REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JARU-RO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JARU-RO"

Transcrição

1 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JARU-RO Revisão dos Cálculos Atuariais e Emissão de Parecer Técnico Atuarial Exacttus Consultoria Atuarial

2 ÍNDICE 1 PARECER TÉCNICO ATUARIAL INTRODUÇÃO E OBJETIVO BASE DE DADOS E INFORMAÇÕES PLANO DE BENEFÍCIOS PLANO DE CUSTEIO PREMISSAS, HIPÓTESES ATUARIAIS E FINANCEIRAS RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES ATUARIAIS RESULTADOS DA AUDITORIA ATUARIAL CONSIDERAÇÕES FINAIS LIMITAÇÕES ANEXOS

3 1 Parecer Técnico Atuarial Este Parecer e o presente Relatório apresentam os resultados dos trabalhos especificados na Cláusula Primeira do Contrato de Prestação de Serviços 004/JP/2014, que descrevemos a seguir: PRIMEIRA DO OBJETO: O objeto deste Contrato é a contratação de empresa de serviços especializados em consultoria atuarial para realização de Revisão dos Cálculos Atuariais e Emissão de Parecer Técnico Atuarial do Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores do Município de Jaru/RO. De acordo com o Projeto Básico do trabalho: 2 JUSTIFICATIVA A Elaboração de cálculo atuarial são de caráter obrigatório para os Regimes Próprios de Previdência Social para atendimento às exigências contidas na Emenda Constitucional nº º 20/98, Emenda Constitucional nº 41/03, Emenda Constitucional 47/05, Lei Complementar Federal nº 101/00, Lei Federal n. º 9.717/98, Portarias do MPS nºs 204/08 e 403/08, Orientação Normativa MPS/SPS nº 02/09 e Legislação municipal vigente. Os demonstrativos resultantes dos estudos atuariais são indispensáveis para a renovação do Certificado de Regularidade Previdenciária do Município de Jaru, emitido pelo Ministério da Previdência Social. Os serviços de cálculo atuarial compreendem, também, a definição de cenários e a realização de simulações em função de possíveis reformas previdenciárias ou alterações no modelo de financiamento do RPPS do Município de Jaru. Razão disso, a Jaru-Previ, necessita de um parecer técnico referente aos atuários realizado a partir de 2012 em razão de apontamentos discrepantes existentes, principalmente, nos cálculos atuariais de 2012 e DOS SERVIÇOS a) Diagnóstico da situação estatístico-atuarial-financeira do RPPS Jaru-Previ, em conformidade com a sua atual configuração e proposta contendo soluções para equacionar os eventuais desequilíbrios verificados, de forma a possibilitar sua sustentabilidade de longo prazo; b) Avaliação Atuarial: Revisão dos cálculos atuariais elaborados a partir de 2012, com emissão de parecer técnico referentes exercícios 2012, 2013 e 2014; c) Emissão de pareceres e apresentação de demonstrativos, notas técnicas e outras exigências legais sobre o desempenho financeiro e atuarial do RPPS, para fins de auditoria externa e interna e de órgãos governamentais; g) Elaboração de outros documentos técnicos apontando, se for o caso, erros que devem ser sanados e corrigidos. h) Realizar ao menos uma videoconferência para explicação e explanação dos resultados obtidos. 2

4 Embora o escopo dos trabalhos contemplem apenas 3 (três) anos de análise ( ), a Exacttus solicitou a realização de mais um ano, 2011, para confirmação dos resultados. Considerações Iniciais: As datas-bases dos trabalhos de avaliação atuarial seguem o conceito da Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física-IRPF, ou seja, o IRPF de 2014 tem como base as informações de Portanto, para facilitar o entendimento deste trabalho, todas as referências neste relatório serão como DATA-BASE DRAA (Avaliação Atuarial), identificadas no quadro a seguir: DATA-BASE DRAA (Avaliação Atuarial) DATA-BASE DAS INFORMAÇÕES 2014 Até 31/12/ Até 31/12/ Até 31/12/ Até 31/12/2010 Principais resultados: a) Concluímos que os valores das provisões técnicas encontram-se calculadas de acordo com as hipóteses atuariais/financeiras, base de dados e informações legislativas informadas nos Relatórios de Avaliação Atuarial de 2013/2014, vigentes e válidas para os respectivos anos em análise e estão em conformidade com o DRAA postado no sítio do Ministério da Previdência Social. b) Concluímos que os valores das provisões técnicas encontram-se calculadas de acordo com as hipóteses atuariais/financeiras, base de dados estimada/projetada e informações legislativas informadas nos Relatórios de Avaliação Atuarial de 2011/2012, vigentes e válidas para os respectivos anos em análise e estão em conformidade com o DRAA postado no sítio do Ministério da Previdência Social. 3

5 c) O maior agente causador das diferenças significativas nos valores das provisões matemáticas calculados nos anos de 2011/2012/2013/2014 foi a diferença de Regime Financeiro para o cálculo das Pensões por Morte de Aposentado, de Repartição de Capitais de Cobertura para Capitalização. Quando a atuária, em , utilizou o regime financeiro de Repartição de Capitais de Cobertura para o cálculo da provisão do benefício de pensão por morte de aposentado, significa que ela calculou a reserva necessária para apenas o próximo ano. Quando o atuário calculou essa cobertura em pelo regime de Capitalização, a reserva necessária foi calculada até o final dos sobreviventes. Porém, desde 2013 não é mais possível se adotar o regime de Repartição de Capitais de Cobertura, conforme descrevemos no item 8.4. Portanto os próximos trabalhos de avaliação atuarial não devem representar diferenças significativas em relação aos cálculos de (exceto, talvez com relação aos valores de Ativo Líquido, conforme apontamos no presente relatório as diferenças encontradas). d) Recomendamos a análise sobre a inclusão ou não dos Imobilizados na composição do Ativo do Plano, bem como a análise detalhada da conta de Créditos a Receber. e) Em função da informação do Instituto sobre o COMPREV, que não há valores efetivamente recebidos ainda, mas que existem processos em andamento junto ao INSS recomendamos que os cálculos atuariais sobre o COMPREV futuro sejam revisados com base em informações/previsões reais e não em estimativas, pois entendemos que os valores possam estar superestimados, distorcendo o resultado real, quando talvez o déficit seja superior em função de não haver COMPREV a RECEBER (ou haver muito pouco). f) Ressaltamos a importância da implementação das Alíquotas Suplementares, calculadas com a finalidade de equacionar o déficit atuarial, com a aprovação da Lei pela Câmara de Vereadores do Município. g) Recomendamos a conferência antecipada, por parte do Instituto, dos dados a serem disponibilizados para os cálculos atuariais, em especial comparação com as informações fornecidas nos períodos anteriores, pelo menos em caráter amostral. 4

6 h) Concluindo, embora as nossas observações apontadas no presente relatório, no geral, as metodologias de cálculo, hipóteses e premissas utilizadas nos cálculos atuariais de estavam em conformidade com os dispositivos legais à época dos respectivos cálculos. i) Concluímos ainda que, conforme nossos estudos, Contribuições Suplementares ou Segregação de Massas será necessária para equacionamento do Déficit Atuarial. j) Não foram alteradas as alíquotas de contribuição suplementar em Lei desde Segundo informações da Presidência do RPPS de Jaru, a publicação em Lei das alíquotas de custeio apuradas no DRAA de 2014 está pendente da realização deste trabalho, para tomada de decisão. Portanto, conforme nossos estudos, recomendamos nova avaliação atuarial para liquidação das diferenças. Observações: Informamos que não foi objeto deste trabalho a auditoria dos valores e informações constantes dos Dados Cadastrais disponibilizados pela Contratante para os recálculos atuariais, bem como avaliação da qualidade dos Ativos informados nos Balanços, tampouco Política de Investimentos para aferição do cumprimento ou não da meta atuarial estabelecida nos cálculos atuariais. São Paulo, 12 de Novembro de

7 2 Introdução e Objetivo O objeto, segundo o que versa o Contrato JARU-PREVI 004/JP/2014, é a realização de do Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores do Município de Jaru/RO (Cláusula Primeira). A auditoria atuarial ou reavaliação atuarial de um plano de benefícios abrange os recálculos das Provisões Matemáticas nas datas determinadas, de acordo com as premissas e hipóteses atuariais descritas em Nota Técnica Atuarial, regulamento vigente do plano estabelecido em Lei, Parecer Atuarial, em resumo, os cálculos devem ser efetuados de acordo com os parâmetros utilizados pelo atuário responsável do plano, para o cálculo das provisões matemáticas vigentes na data base de cada reavaliação. Para desenvolvimento do projeto, nosso plano de trabalho consistiu nas seguintes etapas: a) Processamento da auditoria atuarial com base nas premissas adotadas pelo atuário que realizou os cálculos originais à época, considerando a legislação previdenciária, a base de dados individualizada dos servidores das épocas respectivas e as metodologias dispostas nas Notas Técnicas Atuariais dos períodos; b) Verificação dos relatórios de Avaliação Atuarial dos períodos, com Parecer Atuarial, se os resultados estão em consonância com o DRAA-Demonstrativo de Resultado da Avaliação Atuarial, publicado no sítio do Ministério da Previdência Social; c) Verificação dos normativos e documentos oficiais das épocas que envolvam o RPPS (leis municipais, regulamentos, portarias, Ofícios do Ministério da Previdência Social (se houvesse), Termos de Parcelamento (se houvesse), instituição das alíquotas Suplementares etc.); d) Verificação das informações de Ativos para fins de cálculo Atuarial, em conformidade com os Balanços dos períodos de cálculos; e) Análise das metodologias de cálculo das provisões técnicas; 6

8 f) Análise das premissas de mortalidade, invalidez e rotatividade adotadas no plano. Considerações sobre Aspectos Atuariais de um Plano de Benefícios Ao se iniciar um Plano de Benefícios aposentadorias, pensões, pecúlios, etc. o atuário calcula a Equação de Equilíbrio Atuarial, que é representada pelo Valor Presente dos Benefícios Futuros (VPFB) e o Valor Presente das Contribuições Futuras (VPCF). No momento zero, esses dois valores - teóricos - devem ser iguais e a diferença entre eles é zero. VPBF0 = VPCF0 A partir da implantação do Plano, a equação passa a ter um novo componente, que são os ativos já acumulados (ATacum.t) pelas contribuições já realizadas mais os ganhos financeiros: VPBFt = ATacum.t + VPCFt Os (ATacum.t) representam, teoricamente, a reserva técnica que deverá estar constituída na época t, ou seja, as contribuições passadas já acumuladas com os ganhos financeiros e biométricos considerados no cálculo atuarial. No entanto, esses valores são dinâmicos, variando continuamente devido às hipóteses atuariais biométricas e financeiras adotadas em seu cálculo e, portanto, o cálculo teórico estará sempre diferente da realidade. Esta diferença representa o déficit ou o superávit técnico do Plano. Podemos olhar esta equação de equilíbrio atuarial como uma fotografia um instantâneo que se tira a qualquer momento e que no instante seguinte já será diferente da fotografia anterior. Isto significa dizer que no período entre o momento zero e o momento t, podem ter ocorrido os seguintes fatores: Os (ATacum.t) não representam o valor teórico esperado porque: (i) as contribuições esperadas não foram realizadas, (ii) ou a taxa de juros real não produziu o retorno dos investimentos esperado, (iii) ou a 7

9 mortalidade/sobrevivência dos participantes foi maior ou menor do que o esperado, etc. O (VPBFt) e o (VPBFt) foram calculados com hipóteses diferentes das utilizadas no momento zero, devido a mudanças ocorridas nas expectativas biométricas da população e financeiras do mercado. Quando ocorre um déficit no Plano, este pode ser amortizado, respeitadas as limitações legais vigentes, e as prestações a serem pagas serão consideradas como contribuições futuras. Quando essas parcelas não são pagas, estamos novamente incorrendo em um déficit, visto que os ativos reais ficarão abaixo das necessidades de cobertura das reservas. Este déficit pode ser tratado de duas maneiras: - Considerar o Valor Presente das Parcelas Vencidas, atualizadas pelo índice de correção monetária mais os juros utilizados no cálculo da amortização do déficit ou pela rentabilidade dos ativos no período. Este valor pode ser quitado de uma só vez ou recalculadas as parcelas a serem amortizadas. - Considerar o resultado do déficit da última avaliação atuarial e recalcular o valor das parcelas para amortização do déficit total. Em qualquer hipótese o resultado deverá ser equivalente, já que contabilmente, uma vez que o déficit seja lançado no resultado como contribuições/parcelas de amortização futuras, este valor entra como Ativo, a Equação de Equilíbrio Atuarial estará novamente adequada com a devida contrapartida em Provisões a Constituir. A avaliação atuarial anual é importante, pois nos exercícios seguintes poderá haver um superávit ou um aumento do déficit causado pela experiência real do Plano versus as hipóteses atuariais utilizadas. 8

10 3 Base de Dados e Informações O foco desta etapa do projeto é a análise das bases fornecidas pela Contratante para o cálculo dos valores de provisões, benefícios, contribuições e demais valores apresentados no presente relatório. Os trabalhos foram desenvolvidos a partir da documentação fornecida pela Contratante, adicionalmente às informações coletadas pela Consultoria através da internet, sendo: Legislação A Previdência no Brasil está composta por três pilares que são: o Regime Geral de Previdência Social, os Regimes Próprios de Previdência dos Servidores Públicos e o Regime de Previdência Complementar. O Regime Geral de Previdência Social (RGPS), de caráter contributivo e que dá guarida a todos os trabalhadores que exercem atividades remuneradas, excetuando os que estejam filiados ao sistema de RPPS descrito abaixo; é administrado pelo INSS- Instituto Nacional do Seguro Social. A Previdência Complementar tem caráter facultativo e visa proporcionar ao trabalhador proteção previdenciária adicional, de acordo com sua respectiva necessidade e vontade. Às entidades que administram o regime complementar cabe recolher as contribuições, administrar o patrimônio acumulado e pagar os benefícios aos assistidos. O Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), de caráter contributivo e regido pelo princípio do equilíbrio financeiro e atuarial, é assegurado exclusivamente aos servidores titulares de cargo efetivo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, conforme pode ser observado no artigo 40 da Constituição Federal, com redação dada pela Emenda Constitucional nº 20/1998. Os RPPS são instituídos e organizados pelos respectivos entes federativos de acordo com as normas estabelecidas na Lei nº 9.717/98, que iniciou a regulamentação desses regimes. A partir da instituição do regime próprio, por lei, os servidores titulares de cargos efetivos são afastados do Regime Geral de Previdência Social (RGPS). A Lei nº , de 2004 dispõe sobre as alíquotas de contribuição. 9

11 As normas complementares do Ministério da Previdência Social são as Portarias 402 e 403, de 2008, além de Orientações Normativas que estiverem vigentes à época das avaliações atuariais. O Município de Jaru-RO estabeleceu o RPPS através da Lei Municipal nº 444/GP, de 30/06/1999, alterada pela Lei Municipal nº 850/GP, de 28/07/2007. Em 28/09/2010, através da Lei Municipal nº 1442, foi estabelecida a nova alíquota patronal de contribuição normal para 13,16%, em conformidade com os cálculos atuariais de A Lei Municipal nº 1.591, de 17 de novembro de 2011 estabeleceu a nova alíquota patronal de contribuição normal para 11,40% e alíquotas suplementares de 1,55% desde 2011 até 2055, em conformidade com os cálculos atuariais de A Lei Municipal nº 1828/GAP/2013, de 06 de dezembro de 2013 revoga a Lei Municipal nº 1.591, de 17 de novembro de 2011 e estabelece nova alíquota patronal de contribuição normal para 14,54% e alíquotas suplementares de 1,55% sendo variável de exercício para exercício. Não foram alteradas as alíquotas de contribuição (normal e suplementar) desde então. Segundo informações da Presidência do RPPS de Jaru, a publicação em Lei das alíquotas de custeio apuradas no DRAA de 2014 está pendente da realização deste trabalho, para tomada de decisão. Para fins deste trabalho declaramos que atendemos o disposto tanto da Legislação vigente, inclusive quanto às normas atuariais vigentes e internacionalmente aceitas. Balanços Balanços do JARU-PREVI de Dez-2010/2011/2012/2013. Dados Cadastrais Base de dados dos servidores ativos da Prefeitura, posicionada em 30/12/ /12/ /12/ /12/2013; Base de dados dos servidores ativos da Câmara Municipal, posicionada em 30/12/ /12/ /12/ /12/2013; 10

12 Base de dados dos servidores do Instituto (JARU-PREVI), posicionada em 30/12/ /12/ /12/2012; Base de dados dos servidores inativos e pensionistas, posicionada em 30/12/ /12/ /12/ /12/2013; Relatório de avaliação atuarial e Parecer Atuarial de ; Nota Técnica Atuarial de Após procedimento de análise da documentação e informações fornecidas, consideramos as informações suficientes para o desenvolvimento dos trabalhos contratados, com ressalvas. As ressalvas se referem ao fato de não ter sido fornecida a Base de dados dos servidores ativos do Instituto (JARU-PREVI), posicionada em 30/12/2013 (Avaliação Atuarial de 2014). Além disso, as bases de fornecidas apresentaram diferenças significativas, pois constatamos que não se tratavam de bases de dados originais, mas regeradas para fins deste trabalho. Segue resumo quantitativo dos dados encaminhados para nosso trabalho em relação aos dados informados nos Relatórios de Avaliação Atuarial e DRAA respectivos. Vidas DRAA/ Relatório Nosso Trabalho DRAA/ Relatório Nosso Trabalho DRAA/ Relatório Nosso Trabalho DRAA/ Relatório Nosso Trabalho Ativos Prefeitura Ativos Câmara Ativos Instituto Total Ativos Diferença Ativos Aposentados Pensionistas

13 Portanto, para fins deste trabalho, consideramos que os dados de 2013 e 2014 estavam adequados e suficientes. Para suprir a deficiência dos dados de , projetamos as informações de 2013 para 2011 e Adicionalmente às informações e dados fornecidos pelo próprio Instituto, esta Consultoria obteve, através do sitio do Ministério da Previdência Social, os DRAAs Demonstrativos de Resultado da Avaliação Atuarial dos seguintes anos: 2011, 2012, 2013 e 2014, que se encontram Anexos a este relatório. Lembramos que não foi escopo do nosso trabalho a auditoria e conferência dos dados informados, que deveriam ser os originalmente encaminhados ao Atuário. 12

14 4 Plano de Benefícios Os benefícios oferecidos no Plano apresentado pelo JARU-PREVI são os seguintes: I - Quanto ao segurado: a) aposentadoria por invalidez; b) aposentadoria por idade; c) aposentadoria por tempo de contribuição e idade; d) aposentadoria compulsória; e) auxílio-doença; f) salário-família; e g) salário-maternidade. II - Quanto ao dependente: a) pensão por morte; b) auxílio-reclusão. Tais benefícios são idênticos aos do Regime Geral (INSS) e este estudo considerou a Emenda Constitucional nº 41/2003, a Lei nº 9.717/99 e as Portarias 402 e 403/2008, entre outras legislações específicas. 13

15 5 Plano de Custeio As contribuições referentes ao Plano de Benefícios do JARU-PREVI serão efetuadas pelos servidores públicos, filiados ao Regime Próprio de Previdência Social, de forma compulsória, de acordo com a lei de sua instituição e suas alterações posteriores. Os valores de contribuição serão pagos mensalmente, conforme percentual de aplicação sobre a remuneração total do servidor, incluindo seu Abono Anual (Décimoterceiro salário), conforme estabelecido pela legislação do JARU-PREVI. O Ente Público, incluindo suas autarquias e fundações, quando existirem, também contribuirá com um percentual sobre a folha de remuneração, conforme previsto em lei, assumindo integralmente a diferença entre o total do custo do Plano, demonstrado neste estudo atuarial, e a parte de responsabilidade do servidor. As alíquotas definidas no Cálculo Atuarial são: DRAA e Relatório de Avaliação Atuarial 2011 Custo Contribuinte Normal Suplementar Ente Público 11,40% 1,55 Servidor Ativo 11,00% 0,00 Servidor Aposentado 11,00% 0,00 Pensionista 11,00% 0,00 Base de Incidência das Contribuições do Ente Público FRAPAP (*) FRA (**) (*) FRAPAP: Folha de remuneração dos ativos e proventos dos aposentados e pensionistas (**) FRA: Folha de remuneração dos ativos 14

16 DRAA e Relatório de Avaliação Atuarial 2012 Contribuinte Normal Custo Suplementar Ente Público 11,40% 0,00 Servidor Ativo 11,00% 0,00 Servidor Aposentado 11,00% 0,00 Pensionista 11,00% 0,00 Base de Incidência das Contribuições do Ente Público FRAPAP (*) FRA (**) (*) FRAPAP: Folha de remuneração dos ativos e proventos dos aposentados e pensionistas (**) FRA: Folha de remuneração dos ativos DRAA e Relatório de Avaliação Atuarial 2013 Contribuinte 15 Normal Custo Suplementar Ente Público 14,54% 8,88 Servidor Ativo 11,00% 0,00 Servidor Aposentado 11,00% 0,00 Pensionista 11,00% 0,00 Base de Incidência das Contribuições do Ente Público FRAPAP (*) FRA (**) (*) FRAPAP: Folha de remuneração dos ativos e proventos dos aposentados e pensionistas (**) FRA: Folha de remuneração dos ativos DRAA 2014 Contribuinte Normal Custo Suplementar Ente Público 14,54% 11,45 Servidor Ativo 11,00% 0,00 Servidor Aposentado 11,00% 0,00 Pensionista 11,00% 0,00 Base de Incidência das Contribuições do Ente Público FRA (*) FRA (*) (*) FRA: Folha de remuneração dos ativos Porém, no Relatório de Avaliação Atuarial, as alíquotas do Ente Público são de 14,54% para Custo Normal e 2,26% se for Alíquotas Progressivas ou 11,45% se for Alíquota Nivelada. As alíquotas apuradas pelos Cálculos Atuariais, por Cobertura, são:

17 DRAA e Relatório de Avaliação Atuarial 2011 Custo Contribuinte Normal Suplementar Aposentadoria por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória 10,74 1,55 Aposentadoria por Invalidez 1,09 - Pensão por Morte de Segurado Ativo 2,56 - Pensão por Morte de Aposentado por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória 3,02 - Pensão por Morte de Aposentado por Invalidez 0,12 - Auxílio Doença 1,89 - Salário Maternidade 0,57 - Auxílio Reclusão 0,02 - Salário Família 0,40 - Base de Incidência das Contribuições do Ente Público FRAPAP (*) FRA (**) (*) FRAPAP: Folha de remuneração dos ativos e proventos dos aposentados e pensionistas DRAA e Relatório de Avaliação Atuarial 2012 Custo Contribuinte Normal Suplementar Aposentadoria por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória 11,35 - Aposentadoria por Invalidez 1,03 - Pensão por Morte de Segurado Ativo 2,49 - Pensão por Morte de Aposentado por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória 2,11 - Pensão por Morte de Aposentado por Invalidez 0,12 - Auxílio Doença 2,18 - Salário Maternidade 0,57 - Auxílio Reclusão 0,06 - Salário Família 0,50 - Base de Incidência das Contribuições do Ente Público FRAPAP (*) FRA (**) (*) FRAPAP: Folha de remuneração dos ativos e proventos dos aposentados e pensionistas (**) FRA: Folha de remuneração dos ativos 16

18 DRAA e Relatório de Avaliação Atuarial 2013 Custo Contribuinte Normal Suplementar Aposentadoria por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória 11,95 7,44 Aposentadoria por Invalidez 1,61 - Pensão por Morte de Segurado Ativo 4,89 - Pensão por Morte de Aposentado por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória 2,30 1,44 Pensão por Morte de Aposentado por Invalidez 0,25 - Auxílio Doença 1,81 - Salário Maternidade 0,48 - Auxílio Reclusão 0,01 - Salário Família 0,24 - Base de Incidência das Contribuições do Ente Público FRAPAP (*) FRA (**) (*) FRAPAP: Folha de remuneração dos ativos e proventos dos aposentados e pensionistas (**) FRA: Folha de remuneração dos ativos DRAA e Relatório de Avaliação Atuarial 2014 Custo Contribuinte Normal Suplementar Aposentadoria por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória 11,33 9,63 Aposentadoria por Invalidez 1,72 - Pensão por Morte de Segurado Ativo 5,63 - Pensão por Morte de Aposentado por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória 2,14 1,82 Pensão por Morte de Aposentado por Invalidez 0,28 - Auxílio Doença 2,30 - Salário Maternidade 0,48 - Auxílio Reclusão 0,01 - Salário Família 0,22 - Base de Incidência das Contribuições do Ente Público FRA (*) FRA (*) (*) FRA: Folha de remuneração dos ativos 17

19 6 Premissas, Hipóteses Atuariais e Financeiras As premissas, hipóteses financeiras e atuariais utilizadas na presente avaliação são as especificadas nas tabelas a seguir, sendo que as mesmas são apropriadas e adequadas ao plano de benefícios. 6.1 Hipóteses Financeiras Hipóteses DRAA 2011 DRAA 2012 DRAA 2013 DRAA 2014 Taxa de Juros Real (a.a.) 6,00% 6,00% 6,00% 6,00% Taxa Real de Crescimento do Salário por Mérito (a.a.) Projeção de Crescimento Real do Salário por Produtividade (a.a.) Projeção de Crescimento Real dos Benefícios do Plano (a.a.) Fator de Determinação do Valor Real ao Longo do Tempo dos Salários (a.a.) Fator de Determinação do Valor Real ao Longo do Tempo dos Benefícios (a.a.) 1,00% 1,00% 1,00% 1,00% 1,00% 1,00% 0,00% 0,00% 1,00% 1,00% 0,00% 0,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% Principais Considerações sobre Hipóteses Financeiras: Taxa de Juros Real (a.a) A taxa de juros impacta diretamente no custo do plano, visto que é utilizada como parâmetro de uma taxa mínima de retorno de investimento ao longo prazo, no mínimo 75 anos. Essa taxa deve ser acompanhada e avaliada anualmente, sempre com visão de futuro, com base nas rentabilidades efetivamente atingidas pelas carteiras de investimentos do Instituto. Quanto maior a taxa de juros adotada, menor será a necessidade presente de recursos, e vice-versa. 18

20 O JARU-PREVI tem adotado a taxa de juros de 6% ao ano, taxa máxima permitida pela legislação. 6.2.Hipóteses Biométricas Hipóteses DRAA 2011 DRAA 2012 DRAA 2013 Novos Entrados Não Utilizada Não Utilizada grupo ativos até atingir total de ativos. DRAA 2014 grupo ativos tamanho constante Tábua de Mortalidade de Válido (evento gerador morte) Outros* Outros* at-49 at-49 Tábua de Mortalidade de Válido (evento gerador sobrevivência) at-83 at-83 outros ibge 2011 Tábua de Mortalidade de Inválido Tábua de Entrada em Invalidez Experiência IAPC Experiência IAPC outros ibge 2011 ÁlvaroVindas ÁlvaroVindas ÁlvaroVindas ÁlvaroVindas Tábua de Morbidez Hubbard Laffitte Hubbard Laffitte Não Utilizada Não Utilizada Outras Tábuas Utilizadas Composição Familiar Não Utilizada Não Utilizada Não Utilizada Não Utilizada Função Heritor (Hx) na ausência de informações Função Heritor (Hx) na ausência de informações Informações contidas nos bancos de dados. Informações contidas nos bancos de dados * Não foi mencionado no Relatório de Avaliação Atuarial e tampouco nas respectivas Notas Técnicas Atuariais, a Tábua utilizada. Para fins de desenvolvimento dos nossos trabalhos, estimamos pela Tábua AT

21 6.3 Regime Financeiro: DRAA 2011 Selecionar Benefícios do Plano Regime Financeiro Método Aposentadorias por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória Capitalização IEN Aposentadoria por Invalidez Pensão por Morte de Segurado Ativo Pensão por Morte de Aposentado por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória Pensão por Morte de Aposentado por Invalidez Auxílio Doença Salário Maternidade Auxílio Reclusão Salário Família (*) PUC = Crédito Unitário Projetado Repartição de Capitais de Cobertura Repartição de Capitais de Cobertura Capitalização PUC (*) Repartição de Capitais de Cobertura Repartição Simples Repartição Simples Repartição Simples Não há DRAA 2012 Selecionar Benefícios do Plano Regime Financeiro Método Aposentadorias por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória Aposentadoria por Invalidez Pensão por Morte de Segurado Ativo Pensão por Morte de Aposentado por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória Pensão por Morte de Aposentado por Invalidez Auxílio Doença Salário Maternidade Auxílio Reclusão Salário Família (*) IEN = Idade de Entrada Capitalização IEN (*) Repartição de Capitais de Cobertura Repartição de Capitais de Cobertura Capitalização Repartição de Capitais de Cobertura Repartição Simples Repartição Simples Repartição Simples Repartição Simples Não informado no DRAA 20

22 DRAA 2013 e 2014 Selecionar Benefícios do Plano Regime Financeiro Método Aposentadorias por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória Aposentadoria por Invalidez Pensão por Morte de Segurado Ativo Pensão por Morte de Aposentado por Idade, Tempo de Contribuição e Compulsória Pensão por Morte de Aposentado por Invalidez Auxílio Doença Salário Maternidade Auxílio Reclusão Salário Família (*) IEN = Idade de Entrada Capitalização IEN (*) Repartição de Capitais de Cobertura Repartição de Capitais de Cobertura Capitalização IEN (*) Repartição de Capitais de Cobertura Repartição Simples Repartição Simples Repartição Simples Não há Para um melhor entendimento desse item transcrevemos a seguir as Definições de Regime Financeiro e Métodos de Financiamento, sendo: Regimes Financeiros: Critério de financiamento do plano de benefícios Regime Financeiro de Capitalização: Regime que objetiva a o fluxo de contribuições, aplicadas durante o período de acumulação, é determinado de modo a gerar receitas capazes de produzir montantes equivalentes aos valores atuais dos benefícios avaliados segundo esse regime. Regime Financeiro de Repartição de Capitais de Cobertura: Regime que objetiva que o custeio anual seja suficiente para garantir a constituição das reservas necessárias para pagamento dos benefícios, ocorridos no ano, e avaliados sob esse regime. Esse regime admite-se a constituição de fundos de oscilação de riscos. 21

23 Regime Financeiro de Repartição Simples: Regime que objetiva que o custeio anual seja suficiente para garantir o pagamento dos benefícios, ocorridos no ano, e avaliados sob esse regime. Métodos de Financiamento: Metodologia adotada pelo atuário responsável pelo acompanhamento do plano para sua forma de capitalização, face às características biométricas, demográficas, financeiras e econômicas dos participantes. Método de Crédito Unitário Projetado por Idade Atingida (PUC): Método de financiamento em que a reserva matemática é definida como o valor atual do benefício projetado até a data prevista de início de pagamento de benefício, multiplicado pela razão entre o tempo de serviço atingido na data da avaliação e o tempo de serviço que será alcançado na data da concessão do benefício. Método de Crédito Unitário Projetado por Idade de Entrada (IEN): Método de financiamento em que a reserva matemática é definida como o valor atual do benefício projetado até a data prevista de início de pagamento de benefício, multiplicado pela razão entre uma renda aleatória temporária do diferimento do benefício e uma renda aleatória temporária da idade de entrada no plano até a data da concessão do benefício. 6.4 Parâmetros diversos: Despesas Administrativas: Nos relatórios atuariais de 2011/2012/2013 e 2014, aplicada alíquota de 2% referente às Despesas administrativas, conforme Legislação Municipal vigente. 22

24 7 Resultados das Avaliações Atuariais De acordo com os dados fornecidos para os trabalhos, apresentaremos comparativo das informações constantes das Avaliações Atuariais originais, com base nas informações disponíveis nos DRAA e Relatórios de Avaliações Atuariais do JARU-PREVI, dispostos a seguir: 7.1. Atuários dos Planos Cada Atuário elege as premissas de acordo com as características da população e do plano de benefícios, bem como as metodologias de cálculo que entender serem mais adequadas ao momento. Demonstramos a seguir o nome dos Atuários responsáveis técnicos para cada ano base de cálculo: DRAA Nome do Atuário MIBA nº Empresa 2011 Maria Luiza Silveira Borges 1563 Eficaz Consultoria e Assessoria 2012 Maria Luiza Silveira Borges 1563 Eficaz Consultoria e Assessoria 2013 Adilson Costa 1032 Caixa Econômica Federal 2014 Adilson Costa 1032 Caixa Econômica Federal 7.2. Comparações com os resultados dos períodos em análise A seguir, apresentamos os resultados de déficit ou superávit das avaliações atuariais em cada época. DRAA QTD DE VIDAS ATIVO LÍQUIDO R$ DÉFICIT R$ SUPERÁVIT R$ ,44 ( ,19) , , ,87 ( ,25) ,90 ( ,30) - 23

25 Identificamos que os valores informados nos DRAA conferem com os valores informados nos respectivos Relatórios de Avaliação Atuarial, para os anos de análise deste trabalho ( ). O resultado do DRAA de 2012 está fora dos padrões de resultado apresentados anteriormente e também posteriormente. Ademais, como se pode verificar nas Projeções Atuariais apresentadas no DRAA de 2012, o fluxo mostra déficit financeiro a partir do ano de 2030 o que se estranha, pois, se há déficit financeiro no período, surpreende haver superávit atuarial. Mas este comportamento pode ser explicado quando se utiliza o regime financeiro de Repartição de Capitais de Cobertura, onde a reserva é calculada de forma a cobrir apenas os eventos ocorridos no próximo ano, e não até o final da vida do último segurado Comparações com os resultados dos períodos em análise SEM COMPREV A seguir, apresentamos os resultados de déficit ou superávit das avaliações atuariais em cada época, SEM COMPREV. DRAA (DÉFICIT) / SUPERÁVIT ORIGINAL R$ (DÉFICIT) / SUPERÁVIT SEM COMPREV R$ 2011 ( ,19) ( ,00) ,04 ( ,33) 2013 ( ,25) ( ,15) 2014 ( ,30) ( ,56) 24

26 8 Resultados da Auditoria Atuarial A partir da massa de segurados encaminhada nas bases de dados, respectivos DRAA e considerando as premissas técnicas, hipóteses biométricas, regimes financeiros e métodos de financiamento utilizados à época, efetuamos os recálculos das Provisões Técnicas e do Plano de Custeio, de acordo o disposto nos Pareceres Atuariais e Notas Técnicas Atuariais do atuário responsável pelo plano em cada ano-base e de acordo com o descrito nos itens anteriores do presente trabalho Informações adicionais Informações adicionais fornecidas pelo Sr. Rogério Rissato por em 26/09/2014, às questões encaminhadas pela Exacttus: Exacttus: Além do Balanço do exercício de 2012, foi fornecido algum outro material para a Caixa, algum crédito adicional a receber que não esteja previsto no balanço? Resposta: sim é possível havia um parcelamento de 2011 em andamento. EXACTTUS: QUAL SERIA ESTE VALOR? EXATAMENTE A DIFERENÇA APONTADA ABAIXO? Não recebemos resposta até o presente momento. Desta forma, consideramos, para efeitos deste trabalho, os valores constantes do balanço informado (anexo). Exacttus: Pois a diferença apontada é muito grande, a Caixa considera Créditos a Receber no valor de R$ ,66 e no balanço anexo consta R$ ,62. Resposta: este valor somado a um novo parcelamento. EXACTTUS: QUAL SERIA ESTE VALOR? EXATAMENTE A DIFERENÇA APONTADA ACIMA? Não recebemos resposta até o presente momento. Desta forma, consideramos, para efeitos deste trabalho, os valores constantes do balanço informado (anexo). Exacttus: Qual é a composição dos valores lançados como Créditos a Receber (Dívida Ativa Tributária) nos balanços? 25

27 Resposta: houve no inicio de 2013, a inscrição de novo parcelamento no valor R$ ,55. EXACTTUS: ESSE VALOR ESTÁ INCLUÍDO NO BALANÇO, NA CONTA DE CRÉDITOS A RECEBER? Não recebemos resposta até o presente momento. Desta forma, consideramos, para efeitos deste trabalho, os valores constantes do balanço informado (anexo). Exacttus: A Alíquota Suplementar, relativa ao déficit atuarial de 2011, no valor de R$ ,19, está reconhecida contabilmente a partir do balanço de 2012? Resposta: não a inscrição do referido valor. EXACTTUS: OK, OBRIGADA. Exacttus: Só confirmando, as Alíquotas Suplementares apontadas nas avaliações dos anos seguintes não foram implementadas em Lei? Resposta: não, apenas a de EXACTTUS: OK, OBRIGADA. Exacttus: Outra dúvida, com relação ao COMPREV, qual é o montante efetivo que o RPPS tem recebido do INSS? E há processos em andamento para aprovação do INSS? Resposta: valor recebido efetivamente não, mas existem processos em andamento. EXACTTUS: OK, OBRIGADA. Em função da resposta acima, recomendamos que os cálculos atuariais sobre o COMPREV futuro sejam revisados com base em informações reais e não em estimativas, pois entendemos que os valores possam estar superestimados, distorcendo o resultado real, quando talvez o déficit seja superior em função de não haver COMPREV A RECEBER (ou haver, porém com valores não significativos). Grato Rogério. 26

28 8.2. Bases de Dados Além disso, as bases de fornecidas apresentaram diferenças significativas, pois constatamos que não se tratavam de bases de dados originais, mas regeradas para fins deste trabalho. Segue resumo quantitativo dos dados encaminhados para nosso trabalho em relação aos dados informados nos Relatórios de Avaliação Atuarial e DRAA respectivos Vidas DRAA/ Relatório Nosso Trabalho DRAA/ Relatório Nosso Trabalho DRAA/ Relatório Nosso Trabalho DRAA/ Relatório Nosso Trabalho Ativos Prefeitura Ativos Câmara Ativos Instituto Total Ativos Diferença Ativos Aposentados Pesionistas Portanto, para fins deste trabalho, consideramos que os dados de 2014 estavam adequados e suficientes. Para suprir a deficiência dos dados de , projetamos as informações de 2013 para 2011 e Entretanto, lembramos que a base de dados de 2013 também parece ter sido regerada para fins deste trabalho, em especial os Ativos de Servidores da Prefeitura. Adicionalmente às informações e dados fornecidos pelo próprio Instituto, esta Consultoria obteve, através do site do Ministério da Previdência Social, os DRAAs 27

29 Demonstrativos de Resultado da Avaliação Atuarial dos seguintes anos: 2011, 2012, 2013 e 2014, que se encontram Anexos a este relatório. Lembramos que não foi escopo do nosso trabalho a auditoria e conferência dos dados informados, que deveriam ser os originalmente encaminhados ao Atuário. Entretanto, realizamos uma conferência com uma amostra entre as informações fornecidas de , tendo encontrado o seguinte resumo: MATRICULA DESCR_ORGAO CARGO DT_NASCTO SEXO DT_ADM REMUNERA PREFEITURAMUNICIPALDEJARU 04/12/1955 M 12/11/ , PREFEITURA MUNICIPAL DE JARU MEDICO 04/12/1955 M 12/11/ , PREFEITURAMUNICIPALDEJARU 20/02/1962 M 03/12/ , PREFEITURA MUNICIPAL DE JARU DIGITADOR 20/02/1962 M 03/12/ , PREFEITURAMUNICIPALDEJARU 26/11/1960 M 03/12/ , PREFEITURA MUNICIPAL DE JARU ADVOGADO 26/11/1960 M 03/12/ , PREFEITURAMUNICIPALDEJARU 18/10/1952 M 03/12/ , PREFEITURA MUNICIPAL DE JARU ASSISTENTE ADMINISTRATIVO 18/10/1952 M 03/12/ , PREFEITURAMUNICIPALDEJARU 14/08/1954 M 06/02/ , PREFEITURA MUNICIPAL DE JARU MEDICO 14/08/1954 M 06/02/ , PREFEITURAMUNICIPALDEJARU 04/05/1983 M 21/02/ , PREFEITURA MUNICIPAL DE JARU VIGILANTE 04/05/1983 M 21/02/ ,00 Nota-se que os valores de proventos salariais de 2013 para 2014 do Funcionário de Matrícula 10789, MÉDICO, não houve alteração (R$9.754,44). Verifica-se que o Funcionário de Matrícula tem cargo de DIGITADOR, com vencimentos no valor de R$8.091,42, tanto no ano de 2013 como em O Funcionário de Matrícula 10165, ADVOGADO, também não teve o valor de seus proventos reajustados entre 2013 e 2014, sendo R$11.999,99. Atenção para o caso do Funcionário de Matrícula 10158, ASSISTENTE ADMINISTRATIVO, onde consta, em 2014, com vencimentos no valor de R$724,00 28

30 (o que entendemos ser coerente), porém, em 2013 consta com valor de R$11.585,00 (que, em nosso entendimento, está incorreto). Quanto ao Funcionário de Matrícula 10688, MÉDICO, consta em 2014 com vencimentos no valor de R$927,28 (o que entendemos estar incorreto, devido à sua função), quando em 2013 consta vencimentos no valor de R$9.272,80 (que consideramos adequado). Por último de nossa amostra, o Funcionário de Matrícula 10884, VIGILANTE, possui em 2014 vencimentos no valor de R$724,00 e em 2013, R$510,00, o que entendemos estar coerente. Por esse motivo, as diferenças nessa amostra, chamamos a atenção para a importância de uma Base Cadastral consistente, os dados são o alicerce para a construção de uma avaliação atuarial, tem impacto direto nos cálculos que o atuário desenvolve. Vejamos a seguir um comparativo dos Valores Atuais dos Salários Futuros (VASF) e Folha Total Mensal dos anos de : DRAA VASF (*) R$ DIFERENÇA VSF % FOLHA ANUAL (*) R$ DIFERENÇA FOLHA % ,35-14% ,40 0% ,35-20% ,64-12% ,00 68% ,34 35% ,00-2% ,90 0% (*) Valores extraídos dos DRAA Sobre os Ativos para Avaliação Atuarial Foram disponibilizadas cópias dos balanços de 31/dezembro de cada ano, para validação dos valores dos ATIVOS informados pelos Atuários nas Avaliações Atuariais (R$): 29

31 DRAA RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO ATUARIAL e DRAA R$ REVISÃO DOS CÁLCULOS ATUARIAIS R$ DIFERENÇA % , ,49-17,2% , ,30 2,0% , ,54-15,0% , ,11-0,5% Há diferenças encontradas por esta Consultoria nos valores dos Ativos do DRAA (em azul no quadro acima as diferenças mais significativas, 2011 e 2013). De acordo com os valores originais, houve um crescimento de 16% de 2012 sobre 2011; 38% de 2013 para 2012 e uma redução de 1% de 2014 sobre Entretanto, conforme nossa apuração, os percentuais de crescimento de 2012 sobre 2011 foi de 43%, sendo de 15% o crescimento de 2013 sobre 2012 e de 16% de 2014 sobre Anexos, os balanços encaminhados pelo Instituto para o desenvolvimento dos nossos trabalhos, demonstrando os seguintes valores (R$): DRAA Data-base dos Balanços Total para Nosso trabalho Ativo financeiro Créditos a Receber 2011 dez/ , , , dez/ , , , dez/ , , , dez/ , , ,63 A seguir, demonstramos a composição dos Ativos discriminados nos relatórios de Avaliação Atuarial, notando-se que as maiores diferenças encontradas por esta Consultoria se refere ao balanço de dez/2010 e dez/2012 (DRAA de 2011 e 2013): 30

32 DRAA 2011 DRAA 2012 DRAA 2013 DRAA 2014 Embora em nosso trabalho não tenhamos considerado os Imóveis como parte do Ativo do Plano, pois as normas não excluam claramente os Ativos Imobilizados no cômputo 31

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 Dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS da União, dos Estados,

Leia mais

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário Regime Próprio de Previdência Social Gestão Atuarial Dos RPPS Bento Gonçalves RS Joel Fraga da Silva - Atuário 1 Avaliação Atuarial Calcular as Reservas Matemáticas: representam o compromisso do RPPS Passivo

Leia mais

Página 1 de 7 Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial - 2014 RJ - PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA CNPJ : 32512501000143 SIAFI : 985925 Cadastro de Nome do Plano : Plano Previdenciário QUADRO

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM SANTA MARIA/RS AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2013 Data Base:31/12/2012 Índice 1. Introdução... 02 2. Origem

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, novembro de 2010 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Os servidores públicos ocupantes de cargo

Leia mais

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Introdução à atuária Aula 01 Prof. Dr. Junio C. Martinez O ATUÁRIO Profissão regulamentada em 03/04/1970

Leia mais

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação Retificação DOU DE 31/08/2000 O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

AUDITEC- Auditoria Técnica Atuarial RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS

AUDITEC- Auditoria Técnica Atuarial RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS Avaliação realizada em 31.12.2013 ÍNDICE GERAL 1ª PARTE 1.1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.2. HISTÓRICO 1.3. REGRAS DA PREVIDÊNCIA APLICADAS NA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS V - AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO PARÁ RPPS A Emenda Constitucional nº 20, de 15

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com.

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com. Fundação AMAZONPREV Poder Executivo e Assembléia AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2014 Data Base: 31/12/2013 Índice 1. Introdução... 02 2. Participantes e Beneficiários... 02 3. Data Base dos Dados e da Avaliação...

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA 1) O envio do DRAA de 2015 não será mais realizado pela atual plataforma: http://www.previdencia.gov.br/demonstrativo-de-resultados-da-avaliacao-atuarial/ 2) Foi desenvolvido

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 Este parecer tem por objetivo analisar atuarialmente o Projeto de Lei 0252/2015 que Dispõe sobre a Reestruturação do Plano de Custeio

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS. CÁLCULO ATUARIAL e EQUILÍBRIO ATUARIAL

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS. CÁLCULO ATUARIAL e EQUILÍBRIO ATUARIAL 1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS Por Dalvin Gabriel José de Souza Bacharel em Ciências Atuariais/UFRGS, MIBA Nº 1003 Licenciado em Matemática/UFRGS Servidor Público Municipal, Atuário do

Leia mais

MUNICÍPIO DE LUZIÂNIA - GO

MUNICÍPIO DE LUZIÂNIA - GO 0 REAVALIAÇÃO ATUARIAL Base Dez 2013 Exercício 2014. MUNICÍPIO DE LUZIÂNIA - GO Base DEZEMBRO / 2013 Alcir Antonio de Azevedo Atuário - Miba 548 MTPS RJ Tel.: (62) 99761219 Vivo, 9353 0319 Claro ou 8290

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

- Resolução TC nº 257, de 07 de março de 2013 Altera os dispositivos da Resolução TC nº 227/2011.

- Resolução TC nº 257, de 07 de março de 2013 Altera os dispositivos da Resolução TC nº 227/2011. técnico atuarial do Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos do município de Vila Velha. - Lei Complementar Municipal nº 021, de 17 de janeiro de 2012 Institui o plano de custeio da

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO PALOTINA - PR. Curitiba, 31 de março 2014.

AVALIAÇÃO ATUARIAL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO PALOTINA - PR. Curitiba, 31 de março 2014. AVALIAÇÃO ATUARIAL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PALOTINA - PR Curitiba, 31 de março 2014. 1 Índice APRESENTAÇÃO... 5 OBJETIVOS... 5 BASE CADASTRAL... 5 Base

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS Atualmente, no Brasil, aproximadamente 3000 municípios possuem Regimes Próprios de Previdência. Ao final do ano

Leia mais

DIPR - CONHECENDO O NOVO DEMONSTRATIVO

DIPR - CONHECENDO O NOVO DEMONSTRATIVO DIPR - CONHECENDO O NOVO DEMONSTRATIVO O envio do DIPR será exigido a partir do 4º bimestre de 2013, cujo prazo se encerra em 30 de setembro. Esse novo demonstrativo será de suma importância, pois além

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013

I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013 I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013 1) A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA 2) O CRESCIMENTO NATURAL NO BRASIL 1872-2100

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL RA- 41/13

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL RA- 41/13 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL RA- 41/13 Fundo de Previdência Social dos Servidores Públicos do Município de Florianópolis RPPS - FLORIANÓPOLIS Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONCEITOS E DEFINIÇÕES... 5

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL 2009

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL 2009 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL 2009 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS Produto 1 Atuários Responsáveis: Luciano Gonçalves de Castro e Silva Miba 1.116 MTb/RJ

Leia mais

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98

EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 SPPS Secretaria de Políticas de Previdência Social Departamento dos Regimes de Previdência no Serviço Público-DRPSP EC 70/12 E MUDANÇAS NA LEI 9.717/98 BENTO GONÇALVES, 25 de Maio de 2012 1 EMENDA CONSTITUCIONAL

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

Consultoria e Serviços Atuariais. 12 Junho 2012

Consultoria e Serviços Atuariais. 12 Junho 2012 Consultoria e Serviços Atuariais 12 Junho 2012 1 Sobre a Consultoria No mercado apenas desde 2006, porém a Exacttus conta com a colaboração de profissionais com experiência no mercado atuarial. Sua sócia

Leia mais

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014.

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. STEA:- 80/2014/153 Ilma. Sra. Dra. Jussara Carvalho Salustino M.D. Diretora Presidente da ECOS Ref:- Parecer Atuarial sobre o Balanço de 31/12/2013 Plano BD Prezada

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14 FUNPRESP-JUD Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38 Parecer Atuarial 041/14 FEVEREIRO/2014 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições da Lei Complementar

Leia mais

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009 As Reformas da Previdência Social IV encontro do FUNSEMA Seminário de Previdência da Região Metropolitana Emenda Constitucional 47/05 Outubro/2009 Daisson Portanova ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado FEAAC Curso de Ciências Atuariais PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD de encerramento do exercício

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Origem - BD Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários do

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 1- SIGLA: OABPREV 2- CÓDIGO: 04501 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.070.021-83 - PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO - PREV DADOS

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP Julho de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. BASE CADASTRAL...4 3. OUTRAS INFORMAÇÕES

Leia mais

FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2215/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA

FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2215/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2215/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MORRINHOS DO SUL/RS SOLICITANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2301/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA

FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2301/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA FRANCISCO HUMBERTO SIMÕES MAGRO ATUÁRIO MIBA N 494 NOTA TÉCNICA Nº 2301/12 AVALIAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORONEL BICACO/RS SOLICITANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE CORONEL BICACO/RS

Leia mais

Assessoria e Consultoria Atuarial. Luiz Claudio Kogut Atuário Miba 1.308 (41)3322-2110 kogut@actuarial.com.br 28 de Março de 2015

Assessoria e Consultoria Atuarial. Luiz Claudio Kogut Atuário Miba 1.308 (41)3322-2110 kogut@actuarial.com.br 28 de Março de 2015 Assessoria e Consultoria Atuarial Luiz Claudio Kogut Atuário Miba 1.308 (41)3322-2110 kogut@actuarial.com.br 28 de Março de 2015 Apresentação Luiz Claudio Kogut Bacharel em Ciências Atuariais MIBA 1.308

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MPS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL SPPS DEPARTAMENTO DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO DRPSP COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA, ATUÁRIA, CONTABILIDADE

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO. São Gonçalo, 14 de dezembro de 2005

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO. São Gonçalo, 14 de dezembro de 2005 O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO São Gonçalo, 14 de dezembro de 2005 Diagnóstico do Regime Próprio / IPASG (Administrativo, Operacional, Jurídico, Atuarial); Adoção de um Modelo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [18.465.825/0001-47] FUNDACAO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PUBLICO DO PODER JUDICIARIO - FUNPRESP-JUD PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2013.0017-38] JUSMP-PREV ENCERRAMENTO

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [82.956.996/0001-78] FUNDACAO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0051-38] MISTO ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável JOSE ROBERTO

Leia mais

ÍNDICE. 2 Conde Consultoria Atuarial Ltda. Rua João Anes 157 São Paulo Fone: 55 11-3834.4933. ccaconde@ccaconde.com.br www.ccaconde.com.

ÍNDICE. 2 Conde Consultoria Atuarial Ltda. Rua João Anes 157 São Paulo Fone: 55 11-3834.4933. ccaconde@ccaconde.com.br www.ccaconde.com. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. BASE CADASTRAL... 4 3. OUTRAS INFORMAÇÕES REFERENTES À BASE CADASTRAL... 12 4. A ESTRUTURA PREVIDENCIÁRIA... 17 5. BASES TÉCNICAS... 22 6. TERMOS TÉCNICOS... 24 7. METODOLOGIA

Leia mais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais A Aposentadoria dos Agentes Públicos P depois das Emendas Constitucionais Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho Mestre em Direito Previdenciário rio Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores

Leia mais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. Aposentadoria Especial Servidor PúblicoP Impacto decisões STF

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. Aposentadoria Especial Servidor PúblicoP Impacto decisões STF MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social Aposentadoria Especial Servidor PúblicoP Impacto decisões STF Aposentadoria Especial Art. 40 4º Constituição Federal

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15 FUNDAÇÃO LIBERTAS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65 Parecer Atuarial 057/15 Fevereiro/2015 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre as Demonstrações Atuariais - DA dos planos de benefícios administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências.

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais