EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL"

Transcrição

1 EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA 2 Objectivos do Regulamento O presente Regulamento Interno de funcionamento visa: 1- Promover o respeito pelos direitos dos Encarregados de Educação, as crianças e demais interessados; 2- Assegurar a divulgação e o cumprimento das regras de funcionamento do estabelecimento/estrutura prestadora deserviços; 3- Promover a participação activa dos Encarregados de Educação ao nível da gestão das respostas sociais. NORMA 3 Caracterização do Externato O ATL tem como objectivos específicos: Proporcionar às crianças acolhimento e enquadramento educativo; Proporcionar às crianças continuidade familiar; Prestar cuidados individuais e estimulantes necessários ao seu desenvolvimento global; Colaborar com os pais no acolhimento diurno das crianças durante os seus períodos de trabalho. CAPITULO II PROCESSO DE ADMISSÃO NORMA 4 Admissão 1-Serão admitidas crianças com idades compreendidas entre os 6 anos e 12 anos; 2- As pré-inscrições serão aceites durante todo o ano e as correspondentes admissões efectuadas sempre que exista vaga; 3- As pré-inscrições têm como validade de um ano, findo do qual terão de ser renovadas para serem mantidas em lista de espera; 4- No acto de matrícula é obrigatório o seu pagamento;

2 5- A admissão será considerada definitiva após pagamento da inscrição; 6- O valor da inscrição não será, em caso algum, reembolsável. NORMA 5 Candidatura Para efeitos de admissão, o Encarregado de Educação deverá candidatar-se através do preenchimento de uma ficha deidentificação, que constitui parte integrante do processo da criança, devendo fazer prova dasdeclarações efectuadas, mediante a entrega de cópia dos seguintes documentos: Bilhete de Identidade/ Cartão de Cidadão dos pais ou do Encarregado de Educação; Cartão de Contribuinte do pai e mãe ou do Encarregado de Educação; Cédula pessoal, Bilhete de identidade ou Cartão de Cidadão da criança; Cartão de Contribuinte da criança (caso tenha); Cartão de Utente dos Serviços de Saúde ou de Subsistemas a criança pertença; Boletim de vacinas e Relatório médico, comprovativo da situação clínica da criança; Fotocópia do B.I. ou Cartão de Cidadão de todas as pessoas autorizadas a vir buscar o aluno ao Externato do Olival Basto, Lda. CAPITULO III FUNCIONAMENTO NORMA 6 Horário 1-O Externato encontra-se aberto todos os dias úteis das 7h30m às 19h30m; 2- A direcção pode encerrar o Externato em situações especiais e imprevistas, nomeadamente doenças, epidemias,faltas de água e ou electricidade. NORMA 7 Entrada e Saída 1- No momento da entrada, os Encarregados de Educação devem comunicar os cuidados especiais a ter com ascrianças, se houver; 2- A entrega e saída das crianças devem ser, de preferência, pelos pais ou Encarregados de Educação; 3- Caso não se cumpra o ponto anterior as crianças só serão entregues a pessoas autorizadas pelo Encarregado deeducação e referenciadas na ficha de inscrição. NORMA 8 Férias 1- Todas as crianças devem ter 22 dias úteis de férias; 2- As férias das crianças têm de ser marcadas durante o ano civil, podendo ser repartidas e em consonância com asférias dos Encarregados de Educação; 3- O período de férias da criança é marcado pelos Encarregados de Educação, através de circular (para efectuarmos a redução no serviço referente á alimentação);

3 4- A marcação de férias deverá prever as normas que estão previstas no nº 9 do presente regulamento; 5- Deverá haver sempre um período mínimo de 10 dias úteis seguidos. NORMA 9 Interrupção da Actividade 1-O Externato não encerra no mês de agosto; 2- Encerra nos dias 24 e 31 de dezembro, 13 de junho, no dia do passeio anual (data a definir à posteriori) e nos feriados nacionais. NORMA 10 Preçário de Mensalidades 1- O preçário das mensalidades em vigor encontra-se afixado em local bem visível; 2- Haverá lugar a uma redução em cada mensalidade (valor da mensalidade sem serviço de alimentação) de 5%na comparticipação familiar sempre que se verifique a frequência por parte de mais do que um irmão; 3- Haverá uma redução de 15% nos serviços de alimentação quando houver um período de ausência, devidamentejustificada por período superior a 10 dias seguidos. NORMA 11 Pagamento da Mensalidade 1- O pagamento da mensalidade é efectuado até ao dia 5 de cada mês a que se refere, tal não ocorra, haverá um agravamento de 10% do valor do total em divida; 2- As mensalidades são liquidadas durante 12 meses, sendo o mês de agosto pago em três prestações repartidas pelos meses de outubro, novembro e dezembro; 3- O valor destas prestações não é em caso algum reembolsável; 4- A irregularidade na frequência não implica qualquer redução; 5- Nenhuma criança poderá frequentar o mês seguinte, sem que o anterior tenha sido totalmente liquidado; 6- Em caso de desistência ou final de frequência, o Encarregado de Educação deve comunicar por escrito, com 30dias de antecedência à saída. NORMA 12 Alimentação 1- A alimentação é confeccionada na instituição; 2- A alimentação é distribuída a cada criança de acordo com a idade das mesmas; 3- O Externato fornece o almoço e o lanche; 3- Almoço das 12h 13h; 4- Lanche das 16h 16h30m; 5- Semanalmente é afixada em local visível a ementa para os pais terem conhecimento da mesma; 6- A ementa pode sofrer alterações de última hora por dificuldades de abastecimento; 7- Encontra-se em curso a implementação do Sistema de Segurança Alimentar (HACCP).

4 NORMA 13 Actividades 1- As actividades do ATL são organizadas com base nos horários e do tempo de permanência de cada criança na instituição; 2- As actividades centram-se na criação de condições que permitam à criança, individualmente e em grupo, realizarexperiências adaptadas à expressão das suas necessidades biológicas, afectivas, intelectuais e sociais, visando oseu desenvolvimento integral. NORMA 14 Quadro Pessoal 1- O quadro pessoal do Externato encontra-se afixado em local bem visível, contendo a indicação do número de recursos humanos; 2- A equipa pedagógica do Externato é constituído por Educadoras de Infância, Auxiliares de Acção Educativa e Auxiliares de Serviços Gerais, visado garantir o seu normal funcionamento. NORMA 15 Cuidados Terapêuticos 1- Nenhuma criança será aceite se estiver, nomeadamente com febre (a partir dos 38º), diarreia, exantema, entreoutros; 2- Se a criança adoece os pais são contactados e têm que vir buscá-la o mais rapidamente possível; 3- Durante a permanência da criança no colégio e em caso de acidente ou de doença súbita, o Externato providenciaráa assistência adequada, se necessário recorrendo a assistência hospitalar, e, simultaneamente, será pedida a comparência imediata dos pais; 4- Qualquer medicamento a administrar à criança durante o período de permanência no Externato, deverá serentregue pelos pais com cópia de guia de tratamento, trazer identificado e escrito no exterior o nome dacriança, a hora em que deve ser tomado e a dosagem; 5- Após ausência superior a cinco dias úteis por estado de doença, o regresso da criança depende de apresentação dedeclaração médica comprovativa de que pode frequentar o colégio e não oferece perigo de contágio no caso dedoença infecto-contagiosa. NORMA 16 Transporte 1- O Externato assegura o transporte às crianças que necessitarem, o valor do mesmo consta no preçário anual; 2- No mês de agosto não haverá transporte; 3- Os pais ou Encarregados de Educação deverão esperar a carrinha à porta da respectiva residência para entregar e/ou receber as crianças; 4- A pessoa responsável pelo transporte das crianças, encontra-se devidamente certificada pelo Instituto de Mobilidade de Transportes Terrestres (IMTT). NORMA 17 Actividades Extra Curriculares 1- Haverá actividades extra curriculares, opcionais e não estão incluídas no valor das mensalidades; 2- O valor das mesmas encontra-se afixada no preçário anual; 3- As actividades são interrompidas no período das férias.

5 NORMA 18 Material Escolar O material utilizado pelas crianças do ATL, pertence ao Externato e não pode ser levado para o domicílio das crianças. NORMA 19 Informação Realizam-se reuniões periódicas com os pais ou Encarregados de Educação das crianças, as mesmas serão marcadas com uma semana de antecedência. NORMA 20 Passeios e Visitas de Estudo 1- Todos os passeios e visitas de estudo realizadas são programados ao longo do ano lectivo, dando-se conhecimento aos pais e encarregados de educação com a devida antecedência; 2- São de caracter facultativo e custeadas pelos pais ou Encarregados de Educação; 3- O valor das verbas pagas não será em caso algum reembolsável, pois são feitas reservas com antecedência. CAPITULO IV DIREITOS E DEVERES NORMA 21 Direitos da Criança e Família Todas as crianças e famílias têm direito a: 1- Igualdade de tratamento; 2- Participar nas actividades promovidas pelo Externato; 3- Receber cuidados adequados de higiene, segurança e alimentação; 4- Respeito pela sua identidade pessoal e reserva da intimidade da vida privada e familiar; 5- Consultar o processo da criança; 6- Requerer reuniões com os responsáveis, sempre que se justificar. NORMA 22 Deveres da Criança e Família Todas as crianças e família têm os seguintes deveres: 1- Cumprir as normas de acordo com o estipulado neste regulamento interno; 2- Efectuar o pagamento até aio dia 5 do mês a que se refere; 3- Cumprir com os horários fixados; 4- Prestar todas as informações com verdade e lealdade, nomeadamente as respeitantes ao estado de saúde dacriança; 5- Informar a Coordenadora Pedagógica ou a Educadora de Infância sobre aspectos particulares do seu quotidianoou do seu comportamento e possíveis alterações; 6- Respeitar todos os colaboradores. NORMA 23

6 Direitos da Instituição 1- A lealdade e respeito por parte dos utentes e Encarregados de Educação; 2- Exigir o cumprimento do presente regulamento; 3- O Externato fica autorizado pelo Encarregado de Educação da criança, a que este seja filmado e/ou fotografado a nível individual ou colectivo. NORMA 24 Deveres da Instituição As Instituição têm os seguintes deveres: 1- Garantir a qualidade dos serviços prestados; 2- Desenvolver actividades necessárias e adequadas de forma a contribuir para o bem-estar das crianças; 3- Garantir um bom nível qualitativo da sua actividade prestando às crianças os cuidados necessário em ambientefamiliar, de modo a assegurar-lhes a satisfação das suas necessidades físicas, emocionais e sociais; 4- Colaborar com as famílias das crianças de modo a que os cuidados que lhe são prestados constituam umacontinuidade dos cuidados familiares; 5- Promover uma permanente troca de informação sobre todos os aspectos relacionados com as crianças. NORMA 25 Livro de reclamações Nos termos da legislação em vigor, este Externato possui livro de reclamações, que poderá ser solicitado junto da direcção,sempre que desejado. CAPITULO V DISPOSIÇÕES FINAIS NORMA 26 Seguro obrigatório 1- O Externato contratará anualmente um seguro de acidentes pessoal que abrange todas as crianças que o frequentam; 2- O referido seguro não abrange objectos pessoais que as crianças possam utilizar ou trazer, como por exemplo: Óculos, Aparelhos, Objectos de Ouro, Brinquedos, bem como outros objectos; 3- O pagamento do referido seguro é da responsabilidade dos Encarregados de Educação e pago conjuntamente com ainscrição ou renovação. NORMA 27 Alterações ao Regulamento Sempre que for necessário, o presente regulamento poderá ser alterado no sentido de melhorar o funcionamento dainstituição, o bem-estar das crianças, ficando desde já a instituição obrigada a informar por escrito todos os Encarregados de Educação destas alterações.

7 DECLARAÇÃO Data: / / Nome do Aluno: Nome do Encarregado de Educação: Para os devidos efeitos, declaro que recebi, tomei conhecimento e aceito as condições descritas no regulamento interno. Assinatura

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 Regulamento Interno Ano Lectivo 2007/2008 1. Admissão 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 3 meses e os 6 anos. 1.2. No acto da inscrição são necessários os

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 Regulamento Interno 2013 / 2014 www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 REGULAMENTO INTERNO 2013 / 2014 ESCOLA LUA CRESCENTE (Creche, Jardim de Infância e ATL) I NATUREZA E OBJECTIVOS

Leia mais

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica Nº 4 e Jardim de Infância Nº 3 de Alverca do Ribatejo INDICE 1. Objecto 2. Local

Leia mais

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL RIBA CÔA CENTRO INFANTIL INTERNO R E G U L A M E N T O Santa Casa da Misericórdia do Sabugal Capítulo I Geral Artigo 1º 1. O Centro Infantil Riba Côa é uma instituição particular de assistência à infância

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS 1- O Externato João Alberto Faria - Infantil destina-se a crianças com idades entre os 3 anos (feitos

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Novembro de 2014) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Julho de 2012) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Esinval - Entidade de Formação. Regulamento Interno

Esinval - Entidade de Formação. Regulamento Interno Esinval - Entidade de Formação Regulamento Interno Legislação/ Organização Interna da Instituição A instituição denominada Esinval - Entidade de Formação Acreditada, com domicilio fiscal e profissional,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento CRECHE Enquadramento A actual organização dos modos de vida familiar, tendo em conta a crescente integração da mulher no mercado de trabalho, tem vindo a acentuar a necessidade de criação de estruturas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD (CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DO PESSOAL DO MUNICIPIO DE CASCAIS) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

Jardim-de-Infância. Regulamento Interno

Jardim-de-Infância. Regulamento Interno Jardim-de-Infância Regulamento Interno Os Pimentinhas Jardim-de-Infância CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - «Os Pimentinhas Creche, Jardim de

Leia mais

A Educação, conceito que tem sido objecto de múltiplas definições, constitui um processo centrado na pessoa integral do educando, que importa

A Educação, conceito que tem sido objecto de múltiplas definições, constitui um processo centrado na pessoa integral do educando, que importa A Educação, conceito que tem sido objecto de múltiplas definições, constitui um processo centrado na pessoa integral do educando, que importa promover em todas as dimensões e potencialidades. I NORMAS

Leia mais

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo.

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. REGULAMENTO 2014/2015 1- ADMISSÃO DE CRIANÇAS 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. 1.2 A instituição dispõe de 3 valências,

Leia mais

Regulamento da Creche da Assembleia da República

Regulamento da Creche da Assembleia da República Regulamento da Creche da Assembleia da República Despacho n.º 855/2005, de 23 de novembro de 2004 publicado no Diário da República, II Série, n.º 9, de 13 de janeiro de 2005 com as alterações introduzidas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA NATUREZA E FINS. Art.º 1º

REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA NATUREZA E FINS. Art.º 1º REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA I NATUREZA E FINS Art.º 1º A Associação de Paralisia Cerebral de Évora, com sede na Avenida Diniz Miranda, 23 - Évora, é uma Instituição Particular

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO 1 º A Creche têm por fim satisfazer as necessidades das crianças nas diferentes etapas do seu desenvolvimento, entre os quatro meses de idade e 3 anos.

Leia mais

Regulamento Creche e Jardim de Infância

Regulamento Creche e Jardim de Infância Regulamento Creche e Jardim de Infância 2012/2013 CASA PASTORINHOS DE FÁTIMA Rua das Janelas Verdes, 11-1200-690 Lisboa Tel.: 21 396 11 24 Fax.: 21 395 27 52 apsov@hotmail.com Assistência Paroquial de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

Leia mais

Objetivos. Funcionamento

Objetivos. Funcionamento A Ludoteca é um espaço organizado em função da criança, que pretende aliar a brincadeira à aprendizagem através do desenvolvimento de diversas atividades lúdico/pedagógicas, procurando incentivar a comunicação,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CRECHE. Ano lectivo 2013/14. Urbanização da Quinta do Prado, Lote 17, 3020-170 EIRAS COIMBRA. www.beija-flor.

REGULAMENTO INTERNO CRECHE. Ano lectivo 2013/14. Urbanização da Quinta do Prado, Lote 17, 3020-170 EIRAS COIMBRA. www.beija-flor. REGULAMENTO INTERNO CRECHE Ano lectivo 2013/14 Urbanização da Quinta do Prado, Lote 17, 3020-170 EIRAS COIMBRA www.beija-flor.pt Tel: 239439252 email: c.beijaflor2001@gmail.com CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO 1. CONDIÇÕES DE ADMISSÃO 1.1 O Colégio TAGUSPARK recebe crianças

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA CATL ABC REGULAMENTO INTERNO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA CATL ABC REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO CATL ( CENTRO DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES ) FÉRIAS DIVERTIDAS ( Natal, Páscoa, Verão ) Rua 16 de Maio * 5370-418 Mirandela * Tel.: 278 265198 * Fax: 278 265194* http://www.scmm.web.pt

Leia mais

Creche. Regulamento Interno. Ano Letivo 2014/2015

Creche. Regulamento Interno. Ano Letivo 2014/2015 Creche Regulamento Interno Ano Letivo 2014/2015 Colégio Kria e Brinca Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - Colégio Kria e Brinca, Lda»,

Leia mais

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção de Acção Social da Segurança Social, cujos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ 2 PREÂMBULO A educação é um instrumento fundamental para assegurar uma sociedade do conhecimento e um melhor entendimento do mundo, para o garante de uma cidadania

Leia mais

Programa Olivais em Férias

Programa Olivais em Férias Capítulo 90 Programa Olivais em Férias Ano 2015 MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 8 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e Organização... 3 3. Inscrição... 3 3.1. Valor a pagar... 3 3.2. Fichas de

Leia mais

Regulamento interno Jardim de infância

Regulamento interno Jardim de infância Creche e Jardim de Infância O Jardim dos Palhacinhos Regulamento interno Jardim de infância Albufeira, outubro 2015 Gerência: O JARDIM DOS PALHACINHOS Jardim de infância CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

Regulamentos Internos

Regulamentos Internos Regulamentos Internos INFÂNCIA: Período para a construção de alicerces da personalidade de cada criança: Aprendendo a CONHECER, Aprendendo a FAZER, Aprendendo a SER C A I Q U E Ano Letivo 2015/16 1. VALÊNCIAS

Leia mais

JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA. Regulamento Interno

JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA. Regulamento Interno JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA Regulamento Interno Rua Cidade Nova de Lisboa (Tras. da Rua Cidade do Negage), n.º 7 e 9, Cave- Olivais Sul 1800-096 Lisboa Tel. 21 851 54 07 Fax. 21 855 12

Leia mais

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES CENTRO PASTORAL D. ANTÓNIO BENTO MARTINS JUNIOR REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE ACTIVIDADES TEMPOS LIVRES Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES Telefone 253 416 144 / Fax 253 416 113 E-mail:

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO CRECHES

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO CRECHES Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se às respostas sociais de Creche do Abrigo Infantil das Laranjeiras e da Creche Alberto Manuel de Aguiar Pacheco, equipamentos sociais que são propriedade da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA I - OBJETIVOS ARTº 1 - O Regulamento Interno visa ordenar e reger a vida interna da instituição, ao nível da valência de Jardim de Infância, para que

Leia mais

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO p / 01 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O Jardim de Infância Comendador Abílio Ferreira de Oliveira é um equipamento social da Irmandade

Leia mais

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Capitulo I Objecto Art.º 1.º Âmbito e objecto O presente regulamento é aplicável ao funcionamento das creches

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO IMP02.PC05 MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação Felisbela Tavares Santos Parrinha, Lda., gestora do Jardim Infantil Nossa Senhora da

Leia mais

FICHA DE RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO

FICHA DE RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO FICHA DE RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO Data de Inscrição / / Admissão em / / Sala: Renovação em / / Sala: Saída em / / N.º Aluno DADOS DA CRIANÇA Nome Completo: Nome por que é tratado: Sexo: F M Data de Nascimento:

Leia mais

Regulamento Interno Actividades de Tempos Livres (ATL) 2013/2014

Regulamento Interno Actividades de Tempos Livres (ATL) 2013/2014 Regulamento Interno Actividades de Tempos Livres (ATL) 2013/2014 Página 1 de 15 O Regulamento Interno das Actividades de Tempos Livres, doravante designadas de ATL, da Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA DIVERTILÁXIA. Regulamento interno 2009/2010. Rua de São Salvador, n.º 33 9760 Praia da Vitória

CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA DIVERTILÁXIA. Regulamento interno 2009/2010. Rua de São Salvador, n.º 33 9760 Praia da Vitória CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA DIVERTILÁXIA Regulamento interno 2009/2010 Rua de São Salvador, n.º 33 9760 Praia da Vitória Regulamento Interno 2 Regulamento Interno Este Regulamento vigora a partir de 1

Leia mais

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços:

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços: REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Anjos do Lar CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Serviço de Apoio Domiciliário designado por Anjos do Lar,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 Contactos da Junta de Freguesia Morada: Rua General Silva Freire, Lote C 1849-029 Lisboa Telefone: 21 854 06 90 Fax: 21 852 06 87 / 21 248 79 25 E-mail:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

Resposta Social Creche

Resposta Social Creche Fundação Manuel Francisco Clérigo Instituição Particular de Solidariedade Social Caro(a) novo(a) utente GUIA DE ACOLHIMENTO Resposta Social Creche É com o maior prazer que lhe damos as boas vindas, como

Leia mais

CASA DE REPOUSO DE SANTO ANTÓNIO

CASA DE REPOUSO DE SANTO ANTÓNIO CASA DE REPOUSO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO LAR DE IDOSOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O presente tem por finalidade dotar o lar de idosos designado por Casa de Repouso

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO 1 - ADMISSÃO Os utentes são admitidos no Centro de Dia pelo responsável da área social do Lar e Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de Machico, em conformidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA CENTRO DE IDOSOS CENTRO DE DIA CD I Serviço de Centro de Dia INDICE Pág Natrureza e Objectivos 3 II Condições de Admissão 4 III Candidatura

Leia mais

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO -

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO - - NORMAS DE FUNCIONAMENTO - O Colégio Laranja e Meia destina-se a receber crianças dos 3 meses aos 6 anos. Horário - Abertura : 8.30 horas - Encerramento : 19 horas As actividades pedagógicas decorrem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO. Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação e Legislação Aplicável 1. A Creche de A Previdência Portuguesa é propriedade de A Previdência Portuguesa - Associação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 Exmo. Sr. ou Sr.ª Encarregado(a) de Educação Agora que o seu educando deu mais um passo no Universo Benfiquista, é com grande satisfação que

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª.

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Capítulo I Natureza / Fins e Âmbito de Aplicação A Ldª., é um estabelecimento com fins lucrativos, com sede em Vales do Rio - Covilhã,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES E TEMPOS LIVRES (ATL)

REGULAMENTO INTERNO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES E TEMPOS LIVRES (ATL) Associação de Pais ou Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Moinhos da Arroja REGULAMENTO INTERNO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES E TEMPOS LIVRES (ATL) Índice Página Capítulo I Disposições Gerais

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO 2015/2016

FICHA DE INSCRIÇÃO 2015/2016 FICHA DE INSCRIÇÃO 2015/2016 1º Ciclo ESCALÃO FOTOGRFIA MENSALIDADE INSCRIÇÃO RENOVAÇÃO DATA DA INSCRIÇÃO: PREENCHER COM LETRAS MAIÚSCULAS COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA IDENTIFICAÇÃO DA CRIANÇA NOME DATA

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica-se ao Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira, entidade de quem depende técnica,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A empresa de Apoio Domiciliário, designada por Inês Camarinha, Unip, Ldª, pertencente a Inês Maria Ferreira

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA

NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - OBJECTO ARTIGO 2º - ÂMBITO DE APLICAÇÃO ARTIGO 3º - CONCEITOS ARTIGO 4º - ACESSO À PISCINA ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE Introdução 2 Capitulo I Descrição, Inscrição e Condições Admissão/Matrícula 5 Descrição e Localização Inscrição Condições de Admissão/Matrícula Capitulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE I - OBJETIVOS ARTº 1 - O Regulamento Interno visa ordenar e reger a vida interna da Instituição, ao nível da valência de Creche, para que todos possam colaborar

Leia mais

A Creche Ser Criança tem como objectivo genérico proporcionar às Crianças as

A Creche Ser Criança tem como objectivo genérico proporcionar às Crianças as REGULAMENTO INTERNO 1. Objectivos Gerais A Creche Ser Criança tem como objectivo genérico proporcionar às Crianças as condições para poderem desenvolver todos os aspectos da sua personalidade, nomeadamente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza Regulamento Interno do Lar Artigo 1º Natureza O Lar constitui uma resposta social desenvolvida em alojamento colectivo, de utilização temporária ou permanente, para idosos em situação de maior risco de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento Interno Campos de Férias Tá a Mexer. Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS

Regulamento Interno Campos de Férias Tá a Mexer. Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS 1. O Programa do Campo de Férias da Tá a Mexer constitui um programa cultural, desportivo, ambiental e lúdico de tempos livres, em regime aberto, de crianças e jovens. Este

Leia mais

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO 1) Objectivos a) A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC) realiza a 1ª Edição da Escola de Verão com uma semana de ocupação para jovens

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

Normas de Funcionamento - CRECHE MUNICIPAL O OURICINHO -

Normas de Funcionamento - CRECHE MUNICIPAL O OURICINHO - Normas de Funcionamento - CRECHE MUNICIPAL O OURICINHO - Preâmbulo Considerando o indispensável papel da família na nossa sociedade e reconhecendo a importância da ação municipal no âmbito da definição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

Regulamento Interno do Jardim-de-Infância Santa Casa da Misericórdia de Aveiro

Regulamento Interno do Jardim-de-Infância Santa Casa da Misericórdia de Aveiro Regulamento Interno do Jardim-de-Infância Santa Casa da Misericórdia de Aveiro Centro de Educação de Infância Casa da Cruz Rua Bento Moura, nº 14 Esgueira 3800-114 Aveiro Índice Capítulo I - Disposições

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia Regulamento Interno da Resposta Data: 6 de Maio de 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, designado por CSPSDR é uma Instituição

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estudos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

COOPERATIVA DE ENSINO DE BENFICA, C.R.L. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016

COOPERATIVA DE ENSINO DE BENFICA, C.R.L. NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA CEBE NO ANO LETIVO 2015/2016 1. FREQUÊNCIA 1.1. A frequência da CEBE está condicionada a que um dos pais e/ou encarregado de educação da criança se tornem sócios da CEBE, para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DA CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA Índice Capítulo I Da natureza e objetivos da Associação Capítulo II Do cumprimento das disposições regulamentares Capítulo III Da candidatura e do processo de admissão Capítulo IV Da inscrição Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Norma I Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS A empresa de apoio domiciliário, designada por APOIO & COMPANHIA, LDA., com acordo de cooperação para resposta

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 2 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

Regulamento Interno da Universidade Sénior de S. Pedro do Sul

Regulamento Interno da Universidade Sénior de S. Pedro do Sul Regulamento Interno da Universidade Sénior de S. Pedro do Sul CAPITULO I: 1ª - Pertença 1. A US de S. Pedro do Sul tem sede em S. Pedro do Sul e tem com o nº de contribuinte o n.º 506 785 815. 1/5 CAPITULO

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente Regulamento de Bolsas de Estudo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS 2008 CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS SERVIÇO DE TRANSPORTE ADAPTADO A PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA Normas de Funcionamento As pessoas com mobilidade condicionada debatem-se diariamente com sérios problemas

Leia mais

Direção Técnico -Pedagógica. Equipa Pedagógica. Ajudantes de Acção Educativa

Direção Técnico -Pedagógica. Equipa Pedagógica. Ajudantes de Acção Educativa VALÊNCIA DE CRECHE Ano letivo 2012/2013 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento Interno define: a) As normas de prestação do serviço socioeducativo e de cuidados no âmbito

Leia mais

abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal

abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal I Enquadramento Institucional A Associação de Beneficência Luso-Alemã é uma IPSS com sede no Junqueiro Carcavelos. Estabelecemos parceria com o Agrupamento

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS 1- O Externato João Alberto Faria - Infantil destina-se

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE..., portador do B.I. n.º.., emitido em. /. /. pelo Arquivo de Identificação de, contribuinte n.º...., residente em... SEGUNDO OUTORGANTE: Casa

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Despacho Normativo n.º 96/89, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Despacho Normativo n.º 96/89 de

Leia mais

creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, 329 4250-316 Porto

creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, 329 4250-316 Porto creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. CAPÍTULO I Estabelecimento, natureza e objectivos 1- O Espaço Brincar e Inventar é um estabelecimento de ensino de apoio

Leia mais

I. O INFANTÁRIO INSCRIÇÕES, MENSALIDADES E DEMAIS ENCARGOS

I. O INFANTÁRIO INSCRIÇÕES, MENSALIDADES E DEMAIS ENCARGOS I. O INFANTÁRIO 1. O INFANTÁRIO-JARDIM ARCO-IRIS,, adiante designado por Infantário, é uma instituição de ensino privado, propriedade da sociedade Brito Costa & Rodrigues, Lda.. 2. O Infantário abrange

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação Anjos da Vida REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O SAD designado por Anjos da Vida Cuidados

Leia mais

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte Regulamento do concurso de acesso aos cursos ministrados pelos estabelecimentos de ensino da Cooperativa de Ensino Superior, Politécnico e Universitário, CRL. C.E.S.P.U. Instituto Superior de Ciências

Leia mais