TROCA E TRANSPORTE DE GASES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TROCA E TRANSPORTE DE GASES"

Transcrição

1 TROCA E TRANSPORTE DE GASES

2 Difusão dos gases através da membrana respiratória Unidade Respiratória Cada alvéolo: 0,2 mm Parede Unidade respiratória: delgada Capilares Membrana Respiratória ou Membrana Pulmonar respiratório Alvélo

3 Membrana Respiratória Espessura da Membrana Respiratória: 0,6 μ Superfície total: 50 a 100 m 2 (sala 8x10 mt) Quantidade total sangue capilares pulmonares: 140mililitos Pq. Quantidade de sangue em grande área de superfície Trocas gasosas respiratórias rápidas Estrutura da membrana respiratória e difusão do O 2 do alvéolo para a hemácia e a difusão do CO 2 na direção oposta

4 Fatores que afetam a velocidade da difusão gasosa através da membrana respiratória 1. Espessura da membrana 2. Área superficial da membrana 3. Velocidade de difusão do gás específico no tecido da membrana (na água da membrana) 4. Diferença de pressão entre os dois lados da membrana

5 Aumento da membrana respiratória em decorrência: Edema pulmonar Doenças pulmonares Gases devem se difundir pela membrana e líquido Interferência nas trocas gasosas Superfície pleural lisa e brilhante de um pulmão. Este paciente tem sinalizado um edema pulmonar, o qual aumenta o fluido nos vasos linfáticos que drenam os lóbulos pulmonares. Assim, o lóbulos do pulmão aparecem marcados com linhas claras.

6 Área da membrana respiratória Diminuída pela Remoção total do pulmão Enfisema Diminuição em até 5 vezes da área total da Membrana Respiratória Prejudicial para esportes competitivos

7 Coeficiente de difusão A transferência de gás através da Membrana respiratória é dependente: Solubilidade na membrana CO 2 (se difunde através da membrana) : 20 x mais rápido que o O 2 O 2 : 2 x mais rápido que o N 2

8 Diferença de pressão = tendência efetiva da membrana Diferença entre pressão do gás nos alvéolos e a pressão do gás no sangue Total de moléculas de um gás que se choca com paredes alveolares Total de moléculas de um gás tentando escapar do sangue na direção oposta O 2 : maior pressão alveolar: sai dos alvéolos e vai para o sangue CO 2 : maior pressão sanguínea: sai do sangue e vai para alvéolos

9 Capacidade de difusão da membrana respiratória Habilidade Membrana Respiratória trocar gás entre alvéolos e sangue Expressa em termos quantitativos pela Capacidade de difusão que é definida como: Volume de um gás que se difunde através da membrana a cada minuto para uma diferença de pressão de 1 mm Hg Fatores que afetam a capacidade de difusão

10 Capacidade de difusão para O 2 Capacidade de difusão para O 2 sob condições de repouso 21 ml/min/mm Hg Diferença de pressão de O 2 através da membrana durante respiração: 11 mm Hg 21 x 11 = 230 mililitros de O 2 /min

11 Alteração da capacidade de difusão de O 2 durante exercício físico Fluxo sanguíneo pulmonar Ventilação alveolar Difusão de O 2 máximo de 65 ml/min/mm Hg (3x + repouso) (3x 21 ml) Provocado pela Abertura de capilares pulmonares Aumento da área superficial

12 Capacidades de difusão para monóxido de carbono, oxigênio e dióxido de carbono em pulmões normais Capacidade de difusão para dióxido de carbono a) Difusão rápida pela membrana b) Diferença média menor que 1 mmhg No entanto, as medidas de difusão de outros gases mostram que : a capacidade de difusão: relaciona-se à difusão do gás em foco

13 Captação do O 2 dos alvéolos pelo sangue pulmonar Difusão de moléculas de O2 entre ar alveolar e sangue pulmonar: Diferença de pressão inicial: = 64 mmhg

14 Difusão do O 2 dos capilares teciduais para líquido tecidual Difusão rápida do O 2 do sangue para os tecidos Efeito velocidade do fluxo e metabolismo tecidual sobre PO 2 líquido intersticial: fuxo: O 2 para o tecido, PO 2 95 mmhg (PO 2 no sangue arterial)

15 Difusão do O 2 dos capilares teciduais para células teciduais Sendo o O 2 constantemente utilizado pelas células, PO 2 intracelular do que a PO 2 nos capilares (de 5 até 40 mm Hg) 23 mmhg Valor suficiente e seguro Apenas 1 a 3 mmhg de pressão de O2 é o necessário para manter os processos metabólicos da célula

16 Difusão do dióxido de carbono das células para os capilares e dos capilares pulmonares para os alvéolos Transformação O 2 CO 2 : PCO 2 intracelular CO 2 das células capilares teciduais pulmões dos capilares pulmonares alvéolos Dióxido de Carbono se difunde na direção contrária à difusão do Oxigênio CO 2 difunde até 20 x mais rápido que o O 2 Diferenças de pressão que provocam difusão do CO 2 são bem menores que as necessárias para a difusão do O 2

17 Irrigação pulmonar e relação ventilação perfusão Resistência ao fluxo dos vasos pulmonares 18 mmhg Velocidade idêntica Independente débito cardíaco, já que: débito pressão pulmonar: vasos sanguíneo fechados: se abrem (recrutamento) Artérias pulmonares + complacentes que as sistêmicas Estas características da alça pulmonar possibilitam que Grandes aumentos do débito do esquerdo que ocorrem quando praticamos exercícios, Sejam enfrentados pelo direito sem aumento pressão arterial pulmonar

18 Filtração e reabsorção capilares no pulmão pressão arterial pulmonar 7 mmhg nos capilares pulmonares (deslocando o equilíbrio de absorção e filtração) Favorecendo a absorção - Protege do Edema Equilíbrio Ventilação perfusão (V/Q) É a proporção entre ventilação alveolar e o fluxo sanguíneo alveolar Sistema respiratório como todo: Volume minuto respiratório/débito cardíaco 4l/min (de ar) 5l/min (de sangue) = 0,8

19 Eficiência trocas gasosas: V/Q deveria ser uniforme em todas as regiões do pulmão Desequilíbrios: Desequilíbrios regionais da V/Q: espaço morto fisiológico Alvéolo que é ventilado mas não recebe qualquer perfusão: ESPAÇO MORTO ANATÔMICO Alvéolo que é perfundido mas não recebe qualquer ventilação: CURTO-CIRCUITO FORA DO PULMÃO]

20 Equilíbrio ventilação perfusão Pessoa deitada problema banal Pessoa em pé Pa acima : menor abaixo : maior Efeito da gravidade sobre a pressão hidrostática Pulmão Alvéolos do ápice: maior expansão Alvéolos maiores: menor complacência Alvéolos da base: menores complacência e perfusão Pressão Intrapleural: Efeitos da gravidade sobre ventilação e perfusão se anulam? Não. Base do pulmão: dobro de ventilação e 10x mais fluxo sanguíneo

21 Compensação do pulmão pela variação da ventilação local 1. Aumento de CO 2 e diminiuição de O 2 : bronquíolos vizinhos se dilatam: redirecionando o ar inspirado para alvéolos pouco ventilados 2. Diminuição do O 2 ou aumento do CO 2 ocasionam vasoconstrição local: deslocam sangue para fora das partes apicais pouco ventiladas do pulmão Discrepância menos intensa entre perfusão e ventilação

22 O 2 O 2 O 2 O 2 O 2 O 2 Transporte do O 2 : Dissolvido Combinado à hemoglobina

23 Papel da hemoglobina no transporte do O 2 no sangue arterial O 2 dos pulmões para tecidos: 97% O 2 hemoglobina fraca combinação PO 2 (capilares pulmonares) O 2 se liga à hemoglobina PO 2 (capilares teciduais) O 2 liberado da hemoglobina Base do transporte O 2 pulmões tecidos

24 Curva de dissociação da Oxiemoglobina progressivo da % de hemoglobina ligada ao O 2 à medida que a PO 2 do sangue Percentual de saturação da hemoglobina Pressão gasosa do oxigênio

25 Quantidade de O 2 combinado a hemoglobina do sangue Sangue de indivíduo normal: 15 g hemoglobina/100 mililitros de sangue 1g hemoglobina: liga-se a 1,34 mililitro de O mililitros sangue: 20 mililitros de O 2 (hemoglobina 100% saturada) Quantidade de O 2 liberado pela hemoglobina nos tecidos 97% saturada: 19,4 mililitros/100 mililitros de sangue Capilares dos tecidos: 14,4 mililitros 19,4-14,4 = 5 mililitros são transportados para os tecidos/100 mililitros de sangue

26 Transporte de O 2 durante exercício extenuante Restam apenas 4,4 mililitros de O 2 associado à hemoglobina, ao passar pelos tecidos 15 mililitros O 2 /100 mililitros de sangue são transportados 3 x mais * Maratonistas

27 Uso metabólico do O 2 pelas células Relação entre PO 2 intracelular e a velocidade de consumo do O 2 em diferentes concentrações de ADP Pequeno nível de pressão de O2 é necessário para reações ADP se torna limitante Quando a PO 2 intracelular de 1 para 3 mmhg a velocidade de consumo de O 2 é constante para qualquer concentração fixa de ADP na célula

28 Variações da curva de dissociação O 2 -hemoglobina: Desvio da curva Para a direita: PCO 2 (aumentado no sangue venoso proveniente de tecido com elevado metabolismo) Desvio E Ligação a Hb ph (pela maior produção de CO2 nos tecidos ativos) Temperatura (maior em tecidos ativos) 2-3 DP-glicerato (produzido pelas hemácias) Exercício Desvio D O2 aos tecidos Para a Esquerda: PCO 2 ph Temperatura 2-3 DPG metabolismo

29 Fatores que alteram a afinidade do O 2 pela hemoglobina Combinação da hemoglobina com monóxido de carbono deslocamento do O 2 CO se combina com a hemoglobina no mesmo ponto que o O x mais forte Deslocamento de O 2 da hemoglobina Paciente envenenado por CO

30 CO liberado pela queima de combustíveis fósseis e fumaça de cigarros combinação com a hemoglobina Impossibilidade de transportar O 2 Qualidade do ar Morte por asfixia Concentração de CO e qualidade do ar Concentração de CO ppm* (média de 8h) Inadequada 15 a 30 Péssima 30 a 40 Crítica Acima de 40 * ppm (parte por milhão) = 1 micrograma de CO por grama de ar 10 6 Concentração de CO (ppm) Sintomas em seres humanos 10 Nenhum 15 Diminuição da capacidade visual 60 Dores de cabeça 100 Tonturas, fraqueza muscular 270 Inconsciência 800 Morte

31 Transporte de CO 2 Dissolvido Carmino-hemoglobina Ìon bicarbonato (HCO 3- ) (5 a 7% do total) (15 a 25 % do total) Produzido pelas hemácias * Facilidade: Condições anormais: pode ser transportado em grandes quantidades

32 Equilíbrio CO 2, ácido carbônico e bicarbonato CO 2 dissolvido no sangue reage com H 2 O: forma H 2 CO 3 (anidrase carbônica: 5.000x) Dissocia-se em: HCO 3- + H + CO 2 A maior parte de íons H se combina com hemoglobinas nas hemácias e a maioria do bicarbonato se difunde nas hemácias

33 Alterações da acidez do sangue durante o transporte do CO2 Formação do H 2 CO 3 ph sanguíneo Reação do ácido com tampões sanguíneos impede que a concentração de H aumente muito e que o ph desça muito ph: 7,4 7,37 Alteração de 0,04 unidade

34 Efeito Bohr e efeito Haldane Aumento da concentração de CO 2 no sangue provoca deslocamento da hemoglobina Efeito Bohr Altos níveis de CO 2 diminuem a afinidade da Hemoglobina com o O 2 Sangue passa pelos pulmões CO 2 difunde-se do sangue para alvéolos: PCO 2 do sangue e a concentração de íons hidrogênio Desvio da curva para a esquerda ( metabolismo) Sangue passa capilares dos tecidos CO 2 penetra-se no sangue: Dissocia-se O 2 da hemoglobina: liberação de O 2 para tecidos Desvio da curva para a direita (exercício)

35 Efeito Haldane O 2 liga-se à hemoglobina liberação de CO 2 Aumento do transporte de CO 2 do sangue Inverso do Efeito Bohr: A ligação do O 2 á hemoglobina tende a deslocar o CO 2 do sangue

Prof Me Alexandre Rocha

Prof Me Alexandre Rocha Prof Me Alexandre Rocha alexandre.personal@hotmail.com www.professoralexandrerocha.com.br login: profrocha e senha: profrocha www.avaliacaoja.com.br www.professoralexandrerocha.com.br 1 Função O propósito

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

TRANSPORTE DE GASES NO SANGUE. Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Setor de Ciências Biológicas

TRANSPORTE DE GASES NO SANGUE. Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Setor de Ciências Biológicas TRANSPORTE DE GASES NO SANGUE Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Setor de Ciências Biológicas ANATOMIA DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ESTRUTURA DAS VIAS AÉREAS ESQUERDO WEST 2002 VASOS ALVEOLARES

Leia mais

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro:

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: TROCAS GASOSAS E CONTROLE DO TRANSPORTE DE GASES Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: 1. Trocas gasosas 1.1. Locais

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório FUNÇÃO à troca gasosa O2 GLICOSE H2O H2O ATP CO2 Quando prendemos a respiração a taxa de CO2 no sangue aumenta, o que diminui o ph. Isso leva o bulbo (parte do cérebro) a estimular

Leia mais

3ª Série / Vestibular

3ª Série / Vestibular 3ª Série / Vestibular 01. Uma característica típica de todo o tecido conjuntivo é: (A) apresentar células em camadas unidas; (B) apresentar poucas camadas de células; (C) apresentar muito material intersticial;

Leia mais

Bolsista: Renan Vommaro

Bolsista: Renan Vommaro Bolsista: Renan Vommaro Alertar para os problemas relacionados à toxicidade do monóxido de carbono, substância química que têm grande afinidade com a hemoglobina, principal responsável pelo transporte

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO 1. Anatomia do Sistema Respiratório O oxigênio do ar deve chegar aos alvéolos e passar para o sangue, fazendo o gás carbônico o caminho inverso. O caminho

Leia mais

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA 1 FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Compreende a absorção de O 2 e a eliminação de CO 2 pelos pulmões (respiração externa), o transporte de

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Fisiologia Respiratória

Fisiologia Respiratória Fisiologia Respiratória Prof. Vinicius Coca Fisioterapeuta Especialista em Pneumofuncional Mestre em Terapia Intensiva - SOBRATI Mestre em Ensino na Saúde - UGF Anatomia Funcional Respiratória Pulmão Anatomia:

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Músculos respiratórios. Curva de dissociação da oxihemoglobina diferença arterio-venosa

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Músculos respiratórios. Curva de dissociação da oxihemoglobina diferença arterio-venosa Músculos respiratórios SISTEMA RESPIRATÓRIO Curva de dissociação da oxihemoglobina durante o exercício e a diferença arterio-venosa Equilíbrio ácido - básico durante o exercício. Estudo da ventilação em

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. André Maia

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. André Maia SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. André Maia A respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química armazenada nos alimentos e utilizar essa energia nas diversas atividades metabólicas

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA RESPIRATÓRIA Marcos Barrouin Melo, MSc CURSO DE EMERGÊNCIAS EV UFBA 2008 INTRODUÇÃO Funções do sistema respiratório Suprir O 2 e remover CO 2 Equilíbrio térmico > ventilação > perda de água e calor Manutenção

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

Pigmentos respiratórios: capacidade de se ligar reversivelmente ao oxigênio, aumentando muito a capacidade carreadora do sangue

Pigmentos respiratórios: capacidade de se ligar reversivelmente ao oxigênio, aumentando muito a capacidade carreadora do sangue PIGMENTOS RESPIRATÓRIOS RESPIRAÇÃO AULA 5 Pigmentos respiratórios: capacidade de se ligar reversivelmente ao oxigênio, aumentando muito a capacidade carreadora do sangue Ex: hemoglobina Mamíferos apresentam

Leia mais

Sistema Cardiovascular

Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular O sistema cardiovascular é responsável pela circulação do sangue. O sangue transporta: nutrientes obtidos na digestão; Oxigênio; Gás carbônico; Resíduos; Hormônios. Vasos Sanguíneos

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 16: Sistema circulatório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO As funções realizadas pela circulação do sangue são indispensáveis para o equilíbrio de nosso corpo e vitais para

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Aparelho Respiratório O aparelho respiratório humano é constituído por um par de pulmões (área de meio court ténis) e por vários órgãos que conduzem o ar para dentro e para fora das cavidades pulmonares.

Leia mais

Transporte nos animais

Transporte nos animais Transporte nos animais Tal como nas plantas, nem todos os animais possuem sistema de transporte, apesar de todos necessitarem de estabelecer trocas com o meio externo. As hidras têm somente duas camadas

Leia mais

PROFa. DEBORAH ELYANA IOST FORNI QUESTÕES PARA REVISÃO DE BIOLOGIA 8º.ANO III BIMESTRE 2013

PROFa. DEBORAH ELYANA IOST FORNI QUESTÕES PARA REVISÃO DE BIOLOGIA 8º.ANO III BIMESTRE 2013 PROFa. DEBORAH ELYANA IOST FORNI QUESTÕES PARA REVISÃO DE BIOLOGIA 8º.ANO III BIMESTRE 2013 1. (Fgv 2012) O epitélio respiratório humano é composto por células ciliadas e pelas células caliciformes produtoras

Leia mais

Ciclo Respiratório Normal. Como Respiramos? Prova de Função Pulmonar. Que diz a espirometria? Espirômetro. Sensível ao volume.

Ciclo Respiratório Normal. Como Respiramos? Prova de Função Pulmonar. Que diz a espirometria? Espirômetro. Sensível ao volume. Ciclo Respiratório Normal Como Respiramos? Prova de Função Pulmonar Que diz a espirometria? Espirômetro Sensível ao volume Sensível ao fluxo 1 FEV1 / FVC % Visão Geral da Hematose O índice espirométrico

Leia mais

Soluções Químicas são misturas homogêneas de duas ou mais substâncias, onde o solvente aparece em maior quantidade e o soluto em menor quantidade. O estado de agregação do solvente é que determina o estado

Leia mais

PRINCÍPIO FÍSICO E TRANSPORTE DOS GASES

PRINCÍPIO FÍSICO E TRANSPORTE DOS GASES PRINCÍPIO FÍSICO E TRANSPORTE DOS GASES Prof. Me Tatiane Quaresma O sangue tem várias funções, entre as quais o transporte de gases respiratórios essenciais ao funcionamento do nosso organismo. O2 das

Leia mais

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Plasma sanguíneo ph normal Acidose Alcalose Líquido extracelular Sangue arterial

Leia mais

Tema: ASPECTOS BIOQUÍMICOS E CLÍNICOS DA INSUFICIÊNCIARESPIRATÓRIA

Tema: ASPECTOS BIOQUÍMICOS E CLÍNICOS DA INSUFICIÊNCIARESPIRATÓRIA X SEMINÁRIO Tema: ASPECTOS BIOQUÍMICOS E CLÍNICOS DA INSUFICIÊNCIARESPIRATÓRIA Subtemas: Hemoproteínas Afinidade da hemoglobina para o oxigénio Função respiratória do sangue Insuficiência respiratória

Leia mais

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar I - INTRODUÇÃO O que é respiração? Respiração celular Ocorre no interior das mitocôndrias subs orgânicas + O2 energia + CO2 + H2O Respiração pulmonar Trocas gasosas entre o ar atmosférico e o sangue Hemerson

Leia mais

O Universo e Composição Fundamental

O Universo e Composição Fundamental 1 O Universo e Composição Fundamental I) Componentes Fundamentais do Universo São aqueles que não podem ser substituídos por outros. Matéria (M): representada pela massa, são os objetos, corpos, alimentos.

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Capnografia na Unidade Terapia Intensiva

Capnografia na Unidade Terapia Intensiva Capnografia na Unidade Terapia Intensiva Nos gases expirados, a capnografia indica a quantidade de CO2 que é eliminada dos pulmões para o equipamento. Indiretamente reflete a produção de CO2 pelos tecidos

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Preparatório Concursos- 2012 DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias;

Leia mais

Fisiologia Respiratória

Fisiologia Respiratória Fisiologia Respiratória 4 A função da respiração é essencial à manutenção da vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como uma troca de gases entre as células do organismo e a atmosfera. A respiração

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Função Permite que o oxigénio do ar entre para o sangue nos pulmões; Permite a passagem do dióxido de carbono do sangue para o ar. Associação Trabalha em conjunto com o Sistema Cardiovascular Fornecer

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Reologia e Mecanismos de Edema

Reologia e Mecanismos de Edema Conceitos Reologia é o estudo do fluxo. Um aspecto importante a ser considerado é a viscosidade sanguínea, que diz respeito à maior ou menor facilidade de fluxo, maior ou menor atrito durante o fluxo sanguíneo.

Leia mais

Sistema respiratório

Sistema respiratório Texto de apoio ao professor T6 Sistema respiratório Trocas gasosas (classificação e processo) Doenças respiratórias (causas e exemplos) Durante as trocas gasosas os gases deslocam-se dos locais onde a

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Aula 01 Organização

Leia mais

Biologia. Móds. 41 ao 45 Setor 1423. Prof. Rafa

Biologia. Móds. 41 ao 45 Setor 1423. Prof. Rafa Biologia Móds. 41 ao 45 Setor 1423 Prof. Rafa SANGUE : tecido conjuntivo, que transporta nutrientes, gases, excretas, hormônios, atuando também na termorregulação e defesa Plasma (55%): água, íons, proteínas

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2012 2ª fase - específicas www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2012 2ª fase - específicas www.planetabio.com 1- O sangue transporta o gás oxigênio (O 2 ) para os tecidos e remove deles o dióxido de carbono (CO 2 ), produto residual do metabolismo. a) Cada molécula de hemoglobina nas hemácias pode transportar

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória Introdução Maior causa de morte nos E.U.A. Mais de 70% das mortes em pacientes com pneumonia são atribuídas à insuficiência

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: BIOFÍSICA CARGA HORÁRIA: 120h CRÉDITOS: 06 CÓDIGO: SCF0013 PROFESSORA: MARLY PEREIRA LIMA EMENTA:

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

CARBOXITERAPIA, CARBOTERAPIA, CARBOSSITERAPIA, CARBOXITHERAPY, CARBOXIDTERAPIA. CARBON DOIXIDE THERAPY, etc.

CARBOXITERAPIA, CARBOTERAPIA, CARBOSSITERAPIA, CARBOXITHERAPY, CARBOXIDTERAPIA. CARBON DOIXIDE THERAPY, etc. CARBOXITERAPIA Permanentemente recibo e-mails de colegas e principalmente dos meus alunos perguntando sobre a Carboxiterapía. Um procedimento de moda e muito utilizado no mundo inteiro. Vamos então fazer

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 QUESTÃO 26 Quanto à ausculta pulmonar, é INCORRETO afirmar: a) O atrito pleural é ouvido igualmente durante a inspiração e expiração. b) Broncoespasmo, edema de mucosa e secreções

Leia mais

P R O V A D E Q UÍMICA I. A tabela abaixo apresenta os pontos de ebulição e a solubilidade em água de alguns álcoois e éteres importantes.

P R O V A D E Q UÍMICA I. A tabela abaixo apresenta os pontos de ebulição e a solubilidade em água de alguns álcoois e éteres importantes. 17 P R O V A D E Q UÍMICA I QUESTÃO 46 A tabela abaixo apresenta os pontos de ebulição e a solubilidade em água de alguns álcoois e éteres importantes. Composto Pe ( o C) Solubilidade em água CH 3 CH 2

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

C 5 H 12 O álcool 88g/mol. x 12,5g x = 9,94g 5CO 2 + 5H 2 O

C 5 H 12 O álcool 88g/mol. x 12,5g x = 9,94g 5CO 2 + 5H 2 O Questão 1 O esquema abaixo mostra compostos que podem ser obtidos a partir de um alceno de fórmula molecular C 5 H 10. A seguir, responda às questões relacionadas a esse esquema, considerando sempre o

Leia mais

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Preparações líquidas: Podem conter uma ou mais substâncias químicas dissolvidas em solvente adequado ou em mistura de solventes mutuamente miscíveis ou dispersíveis.

Leia mais

Ventilação Pulmonar. Vol. Ar Corrente (L) Pressão intrapleural (cm H 2 O) Fluxo de Ar (L/s) pleura parietal. pleura visceral.

Ventilação Pulmonar. Vol. Ar Corrente (L) Pressão intrapleural (cm H 2 O) Fluxo de Ar (L/s) pleura parietal. pleura visceral. Difusão de O 2 e nos alvéolos e transporte de gases no sangue: dos pulmões aos tecidos e dos tecidos aos pulmões Efeitos do exercício Lisete Compagno Michelini Ventilação Pulmonar Pressão intrapleural

Leia mais

QUÍMICA FÍSICA Mestrado Integrado em Engª Biológica (2014 2015)

QUÍMICA FÍSICA Mestrado Integrado em Engª Biológica (2014 2015) QUÍMICA FÍSICA Mestrado Integrado em Engª Biológica (2014 2015) Docentes: Laura Maria Ilharco e mail: lilharco@tecnico.ulisboa.pt Extensão: 3220 (Complexo Interdisciplinar) Pedro Paulo (laboratório) e

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades e funções de proteínas: Mioglobina / Hemoglobina

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO 07/10/2008 PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO 07/10/2008 PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial (2%) PROTEÍNAS PLASMÁTICAS (7%) Albumina pressão coloidosmótica Globulinas α e β transporte e substrato δ imunidade,

Leia mais

11 a Olimpíada Internacional Júnior de Ciências. Questões de Múltipla Escolha

11 a Olimpíada Internacional Júnior de Ciências. Questões de Múltipla Escolha 11 a Olimpíada Internacional Júnior de Ciências Questões de Múltipla Escolha 4 de dezembro de 2014 REGRAS DA PROVA 1. Não é permitido o uso de qualquer outro material além de remédios pessoais. 2. Sente-se

Leia mais

Os gases respiratórios não exercem pressão parcial quando estão combinados com os pigmentos respiratórios, nem quando estão quimicamente modificados.

Os gases respiratórios não exercem pressão parcial quando estão combinados com os pigmentos respiratórios, nem quando estão quimicamente modificados. A circulação de um fluido (sangue ou hemolinfa) acelera a distribuição dos gases respiratórios (movimento por fluxo). Entretanto, os gases, especialmente oxigênio, são pouco solúveis em soluções aquosas.

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

A circulação de um fluido (sangue ou hemolinfa) acelera a distribuição dos gases respiratórios.

A circulação de um fluido (sangue ou hemolinfa) acelera a distribuição dos gases respiratórios. A circulação de um fluido (sangue ou hemolinfa) acelera a distribuição dos gases respiratórios. Entretanto, os gases, especialmente oxigênio, são pouco solúveis em soluções aquosas. As proteínas respiratórias

Leia mais

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.:

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.: PROFESSOR: Mônica Narciso BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Questões Discursivas 01-

Leia mais

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos.

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. RESPIRAÇÃO Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. A respiração intracelular pode ser: Aeróbica: Ser vivo que depende do gás carbônico para obter energia

Leia mais

Tecido Hematopoiético, Muscular e Nervoso

Tecido Hematopoiético, Muscular e Nervoso Tecido Hematopoiético, Muscular e Nervoso 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 Os animais têm de realizar, ininterruptamente, trocas de substâncias com o ambiente, pois todas as células

Leia mais

Mudanças de fase. Temperatura e pressão críticas Os gases são liquefeitos sob o aumento da pressão a uma temperatura.

Mudanças de fase. Temperatura e pressão críticas Os gases são liquefeitos sob o aumento da pressão a uma temperatura. Mudanças de fase Sublimação: sólido gás. Vaporização: líquido gás. Derretimento ou fusão: sólido líquido. Deposição: gás sólido. Condensação: gás líquido. Congelamento: líquido sólido. Mudanças de fase

Leia mais

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II NESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II A Terapêutica é um torrencial de Drogas das quais não se sabe nada em um paciente de que

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia V e t e r i n a r i a n D o c s Fisiologia Fisiologia do Sistema Respiratório Respiração nos Mamíferos -Respiração: inclui todos os processos químicos e físicos pelos quais o organismo efetua trocas gasosas

Leia mais

Gases gerados na queima da espuma flexível de poliuretano.

Gases gerados na queima da espuma flexível de poliuretano. + 2 N R N - Gases gerados na queima da espuma flexível de poliuretano. por Walter Vilar, Doutor em Química rgânica pelo Instituto de Química da UFRJ, Pós Doutor pelo Instituto Militar de Engenharia (RJ),

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

Água, Soluções e Suspensões.

Água, Soluções e Suspensões. Água, Soluções e Suspensões. A água é a molécula mais abundante nos seres vivos. Cerca de 75% de um adulto. No planeta não existem seres vivos sem água. Fases da água: Sólida Líquida Gasosa Na dependência

Leia mais

Mielóide e Linfóide 10E 28 TECIDO CONJUNTIVO HEMATOPOIÉTICOS

Mielóide e Linfóide 10E 28 TECIDO CONJUNTIVO HEMATOPOIÉTICOS Mielóide e Linfóide 10E 28 TECIDO CONJUNTIVO HEMATOPOIÉTICOS Mielóide Medula Óssea Vermelha: Tecido conjuntivo gelatinoso, formado por células primordiais(mesenquimatosas). Situado no interior de ossos

Leia mais

Aparelho Circulatório

Aparelho Circulatório Visão geral das funções dos Vasos Sanguíneos Os vasos sanguíneos formam um sistema tubular fechado que transporta o sangue do coração (artérias), aos tecidos do corpo (arteríolas, capilares e vénulas),

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO 2010 QUESTÃO 1 O bem-estar do organismo depende

Leia mais

As Complicações das Varizes

As Complicações das Varizes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira As Complicações das Varizes Chamamos de Tipo 4 ou IVFS - Insuficiência Venosa Funcional Sintomática,

Leia mais

Sistema Respiratório. Superior. Língua. Inferior

Sistema Respiratório. Superior. Língua. Inferior Sistema Respiratório Língua Superior Inferior Funções 1. Troca de gases entre a atmosfera e o sangue. 2. Regulação homeostática do ph corporal 3. Proteção contra substâncias irritantes e patógenos 4. Vocalização

Leia mais

Monóxido de Carbono 12/04/2012. Curso Preparatório para Polícia Federal - Toxicologia MONÓXIDO DE CARBONO (CO)

Monóxido de Carbono 12/04/2012. Curso Preparatório para Polícia Federal - Toxicologia MONÓXIDO DE CARBONO (CO) Monóxido de Carbono Curso Preparatório para Polícia Federal - Toxicologia Profa.: Verônica Rodrigues 14/04/2012 O CO liga-se ao Fe +2 da hemoglobina (Hb) formando um complexo chamado carboxiemoglobina.

Leia mais

Sistema Respiratório. rio. Componentes

Sistema Respiratório. rio. Componentes Slide 1 Sistema Respiratório rio Faringe Slide 2 Componentes Nariz (fossas nasais) - duas cavidades paralelas que começam nas narinas e terminam na faringe - funções: filtrar, umedecer e aquecer o ar,

Leia mais

UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE

UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE 1-O iodo-132, devido à sua emissão de partículas beta e radiação gama, tem sido muito empregado no tratamento de problemas na tireoide. A curva abaixo ilustra o decaimento

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph ÁGUA, ph E TAMPÕES- DISTÚRBIOS ÁCIDO-BÁSICOS (Adaptado de http://perfline.com/cursos/cursos/acbas) A regulação dos líquidos do organismo inclui a regulação da concentração do íon hidrogênio, para assegurar

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

Provas de Função Pulmonar

Provas de Função Pulmonar Aula Prática Provas de Função Pulmonar Nataniel Gonçalves Rosa 5 de Novembro de 2014 Engenharia Biomédica Ventilação pulmonar Renovação do ar contido nos pulmões de modo espontâneo e por acção dos músculos

Leia mais

BIOLOGIA HUMANA TEMAS. ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL E FUNCIONAL DO ORGANISMO HUMANO 1. Compartimentos orgânicos Distinguir o meio interno do meio externo.

BIOLOGIA HUMANA TEMAS. ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL E FUNCIONAL DO ORGANISMO HUMANO 1. Compartimentos orgânicos Distinguir o meio interno do meio externo. BIOLOGIA HUMANA TEMAS ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL E FUNCIONAL DO ORGANISMO HUMANO 1. Compartimentos orgânicos Distinguir o meio interno do meio externo. 2. Homeostasia (1) Conceito de homeostasia; Importância

Leia mais

água 47 mmhg Hg) 37 o C Temperatura ( o C)

água 47 mmhg Hg) 37 o C Temperatura ( o C) Difusão e Transporte dos Gases Propriedade dos Gases Lei dos gases A pressão dos gases é determinada pelo impacto constante das moléculas em movimento contra uma superfície. Os gases dissolvidos na água

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Alexandre Luz de Castro

Sistema Circulatório. Prof. Alexandre Luz de Castro Sistema Circulatório Prof. Alexandre Luz de Castro HEMODINÂMICA, PRESSÃO ARTERIAL INTRODUÇÃO AO SISTEMA CIRCULATÓRIO modificado de SILVERTHORN, Dee Unglaub. Fisiologia humana: uma abordagem integrada.

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Uma enzima, extraída da secreção de um órgão abdominal de um cão, foi purificada, dissolvida em uma solução fisiológica com ph 8 e distribuída em seis tubos de ensaio. Nos tubos 2, 4 e 6, foi

Leia mais

Fisiologia Respiratória.

Fisiologia Respiratória. 4 Fisiologia Respiratória. 80 - VOL I - FUNDAMENTOS DA CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA A função da respiração é essencial à manutenção da vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como uma troca de gases

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É uma Mistura Homogênia de 2 ou mais substâncias. Na Solução não ocorre uma reação química, porque não há formação de novas substâncias e não há alterações

Leia mais

Respiração Comparada. Biologia Monitores: Bruna Maria e Thamirys Moraes 08, 09 e 10/07/2015. Material de Apoio para Monitoria

Respiração Comparada. Biologia Monitores: Bruna Maria e Thamirys Moraes 08, 09 e 10/07/2015. Material de Apoio para Monitoria Respiração Comparada 1. Observe os esquemas referentes a sistemas respiratórios animais. Com base nesses esquemas e em conhecimentos sobre o assunto, é INCORRETO afirmar-se que: a) 1 e 2 são comuns a vertebrados

Leia mais

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo.

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. Adelina Feitosa. Barbalha, 17 de abril de 2008. Mecânica da ventilação

Leia mais

RESPIRAÇÃO DOS MAMÍFEROS

RESPIRAÇÃO DOS MAMÍFEROS RESPIRAÇÃO DOS MAMÍFEROS I INTRODUÇÃO 1 HISTÓRICO GALENO = Século II observou que o sangue nos pulmões era abastecido por um espírito vital e que as artérias não eram estruturas pneumáticas. MALPIGHI Século

Leia mais

Aula sobre Soluções Aula 01 (ENEM) Profº.: Wesley de Paula

Aula sobre Soluções Aula 01 (ENEM) Profº.: Wesley de Paula Aula sobre Soluções Aula 01 (ENEM) Profº.: Wesley de Paula Propriedades das Soluções Classificação das Misturas: Soluções e Dispersões Classificação das soluções O Processo de Dissolução em soluções Relações

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Texto de apoio ao professor T3 Nesta aula irá estudar-de o ciclo cardíaco (diástole, sístole, pressão sanguínea e arterial) e os meios utilizados para o diagnóstico e prevenção de anomalias que possam

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais