IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto Janela Área/ Segmento: Cidadania / Garantia de Direitos Cidade de Realização do Projeto/ UF: Palhoça- SC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto Janela Área/ Segmento: Cidadania / Garantia de Direitos Cidade de Realização do Projeto/ UF: Palhoça- SC"

Transcrição

1 PROJETO JANELA

2 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto Janela Área/ Segmento: Cidadania / Garantia de Direitos Cidade de Realização do Projeto/ UF: Palhoça- SC IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Entidade: Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral Palhoça CNPJ: / Endereço: Rua Vitor Meireles, 424 Jardim Eldorado Sede: Afonso Pena, S/N,- Frei Damião Cidade: Palhoça/SC CEP: Telefone: (48) REPRESENTANTE LEGAL Nome: Maria José Ouriques de Souza Chenk CPF: Endereço: Rua Da Fonte, 701- Abrãao Cidade: Florianopolis /SC CEP: Telefone: (48)

3 ELABORAÇÃO DO PROJETO Projeto: CADI FAZENDA RIO GRANDE-PR Execução: CADI-PALHOÇA Projeto: CADI FAZENDA RIO GRANDE-PR Execução: CADI-PALHOÇA Coordenação Geral: Méri Cristiane Sartori) Coordenadora do Projeto: Francelise Fonseca Schneider Técnica Responsável: Malani Ouriques Chenk 1. APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO PROPONENTE O CADI-PALHOÇA, Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral Palhoça, associação de direito privado, constituída por tempo indeterminado, sem fins econômicos, de caráter beneficente, assistencial, cultural, recreativo e educacional, inscrito no CNPJ sob o nº / , cujos projetos são desenvolvidos na Comunidade Frei Damião no município de Palhoça-SC. O CADI foi fundado em maio 2006, sendo projetado por um grupo de pessoas da sociedade civil para facilitar à transformação de contextos sociais vulneráveis e/ou que propiciem riscos a comunidade. Desde então, com a missão de prestar assistência, promovendo o acesso aos direitos e facilitar o desenvolvimento integral de pessoas e famílias em contextos de vulnerabilidade social, gerando transformação, o CADI tem desenvolvido projetos e ações nas seguintes áreas: EDUCAÇÃO SAÚDE - ACOMPANHAMENTO FAMILIAR INFRAESTRUTURA - ADVOCACY - PROJETOS ESPECIAIS -, atendendo crianças e adolescentes de 0 a 16 anos e suas famílias, com a estrutura suficiente para a realização das ações propostas nos projetos. Como resultado do trabalho desempenhado por todos os projetos, desde sua fundação até o presente momento, aproximadamente pessoas foram atendidas direta e indiretamente pelo CAD

4 Das principais parcerias estabelecidas pelo CADI destacam-se o trabalho em rede com a Prefeitura Municipal de Palhoça, CONSELHOS MUNICIPAIS,OAB CIDADÃ- ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SESC MESA BRASIL, GOVERNO FEDERAL, e empresas do município de Palhoça e região. Das conquistas obtidas pelo CADI, destacam-se: Abertura do Posto de Saúde na Comunidade Frei Damião- Palhoça-SC em 2005 Abertura da Creche Municipal na comunidade; Participação da elaboração do Projeto de Urbanização da comunidade; Assessoria a organizações nacionais, para avaliação de projetos/ações sociais executados no Brasil. 2. SUMÁRIO EXECUTIVO O CADI propõe através de suas ações a aplicação do velho paradigma da semeadura e da colheita, o que é semeado na vida das crianças e adolescentes será colhido pela família, pelos amigos e pela sociedade. Entendemos a semeadura no sentido de compartilhar com as crianças e adolescentes seus direitos como cidadãos, como protagonistas de suas histórias, e do futuro da sociedade. Historicamente, não é comum ouvirmos sobre crianças e adolescentes discutindo sobre seus direitos. Num contexto mais atual é o que se pretende com o Estatuto da Criança e do Adolescente, no entanto a realidade nos diálogos em casa, na rua, e em demais espaços são crianças e adolescentes chamados a permanecer calados para não atrapalhar a conversa dos adultos, como se o que estes têm a falar fosse sem sentido e sem importância. As crianças e adolescentes têm dificuldades de encontrar espaços onde possam expressar as suas opiniões. A escola deveria ser um ambiente propício a esse diálogo, mas o que se observa é a falta de respeito mútuo e professores estressados com a rotina diária. A família? Deveria ser o melhor espaço para se abrir, falar, questionar, onde nos braços dos pais se encontram repostas, conforto e abrigo. Mas a realidade nem sempre é esta, a dura realidade de pais negligentes, alcoólatras, violentos, drogaditos ou que trabalham excessivamente e retornam as suas casas, tarde da noite esgotados não permite o diálogo em casa. Se pararmos para analisar os contextos, perceberemos que nós mesmos só nos tornamos relevante para a sociedade depois de adultos. Infelizmente o papel da criança e do adolescente na sociedade ainda continua irrelevante, é claro que hoje já se têm muitos avanços, existem redes, instituições, organizações defensoras dos direitos dos pequeninos, mas ainda assim

5 pouco diante da atenção que precisa ser dada ao futuro da sociedade. Sim, futuro, porque estes se tornarão adultos forjados por suas famílias, educadores, e sociedade. O fato é que temos muito a aprender com os pequeninos, neles há humildade, humanidade, alegria, força, coragem, estes visualizam um mundo cheio de esperança. Esta esperança impulsiona o CADI a oferecer um espaço onde crianças e adolescentes, encontrem alegria, paz, e se reconheçam como cidadãos de direitos. O CADI é um espaço para que estes cresçam, e desenvolvam ainda mais a sua extraordinária capacidade de resiliência, se sintam vistos, ouvidos, amados e respeitados 1. JUSTIFICATIVA O município de Palhoça-SC, tem uma população estimada, segundo dados do IBGE 2010 de mil habitantes, deste total são de crianças e adolescentes entre 0 a 17 anos de idade. O município teve um crescimento populacional nos últimos 10 anos de 33,67% 2. Considerando que 28,69 % da população de Palhoça é formada por crianças e adolescentes, 48,8% 3 da comunidade do Frei Damião possui menos de 20 anos e da necessidade de espaços voltados ao atendimento deste público, e ainda considerando o Estatuto da Criança e do Adolescente, que diz: A criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis. O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais. 4 Diante disso, o CADI pretende implantar o Projeto Janela, com objetivo de atuar de forma responsável como sociedade civil organizada, no que diz respeito ao atendimento à criança e ao adolescente. E para tanto, agregar no projeto um conjunto de ações de caráter preventivo, que trabalhe temas amplos que afetam diretamente a experiência da infância e adolescência, tais como: princípios e valores de cidadania, fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, prevenção ao uso de drogas, sexualidade, perspectiva de futuro, mobilização da comunidade em relação aos direitos da criança e adolescente. 2. Justificativa da proposta 2.1. Problemas que atingem as crianças e adolescentes (ameaças ou violações de direitos) que deverão ser enfrentados com a execução da proposta: -uso e abuso de drogas -violencia domestica contra criança e adolescente -violencia na escola

6 2.2. Características ou capacidades do Sistema de Garantia de Direitos que deverão ser fortalecidas ou aprimoradas com a execução da proposta: -fortalecer o referenciamento pelo CRAS E CREAS do municipio. -fortalecer o protagonismo infanto juvenil em relação ao Sistema de garantia de Direitos -promover a valorização da criança e adolescentes e suas potencialidades. -fortalecer o relacionamento da familai e da comunidade com os equipamentos publicos que compõe o sistema de garantia de direitos. -sensibilizar/conscientizar a sociedade em prol dos direitos da criança e adolescente. -oportunizar o desenvolvimento que respondam a legislação que contempla a defesa de direitos e contribuam de forma efetiva para o fortalecimento da rede Outras justificativas relevantes: Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), artigo 70, É dever de todos prevenir a ocorrência de ameaça ou violação dos direitos da criança e do adolescente. Sabemos, porém, que muitas crianças sofrem de maus-tratos, em seus lares, nas ruas e no ambiente escolar e as crianças e adolescentes da Comunidade Frei Damião vivem em uma situação de extrema vulnerabilidade. Segundo informações prestadas no site do CMAS de Palhoça, em 2012 foram feitas 72 notificações de violência, em 2013, 102 e o Conselho Tutelar recebeu até abril 2014 mais de 5 notificações semanais de violência contra criança somente no ambiente escolar. Diante desse quadro, entendemos a importância que o fortalecimento e ampliação do Projeto Janela significa para a comunidade do Bairro Frei Damião. O Projeto Janela é uma proposta clara e contundente no enfrentamento a violência sexual contra crianças e adolescentes e cremos que este projeto é capaz de promover a segurança das crianças e adolescentes fazendo delas atores protagonistas imprescindíveis para o fortalecimento da rede e como multiplicadores de uma consciência de direitos. 3. Público-alvo 3.1. Quantidade estimada de beneficiários diretos: 135 crianças e adolescentes de 04 a 16 anos 3.2. Perfil dos beneficiários diretos: Crianças e adolescentes com idade entre 04 e 16 anos, moradores da comunidade Frei Damiao em Palhoça- SC, em situação de vulnerabilidade/risco social e pessoal, prioritariamente aquelas atendidas por programas governamentais, projetos do CADI e estudantes da rede pública de ensino Quantidade estimada de beneficiários indiretos: Perfil dos beneficiários indiretos: Membros do nucleo familiar da criança e adolescente envolvido no projeto, da comunidade Frei Damião 3.5. Perfil do território ou comunidade que serão alcançados pela proposta de ação: O projeto é desenvolvido no município de Palhoça-SC, com uma população, segundo o IBGE 2010 de mil habitantes, deste total são de crianças e adolescentes entre 0 a 17 anos de idade. E na Comunidade do Frei Damião, habitam em torno de pessoas, sendo 48,8% deste total são pessoas com menos de 20 anos, e sendo 1464 crianças entre 0 e 12 anos, 1751 entre 12 a 17 anos e mais de 180 novas gestantes até abril Sendo assim, mais de um terço da população da comunidade é constituída de crianças e adolescentes e mais de 7% da população do município está em situação de extrema vulnerabilidade. Estes dados nos falam da necessidade da criação de espaços voltados ao atendimento deste público, da articualção para garantia e tornarem conhecidos os direitos das crianças e adolescentes. 4. Procedimentos que serão empregados para alcance, inclusão ou seleção do público-alvo As inscrições serão feitas através da indicação de crianças e adolescentes assistidas por programas governamentais, atendidas nas escolas públicas, nos projetos do CADI, e/ou identificadas na comunidade. Sendo assim, as crianças e adolescentes terão acesso as vagas disponibilizadas no projeto tendo os seguintes critérios de elegibilidade: 1) Crianças e adolescentes residentes na Comunidade Frei Damião, município de Palhoça;

7 2) Crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e/ou risco pessoal e social identificadas pelo CADI, e/ou encaminhados por órgãos governamentais, tais como: Secretaria de Educação, Comissão do PETI, CRAS, CREAS, Conselho Tutelar, Conselhos Municipais, entre outros. 3) Estudantes da rede pública de ensino; 5. Caso esteja previsto o encaminhamento do público-alvo por parte de instituições do Sistema de Garantia de Direitos, indique: 5.1. Instituições que poderão fazer o encaminhamento: -CRAS- CENTRO DE REFERENCIA EM ASSISTENCIA SOCIAL DE PALHOÇA -CREAS-CENTO DE REFERENCIA EM ASSISTENCIA SOCIAL DE PALHOÇA -CONSELHO TUTELAR DE PALHOÇA -SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PALHOÇA -CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA -COMISSÃO DO PETI 5.2. Procedimentos de encaminhamento: Encaminhamentos feitos pela unidade do CRAS através de contato telefônico, documento de encaminhamento ou visita da equipe técnica orientando sobre a necessidade do usuário e estabelecendo o processo de referência e contra referência. 6. Objetivos 6.1. Indique os objetivos que a proposta buscará alcançar em 2015: -Fortalecer o protagonismo infanto-juvenil em relação ao sistema de garantia dos direitos da criança e do adolescente; -Promover a valorização da criança e do adolescente e suas potencialidades; -Fortalecer o relacionamento da família e da comunidade com os equipamentos públicos que compõem o sistema de garantia dos direitos da criança e do adolescente; -Sensibilizar/conscientizar a sociedade em prol dos Direitos da Criança e do Adolescente. 7. Ações 7.1. Descreva as ações que serão realizadas em 2015 diretamente junto ao público-alvo indicado no item 3: As atividades que serão realizadas em 2015 são divididas em duas áreas: 1.Atendimento e promoção dos direitos da criança e do adolescente; No que se refere à realização de ações voltadas à promoção dos direitos das crianças e adolescentes, propõese disponibilizar espaços propícios ao aprendizado de temas transversais, que possibilitem à elaboração e reelaboração de questões ligadas a proteção e bem estar da criança e do adolescente. A proposta é promover encontros de interação, discussão e reflexão com e para as crianças e adolescentes, assim como para a sociedade, através de ações preventivas. 1.2.Ação Preventiva Consiste em comunicar à criança e ao adolescente, informações e conhecimento suficientes, para que estes sejam capacitados a discernirem situações de risco, permitindo assim o desenvolvimento da autonomia e o conhecimento de seus deveres para a garantia e defesa de seus direitos. Para que esta ação ocorra serão disponibilizadas oficinas sócio-educativas capazes de promover aos participantes um ambiente de reflexão que considere o cotidiano por eles vivido, buscando um desenvolvimento que estimule a compreensão em relação a assuntos ligados aos direitos e deveres das crianças e adolescentes na sociedade. No período de 12 meses serão disponibilizadas turmas conforme o numero de participantes. Cada turma será composta por até 15 crianças de 4 a 11 anos, as quais serão divididas por idade, de acordo com a demanda de atendimento. As oficinas embora sejam divididas por idade, para facilitar a aplicação dos temas, serão mistas atendendo meninos e meninas.

8 As oficinas sócio-educativas serão realizadas nas dependências do CADI-Palhoça, e/ou em equipamentos públicos e em espaços da comunidade em geral, sendo que cada encontro terá duração de uma hora e trinta minutos cada, num período de até 12 meses, totalizando até 60 horas/aula. Através das oficinas pretende-se aplicar ao cotidiano das crianças e adolescentes a discussão de temas abordando valores básicos de cidadania e direitos; prevenção as drogas e prevenção a violência sexual. As crianças e adolescentes inscritos deverão participar de todas as temáticas para concluir o processo, e receber o certificado de conclusão. 1.3.Projeto Pedagógico - Eixos Temáticos: Eixo 1 - Cidadania e Direitos: Tem por objetivo facilitar aos participantes o aprendizado dos direitos e deveres do cidadão. Serão propostos conceitos e prática de valores como: respeito, combate ao preconceito e discriminação (bullying), solidariedade, meio ambiente e política. A oficina de cidadania trará a compreensão para a criança e o adolescente de seus direitos fundamentais nos termos do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente: direito à vida, saúde, liberdade, respeito, dignidade, educação, esporte, cultura, lazer, convivência familiar, convivência comunitária, profissionalização e proteção no trabalho, estimulando assim o entendimento do lugar de importância que os mesmos têm na sociedade. Eixo 2 - Prevenção a violência contra criança e adolescente: O objetivo deste eixo temático é capacitar à criança e o adolescente, proporcionando o conhecimento de informações que sejam utilizadas como ferramentas para que estes discirnam situações de risco e violência, trabalhando para tanto temas como: exploração sexual infantil, violência sexual, física, emocional, pedofilia e exploração do trabalho infantil. Eixo 3 - Prevenção ao uso de drogas: Tem por objetivo trabalhar a prevenção e combate ao trafico de drogas, bem como o uso de drogas lícitas e ilícitas, facilitando o entendimento quanto aos tipos de drogas, conscientizando a criança e o adolescente das conseqüências e prejuízos, muitas vezes irreversíveis, que estas substâncias acarretam para saúde física, emocional e relacional. Ainda acrescentam-se no projeto, os seguintes temas transversais propostos pelos PCNs: saúde, orientação sexual, perspectiva de futuro e fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Abaixo segue síntese pedagógica dos referidos temas transversais, que serão trabalhados dentro dos eixos propostos: - Saúde: A saúde é um direito garantido a criança e ao adolescente, nestes termos propõe-se discutir: noções básicas de saúde, higiene e auto-cuidado, responsabilizando os indivíduos pelo seu próprio bem-estar e tornando-o capaz de participar de decisões relativas à saúde coletiva. - Orientação Sexual: O objetivo deste eixo é orientar a criança e o adolescente a conhecer seu próprio corpo, a respeitar a diversidade de comportamento relativo à sexualidade, desde que seja garantida a integridade e dignidade do ser humano. - Perspectiva de futuro O objetivo no trabalho deste tema é facilitar o crescimento da criança e do adolescente, conscientizando-os da importância do conhecimento e desenvolvimento de seus potenciais para o futuro pessoal, familiar e profissional. Propõe-se através deste tema a promoção de atividades que também fortaleçam, promovam uma autoestima saudável nas crianças e adolescentes. - Fortalecimento de Vínculos Familiares e comunitários: Este eixo temático tem por objetivo facilitar o desenvolvimento pessoal, familiar e comunitário das crianças e adolescentes, a partir de ações que potencializem a capacidade de relacionamento interpessoal, a promoção da valorização das pessoas, da família e da sociedade. 2. Sensibilização/conscientização da sociedade para a promoção dos direitos da criança e do adolescente.

9 O objetivo desta ação é sensibilizar a sociedade sobre as situações de violência sofrida por crianças e adolescentes, e assim sensibilizá-los para garantir os direitos das crianças e adolescentes do município de Palhoça. 2.1 Semana dos Bons Tratos Uma das atividades práticas será realizada a Semana dos Bons Tratos, que contribuirá para promoção e interação da sociedade em prol aos direitos da criança e do adolescente, através de fóruns e manifestações públicas em escolas, igrejas e na comunidade em geral, tendo como público alvo nesta ação a sociedade em geral, bem como as crianças e adolescentes. As atividades previstas para a semana dos Bons Tratos serão desenvolvidas e aplicadas pelas crianças e adolescentes participantes das oficinas sócio-educativas, promovendo o acesso e a garantia dos direitos da criança e do adolescente. Esta atividade facilitará o desenvolvimento da criança e do adolescente, como cidadão de direitos e protagonistas, pessoas atuantes em causas relevantes ao contexto local. Além da participação das crianças e adolescentes atendidos nas oficinas sócio-educativas, será estimulada a participação de redes locais que defendam e apóiem os interesses das crianças e adolescentes tais como: Ministério Público, Rede Municipal e Estadual de ensino, Poder Público, Instituições Privadas, Empresas, Conselhos Municipais, ONGS, Igrejas e Conselho tutelar. 2.2 Campanha de Vacinação contra os maus-tratos de crianças e adolescentes Trata-se de uma campanha de sensibilização pública sobre as situações de violência cotidiana que crianças e adolescentes sofrem, onde estes realizarão ações que busquem promover o respeito à dignidade e a integridade das crianças e adolescentes do município. A vacinação contra os maus tratos é uma ação simbólica para imunizar a sociedade, onde crianças e adolescentes capacitadas nas oficinas sócio-educativas vacinarão pessoas, convidando-os a se unirem à promoção de uma cultura de bons tratos, através do recebimento de um certificado de vacinação e brindes, os quais simbolizam bons tratos, buscando reforçar e perpetuar a mensagem sensibilizadora da campanha. O certificado recebe o nome da pessoa vacinada, a data da vacinação e a data de vencimento da mesma. O verso do certificado contém textos de comprometimento com a cultura de bons tratos, que reforçam princípios e valores de cidadania, fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, respeito ao meio ambiente, entre outros. Quando o adulto expressar seu compromisso com as ações de bons tratos receberá o certificado e os brindes, para relembrar a mensagem. Por último, o adulto é convidado a tomar a dose oral da vacina, que é representada por um doce, símbolo da doçura necessária nos gestos cotidianos em relação às crianças e adolescentes, e demais pessoas da sociedade. 2.3 Palestras para crianças e adolescentes Nesta ação as crianças e os adolescentes capacitadas nas oficinas sócio-educativas aplicarão o conhecimento que adquiriram para o público correspondente a mesma faixa etária, em escolas e programas governamentais desenvolvidos no município. As palestras serão desenvolvidas por eles, com apoio de um educador, e terão duração de até 20 minutos objetivando a promoção dos direitos da criança e do adolescente. 2.4 Fóruns Temáticos A realização de fóruns tem como objetivo estimular redes que defendam os direitos da criança e do adolescente. Sendo o público alvo desta ação, educadores de projetos governamentais e privados; igrejas e professores e demais profissionais que atuem em instituições de atendimento a criança e ao adolescente Descreva os critérios técnicos e princípios metodológicos que deverão orientar a realização das ações junto ao público-alvo: A aprendizagem dos conhecimentos sistematizados é importante para exercer cidadania em uma

10 sociedade. O conhecimento torna-se significativo, configurando-se pela integração das experiências vivenciadas pelos sujeitos envolvidos e no processo de elaborar e reelaborar o conhecimento.neste contexto de que o conhecimento é significativo quando vivenciado, a formação humana exige uma proposta educativa que trabalhe e contemple a articulação de vida ao conhecimento, proporcionando o desenvolvimento no aspecto individual e coletivo, possibilitando assim o sentido de repensar suas ações na sociedade quanto a seus direitos e deveres.diante disso, através da presente metodologia pretende-se oferecer a criança e ao adolescente acesso às práticas orientadoras de princípios e valores de cidadania que norteiam o conhecimento, a vivência e garantia dos direitos da criança e do adolescente através de oficinas sócio-educativas Descreva as ações preparatórias (caso existam) que deverão ser realizadas previamente para viabilizar o atendimento público-alvo (construções, reformas, aquisição de equipamentos e ou instalações, contratação de pessoal, etc.): Será necessária aquisição de material para as oficinas socio-edcuativas; -ampliação da equipe de atendimento nas oficinas e ativiades; -aquisição de equipamentos e materiais de escritorio; -aquisição de materiais para lanches dos participantes -aquisição de equipamento de impressão -elaboração de arte grafica; -aquisição de material de divulgação e uniformes; 7.4. A execução de alguma ação prevista dependerá da realização de despesas orçamentárias sujeitas a procedimentos como licitação ou tomada de preços? Sim. Qual(is) ações: -aquisição de equipamentos e materiais de escritorio; -aquisição de materiais para lanches dos participantes -aquisição de equipamento de impressão -elaboração de arte grafica; -aquisição de material de divulgação e uniforme Não 7.5. Em caso positivo, estime o tempo que será exigido para esses procedimentos e os cuidados que serão tomados para evitar atrasos que possam comprometer o início das ações junto ao público-alvo. Será iniciado no mês de janeiro com prazo maximo de 60 dias, com fornecedores da região para evitar os atrasos com frete. As ações serão iniciada 8. Resultados esperados 8.1. Indique as transformações que a execução da proposta deverá gerar na situação das crianças e adolescentes Os resultados que deverão gerar na situação das crianças e adolescentes: - Mitigação dos casos de violação dos direitos e da violencia sexual na comunidade do Bairro Frei Damião - Crianças e Adolescentes conhecedores e educados na defesa contra a violência sexual; - Crianças e Adolescentes, participantes e protagonistas junto aos programas de defesa e prevenção da violência sexual no município, bem como conhecedores de seus direitos; - Vítimas de violência sexual, apresentando mudança de comportamento e evolução após serem atendidas e acompanhadas conforme cada necessidade; - Crianças e adolescentes vítimas de violência sexual recebendo atendimento especializado e proteção por parte da familia, organização e rede socio assistencial;

11 - Familias mais fortalecidas em seus vinculos de convivencia. - Valorização da convivência familiar e comunitária. - Cidadãos conscientes capazes de influenciar a sociedade. - Prevenção ao uso de drogas, tráfico de drogas, prostituição, gravidez precoce. - Valorização do indivíduo e suas potencialidades - Promoção de uma auto-estima saudável no público atendido diretamente. -Desenvolvimento de potencialidades, despertamento da autonomia e fortalecimento da perspectiva de futuro pessoal e profissional Indique as transformações que a execução da proposta deverá gerar para outros públicos (familiares, profissionais, etc.) - Sociedade e familia comprometidas e mobilizadas com a causa do enfrentamento da violência sexual de crianças e adolescentes; - Ampliar o número de familiares, voluntários e profissionáis capacitados e mobilizados para atuar no sistema de grantia de direitos e na rede de proteção; - Fortalecer a rede socio assistencial través de uma forte atuação de referência e contra referência com CRAS - Transformar a causa do combate a violencia sexual e dos direitos em uma ação continuada - Cooperar para o fortalecimento da rede de atendimento às crianças e adolescentes vítimas de violência sexual; -Facilitação na promoção da qualidade das relações entre as crianças e adolescentes atendidos, seus familiares e sociedade; -a promoção do fortalecimento de vínculos familiares 9. Monitoramento e avaliação dos resultados 9.1. Indique como o Conselho pretende acompanhar e monitorar os resultados da ação proposta: 10. Instituições que apoiarão a proposta ou que manterão vínculos operacionais com a organização executora no processo de execução da proposta Nomeie as instituições (órgãos públicos, organizações não governamentais, associações de bairro, empresas, etc.) e indique o tipo de apoio que fornecerá à proposta de ação ou o tipo de vínculo que manterá com a organização executora. Nº Instituições apoiadoras Tipo de apoio ou vínculo 1 Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) é uma ação PAA do Governo Federal para colaborar com o enfrentamento da fome e da pobreza no Brasil e, ao mesmo tempo, fortalecer a agricultura familiar. 2 É um Programa de Segurança Alimentar e Nutricional, baseado em ações educativas e de distribuição de SESC-MESA BRASIL alimentos excedentes ou fora dos padrões de comercialização, mas que ainda podem ser consumidos.realiza doações de alimentos 3 Tribunal de Contas de SC Doações de alimentos 4 CMDCA-Palhoça Articulação no sistema de garantia de direitos e ações municipais do projeto 5 cessao de uso de salas para edcuação infantil no CADI- Centro Educacional Infantil Ulisses Guimaraes PALHOÇA 6 Realiza encaminhamentos para o CADI-Palhoça, de Centro de Referencia em Assistencia Social Frei crianças e adolescentes em Damião e Brejarú vulnerabilidade.

12 7 Prefeitura Municipal de Palhoça Custeio de energia eletrica e água para o CADI 8 Nucleo de Assistencia Social Vida Doações de alimentos 9 OAB CIDADÃ O Projeto pelos Advogados, que tem a função de unir-se com a população objetivando auxiliá-la no acesso aos direitos garantidos pela Constituição Brasileira. 10 ICOM- FLORIPA promove o desenvolvimento comunitário por meio da mobilização, articulação e apoio a investidores e organizações sociais. As três principais áreas de atuação são: - Investimentos Sociais na Comunidade - Apoio Técnico e Financeiro a ONGs - Produção e Disseminação de Conhecimento Informações complementares sobre instituições apoiadoras (se for o caso): 11. Orçamento da proposta Indique no quadro abaixo os investimentos que serão necessários para a execução da proposta, tais como construção ou reforma de instalações; compra de veículo; compra de equipamentos ou materiais permanentes; etc Indique no quadro abaixo os recursos humanos que serão necessários para a execução da proposta, indicando o perfil ou a formação de cada profissional, a função que cada um exercerá na execução da proposta e a carga horária semanal de trabalho que cada um dedicará na proposta em questão.

13 Informações complementares sobre recursos humanos (se for o caso): Indique se estão previstas de atividades de capacitação da equipe, especificando os temas e competências serão trabalhados.

14 Informações complementares sobre atividades de capacitação da equipe (se for o caso): Indique outros itens de despesa necessários para a execução da proposta, tais como consumo de água, gás, eletricidade; serviços de telefonia; correio; reprografia; despesas com transporte; alimentação; roupas; materiais pedagógicos; materiais de consumo; manutenção de equipamentos e instalações; aluguel de espaço físico; etc 1

15 1.5. Síntese dos custos para execução da proposta de ação em 2015 (12 meses) Atenção: Lance no quadro abaixo os totais indicados nos quadros anteriores Recursos provenientes de outras fontes Indique (caso existam) os valores provenientes de outras fontes que serão destinados à execução da proposta, nomeando as respectivas fontes (orçamento do município ou do Distrito Federal; cofinanciamento federal; cofinanciamento estadual; destinações ao Fundo por parte de outras Pessoas Jurídicas ou Pessoas Físicas; direcionamento ao Fundo de valores referentes à aplicação de multas pelo Poder Judiciário; contrapartida da organização executora; etc.):

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC Resumo da ONG O CADI Palhoça é uma instituição não governamental cujo objetivo é executar, articular e fomentar ações e projetos que facilitem o desenvolvimento de comunidades. Desenvolve projetos em 6

Leia mais

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE Fazer laços é ligar, entrelaçar o que está separado. Literal e metaforicamente falando. A inclusão do trabalho sobre o tema da sexualidade

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE FORTALEZA-CE (TERRITÓRIO CEARÁ PACÍFICO VICENTE PINZON)

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE FORTALEZA-CE (TERRITÓRIO CEARÁ PACÍFICO VICENTE PINZON) EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE FORTALEZA-CE (TERRITÓRIO CEARÁ PACÍFICO VICENTE PINZON) EDITAL Nº 21/2015 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL N 20/2015 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M

SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M Jardim das Paineiras Campinas/SP - Brasil - CEP.: 13.091-107 Fone.(19) 3255-8350 e-mail: falecom@ssnjcamp.org CNPJ: 67.170993/0001-10 Site: www.ssnjcamp.org SERVI O SOCIAL

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes 1 Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO ÀS VIOLÊNCIAS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ponta Grossa Paraná 2013

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA Relatório das Ações Desenvolvidas pelo Projeto Oficina Escola 1. Apresentação Companheiros (as) da Associação Tremembé estamos concluindo mais um ano missão e com isso somos convidados (as) a socializar

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO

PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO IDENTIFICAÇÃO O Centro de Valorização da Criança, também designado pela sigla CEVAC, constituído em dez de setembro de 1987, é uma Entidade Filantrópica sem fins lucrativos,

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTENTE SOCIAL CARIDADE? FAVOR? O QUE OS VEREADORES FAZEM?

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 Página 1 de 11 SUMÁRIO 1. Resumo do projeto... 3 2. Em que realidade

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva Mostra de Projetos 2011 Cozinha Escola Borda Viva Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra de Projetos 2011 Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista CRAS- CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSITÊNCIA SOCIAL Março, 2012 I-IDENTIFICAÇÃO: Nome Projeto:

Leia mais

Projeto Futuros Craques São Paulo

Projeto Futuros Craques São Paulo Projeto Futuros Craques São Paulo O Projeto Futuros Craques é considerado o carro chefe da B16 em São Paulo, a sua programação destina-se à oferecer esportes de maneira saudável para crianças da rede pública

Leia mais

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania R e s g a t e M i r i m Comunitário Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania 1 B E L O H O R I Z O N T E, S A N T A L U Z I A

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS 2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS Objetivo do PSE O Programa Saúde na Escola (PSE) vem contribuir para o fortalecimento de ações na perspectiva

Leia mais

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 17.108, de 27 de julho de 2005. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMAS ESPECÍFICOS VOLTADOS PARA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC Resumo da ONG O CADI Palhoça é uma instituição não governamental com o objetivo de executar, articular e fomentar ações que contribuam para o desenvolvimento de comunidades. Desenvolve projetos em 6 eixos

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

Projeto Pequenas Damas

Projeto Pequenas Damas Mostra Local de: Arapongas Projeto Pequenas Damas Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Associação das Damas de Caridade de Arapongas

Leia mais

CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2012

CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2012 CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2012 Junho/2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS PARA APOIO... 3 2. TIPOS DE PROJETO PODERÃO SER

Leia mais

CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2014

CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2014 CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2014 Maio/2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. DAS ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS PARA APOIO... 6 2. DOS TIPOS DE PROJETO QUE

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Relatório Anual. Associação Florianopolitana de deficientes Físicos. Associação Florianopolitana de deficientes Físicos

Relatório Anual. Associação Florianopolitana de deficientes Físicos. Associação Florianopolitana de deficientes Físicos Resumo da ONG A Associação Florianopolitana de Deficientes Físicos - AFLODEF é uma entidade sem fins lucrativos, que tem como objetivo a inclusão social de pessoas com deficiênciae em vulnerabilidade social,

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

PLANO VIVER SEM LIMITE

PLANO VIVER SEM LIMITE PLANO VIVER SEM LIMITE O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011

PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011 PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011 Junho/2011 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. QUEM PODERÁ CONCORRER... 3 3. QUE TIPOS DE PROJETO PODERÃO SER APOIADOS... 4 4. QUAIS SÃO OS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO...

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 VIGILÂNCIA SOCIAL MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 VIGILÂNCIA SOCIAL MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 VIGILÂNCIA SOCIAL MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas Vigilância Socioassistencial

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais