Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de 2013 1"

Transcrição

1 Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial Brasília DF, 24 de maio de

2 Programa Definição de Atuária, aplicações na previdência complementar e atuação do atuário Obrigações atuariais estabelecidas na legislação Avaliação atuarial de planos de benefícios Gestão de riscos atuariais, identificação de resultados e ações para o equilíbrio do plano de benefícios 2

3 3

4 Conceitos iniciais Ciência do atuário; parte da estatística ligada a problemas relacionados com a teoria e o cálculo de seguros. (Houaiss) Ciência que estuda os riscos financeiros e econômicos aos quais estão submetidos os indivíduos e empresas, com o objetivo de desenvolver mecanismos de proteção. 4

5 Conceitos introdutórios Exemplos de riscos que interessam à Atuária Perda de da capacidade de geração de renda do trabalho (inatividade, invalidez, morte e desemprego). Destruição de um bem, parcial ou completa. Perda da produção agrícola Morte Perdas de investimentos 5

6 Conceitos introdutórios Exemplos mecanismos de proteção Seguro de vida Seguro de autos Seguro residencial Planos de previdência (fechada ou aberta) Seguro saúde Planos de saúde Seguro fiança Seguro de garantia (cumprimento de contratos)... 6

7 Conceitos introdutórios Ciências que são os pilares da Atuária Estatística Matemática Relacionamento com outras ciências Economia Finanças Administração Demografia Informática Direito 7

8 Conceitos introdutórios Atuário Entre os antigos romanos, escriba que redigia as atas do senado. (Houaiss) Especialista em matemática estatística, que age no mercado econômico financeiro na promoção de pesquisas e estabelecimento de planos e políticas de investimentos e amortização, e no seguro social e privado, no cálculo de probabilidades de eventos, na avaliação de riscos, fixação de prêmios, indenizações, etc.. (Houaiss) 8

9 Regulamentação profissional Atuário Legislação que regulamenta a profissão Decreto lei no. 806, de 4/9/69 Decreto no , de 3/4/70 9

10 Órgão representativo Instituto Brasileiro de Atuária IBA Órgão que congrega todos os atuários brasileiros. 10

11 Áreas de atuação Previdência Social Regime Geral Regimes Próprios Previdência Complementar Aberta Fechada Seguros Saúde Suplementar Capitalização 11

12 Papel do atuário em uma EFPC Atividades que são desenvolvidas pelo atuário em uma entidade de previdência Avaliação atuarial do plano de benefícios Definição do plano de custeio Acompanhamento da aderência das hipóteses atuariais Cálculo das provisões matemáticas Elaboração de fluxos de longo prazo (despesas e receitas) Assessoria nas alterações regulamentares. Cálculos de jóias (contribuição de tempo passado). 12

13 Proteção securitária Por que os indivíduos buscam proteção em grupo? Conseqüências monetárias dos riscos não podem ser suportadas individualmente. Princípio do mutualismo Transferência de risco 13

14 Risco Éo evento incerto ou de data incerta que independe da vontade das partes contratantes e contra o qual é feito o seguro. Éa expectativa de sinistro (acontecimento do evento previsto e coberto no contrato). (FUNENSEG) Éa probabilidade de ocorrência de um evento cuja conseqüência monetária está além da capacidade financeira e econômica do indivíduo ou empresa. Para uma EFPC, o risco representa as expectativas de pagamentos dos benefícios prometidos em seu regulamento. 14

15 Risco Características para que o risco seja segurável Ser possível e provável Ser lícito Ter conseqüências monetárias além da capacidade do segurado e aquém da do segurador Afetar por igual todos os componentes do grupo, podendo atingir a alguns mas não a todos ao mesmo tempo. Não deve proporcionar lucro para o segurado 15

16 Risco Tipos de riscos seguráveis Morte Invalidez Sobrevivência (renda) Incêndio Colisão Roubo/Furto 16

17 Riscos previdenciais Trajetória previdencial de um indivíduo Demonstra os possíveis caminhos que um participante poderá trilhar ao longo de sua vida, numa visão previdencial. Aplicada aos arranjos securitários da área de previdência. 17

18 Trajetória ria Previdencial Fase Laborativa Ambiente Tridecremental (morte, invalidez e rotatividade) a y ma i r Morte do Participante Ativo Entrada em Invalidez Aposentadoria por Invalidez ambiente unidecremental (morte) Morte do Apos. Inválido Saída do Serviço Entrada em Apos. Prog mi W ap.inv. Pensão por Morte de Apos. Inválido ambiente unidecremental (morte) Pensão por Morte de Participante Ativo ambiente unidecremental (morte) Aposentadoria Programada ambiente unidecremental (morte) W pens. mp W ap.prog. Morte do Aposentado Programado Pensão por Morte de Apos. Programado ambiente unidecremental (morte) W pens W pens NOTA: y = id. de entrada; x = id. na avaliação; ma = morte de ativo; i = invalidez de ativo; r = perda do vínculo empregatício; mi = morte de apos. por inval.; a = id. apos. prog.; mp = morte de apos. prog.; W ap.prog. = idade inatingível de aposentado programado; W ap.inv. = idade inatingível de aposentado inválido; W 18 pens = idade inatingível do GFS.

19 Riscos atuariais Principais riscos atuariais em um plano de previdência Sobrevivência As pessoas podem sobreviver além do número médio de anos que se estima nos cálculos atuariais Financeiro Os investimentos podem não ter o retorno estimado nos cálculos atuariais 19

20 20

21 Orgãos reguladores Conselho Nacional de Previdência Complementar CNPC (antigo Conselho de Gestão da Previdência Complementar) Órgão normatizador Secretaria Nacional de Previdência Complementar Órgão de assessoria ao CNPC Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC Órgão fiscalizador 21

22 Obrigações atuariais Demonstrações Atuariais Resumo dos resultados da avaliação atuarial do plano de benefícios Elaborada por ocasião do encerramento do exercício Encaminhada anualmente para a PREVIC (Superintendência Nacional de Previdência Complementar) Regulamentada pela Instrução nº 09, de 14 de dezembro de 2010, passou a vigorar no exercício de

23 Obrigações atuariais Avaliação atuarial Estudo estatístico financeiro de longo prazo das receitas e despesas do plano de benefícios Fundamentada nas regras estabelecidas na legislação e regulamento do plano de benefícios, bem como em hipóteses sobre o comportamento futuro das principais variáveis que influenciam as receitas e despesas, tais como salários, benefícios, juros, mortalidade, entrada em invalidez, etc.. 23

24 Obrigações atuariais Avaliação atuarial A Resolução CGPC nº 18, de 28 de março de 2006, alterada pela Resolução CNPC nº 09, de 29 de novembro de 2012, estabelece os parâmetros técnicos para a avaliação atuarial de planos de benefícios. 24

25 Obrigações atuariais Nota técnica atuarial Documento técnico elaborado por atuário, que descreve as características do plano de benefícios, as bases técnicas usadas em sua avaliação (método atuarial, regimes financeiros e hipóteses atuariais), bem como as formulações matemáticas adotadas nos cálculos das provisões matemáticas e custos do plano de benefícios. 25

26 Obrigações atuariais Testes de aderência das hipóteses atuariais Estudo elaborado pelo atuário responsável pelo plano de benefícios, que demonstra a adequação das hipóteses atuariais (crescimento salarial, taxa de juros, mortalidade, entrada em invalidez, etc.) aos eventos ocorridos no plano de benefícios. A Resolução CGPC nº 13, de 01 de outubro de 2004 estabelece em diversos trechos a necessidade de acompanhamento da aderência das hipóteses atuariais e, no art. 19, exige a manifestação do conselho fiscal da entidade, pelo menos semestralmente. 26

27 27

28 Cálculo financeiro Dinheiro tem valor no tempo Qual o equivalente financeiro atual de R$ 2.000,00 que serão pagos daqui a 20 anos, supondo se uma taxa de juros anual de 6%? Diagrama de fluxo R$ 2.000,00 R$ (?) 28

29 Cálculo financeiro Fazendo uso da matemática financeira dos juros compostos, pode se calcular o equivalente financeiro atual (Valor Presente), pela seguinte fórmula: VP % 20 Não há incerteza, nesse cálculo, em relação ao pagamento do valor no futuro. 29

30 Cálculo atuarial Além do desconto financeiro, no cálculo atuarial é necessário se considerar a probabilidade de que o pagamento não ocorra. Diagrama de fluxo VPA 2000 p % (?)R$ 2.000,00 (?) R$ (?) Equivalente certo atuarial 30

31 Cálculo atuarial O cálculo atuarial fornece meios para apuração de prêmios de seguros e custos previdenciais. O cálculo é elaborado considerando se um conjunto de premissas e hipóteses, bem como em metodologias específicas. No caso de uma EFPC, essas premissas e hipóteses irão permitir a estimativa das obrigações previdenciais e dos custos de um plano de benefícios. 31

32 Regimes financeiros Determinam a forma como serão financiados os benefícios do plano e são regulados pela Resolução CGPC nº 18, de 28 de março de

33 Regimes financeiros Capitalização Formação de reservas de longo prazo O custeio dos benefícios é feito por contribuições do participante e da patrocinadora, bem como pelos ganhos de mercado. Obrigatório para benefícios que sejam programados e continuados 33

34 Regimes financeiros Repartição Simples Não há formação de reservas As contribuições são suficientes para financiar os benefícios que forem pagos no mesmo período. Pode ser utilizado para o financiamento de benefícios que sejam pagos por invalidez, morte, doença ou reclusão, cuja concessão seja na forma de pagamento único. Pode ser usado também para benefícios pagos por doença ou reclusão na forma de renda com prazo não superior a cinco anos. 34

35 Regimes financeiros Repartição de Capitais de Cobertura Não há formação de reservas antecipadamente As reservas que financiarão os benefícios são constituídas no momento da concessão do benefício ou pouco antes. Pode ser utilizado para o financiamento de benefícios que sejam pagos por invalidez, morte, doença ou reclusão, cuja concessão seja na forma de renda. 35

36 Métodos atuariais Determinam a forma de acumulação dos recursos necessários ao pagamento dos benefícios Só fazem sentido quando se fala em regime financeiro de capitalização. 36

37 Gráfico de acumulação 37

38 Métodos atuariais de financiamento Exemplos IEN Idade de Entrada Normal UC Crédito Unitário PUC Crédito Unitário Projetado Agregado Idade Atingida 38

39 Métodos atuariais de financiamento Ométodo atuarial irá determinar as provisões matemáticas, os custos dos benefícios e, por conseqüência, as contribuições (custeio) que serão necessárias. 39

40 Hipóteses atuariais Suposições sobre o comportamento de diversas variáveis do cálculo atuarial, tais como Salários Investimentos Mortalidade Invalidez Desligamentos Inflação Benefício do RGPS Despesas administrativas 40

41 Hipóteses atuariais Taxa de crescimento salarial Para estimar o salário na aposentadoria Taxa de juros Retorno dos investimentos Atualização monetária e fatores de capacidade salarial Obter o valor nominal dos salários e benefícios na data da avaliação Tábuas biométricas Permitem calcular as probabilidades de morte e invalidez Rotatividade Estimativa da taxa de desligamento dos participantes do plano 41

42 Mortalidade AT 49 AT 55 AT 71 AT 83 AT Idade 42

43 Hipóteses atuariais Regulamentação sobre as hipóteses atuariais EFPC Resolução CGPC no. 18, de 28/03/2006. Hipóteses adequadas às características da massa de participantes e assistidos e ao regulamento do plano (item 1 do regulamento anexo da resolução). A EFPC pedirá ao patrocinadora ou instituidor do plano manifestação por escrito sobre as hipóteses econômicas e financeiras (crescimento salarial, rotatividade, indexador dos salários,...) que guardem relação com suas atividades (item 1.1). 43

44 Hipóteses atuariais 44 Regulamentação sobre as hipóteses atuariais EFPC Resolução CGPC no. 18, de 28/03/2006. Tábua de mortalidade geral: mínimo a AT 83 (compara se as expectativas de vida completa). Se o atuário utilizar tábuas por sexo, a comparação deverá se pelas expectativas de vida ponderadas. Se forem usados agravamentos, estes deverão ser uniformes em todas as idades. A adequação da tábua biométrica utilizada para projeção da longevidade será atestada por meio de estudos específicos que comprovem a aderência, nos três últimos exercícios, entre o comportamento demográfico da massa de participantes e assistidos e a respectiva tábua biométrica utilizada.

45 Hipóteses atuariais Regulamentação sobre as hipóteses atuariais EFPC Resolução CGPC no. 18, de 28/03/2006. A adoção e aplicação das hipóteses biométricas, demográficas, econômicas e financeiras são de responsabilidade dos membros estatutários da EFPC (item 3). O atuário que tenha proposto ou validado as hipóteses utilizadas na avaliação atuarial também éresponsável (item 3.1). 45

46 Hipóteses atuariais 46 Regulamentação sobre as hipóteses atuariais EFPC Resolução CGPC no. 18, de 28/03/2006. Taxa máxima real de juros de 6,0% (2012), 5,75% (2013), 5,50% (2014), 5,25% (2015), 5,00% (2016), 4,75% (2017) e 4,50% (2018) (item 4). Não são admitidas taxas negativas para o crescimento real dos salários e benefícios, nem o agravamento ou desagravamento em outras hipóteses cuja combinação resulte em taxa de juros superior a 6% a.a.. (?) vale para o fator de capacidade salarial e de benefícios? A adoção de taxa de juros deverá ser justificada pela entidade com base em estudos técnicos que comprovem a aderência das hipóteses de rentabilidade dos investimentos ao plano de custeio e ao fluxo futuro de receitas de contribuições e pagamento de benefícios.

47 Hipóteses atuariais Regulamentação sobre as hipóteses atuariais EFPC Resolução CGPC no. 18, de 28/03/2006. Os estudos de aderência da taxa de juros serão apreciados pelo Conselho Deliberativo e pelo Conselho Fiscal da entidade e ficarão à disposição na entidade para conhecimento dos participantes e patrocinadores e apresentação ao órgão fiscalizador sempre que requisitados. 47

48 Hipóteses atuariais 48 Regulamentação sobre as hipóteses atuariais EFPC Resolução CGPC no. 18, de 28/03/2006. Entende se por adequação e aderência: A conformidade e confrontação entre as probabilidades de ocorrência de morte ou invalidez constantes da tábua biométrica utilizada em relação àquelas constatadas junto à massa de participantes e assistidos nos três últimos exercícios. A convergência entre a taxa real de juros estabelecida nas projeções atuariais e a taxa de retorno real projetada para as aplicações dos recursos garantidores, ponderada em função de: a) montante de ativos por segmento de aplicação, fluxo de investimentos e desinvestimentos, fluxo de receita com juros, cupons, dividendos, aluguéis, vendas de ativos e outras receitas; b) fluxo de contribuições, parcelas de dívidas e outras receitas; c) fluxo de benefícios, inclusive decorrentes de demandas judiciais, resgate e portabilidade.

49 Hipóteses atuariais Regulamentação sobre as hipóteses atuariais EFPC Resolução CGPC no. 18, de 28/03/2006. Os estudos de aderência serão elaborados pelo atuário responsável pelo plano de benefícios, atestados pelo Conselho Fiscal e aprovados pela Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo. 49

50 Avaliação atuarial Estudo das obrigações previdenciais de um plano de benefícios, considerando se um conjunto de premissas e hipóteses sugeridas pelo atuário. A avaliação atuarial compreende um estudo de longo prazo das despesas e receitas do plano de benefícios, estimando se a situação financeira do mesmo ao longo da sobrevida de todos os seus participantes, assistidos e dependentes. 50

51 Avaliação atuarial Realizada anualmente, por ocasião do encerramento do exercício social A partir da avaliação atuarial são elaboradas as Demonstrações Atuariais (DA) As premissas e hipóteses de trabalho devem observar os parâmetros técnicos estabelecidos na Resolução nº 18, de 28/03/2006, emitida pelo Conselho de Gestão da Previdência Complementar (CGPC) 51

52 Avaliação atuarial Passos para a elaboração da avaliação atuarial Análise da legislação e normativos internos Elaboração e crítica da base de dados Definição das premissas e hipóteses atuariais Modelagem computacional das regras legais e do regulamento Parametrização Execução do modelo atuarial Análise dos resultados Elaboração do relatório de avaliação atuarial 52

53 Avaliação atuarial Bases fundamentais Legislação Normativos internos Estatuto, convênio de adesão, regulamento e contratos Metodologias atuariais Premissas e hipóteses de trabalho Dados cadastrais Informações individuais de participantes ativos e assistidos. 53

54 Avaliação atuarial A avaliação atuarial deve conter, dentre outros: A descrição do plano de benefícios O resumo das premissas e hipóteses utilizadas, bem como dos regimes financeiros e métodos atuariais A situação atuarial do plano de benefícios O plano de custeio para o equilíbrio do plano de benefícios Parecer atuarial Comentários sobre a base de dados Estatísticas da população de participantes e assistidos 54

55 Avaliação atuarial Resultados Provisões matemáticas (PM) Situação atuarial Superávit: PM < Ativo Líquido do Plano Déficit: PM > Ativo Líquido do Plano Equilíbrio: PM = Ativo Líquido do Plano Custos atuariais Plano de custeio (contribuições) Projeções atuariais 55

56 Avaliação atuarial Provisões/Reservas Matemáticas Calculadas a valor presente atuarial na data da avaliação São influenciadas pelas hipóteses atuariais Representam as obrigações de longo prazo da entidade de previdência 56

57 Avaliação atuarial Rubrica Valor RESERVAS MATEMÁTICAS ,52 BENEFÍCIOS CONCEDIDOS ,09 Benefícios do plano ,09 Contribuição da patrocinadora sobre benefícios 0,00 Outras contribuições da geração atual 0,00 Outras contribuições da geração futura 0,00 BENEFÍCIOS A CONCEDER ,03 Benefícios do plano com a geração atual ,29 Contrib. da patroc. sobre benef. da ger. Atual 0,00 Outras contribuições da geração atual ,26 57

58 Avaliação atuarial Rubrica Valor Benefícios do plano com gerações futuras 0,00 Contribuições sobre benefícios com ger. Futuras 0,00 Outras contribuições das gerações futuras 0,00 Contribuição da patrocinadora sobre benefícios 0,00 RESERVA A AMORTIZAR ,60 Pelas contribuições especiais vigentes ,66 Por ajustes das contribuições especiais vigentes ,94 58

59 Avaliação atuarial Resultado Atuarial Rubrica Valor ATIVO LÍQUIDO DO PLANO ,04 RESERVAS MATEMÁTICAS ,52 DÉFICIT TÉCNICO 0,00 SUPERÁVIT TÉCNICO ,52 Reserva de Contingência ,52 Reserva para Ajustes do Plano 0,00 59

60 Avaliação atuarial O que fazer com o resultado atuarial? Superávit (EFPC) Até 25% das provisões matemáticas devem ser constituídos como Reserva de Contingência (art. 20, da Lei Complementar no. 109, de 29/05/2001). Art. 20 O resultado superavitário dos planos de benefícios das entidades fechadas, ao final do exercício, satisfeitas as exigências regulamentares relativas aos mencionados planos, será destinado à formação de reserva de contingência, para garantia de benefícios, até o limite de vinte e cinco por cento do valor das reservas matemáticas. 60

61 Avaliação atuarial O que fazer com o resultado atuarial? Superávit (EFPC) Quando o superávit for superior a 25% das provisões matemáticas, será formada uma reserva para ajuste do plano (art. 20., 1o. e 2o., da LC 109). 1o. Constituída a reserva de contingência, com os valores excedentes será constituída reserva especial para revisão do plano de benefícios. 2o. A não utilização da reserva especial por três exercícios consecutivos determinará a revisão obrigatória do plano de benefícios da entidade. 61

62 Avaliação atuarial O que fazer com o resultado atuarial? Superávit (EFPC) A reserva especial só poderá ser utilizada após 3 anos da sua constituição? (ver art. 12 da CGPC 26/08) Suponha um plano superavitário em 30% no primeiro ano (forma se uma reserva especial de 5%) e superavitário apenas em 20% no segundo ano. A reserva especial seria revertida no segundo ano? 62

63 Avaliação atuarial 63 O que fazer com o resultado atuarial? Superávit (EFPC) A revisão do plano poderá implicar no aumento dos benefícios ou na redução ou suspensão das contribuições. (art. 20 da CGPC 26/08) Condições para que ocorra a revisão do plano Recálculo do passivo com taxa de juros equivalente ao limite máximo do exercício (CGPC nº 26/08, art. 9, inciso II, com nova redação dada pela CGPC nº 10/12) e tábua de mortalidade que gere expectativas de vida iguais ou superiores às da tábua AT 2000 suavizada em 10%. Enquadramento dos recursos garantidores nos critérios do CMN. Dedução das dívidas com patrocinadoras da reserva especial.

64 Avaliação atuarial O que fazer com o resultado atuarial? Déficit (EFPC) Plano de equacionamento no qual participam a patrocinadora, participantes e assistidos (art. 21, da LC 109/01). Art 21. O resultado deficitário nos planos ou nas entidades fechadas será equacionado por patrocinadores, participantes e assistidos, na proporção existente entre as suas contribuições, sem prejuízo à entidade de ação regressiva contra dirigentes ou terceiros que deram causa a dano ou prejuízo à entidade de previdência complementar. 64

65 Avaliação atuarial O que fazer com o resultado atuarial? Déficit (EFPC) 1o. O equacionamento referido no caput poderá ser feito, dentre outras formas, por meio do aumento do valor das contribuições, instituição de contribuição adicional ou redução do valor dos benefícios a conceder, observadas as normas estabelecidas pelo órgão regulador e fiscalizador. 2o. A redução dos valores dos benefícios não se aplica aos assistidos, sendo cabível, nesse caso, a instituição de contribuição adicional para cobertura do acréscimo ocorrido em razão da revisão do plano. 65

66 Avaliação atuarial O que fazer com o resultado atuarial? Déficit (EFPC) 3o. Na hipótese de retorno àentidade dos recursos equivalentes ao déficit previsto no caput deste artigo, em conseqüência de apuração de responsabilidade mediante ação judicial ou administrativa, os respectivos valores deverão ser aplicados necessariamente na redução proporcional das contribuições devidas ao plano ou em melhoria dos benefícios. 66

67 Avaliação atuarial O que fazer com o resultado atuarial? Em que momento se deve equacionar o déficit atuarial? No exercício seguinte Diferimento do déficit por um exercício Natureza conjuntural Valor da insuficiência inferior a 10% do exigível atuarial Fluxo financeiro suficiente para honrar os compromissos do exercício subsequente 67

68 Avaliação atuarial Custos Atuariais São resultados de cálculos atuariais e indicam quanto custam os benefícios oferecidos pelo plano de benefícios São expressos como porcentagens do salário departicipação Dependem do método escolhido para a acumulação das reservas matemáticas do plano de benefícios 68

69 Avaliação atuarial Normais São os custos dos benefícios atribuíveis a períodos de contribuição entre a data de filiação do participante e sua aposentadoria. Suplementares São custos de amortização de tempo de serviço passado e déficits atuariais registrados ao longo da vida do plano de benefícios 69

70 Avaliação atuarial Custos Atuariais Custo % do SP Aposentadorias 13,19% Invalidez 0,46% Pensão por morte 1,60% Auxílio doença 0,55% Pecúlio por morte 0,24% Resgates Outros benefícios TOTAL DE BENEFÍCIOS 16,04% 70

71 Avaliação atuarial Custos Atuariais Custo % do SP TOTAL DE BENEFÍCIOS 16,04% Suplementar 177,92% Amortização de déficit Administração 2,44% TOTAL 196,40% 71

72 Avaliação atuarial Plano de custeio O regulamento do plano de benefícios estabelecerá a forma como será elaborado o plano de custeio, o qual é aprovado pelo Conselho Deliberativo. 72

73 Avaliação atuarial 73 Fluxos atuariais Metodologia que reflete as expectativas de pagamentos e recebimentos em cada ano futuro. Os valores dos fluxos não são descontados a valor presente. Em cada ano são apresentados os fluxos de receitas, despesas e o ativo financeiro do plano, além das quantidades de participantes e assistidos. Permitem uma visão complementar à das provisões matemáticas, pois mostram, ano a ano, os resultados financeiros, possibilitando identificar a partir de qual momento ocorrem os desequilíbrios.

74 Avaliação atuarial Fluxos atuariais Ano Receitas previdenciais Contrato Despesa por repartição Despesas previdenci ais Resultado 2009 Patrimônio , , , , , , , , , , , , , , , ,

75 Parecer atuarial Contém os comentários do atuário responsável pelo plano sobre a situação atuarial, sendo parte integrante do relatório de avaliação atuarial. No parecer consta, ainda, o balanço atuarial do plano e a sugestão de plano de custeio e comentários sobre mudanças na situação atuarial do plano ocorridas entre as datas base das avaliações anuais. 75

76 76

77 Análise de sensibilidade das hipóteses Características do plano de benefícios Modalidade de Benefício Definido Benefícios Aposentadorias Pensões Pecúlio por morte Auxílio doença 77

78 Análise de sensibilidade das hipóteses Características do plano de benefícios Regimes financeiros Capitalização Aposentadorias Pensões Repartição simples Pecúlio por morte Auxílio doença 78

79 Análise de sensibilidade das hipóteses Características do plano de benefícios Método atuarial IEN Plano de custeio Contribuições dos participantes, assistidos e patrocinadoras Jóias de participantes 79

80 Análise de sensibilidade das hipóteses Características do plano de benefícios Hipóteses Taxa de juros: 6% a.a. Taxa de rotatividade: 0% a.a. Taxa de crescimento salarial: 1% a.a. Taxa de crescimento dos benefícios: 0% a.a. Fator de capacidade salarial: 98,22% Fator de capacidade de benefício: 98,22% Inflação para salários e benefícios: INPC 80

81 Análise de sensibilidade das hipóteses Características do plano de benefícios Hipóteses Mortalidade geral: AT 83 Mortalidade para benefícios por morte: CSO 58 Entrada em invalidez: TASA 27 Mortalidade de inválidos: IAPC Tábua de serviço: multidecrementos (AT 83 e TASA 27) 81

82 Análise de sensibilidade das hipóteses Características do plano de benefícios Participantes 82

83 Análise de sensibilidade das hipóteses Características do plano de benefícios Assistidos 83

84 Análise de sensibilidade das hipóteses Cenário 0 Hipóteses originais Cenário 1 Mudança na taxa de juros de 6% para 5%. 84

85 Análise de sensibilidade das hipóteses Comparação dos cenários 0 e 1 85

86 Análise de sensibilidade das hipóteses Cenário 2 Mudança na taxa de crescimento real dos salários de 1% para 2%. 86

87 Análise de sensibilidade das hipóteses Comparação dos cenários 0 e 2 87

88 Análise de sensibilidade das hipóteses Cenário 3 Mudança na tábua de mortalidade geral da AT 83 para a AT 2000 male. 88

89 Análise de sensibilidade das hipóteses Comparação dos cenários 0 e 3 89

90 Considerações sobre as tábuas atuariais A seleção de uma tábua adequada à massa de participantes e assistidos deve ser feita por critérios técnicos, baseados em metodologia estatística que ateste a aderência entre os eventos reais e as taxas de mortalidade da tábua. O mesmo comentário vale para as demais tábuas (invalidez, mortalidade de inválidos, morbidez,...) 90

91 Como verificar se as hipóteses estão adequadas? Testes de aderência Levantamento do histórico dos eventos (mortalidade, invalidez, morbidez,...) Aplicação de testes estatísticos (Qui quadrado) Interpretação dos resultados Monitoramento do cenário externo (rotatividade, taxa de juros, inflação,...) Prudência 91

92 Exemplo de análise das hipóteses Mortalidade geral participantes e assistidos 92

93 Exemplo de análise das hipóteses Invalidez 93

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

Relatório do Estudo de Aderência de Hipóteses

Relatório do Estudo de Aderência de Hipóteses PSS - Seguridade Social Relatório do Estudo de Aderência de Hipóteses Agosto, 2014 Esta página está em branco intencionalmente PSS - Seguridade Social i Sumário Seção 1 : Introdução... 1 Seção 2 : Objetivos...

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Origem - BD Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários do

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário Regime Próprio de Previdência Social Gestão Atuarial Dos RPPS Bento Gonçalves RS Joel Fraga da Silva - Atuário 1 Avaliação Atuarial Calcular as Reservas Matemáticas: representam o compromisso do RPPS Passivo

Leia mais

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Introdução à atuária Aula 01 Prof. Dr. Junio C. Martinez O ATUÁRIO Profissão regulamentada em 03/04/1970

Leia mais

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 Dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS da União, dos Estados,

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre as Demonstrações Atuariais - DA dos planos de benefícios administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências.

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

Página 1 de 7 Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial - 2014 RJ - PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA CNPJ : 32512501000143 SIAFI : 985925 Cadastro de Nome do Plano : Plano Previdenciário QUADRO

Leia mais

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC João Marcelo Carvalho Agenda COMPARTILHAMENTO DE RISCOS SOLVÊNCIA CONCLUSÕES 2 Agenda COMPARTILHAMENTO DE

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVINORTE O presente Glossário tem por objetivo transmitir uma noção do significado de palavras e expressões usadas no segmento de Previdência

Leia mais

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado FEAAC Curso de Ciências Atuariais PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD de encerramento do exercício

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG -

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 1- SIGLA: OABPREV 2- CÓDIGO: 04501 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.070.021-83 - PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO - PREV DADOS

Leia mais

demonstração da Mutação do ativo Líquido

demonstração da Mutação do ativo Líquido Período: dezembro de 2010 R$ mil demonstração da Mutação do ativo Líquido Visão ATelecom Descrição 2010 A) Ativo Líquido - Início do Exercício 2.207 1. Adições 4.979 (+) Contribuições 4.727 (+) Resultado

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [82.956.996/0001-78] FUNDACAO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0051-38] MISTO ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável JOSE ROBERTO

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014.

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. STEA:- 80/2014/153 Ilma. Sra. Dra. Jussara Carvalho Salustino M.D. Diretora Presidente da ECOS Ref:- Parecer Atuarial sobre o Balanço de 31/12/2013 Plano BD Prezada

Leia mais

PREVIMINAS. Avaliação Atuarial de 2011 PLANO DE BENEFÍCIOS 4 RP4 - PLANO MGS CNPB 1992.0009-56. Parecer Atuarial 008/12

PREVIMINAS. Avaliação Atuarial de 2011 PLANO DE BENEFÍCIOS 4 RP4 - PLANO MGS CNPB 1992.0009-56. Parecer Atuarial 008/12 PREVIMINAS Avaliação Atuarial de 2011 PLANO DE BENEFÍCIOS 4 RP4 - PLANO MGS CNPB 1992.0009-56 Parecer Atuarial 008/12 MARÇO/2012 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições da Lei

Leia mais

GLOSsÁRIO TERMOS UTILIZADOS PAR. O que os comunicadores querem saber e não têm a oportunidade de perguntar

GLOSsÁRIO TERMOS UTILIZADOS PAR. O que os comunicadores querem saber e não têm a oportunidade de perguntar GLOSsÁRIO TERMOS UTILIZADOS PAR ARA A FUNDOS DE PENSÃO O que os comunicadores querem saber e TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO ABRAPP Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar.

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [06.184.184/000173] SEBRAE PREVIDENCIA INSTITUTO SEBRAE DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2004.002883] SEBRAEPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM SANTA MARIA/RS AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2013 Data Base:31/12/2012 Índice 1. Introdução... 02 2. Origem

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [18.465.825/0001-47] FUNDACAO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PUBLICO DO PODER JUDICIARIO - FUNPRESP-JUD PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2013.0017-38] JUSMP-PREV ENCERRAMENTO

Leia mais

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação Retificação DOU DE 31/08/2000 O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA 1) O envio do DRAA de 2015 não será mais realizado pela atual plataforma: http://www.previdencia.gov.br/demonstrativo-de-resultados-da-avaliacao-atuarial/ 2) Foi desenvolvido

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com.

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com. Fundação AMAZONPREV Poder Executivo e Assembléia AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2014 Data Base: 31/12/2013 Índice 1. Introdução... 02 2. Participantes e Beneficiários... 02 3. Data Base dos Dados e da Avaliação...

Leia mais

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA).

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). 1. Como proceder para corrigir, nas Demonstrações Atuariais, as informações do campo características dos benefícios?

Leia mais

9- VALOR 6- 8- ÚLTIMA 7- INÍCIO DE RESGATE SALÁRIO DA 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL R$ 440.797,11 8.441 R$ 281.990.

9- VALOR 6- 8- ÚLTIMA 7- INÍCIO DE RESGATE SALÁRIO DA 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL R$ 440.797,11 8.441 R$ 281.990. FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 4- NÚMERO DE PLANOS: 4 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL 9- VALOR

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO DA INSTRUÇÃO PREVIC Nº 23/2015. Precificação de passivos

GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO DA INSTRUÇÃO PREVIC Nº 23/2015. Precificação de passivos GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO DA INSTRUÇÃO PREVIC Nº 23/2015 Precificação de passivos Apresentação Este Guia Prático de Utilização da Instrução Previc nº 23/2015 é uma iniciativa da GAMA Consultores Associados,

Leia mais

I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013

I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013 I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013 1) A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA 2) O CRESCIMENTO NATURAL NO BRASIL 1872-2100

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS. CÁLCULO ATUARIAL e EQUILÍBRIO ATUARIAL

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS. CÁLCULO ATUARIAL e EQUILÍBRIO ATUARIAL 1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS Por Dalvin Gabriel José de Souza Bacharel em Ciências Atuariais/UFRGS, MIBA Nº 1003 Licenciado em Matemática/UFRGS Servidor Público Municipal, Atuário do

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Ensino a distância ÍNDICE I) O QUE É PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? II) SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR III) MARCOS REGULATÓRIOS IV) PLANOS DE BENEFÍCIOS V) ENTIDADES

Leia mais

NOTA TÉCNICA ATUARIAL. Plano Executivo Federal

NOTA TÉCNICA ATUARIAL. Plano Executivo Federal NOTA TÉCNICA ATUARIAL Plano Executivo Federal do Plano Executivo Federal, administrado pela Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (FUNPRESP-EXE). Julho de

Leia mais

Capitalização previdenciária quer dizer, antes de tudo, aposentadoria pré-financiada. Expressa uma vontade de garantir o futuro com base no

Capitalização previdenciária quer dizer, antes de tudo, aposentadoria pré-financiada. Expressa uma vontade de garantir o futuro com base no Capitalização previdenciária quer dizer, antes de tudo, aposentadoria pré-financiada. Expressa uma vontade de garantir o futuro com base no sacrifício da poupança presente, mas somente é admitida como

Leia mais

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb.

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2014. Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. 1- Na estatística de tempo médio de contribuição, teria que colocar observação para os Regulamentos

Leia mais

MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Relatório de Auditoria Atuarial Plano de Aposentadoria Deloitte Touche Tohmatsu

MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Relatório de Auditoria Atuarial Plano de Aposentadoria Deloitte Touche Tohmatsu MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Relatório de Auditoria Atuarial I - ÍNDICE INTRODUÇÃO...2 II - ANÁLISE DO PLANO DE BENEFÍCIOS... 2 III - CADASTRO DE PARTICIPANTES... 5 IV - HIPÓTESES BIOMÉTRICAS,

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, novembro de 2010 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Os servidores públicos ocupantes de cargo

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 457, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Institui o Teste de Adequação de Passivos para fins de elaboração das demonstrações financeiras e define regras e

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial e Administração Previdenciária

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial e Administração Previdenciária PARECER ATUARIAL 2010 A avaliação atuarial anual de 2010 foi realizada especificamente, para mensurar os custos e a situação financeiro-atuarial do Plano CONAB do CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO

RELATÓRIO ANUAL RESUMO RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2014 ÍNDICE Despesas Previdenciais e de Investimentos...3 Rentabilidade dos Perfi s de Investimento...3 Investimentos...3 Número de Participantes...4 Resumo do Resultado Atuarial...4

Leia mais

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14 FUNPRESP-JUD Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38 Parecer Atuarial 041/14 FEVEREIRO/2014 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições da Lei Complementar

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

Benefícios a Empregados

Benefícios a Empregados Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 33 (R1) Benefícios a Empregados Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos

Leia mais

Rendimentos líquidos mensais (R$) Alíquota Deduzir Prazo de acumulação dos recursos Alíquota. 35% Até 1.566,61. 30% De 1.566,62 até 2.

Rendimentos líquidos mensais (R$) Alíquota Deduzir Prazo de acumulação dos recursos Alíquota. 35% Até 1.566,61. 30% De 1.566,62 até 2. 2010 1 Introdução A Resolução CGPC n 23, de 06 de dezembro de 2006, estabeleceu procedimentos básicos para divulgação de informações aos Participantes. Em conformidade com esta resolução, apresentamos

Leia mais

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14;

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; Aspectos Contábeis TÓPICOS A SEREM ABORDADOS: 1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; 2. Efeitos para equacionamento de déficits

Leia mais

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS.

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. O Instituto IDEAS apresenta o Curso Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Este curso

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP Julho de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. BASE CADASTRAL...4 3. OUTRAS INFORMAÇÕES

Leia mais

Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Perguntas e Respostas

Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Perguntas e Respostas Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Novembro/2013 1. ÁREAS RESPONSÁVEIS SUSEP/DITEC/CGSOA/COPRA SUSEP/DITEC/CGSOA/COARI 2. BASE LEGAL CIRCULAR SUSEP N 457, de 14 de dezembro de 2012.

Leia mais

ABRAPP: Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar.

ABRAPP: Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. A Abono Anual: Corresponde a qualquer tipo de acréscimo que o plano ofereça a título de prêmio ao participante que cumpre determinadas condições ou ao pagamento da 13ª parcela anual do benefício de aposentadoria

Leia mais