A CAMPANHA DE PÉ NO CHÃO TAMBÉM SE APRENDE A LER E A SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NATAL/RN Berenice Pinto Marques UFRN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CAMPANHA DE PÉ NO CHÃO TAMBÉM SE APRENDE A LER E A SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NATAL/RN Berenice Pinto Marques UFRN"

Transcrição

1 A CAMPANHA DE PÉ NO CHÃO TAMBÉM SE APRENDE A LER E A SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NATAL/RN Berenice Pinto Marques UFRN Resumo Este artigo compõe-se dos fatos históricos que deram origem à Secretaria Municipal de Educação de Natal, no Rio Grande do Norte (doravante SME), no período compreendido entre 1960 e 1964, e mostra os enlaces desses nos fatos políticos de então, com ênfase na Campanha De Pé no Chão Também se Aprende a Ler, tendo nesta sua principal influência. Na época, a SME já preconizava e desenvolvia uma prática educativa democrática, ancorada nos princípios de libertação do povo, logo favorecendo a participação popular, contribuindo para a construção e reconstrução das práticas pedagógicas na educação municipal. A metodologia utilizada na pesquisa, de caráter qualitativo, contempla a análise documental e bibliográfica, reunindo autores que vêm dialogando com a temática, no sentido de evidenciar a relevância dos fatos históricos ocorridos na cidade de Natal do estado do Rio Grande do Norte, no processo de criação da SME. Palavras-chave: Campanha de Pé no Chão se Aprende a Ler. Secretaria Municipal de Educação de Natal. Escolinhas. Acampamento Escolar. A narrativa histórico-educacional ora apresentada reúne os fatos ocorridos no final da década de 1950 e nos primeiros anos da década de 1960, na cidade de Natal, fatos esses caracterizados pela existência de vários movimentos sociais nas Zonas urbana e rural, como também a existência de um período de crise política, estritamente vinculada a crise econômica, o que resultou em um dos Movimentos Educacionais mais importantes no Brasil e, sobretudo, no Nordeste. Especificamente na cidade de Natal, a existência desses movimentos sociais provocou uma grande mobilização na área educacional, dando origem à Secretaria Municipal de Educação. No interior desse processo de mobilização, onde o poder político e reivindicativo das classes populares, que lutavam pelas reformas de base, começava a despontar, surgindo os movimentos e campanhas de educação e cultura popular cujas propostas eram diferentes do que, até então, era proposto em prática no Brasil. Nesse período, notadamente entre 1956 e 1959, ocupava a cadeira do executivo municipal em seu primeiro mandato o Prefeito Djalma Maranhão, com a postura política de denunciar o imperialismo e o latifúndio, colocando-se favorável a um poder nacionalista, democrata e popular, dentre cujas metas de governo se inseria uma

2 considerada a principal, qual fosse, a erradicação do analfabetismo, contando para isto a implantação do Programa Municipal de Ensino, com a instalação das Escolinhas, locais esses cedidos gratuitamente à Prefeitura para instalar as classes de alfabetização. Eram salas cedidas gratuitamente e localizadas em sindicatos, clubes, igrejas, casas residenciais, etc., a partir de janeiro de 1957, como também existia as atividades desenvolvidas no Ginásio Municipal de Natal. Registre-se que o Programa se revestia de um caráter social, trazendo em si o vínculo com os movimentos populares existentes. Saliente-se que a Prefeitura já dispunha de 88 então chamadas Escolinhas terminologia esta vigente nesse momento histórico, bem como do Ginásio Municipal de Natal, onde se realizavam ações educacionais focadas no processo de alfabetização, eminentemente destinadas a crianças residentes nos bairros mais afastados do centro da cidade, portanto menos favorecidos socioeconomicamente. Assim se assegurava o espaço físico em que seriam oficialmente instaladas as classes de alfabetização sendo assumindo, pelo município, os custos de um pró-labore para as regentes de classe, o fornecimento de livros, cadernos, mobiliários e utensílios para a merenda escolar que na época era fornecida pela UNICEF. Tais determinações para atender a todas as demandas em vários bairros da cidade de Natal impuseram uma grande mobilização de todos na luta para erradicar o analfabetismo, o que implicou a necessidade do estabelecimento de parcerias com os sindicatos, igrejas, cinemas, clubes e casas residenciais. Em 1960 Djalma Maranhão, já em seu segundo mandato dessa feita eleito pelo voto do povo, organizou a Secretaria Municipal de Educação (SME), designando o educador Moacyr de Góes como Secretário de Educação para viabilizar o programa de governo gerado pelos 240 Comitês Nacionalista, estes configurados pelos agrupamentos de homens e mulheres que recebiam o Prefeito para discutir os problemas dos bairros e da cidade, em uma casa comum de uma rua qualquer. Desse modo, organizados setorialmente em Convenções de Bairros, composto por políticos, intelectuais, estudantes, líderes sindicais e de líderes de bairros, discutiam-se e aprovavam-se as propostas para compor o novo programa político-administrativo para o município de Natal, referia-se também sobre a erradicação do analfabetismo. Podemos registrar que estudantes tiveram uma participação ativa, inclusive instalando um Comitê Estudantil Nacionalista. Elaborada com a participação do povo, essa nova proposta para a educação cuja orientação partiu do então Prefeito Djalma Maranhão, definiu a educação e a cultura

3 sendo a meta número um do seu Governo, reivindicação nascida nas reuniões dos Comitês Nacionalistas e homologado pelas Convenções de Bairros. O desafio para a erradicação do analfabetismo alcançou maior expressividade na Campanha De Pé no Chão Também se Aprende a Ler, na qual se registra o maior número de reivindicações para a criação da escola, estando presente em todas as Convenções de Bairros, aparecendo nas listagens e elaboradas a partir das reuniões dos Comitês Nacionalistas. A Campanha, organizada pela Secretaria de Educação da Prefeitura de Natal, foi lançada oficialmente em fevereiro de 1961 e abril de 1964, no bairro das Rocas, contando com alunos matriculados em 88 Escolinhas. Embora os movimentos e campanhas de alfabetização e cultura popular tenham despontado em todo o Brasil, foi no Nordeste brasileiro o lugar de origem das mais significativas experiências nessa área de educação e cultura, como exemplo: o Movimento de Educação de Base (MEB), o Movimento de Cultura Popular (MCP), a experiência do método de Paulo Freire, onde todos tiveram origem no Nordeste brasileiro. Outro fato histórico importante de resgatar nesse período foi a existência do Acampamento Escolar, com a estrutura de uma escola de palha de coqueiro e de chão de barro batido, sendo essa sugestão de um participante do Comitê Nacionalista das Rocas. O Acampamento Escolar é constituído por vários galpões de 30m x 8m, tendo sempre um galpão circular, onde se realizavam as festas culturais do bairro, as reuniões do círculo de pais e professores, a recreação infantil, tendo também função de teatro para as apresentações dos autos folclóricos. Os galpões destinados às salas de aulas, em forma retangular, eram divididos internamente em quatro partes, através de pranchas, utilizadas como quadro-de-giz e quadro mural, não existindo paredes externas. Em 1961, construíram-se dois Acampamentos: o do bairro das Rocas e do Carrasco. Em 1962, o número cresceu para nove Acampamentos Escolares, situados nos seguintes bairros periféricos: Quintas, Conceição, Granja, Nova Descoberta, Nordeste, Aparecida e Igapó. A equipe que assegurava a operacionalização de um Acampamento era integrada por um diretor (professor titulado pela Escola Normal de Natal e que acumulava suas funções de gestor administrativo), regentes de classes ou monitoras ( professorinhas, como eram chamadas), em número suficiente ao atendimento dos três turnos e as recreadoras. Na inexistência de um magistério qualificado, surgiu a necessidade de capacitar mais de 200 professoras leigas, no período de 1960 a 1961; para isto, foi designada uma

4 coordenação pedagógica para apreciar os trabalhos docentes desenvolvidos pelas regentes de classe, a fim de que essas dispusessem de um acompanhamento a contento. Competiu, portanto, à professora Margarida de Jesus Cortez as funções de Supervisora Geral da Campanha De Pé no Chão Também se Aprende a Ler e Diretora Geral do Centro de Formação de Professores (CFP), este criado oficialmente em 27 de dezembro de 1962 pela Lei n 1.301, cujo objetivo destinava-se para a preparação do magistério municipal, esta configurada como formação das professoras e sua concomitante inserção no Movimento. Neste sentido, cabe registrar que as ilustrações dos primeiros slides utilizados como recurso pedagógico, nas lições dos alunos, eram produzidas no Centro de Formação, pela equipe de estudantes universitários então envolvidos no processo de alfabetização. Porém, cumpre dizer que apesar dos avanços alcançados durante todo esse processo, o trabalho foi interrompido devido ao afastamento do cargo por motivos políticos da professora Margarida Cortez. Em 1964, a Campanha contava com mais de 500 professoras leigas, quantidade essa que lutava pela conquista da educação popular e contra o analfabetismo. As Professorinhas terminologia utilizada na época lecionavam no bairro em que moravam, sendo, muitas vezes, intermediárias na obtenção da sala gratuita onde conseguiam instalar a Escolinha, passando então a serem identificadas como a Professora da Prefeitura. Assim exposto, devido a existência de 88 Escolinhas na Prefeitura quantidade essa necessária à criação de um órgão administrativo adequado para gerir a educação municipal nasceu oficialmente a Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Saúde, em 19 de dezembro de 1959, através da Lei nº 988. É importante registrar que foi criado o Plano de Construção e Equipamento de Escolas Primárias com a Lei n 1.208, de 28 de dezembro de 1961, mas a edificação da rede escolar, em Natal, só ocorreu com a ajuda do Governo Federal por meio do Ministério da Educação, com um investimento no valor de Cr$ 50 mil, no ano de A partir desse recurso a prefeitura começa a construir as escolas em salas de aula de alvenaria e outras pré-fabricadas com estrutura metálica, mas não substituindo os Acampamentos Escolares. Com esse Plano, a Prefeitura, em 1963, inaugurou três escolas em agosto, duas em setembro, e a partir de outubro, até dezembro, mais quatorze unidades de ensino.

5 REFERÊNCIAS CORTEZ, Margarida de Jesus. Memórias da Campanha De Pé no Chão se Aprende a Ler : reflexões sobre a prática pedagógica de ontem e de hoje. Natal: EDUFRN, Campanha DE PÉ no Chão Também Se Aprender a Ler Entrevista com Moacyr de Góes. Revista Educação em Questão, Natal, v. 36, n. 22, p , set./dez (Entrevista com Moacyr de Góes). DE PÉ no Chão Também Se Aprender a Ler 43 anos depois, para o educador Moacyr de Góes. Revista Educação em Questão, Natal, v. 21, n. 7, p , set./dez (Entrevista com Moacyr de Góes). GÓES, Moacyr. De pé no chão também se aprende a ler: : uma escola democrática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

1. - O pensamento de Anísio Teixeira: a defesa da escola pública, democrática e laica.

1. - O pensamento de Anísio Teixeira: a defesa da escola pública, democrática e laica. Do pensamento de Anísio Teixeira à prática de De Pé no Chão também se Aprende a Ler, Moacyr de Góes Seminário "Um olhar sobre Anísio". Mesa Redonda "Gestão da Educação", Rio de Janeiro, 3 set. 1999. Rio

Leia mais

O LIVRO DE LEITURA DE PÉ NO CHÃO: 1963 (UMA CARTILHA DEMOCRÁTICA)

O LIVRO DE LEITURA DE PÉ NO CHÃO: 1963 (UMA CARTILHA DEMOCRÁTICA) Introdução O LIVRO DE LEITURA DE PÉ NO CHÃO: 1963 (UMA CARTILHA DEMOCRÁTICA) Maria Elizete Guimarães Carvalho 1 A década de sessenta testemunhou um conjunto de experiências educacionais de caráter popular

Leia mais

ANOS 60: LEITURA E DUCAÇÃO POPULAR NO DISCURSO DOS INQUISIDORES

ANOS 60: LEITURA E DUCAÇÃO POPULAR NO DISCURSO DOS INQUISIDORES ANOS 60: LEITURA E DUCAÇÃO POPULAR NO DISCURSO DOS INQUISIDORES Quem é capaz de ler uma frase é capaz de ler todas. Mais importante: este leitor tem agora a possibilidade de refletir Sobre a frase, de

Leia mais

Cristiane Silva Melo (UEM) Rosileide S. M. Florindo (UEM) Maria Cristina Gomes Machado (UEM)

Cristiane Silva Melo (UEM) Rosileide S. M. Florindo (UEM) Maria Cristina Gomes Machado (UEM) HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE OS MOVIMENTOS DE EDUCAÇÃO E CULTURA POPULAR (1950-1960) E AS CONTRIBUIÇÕES DE PAULO FREIRE Cristiane Silva Melo (UEM) Rosileide S. M.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ PLANO DE AÇÃO 2012

ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ PLANO DE AÇÃO 2012 ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ PLANO DE AÇÃO 2012 Avenida Oliveira Paiva, 2621 Seis Bocas Fortaleza, Ceará, CEP: 60.822-131 Tel: (85) 4006.4058 Fax: (85) 4006.4059

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO -SME NATAL/RN - 2002

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO -SME NATAL/RN - 2002 PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO -SME PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 2002-2005 NATAL/RN - 2002 PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SME PLANO MUNICIPAL

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Palavras-chave: Leitura, Educação Libertadora, Emancipação, Campanha.

Palavras-chave: Leitura, Educação Libertadora, Emancipação, Campanha. LEITURA E EMANCIPAÇÃO: A CAMPANHA DE PÉ NO CHÃO TAMBÉM SE APRENDE A LER E A EDUCAÇÃO LIBERTADORA Resumo Joicy Suely Galvão da Costa (Departamento de Ciências Sociais UFRN) Gleydson Rodrigues da Silva (Departamento

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO RÁDIO NO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DE BASE EM MATO GROSSO Débora Roberta Borges IE/UFMT. 1.0 Utilização do rádio no processo educativo

A UTILIZAÇÃO DO RÁDIO NO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DE BASE EM MATO GROSSO Débora Roberta Borges IE/UFMT. 1.0 Utilização do rádio no processo educativo A UTILIZAÇÃO DO RÁDIO NO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DE BASE EM MATO GROSSO Débora Roberta Borges IE/UFMT 1.0 Utilização do rádio no processo educativo Na década de 1950, a população brasileira era predominantemente

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

As quarenta horas de Angicos*

As quarenta horas de Angicos* As quarenta horas de Angicos* José Willington Germano** Angicos tornou-se uma palavra emblemática para todos aqueles que se interessam pela educação popular. A cidadezinha localizada no sertão do Rio Grande

Leia mais

ESCOLA RURAL VALENTIM BERTO Édine Berto 1 Graziela Vitória Donin 2

ESCOLA RURAL VALENTIM BERTO Édine Berto 1 Graziela Vitória Donin 2 ESCOLA RURAL VALENTIM BERTO Édine Berto 1 Graziela Vitória Donin 2 Resumo Nosso artigo trata da Escola Rural Valentim Berto, criada com o Decreto N 13.482 de 25/04/1962 na época pertencente ao município

Leia mais

CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIAS ENCONTRO DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS

Leia mais

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011.

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Pág. 1 de 6 LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. ALTERA A LEI N 302, DE 28/12/2001, QUE DISCIPLINA SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL/AC E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS.

Leia mais

UNIDADE 2 O PLANEJAMENTO DA ESCOLA NO REGIMENTO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE SAO PAULO: O PROCESSO E A FORMA PRESCRITOS NA LEGISLAÇAO EDUCACIONAL

UNIDADE 2 O PLANEJAMENTO DA ESCOLA NO REGIMENTO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE SAO PAULO: O PROCESSO E A FORMA PRESCRITOS NA LEGISLAÇAO EDUCACIONAL UNIDADE 2 O PLANEJAMENTO DA ESCOLA NO REGIMENTO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE SAO PAULO: O PROCESSO E A FORMA PRESCRITOS NA LEGISLAÇAO EDUCACIONAL Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico

Leia mais

QUANDO A LEITURA DE MUNDO PRECEDE A LEITURA DA PALAVRA: AS CONTRIBUIÇÕES DE PAULO FREIRE NO PROGRAMA TODOS PELA ALFABETIZAÇÃO (TOPA/UEFS)

QUANDO A LEITURA DE MUNDO PRECEDE A LEITURA DA PALAVRA: AS CONTRIBUIÇÕES DE PAULO FREIRE NO PROGRAMA TODOS PELA ALFABETIZAÇÃO (TOPA/UEFS) QUANDO A LEITURA DE MUNDO PRECEDE A LEITURA DA PALAVRA: AS CONTRIBUIÇÕES DE PAULO FREIRE NO PROGRAMA TODOS PELA ALFABETIZAÇÃO (TOPA/UEFS) Resumo Ludimila de Oliveira Barros 1 UEFS Grupo de Trabalho - Educação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA Relatório das Ações Desenvolvidas pelo Projeto Oficina Escola 1. Apresentação Companheiros (as) da Associação Tremembé estamos concluindo mais um ano missão e com isso somos convidados (as) a socializar

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica. Conselhos Escolares: Democratização da escola e construção da cidadania

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica. Conselhos Escolares: Democratização da escola e construção da cidadania Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Conselhos Escolares: Democratização da escola e construção da cidadania Brasília - DF Novembro de 2004 CONSELHOS ESCOLARES: DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

POLO 19 POLO 17 POLO 18 POLO 22 POLO 24 POLO 21 POLO 25. E.M. Nilcelina S. Ferreira

POLO 19 POLO 17 POLO 18 POLO 22 POLO 24 POLO 21 POLO 25. E.M. Nilcelina S. Ferreira 17 19 18 E.M. Nilcelina S. Ferreira 20 22 21 23 24 25 5 Metas para a Gestão Democrática META 1 a. garantir a autonomia políticod i d á t i c o - p e d a g ó g i c a e administrativa às instituições educacionais

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS ESPECIAIS DE ENSINO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A Política

Leia mais

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE O PNE para 2001-2011 consolidou-se como uma carta de intenções. - Universalização do ensino fundamental - Ampliação significativa

Leia mais

Expansão da Educação Infantil e o desafio da garantia do direito ao atendimento e à qualidade

Expansão da Educação Infantil e o desafio da garantia do direito ao atendimento e à qualidade Expansão da Educação Infantil e o desafio da garantia do direito ao atendimento e à qualidade Cem Linguagens Profª Ms. Maria de Jesus Araújo Ribeiro Dezembro/2013 Programa Nacional de Reestruturação e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PLANO DE AÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 2013-2016 Quixadá-CE, novembro

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

OUTRAS DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO HILDA MARIA NETO GONÇALVES DA SILVA TÉCNICA CONTÁBIL MPGO MARÇO/2009

OUTRAS DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO HILDA MARIA NETO GONÇALVES DA SILVA TÉCNICA CONTÁBIL MPGO MARÇO/2009 FUNDEB OUTRAS DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO HILDA MARIA NETO GONÇALVES DA SILVA TÉCNICA CONTÁBIL MPGO MARÇO/2009 COMO DEVEM SER APLICADOS OS RECURSOS DO FUNDEB? Manutenção e desenvolvimento

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS NOS ANOS 60; MOVIMENTOS DE EDUCAÇÃO POPULAR E O MÉTODO PAULO FREIRE.

ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS NOS ANOS 60; MOVIMENTOS DE EDUCAÇÃO POPULAR E O MÉTODO PAULO FREIRE. ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS NOS ANOS 60; MOVIMENTOS DE EDUCAÇÃO POPULAR E O MÉTODO PAULO FREIRE. Introdução: RISSO, SUZANA APARECIDA SILVA, MARILEI APARECIDA VIDAL 1 O Brasil passa por uma crise política,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURUÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA DE ESCLARECIMENTO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURUÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA DE ESCLARECIMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE CURUÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA DE ESCLARECIMENTO O Município de Curuá, na Administração do Excelentíssimo Raimundo Reis Barbosa Ribeiro, tem uma grande preocupação

Leia mais

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares.

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. Marianna Salgado Cavalcante de Vasconcelos mary_mscv16@hotmail.com Jadiel Djone Alves da Silva jadieldjone@hotmail.com

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o O Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 1994,

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO O que buscamos Proporcionar educação com qualidade social para todas as crianças. Erradicar o analfabetismo, ampliar o nível

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 2008,

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

CARTA COMPROMISSO DA FETEMS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Debate com os Candidatos a Governador/Setembro/2014

CARTA COMPROMISSO DA FETEMS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Debate com os Candidatos a Governador/Setembro/2014 CARTA COMPROMISSO DA FETEMS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Debate com os Candidatos a Governador/Setembro/2014 Os sonhos devem ser ditos para começar a se realizarem. E como

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES. Data:

ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES. Data: ANEXO I ROTEIRO DE ENTREVISTA PARA LEVANTAMENTOS PRELIMINARES Dados Socioeconômicos: Levantamento das Demandas do Município Responsável Técnico pelo Levantamento: Data: Município: Nome do Informante /

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 242, DE 09 DE JANEIRO DE 2015. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: I -...

LEI COMPLEMENTAR N.º 242, DE 09 DE JANEIRO DE 2015. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: I -... LEI COMPLEMENTAR N.º 242, DE 09 DE JANEIRO DE 2015. ALTERA, INCLUI E REVOGA DISPOSITIVOS QUE ESPECIFICA NA LEI COMPLEMENTAR N.º 45, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2004, COM ALTERAÇÕES SUBSEQUENTES, E DÁ OUTRAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 PROJETO DE LEI Nº 023, de 05 de maio de 2015 Dispõe sobre o processo de ingresso à direção das Instituições de Ensino do Municipio, estabelece a estrutura de cargos e salários dos Diretores e Vice Diretores

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS.

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. COLLING, Janete 1 ; ZIEGLER, Mariani 1 ; KRUM, Myrian 2. Centro Universitário franciscano - UNIFRA E-mails: janetecolling@hotmail.com;

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA 1 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA Ms. Rafael Ângelo Bunhi Pinto UNISO - Universidade de Sorocaba/São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA - FAMEB 199 anos Grupo Gestor do Projeto Pró-Saúde (Ministério da Saúde FAMEB/UFBA) Pavilhão de Aulas da FAMEB, Av. Reitor Miguel Calmon Campus

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

A criança de 0 a 6 anos

A criança de 0 a 6 anos Secretaria Municipal de Educação REFERENCIAIS CURRICULARES EDUCAÇÃO INFANTL A criança de 0 a 6 anos Prefeitura Municipal do Natal Carlos Eduardo Nunes Alves Secretaria Municipal de Educação Justina Iva

Leia mais

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana,

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana, DESAFIOS DA ALFABETIZAÇÃO/ LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO DA AMAZÔNIA PARAENSE: ANÁLISE A PARTIR DAS NARRATIVAS DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE CURRALINHO Resumo Heloisa

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO Quanto à Educação do Campo Superar as discrepâncias e desigualdades educacionais

Leia mais

PROBLEMA É IMPLEMENTAR LEGISLAÇÃO

PROBLEMA É IMPLEMENTAR LEGISLAÇÃO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 PROBLEMA É IMPLEMENTAR LEGISLAÇÃO Maria Lucia Machado: país avançou ao entender a criança de zero a seis anos como um ser que tem um desenvolvimento

Leia mais

Prefeitura de São José do Rio Preto, 30 de Janeiro de 2013. Ano IX nº 2732 DHOJE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME N 02/2013

Prefeitura de São José do Rio Preto, 30 de Janeiro de 2013. Ano IX nº 2732 DHOJE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME N 02/2013 Prefeitura de São José do Rio Preto, 30 de Janeiro de 2013. Ano IX nº 2732 DHOJE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME N 02/2013 Estabelece diretrizes, normas e prazos para entrega dos Planos

Leia mais

Conselho Municipal de Educação - CME Teotônio Vilela - AL. Página 1

Conselho Municipal de Educação - CME Teotônio Vilela - AL. Página 1 CALENDÁRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 2011 JANEIRO FEVEREIRO MARÇO D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S 1 1 2 3 4 5 1 2 3 4 5 2 3 4 5 6 7 8 6 7 8 9 10 11 12 6 7 8 9 10 11 12 9 10 11 12 13 14

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CENTRO DE RECURSOS HUMANOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CENTRO DE RECURSOS HUMANOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CENTRO DE RECURSOS HUMANOS Projeto de pesquisa: Significados e sentidos do trabalho docente: o caso da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Proponente:

Leia mais

Leis e normas complementares do MOVA/SP

Leis e normas complementares do MOVA/SP Leis e normas complementares do MOVA/SP Lei nº 14.058, de 10 de outubro de 2005... X APRESENTAÇÃO... 4 Portaria 671/06 - SME... X LEI Nº 14.058, DE 10 DE OUTUBRO DE 2005... 5 Anexo único da Portaria nº

Leia mais

PROFESSORA LEIGA NO ESTADO DA PARAÍBA: DITOS E NÃO DITOS

PROFESSORA LEIGA NO ESTADO DA PARAÍBA: DITOS E NÃO DITOS PROFESSORA LEIGA NO ESTADO DA PARAÍBA: DITOS E NÃO DITOS Maria de Fátima F. de Araújo Departamento de Serviço Social da UEPB Mestre em Serviço Social Maria das Graças F. da Silva Departamento de Serviço

Leia mais

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ADESÃO DA 8ª ETAPA (2015) PROGRAMA TOPA TODOS PELA ALFABETIZAÇÃO

ORIENTAÇÕES PARA ADESÃO DA 8ª ETAPA (2015) PROGRAMA TOPA TODOS PELA ALFABETIZAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA ADESÃO DA 8ª ETAPA (2015) PROGRAMA TOPA TODOS PELA ALFABETIZAÇÃO A participação da Prefeitura e/ou Entidade na Oitava Etapa do Programa TOPA Todos pela Alfabetização - está condicionado

Leia mais

Relatório de desempenho social Maio de 2010

Relatório de desempenho social Maio de 2010 Nossa responsabilidade social BIC AMAZÔNIA S.A. Relatório de desempenho social Maio de 2010 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são

Leia mais

PLANO DE TRABALHO COM AÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DIREÇÃO GERAL DO IF BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA NO QUADRIÊNIO 2014 2018

PLANO DE TRABALHO COM AÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DIREÇÃO GERAL DO IF BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA NO QUADRIÊNIO 2014 2018 ~ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA PLANO DE TRABALHO COM AÇÕES ESTRATÉGICAS PARA

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MIRASSOL D OESTE Secretaria de Administração, Planejamento e Coordenação Geral Coordenadoria Administrativa

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MIRASSOL D OESTE Secretaria de Administração, Planejamento e Coordenação Geral Coordenadoria Administrativa LEI Nº 950 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2010 AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CONTRATAR PESSOAL PARA ATENDIMENTO AOS PROGRAMAS PETI, API, PROJOVEM E BOLSA FAMILIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007.

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Altera na integra o texto da Lei nº. 334/2002, de 20 de Dezembro de 2002, que cria o Conselho Municipal de Educação e da outras providencias. Faço saber

Leia mais

O PAR e a atual visão ministerial

O PAR e a atual visão ministerial O PAR e a atual visão ministerial Plano Nacional de Educação (PNE) Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Plano de Ações Articuladas (PAR) Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE Interativo) (Projeto

Leia mais

EDUCAÇÀO POPULAR, CAMPANHA DE PÉ NO CHÃO TAMBÉM SE APRENDE A LER, PAULO FREIRE & MOVIMENTOS SOCIAIS CONTEMPORÂNEOS 296 Moacyr de Góes 297

EDUCAÇÀO POPULAR, CAMPANHA DE PÉ NO CHÃO TAMBÉM SE APRENDE A LER, PAULO FREIRE & MOVIMENTOS SOCIAIS CONTEMPORÂNEOS 296 Moacyr de Góes 297 EDUCAÇÀO POPULAR, CAMPANHA DE PÉ NO CHÃO TAMBÉM SE APRENDE A LER, PAULO FREIRE & MOVIMENTOS SOCIAIS CONTEMPORÂNEOS 296 Moacyr de Góes 297 A Educação Popular, proposta educativa que está indissoluvelmente

Leia mais

Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil

Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil Windyz B. Ferreira, Mércia Chavier e Alessandra Mendes Neste artigo apresentam-se experiências desenvolvidas por dois municípios brasileiros

Leia mais

O Rádio e as Práticas Educacionais em Recife na Década de Sessenta 1.

O Rádio e as Práticas Educacionais em Recife na Década de Sessenta 1. O Rádio e as Práticas Educacionais em Recife na Década de Sessenta 1. Kelma Fabíola Beltrão de Souza 2 Faculdade Metropolitana da Grande Recife Resumo Este texto tem como objetivo discutir um momento na

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

TÍTULO: DE REPENTE EM REPENTE: HISTÓRIAS DA NOSSA GENTE. AUTORES: Maria Eunice Pitanga Vicentini (UFRN/DEPED - PROEX/PAS)

TÍTULO: DE REPENTE EM REPENTE: HISTÓRIAS DA NOSSA GENTE. AUTORES: Maria Eunice Pitanga Vicentini (UFRN/DEPED - PROEX/PAS) TÍTULO: DE REPENTE EM REPENTE: HISTÓRIAS DA NOSSA GENTE AUTORES: Maria Eunice Pitanga Vicentini (UFRN/DEPED - PROEX/PAS) ÁREA TEMÁTICA: educação A educação acompanha o individuo por toda a sua vida, pelo

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Rafael da Silva da Cunha* - Autor rafael.dudu.r@gmail.com Mayane Ferreira de Farias*

Leia mais

Relatório da Oficina sobre Projeto de Mobilização Social PMS e Legislação

Relatório da Oficina sobre Projeto de Mobilização Social PMS e Legislação Relatório da Oficina sobre Projeto de Mobilização Social PMS e Legislação AMAI - SC PONTE SERRADA Fevereiro de 2014 1 SUMÁRIO 1. Identificação 3 2. Objetivo da Atividade 3 3. Relato da atividade 3 4. Metodologia

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENSINO BÁSICO Nomes das instituições representadas: SEE/AL, SEMED-Maceió, SEMED-Barra de Santo Antônio- Campestre e Novo Lino, Associação Clube

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

PROJETO QUARTA LITERÁRIA

PROJETO QUARTA LITERÁRIA PROJETO QUARTA LITERÁRIA * Francisca Wládia de Medeiros Inocêncio ** Leni Oliveira da Silva Este artigo pretende socializar o Projeto Quarta Literária, desenvolvido no Centro Educacional do Projeto SESC

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio

Leia mais

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 DECLARAÇÃO FINAL (VERSÃO PLENÁRIA) Por Uma Política Pública de Educação do Campo QUEM SOMOS Somos 1.100 participantes

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.094, DE 24 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CONSELHO ESCOLAR; GESTÃO DEMOCRÁTICA; FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO.

PALAVRAS-CHAVE: CONSELHO ESCOLAR; GESTÃO DEMOCRÁTICA; FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO. O CONSELHO ESCOLAR COMO COMPONENTE DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E O FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO Sheila Beatriz Fernandes 1 Priscila Kaline Lima Costa 2 Gilberliane Mayara Andrade de Melo 3 RESUMO Este trabalho

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

MODALIDADES DE ATENDIMENTO À EDUCAÇÃO INFANTIL EM LAGES: DAS CRECHES DOMICILIARES AOS CENTROS

MODALIDADES DE ATENDIMENTO À EDUCAÇÃO INFANTIL EM LAGES: DAS CRECHES DOMICILIARES AOS CENTROS MODALIDADES DE ATENDIMENTO À EDUCAÇÃO INFANTIL EM LAGES: DAS CRECHES DOMICILIARES AOS CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. SOUZA 1, Andréa Aparecida Colla de - Uniplac - aacs@uniplac.net GT Educação e Infância

Leia mais

SEMINARIO ENSINO FUNDAMENTAL NO ESPIRITO SANTO DIRETRIZES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL E O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

SEMINARIO ENSINO FUNDAMENTAL NO ESPIRITO SANTO DIRETRIZES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL E O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SEMINARIO ENSINO FUNDAMENTAL NO ESPIRITO SANTO DIRETRIZES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL E O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Antônio José Medeiros SASE/MEC 13/Julho/2011 Vitória/ES 1. UMA IDÉIA ANTIGA UMA TRADIÇÃO?

Leia mais

SEMINÁRIO: PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA

SEMINÁRIO: PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA SEMINÁRIO: PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Período: 23 e 24 de fevereiro de 2015 Local: Centro de Educação e Centro de Artes e Comunicação CAC Fórum Estadual de Educação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA FE/FFCL

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA FE/FFCL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA FE/FFCL 2 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Comitê de Ética em Pesquisa, multidisciplinar, é um órgão colegiado, instituído através da Portaria n.03/2008,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos

Prefeitura Municipal de Santos Prefeitura Municipal de Santos Estância Balneária SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Seção de Suplência/ SESUPLE Parceiros do Saber Projeto de alfabetização de Jovens e Adultos Justificativa

Leia mais

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC Regimento Interno CAPÍTULO I - Da Denominação, Natureza, Sede e Duração Art. 1º. O CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO : Gerenciamento da Secretaria de Educação PROGRAMA: 005 - ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL JUSTIFICATIVA: Manutenção

Leia mais