Revista Instituinte nº 1 1º semestre de 2013 IBECS Instituto Brasileiro de Educação, Cultura e Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Instituinte nº 1 1º semestre de 2013 IBECS Instituto Brasileiro de Educação, Cultura e Saúde http://ibecscomunidadeetica.org."

Transcrição

1 A SAÚDE DO TRABALHADOR NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE OCCUPATIONAL HEALTH IN THE UNIFIED HEALTH SYSTEM Andréia De Conto Garbin Doutoranda na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Psicóloga, atua na Secretaria Municipal de Saúde de São Bernardo do Campo. Agradeço as contribuições das psicólogas Eliana Pintor (CEREST Diadema) e Nancy Yasuda (CEREST SBC) sobre a versão final do artigo. RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar a estruturação da área da saúde do trabalhador no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). São apresentados aspectos histórico conceituais, a estruturação da Rede Nacional de Atenção em Saúde do Trabalhador e estratégias de ação para garantir a atenção integral aos trabalhadores. Os primeiros serviços de saúde com foco na saúde dos trabalhadores foram constituídos em meados dos anos 80, fruto da mobilização dos trabalhadores, sob influência do modelo operário italiano, no qual a participação dos trabalhadores era fundamental para o reconhecimento dos riscos aos quais estavam expostos no trabalho. A área da saúde do trabalhador constitui um campo de conhecimentos e práticas, cuja finalidade é estudar, analisar e intervir nas relações entre trabalho e saúde e doença, desenvolvidas na rede de serviços de saúde pública. A criação da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) objetivou integrar os serviços do SUS, de diferentes níveis de complexidade, com uma rede regionalizada de Centros de Referência em Saúde do Trabalhador que desenvolvem o papel de centros articuladores e organizadores no seu território de abrangência de ações intra e intersetoriais de saúde do trabalhador. Assumem a função de pólos irradiadores de ações e ideias de vigilância em saúde, de caráter sanitário e de base epidemiológica. O CEREST passa a atuar como apoiador matricial, oferecendo 51

2 às equipes de referência da Atenção Básica retaguarda assistencial, suporte técnico e de educação permanente para o desenvolvimento das ações em saúde do trabalhador. Conclui que a efetivação da política de saúde do trabalhador no SUS passa por tornar viável a execução das ações de Saúde do Trabalhador em todos os níveis do sistema, em especial, mediante a incorporação de ações na atenção básica, haja vista a possibilidade de desenvolver as ações de prevenção e promoção da saúde. Palavras-chave: Saúde do Trabalhador; Sistema Único de Saúde; políticas públicas. ABSTRACT This essay aims to present the structure of the health worker under the Brazilian National Health System (SUS). There are presented historical and conceptual aspects, the structure of the National Network of Occupational Health and action strategies to ensure comprehensive care workers. The first health services focused on health workers were recorded in the mid 80s, thanks to the mobilization of workers, under the influence of the italian workers, in which worker participation was essential for the recognition of the risks they were exposed in work. The health of the worker constitutes a field of knowledge and practices whose purpose is to study, analyze and intervene in relations between labor and health and disease, developed in the network of public health services. The creation of the National Worker Health Care (RENAST) aimed at integrating the SUS services, deferent levels of complexity, with a regionalized network of Centers of Reference in Occupational Health to develop the role of makers and organizers in centers territory-wide intra and inter actions of the worker health. Assume the role of poles irradiators of actions and ideas of health surveillance, sanitary character and epidemiological basis. The CEREST passes to act as matrix support giving teams in reference the primary care, care support, technical support and continuing education for the development of actions in occupational health. The effective policy of workers health in SUS goes through to secure the implementation of the actions of ST on all levels of the system, in particular, through the merger of actions in primary care, there are already considering the possibility of developing preventive actions and health promotion. Key-words: Occupational Health; Unified Health System; Public Policies. 52

3 Este artigo tem por objetivo apresentar a estruturação da área da saúde do trabalhador no âmbito do Sistema Único de Saúde. Inicialmente, são apresentados aspectos histórico conceituais. Em seguida, a estruturação da Rede Nacional de Atenção em Saúde do Trabalhador e, por fim, apresenta-se o matriciamento das ações como um dispositivo a garantir a atenção integral aos trabalhadores. ASPECTOS HISTÓRICOS E LEGAIS DA ESTRUTURAÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS Os primeiros serviços de saúde com foco na saúde dos trabalhadores foram constituídos em meados dos anos 80, fruto da mobilização dos trabalhadores. Anterior à criação do Sistema Único de Saúde (SUS), foram organizados os primeiros serviços de atenção à saúde do trabalhador na estrutura da rede básica de saúde, sob influência do modelo operário italiano, no qual a participação dos trabalhadores era fundamental para o reconhecimento dos riscos aos quais estavam expostos no trabalho (LACAZ, 1996; MAENO & CARMO, 2005). No contexto da rearticulação do movimento sindical brasileiro, as questões de saúde no trabalho ganham espaço na agenda e as concepções construídas nesta área vão assumindo lentamente o caráter de uma verdadeira contrapolítica (RIBEIRO et al., 1985) porque adotam pressupostos que divergem das ideias hegemônicas da época. A produção do conhecimento teórico e prático, por trabalhadores e profissionais de saúde, considerava que as condições de trabalho são determinadas pela posição que o trabalho ocupa na sociedade em relação ao capital (SATO: 1992, p. 104); que a melhoria das condições de trabalho passa necessariamente pela participação dos trabalhadores e pela integração do saber do trabalhador com o conhecimento técnico-científico (MAENO & CARMO: 2005, p. 68). A abertura política, a mobilização sindical e dos movimentos sociais constituíram o ambiente favorável à articulação dos primeiros programas de saúde do trabalhador do Estado de São Paulo, cujo esforço era implantar ações de saúde pública com foco na 53

4 intervenção nos ambientes de trabalho para eliminar os riscos à saúde dos trabalhadores (COSTA et al.: 1989). As políticas públicas de atenção à saúde dos trabalhadores germinaram sob os auspícios do movimento em defesa de uma saúde pública que garantisse a toda população a atenção e cuidado integral. A mobilização do movimento sindical e sanitário refletiu na promulgação da Constituição Federal de 1998 e, posteriormente, na Lei Orgânica da Saúde Lei nº 8.080/90 (BRASIL: 1990a). No texto constitucional, a saúde foi definida como direitos de todos os cidadãos e dever do Estado (BRASIL: 1988). No Sistema Único de Saúde (SUS), os princípios estabelecidos definiram uma nova estratégia de atenção e proteção aos trabalhadores. O princípio da universalidade estabeleceu a atenção a todos os trabalhadores, independente do vínculo empregatício; o princípio da equidade conduziu à atenção diferenciada para os trabalhadores em situações mais vulneráveis; e a integralidade exigiu a articulação de ações intra e intersetoriais. Deste modo, a legislação definiu que as ações em saúde do trabalhador devem contemplar promoção, prevenção, assistência, reabilitação e vigilância à saúde, com participação e controle social. A lei nº 8.142/90 dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros, com as seguintes instâncias colegiadas: Conferência de Saúde e Conselho de Saúde (BRASIL: 1990b). Para Lacaz (1996), a área da saúde do trabalhador constitui um campo de conhecimentos e práticas, cuja finalidade é estudar, analisar e intervir nas relações entre trabalho e saúde e doença, desenvolvidas na rede de serviços de saúde pública. A emergência da área pode ser considerada: Conceitualmente, pode-se dizer que a saúde do trabalhador surge enquanto uma prática social instituinte, que se propõe a contribuir para a transformação da realidade de saúde dos trabalhadores, e por extensão da população como um todo, a partir da compreensão dos processos de trabalho particulares, de forma articulada com o consumo de bens e serviços e o conjunto de valores, crenças, idéias e representações sociais próprios de um dado momento da história humana (DIAS: 1995, p. 27). 54

5 Para a autora, as ações de saúde do trabalhador visam à mudança nos processo de trabalho, por meio de uma abordagem transdisciplinar e intersetorial, com participação dos trabalhadores. Trata-se, portanto, de um campo teórico e prático que exige a articulação de diversos saberes. Portanto, os instrumentos normativos da Saúde do Trabalhador, elaborados a partir da vigência da carta magna de 88, divergem das diretrizes adotadas até então nas normas legais relacionadas à segurança e medicina do trabalho, dispostas nas legislações trabalhista e previdenciária, pois estas priorizavam os controles de saúde impondo uma visão reducionista processo saúde-doença, conforme disposto a seguir: Por terem um caráter normativo extremamente detalhado tornamse rígidas o suficiente para deixarem descoberta uma ampla gama de situações. Além disso, baseiam-se na concepção do homem-médio, no sentido estatístico do termo, o que exclui as variações individuais e a variabilidade (SATO: 1992, p.106). A implementação do SUS estruturou a área de atenção aos trabalhadores com intervenções nos diferentes níveis (básico, especializado e urgência/emergência) e práticas diversificadas na atenção e cuidado, na proteção e vigilância à saúde e no pronto atendimento. Em 2002, a Portaria MS/GM nº 1.679, criou a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST), cujo objetivo é integrar os serviços do SUS, de diferentes níveis de complexidade, estabelecendo um fluxo contínuo de financiamento para os Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST s) habilitados (BRASIL, 2002). Em 2005, a Portaria MS/GM nº 2.437, ampliou a rede CEREST definindo que as ações em Saúde do Trabalhador devem ser desenvolvidas, de forma descentralizada e hierarquizada, em todos os níveis de atenção do SUS, incluindo as de promoção, preventivas, curativas e de reabilitação. A implementação da RENAST dar-se-á com a inclusão das ações de saúde do trabalhador na atenção básica, a implementação das ações de promoção e vigilância em saúde do trabalhador e a instituição de serviços de Saúde do 55

6 Trabalhador de retaguarda, chamados de Rede de Serviços Sentinela em Saúde do Trabalhador (BRASIL: 2005). A implementação de uma rede regionalizada de Centros de Referência em Saúde do Trabalhador pressupõe que estes não sejam portas de entrada do sistema de saúde pública, mas desenvolvam o papel de centros articuladores e organizadores no seu território de abrangência de ações intra e intersetoriais de saúde do trabalhador. Assumem a função de pólos irradiadores de ações e ideias de vigilância em saúde, de caráter sanitário e de base epidemiológica (BRASIL: 2006). Assim, a partir desta data, os Programas de Saúde do Trabalhador (COSTA, et al.: 1989) ou os Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (CRST s) passam a integrar a rede nacional com a denominação de Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST s) constituindo-se como serviços que integram a rede de atenção do SUS, em nível especializado, articulando conhecimentos tecnológicos e participação social. São estabelecidos dois tipos de Centros de Referência em Saúde do Trabalhador: os estaduais e os regionais, com foco na promoção de ações para melhorar as condições de trabalho e a qualidade de vida do trabalhador. Atualmente, no Brasil, existem mais de 200 CEREST s, regionais e estaduais, devendo ampliar para 210. No estado de São Paulo são 42 serviços dessa natureza (RENASTONLINE: 2012). Os CEREST s regionais têm as atribuições de suporte técnico, de educação permanente, de capacitar a rede de serviços de saúde na estruturação da assistência, promoção e vigilância à saúde dos trabalhadores. A vigilância em saúde tem por objetivo a observação e análise permanente da situação de saúde da população, visando controlar os determinantes, riscos e danos à saúde. As ações de vigilância da saúde do trabalhador caracterizam-se por atividades de promoção e proteção, recuperação e reabilitação da saúde dos trabalhadores submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho. A vigilância em saúde deve estar inserida em todos os níveis de atenção articulando o conhecimento da vigilância epidemiológica, ambiental, sanitária e da saúde do trabalhador, sendo a territorialização a base do trabalho das equipes de atenção básica para a prática da vigilância em saúde (BRASIL: 2009). 56

7 De acordo com o Manual da RENAST (BRASIL: 2011), as atribuições dos CEREST s abarcam as dimensões: político-institucional, por meio da articulação da elaboração e da execução da Política de Saúde do Trabalhador loco-regional; gestão e organização dos serviços, subsidiando o planejamento das ações transversais, contribuindo na elaboração de projetos de cooperação técnica atendendo as prioridades regionais, apoiando e incentivando a estruturação da rede de serviços sentinela 1 ; a implementação das diretrizes clínicas e dos protocolos de atenção em saúde do Trabalhador, dentre outras; vigilância e sistemas de informação, inclui o monitoramento dos indicadores e análise das informações sobre a saúde dos trabalhadores, a produção de dados e a referência para a investigação dos casos; formação em saúde do trabalhador, desenvolvimento de ações de educação permanente, capacitação para fortalecimento da rede e disseminação do conhecimento; ações intra e intersetoriais, ênfase na inserção das ações de saúde do trabalhador nas linhas de cuidados em todos os níveis de organização do SUS e articulação interinstitucional para vigilância dos processos produtivos e dos seus impactos no meio ambiente; controle social, articulação e incentivo a ampla participação dos trabalhadores e fortalecimento do controle social. Deste modo, a estruturação da RENAST visa garantir, em todos os níveis do SUS, a inclusão do olhar para a saúde dos trabalhadores, dentre outras estratégias, por meio da ampliação da rede de CERESTs, cuja atribuição é disseminar e articular a inserção da Saúde do Trabalhador na atenção básica e nos níveis de maior complexidade do sistema de saúde; direcionada ao acompanhamento dos setores produtivos que se destacam na determinação de agravos à saúde dos trabalhadores. Deve-se, ainda, ressaltar que a Saúde do Trabalhador, enquanto política de saúde pública, focaliza as atividade de trabalho, formal e informal, que ofereçam riscos à saúde e à segurança dos trabalhadores e fomenta a participação dos trabalhadores. 1 A Rede Sentinela é composta por unidades de saúde (chamadas de unidades sentinela) que identificam, investigam e notificam, quando confirmados, os casos de doenças, agravos e/ou acidentes relacionados ao trabalho, de acordo com o art. 2º da Portaria GM/777, de 2004, criou a Rede Sentinela de Notificação Compulsória de Acidentes e Doenças Relacionados ao Trabalho (BRASIL: 2004). 57

8 A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora instituída pela portaria 1.823, de 23 de agosto de 2012, estabelece que: Art. 3º Todos os trabalhadores, homens e mulheres, independentemente de sua localização, urbana ou rural, de sua forma de inserção no mercado de trabalho, formal ou informal, de seu vínculo empregatício, público ou privado, assalariado, autônomo, avulso, temporário, cooperativados, aprendiz, estagiário, doméstico, aposentado ou desempregado são sujeitos desta Política. Parágrafo único. A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora alinha-se com o conjunto de políticas de saúde no âmbito do SUS, considerando a transversalidade das ações de saúde do trabalhador e o trabalho como um dos determinantes do processo saúdedoença. Art. 7º A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora deverá contemplar todos os trabalhadores priorizando, entretanto, pessoas e grupos em situação de maior vulnerabilidade, como aqueles inseridos em atividades ou em relações informais e precárias de trabalho, em atividades de maior risco para a saúde, submetidos a formas nocivas de discriminação, ou ao trabalho infantil, na perspectiva de superar desigualdades sociais e de saúde e de buscar a equidade na atenção. Parágrafo único. As pessoas e os grupos vulneráveis de que trata o "caput" devem ser identificados e definidos a partir da análise da situação de saúde local e regional e da discussão com a comunidade, trabalhadores e outros atores sociais de interesse à saúde dos trabalhadores, considerando-se suas especificidades e singularidades culturais e sociais. Art. 8º São objetivos da Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora: I - fortalecer a Vigilância em Saúde do Trabalhador (VISAT) e a integração com os demais componentes da Vigilância em Saúde; II - promover a saúde e ambientes e processos de trabalhos saudáveis; III - garantir a integralidade na atenção à saúde do trabalhador, que pressupõe a inserção de ações de saúde do trabalhador em todas as instâncias e pontos da Rede de Atenção à Saúde do SUS, mediante articulação e construção conjunta de protocolos, linhas de cuidado e 58

9 matriciamento da saúde do trabalhador na assistência e nas estratégias e dispositivos de organização e fluxos da rede; IV - ampliar o entendimento de que de que a saúde do trabalhador deve ser concebida como uma ação transversal, devendo a relação saúdetrabalho ser identificada em todos os pontos e instâncias da rede de atenção; V - incorporar a categoria trabalho como determinante do processo saúde-doença dos indivíduos e da coletividade, incluindo-a nas análises de situação de saúde e nas ações de promoção em saúde; VI - assegurar que a identificação da situação do trabalho dos usuários seja considerada nas ações e serviços de saúde do SUS e que a atividade de trabalho realizada pelas pessoas, com as suas possíveis conseqüências para a saúde, seja considerada no momento de cada intervenção em saúde; e VII - assegurar a qualidade da atenção à saúde do trabalhador usuário do SUS (BRASIL: 2012). Considerando as diretrizes da atual Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora discutiremos, neste artigo, os desafios para organização das ações em saúde do trabalhador em âmbito municipal e suas as interfaces com a rede de saúde. DESAFIOS ATUAIS: DISSEMINAÇÃO DAS AÇÕES DE SAÚDE DO TRABALHADOR NA REDE SUS O processo de implantação das ações em Saúde do Trabalhador por meio da RENAST, tendo os CEREST s como apoiadores técnicos, encontra dificuldades para disseminar na rede do SUS as ações de saúde do trabalhador, pois Embora a Renast atribua ao CEREST o papel de dar suporte técnico e científico às intervenções em ST: [ ] a rede SUS ainda não incorporou, de forma efetiva, em suas concepções, paradigmas e ações o lugar que o Trabalho ocupa na vida dos indivíduos e suas relações com o espaço socio-ambiental. Diante do crescimento do mercado informal, do trabalho familiar e em domicílio, a inserção efetiva das ações de ST no 59

10 SUS está diretamente relacionada à sua assimilação pela rede básica (SANTOS & LACAZ: 2012, p. 1144). O trabalho como determinante do processo saúde-doença ainda não foi incorporado na prática das ações em saúde. Embora estudos e legislações divulguem amplamente o potencial adoecedor do trabalho e seus impactos ao meio ambiente, na prática, fatores relacionados à formação profissional, à falta de suporte técnico e às carências da rede de atenção interferem na articulação das ações da rede de atenção em saúde do trabalhador (CHIAVEGATTO: 2010). Este contexto impõe o desafio de investigar o cotidiano das ações de saúde tratando-o como um campo de problematização, proporcionando novas possibilidades de apreensão e de produção do cuidado, para buscar quais são os dispositivos que podem disparar movimentos transformadores na articulação da rede de saúde do trabalhador do SUS. Para Merhy (2002, p. 160) o cotidiano em saúde é o terreno da produção e da cristalização dos modelos de atenção à saúde e, também, da produção de novos arranjos que configuram novos espaços de ação e novos sujeitos coletivos, bases para modificar o sentido das ações de saúde, em direção ao campo das necessidades dos usuários finais. No atual contexto de articulação das ações em saúde do trabalhador, as equipes dos CEREST s são demandadas por necessidades dos trabalhadores atendidos nas unidades básicas de saúde, por problemas identificados pelos agentes comunitários de saúde e outros serviços da rede de saúde, portanto, para além dos muros do serviço especializado emergem as necessidades do território. Para reconhecer seu território de responsabilidade para além da paisagem, não basta a equipe da unidade de saúde o olhar desarmado, que não ultrapassa a superfície dos fenômenos. Recomenda-se a aproximação com o olhar do antropólogo, que procura ativamente estranhar o que lhe é familiar e familiarizar-se com o que lhe é estranho (CHIESA & KON: 2007, p. 313). 60

11 Este movimento das equipes dos CEREST s tem como principal articulador a área da Atenção Básica (AB) e suas equipes do Programa da Saúde da Família (PSF) e dos Agentes Comunitários (PACS) que atuam com base na identificação dos problemas de saúde nos territórios. Portanto, o CEREST passa atuar como apoiador matricial, oferecendo, às equipes de referência da AB, retaguarda assistencial, suporte técnico e de educação permanente para o desenvolvimento das ações em saúde do trabalhador. Entende-se o apoio matricial como um arranjo institucional criado para promover a interlocução entre as equipes de saúde, no qual há espaço permanente de diálogo, com o intuito de ampliar as possibilidades de concretizar a clínica ampliada e oferecer retaguarda especializada às equipes (CAMPOS & DOMITTI: 2007; BRASIL: 2003). Portanto, o matriciamento produzido pelas equipes dos CEREST s favorece o aprimoramento do olhar da vigilância da saúde considerando os determinantes sociais, os riscos ambientais, epidemiológicos e sanitários na compreensão dos problemas, ou seja, leva em conta os múltiplos fatores envolvidos no processo de adoecimento e, também, o cuidado integral aos trabalhadores, de acordo com a gravidade e complexidade do caso, com resolutividade. Assim, as ações de atenção, proteção e vigilância priorizadas pelas equipes dos CEREST s se estruturam no contexto territorial para definir problemas e prioridades a partir do reconhecimento das atividades produtivas e ocupacionais e das necessidades de saúde dos grupos de trabalhadores. Desempregados, crianças e adolescentes economicamente ativos, gestantes, trabalhadores em atividades perigosas em domicílio e com deficiências constituem grupo de trabalhadores mais vulneráveis. O território é entendido como o espaço onde vivem grupos sociais, suas relações e condições de subsistência, de trabalho, de renda, de habitação, de acesso à educação e o seu saber preexistente, como parte do meio ambiente, possuidor de uma cultura, de concepções sobre saúde e doença, de família, de sociedade, etc. Além de mudanças teóricas e metodológicas que permitem a ampliação de tecnologias para fazer frente aos problemas de saúde, a vigilância da saúde propõe que os agentes sociais sejam os responsáveis pelo processo de definição de problemas e pelo encaminhamento das soluções. O indivíduo é o objetivo 61

12 final da vigilância da saúde, mas deve ser considerado parte da família, da comunidade, do sistema social, do ambiente (CAMPOS: 2003, p. 578). O autor considera que a saúde da família oferece um espaço no qual as práticas de um novo modo de conceber o sistema de saúde podem ser exercitados a partir do desenvolvimento de ações direcionadas à solução dos problemas específicos de cada território, articulando os saberes das diversas áreas técnicas e contribuindo para que as equipes locais possam estar capacitadas a tratar problemas de forma integral. Diante dos desafios a serem superados para que a categoria trabalho passe a ser considerada nas investigações clínicas, nas anamneses, nos grupos de acolhimento, tem se mostrado potente a articulação das ações em saúde no trabalhador na atenção básica. Verifica-se a disseminação dos conceitos e ações em saúde do trabalhador na rede do SUS por meio das reflexões produzidas no cotidiano de trabalho. Deste modo, as ações de educação permanente repercutem na reformulação do sistema e das práticas em serviço. Alguns estudos e experiências municipais, nesta área, apontam que a estratégia do matriciamento das ações e o aprimoramento do olhar da vigilância em saúde começam a ser incorporados pela rede de saúde auxiliando na superação das dificuldades apresentadas. A experiência do município de Amparo, interior do Estado de São Paulo, mostra que o aumento do vínculo entre os profissionais da área da saúde do trabalhador e atenção básica produziu uma articulação intrasetorial sem precedentes na história do município, visto que foram constituídos espaços de interlocução, com maior responsabilidade sobre a saúde dos trabalhadores (SANTOS & LACAZ: 2012, p. 1149). As ações de matriciamento desenvolvidas pelas equipes da área da Saúde do Trabalhador incluem a discussão de casos e apoio no desenvolvimento do plano terapêutico adequado, elaboração do mapa de atividades produtivas do território e eleição de prioridades considerando o perfil epidemiológico dos trabalhadores, suporte técnico nas investigações dos agravos relacionados ao trabalho, orientações e capacitações permanentes (SECRETARIA DE ESTADO DE MINAS GERAIS: 2011). Dias, Bertolini e Pimenta (2011) apresentam, ainda, outras estratégias de ação no cotidiano do trabalho articuladas entre as áreas de saúde do trabalhador e atenção básica sustentadas no dispositivo do matriciamento, quais sejam: padronização de fluxos; 62

13 notificação de todos os acidentes e doenças relacionados ao trabalho; publicação de lei tornando obrigatória em todos os serviços de saúde do município a notificação de acidentes e doenças do trabalho; reuniões periódicas; elaboração de material educativo em saúde do trabalhador; eventos educativos. O apoio matricial desenvolvido pelo Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Diadema, município da região do Grande ABC do estado de São Paulo, em cinco Unidades Básicas de Saúde, propiciou a escuta aos profissionais da Atenção Básica, privilegiando a reflexão quanto às questões biológicas, emocionais e sociais afetas à Saúde do Trabalhador; enfatizou o papel do CEREST como retaguarda para os atendimentos; fortaleceu o sistema de referência e contra referência e sensibilizou as equipes das unidades na relação do processo de saúde e doença. Os encaminhamentos dos trabalhadores por essas unidades básicas ao CEREST tornaram-se mais próximos e efetivos, havendo troca de informações e acompanhamento dos casos, seja via telefone, impresso, referência e contra referência, ou nas reuniões, contribuindo, dessa forma, para um atendimento efetivo, eficaz e integral à saúde do trabalhador (KANASAWA, MONTEIRO & PINTOR: 2011, p. 34). Deste modo, verifica-se que a implantação de ações intra e interinstitucionais articulando os diversos atores envolvidos com o mundo do trabalho favorece um cuidado integral ao trabalhador. RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA: A CONSTRUÇÃO DAS AÇÕES DE MATRICIAMENTO EM SAÚDE DO TRABALHADOR NO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO O CEREST de São Bernardo do Campo 2, município localizado na região do Grande ABC do estado de São Paulo, iniciou uma reestruturação na organização das suas ações em 2009 em consonância com as mudanças na política municipal de saúde. A organização da 2 O CEREST de São Bernardo do Campo tem abrangência municipal e a cidade possui uma população estimada de 800 mil habitantes (PMSBC, 2012). 63

14 atenção integral à Saúde do Trabalhador apoiou-se no plano de gestão do sistema em que a AB é ordenadora do cuidado. Deste modo, passa a ser atribuição do CEREST oferecer suporte técnico ao trabalho das equipes da rede de saúde. As ações de matriciamento na área da saúde do trabalhador foram definidas com foco em três prioridades: Articular as ações em saúde do trabalhador e saúde mental, considerando os dados insipientes de notificação de casos no município e as dificuldades inerentes à estruturação das duas áreas, conforme disposto por Bernardo e Garbin (2011). Acolher os trabalhadores, independente do vínculo empregatício, inserindo-os na rede de atenção e cuidado, por meio da rede básica, reconhecer os potenciais riscos e perigos para a saúde e o meio ambiente decorrentes das atividades produtivas e identificar o perfil de morbimortalidade dos trabalhadores do município visando ofertar uma atenção integral qualificada, à luz da experiência de Dias, Bertolini e Pimenta (2011). Investigar os acidentes graves, fatais e com trabalhadores adolescentes ocorridos no município ampliando as ações de vigilância em saúde e as notificações das situações de violência e acidentes e intoxicações no trabalho visando à adoção de medidas de prevenção e controle nos ambientes e locais de trabalho, conforme estudado por Cordeiro et. al. (2005). Os primeiros resultados sinalizam a crescente incorporação das ações de saúde do trabalhador pela rede de saúde. O processo de trabalho da equipe do CEREST foi reorganizado com foco nas novas atribuições do serviço, deste modo, foram visitadas todas as unidades de urgência e emergência para apresentação e discussão de uma ficha de notificação dos acidentes de trabalho atendidos na rede. O Relatório de Atendimento de Acidente de Trabalho (RAAT) foi apreciado pela rede e recolhidas sugestões de mudanças. A implantação desta ficha de notificação representou o aumento do número de registros, maior agilidade nas ações de vigilância, em relação à ocorrência do acidente, a inclusão de inspeções em situações de trabalho informal e o acompanhamento da conduta terapêutica conjuntamente com o serviço de saúde. Foi iniciada a notificação dos agravos relacionados 64

15 ao trabalho pela rede pública e privada de serviços de saúde do município possibilitando a reorganização da rede de serviços sentinelas. Outra estratégia articulada em rede foi o registro dos casos de violência relacionados ao trabalho notificados pelas unidades de saúde, que desencadearam a investigação pela equipe do CEREST, integrando a Rede de Atenção às Pessoas em Situação de Violência (SECRETARIA DE SAÚDE DE SÃO BERNARDO DO CAMPO: 2010). As situações de violência notificadas evidenciaram a violência física e psicológica vivenciada por trabalhadores do mercado formal e informal. As intervenções foram direcionadas ao cuidado do usuário e às ações de vigilâncias nos locais. Outra temática importante refere-se à saúde mental no trabalho pautada na agenda municipal de saúde em SBC. O reconhecimento das demandas apresentadas por trabalhadores do setor público de saúde, dentre eles os agentes comunitários de saúde, impulsionaram a Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo a introduzir o tema na agenda de discussão das áreas da saúde do trabalhador, saúde mental e na atenção básica, prioritariamente. Os principais objetivos foram: disseminar as discussões sobre a preservação da saúde mental no trabalho na sociedade, aos profissionais de saúde, aos trabalhadores, sindicalistas, empregadores...; reconhecer os transtornos mentais decorrentes do trabalho, notificar os casos e promover intervenções nos locais de trabalho; ofertar projetos terapêuticos aos trabalhadores nos processos de adoecimento relacionados ao trabalho e reconhecer a ocorrência desses casos como um evento sentinela para desencadear a investigação. Foi constituído um grupo de trabalho com profissionais do CEREST, das áreas de Saúde Mental e de Atenção Básica para reconhecer a problemática e estruturar propostas de ações, em rede, articulando cuidado e prevenção no âmbito da secretaria e para a população trabalhadora. Os principais resultados obtidos neste percurso foram: o acolhimento e cuidados aos casos identificados de sofrimento mental; as rodas de conversa com chefias e trabalhadores ofertando espaços de escuta no âmbito da Atenção Básica; notificações dos casos no CEREST e na Atenção Básica; organização de evento para discussão da saúde mental na rede de saúde municipal; oficina para definição dos temas a serem trabalhados no Programa de Educação pelo Trabalho (PET Saúde), com ênfase nos 65

16 processos de trabalho dos agentes comunitários de saúde; realização do VI Seminário Regional sobre Saúde Mental e Trabalho; inspeções em locais de trabalho com registro de violências, agressões e assédio moral no trabalho. O aprimoramento das orientações ao trabalhador sobre a sua situação de saúde e a relação com o trabalho e os direitos foi desencadeado em reuniões e discussões de casos com os profissionais das unidades. Os profissionais puderam acompanhar períodos de atendimentos ao trabalhador no próprio CEREST. Ainda, com o intuito de desenvolver ações estratégias intersetoriais, no âmbito da educação em saúde, a equipe do CEREST passou a desenvolver atividades educativas, Rodas de Conversa sobre Saúde do Trabalhador, ao público atendido na Central de Trabalho e Renda 3, equipamento que oferece reinserção no mercado de trabalho e requalificação profissional, como o objetivo ofertar os serviços do CEREST orientando a população quanto às medidas preventivas e de promoção à saúde e introduzir a temática da Saúde do Trabalhador na agenda das ações municipais relacionadas ao trabalho. Verifica-se que há desinformação por parte da população no que se refere à temática da saúde do trabalhador, o que pode limitar a percepção de riscos em ambiente de trabalho, e o interesse, quando manifestado, decorre da vivência de um acidente ou doenças no trabalho, o que indica a necessidade de se investir mais em ações educativas/ preventivas, não somente nas empresas, mas também em instituições de formação, haja vista que alguns dos participantes relatavam ter feito cursos em diversas áreas, porém desconheciam o serviço CEREST e os direitos em situações de agravo à saúde decorrente do trabalho. As situações de vulnerabilidade social e as precárias condições de trabalho constatadas nos estabelecimentos que lidam com materiais recicláveis promoveram incômodos na equipe, pois se constata que a reciclagem é umas das alternativas para o tratamento dos resíduos urbanos e contribui diretamente para a conservação do meio ambiente, porém, muitas vezes, a cadeia produtiva envolve catadores ou cooperativas de trabalho dos programas de coleta seletiva, que se encontram em situações precárias. Nestes 3 A Central de Trabalho e Renda integra os serviços oferecidos pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo à população. 66

17 casos, identificam-se, na atividade laboral, diversos riscos à saúde dos trabalhadores, estes, muitas vezes, com grau de parentesco ou uma rede de apoio social, que buscam alternativas ao desemprego conseguindo renda para manterem suas famílias. A equipe do CEREST, juntamente com a equipe da Vigilância Ambiental, ao se deparar com a demanda de inspeção nos locais, advinda de órgãos públicos, vizinhanças, população, profissionais etc., realizou a vigilância e reconheceu imediatamente que, os instrumentos tradicionais utilizados em inspeções sanitárias de trabalho não alcançariam os objetivos de uma intervenção em prol da saúde dos trabalhadores envolvidos, da população do entorno e benefícios ambientais. Diante dos desafios apresentados, optou-se pela estruturação de intervenções a partir das equipes de saúde do território, com a participação das agentes comunitárias de saúde e da equipe das unidades básicas, com ênfase no diálogo e análise psicossocial. Foram realizadas orientações de caráter preventivo, atualização das vacinações, indicação do uso de equipamento de proteção individual, organização geral dos materiais e do ambiente de trabalho, avaliação social dos trabalhadores e orientações previdenciárias e dos programas sociais. As equipes de saúde incluíram estes estabelecimentos em suas visitas e os trabalhadores passaram a usar os serviços da unidade. Foram dados os passos iniciais para a participação da equipe do CEREST e da Vigilância Ambiental na construção de projetos terapêuticos envolvendo este público de trabalhadores. A estreita relação entre as áreas da saúde do trabalhador e a vigilância ambiental tem pautado discussões relativas aos processos de degradação ambiental e suas repercussões à saúde humana. Para a equipe apresentou-se como um desafio dialogar com a rede de saúde sobre a forma como vivemos, as marcas no meio ambiente e os impactos à saúde. Desta forma, foi planejada a oficina Pegada Ecológica: que marca deixamos no planeta? As oficinas foram desenvolvidas nas unidades de saúde, com trabalhadores e usuários, oferecendo um espaço de reflexão e vivência para descobrir qual o impacto de pequenos gestos do nosso dia-a-dia na natureza. A Pegada Ecológica foi criada para ajudar a perceber o quanto de recursos naturais é utilizado para sustentar o estilo de vida, incluindo usos da água, energia, alimentação, consumo e descarte de lixo, transporte, entre outros, por isso os rastros e pegadas podem ser maiores ou menores, dependendo de 67

18 como caminhamos. Outra questão abordada nas oficinas tratou dos resíduos dos serviços de saúde e potencial de risco para a saúde dos trabalhadores e para o meio ambiente e a população (GALLO et al.: 2012). O olhar sobre este processo de implantação das ações de saúde do trabalhador nos serviços da rede de saúde do município de São Bernardo do Campo indica que a estratégia de matriciamento, promovendo um diálogo entre as equipes, e as atividades de educação permanente possibilitaram reestruturar o processo de trabalho na equipe do CEREST de SBC com foco na melhor identificação das necessidades da população adscrita no território, de acordo com as características das atividades produtivas, perquirindo uma atenção integral e resolutiva ao trabalhador. CONSIDERAÇÕES FINAIS A efetivação da política de saúde do trabalhador no SUS passa por tornar viável a execução das ações de ST em todos os níveis do sistema, em especial, mediante a incorporação de ações na atenção básica, haja vista a possibilidade de desenvolver as ações de prevenção e promoção da saúde. Assim, poderão ser atendidas as diretrizes da política nacional fortalecendo a vigilância em ST, promovendo à saúde e ambientes de trabalho saudáveis e garantindo a integralidade na atenção à saúde dos trabalhadores. A implementação da atual política nacional de saúde do trabalhador e trabalhador pressupõe a adoção de novos paradigmas para estruturação das ações nesta área, portanto trata-se de considerar as prioridades de maior vulnerabilidade em saúde do trabalhador: chefe da família desempregado ou subempregado, crianças e adolescentes trabalhando, gestantes, portadores de algum agravo à saúde relacionado com o trabalho e atividades produtivas no domicílio, com o olhar para o território. As estratégias de ação devem constituir o apoio matricial visando o exercício de práticas interdisciplinares na perspectiva da clínica ampliada, da promoção e da vigilância em saúde do trabalhador com o fortalecimento da participação da comunidade, dos trabalhadores e do controle social. A incorporação das ações de Saúde do Trabalhador nas redes de atenção à saúde apresenta-se como um desafio. Incluir o trabalho como determinante do processo saúde- 68

19 doença e, portanto, investigado como tal, é uma meta a ser perseguida e uma atribuição da área de saúde do trabalhador. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERNARDO, Marcia Hespanhol; GARBIN, Andréia De Conto. A atenção à saúde mental relacionada ao trabalho no SUS: desafios e possibilidades. Rev. bras. saúde ocup. [online]. 2011, vol.36, n.123, p BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, BRASIL. Lei de 19 de setembro de Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1990a. BRASIL. Lei de 28 de dezembro de Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1990b. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS Nº 1.679/02 de 20 de setembro de Dispõe sobre a ampliação da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador no SUS e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. O vínculo e o diálogo necessários. Inclusão das ações de saúde mental na atenção básica. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, (Circular conjunta nº 1/3). BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 777, de 28 de abril de Dispõe sobre os procedimentos técnicos para a notificação compulsória de agravos à saúde do trabalhador em rede de serviços sentinela específica, no Sistema Único de Saúde SUS. Diário Oficial da União, Brasília, DF, BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2.437, de 7 dezembro de Dispõe sobre a ampliação e o fortalecimento da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador - RENAST no Sistema Único de Saúde - SUS e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF,

20 BRASIL. Ministério da Saúde. Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador Manual de Gestão e Gerenciamento, Disponível em Acesso em 15 mai BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de gestão da vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde (Série A. Normas e Manuais Técnicos), BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Gestão da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador. In: V Encontro Nacional da RENAST. Brasília: DF, Disponível em: nacional-renast/27-set-2011/manha-27-de-set- 2011/Apresentacao%20do%20Manual%20de%20Gestao%20da%20Renast_Soraya%20Wi ngester%20vila%20boas_ pdf. Acesso em 05 mai BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.823, de 23 de agosto de Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Diário Oficial da União, Brasília, DF, CAMPOS, Carlos Eduardo Aguilera. O desafio da integralidade segundo as perspectivas da vigilância da saúde e da saúde da família. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2003, vol.8, n.2, p CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa; DOMITTI, Ana Carla. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública. Fev. 2007, vol. 23, n. 2, p CHIAVEGATTO, Cláudia Vasques. Percepção dos profissionais de nível superior da atenção primária quanto ao desenvolvimento de ações de saúde do trabalhador no SUS em Minas Gerais. Mestrado. Pós-Graduação em Saúde Pública. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, CHIESA, Anna Maria; KON, Rubens. Compreensão do território: instrumento de gestão em atenção primária à saúde. In: SANTOS, Álvaro da Silva; MIRANDA, Sônia Maria Rezende Camargo de. (Org.). A enfermagem na gestão em atenção primária à saúde. Barueri: Manole, 2007, p

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

FÓRUM PRESENÇA AMIMT - 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO (DECRETO7.602 DE 07 DE NOVEMBRODE 2011) Interministerial

FÓRUM PRESENÇA AMIMT - 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO (DECRETO7.602 DE 07 DE NOVEMBRODE 2011) Interministerial FÓRUM PRESENÇA AMIMT - 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO (DECRETO7.602 DE 07 DE NOVEMBRODE 2011) Interministerial Elizabeth Costa Dias 08 novembro de 2012 Decreto 7.602, de 07/11/2011

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Politica Nacional de Humanizacao , ~ PNH. 1ª edição 1ª reimpressão. Brasília DF 2013

Politica Nacional de Humanizacao , ~ PNH. 1ª edição 1ª reimpressão. Brasília DF 2013 ,, ~ Politica Nacional de Humanizacao PNH 1ª edição 1ª reimpressão Brasília DF 2013 ,, O que e a Politica Nacional de ~ Humanizacao?, Lançada em 2003, a Política Nacional de Humanização (PNH) busca pôr

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana. V Encontro Nacional da RENAST SETEMBRO / 2011

Curso de Especialização em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana. V Encontro Nacional da RENAST SETEMBRO / 2011 Curso de Especialização em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana à distância V Encontro Nacional da RENAST SETEMBRO / 2011 OBJETIVO GERAL Qualificar profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS), integrantes

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Profª Dolores Sanches Wünsch NEST/UFRGS 1 Questões Iniciais Papel das

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

(Versão preliminar para discussão) Documento em elaboração. Não citar. Não reproduzir.

(Versão preliminar para discussão) Documento em elaboração. Não citar. Não reproduzir. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde Trabalhador POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR

Leia mais

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA: A BOCA E A SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA:

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Painel 3: Atuação do Movimento Sindical e Popular na efetivação das Ações em Saúde do Trabalhador Telma Dantas

Painel 3: Atuação do Movimento Sindical e Popular na efetivação das Ações em Saúde do Trabalhador Telma Dantas Painel 3: Atuação do Movimento Sindical e Popular na efetivação das Ações em Saúde do Trabalhador Telma Dantas A segurança e saúde no trabalho diz respeito a todos. Bom para si. Bom para as empresas. Conceito

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA Departamento de Apoio à Gestão Participativa /DAGEP Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa /SGEP Ministério

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL.

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. Araújo Leônidas, Florentino Júnio; Iturri de La Mata, José Antonio; Queiroga de

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE VIDAL, Kiussa Taina Geteins; LIMA, Flávia Patricia Farias; SOUZA, Alcy Aparecida Leite; LAZZAROTTO, Elizabeth Maria; MEZA, Sheila

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional - CAISAN Secretaria-Executiva Proposta

Leia mais

As escolas podem transformar os cenários de atuação?

As escolas podem transformar os cenários de atuação? As escolas podem transformar os cenários de atuação? Jorge Harada COSEMS/SP Premissas Relação da Instituição de Ensino com o serviço... com a gestão local é mais amplo do que a autorização ou disponibilização

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NOTA TÉCNICA 45 2011 POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR Brasília, 20 de outubro de 2011. POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 1. INTRODUÇÃO: CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA Saúde do Trabalhador refere-se

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência.

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência. ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO Nara FUKUYA 1 ; Ana Elisa Bauer Camargo SILVA 2 1,2 Universidade Federal de Goiás, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Núcleo de Estudo

Leia mais