JCMB ADVOGADOS E CONSULTORES PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JCMB ADVOGADOS E CONSULTORES PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR"

Transcrição

1 JCMB ADVOGADOS E CONSULTORES PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

2 CONTEÚDO 1. QUEM SOMOS 2. MACRO ÁREAS DE ATUAÇÃO 3. PRINCIPAIS CLIENTES JCMB 4. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR 6. CONSULTORIA JURÍDICA 10. ÁREA DE CAPITAIS E FINANCEIRA 12. BPO (BUSINESS PROCESS OUTSOURCING) 16. ATUARIAL 18. GOVERNANÇA CORPORATIVA 23. TRIBUTÁRIO/FISCAL

3 1 QUEM SOMOS Uma sociedade fundada por advogados, constituída em 1997, em Belo Horizonte, a JCMB é especializada em segmentos de entidades fechadas de previdência complementar, sociedades cooperativas, operadoras de planos de saúde, construção civil, mineração, indústria, dentre outros. Com uma equipe multidisciplinar composta por 200 colaboradores, dentre eles: advogados, atuários e contadores atuando de forma coordenada, a equipe da JCMB conta com uma experiência profissional diversificada (empresas de RH, auditoria, profissionais de EPC, consultorias, governo, dirigentes e conselheiros de Fundo de Pensão e prestadores de serviço). A diversidade de clientes atendidos pela JCMB permite a sua equipe amplo aprendizado e constante atualização dos problemas enfrentados pelo setor previdenciário. A JCMB desenvolve suas atividades de forma mais que personalizada, com atendimento ágil e eficiente, com total profissionalismo, buscando a satisfação e o sucesso de seus clientes. Seus profissionais estão aptos a atender aos mais diferentes tipos de demandas, pois são excelentemente preparados e com alto nível de especialização, conhecimento e experiência.

4 2 MACRO-ÁREAS DE ATUAÇÃO CONSULTORIA EM PREVIDÊNCIA ASSESSORIA JURÍDICA ÁREA DE CAPITAIS E FINANCEIRA BPO (BUSINESS PROCESS OUTSOURCING) ATUARIAL GOVERNANÇA CORPORATIVA TRIBUTÁRIO/FISCAL

5 3 PRINCIPAIS CLIENTES JCMB

6 4 CONSULTORIA EM PREVIDÊNCIA Assessoria e Pareceres no segmento de previdência complementar fechada sobre temas envolvendo interpretação de legislação e disposições estatutárias e regulamentares; Assessoria para respostas a questionamentos formulados por participantes e assistidos voltados para as disposições estatutárias e regulamentares dos planos de benefícios; Due Diligence, envolvendo análise de aspectos contingenciais e orientação de estratégias; Assessoria na análise de estratégias propostas, bem como orientação de estratégias voltadas para processos de reorganização societária entre empresas patrocinadoras, entre entidades fechadas de previdência complementar e entre planos previdenciários; Preparação de documentos relativos a processos de retirada de patrocínio, incorporação, cisão e fusão, bem como transferência de gerenciamento de planos de benefícios entre entidades fechadas de previdência complementar; Constituição de entidades fechadas de previdência complementar junto aos órgãos competentes, envolvendo a formatação de estatuto, regulamento de planos de benefícios, convênio de adesão, regimentos internos e outros documentos inerentes; Treinamento de administradores de entidades fechadas de previdência complementar, provendo, inclusive, orientação quanto às respectivas responsabilidades e governança corporativa; Assessoria em processos de comunicação, envolvendo a redação de material explicativo, termo de adesão, folders e outras peças de comunicação, bem como coordenando palestras de formação de multiplicadores para divulgação do plano de benefícios e/ou ministrando diretamente as palestras de divulgação;

7 5 CONSULTORIA EM PREVIDÊNCIA CONTINUAÇÃO Assessoria, no dia a dia, junto a patrocinadoras, administradores e outras pessoas ligadas às entidades fechadas de previdência complementar, dirimindo dúvidas sobre disposições estatutárias e regulamentares, sob o enfoque jurídico; Elaboração de boletins informativos sobre o teor de normas editadas contemplando as entidades fechadas de previdência complementar; Preparação de documentação, submissão e acompanhamento de processos submetidos à análise da PREVIC, envolvendo, em especial análise e formatação de minutas de respostas a ofícios, participação em reuniões junto à PREVIC para debate e proposição de alternativas de atendimento de exigências formuladas nos processos submetidos á análise; Assessoria presencial em reuniões de Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal e Diretoria-Executiva, objetivando subsidiar embasamento/suporte técnico para temas específicos, envolvendo, em especial, a elaboração e/ou revisão das respectivas atas de reunião; Acompanhamento de Fiscalização PREVIC e assessoria sobre procedimentos que devem ser realizados durante e após o processo fiscalizatório, envolvendo, em especial, assessoria para respostas aos itens levantados pela fiscalização nos Relatórios de Fiscalização; Elaboração e revisão de regimentos internos dos órgãos da estrutura organizacional, de programas de empréstimos, de processos eleitorais, de manuais de governança e outros normativos internos da entidade.

8 6 Elaboração de peças processuais ou teses para a defesa judicial dos interesses dos fundos de pensão e acompanhamento semanal de processos que envolvem a matéria previdenciária; Assessoria e Pareceres Jurídicos no segmento de previdência complementar fechada sobre temas envolvendo interpretação de legislação e disposições estatutárias e regulamentares; Assessoria Jurídica para respostas a questionamentos formulados por participantes e assistidos voltados para as disposições estatutárias e regulamentares dos planos de benefícios; Due Diligence, envolvendo análise de estatutos, regulamentos, atas de reuniões dos órgãos da estrutura organizacional, documentos técnicos, regimentos internos, materiais de comunicação, com destaque para levantamento de aspectos contingenciais e assessoria jurídica, a partir de relatório conclusivo das análises efetuadas, orientando a formulação de alternativas de estratégias para o tratamento das questões relevantes apuradas; ASSESSORIA JURÍDICA Assessoria jurídica na análise de estratégias propostas, bem como orientação, sob o enfoque jurídico, à luz das disposições legais vigentes e/ou práticas e entendimentos da PREVIC, de estratégias voltadas para processos de reorganização societária entre empresas patrocinadoras, entre entidades fechadas de previdência complementar e entre planos previdenciários;

9 7 Elaboração e/ou revisão de documentos relativos a processos de retirada de patrocínio, incorporação, cisão e fusão, bem como transferência de gerenciamento de planos de benefícios entre entidades fechadas de previdência complementar; Constituição de entidades fechadas de previdência complementar, junto aos órgãos competentes, envolvendo a formatação de estatuto, regulamento de planos de benefícios, convênio de adesão, regimentos internos e outros documentos inerentes, bem como assessoria para os competentes registros junto aos órgãos governamentais competentes: PREVIC, Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas, Secretaria da Receita Federal e Cadastro de Contribuintes Mobiliários; Treinamento de administradores de entidades fechadas de previdência complementar, provendo, inclusive, orientação quanto às respectivas responsabilidades e governança corporativa; ASSESSORIA JURÍDICA CONTINUAÇÃO Assessoria em processos de comunicação, envolvendo a redação de material explicativo, termo de adesão, folders e outras peças de comunicação, bem como coordenando palestras de formação de multiplicadores para divulgação do plano de benefícios e/ou ministrando diretamente as palestras de divulgação; Assessoria, no dia a dia, junto a patrocinadoras, administradores e outras pessoas ligadas às entidades fechadas de previdência complementar, dirimindo dúvidas sobre disposições estatutárias e regulamentares, sob o enfoque jurídico;

10 8 Elaboração de boletins informativos sobre o teor de normas editadas contemplando as entidades fechadas de previdência complementar; Preparação de documentação, submissão e acompanhamento de processos submetidos à análise da PREVIC, envolvendo, em especial análise e formatação de minutas de respostas a ofícios de exigências, participação em reuniões junto à PREVIC para debate e proposição de alternativas de atendimento de exigências formuladas nos processos submetidos á análise; Assessoria presencial em reuniões de Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal e Diretoria-Executiva, objetivando subsidiar embasamento/suporte técnico para temas específicos, envolvendo, em especial, a elaboração e/ ou revisão das respectivas atas de reunião; Acompanhamento de Fiscalização PREVIC e assessoria sobre procedimentos que devem ser realizados durante e após o processo fiscalizatório, envolvendo, em especial assessoria para respostas aos itens levantados pela fiscalização nos Relatórios de Fiscalização; ASSESSORIA JURÍDICA CONTINUAÇÃO Elaboração e revisão de regimentos internos dos órgãos da estrutura organizacional, de programas de empréstimos, de processo eleitoral, de manuais de governança e outros normativos internos da entidade;

11 9 ASSESSORIA JURÍDICA CONTINUAÇÃO Coordenação e condução de revisão dos procedimentos que vem sendo adotados e respectivos documentos formalizados pela entidade fechada de previdência complementar, de forma a prover a entidade fechada de previdência complementar com um diagnóstico detalhado de cumprimento das obrigações legais, objetivando minimizar eventuais questionamentos dos agentes de fiscalização da PREVIC. A revisão dos procedimentos abrangerá, dentre outros, a verificação: a) da regularidade das manifestações semestrais do Conselho Fiscal (Resolução CGPC 13/2004 a partir do exercício de 2005); b) dos processos atuais (por amostragem) relacionados ao atendimento da legislação contra crimes de lavagem de dinheiro (Instrução SPC 18/2007); das aprovações anuais pelos órgãos da estrutura organizacional da entidade fechada de previdência complementar, dos documentos obrigatórios de fechamento do exercício (período abrangido de últimos 5 anos) e respectivo processo de comunicação obrigatória aos participantes e assistidos (Demonstração Atuarial, Política de Investimentos, Demonstrações Contábeis, etc.); c) da regularidade dos livros de registro de atas dos órgãos da estrutura organizacional, de acordo com o estatuto e a legislação vigente; d) da adequação da composição dos Conselhos Deliberativo e Fiscal, em atendimento à legislação vigente e disposições estatutárias; e) de processos relacionados a inscrição e desligamento de participantes, etc. Análise e classificação de riscos processuais.

12 10 Consultoria sobre normas de mercado de capitais e de valores mobiliários, considerando as diretrizes de investimento das EFPC; Atuação contenciosa em processos administrativa e judiciais que envolvam questões relativas ao mercado financeiro e de capitais; ÁREA DE CAPITAIS E FINANCEIRA Assessoria jurídica com profissionais especializados em investimentos de entidades de previdência complementar, incluindo os segmentos de renda fixa, renda variável, empréstimos e financiamentos a participantes e assistidos, estruturados e exterior; Assessoria jurídica especializada no âmbito de inquéritos, fiscalizações e/ou processos administrativos sancionadores de competência da CVM, Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN), Banco Central do Brasil (BACEN); BM&FBOVESPA, Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC) e/ou Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), em assuntos relativos ao mercado de financeiro e de capitais, elaborando-se defesas, recursos, termos de ajustamento de conduta, bem como realizando consultas a referidos órgãos;

13 11 Assessoria jurídica em operações estruturadas, mediante a elaboração dos documentos e contratos necessários à implantação e negociação de investimentos, tais como, Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), Fundos de Investimento Imobiliário (FII), Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) e outros valores mobiliários; ÁREA DE CAPITAIS E FINANCEIRA CONTINUAÇÃO Registro e Análise jurídica de Fundos de Investimento (Fundos de Ações, Fundos de Dívida Externa, Fundo Cambial, Fundo de Renda Fixa, Fundo Multimercado e Fundo Referenciado); Assessoria no registro de EFPC na CVM e orientações quanto às obrigações e deveres decorrentes de referido registro; Consultoria quanto à regulamentação aplicável às companhias abertas, fundos de investimento, sociedades de asset management, corretoras e demais agentes do mercado; e Realização de due diligence, com objetivo de trazer segurança jurídica para o investimento dos recursos das EFPC.

14 12 A JCMB começou a desenvolver a área de BPO (Business Process Outsourcing) em Foram 2 anos de laboratório, desenvolvendo um poderoso sistema de administração 100% web e totalmente integrado. BPO (BUSINESS PROCESS OUTSOURCING) Depois foram mais 2 anos implantando e aperfeiçoando projetos pilotos com entidades parceiras que atualmente são clientes BPO da JCMB. Hoje, podemos dizer que o BPO da JCMB é a solução mais completa do mercado para a administração de uma entidade de previdência privada. Através de software próprio 100% web, a JCMB oferece ao mercado de fundos de pensão uma total flexibilidade na contratação de serviços: Terceirização Completa Todos os processos ficam sob responsabilidade do time da JCMB. Terceirização Parcial Dentro do escopo completo, a entidade pode escolher atividades ou macroprocessos para rodar internamente, deixando os demais sob responsabilidade do time da JCMB. Utilização do Sistema A entidade utiliza apenas o sistema 100% Web da JCMB e roda todos os processos internamente, sem necessidade de investir em servidores, segurança, atualizações. Staf Loan O time da JCMB sai do banco e substitui os recursos humanos da entidade temporariamente (licenças, viagens, férias, etc) O BPO JCMB O sistema JCMB não é modular, não é um agendador de processos, não é uma página estática na web, atualizada por um aplicativo client, como a grande maioria disponível no mercado.

15 13 O sistema JCMB é uma ferramenta 100% Web única, integrada, flexível e totalmente parametrizável a qualquer tipo de entidade fechada de previdência privada. BPO (BUSINESS PROCESS OUTSOURCING) CONTINUAÇÃO Principais funcionalidades: Cadastro Cadastro completo de pessoas físicas e jurídicas, Pessoas Politicamente Expostas, Opções Tributárias. Geração de dados DPREV. Arrecadação Contribuições por lote ou boletos, controle de autopatrocinados e BPDs, extratos de saldos, portabilidades de entrada. Contabilização automática. Benefícios Controle de elegibilidade, extratos de desligamento, termos de opção, simulações de resgate e benefícios, concessões de benefícios BD e CD, portabilidades de saída. Folha de Pagamento de Benefícios Processamento flexível, multi-datas, individual, em grupos ou geral. Antecipações, abonos, recálculos. Pensões alimentícias, múltiplas rubricas. Envio de arquivos bancários, relatórios. Contabilização automática. Geração de DIRF,DARF e informe de rendimentos.

16 14 Empréstimos Controle de qualquer modalidade de empréstimos. Renegociações. Contabilização automática. BPO (BUSINESS PROCESS OUTSOURCING) CONTINUAÇÃO Investimentos Importação de arquivos dos gestores, controle de saldos, geração de dados para DI. Contabilização automática. Contabilidade Balancetes, razões, diários, relatórios de encerramento de exercício. Contabilização modelada e programada. Múltiplo plano de contas, segregação por plano, perfil de investimentos, patrocinadora e centro de custo. Integração total com PREVIC. Tesouraria Todos os pagamentos e recebimentos numa única tela. Controle dos impostos. Contabilização automática. Patrimônio Quotização dos movimentos, evolução dos saldos, cálculo automático das quotas, calculo automático da alocação das rentabilidades para multi-perfis de investimentos. Quotas diárias ou mensais. Contabilização automática.

17 15 Folha de Ativos BPO (BUSINESS PROCESS OUTSOURCING) CONTINUAÇÃO Administração completa da folha de funcionários da entidade nos mesmos moldes da folha de benefícios, respeitando as características especificas de uma folha administrativa. Autoatendimento O participante acessa um modulo on-line exclusivo, com total segurança e informações em tempo real, onde ele tem acesso a dados cadastrais, extratos, simulações e segundas vias de boletos, demonstrativos de pagamento e informes de rendimento. Website Corporativo Caso a entidade ainda não possua um website, a JCMB fornece um totalmente personalizado, com informações em tempo real. Caso a entidade já possua, a JCMB fornece um frame para que os participantes possam acessar o autoatendimento diretamente do site da entidade. Implantação rápida, migração eficaz, custos reduzidos, qualidade e segurança totais.

18 16 CONSULTORIA ATUARIAL Desenvolvimento de plano de benefícios previdenciais para Empresas e Entes Associativos, com soluções completas para as Entidades. ESTUDO DE ASSET LIABILITY MANAGEMENT (ALM) Realização do estudo técnico que abrange o comportamento do passivo atuarial do plano, considerando a longevidade da população estudada, possibilitando o gestor dos investimentos desenvolver o estudo do ALM, para as diretrizes das políticas de investimentos. AUDITORIA ATUARIAL E DE BENEFÍCIOS A auditoria é uma revisão do passivo atuarial e dos benefícios, transações e operações do plano, com a finalidade de assegurar a fidelidade dos registros e proporcionar credibilidade às demonstrações financeiras e outros relatórios da administração. A auditoria também identifica deficiências no sistema de controle interno e no e apresenta recomendações para melhorá-los. TESTE ESTATÍSTICO DE ADERÊNCIA DAS PREMISSAS ATUARIAIS Realização do teste estatístico de aderência das hipóteses e premissas atuariais, através de cálculos e metodologias estatísticas aplicáveis ao estudo, tendo por objetivo verificar a adequação das hipóteses e premissas atuariais utilizadas pelos Planos de Benefícios, à a luz da legislação vigente. TREINAMENTOS DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA E PREVIDENCIÁRIA Elaboramos e proferimos cursos e treinamentos de Educação Financeira e Previdenciária para Fundos de Pensão, tendo como objetivo mostrar ao Participante a importância de conhecer profundamente seus planos de benefícios. ATUARIAL

19 17 ELABORAÇÃO DE MATRIZ DE RISCO ATUARIAL Para auxiliar os Fundos de Pensão a gerir o risco atuarial, elaboramos uma matriz de risco, de modo que a Entidade possa mitigar o risco atuarial. CÁLCULO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL Realizamos os cálculos para de avaliação atuarial periódica (exigida anualmente) e quando houver necessidade, dependendo do processo que o cálculo seja exigido. CÁLCULO ATUARIAL PARA RETIRADA DE PATROCÍNIO Realização de avaliação atuarial específica, de acordo com as exigências da legislação vigente. CÁLCULOS ATUARIAIS CONFORME DELIBERAÇÃO CVM 695/12 E PADRÕES INTERNACIONAIS USGAAP E IFRS Cálculos para contabilização e divulgação dos passivos atuariais dos planos de benefícios, requeridos no pronunciamento CVM 695/12 e internacional IFRS. ELABORAÇÃO DE PLANOS DE EQUACIONAMENTO DE DÉFICITS Desenvolvemos projetos de equacionamento de déficits, com soluções para cada plano de benefícios, verificando o fluxo de caixa e a solvência do plano. ATUARIAL CONTINUAÇÃO

20 18 SISTEMA DE MONITORAMENTO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS O Sistema de Monitoramento de Riscos e Controles Internos tem por objetivo auxiliar as Entidades Fechadas de Previdência Complementar, na adequação e atendimento às exigências previstas nos artigos 12 e 19 da Resolução CGPC n 13/2004, sendo uma ferramenta de grande relevância na implementação da Gestão Baseada em Riscos. Esta ferramenta foi desenvolvida de maneira a viabilizar a identificação dos riscos da Entidade, sua mensuração quanto à sua exposição a esses riscos, bem como a eficácia dos controles existentes, com base no mapeamento dos processos e rotinas operacionais. Como resultado, o Sistema dispõe de relatórios gerenciais e que auxiliam no processo decisório pelo corpo diretivo da EFPC, oferecendo principalmente, subsídios para a manifestação semestral do Conselho Fiscal. Conceito Conforme a CGPC n 13/2004, as avaliações são realizadas semestralmente e o Sistema é constituído por matrizes de riscos de diversas origens, tais como riscos atuariais, legais, de mercado, operacionais, dentre outros, aos quais pertencem a grandes principais Processos. Inicialmente, a JCMB disponibiliza para seus clientes uma Matriz Modelo, formada com até 400 riscos, distribuídos em 16 matrizes de riscos e controles, sendo estas matrizes distribuídas entre 4 macroprocessos, cujos riscos foram identificados a partir da experiência com Entidades de diversos portes e níveis de complexidade. GOVERNANÇA CORPORATIVA

21 19 Para a classificação dos riscos, utilizamos a metodologia baseada nos princípios e práticas de controles internos emanados do Committee of Sponsoring Organizations of thetradeway Comission COSO, e adaptados às peculiaridades e características de risco operacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Características O Sistema possui todas as transações via web. Além de permitir o acesso de qualquer lugar, não impacta em custos com infraestrutura de hardware e software para implantação e a utilização do sistema. É de fácil interação e navegabilidade, sendo compatível com o Internet Explorer, Mozilla Firefox e Google Chrome. Possibilita a criação dos Logins de acesso de acordo com o perfil do usuário. Registro de Log para as transações realizadas pelos usuários no sistema. Geração de Relatórios gerenciais e gráficos, nos formatos Excel, Word e Pdf. Permite aos usuários, o controle dos prazos de cumprimento das obrigações, através da utilização do Calendário de obrigações automatizado. Dispõe de função para controle dos Planos de Ação, com notificação dos prazos para os responsáveis por , registro do acompanhamento e das justificativas de prorrogação de prazo. Possui em todas as suas páginas de transação (medição de riscos, avaliação de controles, obrigações, etc) campos para anexação de documentos comprobatórios que ficam arquivados no sistema. GOVERNANÇA CORPORATIVA CONTINUAÇÃO

22 20 Função Chave de Controle, que permite a atuação pela auditoria interna ou externa, na verificação da execução dos controles, cujas evidências podem ser registradas e arquivadas no próprio sistema.eventos relacionados à ocorrência de riscos na EFPC podem ser documentados, com a inclusão do histórico relacionado ao tipo de erro, especificação, a causa, impacto financeiro (caso tenha havido), reincidência, providências tomadas e responsáveis. Suporte técnico e operacional realizado por profissionais experientes. Constante aprimoramento do Sistema, visando o atendimento das necessidades e demandas dos clientes. CONSULTORIA EM GESTÃO DE PROCESSOS A JCMB Consultores, utilizando-se de seu quadro multidisciplinar de colaboradores, está altamente capacitada para prestar serviços de consultoria em gestão de processos internos, sobretudo trabalhos de mapeamento, manualização e fluxogramação de processos. Conhecer, entender e revisitar periodicamente os processos básicos de uma organização é a primeira medida para se ter o controle. Mapeamento Mapeamento de processos é a identificação de todos os processos internos existentes em uma organização, bem como o fluxo operacional de cada um e a interrelação que possuem entre si. Por meio do mapeamento de processos, é possível calcular os custos totais do processo, das suas atividades ou tarefas, o tempo de execução, os responsáveis, o pessoal alocado, o tempo de dedicação de cada recurso e estabelecimento de melhorias ou otimizações. Além disto, o mapeamento dos processos possibilita e facilita a construção de sistemas de medições (indicadores de desempenho), avaliando em tempo real a execução das tarefas, medições dos resultados, custos, produtividade, etc., tornando mais fácil o seu gerenciamento. GOVERNANÇA CORPORATIVA CONTINUAÇÃO

23 21 No mapeamento, define-se exatamente o que a organização faz, quem é responsável, em que padrão um processo deve ser concluído e como o sucesso de um processo de negócio pode ser determinado, permitindo-se que não haja incerteza quanto às exigências de cada um dos processos internos. A JCMB não apenas atua mapeando os processos internos de seus clientes, mas também conjugando os processos com o gerenciamento de seus riscos (mapeando-se os riscos operacionais), o que proporciona a redução da incidência de situações fortuitas e prejudiciais ao funcionamento dos processos (e da organização). Manualização Manual é o conjunto de normas, instruções e documentos sobre políticas, diretrizes e sistemáticas operacionais de uma organização. Por ser um veículo fundamental para o esclarecimento de dúvidas, o manual deve ser acessível, claro e atualizado. É o documento que aglutina informações sobre os aspectos ligados ao ambiente, à coordenação, e, consequentemente, aos controles internos, ao treinamento e ao desenvolvimento de recursos humanos. A existência de manuais que reflitam os processos internos executados viabiliza não apenas o esclarecimento de eventuais dúvidas, durante a execução do processo, mas também que os padrões de procedimento sejam mantidos e as necessidades de alterações de processos sejam mais facilmente visualizadas e realizadas. De acordo com o interesse de cada cliente, a JCMB está apta a elaborar Manuais de Organização, Manuais de Operação, Manuais de Formulários e/ou Manuais de Normas. GOVERNANÇA CORPORATIVA CONTINUAÇÃO

24 22 Fluxogramação Fluxogramas são gráficos de processamento para trabalhos de análises administrativas. Representam a técnica mais conhecida e mais utilizada no que se refere ao gerenciamento de processos internos. De maneira geral, um fluxograma apresenta o processo interno passo a passo, ação por ação, ou seja, apresenta o fluxo das atividades existentes em cada processo interno, bem como de suas etapas, a fim de que sejam identificadas a utilidade e a qualidade de cada uma delas. O fluxograma de um processo interno facilita a visualização dos riscos existentes no processo, dos controles existentes para mitigá-los e das fragilidades que devem ser enfrentadas. Deste modo, torna-se mais fácil também a uniformização de procedimentos e a percepção das alterações que eventualmente devem ser realizadas, tais como redução ou acréscimo de etapas, alteração de responsável ou até mesmo a extinção do processo. Recomendamos sempre aos nossos clientes que nossos serviços de consultoria em gestão de processos seja executado prévia ou concomitantemente ao trabalho de implantação do Sistema, embora possa ser realizado posteriormente se for a preferência do cliente. Além disto, é facultado a nossos clientes contratar a etapa de trabalho que seja do seu interesse, caso não vislumbre a necessidade de execução de todas elas. Caso nossos clientes permaneçam atentos à eventual necessidade de execução de cada um dos serviços acima mencionados, estamos certos de que estarão adotando as melhores e mais modernas práticas de Governança Corporativa. GOVERNANÇA CORPORATIVA CONTINUAÇÃO

25 23 TRIBUTÁRIO/FISCAL Contencioso Judicial Contencioso Administrativo Consultoria Jurídica Consultoria fiscal Tese Jurídicas Tributárias Revisão e Diagnóstico Fiscal Planejamento Tributário Auditoria/Revisão de Procedimentos Fiscais Encargos Trabalhistas e Previdenciários (Folha de salários) Treinamento in Company Revisão das declarações DIRF; DCOMP; DCTF; DPREV; DIPJ SPED

26 NOSSOS ESCRITÓRIOS

Soluções em Previdência Complementar & Serviços Atuariais

Soluções em Previdência Complementar & Serviços Atuariais Aon Hewitt Soluções em Previdência Complementar & Serviços Atuariais Facilidade e segurança para o RH e os colaboradores Risk. Reinsurance. Human Resources. Soluções em Previdência Complementar & Serviços

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS.

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. O Instituto IDEAS apresenta o Curso Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Este curso

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre previdenciais

Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre previdenciais Geraldo de Assis Souza Júnior PAUTA APRESENTADA A PREVIC SOBRE O PGA Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre

Leia mais

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade.

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade. Julio Cesar Medeiros Pasqualeto Contador, com 27 de experiência. Pós Graduado em Finanças pela FGV /RJ e Mestrando em Controladoria/Finanças pela Unisinos/RS. Membro CTNC ABRAPP e ANCEP, Membro do Conselho

Leia mais

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA).

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). 1. Como proceder para corrigir, nas Demonstrações Atuariais, as informações do campo características dos benefícios?

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

Pesquisa de Satisfação

Pesquisa de Satisfação Pesquisa de Satisfação Anualmente a Visão Prev realiza uma Pesquisa de Satisfação com seus participantes. A ação é uma das ferramentas utilizadas pela Entidade para ouvir a opinião dos participantes e

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho AGENDA A FUNCEF INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS FUNDAÇÃO 1ºde Agosto de 1977 34 anos PATROCINADO RAS Missão COLEGIADOS CAIXA ECONÔMICA

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Rua George Smith, 29 Lapa São Paulo SP CEP 05074-010 Telefone/Fax: 55.11.3837-000 www.qualityassociados.com.br

Rua George Smith, 29 Lapa São Paulo SP CEP 05074-010 Telefone/Fax: 55.11.3837-000 www.qualityassociados.com.br Rua George Smith, 29 Lapa São Paulo SP CEP 05074-010 Telefone/Fax: 55.11.3837-000 A empresa Rua George Smith, 29 Lapa São Paulo SP CEP 05074-010 Telefone/Fax: 55.11.3837-000 A Quality Associados foi criada

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR OPERADO POR ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, QUE ADMINISTRAM PLANOS DE BENEFÍCOS CLASSIFICADAS EM: ENTIDADES ABERTES

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO FISCAL, CONTABIL E DEPARTAMENTO PESSOAL.

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO FISCAL, CONTABIL E DEPARTAMENTO PESSOAL. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO FISCAL, CONTABIL E DEPARTAMENTO PESSOAL. OBJETIVO DOS TRABALHOS a) Revisão e diagnóstico sobre os procedimentos legais aplicáveis as operações financeiras e fiscais

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

Conte com a gente e fique tranquilo.

Conte com a gente e fique tranquilo. Visão global e soluções adaptadas às suas necessidades. A melhor combinação de experiência e proximidade. USE O MENU ACIMA PARA NAVEGAR PELO DOCUMENTO NOSSA HISTÓRIA Fundada em 1988, em Mogi Mirim (SP),

Leia mais

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Quem Somos Somos uma sociedade de advogados dedicada à assistência e orientação jurídica as empresas nacionais e estrangeiras.

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

Áreas de Atuação Societário

Áreas de Atuação Societário SC Advogados Apresentação A Salomão Cateb Advogados foi fundada em 1963 na cidade de Belo Horizonte por Salomão de Araújo Cateb. Os mais de 40 anos de atividade conferiram à empresa o reconhecimento e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Voto (ou simplesmente Política ) é determinar as regras que deverão ser observadas pelos Fundos

Leia mais

José Edson da Cunha Júnior

José Edson da Cunha Júnior José Edson da Cunha Júnior HETEROGENEIDADE DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E EFICIÊNCIA REGULATÓRIA, OPERACIONAL E DE FISCALIZAÇÃO Sumário 1. Contextualização; 2. Debates Atuais; 3. Reflexões e Apontamentos.

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO RISCO OPERACIONAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão de Risco Operacional; 3. Estrutura

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto 1.1. O objeto desta Política de Voto é estabelecer as regras a serem observadas pela INFRA

Leia mais

ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B

ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B 1 Relembrando os critérios de cálculo da MAT vitalícia O participante do plano B tem a opção, quando atingidos os critérios

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO 1.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO

POLÍTICA DE VOTO 1.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO POLÍTICA DE VOTO 1.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO A BRAM Bradesco Asset Management S.A DTVM ( BRAM ) aderiu ao Código de Auto Regulação de Fundos de Investimento ( Código ) da Associação Nacional de Bancos de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015

CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 EDIÇÃO 72, SEÇÃO I, PÁGINA 35, DE 16 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO Nº 19, DE 30 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre os processos de certificação, habilitação e qualificação

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto 1.1. Pelo presente documento, a INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. ( Gestora ), vem,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA

MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA SUMÁRIO Qual é o significado de aposentado e pensionista?...3 Quando é realizado

Leia mais

aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de

aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de auditoria, assessoria e consultoria, oferecendo completo portifólio

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 18, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece orientações e procedimentos

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Julho/2010 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA...3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. MATÉRIAS RELEVANTES OBRIGATÓRIAS...3 5. DOS CASOS FACULTATIVOS...4

Leia mais

Parecer do Comitê de Auditoria

Parecer do Comitê de Auditoria Parecer do Comitê de Auditoria 26/01/2015 Introdução Título do documento De acordo com o que estabelece o seu regimento interno, compete ao Comitê de Auditoria assegurar a operacionalização dos processos

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

AOS PARTICIPANTES E AOS BENEFICIÁRIOS ASSISTIDOS DA FFMB GRUPO FFMB PROCESSO DE RETIRADA DE PATROCÍNIO HOMOLOGAÇÃO

AOS PARTICIPANTES E AOS BENEFICIÁRIOS ASSISTIDOS DA FFMB GRUPO FFMB PROCESSO DE RETIRADA DE PATROCÍNIO HOMOLOGAÇÃO AOS PARTICIPANTES E AOS BENEFICIÁRIOS ASSISTIDOS DA FFMB GRUPO FFMB PROCESSO DE RETIRADA DE PATROCÍNIO HOMOLOGAÇÃO Prezado Participante/Beneficiário Assistido, A Superintendência Nacional de Previdência

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

ATUALIZAÇA O EM PREVIDE NCIA COMPLEMENTAR

ATUALIZAÇA O EM PREVIDE NCIA COMPLEMENTAR ATUALIZAÇA O EM PREVIDE NCIA COMPLEMENTAR Curso inovador, dinâmico e prático sobre Previdência Complementar, adequado às necessidades do mercado e ministrado pelos maiores especialistas, autoridades e

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001)

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) Texto Atual Texto Proposto Justificativas Art. 4º. Nas sociedades de economia

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Do Objetivo

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Do Objetivo POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CAPÍTULO I Do Objetivo 1.1 Esta política tem por objetivo estabelecer os requisitos e os princípios que nortearão a Finacap Consultoria Financeira

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

Apresentação institucional

Apresentação institucional Apresentação institucional 2010 Institucional Quem somos Nossos valores Áreas de atuação Equipe Parcerias Contato Quem somos Sociedade de advogados com foco de atendimento em direito empresarial, compreendendo

Leia mais

Adequação ao esocial Como se preparar?

Adequação ao esocial Como se preparar? www.pwc.com.br/esocial Adequação ao esocial Como se preparar? Agenda 1 2 3 4 5 Introdução O que é o esocial? Pesquisa Como as empresas estão se preparando? Impactos Mudanças no manual e seus impactos Discussão

Leia mais

Gestão de Processos de RH

Gestão de Processos de RH Gestão de Processos de RH A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências

Leia mais

Manual de Governança Corporativa, Controles Internos & Compliance. MSD PREV Sociedade de Previdência Privada

Manual de Governança Corporativa, Controles Internos & Compliance. MSD PREV Sociedade de Previdência Privada Manual de Governança Corporativa, Controles Internos & Compliance MSD PREV Sociedade de Previdência Privada Sumário APRESENTAÇÃO... 7 1 INTRODUÇÃO... 8 2 HISTÓRICO da MSD PREV Após a Lei Complementar nº

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ORÇAMENTO PARA. EFPC (Entidade Fechada de Previdência Complementar) SIOEFPC UM RESUMO DO SEU FUNCIONAMENTO

SISTEMA INTEGRADO DE ORÇAMENTO PARA. EFPC (Entidade Fechada de Previdência Complementar) SIOEFPC UM RESUMO DO SEU FUNCIONAMENTO SISTEMA INTEGRADO DE ORÇAMENTO PARA EFPC (Entidade Fechada de Previdência Complementar) SIOEFPC UM RESUMO DO SEU FUNCIONAMENTO FUNDO DE PENSAO EFPC O Sistema de Orçamento está estruturado em linha com

Leia mais

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade.

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade. Julio Cesar Medeiros Pasqualeto Contador, com 27 de experiência. Pós Graduado em Finanças pela FGV /RJ e Mestrando em Controladoria/Finanças pela Unisinos/RS. Membro CTNC ABRAPP e ANCEP, Membro do Conselho

Leia mais

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m.

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. b r Fundado em 1997, FreitasLeite possui grande experiência

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de advogados voltada para os mais variados ramos do direito, com atuação preventiva e contenciosa em todo o território nacional. Sociedade nascida da união de profissionais

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL

QUESTIONÁRIO SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL QUESTIONÁRIO SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL Você está contribuindo para a elaboração de um diagnóstico nacional sobre o estágio em que se encontram as práticas contábeis. Isso é importante para o

Leia mais

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS INTEGRADOS PARA ASSEGURAR O CONTROLE COMPLETO DO PROCESSO DE VENDAS, COM ACESSO COMPARTILHADO POR TODAS AS PARTES ENVOLVIDAS. NOSSA PLATAFORMA WEB

Leia mais

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e,

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e, Introdução O Plano Prodemge Saldado está sendo criado a partir da cisão do Plano Prodemge RP5-II e faz parte da Estratégia Previdencial. Ele é uma das opções de migração para participantes e assistidos.

Leia mais

AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA. Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo.

AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA. Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo. AASP Associação dos Advogados de São Paulo MATERIAL EXPLICATIVO AASP PREVIDÊNCIA Plano administrado pelo HSBC Instituidor Fundo Múltiplo. Introdução Através deste Material Explicativo você toma conhecimento

Leia mais

ACR Consultoria Empresarial

ACR Consultoria Empresarial ACR S/C Ltda. Rua Vespasiano, 334 1 Andar Salas 5 a 8 Vila Romana São Paulo SP - Brasil CEP 05044-050 Tronco-Chave: 11 55 3801.3092 www.acrconsultoria.com.br Terceirização Transferência da responsabilidade

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

Guia PCD. Conheça melhor o Plano

Guia PCD. Conheça melhor o Plano Guia PCD Conheça melhor o Plano Índice De olho no Futuro...3 Quem é a Fundação Centrus?...5 Conhecendo o Plano de Contribuição Definida - PCD...6 Contribuições do Participante...7 Saldo de Conta...8 Benefícios

Leia mais

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

Aplicação FUNCIONALIDADES

Aplicação FUNCIONALIDADES O sistema Advice é uma solução Corpdigital baseada na web que centraliza, de forma totalmente integrada, as atividades de um conselho de fiscalização profissional. A ferramenta apresenta módulos integrados

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Quem somos SP I RJ I BH. www.tgec.com.br. www.tgecauditores.com.br. Tel: +55 11 3138.5100

Quem somos SP I RJ I BH. www.tgec.com.br. www.tgecauditores.com.br. Tel: +55 11 3138.5100 Soluções TG&C 2015 Quem somos A TG&C Trevisan Gestão & Consultoria carrega em seu DNA uma história de inovação e empreendedorismo. Em pouco tempo, a TG&C se tornou uma referência no mercado brasileiro,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb.

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2014. Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. 1- Na estatística de tempo médio de contribuição, teria que colocar observação para os Regulamentos

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86)

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) Dispõe sobre as aplicações dos recursos financeiros dos Regimes Próprios

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (CJ-3) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência Conversão para IFRS - Enfrentando o desafio A conversão para IFRS é um processo complexo e multifacetado.

Leia mais

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Como trabalhamos? no passado a pouco tempo Daqui para frente ECD Escrituração Contábil Digital IN RFB 787/07 O que é? : É a substituição

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 BRIGANTI ADVOGADOS é um escritório brasileiro de advogados, de capacidade e experiência reconhecidas, que nasce com um propósito distinto. Nosso modelo de negócio

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA

REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA 2010 1 1. Este Regulamento traz as regras adotadas pelo ICSS para a Certificação por Experiência de Profissionais, através do reconhecimento da sua capacitação

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

MODALIDADE Business Process Outsourcing - BPO

MODALIDADE Business Process Outsourcing - BPO MODALIDADE Business Process Outsourcing - BPO Na solução BPO a ABGT SISTEMAS assume operação e execução da folha de pagamento, e rotinas da administração de pessoal, além de fazer a hospedagem e o gerenciamento

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização Patrimônio R$ Mil Líquido 1.DISPONIBILIDADES 8 0,03 Depósitos

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Definição e Finalidade

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Rua Amauri, 255 6º andar 01448-000 São Paulo SP Brasil T (+55 11) 3019 3400 F (+55 11) 3019 3414 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CAPÍTULO I Definição e Finalidade De acordo

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais