da Rio+20 DOCUMENTOS Celso Lafer Discurso no recebimento do título de doutor honoris causa da Universidade Lyon 3 - Jean Moulin

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "da Rio+20 DOCUMENTOS Celso Lafer Discurso no recebimento do título de doutor honoris causa da Universidade Lyon 3 - Jean Moulin"

Transcrição

1 o significado da Rio+20 Celso Lafer da Rio-92 e os desafios Discurso no recebimento do título de doutor honoris causa da Universidade Lyon 3 - Jean Moulin Lyon, 4 de abril de 2012 A temática da minha exposição é complexa e multifacetada. Vou organizá-ia, propondo, inicialmente, os seus contornos, levando em conta três experiências pessoais. Estas são distintas porém complementares, posto que dizem respeito à condução e à preparação de negociações no campo do meio ambiente. A primeira experiência provém das responsabilidades que tive como ministro das Relações Exteriores do Brasil em 1992 e, como tal, a de ter sido o vice-presidente ex-offícío da Rio-n. A segunda, a de ter sido, em 2002, também como ministro das Relações Exteriores do Brasil, um partícipe do processo da Rio+ 10 realizada em Johanesburgo e, como tal, da delegação de um país que, tendo sediado a Rio-92, passou no Rio de Janeiro a "tocha" simbólica do legado do Rio para a África do Sul em 25 de julho de Estas duas experiências foram reveladoras dos desafios da atividade diplomática empenhada na cooperação internacional - empenho que envolve captar interesses comuns e compartilháveis dos Estados e administrar as desigualdades do poder prevalecentes na vida mundial. Na Rio-92 e na Rio+ 10, os desafios deste empenho transitaram pelas dificuldades inerentes às negociações da agenda ambiental. Esta é representativa de um tema global que envolve uma cooperação intergovernamental complexa, que passa por problemas de governança no âmbito do qual se imbricam, de um lado, o "interno" dos países, com suas visões, interesses, sensibilidades e, de outro, o imperativo da presença, para falar com Kant, de uma operativa razão abrangente da humanidade. Com efeito, o meio ambiente, sob a égide do conceito do desenvolvimento sustentável consagrado na Rio-92, é como a paz, e talvez mais inequivocamente do que ela, indivisível. Afeta a todos. Basta evocar o tema das mudanças climáticas. Por isso o desenvolvimento sustentável não é equacionável no âmbito territorial das soberanias. No entanto, se é difícil fazer um argumento contrário aos méritos do desenvolvimento sustentável os incentivos para pô-ia em prática esbarram na tendência generalizada de levar em conta as rotinas e necessidades políticas de curto prazo dos países, deixando num segundo plano a urgência de um polícy-dívídend de longo prazo, 179 VOL 21 N'l JUN/JUL/AGO 2012

2 frequentemente intergeracional, como aponta o "High-Level Panel on Global Sustentability do secretário-geral da ONU, Resilient People, Resilient Planet: A Future Worth Choosing". Estas dificuldades político-diplomáticas de natureza geral, no meu caso, tiveram especificidades próprias, distintas na Rio-92 e na Rio+ 10. Na Rio-92 colocavam-se as responsabilidades próprias de um país sede empenhado no sucesso da primeira grande conferência da ONU sobre temas globais realizada na década de Tratava-se, na verdade de, ao mesmo tempo, tornar presentes as perspectivas brasileiras e de desempenhar, na condição de vice-presidente ex-officio da Conferência, o papel de um tertius voltado para reconciliar posições e alcançar um terreno comum de entendimento entre as delegações, sobre os assuntos pendentes de encaminhamento. Em outras palavras, para valer-me, por analogia de uma formulação de Georges Scelle, cabia um dedoublement fonctionnel, simultaneamente atento à perspectiva brasileira e a uma visão geral preocupada com um substantivo encaminhamento de temas globais do interesse da comunidade internacional como um todo. É neste contexto que vou discutir o significado da Rio-92. Já na Rio+ 10, realizada em Johanesburgo em 2002, da qual o Brasil participou ativamente, a nossa perspectiva foi a de dedicar-se à manutenção e ao aprofundamento do legado da Rio-92 e de, nesse processo - porém sem as responsabilidades diplomáticas inerentes a um país sede do evento - trazer a contribuição da perspectiva brasileira no trato da agenda. Refiro-me, neste sentido, em especial no campo das mudanças climáticas, à implementação do Protocolo de Quioto de 1997, voltado para metas obrigatórias de redução nas emissões de gases-estufa e o papel das energias renováveis na matriz energética mundial e igualmente as preocupações com a perda da biodiversidade. A terceira experiência é de outra natureza. Provém das minhas atividades como presidente da FAPESP - a grande agência paulista de apoio à pesquisa - que aprofundou a minha percepção do papel da cultura científica como uma variável crítica da possibilidade das sociedades exercerem um papel de controle sobre o seu destino. Como é sabido, a ampliação do domínio do conhecimento é indispensável para viabilizar o desenvolvimento sustentável - é o caso das aspirações do processo de transição para uma economia de baixo carbono, um dos itens da agenda da Rio+20 - e porque os dados da pesquisa de qualidade são uma exigência do processo de negociações tecnicamente complexas como foram as da Rio-92, da Rio+ 10 e serão as da Rio+20. O zero-draft preparado pelo Bureau da ONU, divulgado em 10 de janeiro de 2012, submetido aos Estados-membros e outros stake-holders que estarão presentes na Rio+20 afirma, no seu parágrafo 53: "We call for the scientijic-basis for decision-making to be strengthened across the system and recognize that tlze intelface between science and policy-making should be enhanced". Recordo que o inequívoco marco inicial da interface entre ciência e processo decisório nas negociações do meio ambiente e, portanto, da influência da comunidade científica neste processo remonta à Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio de 1985 e ao Protocolo de Montreal sobre substâncias que destroem a Camada de Ozônio, de Com efeito, em poucos anos um fenômeno até então desconhecido transitou pelo conhecimento gerado no âmbito científico e levou aos instrumentos internacionais de regulação da matéria acima mencionada. Observo que o Preâmbulo da Convenção de 1985 explicitamente menciona a relevância de considerações científicas e tecnológicas e a necessidade de aprofundar o conhecimento da camada de ozônio e dos possíveis efeitos adversos resultantes de sua modificação. Não preciso recordar que a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, assinada na Rio-92, teve como base do processo negociador o conhecimento sobre os gases do efeito estufa gerado pelo IPCC (lntergovernmental Panel on Climate Change) criado em 1988 pelo 180 POLíTICA EXTERNA

3 o SIGNIFICADO DA RIO-92 E OS DESAFIOS DA RIO+20 PNUMA e pela Organização Metereológica Mundial, com o objetivo de trazer a contribuição da ciência no encaminhamento das causas e problemas do aquecimento global. A FAPESP vem respaldando e financiando três grandes programas vinculados a temas centrais, tanto da Rio-92 e da Rio+ 10, quanto da Rio+20: (i) o BIOTA-FAPESP que tem como objetivo catalogar e caracterizar a biodiversidade do estado de São Paulo, definindo mecanismos para sua conservação, avaliando seu potencial econômico e estimando o seu uso sustentável; (ii) o BIOEN, o programa FAPESP de pesquisa em Bioenergia, dedicado a gerar conhecimentos que assegurem a posição de liderança do Brasil na produção de Bioenergia - como é o caso do etanol da cana-de -açúcar - e, ao mesmo tempo, avaliem e mitiguem os impactos ambientais e socioeconômicos da produção de energia de biomassa, e (iii) o Programa FAPESP de mudanças climáticas globais que tem como objetivo gerar um conhecimento que, indo além da análise global, avalie as especificidades da inserção geográfica do Brasil no mundo, examinando as vulnerabilidades regionais das mudanças climáticas. E, com base na reflexão sobre o andamento destas pesquisas, respaldadas pela FAPESp, e também da experiência da nossa Instituição sobre o papel dos indicadores como instrumentos de elaboração de políticas públicas, que farei algumas sucintas considerações sobre os desafios da agenda da Rio+20. Em síntese, para explicitar o que tenho em mente em função da complementaridade das minhas três experiências: sem conhecimentos científicos de qualidade não há condição de desatar os nós que emperram o encaminhamento do desenvolvimento sustentável no mundo do século XXI, porém só com a ciência, como verifiquei na Rio-92 e na Rio+ 10, não serão resolvidos os desafios inerentes à Rio+20. Ilustro esta observação registrando que a indiscutível liderança dos EUA na produção de conhecimento na área do meio ambiente e ecologia não se vem traduzindo numa liderança nesta matéria, no plano diplomático. 11 A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, ou seja, a Rio-92, realizou-se no Rio de Janeiro de 3 a 14 de junho de Ela deu início, no mais construtivo ambiente político do pós-guerra Fria, ao ciclo de grandes conferências internacionais a respeito dos temas globais patrocinados pela ONU. No plano das ações da ONU, na área ambiental, a Rio-92 foi precedida, em 1972, pela Conferência de Estocolmo sobre Meio Ambiente Humano. Esta representou a primeira tomada de consciência, no plano mundial, da fragilidade dos ecossistemas que, integrados, sustentam a vida na Terra. Seu momento histórico, sua inspiração inicial marcada pela ideia dos "limites ao crescimento", fruto do Relatório patrocinado pelo Clube de Roma, sua inserção no mundo da política internacional das polaridades definidas - Leste/Oeste, Norte/Sul, fez com que as questões suscitadas, embora de interesse global, não fossem consideradas de maneira suficientemente abrangente. Do ponto de vista diplomático, a Conferência de Estocolmo trouxe à tona as diferenças de perspectivas entre os países em desenvolvimento e os desenvolvidos e assinalou facetas das tensões Norte/Sul, provenientes de conflitos de concepção sobre como lidar de maneira cooperativa com os problemas ambientais da ordem mundial. A Rio-92 ocorreu num momento histórico distinto, que foi fruto da queda do muro de Berlim e da subsequente desagregação da União Soviética que, por sua vez, alteraram a lógica de funcionamento da "máquina do mundo". Por isso a Rio-92 não obedeceu à dinâmica das polaridades 181 V0L21 N'l IUN/jUL!AGO 2012

4 definidas prevalecentes na diplomacia do período da Guerra Fria e abriu espaço para uma cooperação internacional mais abrangente, sensível à conjectura de tornar operativamente presente uma kantiana razão abrangente da humanidade. O espaço para uma cooperação internacional mais abrangente na Rio-92 encontrou um caminho no inovador e heurístico conceito de desenvolvimento sustentável proposto pelo Relatório Brundtland de 1987 patrocinado pelo PNUMA e intitulado Nosso futuro comum. O paradigma do desenvolvimento sustentável, com os seus três pilares - o econômico, o social e o ambiental - lastreado na ideia força que é sustentável o desenvolvimento que permite a satisfação das necessidades presentes sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atender as suas, tornou-se o ponto de partida das negociações que levaram à convocação da Rio-92. Com efeito, a abrangência do conceito de desenvolvimento sustentável favoreceu o encaminhamento, tanto das prioridades dos países desenvolvidos quanto dos países em desenvolvimento, amainando, assim, as tensões da clivagem Norte/Sul, que caracterizaram, diplomaticamente, a Conferência de Estocolmo. O Relatório de 1987 levou a Assembleia Geral da ONU a decidir, em 1988, a realização de uma conferência sobre temas ambientais e o Brasil, naquela ocasião, se propôs sediá-ia. Esta iniciativa diplomática do governo Sarney, no clima político da redemocratização brasileira, tinha como objetivo abandonar a posição até então mais defensiva do nosso país no plano internacional em matéria de meio ambiente, sinalizando uma postura mais ativa, aberta à construção de normas de mútua colaboração neste campo. A Assembleia Geral da ONU em 1989 (Resolução nº 44) convocou uma nova Conferência com o significativo título, bem mais abrangente do que o da Conferência de Estocolmo, de Conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e aceitou a proposta brasileira de sediá-ia. Definiu, na ocasião, uma ampla agenda de 23 itens, calcada no conceito do desenvolvimento sustentável, que conciliava os objetivos do desenvolvimento socioeconômico com a necessidade de proteção do meio ambiente. Não cabe, neste momento, detalhar os trabalhos do Comitê Preparatório da Conferência, superiormente presidida pelo embaixador Tommy Koh de Singapura, e que contou com a colaboração de um secretariado liderado com competência pelo canadense Maurice Strong, com tradição na área ambiental, que remontava à Conferência de Estocolmo. É importante, no entanto, registrar que o Comitê, ao largo de dois anos, elaborou grande parte dos documentos aprovados na Rio-92. O que cabe destacar nesta exposição, para esclarecer a posição brasileira, é o novo impulso diplomático dado à preparação da Rio-92 pelo presidente Collor e a sua vontade política de levá-ia a bom termo. Esta foi, como ele disse em discurso de 11 de agosto de 1990, em primeiro lugar, uma expressão da sensibilidade da sua geração com a questão ecológica. Esta sensibilidade tinha o respaldo jurídico da nova Constituição brasileira de 1988, fruto da redemocratização que consagrou, no seu artigo 225, o direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado. A vontade política do presidente Collor neste campo é também muito representativa do seu empenho em reformular a agenda interna e internacional do Brasil no mundo pós-guerra Fria, que é uma marca identificadora do seu governo. O presidente Collor deu substância operativa à sua vontade política criando, em 1990, a Comissão lnterministerial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CIMA). Presidida inicialmente pelo então ministro das Relações Exteriores, Francisco Rezek, a CIMA teve, na sua composição, ampla participação de todos os setores governamentais e não governamentais ligados à multidisciplinaridade da agenda do que veio a ser tratado na Rio-92 e, neste contexto, coordenou a preparação das posições brasileiras. O presidente Collor sinalizou politicamente a sua postura 182 POlÍTICA EXTERNA

5 o SIGNIFICADO DA RIO-92 E OS DESAFIOS DA RIO+20 sobre a relevância da matéria a ser tratada na Rio-92, designando no início do seu governo, para secretário do Meio Ambiente da Presidência da República o conhecido ativista ecológico, prof. Lutzenberger, que permaneceu nesta posição até a véspera da Conferência. Foi substituído pelo prof. José Goldemberg, o grande especialista brasileiro em energia, que associou a esta responsabilidade a condição cumulativa de secretário de Ciência e Tecnologia e foi, em função de suas atribuições, um ativo participante, tanto dos trabalhos preparatórios quanto da Rio-92. Assumi, cabe lembrar, o Ministério das Relações Exteriores em abril de Verifiquei, naquela ocasião, que viriam para a Rio-92 vários assuntos não resolvidos no âmbito do Comitê Preparatório e que incumbia ao Brasil, na condição de país anfitrião, tratar de equacionar os assuntos pendentes, seguindo o princípio da "cooperação entre os povos para o progresso da humanidade" que é um dos princípios que regem as relações internacionais do Brasil, consagrado no artigo 4 da Constituição brasileira de Parti da perspectiva, levando em conta o desafio de um dedoublement fonctíonnel deste tipo, de que o Brasil, como país em desenvolvimento, que vivia tanto os problemas ambientais derivados da pobreza e da miséria, quanto os provenientes de uma sociedade industrial moderna - teria condição de catalisar os entendimentos necessários à conciliação das posições. O meu objetivo, no exercício da condição de vice-presidente ex-offícío da Conferência, foi o de buscar espaço para o encaminhamento das relações Norte/Sul no mundo pós-guerra Fria, sob o signo da cooperação, conduzindo a gestão do processo da busca de consenso em interação permanente com o já mencionado embaixador Tommy Koh que, no Rio, presidiu o Comitê Principal da Conferência, e Maurice Strong do Secretariado, e contando com a destacada colaboração dos grandes quadros do Itamaraty que atuaram com grande competência nos oito grupos de negociações que trabalharam para o sucesso diplomático da Rio-92. Lembro o papel do embaixador Rubens Ricupero no encaminhamento dos difíceis temas de financiamento da Agenda 21, que carregavam no seu bojo a problemática Norte/Sul. Durante a Rio-92 foram finalizados os principais documentos por ela aprovados: a Agenda 21, a Declaração do Rio, a Declaração sobre o Manejo, a Conservação e o Desenvolvimento Sustentável de todos os Tipos de Florestas, e assinou-se a Convenção do Clima e a Convenção da Biodiversidade. Deliberação emanada da Rio-92 levou ao processo negociador que resultou, em 1994, na Convenção sobre o combate à desertificação. A Rio-92 foi o maior evento internacional sediado pelo Brasil. A ela compareceram 172 países chefes de Estado ou de governo no seu segmento de cúpula - 16 agências especializadas (por exemplo: FMI, Banco Mundial, GATT), 35 organizações intergovernamentais. Na Rio-92 foram credenciados para dela participar um até então inédito número de representantes de organizações não governamentais, cabendo mencionar, o funcionamento, no Parque do Flamengo do Fórum Global. Este realizou uma série de eventos paralelos à reunião intergovernamental no Rio Centro, que reuniu ativistas dos múltiplos movimentos ambientais. A participação das ONGs na própria Conferência e no Fórum Global, respondeu de maneira inovadora a agenda da opinião pública, nacional e internacional, e as sensibilidades mais amplas da sociedade civil em matéria de temas ambientais. O credenciamento de jornalistas de todos os países contribuiu para a abrangente repercussão da Rio-92 e para dela fazer uma inovadora expressão de uma diplomacia aberta. É de justiça registrar que, na Rio-92, o presidente ColIor, nas plenárias e nas dezenas de contatos com altas autoridades estrangeiras, revelou a sua sensibilidade e conhecimento das matérias em discussão, aprofundando, deste modo, no plano diplomático, o significado da Conferência. 183 VOL21 N'l IUN/jUL/AGO 2012

6 A Rio-92 foi vista como um Earth Summit, ou seja, como uma abrangente expressão da diplomacia de uma cúpula da terra. A prática da diplomacia de cúpula generalizou-se depois da Segunda Guerra Mundial e está associada ao desenvolvimento e crescente presença dos meios de comunicação. Reuniões deste tipo veem-se precedidas, como foi o caso da Rio-92, por um trabalho de preparação. Na ocasião em que se realizam são dirimidas as questões pendentes - como foi o caso da Rio-92 - e configuram um momento que capta a atenção da opinião pública, nacional e internacional, transmitindo, pelos meios de comunicação, mensagens que informam sobre a importância e os resultados da ação diplomática. No caso da Rio-92 a mensagem foi a da relevância da agenda internacional dos temas do meio ambiente. Como é sabido, a percepção da realidade integra a realidade. Neste sentido a Rio-92 teve o significado de consolidar de maneira duradoura na agenda internacional os temas do meio ambiente e sua constitutiva interligação com o desenvolvimento sustentável. Da mesma maneira que a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 incorporou aspirações normativas à agenda internacional, os documentos da Rio-92 - a Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Agenda 21, a Convenção do Clima e a da Biodiversidade - incorporaram as preocupações ambientais na agenda internacional e para ela traçaram uma vis directiva. Destaco, na Declaração do Rio, o reconhecimento de que o meio ambiente não é uma externalidade e precisa ser internalizado nos processos decisórios de desenvolvimento (Princípio 4) e aponto que a "ideia a realizar" de responsabilidades comuns porém diferenciadas (Princípio 7) foi a maneira de superar, de maneira construtiva, a clivagem Norte/Sul que caracterizou a Conferência de Estocolmo. Faço um parêntesis para apontar que, nos 20 anos que decorreram da Rio-92 para a Rio+20, a operacionalização do princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas, tornou-se mais complexa. O princípio continua apontando, decorridos 20 anos, para existentes realidades internacionais que justificam a diferenciação das responsabilidades. É o que assinala o recente relatório do PNUMA, de 2011, Keeping Track of our Changing Environment, From Rio-92 to Rio +20 ao apontar, no capítulo fundamental da geração e conservação de energia, que o seu consumo nos países desenvolvidos é 12 vezes superior a dos países em desenvolvimento, que existe, por isso mesmo, um electric divide, separando o Norte do Sul e que a parcela majoritária de energia proveniente da biomassa é a da biomassa tradicional (lenha), usada em países em desenvolvimento para cozinhar e aquecer. Por outro lado, e este é o dado novo do contemporâneo, a emergência econômica da China e também, ainda que em outra escala, da Índia, trouxeram uma alteração dos dados da questão em matéria do pilar ambiental do desenvolvimento sustentável no plano global. Estes dois grandes países - monster countries, como o Brasil, na qualificação de Kennan - não deixam de ser, em termos per capita e dos problemas que enfrentam em matéria de magnitude da pobreza, países em desenvolvimento. Entretanto, a celeridade do crescimento que vem experienciando e o impacto que isto vem produzindo sobre os fatores ambientais, a começar pela atmosfera, obriga a falar numa outra dimensão, ausente na Rio-92. Em outras palavras, megaestados de crescimento rápido trouxeram novos aspectos para o objetivo de assegurar apropriadamente e com a urgência necessária, o pilar ambiental do desenvolvimento sustentável em escala planetária. Será necessário encontrar, para essa categoria de países, um tratamento que não poderá ser o da total isenção de metas obrigatórias de redução das emissões de gases de efeito estufa. Como costumava dizer Marina Silva, figura de destaque, de ressonância internacional do ambientalismo no Brasil e antiga ministra do Meio Ambiente no governo Lula, responsabilidade diferenciada quer dizer responsabilidade diferente e não pode ser interpretada como ausência de responsabilidade. Não ignoro, 184 POLfTICA EXTERNA

7 o SIGNIFICADO DA RIO-92 E OS DESAFIOS DA RIO+20 evidentemente, as dificuldades políticas e técnicas deste tema e o que pode acarretar no âmbito da tradicional lógica diplomática do Grupo dos 77, que reúne os países em desenvolvimento nos foros multilaterais. Penso, no entanto, que o tema das mudanças climáticas é de tal relevância para o futuro do desenvolvimento sustentável, que o problema precisa ser enfrentado e que está ao alcance do Brasil contribuir para encaminhá-ia. Quanto ao impacto da percepção da relevância da agenda ambiental derivada da Rio-92, aponto que o Preâmbulo do Acordo de Marrakesh de 1994, que criou a OMC, consagra os objetivos de desenvolvimento sustentável e que o seu sistema de solução de controvérsias, com a abertura dada pelas exceções gerais do artigo XX do GATT de 1994, vem tratando de contenciosos em que estão em jogo comércio e sustentabilidade ambiental assim como comércio e exploração de recursos naturais. Vale a pena, também, observar, na esteira do relatório do PNUMA acima mencionado, a crescente adoção pelas empresas de standards de gestão ambiental- (ISO ), o crescimento dos investimentos em energia renovável e da certificação do manejo ambiental de florestas (FSC - Forest Stewardship Council e PEFC - Programme for the Endorsement of Forest Certification). 111 Vou ser naturalmente muito mais circunscrito no trato da Rio+ 10, que se realizou em Johanesburgo em agosto de Aponto que esta Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável teve como objetivo uma revisão do progresso alcançado na implementação dos resultados da Rio-92. Neste sentido, em contraste com a Rio-92 que articulou as aspirações e uma visão comum dos objetivos a serem alcançados no campo ambiental, Johanesburgo foi essencialmente uma conferência de implementação, na qual a consecução daqueles objetivos foi submetida ao duro teste da realidade das dificuldades diplomáticas inerentes à negociação da agenda do desenvolvimento sustentável. Também cabe realçar que a Rio-92 ocorreu no positivo contexto político internacional trazido pela aspiração de um momento kantiano propiciado pelo fim da Guerra Fria. Já, a Rio +10 deu-se no contrastante aflorar de um momento hobbesiano da vida internacional, do qual os ataques terroristas aos EUA em 11 de setembro de 2001 são um emblema. A estas diferenças entre os momentos políticos que distanciam as duas cúpulas, cabe agregar que a Presidência da África do Sul deu ênfase ao pilar social do desenvolvimento sustentável e teve como objetivo focar a pobreza, em especial a pobreza extrema. Por isso a África do Sul empenhou-se, em Johanesburgo, em chancelar a NEPAD (New Partnership for African Development), que traduziu válidas e legítimas aspirações da região e acabou dando uma perspectiva individualizada em relação ao resto do mundo, que redundou numa diminuição do relevo do conceito de desenvolvimento sustentável como um tema global. O Brasil, no governo Fernando Henrique Cardoso, preparou-se com seriedade para a Rio+ 10 e, para isso, constituiu uma abrangente Comissão Interministerial, composta por membros do governo, de ONGs, do setor empresarial e da comunidade acadêmica. Articulou posições, em especial com os países da América Latina e do Caribe, com os quais trouxe para a Conferência meta, que não foi chancelada, de que até 2010, 10% de toda a energia utilizada no mundo fosse de fontes renováveis. Propôs a criação de um Fundo para a Biodiversidade Biológica, que começaria com modestos recursos, oriundos dos países detentores de maior biodiversidade, cabendo lembrar que Johanesburgo abriu espaço para uma articulação do grupo, que o Brasil integra, dos países megadiversos. Estes colocaram como objetivos reduzir de maneira significativa a taxa de a 185 V0L21 N"1 JUN/jUL!AGO 2012

8 perda de biodiversidade entre os seus membros e, ao mesmo tempo, assegurar que os benefícios oriundos da conservação e uso sustentável dos recursos biológicos viessem a ser utilizados para o desenvolvimento dos países de origem e das populações locais, bem como da humanidade em geral. Isto se traduziu em iniciativas, no âmbito da OMC, de dar um enfoque mais aberto e menos individualista, dos direitos de propriedade intelectual. O Brasil reiterou, na Rio+ 10, oficialmente o empenho diplomático do país em efetivar, no âmbito da Convenção do Clima, o Protocolo de Quioto como caminho para guiar os esforços internacionais de reverter o aquecimento global. Em síntese, na Rio+ 10, o Brasil do presidente Fernando Henrique Cardoso, em consonância com suas responsabilidades com o legado da Rio-92 e com a efetiva importância que atribuiu às políticas públicas do meio ambiente, foi construtivamente propositivo numa conferência que reiterou mas não avançou no plano internacional, o conceito do desenvolvimento sustentável mas que, como aponta o embaixador André Correa do Lago, se beneficiou do envolvimento, não apenas das ONGs, mas de novos atores como os do setor produtivo, que adquiriram consciência da importância da matéria em discussão. IV A Rio+20 ocorrerá em junho de Terá lugar no Rio de Janeiro por iniciativa do presidente Lula que logrou o apoio da comunidade internacional para fazer do nosso país o anfitrião da nova Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, tendo em vista o significado da Rio-92 e o papel desempenhado pelo Brasil na consolidação do conceito de desenvolvimento sustentável na agenda internacional. Nesta antevéspera da Rio+20 cabe realçar que o pilar ambiental do desenvolvimento sustentável continua fragilizado. Todos os componentes do meio ambiente, terra, água, biodiversidade, atmosfera continuam sendo degradados como aponta, com propriedade, o relatório do PNUMA acima mencionado, o Keeping Track of our Changing Environment. De acordo com os dados provenientes deste relatório, a temperatura média da terra, segundo as várias estimativas disponíveis, indica um crescimento de 0,4 centígrado entre 1992 e 2010 e este aquecimento global está ligado à emissão de C02, que aumentou em cerca de 9% desde 1992 e que continua a avolumar-se por conta do crescimento do uso de combustíveis fósseis, apesar da maior eficiência energética que tem ocorrido nos processos produtivos. Petróleo, carvão e gás dominam, com o percentual de 80%, a produção de energia para a eletricidade, aquecimento, transporte e usos industriais. A participação da energia renovável na matriz energética mundial é modesta comparada com a presença de combustíveis fósseis. Estima-se que a quantia de energia proveniente de fontes renováveis, nisto incluído a solar, a eólica, a hidráulica e a biomassa, aumentou de 13% em 2008 para 16% em A maior contribuição para esta parcela de energia renovável provém da biomassa (10%), porém a maior parcela do uso de biomassa (60%) em escala mundial origina-se como já apontado, da biomassa tradicional (lenha) (60%) utilizada nos países em desenvolvimento para cozinhar e aquecer. Em síntese, apesar da atenção que vem sendo dada à energia oriunda de fontes renováveis e proveniente de tecnologias modernas como é o caso da solar, da eólica, a da biomassa de etanol continua modesto o seu significado percentual na matriz energética mundial. Assim, independentemente da maior ou menor precisão destes dados, o fato é que eles indicam, com clareza, tendências que configuram a urgência do presente no trato do pilar ambiental 186 POLíTICA EXTERNA

9 o SIGNIFICADO DA RIO-92 E OS DESAFIOS DA RIO+20 do desenvolvimento sustentável como sublinha Israel Klabin, presidente da Fundação Brasileira de Desenvolvimento Sustentável. Esta urgência esbarra em dificuldades. Com efeito, a Rio+20 irá ocorrer num cenário internacional difícil, permeado por significativas tensões políticas e pelo desdobramento da crise econômico-financeira iniciada nos EUA em 2008 com significativas consequências e especificidades que, na Europa, têm impactado o euro e que atinge, ainda que de maneira diferenciada, a maior parte dos países do mundo. Neste sentido, o contexto internacional da Rio+20 está mais próximo da Rio+ 10 e muito distante da Rio-92, com um agravante adicional. Com efeito, a Rio+20 irá ocorrer num sistema internacional no qual vem se verificando uma crescente multipolaridade política e econômica, da qual o surgir dos BRICs são uma ilustração. Esta multipolaridade, no entanto, não se traduziu, até o momento, na capacidade de gerar uma ordem internacional mais estável, dotada de visão do futuro. Disso são exemplos os impasses da reforma do sistema financeiro e monetário, apesar do empenho do G20, que é por si só uma expressão da nova multipolaridade, assim como as dificuldades da Rodada Doha da OMC, que exprimem os obstáculos em transformar em obrigações o Mandato negociador da Conferência de Doha de Em outras palavras, existe uma difusa, porém real disjunção entre ordem e poder no plano internacional, sombra que paira sobre a Rio+20. que é uma Do ponto de vista da vontade política do país-sede há uma clara diferença entre a prioridade atribuída à Rio-92 pelo governo Collor e a prioridade dada à Rio+20 pelo governo Dilma. No governo Collor a prioridade foi altíssima, posto que correspondia a uma sensibilidade geracional e ao tema da reorganização da agenda interna e externa do país no mundo pós-guerra Fria que foi a marca da sua gestão. Representava, além do mais, uma oportunidade única para inequivocamente afirmar a presença do Brasil redemocratizado no mundo. Não existe, no governo Dilma, por várias razões que não cabe, neste momento, detalhar, o mesmo nível de atuação e a mesma prioridade. Na Rio+ 10, realizada em Johanesburgo em 2002, o Brasil de Fernando Henrique Cardoso foi propositivo, em consonância com a inovadora visão do seu governo neste e em outros campos da agenda nacional e internacional do país. Concentrou o seu foco, como acima mencionado, na atenção que cabia dar à energia de fontes renováveis, aos desafios da mudança climática e ao papel do Protocolo de Quioto nas metas de redução de emissão de C02, e ao aprofundamento caminhos na área da biodiversidade. Na Rio+20 o documento apresentado pelo Brasil em 1º de novembro de 2011 para o processo preparatório da Conferência é abrangente e o já mencionado zero draft de 10 de janeiro de 2012, da ONU, que está em discussão, se tem os méritos de abrangência no trato do desenvolvimento sustentável é modesto no foco e conteúdo concreto atribuído ao pilar ambiental. Isto vem levando respeitáveis personalidades brasileiras, que tiveram destacada atuação na Rio-92, como o prof. José Goldemberg e o embaixador Rubens Ricupero, a apontar a relevância de conferir na Rio+20, em função das urgências do presente, mais conteúdo concreto ao pilar climático e ambiental do desenvolvimento sustentável que é a condição de possibilidade dos demais pilares. Cabe lembrar que a possibilidade do exercício de uma atuação mais propositiva brasileira tem o lastro do fato que o loeus standi do país no mundo mudou de patamar de 1992 a 2012 e que no campo da agenda internacional do desenvolvimento sustentável o Brasil é uma grande potência, pois nenhum dos seus grandes temas pode ser cooperativamente encaminhado sem uma ativa participação do nosso país. Sei, em função da minha experiência na Rio-92 e na Rio+ 10, que são difíceis as negociações diplomáticas de uma Conferência Multilateral como a do Rio+20 e que não são simples os proces- de 187 VOL2! N! JUN/jUL/AGO 2012

10 sos internos de mobilização da vontade política para liderar, como país-sede, os caminhos de um evento internacional voltado para aprofundar o desenvolvimento sustentável. Registro, no entanto, na condição de observador atento, que o desafio da Rio+20 é evitar tanto a diluição dos seus resultados quanto o de circunscrever o campo do possível a exortações consensuais. Assim, à luz da minha experiência na FAPESP quero, em primeiro lugar, destacar a importância do aprofundamento do conhecimento científico para embasar negociações mais ambiciosas que permitam dar conteúdo operativo a uma kantiana razão abrangente da humanidade. Não vou traçar um road map desta empreitada, mas realçar que a consolidação da parceria ciência, diplomacia e sociedade seria um válido objetivo para a Rio+20. Quero concluir esta exposição que já vai longa, modestamente, porém de maneira propositiva, aflorando alguns pontos com base nas pesquisas apoiadas pela FAPESP que, no meu entender, cabe ao Brasil dar um relevo e um foco todo especial na Rio+20. No campo da energia é pertinente, na sequência da tradição diplomática brasileira e do proposto na Rio+ 10, reforçar as metas da ampliação de eficiência energética e insistir na meta de aumentar significativamente a porcentagem da energia proveniente de fontes renováveis na matriz energética mundial. No capítulo das modernas tecnologias e do conhecimento necessário para levar isto adiante tenho em mente os resultados e a avaliação do BIOEN - o Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia - e o que vem sendo alcançado no nosso país com a bioenergia proveniente do etanol da cana-de-açúcar e da biomassa em geral. No âmbito dos problemas da mudança climática, que é um dos mais urgentes, tendo em vista o aquecimento global e levando em conta que neste âmbito o Brasil tem sido protagônico, tanto no governo de Fernando Henrique Cardoso quanto no de Lula e teve, no governo Dilma, em 2011, uma atuação de destaque na COP-17, realizado em Durban e para a qual muito contribuiu o embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, cabe dar sequência e reforçar, na Rio+20, os compromissos de implementação da Plataforma de Durban. Tenho em mente, neste âmbito, o Programa FAPESP de mudanças climáticas globais e o foco que atribuiu às vulnerabilidades regionais das mudanças climáticas que incidem na inserção geográfica do Brasil no mundo. Em matéria de biodiversidade no âmbito do qual o Brasil, na condição de um país megadiverso, teve iniciativas na Rio+ 10, julgo importante realçar que este é um campo que não se beneficiou, como o da mudança climática, por obra do IPCC, de uma plataforma de conhecimento que permita guiar a ação. Neste sentido poderá ser muito relevante para a elaboração de uma apropriada plataforma de conhecimento neste campo, tal como proposto em Nagoia em outubro de 2010 na COP 10 da Convenção sobre Diversidade Biológica, já referendada pela ONU, a experiência acumulada do BIOTA-FAPESP. Com efeito, como vem sendo defendido por Carlos Joly, o coordenador deste programa da FAPESp, os trabalhos do IPBES (Plataforma Intergovernamental para Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos) seguramente se beneficiarão das metodologias que têm trazido resultados muito positivos, inclusive no campo das políticas públicas, no âmbito do estado de São Paulo, para a conservação e uso sustentável da biodiversidade. Em matéria de indicadores, tão relevantes para sustentar políticas públicas, seja, para o encaminhamento de economias de baixo carbono, seja para lidar, como diz o prof. Jacques Marcovitch com as métricas do desenvolvimento sustentável, cabe conferir alta prioridade para a elaboração de indicadores de compreensão universal que viabilizem ações concertadas, agregando aos conhecidos indicadores de crescimento econômico e aos de desenvolvimento humano (IDH), indicadores de sustentabilidade ambienta!. 188 POlÍTICA EXTERNA

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável CONFERÊNCIA RIO+20 20 e 22 de junho de 2012 20º aniversário da Conferência das Nações

Leia mais

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG Thesaurus Editora 2008 O organizador Amado Luiz Cervo Professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Sênior do CNPq. Atua na área de relações internacionais e política exterior do Brasil,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011 BRICS Monitor Especial RIO+20 Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul Novembro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Boletim do Legislativo nº 6

Boletim do Legislativo nº 6 Boletim do Legislativo nº 6 Estocolmo 72, Rio de Janeiro 92 e Joanesburgo 02 : as três grandes conferências ambientais internacionais Carlos Henrique Rubens Tomé Silva 1 Em junho de 2012, será realizada

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei:

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei: PROJETO DE LEI N /2009 Institui a Política sobre Mudança do Clima do Estado da Bahia e dá outras providencias. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

2. Segmento de Alto Nível da Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas: 6 a 9 de Dezembro;

2. Segmento de Alto Nível da Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas: 6 a 9 de Dezembro; RelatóriodaDelegaçãodaAssembleiadaRepúblicaPortuguesaà ConferênciadasNaçõesUnidasparaasAlteraçõesClimáticas(COP 17/CMP 7)emDurban,ÁfricadoSul I)Membrosdadelegação: DeputadoAntónioLeitãoAmaro(GPPSD) DeputadoFernandoJesus(GPPS).

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS Direito e Mudanças Climáticas Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: o que o Direito tem a ver com isso? Mudanças Climáticas Alterações

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal. Com a publicação do edital para Auditor-Fiscal da Receita Federal, como é de costume, houve mudanças em algumas disciplinas, inclusão de novas, exclusão de outras. Uma das

Leia mais

A mudança do clima na perspectiva do Brasil: negociações e ações futuras

A mudança do clima na perspectiva do Brasil: negociações e ações futuras Sérgio B. Serra*¹ A mudança do clima na perspectiva do Brasil: negociações e ações futuras Governantes e sociedade civil, no mundo inteiro, debruçam-se sobre os resultados dados à luz do último relatório

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

Desenvolvimento e Sustentabilidade Ambiental. Subgrupo 3

Desenvolvimento e Sustentabilidade Ambiental. Subgrupo 3 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PR SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SRI SECRETARIA DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL SEDES CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES CONTRIBUIÇÃODO

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SANYA. Reunião de Líderes do BRICS Sanya, China, 14 de abril de 2011

DECLARAÇÃO DE SANYA. Reunião de Líderes do BRICS Sanya, China, 14 de abril de 2011 DECLARAÇÃO DE SANYA Reunião de Líderes do BRICS Sanya, China, 14 de abril de 2011 14/04/2011-1. Nós, os Chefes de Estado e de Governo da República Federativa do Brasil, da Federação Russa, da República

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Carta da Terra e Ecopedagogia

Carta da Terra e Ecopedagogia Carta da Terra e Ecopedagogia A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana Labrea O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo um

Leia mais

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado;

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado; PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima, fixa seus

Leia mais

CÚPULA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, REALIZADA EM JOHANNESBURGO, ÁFRICA DO SUL

CÚPULA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, REALIZADA EM JOHANNESBURGO, ÁFRICA DO SUL CÚPULA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, REALIZADA EM JOHANNESBURGO, ÁFRICA DO SUL JOSÉ DE SENA PEREIRA JR. Consultor Legislativo da Área XI Geografia, Desenvolvimento Regional, Ecologia e Direito

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO Os Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL e dos Estados Associados, reunidos na

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável Fevereiro de 2011 1 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 1Apresentação Esta plataforma expressa a visão e os objetivos

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Bases para a ação CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS 38.1. O mandato da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Leia mais

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Junte-se à iniciativa 4 por 1 000 Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Baseada em uma documentação científica sólida e em ações de campo concretas, a iniciativa "4 por 1000" visa mostrar

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Comissão europeia - Ficha informativa

Comissão europeia - Ficha informativa Comissão europeia - Ficha informativa Perguntas e respostas sobre a Comunicação da Comissão Europeia: Protocolo de Paris Um roteiro para o combate às alterações climáticas ao nível mundial para além de

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba A INFLUÊNCIA DA CHINA NA ÁFRICA SETENTRIONAL E MERIDIONAL Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011 Henrique Altemani de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade

Leia mais

Acordo de Paris. Convieram no seguinte:

Acordo de Paris. Convieram no seguinte: Acordo de Paris As Partes deste Acordo, Sendo Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, doravante denominada "Convenção", De acordo com a Plataforma de Durban para Ação Fortalecida

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima Dr. Osvaldo Moraes Diretor DEPPT/MCTI Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto O regime diferencia obrigações de países

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Comunicado Conjunto por ocasião das Primeiras Consultas Intergovernamentais de Alto Nível Brasil-Alemanha. Brasília, 20 de agosto de 2015

Comunicado Conjunto por ocasião das Primeiras Consultas Intergovernamentais de Alto Nível Brasil-Alemanha. Brasília, 20 de agosto de 2015 Comunicado Conjunto por ocasião das Primeiras Consultas Intergovernamentais de Alto Nível Brasil-Alemanha Brasília, 20 de agosto de 2015 Em 19 e 20 de agosto de 2015, a Presidenta da República Dilma Rousseff

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na reunião do Fórum de

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FORTALEZA UM CHAMADO PARA A AÇÃO

DECLARAÇÃO DE FORTALEZA UM CHAMADO PARA A AÇÃO DECLARAÇÃO DE FORTALEZA Segunda Conferência Internacional sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento em Regiões Semiáridas (ICID 2010) Fortaleza, Ceará, Brazil 16 20 de Agosto, 2010 UM CHAMADO PARA

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana ASSEMBLEIA PARLAMENTAR

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Todos pela Equidade Organização Mundial da Saúde Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro Brasil De 19 a 21 de Outubro de 2011 Declaração Política do Rio sobre Determinantes

Leia mais

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1 IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1. INTRODUÇÃO As identidades coletivas, em qualquer domínio considerado, assumem uma importância central; a sua afirmação dá sentido aos projetos comuns, promove

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC,

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, A Secretaria Executiva do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC) realizou, em 12 de março de 2013, reunião de discussão e apresentação

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PARECER N.

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PARECER N. PARECER N.º, DE 2015 Opina acerca do Acordo sobre Constituição da Rede Internacional do Bambu e do Ratã, celebrado em Pequim, em 6 de novembro de 1997, nos termos da MSC n.º 379/2014. I RELATÓRIO A Excelentíssima

Leia mais

Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima

Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima As Partes deste Protocolo, Sendo Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, doravante denominada

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 Tema: Mudanças Climáticas Palestrante: Érika Pires Ramos Resumo. O presente ensaio pretende ser uma

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC e estabelece seus

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais