SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO 1 º A Creche têm por fim satisfazer as necessidades das crianças nas diferentes etapas do seu desenvolvimento, entre os quatro meses de idade e 3 anos. a) A colaboração com os pais no objectivo de educar e manter a saúde dos seus filhos; b) O direito da criança ao bem-estar, nomeadamente durante as horas de trabalho dos pais; c) O convívio entre as crianças como forma de integração social; d) Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança; e) Fomentar a inserção da criança em grupos sócias diversos favorecendo uma progressiva consciência como membro da sociedade; f) Estimular o desenvolvimento global da criança incutindo comportamentos de aprendizagens significativas e diferenciadas; g) Desenvolver a expressão e a comunicação; h) Despertar a curiosidade e o espírito critico; i) Proporcionar à criança ocasiões de segurança e bem estar; j) Colaborar com a família com a despistagem de inadaptações e deficiências e na sua detecção. 2 º O C.A.T.L. tem por fim a ocupação extra escolar com actividades lúdico - Pedagógicas. 3 º Poderão ser admitidas crianças com idades compreendidas entre os seguintes limites: a) Quatro meses a três anos em Creche; b) Três anos e idade legal de ingresso no ensino obrigatório em Jardim de Infância.; c) 6 a 10 Anos em C.A.T.L. 4 º A inscrição é feita mediante o preenchimento da respectiva ficha de inscrição e pagamento de taxa. Pag. ( 1 )

2 a) Antes da admissão é ainda necessária a apresentação do boletim individual de saúde e de atestado médico comprovativo de que a criança não sofre de doenças infecto contagiosas. b) Existe uma ficha de pre-inscrição o qual será preenchida para assegurar vaga no ano lectivo seguinte. c) Durante os meses de Junho os familiares serão solicitados a confirmar a frequência das crianças no novo ano de actividades, garantindo-lhes, assim prioridade absoluta na admissão. d) A partir destas confirmações será avaliado o número de vagas em cada sala, sendo estas preenchidas com as crianças inscritas. e) Dar-se-á prioridade ás inscrições das crianças que tenham irmãos a frequentar o Centro de Infância. f) As crianças enviadas pela Segurança Social, terão prioridade, sempre que se justifique. g) As admissões far-se-ão, por norma no mês seguinte ao das férias ou sempre que haja vagas. h) Não serão readmitidas as crianças com mensalidades em atraso. i) As crianças utentes do C.A.T.L. deverão fazer o pagamento antecipado do mês de Julho, no acto de pagamento da primeira mensalidade. i.1) Por motivo de desistência da frequência do C.A.T.L. não se registará devolução do montante referente à mensalidade de Julho. Salvaguardando-se as situações de desistência por motivo de mudança de residência da área social da Misericórdia da criança, e por motivo de doença comprovada com atestado médico e com a recomendação de abandono de frequência do C.A.T.L. 5 º O horário de funcionamento será das 8 h às 19 h. a) A criança não deve permanecer no equipamento após a hora de encerramento 19 horas. b) A entrada das crianças deverá ser até ás 9 :30 h com meia hora de tolerância em casos especiais contactar a responsável da sala. c) O horário pedagógico é das 9 h ás 12 h e das 14h ás 16 h, este horário é gratuito e quando não cumprido será anulado. c.1) As interrupções escolares tal como as férias escolares são obrigatórias. d) Os prolongamentos são assegurados pelas auxiliares, nos seguintes horários: 8 h - 9 h Pag. ( 2 )

3 12 h - 4 h 16 h - 19 h e) A educadora é responsável pela componente pedagógica que decorre no seguinte horário: 9 h - 12 h 14 h - 16 h f) O Atendimento individual aos pais é feito pelas educadoras obedecendo a um horário a fixar. g) Os cuidados especiais a ter com as crianças, se os houver, devem ser comunicados ao pessoal responsável pela entrada. h) As crianças só poderão ser entregues aos pais ou a alguém devidamente credenciado i) A porta e o portão manter-se-ão fechados. 6 º Será responsabilidade da família da criança que frequenta a Creche: a) O fornecimento diário de fraldas, alimentação, artigos de higiene, saco para a roupa suja, uma muda de roupa devidamente identificada e o bibe. 7 º Será da responsabilidade da família a criança que frequenta o Jardim de Infância: a) O fornecimento diário do bibe. b) Será também da responsabilidade da família os casacos e outros objectos que as crianças tragam para a escola. 8 º Consideram-se justificadas as ausências das crianças resultante da doença devidamente comprovada ou de outros motivos relevantes, comunicados atempadamente. 9 º As ausências não justificadas superiores a 30 dias determinam o cancelamento da respectiva inscrição. 10 º A frequência da Instituição será obrigatoriamente comparticipada pelos familiares das crianças através do pagamento de mensalidade fixada de acordo com as normas em vigor. 11 º As ausências justificadas pelo mínimo de 15 dias beneficiam de uma redução na mensalidade, nos seguintes termos: a) 15 dias consecutivos redução de 50%, na componente da alimentação. Pag. ( 3 )

4 b) Ausências superiores a um mês: b1) por motivo de doença, quando a mãe está de licença de parto e os bébés inscritos com menos de quatro meses: redução de 50% na componente de frequência isenção da componente de alimentação; b2) outras situações: isenção da componente da alimentação 13 º As mensalidades serão liquidadas entre o dia 25 do próprio mês e o dia 8 do mês seguinte Caso se vilifiquem atrasos no pagamento das mensalidades serão sujeitas as seguintes coimas: Dias de atraso no pagamento Mensalidade acrescida que: Até 30 dias 5 % De 30 a 60 dias 8 % De 60 a 90 dias 12 % Nos meses sucessivos + 1 % ( por cada mês ) 14 º Serão fornecidos diariamente o almoço e lanche, pressupondo-se que o pequeno almoço é da responsabilidade da família. Sempre que tal se justifique será fornecido um suplemento alimentar a meio da manhã. a) A componente de alimentação inclui o Almoço e o Lanche. b) As crianças que pagam só a componente de frequência e lancham na instituição devem trazer o seu lanche. 15 º As ementas serão afixadas semanalmente de modo a serem facilmente consultadas pelos familiares. a) Só poderão ser alteradas por motivo de força maior. b) Serão consideradas as situações devidamente justificadas de alergia e qualquer alimento ou necessidade de dieta. 16 º Não é aconselhável a entrada de crianças que apresentem sintomas de doença. Pag. ( 4 )

5 a) Em caso de doença grave, as crianças só poderão regressar à Instituição mediante a apresentação da declaração médica comprovativa da inexistência de qualquer perigo de contágio. 17 º Em caso de acidente ou doença súbita, a criança será assistida na Instituição ou na unidade de saúde mais próxima, avisando-se de imediato a família. a) As famílias deverão entregar directamente ao pessoal responsável pela entrada, os medicamentos a administrar às crianças, acompanhados da respectiva prescrição médica. 18 º Para proporcionar às crianças um ambiente que promova o seu desenvolvimento global será elaborada uma programação anual, adaptada à realidade sócio-cultural do meio, que defina os objectivos para cada grupo e as actividades que as concretizem. 19 º Tendo em consideração o seu desenvolvimento global, as crianças serão distribuídas por grupos que constituam unidades organizadas, cada uma das quais confiada à responsabilidade de um elemento técnico e funcionamento em sala própria. a) Na creche serão formados três grupos não havendo em principio ultrapassar os seguintes limites: Dos 4 aos 12 meses 10 crianças Dos 12 meses 24 meses 15 crianças Dos 24 aos 36 meses 18 crianças b) A capacidade do Jardim de Infância é de 75 crianças, divididas por três grupos, não devendo ser superior a 25 o número de crianças por sala. c) A capacidade do C.A.T.L. é de 60 crianças. Pag. ( 5 )

6 20 º Distribuição e desempenho de cargos 20.1 º Pessoal docente Directora Maria Deolinda Gonçalo Educadoras Anabela Andrade Anabela Cepeda Graça Araujo Lurdes Santos Olinda Magalhães Educador Social Natalina Felizardo Professora do Ensino Básico Helda Ferreira 20.2 º Pessoal Não Docente Ana Maria Almeida Ana Maria Fonseca Ana Paula Costa Carla Madureira Carla Martins Filomena Teixeira Filomena Vaz Dias Isabel Ramires Maria de Fátima Pinto Maria de Lurdes Múrias Maria dos Prazeres Trindade Pag. ( 6 )

7 Maria José Baz Silvana Batita Sónia Cristina Pires Susete Maria Gomes Pessoal Auxiliar Conceição Indio Maria de Lurdes Bica Cozinha Odete Vitorino Auxiliar Cozinha Elisa da Conceição Mota Provedor : Vice - Provedor : Tesoureiro : Pag. ( 7 )

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA CATL ABC REGULAMENTO INTERNO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA CATL ABC REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO CATL ( CENTRO DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES ) FÉRIAS DIVERTIDAS ( Natal, Páscoa, Verão ) Rua 16 de Maio * 5370-418 Mirandela * Tel.: 278 265198 * Fax: 278 265194* http://www.scmm.web.pt

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL

RIBA CÔA CENTRO INFANTIL RIBA CÔA CENTRO INFANTIL INTERNO R E G U L A M E N T O Santa Casa da Misericórdia do Sabugal Capítulo I Geral Artigo 1º 1. O Centro Infantil Riba Côa é uma instituição particular de assistência à infância

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008

REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 REGULAMENTO INTERNO 2007-2008 Regulamento Interno Ano Lectivo 2007/2008 1. Admissão 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 3 meses e os 6 anos. 1.2. No acto da inscrição são necessários os

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento CRECHE Enquadramento A actual organização dos modos de vida familiar, tendo em conta a crescente integração da mulher no mercado de trabalho, tem vindo a acentuar a necessidade de criação de estruturas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA NATUREZA E FINS. Art.º 1º

REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA NATUREZA E FINS. Art.º 1º REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA I NATUREZA E FINS Art.º 1º A Associação de Paralisia Cerebral de Évora, com sede na Avenida Diniz Miranda, 23 - Évora, é uma Instituição Particular

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA

Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Regulamento Interno Actividades Tempos Livres ATL AGUARELA Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica Nº 4 e Jardim de Infância Nº 3 de Alverca do Ribatejo INDICE 1. Objecto 2. Local

Leia mais

Esinval - Entidade de Formação. Regulamento Interno

Esinval - Entidade de Formação. Regulamento Interno Esinval - Entidade de Formação Regulamento Interno Legislação/ Organização Interna da Instituição A instituição denominada Esinval - Entidade de Formação Acreditada, com domicilio fiscal e profissional,

Leia mais

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727

Regulamento Interno 2013 / 2014. www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 Regulamento Interno 2013 / 2014 www.luacrescente.pt geral@luacrescente.pt 21 852 00 43-96 5555 727 REGULAMENTO INTERNO 2013 / 2014 ESCOLA LUA CRESCENTE (Creche, Jardim de Infância e ATL) I NATUREZA E OBJECTIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Julho de 2012) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo.

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. REGULAMENTO 2014/2015 1- ADMISSÃO DE CRIANÇAS 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. 1.2 A instituição dispõe de 3 valências,

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Novembro de 2014) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA DIVERTILÁXIA. Regulamento interno 2009/2010. Rua de São Salvador, n.º 33 9760 Praia da Vitória

CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA DIVERTILÁXIA. Regulamento interno 2009/2010. Rua de São Salvador, n.º 33 9760 Praia da Vitória CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA DIVERTILÁXIA Regulamento interno 2009/2010 Rua de São Salvador, n.º 33 9760 Praia da Vitória Regulamento Interno 2 Regulamento Interno Este Regulamento vigora a partir de 1

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 2 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

Regulamento Creche e Jardim de Infância

Regulamento Creche e Jardim de Infância Regulamento Creche e Jardim de Infância 2012/2013 CASA PASTORINHOS DE FÁTIMA Rua das Janelas Verdes, 11-1200-690 Lisboa Tel.: 21 396 11 24 Fax.: 21 395 27 52 apsov@hotmail.com Assistência Paroquial de

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

Resposta Social Creche

Resposta Social Creche Fundação Manuel Francisco Clérigo Instituição Particular de Solidariedade Social Caro(a) novo(a) utente GUIA DE ACOLHIMENTO Resposta Social Creche É com o maior prazer que lhe damos as boas vindas, como

Leia mais

A Educação, conceito que tem sido objecto de múltiplas definições, constitui um processo centrado na pessoa integral do educando, que importa

A Educação, conceito que tem sido objecto de múltiplas definições, constitui um processo centrado na pessoa integral do educando, que importa A Educação, conceito que tem sido objecto de múltiplas definições, constitui um processo centrado na pessoa integral do educando, que importa promover em todas as dimensões e potencialidades. I NORMAS

Leia mais

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO p / 01 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O Jardim de Infância Comendador Abílio Ferreira de Oliveira é um equipamento social da Irmandade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CRECHE. Ano lectivo 2013/14. Urbanização da Quinta do Prado, Lote 17, 3020-170 EIRAS COIMBRA. www.beija-flor.

REGULAMENTO INTERNO CRECHE. Ano lectivo 2013/14. Urbanização da Quinta do Prado, Lote 17, 3020-170 EIRAS COIMBRA. www.beija-flor. REGULAMENTO INTERNO CRECHE Ano lectivo 2013/14 Urbanização da Quinta do Prado, Lote 17, 3020-170 EIRAS COIMBRA www.beija-flor.pt Tel: 239439252 email: c.beijaflor2001@gmail.com CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Regulamento Interno do Jardim-de-Infância Santa Casa da Misericórdia de Aveiro

Regulamento Interno do Jardim-de-Infância Santa Casa da Misericórdia de Aveiro Regulamento Interno do Jardim-de-Infância Santa Casa da Misericórdia de Aveiro Centro de Educação de Infância Casa da Cruz Rua Bento Moura, nº 14 Esgueira 3800-114 Aveiro Índice Capítulo I - Disposições

Leia mais

CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO 1 - ADMISSÃO Os utentes são admitidos no Centro de Dia pelo responsável da área social do Lar e Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de Machico, em conformidade

Leia mais

NIF: 505 316 633 Rua Casal da Vinha, 2, Idanha 2605-108 Belas Regulamento Interno 2012/2013. Regulamento Interno. Ano Lectivo 2012/13

NIF: 505 316 633 Rua Casal da Vinha, 2, Idanha 2605-108 Belas Regulamento Interno 2012/2013. Regulamento Interno. Ano Lectivo 2012/13 CAF COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA Regulamento Interno Ano Lectivo 2012/13 INTRODUÇÃO O presente regulamento tem como objectivo estabelecer as normas e procedimentos de funcionamento da CAF, a funcionar

Leia mais

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO 1. CONDIÇÕES DE ADMISSÃO 1.1 O Colégio TAGUSPARK recebe crianças

Leia mais

Componente de Apoio à Família

Componente de Apoio à Família Capítulo 056 Componente de Apoio à Família MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 11 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e organização... 3 3. Funcionamento... 4 3.1. Períodos da CAF... 4 3.2. Horários

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2012/2013 REGULAMENTO I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS 1- O Externato João Alberto Faria - Infantil destina-se a crianças com idades entre os 3 anos (feitos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA I - OBJETIVOS ARTº 1 - O Regulamento Interno visa ordenar e reger a vida interna da instituição, ao nível da valência de Jardim de Infância, para que

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche PREÂMBULO O presente regulamento regula a organização e o modo de funcionamento do NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. Este regulamento interno será

Leia mais

JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA. Regulamento Interno

JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA. Regulamento Interno JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA Regulamento Interno Rua Cidade Nova de Lisboa (Tras. da Rua Cidade do Negage), n.º 7 e 9, Cave- Olivais Sul 1800-096 Lisboa Tel. 21 851 54 07 Fax. 21 855 12

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO CRECHES

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO CRECHES Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se às respostas sociais de Creche do Abrigo Infantil das Laranjeiras e da Creche Alberto Manuel de Aguiar Pacheco, equipamentos sociais que são propriedade da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE I - OBJETIVOS ARTº 1 - O Regulamento Interno visa ordenar e reger a vida interna da Instituição, ao nível da valência de Creche, para que todos possam colaborar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO JARDIM DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO JARDIM DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO JARDIM DE INFÂNCIA Abril 2014 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 Exmo. Sr. ou Sr.ª Encarregado(a) de Educação Agora que o seu educando deu mais um passo no Universo Benfiquista, é com grande satisfação que

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DA CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA Índice Capítulo I Da natureza e objetivos da Associação Capítulo II Do cumprimento das disposições regulamentares Capítulo III Da candidatura e do processo de admissão Capítulo IV Da inscrição Capítulo

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO -

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO - - NORMAS DE FUNCIONAMENTO - O Colégio Laranja e Meia destina-se a receber crianças dos 3 meses aos 6 anos. Horário - Abertura : 8.30 horas - Encerramento : 19 horas As actividades pedagógicas decorrem

Leia mais

Regulamentos Internos

Regulamentos Internos Regulamentos Internos INFÂNCIA: Período para a construção de alicerces da personalidade de cada criança: Aprendendo a CONHECER, Aprendendo a FAZER, Aprendendo a SER C A I Q U E Ano Letivo 2015/16 1. VALÊNCIAS

Leia mais

Regulamento Interno da Creche

Regulamento Interno da Creche Regulamento Interno da Creche Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º (âmbito de aplicação) 1. O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da creche integrada no Externato

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Despacho Normativo n.º 96/89, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Despacho Normativo n.º 96/89 de

Leia mais

creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, 329 4250-316 Porto

creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. Rua Monte dos Burgos, 329 4250-316 Porto creche & jardim de infância projecto de regulamento interno Educação Infantil Lda. CAPÍTULO I Estabelecimento, natureza e objectivos 1- O Espaço Brincar e Inventar é um estabelecimento de ensino de apoio

Leia mais

Creche. Regulamento Interno. Ano Letivo 2014/2015

Creche. Regulamento Interno. Ano Letivo 2014/2015 Creche Regulamento Interno Ano Letivo 2014/2015 Colégio Kria e Brinca Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - Colégio Kria e Brinca, Lda»,

Leia mais

A Creche Ser Criança tem como objectivo genérico proporcionar às Crianças as

A Creche Ser Criança tem como objectivo genérico proporcionar às Crianças as REGULAMENTO INTERNO 1. Objectivos Gerais A Creche Ser Criança tem como objectivo genérico proporcionar às Crianças as condições para poderem desenvolver todos os aspectos da sua personalidade, nomeadamente

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

Jardim-de-Infância. Regulamento Interno

Jardim-de-Infância. Regulamento Interno Jardim-de-Infância Regulamento Interno Os Pimentinhas Jardim-de-Infância CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - «Os Pimentinhas Creche, Jardim de

Leia mais

Creche. Regulamento Interno

Creche. Regulamento Interno Creche Regulamento Interno Os Pimentinhas Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Identificação do estabelecimento e sua natureza) 1 - «Os Pimentinhas Creche, Jardim de Infância e ATL», adiante

Leia mais

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES CENTRO PASTORAL D. ANTÓNIO BENTO MARTINS JUNIOR REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE ACTIVIDADES TEMPOS LIVRES Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES Telefone 253 416 144 / Fax 253 416 113 E-mail:

Leia mais

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Capitulo I Objecto Art.º 1.º Âmbito e objecto O presente regulamento é aplicável ao funcionamento das creches

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO

REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO É objetivo dos Campos de Férias do Pony Club do Porto proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 12

Leia mais

Regulamento da Creche da Assembleia da República

Regulamento da Creche da Assembleia da República Regulamento da Creche da Assembleia da República Despacho n.º 855/2005, de 23 de novembro de 2004 publicado no Diário da República, II Série, n.º 9, de 13 de janeiro de 2005 com as alterações introduzidas

Leia mais

Normas de Funcionamento - CRECHE MUNICIPAL O OURICINHO -

Normas de Funcionamento - CRECHE MUNICIPAL O OURICINHO - Normas de Funcionamento - CRECHE MUNICIPAL O OURICINHO - Preâmbulo Considerando o indispensável papel da família na nossa sociedade e reconhecendo a importância da ação municipal no âmbito da definição

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Penela Instituição Particular de Solidariedade Social - NIPC 501 057 501 Fundada em 1559

Santa Casa da Misericórdia de Penela Instituição Particular de Solidariedade Social - NIPC 501 057 501 Fundada em 1559 Instituição Particular de Solidariedade Social - NIPC 501 057 501 Fundada em 1559 MEDALHA DE OURO DE HONRA DO MUNICÍPIO PENELA - 29-09 - 1999 REGULAMENTO INTERNO CRECHE CAPITULO I NATUREZA E OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção de Acção Social da Segurança Social, cujos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE Introdução 2 Capitulo I Descrição, Inscrição e Condições Admissão/Matrícula 5 Descrição e Localização Inscrição Condições de Admissão/Matrícula Capitulo

Leia mais

Regulamento Interno Actividades de Tempos Livres (ATL) 2013/2014

Regulamento Interno Actividades de Tempos Livres (ATL) 2013/2014 Regulamento Interno Actividades de Tempos Livres (ATL) 2013/2014 Página 1 de 15 O Regulamento Interno das Actividades de Tempos Livres, doravante designadas de ATL, da Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

Regulamento Interno Campos de Férias Tá a Mexer. Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS

Regulamento Interno Campos de Férias Tá a Mexer. Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo1.º DISPOSIÇÕES GERAIS 1. O Programa do Campo de Férias da Tá a Mexer constitui um programa cultural, desportivo, ambiental e lúdico de tempos livres, em regime aberto, de crianças e jovens. Este

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD (CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DO PESSOAL DO MUNICIPIO DE CASCAIS) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO. Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação e Legislação Aplicável 1. A Creche de A Previdência Portuguesa é propriedade de A Previdência Portuguesa - Associação

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

Programa Olivais em Férias

Programa Olivais em Férias Capítulo 90 Programa Olivais em Férias Ano 2015 MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 8 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e Organização... 3 3. Inscrição... 3 3.1. Valor a pagar... 3 3.2. Fichas de

Leia mais

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica Normas DE FuNcioNamENto Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica O presente documento apresenta-se como um

Leia mais

abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal

abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal I Enquadramento Institucional A Associação de Beneficência Luso-Alemã é uma IPSS com sede no Junqueiro Carcavelos. Estabelecemos parceria com o Agrupamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2013/2014

REGULAMENTO INTERNO 2013/2014 REGULAMENTO INTERNO 2013/2014 Praceta Daniel Filipe nº 10 B Casal de S. Brás 2700-228 Amadora Tel.: 214929470 Fax: 214929479 E.mail: geral@bebedesonho.mail.pt Site: http://www.bebedesonho.com/ - 1 - PRINCÍPIOS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA OLIVAIS EM FÉRIAS ANO 2015 Contactos da Junta de Freguesia Morada: Rua General Silva Freire, Lote C 1849-029 Lisboa Telefone: 21 854 06 90 Fax: 21 852 06 87 / 21 248 79 25 E-mail:

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

J A R D I M D E INFÂ N C I A D E S. PEDRO

J A R D I M D E INFÂ N C I A D E S. PEDRO Regulamento Interno Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º (Caracterização da Instituição ) 1. O Jardim de Infância de S. Pedro é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), com sede no

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ 2 PREÂMBULO A educação é um instrumento fundamental para assegurar uma sociedade do conhecimento e um melhor entendimento do mundo, para o garante de uma cidadania

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO da valência de Creche CAPÍTULO I. Artigo 1º

REGULAMENTO INTERNO da valência de Creche CAPÍTULO I. Artigo 1º REGULAMENTO INTERNO da valência de Creche CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I (Natureza e Objectivos) Artigo 1º Caracterização e Localização A Associação Lageosense de Solidariedade Social (adiante designada por

Leia mais

Direção Técnico -Pedagógica. Equipa Pedagógica. Ajudantes de Acção Educativa

Direção Técnico -Pedagógica. Equipa Pedagógica. Ajudantes de Acção Educativa VALÊNCIA DE CRECHE Ano letivo 2012/2013 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento Interno define: a) As normas de prestação do serviço socioeducativo e de cuidados no âmbito

Leia mais

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DA FREGUESIA DE CUNHA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS)

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16 COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16 FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias divertidas Objeto e âmbito de aplicação O presente documento

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

Regulamento interno Jardim de infância

Regulamento interno Jardim de infância Creche e Jardim de Infância O Jardim dos Palhacinhos Regulamento interno Jardim de infância Albufeira, outubro 2015 Gerência: O JARDIM DOS PALHACINHOS Jardim de infância CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA - 2013/14. FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias em movimento

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA - 2013/14. FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias em movimento COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA - 2013/14 FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias em movimento Objeto e âmbito de aplicação O presente documento visa regular o funcionamento da Componente

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª.

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Capítulo I Natureza / Fins e Âmbito de Aplicação A Ldª., é um estabelecimento com fins lucrativos, com sede em Vales do Rio - Covilhã,

Leia mais

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza Regulamento Interno do Lar Artigo 1º Natureza O Lar constitui uma resposta social desenvolvida em alojamento colectivo, de utilização temporária ou permanente, para idosos em situação de maior risco de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Índice

REGULAMENTO INTERNO. Índice Índice Capítulo I Disposições Gerais... 4 1. Finalidade... 4 2. Objetivos... 4 Capítulo II Ingresso e Pagamentos... 5 1. Inscrição... 5 2. Admissão... 6 3. Mensalidades... 7 Capítulo III- Desenvolvimento

Leia mais

EFD. Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

EFD. Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º Artigo 1º Âmbito 1. O CASPAE, IPSS, Coimbra é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por missão cumprir o dever moral de solidariedade e de justiça dos indivíduos, promovendo respostas

Leia mais

Espaço Aprender a Ser

Espaço Aprender a Ser Espaço Aprender a Ser Regulamento 2015/2016 1. Fins 1. O Espaço Aprender a Ser, localizado nas instalações do Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores da Câmara Municipal do Porto (CCDTCMP), sito

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO IMP02.PC05 MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação Felisbela Tavares Santos Parrinha, Lda., gestora do Jardim Infantil Nossa Senhora da

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL EDITAL Nº 09/DAF-DAG/2009 ----- ANA TERESA VICENTE CUSTÓDIO DE SÁ, na qualidade de Presidente da Câmara Municipal de Palmela: --------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Horário das aulas: De 2.ª a 6.ª feira das 07:30 às 19:30.

Horário das aulas: De 2.ª a 6.ª feira das 07:30 às 19:30. 12º Não é permitido aos Pais e Encarregados de Educação contactarem pessoalmente, ou através do telefone e, docentes e/ou alunos, durante os tempos letivos. 13º Os serviços cobertos pela anuidade obrigatória

Leia mais

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO 1) Objectivos a) A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC) realiza a 1ª Edição da Escola de Verão com uma semana de ocupação para jovens

Leia mais

Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998

Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998 Educação Pré-Escolar - Perguntas e Respostas Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998 ARGUMENTÁRIO O

Leia mais

Nota Justificativa. Regulamento Municipal para os Serviços de Apoio à Família Prolongamento de Horário 1

Nota Justificativa. Regulamento Municipal para os Serviços de Apoio à Família Prolongamento de Horário 1 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA AS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMÍLIA PROLONGAMENTO DE HORÁRIO NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE OEIRAS Nota Justificativa

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

Regulamento do Apoio à Infância

Regulamento do Apoio à Infância Regulamento do Apoio à Infância No âmbito da responsabilidade social os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa (SASULisboa), em complemento dos sistemas públicos de ação social asseguram, como

Leia mais

C O L É G I O D O A M O R D E D E U S

C O L É G I O D O A M O R D E D E U S C O L É G I O D O A M O R D E D E U S N.ª Ref.ª: 311/3 * 20.08.2015 Assunto: Informações diversas: Ano Escolar 2015/2016 A todos os Pais e Encarregados de Educação Exmo/a Senhor/a Encarregado/a Educação,

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO REGULAMENTO INTERNO PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. FILIPA DE LENCASTRE Artigo 1º Finalidade O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais