Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037"

Transcrição

1 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão anual conforme Norma Regulamentadora 33 Alteração nos envolvidos para análise e aprovação. Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Negócios Vicente D arco Gestão de Contratos Ricardo Abreu Service Nivaldo Rossi Engenharia Adriano Rezende Manutenção André Gabriel de Moraes 1. Objetivo Estabelecer procedimento para realizar atividade em espaço confinado, assim como, a determinação dos espaços confinados, as avaliações preliminares de perigos necessárias, o monitoramento e o controle dos possíveis riscos aos colaboradores que estiverem adentrando nestes locais e o gerenciamento dos resíduos gerados, de forma a garantir que sejam executados sob condições controladas e de modo a prevenir lesões, doenças ocupacionais e situações de risco a saúde e integridade física dos colaboradores bem como reduzir e/ou eliminar os impactos ambientais. 2. Abrangência Este procedimento é aplicável as áreas de Gestão de Contratos, Service, Engenharia e Manutenção. 3. Abreviaturas e Definições 3.1 Abreviaturas: APP Análise Preliminar de Perigos CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes EPI s Equipamento de Proteção Individual (dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo colaborador destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho) GST/AIA Gestão de Saúde e Segurança Trabalho e Aspectos e Impactos Ambientais PS Procedimento Sistêmico PET Permissão de Entrada e Trabalho PO

2 2/ 11 SESMT Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho SGI Sistema de Gestão Integrado (NBR ISO 9001:2008, NBR ISSO 14001:2008 e OHSAS 18001:2007). 3.2 Definições: Base técnica: conjunto de normas, artigos, livros, procedimentos de segurança do trabalho, e demais documentos técnicos utilizados para implementação da (PET) permissão de entrada e trabalho (R GI 31) em espaço confinado. Executante: São todos os colaboradores com capacitação apropriada e habilidades especializadas para realizar as atividades necessárias nas áreas ou ambientes de espaço confinado. Competência do Colaborador: Os colaboradores (executante, vigia e supervisor de entrada) designados a realizar atividade em espaço confinado devem receber capacitação especifica. Esta capacitação deve ocorrer a intervalo máximo de 12 meses e contemplar a legislação de segurança e saúde no trabalho, o programa de proteção respiratória, o entendimento do que é área classificada como espaço confinado e operações de salvamento. Espaço Confinado: É qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, que possua meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio. Programa de Capacitação: É a regulamentação planejada para propiciar capacitação aos colaboradores envolvidos nas atividades em espaço confinado. 4. Responsabilidades Cabe ao SGI avaliar este procedimento Operacional (PO) sempre que houver alteração dos riscos ou mudanças no processo ou quando os equipamentos relacionados estiverem causando qualquer interferência à saúde e segurança do colaborador. Cabe a SESMT garantir a manutenção e o cumprimento deste procedimento operacional. Cabe aos colaboradores executarem as atividades, conforme definido neste procedimento operacional. Cabe ao vigia permanecer em tempo integral do lado de fora e junto à entrada do espaço confinado que esta sendo realizada a atividade, mantendo contato permanente com os trabalhadores autorizados que lá estão a fim de: monitorar a entrada/saída destes durante a execução da atividade, mantendo contagem precisa dos mesmos através da cópia da PET de cada trabalhador autorizado que estiver dentro do local e assegurar que todos saiam ao término da atividade.

3 3/ 11 monitorar a atmosfera do local (quando este também for o supervisor e estiver exercendo a função de vigia). salvaguardar a integridade física destes que estão dentro do espaço confinado adotando os procedimentos de emergência (conforme PS 06 Plano de Atendimento á Emergências PAE), acionando a equipe de salvamento (pública ou privada), quando necessário. ordenar o abandono do espaço confinado sempre que reconhecer algum sinal de alarme, perigo, sintoma, queixa, condição proibida, acidente, situação não prevista ou quando não puder desempenhar efetivamente suas atividades, nem ser substituído por outro Vigia. OBS: O vigia não poderá realizar outras atividades que possam comprometer o dever principal que é o de monitorar e proteger os trabalhadores autorizados que estão dentro do espaço confinado. O supervisor de entrada deve desempenhar as seguintes funções: emitir a (PET) R GI 31 antes do início das atividades. executar os testes, monitorar a atmosfera, conferir os equipamentos e os procedimentos contidos na (PET) R GI 31. assegurar que os serviços de emergência e salvamento estejam disponíveis e que os meios para acioná los estejam operantes. cancelar a (PET) R GI 31 quando necessário. encerrar a (PET) R GI 31 após o término dos serviços. determinar o número de colaboradores que irão executar a atividade e quais serão estas atividades. OBS: o supervisor de entrada pode desempenhar a função de Vigia. 5. Requisitos de GST/AIA 5.1 EPI Determinação Cabe ao colaborador, quanto ao EPI: a) Utilizá lo apenas para a finalidade a que se destina; b) Responsabilizar se pela guarda e conservação; c) Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso; d) Cumprir as determinações do empregador sobre o uso adequado.

4 4/ EPI s Básicos para este processo a) óculos de segurança, b) protetor auricular, c) botina de segurança. d) capacete com jugular NOTA 1: O equipamento de resgate deve ser instalado nas proximidades do espaço confinado e utilizado por equipe de resgate qualificada. 5.3 Medidas de Controle da GST/AIA NOTA: É proibida a realização de qualquer trabalho em espaços confinados de forma individual ou isolada.

5 5/ 11 Aprovado por: : Diretoria Item Foto Cargo/Atividade Medidas de Controle 1 Supervisor autorizado de entrada, vigia e trabalhador Técnico de d segurança / preencher Analisar Relato diário de Bem Estar Perigo Potencial: Aspecto Significativo: OPERACIONAL: Preenchimento pelos colaboradores do Relato Diário de Bem Estar (R GI 30) ao inicio das suas atividades diárias ADMINISTRATIVA: Análise doss dados pelo técnico t de segurança ou SGI quanto ao preenchimento do Relato diário de Bem Estar e liberação do colaborador para início de sua atividade. Supervisorr de entrada, vigia e autorizado/ Fazer auto checagem necessários previstos no item 5.2. Perigo Potencial: trabalhador dos EPI s Aspectos Ambientais: OPERACIONAL: Auto checagem da vestimenta quanto à utilização atividade dos EPI s necessários n para a O colaborador deve deixar o EPI na área de Gestão de Materiais 2 Descarte utilizados dos EPIs ADMINISTRATIVA : Verificação o pelos gestores, técnico de segurança quanto ao uso u dos EPI s pelos colaboradores do processo e outros que estejam circulando no local. Vigilância compartilhada. Gestão dee Materiais deve d encaminhar o material para o lixo comum Supervisor de entrada, vigia e trabalhador autorizado / identificarr o espaço confinado onde será realizada a atividade OPERACIONAL: Utilização dos EPI s básicos quando aplicável à atividade. Perigo Potencial: Aspecto Significativo: ADMINISTRATIVA: 3 Identificar o espaço confinadoo conforme R GI 35 Mapeamento de Espaço Confinado Treinamento anual de EPI s Treinamento em espaço confinado c Treinamento PS Treinamento do (R GI 14) Treinamento PO Vigilância compartilhada Relato Diário de Bem Estar Cópia Controlada - Aprovada conforme o Original - REPRODUÇÃOO PROIBIDA

6 6/ 11 Item Foto Cargo/Atividade Medidas de Controle Supervisor de Entrada / preencher e emitir a (PET) e controlar entrada e saída dos colaboradores. Perigo Potencial: Aspecto Significativo: OPERACIONAL: Utilização dos EPI s básicos quando aplicável à atividade. Realizar atividades conforme procedimento operacional 4 ADMINISTRATIVA: Treinamento anual de EPI s Treinamento em espaço confinado Treinamento PS 07 Treinamento do (R GI 14) Treinamento PO 036 e 010 Vigilância compartilhada item 5.6 do PS 07 Relato Diário de Bem Estar Colaborador autorizado / realizar as atividades necessárias Perigo Potencial: Altura Atmosfera perigosa Calor Eletricidade Iluminamento Queda de pessoas Ácidos Gases Incêndio e explosão Postura Ruídos Aspecto Significativo: Descarte dos EPIs utilizados Outros resíduos identificados durante a execução das atividades OPERACIONAL: Utilização de EPI s básicos + equipamentos necessários para realização da atividade (cinto de segurança, linha de vida, etc.) Ventilação forçada no ambiente quando aplicável. Utilização de EPI s para realizar atividades imediatamente perigosas á vida ou á saúde (máscara autônoma de demanda com pressão positiva ou com respirador de linha de ar comprimido com cilindro auxiliar para escape rápido). Utilizar ferramentas adequadas ás atividades O colaborador deve deixar o EPI na área de Gestão de Materiais Identificar os resíduos e verificar em que categoria se encaixa 5 ADMINISTRATIVA: Treinamento anual de EPI s Treinamento em espaço confinado Treinamento para trabalho em altura quando aplicável. Treinamento NR 10 quando aplicável. Treinamento SEP quando aplicável. Treinamento PS 07 Treinamento do (R GI 14) Treinamento PO 036 e 010 Vigilância compartilhada item 5.6 do PS 07 Relato Diário de Bem Estar Vigilância compartilhada Monitorar atmosfera antes e durante a execução da atividade em espaço confinado quando aplicável. Gestão de Materiais deve encaminhar o material para o lixo comum Realizar o Descarte corretos dos outros possíveis resíduos gerados

7 7/ Sistemas de proteção (Mecânica) Os locais identificados como espaços confinados quando possível são dotados de sistemas de proteção de segurança mecânica (exemplo: grade, telas, guarda corpo, cadeados, etc.). Caso o colaborador deste processo observar alguma irregularidade com relação aos sistemas de proteção mecânica (más condições, inoperantes, etc.), o mesmo deve paralisar o processo, informar o superior imediato para verificar as medidas a serem tomadas e proceder conforme PO 010 Análise de Risco ao Pé da Atividade (ARPA). 6. Procedimento 6.1 Colaboradores Autorizados, Supervisor de Entrada e Vigia. Todo colaborador designado para atividades em espaços confinados deve ser submetido a exames médicos específicos para a função que ira desempenhar, conforme estabelecem as NRs 7 e 33, incluindo os fatores de riscos psicossociais com a emissão de respectivo Atestado de Saúde Ocupacional ASO. Os exames devem considerar os aspectos críticos: Sistema nervoso (visão acuidade, campo visual, visão estereoscópica; audição acuidade, equilíbrio e coordenação motora); Aparelho cardiovascular (frequência e ritmos cardíacos e pressão arterial); Anamnese clínico ocupacional visando identificar alterações do sono, psicológicas e psiquiátricas. NOTA: O número de colaboradores envolvidos na execução da atividade em espaço confinado será determinado pelo supervisor de entrada, que analisará o R GI 14 Análise Preliminar de Perigos e Riscos e Identificação de Aspectos e Impactos Ambientais e dimensionará os perigos da atividade aos possíveis riscos que venham a ter se não estiverem aplicando as medidas de controle citadas no item 5.2. deste procedimento. 6.2 Mapeamento e Identificação dos Espaços Confinados Os espaços confinados existentes estão catalogados no R GI 35 Mapeamento de Espaço Confinado. Neste mapeamento é possível identificar os riscos específicos, sua localização, sua classificação, uma descrição sucinta deste local com a devida foto e os possíveis agentes contaminantes. NOTA 1: O espaço confinado quando desativado (somente quando este estiver incorporado a edificação), deve ser incluído no mapa e seus riscos devidamente avaliados.

8 8/ 11 NOTA 2: Espaços confinados nas instalações do cliente serão previamente identificados e avaliados a fim de estabelecer medidas de controle. 6.3 Equipamentos e Acessórios de Medição de Agentes Químicos e Físicos Os equipamentos e acessórios de medição de agentes químicos e físicos em espaço confinado devem possuir: Certificado de aprovação para uso em áreas classificadas; Certificado de calibração emitido por laboratório credenciado; Registros das calibrações com as respectivas datas de validade. 6.4 Permissão de Entrada e Trabalho (PET) É vedada á entrada e realização de qualquer atividade em espaços confinados sem a emissão do R GI 31 Permissão de Entrada e Trabalho. Quando da emissão e encerramento deste formulário, os envolvidos devem: Emitir antes do inicio da atividade, preenchendo, assinando e datando em três vias. Encerrar o R GI 31 Permissão de Entrada e Trabalho quando as operações forem completadas ou quando ocorrer uma condição não prevista ou quando houver pausa ou interrupção das atividades. O R GI 31 Permissão de Entrada e Trabalho é válida somente para cada entrada. O vigia deve manter uma das vias do R GI 31 Permissão de Entrada e Trabalho dos colaboradores que estiverem dentro do local. Uma segunda via do R GI 31 Permissão de Entrada e Trabalho deve ser entregue ao técnico de segurança ou responsável de segurança que validou a mesma para a realização da atividade (quando a equipe for maior que 02 trabalhadores). A terceira via do R GI 31 Permissão de Entrada e Trabalho deve ser devidamente arquivada na área da qualidade junto a segurança do trabalho fim de manter a recuperação destes dados. 6.5 Sinalização e Isolamento Todas as áreas ou ambientes identificados como espaço confinado devem ser isolados e sinalizados para evitar a entrada de pessoas não autorizadas. Estes locais são providos quando aplicável de travas, bloqueios, lacres e sinalização. A sinalização deve atender aos seguintes requisitos: Durabilidade no ambiente onde será utilizada; Padronização em relação à cor, forma, tamanho, tipo de material e de fácil identificação.

9 9/ 11 NOTA: Manter sinalização permanente juntoo à entrada do espaço confinado, Aprovado por: : Diretoria conforme o Anexo I da NR 33. MODELO: 6.6 Condição da Atmosfera (Avaliação e Monitoramento) Deve ser avaliada a atmosfera nos espaços confinados antes da entrada dee colaboradores para verificar se o seu interior é seguro, mantendo condições atmosféricas aceitáveis na entrada e durante toda a realização das atividades, monitorando, ventilando, purgando, p lavando ou inertizando o espaço confinado, monitorando continuamente a atmosfera doo espaço onde os colaboradores autorizados estiverem desempenhando ass suas atividades. Todos os recursos necessários para eliminação ou controle dos riscos atmosféricos em espaços confinados devemm ser disponibilizados sem demora excessiva. NOTA 1: Considera se atmosferaa IPVS (Imediatamente Perigosa à Vida e à Saúde) aquela em que: Há confirmação ou suspeita de que a concentração do contaminante seja maior que o seu s limite de exposição IPVS; ou O teor de oxigênio é menor que 12,5 %, ao nível do mar; A pressão atmosférica do local é menor que 450 mmhg (equivalente a m de altitude) ou qualquer combinação de redução na porcentagem de oxigênio ou redução naa pressão que leve a uma pressão parcial de oxigênio menor que 95 mmhg. NOTA 2: Em caso de existência de atmosfera imediatamente perigosa á vida ou á saúde, o espaço confinado somente pode ser adentrado com a utilização de máscara autônoma de demanda com pressão positiva ou com respirador de linha de ar comprimido com cilindro auxiliar para escape rápido. 6.7 Avaliação do Local e Equipamentos Deve ser efetuada a avaliação do local e equipamentos a serem utilizados u antes da execução das atividades em espaço confinado. A avaliação deve adotar o estabelecido no R GI 31 Permissão de Entrada e Trabalho e ser realizada pelo responsável pela liberação. O supervisor de entrada deve emitir o R GI 31 Permissão de Entradaa e Trabalho no local da atividade após: Cópia Controlada - Aprovada conforme o Original - REPRODUÇÃOO PROIBIDA

10 10/ 11 Análise Preliminar de Perigos e Riscos e Identificação de Aspectos e Impactos Ambientais (R GI 14) em conjunto com os emitentes credenciados; Definição dos equipamentos, dos observadores de segurança (vigias), dos sistemas de proteção e equipe de resgate; Inspeção prévia dos equipamentos de proteção individual. Deve ser realizada avaliação do isolamento e sinalização de toda a área próxima ao local de realização das atividades. Devem ser avaliados os bloqueios de energia e a respectiva sinalização quando houver. Todos os equipamentos e sistemas de proteção devem ser inspecionados antes do início das atividades e substituídos em caso de detecção de anormalidades. Testar cada equipamento de medição e o sistema de ar mandado e autônomo antes de cada utilização. Deve ser avaliado o bloqueio e sinalização do exaustor/insuflador, para garantir que não ocorra o desligamento ou permutação intencional ou não intencional do mesmo. 6.8 Execução das Atividades em Espaço Confinado Nas atividades que houver a necessidade de solda oxi corte o conjunto de cilindros deve, sempre que possível, ficar fora do espaço confinado. Monitorar continuamente a atmosfera nos espaços confinados, para verificar se as condições de acesso e permanência são seguras. O espaço confinado com atmosfera IPVS somente pode ser adentrado com a utilização de máscara autônoma de demanda com pressão positiva ou com respirador de linha de ar comprimido com cilindro auxiliar para fuga. Nesta condição, o acesso deve ser limitado a, no máximo, duas pessoas por vez, e a equipe de resgate deve ter no mínimo duas pessoas. Não é permitida a execução de serviço em ambiente confinado, sem o acompanhamento de pessoa habilitada e designada (vigia). O espaço confinado deve ser identificado, sinalizado e, quando possível, trancado, para evitar a entrada de pessoas não autorizadas. 6.9 Prestadores de Serviços O SGI fornecera ou devera fornecer ás empresas contratadas informações atualizadas sobre os riscos nas áreas de espaço confinado conforme Análise Preliminar de Perigos e Riscos e Identificação de Aspectos e Impactos Ambientais (R GI 14), e quais medidas de controle são necessárias para eliminar ou minimizar os riscos conforme item 5.3 deste procedimento e deve garantir o entendimento e conhecimento por estes dos levantamentos e regras locais antes de cada acesso aos espaços confinados onde este desenvolverá suas atividades, assim como, exigir a capacitação dos trabalhadores.

11 11/ 11 A SINER deve solicitar o envio dos programas e medidas de segurança e saúde dos trabalhadores das empresas contratadas como PPRA, PCMSO e outros programas ou documentos que se façam necessários Emergência e Salvamento Os possíveis cenários de acidentes, medidas de salvamento e primeiros socorros estão estabelecidos conforme PS 06 Plano de Atendimento á Emergências. 7. Indicadores de Desempenho Os indicadores estão descritos na lista de indicadores da SINER. 8. Relatórios Aplicáveis Não aplicável. 9. Documentos e Controles Relacionados R GI 14 Analise Preliminar de Perigos e Riscos e Identificação de Aspectos e Impactos Ambientais. R GI 30 Relato diário de Bem Estar R GI 31 Permissão de Entrada e Trabalho 10. Anexos Não aplicável.

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33

Inclui no Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33 SIT - Portaria nº 39/2008 25/2/2008 PORTARIA SIT Nº 39, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2008 DOU 25.02.2008 Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora

Leia mais

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM

E NOS TRAB E NOS TR ALHOS EM SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS DEZ/2014 1 ÍNDICE Objetivo Definição... 04 Oque É Espaço Confinado... 05 Onde É Encontrado O Espaço Confinado... 06 Quais São Os Tipos De Trabalhos

Leia mais

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS INTRODUÇÃO A trigésima terceira Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego denominada Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Identificar os riscos envolvidos em cada passo da tarefa, estabelecer salvaguardas que garantam a eliminação ou controle dos riscos identificados. Essa ferramenta deve ser utilizada

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS.

SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS. NR-33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS. 33.1 - Objetivo e Definição 33.1.1 - Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por Ana Karolina Kalil Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 25/04/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Procedimento de Segurança para Execução de Serviços

Procedimento de Segurança para Execução de Serviços Procedimento de Segurança para Execução de Serviços 1. OBJETIVO: Este procedimento tem como objetivo estabelecer requisitos básicos de segurança na execução de serviços realizados por empresa contratada

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS - ORMA REGULAMETADORA º 33 EGURAÇA E AÚDE O TRABALHO EM EPAÇO COFIADO Aprovada pela Portaria MTE/GM nº 202 - DOU 27/12/2006. 33.1 - Objetivo e Definição 33.1.1 - Esta orma tem como objetivo estabelecer

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

RESPIRAÇÃO NOS ESPAÇOS CONFINADOS OS PROBLEMAS DA. Como trabalhar com segurança nos espaços confinados e evitar acidentes de consequências graves.

RESPIRAÇÃO NOS ESPAÇOS CONFINADOS OS PROBLEMAS DA. Como trabalhar com segurança nos espaços confinados e evitar acidentes de consequências graves. www.racconet.com.br n 32 seu informativo de segurança Infoseg n 32 OS PROBLEMAS DA RESPIRAÇÃO NOS ESPAÇOS CONFINADOS Como trabalhar com segurança nos espaços confinados e evitar acidentes de consequências

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR O QUE É ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO?

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR O QUE É ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO? ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Trabalho e Emprego Carlos Lupi FUNDACENTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR. NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR. NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Trabalho e Emprego Carlos Lupi FUNDACENTRO

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Manual de Integração (SSO) saúde e segurança ocupacional Data da Revisão 18/12/2013

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Manual de Integração (SSO) saúde e segurança ocupacional Data da Revisão 18/12/2013 1/5 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Gestão de Contratos Service/Qualidade Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Administrativo

Leia mais

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO 08/12/2011 São Paulo 1 CAUSAS DE ACIDENTES GRAVES E FATAIS Queda é a uma das principais p causas acidentes fatais no Brasil eno mundo. de Início da queda Fases de uma queda

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Saída de alguns integrantes da Brigada 02 Alteração do item 4.5 composição da brigada e 4.7 Plano de abandono Demais envolvidos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

NR 33- NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS - IMPACTO INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO ARMANDO CAMPOS

NR 33- NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS - IMPACTO INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO ARMANDO CAMPOS NR 33- NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS - IMPACTO INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 O MAIS ALTO VALOR DE QUALQUER SISTEMA PRODUTIVO É O HOMEM. É ELE QUE DETÉM EM SUA

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

Qualificação e capacitação dos trabalhadores em Segurança do Trabalho na Indústria da Construção. 17 de agosto de 2012

Qualificação e capacitação dos trabalhadores em Segurança do Trabalho na Indústria da Construção. 17 de agosto de 2012 Qualificação e capacitação dos trabalhadores em Segurança do Trabalho na Indústria da Construção 17 de agosto de 2012 Capacitação Habilitação O que é previsto nas normas e requisitos de segurança no trabalho

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

A importância do Responsável Técnico para a NR-33, com abrangência em identificação e controle de riscos e capacitação da equipe de trabalhos

A importância do Responsável Técnico para a NR-33, com abrangência em identificação e controle de riscos e capacitação da equipe de trabalhos , com abrangência em identificação e controle de riscos e capacitação da equipe de trabalhos Sérgio Augusto Garcia Auditor Fiscal do Trabalho São Paulo, 07 de Outubro de 2010 NORMA REGULAMENTADORA 33 Segurança

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 01

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 01 1/ 18 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão integral do PO e Indicadores 02 Adequação da Premissa, item 4.1 e 4.2 03 Adequação dos Registros e padrões 04 Revisão

Leia mais

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar:

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar: O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? A expressão APR significa Análise Preliminar de Risco é muito utilizada no dia-a-dia dos profissionais da área de segurança e saúde do trabalho. APR é uma técnica

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Título: Tipo do Documento: SubTipo: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Trabalho em espaços confinados

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Conheça nossos Serviços

Conheça nossos Serviços BEM VINDO! Oferecemos completa Assessoria e Consultoria nos aspectos legais, técnicos e normativos relacionados à quaisquer serviços de SEGURANÇA, SAÚDE E MEDICINA DO TRABALHO. Conheça nossos Serviços

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 02/2012

R E S O L U Ç Ã O Nº 02/2012 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 DATA: 13 dez 2011 ELABORAÇÃO: Vancler Pinto Marcos Santos VERIFICAÇÃO: Élbio APROVAÇÃO: Márcia Rosa

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão

Procedimento Operacional Padrão Data de Vigência: Página 1 de 5 1- Objetivo: Estabelecer e padronizar os procedimentos de manutenção e uso dos Equipamentos de Proteção Individual para controlar riscos ambientais e ocupacionais. 2- Aplicação:

Leia mais

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas NB ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas NB ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OBJETIVO E APLICAÇÃO: NB ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO Os requerimentos desta norma são destinados à proteção local e dos trabalhadores contra os riscos de entrada

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA EM SERVIÇOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MANUAL DE SEGURANÇA EM SERVIÇOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MANUAL DE SEGURANÇA EM SERVIÇOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL OUT / 2011 Versão preliminar: 1 ELABORAÇÃO José Felipe de Oliveira Filho Lillian Caroline Pereira da Silva Roberto da Cunha Thais

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo"

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho Segurança o Tempo Todo Página: 1/14 1. OBJETIVO Descrever as principais rotinas gerenciais de segurança e saúde do trabalho à serem desenvolvidas pela equipe da ENDICON, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais,

Leia mais

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 Sistema de Gerenciamento de SSM na Comgás Liderança e Comprometimento Política e Objetivos Estratégicos Organização, Responsabilidades, Recursos, Padrões

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Título: PERMISSÃO PARA TRABALHO P.P.T.

Título: PERMISSÃO PARA TRABALHO P.P.T. 01- OBJETIVOS A PPT é uma autorização escrita para execução de trabalhos especiais em áreas / equipamentos da fábrica. A PPT deve garantir que a área / equipamento está em condições de segurança o suficiente

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987-2002 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório Trabalhista Nº 091 14/11/2002 CRÉDITOS OU CONTRIBUIÇÕES ARRECADADAS PELO INSS

Leia mais

Mário Márcio dos Santos. Ex-Docente SENAC / Barretos-SP

Mário Márcio dos Santos. Ex-Docente SENAC / Barretos-SP Mário Márcio dos Santos Ex-Docente SENAC / Barretos-SP Sr. Mário M MárcioM Obrigado a todos que direta ou indiretamente contribuíram por estas conquistas. Ano de 2.006 Parceiras que vieram para fazer

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

GERENCIAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS: APLICAÇÃO DA NR-33 EM SILOS

GERENCIAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS: APLICAÇÃO DA NR-33 EM SILOS ISSN 1984-9354 GERENCIAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS: APLICAÇÃO DA NR-33 EM SILOS Marcelo Zago (UTFPR) Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) Rosemara Santos Deniz Amarilla (UTFPR)

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ESCOPO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 3.1. EPI S... 2 3.2 UNIFORMES... 2 3.3 FICHA DE CONTROLE DE EPI S E UNIFORMES... 2 3.4 GESTORES... 2 3.5 ASSOCIADOS... 2 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA TERMO DE REFERÊNCIA SSST 004//2013 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIALIZADO EM TREINAMENTO DE TÉCNICAS DE SEGURANÇA PARA TRABALHO EM ESPAÇOS CONFINADOS 1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA...

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA N.º 105/2013 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO, por seu órgão, Procurador do Trabalho ROBERTO PORTELA MILDNER, toma o presente

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 Este procedimento tem por objetivo estabelecer os critérios a serem observados pelas empresas e suas subcontratadas com relação

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

Departamento Regional Minas Gerais ERRATA Nº 01/2014

Departamento Regional Minas Gerais ERRATA Nº 01/2014 Serviço Social do Comércio Departamento Regional Minas Gerais Processo nº 14595/2012 Folha nº Informações e/ou despachos ERRATA Nº 01/2014 Nº do edital: Pregão Presencial nº 0054/2014 Área Técnica Responsável:

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTOS 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTOS 2 Índice 1- Exames Médicos Ocupacionais. 2- Controle de Atestados Médicos. 3 - Afastamentos: INSS/Licença Maternidade. 4 - Avaliação Médica.

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Equipamento De Proteção Individual - EPI Definição: EPI é todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a integridade física do trabalhador. EPI (s)

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde na Entrada em Espaços Confinados

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde na Entrada em Espaços Confinados Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde na Entrada em Espaços Confinados Qualquer área ou ambiente: - não projetado para ocupação humana contínua, - que possua

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais