CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DAS DIRETRIZES. Seção I Dos objetivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DAS DIRETRIZES. Seção I Dos objetivos"

Transcrição

1 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 67/2008 Altera o zoneamento das áreas classificadas como Zona Residencial 6 ZR 6, localizadas nos bairros de Santa Cruz, Paciência e Sepetiba; estabelece os parâmetros para a ocupação dessas áreas, em atendimento ao Plano Diretor Decenal da Cidade do Rio de Janeiro, e dá outras providências. Autor: Poder Executivo DESPACHO: À imprimir e às Comissões de Justiça e Redação; Administração e Assuntos Ligados ao Servidor Público; Assuntos Urbanos; Meio Ambiente; Abastecimento, Indústria, Comércio e Agricultura; Transportes e Trânsito; Higiene, Saúde Pública e Bem-Estar Social e de Educação e Cultura. Em ALOÍSIO FREITAS PRESIDENTE A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DAS DIRETRIZES Seção I Dos objetivos Art. 1º Esta Lei Complementar institui novos parâmetros para as áreas classificadas como Zona Residencial 6 ZR 6 pelo Decreto 322, de 3 de março de 1976, localizadas nos bairros de Santa Cruz, Paciência e Sepetiba. Parágrafo único. Os limites das áreas mencionadas neste artigo se encontram delimitados e descritos nos Anexos Ia,Ib, IIa e IIb desta Lei Complementar. Art. 2º Esta Lei Complementar tem por objetivos: I - definir parâmetros urbanísticos de modo a permitir o uso e ocupação do solo de forma regular e ordenada; II estimular os usos e atividades econômicas, garantindo a convivência das funções de comércio, serviço e indústria com o uso residencial; III orientar o adensamento das áreas de acordo com a disponibilidade de saneamento básico, dos sistemas viário e de transportes públicos e de equipamentos e serviços urbanos; IV restringir o adensamento nas áreas críticas em infra-estrutura;

2 V preservar áreas frágeis ambientalmente, restringindo a sua ocupação; VI preservar o uso do solo para atividades relacionadas ao setor agro-pecuário; VII reforçar centralidades e revitalizar espaços, estimulando referências culturais existentes; VIII possibilitar a parceria com a iniciativa privada na implementação das políticas municipais. Seção II Das diretrizes Art. 3º Ficam definidas nos incisos deste artigo as diretrizes que nortearão o estabelecimento de políticas e a implementação de ações para o desenvolvimento físico-urbanístico das áreas objeto desta Lei Complementar, a saber : I regularização fundiária e urbanização de loteamentos irregulares e clandestinos, prevendo abertura e ligação de vias; II melhoria das condições de urbanização das vias canais, com o reassentamento da população quando necessário, e criação de parques lineares nas margens dos rios, visando a proteção dos corpos hídricos; III dragagem permanente de rios e canais, principalmente aqueles próximos às áreas de produção agrícola e às áreas sujeitas à inundação; IV implantação de infra-estrutura de saneamento ambiental; V - execução de projeto de valorização ambiental do entorno da Ponte dos Jesuítas, enaltecendo o Monumento tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN e ampliando a sua visitação e a centralidade local; VI ampliação da rede cicloviária, integrando-a aos eixos viários estruturais e ao sistema ferroviário; VII implantação de sistema viário com vias públicas nas áreas a serem parceladas, de acordo com o Plano de Diretrizes Viárias definido pelo Poder Executivo; VIII recuperação das vias de escoamento da produção agrícola e estradas vicinais; IX implantação das vias municipais laterais à Rodovia BR-101 para atendimento à população local, em padrão similar à Av. Brasil; X melhoria das condições de transporte público. Parágrafo único. As políticas e ações referidas no caput deste artigo observarão as características das áreas situadas na Macrozona de Ocupação Assistida, onde o adensamento populacional, o incremento das atividades econômicas e a instalação de complexos econômicos deverão ser acompanhados por investimentos públicos e privados em infra-estrutura e por medidas de proteção ao meio ambiente e à atividade agrícola. Art. 4º A implantação dos Projetos de Alinhamento - PA dos logradouros da área objeto desta Lei Complementar se dará por meio de desapropriação ou de transferência de domínio das áreas, mediante os benefícios urbanísticos fixados no art. 31 desta Lei

3 Complementar. Parágrafo único. Ato do Executivo relacionará os logradouros prioritários da área para implantação dos seus Projetos de Alinhamento. CAPÍTULO II DA ORDENAÇÃO TERRITORIAL Seção I Das Zonas Art. 5º Os bairros objetos desta Lei Complementar ficam subdivididos nas seguintes zonas: I - Zona Residencial Unifamiliar - ZRU II Zona Residencial Multifamiliar - ZRM III Zona de Uso Predominantemente Industrial - ZUPI IV Zona de Uso Estritamente Industrial - ZEI V - Zona de Uso Misto - ZUM VI Zona de Conservação Ambiental - ZCA VII -Zona Agrícola - ZA 1º As zonas mencionadas neste artigo se encontram delimitadas e descritas nos Anexos IIIa, IIIb, IVa e IVb desta Lei Complementar. 2º As disposições para as zonas estão no Capítulo III desta Lei Complementar. Art. 6º As zonas mencionadas no artigo anterior terão as seguintes denominações e conceitos: I. Zona Residencial é aquela onde prevalece o uso residencial, admitidas as atividades de apoio ou complementariedade a esse uso, desde que compatíveis entre si, podendo ser classificada nas seguintes categorias: a) Zona Residencial Unifamiliar ZRU, onde o uso residencial se restringe a moradias unifamiliares ou bifamiliares, isoladas ou em grupamentos; b) Zona Residencial Multifamiliar ZRM, que permite moradias unifamiliares ou bifamiliares e multifamiliares, isoladas ou em grupamentos; II. Zona Industrial é aquela onde prevalece a existência de indústrias e de atividades correlatas, inclusive aquelas de apoio, viabilidade e complementação, podendo incluir o uso residencial e demais atividades econômicas, desde que garantida a compatibilidade com as atividades do setor secundário, podendo ser classificadas nas seguintes categorias: a)zona de Uso Predominantemente Industrial ZUPI b)zona de Uso Estritamente Industrial ZEI

4 III. Zona de Uso Misto - ZUM é aquela onde as atividades residenciais, comerciais, de serviços e industriais, compatíveis entre si, coexistem, sem a predominância necessária de qualquer dessas atividades; IV. Zona de Conservação Ambiental - ZCA é aquela que apresenta características naturais, culturais e paisagísticas relevantes para a preservação; V. Zona Agrícola - ZA é aquela onde prevalecem atividades agrícolas e de criação animal e aquelas de apoio e complementação compatíveis entre si. Seção II Da ocupação do solo Art. 7º A implantação da edificação no lote será regulada por índices urbanísticos que variam segundo a zona em que ocorrer, correspondendo aos seguintes parâmetros: I - Área Total Edificável ATE: determina a área máxima de construção das edificações; é o resultado da multiplicação do Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT pela área do lote, representada pela fórmula ATE= IAT x S, onde S é a área total do terreno; II - Índice de Aproveitamento do Terreno IAT: corresponde ao número que, multiplicado pela área do terreno, define a Área Total Edificável - ATE; III - Taxa de Ocupação TO: é a relação entre a projeção horizontal máxima da edificação e a área total do lote, expressa em percentual pela seguinte fórmula: TO = Área da Projeção Horizontal da Edificação x 100 Área Total do Lote IV - Índice de Uso Comercial e de Serviços - ICS: define a área máxima de comércio e serviços permitida no lote, mediante a multiplicação do seu valor pela ATE; V - Gabarito: corresponde ao número máximo de pavimentos permitidos e à altura máxima da edificação; VI - Afastamentos Frontais: correspondem às distâncias entre os planos de fachada da edificação e o respectivo limite do lote; VII - Taxa de Permeabilidade Mínima - TP: corresponde ao percentual da área do lote a ser deixado livre de pavimentação ou construção em qualquer nível, para garantia de permeabilidade do solo; VIII - Número Mínimo de Vagas para Estacionamento e guarda de veículos. Seção III Dos usos do solo Art. 8º Os usos do solo e das edificações estabelecidos por esta Lei Complementar são os seguintes: I - Uso Residencial I: residência uni ou bifamiliar ou grupamento de residências uni ou bifamiliares;

5 II - Uso Residencial II: residência uni ou bifamiliar ou grupamento de residências uni ou bifamiliares; residências multifamiliares ou grupamento de residências multifamiliares, inclusive vilas; III - Uso Comercial I: comércio varejista, diversificado, de atendimento cotidiano ou vicinal; IV - Uso Comercial II: comércio varejista, diversificado, de atendimento esporádico à população em geral; V - Uso Comercial III: comércio atacadista ou varejista que exija planejamento específico para sua implantação; VI - Uso de Serviços I: serviços de atendimento cotidiano ou vicinal; VII - Uso de Serviços II: serviços de atendimento esporádico à população em geral; VIII - Uso de Serviços III: serviços que exijam planejamento específico para sua implantação; IX - Uso Industrial I: atividades cujo processo produtivo seja compatível com os demais usos urbanos; X - Uso Industrial II: atividades cujo processo produtivo seja compatível com os demais usos urbanos, desde que submetidos a métodos adequados de controle e tratamento de efluentes; XI - Uso Industrial III: atividades cujo processo produtivo seja incompatível com os demais usos urbanos, ainda que submetidos a métodos adequados de controle e tratamento de efluentes; XII - Uso Agrícola: atividades destinadas ao cultivo da terra e à criação animal, desde que atendam às condições sanitárias e ambientais da legislação vigente. Art. 9º Os usos do solo e das edificações são classificados, segundo a zona em que se deseja localizá-los, em: I - Uso Adequado: uso ou atividade compatível com a destinação da zona; II - Uso Adequado com Restrições: uso ou atividade compatível com a destinação da zona, desde que submetido a restrições específicas; III - Uso Inadequado: uso ou atividade com licença em vigor na data de publicação desta Lei Complementar e que esteja em desacordo com as determinações da mesma, tendo sua manutenção vinculada ao atendimento de restrições específicas; IV - Uso Vedado: qualquer uso ou atividade incompatível com a destinação da zona. Art. 10. Os usos e atividades considerados inadequados não poderão ser: I - substituídos por outros usos ou atividades inadequados; II - restabelecidos se sofrerem descontinuidade por mais de seis meses; III - prorrogados quando tenham sido concedidos temporariamente;

6 IV - mantidos se a edificação que os abrigue sofrer avaria que atinja sessenta por cento ou mais de sua área de construção. Parágrafo único. As edificações que abriguem usos ou atividades inadequados não poderão sofrer acréscimos que agravem sua inadequação. Art. 11. As restrições quanto à implantação dos usos serão estabelecidas em função dos impactos gerados no meio urbano, que se classificam em: I -Impactos no Sistema Viário: a)atividades atrativas de veículos leves; b)pólos geradores de tráfego - PGT; c)atividades atrativas de veículos de carga; II - Impactos no Meio Ambiente: a)atividades incômodas; b)atividades nocivas; c)empreendimentos potencialmente modificadores do meio ambiente. 1º As condições de restrição aos usos do solo estão descritas no Quadro 1 - Caracterização das situações de impacto - do Anexo V desta Lei Complementar. 2º A distribuição dos usos por zona encontra-se no Quadro 2 - Condições de Implantação dos usos do solo urbano - do Anexo V desta Lei Complementar. 3º As atividades classificadas nas situações de impacto referidas no inciso II deste artigo obedecerão à legislação ambiental em vigor. 4º As atividades que se enquadrarem na situação de impacto referida na alínea a do inciso II deste artigo, novas ou já instaladas, podem, a qualquer momento, sofrer restrições de forma a se adequarem a padrões aceitáveis. Art. 12. O enquadramento das atividades nos usos do solo, bem como as restrições específicas a cada atividade, ocorrerá em função dos conceitos do art. 9 e do zoneamento definido por esta Lei Complementar. Parágrafo único. As restrições específicas a cada atividade serão, entre outras, quanto: I - a ATE máxima de algumas atividades específicas; II - à localização da atividade em determinados logradouros dentro da zona; III - à localização de alguma(s) atividade(s) dos subgrupos de usos relacionados no art. 8, dentro da zona; IV - ao porte da empresa, dos equipamentos e/ou mercadorias; V - impacto no meio ambiente, quando deverá ser obedecida a legislação ambiental municipal, estadual e federal; VI - à área de carga e descarga de algumas atividades;

7 Art. 13. A instalação de atividades de comércio e serviços deverá atender ao Índice de Uso Comercial e de Serviços - ICS estabelecido por zona na Seção II do Capítulo III desta Lei Complementar. Art. 14. Fica proibido o uso comercial e de serviços gerador de impactos referidos no inciso I do art. 11 desta Lei Complementar em todos os trechos de ruas sem saída e nas vias com pista de tráfego inferior a seis metros de largura. CAPÍTULO III DAS DISPOSIÇÕES PARA AS ZONAS Seção I Das disposições gerais Subseção I Parcelamento do Solo Art. 15. O parcelamento do solo obedecerá à legislação em vigor e ao disposto nesta subseção I. Art. 16. O desmembramento e remembramento de lotes, cujo lote resultante apresente qualquer dimensão superior a duzentos metros ou esteja inserido em quadra com qualquer dimensão superior a duzentos metros deverá ser avaliado previamente pelo órgão municipal responsável pelo planejamento urbano, quanto a permeabilidade com a malha viária existente ou projetada, podendo ser prevista via pública ou servidão de passagem. 1º. Para efeito desta Lei Complementar, entende-se por via pública o logradouro público destinado à circulação de veículos e de pedestres e, por servidão de passagem o ônus estabelecido sobre um imóvel para permitir a livre circulação de veículos e de pedestres na sua propriedade. 2º. As dimensões dos lotes resultantes de remembramento poderão ser inferiores às mínimas fixadas nesta Lei Complementar. Art. 17. Nos projetos de loteamento, as vias de circulação obedecerão à disposição hierárquica, consideradas suas características e funções, e serão obrigatoriamente integradas ao sistema viário existente ou projetado. Art. 18. Nos projetos de loteamento, todos os logradouros públicos projetados deverão atender às exigências dispostas na NBR-9050 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT e suas alterações. Art. 19. A implantação de loteamentos não poderá, sob qualquer hipótese, impedir o livre acesso aos rios ou à fruição de qualquer outro bem público de uso comum da coletividade. Art. 20. As áreas públicas a serem doadas para equipamentos urbanos comunitários serão projetadas em terrenos contíguos e sua localização dentro dos loteamentos projetados ficará a critério da análise do órgão de planejamento urbano.

8 Art. 21. Será permitida a abertura de logradouro nas áreas de encosta da Serra de Inhoaíba, nos bairros objeto desta Lei Complementar, até a curva de nível sessenta metros, desde que estas áreas possuam declividade inferior a trinta por cento. 1º. As áreas com declividade igual ou superior a trinta por cento terão aprovação do projeto de parcelamento condicionada a parecer técnico prévio de órgão municipal competente, que poderá exigir obras complementares para a superação de possíveis situações de risco. 2º. As áreas com declividade igual ou superior a trinta por cento, não ocupáveis, deverão ser arborizadas, obedecendo a projeto a ser aprovado pelo órgão municipal competente. Subseção II Gabaritos Art. 22. O número máximo de pavimentos das edificações obedecerá ao disposto no art. 64 desta Lei Complementar e é válido para as edificações afastadas e não afastadas das divisas do lote. Art. 23. Os pavimentos em subsolo não serão computados para efeito de número máximo de pavimentos. Parágrafo único. O primeiro pavimento em subsolo poderá ser semi-enterrado, desde que o piso do pavimento imediatamente superior não ultrapasse um metro e cinqüenta centímetros em relação ao ponto mais baixo do meio-fio do logradouro correspondente à testada do lote e/ou qualquer ponto do terreno natural. Art. 24. Não serão computados na altura máxima das edificações caixas d água, caixas de escada, compartimentos destinados a equipamentos mecânicos, elementos de ornamentação de fachada ao nível do telhado e os compartimentos exclusivamente destinados ao uso comum das edificações situados no pavimento de cobertura, desde que guardem afastamentos de no mínimo três metros de todos os planos de fachadas do último pavimento. Subseção III Faixa de influência das zonas Art. 25. Nos lotes com testada para logradouros que constituam limite de zona, ou que permitam diferentes condições de aproveitamento, a faixa de influência das condições de ocupação das zonas com parâmetros menos restritivos será definida pelas seguintes regras: I- quando houver formação de quadra, metade da largura da quadra ou cem metros, o que for menor; II- quando não houver formação de quadra, a faixa de influência será igual a cem metros de profundidade, contados a partir do alinhamento previsto. 1º. Quando o lote tiver mais do que oitenta por cento de sua área incluídos na referida

9 faixa, as disposições nela contidas valerão para todo o lote. 2º. Para lotes situados em esquina de logradouros situados em zonas diversas, ou com diferentes condições de aproveitamento, prevalecerão as disposições menos restritivas, numa faixa paralela ao logradouro menos restritivo, nos limites de profundidade estabelecidos no caput deste artigo e seus incisos. Art. 26. É permitida a utilização da área do lote que exceder a faixa prevista no artigo anterior, desde que obedecidas as disposições comuns aos logradouros ou zonas em questão. Subseção IV Afastamentos e dimensões da projeção horizontal Art. 27. As edificações terão afastamento frontal mínimo obrigatório em relação ao alinhamento do lote de acordo com o disposto nesta Lei Complementar para as diversas zonas. Art. 28. Nas faixas de afastamento frontal mínimo serão permitidos: I - rampas ou escadas para acesso de pedestres, assentes no terreno natural; II - passarelas horizontais para acesso de pedestres e veículos, quando o nível do terreno for mais baixo que o do logradouro; III - jardins, pérgulas e caramanchões; IV - rampas, escadas, torres de elevadores e seus respectivos halls de acesso, entre o nível do logradouro e o do terreno, quando as edificações só puderem ser feitas em nível muito superior ao do logradouro; V - coberturas removíveis; VI - muros, gradis, cercas vivas e outros tipos de fechamento, no alinhamento do logradouro; VII - piscinas; VIII - estacionamento coberto e fechado unicamente nas edificações unifamiliares e bifamiliares; IX - guaritas com área de construção máxima de seis metros quadrados; X - hidrômetros e equipamentos especiais vinculados à atividade desenvolvida na edificação, que por sua natureza devam se localizar junto ao alinhamento. Parágrafo único. Será admitida nas edificações unifamiliares e bifamiliares a ocupação do afastamento frontal em até cinqüenta por cento. Art. 29. Nas edificações com mais de cinco pavimentos, as dimensões da projeção horizontal obedecerão ao perímetro máximo de cento e cinqüenta metros, considerando-se, para este perímetro, a figura formada pelos planos mais externos das fachadas. Subseção V

10 Área Total de Edificação - ATE e Índice de Aproveitamento de Terreno IAT Art. 30. Os Índices de Aproveitamento de Terreno - IAT da área obedecerão ao disposto nesta Lei Complementar para as zonas. Art. 31. Para efeito do cálculo da ATE, poderão ser computadas na área do terreno as áreas atingidas por recuos, condicionando-se tal cômputo à contrapartida de transferência de domínio, ao Município, deste trecho. Art. 32. As partes da edificação não computáveis para efeito do cálculo da ATE são as relacionadas a seguir: I - os pavimentos em subsolo, enterrados e semi-enterrados; II estacionamento; III - saliências nas fachadas destinadas a elementos estruturais, à colocação de aparelhos de ar condicionado, quebra-sóis, jardineiras; IV - varandas e sacadas, desde que suas áreas não ultrapassem vinte por cento da área útil da unidade; V varandas ou terraços, reentrantes ou não, abertos, cobertos ou descobertos, das edificações uni e bifamiliares; VI - apartamento do zelador, medidores de luz e gás, portaria e sala de administração do condomínio e outros compartimentos ou pavimentos destinados ao uso comum das edificações; VII - caixas d água, casas de máquinas, equipamentos e instalações para exaustão e condicionamento de ar e outros compartimentos destinados a abrigar equipamentos técnicos; VIII guaritas e edículas com até nove metros quadrados de área coberta; IX partes da edificação destinada exclusivamente a dependências de uso comum de hotel. Subseção VI Taxa de Permeabilidade Art. 33. A Taxa de Permeabilidade corresponde ao percentual da área do lote a ser deixado livre de pavimentação ou construção em qualquer nível, inclusive subsolo, para garantia da permeabilidade do solo. Art. 34. Na área destinada ao cumprimento da Taxa de Permeabilidade, o solo não poderá ser compactado, devendo manter o perfil íntegro do terreno. Parágrafo único. A área poderá ser recoberta com grama, brita ou outros materiais que permitam a drenagem natural do terreno.

11 Art. 35. As áreas de varandas cobertas e abertas não computáveis na ATE, não serão computadas na Taxa de Ocupação, mas serão computadas na Taxa de Permeabilidade. Subseção VII Arborização Art. 36. É obrigatório o plantio de árvores, com mudas de espécies arbóreas adequadas ao local, com no mínimo um metro e cinqüenta centímetros de altura, de acordo com as seguintes condições: I - nas edificações residenciais, uma muda de árvore para cada cento e cinqüenta metros quadrados ou fração de área edificada; II - nas edificações destinadas ao uso industrial com área construída superior a sessenta metros quadrados, uma muda de árvore para cada vinte metros quadrados ou fração de área edificada; III - nos demais usos, uma muda de árvore para cada noventa metros quadrados ou fração da área edificada. 1º Nos lotes residenciais será exigido o plantio de no mínimo uma árvore na área destinada ao cumprimento da Taxa de Permeabilidade. 2º Quando for comprovada a impossibilidade de atendimento de plantio no local da obra, poderá ser feito em outro local, a ser determinado a critério do órgão responsável e sempre em número duas vezes maior que o exigido por este artigo. Subseção VIII Grupamentos Art. 37. Considera-se como grupamento de edificações, para efeito desta Lei Complementar, qualquer caso em que houver duas ou mais edificações em um mesmo lote, destinadas a unidades autônomas. 1.º Os grupamentos mencionados neste artigo não poderão ser desmembrados em lotes menores e, neles estarão definitiva e obrigatoriamente afetos o beneficiamento, a conservação e a manutenção de suas partes comuns. Art. 38. Os grupamentos podem ocorrer em qualquer zona, com exceção das Zonas Agrícolas - ZA, das Zonas de Conservação Ambiental - ZCA, da Zona Estritamente Industrial - ZEI. Art. 39. As edificações e vias internas dos grupamentos deverão atender aos padrões constantes da NBR-9050 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT e suas alterações. Art 40. Os grupamentos de edificações na área objeto desta Lei Complementar podem se classificar em: I - Grupamento Residencial I - constituído por três ou mais edificações residenciais uni ou duas ou mais edificações residenciais bifamiliares; II - Grupamento Residencial II - constituído por duas ou mais edificações residenciais multifamiliares;

12 III Vilas constituído pela justaposição ou sobreposição de edificações residenciais unifamiliares ou bifamiliares com até vinte unidades residenciais com no máximo três pavimentos de qualquer natureza e onze metros de altura; IV Grupamento comercial e/ou de serviços e/ou industrial constituído por duas ou mais edificações comerciais e/ou de serviços e/ou Industriais definidas no inciso IX do art. 8º desta Lei Complementar. V - Grupamento industrial constituído por duas ou mais edificações industriais definidas nos incisos X e XI do art. 8º desta Lei Complementar. Art. 41. A área máxima do terreno para implantação de Grupamentos definidos nos incisos I, II e IV do art. 40 desta Lei Complementar será de trinta mil metros quadrados. Parágrafo único. É permitido ultrapassar o limite previsto no caput deste artigo, desde que mantida a área de trinta mil metros quadrados como base de cálculo da ATE e do número máximo de unidades. Art. 42. Desde que obrigatoriamente com frente para logradouro público, será permitida edificação comercial ou mista nos grupamentos residenciais I, II e III, sem alterar a classificação dos mesmos definida no art. 40 desta Lei Complementar. Art. 43. O grupamento denominado Vila obedecerá aos seguintes parâmetros: I - área máxima do terreno: três mil metros quadrados; II - gabarito: três pavimentos contidos na altura máxima de onze metros; III - número mínimo de vagas para estacionamento: cinqüenta por cento do número de unidades. Parágrafo único. É permitido ultrapassar em até vinte e cinco por cento o limite previsto no inciso I deste artigo, desde que mantida a área de três mil metros quadrados como base de cálculo da ATE e do número máximo de unidades. Art. 44. O acesso às edificações integrantes de grupamentos será feito por vias internas de pedestres e veículos, que terão largura e extensão proporcionais ao número de unidades servidas. Art. 45. Todas as vias internas de pedestres e veículos projetadas deverão cumprir as exigências dispostas na NBR-9050 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT e suas alterações. Art. 46. A extensão de uma via interna será medida pelo seu eixo, a partir da interseção do mesmo com um logradouro público. Art. 47. A extensão máxima das vias internas não poderá exceder a cento e cinqüenta metros. 1º O número de unidades residenciais das edificações que tiverem acesso pelo trecho da via interna além de cento e vinte metros do alinhamento do logradouro não poderá ultrapassar trinta por cento do número total de unidades residenciais do grupamento de edificações. 2º A distância máxima de qualquer edificação à via interna à qual tiver acesso será de

13 trinta metros. Art. 48. Os passeios para pedestres devem ser faixas contínuas, dispostas de cada lado e em toda extensão das caixas de rolamento, desde o logradouro público, e prolongando-se até a entrada de cada edificação. Parágrafo único. São permitidos os passeios de pedestres em apenas um lado da caixa de rolamento, desde que seja prevista solução alternativa para via exclusiva de pedestres. Art. 49. A cessão gratuita, ao Município, de lote ou de edificação e respectivo lote destinados a equipamento urbano comunitário público ou a escolas será relacionada à área do lote ou grupamento e ao número total de unidades residenciais, de comércio ou serviços, de acordo com o quadro abaixo. Área do lote (m 2 ) N.º total de unidades do grupamento até Menor que 200 Isento Maior que e menor ou igual a Menor ou igual a 500 Maior que Menor ou igual a 500 Qualquer área Maior que 500 e menor que 1000 Maior ou igual a 1000 Obrigatoriedade de cessão gratuita um lote destinado à equipamento urbano comunitário público (5%) um lote destinado à equipamento urbano comunitário público (2%), com no mínimo m2 uma escola e seu respectivo lote, com no mínimo m2 uma escola e seu respectivo lote mais uma escola (e seu respectivo lote) para cada mil unidades, ou fração, excedentes 1º. Nos casos em que não houver correspondência entre o número de unidades e a área do lote, conforme previsto no quadro acima, prevalecerá o número total de unidades residenciais. 2º. Os grupamentos comerciais e/ou de serviços e/ou industriais estão isentos de doação de escola e seu respectivo lote, mas ficam obrigados à doação de lote destinado a equipamento urbano comunitário público, quando tiverem área maior que dez mil metros quadrados. Art. 50. Os lotes destinados a equipamento urbano comunitário público e a escola deverão atender ao seguinte: I - ter frente para logradouro público; II - ter área mínima conforme a tabela do art. 49 desta Lei Complementar; III - ter testada mínima de:

14 a) quinze metros, quando sua área for inferior a mil metros quadrados; b) vinte metros, quando sua área for igual ou superior a mil metros quadrados e inferior a dois mil metros quadrados; c) vinte e cinco metros, quando a área for igual ou superior a dois mil metros quadrados;

15 IV - ter aclividade ou declividade inferior a dez por cento em pelo menos cinqüenta por cento da área total do lote; V - não ser atravessado por cursos d água, valas, córregos e riachos. Art. 51. As escolas atenderão aos padrões estabelecidos pelo órgão municipal responsável pela Educação e serão compatíveis com o número total de unidades residenciais do grupamento. Art. 52. Os lotes exigidos no art. 49 desta Lei Complementar serão desmembrados do lote do grupamento ou estarão localizados até à distância máxima de mil metros, medido o percurso por logradouro público. Art. 53. A obrigatoriedade de cessão gratuita de área e de construção e cessão gratuita de escola, estabelecida no art. 49 desta Lei Complementar, se estende aos conjuntos integrados, considerados como tais as edificações ou grupamentos de edificações projetados em áreas de terrenos contínuas objeto de loteamento ou desmembramento e que, embora isoladamente apresentem menos de quinhentas unidades residenciais, na sua totalidade ultrapassem esse limite. Art. 54. A construção e cessão gratuita de escolas, conforme disposto no art. 49 desta Lei Complementar, poderá ser dispensada total ou parcialmente, mediante a construção e cessão gratuita de outro equipamento urbano comunitário público, por decisão do Prefeito e de acordo com as prioridades estabelecidas pela administração municipal, atendidos os padrões recomendados pelo órgão público competente. 1º. A obrigação de construção e de cessão gratuita de escola ou outro equipamento urbano comunitário público poderá, excepcionalmente, por decisão do Prefeito e de acordo com as prioridades estabelecidas pela administração municipal, ser cumprida em outro local - próprio municipal - mantida, entretanto, a obrigatoriedade da cessão do lote prevista no art. 49 desta Lei Complementar. 2º. A obrigação de construção e de cessão gratuita de escola ou outro equipamento urbano comunitário público poderá, excepcionalmente, por decisão do Prefeito e de acordo com as prioridades estabelecidas pela administração municipal, ser efetivada através de comprovação de depósito em espécie, em conta vinculada específica da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, que será destinado a construção, reformas ou acréscimos em uma ou mais unidades escolares existentes ou em creches da rede pública municipal. Art. 55. Para efeito do disposto nesta Lei Complementar, são considerados equipamentos urbanos comunitários públicos aqueles destinados a creches, cultura, saúde, recreação, lazer, esportes, administração, abastecimento, ação social e segurança pública. Subseção IX Área de recreação Art. 56. As edificações ou grupamentos com até doze unidades residenciais estão isentas da obrigatoriedade de reservar área para recreação. Art. 57. Nos grupamentos com mais de doze unidades residenciais será garantida, obrigatoriamente, área de recreação comum nas seguintes condições:

16 I - área mínima calculada na proporção de três metros quadrados por unidade residencial; II - poderá ser centralizada ou distribuída em áreas para atender a uma ou mais edificações, não podendo essas áreas parciais ser inferiores a quarenta metros quadrados; III - ter acesso mediante partes comuns e estar isolada da circulação e estacionamento de veículos. Subseção X Estacionamento e guarda de veículos Art. 58. É obrigatória a existência de estacionamento e guarda de veículos nas edificações da área, salvo as exceções relacionadas a seguir: I -as edificações residenciais unifamiliares e bifamiliares únicas no lote; II - os grupamentos com até doze edificações residenciais unifamiliares; III - as vilas com até doze unidades residenciais; IV - as edificações residenciais unifamiliares e bifamiliares em lotes internos de vila com área igual ou inferior a duzentos metros quadrados e/ou testada igual ou inferior a seis metros; V - as edificações não residenciais com até dois pavimentos e no máximo duas unidades, em lotes com testada igual ou inferior a seis metros ou área igual ou inferior a duzentos e cinqüenta metros quadrados. Art. 59. Os locais para estacionamento poderão ser cobertos ou descobertos; poderão estar localizados em subsolo enterrado ou semi-enterrado, e em pavimentos computáveis das edificações, de acordo com o disposto nesta Lei Complementar. Parágrafo único. Nas edificações multifamiliares, os locais para estacionamento e guarda de veículos ocuparão no máximo até o segundo pavimento. Art. 60. O número mínimo de vagas exigidas para as edificações obedecerá ao disposto no Anexo VI desta Lei Complementar. Parágrafo único. Quando o valor para o número de vagas apresentar parte fracionária, esta não será computada como vaga, não se aplicando esta disposição à primeira vaga. Subseção XI Disposições Gerais Art. 61. A regulamentação da veiculação de publicidade nas várias zonas dos bairros objeto desta Lei Complementar atenderá a legislação em vigor. Parágrafo único. A veiculação de publicidade em áreas de proteção ambiental ou de proteção ao ambiente cultural dependerá de aprovação pelo respectivo órgão de tutela.

17 Art. 62. O licenciamento de mesas e cadeiras nos passeios e áreas de afastamentos frontais e recuos obedecerá a legislação em vigor. Art. 63. Ficam dispensadas da exigência de apartamento para zelador e alojamento as edificações ou grupamentos de edificações com até vinte unidades autônomas e os grupamentos residenciais classificados como vilas. Seção II Das Zonas Art. 64. Os parâmetros de ocupação e parcelamento estabelecidos para as zonas são os seguintes: I Zona Residencial Unifamiliar - ZRU: ZRU Lama Preta e ZRU Estrada da Pedra a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 1,00 b) Gabarito - G: três pavimentos e onze metros c) Taxa de Ocupação TO: cinqüenta por cento d) Lote Mínimo: trezentos e sessenta metros quadrados e) Testada mínima: doze metros f) Afastamento Frontal: três metros g) Taxa de Permeabilidade -TP: vinte por cento h) Usos e Atividades: ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços ICS: 0,3 II Zona Residencial Multifamiliar - ZRM: ZRM Palmares; ZRM Estrada de Sepetiba a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 1,5 b) Gabarito - G: quatro pavimentos e quatorze metros c) Taxa de Ocupação - TO: não exigida d) Lote Mínimo: cento e vinte e cinco metros quadrados e) Testada mínima: oito metros f) Afastamento Frontal: três metros g) Taxa de Permeabilidade - TP: vinte por cento h) Usos e Atividades: ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços - ICS: 0,40 III Zona de Uso Predominantemente Industrial - ZUPI: ZUPI Nova Índia a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 2,0 b) Gabarito - G: quatro pavimentos e quatorze metros c) Taxa de Ocupação - TO: não será exigido d) Lote Mínimo: seiscentos metros quadrados e) Testada mínima: quinze metros f) Afastamento Frontal: cinco metros g) Taxa de Permeabilidade - TP: vinte por cento h) Usos e Atividades : ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços - ICS: 0,50

18 IV Zona de Uso Estritamente Industrial - ZEI: ZEI Distrito Industrial de Palmares a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 2,5 b) Gabarito - G: cinco pavimentos e dezessete metros c) Taxa de Ocupação - TO: não será exigido d) Lote Mínimo: mil metros quadrados e) Testada mínima: vinte metros f) Afastamento Frontal: cinco metros g) Taxa de Permeabilidade - TP: vinte por cento h) Usos e Atividades: ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços - ICS: não se aplica V Zona de Uso Misto-1 - ZUM-1: ZUM-1 João XXIII e Padre Guilherme Decaminada a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 2,0 b) Gabarito - G: quatro pavimentos e quatorze metros c) Taxa de Ocupação - TO: não será exigida d) Lote Mínimo: cento e vinte e cinco metros quadrados e) Testada mínima: oito metros f) Afastamento Frontal: três metros g) Taxa de Permeabilidade - TP: vinte por cento h) Usos e Atividades: ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços - ICS: não será exigido VI Zona de Uso Misto-2 - ZUM-2 Eixos Viários: Estrada dos Palmares, Estrada do Curtume, Av. Padre Guilherme Decaminada, Estrada de Santa Eugênia, Estrada Visconde de Sinimbu, Rua General Alexandre Barreto, Estrada da Pedra a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 2,0 b) Gabarito - G: cinco pavimentos e dezessete metros c) Taxa de Ocupação - TO: não será exigida d) Lote Mínimo: cento e vinte e cinco metros quadrados e) Testada mínima: oito metros f) Afastamento Frontal: três metros g) Taxa de Permeabilidade - TP: vinte por cento h) Usos e Atividades: ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços - ICS: não será exigido VII Zona de Uso Misto-3 - ZUM-3 Av. Brasil a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 3 b) Gabarito - G: seis pavimentos e dezenove metros c) Taxa de Ocupação - TO: não será exigida d) Lote Mínimo: cento e vinte e cinco metros quadrados e) Testada mínima: oito metros f) Afastamento Frontal: três metros g) Taxa de Permeabilidade - TP: vinte por cento h) Usos e Atividades: ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços ICS: não será exigido

19 VIII Zona Agrícola - ZA: ZA Canal do Pau da Flecha e ZA Colônia Agrícola a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 0,2 b) Gabarito - G: dois pavimentos e oito metros c) Taxa de Ocupação - TO: vinte por cento d) Lote Mínimo: dez mil metros quadrados e) Testada mínima: cinqüenta metros f) Afastamento Frontal: cinco metros g) Taxa de Permeabilidade - TP: setenta e cinco por cento h) Usos e Atividades: ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços ICS: 0,15 IX - Zona de Conservação Ambiental 1 - ZCA1: ZCA Serra de Inhoaíba a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 0,1 b) Gabarito - G: dois pavimentos e oito metros c) Taxa de Ocupação - TO: dez por cento d) Lote Mínimo: dez mil metros quadrados e) Testada mínima: cinqüenta metros f) Afastamento Frontal: cinco metros g) Taxa de Permeabilidade - TP: oitenta por cento h) Usos e Atividades : ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços - ICS: não se aplica X - Zona de Conservação Ambiental 2 - ZCA2: ZCA Nova Sepetiba a) Índice de Aproveitamento do Terreno - IAT: 0,4 b) Gabarito - G: dois pavimentos e oito metros c) Taxa de Ocupação - TO: vinte por cento d) Lote Mínimo: mil metros quadrados e) Testada mínima: vinte metros f) Afastamento Frontal: cinco metros g) Taxa de Permeabilidade - TP: setenta por cento h) Usos e Atividades: ver Quadros 1 e 2 do Anexo V desta Lei Complementar; i) Índice de Uso Comercial e de Serviços - ICS: não se aplica CAPÍTULO IV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 65. São partes integrantes desta Lei Complementar os seguintes anexos: I - Anexo I ZR-6 nos bairros de Santa Cruz, Sepetiba e Paciência, área a norte da Av. Brasil a)delimitação; b)descrição da delimitação II - Anexo II ZR-6 nos bairros de Santa Cruz, Sepetiba e Paciência, área próxima a Estrada da Pedra a)delimitação; b)descrição da delimitação;

20 III - Anexo III Descrição e delimitação das zonas, área a norte da Av. Brasil a) Delimitação, b)descrição da delimitação das zonas IV - Anexo IV - Descrição e delimitação das zonas, área próxima a Estrada da Pedra a) Delimitação, b)descrição da delimitação das zonas V - Anexo V - Usos e atividades : a)quadro 1 - Caracterização das situações de impacto; b)quadro 2 - Condições de implantação dos usos do solo urbano; VI- Anexo VI - Estacionamento e guarda de veículos Art. 66. Ato do Poder Executivo regulamentará o Quadro de Usos e Atividades para fins de licenciamento. Art. 67. Esta Lei Complementar entra em vigor na data da sua publicação.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25/2009 Modifica o Plano Diretor, autoriza o Poder Executivo a instituir a Operação Urbana Consorciada da Região do Porto do Rio e dá outras providências. Autor : Poder Executivo

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.944 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL. JOSÉ AURICCHIO JÚNIOR, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul, no uso das atribuições que

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE NITERÓI DECRETA E EU SANCIONO E PROMULGO A SEGUINTE LEI: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

A CÂMARA MUNICIPAL DE NITERÓI DECRETA E EU SANCIONO E PROMULGO A SEGUINTE LEI: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Lei nº 1.470/95 Publicada no D.O. de 12/12/1995 COM AS ALTERAÇÕES FEITAS PELAS LEIS 1563/96 E 1594/97 Dispõe sobre as condições para uso e ocupação do solo e conceitua parâmetros cujo detalhamento se dá

Leia mais

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA 0 Helcio Kronberg Avaliador e Leiloeiro Público Oficial R. Emiliano Perneta, 736 Centro - Curitiba/PR Fone/Fax 41 3233-1077 LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA Processo 0033193-67.2011.8.16.0179-1ª

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo Prefeitura Municipal de Campinas Lei de Uso e Ocupação do Solo 1988 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS Lei de Uso e Ocupação do Solo compilação 4º. edição de atualização 2011 concluída em Março/2011 sob

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 8760, DE 19 DE JANEIRO DE 2009. Regulamenta o art. 119, da Lei Complementar n.º 171, de 29 de maio de 2007 e Lei Complementar n.º 181, de 1º de outubro de 2008, que dispõe

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta)

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta) 1/7 COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de

Leia mais

VIII - participação da comunidade na gestão urbana.

VIII - participação da comunidade na gestão urbana. LEI COMPLEMENTAR N.º 416, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2.004 Estabelece diretrizes para ocupação do solo. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ, Estado de São Paulo, de acordo com o que decretou a Câmara Municipal

Leia mais

Lei Municipal N.º 1413

Lei Municipal N.º 1413 1 EMENTA: -- Disciplina o parcelamento da terra no Município de Volta Redonda, Estado do Rio de Janeiro. A Câmara Municipal Aprova e Eu Sanciono a Seguinte Lei: -- CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DO SOLO URBANO

PARCELAMENTO E USO DO SOLO URBANO Parc. Solo. 1 PARCELAMENTO E USO DO SOLO URBANO ÍNDICE CAPÍTULO I DOS CONCEITOS 02 CAPÍTULO II DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 04 CAPÍTULO III DOS REQUISITOS URBANÍSTICOS 05 SEÇÃO I DOS QUARTEIRÕES 05 SEÇÃO

Leia mais

Anexo 11. projetos especiais

Anexo 11. projetos especiais Anexo 11 projetos especiais L.C. 434/99, atualizada e compilada até a L.C. 667/11, incluindo a L.C. 646/10. Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria do Planejamento Municipal PROJETOS ESPECIAIS

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 DR. ANTONIO FIGUEIREDO DE OLIVEIRA, Prefeito Municipal de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, usando das atribuições que me são conferidas por lei. FAÇO SABER

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. Art. 13 - (...)

LEI COMPLEMENTAR N. Art. 13 - (...) LEI COMPLEMENTAR N. Altera e acrescenta dispositivos na Lei Complementar nº 18, de 31 de agosto de 2000, que Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano do Município de Poços de Caldas e dá outras providências.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA 1. GENERALIDADES A gleba destinada ao condomínio horizontal de lotes possui superfície de 446.750,54 m², em Atlântida município de Xangrilá-RS, conforme plantas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 44.667, DE 26 DE ABRIL DE 2004 Regulamenta as disposições da Lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002, que institui o Plano Diretor Estratégico, relativas às Zonas Especiais de Interesse Social

Leia mais

Diário Oficial Eletrônico

Diário Oficial Eletrônico LEI N 1314/2014 Estabelece normas para edificação em parcelamento do solo para fins urbanos no Município de Capim Branco, dispõe sobre a regularização e autorização de construção em condomínio fechado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS Procuradoria Geral LEI N.º 1.794, DE 31 DE MAIO DE 2010.

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS Procuradoria Geral LEI N.º 1.794, DE 31 DE MAIO DE 2010. LEI N.º 1.794, DE 31 DE MAIO DE 2010. INSTITUI A LEI DE USO, OCUPAÇÃO E PARCELAMENTO DO SOLO DO MUNICÍPIO DE OURO BRANCO, ALTERA A LEI Nº 1.619, DE 2007 QUE INSTITUI O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E DÁ

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a: Atualizada até LC 610/2007. LEI COMPLEMENTAR N.º 528 DE 18 DE ABRIL DE 2005 ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE VAGAS PARA ESTACIONAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM GERAL E A ADOÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS ÀS ATIVIDADES

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

D.O. Ano IV nº 245 Terça-feira, 12 de março de 1991 DECRETO Nº 10.040, DE 11 DE MARÇO DE 1991. Estabelece as condições relativas ao Regulamento de

D.O. Ano IV nº 245 Terça-feira, 12 de março de 1991 DECRETO Nº 10.040, DE 11 DE MARÇO DE 1991. Estabelece as condições relativas ao Regulamento de D.O. Ano IV nº 245 Terça-feira, 12 de março de 1991 DECRETO Nº 10.040, DE 11 DE MARÇO DE 1991 Estabelece as condições relativas ao Regulamento de Zoneamento para a Zona Especial 8 (ZE-8) Cidade Nova, na

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 399/07 DISPÕE SOBRE O PARCELAMENTO E A OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE MACUCO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a

Leia mais

no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que consta do processo n.º 14/978/88,

no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que consta do processo n.º 14/978/88, Decreto n.º 7914 de 03 de agosto de 1988 stabelece condições de uso e ocupação do solo para a 50a. Unidade spacial de Planejamento(UP), que corresponde aos bairros de BANGU, PADR MIGUL e SNADOR CAMARÁ,

Leia mais

Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo nas Macrozonas Urbanas do Município de Porto Nacional e dá outras providências.

Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo nas Macrozonas Urbanas do Município de Porto Nacional e dá outras providências. Lei Complementar nº 06/2006 Publicada no Placar em: Data / / Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo nas Macrozonas Urbanas do Município de Porto Nacional e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000 PROPOSIÇAO DE LEI Nº 30/2004 O Presidente da Câmara Municipal de Brumadinho, no uso de suas atribuições e no termos do disposto nos 1º e 8º do Art. 89 da Lei Orgânica Municipal do município de Brumadinho,

Leia mais

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 DISPÕE sobre a aprovação de projetos de condomínios residenciais, horizontal e vertical, no perímetro urbano do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Lei nº 7.974, de 10 de dezembro de 2007. Institui a Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano do Município de Campos dos Goytacazes. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Art. 6º - As edificações residenciais, segundo o tipo de utilização de suas unidades, poderão ser privativas ou coletivas.

Art. 6º - As edificações residenciais, segundo o tipo de utilização de suas unidades, poderão ser privativas ou coletivas. Código de Obras - REGULAMENTO DE CONSTRUÇÕES E EDIFICAÇÕES CAPÍTULO I CONCEITOS GERAIS Art. 1º - Para efeito de aplicação das normas deste Regulamento, uma edificação é caracterizada pela existência do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ KL Serviços e Engenharia S/C PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO LEI Nº Dispõe sobre o sistema Viário do Município de Quixadá e dá outras

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA

MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA O empreendimento imobiliário NOVO MUNDO EMPRESARIAL, a ser implantado na Reserva do Paiva, à Avenida A, Quadra F-1, Lote 4A2, Praia do Paiva,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PARDO ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PARDO ESTADO DE SÃO PAULO LEI Nº 3.272, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre alterações na Lei 2920, de 15 de janeiro de 2007, modificada pela lei 2943, de 10 de julho de 2007, e pela lei 2952, de 20 de julho de 2007 que trata

Leia mais

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016.

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016. AUTOR: PREFEITA MUNICIPAL, MARIA DA CONCEIÇÃO CALDAS RABHA A CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL NOSSA CIDADE LEGAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

Cota de soleira a medida da intersecção entre o limite da calçada e o limite do terreno.

Cota de soleira a medida da intersecção entre o limite da calçada e o limite do terreno. PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ Gabinete do Prefeito LEI Nº 1.774 EM 01 DE DEZEMBRO DE 1997 DISPÕE SOBRE O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DE MONGAGUÁ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JACOB KOUKDJIAN FILHO,

Leia mais

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E SOLO USOS PERMITI PERMISSÍVEL PROIBI Habitação unifamiliar uma por lote Comércio e serviço vicinal de pequeno porte 1 e 2 Comércio e serviço de bairro Comunitário

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Altera a Resolução SMU n.º 703 de 29/12/2006 que consolida, organiza e atualiza as normas, os procedimentos e a padronização para a elaboração e aprovação dos

Leia mais

LEI Nº 5.012, DE 10 DE JUNHO DE 2010.

LEI Nº 5.012, DE 10 DE JUNHO DE 2010. LEI Nº 5.012, DE 10 DE JUNHO DE 2010. Autor do Projeto de Lei C. M. nº 212/2009 Poder Executivo Diego De Nadai. Dispõe sobre o Uso do Solo no Município de Americana e dá outras providências. Diego De Nadai,

Leia mais

ANEXO 5 - TABELA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS TABELA DE CONTROLE URBANÍSTICO

ANEXO 5 - TABELA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS TABELA DE CONTROLE URBANÍSTICO ANEXO 5.1 - ZONA COMERCIAL 1 ZC1 mínimo básico máximo (1) ocupação permeabilidade frente fundo Residencial Unifamiliar qualquer via, as atividades classificadas em G2 nas vias coletoras e superiores e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº. 24, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta o artigo 18 da Lei nº 2.863/2008 Código de Obras e dá providências para avaliação e aprovação de Projetos de Edificações. O Secretário Municipal

Leia mais

TRANSCRIÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA

TRANSCRIÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA TRANSCRIÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA O MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, através da Secretaria Municipal de Urbanismo (SMU), em respeito ao princípio constitucional da publicidade e transparência, publica o texto

Leia mais

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5

Revisão da Legislação das Áreas Industriais na AP-3 e AP-5 Avenida Brasil HISTÓRICO A partir de 1935 foram definidas zonas de ocupação mais específicas dentre as quais a Zona Industrial. A primeira zona industrial efetivamente delimitada foi a de São Cristóvão.

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná LEI Nº 591, DE 02 DE OUTUBRO DE 2012 AUTORIZA A DESAFETAÇÃO E A ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS PARA FINS DE IMPLANTAÇÃO DE PARQUE INDUSTRIAL A EMPRESAS DEVIDAMENTE CONSTITUÍDAS NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Código Municipal de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo

Código Municipal de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo Código Municipal de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR EQUIPE TÉCNICA COORDENAÇÃO GERAL Maria Lúcia de Oliveira Falcón COORDENADOR TÉCNICO DA PREFEITURA Fernando Antônio de

Leia mais

> Lei Complementar nº 46/2014 de 18/06... Página 1 de 11 Lei Complementar nº 46/2014 de 18/06/2014 Ementa Ementa: Dispõe sobre o zoneamento, uso e ocupação do solo

Leia mais

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA LEI Nº 5.477 Regulamenta a Lei nº 1.674/77 e a Lei nº 5.406/13, nos aspectos que definem a reforma e a construção dos passeios dos logradouros públicos municipais, através do projeto denominado Calçada

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Secretaria Municipal de Serviços Urbanos Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE PASSEIOS PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Secretaria Municipal

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 128, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006.

LEI COMPLEMENTAR Nº 128, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. LEI COMPLEMENTAR Nº 128, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. ALTERADA PELAS LEIS COMPLEMENTARES Nº 164/2007; 184/2008; 183/2008; 263/2011; E PELA LEI ORDINÁRIA 3.275/2007 REVOGADAS AS LEIS ORDINÁRIAS Nº 1.776, DE

Leia mais

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso Zoneamento da Cidade de São Paulo Zoneamento Cidade de São Paulo Características das Zonas de Uso 1 Histórico A Legislação relativa a zoneamento reunia algumas dezenas de atos, decretos- leis, leis e decretos,

Leia mais

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO URBANISMO E MEIO AMBIENTE LEI Nº 16. 292, DE 29 / 01 / 97 EDIFICAÇÕES E INSTALAÇÕES NA CIDADE DO RECIFE

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO URBANISMO E MEIO AMBIENTE LEI Nº 16. 292, DE 29 / 01 / 97 EDIFICAÇÕES E INSTALAÇÕES NA CIDADE DO RECIFE SECRETARIA DE PLANEJAMENTO URBANISMO E MEIO AMBIENTE LEI Nº 16. 292, DE 29 / 01 / 97 EDIFICAÇÕES E INSTALAÇÕES NA CIDADE DO RECIFE Recife, 01 de fevereiro de 1997 SUMÁRIO TÍTULO DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Planilha de Controle e Registro Comentada Instruções

Planilha de Controle e Registro Comentada Instruções PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE BRAS E VIAÇÃO SUPERVISÃO DE EDIFICAÇÕES E CONTROLE Planilha de Controle e Registro Comentada Instruções A Planilha de Controle e Registro é

Leia mais

LEI N 2529 DE 17 SE SETEMBRO DE 1997

LEI N 2529 DE 17 SE SETEMBRO DE 1997 LEI N 2529 DE 17 SE SETEMBRO DE 1997 REGULAMENTA A INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE POSTOS DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

DECRETO N.º 212/2007

DECRETO N.º 212/2007 DECRETO N.º 212/2007 Aprova o Regulamento de Edificações do Município de Curitiba e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, no uso de suas atribuições legais, com base no disposto no

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes AVALIAÇÃO NOVO PDE Claudio Bernardes ORDENAÇÃO TERRITORIAL MACROÁREAS MACROZONEAMENTO ZONEAMENTO ZONAS ESPECIAIS EIXOS DE ESTRUTURAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO URBANA MACROZONAS I Macrozona de Proteção e Recuperação

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E AMBIENTAL CONDURB, REALIZADA EM 23 DE SETEMBRO DE 2003.

ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E AMBIENTAL CONDURB, REALIZADA EM 23 DE SETEMBRO DE 2003. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Aos vinte e três dias de setembro de dois mil e três, foi realizada reunião extraordinária do Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 2 / 12 AP4 UP2 Folha 3 / 12 AP4 UP2 Folha 4 / 12 AP4 UP2 Folha 5 / 12 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA LEI COMPLEMENTAR N.º 1.466, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. DISPÕE SOBRE A CIRCULAÇÃO, TRANSPORTE E MOBILIDADE MUNICIPAL E URBANA, BEM COMO DA HIERARQUIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E DIMENSIONAMENTO DAS VIAS PÚBLICAS

Leia mais

Institui o Código de Edificações no Município de Araxá, e dá outras providências

Institui o Código de Edificações no Município de Araxá, e dá outras providências Lei nº 3.137 Institui o Código de Edificações no Município de Araxá, e dá outras providências A Câmara Municipal de Araxá, com a graça de Deus decreta e eu, Prefeito, sanciono e promulgo a seguinte Lei:

Leia mais