UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM Bolsa de valores: Ações e tipos de mercado Por: Dayana Gonçalves dos Santos Orientador Prof. Jorge Vieira Rio de Janeiro 2011

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM Bolsa de valores: Ações e tipos de mercado Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão Empresarial. Por:. Dayana Gonçalves dos Santos.

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por me auxiliar a alcançar a mais um dos meus objetivos. Meu especial agradecimento aos educadores que direta ou indiretamente contribuíram para a realização deste trabalho.

4 4 DEDICATÓRIA Aos meus pais Lizete e Milton pela compreensão e ajuda, a meu irmão Daniel.

5 5 RESUMO Este trabalho tem o objetivo de identificar baseando-se em leituras bibliográficas demonstrar a abertura de capital por parte das empresas. As ações constituem em títulos representativos da menor fração do capital social da empresa. A bolsa de valores é o local onde se negociam os títulos ou ações, elas são negociadas no pregão ou no balcão. Esta pesquisa tem como objetivo principal mostrar uma das formas de uma empresa obter recursos. Cada vez mais, com o crescimento do mercado de ações, as empresas têm ações através da abertura de capital, ações estas que serão negociadas na Bolsa de Valores. Palavras-chave: Underwriting, mercado de ações, Abertura de Capital, Novo Mercado

6 6 METODOLOGIA Os métodos empregados nesse trabalho foi a pesquisa bibliográfica, ou seja, técnicas e estratégias de pesquisas direcionadas ao tema escolhido. Busca em sites das instituições financeiras, livros, revistas, documentos, Internet e outras fontes foram consultadas e serviram de base para a realização da monografia.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO 1 - Mercado de capitais 09 CAPÍTULO 2 - Mercado de ações 11 CAPÍTULO 3 - O que são bolsa de valores 15 CAPÍTULO 4 - O Pregão 21 CAPÍTULO 5 - O Mega Bolsa 29 CAPÍTULO 6 - Mercados 32 CAPÍTULO 7 - Comprar e Vender Ações 36 CONCLUSÃO 42 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ÍNDICE 45 FOLHA DE AVALIAÇÃO 47

8 8 INTRODUÇÃO Antes de entrar no assunto que é tema desta pesquisa, foi feita uma abordagem sobre: o sistema financeiro, os tipos de mercados financeiros existentes, a estrutura do sistema financeiro nacional e algumas de suas instituições participantes (reguladoras e operadoras). Após discorrer sobre estes tópicos, serão apresentadas algumas operações realizadas no mercado de capitais através das bolsas de valores e pelo mercado de balcão (organizado ou não), suas modalidades, a diferença entre o mercado primário e secundário e os principais títulos negociados, bem como, uma breve abordagem histórica sobre a evolução do mercado de capitais no Brasil. No Brasil, seu desenvolvimento está intrinsecamente ligado ao desenvolvimento da estrutura financeira do País, que se assentou basicamente sobre dois tipos de instituições: os bancos comerciais e as Bolsas de Valores. Antes do século XIX não se encontravam instituições organizadas, mas apenas indivíduos exercendo as funções de banqueiros ou corretores. O objetivo é ambientar o leitor ao que será comentado a seguir, desta maneira, acredita-se ser fácil e rápida a compreensão do texto.

9 9 CAPÍTULO 1 MERCADOS DE CAPITAIS O Mercado de Capitais, segundo a Cartilha de introdução ao mercado de capitais da Bovespa (2008), é um sistema pelo qual as empresas podem captar recursos através da emissão e negociação de títulos representativos de seu capital e os compradores dos títulos são considerados sócios dessas empresas. O mercado de capitais é constituído pelas sociedades corretoras, bolsas de valores, empresas e instituições financeiras em geral, além dos investidores (pessoas físicas). Em relação à abertura de capital por parte das empresas, Pinheiro (2008, p. 124) compara o lucro operacional da empresa a um bolo a ser compartilhado, basicamente, entre três agentes: O governo, os sócios da empresa e os credores. Se a empresa, por algum motivo, deixar de produzir o bolo, o governo não terá como tributá-lo e os sócios não receberão seus dividendos. Porém, os credores têm de ser pagos. Se a empresa, ao tentar produzir o bolo, optar por captar recursos externos através de empréstimos, por exemplo. O compromisso assumido deve ser honrado O que fazer para abrir o capital de uma empresa:

10 10 Uma empresa decide abrir o capital para obter recursos para fazer frente aos seus investimentos sem depender de empréstimos bancários, além disso, ela passa a ter uma gestão mais profissional porque os seus acionistas irão querer uma remuneração do capital investido seja através da distribuição dos lucros ou da valorização das ações. Para abrir o capital, a empresa deverá apresentar a comissão de valores mobiliários (CVM) uma autarquia vinculada ao ministério da fazenda que fiscaliza o mercado de ações, um projeto econômico financeiro relativo aos seus dados financeiros extraídos dos últimos balanços. Nesse projeto a empresa deverá apresentar um histórico da empresa, quem são seus acionistas controladores a evolução dos lucros ou prejuízos, das receitas, das despesas e os graus de endividamento, qual peso das exportações na receita total e qual o peso das empresas controladoras ou coligadas na empresa em que deseja abrir o capital, além disso, a S/A terá que ter o aval de um banco de investimento ou de uma sociedade corretora de valores nas informações apresentadas, terá também que contratar uma empresa de auditoria externa credenciada pela (CVM) para auditar seus procedimentos contábeis. Toda Empresa aberta terá obrigatoriamente que ter um diretor de relações com os investidores ou um diretor de relações com o mercado de capitais que será o responsável pelas informações divulgadas pela empresa no momento da abertura do capital e durante a sua existência como empresa aberta.

11 11 CAPÍTULO 2 MERCADOS DE AÇÕES À medida que a economia se expande mais relevante se apresenta o sistema de distribuição de valores. O sucesso dos investimentos produtivos está cada vez mais dependente da participação dos acionistas, cujos interesses de participação nos resultados impulsionam o crescimento das empresas. Segundo Octaviano Bessada O mercado de ações tem por objetivo aumentar a renda de um investimento, feito por ações de empresas que são vendidas, no Balcão ou no Pregão (2002, pag. 95) As empresas têm diversas alternativas de financiamento, obtidas principalmente de empréstimos de acionistas. São por meio da participação dos proprietários que as empresas adquirem melhores condições financeiras de seus projetos de investimentos, tanto pela captação, como para o caixa. A função básica do mercado de ações é de promover a riqueza nacional por meio da participação da poupança de cada agente econômico. Nesse mercado, os principais ativos negociados são as ações, representativos do capital das empresas Ações: As ações constituem em títulos representativos da menor fração do capital social da empresa. São valores caracteristicamente negociáveis e

12 12 distribuídos aos subscritores (acionistas) de acordo com a participação monetária efetivada. As ações podem ser emitidas sob a forma física de cautelas ou certificados que comprovam a existência e a posse de certa quantidade de ações. Elas podem ser emitidas com ou sem valor nominal, de acordo com o regido no estatuto da companhia. Se for com valor isso significará que todas as ações têm o mesmo valor, não podendo ser lançada outras ou novas com valor diferente. De outro modo, se for sem valor, o preço da emissão será definido pelos sócios fundadores da companhia. Uma ação não tem prazo de resgate, sendo convertida em dinheiro a qualquer momento mediante negociação no mercado Opções sobre ações: Representam um direito de compra ou venda de ações a um preço previamente fixado e válido por um determinado período. As opções são negociadas em bolsas de valores por meio de pagamento de um prêmio, e o resultado da operação é calculado pela diferença entre o preço de mercado na compra ou venda e o valor pago pelo prêmio. Uma opção de compra garante ao titular o direito de adquirir no futuro um lote de ações a determinado preço, durante certo tempo. Se não for exercido o direito de compra no prazo estipulado na opção, o contrato caduca e o comprador (titular) perde o prêmio.

13 13 Uma opção de venda, ao contrario, garante a seu titular o direito de vender um lote de ações a um preço fixado durante certo intervalo de tempo Tipos de ações: As ações são classificadas basicamente em três tipos: ordinárias, preferenciais e fruição ou gozo. As ordinárias são as que comandam a assembléia de acionistas de uma empresa, conferindo ao seu titular o direito de voto. As preferenciais não atribuem o direito de voto, porém, conferem certas preferências como: 1- Prioridade no recebimento de dividendos, geralmente um percentual mais elevado que o valor das ações ordinárias; 2- Prioridade no reembolso do capital na hipótese de dissolução da empresa. Para os acionistas preferenciais, o lucro é mais importante que o controle da companhia, priorizando a distribuição dos resultados. As ações de gozo ou fruição são aquelas atribuídas aos acionistas cujas ações foram totalmente amortizadas. O seu titular estará sujeito às mesmas restrições ou desfrutará das mesmas vantagens da ação ordinária ou preferencial amortizada, salvo se os estatutos ou a assembléia geral que autorizou a amortização dispuserem em outro sentido.

14 Valores das ações: As ações podem ser definidas de acordo com os objetivos da análise, segue os seguintes valores monetários para as ações: Nominal é o valor atribuído a uma ação, previsto no estatuto social da companhia. Uma ação pode ser emitida com ou sem valor nominal. Patrimonial é o valor de uma ação que representa a parcela do capital próprio da sociedade que compete a cada ação emitida. É o valor do patrimônio liquido / número de ações. Pode servir de referência para os direitos dos acionistas Intrínseco o valor intrínseco de uma ação equivale ao valor presente de um fluxo de caixas. Tendo-se como base o estudo das características particulares de cada empresa e de características macroeconômicas. ação. Valor de mercado representa o efetivo preço de negociação da Valor de liquidação é determinado quando há o encerramento de atividade de uma companhia, indicando quanto compete o resultado da liquidação para cada ação emitida. Subscrição é o preço definido no lançamento de ações em operações de abertura de capital de uma empresa. Valor Venal é o valor da cotação da ação nos mercados organizados, como a Bolsa de Valores.

15 15 CAPÍTULO 3 O QUE SÃO BOLSA DE VALORES As Bolsas de Valores, na acepção atual, são associações civis, sem fins lucrativos, que reinvestem seus lucros no desenvolvimento da estrutura do mercado, através de projetos que venham contribuir para o crescimento e consolidação do Mercado de Ações. Seu patrimônio é representado por títulos que pertencem às sociedades corretoras membros. Possuem autonomia financeira, patrimonial e administrativa, mas estão sujeitas a supervisão da comissão de valores mobiliários (CVM) e as diretrizes emanadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) 1. As instituições sócias das Bolsas de Valores são as Sociedades Corretoras de Valores. Atualmente existem no mercado aproximadamente 261 Sociedades Corretoras de Valores. Se uma pessoa física ou jurídica desejar comprar uma Sociedade Corretora, o primeiro passo será adquirir um Título Patrimonial de emissão da Bolsa, ou de uma das sociedades corretoras que esteja disposta a vendê-lo. A venda do título é feita através de leilão público e o possível comprador ou os compradores deverão apresentar suas intenções de compra, a viva-voz, em pregão público, em dia e horário a ser estabelecido pela Bolsa em um edital veiculado com a devida antecedência em jornal de grande circulação. 1 O Conselho Monetário Nacional é um órgão normativo, não possuindo funções executivas. Ele é o responsável pela fixação das diretrizes da política monetária creditícia e cambial do País, transformandose assim num conselho de política econômica.

16 Alguns apontamentos da história das bolsas: A origem da bolsa é bastante remota, alguns escritores a localizam nos emporium dos gregos, outros no collegium mercatorum dos romanos ou nos funduks (bazares) dos palestinos, segundo Francisco Cavalcante ano 2002, pag. 67 do livro Mercado de Capitais. Não há uma definição clara sobre seu surgimento, sabe-se que na antiguidade existia com atribuições que não a vinculava especificamente a valores mobiliários. E mais, o comportamento dos mercados sintetizava o comportamento comercial que daria vida às bolsas: a negociação a viva voz superando barreiras geográficas, lingüísticas e ideológicas. Durante toda a idade média e até o século XVII, as funções das bolsas se resumiam a compra e venda de moedas, letras de câmbio e metais preciosos. Os negócios então eram limitados pelas dificuldades de comunicação, escassez de capitais e ausência de crédito. A palavra bolsa de valores - em seu sentido comercial e financeiro - nasceu na cidade de Bruges, na Bélgica. O seu nome viria de Van der Burse, proprietário da casa onde se reuniam à negócios alguns comerciantes, segundo Francisco Cavalcante ano 2002, pág. 67 do livro Mercado de Capitais. A primeira bolsa de caráter internacional foi criada em Amberes em 1531, posteriormente foram criadas as de Londres (1554), Paris (1724) e New York (1792). No século XVIII essas instituições alcançaram um grande desenvolvimento em virtude de exigências de fé pública, que obrigavam os

17 17 banqueiros a fracionar os empréstimos de títulos de participação. Com A expansão das sociedades por ações, a bolsa assumiu um papel preponderante na oferta e demanda de capitais. A partir do século XIX as bolsas restringiram sua atuação aos mercados de capitais (títulos e valores mobiliários) e à medida que surgiam os mercados de títulos representativos de mercadorias (commodities) foram criados locais específicos para sua negociação (bolsas de mercadorias). No Brasil, seu desenvolvimento está intrinsecamente ligado ao desenvolvimento da estrutura financeira do país. A palavra corretor foi mencionado pela primeira vez na Lei nº 317, de 21 de outubro de Em 1845 por decreto imperial, foi fundada a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ) que sobreviveria até 1989 ano de sua quebra. Em 1895 foi fundada a bolsa de fundos públicos de São Paulo. Em 1934 houve a mudança da bolsa para o Palácio do Café, onde recebeu o nome de Bolsa Oficial de Valores de São Paulo. Com as reformas do sistema financeiro nacional e do mercado de capitais em 1967, houve o surgimento das sociedades corretoras e do operador de pregão, o que dinamizou este mercado ocorrendo a mudança passando a ser chamada de bolsa de valores de São Paulo- Bovespa. Em Maio de 2008 houve a Integração da Bovespa Holding e da BM&F S/A e a criação da Bolsa de Valores Mercadorias e Futuros BM&F BOVESPA S/A, a terceira maior do mundo em valor de mercado.

18 18 Desde então vem crescendo e se modernizando, sempre em sintonia com as novas tecnologias e tendências. Até pouco tempo atrás, grande parte dos negócios ainda era realizada através do pregão viva-voz mas, atualmente, todos os negócios com ações e opções são realizados através do sistema Mega Bolsa, implantado em Em março de 1999, a Bovespa lançou o sistema Home Broker, que permitia que investidores pudessem comprar e/ou vender ações e opções em suas casas através da Internet. Esse sistema foi interligado ao Mega Bolsa e oferecido por uma ampla variedade de corretoras, cada qual com um serviço distinto. O sucesso do Home Broker no Brasil foi total e, em pouco tempo, os pequenos investidores passaram a ter uma maior participação no número e no volume de negócios da Bovespa, tendência que vem crescendo nos últimos anos Regulamento das Bolsas: A administração das Bolsas de Valores cabe ao Conselho de Administração, ao Superintendente Geral e aos demais Superintendentes, todos responsáveis por sua gestão. - O Conselho de Administração é integrado por no mínimo 9 e no máximo 13 conselheiros, sendo: Representantes de corretoras; 1 representante das companhias Abertas (S/A); 1 representante dos investidores pessoa física; 1 representante dos investidores institucionais; O Superintendente Geral, membro nato do Conselho Executivo.

19 19 - As Funções do Conselho de Administração das Bolsas são: Estabelecer a política geral da Bolsa de Valores e zelar por sua boa execução; Aprovar o regimento interno e as demais normas operacionais; Eleger seu Presidente e Vice-Presidente; Escolher e exonerar o Superintendente Geral. - As Funções do Superintendente Geral são: Dar execução à política e às determinações do Conselho de Administração, bem como dirigir todos os trabalhos da Bolsa de Valores, inclusive o sistema de registro, compensação e liquidação das operações; Praticar todos os atos necessários ao funcionamento regular da Bolsa de Valores Comissão de Valores Mobiliários CVM A Comissão de Valores Mobiliários é um órgão normativo, voltado para o desenvolvimento, a disciplina e a fiscalização do mercado de valores mobiliários não emitidos pelo sistema financeiro e pelo Tesouro Nacional, basicamente o mercado de ações e debêntures. - Sua classificação: Entidade auxiliar (que não emite passivo próprio); Entidade autárquica; Entidade autônoma; Descentralizada (sem relação de hierarquia com os órgãos do governo); Vinculada ao Governo. - Objetivos (o fortalecimento do mercado de ações) está em: Estimular a aplicação de poupança no mercado acionário; Assegurar o funcionamento eficiente e regular das bolsas de valores e instituições auxiliares que operem neste mercado; Proteger os titulares de valores mobiliários contra emissões irregulares e outros tipos de atos ilegais que manipulem preços de

20 20 valores mobiliários nos mercados primário (quando o emissor do título é o próprio alienante) e secundário (quando o título está sendo vendido por terceiros) de ações; Fiscalizar a emissão, o registro, a distribuição e a negociação de títulos emitidos pelas sociedades anônimas de capital aberto.

21 21 CAPÍTULO 4 O PREGÃO Local mantido pelas Bolsas para a realização de negócios de compra e venda de títulos, principalmente ações em mercado livre e aberto. O Pregão é o principal recinto de uma Bolsa de Valores, é onde se dá todo o seu processo operacional. Apesar de realizar-se dentro de uma sala de dimensão normal, o pregão é um mercado onde se efetuam milhares de negócios em um só dia, de forma segura, ágil e livre. No pregão encontram-se os fluxos de oferta e procura do mercado de ações. Milhares de pessoas que desejam comprar e vender ações estão aí representadas pelos operadores de Bolsas (os próprios corretores ou seus prepostos). De certa forma, é como se toda essa gente estivesse ali presente, anunciando, cada um, a viva voz, os seus desejos de comprar e vender ações de companhias. A principal função de uma bolsa de valores é proporcionar um ambiente transparente e líquido, adequado à realização de negócios com valores mobiliários. Todos devem ter conhecimento, ao mesmo tempo, dos fatores importantes que possam afetar o preço atual ou futuro do objeto das transações. Somente através das corretoras, os investidores têm acesso aos sistemas de negociação para efetuarem suas transações de compra e venda dessesvalores. Após o recente processo de desmutualização das bolsas de valores no Brasil, o direito de transacionar valores mobiliários em uma bolsa foi

22 22 desvinculado da propriedade de ações. Anteriormente, apenas as corretoras proprietárias de títulos patrimoniais podiam negociar em Bolsa. O sistema de informações instantâneas do pregão tem por objetivo exatamente trazer eqüidade no que se refere ao conhecimento das condições gerais do mercado e dos papéis negociados. A Bolsa só alcança seus fins quando quem compra sabe o que está comprando e quem vende sabe exatamente o que está vendendo. E o negócio só se realiza no momento em que o vendedor obtém o maior preço e o comprador o menor preço possível. O sistema de informações liga, através de teleprocessamento, o pregão de uma Bolsa aos pregões das demais Bolsas do País, às sociedades corretoras dos diversos Estados, a bancos de investimento e investidores individuais. O pregão funciona diária e ininterruptamente em horário préestabelecido pelas Bolsas. Também é possível a realização de operações eletrônicas, através da MEGA BOLSA. Esse sistema é negociado no Mercado à Vista, é simultâneo e interfere com o pregão de viva-voz. Em toda a volta do Pregão, estão distribuídas as cabines das Sociedades Corretoras, com telefones, através dos quais, os Auxiliares de Operador recebem as ordens de Compra ou Venda de ações diretamente da mesa de operações de suas Corretoras. Após o recebimento da ordem ela é entregue ao operador de sua corretora, para ser executada.

23 23 O Pregão é subdividido em setores, que agrupam empresas que atuam no mesmo ramo de atividade, ou semelhantes, e que são conhecidos como Postos de Negociação, tais como: Bens de Consumo; Comércio; Finanças; Mineração; Petróleo; Química e Petroquímica; Serviços; Siderurgia e Metalurgia; Geral; Opções e Fração. Em cada posto de negociação encontram-se discriminadas as empresas que pertencem aquele setor, e onde somente são permitidos o registro de negócios realizados entre operadores que tenham negociado ações daquelas empresas constantes no posto de negociação. O operador, pelo Regulamento de Operações da Bolsa, é obrigado a apregoar (falar em voz alta), no Posto de Negociação, a sua intenção de Comprar ou Vender, especificando a Ação, o Preço, a Quantidade, e o Mercado que deseja operar. 2 Exemplo: Se o cliente der uma ordem para comprar ou vender ações de Bancos o auxiliar de operador repassa a ordem para o operador que tem que dirigir-se ao posto de Bancos. Se a ordem é para comprar ou vender ações de Siderurgia ele tem que dirigir-se ao posto de Siderurgia e assim sucessivamente. Após o fechamento do negócio, o operador vendedor registra no seu terminal, as condições e especificações da operação, que será acompanhado pelo operador comprador e ficará registrado no computador da Bolsa de Valores 2 O mercado pode ser à Vista, Termo, Futuro ou Opções.

24 A Negociação no Pregão: existentes. O Pregão pode ser organizado segundo os sistemas de negociações Call System; Trading post ou pregão contínuo; Pregões eletrônicos. Na Bolsa de Valores de São Paulo somente os auxiliares de pregão, facultativamente, usam jalecos amarelos. Os demais operadores não usam jalecos. A Sua função básica consiste em receber ordens de compra e venda de ações da Corretora através de telefones conectados diretamente com a mesa de operações. Dar total apoio ao seu Operador no Recinto de Negociações, atender ligações telefônicas, conferir preço e quantidade. Não está habilitado a operar, nem a apregoar negócios de compra e venda de ações em nenhum dos mercados existentes Call System Operadores ficam em volta de balcão circular (corbéille), onde anunciam de viva voz suas ofertas de compra e venda. cada título. O diretor do pregão delimita intervalo de tempo para a negociação de Esgotado o tempo o mesmo título só pode ser transacionado no final, em nova rodada, ou no dia seguinte.

25 25 Este sistema é inadequado para bolsas que operam grandes volumes. O sistema pode acarretar enganos devido à precipitação no fechamento, nas bolsas de menor porte, o call system é usado com sucesso Trading Post Negócios são realizados durante todo o período do pregão. Títulos são agrupados em postos de negociações, segundo ramos afins de atividades econômicas, e homogeneidade quanto aos volumes de transação. O sistema é consagrado nas maiores Bolsas do País e estrangeiras, e permite efetuar grandes volumes de negócios. quatro processos: Nos Processos de Negociação os negócios são realizados segundo Comum; Direta; Por leilão Por oferta - Negociação Comum Realiza-se entre dois representantes. Apregoação de viva voz, mencionando-se o título, suas características, a quantidade e o preço unitário. Havendo interesse por parte de um dos demais operadores, a transação é concluída mediante a declaração da palavra fechado.

26 26 Depois de preenchida a boleta (contrato simplificado de compra/venda) pelo vendedor que colhe a assinatura do comprador e o entrega para registro, no posto de negociação. - Negociação direta O mesmo operador é, simultaneamente, comprador e vendedor: comprador para um dos clientes de sua corretora e vendedor para outro. Negócio Direto: Corretora XX compra e vende XXX ações de XXXX por XXX. Alguém paga mais? Alguém vende por menos? Aguarda tempo suficiente para que outros operadores se estiverem dispostos, paguem mais ou vendam por menos, quer da quantidade anunciada, quer de parcelas. Se houver melhor oferta, para compra ou para venda, o negócio será fechado com o outro operador interveniente, a menos que seja contraposto um novo preço pelo primeiro. Se houver melhores ofertas de compra e de venda, o negócio será fechado com o outro operador interveniente, a menos que seja contraposto um novo preço pelo primeiro operador. Se houver melhores propostas de compra e de venda, a venda será feita para quem oferecer maior preço e a compra de quem propôs menos preço.

27 27 Direta ou não, qualquer operação só será fechada pelo melhor preço, tanto de compra quanto de venda. - Negociação por Leilão Semelhante à negociação direta. Ao ocorrer apregoação de compra e venda de grande quantidade representante da Bolsa interfere colocando em leilão. Concedido, o representante diz: Vou por em leilão: Operação de xxx ações de xxx a xxx. Alguém paga mais? Segue-se procedimento semelhante ao do negócio direto. - Negociação por oferta Realizada entre dois operadores, sendo um deles representado pelo posto de negociação que recebeu sua oferta. Um operador pode simplesmente registrar num posto sua oferta de compra ou venda de uma ação qualquer, que ela será fechada, mesmo sem sua presença, desde que haja algum interessado. Se for possível, as ofertas são fechadas entre si, isto é, se há uma oferta de compra que feche com uma de venda, a operação será executada pelo funcionário da Bolsa que representa, no caso, o comprador e o vendedor.

28 28 No caso de estar presente um dos interessados, este fechará o negócio com o funcionário da Bolsa que representa a parte ausente. Se houver uma oferta registrada, nenhuma negociação com aquele papel poderá ocorrer em condições iguais de preço para o mesmo lote de ações ou parte poderá dele (a oferta tem prioridade). É claro que também não poderão ser fechados outros negócios com o mesmo papel por um preço mais alto se for de venda.

29 29 CAPÍTULO 5 O MEGA BOLSA de São Paulo. MEGA BOLSA é o novo sistema de negociação da Bolsa de Valores O MEGA BOLSA gerencia as negociações realizadas pelas intermediárias atuantes na BOVESPA, no Pregão Viva Voz e através dos terminais remotos. Ele foi preparado para atender ao crescimento do mercado acionário brasileiro, e às exigências da globalização Um Novo Sistema para um Novo Contexto: O aumento do volume e número de negócios diários, fez com que a Bovespa decidisse, em 1996, buscar uma nova solução para o controle das operações. As exigências advindas do processo de globalização e interconexão dos mercados mundiais exerceram importante influência nesta decisão. Neste processo, contando com consultoria internacional, definiu alguns princípios que nortearam o projeto: Capacidade de processamento de um grande número de operações; Acompanhamento das tendências mundiais em termos de padrões e facilidades às Sociedades Corretoras e clientes; Um único sistema para controle de operações da Sala de Negociações e através de terminais;

30 30 Agilidade na criação de novos mercados ou definição de grupos de ações com mesmas regras de mercado; Facilidades na integração da solução Bovespa com outras ferramentas do mercado (planilhas, tabelas, analisadores de mercado); Processo aberto que permita a futura interconexão entre mercados; Facilidades ao mercado para criação de processos automatizados de colocação de ordens, mas contando com filtros e controladores definidos pela Bovespa; Controles, segurança e criptografia nas mensagens entre a Bovespa e o mercado; Utilização de computadores imunes a falhas (non-stop) e estabelecimento de configurações de contingência, para não paralisação do mercado por problemas de equipamentos. Com base nesses princípios, após extensa pesquisa e análise das alternativas, a Bovespa escolheu a solução da SBF - PARIS BOURSE, que atende a todos os princípios anteriormente definidos Principais Características do MEGA BOLSA: Um único sistema (o MEGA BOLSA) controla as negociações Viva Voz e por terminais em equipamentos Tandem instalados na Bovespa, nos quais é processado o sistema central de controle de negociação.

31 31 Esses equipamentos são utilizados pelas maiores bolsas do mundo, sendo responsáveis pelo controle de cerca de 60% do volume mundial negociado. São constituídos por processadores paralelos e duplicados, havendo todo um esquema automatizado de continuidade de processamento em caso de falha de parte do equipamento. Além disso, a Bovespa conta com outro equipamento similar que poderá ser utilizado em condições de emergência. Esses equipamentos Tandem são conectados a servidores Risc instalados nas Sociedades Corretoras ou na Bovespa, que controlam o fluxo das ordens e informações das cotações, nas ligações com as estações de trabalho. Conectados a esses servidores Risc, computadores PC usam o software GLWIN que permite a introdução de ofertas, acompanhamento de cotações e notícias, com o uso de várias características como o estabelecimento de alertas, agilização dos trabalhos dos operadores, trabalhos com cestas de ações, gráficos, acesso a cotações da semana, etc. Para os Vendors, é disponibilizado um novo sinal de cotações, baseado em novo protocolo de comunicações (TCP/IP) que garante a recepção das informações, assim como uma nova estrutura de mensagens, permitindo inclusive processos de recuperação por perda de conexão.

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

7. Mercado Financeiro

7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro Mercado Financeiro O processo onde os recursos excedentes da economia (poupança) são direcionados para o financiamento de empresas (tomadores de crédito). Investidor

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

AULA 16. Mercado de Capitais III

AULA 16. Mercado de Capitais III AULA 16 Mercado de Capitais III FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE AÇÕES Mercado de bolsa: as negociações são abertas e realizadas por sistema de leilão, ou seja, a venda acontece para quem oferece melhor lance.

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende.

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. Mercado de Renda Variável, os preços estão em constante oscilação. Pela sua liquidez não existe pechincha. A importância

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Mercado de Capitais Tributações Relatórios Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 4.2 Mercado de Capitais 4.3.1 Conceitos

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Mercado de Capitais Professor: Roberto César

Mercado de Capitais Professor: Roberto César Mercado de Capitais Mercado de Capitais Professor: Roberto César Definição O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que regulam, fiscalizam e executam as

Leia mais

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec capítulo 1 Mercado de ações na bovespa 1.1 Mercado de ações Tudo começa com uma grande idéia que se transforma

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras.

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras. Câmbio Uma operação de câmbio envolve a negociação de moeda estrangeira através da troca da moeda de um país pela de outro. Uma pessoa que pretende viajar para o exterior precisa fazer uma operação de

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO ESTADO DE SÃO PAULO (UNIESP)

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO ESTADO DE SÃO PAULO (UNIESP) UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO ESTADO DE SÃO PAULO (UNIESP) Daiane Cerencovich - RA 0106118998 Dyane Caroliny Marques - RA: 0108100863 Fernando Sousa do Nascimento - RA 0106117989 Juliana Ramos -

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 11: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO As empresas dispõem de fontes internas e fontes externas de recursos financeiros para o financiamento de suas atividades. Com

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

MERCADOS INTERNACIONAIS DE CAPITAIS

MERCADOS INTERNACIONAIS DE CAPITAIS MERCADOS INTERNACIONAIS DE CAPITAIS Fontes de recursos financeiros para o financiamento empresarial Fontes INTERNAS EXTERNAS Lucros retidos Ativos maior que passivos Proteção Fiscal Outros Recursos de

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Especulador Eletrônico. Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes

Especulador Eletrônico. Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes Especulador Eletrônico Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes Apresentação Introdução Comentário de Mauro Halfeld Conceitos Bolsas de Valores no Brasil BM&F Bovespa Curiosidades Escolas de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima.

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação ao portador Desde 1990 este tipo de ação não existe mais. Esse tipo de ação não trazia o

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178. INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.421/0001-64) O cliente, devidamente qualificado em sua ficha cadastral,

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 1 www.tradernauta.com.br I - Sistema Financeiro Nacional CMN Conselho Monetário Nacional Min. Fazenda, Min. Planej., Pres. BaCen Banco Central Mercado Cambial,

Leia mais

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER 1 PARA QUE SERVE ESSE GUIA? Este guia se propõe a trazer os principais conceitos relacionados aos Brazilian Depositary Receipts (BDRs) e a explicar como funcionam. Ao término de sua

Leia mais

Mercado primário e mercado secundário

Mercado primário e mercado secundário Mercado primário e mercado secundário O mercado primário compreende o lançamento de novas ações/debêntures no mercado, com aporte de recursos para a companhia. Ou seja, quando um título é lançado no mercado

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Profº Agenor paulino Trindade

BANCO DO BRASIL. Profº Agenor paulino Trindade BANCO DO BRASIL Profº Agenor paulino Trindade PREPARATÓRIO PARA O BANCO DO BRASIL Prof. AGENOR PAULINO TRINDADE CONCEITO DE AÇÃO: Ação É um título negociável, representativo de propriedade de UMA FRAÇÃO

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas DIREITO SOCIETÁRIO As sociedades são classificadas como simples ou empresárias (art. 982, CC). As sociedades empresárias têm por objeto o exercício da empresa: as sociedades simples exercem uma atividade

Leia mais

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES INTRODUÇÃO 1. Este pronunciamento abrange as participações em sociedades coligadas e controladas e as participações minoritárias de natureza

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento GRUPOINVEST, doravante designado simplesmente Clube constituído por número limitado de

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br Bem-vindo aos artigos do Finança Pessoal. Nesse primeiro artigo vamos esclarecer as informações sobre os Clubes de Investimentos e vamos fazer um passo-a-passo de como montar um clube. Esse artigo é uma

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A W SITA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6 da Instrução no 387/03 da CVM, define através

Leia mais

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social:

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social: RESOLUCAO 1.655 --------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS 2 Índice Introdução... 5 O que é Sistema Financeiro Nacional... 7 Poupança e investimento... 8 Por que e no que investir... 9 O que é mercado de capitais... 13 Por que

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento.

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento. C A P Í T U L O I I I - C O M P E N S A Ç Ã O E L I Q U I D A Ç Ã O 1. A SPECTOS G ERAIS A CBLC é responsável pela Compensação e Liquidação das Operações com Ativos realizadas nos Sistemas de Negociação

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Sistema Financeiro Nacional

MERCADO DE CAPITAIS. Sistema Financeiro Nacional MERCADO DE CAPITAIS 1 Mercado de capitais é um sistema de distribuição de valores mobiliários que proporciona liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabiliza o processo de capitalização. É constituído

Leia mais

MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70

MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70 MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO E FATO RELEVANTE DA MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. A presente Política de Divulgação

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Sistema Financeiro O sistema financeiro pode ser definido como o conjunto de instituições, produtos e instrumentos que viabiliza a transferência de recursos

Leia mais

VOCABULÁRIO DAS SOCIEDADES POR AÇÕES E DO MERCADO DE CAPITAIS

VOCABULÁRIO DAS SOCIEDADES POR AÇÕES E DO MERCADO DE CAPITAIS VOCABULÁRIO DAS SOCIEDADES POR AÇÕES E DO MERCADO DE CAPITAIS A Ação Título de propriedade, negociável, representativo de uma fração do capital social de uma S/A. Confere a qualidade de sócio. È um título

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI. Garantias do Sistema Financeiro Nacional

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI. Garantias do Sistema Financeiro Nacional Reta Final Escriturário Banco do Brasil Disciplina: Conhecimentos Bancários Prof.: Rodrigo Barbati Data: 09/09/2007 CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROF RODRIGO O. BARBATI Garantias do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES Administradores da Emissora... 13 Coordenador Líder... 13

Leia mais

Mercado de Capitais: técnicas para avaliação de carteira de ações para pessoa física

Mercado de Capitais: técnicas para avaliação de carteira de ações para pessoa física 1 Mercado de Capitais: técnicas para avaliação de carteira de ações para pessoa física RESUMO O assunto abordado neste artigo tem por objetivo facilitar o entendimento do mercado de ações desmistificando

Leia mais

1.Introdução... 2. 2. Definições... 2. 3. Objetivos e Princípios... 3. 4. Negociação por meio de Corretoras Credenciadas e Períodos de Bloqueio...

1.Introdução... 2. 2. Definições... 2. 3. Objetivos e Princípios... 3. 4. Negociação por meio de Corretoras Credenciadas e Períodos de Bloqueio... Índice 1.Introdução... 2 2. Definições... 2 3. Objetivos e Princípios... 3 4. Negociação por meio de Corretoras Credenciadas e Períodos de Bloqueio... 4 5. Restrições à Negociação na Pendência de Divulgação

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Empreendedorismo: Termos Técnicos e definições do Mercado Financeiro http://www.dinheirovivo.com.br/pessoal/dinheiro/entenda/

Empreendedorismo: Termos Técnicos e definições do Mercado Financeiro http://www.dinheirovivo.com.br/pessoal/dinheiro/entenda/ Empreendedorismo: Termos Técnicos e definições do Mercado Financeiro http://www.dinheirovivo.com.br/pessoal/dinheiro/entenda/ O que são as bolsas de valores Associações civis e sem fins lucrativos. Funcionam

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Como comprar e vender ações pela internet

Como comprar e vender ações pela internet Programa de Formação de Investidores no Mercado de Ações Como comprar e vender ações pela internet Este material é parte da apostila do curso Como comprar e vender ações pela internet. Busque mais informações

Leia mais