AS NOSSAS EMBARCAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS NOSSAS EMBARCAÇÕES"

Transcrição

1 Trabalho de Projecto AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Disciplinas intervenientes: Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, História e Geografia de Portugal, Educação Visual e Tecnológica. Tópicos que podem ser tratados nas disciplinas intervenientes: Espelho da cultura: relação entre as culturas dos países estudados em língua estrangeira as embarcações (vocabulário específico). As embarcações portuguesas: passado; presente; futuro. Relação entre as épocas, acontecimentos, lugares, profissões e actividades e a forma como evoluíram as embarcações. O papel dos Descobrimentos no grande desenvolvimento de embarcações e instrumentos náuticos. ETAPA 1: IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA/ ESCOLHA DO TEMA Produto final: Visita guiada à Fragata D. Fernando II e Glória [1] Ou Visita guiada ao Farol Museu de Santa Marta em Cascais [2] Ou Visita ao Centro de Controlo de Tráfego Marítimo VTS (Vessel Traffic System [3] ) em Algés; [1] De momento atracada em Cacilhas. (Ver cópia de folheto em ANEXO) [2] Recém inaugurado, este espaço museológico possui uma interessante exposição dedicada aos faróis portugueses, com particular destaque para a história do próprio Farol de Santa Marta. Visitas para grupos escolares e outros grupos mediante inscrição prévia, de 3ª a 6ª feira. Contacto: e mail: cascais.pt (ver cópia de folheto em ANEXO) Ver igualmente páginas na introdução deste manual. 1

2 Escrita de uma página de um Diário de Bordo, com registo das rotas, o estado do tempo, as terras avistadas ou qualquer episódio vivido tanto a bordo de uma embarcação como no mar; Construção de uma maqueta de uma embarcação inventada pelos alunos; Exposição de trabalhos sobre o tema. Diálogo/ debate envolvendo todos os intervenientes. Algumas questões que podem ser abordadas: Problema: Que papel tiveram os Descobrimentos no grande desenvolvimento do nosso país e nos processos de transmissão de conhecimentos entre os povos? Que embarcações têm sido utilizadas ao longo dos tempos em Portugal? Que grandes navegadores estiveram/ estão à frente dessas embarcações? Que produtos carregavam/ carregam as nossas embarcações? [4] Que instrumentos náuticos se destacaram na navegação? E nos dias de hoje, que instrumentos são utilizados na navegação? Vantagens e desvantagens do transporte marítimo. Inovações tecnológicas implicações ao nível do transporte marítimo e dos portos. Potencialidades dos transportes marítimos ao nível da cultura, recreio e lazer. Tema: As embarcações portuguesas ao longo do tempo [3] O Centro de Controlo de Tráfego Marítimo, VTS Lisboa, gere a navegação dentro da área de jurisdição da Administração do Porto de Lisboa, tendo como limite montante a Ponte Vasco da Gama, fornece informação e aconselha os navios que naveguem no estuário do Tejo e na aproximação a este, até um raio de 16,5 milhas náuticas, centrado no VTS Lisboa. Suportado por sistemas e tecnologias de vanguarda e alinhado com os mais exigentes códigos internacionais, o Porto de Lisboa posiciona se, em matéria de segurança, a par dos principais portos europeus. Outras visitas: ao Centro Nacional Coordenador Marítimo (CNCM) ver artigos em ANEXO. [4] No Museu de Marinha existe uma vitrina dedicada aos vestígios da nau «Nossa Senhora dos Mártires» 2

3 ETAPA 2: PLANIFICAÇÃO DO TRABALHO Objectivos: Divulgar as embarcações portuguesas ao longo dos tempos; Promover a interdisciplinaridade; Promover os diferentes domínios da Língua Portuguesa; Desenvolver o trabalho de grupo e a cooperação; Incutir o espírito crítico, método de trabalho e de pesquisa; Promover a criatividade e imaginação; Identificar diferentes embarcações, instrumentos náuticos, técnicas de navegar e navegadores; Reflectir sobre as vantagens e desvantagens do transporte marítimo; Conhecer as implicações tecnológicas ao nível do transporte marítimo e dos portos nacionais; Conhecer as potencialidades dos transportes marítimos ao nível da cultura, recreio e lazer. Materiais: Os materiais terão de ser seleccionados de acordo com todas as iniciativas que se desenvolverão ao longo do projecto, de acordo com os recursos da escola, a imaginação dos intervenientes e o resultado pretendido. 3

4 ETAPA 3: MOTIVAÇÃO e sensibilização para o tema Visita guiada ao Museu de Marinha [5] em Lisboa ou ao Museu do Mar Rei D. Carlos [6] em Cascais. Preenchimento das fichas do Kit Pedagógico do museu de Marinha. Troca de impressões sobre o que foi observado e registado. O professor pode fazer o registo das frases para «arrumar ideias». ETAPA 4: TRABALHO DE PROJECTO preparação Sugestão: Esta etapa pode ser desenvolvida nas aulas de Língua Portuguesa. Prática escrita (trabalho individual ou em pares) Sugestão de leitura: (ver texto em anexo) Ficha de trabalho de interpretação do texto (ficha adaptada para alunos com necessidades educativas especiais) [5] O Museu de Marinha foi fundado pelo Rei D. Luís em 22 de Julho de Imediatamente após a sua criação, o Museu ficou sediado num edifício da antiga Escola Naval, em Lisboa. Em 1916, um grande incêndio destruiu irremediavelmente uma grande parte do seu património. Em 1947, recebeu um valioso legado, que lhe foi feito pelo grande coleccionador e amigo da Marinha, Sr. Henrique Seixas. Em 1948, o Museu foi transferido para o Palácio dos Condes de Farrobo, nas Laranjeiras. Por fim, em 1962, um século depois da sua fundação, foi transferido para o Mosteiro dos Jerónimos, onde actualmente se encontra. O seu património tem vindo a ser enriquecido, ao longo dos anos, com modelos construídos nas suas próprias oficinas e com muitas peças adquiridas no exterior e outras doadas por amigos do Museu. Ver: Tel.: Extensão Educativa. [6] Museu dedicado ao mar, à navegação e à pesca. Arqueologia subaquática, modelos de embarcações e tesouros recuperados de naufrágios na costa de Cascais e estuário do Tejo. Uma visita a este museu é sempre ir ao encontro de histórias de Reis, de Pescadores, de Piratas e de muitos tesouros! Inscrições de 2ª a 6ª feira, das 10h às 17hoo, pelo tel.:

5 ETAPA 5: TRABALHO DE PROJECTO: desenvolvimento/ trabalho de pesquisa Formação de grupos de trabalho; Escolha e distribuição de tarefas; Pesquisa, organização e execução de tarefas nas diferentes disciplinas; A distribuição de tarefas pelos alunos com necessidades educativas especiais deverá ser feita de acordo com as suas características e capacidades; As disciplinas intervenientes farão a distribuição das tarefas segundo a sua especificidade e produto final; A articulação dos conteúdos terá de ser feita de acordo com a proposta de actividades e na etapa adequada à intervenção de cada disciplina. Propostas de actividades que podem ser desenvolvidas ao longo do projecto: Visita de estudo para que os alunos possam observar de perto embarcações, instrumentos náuticos, etc. Tratamento das informações recolhidas. Produção de textos com todas as informações recolhidas. Preenchimento de fichas do Kit Pedagógico do Museu de Marinha. Elaboração de uma página de um Diário de Bordo. Montagem da maqueta. Elaboração de cartazes, folhetos e convites para a comunidade escolar. Preparação final dos trabalhos realizados pelos alunos. 5

6 ETAPA 6: TROCA DE IDEIAS. SELECÇÃO/ ORGANIZAÇÃO DOS MATERIAIS E DAS INFORMAÇÕES RECOLHIDAS Na aula, os alunos trocam ideias e discutem sobre os dados recolhidos. Fazem as alterações e melhoramentos considerados convenientes. Preparam a exposição final dos trabalhos dos alunos, seleccionando os materiais a serem exibidos. Os professores preparam as visitas guiadas. ETAPA 7: PRODUTO FINAL Visita guiada à Fragata D. Fernando II e Glória; Ou Visita guiada ao Farol Museu de Santa Marta em Cascais ou ao Centro de Controlo de Tráfego Marítimo VTS (Vessel Traffic System ) em Algés; Escrita de uma página de um Diário de Bordo, com registo das rotas, o estado do tempo, as terras avistadas ou qualquer episódio vivido tanto a bordo de uma embarcação como no mar; Construção de uma maqueta de uma embarcação inventada pelos alunos; Exposição de trabalhos sobre o tema; Divulgação das iniciativas através dos meios de comunicação/divulgação da escola. 6

7 ETAPA 8: AVALIAÇÃO DO TRABALHO Diálogo/ debate: decorrer do processo; produto final; resposta ao problema. Preenchimento de Fichas: Ficha de auto avaliação do aluno (do decorrer do processo e do final); Ficha de observação do professor e avaliação do projecto (do decorrer do processo e do final). ANEXOS: Lenine Rodrigues: auto didacta em construção ; Texto retirado da Revista VEGA, Outubro/ Novembro 2007; Para ser utilizado na ETAPA 4; Folheto informativo da Fragata D. Fernando II e Glória; Folheto informativo do Forte de Santa Marta; Folheto informativo do Museu da Marinha e programa de educação ambiental; Notícias. 7

8 8

9 9

10 10

11 11

12 12

13 In Jornal de Notícias,

14 14

15 15

16 16

17 17

18 In Público,

19 In Diário de Notícias,

20 In Diário Económico,

21 In Global Notícias,

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, História e Geografia de Portugal, Educação Visual e Tecnológica.

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, História e Geografia de Portugal, Educação Visual e Tecnológica. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, História e Geografia de Portugal, Educação Visual e Tecnológica. 1 Motivação. Audição e leitura de um texto (ver Anexo 1). Visita à Base Naval do Alfeite (ver

Leia mais

1 Motivação. 2 Definição do Tema. . Visita a uma loja de vestuário de carnaval VAMOS VESTIR O MAR

1 Motivação. 2 Definição do Tema. . Visita a uma loja de vestuário de carnaval VAMOS VESTIR O MAR Disciplinas intervenientes Educação Visual e Tecnológica, Língua Portuguesa, Ciências da Natureza e História. 1 Motivação. Visita a uma loja de vestuário de carnaval ou. Visita ao Oceanário de Lisboa ou

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

INDICE. 1. Introdução 3. 2. Objectivos 4. 3. Público alvo 4. 4. Material 4. 5. Conteúdos programáticos 5. 6. Actividades Propostas 5

INDICE. 1. Introdução 3. 2. Objectivos 4. 3. Público alvo 4. 4. Material 4. 5. Conteúdos programáticos 5. 6. Actividades Propostas 5 INTRODUÇÃO INDICE 1. Introdução 3 2. Objectivos 4 3. Público alvo 4 4. Material 4 5. Conteúdos programáticos 5 6. Actividades Propostas 5 7. Descrição das Actividades 6 7.1 Formação em sala de aula: 6

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos. Ateliê "Animais do Mundo" (Pré-escolar) - 48 alunos:

Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos. Ateliê Animais do Mundo (Pré-escolar) - 48 alunos: Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos Ateliê "Animais do Mundo" (Pré-escolar) - 48 alunos: Era uma vez um rei chamado Manuel I que gostava de animais... Através da história deste Mosteiro, iremos

Leia mais

A. A sala dos professores

A. A sala dos professores A. A sala dos professores Esta iniciativa tem como objectivo promover o contacto e o intercâmbio de informação entre os professores e o parque, bem como facilitar a programação e fruição das nossas actividades.

Leia mais

ROV s robots submarinos. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, Educação Visual e Tecnológica, Ciências Naturais, Língua Inglesa.

ROV s robots submarinos. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, Educação Visual e Tecnológica, Ciências Naturais, Língua Inglesa. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, Educação Visual e Tecnológica, Ciências Naturais, Língua Inglesa. 1 Motivação. Visita ao Instituto Hidrográfico ou. Visita a um Veículo de Operação Remota

Leia mais

Exposição "Há pesca em Vila do Conde"

Exposição Há pesca em Vila do Conde 1 Exposição "Há pesca em Vila do Conde" 27 de Agosto 13 de Novembro 2009 CMIA de Vila do Conde I - Temática Localizada na margem Norte da foz do rio Ave, Vila do Conde é um importante centro industrial,

Leia mais

REGULAMENTO. Este projecto é composto por exposições fotográficas em espaço público, espectáculos e conferências;

REGULAMENTO. Este projecto é composto por exposições fotográficas em espaço público, espectáculos e conferências; REGULAMENTO Master Class Entre Margens 2013 [ Kameraphoto ] Enquadramento: Entre Margens, promovido pela Fundação Museu do Douro e com autoria e direcção artística da Procur.arte - Associação Cultural,

Leia mais

Equipa de Animação Pedagógica Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém

Equipa de Animação Pedagógica Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém Visita com Atelier -Animais do Mundo Era uma vez um rei chamado Manuel I que gostava de animais... Vamos através da história deste Mosteiro, conhecer os animais que no séc. XVI chegavam a Lisboa vindos

Leia mais

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 1. Enquadramento O Serviço Educativo da Casa das Histórias Paula Rego é entendido como um sector de programação que visa uma mediação significativa entre

Leia mais

Doutoramento em História e Filosofia das Ciências 2014-2015

Doutoramento em História e Filosofia das Ciências 2014-2015 Doutoramento em História e Filosofia das Ciências 2014-2015 Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências Contactos: Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências Faculdade de Ciências da

Leia mais

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013 2013 Acções de Formação AGEPOR Código IMDG 1ª Edição Início: Lisboa: 12 Junho 2013 Porto: 13 Junho 2013 AGEPOR Associação dos Agentes de Navegação de Portugal Tipo de Acção: Formação Tema: Código IMDG

Leia mais

A Caravela - Texto pedagógico

A Caravela - Texto pedagógico A Caravela - Texto pedagógico Nota prévia Os navios das descobertas serão sempre um tema inspirador para as nossas crianças. Fruto do trabalho e engenho dos homens desse tempo, a Caravela constituirá agora

Leia mais

Programa de Treino de Mar

Programa de Treino de Mar ÍNDICE 1 - APORVELA 1.1 Objectivos 1.2 - Parceiros 1.3 - Programa Jovens e o Mar 2 - PROGRAMA JOVENS E O MAR 3 - TREINO DE MAR 3.1 Treino de Mar 3.2 Organização a Bordo 3.3 Actividades a Bordo e em Terra

Leia mais

EMBARQUEM NUMA AVENTURA E NUMA AULA DE HISTÓRIA VIVA!

EMBARQUEM NUMA AVENTURA E NUMA AULA DE HISTÓRIA VIVA! EMBARQUEM NUMA AVENTURA E NUMA AULA DE HISTÓRIA VIVA! Em parceria com: PARA RESERVAR VISITA 1. Reúna toda a informação necessária Dia e horário pretendidos*; número de participantes; idades/ciclo de ensino;

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

Oficina do aluno empreendedor

Oficina do aluno empreendedor Agrupamento de Escolas das Taipas Oficina do aluno empreendedor 1. Estrutura organizacional Coordenador: José Alberto Castro Grupo de Recrutamento: EVT (240) Departamento: Expressões Composição do grupo

Leia mais

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012 Projecto de Empreendedorismo nas Escolas ano lectivo 2011/2012 As Fases do Projecto ANO LECTIVO 2011/2012 Fase a fase Formação de Professores Disseminação do projecto Ateliers de Criatividade 4 acções

Leia mais

VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS

VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS A Secção Regional do Norte da Ordem dos Arquitectos (OASRN) convida todas as Instituições de Ensino da Região Norte, a participar na 2ª edição

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

II Jornadas de Museologia da Chapelaria Brincar com Património

II Jornadas de Museologia da Chapelaria Brincar com Património II Jornadas de Museologia da Chapelaria 09 e 10 de Novembro Museu da Chapelaria de S. João da Madeira Os museus são hoje espaços de intervenção pedagógica que se assumem cada vez mais como interessantes

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

09/10. Projecto Plano Nacional de Leitura. Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar. Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9

09/10. Projecto Plano Nacional de Leitura. Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar. Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9 Projecto Plano Nacional de Leitura 09/10 Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9 Índice 1. Introdução 3 2. Avaliação das actividades realizadas / Resultados alcançados

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Programa de Incentivo em Lisboa Top Vip

Programa de Incentivo em Lisboa Top Vip Programa de Incentivo em Lisboa Top Vip Dia 1 Chegada dos participantes. Transfere para Belém em autocarro com acompanhamento de guia. Em Belém, área dedicada ao período das Descobertas, iremos encontrar

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013.2014 Fernando Ferreira 09-06-2014 Escolha um item. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE CÓDIGO DA ATIVIDADE LA12 DESIGNAÇÃO DA ATIVIDADE Concurso Escolar Rede Europeia e Global

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Programa Educativo do Centro de Arqueologia de Almada 2014/2015

Programa Educativo do Centro de Arqueologia de Almada 2014/2015 Programa Educativo do Centro de Arqueologia de Almada 2014/2015 Educação Patrimonial: Trabalho educacional centrado no Património Cultural como fonte primária de conhecimento e enriquecimento individual

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO No ano de 2015 em que o PCG PLANETÁRIO CALOUSTE GULBENKIAN celebra o seu quinquagésimo aniversário, irá decorrer a exposição 50 Anos, 50 Artistas Um olhar sobre o Planetário regulada pelo presente diploma.

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº 1 (150745) Actividades/Iniciativas Objectivos Intervenientes/ Público-alvo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº 1 (150745) Actividades/Iniciativas Objectivos Intervenientes/ Público-alvo Escola E.B. 2,3 de Toutosa Ano letivo: 2013/2014 PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR D Gestão da BE Actividades diárias: ü Orientação do serviço das Assistentes Operacionais ü Orientação do trabalho

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense DESIGNAÇÃO OLHAR A FOTOGRAFIA,... DE OUTRO MODO LOCAL CLUB SETUBALENSE CARGA HORÁRIA - Nº de horas teóricas 28 h (4 módulos) - Nº de horas práticas (recolha

Leia mais

Conhecer e partilhar para inovar na Educação. Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas

Conhecer e partilhar para inovar na Educação. Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas Conhecer e partilhar para inovar na Educação Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas Missão da escola Não perdendo de vista o contexto da sociedade actual em constante

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ANO LETIVO 2014/15 Rua José Régio 4490-648 Póvoa de Varzim CRITÉRIOS

Leia mais

REGULAMENTO DE BANDA DESENHADA E DE CARTOONS. Pretende-se que os concorrentes abordem o tema o Advogado, o Cidadão e a Justiça.

REGULAMENTO DE BANDA DESENHADA E DE CARTOONS. Pretende-se que os concorrentes abordem o tema o Advogado, o Cidadão e a Justiça. 1. Tema: REGULAMENTO DE BANDA DESENHADA E DE CARTOONS Pretende-se que os concorrentes abordem o tema o Advogado, o Cidadão e a Justiça. 2. Formas de participação: 2.1. Os concorrentes podem apresentar

Leia mais

Distrito de Faro Concelho de Olhão PARQUE NATURAL DA RIA FORMOSA

Distrito de Faro Concelho de Olhão PARQUE NATURAL DA RIA FORMOSA Distrito de Faro Concelho de Olhão PARQUE NATURAL DA RIA FORMOSA Galinha sultana porphyrio porphyrio HISTORIAL Data da Fundação: 1991 Breve Historial: O Centro de Educação Ambiental de Marim foi criado

Leia mais

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO FICHA DE PRODUTO O Liberty Vela é um Seguro de Embarcações Particulares de Recreio que garante os danos de Pequenas é Medias Embarcações à Vela, dos respectivos ocupantes, bem como danos causados a terceiros.

Leia mais

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Encontro Internacional de Negócios Lisboa, 29 de Novembro de 2013 INTRODUÇÃO As PME portuguesas têm vindo a atravessar bastantes dificuldades

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL. ------------8 de MAIO - 9H30 ÀS 12H40 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO APOIO

VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL. ------------8 de MAIO - 9H30 ÀS 12H40 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO APOIO VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO ------------8 de MAIO - 9H30 ÀS 12H40 APOIO VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL As mensagens

Leia mais

CONCURSO CONCEPÇÃO DA IMAGEM CORPORATIVA DO CACCAU COM O APOIO:

CONCURSO CONCEPÇÃO DA IMAGEM CORPORATIVA DO CACCAU COM O APOIO: CONCURSO CONCEPÇÃO DA IMAGEM CORPORATIVA DO CACCAU COM O APOIO: 1. PREÂMBULO Com base nas diversas necessidades identificadas pela Agência INOVA ao nível do empreendedorismo cultural e criativo, foi concebido

Leia mais

Vamos Vestir o Mar Nível de ensino: Articulação Curricular: 5.º ano Ciências Naturais

Vamos Vestir o Mar Nível de ensino: Articulação Curricular: 5.º ano Ciências Naturais Vamos Vestir o Mar Nível de ensino: 5.º, 6.º, 7.º, 8.º e 9.º ano As atividades desta ficha deverão ser realizadas de forma interdisciplinar Articulação Curricular: 5.º ano Ciências Naturais no domínio

Leia mais

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Criar ambientes de partilha; Proporcionar momentos de incentivo à leitura e ao relevo das ilustrações; Facilitar e promover a criatividade e imaginação;

Leia mais

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura Espaço de Arquitectura O Espaço de Arquitectura é um portal dedicado à Arquitectura em Portugal, que assumiu o seu posicionamento em 2010, com o propósito de privilegiar a proximidade entre arquitectos

Leia mais

PROGRAMA DE SENSIBILIZAÇÃO DE CASCAIS

PROGRAMA DE SENSIBILIZAÇÃO DE CASCAIS PROGRAMA DE SENSIBILIZAÇÃO DE CASCAIS Ano letivo 2012/2013 TEMA VAMOS ADOTAR UMA RIBEIRA. ÂMBITO Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável 2005-2014 e a Década da Biodiversidade

Leia mais

Zona Antiga. - Guia de Exploração

Zona Antiga. - Guia de Exploração Serviço Educativo e de Divulgação Zona Antiga - Guia de Exploração Planta do Castelo de Albufeira 1607-1617, in: IANTT - TTOnline Zona Antiga de Albufeira Guia de Exploração - Apresentação Este pequeno

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo Empreendedorismo e Organização da Empresa Público-Alvo Formandos que pretendam adquirir um conjunto de conhecimentos e competências na área empresarial, que lhes permita alargar a sua compreensão e posterior

Leia mais

CLUBE DE FRANCÊS PROPOSTA PARA O ANO LECTIVO 2010/2011

CLUBE DE FRANCÊS PROPOSTA PARA O ANO LECTIVO 2010/2011 CLUBE DE FRANCÊS PROPOSTA PARA O ANO LECTIVO 2010/2011 Responsável pelo Clube de Francês Profª Ana Serra CLUBE DE FRANCÊS PROPOSTA - ANO LECTIVO 2010/2011 INTRODUÇÃO O Francês, como língua estrangeira

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE DESIGN PRODUTOS DE MERCHANDISING

REGULAMENTO CONCURSO DE DESIGN PRODUTOS DE MERCHANDISING REGULAMENTO CONCURSO DE DESIGN PRODUTOS DE MERCHANDISING Promotor: Organização: // 1. PREÂMBULO O Chapitô é um projecto em que a Formação, a Criação, a Animação e a Intervenção promovem, dia a dia, cruzamentos

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

Breve Historial do Portal CienciaPT

Breve Historial do Portal CienciaPT Breve Historial do Portal CienciaPT O Portal CienciaPT, lançado oficialmente em Novembro de 2003, durante a semana da Ciência & Tecnologia da U. de Aveiro, está presente em mais de 50 Universidades e Institutos

Leia mais

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA 2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Gestão Inteligente e Competitividade 15 de Setembro 2011 Museu da Carris Conheça as estratégias nacionais e internacionais para uma gestão eficiente da mobilidade urbana

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico Plano de Formação para a Certificação de Competências TIC Nível 2-2010 C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico - TURMA C - Formadores: Eunice Macedo

Leia mais

Associação Portuguesa de Classe Access

Associação Portuguesa de Classe Access Associação Portuguesa de Classe Access Um pouco de historia Novembro de 2001- Chegada a Portugal dos primeiros ACCESS. Fevereiro de 2005 - Reunião da APVA, Figueira da Foz: estimava-se que existiam 30

Leia mais

Revista de Imprensa. 10 - Jornal de Cascais, 10-02-2009, Educação e sensibilização ambiental para os alunos de Cascais

Revista de Imprensa. 10 - Jornal de Cascais, 10-02-2009, Educação e sensibilização ambiental para os alunos de Cascais Revista de Imprensa Agenda 21 1 - Jornal de Cascais, 10-02-2009, Educação e sensibilização ambiental para os alunos de Cascais 2 - Jornal da Costa do Sol, 05-02-2009, Ambiente de Cascais chegou a Seia

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2015/2016 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

Centro de Arqueologia de Almada Actividades de Educação Patrimonial. Campo de Simulação Arqueológica

Centro de Arqueologia de Almada Actividades de Educação Patrimonial. Campo de Simulação Arqueológica Centro de Arqueologia de Almada Actividades de Educação Patrimonial Facilitar a apropriação de memórias colectivas pelas novas gerações. O departamento pedagógico do Centro de Arqueologia de Almada, vocacionado

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

UMA VISÃO! HOLÍSTICA DO ISCIA

UMA VISÃO! HOLÍSTICA DO ISCIA 2013.11.14 II Congreso ÂNCORA FEEM - Fórum Empresarial da Economia do Mar UMA VISÃO! HOLÍSTICA DO ISCIA Armando Teixeira Carneiro! Director do ISCIA Instituição portuguesa de ensino superior, do subsistema

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR: Registo Internacional de Navios da Madeira S.D.M. - Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, S.A. Rua da Mouraria, n.º 9-1.º P. O. Box 4164, 9001-801

Leia mais

Distrito de Lisboa Concelho de Oeiras PÓLO MUSEOLÓGICO DA DIRECÇÃO DE FARÓIS

Distrito de Lisboa Concelho de Oeiras PÓLO MUSEOLÓGICO DA DIRECÇÃO DE FARÓIS Distrito de Lisboa Concelho de Oeiras PÓLO MUSEOLÓGICO DA DIRECÇÃO DE FARÓIS HISTORIAL Data da Fundação: 1984. Breve Historial: Quando nos anos 80 se iniciou mais uma significativa modernização do Assinalamento

Leia mais

2ª Edição - 2011. Projecto de Voluntariado em Moçambique

2ª Edição - 2011. Projecto de Voluntariado em Moçambique 2ª Edição - 2011 Projecto de Voluntariado em Moçambique AIDGLOBAL: breve apresentação A AIDGLOBAL Acção e Integração para o Desenvolvimento Global é uma Organização Não Governamental que desenvolve projectos

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Plano de Aula 1 Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Competências - Comparar as taxas associadas aos diferenets cartões de crédito. - Comparar as taxas com a inflação.

Leia mais

Fica o convite para mais um ano de experiências interativas e sensoriais num Museu que é de todos e para todos.

Fica o convite para mais um ano de experiências interativas e sensoriais num Museu que é de todos e para todos. Antigo espaço de encontro e de comunicação em torno do comércio e das mercadorias, a Alfândega é agora a casa do Museu dos Transportes e Comunicações, que tem vindo a construir e a solidificar uma relação

Leia mais

Index of VWC Networked Interaction tasks for Portuguese

Index of VWC Networked Interaction tasks for Portuguese Networked Interaction in Foreign Language Acquisition and Research Grant Agreement Number - 2008 4467 / 001-001 NIFLAR Index of VWC Networked Interaction tasks for Portuguese Deliverable number Dissemination

Leia mais

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Balanço 2009/2010 No segundo ano (2009/2010) de implementação do projecto Nestum Rugby nas Escolas, projecto este que resulta da parceria entre a Federação Portuguesa

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA A AMI é uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, privada, independente, apolítica e sem fins

Leia mais

Proposta de actividades pré e pós congresso EA Lusófono

Proposta de actividades pré e pós congresso EA Lusófono Proposta de actividades pré e pós congresso EA Lusófono A impactrip é uma promotora de viagens que combate as desigualdades sociais através do turismo solidário em Portugal. A nossa missão é promover experiências

Leia mais

WEBSITE SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

WEBSITE SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE WEBSITE SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Novo Website Vulcano 03 Descubra toda a informação do website Vulcano 04 Área de acesso profissional 06 E-Newsletter Vulcano também com nova imagem 07 02 SOLUÇÕES

Leia mais

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual)

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém Código: 135513 NIFPC: 600075907 Escola Secundária Padre António Macedo Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) 2007/2014 Luísa Maria

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

1ª Edição Turismo e Voluntariado em Moçambique

1ª Edição Turismo e Voluntariado em Moçambique TU-Voluntário 1ª Edição Turismo e Voluntariado em Moçambique A AIDGLOBAL A AIDGLOBAL Acção e Integração para o Desenvolvimento Global é uma Organização Não Governamental que desenvolve projectos nas seguintes

Leia mais

CONCURSO Criação Carta de Vinhos/Ementa Comemoração dos 60 Anos da Adega de Portalegre

CONCURSO Criação Carta de Vinhos/Ementa Comemoração dos 60 Anos da Adega de Portalegre CONCURSO Criação Carta de Vinhos/Ementa Comemoração dos 60 Anos da Adega de Portalegre REGULAMENTO DO CONCURSO Criação Carta de Vinhos/Ementa Comemoração dos 60 Anos da Adega de Portalegre 1.Natureza O

Leia mais

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE O Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE, visa dar a conhecer a forma como a CMMN pretende continuar a divulgar os resultados obtidos ao longo do projecto GAPS. Dividido em duas partes, a primeira tem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal aposta no Sistema Educativo Formação e Criação de Novas Infra-Estruturas UMA OPORTUNIDADE PARA O SEU SECTOR CO-FINANCIADO 75% 1ª PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA DA FILEIRA DA EDUCAÇÃO AIP - Feiras, Congressos

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 Preparado para mais um Serralves em Festa? É já nos dias 2 e 3 de Junho que se realiza mais uma edição do Serralves

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2010/2011. Área Disciplinar: Português

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2010/2011. Área Disciplinar: Português Ida ao teatro: Um eléctrico chamado desejo, de Tenessee Williams - Contribuir para o desenvolvimento, nos alunos, de estratégias de escuta global e selectiva; - Proporcionar aos alunos a oportunidade de

Leia mais

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM DO MAR 2015 Apresentação da MARE STARTUP Inovação empresarial e formação Francisco Beirão Exponor, 18 de Novembro 2015 APRESENTAÇÃO 1.QuemSomos 2.PortugalMarítimo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

AS VIAGENS DO ZAMBUJINHO

AS VIAGENS DO ZAMBUJINHO AS VIAGENS DO ZAMBUJINHO Necessidade: crianças/jovens desconhecem o Concelho que é extenso geograficamente e atípico em termos de identidade cultural Conselho Municipal de Educação; representante Juntas

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

HORÁRIOS DA V SEMANA CIARTEC

HORÁRIOS DA V SEMANA CIARTEC HORÁRIOS DA V SEMANA CIARTEC ORIENTAÇÕES: - Os alunos devem aguardar o professor na sala de aula às 7h15 min. Após o recreio os alunos também devem aguardar o professor na sala de aula. Só farão as visitas

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO MÊS DE MARÇO (2007) Introdução: Actividades:

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO MÊS DE MARÇO (2007) Introdução: Actividades: Centro de Interpretação Geológica de Canelas Lugar de Cima 4540-252 Canelas Arouca RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO MÊS DE MARÇO (2007) Introdução: O presente relatório enumera e descreve de um modo sucinto

Leia mais

Manual do Professor Como organizar o jogo da Serpente Papa-Léguas na sua escola

Manual do Professor Como organizar o jogo da Serpente Papa-Léguas na sua escola Manual do Professor Como organizar o jogo da Serpente Papa-Léguas na sua escola Índice 1 1. INTRODUÇÃO 3 1.1 O que é o jogo da Serpente Papa-Léguas? 3 1.2 Por quê este jogo? 3 1.3 Calendarização 3 2. O

Leia mais

Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima

Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima CNAI 10 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima Victor F. Plácido da Conceição Vila Real Trás-os-Montes, 20 de Outubro de 2010 Agenda 1. O Instituto

Leia mais