O PROCESSO HISTÓRICO DE CONSTITUIÇÃO DA GESTÃO ESCOLAR BRASILEIRA THE HISTORY PROCESS CONSTITUTION OF BRAZILIAN SCHOOL MANAGEMENT RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO HISTÓRICO DE CONSTITUIÇÃO DA GESTÃO ESCOLAR BRASILEIRA THE HISTORY PROCESS CONSTITUTION OF BRAZILIAN SCHOOL MANAGEMENT RESUMO"

Transcrição

1 32 O PROCESSO HISTÓRICO DE CONSTITUIÇÃO DA GESTÃO ESCOLAR BRASILEIRA THE HISTORY PROCESS CONSTITUTION OF BRAZILIAN SCHOOL MANAGEMENT Helen Danyane Soares Caetano-Souza 1 Elenita Jacinto Vasconcelos 2 RESUMO O estudo se refere à história da gestão educacional no Brasil e trata-se de uma pesquisa de cunho bibliográfico. Seu objetivo é analisar historicamente como foi constituído o papel do gestor escolar para fundamentar trabalhos que tratem da temática de gestão escolar especialmente no âmbito público. A composição histórica deste processo se torna relevante para que as discussões acerca da gestão escolar sejam devidamente compreendidas e analisadas considerando-se aspectos fundamentais que acontecem na atualidade. Os marcos de sua constituição estão na educação jesuítica, bem como, as mudanças em decorrência do crescimento da população. A industrialização do país também compõe este cenário marcante da educação brasileira, fazendo crescer não só a indústria, mas, propiciando um novo modelo de educação que a demanda exigia, iniciando o processo de democracia e a descentralização do poder nas escolas. Palavras Chave: Gestão Educacional. Gestor Escolar. Democracia. ABSTRACT This study refers to the history of management education in Brazil and it is a bibliographical research. Your goal is to analyze historically who was constituted the role of the school manager to support work addressing the theme of school management especially in public education. The composition of this historical process is relevant to discussions about the school management are properly understood and analyzed considering fundamental aspects that happen today. The cornerstones of its constitution are in Jesuit education, as well as changes due to population growth. The industrialization of the country is also part of this scenario marked Brazilian education, growing not only industry, but providing a new model of education that the demand required, starting the process of democracy and decentralization of power in schools. Keywords: Educational Management. School Management. Democracy. 1. INTRODUÇÃO A história da educação brasileira foi marcada e dominada pelos Jesuítas que durante décadas recebiam ajuda financeira do Estado português e tinha o compromisso de oferecer e formar a população, o ensino era de acordo com a capacidade e diversidade de interesses. A finalidade da escola adepta ao catolicismo era de instruir filhos de 1 Mestre em Educação pela Universidade de Brasília, Professora nas Faculdades INESC, Especialista em Gestão Educacional pelas Faculdades INESC. Residente à Rua Caracas, 61 Bairro Primavera, Unaí-MG; (38) Graduada em Pedagogia pelas Faculdades INESC.

2 33 colonos e catequizar os índios, o aprendizado profissional e agrícola era o suficiente para elitisar os colonos. Após a expulsão dos Jesuítas surge o ensino público financiado pelo Estado e para o Estado, com o propósito de formar cidadãos negociantes que atendessem o interesse do governo. Durante muito tempo a educação brasileira esteve estagnada, mas com a chegada da família real provocou mudanças na gestão educacional, tornando-se necessário uma nova reestruturação educacional. Com o aumento da população fez-se necessário criar novas escolas e cursos dando origem a modelo imperial e que atendesse as várias áreas e demandas que o campo de trabalho exigia, dividindo a responsabilidade da educação entre os Estados. Em meio a oscilações na educação brasileira a economia do país cresceu e em consequência disso novas mudanças na estrutura e organização da escola. Nesta época as escolas eram insuficientes e os professores sem qualificação tinham baixos salários, o que gerava falta de assuidade e má formação dos alunos. A partir do século XIX a educação pública brasileira foi influenciada pela cultura norteamericana, beneficiando a mulher e a criança, organizada e influenciada pelos positivistas que passaram a difundir suas ideias por meio da educação, mas sem muitos progressos. A organização escolar brasileira se deu com avanços e recuos, mas a partir da década de 40 com a volta de Getúlio Vargas no poder, houve um aumento significativo quanto aos recursos para educação e cultura, o que posteriormente pode-se verificar que eram insuficientes. A construção da Capital Federal Brasília, o governo de Jucelino Kubitschek fez o Brasil crescer, mas, a educação permaneceu estagnada aumentando o índice de analfabetismo no país (RIBEIRO, 2005). O contexto socioeconômico, político e social dos anos 80 enfatizam a transformação na área da educação, com a democratização do ensino e da escola, o foi foco a gestão e administração escolar. Eis que surge o movimento dos trabalhadores da educação que busca garantir uma gestão democrática de acordo com o momento político país. A gestão democrática avançava com modelo de gestão político-pedagógico e administrativo, que é orientada por processos de participação das comunidades local e da escola. O processo de democratização tornou-se fundamental visando melhores resultados em decorrência da descentralização do poder exercido pelo governo, que impunha condições ao gestor da escola se eximindo das responsabilidades que resultava em negligência e incompetência do gestor que era um mero preposto do governo.

3 34 Com a descentralização o gestor passou a ter mais autonomia para agir e tomar decisões, facilitando e transferindo a administração pública educacional administrativa, financeira e pedagógica para a escola. A proposta desta pesquisa se retorna relevante na medida em que resgatamos o passado a fim de compreender os inúmeros métodos de gestão utilizados na educação em busca de melhoria para o ensino, o que atualmente ainda é almejada. Este estudo buscou analisar historicamente como foi constituído o papel do gestor escolar, quando e por quem foi exercida esta função, bem como, as contribuições sócio-históricas que constituiu o atual modelo. Esta pesquisa tem ainda a intenção de auxiliar o desempenho da educação pública e servir de subsídios para outros pesquisadores ou estudiosos do assunto no intuito de melhorar e aperfeiçoar o modelo de gestão escolar do país. 2. História da Gestão Educacional no Brasil O início da história da educação no Brasil foi marcado e dominado pelos Jesuítas, e teve como fundador Inácio de Loyola, da Companhia de Jesus, que, após um grave ferimento em batalha tornou-se soldado de Cristo. Os Jesuítas recebiam subsídios do Estado português, este tinha juridicamente, por obrigação, oferecer e formar gratuitamente sacerdotes, bem como oferecer estudo diversificado à população para atender a diversidade de interesses e de capacidades diferenciadas, com propósito de instruir os filhos dos colonos e catequizar os índios à fé católica. (RIBEIRO, 2005). Segundo Ribeiro (2005), nesta época a escola era organizada em forma de cursos, o aprendizado profissional e agrícola era o bastante para atender e capacitar os colonos para a vida. Não era do interesse dos Jesuítas darem seguimento na educação, não visava ao homem culto com grandes conhecimentos, ensinava apenas o suficiente para a sobrevivência da colônia. Em quinze dias os missionários fizeram funcionar, na recém-fundada cidade de Salvador, uma escola de ler e escrever. Mas em 1759, a Companhia de Jesus foi expulsa e acusada de decadente e ultrapassada. Afinal, o ensino universalista e muito formal distanciava os alunos do mundo, tornando-os sem qualificação para a vida prática. Assim nem um homem em trezentos anos!, disse o escritor e historiador Michetel (apud ARANHA, 2008, p. 130). Para o historiador Michetel a Companhia de Jesus, em trezentos anos não deu formação intelectual a nem um homem. Para Ribeiro (2005, p. 23), entre , verifica-se que os colégios Jesuítas foram instrumentos de formação para a elite colonial. Os escolarizados seriam os filhos dos colonos e os índios apenas catequizados. Conforme o autor, catequese era de interesse

4 35 da Companhia de Jesus e fonte de novos adeptos ao catolicismo, educava o cristão a serviço da ordem religiosa e não pelos interesses do país. Com a expulsão dos Jesuítas por serem detentores do poder econômico, foi devolvido ao governo a responsabilidade da educação. De acordo com Aranha (2008, p.130) na paixão do debate, a Companhia foi acusada de ter enriquecido, de exercer poder político sobre os governos, visando a suas próprias conveniências. Eis que surge com isso o ensino público financiado pelo Estado e para o Estado, com o objetivo de simplificar os estudos, diversificar os conteúdos e torná-los mais práticos para formar indivíduos negociantes que atendessem a interesses do governo (RIBEIRO, 2005). Segundo Ribeiro (2005, p. 33), no dia 28/6/1759, foi criado o cargo de diretor geral dos estudos. De acordo com o mesmo autor, esse órgão determinava exames para todos os professores, proibia o ensino público ou particular sem licença do diretor geral dos estudos e designava comissários para o levantamento sob o estado das escolas e dos professores. [...] os professores passaram a gozar do direito dos nobres, o diretor geral proibia o ensino público ou particular sem licença e designava comissários para o levantamento sobre o estado das escolas e professores. (idem, p. 33). Em relação ao novo modelo de organização escolar, poucas mudanças foram feitas, diante das incertezas. Para Ribeiro (2005, p. 34), pedagogicamente essa nova organização era um retrocesso, mas representou um avanço ao exigir novos métodos. Segundo o mesmo autor, a tradição de formação jesuítica permanece, mas, modernizada e direcionada à elite colonial masculina, prevalecendo à camada dominante portuguesa. 2.1 Uma nova Gestão Educacional necessária para o Brasil Com a chegada da família real e da corte portuguesa, em meados de 1808, o Brasil se tornou sede da Coroa portuguesa, aumentando a população do Brasil. Houve a necessidade imediata de uma nova reestruturação e organização administrativa em todos os ministérios. E em consequência disso, fez-se necessário, a partir dessa nova realidade, uma demanda muito grande no campo educacional. Para preparar e qualificar pessoas em áreas diversas e específicas foram criadas novas escolas e novos cursos a fim de atender a formação de novos campos do trabalho, rompendo com o ensino jesuítico (RIBEIRO, 2005).

5 36 [...] tais criações se revestiram de um aspecto positivo: o de terem surgido de necessidades reais do Brasil, coisa que pela primeira vez ocorria, embora essas necessidades ainda tenham sido em função de ser o Brasil sede do reino. (idem, p. 42). Diante da demanda em que o Brasil se encontrava é que deu origem à estrutura do ensino imperial, de um modo geral, percebe-se que a educação da época é subdivida entre os estados. Essa imposição constituiu problemas ao atendimento e à eficiência na escola, comprometendo os interesses e necessidades dos futuros cidadãos da nação que ainda era muito recente. De um modo geral, percebe-se que a educação era muito restrita em alguns estados, com o surgimento da nação brasileira impunha exigências à organização educacional. É importante lembrar que o sucesso da lavoura cafeeira a partir de 1840, propicia mudanças promissoras no Brasil. E em consequência a esse sucesso, já na década de 1850, apontada como época de férteis realizações, a educação restrita em sua maioria na corte por vigor da lei. Assim é criada a Inspetoria Geral da Instrução Primária e Secundária, destinada a orientar e fiscalizar o ensino público e particular, fazendo crescer a economia e a conciliação dos partidos, resultado da atuação de homens considerados notáveis pelo grau de instrução. Ribeiro (2005, p.55) enfatiza que numa organização econômico-politico-social como a do Brasil - Império, as medidas especialmente relacionadas à escola acabavam por depender marcadamente de boa vontade das pessoas. Como não poderia deixar de ser, desde esta época as mudanças propostas na estrutura e organização da educação não eram levadas em consideração, vários eram os fatores que contribuíam: os baixos salários dos professores geram falta de assuidade, e consequentemente, o mau preparo dos alunos. (ARANHA, 2008). Para Aranha (2001, p.125) além das queixas ao conteúdo excessivamente literário e pouco científico, as escolas são insuficientes e os mestres sem qualificação adequada, e a transformação social não interessava a camada privilegiada que estava sempre no domínio. No início do século XIX, as responsabilidades sob as escolas eram das províncias, mas indiretamente essa responsabilidade acabava sobre o governo central pela omissão na tarefa de reorganização devido à instabilidade dos cursos. O Brasil passa por uma acelerada mudança, em decorrência do desenvolvimento das atividades industriais compostas das camadas dominantes e médias, em consequência da modernização da sociedade dando início ao movimento Republicano. (RIBEIRO, 2005).

6 37 Vale dizer que a escola brasileira é influenciada significativamente na organização e nos processos didáticos por iniciativa particular norte-americana, atingindo a escola pública. A mulher e a criança que anteriormente não tinham acesso à escola, agora são considerados seres ativos e respeitados, isso requer do governo um indispensável preparo para o professor. Nesse período, a organização escolar era influenciada pelos positivistas, na tentativa de difundir suas ideias através da educação. Para Ribeiro (2005, p.74) esta vai ser uma característica do primeiro período republicano, em constante mudança, sem progresso ou rendimento quanto à nova realidade social brasileira que mais uma vez constata a ineficiência no modelo organizacional escolar. Para Aranha (2001, p.151) é uma atuação irregular, fragmentada e quase nunca com resultados satisfatórios. A escola continua com reformas organizacionais até meados de 1920, oscilando com influências importadas. A falta de capacitação profissional e criatividade são algumas das limitações impostas pelas inúmeras tentativas de transferências sociais, culturais e políticas, resultantes de outros países, essas influências evidenciam a dependência e limitações impostas pelo mecanismo de transplante cultural. (RIBEIRO, 2005) A insatisfação nessa época era geral, tanto nos setores dominantes quanto pelos dominados, havia um ambiente de agitação e contestação de ideias que caracterizavam a organização escolar. Aumentando ainda mais os índices do analfabetismo, agora o problema passa a ser tratado por educadores de profissão, nascia um novo modelo de escolarização sendo assimilado de Escola Nova. Por fim, é criado o Ministério da Educação e Saúde, em 1930, sob responsabilidade de Francisco Campos, ligado ao movimento de reformas educacionais, que adota como regra de organização o sistema universitário. Desse modo, foi criado o cargo de reitoria com a função de coordenar, administrar as faculdades que ainda exigia a incorporação de três cursos entre eles a Medicina. Em seguida, foi organizado o ensino secundário com o objetivo de transformálo em um curso educativo que foi dividido em duas etapas: a primeira educação de cinco anos. (idem, 2005) Até então o ensino secundário não passava de cursos preparatórios. Para Romanelli (2001, p. 131) o que existia eram sistemas estaduais sem articulação com o sistema Central, portanto esse foi um dos pontos visados para transformação educativa. A Constituição de 1934 enfim estabelece a obrigatoriedade ao governo federal de fixar um plano nacional de educação que atendesse todos os graus e ramos de ensino na educação, foram criados fundos especiais para alunos mais necessitados sob diversas formas e bolsa de estudo.

7 38 Segundo Ribeiro (2005) em meados de houve um aumento percentual significativo em relação às despesas com a educação, que passou a ocupar o sexto lugar na classificação por área em desenvolvimento, sendo suficiente para ampliação e organização educacional, entretanto insuficiente para transformação educacional. A organização escolar no período de foi subdividida em três momentos distintos, o de Getúlio Vargas entre ( ) chamado de Estado Novo, o de Eurico Gaspar Dutra entre ( ), em reação ao Estado Novo, e Getúlio Vargas retornando à presidência em ( ). De acordo com Ribeiro (2005) no primeiro mandato de Getúlio Vargas, o crescimento brasileiro se deu com avanços e recuos, não interronpendo, mas retardando o crescimento. Em 10 de novembro é autorgada uma nova constituição que em consequência do golpe de estado aderiu os poderes no Executivo e liquidou com o federalismo, com os governos estaduais e com a pluralidade sindical, Getúlio Vargas é obrigado a sair do governo. Quanto à educação explicitada na lei, a orientação políticaeducacional era ocasional de mão de obra para novas funções no mercado, e visava às classes menos favorecidas. Segundo Ribeiro (2005, p. 132) em 18 de setembro de 1946, foi promulgada a 4ª Constituição Republicana, em essência não era diferente da Constituição de 1934, mas consolida os três poderes independentes, o presidencialismo, e reafirmava em muitos pontos os princípios Democráticos. Para Ribeiro (2005, p. 133) o art. 174, parágrafo único. O art. 5º. inciso XV, alínea d, do Cp. I Dá à União competência para legislar sobre as diretrizes e bases da educação Nacional. Nessa mesma constituição também é imposta no art. (III e IV) responsabilidade sob as empresas, quanto à educação de seus empregados menores e de seus respectivos filhos, se o número destes fosse superior a cem. Nesse sentido, o governo ficava livre de toda e qualquer responsabilidade quanto à educação da classe menos favorecida. De volta ao governo Getúlio Vargas, reinicia a política de aproximação com as massas, interrompida em 1945, foi um dos governos que mais avançou e agitou a vida constitucional brasileira, entre tantos feitos a criação da Petrobrás. Para a educação não foi diferente, houve um aumento significativo quanto aos recursos financeiros destinados à educação e cultura, tudo indicava que, à primeira vista, dava-se prioridade à educação. Mas posteriormente pôde-se constatar que na classificação geral das áreas Militares, Fazenda, Viação e Obras Públicas a porcentagem de investimentos eram maiores, fazendo a educação cair para 3 e 4 lugares na classificação quanto às verbas destinadas.

8 A Gestão Democrática e a Influência Administrativa Capitalista O período entre 1955 e 1968 foi marcado pelo governo de Juscelino Kubitschek de Oliveira e João Goulart que em seguida lançaram o programa de progressão para fazer o Brasil progredir 50 anos em 5 (RIBEIRO, 2005). Esse período foi marcado pela construção de Brasília, pela morte de Vargas, e pelo enriquecimento da nação e o empobrecimento das camadas populares. Segundo Ribeiro (2005) Juscelino é apoiado por significativos setores da sociedade brasileira, estabelecendo uma real liberdade política, colocando em prática promessas de melhoria e de condições de vida, estabelecendo ainda um clima de paz social que proporcionava condições de ação. Pela primeira vez o Brasil se desenvolve. Nesse período, observa-se que a organização escolar brasileira ficou basicamente estagnada, houve aumento da população, o que fez as despesas crescerem, o estado durante esse período dedicou uma quantia percentual pequena, apenas de 1,1% dedicados à educação, fazendo o índice de analfabetismo crescer. A introdução ao conceito de gestão escolar no debate educacional se deu juntamente quando a crítica ao caráter conservador e autoritário da administração, na área da educação, enfatizou no contexto socioeconômico e político dos anos de o seu compromisso com a transformação social e com a democratização do ensino e da escola (PARO, 1999). Diante desse quadro, o enfoque da administração escolar teve outra dimensão que não à de gerenciamento. Em meados da década de 80, surge um movimento efetivado pelos trabalhadores da educação, buscando garantir a construção de um projeto de gestão com aspectos democráticos frente às proposições político-educacionais do momento. (idem, 1999) Surgiram teorias administrativas críticas, que se baseiam: [...] sua base na fenomenologia, no existencialismo, no método dialético e nas abordagens de ação e que estabelecem como critério-chave na orientação dos atos e fatos administrativos a relevância humana, em que são analisados os critérios de eficiência, eficácia e efetividade na administração. (HORA, p. 40) A Constituição brasileira vigente e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LEI n 9394/96) instituem princípios na gestão escolar para gerir as escolas públicas que possibilitarão a articulação e operacionalização da educação. Paro (1999) chama a atenção para o fato de que a Lei também renunciou a regulamentar o princípio de gestão democrática de forma mais precisa, deixando de fazer avançar

9 40 importantes aspectos da gestão escolar. Atribuindo assim aos Estados e Municípios a decisão sobre importantes aspectos da gestão. Contudo, houve um grande avanço em relação ao movimento de gestão democrática. Certamente a ideia de gestão democrática está vinculada à função social que a escola deve cumprir. Inicialmente, definimos gestão democrática como um tipo de gestão político-pedagógica e administrativa orientada por processos de participação das comunidades local e escola. (PROGESTÃO, p. 18, 2001) A formação ética, profissional e política dos gestores eleitos privilegiam interesses coletivos e públicos. A princípio, a gestão democrática do ensino público, estabelecida na Constituição brasileira, foi regulamentada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n 9.394/96). Ao estabelecer a gestão democrática do ensino, institui o direito e o dever de participar de todos os que atuam nos sistemas e nas escolas públicas. Nesta linha de raciocínio faz relevante mencionar: A iniciativa de adesão da Secretária de Estado de Educação de Minas Gerais ao Projeto de Capacitação a Distância para Gestores Escolares PROGESTÃO deve-se ao desafio de capacitar um dos maiores contingentes de educadores do País. (GUIA DO DIRETOR, (200?), p. 78) A educação é entendida como apropriação do saber e da cultura humana historicamente produzida. E é por meio da escola que acontece a solidificação dessa estreita ponte que liga o homem ao conhecimento, fazendo da sua vida um constante aprendizado. De tal forma, a gestão democrática visa estabelecer relações recíprocas de aceitação e desenvolvimento de ações que beneficiarão toda comunidade escolar num processo eficaz e positivo de ensino/aprendizagem. A interação, a parceria e o diálogo concretizam um ensino de qualidade. O Gestor da escola exerce papel fundamental, dele depende fazer da escola uma instituição funcional, pois, ele é o núcleo que organiza, superintende, coordena e controla todas as atividades desenvolvidas no âmbito da unidade escolar. (idem, 200?) Conforme Libanêo (2005, p. 294), A organização e gestão da escola correspondem, portanto, à necessidade de a instituição escolar dispor das condições e dos meios para a realização de seus objetivos específicos. Para ele as formas de organização e de gestão são sempre meios, nunca fins, embora, muitas vezes, erradamente se tratem meios

10 41 como fins: os meios existem para se alcançarem determinados fins e lhes são subordinados. Depreende-se da história, que a administração é produto de evolução e pode ser entendida e realizada em torno dos interesses sociais, políticos e econômicos, voltados sempre para a classe dominante. A administração escolar também se utiliza desse domínio para manter-se em um nível autoritário, que faz da classe oprimida submissa aos gestores de escola. [...] nenhum tipo de administração escolar está voltado para a transformação social, alguns se preocupam em atender às necessidades e interesses do seu próprio grupo social que tem domínio nesse tipo de administração, se preocupando mais em manter status quo. Outros sequer conseguem agir contra tais causas, são deficitárias no que diz respeito à transformação da realidade em direção a uma administração organizada e avançada socialmente. (PARO, 1999, p. 12) Tais relações acontecem quando há mais de uma pessoa envolvida em um grupo, que pode ser de trabalho ou não, esse processo se dá naturalmente por força da própria natureza humana nas quais pessoas estão envolvidas em uma atividade. Segundo Paro (1999, p. 23) a administração, entretanto, não se ocupa do esforço despendido por pessoas isoladamente, mas com o esforço humano coletivo. O esforço humano a que se refere o autor, está ligado ao trabalho em conjunto, pois uma instituição, seja ela qual for não trabalha sozinha, é preciso outras pessoas envolvidas para fazê-las funcionar como numa engrenagem. A administração não se reduz à aplicação de uns tantos métodos e técnicas, importadas ou não de empresas capitalistas, a instituição escolar nada tem a ver com os objetivos empresariais, mas compromisso social. Lück (2006a) refere à administração como paradigma que há anos as escolas têm tentado implantar com algumas modificações de acordo com seus objetivos, mas sem sucesso. Por um lado, adotar a administração capitalista séria ineficiente, pois atenderia simplesmente a uma classe minoritária, colocando contra os interesses gerais da sociedade. Por outro, a busca por um modelo que contribua com a transformação social, enfim a escola que busca nos erros passados, atender às necessidades não só do aluno, mas de toda a sociedade, na tentativa de conquistar uma administração mais humana e democrática. Para Lück (2006b), a gestão democrática não deprecia a administração, mas supera as limitações do enfoque, simplificando e reduzindo para atender às exigências e a realidade cada vez mais complexa. A escola se torna cada vez mais responsável pelos problemas

11 42 que afligem a sociedade. Nesse sentido, cabe a ela a transformação que favoreça não só a aprendizagem, mas a cidadania. De acordo com o educador Paro (2001), a gestão democrática na escola ainda é o melhor caminho para que o ensino financiado pelo Estado possa ser chamado de público, ele ainda salienta que, desde 1986, diante das repercussões expressas em seu livro Administração escolar: introduções críticas, tem se dado estímulos constantes a pesquisas e produções de trabalhos em revistas especializadas. A democratização é algo novo, mas muitas escolas já estão empenhadas em adotar, até o presente momento percebe-se que ainda está em processo de adaptação, contudo, caminhando a curtos passos na tentativa de melhorar a qualidade do ensino. Ainda que lento, o processo de democratização chega às escolas públicas aproximando a escola da comunidade, permitindo que pais, educadores, alunos, funcionários e a sociedade em geral possam participar democraticamente das tomadas de decisões junto ao gestor da escola. Paro (2001, p. 7) ainda salienta, toda vez que se fala em gestão democrática, parece ser utopia, coisa que não existe, mas não quer dizer que não possa vir a existir. Segundo o mesmo autor, na medida em que seja visto como algo de valor do ponto de vista da solução de problemas da escola pode tornar-se desejável. É o primeiro passo para decisões concretas é viabilizar um projeto de democratização e a tomada de consciência das relações humanas no interior da escola. A possibilidade de uma ação administrativa na perspectiva de construção coletiva exige a participação de toda a comunidade escolar nas decisões do processo educativo, o que resultará na democratização das relações que se desenvolvem na escola, contribuindo para o aperfeiçoamento administrativo-pedagógico. (HORA, 2007, p. 49) Atualmente, um dos fatores que mais têm dificultado a implantação da democratização na escola pública são os próprios grupos pedagógicos, que ainda na pretensa ideia de poder e de autoritarismo se veem em nível de desigualdade com a comunidade escolar. 2.3 A descentralização do poder Até pouco tempo, o gestor da escola era centralizado, predominando a figura do diretor de todas as ações, cumprindo normas, regras e determinações dos órgãos centrais. Para Lück (2006, p. 34) atuava sem voz própria para determinar os destinos da escola e, portanto, desresponsabilizado dos resultados de suas ações. Esse gestor, por um lado,

12 43 é considerado como autoridade máxima dentro da escola, e isso lhes dariam maior poder e autonomia; por outro lado, exerce condição de responsável pelo cumprimento da Lei e da ordem na escola, tornando-se um mero preposto do Estado que diante da responsabilidade, entra em contradição com a Lei, submetendo-se à centralização que o governo impõe. (PARO, 2001). Sendo assim, fica fácil atribuir todo e qualquer problema de negligência, incompetência ao gestor, resultante de fatores organizacionais como a incompetência na utilização dos recursos financeiros disponíveis, ou a incompetência do grupo de pessoas diretamente envolvidas à tomada de decisões. Como não poderia deixar de ser, um problema inerentemente da administração escolar. (PARO, 1999) Para Sarubi (2004) foi nos anos 90, que visando modernizar o país e a demanda da economia, houve a descentralização de um dos eixos do sistema de ensino, facilitando a administração financeira e pedagógica, transferindo obrigações do sistema para as escolas. [...] a descentralização é, portanto, considerada tendo sido como pano de fundo tanto, e fundamentalmente, a perspectiva de democratização da sociedade, como também a melhor gestão de processos sociais e recursos, visando à obtenção de melhores resultados educacionais (LÜCK, 2006a, p. 46) Poucos são os gestores escolares que exercem gestão democrático-participativa com autonomia, conforme legislam a Constituição da República Federativa do Brasil de 1982 e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº /96. Vários gestores têm resistência ou carecem de autonomia escolar, contrariando a legislação e o direito da sociedade. [...] os problemas decorrentes seriam, sobretudo encarados como carência de insumos, sobretudo os financeiros e os de pessoas, em desconsideração à falta de orientação de seu processo e dinamização de energia social necessária para promovê-lo. (LÜCK, 2006b, p. 38) É importante ressaltar que, o papel da equipe de gestão escolar deve-se fortalecer com ações que desenvolvam práticas inclusivas no contexto escolar envolvendo toda a comunidade (pais, alunos, professores e diferentes setores da escola). É essencial que a equipe envolva todos no processo educativo e seja capaz de mediar um diálogo permanente, ao articular saberes em suas diversidades e proporcionar vivências significativas. Nesse envolvimento o gestor deve ser capaz de gerenciar recursos financeiros contando com a colaboração e competência da equipe. É a equipe escolar, sem dúvida, que deve selecionar e organizar essas práticas, de tal modo que seu

13 44 desenvolvimento permita responder às necessidades e expectativas dos alunos e, ao mesmo tempo, atender às demandas formativas que a sociedade atual vem impondo. Paro (2001, p. 16) ressalta que é importante ter sempre presente este aspecto para que não se tome à participação na execução como fim em si mesmo, quer como sucedâneo da participação nas decisões quer como maneira de escamotear, é importante que todo o corpo docente participe das decisões, só assim concretizará a democracia. A gestão educacional é responsável em sua totalidade por estabelecer interações e interrelações para que ocorra um processo de ensino-aprendizagem inclusivo e de qualidade, sempre atentos à legislação e às políticas públicas vigentes. Desse modo, verifica-se a importância da gestão escolar frente à escola, sendo o alicerce responsável pela construção de um ambiente saudável, onde haja interação, articulação para realizar ações conjuntas, visando o objetivo comum e resultados. Para Lück (2006b, p. 25) sem essa orientação, todos os esforços e gastos são despendidos sem muito sucesso. Sendo assim fica fácil entender o motivo que leva as escolas adotarem ações burocráticas, desenvolverem projetos muitas vezes isolados, sem foco, sem interação com as demais atividades, o que por vezes deixa a desejar quanto aos resultados significativos como um todo. Dentro de uma perspectiva de trabalho em conjunto, é possível ter uma visão objetiva de medidas e ações realizadas para atender as demandas do trabalho do gestor, para que haja referência democrática. A gestão que se quer democrática exige do gestor uma avaliação capaz de informar a todos os envolvidos, de modo fundamentado e objetivo às tomadas de decisão, bem como, da execução das práticas decorrentes do processo democrático. A gestão democrática já se encontra no contexto social de muitas escolas, no entanto, genericamente adotada pela comunidade escolar, sua prática acontece como num aprendizado com tentativas e erros, levando o gestor a refletir, tendo em vista a mudança da sociedade e a complexidade de suas atribuições. Essas mudanças não acontecem apenas na escola, é globalizada, conectada com o mundo onde os aspectos sociais e econômicos não interferem na realidade atual. [...] o interesse de grupos e organizações em colaborar com a escola, constituindo-se essa colaboração um campo fértil para a realização de parcerias é um grande desfio para os gestores escolares atuarem de forma colaborativa com a comunidade. (idem, p. 33)

14 45 A sociedade tem se mostrado ativa, responsabiliza-se junto a instituições não governamentais e ao Estado em ações conjuntas mobilizando e motivando a educação, assim como salienta Lück (2006a, p. 33). Diante de tais mudanças o gestor ainda não se adaptou a esse novo paradigma, para que a gestão participativa seja concebida cabe ao gestor enfrentar esse processo com espírito de liderança, companheirismo e interação entre escola, comunidade escolar e sociedade. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Durante décadas na tentativa de oferecer educação de qualidade houve avanços e retrocessos, implantados nas escolas que não deram certo. No entanto os governos preocupados com o desenvolvimento industrial do país investiram pouco em educação o que acarretou sérios problemas, fazendo-a ficar por décadas estagnada. Ainda que tardia e lenta o processo de democratização continua transformando a sociedade, longe de ser exercida em plenitude, é possível perceber que atualmente ainda há resistência em se apropriar de um novo paradigma. A conquista de uma sociedade empenhada a adaptar-se a esse modelo esta longe de ser alcançada, caminha a curtos passos. Ainda assim, o processo de democratização chega à escola permitindo que a comunidade escolar composta por pais, funcionários, alunos e a comunidade em geral participem das decisões junto ao gestor escolar a fim de potencializar o processo de democracia. Na escola contemporânea um dos fatores que mais têm dificultado a implantação da democracia é a própria comunidade que ainda se encontra em estado de obediência. O autoritarismo dificulta a ação da comunidade em tais comunidades que se deixaram alienar permanecendo assim com atitudes que geram desigualdade com a comunidade na qual se encontra inserida. A gestão almejada que se quer participativa e democrática demanda decisões em parcerias com toda a comunidade escolar, é nesse sentido que se torna indispensável investimento, para a educação, para que todos os brasileiros tenham acesso à igualdade e qualidade no ensino e sejam capazes de constituir uma nova fase da história da gestão escolar no Brasil.

15 46 REFERÊNCIAS ARANHA, M.L.A. História da educação e da pedagogia: geral e do Brasil. 3. Ed. São Paulo: Moderna, BRASIL, Lei LDB. Lei de diretrizes e bases da educação nacional, de 20 de dezembro de GUIA DO DIRETOR ESCOLAR, SSE-MG. Instrumento didático destinado à orientação e suporte do trabalho do Diretor Escolar: Secretária de Estado de Educação de Minas Gerais e Governo de Minas gerais. [200?]. HORA, D. L. Gestão democrática na escola. 14. Ed. Campinas. São Paulo: Papiros, LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F.; TOSCHI, M. S. Educação escolar: políticas, estruturas e organização. 5. Ed. São Paulo: Cortez, LÜCK, H. A gestão participativa na escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006 LÜCK, H. Concepções e processos democráticos de gestão educacional. 2. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006b. PARO, V. H. Administração escolar: Introdução critica. 8. Ed. São Paulo: Cortez, PARO V. H. Gestão democrática da escola pública. 14. Ed. São Paulo: Cortez, PROGESTÃO, Programa de capacitação à distância para gestores escolares. Módulo II. São Paulo: Câmara brasileira do livro, ROMANELLI, O. O. História da Educação no Brasil / Otaíza de Oliveira Romanelli. 25. Ed - Petrópolis: Vozes, RIBEIRO, M. L. S. História da Educação Brasileira: A Organização Escolar. 19. Ed. Campinas, SP: Autores Associados, SARUBI, E. R. A gestão democrática da educação no Brasil: alguns apontamentos. Revista eletrônica, UFMG, 2004, MG. Disponível em: Acesso em: 12 Out

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO

A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO 159 A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Valdir Alves de Godoy 1 Severino Bertino Neto 2 Tatiana de Almeida Menicucci 3 Rosana de Oliveira Nunes Neto 4 RESUMO Este

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR A ênfase posta na atualidade no termo gestão educacional tem origem nas mudanças ocorridas nas relações da administração pública (aparato de Estado) com a sociedade.

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS Luiz Claudio Araújo Coelho 1 RESUMO: O presente estudo versa sobre o direito fundamental à educação nas constituições brasileiras. Tem como objetivo promover a

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA ZAIONS, Eliane de Souza Cubas CME/SME ezaions@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE

OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE OS CAMINHOS DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM GESTÃO DEMOCRÁTICA: UM ESTUDO SOBRE AS REVISTAS NOVA ESCOLA E EDUCAÇÃO & SOCIEDADE LUCIANE WEBER BAIA HEES Núcleo de Estudos e Pesquisas: Política e Gestão da Educação

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DAS ESCOLAS ESTADUAIS DA CIDADE DE SILVÂNIA - GO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DAS ESCOLAS ESTADUAIS DA CIDADE DE SILVÂNIA - GO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DAS ESCOLAS ESTADUAIS DA CIDADE DE SILVÂNIA - GO Cláudia Dolores Martins Magagnin 1 Patrícia Espíndola Mota Venâncio 2 Daniela

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Palavras-chave: Centralização de poder. Gestão democrática. Conselhos Escolares.

Palavras-chave: Centralização de poder. Gestão democrática. Conselhos Escolares. CONSELHOS ESCOLARES: (DES) CENTRALIZAÇÃO DA GESTÃO ESCOLAR? Gabriele Maier 1 Natália Von Ende Cardias 2 Sueli Menezes Pereira 3 Resumo: Com a aprovação da Lei da Gestão Escolar Democrática Municipal de

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL Camila Petrucci dos Santos Rosa. Eliana Marques Zanata. Antônio Francisco Marques. UNESP/Bauru. CAPES/PIBID. camilinha_rosa@hotmail.com. eliana@fc.unesp.br.

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

NÍVEIS DE ENSINO DICIONÁRIO

NÍVEIS DE ENSINO DICIONÁRIO NÍVEIS DE ENSINO Estruturas verticais hierárquicas que compõem a educação escolar. Atualmente, a educação escolar brasileira está organizada em dois níveis de ensino: a educação básica e a educação superior.

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO

EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita No apagar das luzes do século XX, o mundo constata preocupado o quanto os recursos

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

INTRODUÇÃO SENTIDOS E FORMAS DA PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO DEMOCRÁTICA

INTRODUÇÃO SENTIDOS E FORMAS DA PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO DEMOCRÁTICA INTRODUÇÃO SENTIDOS E FORMAS DA PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE GESTÃO DEMOCRÁTICA Denis Raylson da Silva, UFPB Auricleia Nascimento da Silva, UFPB INTRODUÇÃO Atualmente, pensar na participação coletiva no

Leia mais