SISTEMA BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DEZEMBRO 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DEZEMBRO 2007"

Transcrição

1 SISTEMA BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DEZEMBRO 2007 I. A EMPRESA O BNDES foi criado em 20 de junho de 1952, pela Lei n 1.628, como autarquia federal. Em 1971, a Lei 5.662, de 21 de junho de 1971, enquadrou o BNDES como uma empresa pública federal, com personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio. Desde 1999 é vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O BNDES tem como único acionista o Governo Federal. De acordo com a Lei N o 4.595/64, o BNDES é o principal instrumento do Governo na execução de políticas de investimentos, provendo financiamento de longo prazo, de forma direta ou através de suas subsidiárias integrais, a projetos que contribuam para o desenvolvimento econômico e social do Brasil, elevando a competitividade da economia brasileira e a qualidade de vida da sua população, priorizando tanto a redução das desigualdades sociais e regionais, como a manutenção e geração de emprego. O BNDES possui duas subsidiárias integrais: BNDES Participações S/A BNDESPAR e Agência Especial de Financiamento Industrial FINAME. Através da BNDESPAR, o BNDES contribui para o fortalecimento da estrutura de capital de empresas privadas brasileiras e para o desenvolvimento do mercado de capitais, mediante participações acionárias e aquisição de debêntures conversíveis. Já a FINAME concede apoio, através de agentes financeiros credenciados, a expansão e modernização da indústria brasileira, através de financiamento para a aquisição de maquinas e equipamentos fabricados no Brasil e de financiamentos a exportações e importações. As linhas de apoio do Sistema BNDES contemplam custos competitivos para o desenvolvimento de projetos de investimentos, para a comercialização de máquinas e equipamentos novos fabricados no país e para o incremento das exportações brasileiras, priorizando o apoio à inovação. Destaque-se, ainda, o apoio aos investimentos sociais direcionados à educação e saúde, agricultura familiar, saneamento básico e ambiental e transporte coletivo de massa. II. FONTES DE RECURSOS Para dar suporte às suas atividades o BNDES demanda recursos adequados. As particularidades da oferta doméstica de crédito no país, concentrada no curto prazo, conduziram o governo à busca de soluções alternativas de captação de recursos para apoiar projetos de investimento de longo prazo. A Constituição Federal de 1988

2 - 2 - assegurou uma fonte estável de recursos para o BNDES, o Fundo de Amparo ao Trabalhador FAT. Esta fonte resulta basicamente da unificação dos fundos constituídos com recursos do Programa de Integração Social - PIS e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público PASEP. De acordo com a Constituição Federal, 60% da arrecadação do FAT destinam-se a custear o segurodesemprego e o abono salarial e 40% são aplicados pelo BNDES em programas de desenvolvimento econômico. Adicionalmente, o BNDES também conta com recursos provenientes de: retorno das suas operações; monetização de ativos de sua carteira; participações societárias; recursos externos, captados seja no mercado internacional de capitais, seja em organismos multilaterais como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Mundial; e, mais recentemente, recursos captados no mercado interno pela BNDESPAR. ESTRUTURA DE CAPITAL em 2007 FONTES DE RECURSOS (FLUXO DE CAIXA) % 52% 7% 78,6% 2,1% 18,3% 23% 1,0% 12% FAT Empréstimos no Exterior Tesouro Nacional Outros Patrimônio Líquido Retorno de Operações Captações do FAT Monetização de Ativos Captação de Mercado III. DESEMBOLSOS Os produtos e serviços do BNDES atendem a necessidades de investimentos bastante diversificadas de empresas estabelecidas no país, seja em relação ao porte - apoiando desde micros, pequenas e médias até grandes empresas - ou ao setor de atividade. Seus produtos e serviços são acessíveis a diversos setores da economia: infraestrutura, produção de bens finais, agro-negócio, insumos básicos e bens de capital, e ainda estão disponíveis para investimentos sociais. A parceria com outras instituições financeiras, com agências estabelecidas em todo o país, permite a disseminação do crédito, possibilitando um maior acesso às linhas de financiamento do BNDES.

3 - 3 - Os desembolsos do Sistema BNDES somaram R$ milhões em 2007, com aumento de 26,5% em relação a 2006, distribuídos da seguinte forma: DESEMBOLSOS EM 2007 PORTE SETOR 12% 8% 15% 76% 9% 40% 40% Micro-Pequena Média Grande Agropecuária Infra-Estrutura Indústria Comércio/Serviços Os desembolsos a micro, pequenas e médias empresas apresentaram aumento de 148,4% em relação ao ano anterior. Em relação à modalidade operacional, 41,5% dos recursos foram desembolsados diretamente aos mutuários, enquanto 58,5% foram repassados através de agentes financeiros. Os desembolsos para exportação totalizaram R$ milhões, enquanto os desembolsos para objetivos sociais totalizaram R$ milhões. A experiência do BNDES em alocar estes recursos, garantindo os maiores benefícios possíveis para o desenvolvimento nacional, tem contribuído para o crescimento da produção nacional de bens e serviços, expansão da oferta de postos de trabalho, promoção do desenvolvimento do mercado de capitais e incentivo à modernização econômica, avanços tecnológicos, adoção de melhores práticas de proteção ambiental e inclusão social. IV. ESTRATÉGIA OPERACIONAL De forma a atingir sua missão de apoiar a expansão, atualização e renovação da estrutura econômica do país, os seguintes objetivos estratégicos foram delineados: Superação de estrangulamentos de infra-estrutura e de restrições de capacidade produtiva, especialmente no campo das indústrias de base, com destaque para o transporte ferroviário, energias renováveis e insumos básicos; Redução da exclusão social, bem como das desigualdades regionais, com foco em soluções integradas e mapeamento do território nacional em microrregiões; e

4 - 4 - Promoção de iniciativas pioneiras, portadoras de futuro, no que concerne à geração e difusão de inovações. As principais áreas de atuação do BNDES são: Inovação P, D & I e Produção; Infra-Estrutura Energia Elétrica, Energia Renováveis, Petróleo & Gás, Logística e Telecomunicações; Capacidade Produtiva Agropecuária, Indústria, Comércio e Serviços; Bens de Capital; Micro, Pequenas e Médias Empresas; Inserção Internacional; Desenvolvimento Urbano e Regional; Desenvolvimento Social e Meio Ambiente. Os produtos do BNDES com maior demanda em 31 de dezembro de 2007 são: FINEM financiamentos de valor superior a R$ 10 milhões para a realização de empreendimentos de implantação, expansão e modernização, realizados diretamente com o BNDES ou através das instituições financeiras credenciadas; BNDES-Exim financiamento à produção destinada à exportação de bens, ou à comercialização, no exterior, de bens e serviços por meio de refinanciamento ao exportador ou financiamento direto ao importador; FINAME - financiamento, através de instituições financeiras credenciadas, para produção e comercialização de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional; e BNDES-Automático financiamentos de valor até R$ 10 milhões para realização de projetos de investimentos visando a implantação, expansão da capacidade produtiva e modernização de empresas. DESEMBOLSOS POR MODALIDADE EM % 26% FINEM FINAME 12% BNDES-EXIM BNDES-Automático 12% 8% Outros Vale ressaltar que, no âmbito das micro, pequenas e médias empresas, o BNDES vem estimulando a utilização do Cartão BNDES, através de um crédito pré-aprovado,

5 - 5 - com limite definido pelo banco emissor do cartão e pagamentos em prestações mensais fixas e iguais. A taxa de juros final aos beneficiários nos empréstimos concedidos pelo BNDES varia conforme a forma de apoio, tipo de operação, natureza e região, sendo composto como segue: Custo Financeiro Remuneração Básica + + Taxa de Risco de Crédito O custo financeiro reflete o custo de captação de recursos pelo BNDES. A remuneração básica varia de 1% a 3% ao ano e tem como objetivo cobrir as despesas operacionais. A taxa de risco de crédito pode variar até 2,54% a.a., de acordo com a classificação de risco da empresa ou projeto, e visa cobrir os riscos de perdas por inadimplência na carteira. Nas operações indiretas a taxa de risco de crédito é substituída pela remuneração do agente financeiro (negociada diretamente entre o beneficiário e a instituição financeira credenciada) e acrescida de um spread de intermediação financeira, cobrado pelo BNDES, de 0,0%, 0,5% ou 0,8% ao ano (de acordo com o tamanho da Companhia financiada e/ou o programa de investimento ao qual o projeto está vinculado), que visa cobrir o risco sistêmico do sistema bancário. O quadro a seguir resume os principais custos de captação do BNDES: Fonte de Financiamento Aplicação Custo da Fonte PIS-PASEP uso geral TJLP FAT Constitucional uso geral TJLP FAT Cambial exportação e integração competitiva internacional variação US$ + libor Empréstimos Internacionais uso geral cesta de moedas ou dólar + custo médio da cesta de moedas Debêntures uso geral IPCA + encargos

6 - 6 - V. CENÁRIO MACROECONÔMICO O PIB a preços de mercado de janeiro a setembro de 2007 apresentou crescimento de 5,3%, em relação à igual período de Na mesma base de comparação, os setores da Indústria, Serviços e Agropecuária cresceram 5,1%, 4,7% e 4,3%, respectivamente. Na análise da demanda interna, considerando ainda o mesmo período de referência, destaca-se o crescimento de 12,4% da Formação Bruta de Capital Fixo, seguida pelo Consumo das Famílias com taxa de 5,9% e o Consumo do Governo, com 3,9%. Por outro lado, analisando o setor externo, as Importações de Bens e Serviços continuam crescendo a uma taxa superior à registrada pelas Exportações de Bens e Serviços, 19,6% contra 6,7%, respectivamente. As projeções de mercado (Focus/Banco Central) apontam um crescimento do PIB de 4,5% para A produção industrial (PIM/IBGE) acumulada no período de janeiro a novembro alcançou 6,0% e o acumulado nos últimos doze meses atingiu 5,5%, representando crescimento frente aos resultados de outubro (5,9% e 5,3%, respectivamente) e permanecendo em trajetória positiva para o fechamento de Os dados acumulados do emprego da indústria entre janeiro e novembro (PME/IBGE) do ano passado sinalizam que o ano de 2007 será o melhor para o mercado de trabalho industrial nos últimos seis anos. A taxa de desocupação estimada em 8,2%, em novembro de 2007, apresentou redução mensal de 0,5 ponto percentual. Destaca-se que essa é a menor taxa da série histórica da pesquisa, iniciada em março de No ano a redução foi de 1,3 ponto percentual. O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) teve variação de 4,46% em 2007 e ficou 1,32 ponto percentual acima do IPCA de 3,14% de Reverteu, assim, a tendência de queda observada nos cinco anos anteriores, cujos resultados foram: 12,53% em 2002; 9,30% em 2003; 7,60% em 2004; 5,69% em 2005; e 3,14% em As projeções de mercado (Focus/Banco Central) para 2008 apontam para uma variação do IPCA próxima a 4,37%, ainda abaixo da meta estabelecida pelo Banco Central para o ano, cujo centro é 4,5%. O Comitê de Política Monetária (COPOM) manteve a taxa de juros - Selic em 11,25 % a.a. em sua última reunião, de dezembro de No que atine a análise fiscal, o superávit primário acumulado até novembro de 2007 atingiu R$113,4 bilhões (4,9% do PIB), o melhor resultado para o período desde O superávit acumulado em 12 meses até novembro de 2007 alcançou R$106,9 bilhões (4,2 % do PIB), sinalizando o cumprimento da meta fixada para o ano, de 3,8% do PIB. No acumulado de 2007, as exportações somaram US$ 160,6 bilhões, valor recorde histórico para o período. Sobre iguais meses de 2006, as exportações cresceram 16,1%,

7 - 7 - pela média diária. As importações alcançaram US$ 120,6 bilhões, também cifra recorde para o acumulado do ano, elevando-se em 31,5% em relação a janeirodezembro de 2006, pela média diária. O saldo comercial somou US$ 40,1 bilhões, resultado 13,8% abaixo de janeiro-dezembro de 2006, quando totalizou US$ 46,5 bilhões. As transações correntes foram deficitárias em US$1,3 bilhão em novembro, acumulando, no período de doze meses, saldo positivo de US$4,7 bilhões, equivalente a 0,4% do PIB. A conta financeira apresentou ingressos líquidos de US$7,8 bilhões. VI. GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS O BNDES entende que a existência de um adequado gerenciamento de riscos, aliado a um eficaz sistema de controles internos, é essencial para o cumprimento de sua missão com eficiência, em conformidade com os normativos internos e externos e de acordo com os objetivos estabelecidos pela Alta Administração. Em agosto de 2007, estas atividades foram ampliadas e integradas numa unidade específica, denominada Área de Gestão de Riscos AGR, composta pelos Departamentos de Controles Internos, Gestão de Risco de Crédito, Gestão de Risco de Mercado e Gestão de Risco Operacional, e que possui, em linhas gerais, as seguintes atribuições: Definir e propor ao Conselho de Administração as diretrizes gerais de gestão de riscos e controles internos para o BNDES e suas subsidiárias; Analisar e monitorar os requerimentos de capital regulatório; Analisar a evolução das provisões para devedores duvidosos e os seus impactos no resultado do BNDES e de suas subsidiárias; Avaliar a qualidade dos controles internos existentes no Sistema BNDES, a definição de responsabilidades, a segregação de funções, os riscos envolvidos e a conformidade dos processos aos normativos internos e externos, propondo medidas para o seu aprimoramento; e Disseminar cultura de controles internos e de gestão de riscos no âmbito do Sistema BNDES. Foi instituído, também, o Comitê de Gestão de Riscos CGR, composto pelo Presidente, Vice-Presidente e Diretores do BNDES, que se reúne mensalmente, que tem como principais atribuições a identificação, avaliação, proposição, definição, aprovação, controle, acompanhamento e supervisão dos fatores de riscos e a disseminação das políticas gerais de risco que serão executadas pelo BNDES. A Política de Riscos é aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração. Maiores informações sobre gerenciamento de riscos do Sistema BNDES podem ser obtidos na Nota Explicativa n o 26 às Demonstrações Contábeis Individuais e Consolidadas.

8 - 8 - VII. RECURSOS HUMANOS Os empregados do BNDES são recrutados somente através de concurso público. Como forma de aprimorar constantemente a qualidade das suas operações, o BNDES enfatiza o investimento em recursos humanos através de treinamentos específicos tanto internos quanto em instituições de ensino notadamente reconhecidas. Em 2007 foram gastos cerca de R$ mil em treinamentos de funcionários. Adicionalmente são patrocinados eventos que resultam em maior qualidade de vida para os funcionários, tais como aulas de pilates, dança de salão, exposições e cinema. Cabe ainda ressaltar que o BNDES assegura aos seus funcionários outros benefícios, através da Fundação de Assistência e Previdência Social do BNDES FAPES, uma entidade fechada de previdência complementar, tais como: complementação de aposentadoria, auxílio-doença, assistência médica, dentre outros. O BNDES ainda concede auxílio-creche, vale-transporte e ticket refeição ou alimentação. Em 31 de dezembro de 2007, o Sistema BNDES possuía um quadro de profissionais. Deste total, 83% ocupam posições que exigem nível superior e mais de 8% possuem mestrado ou doutorado. O corpo funcional do Sistema BNDES em 31 de dezembro contempla 716 mulheres, 33 negros e 10 portadores de deficiências ou necessidades especiais. Em relação aos cargos comissionados 38% são ocupados por mulheres e 2% ocupados por negros, posição compatível com os respectivos quantitativos em 31 de dezembro de VIII. INFORMAÇÕES FINANCEIRAS INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS RESULTADO - R$ milhões Lucro Líquido Resultado Bruto de Intermediação Financeira Resultado com Participações Societárias ÍNDICES FINANCEIROS - % Retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio (LL / PL médio) 33,23% 36,38% Retorno sobre o Ativo Médio (LL / AT médio) 3,75% 3,49% Patrimônio Líquido s/ Ativos Total 12,30% 10,18% Inadimplência / Carteira Total 1/ 0,11% 0,68% PDD / Carteira Total 1/ 2,52% 2,87% PDD / Créditos Inadimplentes 1/ 15,29 4,22 Índice de Basiléia Sistema BNDES 26,73% 23,17% 1/ Inclui operações de crédito e repasses interfinanceiros

9 - 9 - BALANÇO PATRIMONIAL - R$ milhões Ativo Total Operações de Crédito e Repasses Interfinanceiros, Líquidos de PDD Títulos e Valores Mobiliários Investimentos FAT Recursos Constitucionais e Depósitos Especiais Outras Obrigações por Empréstimos e Repasses Patrimônio Líquido RESULTADO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO R$ milhões Produto da Intermediação Financeira Moeda Nacional Moeda Estrangeira (+) Provisão para Risco de Crédito (=) Resultado Bruto da Intermediação Financeira (+) Resultado com Participações Societárias (-) Despesas Administrativas e Gerais (1.938) (887) (-) Resultado Não Operacional (305) (9) (=) Resultado antes de IR/CSSL (-) Despesa com IR e CSSL (2.664) (2.115) (=) Lucro Líquido O resultado operacional do BNDES é basicamente composto por: (i) receitas de juros, decorrentes das operações de empréstimos e títulos e valores mobiliários, líquido das despesas com juros, decorrentes do custo das fontes de recursos e da provisão para risco de crédito; (ii) outras receitas decorrentes de investimentos em ações, líquido de sua respectiva provisão para ajustes, incluindo ganhos líquidos das perdas realizadas na venda de investimentos e debêntures negociáveis, amortização prêmios, resultado de equivalência patrimonial (MEP), dividendos e juros sobre capital próprio; (iii) receitas incidentes sobre administração de fundos e programas; e (iv) despesas operacionais inerentes às operações do banco, como despesas com pessoal, despesas tributárias e provisões para contingências trabalhistas e civis.

10 COMPOSIÇÃO DAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS EM 2007 RECEITAS DESPESAS 35% 8% 51% 31% 15% 10% 47% Operações de Crédito TVM Participações Societárias Reversão de Provisão para Risco de Crédito 3% Despesas de Captação Despesas Tributárias Despesas Administrativas e Gerais Despesas Não Operacionais O resultado líquido do Sistema BNDES ao final do exercício, apresentado em quadro anterior, alcançou o montante de R$ milhões, representando um acréscimo de 15,5% em relação ao ano anterior. O resultado de intermediação financeira totalizou R$ milhões no ano, contra R$ milhões em O aumento apresentado deveu-se principalmente a reversão de provisão para risco de crédito no montante de R$ milhões contra R$ no exercício anterior, aumento de 31,5%. Dentre as outras receitas e despesas operacionais, no total de R$ milhões positivos, destacam-se: (i) o resultado positivo com participações societárias (R$ milhões), com destaque para o resultado com alienação de títulos e valores mobiliários (R$ milhões), resultado de equivalência patrimonial (R$ milhões) e receita de dividendos e juros sobre o capital próprio (R$ milhões); (ii) as despesas com pessoal (R$ 643 milhões); e (iii) as despesas tributárias (R$ 495 milhões); O resultado não operacional de 2007 reflete provisão para perdas de R$ 304 milhões constituída sobre gastos com pesquisas cujo prazo de realização não é possível prever. Por fim, as despesas com imposto de renda e contribuição social registradas no exercício, totalizaram R$ milhões e R$ 640 milhões, respectivamente. Também foram realizados créditos tributários no total de R$ 298 milhões.

11 BALANÇO PATRIMONIAL O crescimento do ativo total do Sistema BNDES nos últimos anos, deve-se, basicamente, ao aumento do volume de operações de crédito sustentado pelo aumento na captação de recursos de longo prazo. Ao final de 2007, o ativo total atingiu R$ 202,7 bilhões, refletindo um crescimento de 8,1% no exercício. A carteira de operações de crédito e repasses interfinanceiros, líquida da provisão para risco de crédito, responsável por 81,2% do Ativo, apresentou aumento de 12,0%, passando de R$ 146,9 bilhões para R$ 164,5 bilhões. Principais Ativos 81% 9% 3% 7% TVM Operações de Crédito Investimentos Outros a) Títulos e Valores Mobiliários Os títulos e valores mobiliários representam 6,8% do ativo total em 31 de dezembro de 2007, tendo apresentado uma queda de 25,8% no exercício, com destaque para a redução de 20,0% no saldo líquido de debêntures e de 35,6% no volume de recursos disponíveis aplicados. A redução no saldo da carteira de debêntures reflete a conversão de algumas debêntures em ações enquanto a queda no volume de recursos disponíveis aplicadas decorre do aumento no volume de desembolsos no exercício. Em 31 de dezembro de 2007, do total da carteira de títulos e valores mobiliários, líquida de provisão, R$ milhões (41,3%) encontravam-se classificados na categoria de Títulos Mantidos até o Vencimento, os quais a instituição tem a intenção e capacidade financeira de manter até o vencimento, R$ milhões (58,7%) como Títulos para Negociação, com destaque para os recursos disponíveis aplicados, e apenas R$ 4 milhões em Títulos disponíveis para venda. b) Operações de Crédito e Repasses Interfinanceiros A carteira bruta de operações de crédito e repasses interfinanceiros apresentou aumento de 11,6% em relação a 31 de dezembro de 2006, alcançando R$ milhões. A provisão para risco de crédito reduziu 2,1% no exercício, atingindo R$ milhões, apesar da constituição de provisão para risco de crédito em operações

12 de repasse no âmbito do Pronaf (Nota Explicativa 7.8), no total de R$ milhões. Esse efeito foi parcialmente compensado pela promoção de classificação de risco de diversos Estados e Municípios em virtude da implementação de metodologia específica para classificação desses créditos. A carteira de créditos consolidados em situação de inadimplência apresentou queda de 82,3% no exercício, devido principalmente a reestruturação de dívidas. Em 31 de dezembro de 2007 totalizaram R$ 182 milhões (R$ milhões em 31/12/06). Qualidade da Carteira e Inadimplência Política de Crédito A Política de Crédito segue as regras da Política Operacional do BNDES. As empresas que apresentam projetos para análise passam por uma avaliação de risco, recebendo uma classificação em escala, que varia de AAA até C-. Os projetos que se adequarem às Políticas Operacionais precisam, ainda, apresentar nível de risco igual ou superior a B para se enquadrarem e terem acesso ao processo de análise. Caso a análise seja favorável, o projeto é, então, encaminhado à Diretoria do BNDES, para a decisão final. Inadimplência Conforme Resolução BACEN nº 2.682, de 21 de dezembro de 1999, a carteira de crédito do Sistema BNDES está segregada em níveis crescentes de risco, que vão de AA a H. Em 31 de dezembro de 2007, 96,6% da carteira de operações de crédito e repasses estava concentrada nos níveis de risco AA a C, considerados de baixo risco. Os créditos inadimplentes somaram R$ 182 milhões, correspondendo a 0,1% da carteira bruta total. O total da provisão para risco de crédito, no montante de R$ milhões, correspondeu a 23,3 vezes o total dos créditos inadimplentes. Classificação Risco de QUALIDADE DA CARTEIRA DE CRÉDITO (%) EM 2007 BNDES Consolidado SFN Instituições Financeiras Privadas AA C 96,6 91,6 92,5 90,0 D G H TOTAL Dados do BACEN na data-base em 31/10/07 2,0 5,4 4,7 6,6 1,4 3,0 2,8 3,4 100,0 100,0 100,0 100,0 Instituições Financeiras Públicas

13 c) Investimentos Os investimentos apresentados no ativo permanente representavam 9,4% do ativo total em 31 de dezembro de 2007, ou R$ milhões, e estão representados basicamente por ações da carteira da BNDESPAR. O aumento no exercício foi da ordem de 16,3%, resultante basicamente da conversão das debêntures da Light em ações, no valor de R$ 713 milhões, e investimento em ações da JBS S.A., no valor de R$ milhões. Cabe ressaltar a excelente qualidade da carteira de participações societárias da BNDESPAR, cujo valor de mercado é 350% superior ao contábil, refletindo as decisões de investimentos acertadas tomadas no passado e a participação do Sistema BNDES no crescimento das empresas investidas. d) Obrigações por Empréstimos e Repasses A principal fonte de recursos do BNDES é o FAT. Para complementar o funding necessário para cumprir com o orçamento de desembolsos, o BNDES recorre ainda a recursos de organismos internacionais, empréstimos locais (principalmente Tesouro Nacional), emissão de títulos no mercado externo (notadamente bonds) e, desde o final de 2006, no mercado local (debêntures emitidas pela BNDESPAR). Historicamente, os fundos PIS-PASEP e FAT têm sido fonte estável de recursos para o banco e respondem por 66,0% do passivo total em 31 de dezembro de PIS-PASEP O Fundo PIS-PASEP é oriundo de contribuições de empresas públicas e privadas. Desde 1974, o BNDES tem gerido este fundo, cujo custo para o banco consiste em uma taxa mínima equivalente a TJLP. Apesar deste fundo não receber mais contribuições desde 1988, devido a realocação dos recursos para o FAT, o saldo desta rubrica no passivo ainda apresenta crescimento a cada ano. Isto porquê a remuneração das operações financiadas com os recursos do PIS-PASEP têm sido superiores às retiradas dos beneficiários deste fundo, ou seja, das devoluções do BNDES ao Fundo PIS-PASEP. A rubrica PIS-PASEP apresentou crescimento de 8,3% no exercício, passando de R$ milhões para R$ milhões. Obrigação com FAT Através da Constituição Federal de 1988, os recursos antes alocados ao fundo PIS- PASEP passaram a ser destinado ao FAT, sendo 40% investido em programas de desenvolvimento econômico a ser gerido pelo BNDES. Apesar do BNDES assumir o risco de crédito das operações financiadas pelo FAT, este fundo constitui uma fonte

14 estável de recursos, sem a necessidade de dotações orçamentárias pelo Tesouro Nacional para garantir o acesso do BNDES aos recursos do FAT. O endividamento total junto ao Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT apresentou um crescimento de 5,5% no ano, passando de R$ milhões em 31 de dezembro de 2006 para R$ milhões em 31 de dezembro de Emissão de Debêntures Em 30 e 31/07/07 a BNDESPAR concluiu sua segunda emissão de debêntures simples da espécie quirografária, com vencimento em 15/08/13. Esta emissão foi no âmbito do programa de distribuição de R$ 2 bilhões que tem como objetivos principais: (i) atrair pequenos investidores de renda fixa para um tipo de mercado até então acessado apenas por grandes instituições; e (ii) contribuir para o desenvolvimento do mercado secundário, propiciando liquidez aos papéis negociados. Esta emissão foi dividida em duas séries: (i) a primeira sem valor nominal atualizado, com incidência de juros prefixados à taxa de 11,2% ao ano e vencimento em Jan/2011; e (ii) a segunda série é remunerada por IPCA + 6,8% ao ano, com pagamento de juros anuais a partir de 15/08/09 até o vencimento final em Ago/2013. Ambas séries foram emitidas sem ágio ou deságio. Em 31 de dezembro de 2007 o saldo das obrigações por debêntures era de R$ milhões, já líquido do deságio a amortizar de R$ 48 milhões, oriundo da 1ª emissão realizada em 20/12/06. Recursos Externos O BNDES obtém parcela substancial de seu funding através de uma variedade de fontes internacionais, notadamente agências multilaterais de crédito, emissão de bonds e empréstimos bancários sindicalizados. As principais instituições internacionais que mantém operações com o BNDES são: Banco Japonês de Cooperação Internacional (JBIC), Banco de Crédito Alemão para Reconstrução Econômica (KfW), Banco Nórdico de Investimento (NIB), Banco Mundial (BIRD) e Banco Inter-Americano de Desenvolvimento (BID). Por questões de mercado, desde 2002 o BNDES não tem emitido novos bonds. Entretanto, dependendo das futuras condições de mercado, tais operações podem voltar a ser realizadas para contribuir com o orçamento de desembolsos do Sistema BNDES. O saldo de recursos captados no exterior apresentou um decréscimo de 14,8% em relação a dezembro de 2006, atingindo R$ milhões ao final de A redução apresentada foi decorrente principalmente do efeito favorável de câmbio e de amortizações. As fontes externas de recursos do Sistema BNDES - representadas por captações externas, repasses efetuados por instituições multilaterais e empréstimos -

15 totalizaram R$ milhões ao final de 2007, correspondendo à cerca de 70,1% do passivo total, contra 73,5% em 31 de dezembro de Outras Fontes de Recursos Adicionalmente aos fundos FAT e PIS-PASEP, o BNDES possui outras fontes governamentais importantes na composição de seu funding, como repasses do Tesouro Nacional e administração do Fundo da Marinha Mercante (FMM) e do Fundo Nacional de Desenvolvimento (FND). Essas fontes em 31 de dezembro de 2007 representam o montante de R$ milhões, equivalente a 10,8% das fontes de recursos totais do BNDES, apresentando uma redução de 2,6% em relação a 31/12/06, cujo saldo era de R$ milhões. f) Patrimônio Líquido O Patrimônio Líquido apresentou crescimento de 30,5%, atingindo R$ milhões em 31 de dezembro de O nível de capitalização situou-se em 12,3%, enquanto a relação Patrimônio de Referência / Ativo Ponderado pelo Risco foi de 26,7%, sendo superior ao nível mínimo exigido pelo Banco Central, de 11%. IX. INFORMAÇÕES ADICIONAIS Política de Dividendos De acordo com o artigo 25, do Estatuto Social do BNDES, o Conselho de Administração proporá sobre a destinação do resultado líquido do exercício, observando as parcelas de 5% para constituição de Reserva Legal, até que alcance 20% do capital social e 25%, no mínimo, para pagamento de dividendos. O BNDES não está sujeito a nenhum tipo de restrição em decorrência de instrumento legal ou previsto em Estatuto Social quanto à fixação de limites para o pagamento de dividendos. O BNDES não possui política formal de pagamento de dividendos. O Governo Federal, como acionista único, pode, a qualquer momento, requerer pagamentos adicionais de dividendos até o limite máximo permitido pela legislação brasileira, de 100% sobre o resultado líquido ajustado do ano fiscal. Nos exercícios de 2004, 2005 e 2006 foram pagos, respectivamente, 85%, 71% e 25% de dividendos sobre o lucro líquido ajustado.

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SISTEMA BNDES 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SISTEMA BNDES 31 DE DEZEMBRO DE 2008 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SISTEMA BNDES 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as demonstrações financeiras anuais Consolidadas do Sistema

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 33º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 33º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 32º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 32º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 34º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 34º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS

INDICADORES FINANCEIROS Relatório 2014 Um Olhar para o Futuro DESEMPENHO ECONÔMICO ECONÔMICA www.fibria.com.br/r2014/desempenho-economico/ 126 INDICADORES FINANCEIROS A Fibria encerrou 2014 com lucro líquido de R$ 163 milhões,

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Sumário do Resultado 2T09

Sumário do Resultado 2T09 Sumário do Resultado 1 BB lucra R$ 4,0 bilhões no 1º semestre de 2009 O Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 4.014 milhões no 1S09, resultado que corresponde a retorno sobre Patrimônio Líquido

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Lucro Líquido Ajustado do BB atinge R$ 2,7 bilhões no 1T13

Lucro Líquido Ajustado do BB atinge R$ 2,7 bilhões no 1T13 Sumário do Resultado Resultado Lucro Líquido Ajustado do BB atinge R$ 2,7 bilhões no O Banco do Brasil apresentou lucro líquido ajustado, sem itens extraordinários, de R$ 2,7 bilhões no trimestre, desempenho

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS 110 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS CAPITAL ORDINÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2006 2005 Caixa e investimentos Caixa................................................. $ 276 $ 223 Investimentos Carteira

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

ANEXO VII INSTRUMENTOS FINANCEIROS

ANEXO VII INSTRUMENTOS FINANCEIROS ANEXO VII INSTRUMENTOS FINANCEIROS Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARTEIRA DE PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS... 3 2.1. Instrumentos Financeiros: Ações Disponíveis para Venda... 4 2.2 Investimentos Permanentes...

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 KPMG Auditores Independentes Agosto de 2013 Relatório dos auditores

Leia mais

BNDES: solidez patrimonial e perspectivas de futuro

BNDES: solidez patrimonial e perspectivas de futuro BNDES: solidez patrimonial e perspectivas de futuro Por Selmo Aronovich 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é uma instituição financeira voltada para o apoio ao investimento

Leia mais

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42.

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42. Avenida Paulista, 2.100 - São Paulo - SP CNPJ 58.160.7890001-28 Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES)

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES) FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND Econômico e Social - BNDES) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E DE 2001 FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND Econômico e Social - BNDES) DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 31 de dezembro de 2014 e 2013

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 31 de dezembro de 2014 e 2013 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

Financiamento a Investimentos BNDES PROMINP/Angra dos Reis 7 a 8 de agosto de 2003 Nova Estrutura Organizacional Conselho de Administração Auditoria Presidente Carlos Lessa Vice-Presidente Darc Costa Gabinete

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Suzano Papel e Celulose anuncia os resultados consolidados do 2º trimestre de 2006

Suzano Papel e Celulose anuncia os resultados consolidados do 2º trimestre de 2006 Suzano Papel e Celulose anuncia os resultados consolidados do 2º trimestre de 2006 Ebitda consolidado pro-forma com Ripasa atinge US$125 milhões São Paulo, 19 de julho de 2006. Suzano Papel e Celulose

Leia mais

3º trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A.

3º trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2011 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. Índice Análise Gerencial da Operação 1 Sumário Executivo 3 Análise do Resultado 11 Margem

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

III. FATORES DE RISCO

III. FATORES DE RISCO III. FATORES DE RISCO 1. RISCOS RELACIONADOS A FATORES MACROECONÔMICOS Política Econômica do Governo Federal O Governo Federal intervém freqüentemente na economia brasileira e realiza, ocasionalmente,

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

Cemig Geração e Transmissão S.A. CNPJ 06.981.176/0001-58 NIRE 31300020550

Cemig Geração e Transmissão S.A. CNPJ 06.981.176/0001-58 NIRE 31300020550 Cemig Geração e Transmissão S.A. CNPJ 06.981.176/0001-58 NIRE 31300020550 ASSEMBLEIA GERAL DE DEBENTURISTAS DA TERCEIRA EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES, NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES, DA ESPÉCIE QUIROGRAFÁRIA,

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Apresentação Institucional Área Financeira

Apresentação Institucional Área Financeira Apresentação Institucional Área Financeira Dezembro, 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Políticas Operacionais 3. Mercado de Capitais 4. Desembolsos 5. Captação de Recursos 6. Desempenho Financeiro

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

Relatório Anual 2010 Demonstrações Contábeis BNDES 1

Relatório Anual 2010 Demonstrações Contábeis BNDES 1 Relatório Anual 2010 Demonstrações Contábeis BNDES 1 Relatório da Administração Sistema BNDES 31 de dezembro de 2010 Relatório Anual 2010 Demonstrações Contábeis BNDES 2 Senhor acionista e demais interessados:

Leia mais

BB tem lucro líquido recorde nominal de R$ 12,2 bilhões em 2012

BB tem lucro líquido recorde nominal de R$ 12,2 bilhões em 2012 Informativo para a Imprensa São Paulo (SP), 21 de fevereiro de 2013. BB tem lucro líquido recorde nominal de R$ 12,2 bilhões em 2012 Crédito cresce 25% no ano e atinge participação de mercado histórica

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p.

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. No 1T15, a receita líquida totalizou R$ 5,388 bilhões, estável em relação ao 1T14 excluindo-se

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

Apresentação Institucional Área Financeira. Junho, 2015

Apresentação Institucional Área Financeira. Junho, 2015 Apresentação Institucional Área Financeira Junho, 2015 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Políticas Operacionais 3. Mercado de Capitais 4. Desembolsos 5. Captação de Recursos 6. Desempenho Financeiro

Leia mais

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010.

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010. O volume total de crédito do sistema financeiro, computadas as operações com recursos livres e direcionados, atingiu R$2.030 bilhões em dezembro, após crescimento mensal de 2,3%. Ao longo de 2011, o crédito

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. BI Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 6 de agosto de 2008, foi confirmada a nota A+ atribuída ao referido banco

Leia mais

FAPI (Fundo de Aposentadoria Programada Individual) FASB (Financial Accounting Standards Board) Fato relevante Fator Fator Atuarial

FAPI (Fundo de Aposentadoria Programada Individual) FASB (Financial Accounting Standards Board) Fato relevante Fator Fator Atuarial 1. FAPI (Fundo de Aposentadoria Programada Individual): Modalidade de fundo de aposentadoria que tem como objetivo a acumulação de recursos a partir, exclusivamente, dos aportes feitos pelo titular do

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

Teleconferência Resultados 1T10

Teleconferência Resultados 1T10 Teleconferência Resultados 1T10 18 de maio de 2010 Visão Geral da Administração Venda da estrutura de Varejo + Foco no segmento de crédito a Empresas Transferência das atividades de originação e crédito

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais