CÁRITAS DA ILHA TERCEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÁRITAS DA ILHA TERCEIRA"

Transcrição

1 CÁRITAS DA ILHA TERCEIRA Agua, Fonte de Vida, Património da Humanidade RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2006

2 Índice INTRODUÇÃO... 2 EQUIPAMENTOS... 4 ÓRGÃOS SOCIAIS DA CÁRITAS DA5 ILHA TERCEIRA UNIDADE DE ANIMAÇÃO PASTORAL CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA MÃE DE DEUS PROJECTO DE ANIMAÇÃO DE RUA UNIDADE DE FORMAÇÃO DA CÁRITAS PROJECTO FREE (Formação Reabilitadora em Espaços Externos) Projecto ITINERIS Sistema de Aprendizagens Globais para a Empregabilidade BOLSA DE EMPREGO SOLIDÁRIO FORMAÇÃO PARA TÉCNICOS SOCIAIS CENTRO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO PSICOSSOCIAL A JOVENS EM RISCO NOSSA CASA/MINHA CASA UNIDADE DE INTERVENÇÃO SÓCIO-CARITATIVA DISTRIBUIÇÃO DE EXCEDENTES DA UNIÃO EUROPEIA UNIDADE DE CAMPANHAS Semana Cáritas Cooperação Internacional com Cabo Verde Cooperação Internacional com Moçambique Milhões de Estrelas Um Gesto pela Paz CONGRESSOS, SEMINÁRIOS E CONFERÊNCIAS CONSELHO GERAL DA CÁRITAS PORTUGUESA SEMINÁRIO Inclusão Social, Desenvolvimento Local e Economia Solidária UNIDADE DE COMUNICAÇÃO E IMAGEM SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS RESULTADOS LIQUIDOS DO EXERCÍCIO DE

3 INTRODUÇÃO A Cáritas da Ilha Terceira é, na Ilha, o organismo oficial da Igreja com especiais responsabilidades na animação, divulgação e implementação no terreno da Pastoral Social, cumprindo, assim, a missão da Igreja. É, também, ela própria, uma Instituição de Solidariedade Social que procura promover acções que minimizem o sofrimento dos grupos sociais mais vulneráveis. Pela sua natureza, a sua acção de âmbito social naquilo que ela envolve de compromisso com o próximo, de amor, cuidado e carinho para com o irmão mais desfavorecido, que enforma toda a actividade da Cáritas, não é mensurável. Porém, como estrutura organizada que se rege por planos, procura atingir objectivos e vive de donativos dos cristãos e de verbas que para ela são canalizadas por organismos oficiais ao abrigo de Protocolos de Colaboração, deve prestar contas e avaliar permanentemente as suas iniciativas. O presente relatório, naquilo que pode ser traduzido em palavras e quantificado em números, pretende dar conta do que se fez, com quem se fez e que recursos foram utilizados na actividade social da Cáritas da Ilha Terceira ao longo do ano de A Cáritas, numa perspectiva moderna e ciente de que o caminho para a promoção social passa por dotar os cidadãos dos saberes e das competências para poderem construir o seu futuro num mundo em transformação acelerada, faz sentir a sua acção de promoção, protecção, formação e reinserção, predominantemente nas áreas da infância, da juventude e de outros públicos com problemas de exclusão. Paralelamente continua a assistir uma população fragilizada pelo desemprego, pelos baixos rendimentos, pela doença e pela velhice, vivendo permanentemente em crise numa sociedade ela própria em crise, que já não encontra em si as energias para seguir em frente e sair da faixa dos mais excluídos entre os excluídos. Mantém-se, ainda, atenta a situações de carência extrema noutras regiões do Mundo desenvolvendo, pontualmente, campanhas de solidariedade a favor dessas regiões, por iniciativa própria ou integradas em programas de cooperação internacional. 2

4 Por fim, a Cáritas investe na animação pastoral procurando sensibilizar os cristãos para o levantamento de situações de precariedade social e para o consequente desenvolvimento de acções que ajudem a combater a pobreza e a exclusão. O presente Relatório foi organizado por unidades de intervenção e projectos. De cada unidade ou projecto são apresentados, de maneira sucinta, os objectivos, os destinatários, as actividades desenvolvidas, os espaços físicos disponibilizados, os recursos humanos afectados e as entidades ou fundos que os financiam. Uma palavra final de apreço para todas as entidades que colaboraram com a Cáritas, em parcerias oficializadas ou informais neste meritório trabalho da maior relevância social. Os nossos agradecimentos aos companheiros de direcção, técnicos e funcionários da casa e aos inúmeros voluntários que, agrupados nos Núcleos Paroquiais ou não, connosco ajudaram a tornar menos penoso o dia a dia das famílias que nos procuraram e em nós depositaram alguma esperança. Angra do Heroísmo, 22 de Março de 2007 A Presidente da Direcção, Anabela Ferreira Rafael Silveira de Borba 3

5 EQUIPAMENTOS Foto 1 Sede da Cáritas Ilha Terceira Foto 3 Lar de Santa Maria Goretti Foto 2 Jardim-de-Infância da Mãe de Deus Foto 4 Antiga Escola de São João de Deus- Atelier do Projecto de Animação de Rua 4

6 ÓRGÃOS SOCIAIS DA CÁRITAS DA ILHA TERCEIRA ASSEMBLEIA GERAL: Presidente: Secretário: Vogal: Francisco José Duarte Pimentel Albertina Toledo Soares Diana Maria Capote Sales Lopes DIRECÇÃO: Presidente: Vice-presidente: Secretária: Tesoureira: Vogais: Anabela Ferreira Rafael Silveira de Borba Maria Fernanda Evangelho Rocha Anabela Martins de Andrade Albuquerque Mancebo Maria Lúcia Toste Caetano Duarte Manuel Bettencourt Mendes Gonçalo Maria de Sousa Pereira Forjaz de Lacerda Isabel Cristina Ferreira Jorge Oliveira Carreiro Maria do Natal Borges das Neves Drumonde Assistente: Pe. Francisco Dolores Monteiro Borges de Medeiros CO SELHO FISCAL: Presidente: Vogais: António Maria Costa Rebelo Rogério de Azevedo Ferreira dos Santos Maria de Fátima Mendes Rocha Pires 5

7 1- UNIDADE DE ANIMAÇÃO PASTORAL Público alvo Cristãos com preocupações sociais Objectivos Sensibilizar os cristãos para o levantamento das situações de precariedade social e para o consequente desenvolvimento de acções que ajudem a combater a pobreza e a exclusão. Número de beneficiários Os cristãos de todas as paróquias da Ilha. Actividades - Foram realizadas acções de sensibilização nas paróquias de Altares, Cabo da Praia, Lajes, Porto Judeu, Porto Martins, Praia da Vitória, Ribeirinha, S. Brás, S. Pedro, Terra Chã e Vila Nova; - Realizaram-se dois cursos sobre Direitos Humanos, na Terra Chã e Posto Santo, respectivamente; - Reuniu-se com Grupos de Jovens para os sensibilizar para a responsabilidade social; - Efectuaram-se palestras de divulgação dos objectivos da Cáritas; - Em colaboração com outras entidades, promoveu-se a vinda de um irmão responsável pela comunidade Taizé que esteve na Ilha Terceira orientando uma jornada de sensibilização da juventude; - No âmbito da Semana Cáritas, realizou-se uma vigília de oração de Taizé. Recursos humanos 2 Voluntárias, uma das quais exclusivamente dedicada a esta área. Financiamento Proventos originários do peditório anual a favor da Cáritas. 6

8 2- CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA MÃE DE DEUS Localização A Creche e Jardim-de-Infância Mãe de Deus fica localizada na Rua Ribeira dos Moinhos S. João de Deus. População alvo Estas valências destinam-se a crianças dos 3 meses aos 3 anos, no que respeita à Creche, e dos 3 anos aos 6 anos, no Jardim-de- Infância. Objectivos da Creche - Promover o bem-estar e o desenvolvimento integral da criança num clima de segurança afectivo e físico durante o afastamento parcial do seu meio familiar através de um atendimento individualizado; - Colaborar com a família numa partilha de cuidados no processo evolutivo da criança; - Colaborar no despiste de qualquer deficiência ou inadaptação assegurando o seu encaminhamento/acompanhamento adequado. Objectivos do Jardim-de- Infância - Promover o desenvolvimento global e harmonioso da criança aos níveis emocional, físico e psíquico; - Desenvolver a autonomia ajudando a criança a promover hábitos de higiene e segurança capazes de facilitar um estilo de vida saudável e as relações com os seu próximos; - Proporcionar a construção da identidade cultural da criança, o seu conhecimento da diversidade do mundo nas suas manifestações físicas e sociais, promovendo na criança o respeito por si e pelo outro; - Promover na criança a prática de comportamentos saudáveis no que diz respeito à natureza e ao mundo que a rodeia; Desenvolver a motricidade global através de momentos de psicomotricidade, procurando realizar acções adequadas com 7

9 correcção e oportunidade; - Entrar em contacto com novas tecnologias, através do contacto com o computador; - Promover o conhecimento de si e do corpo, através da educação sexual tomando conhecimento da nomenclatura adequada; Crianças que frequentam o estabelecimento Feminino Masculino Total Creche Jardim-de-infância Total Actividades Tendo em conta o papel determinante do Jardim-de-infância na exploração e participação activa nos eventos relativos às tradições e costumes da nossa ilha, promoveu-se uma série de actividades interagindo com a comunidade: - Dia de amigos e amigas - confeccionaram-se o lanche e os adereços destinados à festa; - Dia do pai e da mãe elaboraram-se presentes e postais. A sala dos três anos entregou os mesmos num lanche convívio; - Dia do idoso - a sala dos cinco anos deslocou-se a uma instituição de terceira idade: As Mónicas. Os meninos animaram o público presente cantando e distribuindo lembranças; - Pão por Deus confeccionaram-se as sacas utilizadas nos pedidos de casa em casa; ; - Carnaval - decorou-se o salão onde teve lugar o Assalto e participou-se no desfile de Carnaval na rua da Sé; - Páscoa confeccionaram-se as cestas e elementos decorativos; - Natal apelou-se ao sentido religioso implícito nesta quadra e organizou-se uma festa com uma peça alusiva ao tema; - Na sequência de um projecto sobre a alimentação, as crianças das salas dos três e cinco anos fizeram sopa, biscoitos e doce de uva; - Iniciou-se o projecto da horta pedagógica, complementada com experiências científicas, na sala, relacionadas com a horticultura; - Outro projecto implementado, focou-se em costumes e hábitos de 8

10 outros povos. Como tal, as crianças tiveram a oportunidade de provar sabores gastronómicos diferentes. - Por iniciativa das crianças da sala dos cinco anos, construíram-se maquetas do sistema solar; - Realizaram-se visitas de estudo à Furna da Água, como forma de complementar o projecto acerca do ciclo da água, e aos bombeiros voluntários de Angra do Heroísmo, quando se abordou os transportes; - Na época própria as crianças visitaram um altar do Espírito Santo numa casa particular e participaram nos festejos. Recursos humanos Valência Educad. Auxil. Enfer. Cozinh. Aux Coz. Serv. Gerais Creche J.Infância Financiamento Por acordo de cooperação com o Instituto de Acção Social. Foto 5: Festa do dia da mãe no Jardim-de-Infância 9

11 3- PROJECTO DE ANIMAÇÃO DE RUA Localização O Projecto de Animação de Rua funciona nas antigas instalação da Escola Primária de S. João de Deus. População alvo Crianças e jovens em risco, com idades compreendidas entre os 6 e 16 anos, predominantemente do Bairro do Lameirinho e São João de Deus. Objectivos Alguns dados Combater o absentismo escolar, identificar sinais de maustratos e comportamentos desviantes procedendo à respectiva sinalização, contribuir para um sentido de comunidade no Bairro do Lameirinho quer pelo trabalho junto das instituições daquela área geográfica (escola do 1º ciclo, Junta de Freguesia, entre outras), quer pelo desenvolvimento de acções que promovam o contacto intergeracional, nomeadamente com os idosos daquela zona, procurando ainda promover estilos de vida saudáveis, nas mais variadas vertentes. Casos de Média diária Giros absentismo Inscritos em atelier efectuados detectados 208 (1) (1) Giros feitos na cidade para detectar casos de absentismo escolar e risco eminente para crianças e jovens. Actividades - Cantar as Janeiras no bairro do Lameirinho; - Participação no desfile de Carnaval na Rua da Sé com o tema O Circo ; - Celebração do dia de amigos e amigas; - Construção de um Mega Maio com o intuito de entrar para o Guinness; - Jantar da Páscoa com distribuição de amêndoas; 10

12 - Visita de estudo à Panificação para ver a confecção de amêndoas e confeitos; - Preparação e realização do almoço do Espírito Santo, terço e bazar; - Idas a zonas balneares, passeios, piqueniques e churrascos em zonas de recreio (e.g. Monte Brasil, zona verde de São Braz, Viveiros, Lagoa das Patas, Cinco Ribeiras, Salga, Salgueiros, Prainha, entre outros); - Participação no projecto Ondinha amigo, Verão prevenido, que movimentou 277 crianças e jovens; - Preparação de trabalhos para venda (colares, brincos, objectos decorativos, etc.), com o intuito de angariar fundos para a viagem de verão; - Realização de trabalhos alusivos ao Natal (postais, cartazes, objectos decorativos, etc.); - Participação no Conselho Nacional da Cáritas com a exposição e venda de trabalhos das crianças; - Participação no 10 milhões de estrelas com a apresentação de Um poema para os meus avós e venda de velas; - Celebração do Natal com a organização da Ceia de Natal, distribuição de presentes, representação dramática e realização de jogos; Recursos humanos Para além das actividades descritas, no Atelier de animação de Rua é fornecido às crianças diariamente um lanche, sendo as que desejarem, acompanhadas na realização de trabalhos de casa. A equipa de Animação de Rua é composta por 3 animadores, 1 educadora de infância e 1 psicólogo em part time 11

13 Foto 6: Actividade com o grupo de Animação de Rua 12

14 4- UNIDADE DE FORMAÇÃO DA CÁRITAS PROJECTO FREE (Formação Reabilitadora em Espaços Externos) Público alvo Objectivos Reclusos e ex-reclusos com baixos níveis de escolaridade e de formação profissional, com idades compreendidas entre os 18 e os 55 anos. Proceder à orientação, formação e inserção de reclusos, ex-reclusos e familiares. Número de beneficiários Foram abrangidos pelo projecto um total de 16 reclusos, dos quais 11 continuam em formação, 3 permanecem a ser acompanhados no exterior pelo projecto FREE e 2 abandonaram a formação. Um dos reclusos abandonou o projecto por motivos disciplinares e por decisão unilateral do Estabelecimento Prisional Regional de Angra do Heroísmo, enquanto o outro preferiu uma alternativa de trabalho no exterior a continuar em formação. Actividades Durante o ano de 2006 as actividades decorreram semanalmente, com uma duração total de 30 horas semanais. A formação incluiu duas áreas: - Formação académica com equivalência ao 9º ano; - Formação profissional com certificação de nível II. A formação académica incluiu as seguintes áreas: Linguagem e Comunicação; Inglês; Matemática para a Vida; Cidadania e Empregabilidade; Tecnologias da Informação e Comunicação; 13

15 Competências Pessoais e Sociais. A formação profissional foi realizada na área de carpintaria. Foram realizadas outras actividades inseridas na actividade lectiva, das quais se destacam: - Participação na festa do 25 de Abril, realizada no Estabelecimento Prisional Regional de Angra do Heroísmo; - Desenvolvimento de actividades no âmbito do Plano Regional para a Promoção de Comportamentos Saudáveis e de Prevenção de Comportamentos de Risco. Recursos humanos Equipa técnica : 1 Coordenadora Pedagógica; 1 Integrador Sócio-profissional e coordenador de curso; 1 Responsável pela Formação; 1 Formadora de competências pessoais e sociais; 1 Formador na área de educação para a saúde. Formadores: Estiveram em colaboração com o projecto FREE um total de cinco formadores, dos quais 4 estiveram em permanência. Espaço físico utilizado Estabelecimento Prisional Regional de Angra do Heroísmo e Cadeia de Apoio da Horta. Financiamento Este projecto é financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL, do Fundo Social Europeu, pelo Instituto de Acção Social e pela Direcção Regional da Educação. O financiamento advém de orçamento próprio do projecto, subsídios eventuais do Instituto de Acção Social e contrato programa com a Direcção Regional da Educação. Parcerias A Parceria de Desenvolvimento deste projecto inclui os seguintes parceiros: Instituto de Acção Social; Instituto de Reinserção Social; Kairós; Direcção Geral dos Serviços Prisionais e Cresaçor. É também parceira deste projecto a Direcção Regional da 14

16 Educação. Embora não pertencendo à Parceria de Desenvolvimento do projecto tem colaborado no pagamento de formadores, ao abrigo de um contrato programa. É ainda parceira deste projecto a Casa de Saúde do Espírito Santo, nomeadamente na aplicação do programa de Competências Pessoais e Sociais Projecto ITINERIS Sistema de Aprendizagens Globais para a Empregabilidade Público alvo O projecto Itineris Sistema de Aprendizagens Globais para a Empregabilidade dirige-se a jovens entre os 15 e os 21 anos que não concluíram a escolaridade mínima obrigatória ou que se encontram em risco de não a completar. O projecto tem, por isso, duas vertentes, uma em meio escolar e outra em meio extra-escolar. Objectivos Participar na criação de um Sistema de Aprendizagens Globais para a Empregabilidade (SAGE), que inclua actividades de orientação profissional, formação, inserção sócio-profissional, escolarização e promoção de competências pessoais e sociais. úmero de beneficiários em formação em meio extraescolar Foram abrangidos pelo projecto um total de 21 jovens, dos quais 13 continuam em formação, 7 abandonaram a formação, estando a ser acompanhados pelo Instituto de Acção Social, no âmbito do Sistema de Aprendizagens Globais para a Empregabilidade e 1 abandonou a Região. Actividade formativa em Durante o ano de 2006 foram desenvolvidas actividades formativas, entre Janeiro e Dezembro. 15

17 meio extraescolar As actividades decorreram semanalmente, com uma duração total de 30 horas semanais. A formação incluiu duas áreas: - Formação académica com equivalência ao 9º ano; - Formação profissional com certificação de nível II. A formação académica incluiu as seguintes áreas: - Linguagem e Comunicação; - Inglês; - Matemática para a Vida; - Cidadania e Empregabilidade; - Tecnologias da Informação e Comunicação; - Competências Pessoais e Sociais. A formação profissional foi realizada em diversas áreas, consoante a área de formação em posto de trabalho escolhida por cada formando. Assim, foram desenvolvidas formações em domínios como: - Cozinha; Pastelaria; Serviço de mesa; Mecânica; Pecuária; Ajudante de cabeleireira; Cortador de carnes. Recursos humanos Equipa técnica 1 Coordenadora Pedagógica; - 1 Integrador Sócio-profissional e coordenador de curso; 1 Responsável pela Formação; 1 Formador na área de educação para a saúde. Formadores Estiveram em colaboração com o projecto Itineris um total de cinco formadores, dos quais 4 estiveram em permanência. Espaços físicos utilizados O espaço de formação académica utilizado foi a sala de formação da UFCA, na sede da Caritas da Ilha Terceira. Transitoriamente, as sessões de Tecnologias de Informação e Comunicação fizeram uso da sala de informática do Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo. Todos os outros espaços de formação correspondem às entidades enquadradoras que receberam os formandos para formação em posto de trabalho. 16

18 úmero de beneficiários em formação em meio escolar Foram abrangidos pelo projecto, nesta vertente, um total de 37 jovens, dos quais 33 permanecem em formação e 4 abandonaram. Actividade formativa em meio escolar Durante o ano de 2006 foram desenvolvidas actividades formativas, de acordo com o cronograma de actividades dos cursos Profij II da Escola Secundária Vitorino Nemésio. A formação incluiu duas áreas: Formação académica com equivalência ao 9º ano; Formação profissional com certificação de nível II, em duas áreas: - Auxiliar de acção educativa; - Mecânica. Recursos humanos Equipa técnica 1 Responsável pela Formação e supervisor de tutores; - Formadores. Não é possível precisar o número de formadores a colaborar com o projecto, uma vez que a constituição das equipas de formação é da responsabilidade de outro parceiro do projecto (Escola Secundária Vitorino Nemésio). Espaços físicos utilizados Os espaços físicos utilizados ao nível da formação pertencem, na sua totalidade, à Escola Secundária Vitorino Nemésio. Financiamento Este projecto é financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL, do Fundo Social Europeu, pelo Instituto de Acção Social e pela Direcção Regional da Educação. O financiamento advém de orçamento próprio do projecto, subsídios eventuais do Instituto de Acção Social e contrato programa com a Direcção Regional da Educação. Parcerias A Parceria de Desenvolvimento deste projecto inclui os seguintes parceiros: Instituto de Acção Social; Instituto de Reinserção Social; 17

19 Instituto de Apoio à Criança; Kairós; Escola Secundária Vitorino Nemésio; Cresaçor. É também parceira deste projecto a Direcção Regional da Educação, embora não pertencendo à Parceria de Desenvolvimento do projecto tem colaborado no pagamento de formadores, ao abrigo de um contrato programa. Foto 7: Alunos do Projecto Itineris BOLSA DE EMPREGO SOLIDÁRIO Público alvo Formandos dos Projectos FREE e ITINERIS Objectivos Aumentar os índices de empregabilidade dos formandos, através do envolvimento das empresas na formação e na criação de postos de trabalho. Actividades A Unidade de Formação da Cáritas dos Açores começou a 18

20 desenvolvidas desenvolver, conjuntamente com os seus parceiros de projectos EQUAL, a constituição de uma Bolsa de Emprego Solidário. Em 2006 realizaram as reuniões preparatórias e a montagem interna do projecto, que culminará, em Abril de 2007, com a assinatura pública do acordo que dará forma a esta iniciativa. Recursos humanos Equipa técnica dos projectos FREE e ITINERIS. Parcerias IAS, IRS e empresas de vários ramos de negócio. Financiamento Iniciativa Comunitária EQUAL FORMAÇÃO PARA TÉCNICOS SOCIAIS Uma vez que se trata de uma área de intervenção nova que se pretende implementar a partir de 2007, foi feito, entre Julho e Outubro, um levantamento de necessidades dos técnicos sociais, com vista à implementação de um plano de formação que lhes seja dirigido, do qual resultou um relatório apresentado e discutido com a Direcção da UFCA. 5 - CENTRO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO PSICOSSOCIAL A JOVENS EM RISCO Público alvo Jovens em risco Objectivos -Promover alterações sociais na dinâmica de vida de menores sujeitos ao processo de institucionalização; -Potenciar recursos nas famílias com menores em processo de 19

21 Actividades institucionalização visando o regresso daqueles à família de origem; -Articular com as demais equipas relacionadas com uma intervenção familiar e contribuir com conhecimento para disseminação de boas práticas; -Desenvolver trabalho inerente à aplicação do R.S.I. em conformidade com o Decreto-lei nº3/2003 de 21 de Maio e o Decreto-lei nº 283/2003 de 8 de Novembro. - Acompanhar crianças institucionalizadas; - Acompanhar as famílias dessas crianças; - Acompanhar crianças e jovens em risco; - Desenvolver um projecto de G.P.S. (gerar percursos sociais); - Acompanhar famílias beneficiárias do R.S.I. Recursos humanos 1 Técnica de serviço social 1 Psicólogo Espaço físico Instalações da Divisão de Acção Social Financiamento Por protocolo de cooperação entre a Cáritas e o Instituto de Acção Social 6 - NOSSA CASA/MINHA CASA População alvo Menores/Jovens do sexo masculino, institucionalizados em cumprimento da Medida Tutelar Educativa de Frequência de um Programa de Formação de Competências Pessoais e Sociais, entre os 14 e os 21 anos. Objectivos - Acompanhar ao nível social, jurídico e terapêutico, visando prevenir reincidência criminal; 20

22 - Desenvolver competências pessoais e sociais, escolarização e formação; - Promover estilos de vida saudáveis, a autonomia, a educação para o direito, a motivação para a mudança/adesão ao programa. Dados estatísticos Idades Lotação média Nº de utentes Admissões Saídas Formação adquirida pelos jovens durante a sua estadia 16/17 18/19 > Frequentaram o Programa Oportunidade na Escola Básica Integrada de A. Heroísmo. 1 Esteve inserido, em regime de aprendizagem, numa instituição governamental e também no Centro de Promoção de Autonomia (CPA); 1 Frequentou Curso de Jardinagem da Escola Profissional da Praia da Vitória. Actividades Recursos humanos - Realização de actividades de ocupação de tempos livres; - Participação em actividades desportivas radicais organizadas pela Cáritas da Ilha Terceira no âmbito do Projecto ITINERIS; - Realização de actividades desportivas, participação no torneio de futebol na Terra-Chã organizado por um finalista do curso de Animação Sóciocultural, vertente Técnico de Reinserção Social; - Escutismo, realização de acantonamentos, piqueniques e churrascos; - Participação nas festas locais e touradas; - Participação em cortejos, comemoração de datas festivas; - Manutenção dos espaços comuns, confecção dos alimentos e tratamento das roupas. 1 Encarregado de Serviços gerais 4 Prefeitos. Financia- 21

23 mento Por acordo de cooperação com o Instituto de Reinserção Social. PS. Esta valência encerrou em Setembro de 2006 por ter terminado o acordo de cooperação existente. 7 - UNIDADE DE INTERVENÇÃO SÓCIO-CARITATIVA População alvo Pessoas ou famílias em situação de precariedade económica. Objectivos - Detectar eventuais situações de precarização das condições de vida e/ou outro tipo de carências; - Acolher, acompanhar, ajudar e encaminhar situações de carência sócio-económica; - Sensibilizar e consciencializar os indivíduos/famílias com comportamentos aditivos para a importância do tratamento e promover a valorização pessoal e desenvolvimento da autoestima; - Motivar e alertar as famílias para a importância de habilitar as crianças e jovens com competências e saberes que constituam vantagens competitivas para a sua integração social; - Apoiar em géneros alimentares, mobiliário, electrodomésticos, medicamentos e consultas, roupas de cama e vestuário, pagamentos de água e luz, livros, rendas de casa e pequenas reparações em habitações. Problemáticas Como problemáticas predominantes destacam-se os baixos rendimentos do trabalho e pensões, o desemprego, a doença, as dependências e a baixa escolaridade e falta de qualificação 22

24 profissional. Recursos humanos 1 Técnica de Serviço Social 2 Voluntárias Voluntários dos Núcleos da Cáritas espalhados pela Ilha Espaço físico utilizado O Serviço de atendimento e de análise funciona na sede da Cáritas, na Rua do Barcelos nº 23. O Serviço de distribuição de bens funciona no antigo Lar de Santa Maria Goretti, sito na Canada dos Folhadais. Financiamento Proventos do peditório anual a favor da Cáritas. Dádivas em dinheiro, equipamentos e géneros. Número de beneficiários Ver quadro anexo Quadro - Unidade de Intervenção Sócio-Caritativa Equipamento Sede da Cáritas e Antigo Lar de Santa Maria Goretti Valência Unidade de Intervenção Sócio Caritativa Atendimento Social Nº de Nº de Principais problemas sociais Atendimentos famílias Rendimento Doença/ Desemprego Dependências Outros Insuficiente Velhice % 16% 11% 2% 20% Respostas Sociais Apoio Económico / dado em bens Alimenta- Saúde Rendas Luz e Roupa Cons. ção De água de Habitacasa cama ção Mobiliá- Electro- Outros rio domésticos , Apoio em bens provenientes de donativos em espécie 23

25 Peças de vestuário e calçado 10663,60 Donativos a Núcleos, Conferências Vicentinas, outros Grupos ou Instituições Foto 8: Aspecto do Banco da Roupa DISTRIBUIÇÃO DE EXCEDENTES DA UNIÃO EUROPEIA A Cáritas é a entidade mediadora do Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados (PCAAC). Os bens alimentares atribuídos através deste programa destinam-se a utentes identificados pelos serviços oficiais de acção social mediante determinados critérios de elegibilidade, como por exemplo, baixos rendimentos, desemprego, doença, entre outros. A Cáritas ficou encarregue da distribuição dos géneros alimentares às famílias sinalizadas nas freguesias da Ribeirinha e Posto Santo, num total de 77 famílias abrangidas (226 pessoas), nomeadamente 52 famílias da Ribeirinha e 25 do Posto Santo. No total, foram entregues 5349 produtos alimentares no valor de 5182,48, cuja distribuição foi feita equitativamente por cada pessoa do agregado familiar. 24

26 8 - UNIDADE DE CAMPANHAS Semana Cáritas Público alvo Toda a população da Ilha Objectivos - Chamar a atenção para a importância do trabalho social desenvolvido pela Cáritas e para um tema de relevância mundial que todos os anos é assumido por esta instituição como tema da sua semana e que em 2006 foi : Água fonte de vida. Património da Humanidade ; - Angariar fundos para a Instituição. Actividades - Promoção de actividades junto dos estabelecimentos de ensino sobre o tema da Semana; - Peditório junto dos cidadãos e das empresas a favor da Instituição a que se associaram as paróquias disponibilizando o produto das colectas das missas dominicais. Recursos humanos Voluntários de todos os núcleos da Cáritas na Ilha Terceira. Proventos obtidos Os constantes do quadro anexo. Quadro: Peditório da Semana Cáritas FREGUESIA RUA COLECTAS TOTAL Agualva 279, ,44 Biscoitos 428, ,70 Cabo da Praia 178, Casa da Ribeira 180, ,00 Doze Ribeiras 125, Porto Martins 235, ,00 Quatro Ribeiras 206,25 30,00 236,25 S. Bartolomeu 390, ,80 Terra- Chã 286, ,72 25

27 Altares Bº Social Lameirinho 38, ,38 Cinco Ribeiras 232, ,34 Conceição 1500, Feteira 305, Fonte Bastardo 233, ,98 Fontinhas Lajes 568, ,25 Porto Judeu 705, Posto Santo 344, Raminho 422, ,74 Ribeirinha 172, ,60 S. Brás 453, ,80 S. Mateus S. Sebastião S. Bento 374,95 230,70 605,65 S. Pedro 997, ,20 Sta Cruz Praia 467,74 135,00 602,74 Sé Serreta Sta Barbara 78, Sta Luzia/ Angra 215, Sta Luzia/ Praia 169, ,91 Vila Nova 500, Sta Rita 191, ,44 Praça do Gado 112,60 112,60 Supermercado Guarita 520,00 520,00 Hiper Modelo Angra 2.125, ,49 Hiper Modelo Praia Comércio Praia da Vitória 1.848, ,70 Comercio A. do Heroísmo 1.968, ,09 Comércio Lajes 115,00 115,00 Casa Saúde de S. Rafael 36,10 36,10 Particular 40,00 40,00 TOTAL

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Projecto Curricular de Turma SALA DO ATL

INTRODUÇÃO. Projecto Curricular de Turma SALA DO ATL INTRODUÇÃO A Educação não formal distingue-se, nas últimas décadas da Educação formal ou ensino tradicional, uma vez que confere outro tipo de reconhecimento, organização, qualificação e estrutura. A Educação

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

Apoio a crianças e jovens em situação de risco

Apoio a crianças e jovens em situação de risco Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Parceria Acordo de Parceiros de 20.12.05 Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Gabinete do Ministro do Trabalho,

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Projecto de Apoio ao

Projecto de Apoio ao Projecto de Apoio ao O Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro presta serviços dedicados a crianças e idosos, promovendo igualmente o apoio ao emprego e o auxílio a famílias carenciadas. O Centro

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 2014 Nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro

MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 2014 Nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 204 Nos termos da Lei n.º 2-A/2008, de 27 de Fevereiro SECÇÃO DE APOIO E DE COORDENAÇÃO GERAL (Capitulo III do Regulamento da Organização dos Serviços)

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

c u r r i c u l u m v i t a e

c u r r i c u l u m v i t a e c u r r i c u l u m v i t a e Informação pessoal Nome Morada Telefone 912079346 Fax Sousa, Cláudia Cristina Assunção Rua Miguel Bombarda, n.º 3, 4ºDto Viseu Correio electrónico floresdelivro@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Responsabilidade Social Como estratégia de Sustentabilidade a Responsabilidade Social das Organizações, tornou-se de vital importância para o Terceiro Sector,

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO DO PROGRAMA REGIONAL DO AEEASG 2012

CALENDARIZAÇÃO DO PROGRAMA REGIONAL DO AEEASG 2012 QUADRO DE AÇÕES/ATIVIDADES A DECORRER durante 2012 PERÍODO DA ATIVIDADE/AÇÃO Janeiro e Fevereiro Abril a Junho NOME DO EVENTO(S)/INICIATIVA(S) Diagnóstico de saúde da população com 65 e mais anos Projetos

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º

CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º - - CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1.º A Fundação P.e Félix, criada por iniciativa da Comunidade Católica de São Bernardo em 1989, na comemoração dos vinte e cinco anos da actividade pastoral

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

Ano Internacional das Cooperativas 2012. Seminário As Cooperativas e a Economia Social

Ano Internacional das Cooperativas 2012. Seminário As Cooperativas e a Economia Social Ano Internacional das Cooperativas 2012 Seminário As Cooperativas e a Economia Social Cooperativa das Iniciativas de Economia Solidária Origem As primeiras iniciativas de Economia Solidária surgiram nos

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

CURRICULUM VITAE PAULA CRISTINA ALVES SILVA TORRES

CURRICULUM VITAE PAULA CRISTINA ALVES SILVA TORRES CURRICULUM VITAE PAULA CRISTINA ALVES SILVA TORRES Índice 1. Objectivos do Curriculum Vitae 2. Dados Biográficos 3. Habilitações Literárias 4. Experiência Profissional 5. Formação Profissional 6. Competências

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

Escola Profissional de Pedagogia Social (EPPS)

Escola Profissional de Pedagogia Social (EPPS) Escola Profissional de Pedagogia Social (EPPS) Relatório de Actividades do ano letivo 2014/15 A Escola Profissional de Pedagogia Social (EPPS), tutelada pela API e apoiada pelo Ministério da Educação,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2014/2015. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2014/2015. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2014/2015 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I Apresentação O BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VIANA DO CASTELO, continuou em 2014 a sua política interna para fazer mais, com menos, prestando um serviço público, contratualizado

Leia mais

Projecto Educativo de Estabelecimento. Triénio de 2010-2013

Projecto Educativo de Estabelecimento. Triénio de 2010-2013 Projecto Educativo de Estabelecimento Triénio de 2010-2013 Creche Mundo Infantil Queremos que juntos, Equipa Educativa, Crianças e Familias, possamos proporcionar boas experiencias e aprendizagens. Só

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 2008.07.18

NOTÍCIAS À SEXTA 2008.07.18 NOTÍCIAS À SEXTA 2008.07.18 CAROS DIRIGENTES Num momento em que foram reveladas algumas previsões preocupantes quanto ao comportamento da nossa economia, quero dizer aos portugueses que isto é um tempo

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I. Introdução O ano de 2014 foi, tal como 2013, um ano marcado por grandes investimentos. Na Comunidade Terapêutica finalizou-se a obra de restruturação da cozinha e da lavandaria

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Regulamento. Loja Social de Ourique

Regulamento. Loja Social de Ourique Regulamento Loja Social de Ourique Regulamento Loja Social de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento da Loja Social e faz parte integrante do projecto Espaço

Leia mais

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS > MENSAGEM DE BOAS VINDAS A (DPE), da (DREQP), inicia, com o primeiro número desta Newsletter, um novo ciclo de comunicação e aproximação ao público em geral e, de forma particular, aos seus parceiros

Leia mais

Semana Pelo Combate à Pobreza e à Exclusão Social 10 a 19 de outubro de 2015

Semana Pelo Combate à Pobreza e à Exclusão Social 10 a 19 de outubro de 2015 0 a 9 de outubro de 05 Pelo Combate à Pobreza e à Exclusão Social * I Descrição do Projeto O Ano Europeu do Combate à Pobreza e à Exclusão Social (AECPES), celebrado em 00, teve como objetivo reafirmar

Leia mais

F U N C I O N A M E N T O

F U N C I O N A M E N T O Plano de Ação 2015 ENQUADRAMENTO F U N C I O N A M E N T O» Regulamento Interno da CPCJ de S. P. Sul» Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo - Lei nº 147/99 de 1 de Setembro» Lei que altera a Lei

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital Parte 6.1.1 Equipamentos sociais no contexto distrital (Carta social / Reapn - Bragança) Apresentam-se seguidamente

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL Prólogo O CLDS SERPE EnReDe, consiste numa estratégia de desenvolvimento social integrado visando a criação de respostas sociais inovadoras e sustentáveis que atendem às

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Experiência Profissional em Formação Profissional:

Experiência Profissional em Formação Profissional: Dados Pessoais: Nome: Ana Luísa da Cunha Luís Félix Contacto: Escola Secundária Manuel de Arriaga, Rua Vasco da Gama 9901-859 Telefone/ Fax : 292 202 130 / 292 202 135 Correio electrónico: es.marriaga@dre.raa.pt

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Patrícia Caeiro Nico Ramalho

CURRICULUM VITAE. Patrícia Caeiro Nico Ramalho CURRICULUM VITAE De Patrícia Caeiro Nico Ramalho N A C I O N A L I D A D E : P O R T U G U E S A D A T A D E N A S C I M E N T O : 06-11- 1982 M O R A D A : R U A D A P A L M E I R A N 12 S Ã O M I G U

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

1 ENTIDADES PARCEIRAS PROMOTORAS DE VOLUNTARIADO Se tem uma sugestão de ação voluntária, uma competência especial ou específica

1 ENTIDADES PARCEIRAS PROMOTORAS DE VOLUNTARIADO Se tem uma sugestão de ação voluntária, uma competência especial ou específica Data última atualização: 05 Novembro de 2012 Índice 1 - Entidades parceiras promotoras de voluntariado 2- Projetos específicos de voluntariado 1 ENTIDADES PARCEIRAS PROMOTORAS DE VOLUNTARIADO Se tem uma

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Plano Anual de Atividades CRECHE/JARDIM DE INFÂNCIA/CATL 2013-2014

Plano Anual de Atividades CRECHE/JARDIM DE INFÂNCIA/CATL 2013-2014 Fundação Centro Social de S. Pedro de, FCSR Plano Anual de Atividades CRECHE/JARDIM DE INFÂNCIA/CATL 2013-2014 Atividade Objetivos Recursos Calendarização Local Receção e acolhimento das crianças que vão

Leia mais

Flash RH Responsabilidade Social

Flash RH Responsabilidade Social Flash RH Responsabilidade Social No seguimento da nossa campanha de recolha de bens interna, inserida no âmbito da responsabilidade social, a SPIE conseguiu recolher bens para chegar a 8 instituições de

Leia mais

Projeto Curricular do 1.º Ciclo

Projeto Curricular do 1.º Ciclo Projeto Curricular do 1.º Ciclo Tema Felizes os que constroem a vida na verdade e no bem. INTRODUÇÃO Este ano letivo 2014/2015 ficou definido como tema geral Felizes os que constroem a vida na verdade

Leia mais

DESIGNAÇÃO: Inclusão na diversidade - Preparar o Futuro. Associação Espaço Mundo CEDL - CASA DA EUROPA DO DISTRITO DE LISBOA. Inclusão e Prevenção

DESIGNAÇÃO: Inclusão na diversidade - Preparar o Futuro. Associação Espaço Mundo CEDL - CASA DA EUROPA DO DISTRITO DE LISBOA. Inclusão e Prevenção REFERÊNCIA: 071 DESIGNAÇÃO: Inclusão na diversidade - Preparar o Futuro BIP/ZIP em que pretende intervir: 22. Alta de Lisboa Sul 67. Alta de Lisboa Centro ENTIDADES: Promotoras: Parceira: Associação Espaço

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 Eixo de Desenvolvimento I: Emprego/Desemprego Desenvolver medidas com vista à redução do desemprego, ao aumento da estabilidade no emprego e facilitadores do ingresso dos

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Plano de Acção 2014. Rede Social

Plano de Acção 2014. Rede Social Plano de Acção 2014 Rede Social Março/2014 Elaborado por: Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Avis - Agrupamento de - Centro de Emprego e Formação Profissional de Portalegre/Serviço de

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

Fls. 1. Fich: EDITAL L N.º 11 - Reunião ordinária de 12 de Junho de 2008.doc

Fls. 1. Fich: EDITAL L N.º 11 - Reunião ordinária de 12 de Junho de 2008.doc Fls. 1 EDITAL ANTÓNIO MAGALHÃES, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE GUIMARÃES, FAZ SABER, em cumprimento do disposto no art. 91º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei 5-A/2002,

Leia mais

Formação Geral de Voluntários Mês de Maio. Boletim Informativo 2013. O BLV de Barcelos colaborou com o Projeto Mediador Municipal Mês de Março

Formação Geral de Voluntários Mês de Maio. Boletim Informativo 2013. O BLV de Barcelos colaborou com o Projeto Mediador Municipal Mês de Março Gabinete de Ação Social e Saúde Pública O BLV de Barcelos colaborou com o Projeto Mediador Municipal Mês de Março Nas férias da Páscoa de 2013, na Casa da Juventude e na Biblioteca Municipal, decorreram

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SANTO ANTÓNIO

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SANTO ANTÓNIO ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SANTO ANTÓNIO CAPITULO I Denominação, âmbito, natureza e fins Artigo 1º- A FUNDAÇÃO SANTO ANTÓNIO, pessoa colectiva n.º 504142992, nestes Estatutos abreviadamente designada por Fundação,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Ano Lectivo 2006-2007

Ano Lectivo 2006-2007 Ano Lectivo 2006-2007 CLUBE EUROPEU da Escola Secundária de Viriato RELATÓRIO FINAL DAS ACTIVIDADES No âmbito dos Objectivos do Clube Europeu, foram desenvolvidas as seguintes actividades: 1. Comemoração

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

Avaliação do Plano. de Ação. Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Castro Verde

Avaliação do Plano. de Ação. Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Castro Verde Avaliação do Plano 2014 de Ação Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Castro Verde Linhas Orientadoras do Plano de Ação 2014 Parcerias e Articulação Institucional Em 2014 trabalhámos e fizemos parcerias

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL RIBA CÔA CENTRO INFANTIL INTERNO R E G U L A M E N T O Santa Casa da Misericórdia do Sabugal Capítulo I Geral Artigo 1º 1. O Centro Infantil Riba Côa é uma instituição particular de assistência à infância

Leia mais

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136 Contribuinte n.º 512 007 136 PLANO DE ACTIVIDADES ANO DE 2009 I INTRODUÇÃO A Casa do Povo de Porto Judeu, como instituição de solidariedade social, e com algum peso no desenvolvimento desta freguesia no

Leia mais

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896 Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas desde 1896 Quem Somos? Instituição de Utilidade Pública Restauração Pastelarias e Cafés Mais de um século de existência Empreendimentos Turísticos

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO 1 º A Creche têm por fim satisfazer as necessidades das crianças nas diferentes etapas do seu desenvolvimento, entre os quatro meses de idade e 3 anos.

Leia mais

Instituições Particulares de Solidariedade Social ou equiparadas, respetivas valências, capacidade e frequência, por ilha e concelho - Açores - 2011

Instituições Particulares de Solidariedade Social ou equiparadas, respetivas valências, capacidade e frequência, por ilha e concelho - Açores - 2011 Instituições Particulares de Solidariedade Social ou equiparadas, respetivas valências, capacidade e frequência, por ilha e concelho - Açores - 2011 IlHA CONCELHO INSTITUIÇÃO SERVIÇO/EQUIPAMENTO CAP. FREQ.

Leia mais

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 Índice Introdução Metodologia Pág. 1 I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 1. Caracterização Física e Administrativa 2. Património Histórico, Cultural e Natural do Concelho 2.1. Património

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto Eventos Eixo I Emprego, Formação e Qualificação Acção: Bom Porto - Gabinete de Empregabilidade e Empreendedorismo: Uma das acções do projecto consiste na criação de um Gabinete de atendimento na área da

Leia mais

O grupo das. empresas da família. Janz resultaram da. Bruno Janz Herdeiros. SA fundada em 1915. pelo Engº Bruno Janz.

O grupo das. empresas da família. Janz resultaram da. Bruno Janz Herdeiros. SA fundada em 1915. pelo Engº Bruno Janz. O grupo das empresas da família Janz resultaram da Bruno Janz Herdeiros SA fundada em 1915 pelo Engº Bruno Janz. Prestação de serviços na área dos Recursos Humanos, da Contabilidade e Gestão Finaceira

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

Crescer com Saúde um Projeto de Educação e Promoção da Saúde

Crescer com Saúde um Projeto de Educação e Promoção da Saúde Plano Anual de Atividades Da Educação e Promoção da Saúde Que vai ser quando crescer? Vivem perguntando em redor. Que é ser? É ter um corpo, um jeito, um nome? Tenho os três. E sou? Tenho de mudar quando

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE LUGARES DE ESPERANÇA (A Saúde em Portugal)

CUIDADOS DE SAÚDE LUGARES DE ESPERANÇA (A Saúde em Portugal) CUIDADOS DE SAÚDE LUGARES DE ESPERANÇA (A Saúde em Portugal) Fátima, Centro Pastoral Paulo VI 2 a 5 de Maio de 2012. 1º Dia 2 de Maio O ESTUDO DA REALIDADE Coordenadora Prof. Doutora Ana Sofia Carvalho

Leia mais

Farmácias e Postos de Medicamentos da RAA

Farmácias e Postos de Medicamentos da RAA Farmácias e Postos de Medicamentos da RAA Farmácia Abílio Botelho Diretor Técnico: Maria da Conceição Moniz Botelho Domingos Henrique Baptista de Sousa F. Pereira Rua Teófilo Braga, nº 129 Concelho: Vila

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

plano anual de educação ambiental

plano anual de educação ambiental plano anual de educação ambiental 2009/2010 complexo de educação ambiental da quinta da gruta PROGRAMA FAMÍLIAS Grelha Resumo por Sector Sector Rios/Espaços Verdes Animais Dias comemorativos Férias Datas

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO REGº SM Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projecto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS INFORMAÇÕES DA CNIS Fonte: Estudo sobre o Acesso e a qualidade nos cuidados de saúde mental, Entidade Reguladora da Saúde, set.2015 REPRESENTAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais