VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS NO MUNICÍPIO DE FARIAS BRITO, ESTADO DO CEARÁ BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS NO MUNICÍPIO DE FARIAS BRITO, ESTADO DO CEARÁ BRASIL"

Transcrição

1 VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS NO MUNICÍPIO DE FARIAS BRITO, ESTADO DO CEARÁ BRASIL Entomological surveillance of Chagas disease vectors in Farias Brito city, State of Ceará Brazil Assilon Lindoval Carneiro Freitas 1, Simone Patrícia Carneiro Freitas 2, Teresa Cristina Monte Gonçalves 3, Antônio Silva Lima Neto 4 RESUMO Este artigo tem por finalidade descrever a situação entomológica do Programa de Controle da Doença de Chagas Humana no município de Farias Brito, Estado do Ceará, no período Dados secundários referentes à captura triatomínica de sete áreas do Programa Saúde da Família: Barreiro do Jorge, Carás dos Alcântaras, Cariutaba, Carnaúba dos Ribeiros, Monte Pio, Nova Betânia e Quincuncá são apresentados. Os resultados obtidos referentes à taxa de infestação, a dispersão e a distribuição geográfica das espécies possibilitaram avaliar a capacidade de colonização. Paralelamente, foi feita uma estimativa da prevalência dos índices de infecção natural dos triatomíneos pelo Trypanosoma cruzi. Das cinco espécies vetoras autóctones, Triatoma brasiliensis, Triatoma pseudomaculata, Panstrongylus megistus, Panstrongylus lutzi e Rhodnius nasutus, as duas primeiras são nativas, ubiqüistas, predominantemente peridomiciliares e de difícil controle. Um trabalho de vigilância epidemiológica de caráter contínuo se faz necessário, uma vez que a desativação regional da Fundação Nacional de Saúde impõe a absorção das atividades pelo município. PALAVRAS-CHAVE Hemíptera, Triatominae, saúde pública, doença de Chagas ABSTRACT The purpose of this article was to describe the entomological situation of the Human Chagas disease Control Program in the city of Farias Brito, State of Ceará, Brazil, in the period of Data concerning the captures of triatomines in seven areas of the Family Health Program: Barreiro do Jorge, Carás dos Alcântaras, Cariutaba, Carnaúba dos Ribeiros, Monte Pio, Nova Betânia and Quincuncá are presented. The results concerning the infestation rates, dispersion and geographic distribution of the vectors make it possible to evaluate the level of settling capacity. Besides, an estimate of the prevalence of natural infection index of the triatomines for the Trypanosoma cruzi 1 Especialista em Gestão de Vigilância Ambiental em Saúde. 20 a Célula Regional de Saúde, Crato/CE. Endereço: Rua Professor Filgueira Sampaio, 310 Crato CE - CEP: Doutora em Entomologia. Departamento de Biologia Animal da Universidade Federal de Viçosa. 3 Doutora em Biologia Parasitária. Pesquisadora Titular do Setor de Morfologia e Ultra-estrutura de Artrópodes do Departamento de Entomologia do Instituto Oswaldo Cruz. 4 Mestre em Saúde Pública. Professor da Universidade de Fortaleza - UNIFOR. C AD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): ,

2 A SSILON LINDOVAL CARNEIRO FREITAS, SIMONE PATRÍCIA CARNEIRO FREITAS, T ERESA CRISTINA MONTE GONÇALVES, ANTÔNIO SILVA LIMA NETO was obtained. Five species are considered autochthonous, Triatoma brasiliensis, Triatoma pseudomaculata, Panstrongylus megistus, Panstrongylus lutzi and Rhodnius nasutus. The first two are native, ubiquitous, mostly peridomiciliary and difficult to control. A continuous epidemiological surveillance becomes necessary as the regional deactivation of the National Foundation of Health imposes the absorption of the activities by city health department. KEY WORDS Hemiptera, Triatominae, public health, Chagas disease 1. INTRODUÇÃO O Nordeste brasileiro é tido como uma macrorregião onde a doença de Chagas ocorre endemicamente. Nele, diferentes sub-regiões fisiográficas comportam diversas espécies de triatomíneos. O Estado do Ceará, com cobertura vegetal predominante de caatinga, possui uma vasta área rural, com habitações humanas precárias, propiciando abrigo a várias espécies de triatomíneos de importância na saúde pública: Triatoma brasiliensis, Triatoma pseudomaculata, Panstrongylus megistus, Panstrongylus lutzi e Rhodnius nasutus. Há muitos destaques históricos pertinentes à doença de Chagas no Nordeste. Segundo Alencar (1977), o conhecimento da existência no Ceará de condições epidemiológicas adequadas ao desenvolvimento da doença de Chagas data de 1921, quando Gavião Gonzaga verificou triatomíneos infectados no Cariri, Quixadá e Baturité. Entretanto, somente 21 anos depois foram diagnosticadas as primeiras infecções humanas, quando realizadas no Cariri investigações epidemiológicas por Albuquerque, Brito e Morais, e, no mesmo ano, por Pondé, Mangabeira e Jansen, com o encontro de seis casos todos comprovados por xenodiagnóstico. Neiva e Pinto, em 1923, registraram o Panstrongylus megistus na Ibiapaba e, em 1922, o Triatoma brasiliensis, espécie também registrada por Evandro Chagas, em 1932, no sertão jaguaribano (Alencar & Sherlock, 1962). A partir do ano 2000, a vigilância epidemiológica foi mantida nas áreas assimiladas pelo processo de descentralização dos serviços de saúde, quando os estados e municípios então passaram a realizar as ações do programa. O município de Farias Brito logo que assumiu o programa de controle da doença de Chagas passou a executá-lo com pleno êxito, alcançando, no período , sem nenhuma interrupção, 100% de cobertura das localidades rurais, áreas onde ocorrem o ciclo parasitário doméstico na transmissão de Trypanosoma cruzi. O presente trabalho visa analisar os índices de infestação predial, distribuição e infecção natural por T. cruzi, das espécies de triatomíneos que ocorrem no município de Farias Brito CE, bem como a sua importância epidemiológica na transmissão da doença de Chagas no município. Tais dados podem vir a estabelecer 232 CAD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): , 2007

3 V IGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS NO MUNICÍPIO DE FARIAS BRITO, ESTADO DO CEARÁ BRASIL um perfil do quadro atual do programa de controle da doença de Chagas nesse município. 2. METODOLOGIA Farias Brito, município do Estado do Ceará, está localizado na Região do Cariri, mais precisamente na Microrregião 75, denominada Serra do Caririaçu, ocupando uma área geográfica de 476,8 km², distante cerca de 479 km de Fortaleza (latitude: 6º55 50"S e longitude: 39º33 56"W) (Figura 1). Esse município apresenta clima seco, caracterizado por temperaturas que variam entre 22ºC e 32ºC, sendo a média 28ºC. O relevo é constituído por vales (planícies) e serras (planaltos), sendo a serra do Quincuncá a de maior altitude, formada por um chapadão de terra roxa situado a leste em sentido sul-norte, de indiscutível importância para a agricultura local. O Vale do Cariús, banhado pelo rio que leva o mesmo nome, e principal afluente do rio Jaguaribe, corta o município no sentido sul-norte. A última faixa territorial, de altitude intermediária, é constituída de terras relativamente férteis e clima árido. A vegetação predominante é a caatinga arbórea, embora haja introdução de serrado e arbustos de pequeno porte (Farias Brito, 2000). Segundo o censo (IBGE, 2000), o município de Farias Brito possui uma população de habitantes, e, destes, residem na zona urbana e residem na zona rural, dado este relevante no que diz respeito à doença de Chagas, uma vez que a transmissão vetorial se dá, predominantemente, nas áreas rurais. Figura 1 Município de Farias Brito e as sete áreas de PSF estudadas. C AD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): ,

4 A SSILON LINDOVAL CARNEIRO FREITAS, SIMONE PATRÍCIA CARNEIRO FREITAS, T ERESA CRISTINA MONTE GONÇALVES, ANTÔNIO SILVA LIMA NETO Para o atual trabalho, basicamente, compulsaram-se os dados secundários disponíveis na Coordenadoria Técnica de Endemias da 20ª Célula Regional de Saúde SESA/CE e Coordenação Técnica de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Farias Brito, seguindo roteiro de avaliação do Programa de Controle da Doença de Chagas Humana PCDCh de acordo com os critérios do Manual de Normas Técnicas da SUCAM (Brasil, 1980), como também obedecendo aos preceitos éticos da Resolução nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. O enfoque básico foi, naturalmente, o conjunto de dados entomológicos e de controle, sistematizados em tabela comparativa por localidades e período do estudo, quando as atividades foram absorvidas pelo município. As capturas foram realizadas nos ambientes domiciliares e peridomiciliares em sete localidades rurais do município: Barreiro do Jorge, Carás dos Alcântaras, Cariutaba, Carnaúba dos Ribeiros, Monte Pio, Nova Betânia e Quincuncá (Figura 1). Os dados apresentados são referentes às capturas triatomínica das áreas rurais do Programa Saúde da Família existentes no município de Farias Brito, Estado do Ceará. Entre as localidades, foram observadas as espécies capturadas nos anos de 2001 e A forma de seleção destas localidades compreendeu a abrangência de cada unidade do Programa Saúde da Família, com representatividade de aproximadamente 80% de cobertura do território municipal. Uma série de trabalhos pioneiros sobre a doença de Chagas no Nordeste foram consultados, sendo os principais referidos na bibliografia do texto. Os indicadores triatomínicos-tripanossômicos e operacionais utilizados foram: a prevalência da infestação triatomínica nos domicílios, a prevalência da distribuição e dispersão das espécies vetoras e a ocorrência de infecção natural nos triatomíneos por T. cruzi. A partir dessas prevalências, foi calculado o teste t, a fim de ser definida a significância da diferença entre as prevalências nos dois anos, verificando-se até que ponto são significativas estatisticamente na população do estudo. É sabido que na região nordestina ocorrem todas as principais formas clínicas da doença de Chagas (Dias et al., 2000). Com o apoio dos Agentes Comunitários de Saúde ACS e das Equipes do Programa Saúde da Família PSF, realizamos uma pesquisa de campo com o objetivo de identificar o número de indivíduos chagásicos residentes nas respectivas localidades em estudo, e, então, conhecermos a evolução da transmissão da doença e seu impacto de morbidade no município. Foram encontrados seis casos humanos soropositivos do mal de Chagas, onde todos apresentam o quadro clínico na fase crônica cardíaca da doença. Esses portadores encontram-se distribuídos nas seguintes localidades: Barreiro do Jorge (1), Carás dos Alcântaras (2), Quincuncá (1), Clemente (1), área próxima a Carás dos Alcântaras e em Juá (1), área próxima a Cariutaba. 234 CAD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): , 2007

5 V IGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS NO MUNICÍPIO DE FARIAS BRITO, ESTADO DO CEARÁ BRASIL 3. RESULTADOS No Nordeste do Brasil, já foram identificadas mais de 27 espécies ou subespécies de triatomíneos transmissores da T. cruzi, o que corresponde a mais da metade das espécies detectadas no Brasil (Dias et al., 2000). Os dados apresentados são referentes às capturas triatomínica das áreas rurais do Programa Saúde da Família existentes no município de Farias Brito, Estado do Ceará. Os dados entomológicos registraram a presença das cinco principais espécies de triatomíneos reconhecidas como ocorrentes no Estado do Ceará: T. brasiliensis, T. pseudomaculata, P. megistus, P. lutzi e R. nasutus. Nas sete localidades trabalhadas, foram capturados triatomíneos em 2001 e no ano de 2002, sendo os Carás dos Alcântaras a que apresentou o maior número de triatomíneos capturados nos dois anos, 472 espécimes, e Carnaúba dos Ribeiros a que registrou o menor número, com 47 espécimes (Tabela 1). Pôde-se observar que o índice de infestação predial diminuiu de 12,80% em 2001 para 10,54% em A localidade de Carás dos Alcântaras apresentou o maior índice de infestação predial nos dois anos do programa, com 21,6% em 2001 e 20,93% em 2002, enquanto que Barreiro do Jorge obteve o menor índice, mostrando 6,0% em 2001 e 6,1% em Chama a atenção a grande dispersão de T. pseudomaculata e do T. brasiliensis. Na localidade de Barreiro do Jorge, foram capturados 81 espécimes de T. pseudomaculata, uma de P. megistus e seis de R. nasutus; em Carás dos Alcântaras, 134 espécimes de T. brasiliensis e 338 de T. pseudomaculat; em Cariutaba, 57 espécimes de T. brasiliensis e 30 de T. pseudomaculata; em Carnaúba dos Ribeiros, 13 espécimes de T. brasiliensis, 27 de T. pseudomaculata, e sete de R. nasutus; em Monte Pio, 36 espécimes de T. brasiliensis e 63 de T. pseudomaculata; em Nova Betânia, 22 espécimes de T. brasiliensis e 54 de T. pseudomaculata; em Quincuncá, 17 espécimes de T. brasiliensis, 168 de T. pseudomaculata, seis de P. megistus e apenas um espécime de P. lutzi. Na Tabela 1, observa-se uma pequena redução no total da população triatomínica domiciliada (54,22% 45,8%) e peridomiciliada (52,96% 47,4%) capturada em 2001 e A espécie T. brasiliensis apresentou taxa de infestação reduzida de 79,22% (2001) para 70,77% (2002) no domicílio, e de 20,07% (2001) para 15,15% (2002) no peridomicílio. Ao contrário, T. pseudomaculata apresentou elevação da taxa de infestação de 20,78% (2001) para 29,2% (2002) no domicílio e 76,81% (2001) para 82,8% (2002) no peridomicílio. P. megistus, P. lutzi e R. nasutus foram capturados apenas no peridomicílio, havendo uma redução de espécimes de P. megistus capturados em 2002 (0,23%) e um aumento para R. nasutus (1,9%), não sendo capturado nenhum espécime de P. lutzi. O teste t não mostrou uma diferença significativa da prevalência (p = 0,271) entre os dois anos. C AD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): ,

6 A SSILON LINDOVAL CARNEIRO FREITAS, SIMONE PATRÍCIA CARNEIRO FREITAS, T ERESA CRISTINA MONTE GONÇALVES, ANTÔNIO SILVA LIMA NETO Tabela 1 Índice de infestação predial e levantamento de triatomíneos, por localidade, do município de Farias Brito, Estado do Ceará, no período de Fonte: 20ª CERES e Secretaria Municipal de Saúde. P = positivos, N = negativos, A = Anexo, D= domicílio, Tb = T. brasiliensis, Tp = T. pseudomaculata, Pm = P. megistus, Pl = P. Lutzi, Rn = R. nasutus * presença de três espécimes de T. pseudomaculata positivos para T. cruzi. 236 CAD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): , 2007

7 V IGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS NO MUNICÍPIO DE FARIAS BRITO, ESTADO DO CEARÁ BRASIL A tabela ressalta, ainda, que a taxa de infecção natural por T. cruzi é muito baixa, apenas três espécimes de T. pseudomaculata, capturados no peridomicílio, foram positivos, dois no Sítio Fazenda e um em Tabuleiro dos Mendes, ambas na área de Quincuncá. É certo que a transmissão natural da doença de Chagas no país foi grandemente difundida e que há tecnologia bastante para sustentar os níveis de controle alcançados (Vinhaes, 2000). O Brasil e outros países do Cone Sul estão comemorando a eliminação do T. infestans, o que representa um enorme avanço nos índices de incidência e de impacto da doença humana. 4. DISCUSSÃO Segundo Dias et al. (2000), no Nordeste, o grande número de espécies chama a atenção, indicando diversidade ambiental e ação antrópica. A transmissão da doença de Chagas no Nordeste ocorreu basicamente por meio de P. megistus, T. brasiliensis e T. infestans (espécies básicas) em suas áreas próprias de ocorrência, tendo P. megistus diminuído sua densidade em praticamente todo o Nordeste, restando como espécie mais importante T. brasiliensis, sendo os T. pseudomaculata imediatamente como espécies secundárias. As diferenças fundamentais de comportamento e distribuição das espécies triatomínicas se explicam pela ecologia de cada microrregião, pelo tipo e intensidade da ação antrópica, pela capacidade de domiciliação e colonização de cada espécie. Em alguns casos, as associações dos triatomíneos, em relação ao habitat e ao hospedeiro, parecem ser cada vez mais especializadas, ou seja, as espécies se adaptam a habitats particulares, devido à procura pela fonte vertebrada de alimentação. No presente estudo, a presença de espécimes de P. megistus em Barreiro do Jorge e Quincuncá pode ser devido ao fato dessas localidades estarem entre 720 a 760m de altitude, ambientes ideais para esta espécie que se restringe a microrregiões e microambientes umbrosos e mais úmidos. o R. nasutus em Barreiro do Jorge, encontra-se associado a ninhos de aves em palmáceas, como a macaúba (acrocomia sderocarpa), bastante comum na região, que se tornam habitats naturais da espécie. Apesar de terem sido capturados apenas indivíduos adultos de P. megistus, a presença desses no peridomicílio os torna importantes para a vigilância epidemiológica, uma vez que podem formar colônias e manterem o ciclo de transmissão do parasito entre o homem e os animais domésticos nas áreas citadas. O T. pseudomaculata foi encontrado no peridomicílio de todas as localidades, o que está de acordo com as observações feitas por Alencar e Sherlock (Bento et al., 1989). É provável que o baixo grau de domiciliação observado seja, em parte, devido à presença de T. brasiliensis no interior do domicílio, por encontrarem condições adequadas, como abrigo e alimentação no peridomicílio (anexos) e C AD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): ,

8 A SSILON LINDOVAL CARNEIRO FREITAS, SIMONE PATRÍCIA CARNEIRO FREITAS, T ERESA CRISTINA MONTE GONÇALVES, ANTÔNIO SILVA LIMA NETO ao uso constante de inseticidas aplicado no interior das residências como forma de controle vetorial, mantendo-os livres de infestações triatomínicas (Oliveira-Filho et al., 2000). A tabela mostra o T. pseudomaculata como sendo a espécie com o maior número de indivíduos capturados (387 em 2001 e 374 em 2002), em relação às demais espécies no mesmo período, destes foram identificados três exemplares positivos para T. cruzi, demonstrando taxas de infecção natural baixa (0,61%), enquanto que todas as outras espécies capturadas foram negativas para T. cruzi. A espécie T. brasiliensis é considerada a principal transmissora da doença de Chagas no Estado do Ceará, podendo, em algumas regiões, outras espécies apresentarem taxas de infecção mais elevada (Alencar et al., 1976). A tabela mostra que o T. brasiliensis é uma espécie dispersa e abundante, encontrada nas localidades mais áridas e quentes do município, justamente por suas características euritrópicas, pouco higrófila e capaz de suportar temperaturas muito elevadas. Os dados esboçados na tabela mostram que, no município de Farias Brito espécies como T. brasiliensis e T. pseudomaculata vem mantendo altos níveis de infestação e de colonização tanto no domicílio quanto no peridomicílio (anexos). Verifica-se ainda, que o número de espécimes de T. pseudomaculata capturados é consideravelmente maior que T. brasiliensis, podendo assim indicar T. pseudomaculata como sendo a espécie mais importante no município de Farias Brito, o que preocupa justamente por ser espécies nativas com potencial invasivo e de difícil controle. A tabela mostra ainda que foram capturados apenas 13 exemplares de R. nasutus, seis exemplares na localidade do Barreiro do Jorge nos dois períodos do estudo, e sete exemplares na Carnaúba dos Ribeiros em 2002, todos capturados no peridomicílio (anexos), caracterizando-os como espécie silvestre, sem importância epidemiológica na transmissão da doença de Chagas no município. Da espécie P. lutzi, foi capturado apenas um exemplar na localidade de Quincuncá em Da espécie P. megistus, foi capturado um exemplar na localidade de Barreiro do Jorge em 2001 e seis exemplares em 2002, na localidade de Quincuncá nos dois períodos. Embora capturados no peridomicílio, merece maior atenção por terem facilidade de formar colônias no intradomicílio. Embora os níveis de infecção sejam incompatíveis com a transmissão, é necessário um trabalho de vigilância de caráter contínuo, com pronta intervenção por parte da Secretaria Municipal da Saúde, uma vez que a presença dos triatomíneos nesses ambientes pode manter o ciclo do parasito T. cruzi entre homens e animais. A presença de triatomíneos no peridomicílio, na região do Cariri, também pode estar associada ao fato das pessoas estarem levando para casa e para áreas em torno da mesma, madeira do ambiente silvestre, que poderão conter triatomíneos, principalmente, nas formas jovens, conseqüentemente, ocasionando 238 CAD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): , 2007

9 V IGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS NO MUNICÍPIO DE FARIAS BRITO, ESTADO DO CEARÁ BRASIL uma forma de dispersão passiva dos vetores (Freitas et al., 2004). Esses dados podem ser considerados, uma vez que o município de Farias Brito possui uma cobertura vegetal predominante de caatinga hiper-xerófila onde predominam as famílias das Eufortbiceae, representadas principalmente pelos marmeleiros (Cróton sap) e a jurapreta (Mimosa tenunuiflora willdenow), utilizada pela população rural como principal fonte energética doméstica, como também na construção de abrigo para animais. 5. CONCLUSÃO A grosso modo, o perfil esboçado mostra que no município de Farias Brito ocorrem as principais espécies vetoras na transmissão da doença de Chagas no Estado do Ceará, dentre elas se destacam duas espécies: o T. pseudomaculata e o T. brasiliensis; principalmente por terem um comportamento vetorial de colonização peridomiciliar, as demais espécies registradas não têm apresentado tendências fortes à domiciliação; portanto, ocorrem em densidades relativamente menores e comportamento vetorial mais domiciliado, o que favorece o sua eliminação principalmente mediante o controle químico continuado pelo município. A doença de Chagas ainda é um importante problema de saúde pública no Nordeste e torna-se importante para as autoridades sanitárias do município manter a continuidade do PCDCh, principalmente no que diz respeito às duas espécies (T. pseudomaculata e o T. brasiliensis) nativas, que têm o potencial invasivo e de difícil controle. A comprovada eficácia das campanhas de controle, utilizando produtos químicos e inseticidas de ação residual na dedetização das residências infestadas, ação até então recomendada como primeira alternativa no controle dos vetores, não implica em subestimar a importância de outras medidas relevantes, tais como melhoramento das habitações, a higiene dos anexos, o envolvimento e a participação comunitária da educação para saúde das populações que vivem nas áreas onde ocorrem as infestações dos triatomíneos. As ações profiláticas da doença de Chagas abrangem vários aspectos, que vão desde o controle ao vetor e às formas de transmissão da doença, passando pela prevenção da morbi-mortalidade com a assistência médica de qualidade, que deveria ser acessível a toda população chagásica e terminando com ações que visam à reintegração dos indivíduos à sociedade. * Agradecimentos: Ao Dr. José Leiva Cabral, gerente da 20ª Célula Regional de Saúde, e à Dra. Sheyla Martins Alves, Secretária Municipal de Saúde de Farias Brito, pelo apoio na realização deste trabalho. Aos Agentes Comunitários de Saúde e aos profissionais médicos e enfermeiros do Programa Saúde da Família, pela colaboração e apoio na busca e identificação de portadores chagásicos no município de Farias Brito, e ao Sr. Vicente de Paula Pereira Matos, Coordenador de Endemias da 20ª Célula Regional de Saúde, pelo aporte e fornecimento dos dados entomológicos. C AD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): ,

10 A SSILON LINDOVAL CARNEIRO FREITAS, SIMONE PATRÍCIA CARNEIRO FREITAS, T ERESA CRISTINA MONTE GONÇALVES, ANTÔNIO SILVA LIMA NETO R EFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALENCAR, J. E. História natural da doença de Chagas no Ceará. Fortaleza: Imprensa Universitária da UFC, p. ALENCAR, J. E.; SHERLOCK, V. A. Triatomíneos capturados em domicílios no Estado do Ceará, Brasil. Boletim Sociedade Cearense de Agronomia. v. 3, p , ALENCAR, J. E.; SANTOS, A. R; BEZERRA, O. F; SARAIVA, T. M. Distribuição geográfica dos principais vetores de endemias no Estado do Ceará. I Triatomíneos. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. v. 10, p , BENTO, D. V.; FREITAS, M.; PINTO, A. S. Epidemiologia da doença de Chagas nos municípios de Castelo do Piauí e Pedro II, Estado do Piauí, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. v. 22, n. 2, p , BRASIL. Ministério da Saúde. Superintendência de Campanhas de Saúde Pública - SUCAM. Manual de normas técnicas da Campanha de Controle da Doença de Chagas. Brasília: Ministério da Saúde, p DIAS, J. C. P.; MACHADO, E. M. M.; FERNANDES, A. L.; VINHAES, M. C. Esboço geral e perspectivas da doença de Chagas no Nordeste do Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 16, supl. 2, p , FARIAS BRITO. Secretaria do Trabalho e Assistência Social. Plano Plurianual de Assistência Social. Farias Brito, Ceará, p FREITAS, S. P. C.; FREITAS, A. L. C.; PRAZERES, S. M.; GONÇALVES, T. C. M. Influência de hábitos antrópicos na dispersão de Triatoma pseudomaculata Corrêa & Espínola, 1964 através de Mimosa tenuiflora (Willdenow) (Mimosaceae) no Estado do Ceará, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 20, n. 20, p , IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 20 jun OLIVEIRA-FILHO, A. M.; MELO, M. T. V.; SANTOS, C. E.; FARIA FILHO, O. F.; CARNEIRO, F. C. F.; OLIVEIRA-LIMA, J. W.; VIEIRA, J. B. F.; GADELHA, F. V.; ISHIHATA, J. Tratamentos focais e totais com inseticida de ação residual para o controle de Triatoma brasiliensis e Triatoma pseudomaculata no Nordeste brasileiro. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 16, supl. 2, p , VINHAES, M. C.; DIAS. J. C. P. Doença de Chagas no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 16, supl. 2, p. 7-12, CAD. SAÚDE COLET., RIO DE JANEIRO, 15 (2): , 2007

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE 50 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE DIAS, Douglas de Matos 1 DANTAS, Lucineide Nascimento Almeida 2 DANTAS, José Oliveira 3 Resumo: Cerca de sete espécies de Triatominae são de

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Estudo da fauna dos triatomíneos recebidos no laboratório de entomologia do centro de controle de zoonoses no Município de Mossoró/RN Zuliete Aliona

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas

Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas OFICINA DE PRIORIDADES DE PESQUISA SOBRE DOENÇAS NEGLIGENCIADAS Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas Tânia C. A. Jorge (Coordenadora) - IOC/Fiocruz Bianca Zingales (Relatora) - USP Soraya

Leia mais

Pa l a v r a s-ch a v e Doença de Chagas, epidemiologia, controle, avaliação

Pa l a v r a s-ch a v e Doença de Chagas, epidemiologia, controle, avaliação Ava l i a ç ã o do Pr o g r a m a de Co n t r o l e da Do e n ç a de Ch a g a s no es ta d o do Cea r á: p e r í o d o de ge s t ã o federal, 1975 a 22* Evaluation of the Chagas Disease Control Program

Leia mais

Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo

Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo Gustavo Rocha Leite Este manual é baseado no programa TriatominaES: Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo desenvolvido por Gustavo

Leia mais

Programa de Controle da Doença de Chagas no Estado de São Paulo: persistência de alta infestação por triatomíneos em localidades na década de 1990

Programa de Controle da Doença de Chagas no Estado de São Paulo: persistência de alta infestação por triatomíneos em localidades na década de 1990 ARTIGO ARTICLE 965 Programa de Controle da Doença de Chagas no Estado de São Paulo: persistência de alta infestação por triatomíneos em localidades na década de 1990 Rubens Antonio da Silva 1 Vera Lúcia

Leia mais

DOENÇA DE CHAGAS : COMPORTAMENTO, MEDIDAS DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE-CE

DOENÇA DE CHAGAS : COMPORTAMENTO, MEDIDAS DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE-CE DOENÇA DE CHAGAS : COMPORTAMENTO, MEDIDAS DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE-CE Autor: Fabíola de Lima Biró Orientador: Juliana Ribeiro Francelino Sampaio Coautor(es): Fabíola

Leia mais

Doença de Chagas ou Tripanossomíase Americana

Doença de Chagas ou Tripanossomíase Americana ou Tripanossomíase Americana Distribuição geográfica: América latina, afetando 12-14 milhões de pessoas. Agente Etiológico: Trypanosoma cruzi Ordem: Kinetoplastida Família: Trypanosomatidae Gênero: Trypanosoma

Leia mais

Alterações do peridomicílio e suas implicações para o controle do Triatoma brasiliensis

Alterações do peridomicílio e suas implicações para o controle do Triatoma brasiliensis ARTIGO ARTICLE 75 Alterações do peridomicílio e suas implicações para o controle do Triatoma brasiliensis Peridomiciliary changes and implications for Triatoma brasiliensis control José Wellington Oliveira-Lima

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

Os diferentes significados da certificação conferida ao Brasil como estando livre da doença de Chagas

Os diferentes significados da certificação conferida ao Brasil como estando livre da doença de Chagas ARTIGO ARTICLE 1403 Os diferentes significados da certificação conferida ao Brasil como estando livre da doença de Chagas The various meanings of Brazil s certification as free of Chagas disease Alberto

Leia mais

A GEOGRAFIA MÉDICA E A REEMERGÊNCIA DA DOENÇA DE CHAGAS NO SEMIÁRIDO NORTE MINEIRO

A GEOGRAFIA MÉDICA E A REEMERGÊNCIA DA DOENÇA DE CHAGAS NO SEMIÁRIDO NORTE MINEIRO A GEOGRAFIA MÉDICA E A REEMERGÊNCIA DA DOENÇA DE CHAGAS NO SEMIÁRIDO NORTE MINEIRO MÔNICA OLIVEIRA ALVES ACADÊMICA DO CURSO DE GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS /UNIMONTES, BOLSISTA DA

Leia mais

PRESENÇA DE TRIATOMÍNEOS CONTAMINADOS EM MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A ARS OESTE II - DO ESTADO DE GOIÁS - NOS ANOS DE 2003 A NOVEMBRO DE 2005

PRESENÇA DE TRIATOMÍNEOS CONTAMINADOS EM MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A ARS OESTE II - DO ESTADO DE GOIÁS - NOS ANOS DE 2003 A NOVEMBRO DE 2005 16 PRESENÇA DE TRIATOMÍNEOS CONTAMINADOS EM MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A ARS OESTE II - DO ESTADO DE GOIÁS - NOS ANOS DE 2003 A NOVEMBRO DE 2005 Araujo, N. M. 1; Aquino, P. R. 2 ; Duarte, A. M. 3 ; Lima, W.

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Participação da população na vigilância entomológica da doença de Chagas no Estado de São Paulo, Brasil. Rubens Antonio da Silva 1

Participação da população na vigilância entomológica da doença de Chagas no Estado de São Paulo, Brasil. Rubens Antonio da Silva 1 1 Participação da população na vigilância entomológica da doença de Chagas no Estado de São Paulo, Brasil. Rubens Antonio da Silva 1 Resumo: A participação da população na notificação de insetos suspeitos

Leia mais

Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras

Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras Virginia Ragoni de Moraes Correia (virginia@dpi.inpe.br) Marilia

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE FARMÁCIA, ODONTOLOGIA E ENFERMAGEM CURSO MESTRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE FARMÁCIA, ODONTOLOGIA E ENFERMAGEM CURSO MESTRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE FARMÁCIA, ODONTOLOGIA E ENFERMAGEM CURSO MESTRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ARDUINA SOFIA ORTET DE BARROS VASCONCELOS ÍNDICE DE INFESTAÇÃO E INFECÇÃO DE TRIATOMÍNEOS

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

Doença de Chagas: Epidemiologia, vigilância e controle. Claudia Mendonça NUVET / COPROM - SESA

Doença de Chagas: Epidemiologia, vigilância e controle. Claudia Mendonça NUVET / COPROM - SESA Doença de Chagas: Epidemiologia, vigilância e controle Claudia Mendonça NUVET / COPROM - SESA Definição A doença de Chagas ou tripanossomíase americana é uma zoonose, enfermidade dos animais transmitida

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas

Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas A Divisão de Vigilância Ambiental em Saúde / Centro Estadual de Vigilância em Saúde (DVAS/CEVS) e o Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Atividades educativas para o controle de triatomíneos em área de vigilância epidemiológica do Estado do Paraná, Brasil

Atividades educativas para o controle de triatomíneos em área de vigilância epidemiológica do Estado do Paraná, Brasil ARTIGO ARTICLE 1543 Atividades educativas para o controle de triatomíneos em área de vigilância epidemiológica do Estado do Paraná, Brasil Ana Lucia Falavigna-Guilherme 1 Arnaldo Lima Costa 2 Osmar Batista

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 28 (IDB-28) TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES SUMÁRIO Introdução... 1 Aids... 2 Dengue... 7 Leishmaniose Visceral... 11 Leishmaniose Tegumentar Americana...

Leia mais

Ordem: Hemiptera Família: Reduviidae Subfamília:Triatominae

Ordem: Hemiptera Família: Reduviidae Subfamília:Triatominae Ordem: Hemiptera Família: Reduviidae Subfamília:Triatominae Vetores da Doença de Chagas Família: Reduviidae (percevejos) Subfamília: Triatominae Nomes vulgares: barbeiro, chupança, baratão Características

Leia mais

Soroprevalência da infecção chagásica em moradores de municípios da região de Botucatu, Estado de São Paulo

Soroprevalência da infecção chagásica em moradores de municípios da região de Botucatu, Estado de São Paulo ARTIGO-ARTICLE Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 40(5):56-520, set-out, 2007 Soroprevalência da infecção chagásica em moradores de municípios da região de Botucatu, Estado de São Paulo

Leia mais

PERFIL DAS CONDIÇÕES DE HABITAÇÃO E RELAÇÕES COM A SAÚDE NO BRASIL*

PERFIL DAS CONDIÇÕES DE HABITAÇÃO E RELAÇÕES COM A SAÚDE NO BRASIL* PERFIL DAS CONDIÇÕES DE HABITAÇÃO E RELAÇÕES COM A SAÚDE NO BRASIL* André Monteiro Costa** Centro de pesquisas Aggeu Magalhães/ Fundação Oswaldo Cruz. Engenheiro Sanitarista, Mestre em Saúde Pública (ENSP/

Leia mais

Trypanosoma cruzi. Doença de Chagas

Trypanosoma cruzi. Doença de Chagas Trypanosoma cruzi Doença de Chagas Descoberta do parasita 1909 por Carlos Ribeiro Justiniano das Chagas, denominando-o Schizotrypanum cruzi Nos anos seguintes descreveu o quadro clínico da doença e aspectos

Leia mais

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO Elidiane dos Santos CIRILO¹, Emilly Maria de Lima OLIVEIRA¹, Fábio José Targino

Leia mais

Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil

Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil Christovam Barcellos Departamento de Informações em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Ministério

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTOMOLÓGICA POR MEIO DE DIFERENTES ARMADILHAS CDC

ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTOMOLÓGICA POR MEIO DE DIFERENTES ARMADILHAS CDC ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTOMOLÓGICA POR MEIO DE DIFERENTES ARMADILHAS CDC Vanderley, A.M.S.(1) ; Cruz, D.L.V. (1) ; Bezerra, P.E.S. (1) ; Gonçalves, T. S. (1) ; Freitas, M.T.S. (1) ; Gomes-Júnior, P.P.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

Prova bimestral 5 o ano 2 o Bimestre

Prova bimestral 5 o ano 2 o Bimestre Prova bimestral 5 o ano 2 o Bimestre geografia Escola: Nome: Data: / / Turma: Leia o trecho da letra da música abaixo e, em seguida, responda às questões. [...] Eu já cantei no Pará Toquei sanfona em Belém

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 CENTROS DE CONTROLE DE ZOONOSES Sua implantação e capacidade de ação dependem de diversos

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 Juliana Paula Ramos 1, Maria das Graças de Lima 2 RESUMO:

Leia mais

Complexo regional do Nordeste

Complexo regional do Nordeste Antônio Cruz/ Abr Luiz C. Ribeiro/ Shutterstock gary yim/ Shutterstock Valter Campanato/ ABr Complexo regional do Nordeste Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA. Sertão de Pai Pedro, MG. O norte

Leia mais

Vigilância Entomológica da Doença de Chagas: Operações de Campo: Pesquisa ativa e Controle químico*

Vigilância Entomológica da Doença de Chagas: Operações de Campo: Pesquisa ativa e Controle químico* Vigilância Entomológica da Doença de Chagas: Operações de Campo: Pesquisa ativa e Controle químico* Adaptado do Manual de Controle da Doença de Chagas: Diretrizes Técnicas. 1996. Organizadores: Cleonara

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA Aula 04 A PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Aula de hoje: Hemiptera de importância em Parasitologia Zootécnica ORDEM HEMIPTERA Insetos da ordem Hemiptera são divididos em três subordens, os Heteroptera (conhecidos

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO O Brasil como país megadiverso é responsável pela gestão do maior patrimônio natural do mundo. São mais de 120 mil

Leia mais

IX Encontro Anual do Programa Integrado de Doença de Chagas. IX Annual Meeting of Chagas Disease Integrated Program. Fundação Oswaldo Cruz

IX Encontro Anual do Programa Integrado de Doença de Chagas. IX Annual Meeting of Chagas Disease Integrated Program. Fundação Oswaldo Cruz IX Encontro Anual do Programa Integrado de Doença de Chagas IX Annual Meeting of Chagas Disease Integrated Program Fundação Oswaldo Cruz 4 a 6 de Julho de 2012 (July 4-6 th, 2012) Comitê Organizador (Organizing

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

Domínio Morfoclimático das Araucárias

Domínio Morfoclimático das Araucárias Domínio Morfoclimático das Araucárias Situação Geográfica Encontrado desde o sul paulista até o norte gaúcho, o domínio das araucárias ocupa uma área de 400.000 km²,, abrangendo em seu território cidades

Leia mais

Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento?

Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento? Fracturas osteoporóticas do colo do fémur: consequência inevitável do envelhecimento? Uma análise de epidemiologia espacial INEB - Instituto de Engenharia Biomédica Maria de Fátima de Pina Instituto de

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES *

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES * ZOONOSES * São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. * Médico alemão Rudolf Wirchow(século XIX) Fco Eugênio D. de Alexandria Infectologista Zoon = animal

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

ESTUDO DA DOENÇA DE CHAGAS EM ARAPIRACA - ALAGOAS, BRASIL

ESTUDO DA DOENÇA DE CHAGAS EM ARAPIRACA - ALAGOAS, BRASIL 65 ESTUDO DA DOENÇA DE CHAGAS EM ARAPIRACA - ALAGOAS, BRASIL Márcia Ferreira de Sousa 1 ; Abraão Santos Silva¹; Maria Dias de Brito 2 ; Edmílson Santos Silva 3 RESUMO - A doença de Chagas atinge um grande

Leia mais

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU PLANO BÁSICO AMBIENTAL Saúde Equipamentos de saúde Controle da malária Saúde indígena O Plano de Saúde

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

Observe o mapa múndi e responda.

Observe o mapa múndi e responda. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL GEOGRAFIA 5ª SÉRIE 1) Escreva V para verdadeiro e F para falso: ( V ) No globo terrestre, no planisfério e em outros mapas são traçadas linhas que

Leia mais

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM CONCEITOS APREENSÃO ato de tomar, legalmente e sem compensação, animal mantido de forma ilegal ou sob maus tratos, como estratégia patrimonial de combate

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMA BRASILEIRO O extenso território brasileiro, a diversidade de formas de relevo, a altitude e dinâmica das correntes e massas de ar, possibilitam uma grande diversidade

Leia mais

PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.8 Programa de Acompanhamento e Resgate de Fauna durante a Limpeza e Enchimento da Área do Reservatório Revisão 00 NOV/2013

Leia mais

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 Condições Meteorológicas do Mês de Junho de 2015 Historicamente, conforme pode ser observada na figura 1 (b), no mês de junho, o litoral oeste do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Foto 1: Imagem aérea da Ilha de Santa Catarina

APRESENTAÇÃO. Foto 1: Imagem aérea da Ilha de Santa Catarina APRESENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A cidade de Florianópolis é a capital da unidade federativa de Santa Catarina e está localizada no centro-leste do Estado. É banhada pelo Oceano Atlântico e a maior parte do

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL MARCO Fortaleza-CE 2008 Apresentação O Instituto

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE

MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE Nilton de Brito Cavalcanti, Gherman Garcia Leal de Araújo, Geraldo Milanez

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS Revista Ceciliana Jun 4(1): 55-59, 2012 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS

Leia mais

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ÍTALO N. SILVA 2, JOAQUIM B. OLIVEIRA 3, ELIAKIM M. ARAÚJO 4, EDMILSON G. C. JUNIOR 4, BRUNO M. ALMEIDA

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

de Aguiar 2 1-FUNASA / 2- FIOCRUZ / 3-MNRJ RESUMO

de Aguiar 2 1-FUNASA / 2- FIOCRUZ / 3-MNRJ RESUMO Fauna Flebotomínica (Díptera: Psychodidae, Phlebotominae), da Fazenda São José, Município de Carmo, RJ, Brasil. João Ricardo Carreira Alves 1,2, Janira Martins Costa 3, Vanessa Rendeiro 2 & Gustavo Marins

Leia mais

Indicadores da Saúde no Ceará 2008

Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Fortaleza - 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAG) Desirée Mota Secretária INSTITUTO DE PESQUISA

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL Fortaleza-CE 2009 Apresentação O Instituto

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA INADEQUAÇÃO DE SANEAMENTO BÁSICO NA PRODUÇÃO E CONSUMO DE FRUTAS E HORTALIÇAS

AS IMPLICAÇÕES DA INADEQUAÇÃO DE SANEAMENTO BÁSICO NA PRODUÇÃO E CONSUMO DE FRUTAS E HORTALIÇAS AS IMPLICAÇÕES DA INADEQUAÇÃO DE SANEAMENTO BÁSICO NA PRODUÇÃO E CONSUMO DE FRUTAS E HORTALIÇAS Geraldo Rodrigo de Almeida José Lucio de Almeida Marcella dos Santos Nogueira Prof. Dr. Ademir Diniz Neves

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 Simone Caldas Tavares Mafra - Professora do Departamento de Economia Doméstica (UFV) sctmafra@ufv.br

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO Magda Maria Marinho Almeida - Química Industrial- UFC/CE- Mestre em Tecnologia de Alimentos- UFC/CE. Divisão de Análises e Pesquisa

Leia mais

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO A caatinga é um bioma que se concentra na região nordeste do Brasil. Ocupando

Leia mais