Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ)"

Transcrição

1 Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ) Aula 7: Programação com memória compartilhada usando OpenMP 1, 8, 10 e 15 de abril de 2015

2 OpenMP (Open MultiProcessing) Projetado para sistemas de memória compartilhada usa instruções/diretivas especiais para o pre-processador (pragma) permite ações que não fazem parte da especificação básica da linguagem pragmas são ignorados caso não exista suporte do compilador além das diretivas, OpenMP inclui funções e macros, por isso incluir omp.h

3

4 ver exemplo de código: omp hello.c

5 Pragmas do OpenMP pragma omp parallel diretiva mais básica o bloco de código seguinte será executado em paralelo por um número de threads definida pelo sistema de execução há uma barreira impĺıcita quando o bloco de código que segue a diretiva é concluído são criadas (nthreads 1) threads após a diretiva (a última thread é a thread principal)

6 Cláusula (clause) exemplo texto que modifica uma diretiva a cláusula num threads pode ser adicionada para a diretiva parallel permite especificar o número de threads que deverão executar o bloco seguinte pragma omp parallel num threads ( thread count )

7 Observações o tamanho default de pragmas é uma linha, para saltar linha usar barra invertida (\) o sistema pode definir limitações no número de threads que um programa pode criar na terminologia OpenMP, a coleção de threads que executa um bloco paralelo (a thread original e as novas) é chamado team a thread original é chamada master as threads adicionais são chamadas slaves

8 Caso não existe suporte do compilador

9 Caso não existe suporte do compilador ver exemplo de código: omp hello err chk.c

10 Exemplo: cálculo da integral usando a soma de trapézios

11 Exemplo: cálculo da integral usando a soma de trapézios

12 Algoritmo sequencial

13 Versao OpenMP (1) Identifica-se dois tipos de tarefa: 1 computação das áreas dos trapézios isoladamente 2 adição de todas as áreas calculadas assume-se que há muito mais trapézios do que núcleos de CPU agrupa-se as tarefas designando blocos (trapézios) consecutivos para cada thread uma thread por núcleo

14 Agrupamento de tarefas

15

16

17 Seção crítica

18 Exercício Inclua tomadas de tempo nos códigos implementados nos arquivos trap.c e omp trap1.c para medir o tempo gasto para o cálculo da integral Execute as duas aplicações e compare os tempos de execução entre elas variando o número de trapézios para um intervalo fixo da função (por ex., entre -100 e 100) A versão OpenMP ficou mais rápida? A partir de qual número de trapézios?

19 Exercício: estimando o valor de π (Pi) Série para estimar o valor de π Exercício 1 implemente uma versão paralela para estimar o valor de π usando OpenMP (número de elementos (N) e de threads (M) na linha de comando) 2 verifique se a solução se aproxima da constante M PI (de math.h) 3 verifique qual solução ficou mais eficiente: PThreads ou OpenMP

20 Exercício pra casa :-) Procure na Internet mais informações sobre o OpenMP Implemente outras aplicações usando o OpenMP

21 A cláusula de redução

22 Usando o retorno da função...voltando ao problema do cálculo da integral usando a regra dos trapézios...

23 Usando o retorno da função Qual é o problema dessa solução?

24 Usando o retorno da função..força as threads a executarem sequencialmente

25 Usando o retorno da função Alternativa: criar uma variável local dentro do bloco paralelo e mover a seção crítica para fora da chamada da função

26 Exercício Veja a solução proposta no arquivo omp trap2a.c Inclua tomadas de tempo nesse código para medir o tempo de execução do cálculo da integral Execute as duas aplicações (omp trap1.c e omp trap2a.c) e compare os tempos de execução entre elas variando o número de trapézios para um intervalo fixo da função (por ex., entre -100 e 100)

27 Operadores de redução um operador de redução é um operador binário (como adição e multiplicação) uma redução é uma computação que aplica o mesmo operador de redução várias vezes sobre uma sequência de operandos para obter um valor de saída todos os resultados intermediários da operação devem ser armazenados na mesma variável: variável de redução exemplo de redução com o operador + int soma=0; for(i=0;i<n;i++) soma+=a[i];

28 Exemplo de uso de um operador de redução em OpenMP em OpenMP é possível especificar que o resultado de uma redução é uma variável de redução

29 Exemplo de uso de um operador de redução em OpenMP o OpenMP cria uma variável privada para cada thread e uma seção crítica para combinar os valores das variáveis privadas na variável de redução (quando o bloco parallel termina) atenção para operações com float e double (operações não associativas): (a + b) + c pode ser diferente de a + (b + c) as variáveis privadas são inicializadas com o valor identidade do operador (ex., 0 para adição e 1 para multiplicação)

30 Exercício Veja a solução proposta no arquivo omp trap2b.c Inclua tomadas de tempo nesse código para medir o tempo de execução do cálculo da integral Execute as três aplicações (omp trap1.c, omp trap2a.c e omp trap2b.c) e compare os tempos de execução entre elas variando o número de trapézios para um intervalo fixo da função (por ex., entre -100 e 100)

31 Diretiva parallel for

32 Diretiva parallel for similar à diretiva parallel, cria um conjunto de threads para executar o bloco de código seguinte a diferença é que esse bloco deve ser um loop com for divide as iterações do loop entre as threads

33 Exemplo de uso da diretiva parallel for

34 Formas permitidas para parallel for

35 Ressalvas o número de iterações deve ser determinado (ex., não funciona para loops infinitos ou com breaks internos) a variável index deve ser inteiro ou ponteiro (ex., não pode ser float) as expressões start, end e incr devem ter um tipo compatível (ex., se o índice é um ponteiro, então incr deve ser do tipo inteiro) e não devem ser modificadas durante a execução do loop a variável index só pode ser modificada pela expressão de incremento da sentença for

36 Exercício Veja a solução proposta no arquivo omp trap3.c Inclua tomadas de tempo nesse código para medir o tempo de execução do cálculo da integral Execute as duas aplicações (omp trap3.c e omp trap2b.c) e compare os tempos de execução entre elas variando o número de trapézios para um intervalo fixo da função (por ex., entre -100 e 100)

37 Outra ressalva: dependência de dados

38 Exercício Veja o código no arquivo omp fibo.c Execute o programa variando o número de threads e de elementos

39 Estimando o valor de Pi: loop sequencial

40 Estimando o valor de Pi: loop paralelo com parallel for

41 Escopo privado a cláusula private pode ser usada para alterar o escopo de variáveis compartilhadas (ex., definidas antes do bloco paralelo) para o escopo privado uma cópia da variável é feita para cada thread atenção: essa cópia local não é inicializada! (veja exemplo de uso no arquivo omp private.c)

42 Estimando o valor de Pi: solução correta

43 Exercício Inclua tomadas de tempo no código omp pi.c para medir o tempo de execução do loop principal Compare o desempenho dessa implementação com a solução que você implementou para o mesmo problema na aula anterior Qual solução ficou mais rápida?

44 Exercício Multiplicação de matrizes Implemente um algoritmo paralelo para multiplicar duas matrizes quadradas NxN usando OpenMP Avalie o ganho de desempenho da sua aplicação para valores de N acima de 2000, variando o número de threads de 1 ao número de processadores da sua máquina

45 Odd-Even sort sorted = false; while not sorted sorted = true; // odd-even for ( x = 1; x < list.length-1; x += 2) if list[x] > list[x+1] swap list[x] and list[x+1] sorted = false; // even-odd for ( x = 0; x < list.length-1; x += 2) if list[x] > list[x+1] swap list[x] and list[x+1] sorted = false;

46 Exemplo de execução do algoritmo

47 Exercício Odd-Even sort Implemente uma versão paralela para o algoritmo de ordenação odd-even usando OpenMP Avalie o ganho de desempenho da sua aplicação variando o número de elementos do vetor e o número de threads disparadas

48 Escalonamentos de loops

49 Escalonamentos de loops

50 Cláusula schedule

51 Cláusula schedule(static,?)

52 Cláusula schedule[type, chunksize] Type pode ser: static: as iterações são atribuídas para as threads antes do loop ser executado dynamic ou guided: as iterações são atribuídas para as threads durante a execução do loop auto: o compilador e/ou o sistema de execução determina o escalonamento runtime: o escalonamento é determinado em tempo de execução Chunksize deve ser um inteiro positivo

53 Cláusula schedule (dynamic,?) As iterações também são particionadas em chunks consecutivos de iterações Cada thread executa um chunk e quando termina requisita outro ao sistema de execução Esse processo se repete até todas as iterações serem executadas Quando chunksize é omitido, seu valor é 1

54 Cláusula schedule (guided,?) Cada thread executa um chunk de iterações e quando termina requisita outro Entretanto os tamanhos dos chunks decrecem Quando chunksize não é especificado, o tamanho dos chunks decrecem até 1 Se chunksize é especificado, ele descrece até chunksize (o último pode ser menor)

55 Exemplo: cláusula schedule (guided)

56 Cláusula schedule (runtime) O sistema usa a variável de ambiente OMP SCHEDULE para determinar em tempo de execução qual escalonamento usar A variável OMP SCHEDULE pode assumir os valores static, dynamic ou guided exemplo export OMP_SCHEDULE="static,1"

57 Barreira expĺıcita # pragma omp barrier Diretiva barrier Quando é necessário usar uma barreira expĺıcita para um grupo (team) de threads, OpenMP oferece o pragma barrier Depois que todas as threads alcançam a barreira, todas podem prosseguir

58 Seção atômica # pragma omp atomic Diretiva atomic Diferente da diretiva critical, só pode ser usada para proteger seções críticas que consistem de uma única sentaça C (para esses casos, pode ser mais eficiente que critical)

59 Seção crítica nomeada # pragma omp critical(name) OpenMP provê a opção de adicionar um nome par aa diretiva critical Permite que dois blocos protegidos com a diretiva critical com nomes diferentes sejam executados ao mesmo tempo

60 Locks Consiste de uma estrutura de dados e funções que permitem ao programador explicitar exclusão mútua

61 Locks

62 Exemplo de uso de locks omp_init_lock(&q_p->lock); omp_destroy_lock(&q_p->lock);

63 Exercício Números primos Escreva um programa multithreading (usando OpenMP) para encontrar os números primos de 1 a N. Utilize a rotina abaixo para determinar se um dado número n é primo (retorna 1) ou não (retorna 0). Experimente/compare as diferentes cláusulas de escalonamento da diretiva parallel for int ehprimo(long unsigned int n) { int i; if(n<=1) return 0; if(n==2) return 1; if(n%2==0) return 0; for(i=3; i< sqrt(n)+1; i+=2) { if(n%i==0) return 0; } return 1; }

64 Referências bibliográficas 1 An Introduction to Parallel Programming, Peter Pacheco, Morgan Kaufmann, 2011.

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

OpenMP. Mestrado em Ciência da Computação Introdução ao Processamento Paralelo e Distribuído Prof. Dr. Adenauer Corrêa Yamin Mestranda: Nelsi Warken

OpenMP. Mestrado em Ciência da Computação Introdução ao Processamento Paralelo e Distribuído Prof. Dr. Adenauer Corrêa Yamin Mestranda: Nelsi Warken OpenMP Mestrado em Ciência da Computação Introdução ao Processamento Paralelo e Distribuído Prof. Dr. Adenauer Corrêa Yamin Mestranda: Nelsi Warken Sumário 1. Introdução 2. História 3. Motivação 4. Objetivos

Leia mais

LINGUAGEM C: DESCOMPLICADA. Prof. André R. Backes

LINGUAGEM C: DESCOMPLICADA. Prof. André R. Backes LINGUAGEM C: DESCOMPLICADA Prof. André R. Backes 1 COMANDOS DE CONTROLE CONDICIONAL Os programas escritos até o momento são programas sequeciais: um comando é executado após o outro, do começo ao fim do

Leia mais

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br Java Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br 3. Considere as instruções Java abaixo: int cont1 = 3; int cont2 = 2; int cont3 = 1; cont1 += cont3++; cont1 -= --cont2; cont3 = cont2++; Após a

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Prof. Silvana Rossetto 1 Departamento de Ciência da Computação (DCC) Instituto de Matemática (IM) Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Maio de 2012 1.

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Programação em Memória Compartilhada com OpenMP

Programação em Memória Compartilhada com OpenMP Programação em Memória Compartilhada com OpenMP Esbel Tomás Valero Orellana Bacharelado em Ciência da Computação Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Estadual de Santa Cruz evalero@uesc.br

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Primeiro Curso de Programação em C 3 a Edição

Primeiro Curso de Programação em C 3 a Edição Edson Luiz França Senne Primeiro Curso de Programação em C 3 a Edição Visual Books Sumário Prefácio da Terceira Edição 9 Prefácio da Primeira Edição 11 Aula 1 13 Regras de sintaxe de uma linguagem de programação...

Leia mais

José Romildo Malaquias 2011-1

José Romildo Malaquias 2011-1 Programação de Computadores I Aula 08 Programação: Estruturas de Repetição José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/58 Motivação Como imprimir os três

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Linguagens de Programação Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Parte IV Introdução à Programação em C++ (Continuação) Relembrando da Última Aula... Funções Classes de armazenamento

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel As 52 Palavras Reservadas O que são palavras reservadas São palavras que já existem na linguagem Java, e tem sua função já definida. NÃO podem

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Técnico em Informática Professora Michelle Nery

Linguagem de Programação JAVA. Técnico em Informática Professora Michelle Nery Linguagem de Programação JAVA Técnico em Informática Professora Michelle Nery Agenda Regras paravariáveis Identificadores Válidos Convenção de Nomenclatura Palavras-chaves em Java Tipos de Variáveis em

Leia mais

Experimentos com a memória cache do CPU

Experimentos com a memória cache do CPU Experimentos com a memória cache do CPU Alberto Bueno Júnior & Andre Henrique Serafim Casimiro Setembro de 2010 1 Contents 1 Introdução 3 2 Desvendando o cache 3 2.1 Para que serve o cache?.....................

Leia mais

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO Tópicos Estrutura Básica B de Programas C e C++ Tipos de Dados Variáveis Strings Entrada e Saída de Dados no C e C++ INTRODUÇÃO O C++ aceita

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

EXEMPLO IF E ELSE IF TERNÁRIO

EXEMPLO IF E ELSE IF TERNÁRIO PHP Aula 2 Estruturas de Controle, Continue e Break Leonardo Pereira facebook.com/leongamerti ESTRUTURA DE DECISÃO Simples Composta Encadeada Ternário IF Estrutura de controle que introduz um desvio condicional

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Estruturas de Controle Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Estrutura de Controle e de Fluxo Comandos de Seleção: O comando if; Ifs Aninhados; A escada if-else-if; A expressão condicional;

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA 1) Qual será o valor da string c, caso o programa rode com a seguinte linha de comando? > java Teste um dois tres public class Teste { public static void main(string[] args) { String a = args[0]; String

Leia mais

Mochila Binária com OpenMP

Mochila Binária com OpenMP UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TÉCNOLOGIA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Mochila Binária com OpenMP Cícero Augusto de Lara Pahins, Cristiano Reis dos Santos. Professora: Profª Andrea Schwertner

Leia mais

2. Constantes e Variáveis

2. Constantes e Variáveis 2. Constantes e Variáveis Neste capitulo veremos como os dados constantes e variáveis são manipulados pela linguagem C. O que são constantes inteiras, reais, caracteres e strings. Quais são as regras de

Leia mais

JAVA NETBEANS PGOO Prof. Daniela Pires Conteúdo

JAVA NETBEANS PGOO Prof. Daniela Pires Conteúdo Conteúdo Estruturas de repetição (loops, laços)... 2 WHILE (enquanto)... 2 DO... WHILE (faça... enquanto)... 2 FOR... 3 FOREACH... 4 EXERCICIO LOOP FOR... 4 Novo Projeto... 5 Controles SWING... 10 1 Estruturas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA Responda 1) Quem desenvolveu a linguagem C? Quando? 2) Existe alguma norma sobre a sintaxe da linguagem C? 3) Quais são os tipos básicos de dados disponíveis na linguagem C? 4) Quais são as principais

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARALELA EM C# Notas de Aula Prof. Marcos E Barreto

PROGRAMAÇÃO PARALELA EM C# Notas de Aula Prof. Marcos E Barreto PROGRAMAÇÃO PARALELA EM C# Notas de Aula Prof. Marcos E Barreto Referências: - Programming C#. Jesse Liberty, O Reilly, 2001. - Threading in Java and C#: a focused language comparison. Shannon Hardt -

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PARALELIZAÇÃO DO CÁLCULO DE NÚMEROS PRIMOS UTILIZANDO PTHREAD E OPENMP 1

ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PARALELIZAÇÃO DO CÁLCULO DE NÚMEROS PRIMOS UTILIZANDO PTHREAD E OPENMP 1 ANÁLISE DE DESEMPENHO DA PARALELIZAÇÃO DO CÁLCULO DE NÚMEROS PRIMOS UTILIZANDO PTHREAD E OPENMP 1 Francisco Berti Da Cruz 2, Cleber Cristiano Sartorio 3, Edson Luiz Padoin 4, Emilio Hoffmann 5. 1 Trabalho

Leia mais

Remote Procedure Call. Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1

Remote Procedure Call. Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Remote Procedure Call Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Autoria Autores C. Geyer Local II-UFRGS Versão V11.4 2014-2 Disciplinas SOII Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma Roteiro: Conceitos básicos de algoritmo, linguagem, processador de linguagem e ambiente de programação; Aspectos fundamentais da organização e do funcionamento de um computador; Construções básicas de

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Curso de C: uma breve introdução

Curso de C: uma breve introdução V Semana de Engenharia Elétrica - UFBA Licença de uso e distribuição Todo o material aqui disponível pode, posteriormente, ser utilizado sobre os termos da: Creative Commons License:

Leia mais

Unidade IV: Ponteiros, Referências e Arrays

Unidade IV: Ponteiros, Referências e Arrays Programação com OO Acesso em Java a BD Curso: Técnico em Informática Campus: Ipanguaçu José Maria Monteiro Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio Departamento Clayton Maciel de Informática

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos e Threads Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que são Processos? Uma abstração de um programa em execução. Mantêm a capacidade de operações (pseudo)concorrentes,

Leia mais

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include <iostream> Aula 1 C é uma linguagem de programação estruturada desenvolvida por Dennis Ritchie nos laboratórios Bell entre 1969 e 1972; Algumas características: É case-sensitive, ou seja, o compilador difere letras

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Métodos de Pesquisa em Memória Primária

Métodos de Pesquisa em Memória Primária Algoritmos e Estrutura de Dados II Métodos de Pesquisa em Memória Primária Prof Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Pesquisa Por pesquisa (procura ou busca) entende-se o ato

Leia mais

Introdução a Threads Java

Introdução a Threads Java Introdução a Threads Java Prof. Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Instituto de Física e Matemática Pelotas RS Brasil http://gersonc.anahy.org

Leia mais

Sistemas Embarcados Programação Embarcada

Sistemas Embarcados Programação Embarcada Sistemas Embarcados Programação Embarcada Instituto Federal de Pernambuco Coordenação de Informática/IFPE Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://alsm.cc Sistemas Embarcados Direitos

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Programação científica C++

Programação científica C++ Programação científica C++ NIELSEN CASTELO DAMASCENO Slide 4 Aluno que não sabe programar int main() { cout

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 5 Instruções de controle: Parte 2 Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 5.1 Introdução Instrução de repetição for Instrução de repetição do while Instrução de seleção

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

AULA 1: PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO

AULA 1: PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO 1 AULA 1: PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme Ementa 2 Programação Imperativa. Programação Paralela e Concorrente. Programação Lógica. Programação Funcional.

Leia mais

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Operadores de Incremento Operadores de incremento servem como expressões de atalho para realizar incrementos em variáveis Operadores de Incremento Vamos

Leia mais

Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores

Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 introdução a C tópicos ciclo de desenvolvimento sistemas numéricos tipos de

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Introdução No capítulo anterior verificamos que a execução seqüencial dos comandos da função main nos limita a programação de algoritmos muito simples. Passamos, então, a dedicar

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Estruturas de controle no nível de sentença

Estruturas de controle no nível de sentença Estruturas de controle no nível de sentença Linguagens de Programação Marco A L Barbosa cba Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Leia mais

Threads e Sockets em Java. Threads em Java. Programas e Processos

Threads e Sockets em Java. Threads em Java. Programas e Processos Threads em Java Programas e Processos Um programa é um conceito estático, isto é, um programa é um arquivo em disco que contém um código executável por uma CPU. Quando este programa é executado dizemos

Leia mais

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Edwar Saliba Júnior Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Belo Horizonte 2010 Sumário 1 Nota:... 2 2 Comandos e Palavras Reservadas:... 3 3 Dicas... 4 3.1 Strings

Leia mais

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br Fundamentos de Programação Turma CI-240-EST Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 2 (07/08/15) Introdução ao Python História Características Estrutura dos código-fonte Primeiros elementos

Leia mais

Modelagem e Implementação (Incremental de um Software para Controle) de Aquário de Peixes

Modelagem e Implementação (Incremental de um Software para Controle) de Aquário de Peixes Modelagem e Implementação de Aquário de Peixes- por Jorge Fernandes - Página 1 Modelagem e Implementação (Incremental de um Software para Controle) de Aquário de Peixes Jorge Fernandes Natal, Agosto de

Leia mais

Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1

Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Autores C. Geyer Local II-UFRGS Versão v6 2008-2 Disciplinas SOII Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 2 Bibliografia base original dos

Leia mais

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes ITENS FUNDAMENTAIS Profª Angélica da Silva Nunes CONCEITOS BÁSICOS Hardware - é a parte física do computador, tais como: teclado, monitor de vídeo, etc. Software - são os programas e aplicativos que permitem

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

S.O.: Conceitos Básicos

S.O.: Conceitos Básicos S.O.: Conceitos Básicos Camada de software localizada entre o hardware e os programas que executam tarefas para o usuário; Acessa os periféricos Entrada e Saída Esconde os detalhes do hardware para o programador

Leia mais

Módulo 06 Desenho de Classes

Módulo 06 Desenho de Classes Módulo 06 Desenho de Classes Última Atualização: 13/06/2010 1 Objetivos Definir os conceitos de herança, polimorfismo, sobrecarga (overloading), sobreescrita(overriding) e invocação virtual de métodos.

Leia mais

Tipo de Dados em Linguagem C

Tipo de Dados em Linguagem C Tipo de Dados em Linguagem C Principais tipos de dados em C int : tipo de dados inteiros (exemplo: 1, -3, 100, -9, 18, etc.) float : tipo de dados reais (exemplo: 1.33, 3.14, 2.00, -9.0, 1.8, etc.) Ocupa

Leia mais

Controle de granularidade de tarefas em OpenMP

Controle de granularidade de tarefas em OpenMP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MÁRCIO DE OLIVEIRA DA SILVA Controle de granularidade de tarefas em OpenMP Trabalho de Conclusão

Leia mais

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos.

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3 COMANDOS CONDICIONAIS E DE LAÇO Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3.1 COMANDOS CONDICIONAIS 3.1.1 Comando IF Como o próprio nome já indica, estes comandos

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Expressões. Prof. Alberto Costa Neto alberto@ufs.br. Linguagens de Programação. Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe

Expressões. Prof. Alberto Costa Neto alberto@ufs.br. Linguagens de Programação. Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Linguagens de Programação Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Expressão é uma frase de um programa que ao ser avaliada retorna um valor Tipos Literais Agregados Chamadas de Função

Leia mais

Padrões de Codificação Java

Padrões de Codificação Java Padrões de Codificação Java João Carlos Pinheiro jcpinheiro@cefet-ma.br Versão: 1.0 Última Atualização: Março / 2005 1 Objetivos Apresentar os padrões de codificação Java da SUN 2 Introdução Um padrão

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

Threads e Concorrência em Java (Material de Apoio)

Threads e Concorrência em Java (Material de Apoio) Introdução Threads e Concorrência em Java (Material de Apoio) Professor Lau Cheuk Lung http//www.inf.ufsc.br/~lau.lung INE-CTC-UFSC A maioria dos programas são escritos de modo seqüencial com um ponto

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura UFPI CCN DIE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura O projeto Desenvolver um compilador de um subconjunto básico da linguagem PORTUGOL.

Leia mais

Processos. Adão de Melo Neto

Processos. Adão de Melo Neto Processos Adão de Melo Neto 1 EXECUTE O SEGUINTE Baixa a aula dos dias 20 MAR 15 e 08 MAI 15 e salve no computador. Feche o browser Inicialize o vmware player e inicialize a máquina virtual ubuntu Inicialize

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com.

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com. UAL é uma linguagem interpretada para descrição de algoritmos em Português. Tem por objetivo auxiliar o aprendizado do aluno iniciante em programação através da execução e visualização das etapas de um

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo Programando em C# Orientado a Objetos By: Maromo Agenda Módulo 1 Plataforma.Net. Linguagem de Programação C#. Tipos primitivos, comandos de controle. Exercícios de Fixação. Introdução O modelo de programação

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

Tipos de Dados Simples

Tipos de Dados Simples Programação 11543: Engenharia Informática 6638: Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 3 Tipos de Dados Simples Tipos de Dados Simples Objectivos: Hierarquia de tipos de dados Tipos de dados simples

Leia mais

Desenvolvimento OO com Java 3 Estruturas de Controle e Programação Básica

Desenvolvimento OO com Java 3 Estruturas de Controle e Programação Básica Desenvolvimento OO com Java 3 Estruturas de Controle e Programação Básica Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL PL/SQL Laboratório de Bases de Dados PL/SQL Program Language SQL linguagem de programação da Oracle que permite processar dados armazenados no banco de dados Exemplos de operações permitidas alterar, remover,

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Curso de Ciência da Computação Disciplina: Estruturas de Dados Profª. Raquel Marcia Müller

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Curso de Ciência da Computação Disciplina: Estruturas de Dados Profª. Raquel Marcia Müller 1 Listas Lineares Dentre as estruturas de dados não primitivas, as listas lineares são as de manipulação mais simples. Uma lista linear agrupa informações referentes a um conjunto de elementos que, de

Leia mais

13 Números Reais - Tipo float

13 Números Reais - Tipo float 13 Números Reais - Tipo float Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até omomentonoslimitamosaouso do tipo inteiro para variáveis e expressões aritméticas. Vamos introduzir agora o tipo real. Ao final

Leia mais

Laboratório de Programação 02

Laboratório de Programação 02 Laboratório de Programação 02 Ambiente de Desenvolvimento e Revisão da Linguagem C Prof. Carlos Eduardo de Barros Paes Prof. Julio Arakaki Departamento de Computação PUC-SP Code::Blocks Ambiente integrado

Leia mais

Programação Estruturada I

Programação Estruturada I Programação Estruturada I Introdução a Linguagem C Prof. Thiago Caproni Tavares 1 Prof. Mateus dos Santos 2 1 thiago.tavares@ifsuldeminas.edu.br 2 mateus.santos@ifsuldeminas.edu.br Última Atualização:

Leia mais