Educação e Saúde 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação e Saúde 2014"

Transcrição

1 Educação e Saúde 2014 A ONG SIM organizou mais uma missão a Moçambique, orientada para os temas da Educação e da Saúde, em Agosto. Para além da Presidente de direcção, Carmo Jardim, e da coordenadora, da SIM, integraram a missão dois voluntários: Armanda Roldão e Pedro do Carmo. A equipa da SIM deslocou-se à vila de Inhassoro e à IIha do Bazaruto, onde são realizadas as suas acções anuais.

2 Nesta missão, tiveram a oportunidade de reunir com a nova Administradora do Parque Natural da Ilha do Bazaruto, onde foram discutidos vários temas preocupantes à associação, como a educação na escola de Sitone, a visita pontual de um médico à Ilha, e a integração permanente de um enfermeiro no posto de saúde. Graças ao trabalho, empenho e esforço da SIM, o norte da Ilha do Bazaruto já foi visitado duas vezes por enfermeiros, tendo vacinado a grande maioria das crianças. Na Ilha do Bazaruto, a SIM, como de costume nas suas acções humanitárias, procedeu à distribuição de mantimentos, material escolar e roupa.

3 O régulo Mazalleti acompanhou todas as iniciativas da missão e alertou a SIM, uma vez mais para as grandes carências da população, numa reunião onde proporcionou mais uma vez um jantar em sua casa aos membros da missão. Aproveitou-se esse momento para também se falar no facto da existência da época do mar morto, na qual os ilhéus ficam impossibilitados de pescar, logo ficam sem meio de subsistência. Para tentar contornar este facto sazonal a SIM, para além de nas suas missões fornecer sempre mantimentos às famílias das comunidades mais necessitadas, está a desenvolver um projecto de agricultura como forma a poderem ter um meio autossustentável que permita que não passem fome nessas alturas críticas.

4 Na Escola de Sitone, realizou-se um grande encontro com as crianças e as suas famílias, onde foram distribuídos cadernos e canetas e t-shirts da SIM. Um grande momento de alegria foi protagonizado por todas as crianças quando os voluntários e os bolseiros procederam à distribuição de sumos da marca GUD, gentilmente oferecidos pela Sumol/Compal, a quem a SIM muito agradece. Nesta acção foram também distribuídas bolachas e chupas. Durante a missão na Ilha teve lugar uma reunião com o novo grupo de docentes da escola de Sitone, para se perceber quais as maiores dificuldades que enfrentam em termos de estruturas e materiais, bem como quais os possíveis candidatos às bolsas do Lar SIM para A SIM, na sua estadia na Ilha do Bazaruto organizou também um torneio de futebol com os jovens, onde entregou uma taça à equipa vencedora, medalhas a todos os participantes. A SIM mais uma vez estabeleceu contacto com a Associação de Solidariedade Tilizinwe, para troca de informações e experiências.

5 No campo da Educação, foi efectuada uma avaliação global da situação escolar e do rendimento dos bolseiros do Bazaruto instalados no Lar no Inhassoro. Devido à limitação de recursos, foi necessário reforçar os mecanismos de reconhecimento do mérito, permitindo àqueles que se esforçaram prosseguir os estudos e perceber quais as suas maiores dificuldades, e se continuavam merecedores das vagas que ocupam. Um dos problemas recorrentes neste domínio é o acompanhamento dos estudantes, pelo que foi muito importante e de grande utilidade os contactos que os voluntários fizeram com os professores e directores de turma das escolas que os bolseiros frequentam, e com o encarregado de educação Celso Azevedo. Da avaliação realizada resultou a necessidade de se criar condições para um acompanhamento mais de perto, e uma estrutura mais sólida de horários de estudo, distribuição de tarefas no lar e organização das contas e da compra de mantimentos, bem como a oportunidade de poderem assistir às disciplinas nas quais têm mais dificuldades, noutras turmas. Os voluntários ajudaram os bolseiros nos estudos, aproveitando as férias do final do 2º trimestre para lhes dar explicações sobre as disciplinas onde apresentavam maiores dificuldades. No Inhassoro, no Lar dos bolseiros, realizaram-se também três encontros com as crianças e as famílias da comunidade, onde foram distribuídos chupas, bolachas e sumos da marca GUD. Nesta missão foi ainda reforçado o fornecimento de electricidade, assegurada por energia solar em todas as instalações do Lar SIM, em parceria com a empresa Sunbox, que amavelmente disponibilizou os seus painéis.

6 Seja solidário, ajude esta causa! A SIM não pode deixar de agradecer, a ajuda solidária que recebeu nesta missão, à empresa Sumol/Compal, pela sua doação de sumos GUD; à Sunbox, pela ajuda com os painéis solares; ao Padre Pio e à Leiga Caterina, da Escola Industrial e Comercial Estrela do Mar, no Inhassoro, pela sua amável ajuda e hospitalidade com os voluntários; ao grupo Pestana pela forma como recebeu a SIM na Ilha do Bazaruto; e a todos os que diáriamente ajudam a SIM, nas questões burocráticas, com doações de livros e roupas usadas, etc, e como não podia deixar de ser a todos os padrinhos e madrinhas, pois sem todas estas pequenas mas gigantes ajudas, nada disto seria possível, muito obrigado a todos por ajudarem a SIM a fazer uma grande diferença na vida destas crianças No plano institucional, os dirigentes da SIM e os membros da missão tiveram a oportunidade de contactar novamente com o Administrador do Distrito de Inhassoro, e com o departamento do governador da província de Inhambane, onde foram entregues todas as documentações necessárias à renovação da ONG, em Moçambique. Também foram entregues relatórios das actividades desempenhadas nestes últimos dois anos, bem como os projectos futuros. Destes contactos resulta o mútuo compromisso de estreitar as relações no futuro, com vista à resolução dos problemas mais prementes no domínio da Educação e da Saúde. A visita regular de um médico à zona Norte da Ilha do Bazaruto continua a ser uma das prioridades e a recuperação do Centro de Enfermagem existente. Tabonga Maning Tabonga!!!

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

RELATÓRIO FORMACÃO EM EDUCACÃO FINANCEIRA NO QUADRO DAS FERIAS SOLIDÁRIAS ORGANIZADA PELA MAISON D AFRIQUE EM SANTO ANTÃO

RELATÓRIO FORMACÃO EM EDUCACÃO FINANCEIRA NO QUADRO DAS FERIAS SOLIDÁRIAS ORGANIZADA PELA MAISON D AFRIQUE EM SANTO ANTÃO RELATÓRIO FORMACÃO EM EDUCACÃO FINANCEIRA NO QUADRO DAS FERIAS SOLIDÁRIAS ORGANIZADA PELA MAISON D AFRIQUE EM SANTO ANTÃO Ivo Sulé Balde 28 de Julho à 03 de Agosto de 2013 Índice Contexto.... 3 Resumo

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

PROJECTOS INTERNACIONAIS DESENVOLVIDOS EM 2011 E 2012 E A DESENVOLVER NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS INTERNACIONAIS DESENVOLVIDOS EM 2011 E 2012 E A DESENVOLVER NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS INTERNACIONAIS DESENVOLVIDOS EM 2011 E 2012 E A DESENVOLVER NO TRIÉNIO 2013-2015 1/5 PROJECTO 1 1ª Missão Humanitária em São Tomé e Príncipe (Julho 2011) A Meninos do Mundo marcou presença no

Leia mais

CAMPANHA PAPEL POR ALIMENTOS PROJECTO ESCOLAS 2013/ 2014

CAMPANHA PAPEL POR ALIMENTOS PROJECTO ESCOLAS 2013/ 2014 CAMPANHA PAPEL POR ALIMENTOS PROJECTO ESCOLAS 2013/ 2014 APRESENTAÇÃO Muitos particulares, empresas e instituições já aderiram à Campanha Papel por Alimentos numa importante parceria na luta contra a fome:

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

Banco Alimentar Contra a Fome de Setúbal Programa Comunitário Apoio alimentar a Carencidados Banco Bens Doados 2014-2015

Banco Alimentar Contra a Fome de Setúbal Programa Comunitário Apoio alimentar a Carencidados Banco Bens Doados 2014-2015 Banco Alimentar Contra a Fome de Setúbal Programa Comunitário Apoio alimentar a Carencidados Banco Bens Doados 2014-2015 Normas de Funcionamento Posto de Distribuição de Alimentos e Bens Doados Art. 1º

Leia mais

Questionário aos Bolseiros. da Fundação Rotária Portuguesa. Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária

Questionário aos Bolseiros. da Fundação Rotária Portuguesa. Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária Questionário aos Bolseiros da Fundação Rotária Portuguesa Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária Portuguesa sobre o apoio que lhes é prestado. A sua resposta a

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Fundação Champagnat RELATÓRIO DE ATIVIDADES (2013)

Fundação Champagnat RELATÓRIO DE ATIVIDADES (2013) RELATÓRIO DE ATIVIDADES (2013) Fundação Champagnat Telefone: 217780073 E-mail: funda_champagnat@maristascompostela.org INTRODUÇÃO 1 Este Relatório de Atividades da Fundação Champagnat (FCH) relativo ao

Leia mais

Tomada de posse dos Órgãos Sociais da União Distrital das. Instituições Particulares de Solidariedade Social de Castelo

Tomada de posse dos Órgãos Sociais da União Distrital das. Instituições Particulares de Solidariedade Social de Castelo Tomada de posse dos Órgãos Sociais da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social de Castelo Branco (UDIPSSCB) Triénio 2006/2008 6 de Janeiro de 2006 Exma. Senhora Governadora

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS ARTIGO 1.º OBJECTIVO 1 O presente regulamento estabelece as regras gerais a observar nos Campos de Férias organizados pela Câmara Municipal de Vila

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 APD- DELEGAÇÃO LOCAL DE MEM MARTINS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 INTRODUÇÃO O ano de 2004 ficou marcado por alguns acontecimentos relevantes, sinal de que, apesar do passar dos anos, a Delegação

Leia mais

2ª Edição - 2011. Projecto de Voluntariado em Moçambique

2ª Edição - 2011. Projecto de Voluntariado em Moçambique 2ª Edição - 2011 Projecto de Voluntariado em Moçambique AIDGLOBAL: breve apresentação A AIDGLOBAL Acção e Integração para o Desenvolvimento Global é uma Organização Não Governamental que desenvolve projectos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Alojamento no Ensino Superior

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Alojamento no Ensino Superior Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Alojamento no Ensino Superior Francisco Campos José Pedro Conde José Rodrigues Miguel Fernandes Miguel Silva Rafael Cardoso Relatório do Trabalho Prático

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 Exmo. Sr. ou Sr.ª Encarregado(a) de Educação Agora que o seu educando deu mais um passo no Universo Benfiquista, é com grande satisfação que

Leia mais

Regulamento Interno Para lar de Idosos

Regulamento Interno Para lar de Idosos Regulamento Interno Para lar de Idosos CAPITULO I DA NATUREZA/FINS E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo Iº O Lar da Associação Humanitária de Salreu é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, cujos

Leia mais

Schulleiterbrief. Herbst 2010. Carta do Director

Schulleiterbrief. Herbst 2010. Carta do Director Schulleiterbrief Herbst 2010 Carta do Director Outono 2010 1 Índice: 1. Prefácio:... 3 2. Informações gerais... 4 2.1. Regulamento de entrada e controlo dos acessos... 4 2.2. Saída das instalações do colégio

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Actividades realizadas ao longo do ano. Quem somos. Vila de Rabo de Peixe. Verão. Natal. durante o ano. Páscoa

Actividades realizadas ao longo do ano. Quem somos. Vila de Rabo de Peixe. Verão. Natal. durante o ano. Páscoa 2004-2012 Fica situada na Ilha de São Miguel a cerca de 10 km da Ribeira Grande e 25 km de Ponta Delgada. É uma das zonas mais pobres de Portugal. Dos seus oito mil habitantes, mais de metade vive em situação

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

HÁ 7 ANOS A ACREDITAR EM MOÇAMBIQUE

HÁ 7 ANOS A ACREDITAR EM MOÇAMBIQUE HÁ 7 ANOS A ACREDITAR EM MOÇAMBIQUE Relatório de Apresentação 2012 Um projecto: O PUMAP é um programa de voluntariado constituído por estudantes de várias universidades de Lisboa, realizando-se através

Leia mais

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU A NOSSA MISSÃO Lutar contra o desperdício, recuperando excedentes alimentares, para os levar a quem tem carências alimentares, mobilizando pessoas e empresas que

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO Instituição e Denominação É instituída uma fundação denominada Fundação Champagnat que se regerá pelos presentes estatutos

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado LAHUC LIGA DOS AMIGOS DOS HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LAHUC Gabinete de Serviço Social O MELHOR DA VIDA TODOS OS DIAS Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado Preâmbulo O Voluntariado

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I Apresentação O BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VIANA DO CASTELO, continuou em 2014 a sua política interna para fazer mais, com menos, prestando um serviço público, contratualizado

Leia mais

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto Eventos Eixo I Emprego, Formação e Qualificação Acção: Bom Porto - Gabinete de Empregabilidade e Empreendedorismo: Uma das acções do projecto consiste na criação de um Gabinete de atendimento na área da

Leia mais

1)Campanha Pré-Calamidade

1)Campanha Pré-Calamidade 1)Campanha Pré-Calamidade A Cruz Vermelha de São Paulo, no cumprimento de sua missão de ajuda humanitária e de auxiliar as comunidades carentes, que sofrem com as enchentes e desabamentos provocados pelas

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE 2012

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE 2012 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE 2012 ASSEMBLEIA GERAL DA ADRA MARÇO 2013 ADRA PORTUGAL Rua Ilha Terceira, nº 3 3º 1000-171 LISBOA Telefone 213580535 Fax 213580536 ONGD Registada no Instituto Português de Apoio

Leia mais

AGOSTO. A. II Iniciativa dos Voluntários com Asas: Recuperação da horta urbana do Albergue Nocturno de. Lisboa.

AGOSTO. A. II Iniciativa dos Voluntários com Asas: Recuperação da horta urbana do Albergue Nocturno de. Lisboa. AGOSTO/SETEMBRO Nº.2 AGOSTO A. II Iniciativa dos Voluntários com Asas: Recuperação da horta urbana do Albergue Nocturno de Lisboa. Quem, se eu gritar, me ouvirá na hierarquia dos anjos Rainier Maria Rilque

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Vila Velha de Ródão

Conselho Municipal de Educação de Vila Velha de Ródão MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂ1VLARA MUNICIPAL Conselho Municipal de Educação de Vila Velha de Ródão ACTA N~ 42 Aos dez dias do mês de Setembro do ano de dois mil e catorze, pelas catorze horas, reuniu

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Regulamento. Loja Social de Ourique

Regulamento. Loja Social de Ourique Regulamento Loja Social de Ourique Regulamento Loja Social de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento da Loja Social e faz parte integrante do projecto Espaço

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVINCIA DE INHAMBANE DIRECÇÃO PROVINCIAL DA JUVENTUDE E DESPORTOS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVINCIA DE INHAMBANE DIRECÇÃO PROVINCIAL DA JUVENTUDE E DESPORTOS 1 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVINCIA DE INHAMBANE DIRECÇÃO PROVINCIAL DA JUVENTUDE E DESPORTOS Introdução BALANÇO ANUAL JANEIRO-DEZEMBRO 2012 Actividades realizadas pelo Sector da Juventude e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto executivo n.º 131/06 de 3 de Novembro Considerando a necessidade de se regulamentar o funcionamento da Direcção Nacional para Acção Social Escolar. Considerando o disposto

Leia mais

O GRUPO DE EMRC E OS FRUTOS DO PROJETO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL COLÉGIO AMIGO (2013.2014)

O GRUPO DE EMRC E OS FRUTOS DO PROJETO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL COLÉGIO AMIGO (2013.2014) O GRUPO DE EMRC E OS FRUTOS DO PROJETO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL COLÉGIO AMIGO (2013.2014) Recolha de Alimentos: Dia Mundial para a Erradicação da Pobreza (mês de outubro) No ano letivo que se encerra,

Leia mais

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco géneros alimentares recebidos do Banco Alimentar Contra a Fome - Delegação de Portalegre, com o qual existe protocolo. Artigo 12º (Afixação de documentos) É da responsabilidade d@ Coordenador/a da Loja:

Leia mais

Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O?

Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O? Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O? Da importância do desenvolvimento de competências interpessoais na prática, da necessidade de uma formação mais humana, da crescente consciencialização da injustiça

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

RELATÓRIO RELATIVO À ACTIVIDADE NO ANO 2011

RELATÓRIO RELATIVO À ACTIVIDADE NO ANO 2011 RELATÓRIO RELATIVO À ACTIVIDADE NO ANO 2011 A ENTRAJUDA prosseguiu em 2011 a sua missão estatutária de apoiar as instituições de solidariedade com instrumentos e ferramentas de gestão e organização, para

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA A AMI é uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, privada, independente, apolítica e sem fins

Leia mais

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final www.aciaanapolis.com.br Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final De 1º a 07 de Fevereiro de 2014 - Ano 09 - Nº 224 - Diretoria 2013/2015 Diretoria da Associação Comercial e Industrial

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

Regulamento Creche e Jardim de Infância

Regulamento Creche e Jardim de Infância Regulamento Creche e Jardim de Infância 2012/2013 CASA PASTORINHOS DE FÁTIMA Rua das Janelas Verdes, 11-1200-690 Lisboa Tel.: 21 396 11 24 Fax.: 21 395 27 52 apsov@hotmail.com Assistência Paroquial de

Leia mais

NOVA IMAGEM. NOVA TECNOLOGIA. NOVOS OBJECTIVOS

NOVA IMAGEM. NOVA TECNOLOGIA. NOVOS OBJECTIVOS NOVA IMAGEM. NOVA TECNOLOGIA. NOVOS OBJECTIVOS O PROJECTO COMO NASCEU O CARTÃO SOLIDÁRIO O projecto Cartão Solidário nasceu da vontade de responder de forma contínua e sustentável às necessidades das Instituições

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

3 Os Leigos Boa Nova são parte integrante da OMAS e, como tal, regem-se pelos estatutos daquela Obra Missionária e pelo presente regulamento.

3 Os Leigos Boa Nova são parte integrante da OMAS e, como tal, regem-se pelos estatutos daquela Obra Missionária e pelo presente regulamento. Regulamento interno Cap. 1 Natureza e Fins 1 Os Leigos Boa Nova são um departamento e um serviço da Obra Missionária de Acção Social (OMAS) para as suas acções de desenvolvimento no âmbito do seu papel

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA!

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA! A ESSENCIALIDADE DE CUIDAR DAS NOSSAS CRIANÇAS INVESTIR A TEMPO PARA EVITAR... E PERSISTIRMOS NA BUSCA DE FAZER SEMPRE MELHOR PARA NÓS A PREVENÇÃO NÃO É UMA OPÇÃO... É UMA OBRIGATORIEDADE MISSÃO A Fundação

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família I. Apresentação do Projecto - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Falar em sucesso educativo implica olhar o processo educativo segundo uma abordagem sistémica, em que o aluno, a escola, a família e

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS

MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS Associação de Futebol de Aveiro 1. INTRODUÇÃO O Delegado ao jogo desempenha uma das funções mais importantes

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas,

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas, Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL Odivelas, 20 de Novembro 2010 Caros Colegas, Estando a terminar este ano de trabalho na Federação Concelhia de Odivelas, da qual eu fiz parte dos seus Órgãos Sociais neste

Leia mais

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Portugiesisch A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Informação para os pais Objectivos e linhas gerais A escola obrigatória oficial, no Cantão de Zurique, é obrigada a respeitar os valores fundamentais

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA Instituição Particular de Solidariedade Social Pessoa Colectiva de Utilidade Pública Fundada a 8 de Agosto de 1995 FUNDAÇÃO A ideia nasce através de um grupo de amigos

Leia mais

Cooperação Empresarial Transfronteiriça

Cooperação Empresarial Transfronteiriça Cooperação Empresarial Transfronteiriça IPJ Instituto Português da Juventude Projecto de Cooperação Transfronteiriça O Projecto Espaço Juvenil, promovido pelo Instituto Português da Juventude, IP e pela

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas

Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas Avaliação: um passo determinante para a implementação da qualidade no ensino O objectivo deste projecto é a compreensão

Leia mais

Regimento interno do Conselho Geral

Regimento interno do Conselho Geral RegimentointernodoConselhoGeral Artigo1º Objecto 1 O presente regimento estabelece o quadro de regras de organização interna e de funcionamento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Porto de Mós,

Leia mais

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades INTRODUÇÃO O IC, criado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 64/2001, de 3 de Setembro, é um serviço personalizado do Estado, encarregue de promover e executar a política governamental relacionada

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE ANGOLA

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE ANGOLA ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE ANGOLA A República Portuguesa e a República de Angola: Animadas pela vontade de estreitar os laços de amizade e de

Leia mais

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde.

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde. Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde Versão concisa Coordenadores: Dr. José Mendes Alves, Câmara Municipal de

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

NEWSLETTER. Nesta Edição. Não pode haver maior dom do que o de dar o próprio tempo e energia para ajudar os outros, sem esperar nada em troca.

NEWSLETTER. Nesta Edição. Não pode haver maior dom do que o de dar o próprio tempo e energia para ajudar os outros, sem esperar nada em troca. A R O NEWSLETTER BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME - COIMBRA JANEIRO 2014 Após algum tempo, reaparece hoje o órgão de informação do Banco Alimentar Contra a Fome Coimbra, A BROA. Tendo em conta a generalização

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

ONG portuguesa oferece ajuda em medicamentos de materiais hospitalares ao Hospital Ayres de Menezes

ONG portuguesa oferece ajuda em medicamentos de materiais hospitalares ao Hospital Ayres de Menezes ONG portuguesa oferece ajuda em medicamentos de materiais hospitalares ao Hospital Ayres de Menezes S.Tome, 12 de Julho 2011 (vitrina)a organização não-governamental portuguesa Meninos do Mundo entregou

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

SEMEAR Serviço Médico Educacional de Atendimento em Reabilitação, uma entidade considerada de utilidade Pública Federal, com data de fundação em 12 de Outubro de 1985, foi registrado como Associação Civil

Leia mais

A percepção da responsabilidade social em Portugal

A percepção da responsabilidade social em Portugal A percepção da responsabilidade social em Portugal Estudo concebido pela Sair da Casca e realizado pela Multivária entre Julho de 2003 e Janeiro de 2004 _ Índice _ Introdução.............................................................

Leia mais

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Janeiro 2012 [Relatório de Actividades e Plano de acção para 2012] [ARS Centro] Comissão Regional da Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

Leia mais

NEGÓCIO SOCIAL ASSOCIAÇÃO COZINHA SOLIDÁRIA E REFEIÇÕES COM ALMA IPSS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA

NEGÓCIO SOCIAL ASSOCIAÇÃO COZINHA SOLIDÁRIA E REFEIÇÕES COM ALMA IPSS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA NEGÓCIO SOCIAL ASSOCIAÇÃO COZINHA SOLIDÁRIA E REFEIÇÕES COM ALMA IPSS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA Take away solidário Hoje Existem em Portugal mais de 200 mil pessoas com fome que procuram ajuda

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

Liderança e Gestão- Intervenção do diretor

Liderança e Gestão- Intervenção do diretor Liderança e Gestão- Intervenção do diretor A escola é, por definição, um espaço de ensino e de aprendizagem. Um palco onde os atores principais, alunos e professores, protagonizam a aventura do saber.

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

Projecto Luanda km 9 Furo

Projecto Luanda km 9 Furo Projecto Luanda km 9 Furo Voluntários com Asas é uma iniciativa que nasceu dentro da TAP com o objectivo de reunir trabalhadores com vontade e disponibilidade para desenvolver acções de voluntariado. Os

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

O projeto tem 3 Eixos, que passo a apresentar: Eixo 1 Apoio Social a Pessoas com Baixo Rendimento/ Promoção da legalização da situação de cães

O projeto tem 3 Eixos, que passo a apresentar: Eixo 1 Apoio Social a Pessoas com Baixo Rendimento/ Promoção da legalização da situação de cães Proponente: Nome: Mariana Rodrigues De Carvalho Data de Nascimento: 20 de março de 1992 Telm./ Telf.: 914444326 E-mail: miacarvalho5@hotmail.com Entidades que apoiarão o projeto: Câmara Municipal da Lousã,

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais