REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO"

Transcrição

1 CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD)

2 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO (SAD) CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O Centro Social e Cultural de São Pedro de Bairro é uma Instituição de Solidariedade Social (I.P.S.S.), sem fins lucrativos, sendo os seus orgãos sociais compostos por: Assembleia-geral, Direcção e Conselho Fiscal. O Serviço de Apoio Domiciliário, é uma valência do Centro Social e Cultural São Pedro de Bairro que, visa prestar cuidados a pessoas em situação de dependência, sobretudo às que não têm família de retaguarda e ainda aqueles, cujas condições habitacionais são debilitadas. Procuramos que o presente regulamento não seja rígido para qualquer das partes, mas antes, sirva para responsabilizar quem serve e é servido de forma que harmoniosamente o Serviço de Apoio Domiciliário funcione, procurando-se encontrar as melhores soluções para os problemas sociais que possam surgir. Artigo 2º Legislação Aplicável O Serviço de Apoio Domiciliário rege-se pelo estipulado no n.º 1, al, j) da Norma XVI do Despacho Normativo 75/92, de 23/4, com as alterações introduzidas pelo Despacho Normativo 31/2000 de 31/7; a Circular Normativa n.º 3, de 02/05/97 e Lei n.º 46/2006 de 28 de Agosto no que se refere ao Artigo 4.º Práticas Discriminatórias.

3 Artigo 3º Objectivos e Destinatários Os Objectivos são: a) Contribuir para a melhoria da qualidade das pessoas e suas famílias. b) Diminuir o isolamento. c) Por à disposição do utente os meios que temos ao nosso alcance. d) Prevenir situações de dependência e promover a autonomia. e) Contribuir para a manutenção do cliente no seu meio habitacional. Destinatários: a) O apoio Domiciliário, destina-se a pessoas de ambos os sexos na situação de reforma, pré-reforma ou pensionista. b) Residentes na freguesia de Bairro, ou freguesias circunvizinhas, nomeadamente pertencentes ao agrupamento III da Rede Social. c) Podem ser apoiadas pessoas de outras freguesias desde que os próprios ou familiares solicitem o serviço e reúnam as condições que constam no artigo 1º d) Pessoas que não preencham estas condições, desde que a sua situação familiar, sócio-económica, de saúde ou isolamento justifique o apoio deste serviço. Artigo 4º Serviços Prestados Os utentes podem beneficiar dos seguintes serviços: a) Alimentação b) Cuidados de higiene pessoal c) Tratamento de roupas d) Cuidados de higiene da casa e) Marcação de consultas f) Apoio dos técnicos da Instituição.

4 Dias em que o serviço é prestado: a) O serviço é prestado durante os dias úteis da semana (2ª a 6ª feira) b) Podem também ser prestados no fim-de-semana, feriados e dias santos, desde que solicitados e contratualizados. c) O Centro Social e Cultural S.Pedro de Bairro, fornecerá no início do ano um plano, onde menciona os dias em que estará encerrado. Horário dos serviços: a) Higiene pessoal e da habitação serão efectuados entre as 7h30 às 17h00, podendo ser alterado em função das necessidades do cliente b) Alimentação será servida entre as 12h00 e as 13h00. c) O horário de atendimento ao cliente ou pessoa responsável será das 9h00 às 18h30 de 2.ª a 6.ª feira nas Instalações do Centro Social. CAPITULO II Processo de Admissão dos Clientes Artigo 5º Candidatura 1. Para efeitos de admissão, o cliente deverá candidatar-se através do preenchimento de uma ficha de identificação que constitui parte integrante do processo de cliente, devendo fazer prova das declarações efectuadas, mediante a entrega de cópia dos seguintes documentos: 1.1. Bilhete de Identidade do cliente e do representante legal, quando necessário; 1.2. Cartão de Contribuinte do cliente e do representante legal, quando necessário; 1.3. Cartão de Beneficiário da Segurança Social do cliente e do representante legal, quando necessário; 1.4. Cartão de Utente dos Serviços de saúde ou de subsistemas a que o cliente pertença; 1.5. Boletim de vacinas e relatório médico, comprovativo da situação clínica do cliente, quando solicitado;

5 1.6. Comprovativo dos rendimentos do cliente e do agregado familiar, quando necessário; 2. O período de candidatura decorre durante todo ano civil; 2.1. O horário de atendimento para candidatura é de Segunda a Sexta- Feira das 9h às 18h A ficha de identificação e os documentos probatórios referidos no número anterior deverão ser entregues na Secretaria da Instituição. 4. Em situações especiais pode ser solicitada certidão da sentença judicial que regule l e determine a tutela/curatela. 5. Em caso de admissão urgente, pode ser dispensada a apresentação de candidatura e respectivos documentos probatórios, devendo todavia ser desde logo iniciado o processo de obtenção dos dados em falta. Artigo 6º Critérios de Admissão São critérios de prioridade na selecção dos clientes: a) Idade do cliente; b) Grau de dependência; c) Recursos económicos; d) Ausência ou indisponibilidade da família em assegurar cuidados básicos; e) Risco de isolamento social; f) Residência próxima da Instituição; g) Pessoas de referência do cliente a frequentar a Instituição; h) Situação de emergência social;

6 CAPITULO III Instalações e Regras de Funcionamento Artigo 7º Instalações e Pagamento da Mensalidade 1. O Centro Social e Cultural de S. Pedro de Bairro está sediado na Rua da Infância, 19 na freguesia de Bairro, Concelho de V. N. de Famalicão, Distrito de Braga. 2. O pagamento da comparticipação é efectuado até ao dia 10 de cada mês a que se refere, sendo o primeiro no acto da admissão, na Secretaria da Instituição ou através do nosso colaborador. 3. A tabela de comparticipações familiares foi calculada(o) de acordo com a legislação/normativos em vigor e encontra-se afixada(o) em local bem visível. 4. De acordo com o disposto na Circular Normativa n.º 3, de 02/05/97 e na Circular Normativa n.º 7, de 14/08/97, da Direcção Geral da Acção Social (DGAS), o cálculo do rendimento per capita do agregado familiar é realizado de acordo com a seguinte fórmula: R = RF D N Sendo que: R = Rendimento per capita RF = Rendimento mensal ilíquido do agregado familiar D = Despesas fixas N = Número de elementos do agregado familiar No que respeita às despesas mensais fixas, consideram-se para o efeito:

7 O valor das taxas e impostos necessários à formação do rendimento líquido, designadamente do imposto sobre o rendimento e da taxa social única; O valor da renda de casa ou de prestação mensal devida pela aquisição de habitação própria; Os encargos médios mensais com transportes públicos; As despesas com aquisição de medicamentos de uso continuado em caso de doença crónica. A comparticipação familiar mensal é efectuada no total de 12 mensalidades, sendo que o valor do rendimento mensal ilíquido do agregado familiar é o duodécimo da soma dos rendimentos anualmente auferidos, por cada um dos seus elementos. CAPITULO IV Direitos e Deveres Artigo 8º Direitos do Cliente São direitos do cliente: a) A ser tratado com todo o carinho e afectividade; b) A que lhe seja prestado o serviço tal como contratualizou; c) A exigir qualidade nos serviços prestados; d) Ter acesso ao livro de reclamações; e) Ao respeito pela identidade e reserva de intimidade pessoal e familiar bem como pelos usos e costumes.

8 Artigo 9º Deveres do Cliente São deveres do cliente: a) Respeitar todas as pessoas, cumprindo as suas instruções que, irão de certeza de encontro às suas necessidades, contribuindo para o seu bem-estar. b) Cumprir os regulamentos e normas estabelecidas e a estabelecer. c) Liquidar pontualmente as contribuições mensais. d) Avisar com antecedência devida a ausência temporária dos serviços. e) Respeitar e tratar com educação os colaboradores da Instituição. f) Informar o Director Técnico do Serviço de Apoio Domiciliário sobre aspectos particulares do seu quotidiano ou do seu comportamento e possíveis alterações. Artigo 10º Cessação da Prestação de Serviços Sempre que se verifique inadaptação ou insatisfação das necessidades do cliente a Instituição procede por uma avaliação da situação com as diferentes partes envolvidas e procura ultrapassar as dificuldades evidenciadas. No entanto, são definidas regras para a suspensão do contrato que podem ter origem em várias situações, tais como: a) Incumprimento das normas e regras estabelecidas no processo contratual; b) Inadequação dos serviços às necessidades; c) Insatisfação do cliente; d) Mudança de residência; e) Mudança de resposta sócia; f) Inadaptação do cliente aos serviços;

9 Artigo 11º Procedimento em Situação de Negligência Encontram-se identificadas, em documento próprio (grelha de indicadores de violência e negligencia no SAD) os indicadores de comportamentos negligentes nas suas diversas dimensões. Artigo 12º Gestão de Reclamações Existe livro de reclamações disponível na secretária da Instituição e Caixa de sugestões/reclamações localizadas no edifício onde se desenvolvem as actividades. Na presença de reclamações é efectuado o é efectuado o registo no Impresso DG Boletim de Melhoria procedendo às diligências necessárias. Artigo 13º Alterações ao Regulamento As alterações ao regulamento, quando as houver, serão fornecidas aos clientes, familiares ou representantes legais.

10 Artigo 14º Lacunas ou Casos Omissos Qualquer caso omisso neste Regulamento será resolvido pela Direcção do Centro Social E Cultural de São Pedro de Bairro, no estreito respeito dos estatutos, Lei Geral ou Lei Especial aplicável. Aprovado em reunião de Direcção em 26 de Agosto de A Direcção

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO PREÂMBULO A Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere possui acordo de cooperação para a resposta social de Serviço de Apoio Domiciliário, celebrado

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO E ABRANGÊNCIA O Serviço de Apoio Domiciliário do Lar Frei Manoel das

Leia mais

I Determinação da comparticipação familiar. A comparticipação familiar é determinada de forma proporcional ao rendimento do agregado familiar.

I Determinação da comparticipação familiar. A comparticipação familiar é determinada de forma proporcional ao rendimento do agregado familiar. MODELO DE REGULAMENTO DAS COMPARTICIPAÇÕES DOS UTENTES E SEUS FAMILIARES PELA UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL I Determinação da comparticipação

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Julho de 2012) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA CENTRO DE IDOSOS CENTRO DE DIA CD I Serviço de Centro de Dia INDICE Pág Natrureza e Objectivos 3 II Condições de Admissão 4 III Candidatura

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, designada por S.C.M.A., com acordo de cooperação para

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Novembro de 2014) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1 DATA DE PRÉ-INSCRIÇÃO:. / /20 DATA PREVISTA DE ENTRADA:. / /20 DATA EFECTIVA DE ENTRADA:. / /20 1. IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Nome Morada Código-postal N.º Telefone Idade BI/CC N.º Beneficiário SS Email Data

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A empresa de Apoio Domiciliário, designada por Inês Camarinha, Unip, Ldª, pertencente a Inês Maria Ferreira

Leia mais

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços:

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços: REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Anjos do Lar CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Serviço de Apoio Domiciliário designado por Anjos do Lar,

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia Regulamento Interno da Resposta Data: 6 de Maio de 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, designado por CSPSDR é uma Instituição

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Lar residencial CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO Lar residencial CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO Lar residencial CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Cercipenela Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas de Penela, Cooperativa de

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Entre: Primeiro Outorgante: Centro de Promoção Social (CPS), Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede em Carvalhais São

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação O Centro de Dia é um estabelecimento da Associação de Solidariedade Social de

Leia mais

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção de Acção Social da Segurança Social, cujos

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins)

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins) ACÇÃO SOCIAL CASA DA CRIANÇA DE SOURE - Educação Pré-Escolar - REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza e Fins) 1 - A Casa da Criança de Soure visa prestar, na área da Acção Social, um serviço adequado às Famílias

Leia mais

Junta de Freguesia de São Martinho. Regulamento do Programa de Apoio Social à Recuperação de Habitações degradadas

Junta de Freguesia de São Martinho. Regulamento do Programa de Apoio Social à Recuperação de Habitações degradadas Regulamento do Programa de Apoio Social à Recuperação de Habitações degradadas Preâmbulo Havendo habitações que se encontram num estado de degradação avançada, gerando deste modo, condições de segurança

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL PREÂMBULO No contexto socioeconómico do País e concretamente da UFAFDN, debatemonos com várias carências de nível económico,

Leia mais

Regulamento Apoio Domiciliário. Serviço de Apoio Domiciliário. Centro Social e Paroquial de Santa Eufémia

Regulamento Apoio Domiciliário. Serviço de Apoio Domiciliário. Centro Social e Paroquial de Santa Eufémia Serviço de Apoio Domiciliário Capitulo I Natureza e conceito Art.º 1º O Apoio Domiciliário é uma resposta social, que consiste na prestação, de um conjunto de serviços personalizados no domicilio das pessoas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação A reposta social de Lar designada por Centro Social de Tolosa; Lar Dr. José Manuel Semedo Basso, licenciado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I FUNCIONAMENTO 1. Natureza O presente Regulamento aplica-se ao Serviço de Apoio Domiciliário da Liga de Amigos do Hospital Garcia de Orta.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Norma I Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS A empresa de apoio domiciliário, designada por APOIO & COMPANHIA, LDA., com acordo de cooperação para resposta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento CRECHE Enquadramento A actual organização dos modos de vida familiar, tendo em conta a crescente integração da mulher no mercado de trabalho, tem vindo a acentuar a necessidade de criação de estruturas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro designada por S.C.M.A., com acordo

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Regulamento Interno para o Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA O VOLUNTARIADO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação

Leia mais

Índice... 1. Capítulo I... 3. Enquadramento, objectivos e serviços... 3. Artigo 1º - Enquadramento... 3. Artigo 2º - Âmbito pessoal...

Índice... 1. Capítulo I... 3. Enquadramento, objectivos e serviços... 3. Artigo 1º - Enquadramento... 3. Artigo 2º - Âmbito pessoal... REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO ÍNDICE Índice... 1 Capítulo I... 3 Enquadramento, objectivos e serviços... 3 Artigo 1º - Enquadramento... 3 Artigo 2º - Âmbito pessoal... 3 Artigo 3º -

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS P á g i n a 1 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação 1. A Benéfica e Previdente Associação Mutualista, com estatuto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL CAPITULO I Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social designada por Fundação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD (CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DO PESSOAL DO MUNICIPIO DE CASCAIS) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães, adiante designado por APCG, Instituição Particular

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objectivos de intervenção desta Instituição. Face ao actual contexto sócio económico cujas

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL A realidade do concelho de Resende e as carências reais das suas populações mais desfavorecidas impõem que a Câmara Municipal, seu órgão representativo democraticamente eleito,

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL PARA ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÃO EM MEDICAMENTOS Órgão APROVAÇÃO Data Entrada em vigor Câmara Municipal 30/05/2014 Assembleia Municipal 06/06/2014 30 de Agosto de 2014 1 / 6 PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS A MUTUALIDADE DA MOITA Associação Mutualista REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS CAPITULO I ASSOCIADOS ARTIGO 1º São condições de inscrição: a) Ter idade até 45 anos (inclusive), salvo se a modalidade associativa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Sócios (Processo de Admissão e Requisitos, Direitos e Deveres, Suspensão, Exclusão e Cancelamento da Inscrição.) 1. São sócios - cooperadores todos os admitidos pela Direcção

Leia mais

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apadrinhamento Civil Crianças

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS OBJECTIVOS O Decreto-lei 55/2009 estabelece

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica-se ao Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira, entidade de quem depende técnica,

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal 21 de novembro de 2014 REGULAMENTO DO PROJETO MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE (Deliberação da CMA de 29.10.2014) (Deliberação da AMA de 13.11.2014) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA CÂMARA

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Lar da Misericórdia designado por Santa Casa da Misericórdia de Alcobaça, com acordo de cooperação

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal Regulamento Cartão Sénior Municipal Artigo 1º Objeto 1- O Cartão Sénior Municipal é um cartão emitido pela Câmara Municipal de Alcanena que tem como destinatários os cidadãos residentes no concelho de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de S. Miguel de Arcozelo, Associação de Solidariedade Social, é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD)

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) Índice Capitulo I Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação 3 Norma II Legislação Aplicável 3 Norma III Objetivos do Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo para Cursos do Ensino Superior CAPITULO 1 Artigo 1 Âmbito 1. O presente Regulamento tem como lei habilitante a Lei n 169/99,

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II. Âmbito de Aplicação

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II. Âmbito de Aplicação LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II Âmbito de Aplicação 1 - A Estrutura Residencial para idosos, visa a protecção dos cidadãos na velhice e invalidez, bem como

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais

Bruna Raquel Mendanha Cargo: Assistente Social Ana Filipa Belchior Cargo: Assistente Social Mónica Isabel Santos Cargo:Animadora Sócio Cultural

Bruna Raquel Mendanha Cargo: Assistente Social Ana Filipa Belchior Cargo: Assistente Social Mónica Isabel Santos Cargo:Animadora Sócio Cultural IDENTIFICAÇÃO SOCIAL Denominação Social: Centro Social Paroquial de São Jorge de Arroios Morada: Rua Carlos José Barreiros, 19 1000-087 Lisboa Freguesia: São Jorge de Arroios Telefone: 21 8435200 Fax:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO. Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação e Legislação Aplicável 1. A Creche de A Previdência Portuguesa é propriedade de A Previdência Portuguesa - Associação

Leia mais

NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Aprovação em Conselho Municipal de Educação 10 de março de 2015 Aprovação em Reunião de Câmara 25

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR O direito a uma justa e efectiva igualdade de oportunidades no acesso e sucesso

Leia mais

FUNDAÇÃO LUIZ BERNARDO DE ALMEIDA

FUNDAÇÃO LUIZ BERNARDO DE ALMEIDA FUNDAÇÃO LUIZ BERNARDO DE ALMEIDA REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar Crianças

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO PREÂMBULO Portugal, quer pelo aumento da esperança de vida, quer pelos baixos níveis da natalidade, está a tornar-se num país com população envelhecida. Valença não

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação Anjos da Vida REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O SAD designado por Anjos da Vida Cuidados

Leia mais

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo.

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. REGULAMENTO 2014/2015 1- ADMISSÃO DE CRIANÇAS 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. 1.2 A instituição dispõe de 3 valências,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE MEDIDAS DE APOIO SOCIAL A FAMÍLIAS CARENCIADAS DO CONCELHO DE VALENÇA Preâmbulo A atual situação económica tem provocado o aumento das situações de desemprego e como tal um elevado

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ 2 PREÂMBULO A educação é um instrumento fundamental para assegurar uma sociedade do conhecimento e um melhor entendimento do mundo, para o garante de uma cidadania

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO SOCORROS MÚTUOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE ANTA

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO SOCORROS MÚTUOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE ANTA REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO SOCORROS MÚTUOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE ANTA CAPÍTULO I Disposições Gerais Art.º 1.º 1 - Podem ser associados efectivos, indivíduos de ambos os sexos, sem distinção

Leia mais

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento PREÂMBULO Perante a crescente dificuldade das famílias Portuguesas no acesso ao mercado da habitação, determinada pela actual conjuntura económico-financeira,

Leia mais

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-.

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ponto de situação da inscrição: Admitido N.º Processo: / / admitida mas interessada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social, designada por ASSOCIAÇÃO GOLTZ DE CARVALHO,

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito) 1. O Banco Local de Voluntariado do Cadaval, adiante designado por BLVC, tem como entidade

Leia mais

Preâmbulo. José Vieira de Carvalho nasceu no lugar de Crestins, Freguesia de Moreira da Maia, em 18 de Abril de 1938.

Preâmbulo. José Vieira de Carvalho nasceu no lugar de Crestins, Freguesia de Moreira da Maia, em 18 de Abril de 1938. BOLSA DE ESTUDO PROF. DOUTOR JOSÉ VIEIRA DE CARVALHO REGULAMENTO Preâmbulo José Vieira de Carvalho nasceu no lugar de Crestins, Freguesia de Moreira da Maia, em 18 de Abril de 1938. Licenciou-se em Ciências

Leia mais