra Tecnología y arquitectura

Construcción con Tierra Tecnología y arquitectura Construcción con Tierra Tecnología y arquitectura Congresos de Arquitectura de Tierra en Cuenca de Campos 2010/2011. Coordinadores: Félix Jové Sandoval, José Luis Sáinz Guerra. ISBN: 978-84-694-8107-3

Leia mais

O ARQUIVO MUNICIPAL DE FERREIRA DO ALENTEJO: EDIFÍCIO PÚBLICO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

O ARQUIVO MUNICIPAL DE FERREIRA DO ALENTEJO: EDIFÍCIO PÚBLICO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL O ARQUIVO MUNICIPAL DE FERREIRA DO ALENTEJO: EDIFÍCIO PÚBLICO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Edeltraud Vera Schmidberger* (Germany) SLA Schmidberger & Lobo Antunes, Arquitectos Associados, Lda. RESUMO Este

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING. Em Portugal o sistema é vulgarmente conhecido por Estrutura em Aço Leve.

LIGHT STEEL FRAMING. Em Portugal o sistema é vulgarmente conhecido por Estrutura em Aço Leve. Light Steel Framing PORTEFÓLIO 2 QUEM SOMOS A INSIDEPLAN foi criada com o intuito de responder às exigências do mercado no âmbito da prestação de serviços a nível de projecto e obra. Na execução de projectos

Leia mais

Construção e Arquitectura

Construção e Arquitectura Pág 1 Megaexpansão, Ensino e Formação Profissional em Novas Tecnologias, Lda. Rua Praça de Touros, 26 2500-167 Caldas da Rainha NIPC 503 807 141 Correio Electrónico info@megaexpansao.pt www.megaexpansao.pt

Leia mais

S13. A casa ideal. Marco Silva S13

S13. A casa ideal. Marco Silva S13 S13 A casa ideal Marco Silva S13 A Casa Ideal Quando sonhamos com a casa ideal, pensamos num lugar bonito, agradável, luminoso, quente no Inverno e fresco no Verão, com o ar puro, de fácil manutenção,

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA 1 Obra O presente trabalho refere-se à reabilitação de um aglomerado de habitações em adiantado estado de degradação numa herdade do Alentejo

Leia mais

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG Artigo Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74 Maio 2005 AC05103LIS/ENG Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça* Sumário

Leia mais

FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE

FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE CERÂMICA CIC Feito em Angola FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE +244 933 055 981 CERÂMICA CIC MARCA DE QUALIDADE FEITO EM ANGOLA DESCRIÇÃO A Unidade Industrial

Leia mais

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA Paulina Faria Rodrigues Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Nova de Lisboa 2829-516 Caparica, PORTUGAL Tel.: +351 21 2948580; Fax:

Leia mais

Estudo da evolução e aplicação da terra em habitações unifamiliares

Estudo da evolução e aplicação da terra em habitações unifamiliares UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRPPG Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação IV SIEPE Semana Integrada de Ensino, Pesquisa e Extensão XX EVINCI Outubro de 2012 Estudo da evolução e aplicação da terra

Leia mais

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo.

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo. N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO Estudo Comparativo Mafalda Ramalho EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Válido até 29/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Freguesia MONTEMOR-O-VELHO E GATÕES Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.173269, -8.685544 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Válido até 28/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.160004, -8.682547 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

CONSTRUÇÃO. Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida:

CONSTRUÇÃO. Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida: Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida: 1. Fase de Projeto, além de todas as considerações com o contexto do lugar (clima, topologia,

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

2. as JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO

2. as JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO 2. as JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO ENGENHARIA CIVIL OS NOVOS DESAFIOS A SUSTENTABILIDADE COMO MAIS-VALIA uma abordagem do ponto de vista da Física das Construções 1.Tema

Leia mais

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade Certificação energética da minha habitação Descrição da minha habitação de Sonho 1 Introduça o Simulação da certificação energética da casa Situação Atual classe

Leia mais

BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA

BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA 3.1.1 INTRODUÇÃO A Câmara Municipal de Viana do Alentejo pretende, com este projecto, proceder à construção/reparação/reforço do pavimento

Leia mais

GSEducationalVersion LIGHT STEEL FRAME P R O J E T O E C O N S T R U Ç Ã O

GSEducationalVersion LIGHT STEEL FRAME P R O J E T O E C O N S T R U Ç Ã O GSEducationalVersion LIGHT STEEL FRAME P R O J E T O E C O N S T R U Ç Ã O SEDIAME Quem Somos Construção em LSF 03 SISTEMA CONSTRUTIVO Características Exemplos 04 07 SOLUÇÕES MODULARES Módulos para Mercados

Leia mais

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS ESCUTEIROS,, Localidade RIBAMAR Freguesia RIBAMAR Concelho LOURINHÃ GPS 39.197874, -9.330633 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Reabilitar. Porquê? Como? Para quê? Para quem? Aveiro, 13 de Julho de 2011 João Azevedo DECivil - IST

Reabilitar. Porquê? Como? Para quê? Para quem? Aveiro, 13 de Julho de 2011 João Azevedo DECivil - IST Reabilitar Porquê? Como? Para quê? Para quem? Aveiro, 13 de Julho de 2011 João Azevedo DECivil - IST Reabilitar - Porquê? Razões Éticas Históricas Económicas Ambientais Sociais Estéticas Éticas Reabilitar

Leia mais

Comunidades Sustentáveis

Comunidades Sustentáveis Comunidades Sustentáveis Ph.D., Engº do Ambiente Dep. Engª Civil, Arquitectura / Instituto Superior Técnico manuel.pinheiro@civil.ist.utl.pt ou manuel.pinheiro@lidera.info Comunidades? Comunidade communitas,

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

ENTREVISTA "Não se ganha com. a caça ao dividendo"

ENTREVISTA Não se ganha com. a caça ao dividendo ENTREVISTA "Não se ganha com a caça ao dividendo" JORGE BENTO FARINHA, VICE-PRESIDENTE DA PORTO BUSINESS SCHOOL Em Portugal não se ganha dinheiro com a caça ao dividendo Co-autor do livro "Dividendos e

Leia mais

Isolamento Térmico EZ

Isolamento Térmico EZ Catálogo de produtos Grazimac Isolamento Térmico EZ www.grazimac.pt 2 GRAZIMAC O isolamento térmico EZ é a solução indicada para uma cobertura inclinada. Permite aumentar o conforto térmico e diminuir

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

AQUECIMENTO POR PISO RADIANTE ambi piso

AQUECIMENTO POR PISO RADIANTE ambi piso Aquecimento Central por piso radiante 1 AQUECIMENTO POR PISO RADIANTE I. Piso radiante O aquecimento por piso radiante consiste em converter toda a superfície de um piso num grande painel emissor de um

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes O SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO DA VIERO O sistema de isolamento térmico da VIERO

Leia mais

Reabilitação de Edifícios Antigos e Sustentabilidade

Reabilitação de Edifícios Antigos e Sustentabilidade João Appleton Abril de 2010 A sustentabilidade corresponde a um conceito recente que, pode dizerse, substituiu o de análise custo/benefício, no que refere à construção e reabilitação de edifícios. A noção

Leia mais

Prevenção e Segurança na Construção Ferroviária: Execução de Passagens Superiores à Via Férrea em Exploração

Prevenção e Segurança na Construção Ferroviária: Execução de Passagens Superiores à Via Férrea em Exploração Prevenção e Segurança na Construção Ferroviária: Execução de Passagens Superiores à Via Férrea em Exploração Anabela Canelas: Coordenadora de SHST na WS Atkins, Portugal (ar-canelas@netcabo.pt) Mafalda

Leia mais

Listagem de Erros e Omissões

Listagem de Erros e Omissões Listagem de Erros e Omissões - No ponto 13 do caderno de encargos - Critérios de adjudicação, factor preço, uma fórmula matemática, em que uma das parcelas, nomeadamente a PREm - o menor preço proposto,

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE53106823 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila Utopia,

Leia mais

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Workshop Formar para Reabilitar a Europa PAINEL 3: TECNOLOGIAS E IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Vítor Cóias, GECoRPA Susana Fernandes,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO Introdução O presente relatório de avaliação diz respeito a dois prédios, um com armazém e outro com moradia, na Travessa da Igreja de Nevogilde, na cidade do Porto. A avaliação do terreno e/ou edifícios

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Válido até 05/05/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Freguesia CARAPINHEIRA Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.206620, -8.649000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR. Os três porquinhos. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR. Os três porquinhos. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Era uma vez Enquadramento Curricular 3ºCiclo Ciências Naturais 1. Dinâmica externa da Terra 2. Sustentabilidade dos

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

Anti-Slippery Mouraria. Relatório

Anti-Slippery Mouraria. Relatório Anti-Slippery Mouraria Relatório 75833 Mário Afonso Silvestre Macias Mendes Pelicano 76329 Francisco de Lemos Cabral Granadeiro Martins 77043 Daniel Runa Soares Esteves Resumo: Após um breve estudo sobre

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Válido até 19/01/2015 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Freguesia AVENIDAS NOVAS Concelho LISBOA GPS 39.700000, -8.000000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 5 Remodelação de Edifícios Remodelação de Edifícios Património histórico ou arquitectónico; Novas necessidades funcionais;

Leia mais

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EDIFÍCIOS DE BAIXO CONSUMO COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 20 de Maio de 2010 COMPONENTE PASSIVA DO EDIFÍCIO OPTIMIZADA COMPONENTE DOS SISTEMAS ACTIVOS OPTIMIZADA 1 COMPONENTE PASSIVA

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

A parede trombe não ventilada na Casa Solar Passiva de Vale Rosal Fausto Simões arquitecologia.org

A parede trombe não ventilada na Casa Solar Passiva de Vale Rosal Fausto Simões arquitecologia.org A parede trombe não ventilada na Casa Solar Passiva de Vale Rosal Fausto Simões arquitecologia.org Contextualização da parede trombe no projecto Vale Rosal A Casa Solar Passiva de Vale Rosal (CSPVR) incorpora

Leia mais

MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO

MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO - GUIÃO 2008/2009 - Prof. José M.Gaspar Nero Eng.ª Inês Flores-Colen Nota Introdutória Este

Leia mais

MORADIA RELVA NORDELA SÃO MIGUEL

MORADIA RELVA NORDELA SÃO MIGUEL MORADIA RELVA NORDELA SÃO MIGUEL NOTA TÉCNICA DE PATOLOGIAS (Elaborado por António Barbosa de Campos, AATAE CP3309, Pós-graduação em Engenharia de Qualidade) 1. INTRODUÇÃO O objeto da presente Nota Técnica

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

Casa Tugendhat. A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa.

Casa Tugendhat. A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa. Casa Tugendhat Casa Tugendhat A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa. O ARQUITECTO Ludwing Mies Van der Rohe nasceu

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

DAR FUTURO ÀS CASAS DO PASSADO

DAR FUTURO ÀS CASAS DO PASSADO Celestino Flórido Quaresma Engenheiro Civil. INOVADOMUS-UNIVERSIDADE DE AVEIRO - 25 de Maio de 2011 1 De Architectura(dez livros sobre a arquitectura de Vitruvio) foi um tratado latino sobre a arquitectura

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000045965837 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 Í N D I C E INTRODUÇÃO Págs. 1. Conceito 2. Objectivos. Destinatários 4. Serviços prestados 5. Capacidade 6. Recursos Humanos 7. Organização

Leia mais

Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios

Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios Valores por defeito para aplicação do previsto no Despacho n.º 15793-E/2013 relativo às regras de simplificação a utilizar

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.193776, -8.698345

Leia mais

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Boletim Lisboa Urbanismo - Ano 1999 Boletim nº 3 Fernando Domingues* Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos A acção e, cumulativamente, a falta de acção do Homem tem conduzido e agravado

Leia mais

ROTEX Monopex : Sistema de aquecimento pelo pavimento para um aquecimento agradável e um arrefecimento suave. O aquecimento!

ROTEX Monopex : Sistema de aquecimento pelo pavimento para um aquecimento agradável e um arrefecimento suave. O aquecimento! ROTEX Monopex : O aquecimento pelo chão de baixa temperatura. ROTEX Monopex : Sistema de aquecimento pelo pavimento para um aquecimento agradável e um arrefecimento suave. O aquecimento! Conforto todo

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

Edificação de uma moradia unifamiliar de traça típica portuguesa num terreno em Sesimbra.

Edificação de uma moradia unifamiliar de traça típica portuguesa num terreno em Sesimbra. MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA 1 Obra Edificação de uma moradia unifamiliar de traça típica portuguesa num terreno em Sesimbra. Esta moradia foi construída de raiz num terreno

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/07/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DOS GALINHEIROS, 17, 2ºDIR Localidade GANDRA PRD Freguesia GANDRA Concelho PAREDES GPS 41.186242, -8.449825 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

A partir de 300. Aqueça um chão frio. Warmup PLC Av. das Comunidades Europeias, Lote V - R/C - A, 2750-658 Cascais, Portugal

A partir de 300. Aqueça um chão frio. Warmup PLC Av. das Comunidades Europeias, Lote V - R/C - A, 2750-658 Cascais, Portugal Aqueça um chão frio CONTACTO DO VENDEDOR A partir de 300 a t f e w Warmup PLC Av. das Comunidades Europeias, Lote V - R/C - A, 2750-658 Cascais, Portugal 800 812 080 800 812 063 portugal@warmup.com warmup.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo FIPAI FUNDAÇÃO PARA O INCREMENTO DA PESQUISA E DO APERFEIÇOAMENTO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo Relatório Avaliação pós-ocupação

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

Reabilitação Sustentável

Reabilitação Sustentável Reabilitação Sustentável APRESENTAÇÃO 4 A empresa QUEM SOMOS 5 A nossa visão, missão e valores SOLUÇÕES 6 À sua medida REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL 7 O próximo desafio ARQUITETURA 8 Deixe que as suas ideias

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

Eficiência Energética e Integração de Energias Renováveis em Edifícios

Eficiência Energética e Integração de Energias Renováveis em Edifícios Eficiência Energética e Integração de Energias Renováveis em Edifícios Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior dos Edifícios Leiria, 11 de Dezembro de 2008 Paulo Gata Amaral pgata@estg.ipleiria.pt

Leia mais

Pavimento em tijoleira artesanal 30x30 cm, cor natural, com tratamento hidro-repelente e óleorepelente;

Pavimento em tijoleira artesanal 30x30 cm, cor natural, com tratamento hidro-repelente e óleorepelente; DADOS TÉCNICOS GERAIS DA CASA Estrutura de betão armado; Paredes exteriores de alvenaria dupla de tijolo com caixa de ar e isolamento térmico; Cobertura em telha de meia cana com isolamento térmico e sub-telha;

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 1 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO Diagnóstico de Anomalias nãoestruturais: causas e metodologias

Leia mais

1- Breve historial do Hotel

1- Breve historial do Hotel 1- Breve historial do Hotel A Exposição Hotel da Praia do Sol História de um Tempo e de uma Praia, assinala o septuagésimo quinto aniversário deste hotel e não poderíamos deixar passar esta data tão importante

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Freguesia MONTIJO E AFONSOEIRO Concelho MONTIJO GPS 38.710800, -8.986600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA Helena Fernanda Graf; Sergio Fernando Tavares; Aloísio Leoni Schmid Laboratório de Ambiente Construído

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada LARGO DE ÂMBAR, 126, R/C ESQº Localidade SÃO DOMINGOS DE RANA Freguesia S. DOMINGOS DE RANA Concelho CASCAIS GPS 38.711198, -9.326610 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SERRALVES

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SERRALVES MUSEU DE ARTE CONTEMPORÃ NEA DE SERRALVES www.serralves.pt 1 MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SERRALVES APRESENTAÇÃO O Museu tem como objectivos essenciais a constituição de uma colecção representativa da

Leia mais

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação Os problemas da utilização de métodos de simulação de cargas térmicas e consumo energético na auditoria energética para verificação dos Requisitos Energéticos dos edifícios por Luís Roriz e Alexandre Gonçalves

Leia mais

NOVO. ENKETOP O sistema de pavimentação monocomponente para varandas e terraços. O sistema de pavimentação monocomponete. para varandas e terraços

NOVO. ENKETOP O sistema de pavimentação monocomponente para varandas e terraços. O sistema de pavimentação monocomponete. para varandas e terraços P Reabilitação com garantia duradoira... porque a qualidade vale a pena! NOVO O sistema de pavimentação monocomponete para varandas e terraços ENKETOP O sistema de pavimentação monocomponente para varandas

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Válido até 13/03/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Freguesia SALVATERRA DE MAGOS E FOROS DE SALVATERRA Concelho SALVATERRA DE

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Freguesia CAMPO E SOBRADO Concelho VALONGO GPS 41.181981, -8.473370 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES A. Serra Neves NOTA TÉCNICA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES Por:

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Refere-se a presente Memória Descritiva e Justificativa ao Projecto de Arquitectura relativo á obra de Construção do Quartel/Sede da Associação Humanitária dos Bombeiros

Leia mais

PISCINAS PÚBLICAS R.P. INDUSTRIES

PISCINAS PÚBLICAS R.P. INDUSTRIES PISCINAS PÚBLICAS R.P. INDUSTRIES Piscina Pública Esta tecnologia nasceu da ideia e da necessidade de obter uma piscina funcional, fácil de instalar, económica, capaz de dar o máximo de conforto, que respondesse

Leia mais

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS001 CANTEIRO DE OBRAS Revisão: 03 Dez./13 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2

Leia mais

C2faup. Construção em Light Steel Frame. Ana Luísa Mesquita Marco Moreira Orlando Guimarães

C2faup. Construção em Light Steel Frame. Ana Luísa Mesquita Marco Moreira Orlando Guimarães C2faup Construção em Light Steel Frame Ana Luísa Mesquita Marco Moreira Orlando Guimarães Introdução Neste trabalho pretendemos estudar o sistema construtivo de estrutura em aço leve, ou Light Steel Frame.

Leia mais