Relatório e Contas Consolidado 3º Trimestre 2013/2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório e Contas Consolidado 3º Trimestre 2013/2014"

Transcrição

1

2 FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD Sociedade Aberta Capital Social: euros Capital Próprio: euros (aprovado em Assembleia Geral de 21 de Novembro de 2013) Sede Social Estádio do Dragão, Via FC Porto, Entrada Poente Piso 3 Matricula na 1ª Conservatória do Registo Comercial do Porto e Pessoa Colectiva n.º Relatório e Contas Consolidado A. Relatório de Gestão 1. Destaques 2. Actividade Desportiva 3. Actividade Económica B. Demonstrações Financeiras Consolidadas e Anexos 1. Demonstrações Consolidadas Condensadas da Posição Financeira 2. Demonstrações Consolidadas Condensadas dos Resultados por Naturezas 3. Demonstrações Consolidadas das Alterações no Capital Próprio 4. Demonstrações Consolidadas Condensadas do Rendimento Integral 5. Demonstrações Consolidadas Condensadas dos Fluxos de Caixa 6. Anexo às Demonstrações Financeiras Consolidadas

3 A. Relatório de Gestão A FC Porto Futebol, SAD vem cumprir os seus deveres de prestação de informação de natureza económica e financeira, relativa ao terceiro trimestre do exercício 2013/2014, período compreendido entre 1 de Julho de 2013 e 31 de Março de Este documento foi elaborado de acordo com o quadro normativo vigente, nomeadamente o disposto no Código das Sociedades Comerciais, Código dos Valores Mobiliários e nos Regulamentos da CMVM. As demonstrações financeiras consolidadas da FC Porto Futebol, SAD foram preparadas de acordo com a norma de relato financeiro intercalar (IAS 34), e em conformidade com as restantes Normas Internacionais de Relato Financeiro (IFRS). 1. Destaques Resultado Líquido Consolidado Acumulado do Trimestre negativo em m, bastante inferior ao obtido no período homólogo, principalmente devido à diminuição dos resultados com transacções de passes de jogadores; Proveitos Operacionais excluindo proveitos com passes de jogadores, apesar da diminuição significativa das receitas de participação nas provas europeias, atingem os m, o que significa um aumento face ao exercício anterior; Resultados com transacções de passes de jogadores atingem os m, o que representa uma diminuição de m relativamente ao 3º trimestre de 2012/2013, uma vez as vendas de direitos desportivos de jogadores, neste período. foi bastante inferior às da época transacta; Capital próprio negativo, atingindo em 31 de Março de 2014 os m negativos a nível individual, pela incorporação dos resultados obtidos no 3º trimestre de 2013/2014; Activo total diminui 22%, pela queda dos montantes em caixa e de valores a receber de clientes, atingindo os m em 31 de Março de 2014; Passivo diminui m face a 30 de Junho de 2013, atingindo um total de m ; Os resultados apresentados ainda não incorporam a transferência do atleta Juan Iturbe para o Hellas Verona, por m, que foi concretizada após o fecho do período. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 2

4 2. Actividade Desportiva Os primeiros nove meses da época desportiva não correram como era expectável e o rendimento da equipa ficou abaixo do que estava previsto. O primeiro jogo da temporada até significou a conquista do 74.º troféu do futebol, o que mantém o FC Porto como clube com mais títulos no futebol em Portugal. A equipa não conseguiu, no entanto, manter o desempenho dos anos anteriores e no início da segunda volta do campeonato caiu para o terceiro lugar do campeonato nacional, posição em que viria a terminar a competição. Nas provas europeias, depois de falhado o objectivo de apuramento na fase de grupos da Liga dos Campeões, a equipa transitou para a Liga Europa, acabando por ser afastada pelo Sevilha nos quartos-de-final. Na Taça de Portugal, o FC Porto foi eliminado pelo Benfica nas meias-finais, o mesmo acontecendo na Taça da Liga, neste caso no desempate por pontapés da marca da grande penalidade. Como sempre acontece nesta actividade, o início da temporada foi profícuo em alterações na estrutura do futebol. Após a brilhante e emocionante conquista do tricampeonato o treinador Vítor Pereira terminou o vínculo e o FC Porto contratou para dirigir a equipa o técnico Paulo Fonseca. Paralelamente, a equipa de futebol foi reforçada com as contratações de jogadores jovens, de elevado potencial, seguindo um modelo habitual no clube. Para o plantel 2013/14 chegaram os portugueses Josué, Tiago Rodrigues (emprestado posteriormente ao Vitória Sport Clube), Ricardo, Carlos Eduardo e Licá, os mexicanos Reyes e Herrera, o colombiano Quintero, o belga/turco Bolat e o franco-argelino Ghilas. Já em Janeiro deste ano, no chamado mercado de Inverno, o FC Porto reforçou-se com o internacional português Ricardo Quaresma e fez regressar o internacional do Senegal Abdoulaye, que estava emprestado ao Vitória Sport Clube. Movimento contrário realizaram os internacionais argentinos Lucho González e Otamendi, transferidos respectivamente, para o Al Rayyan, do Qatar, e para o Valência, de Espanha. O russo Marat Izmaylov também deixou o clube em Janeiro, tendo sido emprestado ao FC Gabala, do Azerbaijão, bem como o guarda-redes turco-belga Bolat, emprestado ao Kayesispor, da Turquia. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 3

5 No início de Março o FC Porto e o treinador Paulo Fonseca acordaram a rescisão de contrato, consequência dos resultados da equipa estarem aquém dos objectivos, tendo Luís Castro assumido interinamente o comando da equipa até ao final da época. Já após o fecho do período em análise, no início de Maio, o FC Porto apresentou o espanhol Julen Lopetegui como treinador para as próximas três temporadas. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 4

6 3. Actividade Económica Neste relatório serão analisadas as contas da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD (FC Porto Futebol, SAD) de forma consolidada, ou seja, o resultado obtido pela participação individual das empresas do grupo incluída no perímetro de consolidação, líquido das transacções efectuadas entre elas. No entanto, é o resultado individual da FC Porto Futebol, SAD que contribui de maneira decisiva para o resultado consolidado. Chama-se especial atenção para o facto de aqui se apresentarem os resultados intermédios, pelo que, devido à grande sazonalidade em diversos custos e proveitos desta sociedade, e de outras do mesmo sector de actividade, principalmente os relacionados com transacções de passes de jogadores, não se poder daqui retirar ilações conclusivas sobre a evolução do comportamento económico-financeiro da FC Porto Futebol, SAD, ou da estimativa de fecho das contas anuais. O 3º trimestre é geralmente o trimestre que apresenta piores resultados, e este exercício não foi excepção, tendo a sociedade obtido um resultado líquido acumulado negativo de m, resultado este bastante inferior ao obtido em igual período da época transacta. Esta diferença assenta principalmente ao nível das rubricas relacionadas com passes de jogadores, pela diminuição dos resultados com transacções de passes registados no período. No entanto, o resultado operacional, excluindo resultados com passes, sofreu também um agravamento comparativamente ao 3º trimestre de 2012/2013. Observando os proveitos operacionais, excluindo proveitos com passes de jogadores, verifica-se que, apesar da quebra significativa nas receitas obtidas pela participação nas provas europeias, estes foram superiores à do período homólogo. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 5

7 A má performance desportiva nas provas europeias implicou uma diminuição de receitas para a Sociedade de 4.421m. O facto da equipa não ter alcançado os oitavos de final da UEFA Champions League, tendo sido relegada para a UEFA Europa League (onde a equipa atingiu os quartos de final), que atribui prémios significativamente inferiores, justificam a diferença para o exercício anterior, em que estão reflectidas os prémios resultantes de quatro vitórias e um empate, assim como o acesso aos oitavos de final. Verificou-se também uma diminuição de 6% nas receitas de bilheteira que se deve ao decréscimo da venda de Dragon Seats. No sentido inverso, em contraciclo com as estatísticas do consumo em Portugal, a venda de merchandising aumentou 46% no período em análise, o que, no actual contexto económico, é um facto notável. As Outras receitas desportivas onde estão contabilizados os rendimentos da participação nas provas nacionais cresceram 1.112m, pela participação da equipa em torneios na América Latina e no Torneio de Londres, no início da temporada. Também os proveitos da cedência dos direitos de transmissão televisiva tiveram um aumento considerável, de 852m, que se fica a dever aos rendimentos progressivos garantidos pelo contrato entre a FC Porto Futebol, SAD e a PPTV. Os proveitos inerentes aos contratos de publicidade e sponsorização apresentam também um crescimento, de 1.060m, tendo para isto contribuído significativamente as receitas de publicidade obtidas pela mais recente participada a entrar no perímetro de consolidação, a PortoMedia. Quanto aos restantes proveitos operacionais, ainda não referidos, inscritos nas rubricas Outras Prestações de Serviços e Outros Proveitos e que assentam principalmente nas prestações de serviços Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 6

8 prestadas pelas sociedades participadas, exceptuando os proveitos já referidos, cresceram 1.137m no global, muito devido à participação da PortoMedia, pelas receitas dos direitos de distribuição do PortoCanal. No que diz respeito aos custos operacionais excluindo custos com passes de jogadores, verificou-se um aumento de 9% relativamente ao 3º trimestre de 2012/2013. A variação com maior destaque no quadro apresentado situa-se ao nível dos fornecimentos e serviços externos, que se justifica pelos custos de deslocações e estadas relativos à participação nos torneios de pré-época disputados na América Latina, mas também, e principalmente, pela integração dos custos de exploração da PortoMedia. Verificou-se também um crescimento nos custos com o pessoal, onde se incluem os funcionários da nova participada, a PortoMedia. As provisões e perdas de imparidade apresentam, no período, um valor insignificante em contraste com o valor negativo do 3º trimestre de 2012/2013, em que o registo das novas provisões e perdas de imparidade foi inferior à reversão das anteriormente efectuadas. O mesmo se passa com a rubrica Outros custos onde, em 2012/2013, foi contabilizada uma perda na recompra de 15% de direitos económicos do jogador João Moutinho, cujo passe foi entretanto alienado. A combinação dos factores apresentados conduziu à obtenção de Resultados Operacionais, excluindo Transacções de Passes de jogadores, de m negativos, inferior em 5.380m aos atingidos no 3º trimestre de 2012/2013. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 7

9 As rúbricas relacionadas com transacções de passes têm sempre um peso incontestável e determinante para o resultado. No período em análise esta componente teve uma influência negativa no resultado, o que é um facto pouco habitual nas contas da Sociedade. Contribuindo negativamente para o resultado, as Amortizações e perdas de imparidade com passes de jogadores registaram um valor de m, o que representa um acréscimo de 1.291m relativamente ao período anterior. O resultado com transacções de passes de jogadores, que engloba os custos e os proveitos resultantes da venda e empréstimo dos direitos desportivos e económicos de jogadores, totalizou m, um valor bastante inferior aos m obtidos no período homólogo. No período em análise estão registadas, essencialmente, as mais valias resultantes da transferência do jogador Otamendi para o Valência por 12M, enquanto no 3º trimestre do exercício anterior estão as de Alvaro Pereira para o Inter de Milão e Hulk para o Zenit, por 10 e 40M respectivamente. É precisamente na variação desta rubrica que assenta a justificação para a diminuição drástica dos resultados operacionais (resultados antes de custos e proveitos financeiros, resultados relativos a investimentos e impostos sobre o rendimento), que são negativos em m, o que contrasta com os 1.854m obtidos no período anterior. Contribuindo negativamente para apuramento do resultado líquido, o resultado financeiro foi negativo em cerca de 7.644m, enquanto os resultados relativos a investimentos alcançaram os 1.149m negativos, o que, somando o imposto sobre o rendimento de 3.036m e os Interesses sem controlo, levou ao apuramento do resultado líquido do exercício negativo em m. Analisando o balanço da sociedade, verifica-se uma deterioração da situação patrimonial pela incorporação do resultado líquido apresentado. Os capitais próprios da sociedade, em 31 de Março de 2014, atingem os m negativos, a nível individual. No que diz respeito ao activo, que atinge os m, verificou-se uma diminuição global de m, principalmente devido à diminuição dos valores a receber de clientes, e ao valor em caixa. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 8

10 Relativamente ao passivo, que alcança os m, verificou-se também uma redução de m, justificada pela diminuição dos valores a pagar aos fornecedores. À data de elaboração deste relatório, tendo equipa ficado no 3º lugar do campeonato nacional, o FC Porto sabe que terá de disputar os playoffs de acesso à edição 2014/2015 da UEFA Champions League, prova que disputa habitualmente, tendo estado presente em 18 das 21 edições da competição. Assim, a sociedade não poderá registar no exercício económico actual o prémio garantido atribuído pela UEFA pelo apuramento. Nos resultados agora apresentadas não estão ainda incluídas as mais valias resultantes da transferência do jogador Juan Iturbe para Hellas Verona por 15M. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 9

11 Porto, 22 de Maio de 2014 O Conselho de Administração, Jorge Nuno Lima Pinto da Costa Adelino Sá e Melo Caldeira Fernando Manuel Santos Gomes Reinaldo da Costa Teles Pinheiro Rui Ferreira Vieira de Sá Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 10

12 B. Demonstrações Financeiras Consolidadas e Anexos 1. Demonstrações Consolidadas Condensadas da Posição Financeira (montantes expressos em euros) Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 11

13 2. Demonstrações Consolidadas Condensadas dos Resultados por Naturezas (montantes expressos em euros) Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 12

14 3. Demonstrações Consolidadas das Alterações no Capital Próprio (montantes expressos em euros) Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 13

15 4. Demonstrações Consolidadas Condensadas do Rendimento Integral (montantes expressos em euros) Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 14

16 5. Demonstrações Consolidadas Condensadas dos Fluxos de Caixa (montantes expressos em euros) Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 15

17 6. Anexo às Demonstrações Financeiras Consolidadas 1. NOTA INTRODUTÓRIA A Futebol Clube do Porto Futebol, S.A.D. ( FCPorto, SAD ou Sociedade ), com sede no Estádio do Dragão, Via F.C. Porto, Entrada Poente, Piso 3, Porto, foi constituída em 30 de Julho de 1997, sendo a Empresa-mãe de um conjunto de empresas conforme indicado na Nota 4 como Grupo FCP ("Grupo"). A sua actividade principal consiste na participação na modalidade de futebol em competições desportivas de carácter profissional, promoção e organização de espectáculos desportivos. 2. PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS E BASES DE APRESENTAÇÃO As demonstrações financeiras consolidadas intercalares em 31 de Março de 2014 são apresentadas de acordo com as disposições constantes da IAS 34 Relato financeiro intercalar. Assim, estas demonstrações financeiras consolidadas condensadas não incluem toda a informação requerida pelas Normas Internacionais de Relato Financeiro ( International Financial Reporting Standards IFRS anteriormente designadas Normas Internacionais de Contabilidade IAS ), pelo que devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras consolidadas de 30 de Junho de 2013, sendo as políticas contabilísticas adoptadas consistentes com as que foram utilizadas nas demonstrações financeiras consolidadas apresentadas para o referido exercício. As demonstrações financeiras consolidadas condensadas anexas foram preparadas no pressuposto da continuidade das operações, a partir dos livros e registos contabilísticos das empresas incluídas na consolidação (Nota 4) ajustados de modo a reflectir os princípios de mensuração e reconhecimento das IFRS emitidas pelo International Accounting Standards Board ( IASB ), em vigor em 1 de Julho de 2013 conforme adoptadas pela União Europeia. 3. ALTERAÇÕES DE POLÍTICAS, ESTIMATIVAS E ERROS Durante o período de nove meses findo em 31 de Março de 2014 não ocorreram alterações de políticas contabilísticas, julgamentos ou estimativas relativos a exercícios anteriores, nem se verificaram correcções de erros materiais. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 16

18 4. EMPRESAS FILIAIS INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO As empresas incluídas na consolidação pelo método integral, respectivas sedes e proporção do capital detido em 31 de Março de 2014 e em 30 de Junho de 2013 são as seguintes: Denominação social Futebol Clube do Porto Futebol, S.A.D. PortoComercial Sociedade de Comercialização, Licenciamento e Sponsorização, S.A. ( PortoComercial ) F.C.PortoMultimédia - Edições Multimédia, S.A. ( PortoMultimédia ) PortoEstádio Gestão e Exploração de Equipamentos Desportivos, S.A. ( PortoEstádio ) PortoSeguro - Sociedade Mediadora de Seguros do Porto, Lda. ( PortoSeguro ) Dragon Tour, Agência de Viagens, S.A. ( DragonTour ) FC Porto Media, S.A. (a) ( FCPMedia ) Sede social Actividade desenvolvida Porto Participação na modalidade de futebol em competições desportivas de carácter profissional, promoção e organização de espectáculos desportivos Porto Comercialização de direitos de imagem, sponsorização, merchandising e licenciamento de produtos. Porto Edição, produção e comercialização de material multimédia e para a internet, publicações periódicas e não periódicas. % capital detido Empresa mãe % capital detido Empresa mãe 93,5% 93,5% 70% 70% Porto Gestão e exploração de equipamento desportivo. 100% 100% Porto Porto Intermediação de seguros. Organização e venda de viagens e pacotes turísticos; bilheteria e reserva de lugares; representação de outras agências de viagens e turismo. Porto Concepção, criação, desenvolvimento, produção, realização, promoção, comercialização, aquisição, exploração de direitos, gravação, distribuição e difusão de obras e programas audiovisuais, multimédia, televisão, vídeo, cinema, canais temáticos, internet, eventos turísticos, culturais e desportivos em quaisquer formatos e sistemas; gestão, exploração e prestação de serviços nas áreas de gravação, produção e comunicação de obras audiovisuais, programas de televisão, sons, imagens, multimédia e quaisquer outros audiovisuais; edição de publicitações periódicas, de livros e de multimédia. 90% 93,5% 90% 93,5% 98,78% 1% (a) Entidade que passou a integrar o perímetro de consolidação em 31 de Julho de 2013 e cuja actividade nos períodos de noves meses findos em 31 de Março de 2014 e de 2013 foi reduzida, pelo que não afectou a comparabilidade das demonstrações financeiras deste período face a períodos homólogos anteriores. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 17

19 Alterações no perímetro de consolidação O detalhe dos saldos da rubrica Goodwill em 31 de Março de 2014 e 2013 e em 30 de Junho de 2013 é o seguinte: PortoSeguro FC Porto Media, S.A No dia 30 de Julho de 2013, foi deliberado em Assembleia Geral da FCP Media, S.A. o aumento do seu capital social de Euros para Euros, através do reforço de quatro milhões de Euros, realizados apenas pelo accionista Futebol Clube do Porto Futebol, SAD da seguinte forma: (i) na modalidade de novas entradas em espécie conversão de suprimentos em capital social, no valor de Euros, mediante a emissão de acções com o valor nominal de 5 Euros cada e (ii) na modalidade de novas entradas de dinheiro no valor de Euros, mediante a emissão de acções com o valor nominal de 5 Euros cada. Na sequência desta operação de aumento de capital na FCP Media, S.A., a FCP, SAD passou a deter directamente 98,78% do capital daquela filial (o que corresponde a uma percentagem de detenção total, directa e indirecta, de 98,81%) e o controlo da mesma pelo que esta foi incluída na consolidação pelo método integral com referência àquela data. O justo valor dos activos e passivos à data da entrada daquela filial (31 de Julho de 2013), bem como o apuramento das diferenças de consolidação geradas, são como segue: Activos Activos fixos tangiveis Clientes Outras activos correntes Caixa e depósitos bancários Passivos Fornecedores ( ) Outras passivos correntes ( ) Activos líquidos Percentagem efectiva total 98,81% Valor dos capitais próprios adquiridos (i) Interesses sem controlo Valor do aumento de capital Valor das participações financeiras do Grupo na FCP Media antes da operação de aumento de capital (Nota 6) Valor de aquisição (ii) Goodwill apurado (iii) = (ii) - (i) Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 18

20 A diferença de consolidação da FCP - Media, S.A. resultante da aquisição foi apurada com base nas demonstrações financeiras da filial adquirida reportadas a 31 de Julho de No exercício de imputação de justo valor aos activos e passivos adquiridos não foram detectadas diferenças face ao valor contabilístico dos mesmos, pelo que a diferença entre estes e o custo da participação foi registada como uma diferença de consolidação. No entanto, o apuramento destas diferenças de consolidação foi determinado provisoriamente, podendo o Grupo proceder ao seu recálculo e reconhecer eventuais ajustamentos a esses valores provisórios num período até doze meses após a data de aquisição. Caso esta aquisição tivesse sido reportada com efeitos a 1 de Julho de 2013, os proveitos do Grupo do período de nove meses findo em 31 de Março de 2014 viriam aumentados no montante de, aproximadamente, Euros e o resultado líquido teria um decréscimo de, aproximadamente, Euros. 5. ACTIVOS INTANGÍVEIS - VALOR DO PLANTEL Durante os períodos de nove meses findos em 31 de Março de 2014 e 2013 assim como no exercício findo em 30 de Junho de 2013, o movimento ocorrido na rubrica Activos intangíveis - Valor do plantel bem como nas respectivas amortizações e perdas por imparidade acumuladas, foi o seguinte: Valor bruto: Saldo inicial Aquisições Alienações ( ) ( ) ( ) Transferências (Nota 6) (6.600) ( ) ( ) Abates ( ) ( ) ( ) Saldo final Amortizações e perdas por imparidade acumuladas: Saldo inicial Amortização do período Perdas por imparidade no período Utilização de perdas por imparidade ( ) ( ) ( ) Alienações ( ) ( ) ( ) Transferências (Nota 6) - ( ) ( ) Abates ( ) ( ) ( ) Saldo final Valor líquido Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 19

21 Aquisições As principais aquisições realizadas no período de nove meses findo em 31 de Março de 2014, em valor, podem ser resumidas como segue: Jogador % direitos económicos Data de aquisição Vendedor Final do contrato Valor aquisição passe Encargos adicionais Valor total de aquisição do passe Quintero 50% Jul-13 Delfino Pescara 1936 SRL Jun Ghilas 50% Jul-13 Moreirense Jun Outros Efeito actualização financeira ( ) Valor líquido As principais aquisições realizadas no período de nove meses findo em 31 de Março de 2013, em valor, podem ser resumidas como segue: Jogador % direitos económicos Data de aquisição Vendedor Final do contrato Valor aquisição passe Encargos adicionais Valor total de aquisição do passe Jackson Martinez 100% Jul-12 Club Jaguares de Chapas Jun Diego Reyes 95% Dez-12 Club de Futbol América Jun James Rodriguez 35% Jan-13 Gol Football Luxembourg Jun Hector Quiñones 100% Ago-12 Asociación Deportivo Cali Jun Mauro Caballero 100% Jan-13 MHD, S.A. Jun Izmaylov 50% Jan-13 Sporting Clube de Portugal Jun Abdoulaye Ba 60% Set-12 Pearl Design Holding, Lda. Jun Outros Efeito actualização financeira ( ) Valor líquido A rubrica Encargos adicionais refere-se a gastos relacionados com as aquisições de direitos económicos, nomeadamente encargos com serviços de intermediação, serviços legais, prémios de assinatura de contratos, prémios de fidelidade, cedência de direitos de imagem, etc. De referir que nas situações em que a percentagem do passe adquirida é inferior a 100%, significa que apesar da Sociedade deter integralmente o direito de inscrição desportiva, mantém com entidade terceira uma associação de interesses económicos que consubstancia uma parceria de investimento, resultando na partilha proporcional dos resultados inerentes à futura transacção daqueles direitos, caso ocorra. No período de nove meses findo em 31 de Março de 2014, os serviços de intermediação foram prestados pelas entidades C.B.Nafricatalentssport, Lda., Edenresults, Pearl Design Holding Limited, SportConsult, Danubio Finanzierungsleistungen Und Marketing GMBH, DNN Lda., Onsoccer e pelos agentes Ricardo Calleri e António Teixeira. No período de nove meses findo em 31 de Março de 2013, os serviços de intermediação foram prestados pelas entidades Northfields Sports BV, Grupo Comercializador Conclave S.A., Gondry Financial Services e pelo agente Giancarlo Uda. Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 20

22 O montante das aquisições dos passes dos jogadores realizadas nos períodos de nove meses findos em 31 de Março de 2014 e 2013, considera os efeitos da actualização financeira, quando aplicável, no montante de, aproximadamente, Euros e Euros, respectivamente, referente à parcela que se vence a médio prazo das contas a pagar referentes à aquisição de passes de jogadores, nomeadamente Ghilas, Bolat e Quintero (31 de Março de 2014) e Jackson Martinez, Hector Quiñones, Diego Reyes e James Rodriguez (em 31 de Março de 2013). Alienações As alienações no período de nove meses findo em 31 de Março de 2014, que geraram mais-valias no montante de Euros, resultam essencialmente da: a) alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Atsu ao Chelsea, pelo montante de de Euros, que gerou uma mais-valia no montante de Euros, após dedução: (i) do efeito da actualização financeira das contas a receber a médio prazo originada por esta transacção; (ii) da proporção no valor de venda do passe detidos por terceiros (25%); (iii) de custos com serviços de intermediação prestados pela Energy Soccer e (iv) do valor líquido contabilístico do passe à data da alienação, no montante global de Euros; b) alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Otamendi ao Valencia, pelo montante de de Euros, que gerou uma mais-valia de, aproximadamente, Euros, após dedução: (i) do efeito da actualização financeira das contas a receber a médio prazo originadas por estas transacções; (ii) da proporção no valor de venda do passe detidos por terceiros (10%); (iii) de custos com serviços de intermediação prestados pela Vela Management Limited; (iv) da anulação de prémios de fidelidade e (v) do valor líquido contabilístico do passe à data da alienação, no montante global de Euros; c) alienação de 25% dos direitos económicos do jogador Walter ao Fluminense, pelo montante de de Euros, que gerou uma mais-valia de, aproximadamente, Euros, após dedução: (i) do efeito da actualização financeira das contas a receber a médio prazo originadas por estas transacções; (ii) de custos com serviços de intermediação prestados pela For Gool Company Limited; e (iii) do valor líquido contabilístico do passe à data da alienação, no montante global de, aproximadamente, Euros; As alienações no período de nove meses findo em 31 de Março de 2013, que geraram mais-valias no montante de Euros, resultam essencialmente da: a) alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Hulk ao Zenit St. Petersbourg, pelo montante de de Euros, que gerou uma mais-valia de, aproximadamente, Euros, após dedução: (i) do efeito da actualização financeira das contas a receber a médio prazo originadas por estas transacções; (ii) da anulação de prémios de fidelidade e de comissões; e (iii) do valor líquido contabilístico do passe à data da alienação, no montante global de, aproximadamente, Euros; Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 21

23 b) alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Álvaro Pereira ao Inter de Milão, pelo montante de de Euros, que gerou uma mais-valia de, aproximadamente, Euros, após dedução de: (i) custos com serviços de intermediação prestados pela entidade IG Teams & Players; (ii) das proporções no valor de venda do passe detidas pelo Cluj (20%) e Avendi (5%); (iii) do efeito da actualização financeira das contas a receber e a pagar a médio prazo originadas por estas transacções; (iv) da anulação de prémios de fidelidade; e (v) do valor líquido contabilístico do passe à data da alienação, no montante global de, aproximadamente, Euros; c) alienação dos direitos de inscrição desportiva e 50% dos direitos económicos do jogador Souza ao Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, pelo montante de de Euros, que gerou uma mais-valia de, aproximadamente, Euros, após dedução de: (i) custos com serviços de intermediação prestados pela entidade Idoloasis - Soc. Unipessoal Lda.; e (ii) do valor líquido contabilístico do passe à data da alienação, no montante global de, aproximadamente, Euros; d) alienação dos direitos de inscrição desportiva e 50% dos direitos económicos do jogador Miguel Lopes ao Sporting Clube de Portugal, pelo montante de de Euros, que gerou uma mais-valia de, aproximadamente, Euros, após dedução do valor líquido contabilístico do passe à data da alienação, no montante de, aproximadamente, Euros; e) proveito de Euros, pelo facto de Álvaro Pereira ter participado em 25 jogos oficiais pelo Inter de Milão, cláusula esta prevista no contrato de cedência dos direitos desportivos do jogador ao referido clube, deduzido dos respectivos custos de intermediação, no montante de Euros a pagar à IG Teams & Players e Avendi; Adicionalmente, em Janeiro de 2013, foram alienado 47,5% dos direitos económicos do jogador Diego Reyes à Gol Football Luxembourg por Euros; esta operação não gerou qualquer mais ou menos valia. A alienação dos direitos desportivos e económicos sobre os jogadores Rúben Micael, Djalma (25% dos direitos económicos) e Iturbe (11% dos direitos económicos), que ocorreram igualmente neste período, não geraram resultados significativos. Em face do exposto, os resultados com transacções de passes de jogadores nos períodos de nove meses findos em 31 de Março de 2014 e 2013, podem ser detalhados como segue: Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 22

Relatório e Contas Consolidado 1º Trimestre 2013/2014

Relatório e Contas Consolidado 1º Trimestre 2013/2014 FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 75.000.000 euros Capital Próprio: 9.882.700 euros (aprovado em Assembleia Geral de 21 de Novembro de 2013) Sede Social Estádio do Dragão,

Leia mais

Relatório e Contas Consolidado 1º Trimestre 2012/2013

Relatório e Contas Consolidado 1º Trimestre 2012/2013 FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 75.000.000 euros Capital Próprio: - 10.149.805 euros (aprovado em Assembleia Geral de 8 de Novembro de 2012) Sede Social Estádio do

Leia mais

Relatório e Contas Consolidado 1º Trimestre 2014/2015

Relatório e Contas Consolidado 1º Trimestre 2014/2015 FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 112.500.000 euros Capital Próprio a 30 de Junho de 2014: -28.512.038 euros, tendo, em resultado do aumento de capital por emissão de

Leia mais

Relatório e Contas Consolidado 3º Trimestre 2012/2013

Relatório e Contas Consolidado 3º Trimestre 2012/2013 FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 75.000.000 euros Capital Próprio: - 10.149.805 euros (aprovado em Assembleia Geral de 8 de Novembro de 2012) Sede Social Estádio do

Leia mais

Relatório e Contas Consolidado. 1º Trimestre 2009/2010

Relatório e Contas Consolidado. 1º Trimestre 2009/2010 FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 75.000.000 euros Capital Próprio: 21.417.524 euros (aprovado em Assembleia Geral de 28 de Outubro de 2009) Sede Social Estádio do Dragão,

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE NO 1º SEMESTRE DE 2014/15

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE NO 1º SEMESTRE DE 2014/15 SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 67 000 000 euros Capital Próprio: (118 030 000) euros aprovado em Assembleia Geral de 01 de Outubro de 2014 Sede Social: Estádio

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO 1º SEMESTRE 2013/2014

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO 1º SEMESTRE 2013/2014 FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 75.000.000 euros Capital Próprio: 9.882.700 euros (aprovado em Assembleia Geral de 21 de Novembro de 2013) Sede Social Estádio do Dragão,

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS IFRS Dezembro de 2008

CONTAS INDIVIDUAIS IFRS Dezembro de 2008 RASO, SGPS, S.A. CONTAS INDIVIDUAIS IFRS Dezembro de 2008 RASO, SGPS, SA SEDE: Aeroporto de Lisboa, Rua C, Edifício 124, 5º Piso Matriculada na Conservatória Registo Comercial do Porto e NIF nº 508 708

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Relatório e Contas Consolidado 2014/2015

Relatório e Contas Consolidado 2014/2015 FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 112.500.000 euros Capital próprio individual conforme último balanço aprovado e referente a 30 de Junho de 2014: -28.512.038; capital

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD Na sequência da divulgação do anúncio preliminar em 2 de Outubro

Leia mais

Relatório e Contas 2014/2015

Relatório e Contas 2014/2015 FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 112.500.000 euros Capital próprio individual conforme último balanço aprovado e referente a 30 de Junho de 2014: -28.512.038; capital

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL

GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL (não auditado) GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL A F. Ramada Investimentos foi constituída em 1 de Junho de 2008, como resultado do processo de cisão, do negócio de aços e sistemas de armazenagem, da Altri,

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira EXEMPLO Tendo em conta as operações realizadas pela empresa CACILHAS, LDA., pretende-se a elaboração da Demonstração de fluxos de caixa, admitindo que o saldo de caixa e seus equivalentes, no início de

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS)

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) Por Carlos António Rosa Lopes O IASB aprovou em 2008 alterações à IFRS 3 sobre concentração

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR 3º TRIMESTRE 2014/2015

RELATÓRIO INTERCALAR 3º TRIMESTRE 2014/2015 RELATÓRIO INTERCALAR 3º TRIMESTRE 2014/2015 DE 1 DE JULHO DE 2014 A 31 DE MARÇO DE 2015 SPORT LISBOA E BENFICA FUTEBOL, SAD (Sociedade Aberta) Capital Social: 115.000.000 euros Capital Próprio individual

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40)

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) AULA 08 1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) 3. Capital Próprio - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Activos Fixos Intangíveis Activo intangível:

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR 3º TRIMESTRE 2013/2014

RELATÓRIO INTERCALAR 3º TRIMESTRE 2013/2014 RELATÓRIO INTERCALAR 3º TRIMESTRE 2013/2014 DE 1 DE JULHO DE 2013 A 31 DE MARÇO DE 2014 SPORT LISBOA E BENFICA FUTEBOL, SAD (Sociedade Aberta) Capital Social: 115.000.000 euros Capital Próprio individual

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais