ANEXO V Edital nº 03508/2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO V Edital nº 03508/2008"

Transcrição

1 ANEXO V Edital nº 03508/2008 Projeto de integração das informações de mandado de prisão e processos dos Tribunais Regionais Federais e do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios O objetivo deste anexo é apresentar uma visão do escopo do desenvolvimento a ser realizado para permitir o acesso dos web services que compõem o módulo remoto de consulta à(s) base(s) de dado(s) dos tribunais. Acesso a base do judiciário por meio do desenvolvimento de um padrão de acesso a ser implementado a partir do módulo remoto de consulta : Deverá ser utilizada a infra-estrutura de Serviço Web existente no módulo remoto de consulta para a comunicação entre a estrutura central (Sistema Central SENASP) e as diferentes bases integradas (módulos remotos de consulta), que utiliza o protocolo SOAP para as chamadas de métodos remotos e HTTP como infra-estrutura de comunicação. A arquitetura em questão disponibiliza serviços web que já implementam a criptografia e a assinatura digital da informação que trafega entre o sistema central e o módulo remoto. Os serviços web que compõem os módulos remotos de consulta a serem instalados nos estados/órgãos deverão ser estendidos de acordo com a plataforma e os requisitos próprios encontrados em cada ambiente.

2 Os serviços web do módulo remoto de consulta deverão entregar a requisição no padrão XML para a aplicação a ser desenvolvida responsável por se conectar a base estadual de informações criminais e retornar os dados solicitados no formato pré-definido pela SENASP no padrão XML para o módulo remoto de consulta. O serviço web do módulo remoto por sua vez retornará a informação para o Sistema Central. Um XML Schema é um documento XML que tem a função de definir uma estrutura, nome de campos, tipo de dados e outras informações para outros documentos XML. Estes XML Schemas são previamente definidos pela SENASP e deverão ser adotados para a implementação a ser realizada. A solução de acesso a ser implementada pela contratada consiste na comunicação entre os serviços web que compõem o módulo remoto e a base de dados do estado, responsável pela extração dos dados na base criminal e retorno dessas informações ao módulo remoto de consulta. O acesso dos serviços web do módulo remoto de consulta aos dados contidos nas bases estaduais, deverão ser implementados por meio da utilização da arquitetura provida pelo módulo remoto de consulta disponibilizado pela SENASP conforme detalhamento no Anexo I.1. O módulo remoto de consulta deverá acessar a base de dados do estado, através da solução de acesso a ser desenvolvida, obter o retorno das

3 informações e entregá-las ao sistema central da SENASP. O sistema central apresentará a resposta da requisição de consulta detalhada ao usuário final. O usuário final não acessa diretamente o módulo remoto localizado no estado, este acesso sempre é realizado através do Sistema central da SENASP. Esta solução de acesso à base estadual poderá se implementada pela contratada de diversas maneiras, dependendo do ambiente encontrado no estado: - através de um componente DAO (Data Access Object) responsável por encapsular as chamadas às transações no host (aplicação cliente) do estado. O padrão DAO visa permitir a integração com qualquer base legada a partir da interface disponibilizada e, quando for utilizada esta forma de implementação, o componente deverá ser estendido conforme a estrutura da base a ser acessada, mantendo sua independência e autonomia; - ou através de uma invocação a um outro serviço web responsável pelo acesso aos dados, na rede interna do estado; - ou através de uma invocação a outra aplicação standalone capaz de gerar um arquivo xml contendo a resposta à consulta. As soluções de acesso são demonstradas nas figuras a seguir:

4 Acesso via componente DAO que compõe o módulo remoto de consulta: Arquitetura Central (Sistema Central da SENASP) Módulo remoto de consulta LDAP SERVER WebService Indivíduos(Núcleo) Componente de acesso a base (DAO - Data Acess Object) Autenticação Servidor de Aplicação Web Índice Nacional de Indivíduos Base de Dados Externo Usuário Web figura de visão geral da arquitetura e solução de acesso via componente DAO do módulo remoto de consulta Acesso via invocação a outro webservice responsável pelo acesso aos dados no estado

5 Arquitetura Central (Sistema Central da SENASP) Módulo remoto de consulta LDAP SERVER WebService Indivíduos(Núcleo) Autenticação Web Service (acesso a base do estado) Servidor de Aplicação Web Índice Nacional de Indivíduos Base de Dados Externo Usuário Web figura de visão geral da arquitetura e solução de acesso via um web service na rede interna do estado Acesso via invocação à outra aplicação standalone capaz de gerar um arquivo xml contendo a resposta à consulta

6 Arquitetura Central (Sistema Central da SENASP) Módulo remoto de consulta LDAP SERVER WebService Indivíduos(Núcleo) Autenticação Aplicação Estado (busca e geração de xml de resposta) Índice Nacional de Indivíduos Servidor de Aplicação Web Base de Dados Externo Usuário Web figura de visão geral da arquitetura e invocação a outra aplicação capaz de gerar um arquivo xml de resposta à consulta A SENASP recomenda, que a opção a ser definida entre a SENASP, contratada e Equipe técnica do estado para o desenvolvimento do acesso a base estadual, deverá ser preferencialmente pela adoção da extensão do componente DAO já implementado no módulo remoto de consulta disponibilizado pela SENASP.

7 O acesso aos dados das bases estaduais através do módulo remoto é realizado através de uma camada que se comunica com a camada física onde realmente ficam as informações (banco de dados) e as chamadas a esta camada são recebidas através de serviços web que são disponibilizados de acordo com a necessidade de cada implementação. Os objetos DAO são os responsáveis por realizar este acesso às fontes de dados de forma transparente aos objetos que farão as solicitações. Assim, um objeto cliente faz uma solicitação de dados ao objeto DAO que implementa todas as operações necessárias de acordo com o tipo da fonte de dados para obter o dado e retorna o resultado para o objeto cliente. O serviço web não acessa diretamente a fonte de dados, tarefa delegada ao objeto específico DAO, que fornecerá o resultado da consulta submetida também através de um serviço web. Para cada tipo de consulta deve ser criado um objeto DAO específico. O DAO implementado no módulo remoto de consulta faz a ponte entre o serviço web cliente e a fonte de dados, utilizando objetos específicos para obter a resposta ao serviço no formato desejado pelo cliente.

8 TOMCAT Server Axis Server WebServicesSecurity Serviços de Consulta às bases remotas Data Access Object A definição de como será implementado o acesso dos serviços web do módulo remoto de consulta à base do judiciário deverá ser efetuada através do relatório de levantamento do ambiente dos tribunais, a fim de que as soluções a serem adotadas sejam adequadas conforme o ambiente computacional encontrado em cada tribunal. Esta definição e desenvolvimento terão que ser realizados em conjunto com os tribunais regionais federais e o tribunal de justiça do DF, uma vez que em fase posterior a implantação em produção e ao suporte prestado pela contratada, a manutenção da solução de acesso implementada deverá ser realizada pelos tribunais que detêm a autonomia de seus ambientes computacionais e necessitarão manter a segurança e integridade de suas bases de dados.

9 Desta forma, os serviços web de consulta disponibilizados no módulo remoto de consulta deverão ser estendidos de forma a prover o acesso à base de dados dos tribunais, de acordo com a plataforma existente e o retorno dessas informações para o módulo remoto, conforme os requisitos próprios da solução disponibilizada pela SENASP e de cada ambiente dos tribunais.

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

ANEXO XII INFRAESTRUTURA E SEGURANÇA. A finalidade desse Anexo é apresentar a infraestrutura e a segurança requeridas para a execução do Contrato.

ANEXO XII INFRAESTRUTURA E SEGURANÇA. A finalidade desse Anexo é apresentar a infraestrutura e a segurança requeridas para a execução do Contrato. 1 ANEXO XII INFRAESTRUTURA E SEGURANÇA 1. FINALIDADE A finalidade desse Anexo é apresentar a infraestrutura e a segurança requeridas para a execução do Contrato. 2. INFRAESTRUTURA PARA REALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS Anexo I Modelo para inscrição e apresentação dos projetos EDITAL DE CONVOCAÇÃO PÚBLICA nº 01/2016 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Nome ou Razão Social 1.2 Ramo de atividade (se empresa) 1.3 Endereço completo 1.4

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD CONCORRÊNCIA PÚBLICA INTERNACIONAL Nº 02430/2008

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD CONCORRÊNCIA PÚBLICA INTERNACIONAL Nº 02430/2008 Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD CONCORRÊNCIA PÚBLICA INTERNACIONAL Contratação de empresa especializada em tecnologia da informação para o desenvolvimento de Sistema Nacional de

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. PROFI

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. PROFI PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. PROFI Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 16/03/2014.

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL O Município de Chaves tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza económica que contribuem

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições,

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, flas RESOLUÇÃO 01 05 NORMAS DE USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO INPE IMEDIATA O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, RESOLVE Estabelecer

Leia mais

Projeto: Plataforma de Integração. Data: 01/08/2014

Projeto: Plataforma de Integração. Data: 01/08/2014 Manual do Usuário - Autenticação Plataforma de Integração Arquitetura de Software 1.0 20/03/2014 1 de 8 Histórico de Revisões Data Versão Descrição 01/08/2014 1.0 Criação do documento 04/08/2014 1.1 Revisão

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Declaração de Práticas. Plataforma Compras Públicas: ComprasPT

Declaração de Práticas. Plataforma Compras Públicas: ComprasPT Declaração de Práticas Plataforma Compras Públicas: ComprasPT 1. Revisões do Documento Código Data Responsável Comentário QS-C-0177-V0-IMP 28-04-2015 Mário Lourenço Criação do documento 2. Introdução Este

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENVIO DOS DADOS HIDROLÓGICOS EM TEMPO REAL DAS ESTAÇÕES TELEMÉTRICAS

PROCEDIMENTOS PARA ENVIO DOS DADOS HIDROLÓGICOS EM TEMPO REAL DAS ESTAÇÕES TELEMÉTRICAS PROCEDIMENTOS PARA ENVIO DOS DADOS HIDROLÓGICOS EM TEMPO REAL DAS ESTAÇÕES TELEMÉTRICAS VERSÃO MARÇO 2012 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta Ministério do Meio Ambiente (MMA)

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Agenda 1. Arquitetura de Software 1.1.Introdução 1.2.Vantagens da Arquitetura de Software

Leia mais

Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net. www.serpro.gov.

Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net. www.serpro.gov. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net www.serpro.gov.br Agenda História Introdução Objetivos técnicos Modelo de aplicação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL RESOLUÇÃO 18 / 03 / 2013 PRESIDÊNCIA Nº 62/2013 O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica Desenvolvimento de Web Services com SOAP. 1. Introdução. Com a tecnologia de desenvolvimento

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

:: SEI / MJ - 1098734 - Edital :: http://sei.mj.gov.br/sei/controlador.php?acao=documento_imprimir...

:: SEI / MJ - 1098734 - Edital :: http://sei.mj.gov.br/sei/controlador.php?acao=documento_imprimir... Boletim de Serviço em 17/09/2015 1098734 08004.001091/2015-67 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Esplanada dos Ministérios, Bloco T, Ed. Sede, 3º Andar, Sala 300-A - Bairro Zona Cívico Administrativa, Brasília/DF,

Leia mais

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS 1624/2014 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região 2 A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o que consta no PA nº 0008096-80.2014.5.04.0000,

Leia mais

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo.

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo. 1. DATACENTER 1.1. Hospedagem simples de servidor (colocation) Fornecimento de alocação de espaço e infraestrutura de alta disponibilidade no Datacenter da PRODEPA para hospedagem de equipamentos de propriedade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2225 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2225 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 10/04/2013-17:36:08 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2225 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Governo do Estado de São Paulo SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Governo do Estado de São Paulo SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Questionamentos Empresa: G4S 1) qual tamanho da banda que será fornecida para transmissão das

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Revisando As transações eletrônicas demandam mecanismos de segurança que garantam: Autenticidade Confidencialidade Integridade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

API SEBRAE. Versão 1.1

API SEBRAE. Versão 1.1 API SEBRAE Versão 1.1 Brasília 2015 Manual API SEBRAE HISTÓRICO DE VERSÕES Data Versão Descrição Autor 20/04/2015 1.0 Criação Via Appia Informática 08/07/2015 1.1 Melhorias Via Appia Informática SUMÁRIO

Leia mais

4 Arquitetura do middleware

4 Arquitetura do middleware 4 Arquitetura do middleware Ao utilizar um modelo de componentes orientado a serviços, o middleware Kaluana divide o processo de desenvolvimento de aplicações em duas etapas: a primeira é o desenvolvimento

Leia mais

Conheça o Sistema Piloto Technologies.:

Conheça o Sistema Piloto Technologies.: Conheça o Sistema Piloto Technologies.: Para atender a legislação da NF-e definida pelas Secretarias de Fazendas dos Estados, apresentamos a solução da PILOTO TECHNOLOGIES, que atende de forma completa

Leia mais

1.1. REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS & CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

1.1. REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS & CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1. Anexo III - Requisitos Técnicos e de Segurança A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste anexo. Os requisitos não

Leia mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA DOCUMENTAÇÃO ELETRONICA NO BRASIL. Aula 4 - Documentos eletrônicos 07/mai/2012. Prof. Apresentador: José Maria Ribeiro

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA DOCUMENTAÇÃO ELETRONICA NO BRASIL. Aula 4 - Documentos eletrônicos 07/mai/2012. Prof. Apresentador: José Maria Ribeiro EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA DOCUMENTAÇÃO ELETRONICA NO BRASIL Aula 4 - Documentos eletrônicos 07/mai/2012 Prof. Apresentador: José Maria Ribeiro Agenda Anterior: Conceitos da NF-e Objetivo Histórico Modelo Operacional

Leia mais

Manual de Integração Com Web Service

Manual de Integração Com Web Service Leiaute WebServices-NFSe - XML DOC-IN 1.0 1 / 22 Manual de Integração Com Web Service Leiaute WebServices-NFSe - XML DOC-IN 1.0 2 / 22 INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo apresentar as especificações

Leia mais

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e.

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. Conhecimento de Transporte Eletrônico OBJETIVO Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

Web Service de Distribuição de DF-e de Interesse dos Atores do MDF-e (PF ou PJ)

Web Service de Distribuição de DF-e de Interesse dos Atores do MDF-e (PF ou PJ) Projeto Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Web Service de Distribuição de DF-e de Interesse dos Atores do MDF-e (PF ou PJ) Versão 1.00 Maio 2015 Índice 1. Resumo... 3 2. Web Service MDFeDistribuicaoDFe...

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

MÓDULOS DE REGISTRO DE PARA ÓRGÃOS PÚBLICOS

MÓDULOS DE REGISTRO DE PARA ÓRGÃOS PÚBLICOS MÓDULOS DE REGISTRO DE ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS INTEGRADOS PARA ÓRGÃOS PÚBLICOS Gabriel Vieira Orientador: Prof. Jacques Robert Heckmann Roteiro de apresentação 1. Introdução e objetivos 2. Fundamentação

Leia mais

Declaração de Práticas

Declaração de Práticas Declaração de Práticas anogov Plataforma de Compras Públicas Data 28 abril 2015 Empresa Certificada ISO 9001 e ISO 27001 1. REVISÕES DO DOCUMENTO Código Data Responsável Comentário QS-C-0176-V0-IMP 28-04-2015

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Universidade Aberta do Brasil Edital Nº. 02 de 31 de julho de 2009 DED/CAPES Edital Pró-Equipamentos

Universidade Aberta do Brasil Edital Nº. 02 de 31 de julho de 2009 DED/CAPES Edital Pró-Equipamentos Universidade Aberta do Brasil Edital Nº. 02 de 31 de julho de 2009 DED/CAPES Edital Pró-Equipamentos A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, sediada no Setor Bancário

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 6 EJB Enterprise Java

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Comunicado Técnico 11

Comunicado Técnico 11 Comunicado Técnico 11 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Web Services e XML Comunicação Inteligente entre Sistemas Responsáveis: Daniela Justiniano de Sousa E-mail: dsol_dani21@hotmail.com Graduada

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

17/2009. Edital para o Desenvolvimento do Portal do Idec e do Banco de Informações sobre Participação do Consumidor na Regulação

17/2009. Edital para o Desenvolvimento do Portal do Idec e do Banco de Informações sobre Participação do Consumidor na Regulação 17/2009 Edital para o Desenvolvimento do Portal do Idec e do Banco de Informações sobre Participação do Consumidor na Regulação Identificação do Contratante 2 Identificação do Contratante a. Executor:

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD (*) 1) SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED 1.1) FINALIDADE: instituído pelo Decreto nº 6.022, de janeiro de 2007, o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital SPED faz parte do programa

Leia mais

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2.

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2. 2014 Web Service - NFS-e Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService Este manual tem como objetivo orientar os usuários, sobre os procedimentos relativos

Leia mais

Proposta de Serviço Piloto Grupo de Trabalho Segunda Fase

Proposta de Serviço Piloto Grupo de Trabalho Segunda Fase Proposta de Serviço Piloto Grupo de Trabalho Segunda Fase Federação de Repositórios Educa Brasil - FEB Rosa Maria Vicari Universidade Federal do Rio Grande do Sul 23.10.2009 1. Concepção do serviço 1.1.

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 2011 1 1. APRESENTAÇÃO No momento de sua concepção não haviam informações detalhadas e organizadas sobre os serviços de Tecnologia da

Leia mais

Política de uso do eduroam

Política de uso do eduroam Política de uso do eduroam DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Versão 1.0 Julho de 2012 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Público alvo... 4 4. Credenciamento... 4 5. Requisitos...

Leia mais

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais.

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais. Edital MCT/FINEP/MC/FUNTTEL Plataformas para Conteúdos Digitais 01/2007 Projeto OBAA Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Tecnologias Java para Implementação de NF e Edilmar Alves Novembro/2008 edilmaralves@intersite.com.br

Tecnologias Java para Implementação de NF e Edilmar Alves Novembro/2008 edilmaralves@intersite.com.br Tecnologias Java para Implementação de NF e Edilmar Alves Novembro/2008 edilmaralves@intersite.com.br Palestrante Mestre em Ciência da Computação pela UNICAMP/SP; Professor Universitário nas áreas de Redes

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016 Desenvolvimento de Plataforma Digital de Monitoramento

EDITAL Nº 01/2016 Desenvolvimento de Plataforma Digital de Monitoramento EDITAL Nº 01/2016 Desenvolvimento de Plataforma Digital de Monitoramento COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO 2016 Tipo: melhor técnica e preço Desenvolvimento de plataforma digital com indicadores de monitoramento

Leia mais

Sistema centralizado O Paradigma Cliente/Servidor

Sistema centralizado O Paradigma Cliente/Servidor centralizado O Paradigma Cliente/Servidor Computador central (mainframe) + conjunto de terminais + recursos centralizados recursos mainframe terminais 2 distribuído Relações entre entidades Grupo de computadores

Leia mais

Criando Web Services. Palestrante: Daniel Destro do Carmo

Criando Web Services. Palestrante: Daniel Destro do Carmo Criando Web Services com Apache Axis Palestrante: Daniel Destro do Carmo Tópicos do Tutorial Introdução O que são Web Services? Padrões Web Services SOAP WSDL Web Services com Java O que é Apache Axis?

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIALISTA TI SÊNIOR (SISDAGRO) Perfil: Especialista em

Leia mais

Introdução ao Active Directory AD

Introdução ao Active Directory AD Introdução ao Active Directory AD Curso Técnico em Redes de Computadores SENAC - DF Professor Airton Ribeiro O Active Directory, ou simplesmente AD como é usualmente conhecido, é um serviço de diretórios

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

O USO DO CERTIFICADO ICP- BRASIL NA CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE DE BENS

O USO DO CERTIFICADO ICP- BRASIL NA CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE DE BENS O USO DO CERTIFICADO ICP- BRASIL NA CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE DE BENS Frederico Jorge Vaz de Figueiredo Assad 1º Oficial Registrador de Ribeirão Preto - SP CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14a/2010

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14a/2010 CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14a/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE BANCO DE DADOS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas BPM e SOA Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Como funcionam as organizações? O que ébpm Business Process Management (BPM)

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: TI - Alert-as (Pleno) 1. HISTÓRICO O Instituto Nacional de Meteorologia

Leia mais

PORTARIA DETRAN/RS N. 461, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 (DOE 25.11.2013)

PORTARIA DETRAN/RS N. 461, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 (DOE 25.11.2013) PORTARIA N. 461, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 (DOE 25.11.2013) O DIRETOR-PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO -, no uso das atribuições legais conferidas pelo art. 6º da Lei Estadual nº 10.847,

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. 1) Recebimento de eventuais questionamentos e/ou solicitações de esclarecimentos Até 18/02/2009 às 18:00 horas;

ATA DE REUNIÃO. 1) Recebimento de eventuais questionamentos e/ou solicitações de esclarecimentos Até 18/02/2009 às 18:00 horas; ATA DE REUNIÃO CONSULTA PÚBLICA PARA AQUISIÇÃO DE SOLUÇÃO WEB-EDI Troca Eletrônica de Dados. Local Dataprev Rua Cosme Velho nº 06 Cosme Velho Rio de Janeiro / RJ. Data: 06/03/2009 10:30 horas. Consolidação

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente)

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Redes Heterogênea e Convergente Professor Rene - UNIP 1 Redes heterogêneas Redes Heterogêneas Todo ambiente de rede precisa armazenar informações

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

ANEXO I Termo de Referência

ANEXO I Termo de Referência ANEXO I Termo de Referência 1 - OBJETO, QUANTIDADES, LOCAL, PRAZO E PREÇOS. 1.1. Constitui objeto deste Termo de Referência a contratação do direito de uso, não exclusivo, de licenças de software educacional

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 10 Segurança na Camadas de Rede Redes Privadas Virtuais (VPN) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º Semestre / 2015

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

DISPONIBILIZAÇÃO DE CONTEÚDOS

DISPONIBILIZAÇÃO DE CONTEÚDOS DISPONIBILIZAÇÃO DE CONTEÚDOS BINÁRIOS VERSIONADOS NA WEB: UMA ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS POSTGRESQL, MYSQL E SVN VISANDO ARQUITETURAS COM SOLUÇÕES PARA ACESSO E ARMAZENAMENTO EFICIENTES. Corneli

Leia mais

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01 APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET O processo de Navegação na Internet Aula 01 O processo de Navegação na Internet. USUÁRIO A CONEXÃO PROVEDOR On-Line EMPRESA

Leia mais

Implementação do Protocolo 802.1x. Utilizando Servidor de Autenticação FreeRadius. Discentes: Luiz Guilherme Ferreira. Thyago Ferreira Almeida

Implementação do Protocolo 802.1x. Utilizando Servidor de Autenticação FreeRadius. Discentes: Luiz Guilherme Ferreira. Thyago Ferreira Almeida Implementação do Protocolo 802.1x Utilizando Servidor de Autenticação FreeRadius. Discentes: Luiz Guilherme Ferreira Thyago Ferreira Almeida Vilmar de Sousa Junior Projeto de Redes de Computadores Professor

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso PROTÓTIPO DE UM SOFTWARE EDUCACIONAL PARA AUXILIAR O PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM ATRAVÉS DE RECURSOS COMPUTACIONAIS Orientador: Francisco Adell Péricas Acadêmico: Andrei

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.232. Art. 1º Introduzir alterações no Regulamento do Sisbacen, que passa a vigorar conforme o documento anexo.

CIRCULAR Nº 3.232. Art. 1º Introduzir alterações no Regulamento do Sisbacen, que passa a vigorar conforme o documento anexo. CIRCULAR Nº 3.232 Divulga novo Regulamento do Sisbacen - Sistema de Informações Banco Central. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 24 de março de 2004, D E C I D I

Leia mais

CONSULTA PROCESSUAL WEB PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO CONSULTA PROCESSUAL WEB. 1ª e 2ª INSTÂNCIAS MANUAL DO USUÁRIO

CONSULTA PROCESSUAL WEB PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO CONSULTA PROCESSUAL WEB. 1ª e 2ª INSTÂNCIAS MANUAL DO USUÁRIO PODER JUDICIÁRIO CONSULTA PROCESSUAL WEB 1ª e 2ª INSTÂNCIAS MANUAL DO USUÁRIO Brasília - DF 2014 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Página inicial do sítio do TRF1... 7 Figura 2 - Tela inicial do sistema...

Leia mais