Tema de Trabalho : Desenvolvimento com Eqüidade e Responsabilidade Ambiental

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tema de Trabalho : Desenvolvimento com Eqüidade e Responsabilidade Ambiental"

Transcrição

1 Desde 2003 o Brasil é membro efetivo da Associação Internacional de Conselhos Econômicos e Sociais e Instituições Similares (AICESIS), e em junho de 2007 assumiu a sua presidência para um mandato de dois anos. A AICESIS é uma organização intergovernamental que reúne instituições de países na África, Europa, América Latina e Ásia, tem assento no ECOSOC/ONU, no Conselho Europeu e é observadora junto à OIT. A proposta temática para o período da presidência brasileira (biênio ) foi aprovada na reunião do Conselho de Administração da AICESIS, realizada nos dias 5 e 6 de novembro de 2007 nas cidades de Brasília e Lençóis, na Bahia. A AICESIS se dispôs, então, a debater e gerar recomendações sobre o Desenvolvimento com Eqüidade e Responsabilidade Ambiental, tendo como foco a energia e suas relações como o desenvolvimento e o meio ambiente, levando em conta sua vocação para questões que contemplam o conjunto dos povos e seu potencial para contribuir para um esforço mundial coordenado, convergente e solidário. O Coordenador Geral da Comissão Relatora, Conselheiro Artur Henrique, apresenta o texto abaixo como o primeiro documento da Comissão, a partir das contribuições enviadas por diversos conselhos, tais como, China, França, Holanda e Mali e pela contribuição da Mesa Redonda Internacional: Energia para o Desenvolvimento com Eqüidade e Responsabilidade Ambiental realizada, no Rio de Janeiro, nos dias 26, 27 e 28 de fevereiro. Primeiro Documento do relator-geral Tema de Trabalho : Desenvolvimento com Eqüidade e Responsabilidade Ambiental Aos Presidentes dos Conselhos Econômicos e Sociais e Instituições Similares membros da AICESIS. A proposta temática para o período da presidência brasileira (biênio ) aprovada na reunião do Conselho de Administração da Associação Internacional dos Conselhos Econômicos e Sociais e Instituições Similares (AICESIS), realizada nos dias 5 e 6 de novembro de 2007 no Brasil, nas cidades de Brasília (DF) e Lençóis (BA) foi Desenvolvimento com Eqüidade e Responsabilidade Ambiental, tendo como foco a energia e suas relações com o desenvolvimento e o meio ambiente. A AICESIS se dispôs, então, a debater e gerar recomendações sobre o tema e todos os seus membros foram convidados a participar dessa construção coletiva. Representantes dos seis continentes que integram a Associação foram designados para coordenar os debates e desencadear um processo de reflexão coletiva. Para a relatoria geral, eu, Conselheiro Artur Henrique da Silva Santos, membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social brasileiro (CDES), fui apontado. Discussões já se encontram, em andamento, no âmbito de diferentes Conselhos. Cinco desses - Brasil, China, França, Holanda e Mali já nos encaminharam reflexões sobre o tópico e recomendações quanto a possíveis formas de atuação da AICESIS no

2 âmbito de seus países, a partir de suas especificidades sociais, políticas, econômicas e ambientais e no contexto da economia globalizada. Para estimular o debate e colher subsídios, o Conselho brasileiro realizou uma mesa-redonda internacional intitulada Energia para o Desenvolvimento com Eqüidade e Responsabilidade Ambiental, nos dias 26 e 27 de fevereiro do ano corrente, no Rio de Janeiro. A mesa redonda abordou, com profundidade, dois tópicos específicos que estão embutidos no tema mais amplo. O primeiro tema tratou da questão energética e suas relações com o aquecimento global do planeta e abordou aspectos perversos e ecologicamente equivocados dos modelos de desenvolvimento, altamente poluidores, hoje adotados pela maioria dos países: desenvolvidos ou em desenvolvimento. Examinou, também, a viabilidade de correções a esses modelos ou mesmo mudanças de paradigmas. O segundo tema examinou a questão das energias renováveis, com destaque para os biocombustíveis, ressaltando aspectos de extrema importância para todos os povos como: a questão da segurança alimentar versus a segurança energética e a necessidade imperiosa de assegurar a geração de empregos decentes no processo de reconstrução da matriz energética mundial. Inúmeros estudiosos têm defendido a necessidade de manter os biocombustíveis como bons exemplos de energias limpas. Caso não sejam incluídos no rol das energias renováveis e limpas, sugerem, o mundo em desenvolvimento poderá estar perdendo mais uma vez uma grande oportunidade de dar um salto de desenvolvimento por meio de inovações tecnológicas e do comércio. Para os países desenvolvidos, sugerem esses analistas, esta exclusão poderá representar prejuízos para seus consumidores e agravar o atual quadro de desaceleração econômica nesses países. Advogam que os biocombustíveis podem se tornar uma maneira eficiente de estender os benefícios da globalização à grande maioria da população pobre do mundo e, ao mesmo tempo, assegurar uma resposta adequada ao desafio do aquecimento global. Essa questão, contudo, é extremamente controversa e deve merecer uma reflexão profunda por parte dos nossos Conselhos. Participaram da mesa redonda representantes do Brasil, China, Espanha, Argélia, Guiné Conakry, Rússia, Itália e CESE. Os especialistas e demais palestrantes contribuiram, de forma significativa para aportar conceitos e reflexões para a construção coletiva do documento final que será produzido ao longo da presidência brasileira da AICESIS. As oito delegações que compareceram ao evento se reuniram no dia 28 de fevereiro de 2008, sob a coordenação do Senhor Bertrand Duruflé, Secretário-Geral da AICESIS e pactuaram uma metodologia de trabalho que permitisse ampliar as contribuições de todos os Conselhos e propiciar uma construção coletiva de posições e recomendações da AICESIS sobre o tema de trabalho acima especificado. A metodologia para os trabalhos da relatoria, acordada nessa reunião, prevê que representantes regionais provoquem e coordenem contribuições dos demais Conselhos e Instituições Similares no âmbito de suas regiões. Eu fiquei responsável, enquanto relator-geral, pela preparação do documento final a ser apreciado na Assembléia Geral de Dada a complexidade do tema e a diversidade de opiniões, espera-se que este documento retrate visões alternativas e recomendações quanto às formas de participação que a sociedade civil pode assumir no processo de discussão e encaminhamento de políticas privadas e públicas. Coube, também, a mim, encaminhar a todos os membros da AICESIS esta nota sucinta de orientação, contendo uma síntese das contribuições que alguns países nos 2

3 enviaram sobre o tema e os subsídios colhidos das apresentações dos especialistas na mesa-redonda internacional. Com base nestas notas os demais Conselhos e Instituições Similares vão debater e enviar novas contribuições, com prazo de apresentação estipulado para 1 o de maio. Como foi ressaltado em carta anterior aos Presidentes dos Conselhos, os representantes regionais têm um papel particular a ser cumprido: mobilizar seus pares para realizar esse esforço coletivo, de forma que, o documento a ser debatido na Assembléia de Roma, prevista para os dias 12 e 13 de junho do presente ano, nos permita delimitar pontos comuns e possíveis acordos sobre aspectos importantes para os países envolvidos. Reunindo as contribuições encaminhadas, na primeira etapa do trabalho, à Secretaria-Geral e à SEDES e aspectos que me pareceram de grande importância ressaltados na mesa-redonda internacional, faço o esforço de elaborar um parecer preliminar e compartilhá-lo com todos os membros da AICESIS. Considerando: Que nosso planeta tem enfrentado mudanças do clima que, por definição, não são resultado simplesmente de fenômenos naturais. A ação humana tem papel predominante nessas alterações que decorrem do aquecimento global da Terra; Que mudanças do clima somente serão resolvidas dentro de uma perspectiva de desenvolvimento sustentável, caracterizado pelo equilíbrio entre: crescimento econômico e desenvolvimento social, político e proteção ambiental. Que a busca de soluções para os problemas causados pelo aquecimento global devem ser coordenadas com recomendações referentes ao desenvolvimento dos países e tendo a questão da promoção da eqüidade como norte para todos os debates; Que crescimento econômico é objetivo de todos os países do mundo e que crescimentos explosivos provocam demandas crescentes por recursos naturais, em geral, e por energia, em particular; Que a crescente demanda por energia, somada à convicção de que as reservas de petróleo insumo mais importante da matriz energética mundial - são finitas, vêm levando a um aumento significativo do preço dessa commodity estratégica o que pode vir a comprometer o futuro do crescimento sustentável de países não produtores e/ou importadores de petróleo; Que estudos sugerem que os prejuízos serão maiores em regiões onde as temperaturas já são altas, com tendência a reforçar o fosso que separa os países ricos dos pobres ampliando a já desigual relação Norte-Sul; Que durante o último século, os países mais desenvolvidos completaram o seu processo de industrialização, consumindo enormes quantidades de recursos naturais, especialmente energia, e utilizando matrizes energéticas sujas: 95% de combustíveis fósseis contra 5% de combustíveis renováveis. E que hoje, alguns países em desenvolvimento estão passando pelo seu próprio processo de industrialização, e um aumento do consumo de energia com ampliação das 3

4 emissões de gases de efeito estufa - é inevitável para sustentar suas trajetórias de desenvolvimento econômico e social. Que as responsabilidades pelo equacionamento dos problemas decorrentes do aquecimento global, embora comuns, precisam ser diferenciadas; Que os desafios ambientais e os efeitos colaterais do desenvolvimento, somente podem ser superados por meio do próprio desenvolvimento; Que, neste cenário, o potencial apresentado pelos combustíveis renováveis se torna particularmente relevante e sua incorporação à matriz energética mundial imperativa. Tanto enquanto fonte de geração de energia limpa como porque os combustíveis renováveis podem abrir grandes oportunidades de produção, consumo e de geração de empregos para países pobres e em desenvolvimento; Que há convicção de que a conservação dos recursos globais e a possibilidade de surgimento de crises energéticas requerem ação concertada de todos os países; parece não haver dúvida quanto à necessidade da AICESIS se comprometer com o futuro do planeta e buscar induzir a sociedade civil a apoiar a implementação de políticas e boas práticas que busquem combater os fatores que agravam o aquecimento global junto aos setores privado e público e que conduzam a situações de maior eqüidade entre cidadãos de países e entre países, diminuindo o fosso entre os ricos e pobres. Assim, urge que nossas Instituições trabalhem junto aos responsáveis pela elaboração de políticas públicas, aos empresários dos setores privado e público, aos que militam em organismos não governamentais e outros segmentos da sociedade civil organizada, em seus respectivos países e, atuem, também,,junto às Instituições Internacionais competentes, inclusive as do setor financeiro, no sentido de implementar novos modelos de desenvolvimento, financiamento e propriedade intelectual que: Promovam o fortalecimento do desenvolvimento científico e tecnológico, a justiça social e a proteção ambiental, atribuindo à ciência, tecnologia e inovação (CT&I) papel preponderante na busca de novos modelos de desenvolvimento limpo. O conhecimento tecnológico e sua transferência para todos os países é um fator fundamental para lidar com os problemas decorrentes dos efeitos do aquecimento global do planeta. Somente se continuarmos no caminho de busca de tecnologias apropriadas e limpas, economicamente eficientes e de baixo consumo de recursos naturais, poderemos atingir o equilíbrio entre crescimento econômico e proteção ambiental; Garantam a eqüidade no compartilhamento de tecnologias que contemplem soluções para a questão do desemprego tecnológico, considerando, além de aspectos meramente econômicos, aspectos sociais, políticos e ambientais. Os frutos do crescimento e da inovação devem ser compartilhados, com vistas à manutenção da paz. Deve-se estimular o intercâmbio em várias áreas como: financiamentos, tecnologias avançadas, conhecimentos e recursos humanos; Procurem equacionar a questão da possibilidade de competição entre a produção de biocombustíveis e alimentos no que tange ao uso da terra e acesso à água; 4

5 Assegurem, que as energias renováveis como oportunidade de desenvolvimento contemplem a criação de empregos, mas que a importância do foco deve recair não apenas sobre a quantidade criada de novos postos de trabalho, mas, principalmente, sobre a qualidade dos empregos criados. Neste contexto é consenso que a AICESIS tem a oportunidade de construir uma posição de liderança, pois dela participam países desenvolvidos e em desenvolvimento, produtores de praticamente todas as fontes de energia. Essa realidade abre espaços importantes de interlocução internacional com organismos como a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Conferência de Alto Nível do Conselho Econômico e Social da Organização das Nações Unidas - (ECOSOC/ONU). Temos convicção que nossos Conselhos influenciam a formulação de políticas públicas e são ouvidos pela sociedade civil e pelos governos em seus respectivos países. Entendemos, também, que a sociedade civil organizada é fundamental na moderação das relações entre diferentes atores sociais e na solução de conflitos. As posições dos Conselhos, não sendo vinculadas aos governos, são independentes para propor soluções de vanguarda para os desafios, riscos e oportunidades que se apresentam para a geração de uma matriz energética mundial mais limpa. Podem, também, de forma efetiva, disseminar conceitos ecológicos na vida social e influenciar a consciência pública na adoção de boas práticas com respeito à proteção ambiental. Sabemos, contudo, que não é fácil construir consensos e acordos em âmbito mundial, mas é possível. 5

Desenvolvimento e Sustentabilidade Ambiental. Subgrupo 3

Desenvolvimento e Sustentabilidade Ambiental. Subgrupo 3 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PR SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SRI SECRETARIA DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL SEDES CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES CONTRIBUIÇÃODO

Leia mais

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL Carmem Lucia Castro da Cruz Introdução Nick Dallas, no livro Como tornar sua empresa ecologicamente responsável, discorre de

Leia mais

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável Raphael Azeredo Vinícius Fox Drummond Cançado Trindade Só nos sustentamos em pé porque estamos ligados uns aos outros. A inspiradora frase de Candido

Leia mais

UM EVENTO CIENTÍFICO COM CARÁTER EDUCATIVO TRANSFORMADOR: A EXPERIÊNCIA DO VII CBSAF DIÁLOGO E INTEGRAÇÃO DE SABERES PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS

UM EVENTO CIENTÍFICO COM CARÁTER EDUCATIVO TRANSFORMADOR: A EXPERIÊNCIA DO VII CBSAF DIÁLOGO E INTEGRAÇÃO DE SABERES PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS 1 UM EVENTO CIENTÍFICO COM CARÁTER EDUCATIVO TRANSFORMADOR: A EXPERIÊNCIA DO VII CBSAF DIÁLOGO E INTEGRAÇÃO DE SABERES PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS Ynaiá Masse Bueno Embrapa Sede / DF Fabiana Mongeli Peneireiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE O II Seminário Brasileiro de Efetividade da Promoção da Saúde (II

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 216, DE 2015

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 216, DE 2015 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 216, DE 2015 (nº 1.360/2013, na Câmara dos Deputados) Aprova o texto do Memorando de Entendimento entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 RECURSOS E MECANISMOS DE FINANCIAMENTO INTRODUÇÃO 33.1. A Assembléia Geral, em sua resolução

Leia mais

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Reunidos na 2 Assembleia Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente, no Rio de Janeiro, Brasil, de 11 a 13 de junho de 2012, organizada por Sustainlabour,

Leia mais

DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA

DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA PARTE III DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA Gilberto Carvalho Crescer distribuindo renda, reduzindo desigualdades e promovendo a inclusão social. Esse foi o desafio assumido pela presidente Dilma Rousseff

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Desafios para as lideranças na criação de ambientes favoráveis à leitura Lucila Martínez Cáceres Educadora, Mestre em Biblioteconomia e Informação Especialização em Desenvolvimento Sustentável Local e

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

HELEN CLARK. Um mundo melhor, mais justo e seguro. A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas

HELEN CLARK. Um mundo melhor, mais justo e seguro. A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas HELEN CLARK Um mundo melhor, mais justo e seguro A candidata neozelandesa a Secretária-Geral das Nações Unidas Segunda-feira, 11 de abril de 2016 Excelentíssimo Senhor: Estou honrada por ser a candidata

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional sumário executivo PREVENcÃo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional 2012 O Relatório Internacional sobre Prevenção da Criminalidade e Segurança Cidadã 2012 do Centro Internacional para

Leia mais

ACORDO DE PARIS: A RECEITA PARA UM BOM RESULTADO

ACORDO DE PARIS: A RECEITA PARA UM BOM RESULTADO ACORDO DE PARIS: A RECEITA PARA UM BOM RESULTADO Le Bourget, 30 de novembro de 2015 Daqui a 11 dias, representantes de 195 países deverão adotar aqui o documento internacional mais importante do século:

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira 1 Qualquer que seja o campo de atuação\intervenção o Profissional deve: Elaborar um Plano de Intervenção (definição dos instrumentos teórico-metodológicos e técnicooperativos);

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Data: 16/11/2009 Roma, 16/11/2009 Bem... Lugo, tudo bem? Cumprimentar a

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA SOBRE OS RESULTADOS DAS CONVERSAÇÕES OFICIAIS ENTRE O PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, E O PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, VLADIMIR V. PUTIN

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

ATA DO II ENCONTRO NACIONAL DE FORUNS PERMANENTES DA SOCIEDADE CIVIL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA Em 24 de novembro de 2010, no SESC

ATA DO II ENCONTRO NACIONAL DE FORUNS PERMANENTES DA SOCIEDADE CIVIL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA Em 24 de novembro de 2010, no SESC ATA DO II ENCONTRO NACIONAL DE FORUNS PERMANENTES DA SOCIEDADE CIVIL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA Em 24 de novembro de 2010, no SESC IPARANA Fortaleza-CE teve início a abertura do II ENCONTRO

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Maria Iolanda de Oliveira 1 Rita de

Leia mais

MENSAGEM N.º 594, DE 2015 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 594, DE 2015 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 594, DE 2015 (Do Poder Executivo) Aviso nº 682/2015 - C. Civil Texto da Decisão nº 10/12 do Conselho de Chefes de Estado e de Governo da União das Nações Sul-Americanas

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO SOBRE SAÚDE BUCAL NAS AMÉRICAS

CARTA DE SÃO PAULO SOBRE SAÚDE BUCAL NAS AMÉRICAS 1 CARTA DE SÃO PAULO SOBRE SAÚDE BUCAL NAS AMÉRICAS ENCONTRO LATINO AMERICANO DE COORDENADORES NACIONAIS DE SAÚDE BUCAL SÃO PAULO 28/01 a 01/02/06 Encontro Latino - Americano de Coordenadores Nacionais

Leia mais

Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades

Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades Vicente Trevas, Vice-Presidente da RIAD e Subchefe de Assuntos Federativos da Presidência da República do Brasil. Inicialmente, gostaria de colocar algumas

Leia mais

1. Que os Estados partes fortaleçam o Instituto de Políticas Públicas de Direitos

1. Que os Estados partes fortaleçam o Instituto de Políticas Públicas de Direitos 20 Propostas para oaprofundamento da Democracia e da Participação Social no MERCOSUL Preâmbulo Nós, os movimentos e organizações da sociedade civil do MERCOSUL reunidos em Brasília, de 4 a 6 de dezembro

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III Memória da Reunião Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, dias 29 e 30 de outubro de 2008, a XX Reunião Especializada

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL CONEXÃO BRASIL-ÁFRICA

EDITAL DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL CONEXÃO BRASIL-ÁFRICA EDITAL DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL CONEXÃO BRASIL-ÁFRICA I. APRESENTAÇÃO É incalculável a contribuição do negro à formação da sociedade brasileira. Mais de meio milênio de influência

Leia mais

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS)

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) A capacidade de gerar tecnologia e inovação é um dos fatores que distinguem os países ricos dos países pobres. Em sua maioria, essas novas tecnologias

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO AGRICULTURA NATURAL/ORGÂNICA COMO INSTRUMENTO DE FIXAÇÃO BIOLÓGICA E MANUTENÇÃO DO NITROGÊNIO NO SOLO. UM MODELO SUSTENTÁVEL DE MDL Dr. Fernando Augusto

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

Declaração da Cidade de Quebec

Declaração da Cidade de Quebec Declaração da Cidade de Quebec Nós, os Chefes de Estado e de Governo das Américas, eleitos democraticamente, nos reunimos na Cidade de Quebec, na III Cúpula, para renovar nosso compromisso em favor da

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA DE JACOBINA

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA DE JACOBINA REGIMENTO INTERNO DA IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JACOBINA BA Art. 1º. Este regimento interno da IV Conferência Municipal de Saúde de Jacobina-BA CMS tem como finalidade definir a organização dos

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a Objetivo Planejamento do CBN 2008 Propor a Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas Antecedentes Normas nacionais devem ser: necessárias e demandadas utilizadas acordadas o mais

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

SECRETARIA DE ESTADO DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE SECRETARIA DE ESTADO DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Distrito Federal s/nº Ata da Reunião de Convocação para a primeira Reunião

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg)

Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg) Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg) (aprovada pelos participantes na Conferência Européia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994)

Leia mais

REDE DE POPULARIZAÇAO DA CIENCIA E DA TECNOLOGIA NA AMÉRICA LATINA E NO CARIBE Rede-POP

REDE DE POPULARIZAÇAO DA CIENCIA E DA TECNOLOGIA NA AMÉRICA LATINA E NO CARIBE Rede-POP REDE DE POPULARIZAÇAO DA CIENCIA E DA TECNOLOGIA NA AMÉRICA LATINA E NO CARIBE Rede-POP ESTATUTOS Prólogo É imprescindível chegar a uma melhor compreensão do papel que representam os fatores científico

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA RUI VALDIR OTTO BRIZOLARA, Prefeito Municipal de Morro Redondo, Estado do Rio

Leia mais

ECOLOGIA URBANA. Adilson Roque dos Santos. Arquiteto - Dr. em Ecologia Urbana

ECOLOGIA URBANA. Adilson Roque dos Santos. Arquiteto - Dr. em Ecologia Urbana ECOLOGIA URBANA Adilson Roque dos Santos Arquiteto - Dr. em Ecologia Urbana O QUE É ECOLOGIA? A palavra Ecologia tem origem no grego oikos", que significa casa, e "logos", estudo. Logo, por extensão seria

Leia mais

Os impactos sócio-ambientais da agricultura contemporânea

Os impactos sócio-ambientais da agricultura contemporânea Os impactos sócio-ambientais da agricultura contemporânea A questão central da sociedade contemporânea diz respeito à consecução de modos de produção agrícola sustentáveis, em suas dimensões agronômico-produtiva,

Leia mais

Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14

Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14 Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14 1 ANDAMENTOS DOS TRABALHOS GTAI/FMASE FMASE 2005 = Coordena ações de interesse do setor sobre aspectos socioambientais geração, transmissão,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO

DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO ORDEM DOS MEDICOS DE PORTUGAL E CONSEJO GENERAL DE MEDICOS DE ESPAÑA Lisboa, 10-11 Novembro 2015 I.- O SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE, EXPRESSÃO DE MODERNIDADE,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Acordos assinados por ocasião da Visita ao Brasil da Chanceler Federal da Alemanha, Angela Merkel. Brasília, 14 de maio de 2008

Acordos assinados por ocasião da Visita ao Brasil da Chanceler Federal da Alemanha, Angela Merkel. Brasília, 14 de maio de 2008 Nota nº 229-14/05/2008 Distribuição 22 Acordos assinados por ocasião da Visita ao Brasil da Chanceler Federal da Alemanha, Angela Merkel Brasília, 14 de maio de 2008 Acordo entre o Governo da República

Leia mais

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho Dois assuntos atualmente recebem muita atenção dos educadores e gestores em Educação: o acompanhamento da evolução do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANUAL 2012

PLANO ESTRATÉGICO ANUAL 2012 PLANO ESTRATÉGICO ANUAL 2012 Comunhão Espírita de Brasília BRASÍLIA DF DEZEMBRO 2011 SUMÁRIO Plano Estratégico Anual... 1 2012... 1 Brasília DF... 1 Dezembro 2011... 1 1 - Apresentação... 3 2 - Premissas

Leia mais

Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1

Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1 Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1 Introdução Os signatários deste documento propõem à sociedade brasileira um Pacto Nacional pela Valorização da Floresta e pelo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS Explorando Novas Opções para o Incremento da Doação de Fundos e Re-canalização da Dívida Apresentado pela Agência Inter-Americana

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL:

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: III ENCONTRO LATINO AMERICANO E CARIBENHO SOBRE MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: Participação dos Estados Eugênio Cunha São Paulo 14 de março de 2008 SUMÁRIO PARTE I NÍVEL INSTITUCIONAL

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Brasília, 24 de Agosto de 2010. PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Ao Povo Brasileiro e às organizações do campo e da cidade A questão energética, na

Leia mais

1 Introdução. Lei Nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

1 Introdução. Lei Nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 11 1 Introdução No contexto da reforma da administração do Estado, ocorrida com o fim da ditadura militar, a educação sofreu ajustamentos que se refletiram nas mudanças ocorridas na legislação durante

Leia mais

APRESENTAÇÃO Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS)

APRESENTAÇÃO Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS) APRESENTAÇÃO A formação dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS) e a participação atuante das comunidades são imprescindíveis para o desenvolvimento rural. É função dos Conselhos

Leia mais

PROTOCOLO DE INTENÇÕES PELA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL QUE ENTRE

PROTOCOLO DE INTENÇÕES PELA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL QUE ENTRE PROTOCOLO DE INTENÇÕES PELA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, O BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES, A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL,

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

PGU InovAção - 3ª edição

PGU InovAção - 3ª edição FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO DE PRÁTICA INOVADORA UNIDADE INDICADA: COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - COGEL TIPO DE PRÁTICA: GESTÃO ADMINISTRATIVA PRIMEIRO ENCONTRO DAS COORDENAÇÕES

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS DA JUSTIÇA OEA/Ser.K/XXXIV.3 OU DE MINISTROS OU PROCURADORES-GERAIS REMJA-III/doc. 13/00 rev. 2 DAS AMÉRICAS 3 março 2000 1º a 3 de março de 2000 Original: espanhol San José,

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO Capítulo I Dos objetivos Art.1º - A VIII Conferência Municipal de Saúde terá por objetivos: I - Impulsionar, reafirmar e buscar a efetividade dos princípios

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 560, DE 2015 Dispõe sobre critério para a concessão de bolsas pelas agências federais de fomento à pesquisa. Autor: Deputado

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Wal-Mart Brasil Informações sobre

Leia mais

Agenda Nacional de Trabalho Decente

Agenda Nacional de Trabalho Decente Agenda Nacional de Trabalho Decente Brasília, 2006 Sumário Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais A. Antecedentes...5 B. Prioridades...9 B.1. Prioridade 1: Gerar mais

Leia mais

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 Reseña Política externa e democracia no Brasil Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 A defesa das instituições democráticas entra definitivamente na agenda internacional da América Latina

Leia mais

O Sr. DANIEL ALMEIDA (PCdoB-BA) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. DANIEL ALMEIDA (PCdoB-BA) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. DANIEL ALMEIDA (PCdoB-BA) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o dia 5 de junho é lembrado em todos os países como o Dia Mundial do Meio Ambiente. Em 1972,

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto SECRETÁRIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Luciana Barbosa de

Leia mais

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli O contexto do debate A idéia da construção de indicadores de resultados para projetos vem ganhado força entre

Leia mais

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

Europeus querem contribuição maior de países emergentes

Europeus querem contribuição maior de países emergentes Europeus querem contribuição maior de países emergentes Por Daniela Chiaretti De São Paulo A fala recorrente do espanhol Miguel Arias Cañete, 65, abre a caixa de Pandora das negociações climáticas. O principal

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Siems Forte, Ana Maria A C, vol. 3, núm. 3, 2003, pp. 7-13 Universidade Federal do Rio de Janeiro Río de Janeiro, Brasil

Leia mais

Grupo Estratégia e projetos educativos Relatoria

Grupo Estratégia e projetos educativos Relatoria Sede da sessão: CIESS Data: 11 de julho de 2010 Preâmbulo Grupo Estratégia e projetos educativos Relatoria A seguridade social e educação são direitos humanos e a base da política social, pelo qual devem

Leia mais

PROJETO SEMEANDO SUSTENTABILIDADE EDITAL DE SELEÇÃO PARA O II CURSO ECOLOGIA DA FLORESTA. Porto Velho e Itapuã do Oeste/RO 27 a 30 de novembro de 2013

PROJETO SEMEANDO SUSTENTABILIDADE EDITAL DE SELEÇÃO PARA O II CURSO ECOLOGIA DA FLORESTA. Porto Velho e Itapuã do Oeste/RO 27 a 30 de novembro de 2013 PROJETO SEMEANDO SUSTENTABILIDADE EDITAL DE SELEÇÃO PARA O II CURSO ECOLOGIA DA FLORESTA Porto Velho e Itapuã do Oeste/RO 27 a 30 de novembro de 2013 INSCRIÇÕES ATÉ O DIA 08/11/2013 Porto Velho, 22 de

Leia mais

À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam:

À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam: 07 de julho de 2014 À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) REF: Acordo Regional sobre o Princípio 10 As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam: Reconhecendo

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org 3º Acampamento Intercontinental da Juventude Cidade Laboratório de Um Outro Mundo Possível Porto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS À GESTÃO MUNICIPAL: ORGANIZAÇÃO DA CONFÊRENCIA

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO Ministério da Educação - MEC Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES TÍTULO DO PROJETO: Aperfeiçoamento institucional com vistas à melhoria dos programas, processos, projetos

Leia mais

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE A Organização das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade, com o objetivo de trazer ao debate público

Leia mais

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz:

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz: Sumário dos resultados-chave do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Grupo de Trabalho III de Mitigação de Mudanças Climáticas Bangkok, Maio de 2007 Não é

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais