TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES)"

Transcrição

1 CENTRO TECNOLÓGICO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES-TET APOSTILA DE TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES) &CIRCUITOS DIGITAIS (CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO) 3 a PARTE Prof ª Carmen Maria Costa de Carvalho Outubro, 2003

2 Agradecimentos A todos os monitores que tanto me auxiliaram no exercício desta maravilhosa e, infelizmente, mal reconhecida profissão de magistério. Em especial gostaria de exaltar o trabalho dos ex-monitores, Cláudio,Vinícius e Marcelo, que deram início à tarefa de digitação e elaboração dos circuitos e aos atuais Juana e Guilherme que tiveram a paciência de digitar todo o esboço para a conclusão deste material. 1

3 Índice Parte 3 Circuitos Seqüenciais 3.1-Latches (Flip-Flops) Latch com portas NAND e NOR Latch controlados (latch dinâmico) Latch tipo D 3.2-Flip-Flops Flip-Flop MS (Mestre-Escravo) Flip-Flop MS Complementar Flip-Flop JK Flip-Flop JK com entradas de Pre-Set e Pre-Reset (Set e Reset diretos) Flip-Flop Tipo T (Toggle) Flip-Flop Tipo D (Data) 3.3-Contadores Contadores Assíncronos Contadores Síncronos Método de Projeto de Contadores Síncronos Contador em Anel (Ring Counter) Contador em Anel Torcido (Contador Johnson) 3.4-Registradores de Deslocamento 3.5-Conversão Série/Paralelo e Paralelo/Série 2

4 PARTE 3 Circuitos Seqüenciais Até agora somente foram utilizados circuitos combinacionais, isto é, circuitos cujas saídas dependem somente dos níveis das entradas atuais e não tem relação com a história passada do circuito. Nestes circuitos todas as entradas de portas são supridas por fontes externas, não havendo realimentação. Os circuitos combinacionais são aqueles em que a saída depende única e exclusivamente das várias combinações das variáveis de entrada. Os circuitos seqüenciais têm a saída dependente das variáveis de entrada e de seus estados anteriores que permanecem armazenados. Assim, as saídas presentes dependem da seqüência de valores lógicos na entrada que conduzem até o presente e não somente dos valores de entrada presentes. 3

5 3.1- Latches - (Flip-Flops) Os circuitos abaixo, que consistem de um par de inversores acoplados é a estrutura a de um circuito lógico básico e muito importante chamado latch estático. O latch é um caso especial do flip-flop. Q Qneg Q = 0 reset Bi estável Q = 1 set Multivibradores: Bi-estáveis flip-flop (tem dois estados estáveis e pode permanecer indefinidamente em qualquer um dos estados). Mono-estáveis tem apenas um estado permanente estável e um estado quaseestável. Na configuração monoestável é necessário um sinal de disparo para induzir uma transição do estado estável para o quase-estável. O circuito pode permanecer em um estado quase-estável por um intervalo de tempo bem maior que o tempo de transição entre os estados. Posteriormente, entretanto, ele voltará para o estado estável, não sendo necessário sinal externo para induzir esta transição reversa. Astável tem dois estados, sendo os 2 quase-estável. Sem a ajuda de um sinal de disparo externo, a configuração astável fará sucessivas transições de um estado 4

6 quase-estável para o outro. Assim o circuito astável é um oscilador e é usado como um gerador de ondas quebradas ou uma forma de onda de relógio. Denominamos os dois terminais acessíveis de Q e Q, antecipando o fato, que verificaremos a seguir, de serem os níveis lógicos desses terminais complementares. Sem intervenção externa, o latch permanece indefinidamente em uma de duas situações possíveis chamadas estados (bi-estável). Supondo que Q = 1( H ), neste caso a saída do 2 o inversor seria de fato Q = 0( L) (1 o estado). Supondo que Q = 0( L), neste caso a saída do 2 o inversor seria de fato Q = 1( H ) (2 o estado). O elemento novo e essencial que o latch introduz as estruturas lógicas até agora consideradas é que o latch pode ser usado para estabelecer e manter um nível lógico sem qualquer intervenção externa. Em todas as estruturas lógicas anteriores, a saída de uma porta depende das entradas que eram estabelecidas por uma fonte externa. Devido a esta independência do latch das entradas externas, ele pode ser usado para armazenar, isto é, registrar um bit lógico. Um conjunto de n latches pode ser usado para registrar uma palavra de n bits. Ex: palavra de 4 bits 1011 que desejamos quardar para uso futuro. Construiríamos um conjunto de 4 latches e decidiríamos que terminais de cada latch seriam Q e Q e os identificaríamos. A seguir estabeleceríamos os estados dos latches, conforme figura abaixo, de modo a haver uma correspondência binária entre os estados dos latches e os bits da palavra a ser lembrada. A palavra foi escrita no registrador e lá permanecerá enquanto desejarmos. Note também que na figura abaixo, nos terminais Q do registrador existe uma segunda palavra na qual cada bit é o complemento ao bit da palavra armazenada. A disponibilidade desta 2 a palavra é muitas vezes conveniente. 5

7 Os dois estados do latch são chamados de set e reset. O estado set é aquele em que decidimos chamar Q é Q = 1. O estado reset é aquele em que Q = 0. O estado reset é freqüentemente chamado de clear. É fácil colocar um latch em um estado ou outro. Ex: latch em set basta ligar temporariamente o terminal Q a um ponto externo que esteja no nível de tensão alto. Esta conexão temporária leva Q a 1, Q a 0 e quando a conexão for removida o latch permanecerá no estado acima. O latch estático é um dos vários circuitos lógicos que têm a capacidade de armazenar um bit. Outros circuitos relacionados que veremos incluem o latch dinâmico e o flip-flop Terminais Q Registrador de 4 bits _ Terminais Q Latch com portas NAND e NOR Para maior conveniência na manipulação do latch é vantajoso substituir os inversores por portas NOR ou NAND. Os terminais adicionais de entrada servem como terminais de controle. O símbolo lógico para um latch RS é o seguinte. R Q Latch S Q 6

8 Um latch RS constituído de portas NOR é mostrado na figura abaixo: R S Q 0 0 Mantém estado anterior (set) (reset) 1 1 Não utilizado Latch com portas NAND R S Q 0 0 Não utilizado (set) (reset) 1 1 Mantém estado anterior Latch com portas NAND e Inversora S R Q 0 0 Mantém estado anterior (reset) (set) 1 1 Não utilizado 7

9 3.1.2 Latches controlados (Latch Dinâmico) As entradas R e S de um latch são freqüentemente chamadas de entrada de dados, pois é a informação apresentada a essas entradas que determina o que é armazenado no latch. Em muitos casos, é conveniente introduzir um mecanismo que permita ligar o latch à fonte de sinal ou isola-lo. Esse mecanismo seria o controle (strobe) ou ENABLE (habilita). Em um sistema digital que utiliza registro retardado de dados em seus dispositivos de armazenagem, cada ciclo de sinal aplicado a ENABLE avança o processamento digital um passo. A velocidade com que se lê o processamento é determinada pela velocidade com que ocorrem estes ciclos e por isso o sinal Habilita é chamado de sinal de relógio ou sincronismo. C = 0 Mantém o estado anterior C = 1 S R Q 0 0 Mantém estado anterior (reset) (set ) 1 1 Não utilizado 8

10 Diagrama de tempo: C S R Q Obs: desprezando o tap (tempo de atraso de propagação) 9

11 3.1.3 Latch tipo D Uma aplicação importante de um latch controlado é mostrada abaixo: C = 0 Mantém estado anterior C = 1 D Q 0 0 (reset) 1 1 (set) Uma linha de dados contendo dados que mudam com o tempo. Esta linha pode ser uma de um barramento de linhas múltiplas. Num determinado tempo desejamos capturar e manter o dado D(= 0 ou 1) de linha. Para conseguir isto habilitamos o latch. Como S = D e R = D teremos sempre Q = D. Assim enquanto ENABLE for ativa, a saída Q seguirá a entrada de dados D. O latch aí é descrito como transparente. Quando desejarmos armazenar o dado, desabilitaremos o latch. O estado armazenado será determinado pelo valor de D imediatamente antes de desabilitarmos o latch dinâmico. Em um barramento de linhas múltiplas, conduzindo uma palavra, a captura da palavra inteira requer tantos latches controlados quantos forem os bits da palavra e todos estes latches seriam acionados pelo mesmo sinal Habilita. Um latch com uma única entrada D é chamado latch tipo D. 10

12 Diagrama de tempo Formas de onda que ilustram o funcionamento de um latch transparente tipo D, mostrado abaixo. C D Q? Obs: desprezando o tap Exercício 01- Dado os sinais de entrada e clock abaixo. Desenhe a forma de onda de saída de um latch SR considerando: S Q Clk R Qneg Clk S R Obs: desprezando o tap 11

13 3.2- Flip-Flops Um flip-flop é um circuito seqüencial formado por dois latches acoplados e que armazena um bit de informação. A partir deles que são construídas algumas memórias. A saída de um flip-flop só muda de estado durante a transição do sinal de relógio.vejamos porque com o primeiro exemplo de flip-flop: o MS que vai caracterizar de uma forma geral todos os flipflops Flip-Flop MS (mestre-escravo) Um tipo de dispositivo armazenador síncrono que não é transparente é o flip-flop MS. São dois latches individuais do tipo controlado (com clock), onde o primeiro é chamado master e o segundo slave. O sinal de controle, o sinal de sincronismo do relógio, aplicado às portas de entrada do master é complementar ao aplicado às portas do slave. Quando o sinal de sincronismo está no nível que habilita as portas de entrada, os dados de entrada nos terminais S e R são registrados no latch mestre. Neste instante as portas de transferência estão desabilitadas, de modo que não há transferência do mestre para o escravo. Quando as portas de acoplamento são habilitadas, os dados são transferidos do mestre para o escravo, mas, como neste momento as portas de entrada estão desabilitadas, novos dados não são registrados no mestre. 12

14 S R Q C=0 xx Mantém estado anterior C=1 0 0 Mantém estado anterior (reset) Negative Edge (reseta na descida do clock) (set ) Negative Edge (seta na descida do clock) 1 1 Não utilizado Diagrama de tempo do flip-flop SR Clock S R Q Q1 Obs: desprezando o tap 13

15 Clock=1 - O slave não atua mantendo o estado anterior - O master atua aceitando as informações de entrada seguindo a tabela verdade do latch RS CLOCKED Clock=0 - O master não atua mantendo o estado anterior - O slave atua aceitando as informações fornecidas pelo master e suas saídas seguem a tabela verdade do latch RS CLOCKED Negative edge só na queda do clock ( quando vai de 1 para 0 ) é que a informação recebida anteriormente aparece na saída. 14

16 3.2.2-Flip-Flop MS complementar: Em termos de bloco seria formado com 2 latches SR como demonstrado abaixo: Diagrama de tempo do Flip-Flop MS complementar: CLOCK Q DIVISOR DE FREQUÊNCIA Observe que a freqüência do clock foi dividida por dois Flip-Flop JK Até agora a condição S = R = 1 tem sido evitada, pois tal condição acarretaria em problema. Para solucionar este problema, utilizaremos o Flip-Flop JK esquematizado conforme abaixo: 15

17 C=0 mantém estado anterior C=1 J K Q t mantém estado anterior reset na transição de clock de 1 para 0 (neg. edge) set na transição de clock de 1 para 0 (neg. edge) 1 1 Qt complementa o estado anterior a cada transição negativa de clock Assim a cada ciclo de relógio, o estado do Flip-Flop se alterará. Para J = K = 1 o Flip-Flop funciona como uma chave ( toggle ) Flip-Flop JK com entradas de Pre-Set e Pre-Clear (Set e Reset diretos) Sd Rd = = 0 0 Q Q = 1 Ativos quando baixos = 1 Sd e Rd são as entradas de controle assíncronas (diretas), ativas quando baixas e que prevalecem sobre as demais. Observe que, enquanto uma destas entradas estiver no nível lógico baixo, o flip-flop não responde às suas entradas JK ou à transições de clock. OBS: Estas entradas de Pre-set e Pre-clear podem estar presentes em qualquer tipo de flip-flop. 16

18 3.2.5 Flip-Flop tipo T É um Flip-Flop com uma única entrada de controle que chaveia, quando o controle estiver ativo, e não responde quando o controle estiver inativo(mantém). T S J CP K R Q _ Q Por possuir está característica de chavear, é usado na construção de contadores assíncronos, que serão estudados adiante. O flip-flop tipo T não é encontrado na série de CI s comerciais, pois são montados a partir de FF s JK. A sigla T vem de Toggle (comutado), termo original em inglês Flip-Flop tipo D Vimos anteriormente que um latch tipo SR podia ser modificado para funcionar como um latch tipo D. Do mesmo modo, um Flip-Flop tipo SR pode ser modificado para tornarse um Flip-Flop tipo D. D S J CP K R Q _ Q O sinal digital fica atrasado no tempo pela duração de um ciclo de clock.ou seja, o dado de entrada não é alterado. Por essa capacidade de passar para a saída e armazenar o dado aplicado na entrada D, este flip-flop será empregado na construção de registradores de deslocamento ( que serão vistos a frente) e outros sistemas de memória. A sigla D vem de Data (dado), termo original em inglês. 17

19 CLOCK D Q Obs: o Sinal digital fica atrasado no tempo, atraso este igual a um ciclo de clock. Não foi considerado o tap. Exercício 01 - Para o diagrama de tempos abaixo, desenhe as respectivas formas de onda da saída considerando que o circuito: (a) é um FF D sensível à borda de descida (negative edge) (b) é um FF mestre-escravo (c) é um FF D positive edge. (d) é um latch sensível ao nível um. Exercício 02- Construa um flip-flop D utilizando um flip-flop T com lógica combinacional. Faça também o contrário. Exercício 03- Mostre como se pode construir um flip-flop J-K utilizando um flip-flop T acrescentando lógica combinacional. Exercício 04- Construa um flip-flop equivalente ao flip-flop D utilizando um flip-flop JK, sem recorrer a lógica adicional(ambos Positive Edge). 18

20 Exercício 05- A frequência central de um processador é 100 MHz. Alguns circuitos da placa mãe, entretanto, funcionam a 25 MHz. Projete um circuito que, a partir dos 100 MHz, gere uma frequência de 25 MHz para atender ao requisito desejado. Exercício 06- Explique o funcionamento do Flip-Flop abaixo com suas palavras. Indique o que ocorre quando o relógio está nos níveis 0 e 1, em qual transição o dado é armazenado e porque ele não muda o valor armazenado depois da transição. Clock D X Y Q Qneg 19

21 3.3 Contadores São circuitos digitais que variam os seus estados, sob o comando de um clock, de acordo com a seqüência pré-determinada. São utilizados principalmente para contagens, geradores de palavras, divisores de freqüência, medidas de freqüência e tempo, geradores de forma de onda, conversão de analógico para digital, sequenciamento de operações de máquinas etc Contadores Assíncronos Consistem de vários Flip-Flops conectados em série que avançam de um estado para o outro em resposta a um evento, que pode ser o clock. Módulo de um contador é o número de diferentes estados de saída que este contador pode apresentar, antes de retornar ao seu estado inicial. Num contador constituído com n Flip-Flops pode, no máximo, ter um módulo de 2 n, mas se quisermos, podemos fazer com que o contador não passe por todos os estados possíveis. Neste caso o módulo seria menor que 2 n. Exemplo: Contador Binário Assíncrono Módulo 16 Crescente 20

22 Diagrama de Tempo do contador da figura acima: C Q Q Q Q Nº Ex: Contador Binário Assíncrono Módulo 16 Decrescente. Basta trocar a saída Q pela Q negada na entrada de clock seguinte. OBS: Esta é uma opção possível. 21

23 Diagrama de Tempo do contador da figura acima: C Q Q Q Q Nº Observe que a freqüência de Q3 é 1/16 da freqüência do clock. Obs: Montagem de Contador Assíncrono pode dar problema por causa do atraso de propagação entre os Flip-Flops. A menos que os Flip-Flops sejam escolhidos a dedo, a contagem pode não se realizar por inteiro. O atraso de propagação será maior que o pulso de clock, prejudicando a contagem de todos os estados. Com 4 flip-flops, conta-se de 0 até Depois de 15 o contador volta ao 0, com todas as saídas Q igual a 0, quando ocorreria a passagem do carry para um eventual próximo flip-flop. Alteração de Módulo: Se quiser que conte somente até um determinado número, basta entrar com o número próximo nas entradas de uma NAND, sendo esta NAND ligada à entrada de reset direto. No exemplo abaixo quando Q1 e Q3 forem 1 teremos 0 na saída da NAND que forçará um 0 na saída da AND ligada às entradas de Reset direto. 22

24 Ex: Contador Binário Assíncrono Módulo 10 Crescente: Contadores Síncrono A primeira característica de qualquer circuito Síncrono é a entrada de clock em paralelo. Ex: Contador Binário síncrono Módulo 16 crescente: 23

25 É a mesma forma de onda do contador assíncrono, só que sem retardo porque além do clock estar em paralelo, os Flip-Flops só executam a instrução quando o clock e a saída dos Flip-Flops anteriores descerem a zero Método de Projeto de Contadores Síncronos Este método será desenvolvido para Flip-flops do tipo JK, porém pode ser aplicado a qualquer tipo de flip-flop. Tabela de Mudança de Estado do FF JK (caracteriza o que é necessário ter nas entradas do FF JK, para que ele apresente em sua saída Q qualquer alternativa de mudança de estado) Q Q T1 J K X X 1 0 X X 0 set ou chaveado reset ou chaveado reset ou mantém set ou mantém Projete uma década contadora síncrona Q 3 Q 2 Mapa Geral com a sequência de contagem: Q 3 Q 2 Q 3 Q 2 Q 3 Q 2 Q 3 Q 2 Q 3 Q X X 1 5 X X X X 24

26 Mapa de Q 3 : Mapa de J 3 K 3 a partir de tabela de tabela de mudança de estado: Q 3 Q 2 Q 3 Q X X 0 X 0 X X X X X 0 X 0 X X X X 0 X 1 X X 1 X X 0 X 0 X X 0 X Mapas desmembrados de J 3 e K 3 J 3 K 3 Q 3 Q X X Q 3 Q 2 X X X X 0 0 X X X X X X 0 1 X X X X 1 X 0 0 X X X X 0 X J 3 = Q 2 K 3 = Q 0 25

27 Q 2 J 2 K 2 Q 3 Q 2 Q 3 Q X X 0 X X 0 X X X X 0 X X 0 X X X 1 X X 0 X 1 X X 0 X X 0 X 0 X J 2 K 2 Q 3 Q 2 Q 3 Q 2 0 X X X X 0 X X 0 X X X X 0 X X 1 X X X 0 X X X X 0 1 X X 0 0 X J 2 = K 2 = Q 3 Q 0 Q 1 Q 3 Q X X X X X X J 1 K 1 Q 3 Q 2 O X O X X X 1 X 1 X X X X 1 X O X 1 X X O X O X O X 26

28 Q 3 Q 2 J 1 Q 3 Q 2 K X X X X X X 1 1 X X X X X X X X X X X X X X X X J 1 = Q 0 K 1 = Q 2 Q 0 + Q 3 Q 0 Q 0 J 0 K 0 Q 3 Q 2 Q 3 Q X X 1 X 1 X X X X X X 1 X 1 X X X X 1 X 1 X 1 X X 1 X 1 X 1 X X 27

29 J 0 K 0 Q 3 Q 2 Q 3 Q X X X X X X X X X X 1 1 X X X X X X X X X X X X J 0 = K 0 = 1 Q0 Q1 Q2 Q3 Vcc S J Q CP _ K Q R S J Q CP _ K Q R S J Q CP _ K Q R S J Q CP _ K Q R 28

30 Contadores Programáveis Desejando-se mudar rápida e facilmente o módulo de um contador, podemos fazê-lo através de um circuito que detecte a contagem máxima permitida e então envie um sinal para parar a contagem ou para a entrada clear do contador. Contador Comparador lógico Clear Entradas de controle de contagem Pode-se construir contadores crescentes e decrescentes usando os mesmos flip-flops do circuito. Neste caso deve-se usar uma chave de modo que se possa selecionar o circuito crescente ou decrescente. 29

31 3.3.4 Contador em Anel (Ring Counter) São úteis para o propósito de sequenciar. Imaginemos que em um sistema digital exista um número de operações que deva ser executado uma após a outra no tempo, isto é, em seqüência. Imaginemos ainda que as operações individuais possam ser executadas habilitando um número de conjuntos de portas. Neste caso, os sinais do contador em anel seriam ideais para esta função de habilitação sequencial. Q 3 Q usa os flip-flops de modo pouco econômico: n flip-flops módulo n

32 3.3.5 Contador em anel torcido (Contador Johnson) Modificação do contador em anel que usa os flip-flops de maneira um pouco mais econômica. Clock Q3 Q2 Q1 Q0 1º º Estado inicial 3º º º n flip-flops módulo 2n 6º º º º É necessário prover uma lógica para ler a contagem do contador um decodificador. São necessárias tantas saídas individuais quanto forem os estados do contador. 31

33 3.4 Registradores de Deslocamento (Shift Register) Conforme vimos, um flip-flop pode armazenar ou relembrar ou registrar um único bit. Portanto, um flip-flop poder ser referenciado como um registrador de um bit. Se necessitarmos que N bits sejam registrados, haverá necessidade de N flip-flops. Quando um arranjo de flip-flops tem um determinado número de bits armazenados, será necessário, em algumas ocasiões, deslocarmos bits de um flip-flop a outro da maneira que será descrita agora. Um arranjo de flip-flops que permite este deslocamento é chamado de registrador de deslocamento. Abaixo um registrador de deslocamento de 4 bits construído com flip-flops do tipo JK. As conexões entre os flip-flops são tais que (exceto para o FF 0 ) o nível lógico em um terminal de entrada de dados é determinado pelo estado do flip-flop precedente. O dado D 0 em FF 0 é determinado por uma fonte externa. A cada transição do relógio a informação é deslocada de um flip-flop à direita. O bit registrado no último FF é perdido enquanto o primeiro FF vai para o estado determinado pelo seu dado de entrada D 0. A seqüência de entrada deve ser síncrona com o relógio, isto é, quando ocorrem mudanças no nível lógico da entrada elas acontecem em um ponto fixo do ciclo da forma de onda do relógio. No arranjo anterior foi admitido inicialmente que todos os flip-flops estão zerados. 32

34 A forma de onda de Q 0 corresponde à seqüência de entrada retardada de um tempo, sendo que depende de onde, no ciclo do relógio, a mudança do nível lógico de entrada ocorre. Entretanto Q 1 está retardado em relação a Q 0, Q 2 em relação a Q 1 e Q 3 a Q 2 de exatamente a duração de um ciclo de relógio. Deve ser enfatizado que o registrador de deslocamento acima operará conforme descrito somente se a transição de disparo do relógio for tal que torne o flip-flop incapaz de responder a uma variação no dado de entrada. Diagrama de tempo: tempo (estados iniciais) ck D Q Q Q Q

35 3.5 Conversão série / paralelo e paralelo / série Dados digitais podem ser apresentados na forma série ou paralela. Na apresentação série, os bits individuais de uma palavra são conduzidos por um único fio e são apresentados em seqüência temporal, um bit após o outro. Na apresentação paralela todos os bits da palavra são apresentados simultaneamente, usando tantos fios quantos forem necessários. O formato série economiza circuitos. Por outro lado, o formato paralelo economiza tempo. Exemplo: determinado nível lógico leva 1µs para ser reconhecido. O formato série usaria 8µs para transmitir uma palavra de 8 bits, ao passo que o formato paralelo levaria apenas 1µs. Diversas vezes é preciso passar de uma forma de apresentação para outra. O registrador de deslocamento pode ser usado para este fim. Palavra de 4 bits de série para paralelo (Registrador de deslocamento de 4 bits): Apresenta a palavra série de 4 bits à entrada de dados do registrador com os bits individuais apresentados em sincronismo com o relógio. Após quatro ciclos de relógio, desligando-se o relógio, a palavra será mantida no registrador e os quatro bits estão simultaneamente disponíveis, isto é, em paralelo nas quatro saídas dos flip-flops. 34

36 Paralelo para série: Interromper o relógio e registrar os bits individuais, disponíveis simultaneamente, diretamente nos flip-flops individuais, através das entradas diretas dos mesmos. Após o registro da palavra no registrador habilitamos o relógio. Na saída do último flipflop, de maneira síncrona com o relógio, aparecerão em seqüência temporal os bits individuais da palavra. Todos os exemplos acima são registradores com deslocamento à direita, ou seja, os dados entram a esquerda e saem pela direita (Shift Right).Há casos em que é necessário que os dados possam ser deslocados também para a esquerda (Shift Left), como no circuito abaixo. Ou melhor, que possa ser distribuído para ambos os lados (Deslocamento Bidirecional). Este pode ser feito utilizando-se MUX 2x1 com sua saída conectada a entrada do Flip-Flop. A chave de seleção indicaria o sentido do deslocamento. 35

37 Registrador de Deslocamento à Esquerda: Ainda podemos ressaltar que se os dados inseridos nos Registradores de Deslocamento forem considerados como números binários, esses podem ser divididos ou multiplicados por dois, fazendo-se uso destes registradores. Deslocamento à Direita, divide por dois; Deslocamento à esquerda, multiplica por dois. Exercício 01- Projete um contador de dois bits que, empregando flip-flops JK, circule pelos estados: 11 -> 10 -> 01 -> 11 ->... Exercício 02- Projete um contador síncrono de 3 bits que efetue a contagem crescente (X=0 0 a 7) ou decrescente (X=1 7 a 0), através de uma variável de controle X.. Exercício 03- Construa um contador síncrono com 4 flip-flops tipo D com direção de contagem crescente. Exercício 04- Projete um contador Gray (código espelhado) de 3 bits utilizando flip-flops Tipo T. Exercício 05- Em um registrador de deslocamento de 4 bits, suponha que, inicialmente, Q0 = Q1 = Q2 = Q3 = 1. Desenhe a forma de onda de cada flip-flop se a sequência de entrada for aplicada a D0 sincronamente com o pulso de relógio. 36

38 Bibliografia: -Taub, Herbert; Circuitos Digitais e MICROPROCESSADORES Ed. McGraw-Hill -Capuano, Francisco Gabriel; Elementos de Eletrônica Digital - Ed Érica - Anotações de Aula da Prof a. Carmen Maria Costa de Carvalho 37

Circuitos Digitais Cap. 6

Circuitos Digitais Cap. 6 Circuitos Digitais Cap. 6 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Objetivos Flip-Flops e Dispositivos Correlatos Latch com portas NAND Latch com portas NOR Sinais de Clock e Flip-Flops com Clock Flip-Flop S-C

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS Circuitos com memória Latches NAND e NOR e exemplos de utilização Estado do Flip-flop ao ligar o circuito Pulsos digitais Sinais de clock e flip-flops com clock circuitos

Leia mais

FLIP-FLOPS FLOPS. INTRODUÇÃO Os circuitos anteriormente estudados são chamados de

FLIP-FLOPS FLOPS. INTRODUÇÃO Os circuitos anteriormente estudados são chamados de FLIP-FLOPS FLOPS INTRODUÇÃO Os circuitos anteriormente estudados são chamados de circuitos combinacionais porque os níveis n lógicos l de saída dependem apenas dos níveis n lógicos l nas entradas. (os

Leia mais

Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores

Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores Capítulo VIII Registradores de Deslocamento e Contadores 1 Introdução Vimos no capítulo anterior que flip-flops são dispositivos capazes de memorizar o seu estado (SET ou RESET). Neste capítulo estudaremos

Leia mais

Circuitos Sequenciais. Sistemas digitais

Circuitos Sequenciais. Sistemas digitais Circuitos Sequenciais Sistemas digitais Agenda } Introdução } Latchs (trava) } Latch NAND e Latch NOR } Flip-Flop Set-Reset (FF S-R) } FF S-R Latch NAND, FF S-R Latch NOR, FF S-R Latch NAND com Clock }

Leia mais

Circuitos Seqüenciais: Latches e Flip-Flops. Fabrício Noveletto

Circuitos Seqüenciais: Latches e Flip-Flops. Fabrício Noveletto Circuitos Seqüenciais: Latches e Flip-Flops Fabrício Noveletto Objetivos Usar portas lógicas para construir latches básicos Explicar a diferença entre um latch S-R e um latch D Reconhecer a diferença entre

Leia mais

Capítulo 7 Circuitos sequenciais: latches, flipflops, registradores, contadores

Capítulo 7 Circuitos sequenciais: latches, flipflops, registradores, contadores MC62 Mario Côrtes IC / Unicamp IC-UNICAMP MC 62 Circuitos Lógicos e Organização de Computadores IC/Unicamp Prof Mario Côrtes Capítulo 7 Circuitos sequenciais: latches, flipflops, registradores, contadores

Leia mais

Sistemas Digitais para Computação. AULAS TEÓRICAS 19 a 33

Sistemas Digitais para Computação. AULAS TEÓRICAS 19 a 33 Departamento de Computação Sistemas Digitais para Computação AULAS TEÓRICAS 9 a 33 Prof. MSc. Mário Oliveira Orsi Prof. MSc. Carlos Alexandre Ferreira de Lima Abril de 29 Sistemas Digitais para Computação

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES. Marcos Moecke

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES. Marcos Moecke MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Unidade de São José Curso Técnico em Telecomunicações CONTADORES Marcos Moecke São José - SC, 25 SUMÁRIO 5. CONTADORES... 5. CONTADORES ASSÍNCRONOS... CONTADOR ASSÍNCRONO CRESCENTE...

Leia mais

Contadores. Contadores Assíncronos Crescentes

Contadores. Contadores Assíncronos Crescentes Contadores Variam seus estados sob o comando de um clock; São utilizados para: Contagens diversas; Divisão de frequência; Medição de frequência e tempo; Geração de formas de onda; Conversão analógico para

Leia mais

Circuitos Lógicos Registradores e Contadores

Circuitos Lógicos Registradores e Contadores Circuitos Lógicos Registradores e Contadores Prof.: Daniel D. Silveira 1 Problemas de temporização Como Q1 muda de estado na borda de descida, J2 e Q2 mudará de estado quando receber a mesma borda de descida.

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José. CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES. Marcos Moecke

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José. CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES. Marcos Moecke MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IFSC - Campus São José CST em Telecomunicações ELETRÔNICA DIGITAL CONTADORES Marcos Moecke São José - SC, 29 SUMÁRIO 5. CONTADORES... 5. CONTADORES ASSÍNCRONOS 5. C 5.2 C ASSÍNCRONOS......

Leia mais

CAPÍTULO 4 CIRCUITOS SEQUENCIAIS II: CONTADORES ASSÍNCRONOS

CAPÍTULO 4 CIRCUITOS SEQUENCIAIS II: CONTADORES ASSÍNCRONOS 50 Sumário CAPÍTULO 4 CIRCUITOS SEQUENCIAIS II: CONTADORES ASSÍNCRONOS 4.1. Introdução... 52 4.2. Contadores Assíncronos Crescentes... 52 4.3. Contadores Assíncronos Decrescentes... 56 4.4. Contador Assíncrono

Leia mais

Tecnicas com Sistemas Digitais

Tecnicas com Sistemas Digitais Tecnicas com Sistemas Digitais Prof. Engº Luiz Antonio Vargas Pinto 1 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2 Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto Índice Índice...2 Introdução...3 Ruído (Bounce)...3 Transistor

Leia mais

Flip-Flops. Slide 1. Flip-flop NOR SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado. Flip-flop NAND SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado

Flip-Flops. Slide 1. Flip-flop NOR SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado. Flip-flop NAND SR cruzado. Reiniciar Configurar Reter Não usado Slide 1 Flip-flop NOR SR cruzado Flip-Flops Reiniciar Configurar Reiniciar Configurar Reter Não usado Flip-flop NAND SR cruzado Reiniciar Configurar Reiniciar Configurar Reter Não usado 6.071 Lógica Digital

Leia mais

UFSM-CTISM. Circuitos Digitais Contadores Aula-11

UFSM-CTISM. Circuitos Digitais Contadores Aula-11 UFSM-CTISM Circuitos Digitais Aula-11 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2011 : digitais são circuitos implementados a partir de flip-flops; Existem basicamente 2 tipos de contadores: : a saída

Leia mais

Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Contadores (Aula1) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Contadores Contadores (cont.) Os contadores podem ser classificados por: Tipo de controle - Assíncrono - Síncrono Tipo de contagem

Leia mais

Básculas, Flip-Flops e Debouncing

Básculas, Flip-Flops e Debouncing Trabalho Prático n o 6 Componentes Sequenciais SSI Básculas, Flip-Flops e Debouncing 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo: introduzir os rudimentos de circuitos sequenciais em projectos digitais,

Leia mais

Experimento 11 - Contador síncrono

Experimento 11 - Contador síncrono Circuitos Digitais Rafael S. Sardenberg 10/0019706 Objetivo Experimento 11 - Contador síncrono O objetivo deste experimento é estudar os contadores síncronos e as formas de síntese desses circuitos utilizando

Leia mais

Tecnologia dos Computadores 2002/2003 Trabalho Prático n o 7. Projectos Sequenciais SSI. Contadores Ripple

Tecnologia dos Computadores 2002/2003 Trabalho Prático n o 7. Projectos Sequenciais SSI. Contadores Ripple Trabalho Prático n o 7 Projectos Sequenciais SSI Contadores Ripple 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo: introduzir a prática de projectos sequenciais SSI; introduzir os princípios de projecto

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONTADORES NA FORMA DE CIRCUITO INTEGRADO

CAPÍTULO 5 CONTADORES NA FORMA DE CIRCUITO INTEGRADO 1 CAPÍTULO 5 CONTADORES NA FORMA DE CIRCUITO INTEGRADO INTRODUÇÃO Devido a necessidade geral de contadores, já existem muitos contadores de forma de CI's. Na série TTL 74 os mais simples são o 74LS90,

Leia mais

Aula 09. Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais

Aula 09. Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais Aula 09 Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais Introdução Os circuitos lógicos estudados até aqui são chamados de combinacionais (ou combinatórios). São assim chamados porque a sua saída depende apenas

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES Relatório técnico apresentado como requisito parcial para obtenção de aprovação na disciplina de Sistemas Digitais.

Leia mais

Memórias. O que são Memórias de Semicondutores? São componentes capazes de armazenar informações Binárias (0s e 1s)

Memórias. O que são Memórias de Semicondutores? São componentes capazes de armazenar informações Binárias (0s e 1s) Memórias O que são Memórias de Semicondutores? São componentes capazes de armazenar informações Binárias (0s e 1s) Essas informações são guardadas eletricamente em células individuais. Chamamos cada elemento

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS CONTADORES

SISTEMAS DIGITAIS CONTADORES CONTADORES Setembro de 0 CONTADORES - 2 SUMÁRIO: CONTADORES SÍNCRONOS CONTADORES DE MÓDULO 2 N PROJECTO DE CONTADORES FREQUÊNCIA MÁXIMA DE FUNCIONAMENTO SITUAÇÃO DE LOCKOUT SIMBOLOGIA CONTADOR EM ANEL

Leia mais

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts.

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts. I FUNÇÔES E LOCOS LÓGICOS I.1 - SISTEMS DIGITIS - INTRODUÇÃO Sistemas Digitais Notas de ula 1 O mundo real apresenta duas representações para as medidas. Representação analógica e a representação digital.

Leia mais

5 Circuitos de Armazenamento

5 Circuitos de Armazenamento 5 ircuitos de Armazenamento Nos sistemas digitais, e em particular nos computadores, as informações estão representadas por conjuntos de dígitos binários denominados "palavras". Nos computadores atuais

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores 45 1. Objetivos Realizar a analise detalhada de todos os blocos constituintes de um relógio digital. Implementar um relógio digital. 2. Conceito Um contador é construído a partir de flip-flops (T, D JK,

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS CIRCUITOS SEQUENCIAIS BÁSICOS

SISTEMAS DIGITAIS CIRCUITOS SEQUENCIAIS BÁSICOS CICUITO EUENCIAI BÁICO CICUITO EUENCIAI BÁICO - 2 UMÁIO: ELEMENTO BÁICO DE MEMÓIA LATCHE LATCH LATCH INCONIZADO LATCH D FLIP-FLOP FLIP-FLOP MATE-LAVE FLIP-FLOP JK FLIP-FLOP EDGE-TIGGEED IMBOLOGIA CAACTEIZAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS 1 CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS INTRODUÇÃO Basicamente tem-se dois tipos de multivibradores: os monoestáveis e os astáveis ou osciladores. Como o próprio nome indica, um monoestável tem somente um

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays D.T. e J.R.B./200 (revisão) E.T.M./2003 (revisão da parte experimental) E.T.M./200 (revisão) E.T.M./2006 (revisão) RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO. Caderno Didático - Disciplina de Sistemas Digitais A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO. Caderno Didático - Disciplina de Sistemas Digitais A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Caderno Didático - Disciplina de Sistemas Digitais A Prof. Dr. José Renes Pinheiro Colaboradores: José Eduardo

Leia mais

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da Unidade de Controle. Bibliografia: - STALLINGS,

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO:

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADOR SÍNCRONO O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula teórica

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas Aula 19 Conversão AD e DA Técnicas Introdução As características mais importantes dos conversores AD e DA são o tempo de conversão, a taxa de conversão, que indicam quantas vezes o sinal analógico ou digital

Leia mais

Projeto de Máquinas de Estado

Projeto de Máquinas de Estado Projeto de Máquinas de Estado Organizado por Rodrigo Hausen. Original de Thomas L. Floyd. Versão 0: 15 de março de 2013 http://compscinet.org/circuitos Resumo Grande parte deste texto, exemplos e estrutura

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 3ª Prática: Rotação de uma palavra nos Displays de 7 segmentos Data: 10/04/2014 Nome: Adrián

Leia mais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais Circuitos Digitais Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais Circuito combinacional: Possui portas lógicas conectadas para produzir valor dos sinais de saída Não possui

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL.

CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL. CAPÍTULO 3 CONSTRUÍNDO OS SISTEMAS SEQÜENCIAIS PELA ASSOCIAÇÃO DOS FLIPs/FLOPs À UMA LÓGICA COMBINACIONAL.. Introdução : O uso dos F/Fs nos permite uma série de aplicações, tais como, memórias, contadores,

Leia mais

Lista dos circuitos integrados utilizando transistores TTL da série 7400.

Lista dos circuitos integrados utilizando transistores TTL da série 7400. Lista dos circuitos integrados utilizando transistores TTL da série 7400. 7400: Quatro portas NAND de duas entradas 7401: Quatro portas NAND de duas entradas com coletor aberto 7402: Quatro portas NOR

Leia mais

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL Diego S. Mageski diego.mageski@hotmail.com Bene R. Figueiredo bfigueiredo@ifes.edu.br Wagner T. da Costa wagnercosta@ifes.edu.br Instituto Federal

Leia mais

Índice. Modelos e Procedimentos

Índice. Modelos e Procedimentos Sumário Introdução ao projecto de lógica sequencial. Índice Modelos e Procedimentos Abstracção de elementos com estado Formas de lógica sequencial Representação de Máquinas de Estados Finitas Parte da

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Projeto Dirigido: Genius

Projeto Dirigido: Genius Projeto Dirigido: Genius Genius era um brinquedo muito popular na década de 80 e que buscava estimular a memorização de cores e sons. Com um formato semelhante a um objeto voador não identificado, possuía

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Aula 6-T 2. Máquinas Sequencias Síncronas: Comparação entre

Leia mais

Marcos da Arquitetura de Computadores (1)

Marcos da Arquitetura de Computadores (1) Marcos da Arquitetura de Computadores (1) Marcos da Arquitetura de Computadores (2) Gerações de computadores Geração Zero Computadores Mecânicos (1642 1945) Primeira Geração Válvulas (1945 1955) Segunda

Leia mais

EA773 - Experimento 5

EA773 - Experimento 5 EA773 - Experimento 5 Wu Shin - Ting DCA - FEEC - Unicamp 19 de Novembro de 2009 O projeto consiste em implementar uma calculadora com memória com uso de barramento de 8 bits. Neste documento são discutidos

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Lógica Programável INE 5348 Aula 5 Máquinas Seqüenciais

Leia mais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais 1 Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais Circuitos Digitais Circuito combinacional: Circuito não é capaz de armazenar um valor Possui portas lógicas conectadas para

Leia mais

Circuitos Digitais 144L

Circuitos Digitais 144L Circuitos Digitais Notas de Aula - 02 INSTITUTO: CURSO: DISCIPLINA: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Ciência da Computação e Sistemas de Informação Circuitos Digitais 144L 1.0 Circuitos Combinacionais.

Leia mais

Conversor Analógico /Digital

Conversor Analógico /Digital O que é: Um sistema eletrônico que recebe uma tensão analógica em sua entrada e converte essa tensão para um valor digital em sua saída. Processo de conversão Consiste basicamente em aplicar uma informação

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

Sistemas Digitais I LESI :: 2º ano. Questões Práticas de Sistemas Sequenciais

Sistemas Digitais I LESI :: 2º ano. Questões Práticas de Sistemas Sequenciais Sistemas Digitais I LESI :: 2º ano Questões Práticas de Sistemas Sequenciais António Joaquim Esteves João Miguel Fernandes www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: secções 8.3.1, 8.4 (parte), 8.5 (parte), DDPP,

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL. É qualquer sistema de transmissão ou processamento de informações no qual a informação assume apenas valores discretos.

ELETRÔNICA DIGITAL. É qualquer sistema de transmissão ou processamento de informações no qual a informação assume apenas valores discretos. ELETRÔNICA DIGITAL Sistema Digital É qualquer sistema de transmissão ou processamento de informações no qual a informação assume apenas valores discretos. Vantagens dos Sistemas e Circuitos Digitais Maior

Leia mais

Circuitos Seqüenciais

Circuitos Seqüenciais Circuitos Seqüenciais Circuitos Lógicos DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Circuitos Seqüenciais Um circuito seqüencial síncrono consiste de um circuito combinacional e uma rede de memória formada por

Leia mais

Circuitos Lógicos Aula 23

Circuitos Lógicos Aula 23 Circuitos Lógicos Aula 23 Rodrigo R. Paim ECI, LAND - UFRJ 09/06/2011 Circuitos Lógicos Aula 23 Aula Passada Aritmética Binária Representação binária com sinal Complemento a 2 Adição e Subtração Multiplicação

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 7ª Prática: Introdução à Verilog-HDL e á Lógica Sequencial Data: 22/05/2014 Nome: Adrián

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Projeto de Circuito Integrado: Convesor Série-Paralelo Bidirecional

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Projeto de Circuito Integrado: Convesor Série-Paralelo Bidirecional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Projeto de Circuito Integrado: Convesor Série-Paralelo Bidirecional Alunos: Cezar Oliveira Douglas Alencar Professores: Márlio José do

Leia mais

CALCULADORA SIMPLES COM ULA

CALCULADORA SIMPLES COM ULA CALCULADORA SIMPLES COM ULA Versão 2012 RESUMO 1 Esta experiência tem por objetivo a utilização de circuitos integrados de operações lógicas e aritméticas para o desenvolvimento de circuitos que executam

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS 1 PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS INTRODUÇÃO O processamento interno do CLP é digital e pode-se, assim, aplicar os conceitos de lógica digital para compreen8 der as técnicas e as linguagens

Leia mais

Sistemas Digitais e Microprocessadores

Sistemas Digitais e Microprocessadores Sistemas Digitais e Microprocessadores Roberto A Hexsel 1 Departamento de Informática Universidade Federal do Paraná 11 de março de 2006 1 c Roberto A Hexsel 2001-2006 Sumário 1 Especificação Formal para

Leia mais

Aula 11. 1. Memória principal e 2. Memória de armazenagem em massa.

Aula 11. 1. Memória principal e 2. Memória de armazenagem em massa. Aula 11 Memórias Semicondutoras Introdução Em termos gerais, a memória de um computador pode ser dividida em dois tipos: 1. Memória principal e 2. Memória de armazenagem em massa. A memória principal é

Leia mais

DRAFT. CLP e SDCD CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA

DRAFT. CLP e SDCD CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA CLP e SDCD Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Eng. Guilherme R. Dalmedico Eng. Guilherme A. Rutzen www.exatasconcursos.com.br

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1 Conteúdo Página Operações Lógicas Binárias: AND, OR...2 Operações Lógicas Binárias: OR Exclusivo (XOR)...3 Contatos Normalmente Abertos e Normalmente Fechados. Sensores e Símbolos... 4 Exercício...5 Resultado

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits Módulo 4 EA Termopar - 1 Bits 119 Cód. Doc.: 61-41.3 Revisão: L 1. Descrição do Produto O módulo 119 é integrante das séries 6, 1 e 2 de controladores programáveis. Destina-se a leitura de temperaturas

Leia mais

Sistemas Digitais Contadores. João Paulo Carvalho

Sistemas Digitais Contadores. João Paulo Carvalho Sistemas Digitais Contadores João Paulo Carvalho Contadores Assíncronos Um contador binário de 3 bits é um circuito que evolui controladamente ao longo da seguinte sequência (de contagem): Sequência de

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Rede de Comunicação I 2 C

Rede de Comunicação I 2 C Rede de Comunicação I 2 C A rede de comunicação I 2 C do controlador µdx200 permite conectar vários dispositivos à distância, com uma quantidade mínima de conexões. Trata-se de uma rede de baixa velocidade

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Sistemas Digitais INE 546 Aula 4-T 4 Máquinas Seqüenciais

Leia mais

Circuito integrado 555 e suas aplicações

Circuito integrado 555 e suas aplicações Circuito integrado 555 e suas aplicações Introdução Um circuito integrado popular é o versátil 555. Introduzido pela em 1973 pela Signetcs, este circuito integrado tem aplicações que variam de equipamentos

Leia mais

Colégio Metrópole. Curso Técnico Instrumentação e Automação Industrial

Colégio Metrópole. Curso Técnico Instrumentação e Automação Industrial Colégio Metrópole Curso Técnico Instrumentação e Automação Industrial Eletrônica Digital Professor: David Maciel 1 Colégio Metrópole VIASHOPPING BARREIRO - 4º Piso Inverno Tel.: 3322-8941 e-mail: metropole@colegiometropole.com.br

Leia mais

Programmable Interval Timer

Programmable Interval Timer Programmable Interval Timer 8253/8254 Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer:

Como foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: ELETRÔNI IGITl I FUNÇÕES LÓGIS Formas de representação de uma função lógica omo foi visto no tópico anterior, existem duas formas básicas para representar uma função lógica qualquer: Soma de Produtos Produtos

Leia mais

Eletrônica Digital. Prof. Gilson Yukio Sato sato[at]utfpr[dot]edu[dot]br

Eletrônica Digital. Prof. Gilson Yukio Sato sato[at]utfpr[dot]edu[dot]br Eletrônica Digital Prof. Gilson Yukio Sato sato[at]utfpr[dot]edu[dot]br Flip-Flops Prof. Gilson Yukio Sato sato[at]utfpr[dot]edu[dot]br Circuitos Seqüenciais A saída de um circuito seqüencial depende da

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE P L A N O D E E N S I N O DEPARTAMENTO: Engenharia Elétrica DISCIPLINA: Eletrônica Digital SIGLA: ELD0001 PRÉ-REQUISITOS: ALB0001 CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 h/aula TEORIA: 72 h/aula PRÁTICA: 36 h/aula CURSO:

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 2 Curso: Engenharia Elétrica Código: 20 3 4 Modalidade(s): Bacharelado Currículo(s): 2005/1 5 Turno(s):

Leia mais

Período: 4º Disciplina: Técnicas e Sistemas Digitais

Período: 4º Disciplina: Técnicas e Sistemas Digitais Período: 4º Disciplina: Técnicas e Sistemas Digitais Carga Horária Semestral: 60 h/a Carga Horária Semanal: 3 h/a Núcleo Profissionalizante Pré-requisito: Não há Correquisito: Não há Disciplina Obrigatória

Leia mais

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória Introdução Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e O Nível de lógica digital é o nível mais baixo da Arquitetura. Responsável pela interpretação de instruções do nível

Leia mais

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES nálise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da ilva MULTIPLEXDORE O multiplexador ou Mux é um circuito combinacional dedicado com a finalidade de selecionar, através de variáveis

Leia mais

NOME: TURMA. a) Mostre que, numa representação em complemento para dois, são necessários 8 bits para representar Tset e 7 bits para representar T.

NOME: TURMA. a) Mostre que, numa representação em complemento para dois, são necessários 8 bits para representar Tset e 7 bits para representar T. Sistemas Digitais, 2ª chamada 10/Jul/2002 (01101110) Página 1 Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Sistemas Digitais (2001/2002) 2ª chamada 10/Julho/2002 Duração: 2horas, sem consulta.

Leia mais

Controle de elevador

Controle de elevador Controle de elevador Aluno...: Leonardo Rafael Coordenador: Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto vargasp@uol.com.br Escola Técnica Rubens de Faria e Souza 1 Dedicatória e Agradecimentos Dedico aos meus

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando que um transformador monofásico será submetido aos ensaios de curto-circuito e a vazio para determinação dos parâmetros do seu circuito equivalente, o qual deverá

Leia mais

Apostila para Eletrônica ELETRÔNICA DIGITAL I

Apostila para Eletrônica ELETRÔNICA DIGITAL I Apostila para Eletrônica ELETRÔNICA DIGITAL I Prof. Reinaldo Bolsoni Eletrônica Digital I 1/37 ÍNDICE 1 - SISTEMA NUMÉRICO... 3 1.1 - SISTEMA BINÁRIO...3 Conversão Decimal para Binário...4 Conversão Binário

Leia mais