COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS?"

Transcrição

1 COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? SILVA, Arivan Salustiano da Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem MeEL/UFMT RESUMO Este artigo pretende demonstrar, por meio da análise de falas de duas professoras de escolas públicas de Cuiabá e Várzea Grande MT, como a crença de que a escola pública não se constitui num lugar onde se possa aprender/ensinar inglês efetivamente se manifesta nas vozes das docentes. As conversas colaborativas (BAILEY et al., 1998) são apresentadas como uma estratégia para a formação docente continuada de papel fundamental para a desnaturalização de crenças que contribuam para a manutenção de desigualdades sociais. Palavras-chave: crenças conversas colaborativas ensino/aprendizagem de inglês. Introdução Este artigo pretende demonstrar, de maneira sucinta dadas as dimensões propostas para o seu feitio, e por meio da análise de falas de duas professoras de escolas públicas de Cuiabá e Várzea Grande MT, como a crença de que a escola pública não se constitui num lugar onde se possa aprender/ensinar inglês efetivamente se manifesta nas vozes das docentes. As falas que utilizaremos foram obtidas por meio de uma entrevista que realizei com as professoras Eduarda e Vitória (nomes fictícios) no dia 28/06/2007, nas dependências da escola estadual Prof. Nilo Póvoas, onde semanalmente nos encontramos para realizar conversas colaborativas (BAILEY et al., 1998) nas quais refletimos sobre nossas práticas docentes com base em textos teóricos que escolhemos. As professoras participantes do grupo, além de trabalhar na escola pública, ministram aulas também em escolas da rede particular, em instituições privadas de ensino superior e também já trabalharam em institutos de idiomas. A prática de reflexão

2 as faz bastante críticas com relação às práticas pedagógicas que se realizam na escola pública de maneira geral, bem como suas próprias práticas. A crença de que a escola pública não é lugar para se aprender/ensinar inglês já foi identificada em algumas pesquisas (BARCELOS, 2006; DIAS, 2006; entre outros) e tal realidade está presente em todo o país. Queremos então verificar como as professoras de meu grupo de estudos, embora relutantes, também compartilham dessa crença. Antes, porém, se faz necessário esclarecer qual o conceito de crenças que assumo para minha análise. Muitos são os conceitos de crenças que aparecem na literatura a esse respeito (vide BARCELOS, 2004 para uma tabela com algumas das concepções assumidas por alguns autores no que se trata ao ensino/aprendizagem de línguas). Contudo, com Barcelos (2006), entendo crenças como uma forma de pensamento, com construção da realidade, maneira de ver o mundo e os fenômenos, co-construídas em nossas experiências e resultantes de um processo interativo de interpretação e de (re)significação. Assim, crenças são sociais e individuais ao mesmo tempo, dinâmicas, contextuais e paradoxais. Tal definição de crenças me permite sugerir que a maneira como as professoras de nosso estudo vêem a prática pedagógica na escola pública e nos institutos de idiomas seja algo íntimo de cada uma delas, mas também que seja fruto de um contexto mais amplo, de processos ideológicos. Análise Passo, agora, a uma breve análise de algumas falas das professoras entrevistadas procurando demonstrar como é forte a crença, já naturalizada, de que a escola pública não é lugar para o ensino/aprendizagem de inglês com eficácia, em benefício dos institutos de idiomas. A primeira pergunta que dirigi à dupla de professoras foi se haveria um lugar ideal para o aprendizado de língua inglesa, ao que recebi a seguinte resposta: Vitória: Posso falar mesmo? (Risos) Arivan: Claro! (risos) Vitória: Eu acho assim: em casa, se você tiver um objetivo... O que faz com que a pessoa não aprenda eu acho que é a própria vontade, o querer aprender e o querer aprender está muito atrelado a para quê aprender. Então quando você quer aprender e você tem o para que aprender você aprende até sozinha, independente do lugar, qualquer lugar. (...)

3 Eduarda: Não é o lugar, é o querer. As professoras são enfáticas ao afirmar que o que determina o aprendizado ou não da língua é o querer atrelado a um objetivo para esse aprendizado. A crença da existência de um lugar excelente para a aprendizagem/ensino de idiomas parece não tocá-las. Porém, no decorrer da conversa, a fala das professoras com relação ao lugar onde se ensina/aprende inglês começa a mudar. Quando perguntei como elas avaliavam a prática pedagógica dentro dos institutos de idiomas, as entrevistadas dão bastante importância ao para quê se vai a um desses cursos: Eduarda: Eu acho... Eu vou voltar na primeira. Funcionam. A prática lá funciona. (...) Agora a prática pedagógica do curso... O curso tem um objetivo. E normalmente, se a gente for olhar, é a grande parte que vai pra esse curso, (Vera tosse) ele também tem um objetivo. Tem aqueles que são obrigados, mas é uma minoria, né? Vitória: Mas lá é um local de falar inglês. (...) Vitória: Então lá tá bem claro: para quê você vai lá? Falar inglês. Então o trabalho foi nosso... O reconhecimento de que os institutos de idiomas são um lugar para se falar inglês traz em si a crença na eficiência de seu trabalho. Elas atribuem o sucesso que se tem em tais instituições ao fato de terem objetivos bem definidos, assim como os teriam as pessoas que os procuram. E outros aspectos são enfatizados para sustentarem o sucesso em tais escolas: Vitória: (...)A experiência minha enquanto professora de centro de idiomas há algum tempo atrás. Você tem um planejamento, uma hora e meia, nessa uma hora e meia a cada dez minutos você tem que proporcionar uma atividade diferente para o seu aluno, ele tá interagindo com o outro, tudo em inglês. Então é uma hora e meia, uma hora e quarenta ele falando em inglês o tempo todo ou procurando ou por meio de repetição ou com tarefas comunicativas que ele tem que interagir, mas ele tem que usar a língua estrangeira. (...)Lá eu tenho quinze alunos, eu tô mais próxima no centro de idiomas, eu controlo mais, verifico mais, o pace da aula é mais rápido. Eduarda:(...) Na escola, nos cursos livres você tem alguém que pode te dar um suporte se você precisar e tem alguém que tá ali no dia-a-dia acompanhando passo a passo o que você tá fazendo: o seu plano de aula é verificado, as suas aulas são verificadas. As docentes listam uma série de fatores que contribuem para que as escolas de idiomas sejam bem sucedidas, isso fazendo um paralelo com a prática pedagógica da escola pública (vide entrevista anexa). Elas vêem a escola de idiomas como um espaço

4 de compromisso com a tarefa de desenvolver as habilidades lingüísticas em seus alunos. E, para elas, na escola pública, as práticas são bem diferentes: Vitória: Professores cortam, não propiciam o uso da língua. E fica na metalinguagem. O que se aprende só falando gramática, gramática, gramática, gramática... Passe para a negativa, interrogativa, afirmativa, substituir verbo presente pro passado. O que se aprende com isso? Eduarda: É, e falta um controle, o que a gente tem nos cursos de idiomas e a gente não tem na escola pública. É aquela, infelizmente, a supervisão, né, que tá acompanhando. (...) O próprio coordenador nem sabe inglês. Então ele não controla o seu plano, ele não sabe o que você tá fazendo, o que você fez ou deixou de fazer. E isso, acaba ficando muito solto para o professor. Se ele às vezes quer fazer um bom trabalho mas ele não tem essas coisas como nível lingüístico e essa competência metodológica e também não tem onde buscar porque a escola não tem onde, a escola pública não tem apoio pra isso (...) A diferença é brutal nisso. A escola pública é mostrada como um lugar em que o ensino de inglês não recebe atenção nenhuma por parte da equipe de coordenação e orientação pedagógica da instituição e o professor parece estar livre para fazer (ou não fazer) o que quiser. Uma outra questão levantada por Eduarda é a formação do professor. Ambas as docentes diagnosticam que muitos dos professores das escolas públicas não dominam o idioma e não estão também metodologicamente preparados para ministrar aulas dessa língua. Na escola de idiomas isso não acontece, sendo os professores rigorosamente selecionados. Acredito que um fator determinante para a configuração de tal realidade que favorece os institutos de idiomas é a própria lógica de mercado, que no capitalismo tardio transformou a educação em um bem de consumo para atender às necessidades de desenvolvimento do sistema vigente (FAIRCLOUGH, 2001, p. 25). Dessa forma, os que detém o capital são duplamente beneficiados: primeiro porque podem pagar para aprender inglês, e segundo, porque são os institutos de idiomas antes de qualquer coisa, um negócio, que visa lucro. É interessante ressaltar que a crença de que a língua inglesa é importante e talvez determinante para o sucesso profissional dos indivíduos tem grande força em nossa sociedade (DIAS, 2006; SANTOS, 2005, entre outras), mas não vamos nos ater nisso por não ser nosso interesse neste trabalho. Ao final da entrevista, Eduarda faz uma afirmação que ilustra bem a lógica capitalista presente no cenário educacional: Porque na escola particular, o aluno é cliente, né, então tem essa preocupação (com um padrão de qualidade). Na escola pública não. Ele é o aluno, simplesmente. E aí fica perdido. A língua inglesa fora transformada em bem simbólico e para comprá-la com qualidade, é preciso pagar um

5 valor relativamente alto num centro especializado. Na escola pública, como o serviço é público e supostamente gratuito, nem se espera qualidade. É interessante notar como as professoras entrevistadas entram em contradição. No início de nossa conversa elas afirmam que se pode aprender inglês em qualquer lugar, até mesmo sozinho. Depois, quando pedimos para comparar a escola pública com o cursinho de idiomas, enumeram uma série de fatores, que fazem com que estes sejam bem sucedidos, e o que falta àquela relegando-a ao fracasso no papel de ensinar inglês. Entendo essa contradição como uma relutância das docentes que querem ter uma prática diferente do que geralmente se faz na escola pública. Elas narram que já tentaram (vide entrevista anexa), trabalhando atividades comuns nos curso de idiomas na escola pública e obtendo sucesso, inclusive. Porém, frente a vários obstáculos, cederam às dificuldades. Conclusão Em minha pesquisa maior, trabalho na perspectiva da análise de discurso crítica, e vejo essa crença a que me referi neste trabalho como um discurso hegemônico que se estabeleceu por força da ideologia da classe dominante e que contribuiria para a manutenção das relações de poder estabelecidas. Por meio das conversas colaborativas, queremos desnudar tal ideologia e buscar a mudança discursiva das professoras visando uma mudança de prática social (FAIRCLOUGH, 2001). É claro que não atribuo a tal trabalho uma função mágica de revolucionar o ensino de inglês no Brasil. Acredito que a mudança de postura uma postura frente a crenças (ou ideologias) naturalizadas em nossa sociedade podem provocar o abandono do conformismo instalado na escola pública, e isso poderia motivar toda a comunidade escolar a exigir melhoras gradativas. Mesmo o estudo de crenças falando de um outro lugar teórico, contribui com minha pesquisa ao chamar a atenção para o indivíduo cognitivo, uma dimensão que não pode deixar de receber atenção. As leituras que tenho feito nessa área são fundamentais para orientar o meu olhar e ajudar-me a entender melhor as professoras com as quais trabalho em minha pesquisa, e a mim mesmo como docente, e também talvez ainda afetado pela crença (ou discurso) de que não se aprende inglês na escola pública. E acredito que as pesquisas na área de lingüística aplicada ao ensino/aprendizagem de línguas contribuam para diminuir as desigualdades instaladas em nossa sociedade.

6 Referências Bibliográficas: BAILEY, et al. Language teacher educators collaborative conversations. Tesol Quarterly. Vol. 32, number 3. Auntumn p BARCELOS, Ana Maria Ferreira. Narrativas, crenças e experiências de aprender inglês. Linguagem & Ensino, V. 9, N. 2,p , jul/dez BARCELOS, Ana Maria Ferreira. Cognição de professores e alunos: tendencias recentes na pesquisa de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. In BARCELOS, Ana Maria Ferreira.; ABRAHÃO, Maria Helena Vieira (Orgs.) Crenças e esino de línguas: foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006, BARCELOS, Ana Maria Ferreira. Crenças sobre aprendizagem de línguas, lingüística aplicada e ensino de línguas. Linguagem & Ensino, Vol. 7, No. 1, 2004, DIAS, Maria Helena Moreira. O lugar do inglês na escola pública: (des)crenças de atores da escola e da comunidade. Dissertação de mestrado, UFMT, FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Coord. trad. Izabel Magalhães. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, SANTOS, Leandra Inês Seganfredo. Crenças acerca da inclusão de língua inglesa nas séries iniciais: quanto antes melhor? Dissertação de mestrado, UFMT, Transcrição de entrevista realizada em 28/06/2007. Anexo Transcrição da entrevista realizada em 28/06/2007. Vitória: Nós vamos pirar a sua cabeça! Arivan: Qual é o melhor lugar na opinião de vocês para se aprender a língua inglesa? Vitória: Posso falar mesmo? (Risos) Arivan: Claro! (risos) Vitória: Eu acho assim: em casa, se você tiver um objetivo... O que faz com que a pessoa não aprenda eu acho que é a própria vontade, o querer aprender e o querer aprender está muito atrelado a para quê aprender. Então quando você quer aprender e você tem o para que aprender você aprende até sozinha, independente do lugar, qualquer lugar. Eduarda: Não é o lugar. Vitória: Na sua casa, com o livro didático sozinho, mesmo que seja um livro didático nacional com aquelas fitinhas que vêm (olha o termo, fitinhas), né, que vêm, eu acho que você vai embora. Eduarda: Não é o lugar, é o querer.

7 Arivan: E quanto aos institutos de idiomas, que são conhecidos como lugares por excelência para aprender a língua inglesa, como vocês vêem a prática pedagógica dentro desses institutos? Vitória: Bom, eu poderia... Vai você primeiro que eu tô muito faladeira. Eu tô tomando tudo, eu tô dominado o mundo. Eduarda: Eu acho... Eu vou voltar na primeira. Funcionam. A prática lá funciona. Mas se o aluno que entra lá também não quer, ele também vai ficar, ele pode passar por um período, porque a gente tem casos de cursos, principalmente nos cursos de idiomas, que as mães mais obrigam. Ele vai passar por aquele período e também não vai consolidar a língua como o outro. Então, não é que não é eficaz. Eu acho que ele funciona sim. Acho que a base do querer aprender é o querer aprender da pessoa. Agora a prática pedagógica do curso... O curso tem um objetivo. E normalmente, se a gente for olhar, é a grande parte que vai pra esse curso, (Vera tosse) ele também tem um objetivo. Tem aqueles que são obrigados, mas é uma minoria, né? Vitória: Mas lá é um local de falar inglês. Eduarda: E lá é... (Vera interrompe) Vitória: Então lá tá bem claro: para quê você vai lá? Falar inglês. Então o trabalho foi nosso... Eduarda: Seja qual for a língua. Então eu acho que tem esses objetivos e eles fazem funcionar. Vitória: E eu queria... Além de, Fátima, eu diria assim: o aluno que não quer, ele fica três, quatro anos lá mofando e sai de lá sem saber nada! Eduarda: Exatamente. Porque ele não quer. Vitória: Então, ele nem tem como aprender nada. Eduarda: Porque depende dele querer. Essa segunda... (Vera tosse) a palavra primeira, ele tem que querer. Agora, se ele realmente quer, ele vai, porque funciona, falar que não funciona, eles funcionam porque tem um objetivo que é esse. Tá lá, e nenhum deles sai do objetivo. Cada um com suas práticas, né, pedagógicas, mas todos eles têm um objetivo e todos eles trabalham rigorosamente em cima disso, né, não tem como. Arivan: E, é possível estabelecer um paralelo, comparar o cursinho de idiomas, a prática pedagógica que se faz no cursinho de idiomas, e o que se faz na escola pública? Vitória: Sim (pensativo). Como que vou... Vamos começar por esse paralelo em nível de metodologia, por exemplo, né. A experiência minha enquanto professora de centro de idiomas há algum tempo atrás. Você tem um planejamento, uma hora e meia, nessa uma hora e meia a cada dez minutos você tem que proporcionar uma atividade diferente para o seu aluno, ele tá interagindo com o outro, tudo em inglês. Então é uma hora e meia, uma hora e quarenta ele falando em inglês o tempo todo ou procurando ou por meio de repetição ou com tarefas comunicativas que ele tem que interagir, mas ele tem que usar a língua estrangeira. Quando a gente tem a parte metodológica da escola pública, já diferencia um pouco. Que diferencia? Lá eu tenho quinze alunos, eu tô mais próxima no centro de idiomas, eu controlo mais, verifico mais, o pace da aula é mais rápido. Na escola pública, nós já temos trinta e cinco e enquanto que na escola, no centro, eu faria cinco atividades diferentes, na escola pública eu consigo fazer duas ou uma, às vezes, devido ao número de alunos. Mas a metodologia eu diria que depende muito da formação do professor. Por exemplo, no meu caso, é, eu sempre trabalhei na escola pública e no centro de idiomas há algum tempo atrás, e eu procurava levar as atividades do centro de idiomas para a escola pública, e funciona. Não vai dizer que não funciona não, que funciona. E os alunos gostam e adoram e ficam motivados. Funciona, tá. Agora, quando você pára, assim, e pensa nos equipamentos, a questão dos objetivos,

8 é como eu disse anteriormente, é muito assim: pra quê fazer isso? Os alunos de escola pública querem também falar inglês. Eduarda: A mesma coisa. Vitória: Só que a maioria dos nossos colegas cortam isso. Não propiciam esse uso da língua. Arivan: Os colegas, professores? Vitória: Professores cortam, não propiciam o uso da língua. E fica na metalinguagem. O que se aprende só falando gramática, gramática, gramática, gramática... Passe para a negativa, interrogativa, afirmativa, substituir verbo presente pro passado. O que se aprende com isso? Arivan: Você vê o por quê de se cortar isso? Vitória: Eu diria que é a formação, nível lingüístico, principal, e, ah, muitos deles têm até nível lingüístico, não têm conhecimento metodológico. Eduarda: É, e falta um controle, o que a gente tem nos cursos de idiomas e a gente não tem na escola pública. É aquela, infelizmente, a supervisão, né, que tá acompanhando. Na escola, nos cursos livres você tem alguém que pode te dar um suporte se você precisar e tem alguém que tá ali no dia-a-dia acompanhando passo a passo o que você tá fazendo: o seu plano de aula é verificado, as suas aulas são verificadas. Na escola pública, não existe isso em momento algum. O próprio coordenador nem sabe inglês. Então ele não controla o seu plano, ele não sabe o que você tá fazendo, o que você fez ou deixou de fazer. E isso, acaba ficando muito solto para o professor. Se ele às vezes quer fazer um bom trabalho mas ele não tem essas coisas como nível lingüístico e essa competência metodológica e também não tem onde buscar porque a escola não tem onde, a escola pública não tem apoio pra isso, né, aqui, eu tenho sete anos, sabe, eu nunca vi a secretaria de educação oferecer um curso de línguas para os professores, independente de ser metodologia invés, ou, independente de ser... o lingüístico. Nunca, né. E tá capacitando professor... Pra quê? Nunca, nunca se fez. Não tem essa preocupação. Então o professor não tem onde ir. Porque nós ainda estamos na capital a gente às vezes se ajuda, alguns. E aquele professor que é mais tímido, aquele professor que não é, não participa das coisas, não vai num congresso, não vai na associação, ele vai buscar o quê? Aonde? É, uma coi(sa)... A diferença é brutal nisso. Não tem como. Você não tem um apoio. Você não aprendeu o idioma na sua formação? Cê também não tem como aprender se às vezes você não tem o dinheiro, a escola do centro de língas, você tem como professores do mesmo nível ou de níveis diferentes e você vai aprender com eles. Porque existe uma formação desse professor. E ela te dá suporte pra isso. Na escola pública não tem. Então, acaba-se, é... dizer, não que faça isso consciente, porque ele quer fazer, mas ele realmente... E aí perde-se o propósito, né, as escolas não têm, as escolas públicas, raramente (com ênfase), têm um objetivo da escola, que é cumprido por todos. Na escola livre não. Todos, qual que é o objetivo dessa escola? É esse. Então todos vão fazer o mesmo. Vitória: Os planos são idênticos. Eduarda: Os planos são todos... Vitória: Sexta-feira os professores estão lá estudando, planejando, replanejando, entendeu? Eduarda: Há interação entre os professores: o que que cê tá fazendo? O que, que na escola pública não tem isso. Vitória: Porque zelam por um padrão de qualidade. Eduarda: Não tem isso. Porque na escola particular, o aluno é cliente, né, então tem essa preocupação. Na escola pública não. Ele é o aluno, simplesmente. E aí fica perdido. Arivan: Ok, obrigado.

9

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ Introdução Maria Amélia da Silva Viana Márcia Rafaella Graciliano dos Santos Viana UNASUR aneliavianna@hotmail.com A educação de qualidade é

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder Entrevista concedida a Virginia Maria de Figueiredo e Silva e Tânia Maria Piacentini * Paulo Freire esteve em Florianópolis, no dia 8 de junho, a convite da

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE NORMAL EM NÍVEL MÉDIO: UMA EXPERIÊNCIA

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE NORMAL EM NÍVEL MÉDIO: UMA EXPERIÊNCIA A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE NORMAL EM NÍVEL MÉDIO: UMA EXPERIÊNCIA BRAZ, Bárbara Cândido. USF/Matemática, Fecilcam, babicbraz@hotmail.com CEOLIM, Amauri Jersi. Fecilcam,

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

Curso Oracle SQL Expert - Certificação 1Z0-047

Curso Oracle SQL Expert - Certificação 1Z0-047 Curso Oracle SQL Expert - Certificação 1Z0-047 O Curso Oracle SQL Expert - Certificação 1Z0-047 é um treinamento voltado para pessoals que estão no mercado de trabalho de Tecnologia da Informação ou desejam

Leia mais

A ESCRITA NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: INSTRUMENTOS USUAIS DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA

A ESCRITA NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: INSTRUMENTOS USUAIS DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA A ESCRITA NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: INSTRUMENTOS USUAIS DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA Maria do Carmo Costa Maciel Especialista PROFEBPAR/UFMA Domício Magalhães Maciel Mestre

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

A medicina da família e a humanização do atendimento ao paciente

A medicina da família e a humanização do atendimento ao paciente A medicina da família e a humanização do atendimento ao paciente por Denise Marson Apesar da implantação do programa Saúde da família, a formação de profissionais especializados na área de medicina da

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA Lilliane Miranda Freitas (Faculdade de Biologia/Universidade Federal do Pará) Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE BARREIRO, Cristhianny Bento 1 IFSUL AFONSO, Marcela da Silva 2 IFSUL CASTRO, Beatriz Helena Viana 3 IFSUL Grupo de Trabalho

Leia mais

A importância do listening para o processo ensino-aprendizagem na disciplina de inglês do ensino fundamental

A importância do listening para o processo ensino-aprendizagem na disciplina de inglês do ensino fundamental A importância do listening para o processo ensinoaprendizagem na disciplina de inglês do ensino fundamental Priscilla Moreira Diniz SEPÚLVEDA 1, Danielle Ferreira de SOUZA 2 1 Acadêmica do curso graduação

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE 2 NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE Quando uma empresa vai pra internet e investe em marketing digital, essas são as 3 coisas que precisam ser feitas: 1- GERAR LEADS 2- TRANSFORMAR LEADS EM CLIENTES

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Wanderlânyo de Lira Barboza * Emmanuel De Sousa Fernandes Falcão ** Resumo: O presente trabalho aborda reflexões

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO Patrícia Santos de Oliveira¹ Melina Thais da Silva² RESUMO A proposta de trabalho

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Pedagogia Campus São Carlos.

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Pedagogia Campus São Carlos. RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES CURSO: PEDAGOGIA UFSCAR Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Pedagogia Campus São Carlos. INDICADOR CLASSIFICAÇÃO ÍNDICE DE AVALIAÇÃO GERAL ALTO

Leia mais

Menos paixão: o sucesso na Negociação

Menos paixão: o sucesso na Negociação Menos paixão: o sucesso na Negociação O sucesso de uma negociação está na ausência da paixão. Quanto mais objetiva e baseada em critérios imparciais for a negociação, melhor será o acordo final para todos.

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O SÉCULO XXI: CONCEPÇÕES E ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO

DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O SÉCULO XXI: CONCEPÇÕES E ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO Encontro Água & Floresta: Resultados e Perspectivas Bragança Paulista - 1 a 3 dez 2009 DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O SÉCULO XXI: CONCEPÇÕES E ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO Renata Ferraz de Toledo

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NA SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DO MUNICÍPIO DE MUTUÍPE-BA

AVALIAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NA SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DO MUNICÍPIO DE MUTUÍPE-BA 1 AVALIAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NA SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DO MUNICÍPIO DE MUTUÍPE-BA SILVA, N.S- Bolsista PIBIC/UFRB-CFP 1 CONCEIÇÃO, M.B.- Bolsista

Leia mais

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais. Anderson de Almeida Antunes, Universidade

Leia mais

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta)

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta) 1ª RODADA RELAÇÃO PRÁTICA E TEORIA Pouca teoria, muitas oficinas Matérias não suprem as necessidades de um designer Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO Vilmara Luiza Almeida Cabral UFPB/Campus IV Resumo: O presente relato aborda o trabalho desenvolvido no projeto de intervenção

Leia mais

ANEXO I - Transcrição das entrevistas

ANEXO I - Transcrição das entrevistas 147 ANEXO I - Transcrição das entrevistas ENTREVISTA 1 Nome: L.C. Idade: 58 anos. Formação: Pedagogia. Tempo de experiência em cursos de Licenciatura: 7 anos. Pq - A pesquisa em questão trata da ação docente

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

Aprender a Distância na Previdência

Aprender a Distância na Previdência Relatório de Encerramento Aprender a Distância na Previdência (ADP-001-09) Brasília, 05 de março de 2009. 1 1. Identificação: Curso: Aprender a distância na Previdência Descrição do curso: Módulo introdutório

Leia mais

AGREGANDO ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS À FORMAÇÃO DO PSICOPEDAGOGO 1

AGREGANDO ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS À FORMAÇÃO DO PSICOPEDAGOGO 1 AGREGANDO ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS À FORMAÇÃO DO PSICOPEDAGOGO 1 Evelise Maria Labatut Portilho Simone Aparecida de Souza Dreher A Oficina de Metacognição A idéia de realizar uma oficina que, segundo

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMOI-ESTRUTURADA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE APOIO NO MUNICÍPIO

ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMOI-ESTRUTURADA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE APOIO NO MUNICÍPIO Prezada (nome) Estamos realizando um estudo em rede nacional sobre os Serviços de Apoio de Educação Especial ofertados no Brasil que têm sido organizados para favorecer a escolarização de estudantes com

Leia mais

OS SABERES DE PROFESSORES DA ESCOLA REGULAR ACERCA DO ENSINO COLABORATIVO: ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

OS SABERES DE PROFESSORES DA ESCOLA REGULAR ACERCA DO ENSINO COLABORATIVO: ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA OS SABERES DE PROFESSORES DA ESCOLA REGULAR ACERCA DO ENSINO COLABORATIVO: ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Angélica Regina Schmengler - UFSM 1 Deisi Santos Righi UFSM 2 Grupo de Trabalho Diversidade e Inclusão

Leia mais

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR Amanda Carlou; Suzanli Estef; Cristina Mascaro Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ carlou.amanda@gmail.com,

Leia mais

OS DIFERENTES MODOS DE LEITURA NO ENSINO DE CIÊNCIAS

OS DIFERENTES MODOS DE LEITURA NO ENSINO DE CIÊNCIAS OS DIFERENTES MODOS DE LEITURA NO ENSINO DE CIÊNCIAS Narjara Zimmermann (narjarazi@ige.unicamp.br) (Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, Instituto de Geociências,

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Módulo Intermediário - Mídia Rádio Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Rádio e escola: a tecnologia a serviço de ecossistemas comunicativos e do protagonismo juvenil Eliany Salvatierra Doutoranda

Leia mais

As tecnologias são só suporte e meios de apoio. Mas elas nos permitem realizar atividades de aprendizagem de formas

As tecnologias são só suporte e meios de apoio. Mas elas nos permitem realizar atividades de aprendizagem de formas ATENÇÃO GESTORES E PROFESSORES:- PRECISAMOS FAZER AJUSTES PROFUNDOS E URGENTES NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS Adaptação do texto de José Manuel Moran por Antonio Marinho O processo educacional de nossas unidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA PIPE 6: Investigando necessidades e interesses para o ensino de Língua Inglesa em diferentes contextos Profª Dra: Maria Clara Carelli

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS 1 DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS Marcela Ferreira Marques (Universidade Federal de Goiás) Introdução Cada professor

Leia mais

por futebol profissional ou amador?

por futebol profissional ou amador? Tabela 3 - Síntese das entrevistas com torcedores I O que é o futebol pra você? Uma paixão. É um esporte que eu pratico, que gosto. O meu time de futebol é a razão do meu viver. Você se interessa mais

Leia mais

VOCÊ QUER LER EM INGLÊS EM APENAS 7 DIAS?

VOCÊ QUER LER EM INGLÊS EM APENAS 7 DIAS? VOCÊ QUER LER EM INGLÊS EM APENAS 7 DIAS? Olá. Eu sou o Charlles Nunes, coordenador do BLZ Idiomas. Aprendi inglês como autodidata e trabalho com ensino há mais de 20 anos. Tenho uma ideia para compartilhar:

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA E O OLHAR DOS SUJEITOS SOBRE O PROCESSO DE PARTICIPAÇÃO NO COTIDIANO DA ESCOLA.

A GESTÃO DEMOCRÁTICA E O OLHAR DOS SUJEITOS SOBRE O PROCESSO DE PARTICIPAÇÃO NO COTIDIANO DA ESCOLA. A GESTÃO DEMOCRÁTICA E O OLHAR DOS SUJEITOS SOBRE O PROCESSO DE PARTICIPAÇÃO NO COTIDIANO DA ESCOLA. Ceila Ribeiro de Moraes (Universidade do Estado do Pará UEPA) E-mail: ceila_moraes@yahoo.com.br Resumo:

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL Nanci Cunha Vilela Rost ; Amanda Carvalho ; Edimara Soares Gonçalves ; Juliane Rocha de Moraes BILAC, Faculdade de pedagogia Bilac, graduação em Pedagogia, nancirost@hotmail.com

Leia mais

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas.

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas. AULA 1-) SABER QUERER Olá, amigos! Meu nome é Kau Mascarenhas e sou um arquiteto de gente. Sim, tenho formação acadêmica em Arquitetura mas atualmente trabalho como consultor e conferencista em Desenvolvimento

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL Ana Virgínia Carvalho Moreira * Emanuela Maciel Cariri dos Santos * Fabiana Sousa dos Anjos * Geovânio Alves da Silva * Jardel Britto Ferreira *

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

1 Para início de conversa...

1 Para início de conversa... 1 Para início de conversa... Ainda bem que o que eu vou escrever já deve estar na certa de algum modo escrito em mim. (Lispector, 1999[1977] :20) O estudo das interações no contexto pedagógico é, sem dúvida,

Leia mais

O USO DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS E FACEBOOK NO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DO TIPO ETNOGRÁFICO.

O USO DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS E FACEBOOK NO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DO TIPO ETNOGRÁFICO. O USO DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS E FACEBOOK NO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DO TIPO ETNOGRÁFICO. Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO Este estudo busca analisar como a

Leia mais

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS SAYONARA RAMOS MARCELINO FERREIRA QUIRINO (UEPB) WILAVIA FERREIRA ALVES (UEPB) RAFAELA CORREIA DOS SANTOS (UEPB) PAULA ALMEIDA DE CASTRO (ORIENTADORA

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

Contribuições do Uso de Representações Semióticas no Ensino de Sistemas de Equações no Ensino Fundamental

Contribuições do Uso de Representações Semióticas no Ensino de Sistemas de Equações no Ensino Fundamental Contribuições do Uso de Representações Semióticas no Ensino de Sistemas de Equações no Ensino Fundamental Michelsch João da Silva 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Resumo

Leia mais

EaD = O futuro é agora!

EaD = O futuro é agora! Objetivos EaD = O futuro é agora! Apresentar e discutir os princípios fundamentais da EaD; Mostrar a evolução desta tecnologia no Brasil; Apresentar a proposta de EaD para os Formadores do Saber. Prof.

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA E O ENSINO DE CIÊNCIAS

EDUCAÇÃO INCLUSIVA E O ENSINO DE CIÊNCIAS EDUCAÇÃO INCLUSIVA E O ENSINO DE CIÊNCIAS Clarice Ferreira e Silva 1 Marília Carla de Mello Gaia 2 Resumo A Educação é um direito de todos e deve ser oferecida para todos. Cada vez mais estudos e reformas

Leia mais

Informações gerais Colégio Decisão

Informações gerais Colégio Decisão 1 Informações gerais Colégio Decisão 2 Carta da Diretora Colégio Decisão Venha, que estamos de portas abertas para você. Carta da Direção Prezados país e responsáveis, A Organização de uma escola pede

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICES 182 APÊNDICE A UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PPGE MESTRADO EM EDUCAÇÃO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PESQUISA:

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Adriana feijão de Sousa Magalhães Universidade Estadual Vale do Acaraú Resumo: O presente artigo pretende tratar da avaliação inclusiva como forma de oportunizar

Leia mais

O INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS NA ESCOLA REGULAR: EFEITOS E POSSÍVEIS BENEFICIÁRIOS DO TRABALHO DESENVOLVIDO POR ESTE PROFISSIONAL

O INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS NA ESCOLA REGULAR: EFEITOS E POSSÍVEIS BENEFICIÁRIOS DO TRABALHO DESENVOLVIDO POR ESTE PROFISSIONAL O INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS NA ESCOLA REGULAR: EFEITOS E POSSÍVEIS BENEFICIÁRIOS DO TRABALHO DESENVOLVIDO POR ESTE PROFISSIONAL Carlos Henrique Ramos Soares 1 - UFRGS Resumo : O presente trabalho

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Essas são as perguntas que mais ouvi nesses vinte anos em que leciono:

Essas são as perguntas que mais ouvi nesses vinte anos em que leciono: Olá, meu nome é Reinaldo. Sou proprietário e professor de inglês, francês e alemão da TF Idiomas, e se você deseja aprender alemão, francês ou inglês creio que você deva ter várias perguntas sobre o curso

Leia mais

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs Iris Maria de Moura Possas (Universidade Federal do Pará Instituto de Educação em Ciências e Matemática e Escola de Ensino Fundamental

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais

COMO TER TEMPO PARA COMEÇAR MINHA TRANSIÇÃO DE CARREIRA?

COMO TER TEMPO PARA COMEÇAR MINHA TRANSIÇÃO DE CARREIRA? COMO TER TEMPO PARA COMEÇAR MINHA TRANSIÇÃO DE CARREIRA? Um guia de exercícios para você organizar sua vida atual e começar a construir sua vida dos sonhos Existem muitas pessoas que gostariam de fazer

Leia mais

UnP. fazendo e compartilhando a gente aprende mais

UnP. fazendo e compartilhando a gente aprende mais DIRETRIZES DO ALUNO Olá, você está fazendo parte de um projeto de melhoria acadêmicoaction! Neste material você encontrará todas as pedagógica: o Edu Action informações necessárias para entender como esse

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas Apresentação e Objetivos Estamos bem adiantados em nosso curso. Já falamos sobre o conceito de arte, conhecendo um pouco de cada linguagem artística. Hoje,

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais