I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013"

Transcrição

1 I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013

2 1) A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA

3 2) O CRESCIMENTO NATURAL NO BRASIL taxas 5,0% 4,5% 4,0% 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% TBN TBM TAXA DE CRESCIMENTO NATURAL TBN TBM População (em milhões) Fonte: de 1872 a 1940, Merrick e Graham (1981), a partir de 1950, United Nations Population Prospects The 2010 Revision Population Database

4 3) PIRÂMIDE POPULACIONAL DO BRASIL POPULAÇÃO = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = Pop = 25,5% 23,0% 20,7% 19,3% 18,1% 16,9% 15,9% 15,2% 14,7% 14,1% 14,2% 14,4% 14,6% 14,8% 15,1% 15,3% 38,0% 36,9% 35,2% 32,4% 29,5% 27,5% 41,6% 42,0% 43,1% 43,6% 42,3% 40,2% RDC = 37,7% 33,4% 29,7% 27,9% 26,4% 25,1% 24,0% 23,5% 23,6% 23,8% 24,3% 25,0% 25,5% 26,0% 26,6% 27,1% 27,6% 28,1% 65,5% 62,5% 58,3% 51,8% 45,5% 41,5% 74,9% 76,2% 80,2% 82,1% 78,1% 71,8% Pop = 67,5% 68,9% 69,7% 69,2% 68,3% 67,4% 66,4% 64,8% 62,8% 61,1% 59,8% 58,2% 56,6% 55,9% 55,3% 54,9% 54,5% 54,6% 58,0% 59,0% 60,4% 62,6% 64,9% 66,2% 55,5% 55,0% 53,7% 53,0% 54,2% 56,0% RDI = 10,4% 11,8% 13,8% 16,6% 20,0% 23,3% 26,6% 30,8% 35,8% 40,1% 43,6% 47,7% 51,7% 53,5% 54,8% 55,6% 56,0% 55,7% 55,1% 6,9% 7,0% 7,4% 8,0% 8,5% 9,5% 5,4% 5,5% 5,9% 6,4% 6,5% 6,8% Pop. 65+ = 11,5% 13,7% 15,7% 17,7% 19,9% 22,5% 24,5% 26,0% 27,7% 29,3% 29,9% 30,3% 30,5% 30,6% 30,4% 30,1% 7,0% 8,1% 9,6% 4,0% 4,1% 5,0% 5,6% 6,3% 3,0% 3,1% 3,4% 3,5% 3,8% IE = 110,9% 131,2% 152,6% 169,9% 183,0% 207,2% 210,2% 210,6% 209,2% 206,3% 201,7% 196,3% 11,2% 12,7% 15,5% 18,8% 22,8% 27,5% 35,2% 46,6% 59,4% 75,8% 92,8% 7,3% 7,7% 8,4% 9,5% e 0 = 49,23 51,45 53,82 55,71 57,29 59,22 60,36 61,87 63,58 65,54 67,17 68,66 70,65 71,81 72,81 73,72 74,53 75,21 75,85 76,42 76,98 77,53 78,04 78,54 79,03 79,50 79,93 80,36 80,79 81,19 81, e 0 = 77,41 78,35 79,15 79,89 80,57 81,21 81,80 82,36 82,89 83,38 83,87 84,34 84,79 85,22 85,64 86,06 86,44 86,83 87,22 66,78 69,06 71,24 73,26 74,76 75,93 52,62 55,18 57,57 59,62 61,83 63, Milhões 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0

5 4) A MECÂNICA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO CONTRIBUIÇÕES RE-INVESTIMENTOS POUCA LIQUIDEZ INVESTIMENTOS RENTABILIDADE MÉDIA LIQUIDEZ ALTA LIQUIDEZ DESPESAS ADMINISTRATIVAS PAGAMENTO DE BENEFÍCIOS Fonte: elaborado pelo autor

6 5) AS 3 BASES DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO LEGAL Benefícios Oferecidos Regras para concessão dos benefícios Regras para o custeio dos benefícios ATUARIAL Tábuas Biométricas Taxas de Juros Regimes Financeiros Metodologias de Cálculo CADASTRAL Dados Atualizados Dados Consistentes Dados amplos

7 6) BASE LEGAL NORMAS APLICÁVEIS CF e EM (20,41,47); Leis e Portarias; Resoluções; Instruções Normativas. BENEFÍCIOS OFERECIDOS: Aposentadorias; Pensões; Auxílios. REGRAS PARA A CONCESSÃO DOS BENEFÍCIOS: HOMEM : 60 anos de idade / 35 anos e contribuição; MULHER : 55 anos de idade / 30 anos e contribuição 20 anos de efetivo exercício no serviço público; e 10 anos de carreira e 5 anos no cargo. REGRAS PARA O CUSTEIO DOS BENEFÍCIOS: Regime Financeiro: Capitalização X Repartição Método de Financiamento do Benefício Taxa de desconto / juros máxima (6,0%); Tábuas Biométricas limite; Taxas de Crescimento de Salários / Benefícios limite (1,0%)

8 7) ALGUMAS NORMAS DOS RPPS S REGULAMENTAÇÃO INVESTIMENTO CONTABILIDADE ATUARIAL CRP Constituição Federal 1998 Art. 40 Lei nº 9.717/1998 Emenda Constitucional nº 20/1998 Emenda Constitucional nº 41/2003 Lei nº /2004 Emenda Constitucional nº 47/2005 Emenda Constitucional nº 70/2012 Resolução CMN nº 3.922/2010 Portaria nº 519/2011 Portaria nº 440/2013 Lei Complementar nº 101/2000 Portaria MPS nº 916/2003 Portaria MPS nº 95/2007 Portaria nº 402/2008 Portaria nº 403/2008 Portaria nº 746/2011 Portaria nº 21/2013 Decreto nº 3.788/2001 Portaria MPS nº 204/2008 Portaria MPS nº 346/2009 Portaria MPS nº 440/2010 Portaria MPS nº 315/2010 Portaria MPS nº 312/2013 PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Lei nº /2012 COMPREV Lei nº 9.796/1999 Decreto nº 3.112/1999 Portaria MPS/MF nº 410/2009

9 8) PRINCIPAIS ASPECTOS DA PORTARIA MPS Nº 403/2008 A Portaria MPS nº 403 de 10/12/2008 que dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos RPPS destaca os seguintes pontos: Regimes Financeiros (art. 4º); Hipóteses Atuariais (art. 5º ao 11); Base Cadastral (art. 12 ao 15); Resultado Atuarial (art. 16 ao 19); Segregação de Massa (art. 20 ao 22); DRAA (art. 23 e 24).

10 9) BASE ATUARIAL A NOTA TÉCNICA ATUARIAL é o documento elaborado pelo atuário que contem toda a formulação matemática utilizada nos cálculos, descreve as premissas atuariais, os regimes financeiros, os métodos de financiamento, além de especificar a forma de equacionamento técnico do pagamento dos benefícios visàvisas garantias oferecidas pelo plano. PRINCIPAIS COMPONENTES Taxa de Desconto / Juros Taxa de Crescimento Salários / Benefícios Tábuas BioMétricas Tábua de Mortalidade : AT-49 Tábua de Sobrevivência : AT-2000 Tábua de Entrada em Invalidez : IAPB-57 Tábua de Mortalidade de Inválidos : Álvaro Vindas Tábua de Rotatividade Fator de Capacidade do Benefício (inflação) Regimes de Financiamento Repartição Simples Repartição de Capitais de Cobertura Capitalização Metodologias de Cálculo Idade de Entrada Normal Crédito Unitário Projetado Agregado

11 10) BASE CADASTRAL CARACTERÍSTICAS PRIMORDIAIS AMPLITUDE UNICIDADE VERACIDADE ATUALIZADA PRINCIPAIS VARIÁVEIS Data de Nascimento Data de Admissão Sexo Salário de Contribuição / Benefício Carreira Composição Familiar Averbação Tempo de Serviço Cargo atual Data de posse no cargo atual OBJETIVOS Custo Previdenciário Otimizado Contribuição Correta Equilíbrio Financeiro e Atuarial Pré-auditoria na Concessão de Benefícios

12 11) BASE CADASTRAL (Evolução no Tempo) Fonte: Silva, 2008 (pp ) Homem Nível Médio Homem Nível Superior Mulher Nível Médio Mulher Nível Superior

13 12) O CÁLCULO ATUARIAL O Cálculo Atuarial é o estudo técnico baseado em levantamento de dados da população analisada, no qual o atuário busca mensurar os recursos necessários à garantia dos benefícios oferecidos pelo plano previdenciário, avaliar o histórico e a evolução da entidade como um todo, de forma a apresentar estratégias que permitam a sua adaptação a novos cenários. RECEITAS PLANO DE CUSTEIO É o plano que apresenta todas as formas necessárias para se custear os benefícios oferecidos no Plano de Benefícios. O Plano de Custeio define quais são as alíquotas de contribuição previdenciária necessárias ao equilíbrio do sistema. DESPESAS PLANO DE BENEFÍCIOS É o plano que apresenta todos os benefícios que o RPPS pode oferecer ao servidor. Os mais comuns são: Aposentadoria Programada; Aposentadoria por Invalidez; Pensão por Morte; Auxílios.

14 13) O EQUILÍBRIO FINANCEIRO E ATUARIAL RESERVA MATEMÁTICA = VABF - VACF COMPROMISSO DO RPPS PAGAMENTO DE BENEFÍCIO VABF COMPROMISSO EM NOME DO PARTICIPANTE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÃO VACF Fonte: elaborado pelo autor / ADMISSÃO APOSENTADORIA PENSÃO FIM

15 14) AS RESERVAS MATEMÁTICAS RESERVA MATEMÁTICA DE BENEFÍCIOS A CONCEDER (RMBAC) É o recurso financeiro necessário à garantia do pagamento dos benefícios previdenciários aos segurados e seus beneficiários na época de seu falecimento. No método chamado de Prospectivo equivale à diferença entre o valor atual dos compromissos futuros do Regime Previdenciário para com os participantes ativos e o valor atual das contribuições futuras vertidas pelo mesmo participante quando ativo, quando aposentado, e depois de seu falecimento por seus pensionistas. RESERVA MATEMÁTICA DE BENEFÍCIOS CONCEDIDOS (RMBC) É o recurso financeiro necessário à garantia de pagamento dos benefícios previdenciários aos assistidos do plano, ou seja, àqueles que já estão recebendo suas aposentadorias e pensões. No método chamado de Prospectivo equivale à diferença entre o valor atual do fluxo de benefícios a ser pago ao participante já aposentado e/ou seu pensionista e o valor atual do fluxo de contribuições a ser realizado pelos mesmos.

16 15) RESULTADOS ATUARIAIS RESERVAS MATEMÁTICAS Discriminação Valores (-) VP dos Benefícios Futuros (aposentados) R$ ( ,36) (+) VP das Contribuições Futuras (aposentados) R$ ,67 (-) VP dos Benefícios Futuros (pensionistas) R$ ( ,76) (+) VP das Contribuições Futuras (pensionistas) R$ ,56 RM de Benefícios Concedidos (RMBC) R$ ( ,89) (-) VP dos Benefícios Futuros R$ ( ,35) (+) VP das Contribuições Futuras R$ ,01 RM de Benefícios a Conceder (RMBaC) R$ ( ,34) (-) RM de Benefícios Concedidos (RMBC) R$ ( ,89) (-) RM de Benefícios a Conceder (RMBaC) R$ ( ,34[) Reservas Matemáticas (RMBaC + RMBC) R$ ( ,23) (+) Ativos Financeiros R$ ,00 VP da COMPREV a Receber R$ 0,00 Déficit Técnico Atuarial R$ ( ,23) Reservas a Amortizar R$ ( ,23) Art. 17 Art. 17-1º (Passivo Atuarial) Art. 17-4º (Resultado Atuarial) Art. 11 3ºAusência salários (do período a compensar) no BD, cálculo ind. não maior do que o valor médio ind. dos req. já deferidos. 4ºNa ausência de requerimentos deferidos, limite igual ao valor médio per capita pago pelo INSS. 5º Base cadastral inconsistente (TS anterior) COMPREV limitada a 10% do VABF. 6ºCOMPREV apenas para a Geração Atual.

17 16) CUSTO NORMAL x CUSTO SUPLEMENTAR CUSTO NORMAL (CN): corresponde ao somatório das parcelas necessárias para a formação das reservas para o pagamento dos benefícios de risco e dos benefícios programados. Em um plano equilibrado, o Custo Normal é aquele que será suficiente cobrar de patrocinadores e participantes para a composição das Reservas Matemáticas necessárias ao pagamento dos benefícios. CUSTO SUPLEMENTAR (CS): corresponde ao financiamento, em um prazo determinado, da diferença entre o patrimônio constituído pelo plano previdenciário e o somatório das reservas necessárias para arcar com o pagamento dos benefícios de aposentadoria e pensão de cada servidor e/ou dependente. Quando é observado no cálculo atuarial que as Reservas Matemáticas não estão completamente integralizadas (existência de déficit técnico), necessita-se inserir um Custo Suplementar no sistema para que o mesmo venha a equilibrarse no tempo.

18 17) PLANO DE CUSTEIO EVENTO TAXA SOBRE A FOLHA DE ATIVOS Aposentadorias com reversão ao dependente 14,41% Invalidez com reversão ao dependente 2,25% Pensão de ativos 3,99% Salário Família 0,07% Salário Maternidade 0,40% Auxílio Doença 0,37% Auxílio Reclusão 0,01% CUSTO NORMAL ANUAL 21,50% Taxa de Administração 0,50% CUSTO NORMAL ANUAL TOTAL 22,00% CUSTO SUPLEMENTAR (35 anos) 20,94% CUSTO TOTAL 42,96% Art. 17-8º Art. 17-7º PARÂMETROS DE CÁLCULO Tábua de Mortalidade/Sobrevivência : IBGE-2010 Taxa de Juros : 6,0% a.a. Taxa de Crescimento Salarial : 1,0% a.a. CONTRIBUIÇÃO VIGENTE Patrocinador: 11% Servidor Ativo: 11% Aposentado e Pensionista: 11% (sobre o excedente ao teto INSS)

19 18) OS REGIMES FINANCEIROS Os Regimes Financeiros são aqueles que determinam de que forma serão custeados os benefícios oferecidos pelo plano previdenciário em questão. São basicamente três os Regimes Financeiros existentes:

20 19) REPARTIÇÃO SIMPLES REPARTIÇÃO SIMPLES (RS) PAGAMENTO DE BENEFÍCIO A RECEITA de um determinado período equivale à DESPESA REALIZADA neste mesmo período. T=0 T=1 PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÃO ATIVOS RECURSOS GERIDOS PELO ESTADO APOSENTADOS E PENSIONISTAS

21 20) REPARTIÇÃO DE CAPITAIS DE COBERTURA REPARTIÇÃO DE CAPITAIS DE COBERTURA (RCC) A RECEITA de um determinado período equivale à DESPESA FUTURA, referente aos benefícios gerados neste mesmo período. PAGAMENTO DE BENEFÍCIO T=0 T=1 PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÃO

22 21) CAPITALIZAÇÃO CAPITALIZAÇÃO (CAP) A DESPESA FUTURA será paga diretamente por uma RESERVA, que por sua vez será composta via RECEITA gerada através do acumulo das contribuições previdenciárias e retorno de suas aplicações financeiras. Existem alguns Métodos de Financiamento utilizados no Regime Financeiro de Capitalização. Ex: Idade de Entrada Normal (IEN), Crédito Unitário (UC) e Crédito Unitário Projetado (PUC), dentre outros.

23 22) REPARTIÇÃO SIMPLES X CAPITALIZAÇÃO REPARTIÇÃO SIMPLES Os valores arrecadados em um determinado exercício são utilizados para pagamento de benefícios no mesmo exercício; Não existe formação de reservas; Existe o pacto intergeracional (ativos financiam os inativos); Sensível quanto à interferência das variáveis demográficas (fecundidade x mortalidade); Bom para financiar benefícios de curta duração, cujas despesas se comportem estáveis no período; X CAPITALIZAÇÃO Os valores arrecadados são capitalizados durante muitos anos e a poupança feita durante a vida laborativa é utilizada, no futuro, para pagamento dos benefícios; Existe a formação total de reservas; Não existe o pacto intergeracional (os ativos financiam a sua própria aposentadoria; Sensível quanto às variáveis econômicas como o índice de crescimento de salários e taxas de juros; Bom para financiar benefícios de longa duração como as aposentadorias e pensões;

24 23) MÉTODO DE FINANCIAMENTO POR BENEFÍCIO BENEFÍCIOS A SEREM OFERECIDOS: Aposentadoria Programada (Capitalização - art.4-1º) Aposentadoria por Invalidez (Capitais de Cobertura - art.4-2º) Pensão por Morte (Capitais de Cobertura - art.4-2º) Custos no mínimo iguais a média de gastos dos 3 últimos exercícios (Art. 10º). Auxílio Doença (Repartição Simples - art.4-3º) Salário Família (Repartição Simples - art.4-3º) Salário Maternidade (Repartição Simples - art.4-3º) Auxílio Reclusão (Repartição Simples - art.4-3º).

25 24) GESTÃO DOS RECURSOS POR TIPO DE BENEFÍCIO Suponha uma folha salarial mensal de R$ ,00. A alocação dos recursos segundo o custo normal de 22% definido no plano de custeio é de: CUSTO NORMAL 22,00% R$ ,00 Capitalização Repartição de Capitais de Cobertura Repartição Simples Administração 0,5% R$ ,00 Aposentadoria com Reversão em Pensão 14,41% R$ ,00 Aposentadoria por Invalidez com Reversão em Pensão 2,25% R$ ,00 Pensão por Morte de Ativo 3,99% R$ ,00 Auxílio Doença 0,37% R$ ,00 Salário Maternidade 0,40% R$ ,00 Salário Família 0,07% R$ ,00 Auxílio Reclusão 0,01% R$ 5.000,00

26 25) HIPÓTESES ATUARIAIS Art. 5º O ente federativo, a unidade gestora do RPPS e o atuário responsável pela elaboração da avaliação atuarial deverão eleger conjuntamente as hipóteses biométricas, demográficas, econômicas e financeiras adequadas às características da massa de segurados e de seus dependentes para o correto dimensionamento dos compromissos futuros do RPPS, obedecidos os parâmetros mínimos de prudência estabelecidos nesta Portaria, tendo como referência as hipóteses e premissas consubstanciadas na NTA do respectivo RPPS. Art. 5º 1º NTA deverá ser encaminhada ao MPS até a deadline da entrega do DRAA º Segregação de Massa => Segregação NTA s (PREV e FIN)

27 25) HIPÓTESES ATUARIAIS (cont.) DATA TÁBUA BIOMÉTRICA TAXA PREMISSA / HIPÓTESE UTILIZADO PT 403/08 Base dos Dados 31/12/2008 Art. 14 Base da Avaliação Atuarial 01/03/2009 Art. 14 Sobrevivência IBGE-2010 Art.6º - I Mortalidade IBGE-2010 Art.6º - I Entrada em Invalidez Álvaro Vindas Art.6º - II Mortalidade de Inválidos IBGE-2010 Art.6º - I Real Anual de Juros 6,0% (máx) Art.9º - Meta Atuarial (Juros + Indexador) Anual de Rotatividade 1,0% (máx) Art.7º - 1º Anual de Inflação 0,0% Anexo 2.8 e 2.9 Real Anual de Cresc. Salários 1,0% (mín) Art.8º Real Anual de Cresc. Benefícios 0,0% Anexo 2.7 Despesas Administrativas 2,0% (máx) Art.17º - 8º CONTRIB. PAT para Servidor Ativo 14,0% Art.17º - 6º CONTRIB. SERV. Ativo, Aposentado* e Pensionista* 11,0% Art.17º - 6º Início de Contribuição à Previdência Social * 18 anos Art.13º - 2º Composição do Grupo Familiar BD ou Estimado Art.13º - 3º Novos Entrados (Geração Futura) Grupo constante Art.7º - 2º Benefício Máximo do INSS (na Data Base) R$ 3.916,

28 26) AS TÁBUAS DE MORTALIDADE Tabelas matemáticas que associam para cada idade variando normalmente de 0 até 115 anos uma probabilidade do indivíduo morrer por qualquer que seja a causa; Determinam por quanto tempo, em média, um indivíduo receberá um benefício (evento sobrevivência) ou quando, em média, um indivíduo deverá morrer (evento morte); Como o custo do sistema previdenciário está intrinsecamente relacionado com a expectativa de sobrevivência de cada um de seus segurados e beneficiários, existe a necessidade de uma avaliação acerca da correta tábua de mortalidade a ser adotada; Uma tábua de mortalidade não adequada à realidade biométrica da população específica gerará vieses no cálculo das reservas matemáticas, podendo causar déficits no sistema previdenciário; Expec. Sobrevida (em anos) AT-49 (male) IBGE (homem) E 0 73,2 69,7 E 20 54,2 52,6 E 40 35,2 35,1 E 60 18,5 19,6 E 80 6,7 9,0 Expec. Sobrevida (em anos) AT-49 (female) IBGE (mulher) E 0 78,7 77,3 E 20 59,5 59,3 E 40 40,1 40,2 E 60 22,0 23,0 E 80 7,9 10,1

29 27) A TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE ,0 Probabilidade de morte entre idades exatas - (1000* n q x ) - escala log - IBGE ,0 homens mulheres ambos os sexos 10,0 1,0 0, IDADE Fonte: elaborado pelo autor

30

31 28) BASE CADASTRAL (Estatísticas Descritivas) ESTATÍSTICAS ATIVOS INATIVOS PENSIONISTAS Quantidade Sal./Ben. Médio R$ 3.000,00 R$ 3.500,00 R$ 3.200,00 Idade Média Idade Mediana Desvio Padrão 5,3 10,3 13,8 Amplitude Intervalo quantitativo ATIVOS APOSENTADOS PENSIONISTAS idades

32 29) BASE CADASTRAL (Pirâmide Populacional Total) Homem Ativo Homem Aposentado Homem Pensionista Mulher Ativa Mulher Aposentada Mulher Pensionista

33 30) A SEGREGAÇÃO DE MASSAS (Seção VI) SITUAÇÃO ATUAL PRÓXIMOS N ANOS MODELAGEM FINAL G R U P O P R E V G R U P O F I N ATIVOS (admitidos após data referência) ATIVOS (admitidos até data referência) ATUAIS INATIVOS PENSIONISTAS Servidores Ativos DESPESA MÁXIMA, APÓS APOSENTADORIA DE TODOS OS ATIVOS DO GRUPO FIN Servidores Inativos e Pensionistas CARÊNCIA ATUAIS DESPESAS Servidores Ativos até a data de referência ATIVOS (admitidos após data referência) NOVOS ATIVOS (Geração Futura) NOVOS E ANTIGOS INATIVOS PENSIONISTAS RESERVAS MATEMÁTICAS (EFA) TESOURO E/OU APORTES ATIVOS ~ 50 ANOS 0 / 0 REGIME FINANCEIRO DE CAPITALIZAÇÃO REGIME FINANCEIRO DE REPARTIÇÃO SIMPLES Segregação de Massa implementada apenas a partir da Lei, separação orçamentária, financeira e contábil (Art. 21).

34 31) GRUPO PREVIDENCIÁRIO X GRUPO FINANCEIRO CARACTERÍSTICA GRUPO PREVIDENCIÁRIO GRUPO FINANCEIRO Novos Entrados Aberto Fechado (em extinção) Composição dos Segurados Ativos admitidos a partir de determinada data base. Grupo a priori mais jovem com tempo hábil para a capitalização dos recursos a partir do CN (apenas) Ativos admitidos até determinada data base + atuais aposentados + atuais pensionistas. Grupo mais velho sem tempo hábil para a capitalização dos recursos a partir do CN (apenas) Regime Financeiro Capitalização Repartição Simples Contribuições Previdenciárias Atuais Investimentos Financeiros Patrocinador: 11% Servidor Ativo: 11% Sempre. Os recursos oriundos das contribuições serão capitalizados Patrocinador: 11% Servidor Ativo: 11% Aposentados e Pensionistas: 11% (sobre o excedente ao teto INSS) Apenas enquanto a receita de contribuições for superior à despesa com o pagamento dos benefícios. Compensação Previdenciária Complementação do Tesouro -> dos futuros aposent. dos ativos atuais e pens. recorrentes; -> dos futuros pens. dos ativos atuais; -> dos futuros aposent. dos ativos futuros e pens. recorrentes; -> dos futuros pens. dos ativos futuros; Não. As contribuições previdenciárias oriundas do CN calculado, capitalizadas no mercado financeiro e somadas a rentabilidade dos investimentos formarão as RM necessárias ao EFA -> dos atuais aposentados; -> dos atuais pensionistas; -> dos futuros aposent. dos ativos atuais e pens. recorrentes; -> dos futuros pensionistas dos ativos atuais; Sim. A partir do momento em que as despesas previdenciárias forem maiores que as receitas de contribuição. Essa complementação é crescente até determinado ano, a partir do qual sempre decrescerá

35 32) SEGREGAÇÃO DE MASSAS PROPOSTA Definindo-se a data de corte para 01/01/2004, o GRUPO PREVIDENCIÁRIO passa a assumir os benefícios dos servidores admitidos a partir de então. Os servidores admitidos até 31/12/2003 permanecerão no GRUPO FINANCEIRO. Importante ressaltar que, independente da data de admissão, todos os benefícios concedidos até a publicação da Lei ficam a cargo do GRUPO FINANCEIRO. Esta nova segmentação faz com que o GRUPO PREVIDENCIÁRIO passe a assumir o benefício futuro de servidores. Desta forma, o GRUPO FINANCEIRO passaria a contar com servidores ativos, servidores aposentados e pensionistas.

36 33) SEGREGAÇÃO DE MASSAS PROPOSTA (Pirâmides) GRUPO PREVIDENCIÁRIO GRUPO FINANCEIRO

37 34) GRUPO PREVIDENCIÁRIO RESERVAS MATEMÁTICAS O equacionamento das contas do GRUPO PREVIDENCIÁRIO, segundo a nova segmentação, se dará conforme: Discriminação Valores (-) VP dos Benefícios Futuros R$( ,93) (+) VP das Contribuições Futuras R$ ,94 RM de Benefícios a Conceder (RMBaC) R$ ( ,99) (-) RM de Benefícios Concedidos (RMBC) R$ 0,00 Reservas Matemáticas (RMBaC + RMBC) R$ ( ,99) (+) Ativos Financeiros R$ ,00 VP da COMPREV a Receber R$ 0,00 Déficit Técnico Atuarial R$ 0,00 Reserva de Oscilação de Riscos e Ajuste do Plano R$ ,01

38 35) GRUPO FINANCEIRO EVOLUÇÃO DAS COMPLEMENTAÇÕES As complementações a serem feitas por parte do Tesouro para o GRUPO FINANCEIRO, segundo a nova segmentação, se darão conforme: 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% % da folha de ativos 2086 Evolução das Complementações

39 36) REFLEXÕES FINAIS OBSERVAÇÕES IMPORTANTES A Previdência não é um prêmio para aqueles que chegam a determinada idade. Representa a quebra do paradigma da cultura imediatista. É dos maiores benefícios oferecidos a todos os cidadãos brasileiros, prestado nos momentos de maior necessidade (velhice, morte, invalidez). Forte mecanismo de geração de poupança interna e movimentador da economia local, regional e nacional. Não se faz do dia para noite, demanda: tempo, trabalho, união, afinco e dedicação. Ser previdente é pensar no Futuro!!!

40 Luciano Gonçalves de Castro e Silva Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas Demógrafo IBGE Professor Colaborador da Escola Nacional de Ciências Estatísticas - ENCE Mestre em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais Atuário M.I.B.A nº

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 Dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS da União, dos Estados,

Leia mais

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário Regime Próprio de Previdência Social Gestão Atuarial Dos RPPS Bento Gonçalves RS Joel Fraga da Silva - Atuário 1 Avaliação Atuarial Calcular as Reservas Matemáticas: representam o compromisso do RPPS Passivo

Leia mais

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Introdução à atuária Aula 01 Prof. Dr. Junio C. Martinez O ATUÁRIO Profissão regulamentada em 03/04/1970

Leia mais

Página 1 de 7 Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial - 2014 RJ - PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA CNPJ : 32512501000143 SIAFI : 985925 Cadastro de Nome do Plano : Plano Previdenciário QUADRO

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM SANTA MARIA/RS AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2013 Data Base:31/12/2012 Índice 1. Introdução... 02 2. Origem

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, novembro de 2010 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Os servidores públicos ocupantes de cargo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

MUNICÍPIO DE LUZIÂNIA - GO

MUNICÍPIO DE LUZIÂNIA - GO 0 REAVALIAÇÃO ATUARIAL Base Dez 2013 Exercício 2014. MUNICÍPIO DE LUZIÂNIA - GO Base DEZEMBRO / 2013 Alcir Antonio de Azevedo Atuário - Miba 548 MTPS RJ Tel.: (62) 99761219 Vivo, 9353 0319 Claro ou 8290

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com.

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com. Fundação AMAZONPREV Poder Executivo e Assembléia AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2014 Data Base: 31/12/2013 Índice 1. Introdução... 02 2. Participantes e Beneficiários... 02 3. Data Base dos Dados e da Avaliação...

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA 1) O envio do DRAA de 2015 não será mais realizado pela atual plataforma: http://www.previdencia.gov.br/demonstrativo-de-resultados-da-avaliacao-atuarial/ 2) Foi desenvolvido

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL 2009

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL 2009 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL 2009 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS Produto 1 Atuários Responsáveis: Luciano Gonçalves de Castro e Silva Miba 1.116 MTb/RJ

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

AUDITEC- Auditoria Técnica Atuarial RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS

AUDITEC- Auditoria Técnica Atuarial RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS Avaliação realizada em 31.12.2013 ÍNDICE GERAL 1ª PARTE 1.1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.2. HISTÓRICO 1.3. REGRAS DA PREVIDÊNCIA APLICADAS NA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL RA- 41/13

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL RA- 41/13 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL RA- 41/13 Fundo de Previdência Social dos Servidores Públicos do Município de Florianópolis RPPS - FLORIANÓPOLIS Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONCEITOS E DEFINIÇÕES... 5

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS. CÁLCULO ATUARIAL e EQUILÍBRIO ATUARIAL

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS. CÁLCULO ATUARIAL e EQUILÍBRIO ATUARIAL 1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS Por Dalvin Gabriel José de Souza Bacharel em Ciências Atuariais/UFRGS, MIBA Nº 1003 Licenciado em Matemática/UFRGS Servidor Público Municipal, Atuário do

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS V - AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO PARÁ RPPS A Emenda Constitucional nº 20, de 15

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação Retificação DOU DE 31/08/2000 O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO PALOTINA - PR. Curitiba, 31 de março 2014.

AVALIAÇÃO ATUARIAL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO PALOTINA - PR. Curitiba, 31 de março 2014. AVALIAÇÃO ATUARIAL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PALOTINA - PR Curitiba, 31 de março 2014. 1 Índice APRESENTAÇÃO... 5 OBJETIVOS... 5 BASE CADASTRAL... 5 Base

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP Julho de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. BASE CADASTRAL...4 3. OUTRAS INFORMAÇÕES

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de 2013 1

Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de 2013 1 Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial Brasília DF, 24 de maio de 2013 1 Programa Definição de Atuária, aplicações na previdência complementar e atuação do atuário Obrigações atuariais estabelecidas

Leia mais

FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2215/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA

FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2215/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2215/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MORRINHOS DO SUL/RS SOLICITANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JARU-RO

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JARU-RO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JARU-RO Revisão dos Cálculos Atuariais e Emissão de Parecer Técnico Atuarial Exacttus Consultoria Atuarial ÍNDICE 1 PARECER TÉCNICO ATUARIAL...

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado FEAAC Curso de Ciências Atuariais PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD de encerramento do exercício

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 1- SIGLA: OABPREV 2- CÓDIGO: 04501 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.070.021-83 - PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO - PREV DADOS

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG -

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2301/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA

FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2301/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2301/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORONEL BICACO/RS SOLICITANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE CORONEL BICACO/RS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

Breve Diagnóstico Financeiro- Atuarial dos RPPS de Pernambuco

Breve Diagnóstico Financeiro- Atuarial dos RPPS de Pernambuco Universidade Federal de Pernambuco Breve Diagnóstico Financeiro- Atuarial dos RPPS de Pernambuco Cícero Rafael B Dias Atuário Mestre em Economia Doutorando em Estatística 15 de outubro de 2013 AGENDA:

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Origem - BD Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários do

Leia mais

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 Este parecer tem por objetivo analisar atuarialmente o Projeto de Lei 0252/2015 que Dispõe sobre a Reestruturação do Plano de Custeio

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

ÍNDICE. 2 Conde Consultoria Atuarial Ltda. Rua João Anes 157 São Paulo Fone: 55 11-3834.4933. ccaconde@ccaconde.com.br www.ccaconde.com.

ÍNDICE. 2 Conde Consultoria Atuarial Ltda. Rua João Anes 157 São Paulo Fone: 55 11-3834.4933. ccaconde@ccaconde.com.br www.ccaconde.com. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. BASE CADASTRAL... 4 3. OUTRAS INFORMAÇÕES REFERENTES À BASE CADASTRAL... 12 4. A ESTRUTURA PREVIDENCIÁRIA... 17 5. BASES TÉCNICAS... 22 6. TERMOS TÉCNICOS... 24 7. METODOLOGIA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [18.465.825/0001-47] FUNDACAO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PUBLICO DO PODER JUDICIARIO - FUNPRESP-JUD PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2013.0017-38] JUSMP-PREV ENCERRAMENTO

Leia mais

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014.

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. STEA:- 80/2014/153 Ilma. Sra. Dra. Jussara Carvalho Salustino M.D. Diretora Presidente da ECOS Ref:- Parecer Atuarial sobre o Balanço de 31/12/2013 Plano BD Prezada

Leia mais

Consultoria e Serviços Atuariais. 12 Junho 2012

Consultoria e Serviços Atuariais. 12 Junho 2012 Consultoria e Serviços Atuariais 12 Junho 2012 1 Sobre a Consultoria No mercado apenas desde 2006, porém a Exacttus conta com a colaboração de profissionais com experiência no mercado atuarial. Sua sócia

Leia mais

NOTA TÉCNICA ATUARIAL. Plano Executivo Federal

NOTA TÉCNICA ATUARIAL. Plano Executivo Federal NOTA TÉCNICA ATUARIAL Plano Executivo Federal do Plano Executivo Federal, administrado pela Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (FUNPRESP-EXE). Julho de

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14 FUNPRESP-JUD Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38 Parecer Atuarial 041/14 FEVEREIRO/2014 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições da Lei Complementar

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011 Situação previdenciária do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011 Despesa previdenciária dos principais estados Em % da RCL, 2009 Evolução do déficit previdenciário,

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA COMPREV COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA O QUE É? É o acerto de contas entre o Regime Geral de Previdência Social - RGPS, representado MPS/INSS e os Regimes Próprios de Previdência dos Servidores RPPS, dos Municípios,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando de cada uma das questões de 1 a 20, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; o campo designado com o código E,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [06.184.184/000173] SEBRAE PREVIDENCIA INSTITUTO SEBRAE DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2004.002883] SEBRAEPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [82.956.996/0001-78] FUNDACAO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0051-38] MISTO ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável JOSE ROBERTO

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

Assessoria e Consultoria Atuarial. Luiz Claudio Kogut Atuário Miba 1.308 (41)3322-2110 kogut@actuarial.com.br 28 de Março de 2015

Assessoria e Consultoria Atuarial. Luiz Claudio Kogut Atuário Miba 1.308 (41)3322-2110 kogut@actuarial.com.br 28 de Março de 2015 Assessoria e Consultoria Atuarial Luiz Claudio Kogut Atuário Miba 1.308 (41)3322-2110 kogut@actuarial.com.br 28 de Março de 2015 Apresentação Luiz Claudio Kogut Bacharel em Ciências Atuariais MIBA 1.308

Leia mais

Regime Próprio De Previdência Social do Município de Quatis - RJ

Regime Próprio De Previdência Social do Município de Quatis - RJ AVALIAÇÃO ATUARIAL Regime Próprio De Previdência Social do Município de Quatis - RJ Data base: 31/12/2014 Quatis 26/07/2015 1 Telefone: (13) 3878-840 Índice 1. Introdução...4 1.1. Objetivo... 4 1.2. Conteúdo...

Leia mais

MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Relatório de Auditoria Atuarial Plano de Aposentadoria Deloitte Touche Tohmatsu

MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Relatório de Auditoria Atuarial Plano de Aposentadoria Deloitte Touche Tohmatsu MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Relatório de Auditoria Atuarial I - ÍNDICE INTRODUÇÃO...2 II - ANÁLISE DO PLANO DE BENEFÍCIOS... 2 III - CADASTRO DE PARTICIPANTES... 5 IV - HIPÓTESES BIOMÉTRICAS,

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

NORMA ATUARIAL Nº. 1

NORMA ATUARIAL Nº. 1 NORMA ATUARIAL Nº. 1 SELEÇÃO DE HIPÓTESES DEMOGRÁFICAS, BIOMÉTRICAS E OUTRAS NÃO-ECONÔMICAS PARA MENSURAÇÃO DE OBRIGAÇÕES DE UM PLANO DE BENEFÍCIOS Versão 001 PARA: Atuários MIBAS e CIBAS e outras Pessoas

Leia mais

Relatório do Estudo de Aderência de Hipóteses

Relatório do Estudo de Aderência de Hipóteses PSS - Seguridade Social Relatório do Estudo de Aderência de Hipóteses Agosto, 2014 Esta página está em branco intencionalmente PSS - Seguridade Social i Sumário Seção 1 : Introdução... 1 Seção 2 : Objetivos...

Leia mais

O Equilíbrio Financeiro e Atuarial dos RPPS Desafios de Sustentabilidade. Por Otoni Gonçalves Guimarães

O Equilíbrio Financeiro e Atuarial dos RPPS Desafios de Sustentabilidade. Por Otoni Gonçalves Guimarães O Equilíbrio Financeiro e Atuarial dos RPPS Desafios de Sustentabilidade Por Otoni Gonçalves Guimarães Palmas - TO, 10 de maio de 2012 1 Direito do Cidadão x Obrigação do Estado Constituição Federal Art.

Leia mais

DIPR - CONHECENDO O NOVO DEMONSTRATIVO

DIPR - CONHECENDO O NOVO DEMONSTRATIVO DIPR - CONHECENDO O NOVO DEMONSTRATIVO O envio do DIPR será exigido a partir do 4º bimestre de 2013, cujo prazo se encerra em 30 de setembro. Esse novo demonstrativo será de suma importância, pois além

Leia mais

- Resolução TC nº 257, de 07 de março de 2013 Altera os dispositivos da Resolução TC nº 227/2011.

- Resolução TC nº 257, de 07 de março de 2013 Altera os dispositivos da Resolução TC nº 227/2011. técnico atuarial do Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos do município de Vila Velha. - Lei Complementar Municipal nº 021, de 17 de janeiro de 2012 Institui o plano de custeio da

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais