PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO"

Transcrição

1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL RELATÓRIO Nº : UCI : CG DE AUDITORIA DA ÁREA FAZENDÁRIA EXERCÍCIO : 2005 PROCESSO Nº : / UNIDADE AUDITADA : FUNDO PIS-PASEP CÓDIGO : CIDADE : BRASILIA UF : DF RELATÓRIO DE AUDITORIA Em atendimento à determinação contida na Ordem de Serviço nº , apresentamos os resultados dos exames realizados sobre os atos e conseqüentes fatos de gestão, ocorridos na Unidade supra-referida, no período de 01/07/2005 a 30/06/2006. I - ESCOPO DO TRABALHO 2. Os trabalhos foram realizados, no período de 29/08/2006 a 22/09/2006, incluindo exames aplicados no âmbito do Conselho Diretor do Fundo PIS-PASEP e nas sedes do Banco do Brasil S.A. - BB, da Caixa Econômica Federal - CEF e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, agentes operadores do Fundo, e obedeceram às normas de auditoria aplicáveis ao Serviço Público Federal. O Relatório Preliminar de Auditoria foi encaminhado ao Secretário-Executivo do Conselho Diretor do Fundo PIS-PASEP, por meio do Ofício nº /DEFAZ/DE/SFC/CGU-PR, em 02/10/2006, conforme determina a Norma de Execução nº 1, de 05/01/2006. A Unidade informou concordar com o contido no relatório encaminhado, por intermédio do Ofício nº 98 STN/PIS-PASEP, de 10/10/2006. Nenhuma restrição foi imposta aos nossos exames, que contemplaram as seguintes áreas: - GESTÃO OPERACIONAL - GESTÃO ORÇAMENTÁRIA - GESTÃO FINANCEIRA - GESTÃO DO SUPRIMENTO DE BENS/SERVIÇOS - CONTROLES DA GESTÃO II - RESULTADO DOS EXAMES 3 GESTÃO OPERACIONAL 3.1 SUBÁREA - GERENCIAMENTO DE PROCESSOS OPERACIONAIS

2 3.1.1 ASSUNTO - STATUS DA MISSÃO INSTITUCIONAL INFORMAÇÃO: (001) A Lei Complementar nº 26/1975, com vigência a partir de 1º/07/1976 regulamentada pelo Decreto nº /1976, e regida pelo Decreto nº 4.751/2003, unificou os fundos constituídos com os recursos do Programa de Integração Social - PIS e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP, instituídos pelas Leis Complementares nºs 7 e 8, de 07/09/1970 e 03/12/1970, respectivamente, dando origem ao Fundo PIS-PASEP. Os objetivos iniciais do Fundo consistiam em integrar o empregado na vida e no desenvolvimento das empresas e em assegurar- lhe, bem como ao servidor público, a fruição de patrimônio individual progressivo, estimulando a poupança, corrigindo distorções na distribuição de renda e possibilitando a paralela utilização dos recursos acumulados em favor do desenvolvimento econômico-social. Entretanto, esses objetivos foram modificados, por força do art. 239 da Constituição Federal de 1988, que vinculou a arrecadação do Fundo PIS-PASEP ao custeio do seguro-desemprego e do abono aos empregados que ganham, em média, até dois salários mínimos de remuneração mensal. As fontes de recursos do Fundo são constituídas atualmente de: I -juros, atualização monetária e multas devidas pelos contribuintes dos Programas, em decorrência da inobservância das obrigações a que estão sujeitos; II -o retorno, por via de amortização, dos recursos aplicados em operações de empréstimos e financiamentos, incluído o total das receitas obtidas em tais operações; III -o resultado de toda e qualquer operação financeira realizada, compreendendo, quando for o caso, multa contratual e honorários; e IV -os resultados das aplicações do Fundo de Participação Social - FPS. Ao final de cada exercício financeiro, as contas individuais dos participantes do Fundo são creditadas das quantias correspondentes a: I -aplicação da atualização monetária sobre os respectivos saldos credores, verificados ao término do exercício financeiro anterior, obedecidos, neste exercício, os índices da Taxa de Juros de Longo Prazo - TJLP (art.12 da Lei nº 9.365, de 16/12/1996); II -incidência dos juros de 3% sobre os respectivos saldos credores atualizados; e III -resultado líquido adicional das operações financeiras realizadas, se houver. Segundo a legislação vigente, esses saldos podem ser sacados nas seguintes ocorrências: aposentadoria, invalidez, transferência para a reserva remunerada ou reforma (quando se tratar de militares), AIDS (titular e dependentes), neoplasia maligna (titular e dependentes), amparo social ao idoso e amparo assistencial aos portadores de 2

3 deficiência, concedidos pelo INSS e idade igual ou superior a setenta anos. No caso de morte, o saldo da conta será pago aos dependentes ou na falta destes, aos sucessores do titular. Realiza o Fundo, dessa forma, o seu objetivo de formação de patrimônio em favor dos cadastrados. Para proporcionar a distribuição desses benefícios, os recursos do Fundo devem ser corretamente aplicados, objetivando retorno que garanta a manutenção e valorização do patrimônio. De acordo com a legislação vigente, as operações realizadas contemplam os setores produtivos mais prioritários para a economia do País, sendo assim, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, consoante disposto nos Decretos nº , de 30/07/1974, e nº , de 26/09/1975, realiza investimentos em programas e subprogramas especiais voltados para a produção de insumos e equipamentos básicos, expansão do mercado interno para equipamentos nacionais, infra- estrutura, sistemas de distribuição e comercialização de mercadorias de consumo básico, fortalecimento da empresa privada nacional e operações no mercado de capitais. 3.2 SUBÁREA - AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS ASSUNTO - ECONOMICIDADE DOS RESULTADOS OPERACIONAIS INFORMAÇÃO: (018) O Conselho Diretor do Fundo PIS-PASEP editou a Resolução n 03, de 09/07/2003, determinando que a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil S.A. passariam a ser remunerados por intermédio de tarifas pelos serviços prestados, deixando de receber a comissão na forma de percentual fixo sobre o patrimônio líquido do Fundo. A nova metodologia gerou uma economia no pagamento da taxa de administração ao Banco do Brasil S.A. de R$ ,37, em valores acumulados nos últimos três exercícios, conforme demonstrado a seguir: Banco do Brasil S.A. Metodologia 2003/ / /2006 Antiga , , ,58 Nova , , ,12 Economia , , ,46 A economia acumulada pela remuneração paga à Caixa Econômica Federal foi de R$ ,35, conforme quadro abaixo: Caixa Econômica Federal Metodologia 2003/ / /2006 Antiga , , ,58 Nova , , ,31 Economia , , ,27 Nesse sentido, releva destacar o empenho do Conselho Diretor do Fundo na renegociação periódica das tarifas de prestação dos serviços pelos agentes operadores, proporcionando a redução contínua dos valores desembolsados em cada exercício. Com referência à economia gerada no exercício 2005/2006, o assunto está abordado no item , deste relatório. 3

4 3.2.2 ASSUNTO - RESULTADOS DA MISSÃO INSTITUCIONAL INFORMAÇÃO: (002) Indicadores ou parâmetros de gestão Os indicadores de gestão transpõem as funções essenciais de qualquer organização, contemplando as fases do planejamento, da organização e execução e do controle, que expressam a capacidade de desempenho de organização, através da avaliação. A avaliação tem por objetivo expressar por meio de indicadores ou parâmetros o grau de cumprimento desses objetivos. Foram eleitos pelo Conselho Diretor para avaliação do desempenho da gestão do Fundo, os seguintes indicadores: 1) Nome do indicador Indicador de Pagamento de Rendimentos (IPR); Indicador de Pagamento de Principal (IPP); Indicador de Desvio nos Custos Administrativos (IDCA). 2) Descrição e tipo de indicador - Indicador de Pagamento de Rendimentos (indicador de eficácia) Mede a quantidade e valor de pagamento de rendimentos sacados pelos participantes (juros mais resultado líquido adicional, se houver) em relação ao orçado. - Indicador de Pagamento de Principal (indicador de efetividade) Mede a quantidade de pagamento de principal (cotas), por aposentadoria e outras modalidades. - Indicador de Desvio nos Custos Administrativos (indicador de eficiência e de economicidade) Mede a realização do custo administrativo em relação ao valor orçado (despesas de comissão com o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES). 3) Fórmula de cálculo e método de medição A medição desses indicadores é efetuada a partir dos dados relativos às movimentações orçamentárias e financeiras, com posição no exercício financeiro encerrado, considerando os saldos do dia 30 de junho, a partir das seguintes fórmulas: a) Indicador de Pagamento de Rendimentos (IPR) Total de rendimentos pagos IPR = X 100 Quantidade Total de rendimentos orçados IPR = x 100 = 98,34% 4

5 Valor R$ mil IPR = x 100 = 101,23% b) Indicador de pagamento de principal (IPP) Total de saques realizados IPP = x 100 Total de saques orçados IPP = x 100 = 91,00% c)indicador de desvio nos custos administrativos (IDCA) Custo realizado IDCA = x 100 Custo orçado IDCA = x 100 = 96,59% O desempenho dos programas nesse exercício, analisado por meio de indicadores "per capita", está demonstrado a seguir, onde se sobressaem os resultados do PASEP: Indicadores Unitários (Por Participantes dos Programas e do Fundo) R$ 1,00 PIS PASEP PIS-PASEP DISCRIMINAÇÃO B/A (A) (B) (C) Aplicações (*) 819,82 899,93 866,65 1,1 Receitas (**) 114,06 148,97 120,11 1,3 Créditos (**) 58,56 78,23 61,97 1,3 Patrimônio (*) 779, ,59 823,08 1,3 Saques de Cotas(**) 867, ,10 933,94 1,4 Saques de Rendimentos(**) 36,97 44,83 38,78 1,2 (*) posição em (**) exercício 2005/2006 5

6 Metas físicas e financeiras realizadas (valor alcançado) As metas foram definidas no orçamento anual e na sua reformulação orçamentária e estão demonstradas no quadro a seguir, com as respectivas realizações: Demonstrativo das Metas Físicas Projeto/Atividade Meta Meta % de Prevista Realizada Realização Pagamento de rendimentos ,34% Pagamentos de principal ,99% Total ,06% Demonstrativo das Metas Financeiras R$ mil Projeto/Atividade Meta Meta % de Prevista Realizada Realização Pagamento de rendimentos ,23% Pagamentos de principal ,64% Total ,52% Cabe destacar que, no geral, o Fundo PIS-PASEP proporcionou expressiva receita por participante, com valor próximo a R$ 120,11, sobretudo se considerada a inexistência de arrecadação de contribuições. O valor médio unitário do patrimônio, em 30/06/2006, é de R$ 823,08 aproximadamente. Os indicadores utilizados apresentam-se adequados à avaliação do desempenho do Fundo PIS-PASEP no exercício sob exame, tendo demonstrado que os resultados alcançados situam-se próximos às metas fixadas como padrão de desempenho INFORMAÇÃO: (003) Os valores creditados, anualmente, aos participantes são provenientes das rendas auferidas com as operações realizadas com recursos do Fundo PIS-PASEP. Consiste na valorização das contas individuais que apresentam saldo credor na data do encerramento de cada exercício, ou seja, 30 de junho. Para o exercício 2005/2006, o Conselho Diretor do Fundo PIS-PASEP definiu, por meio do Voto PIS-PASEP nº 11/2006, os parâmetros para valorização das quotas dos participantes, que alcançou o índice total de 9,16%, discriminado a seguir: - atualização monetária de 2,982%, correspondente à TJLP reduzida de 6% a.a, verificada no período de julho/2005 a junho/2006; - juros de 3% a.a, calculados sobre o saldo credor já atualizado monetariamente; - resultado líquido adicional, correspondente a 3% do saldo atualizado. O quadro a seguir apresenta os resultados creditados aos participantes no exercício, respondendo o PIS por 78,12% do total de R$ mil e o PASEP por 21,88% desse montante: 6

7 Resultados Creditados aos Participantes R$ mil DISCRIMINAÇÃO PIS PASEP PIS-PASEP COMPOSIÇÃO % Atualização ,56 Monetária Juros de 3% a.a ,72 Resultado Líquido ,72 Adicional Total , Participação % 78,12 21,88 -o- 100,00 De acordo com cronograma aprovado pelo Conselho Diretor, é facultado aos participantes o saque dos rendimentos creditados nas contas, compostos pelos juros e RLA, relativos ao exercício imediatamente anterior. Na mesma época, também é colocado à disposição o valor do abono anual previsto no art. 239 da Constituição Federal um salário mínimo aos participantes cadastrados há pelo menos 5 anos e que tenham recebido remuneração média mensal igual ou inferior a duas vezes a média mensal do salário mínimo vigente no ano base, computados em seu valor os rendimentos e uma complementação a cargo do Fundo de Amparo ao Trabalhador FAT. Já o saque de principal, que é chamado de quotas, corresponde à conta individual dos trabalhadores cadastrados no Fundo PIS-PASEP até 04/10/1988, decorrentes dos valores creditados por ocasião das distribuições realizadas pelo Fundo durante os exercícios financeiros de 1971/1972 a 1988/1989. Esses recursos eram distribuídos aos participantes, no término de cada exercício financeiro, proporcionalmente ao tempo de serviço e ao salário anual do trabalhador. Atualmente, de acordo com a legislação vigente, o saldo de quotas dos participantes do PIS-PASEP pode ser sacado nas ocorrências de aposentadoria, invalidez permanente, reforma ou transferência para a reserva remunerada (militares), morte, neoplasia maligna do titular ou dependentes, AIDS titular ou dependentes, benefício assistencial a deficientes e idosos e idade do participante igual ou superior a 70 anos. No período, foram pagos saques no montante de R$ mil, sendo 53,06% relativos a rendimentos e 46,94% a saque de principal, conforme demonstrado a seguir: Composição dos Saques EXERCÍCIOS DISCRIMINAÇÃO 2004/ /2006 Quantidade Valor R$ mil Quantidade Valor R$ mil QUOTAS (1) Aposentadoria Invalidez/Reforma Transferência p/reserva Morte AIDS (Lei nº 7.670) Neoplasia Maligna Idade 70 anos Especial RENDIMENTOS (2)

8 TOTAL Comparando-se com o exercício anterior, observamos que: a quantidade de participantes que efetuou saques diminuiu em 1,30%; o universo de pessoas beneficiadas com pagamento de rendimentos decresceu 0,97%; e o número de pessoas beneficiadas com saque de quotas diminuiu 9,67%. Em termos de programa, o PIS pagou 73,19% dos saques e o PASEP 26,81%, como explicita o quadro abaixo, respondendo os rendimentos por 53,18% das retiradas ocorridas no PIS e por 52,72% no PASEP. Saques Pagos (Exercício Financeiro 2005/2006) R$ mil ESPÉCIE PIS PASEP PIS-PASEP Valor % Rendimentos ,06 Quotas ,94 T O T A L ,00 PERCENTUAIS 73,19 26,81 -o- 100,00 Verificamos que os agentes financeiros têm adotado medidas para aumentar a quantidade de saques pelos participantes, como as descritas a seguir: Banco do Brasil informou que tem adotado medidas no sentido de pagar a maior quantidade possível de rendimentos e abonos do PASEP por intermédio da folha de pagamentos (FOPAG) do empregador e crédito em conta corrente/poupança do participante do Programa e, também, a cada exercício do PASEP, o Banco comunica, por mala direta, aos participantes do Programa que têm direito e ainda não sacaram o abono salarial, para que o façam antes do fechamento do calendário de pagamentos. Caixa Econômica Federal deu continuidade, nesse exercício, a várias ações que possibilitaram uma ampla divulgação do calendário de pagamentos, tais como: pagamento de rendimentos por meio de crédito em conta; pagamento de rendimentos por meio de empresas; campanha de divulgação do calendário de pagamentos na mídia e afixação de cartazes em locais com grande fluxo de pessoas; prestação de informações aos trabalhadores com direito ao benefício PIS, pelo Disque CAIXA e pela Internet; encaminhamento de malas diretas, custeadas pelo CODEFAT, direcionadas a empresas e trabalhadores com direito ao Abono Salarial, o que promoveu também o saque dos rendimentos contidos nesse benefício; pagamento de rendimentos no auto-atendimento; e pagamentos por meio da rede de casas lotéricas e correspondentes bancários. 4 GESTÃO ORÇAMENTÁRIA 4.1 SUBÁREA - ANÁLISE DA EXECUÇÃO ASSUNTO - EXECUÇÃO DAS RECEITAS INFORMAÇÃO: (004) 8

9 O Banco do Brasil S.A - BB, a Caixa Econômica Federal - CEF e o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, elaboram, trimestralmente, a execução orçamentária do PASEP, do PIS e do Fundo PIS- PASEP, respectivamente, sendo que cada agente responde apenas pelos dados por ele fornecidos. O Conselho Diretor do Fundo PIS-PASEP apreciou e aprovou a execução orçamentária do 1º, 2º, 3º e 4º trimestres do exercício 2005/2006, conforme dispõe o inciso IV, artigo 8º do Decreto 4.751, de 17/06/2003. Em sua Ata de Reunião nº 113, de 19/04/2006, o Conselho Diretor, por meio do Voto PIS-PASEP nº 06/2006, aprovou a reformulação orçamentária para o exercício sob exame. Orçamento Financeiro Entrada de Recursos O ingresso de recursos, registrado até o 4º trimestre do exercício 2005/2006, atingiu o montante de R$ mil, equivalente a 94,31% do total previsto no orçamento financeiro. No quadro a seguir mostramos, de forma sintética, a execução do orçamento financeiro: Valores em R$ mil Proposta Discriminação Orçamentária Observado Percentual Reformulada 1. Disponibilidade Inicial ,00 2. Retornos de Financiamentos ,44 3. Retorno do FPS ,04 4. Rendas ,38 5. Outros Recursos ,91 6. Total ,31 Fonte: Prestação de Contas - Fundo PIS-PASEP 2005/2006 Adaptado Não foram observadas grandes variações na execução do orçamento previsto, com exceção do item Outros Recursos, tendo o Conselho Diretor, em Notas Explicativas, feito os seguintes comentários: - Retornos de Financiamentos: representa os retornos de financiamentos, juros, atualização monetária e recuperação de créditos efetivamente recebidos no período. - Retorno do FPS: representa os ingressos de recursos do Fundo de Participação Social que totalizaram R$ mil, com realização de 102,04%. Desse total, 72,96% refere-se a venda de ações, 7,82% a dividendos, 7,50% a juros sobre debêntures e 11,72% a outros ingressos, conforme nota explicativa constante do relatório do BNDES. - Rendas: registra a execução de R$ mil, equivalente a 97,38% do previsto e está representada em quase sua totalidade pelas rendas sobre as disponibilidades. - Outros Recursos: registra a execução de R$ 6.410, ou seja, 279,91% do previsto e refere-se, basicamente, a ingressos pertinentes ao ressarcimento a participantes do PASEP, devido a erro ou omissão nas informações prestadas pelos empregadores na Relação Anual de Informações Sociais RAIS, no período de 1971 a

10 Orçamento Econômico Receitas As receitas auferidas até o 4º trimestre, no valor de R$ mil, representam a realização de 101,99% do orçamento econômico previsto, cuja execução está demonstrada, de forma sintética, no quadro a seguir: Valores em R$ mil Discriminação Proposta Orçamentária Observado Percentual Reformulada 1. Juros de Financiamentos ,47 2. Atualização Monetária ,17 3. Rendas ,94 4. Resultado Operacional FPS(+) ,02 5. Reversão Prov. Risco Crédito ,29 6. Total ,99 Fonte: Prestação de Contas - Fundo PIS-PASEP 2005/ Adaptado Conforme demonstrado no quadro anterior, podemos observar que não ocorreram variações significativas na execução do orçamento previsto, com exceção da rubrica Atualização Monetária que alcançou o valor de R$ mil, com realização de 126,17% do orçado e da rubrica Reversão da Provisão para Risco de Crédito que registra o valor de R$ mil, com realização de 161,29% do previsto, o que é um fator positivo. De acordo com as análises efetuadas e considerando não haver distorções relevantes entre a proposta orçamentária reformulada e a efetivamente executada, consideramos satisfatórios os resultados gerais da execução orçamentária das receitas no exercício sob exame ASSUNTO - EXECUÇÃO DAS DESPESAS CORRENTES INFORMAÇÃO: (005) Orçamento Financeiro Saída de Recursos O quadro a seguir apresenta, de forma sintética, a execução do Orçamento Financeiro: Valores em R$ mil Discriminação Proposta Orçamentária Observado Percentual Reformulada 1. Aplicações em Financiamentos ,50 2. Aplicações do FPS Desembolso de Comissões ,14 4. Saques ,21 5. Outros Desembolsos ,06 6. Disponibilidade Final ,90 7. Total ,31 Fonte: Prestação de Contas - Fundo PIS-PASEP 2005/ Adaptado Não foram observadas distorções significativas na execução do orçamento financeiro, cabendo apresentar alguns comentários feitos pelo Conselho Diretor: 10

11 - Aplicações em FPS: foram feitas aplicações no montante de R$ 953 mil referentes ao exercício de direito sobre ações, não previsto pelo BNDES na elaboração do orçamento reformulado. - Desembolso de Comissões: representa a remuneração paga aos agentes operadores/aplicadores, a qual totalizou R$ mil equivalente a 97,14% do previsto para o exercício. - Outros Desembolsos: os valores apropriados nesta rubrica totalizaram até o 4º trimestre R$ 98 mil, correspondente a 68,06% do valor orçado, gerando, portanto, uma economia de R$ 46 mil. Os valores apropriados referem-se a despesas com auditoria, cujo montante alcançou R$ 84 mil, e o restante refere-se a despesas com recuperação de crédito. Orçamento Econômico - Despesas As despesas, incluindo o resultado do exercício, totalizaram R$ mil, equivalentes a 101,99% da previsão inicial. No quadro a seguir está demonstrada a execução do orçamento econômico: Valores em R$ mil Proposta Discriminação Observado Percentual Orçamentári a Reformulada 1. Comissões com Agentes ,59 2. Atualização Monetária das Quotas ,22 3. Juros sobre Quotas Atualizadas ,48 4. Resultado Operacional do FPS (-) Desp.Provisão p/risco de Crédito Baixa de Crédito de Liq.Duvidosa Outras Despesas ,75 8. Subtotal ,33 9. Resultado do Exercício , Total ,99 Fonte: Prestação de Contas Fundo PIS-PASEP 2005/2006 Adaptado Conforme as análises efetuadas consideramos satisfatórios os resultados gerais da execução orçamentária das despesas, no exercício 2005/2006, destacando apenas alguns comentários feitos pelo Conselho Diretor do Fundo: - Baixa de Créditos de Liquidação Duvidosa: a rubrica apresenta o saldo de R$ mil, basicamente, em função da baixa de créditos de liquidação duvidosa de contratos oriundos do Fundo da Marinha Mercante FMM, cujo risco operacional é do Fundo PIS-PASEP, não previsto pelo BNDES na reformulação orçamentária. - Outras Despesas: a rubrica apresenta saldo de R$ 99 mil, com realização de 68,75% do previsto, referindo-se, basicamente, a despesas com auditoria independente. 5 GESTÃO FINANCEIRA 11

12 5.1 SUBÁREA - RECURSOS DISPONÍVEIS ASSUNTO - RESULTADOS DA GESTÃO DE DISPONIBILIDADES INFORMAÇÃO: (006) De acordo com o disposto na Resolução do Conselho Monetário Nacional nº 2.655, de 05/10/1999, as disponibilidades diárias do Fundo PIS-PASEP, o saldo diário dos recursos entregues ao Banco do Brasil S.A. e à Caixa Econômica Federal para pagamento de saques e os demais valores não aplicados em atividades específicas, devem ser remunerados pela taxa de rentabilidade das aplicações realizadas no Banco Central do Brasil - Taxa DEDIP, também conhecida como "extramercado". Para efeito da remuneração dos recursos, consideramos como disponibilidades do Fundo PIS-PASEP, além das contas constantes do subgrupo "Repasses para Pagamento de Saques", já contabilmente classificadas nas disponibilidades, os valores incluídos nos grupamentos "Recursos a aplicar" e "Devedores Diversos". O subgrupo "Repasse para Pagamento de Saques" representa os recursos retidos para o pagamento de quotas e de rendimentos aos participantes e de tarifas e comissões aos agentes operadores e aplicadores, de acordo com cronograma aprovado pelo Conselho Diretor do Fundo. Fazem parte do grupamento "Recursos a Aplicar" os valores oriundos de parte da arrecadação não utilizada para pagamento de rendimentos e saques de quotas, bem como o retorno das aplicações destinado a aplicações em financiamentos de capital de giro (BB e CEF) e investimentos (BNDES). No subgrupo "Devedores Diversos" são registrados, transitoriamente, os valores devidos pelos agentes, a serem recolhidos ao Fundo no início do mês subseqüente. As disponibilidades do Fundo PIS-PASEP, da ordem de R$ R$ mil, apresentavam, em 30/06/2006, a seguinte distribuição: Discriminação R$ mil Total das Disponibilidades > Repasses para pagamento de saques Banco do Brasil S.A Caixa Econômica Federal - Rec. Retidos > Recursos a Aplicar Banco do Brasil S.A Caixa Econômica Federal BNDES > Devedores Diversos BB Remuneração Valores Disponíveis CEF Remuneração Valores Disponíveis BNDES - Outros valores a receber A remuneração incidente sobre os valores disponíveis, auferida pelo Fundo PIS-PASEP durante o exercício de 2005/2006, alcançou o montante de R$ mil. Impende ressaltar que as disponibilidades no FPS eventualmente não aplicadas no mercado de títulos e valores 12

13 mobiliários, também fazem parte da base de cálculo da remuneração devida ao Fundo. Examinamos a documentação relativa ao cálculo dessas remunerações e efetuamos a conciliação com os respectivos enquadramentos contábeis, constatando sua aderência aos normativos vigentes. 5.2 SUBÁREA - RECURSOS REALIZÁVEIS ASSUNTO - CONTAS A RECEBER INFORMAÇÃO: (007) Os recursos do Fundo PIS-PASEP são canalizados para a concessão de créditos diretos ou indiretos às atividades dos setores produtivos prioritários para a economia nacional, mediante operações de financiamento, refinanciamento ou investimento, em consonância com as diretrizes governamentais. Até 30/06/1974 as aplicações dos recursos do PASEP eram feitas exclusivamente pelo Banco do Brasil S.A. e as do PIS pela Caixa Econômica Federal, diretamente ou mediante repasse a outras instituições financeiras. A partir dessa data, na forma estabelecida pela Lei Complementar n.º 19, de 25/06/1974, os recursos do PASEP e do PIS passaram a ser aplicados unificadamente pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, diretamente ou por intermédio de seus agentes financeiros, destinando-se preferencialmente a programas especiais de investimentos, elaborados e revistos periodicamente, segundo as diretrizes e prazos de vigência dos Planos Nacionais de Desenvolvimento - PND. Por ocasião da transferência do encargo das aplicações para o BNDES, coube ao Banco do Brasil S.A. e à Caixa Econômica Federal continuar aplicando apenas a parte dos recursos já alocados em financiamentos de capital de giro. Essas aplicações são remuneradas pela Taxa Referencial - TR mais juros de 10% a.a., das quais é descontada a remuneração devida aos agentes a título de comissão de administração (1,5%) e comissão de risco operacional (2,5%). Por outro lado, as aplicações efetuadas pelo BNDES, a partir de 01/12/1994, têm rentabilidade líquida equivalente a Taxa de Juros de Longo Prazo - TJLP, conforme dispõe o art. 4º da lei nº 9.365, de 16/12/1996. Também faz parte das aplicações do Fundo, como subconta desse, o Fundo de Participação Social - FPS, criado pelo Decreto , de 30/03/1977, para operar no mercado de capitais, objetivando a participação dos trabalhadores nas empresas nacionais. Consignamos que os créditos referentes às aplicações do Fundo PIS- PASEP, constantes do Balanço Patrimonial, elaborado em 30/06/2006, eram da ordem de R$ mil e apresentavam a seguinte distribuição: R$ mil Valores de Curto Prazo DEVEDORES POR REPASSES Repasses ao Banco do Brasil S.A Financiamento de Capital de Giro Operações Contratadas após

14 Recursos a Aplicar Encargos Financeiros a Apropriar Repasses ao BNDES Financiamentos Operações Contratadas até Operações Contratadas após Titulos do Tesouro Nacional Recursos a Aplicar Encargos Financeiros a Apropriar Repasses à Caixa Econômica Federal Financiamento de Capital de Giro Operações Contratadas após Recursos a Aplicar Provisão para Risco de Crédito (475) PASEP (85) PIS (390) Fundo de Participação Social PASEP PIS OUTROS CRÉDITOS Devedores Diversos Banco do Brasil S.A Caixa Econômica Federal BNDES Valores de Longo Prazo DEVEDORES POR REPASSES Repasses ao BNDES Financiamentos Operações Contratadas até Operações Contratadas após Imposto de Renda a Recuperar Títulos do Tesouro Nacional Provisão para Risco de Crédito (2.287) PASEP (410) PIS (1.877) Fonte: Balanço Patrimonial PIS-PASEP 30/06/2006 Os "Repasses ao Banco do Brasil" correspondem aos valores transferidos à Instituição, destinados ao desenvolvimento de programas especiais, via concessão de créditos às atividades de diversos setores da economia nacional. No que diz respeito aos "Repasses ao BNDES", representam financiamentos de longo prazo (R$ mil) que, juntamente com as operações de crédito de curto prazo (R$ mil), destinam-se a apoiar as atividades produtivas de setores estratégicos do país, na forma de capital de giro e investimentos. Também fazem parte desse subgrupo, sob a denominação de "Títulos do Tesouro Nacional", as Notas do Tesouro Nacional - Série C, no valor inicial de R$ mil, emitidas para amortização dos débitos de empresas extintas pelo Governo Federal, indexadas pela variação do IGPM - Índice Geral de Preços - Mercado e juros de 6% a.a. 14

15 Os "Repasses à Caixa Econômica Federal" destinam-se a empréstimos de capital de giro concedidos a empresas privadas industriais, comerciais ou de prestação de serviços, de capital nacional. Cabe lembrar que os recursos repassados aos agentes operadores para empréstimos e financiamentos, enquanto não aplicados nas suas finalidades ("Recursos a Aplicar"), são remunerados com base na taxa de rentabilidade das aplicações realizadas no Banco Central do Brasil, também conhecida como "Extramercado" ou "DEDIP". A conta "Provisão para Risco de Crédito" está sendo abordada no próximo item deste relatório. O "Fundo de Participação Social - FPS" representa o montante destinado a aplicação em títulos e valores mobiliários, adquiridos pelo BNDES em favor do Fundo, assim como suas variações patrimoniais. As aplicações nesse Fundo são representadas, basicamente: por ações, valorizadas pela cotação média do último dia em que foram negociadas ou pelo menor valor entre o custo de aquisição e o valor patrimonial da ação, de acordo com o último balanço da empresa; por quotas de fundos de investimentos financeiros; e por debêntures conversíveis em ações. Os recursos aplicados pelo BNDES no mercado acionário, por intermédio do Fundo de Participação Social - FPS, montavam, no encerramento do balanço de 30/06/2006, em R$ mil, com acréscimo nominal de 9,64% em relação ao exercício anterior, já descontada a importância de R$ mil, transferida do FPS para o Fundo PIS- PASEP. Releva destacar que, de acordo com o relatório elaborado pelo BNDES, a rentabilidade nominal auferida nas aplicações dos recursos em ações (65,24%) foi superior ao desempenho do mercado acionário em geral, representado pelo índice Ibovespa de 46,22% para o período. Conforme já assinalado no Relatório de Avaliação da Gestão , não obstante o resultado positivo apresentado, o Conselho Diretor aprovou, em 05/09/2005 ( 111ª reunião), a proposta de venda gradual das ações da carteira apresentada pelo BNDES, visando reduzir a exposição do Fundo em investimento de risco e considerada necessária para o enquadramento aos normativos das participações detidas pelo FPS na Petrobrás e na Metalúrgica Gerdau. O BNDES, em cumprimento à decisão, vem desmobilizando, aos poucos, a carteira de ações, transferindo recursos para a concessão de novos financiamentos sem risco para o Fundo PIS- PASEP. Constatamos que a carteira de ações foi reduzida para 61 empresas, também em cumprimento à decisão tomada pelo Conselho Diretor de reestruturação gradual de 66 empresas para cerca de 15 empresas, com liquidez e perspectivas de rentabilidade adequadas, visando simplificar a gestão desses recursos. O montante contabilizado em "Outros Créditos" refere-se ao registro transitório dos valores a serem recolhidos ao Fundo pelos agentes operadores. Como o Fundo PIS-PASEP necessita continuar prestando aos seus participantes os benefícios previstos em lei, é imperioso promover o 15

16 equilíbrio entre a aplicação do retorno das operações em projetos que visem o desenvolvimento do País e, de outro lado, a destinação de recursos para manutenção das reservas técnicas indispensáveis para atender aos direitos dos quotistas. Dessa forma, observamos que o Conselho Diretor vem gerindo a contento os recursos do Fundo PIS-PASEP, buscando compatibilizar a continuidade das aplicações em favor do desenvolvimento econômico e social com a necessidade de garantir o pagamento dos rendimentos, o resgate das cotas e as comissões dos agentes operadores ASSUNTO - PROVISÕES P/DEVEDORES DUVIDOSOS INFORMAÇÃO: (008) De acordo com o disposto no Decreto nº 4.751, de 17/07/2003, é do Conselho Diretor do Fundo PIS-PASEP a competência para constituir as reservas e provisões indispensáveis ao pleno funcionamento do Fundo. O risco de crédito das operações contratadas a partir de 01/01/1983, consoante as disposições contidas na Resolução nº 778, de 16/12/1982, do Conselho Monetário Nacional, é de responsabilidade dos respectivos agentes aplicadores. Assim sendo, a Provisão para Risco de Crédito foi calculada apenas sobre o valor das operações contratadas até 31/12/1982 e aquelas provenientes do Fundo da Marinha Mercante, - FMM utilizando o percentual de 0,5% para os contratos de curso normal ou com atraso de até 180 dias e de 100% para as operações com atraso superior a 180 dias, em conformidade com os critérios estabelecidos no item I da Resolução PIS-PASEP nº 1, de 13/04/2000. A Provisão para Risco de Crédito tem por objetivo cobrir os eventuais prejuízos decorrentes das operações cujo risco é do Fundo, sendo o saldo não utilizado até o final do exercício financeiro complementado pela nova constituição ou revertido, conforme o caso. As operações contratadas até 31/12/1982, que serviram de base para o aprovisionamento do período, apresentavam os seguintes saldos no balanço levantado em 30/06/2006: Descrição Valor - R$ mil Operações Contratadas até 31/12/1982 Curto Prazo Operações Contratadas até 31/12/1982 longo prazo Enc. Financeiros a Aprop. Op. Cont. até 31/12/ Total Desse modo, aplicando-se o percentual de 0,5% sobre o total de R$ mil, encontraremos o valor de R$ mil, contabilizado como Provisão para Risco de Crédito, o qual concluímos estar de acordo com a forma estabelecida na Resolução PIS-PASEP n.º 1, de 13/04/ SUBÁREA - RECURSOS EXIGÍVEIS ASSUNTO - ESTIMATIVAS E CONTINGÊNCIAS PASSIVAS 16

17 INFORMAÇÃO: (009) O Conselho Diretor do Fundo PIS-PASEP, em sua 106ª reunião realizada em 23/06/2004, na forma do Parecer PGFN/CAF/nº 768/2004 e da Nota PGFN/CRJ/nº 333/2004, de 02/06/2004 e 26/05/2004, respectivamente, aprovou a destinação das eventuais sobras, a partir do exercício 2003/2004, à constituição de provisão para contingência, em razão do risco de desfecho desfavorável à União nas demandas judiciais contra o Fundo PIS-PASEP, que solicitam o pagamento dos expurgos inflacionários de diversos planos econômicos. Entretanto, o Grupo de Apoio Financeiro - GAFIN, em reunião realizada em 08/06/2006, entendeu que os encaminhamentos e providências legais já tomadas eram suficientes para preservar o patrimônio do Fundo, não havendo necessidade de constituição de provisão adicional àquela já contabilmente registrada, recomendando ao Conselho Diretor aguardar a decisão da Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais, para posterior adoção das providências cabíveis. O Conselho Diretor aprovou a proposta, por meio do Voto PIS-PASEP nº 11/2006, proferido na 114ª reunião, realizada em 16/06/2006. Verificamos que o valor contabilizado a título de Provisão para Passivos Contingentes no Exigível a Longo Prazo do Fundo PIS-PASEP (R$ mil), permanece o mesmo do exercício anterior, atendendo as determinações do Conselho. 6 GESTÃO DO SUPRIMENTO DE BENS/SERVIÇOS 6.1 SUBÁREA - CONTRATOS DE OBRAS, COMPRAS E SERVIÇOS ASSUNTO - FORMALIZAÇÃO LEGAL INFORMAÇÃO: (017) O Contrato firmado entre o Fundo PIS-PASEP e a Caixa Econômica Federal - CEF, em 31/07/2003 e prorrogado pelo Termo Aditivo nº 001/2004, em 01/07/2004, para a prestação de serviços referentes à execução operacional do Programa de Integração Social - PIS, teve sua vigência e preços alterados pelo Termo Aditivo nº 002/2005, firmado em 01/07/2005. Referido Aditivo estabeleceu em R$ mil o valor estimado para a execução dos serviços no exercício financeiro de 2005/2006 ( R$ mil no exercício de 2004/2005) e fixou o teto para cálculo da taxa de manutenção cadastral em 20 milhões de contas. Em relação à execução operacional do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP, efetuada pelo Banco do Brasil S.A., o contrato firmado com o Fundo em 31/07/2003 e prorrogado pelo Termo Aditivo nº 001/2004, também sofreu alterações na vigência e preços, por meio do Termo Aditivo nº 002/2005, de 01/07/2005. Contudo, diferentemente do documento firmado com a CEF, o teto para cálculo da taxa de manutenção cadastral do PASEP manteve-se em 5 milhões de contas. O valor estimado para execução dos serviços pelo Banco 17

18 do Brasil S.A. baixou para R$ mil (R$ mil no exercício anterior) em razão da redução do custo fixo anual para R$ mil (R$ mil no exercício 2004/2005). As demais tarifas unitárias não sofreram alteração. Consignamos que os termos aditivos aos contratos foram formalizados em conformidade com a legislação. Cabe informar que as tarifas pagas pelo Fundo PIS-PASEP aos seus agentes operadores, bem como o impacto nas despesas do exercício sob exame, estão abordados no item deste relatório. 7 CONTROLES DA GESTÃO 7.1 SUBÁREA - CONTROLES EXTERNOS ASSUNTO - ATUAÇÃO DA AUDITORIA EXTERNA INFORMAÇÃO: (010) O BNDES deflagrou, durante o exercício, a Tomada de Preços AA- 02/2006, com o objetivo de contratar empresa para a prestação de serviços técnicos especializados de auditoria independente nas contas do Fundo de Participação PIS-PASEP e no Fundo de Participação Social. O certame foi vencido pela empresa Boucinhas & Campos + Soteconti Auditores Independentes S/S, pelo preço de R$ ,00 ( sessenta e dois mil e sessenta e quatro reais), e pelo prazo de 12 meses, podendo ser prorrogado, por igual período, até o total de 60 (sessenta) meses. Os Auditores examinaram o balanço patrimonial consolidado do Fundo PIS-PASEP levantado em 30/06/2006 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e das origens e aplicações de recursos correspondentes ao exercício findo naquela data, tendo emitido parecer datado de 11/08/2006 no sentido de que as referidas demonstrações contábeis representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira consolidada do Fundo, o resultado de suas operações, as mutações de seu patrimônio líquido e as origens e aplicações de seus recursos referentes ao exercício findo em 30/06/2006, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil ASSUNTO - Atuação do TCU/SECEX no EXERCÍCIO INFORMAÇÃO: (011) O Tribunal de Contas da União - TCU encaminhou o Acórdão n por meio do Ofício 995/2005, de 06/12/2005, comunicando ter apreciado o Processo de Prestação de Contas do Fundo de Participação PIS-PASEP, relativo ao exercício de 2003/2004, e julgando as referidas contas regulares, dando quitação plena aos responsáveis arrolados nos autos ASSUNTO - Atuação das Unidades da CGU - NO EXERCÍCIO INFORMAÇÃO: (012) 18

19 Informamos que o Conselho Diretor do Fundo PIS-PASEP, a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil S.A. e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, agentes operadores do Fundo, vêm atendendo tempestivamente as recomendações emanadas da Controladoria- Geral da União. 7.2 SUBÁREA - UNIDADES GESTORAS ASSUNTO - ATUAÇÃO DO COLEGIADO DELIBERATIVO INFORMAÇÃO: (013) O Conselho Diretor do Fundo PIS-PASEP é composto por onze membros, entre titulares e suplentes, com representantes do Ministério da Fazenda, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, do Ministério do Trabalho e Emprego e da Secretaria do Tesouro Nacional, além dos representantes dos participantes do PIS e do PASEP. As decisões do Conselho são tomadas por maioria dos Conselheiros presentes, cabendo ao Coordenador (representante da Secretaria do Tesouro Nacional), além do voto normal, o voto de qualidade, em caso de empate. O Conselho Diretor reuniu-se, para análise de matérias relativas ao exercício 2005/2006, em quatro oportunidades, nas quais foram tratados assuntos de importância para o Fundo PIS-PASEP, com destaque para aqueles referentes ao resultado das aplicações do Fundo, visando proporcionar melhor rendimento aos participantes. Procedemos à leitura das atas das reuniões do Colegiado referentes ao exercício sob exame, e verificamos o cumprimento de seus deveres legais e das atribuições definidas na legislação ASSUNTO - ATUAÇÃO DO BANCO OPERADOR INFORMAÇÃO: (014) Os agentes operadores do Fundo PIS-PASEP receberam Comissões, no período sob exame, a seguir discriminadas: Banco do Brasil...R$ ,12 BNDES...R$ ,81 Caixa Econômica Federal...R$ ,31 Total...R$ ,24 As Comissões do Banco do Brasil (R$ ,12) e da CEF (R$ ), foram calculadas de acordo com os contratos celebrados em 31/07/2003 e termos aditivos n 001/2004, de 01/07/2004 e 002/2005, de 01/07/2005, entre o Fundo PIS-PASEP e os agentes operadores. As referidas comissões estão baseadas na prestação de serviços (tarifas), referentes aos pagamentos de cotas e rendimentos do PIS- PASEP e na manutenção das contas individuais dos participantes. A comissão do BNDES (R$ ,81), destinada a cobrir as despesas administrativas da Entidade, de acordo com a Resolução n 778, de 16 de dezembro de 1982, é de 0,5% a.a., incidente sobre os saldos 19

20 devedores das aplicações contratadas pelo Banco com recursos transferidos do Fundo PIS-PASEP até 31 de dezembro de 1982 e sobre o patrimônio líquido do FPS e aquelas operações oriundas do Fundo da Marinha Mercante - FMM, cujo risco operacional é do Fundo. De acordo com a sistemática de pagamento vigente até julho de 2003, que consistia em percentual aplicado sobre o Patrimônio Líquido do Fundo, o valor a ser desembolsado a título de comissão para cada agente (CEF e BB) seria de R$ ,58, equivalentes a 0,375% de R$ ,98(valor do PL em 30/06/2006). Com relação ao contrato firmado com o Banco do Brasil S.A., podemos concluir que a remuneração atual, na modalidade de tarifas sobre serviços prestados, proporcionou uma economia de R$ ,46 ao Fundo, quando comparada à metodologia anterior, especificada no parágrafo acima. A taxa de administração devida à CEF, se calculada de acordo com a metodologia utilizada até junho/2003 (0,375% s/pl do Fundo), resultaria em R$ ,58, cálculo já demonstrado anteriormente. Verificamos, então, que a economia gerada pela utilização da remuneração por tarifas, no caso da CEF, foi de R$ ,27. Assim sendo, consideramos que os valores pagos pelo Fundo PIS- PASEP aos seus agentes operadores obedeceram os termos contratados. 7.3 SUBÁREA - CONTROLES INTERNOS ASSUNTO - ATUAÇÃO DA AUDITORIA INTERNA INFORMAÇÃO: (015) O Banco do Brasil, por meio do expediente DIGOV/GEFEP/DIFUP , de 29/08/2006, informou que não havia realizado nenhuma Auditoria no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP, durante o exercício 2005/2006. A Auditoria Interna da Caixa Econômica Federal efetuou auditoria contábil no âmbito do PIS nesse período, com o objetivo de avaliar o processo "Fornecer Informações Contábeis do PIS" tendo concluído que os processos examinados estavam adequados, conforme RA AUDIR/BR 125/06, de 24/08/2006. O BNDES informou, por meio de mensagem eletrônica datada de 11/09/2006, que não houve trabalho da Auditoria Interna no âmbito do Fundo no exercício sob exame ASSUNTO - AUDITORIA DE PROCESSOS DE CONTAS INFORMAÇÃO: (016) O Processo de Prestação de Contas está constituído das peças básicas a que se refere à Instrução Normativa - TCU n 47 de 27/10/2004 e Decisão Normativa - TCU n 71, de 07/12/2005, combinadas com a Norma de Execução n 01, de 05/01/2006, da Secretaria Federal de Controle Interno. 20

21 III CONCLUSÃO Os exames realizados demonstraram, dentro de seu escopo, que foi adequada a gestão do Fundo PIS-PASEP nas áreas examinadas. Brasília, 21

22 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL CERTIFICADO Nº : UNIDADE AUDITADA : FUNDO PIS-PASEP CÓDIGO : EXERCÍCIO : 2005 PROCESSO Nº : / CIDADE : BRASÍLIA CERTIFICADO DE AUDITORIA Foram examinados, quanto à legitimidade e legalidade, os atos de gestão dos responsáveis pelas áreas auditadas, praticados no período de 01Jul2005 a 30Jun2006, tendo sido avaliados os resultados quanto aos aspectos de economicidade, eficiência e eficácia da gestão orçamentária, financeira e patrimonial. 2. Os exames foram efetuados por seleção de itens, conforme escopo do trabalho definido no Relatório de Auditoria constante deste processo, em atendimento à legislação federal aplicável às áreas selecionadas e atividades examinadas, e incluíram provas nos registros mantidos pelas unidades, bem como a aplicação de outros procedimentos julgados necessários no decorrer da auditoria. Os gestores citados no Relatório estão relacionados nas folhas 0006 a 0007, deste processo. 3. Diante dos exames aplicados, de acordo com o escopo mencionado no parágrafo segundo, consubstanciados no Relatório de Auditoria de Avaliação da Gestão nº , os gestores tiveram suas contas certificadas como regulares. Brasília, DE OUTUBRO DE 2006 JOSÉ GUSTAVO LOPES RORIZ COORDENADOR-GERAL DE AUDITORIA DA ÁREA FAZENDÁRIA

23 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL RELATÓRIO Nº : EXERCÍCIO : 2005 PROCESSO Nº : / UNIDADE AUDITADA : FUNDO PIS-PASEP CÓDIGO : CIDADE : BRASÍLIA PARECER DO DIRIGENTE DE CONTROLE INTERNO Em atendimento às determinações contidas no inciso III, art. 9º da Lei n.º 8.443/92, combinado com o disposto no art. 151 do Decreto n.º /86 e inciso VIII, art. 14 da IN/TCU/N.º 47/2004 e fundamentado no Relatório, acolho a conclusão expressa no Certificado de Auditoria, que certificou as contas dos gestores no período de 1/07/2005 a 30/06/2006 como REGULARES. 2. Desse modo, o processo deve ser encaminhado ao Ministro de Estado supervisor, com vistas à obtenção do Pronunciamento Ministerial de que trata o art. 52, da Lei n.º 8.443/92, e posterior remessa ao Tribunal de Contas da União. Brasília, de outubro de MARCOS LUIZ MANZOCHI DIRETOR DE AUDITORIA DA ÁREA ECONÔMICA

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 32º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 32º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

F U N D O P I S - P A S E P - R e l a t ó r i o d e G e s t ã o

F U N D O P I S - P A S E P - R e l a t ó r i o d e G e s t ã o F U N D O P I S - P A S E P - R e l a t ó r i o d e G e s t ã o I - I N T R O D U Ç Ã O O presente relatório previsto no inciso V, art. 8º, do Decreto nº 4.751, de 17 de junho de 2003 e na forma do 5º

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 04600.001267/2008-71 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO CÓDIGO UG : 170106 RELATÓRIO Nº : 208865 UCI EXECUTORA : 170113 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/MS, Em atendimento à determinação contida na Ordem de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE DE ALTO RENDIMENTO CÓDIGO UG : 180009 RELATÓRIO Nº : 209307 UCI EXECUTORA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : CONAB SUREG/PE CÓDIGO UG : 135285 RELATÓRIO Nº : 190674 UCI EXECUTORA : 170063 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/PE, Em atendimento

Leia mais

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 33º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 33º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23087.000109/2007-14 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 00181.000687/2010-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : NÚCLEO ESTADUAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE/PE CÓDIGO UG : 250029 RELATÓRIO Nº : 189831 UCI EXECUTORA : 170063 Chefe da CGU-Regional/PE, RELATÓRIO

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 34º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 34º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO PROCESSO Nº : 23000086135/2007-34 UNIDADE AUDITADA : CEFET/BAMBUI CÓDIGO UG : 153195 : BAMBUI RELATÓRIO Nº : 189721 UCI EXECUTORA : 170099 RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25004.005767/2007-09 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão PROCESSO Nº : COAD-DIR 001/2007 UNIDADE AUDITADA : Observatório Nacional CÓDIGO UG : 240126 : Rio de Janeiro RELATÓRIO Nº : 189914 UCI Executora : 170130 CGU-REGIONAL/RJ

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO CÓDIGO UG : 200020 RELATÓRIO Nº : 208689 UCI EXECUTORA : 170971 RELATÓRIO DE AUDITORIA Senhora Coordenadora-Geral, Em atendimento à determinação contida na Ordem

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08297.001142/2007-01 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : HOSPITAL DE IPANEMA CÓDIGO UG : 250103 RELATÓRIO Nº : 208073 UCI EXECUTORA : 170130 Senhor Chefe da CGU-Regional/RJ,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : MAPA/CONAB SUREG/PE CÓDIGO UG : 135285 RELATÓRIO Nº : 208220 UCI EXECUTORA : 170063 RELATÓRIO DE AUDITORIA Senhor Chefe da CGU - Regional/PE,

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397 BANCO CENTRAL DO BRASIL FUNDO DE GARANTIA DOS DEPÓSITOS E LETRAS IMOBILIÁRIAS - FGDLI BALANÇO PATRIMONIAL DE ENCERRAMENTO - EM 29 DE ABRIL DE 2005 A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PUBLICO- PRIVADAS

FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PUBLICO- PRIVADAS Unidade Auditada: FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PUBLICO- PRIVADAS Exercício: 2012 Processo: 00190.008390/2013-07 Município: Brasília - DF Relatório nº: 201306079 UCI Executora: SFC/DEFAZ - Coordenação-Geral

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO N.º

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015345/2011-39

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO 1 CONCEITO O Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP foi criado pelo Governo Federal

Leia mais

As demonstrações contábeis foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.

As demonstrações contábeis foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE (FCO) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 31 DE DEZEMBRO DE 2004 (Em milhares de Reais)

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 731, DE 11 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 731, DE 11 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 731, DE 11 DE JUNHO DE 2014 Disciplina o pagamento do Abono Salarial referente ao exercício de 2014/2015. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, no uso das atribuições

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1861. Parágrafo 2º. A garantia de que trata este artigo não é extensiva à caderneta de poupança rural.

RESOLUÇÃO N 1861. Parágrafo 2º. A garantia de que trata este artigo não é extensiva à caderneta de poupança rural. RESOLUÇÃO N 1861 Institui o regulamento do Fundo de Garantia dos Depósitos e Letras Imobiliárias (FGDLI), fixa o limite de garantia, o percentual de contribuição, a atualização da garantia e a multa por

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Fundo de Parcerias Público-Privadas FPPP do Município de Rio das Ostras (RJ) Demonstrações contábeis em 31 dezembro de 2010

Fundo de Parcerias Público-Privadas FPPP do Município de Rio das Ostras (RJ) Demonstrações contábeis em 31 dezembro de 2010 Fundo de Parcerias Público-Privadas FPPP do Município de Rio das Ostras (RJ) Demonstrações contábeis em 31 dezembro de 2010 Fundo de Parcerias Público-Privadas FPPP do Município de Rio das Ostras (RJ)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : JBRJ/ACF/DIRAD CÓDIGO UG : 443020 RELATÓRIO Nº : 208056 UCI EXECUTORA : 170130 Sr. Chefe da CGU-Regional/RJ,

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Fls. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO N.º : 00218.000799/2008-54 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : 16A.SPRF/MJ/CE CÓDIGO UG : 200112 RELATÓRIO Nº : 208291 UCI EXECUTORA : 170044 RELATÓRIO DE AUDITORIA Senhor Chefe da CGU-Regional/CE, Em atendimento

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 39.466 27.437 Disponibilidades 221 196 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 27.920 18.274 Operações de Crédito 6 11.138

Leia mais

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE REGULAMENTO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO -- FGTS CARTEIRA LIVRE, doravante designado abreviadamente

Leia mais

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (valores em milhares de reais) 01 Contexto Operacional

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil)

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 Explicativas CIRCULANTE 4.414 Disponibilidades 26 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 2.566 Operações de Crédito 5 1.800 Outros Créditos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 10680.001801/2007-19 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 71000.002060/2007-90

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Diretores, Conselheiros e Associados da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL SÃO PAULO SP 1. Examinamos o Balanço Patrimonial da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL,

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

CERTIFICADO DE AUDITORIA Nº 001/2010

CERTIFICADO DE AUDITORIA Nº 001/2010 CERTIFICADO DE AUDITORIA Nº 001/2010 UNIDADES: Senado Federal Fundo Especial do Senado Federal - FUNSEN EXERCÍCIO: 2009 Examinamos os atos de gestão dos responsáveis relacionados às fls. 95 a 97 deste

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011.

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Instituição Comunitária de Crédito de Londrina Casa do Empreendedor, em operação desde 18/11/1997, é uma

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO GERÊNCIA DE AUDITORIA TOMADA DE CONTAS ANUAL SIMPLIFICADA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 18/2007/GEAUD/CISET/MD TIPO DE AUDITORIA : AVALIAÇÃO DE GESTÃO EXERCÍCIO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 CONTEÚDO Parecer dos auditores independentes Quadro

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. ITAUVEST PERSONNALITÉ CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO EM Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais