REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA NATUREZA E FINS. Art.º 1º

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA NATUREZA E FINS. Art.º 1º"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA I NATUREZA E FINS Art.º 1º A Associação de Paralisia Cerebral de Évora, com sede na Avenida Diniz Miranda, 23 - Évora, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), que integra o Jardim de Infância, situado na Rua da Barba Rala n.º 1, que apresenta como objectivo o desenvolvimento de actividades junto da população Infantil, em regime de acordo de cooperação com o Centro Distrital de Évora do ISS, IP celebrado em 01/09/97 para uma capacidade 35 crianças, a partir dos 3 até aos 6 anos. Art.º 2º 1. O Jardim de Infância tem como princípio que a educação Pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida, sendo complementar da acção educativa da família, com a qual deve estabelecer estreita relação, favorecendo a formação e o desenvolvimento da criança, tendo em vista a sua plena inserção na sociedade como ser autónomo, livre e solidário A valência de Educação Pré-escolar constitui uma resposta Pedagógica e Social que consiste na prestação de serviços vocacionados para o desenvolvimento e aprendizagem da criança, proporcionando actividades educativas e actividades de apoio à família, de acordo com a Lei Quadro da Educação Pré-escolar. 3. A valência de Educação Pré-escolar tem como principais objectivos os constantes das Orientações Curriculares 2 da Educação Pré-escolar, nomeadamente 3 : a) Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências de vida democrática, numa perspectiva de educação para a cidadania; 1 Lei n.º 5/97, de 10 de Fevereiro 2 Despacho n.º 5220/97 de 10 de Julho e Circular n.º 17/DSDC/DEPEB/2007 de 10/10/ Adaptado da Lei n.º 5/97, de 10 de Fevereiro (Lei Quadro da Educação Pré-escolar) 1

2 b) Fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos, no respeito pela pluralidade das culturas, favorecendo uma progressiva consciência do seu papel como membro da sociedade; c) Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à escola e para o sucesso da aprendizagem; d) Estimular o desenvolvimento global de cada criança, no respeito pelas suas características individuais, incutindo comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e diversificadas; e) Desenvolver a expressão e a comunicação através da utilização de linguagens múltiplas como meios de relação, de informação, de sensibilização estética e de compreensão do mundo; f) Despertar a curiosidade e o pensamento crítico; g) Proporcionar a cada criança condições de bem-estar e de segurança, designadamente no âmbito da saúde individual e colectiva; h) Proceder à despistagem de inadaptações, deficiências e precocidades, promovendo a melhor orientação e encaminhamento da criança; i) Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efectiva colaboração com a comunidade. 4. Os serviços prestados e actividades a desenvolver, são as seguintes: Serviços de alimentação, repouso, desenvolvimento de actividades na área das expressões plástica, musical, motora e dramática assim como outras actividades inerentes ao desenvolvimento das Orientações Curriculares e que venham eventualmente a ser consensualizadas entre a Instituição e as famílias, nomeadamente: a. Visitas pontuais à Quinta do Pomarinho (Gratuito) b. Passeios e / ou visitas de estudo (pagamento adicional) c. Outras actividades, a definir com os pais/ encarregados de educação (pagamento adicional). 2

3 II ADMISSÃO DE UTENTES Art.º 3º 1. Condições de Admissão: Serão admitidas crianças com idades compreendidas entre os 3 e os 6 anos. 2. Crianças com deficiência 2.1 A admissão das crianças com deficiência deverá ser objecto de avaliação conjunta dos Técnicos da Instituição e dos Técnicos especialistas que prestam apoio, tendo em atenção: a) O parecer técnico da Equipa de intervenção Precoce. b) Que a deficiência constitui um factor de prioridade; c) Que a admissão deverá ser feita o mais precocemente possível tendo em conta as necessidades das crianças e dos pais; d) Que a admissão ao longo do ano terá lugar, quando tal se verifique absolutamente necessário. Art.º 4º 1. Inscrições: As inscrições são realizadas no Jardim de Infância Quinta dos Sonhos ou na sede da Associação mediante o preenchimento de uma Ficha de Identificação/Inscrição, da qual deverá constar entre outros elementos o nome da criança, data de nascimento, morada, filiação, profissão e horário de trabalho dos pais e constituição do agregado familiar e o nome da Pessoa/Familiar que habitualmente irá buscar a criança. As inscrições poderão ser efectuadas durante (o mês de Junho). A admissão de crianças na Educação Pré-escolar será alvo de análise pela coordenadora da instituição, dentro das normas estabelecidas no presente Regulamento. 2. Critérios de Prioridade: Sempre que a capacidade do Jardim de Infância não permita a admissão de todas as crianças inscritas para a frequência das actividades, as admissões far-se-ão de acordo com os seguintes critérios de prioridade: a. Crianças em situação de risco, ou com NEE b. Crianças com irmãos a frequentarem já o estabelecimento; 3

4 c. Crianças filhos de funcionários da A.P.C.E d. Crianças cujos pais trabalham na área do estabelecimento; e. Lugar na lista de espera 3. Documentos obrigatórios para admissão das crianças: a) Cédula Pessoal / Cartão de cidadão b) Declaração médica comprovativa do estado de saúde da criança. c) Cartão de utente ou beneficiário d) Boletim de vacinas actualizado e) Declaração do IRS dos pais ou comprovativo do Escalão de Rendimentos de Referência do Agregado Familiar, para atribuição de abono de família. 4. Processo Individual: a) Todos os elementos resultantes das informações familiares: b) História pessoal da criança; c) Saúde; d) Hábitos de alimentação; III Art.º 5º HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO Este Jardim de Infância encontra-se a funcionar de 2ª a 6ª feira, com o seguinte horário: Entrada 7.30 horas Saída horas As saídas após às horas são sujeitas a pagamento adicional (5.00 por cada 15 minutos). Horário de Actividades: (5 horas) - Das horas às 12 horas e das horas às horas. Os pais/ encarregados de educação devem respeitar o horário de funcionamento, só sendo permitida a entrada das crianças depois do início das Actividades, em casos urgentes e devidamente justificados. Horário das refeições: Almoço horas 4

5 Lanche horas Horário de atendimento dos Pais /Encarregados de Educação: 2ª e 3ª Feiras: das às horas ou por hora de marcação prévia, acordada entre as partes. Art.º 6 O Jardim de Infância encerra no mês de Agosto, nos feriados municipais e nacionais, bem como na 2ª feira de Carnaval, 2ª feira de Páscoa, 24 e 31 de Dezembro. Poderá ainda encerrar noutras datas aprovadas pela direcção da A.P.C.E, das quais as famílias serão avisadas com a devida antecedência.. IV DIREITOS E DEVERES Art.º 7 Direitos das Crianças 1. São direitos da criança: a) Ser tratada com respeito e correcção; b) Ser adequadamente assistida em caso de acidente ou doença, ocorridas no decurso das actividades; c) Utilizar as instalações a si destinadas; d) Participar e desenvolver actividades/iniciativas que promovam a sua formação e ocupação; e) Usufruir dos serviços da valência que frequenta. Art.º 8 Direitos dos Pais 1. São direitos dos Pais: a) Informar-se, ser informado e informar a Instituição sobre as matérias relevantes no processo educativo dos seus educandos; b) Colaborar com a Instituição facilitando e participando no seu funcionamento, bem como, na educação e desenvolvimento das crianças; c) Participar activamente na promoção e articulação entre família e Instituição; d) Conhecer o Regulamento da Instituição; 5

6 e) Serem atendidos quando necessário, em dia e hora a fixar no início de cada ano lectivo. Art.º 9 Direitos da Instituição 1. São direitos da Instituição: a) Receber mensalmente e atempadamente a comparticipação familiar que for estipulada; b) Ser indemnizada por qualquer estrago causado pelas crianças, nomeadamente os que se referem a: - Quebra de vidros - Material informático e audiovisual Art.º 10 Deveres das crianças 1. São deveres das crianças: a) Tratar com respeito e correcção todas as pessoas da Instituição; b) Participar nas actividades propostas; c) Zelar pela conservação e asseio das instalações, material didáctico, mobiliário e demais instalações; d) Cumprir o Regulamento Interno. Art.º 11 Deveres dos Pais/ Encarregados de Educação 1. São deveres dos pais: a) Garantir a pontualidade e assiduidade das crianças; b) Comparecer na Instituição sempre que seja solicitada a sua presença; c) Participar nas reuniões de pais; d) Liquidar no prazo estabelecido a mensalidade fixada; e) Responsabilizar-se pelo cumprimento do dever de assiduidade dos seus educandos, f) Contribuir para o bom funcionamento da Instituição; g) Interessar-se pelo progresso, desenvolvimento e comportamento dos seus educandos, contribuindo e facilitando a tarefa da Instituição. h) Responsabilizar se pelos bens / brinquedos que tragam de casa. 6

7 Art.º 12 Deveres da Instituição 1. São deveres da Instituição: a) Elaborar o Projecto Educativo e promover o seu cumprimento; b) Proporcionar às crianças as condições legalmente estabelecidas para a valência de Educação Pré-escolar; c) Fazer um seguro que proteja todas as crianças de qualquer eventualidade que surja, quando estas estejam sobre a sua responsabilidade; d) Cumprir todas as condições a que se obriga no acto de admissão; e) Zelar pelo bom funcionamento da Instituição e promover a qualidade dos serviços prestados pela valência. f) Assegurar que o pessoal afecto à Instituição preste serviço em perfeitas condições de saúde que devem ser comprovadas anualmente, de acordo com os normativos em vigor. g) Facultar o Regulamento Interno e respectivas alterações ao Centro Distrital de Évora do ISS, IP. h) Facultar aos Pais/ Encarregados de Educação no acto da inscrição, o Regulamento Interno da Instituição correspondente à valência de Educação Pré-escolar. V COMPARTICIPAÇÕES FAMILIARES Art.º A comparticipação familiar é determinada de forma proporcional ao rendimento do agregado familiar, calculada de acordo com os valores indicados nas Normas Reguladoras, consensualizadas com a União das IPSS, constante da Orientação Técnica, divulgada pela circular n.º 3 de , da DGAS. 2. As comparticipações familiares serão anualmente revistas, no início do ano lectivo. 3. O pagamento das comparticipações familiares será relativo à frequência do próprio mês e deverá ser efectuado entre o dia 1e o dia 8 de cada mês. Art.º 14 A comparticipação familiar devida pela utilização dos serviços ou equipamentos da área da Infância e Juventude é calculada com base nos Escalões de Rendimentos de Referência do 7

8 Agregado Familiar, previstos para o cálculo do Abono de Família que definem a percentagem a aplicar ao valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS) Art.º 15 De acordo com o artigo anterior, os Escalões de Rendimentos de Referência do Agregado Familiar que, de acordo com os normativos em vigor, se aplicam ao abono de família, com base nos rendimentos de 2008, são os seguintes: Escalões de Rendimentos de Referência do Agregado Familiar 1º. Inferiores ou Iguais a 2851,87 2º. Superiores a e iguais ou inferiores a º. Superiores a e iguais ou inferiores a º. Superiores a e iguais ou Inferiores a º. Superiores a e iguais ou inferiores a º. Superiores a Sempre que haja alteração no Escalão de Rendimento de Referência do Agregado Familiar, deve ser comunicado à Instituição. 1. A não entrega de documento comprovativo dos rendimentos do agregado familiar ou do comprovativo do Escalão do Rendimento de Referência do Agregado Familiar, leva a que a Instituição aplique o valor máximo da tabela em vigor. 2..No acto da inscrição deve ser pago o montante de 50 Art.º 16 Cálculo da Mensalidade O cálculo da mensalidade a pagar é efectuado com a aplicação da seguinte tabela: Valor a Pagar 1º Escalão 15% do valor do IAS º Escalão 20% do valor do IAS º Escalão 35% do valor do IAS º Escalão 50% do valor do IAS º Escalão 60% do valor do IAS º Escalão 80% do valor do IAS

9 O valor do IAS 4 refere-se ao ano de Art.º 17 Conceito de agregado familiar Entende-se por agregado familiar o conjunto de pessoas ligadas entre si por vínculo de parentesco, casamento, afinidade, ou outras situações assimiláveis, desde que vivam em economia comum Art.º 18 Prova de rendimento e despesas 1. A prova de rendimentos declarados será feita mediante a apresentação de documentos comprovativos adequados e credíveis, designadamente de natureza fiscal (declaração do IRS, últimos recibos...). ou o comprovativo do Escalão de Abono de Família. Art.º 19 Redução da comparticipação familiar mensal 1. Haverá lugar a uma redução de 10% na comparticipação familiar referente ao segundo e seguintes elementos, sempre que se verifique a frequência da mesma IPSS por mais de um elemento do agregado familiar. 2. Haverá lugar a uma redução de 25% na comparticipação familiar mensal quando o período de ausência, devidamente justificada, exceda 15 dias não interpolados. 3. Quando as crianças não frequentem o Jardim de Infância no período de 1 mês por motivo de férias, ou outro que não seja por doença, terá uma redução que corresponde ao valor da alimentação (48 ). Art.º 20 Situações especiais A Instituição poderá reduzir ou aumentar o valor, dispensar ou suspender o pagamento das comparticipações familiares, sempre que, através de uma cuidada análise sócio-económica do 4 Valor do IAS em ,41 Portaria n.º 9/2008 de 3 de Janeiro; Aplica-se o Valor de 2008 porque os Rendimentos do Agregado Familiar também são de

10 agregado familiar, se conclua a existência de redução ou aumento significativo dos rendimentos familiares, durante o ano lectivo. VI SAÚDE / HIGIENE Art.º 21 Não é permitida a entrada na Instituição de crianças que apresentem sintomas de doença. Art.º 22 Em caso de doença grave ou contagiosa a criança só poderá regressar à Instituição mediante a apresentação de declaração médica da inexistência de qualquer perigo ou contágio. Art.º 23 Em caso de acidente ou doença súbita, deverá a criança ser assistida na Instituição ou recorrer ao Hospital mais próximo, avisando de imediato a família. Art.º 24 Os medicamentos que a criança tenha de tomar deverão estar devidamente identificados e com horário das tomas segundo fotocópia da prescrição médica. Art.º 25 Os objectos para os cuidados de higiene das crianças são individuais, identificados e mantidos em perfeito estado de limpeza, conservação e arrumação. V I I ALIMENTAÇÃO Art.º 26 A Instituição assegura o fornecimento de refeições nas condições adequadas à faixa etária das crianças, nomeadamente almoço e lanche. 10

11 Art.º 27 A ementa será afixada semanalmente de modo a que os Encarregados de Educação se possam informar sobre o tipo de alimentação que está a ser fornecido aos seus educandos. Art.º 28 As crianças que necessitem fazer uma dieta especial, e por um tempo prolongado, deverão trazer prescrição médica, onde conste o tipo de alimentação adequada. Art.º 29 Os Encarregados de Educação deverão informar as Educadoras da necessidade de qualquer dieta que surja inesperadamente e por um curto espaço de tempo, para que em tempo útil possa informar a cozinheira. Art.º 30 As crianças não devem trazer de casa qualquer género alimentar (bolos, batatas fritas, rebuçados, chocolates, danoninhos etc...) V III DISPOSIÇÕES GERAIS Art.º Vestuário a) O vestuário deve permitir que as crianças se movimentem com facilidade e possam utilizar diversos materiais; b) As crianças devem ter sempre no Jardim de Infância uma muda de roupa devidamente identificadas, para o caso de ser necessário; c) O uso de bibe (facultativo) e os chapéus individual e identificados. 2. As crianças não devem trazer objectos de valor, não se responsabilizando a Instituição pelo desaparecimento de qualquer objecto de uso pessoal. 3. Em caso de saídas das crianças para o exterior (visitas de estudo, passeios, excursões...) é obrigatório existir uma autorização e termo de responsabilidade devidamente assinado por parte dos Pais ou Encarregados de Educação. 4. A Direcção considera altamente positivo que os pais/encarregados de educação acompanhem com o maior interesse o desempenho da Instituição, dando sugestões e 11

12 fazendo as criticas que achem convenientes, tendo sempre em vista o bem estar e o desenvolvimento global das crianças. 5. Os Pais ou Encarregados de Educação deverão assinar no início do ano lectivo uma declaração comprometendo-se a aceitar e cumprir na íntegra o presente Regulamento Interno. Art.º 32 Disposições Diversas 1. O presente Regulamento Interno entra em vigor no início do ano lectivo 2009/ O regulamento poderá ser alterado, no seu todo ou em parte, em cada novo ano lectivo, de forma a poder ser adaptado às condições reais. 3. Todas as situações não contempladas no regulamento serão objecto de análise e definidas por parte da Direcção da Associação. Évora, Setembro de 2009 A Direcção 12

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL RIBA CÔA CENTRO INFANTIL INTERNO R E G U L A M E N T O Santa Casa da Misericórdia do Sabugal Capítulo I Geral Artigo 1º 1. O Centro Infantil Riba Côa é uma instituição particular de assistência à infância

Leia mais

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 Regulamento Interno 2013 / 2014 www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 REGULAMENTO INTERNO 2013 / 2014 ESCOLA LUA CRESCENTE (Creche, Jardim de Infância e ATL) I NATUREZA E OBJECTIVOS

Leia mais

I Determinação da comparticipação familiar. A comparticipação familiar é determinada de forma proporcional ao rendimento do agregado familiar.

I Determinação da comparticipação familiar. A comparticipação familiar é determinada de forma proporcional ao rendimento do agregado familiar. MODELO DE REGULAMENTO DAS COMPARTICIPAÇÕES DOS UTENTES E SEUS FAMILIARES PELA UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL I Determinação da comparticipação

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 Regulamento Interno Ano Lectivo 2007/2008 1. Admissão 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 3 meses e os 6 anos. 1.2. No acto da inscrição são necessários os

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO 1 º A Creche têm por fim satisfazer as necessidades das crianças nas diferentes etapas do seu desenvolvimento, entre os quatro meses de idade e 3 anos.

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins)

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins) ACÇÃO SOCIAL CASA DA CRIANÇA DE SOURE - Educação Pré-Escolar - REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza e Fins) 1 - A Casa da Criança de Soure visa prestar, na área da Acção Social, um serviço adequado às Famílias

Leia mais

JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA. Regulamento Interno

JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA. Regulamento Interno JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA Regulamento Interno Rua Cidade Nova de Lisboa (Tras. da Rua Cidade do Negage), n.º 7 e 9, Cave- Olivais Sul 1800-096 Lisboa Tel. 21 851 54 07 Fax. 21 855 12

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento CRECHE Enquadramento A actual organização dos modos de vida familiar, tendo em conta a crescente integração da mulher no mercado de trabalho, tem vindo a acentuar a necessidade de criação de estruturas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO -

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO - - NORMAS DE FUNCIONAMENTO - O Colégio Laranja e Meia destina-se a receber crianças dos 3 meses aos 6 anos. Horário - Abertura : 8.30 horas - Encerramento : 19 horas As actividades pedagógicas decorrem

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA CATL ABC REGULAMENTO INTERNO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA CATL ABC REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO CATL ( CENTRO DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES ) FÉRIAS DIVERTIDAS ( Natal, Páscoa, Verão ) Rua 16 de Maio * 5370-418 Mirandela * Tel.: 278 265198 * Fax: 278 265194* http://www.scmm.web.pt

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Julho de 2012) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

Componente de Apoio à Família

Componente de Apoio à Família Capítulo 056 Componente de Apoio à Família MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 11 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e organização... 3 3. Funcionamento... 4 3.1. Períodos da CAF... 4 3.2. Horários

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Novembro de 2014) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo.

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. REGULAMENTO 2014/2015 1- ADMISSÃO DE CRIANÇAS 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. 1.2 A instituição dispõe de 3 valências,

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA DIVERTILÁXIA. Regulamento interno 2009/2010. Rua de São Salvador, n.º 33 9760 Praia da Vitória

CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA DIVERTILÁXIA. Regulamento interno 2009/2010. Rua de São Salvador, n.º 33 9760 Praia da Vitória CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA DIVERTILÁXIA Regulamento interno 2009/2010 Rua de São Salvador, n.º 33 9760 Praia da Vitória Regulamento Interno 2 Regulamento Interno Este Regulamento vigora a partir de 1

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Penela Instituição Particular de Solidariedade Social - NIPC 501 057 501 Fundada em 1559

Santa Casa da Misericórdia de Penela Instituição Particular de Solidariedade Social - NIPC 501 057 501 Fundada em 1559 Instituição Particular de Solidariedade Social - NIPC 501 057 501 Fundada em 1559 MEDALHA DE OURO DE HONRA DO MUNICÍPIO PENELA - 29-09 - 1999 REGULAMENTO INTERNO CRECHE CAPITULO I NATUREZA E OBJETIVOS

Leia mais

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Capitulo I Objecto Art.º 1.º Âmbito e objecto O presente regulamento é aplicável ao funcionamento das creches

Leia mais

Regulamento Creche e Jardim de Infância

Regulamento Creche e Jardim de Infância Regulamento Creche e Jardim de Infância 2012/2013 CASA PASTORINHOS DE FÁTIMA Rua das Janelas Verdes, 11-1200-690 Lisboa Tel.: 21 396 11 24 Fax.: 21 395 27 52 apsov@hotmail.com Assistência Paroquial de

Leia mais

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica Nº 4 e Jardim de Infância Nº 3 de Alverca do Ribatejo INDICE 1. Objecto 2. Local

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção de Acção Social da Segurança Social, cujos

Leia mais

NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Aprovação em Conselho Municipal de Educação 10 de março de 2015 Aprovação em Reunião de Câmara 25

Leia mais

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES CENTRO PASTORAL D. ANTÓNIO BENTO MARTINS JUNIOR REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE ACTIVIDADES TEMPOS LIVRES Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES Telefone 253 416 144 / Fax 253 416 113 E-mail:

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 A presente Nota tem por objectivo auxiliar as entidades beneficiárias, conforme âmbito e condições estabelecidas no Aviso de Abertura nº 20/2010, na elaboração das candidaturas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL FÉRIAS DIVERTIDAS Página 1 de 13 ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS..4 CAPÍTULO II PROGRAMA..5 CAPÍTULO III INSCRIÇÕES...5 CAPÍTULO IV ENTIDADE PROMOTORA..

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Norma I Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS A empresa de apoio domiciliário, designada por APOIO & COMPANHIA, LDA., com acordo de cooperação para resposta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE Introdução 2 Capitulo I Descrição, Inscrição e Condições Admissão/Matrícula 5 Descrição e Localização Inscrição Condições de Admissão/Matrícula Capitulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 2 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD (CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DO PESSOAL DO MUNICIPIO DE CASCAIS) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO CRECHES

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO CRECHES Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se às respostas sociais de Creche do Abrigo Infantil das Laranjeiras e da Creche Alberto Manuel de Aguiar Pacheco, equipamentos sociais que são propriedade da

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, 329 4250-316 Porto

creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, 329 4250-316 Porto creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. CAPÍTULO I Estabelecimento, natureza e objectivos 1- O Espaço Brincar e Inventar é um estabelecimento de ensino de apoio

Leia mais

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO As presentes Normas têm por objetivo regulamentar as questões de funcionamento das Atividades a realizar nos períodos de

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

Regulamento Interno do Jardim-de-Infância Santa Casa da Misericórdia de Aveiro

Regulamento Interno do Jardim-de-Infância Santa Casa da Misericórdia de Aveiro Regulamento Interno do Jardim-de-Infância Santa Casa da Misericórdia de Aveiro Centro de Educação de Infância Casa da Cruz Rua Bento Moura, nº 14 Esgueira 3800-114 Aveiro Índice Capítulo I - Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO Artigo 1 (Objecto) 1 - Pelo presente Regulamento é constituída e regulado o funcionamento da Escola de Música Municipal de Mondim de Basto. 2 - A Escola

Leia mais

Esinval - Entidade de Formação. Regulamento Interno

Esinval - Entidade de Formação. Regulamento Interno Esinval - Entidade de Formação Regulamento Interno Legislação/ Organização Interna da Instituição A instituição denominada Esinval - Entidade de Formação Acreditada, com domicilio fiscal e profissional,

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros:

SPORT CAMPUS 2015. Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO. Parceiros: SPORT CAMPUS 2015 Verão 2015/Tempos Livres AMARES REGULAMENTO INTERNO Parceiros: Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL DO ISVOUGA

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL DO ISVOUGA Página 1 de 5 Artigo 1.º (objeto) Num contexto económico e social com elevados níveis de competitividade e em que o processo de escolarização se revela fundamental para a aquisição/reforço de competências

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA I - OBJETIVOS ARTº 1 - O Regulamento Interno visa ordenar e reger a vida interna da instituição, ao nível da valência de Jardim de Infância, para que

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA Nota justificativa Foram ouvidas as entidades interessadas, nos termos do artigo 117.º do Código do Procedimento

Leia mais

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF)

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) 1 Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) nos estabelecimentos de educação pré-escolar da rede pública do concelho de Vendas Novas PREÂMBULO O Programa de Expansão

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objectivos de intervenção desta Instituição. Face ao actual contexto sócio económico cujas

Leia mais

Horário das aulas: De 2.ª a 6.ª feira das 07:30 às 19:30.

Horário das aulas: De 2.ª a 6.ª feira das 07:30 às 19:30. 12º Não é permitido aos Pais e Encarregados de Educação contactarem pessoalmente, ou através do telefone e, docentes e/ou alunos, durante os tempos letivos. 13º Os serviços cobertos pela anuidade obrigatória

Leia mais

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica Normas DE FuNcioNamENto Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica O presente documento apresenta-se como um

Leia mais

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento Preâmbulo O Programa Escolhas, tutelado pela Presidência do Conselho de Ministros e integrado no Alto Comissariado para as Migrações, I.P., tem como um

Leia mais

Colónias de Férias Infantil REGULAMENTO INTERNO

Colónias de Férias Infantil REGULAMENTO INTERNO Colónias de Férias Infantil REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Âmbito As normas definidas no presente Regulamento Interno visam estabelecer as condições de funcionamento da Colónia

Leia mais

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO p / 01 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O Jardim de Infância Comendador Abílio Ferreira de Oliveira é um equipamento social da Irmandade

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche PREÂMBULO O presente regulamento regula a organização e o modo de funcionamento do NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. Este regulamento interno será

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar Crianças

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO da valência de Creche CAPÍTULO I. Artigo 1º

REGULAMENTO INTERNO da valência de Creche CAPÍTULO I. Artigo 1º REGULAMENTO INTERNO da valência de Creche CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA CENTRO DE IDOSOS CENTRO DE DIA CD I Serviço de Centro de Dia INDICE Pág Natrureza e Objectivos 3 II Condições de Admissão 4 III Candidatura

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS OBJECTIVOS O Decreto-lei 55/2009 estabelece

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ 2 PREÂMBULO A educação é um instrumento fundamental para assegurar uma sociedade do conhecimento e um melhor entendimento do mundo, para o garante de uma cidadania

Leia mais

COOPERATIVA DE ENSINO DE BENFICA, C.R.L. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016

COOPERATIVA DE ENSINO DE BENFICA, C.R.L. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016 1. FREQUÊNCIA 1.1. A frequência da CEBE está condicionada a que um dos pais e/ou encarregado de educação da criança se tornem sócios da CEBE, para

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt UNIVERSIDADE SÉNIOR DE CARNAXIDE - APRENDIZAGEM E LAZER ARTIGO 1º Aspectos Gerais REGULAMENTO 1- A Universidade Sénior de Carnaxide - Aprendizagem e Lazer, adiante designada por USCAL, tem por objectivo

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS 1- O Externato João Alberto Faria - Infantil destina-se a crianças com idades entre os 3 anos (feitos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 Exmo. Sr. ou Sr.ª Encarregado(a) de Educação Agora que o seu educando deu mais um passo no Universo Benfiquista, é com grande satisfação que

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16 COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16 FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias divertidas Objeto e âmbito de aplicação O presente documento

Leia mais

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DA FREGUESIA DE CUNHA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS)

Leia mais

Nota Justificativa. Regulamento Municipal para os Serviços de Apoio à Família Prolongamento de Horário 1

Nota Justificativa. Regulamento Municipal para os Serviços de Apoio à Família Prolongamento de Horário 1 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA AS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMÍLIA PROLONGAMENTO DE HORÁRIO NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE OEIRAS Nota Justificativa

Leia mais

Regulamento Interno. Objectivo

Regulamento Interno. Objectivo Regulamento Interno Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 08 e os 18 anos, com a finalidade

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE I - OBJETIVOS ARTº 1 - O Regulamento Interno visa ordenar e reger a vida interna da Instituição, ao nível da valência de Creche, para que todos possam colaborar

Leia mais