EFEITOS DA ENDOGAMIA EM ZEBUÍNOS COM ENFASE NA RAÇA NELORE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITOS DA ENDOGAMIA EM ZEBUÍNOS COM ENFASE NA RAÇA NELORE"

Transcrição

1 EFEITOS DA ENDOGAMIA EM ZEBUÍNOS COM ENFASE NA RAÇA NELORE SANTANA, J. G. 1, JOSAHKIAN, A. L. 2 1 Engenheiro Agrônomo autônomo. 2 Zootecnista, Especialista em Produção de Ruminantes, Superintendente Técnico da ABCZ, Professor das Faculdades Associadas de Uberaba, Uberaba MG, RESUMO Esta revisão de literatura foi conduzida com o objetivo de buscar mais informações e promover um estudo detalhado sobre a endogamia dentro dos rebanhos bovinos, dando maior atenção para a raça Nelore. O estudo foi direcionado em definir os conceitos básicos na endogamia; seus efeitos positivos e negativos; e o seu uso dentro de linhagens da raça Nelore. A intenção é melhorar o senso crítico e ajudar na tomada de decisão de criadores e pesquisadores sobre a utilização da endogamia nos acasalamentos entre bovinos e consequentemente contribuir para o desenvolvimento da raça Nelore no Brasil. PALAVRAS CHAVE: Bovinos. Endogamia. Nelore. ABSTRACT - This literature review was conducted in order to get more information and to promote a detailed study of inbreeding within herds, giving greater attention to Nellore. The study was aimed to define the basic concepts in inbreeding its positive and negative, and its use within lineages Nellore. The intention is to improve critical thinking and help in making the decision makers and researchers about the use of inbreeding in the mating between cattle and consequently contribute to the development of Nellore in Brazil. KEYWORDS: Cattle. Inbreeding,.Nellore. INTRODUÇÃO A pecuária bovina de corte no Brasil é uma atividade econômica de fundamental importância no agronegócio. O seu PIB é de aproximadamente 16 bilhões de dólares, com envolvimento de sete milhões de pessoas em toda sua cadeia produtiva, e a raça nelore correspondendo a maior participação no rebalho, com aproximadamente 75% dos animais (VOZZI, 2004). A raça Nelore é originária da Província de Madras, ao sul da Índia, onde recebe a denominação de Ongole. As importações mais relevantes foram na década de 1960, responsáveis pela introdução de alguns touros importantes devido as suas características fenotípicas e que contribuíram para a caracterização, conformação e melhoramento do rebanho nacional (HISTÓRIA..., 2007). De acordo com FARIA et al. (2001), a busca dos criadores por animais melhores e mais eficientes incentivou o surgimento de programas de melhoramento animal. Estes programas têm promovido importantes avanços na raça Nelore ao permitir a aceleração do progresso genético e maior difusão do material genético superior. Dentro deste enfoque de melhoristas, a endogamia passou a ter atenção especial O objetivo específico desse trabalho é abordar o conceito de endogamia, também conhecida como consanguinidade, em especial em animais zebuínos e com enfase na raça Nelore. Pretende-se rever conceitos aplicáveis ao objetivo, estudar a utilização de linhagens dentro da raça, assim como relatar efeitos positivos e negativos da consanguinidade. Dessa forma, o objetivo geral da presente revisão é desenvolver um posicionamento mais substancial acerca deste fator importantíssimo que é a endogamia dentro do rebanho zebuíno no Brasil. O QUE É ENDOGAMIA? A endogamia resulta do acasalamento, intencional ou não, de animais aparentados, sendo um sistema de acasalamento capaz de alterar a constituição genética da população. Isto se dá por meio do aumento da homozigose e, conseqüentemente, da diminuição da heterozigose, alterando, assim, a freqüência

2 genotípica, mas não as freqüências gênicas (QUEIROZ et al., 2000). Porém, a endogamia pode levar a sérios problemas reprodutivos e produtivos, o que Dickerson denominou de depressão endogamica (DICKERSON, 1963). A medida do aumento da homozigose é dada pelo coeficiente de endogamia, que se torna expressivo quando há especificação de algum ponto no passado, em que os ancestrais não são mais procurados, de modo que todos os genes presentes na população passam a ser nãoidênticos por descendência. Esse ponto representa a população-base e, por definição, tem coeficiente de endogamia igual a zero (Falconer, 1987). Segundo BREDA et al. (2004), o coeficiente de endogamia depende do tamanho efetivo da população e, quanto menor for o tamanho da população, em gerações anteriores, maior será o número de ancestrais comuns e maior será o coeficiente de endogamia. De acordo com CARVALHEIRO (2004), o grau de endogamia de um indivíduo é descrito pelo coeficiente de endogamia (F) ou, formalmente, pela probabilidade de que dois alelos em um locus tomado ao acaso sejam idênticos por descendência. O F de um indivíduo pode ser calculado como metade do parentesco entre seus pais. O parentesco, por sua vez, representa a porcentagem esperada de genes em comum entre indivíduos. Na Tabela 1 são apresentados alguns exemplos de acasalamentos endogâmicos e seus respectivos coeficientes de endogamia. Atualmente, existem algoritmos computacionais que permitem o cálculo do F de grandes conjuntos de dados de forma rápida e eficiente, como por exemplo os algaritmos desenvolvidos pelos autores MEUWISSEN E LUO, Tabela1 Equivalência do coeficiente de endogamia (F) para respectivos acasalamentos endogâmicos. Acasalamentos endogâmicos F Pai x Filha 25,00% Irmãos próprios 25,00% Meio irmãos 12,50% Touro x Neta 12,50% Filho de um touro x Neta do mesmo touro 6,25% Neto de um touro x Neta do mesmo touro 3,13% Fonte: KOURY FILHO (2002) KOURY FILHO (2002) comenta que o principal efeito da consangüinidade é o aumento da homozigose e em conseqüência redução da heterozigose, e heterozigose tem uma relação direta com heterose, que é o que se consegue em aumento de produtividade e vigor em função do acasalamento de raças ou linhagens geneticamente mais distantes. O efeito da endogamia é decorrente do aumento da homozigosidade dos genes, o que provoca aumento na freqüência de genótipos contendo genes recessivos, normalmente encobertos pelos alelos dominantes. De acordo com QUEIROZ et al. (2000) se estes alelos recessivos determinam disfunções e má formação nos animais, além de deprimir o desempenho nas características de importância econômica, deverão ser evitados. EFEITOS DA ENDOGAMIA Na primeira metade do século XX a endogamia foi utilizada como ferramenta de selecionadores de nelore visando aumentar a uniformidade da raça bovina. Segundo PIRHNER (1985), os criadores reconheceram tanto os perigos da endogamia na saúde e no desempenho da progênie, como também suas vantagens na consolidação de certas características, e ainda a imprevisibilidade, que parece ser inerente ao processo da endogamia. A manutenção da variabilidade genética é de grande importância em populações naturais e domesticadas para a resposta a curto e longo prazo para a seleção como bem como para fins de conservação (HILL, 2000). FARIA et al. (2009), relata que a perda de variabilidade genética nas raças Nelore, Gir e Guzerá encontrada em seus estudos, são indicados pelos parâmetros de origem genética. O autor cita que, apesar do grande número de fundadores (animais sem pais conhecidos), o número efetivo de fundadores foi muito pequeno nas três raças estudadas. A maior diferença é na raça Nelore, com fundadores e apenas 38 fundadores efetivos. Isso implica que nesta raça existe uma grande diferença nas contribuições dos fundadores de referência, com valores superiormente significativos em relação às outras raças. FARIA et al. (2001), realizou um trabalho que apontou para um tamanho efetivo da população da raça Nelore de 68 animais, significando que na população total da raça no Brasil, há um incremento de consangüinidade por geração, na mesma magnitude que em uma pequena população, constituída de 34 machos e 34 fêmeas acasalando-se ao acaso e deixando um casal de filhos cada. Neste estudo foi

3 observado ainda que, no período de 1994 a 1998, apenas 10 touros foram pais de 19,3% dos animais nascidos no Brasil. Exemplo da raça Nelore, que pode estar ocorrendo nas demais raças criadas no país Seis reprodutores trazidos na última importação de animais puros, Ongole ou Nelore, contribuíram significativamente com cerca de 20% dos genes na formação do rebanho Nelore nacional (MAGNABOSCO et al. 1997), sendo o reprodutor Karvadi Importado o responsável pela presença de 11% dos genes na atual população de reprodutores avaliados pelo Programa de Melhoramento Genético da Raça Nelore Universidade de São Paulo (PMGRN USP) (LOBO et al., 2003; VOZZI et al., 2003). Segundo VOZZI (2004) o desenvolvimento de biotecnologias reprodutivas como a Inseminação Artificial, transferência e produção in vitro de embriões, contribuíram para a disseminação do material genético destes touros importados, mas também permitiu que o rebanho se tornasse mais propenso ao aumento da endogamia. Um exemplo característico é relatado por WEIGEL (2001), com relação as principais raças de bovinos de leite dos Estados Unidos. Para a maioria das raças, o crescimento da taxa de endogamia que era em torno de 0,05% ao ano no período de 1960 a 1980, passou para aproximadamente 0,2% ao ano de 1980 a 2000, fazendo com que a taxa média de endogamia passasse de 1% em 1980 para 5% em Segundo FARIA et al., (2002), a desigual contribuição dos principais descendentes dos reprodutores da raça Nelore importados, as metodologias estatísticas para estimar parâmetros e valores genéticos, o aumento da variância no tamanho das famílias e a permanência desses touros por longos períodos nas centrais de inseminação estão contribuindo ao aumento dos níveis de endogamia e provocando a dimuição do tamanho efetivo da população na raça Nelore, parâmetros de extrema importância para o monitoramento da variabilidade genética ao longo dos ciclos seletivos. CARVALHEIRO et al. (2004) afirma que a seleção com base em critérios mais precisos pode levar a uma maior endogamia e explica que isso ocorre porque os precedimentos atuais de avaliação, que geram as DEPs (diferenças esperadas na progênie), usam a informação de parentes, o que implica que membros da mesma boa família têm mais chance de serem selecionados. O mesmo autor ainda complementa que animais de diferentes rebanhos são comparados e touros com desempenho destacado nos sumários podem ser utilizados por diferentes criadores, aumentando a chance dos animais das gerações futuras descenderem de um grupo relativamente pequeno de touros altamente selecionados e apresentarem maior parentesco entre si. QUEIROZ et al. (2000) constatou ao avaliar o efeito da endogamia sobre caracteristicas de crescimento de bovinos da raça gir no Brasil que, entre os animais endogâmicos, os valores de F foram maiores para os touros do que para vacas ou bezerros, sugerindo que os criadores utilizam reprodutores provenientes de um 'pool' gênico comum, fazendo com que aumente o parentesco dos indivíduos da população. Ainda segundo QUEIROZ et al. (2000), o comportamento crescente da endogamia por geração deve-se à própria estrutura dos rebanhos cujos animais fundadores são pouco aparentados ou de genealogia desconhecida e, com o passar do tempo, mediante a ocorrência de acasalamentos dentro dos rebanhos, aumenta o grau de parentesco entre os indivíduos, o que leva à endogamia. Este mesmo autor afirma que os valores de F são obtidos considerando-se que não havia acasalamentos endogâmicos (F=0) na população base, sendo que a mesma é composta, principalmente, por animais de genealogia desconhecida. O melhor conhecimento e controle da genealogia com o passar das gerações possibilita o cálculo mais acurado de F, com conseqüente aumento de seus valores. Pontos positivos Discussões sobre a utilização da endogamia não são novidade, pois RAZOOK (1977), em um amplo trabalho de revisão, discutiu o assunto com muita propriedade, relatando a utilização da endogamia até mesmo para formação de raças de corte e leite de valor indiscutível, como Hereford, Shorthorn, Holstein-Friesian e outras, terminando por dizer que a mesma consangüinidade deve ter tido um papel bastante significante na formação das raças zebuínas. Um dos motivos pelo qual se usa a endogamia segundo CARVALHEIRO et al. (2004), é para assegurar uniformidade racial e fixação de caracteristicas peculiares a certar linhagens de touros famosos. Uma pratica comum de criadores de raças puras (animais registrados). CARDOSO et al. (2002) encontraram evidencias da existencia de efeitos de heterose e epistasia na raça Nelore. Segundo os autores, os resultados podem ser explicados pelo acasalamento entre diferentes linhagens

4 endogâmicas da raça, formadas ao longo dos anos. Os autores ainda sugeriram a utilização de acasalamento dirigido não apenas para evitar perdas por depressão endogâmica, mas também para explorar os efeitos genéticos não aditivos. Outra consequência do aumento da homozigose segundo CARVALHEIRO et al. (2004) é a prepotencia. Este autor cita que: [...] A prepotência ocorre principalmente em características de herança simples e poligênicas de herdabilidade alta; e está relacionada ao número de gametas possíveis de um animal produzir, onde quanto maior a homozigose, menor é a diversidade de gametas produzidos por um animal.os touros prepotentes produzem progênie mais uniforme, o que pode ser um grande benefício para rebanhos comerciais e para aumentar a credibilidade dos selecionados frente aos usuários de sua genética. ORTIZ PEÑA et al. (2004), evidenciaram a existência de touros que imprimem superioridade e maior uniformidade a sua progênie, no conjunto de dados da Associação Paraguaia de Criadores de Nelore. Foi especulado pelos autores que a prepotência poderia ser um dos fatores associados ao resultado. Pontos negativos VAN DER WELF e KINGHORN (2001) afirmam que: [...] A variância em uma população endogâmica irá decrescer a medida que os animais se tornarem mais aparentados e, portanto, cada vez mais parecidos. Segundo estes autores, a perda de variação causada pela endogamia impede que o ganho genético que poderia ser obtido seja alcançado. Portanto, em relação ao progresso genético no longo prazo, torna-se importante manter a endogamia abaixo de certos níveis. CARVALHEIRO et al. (2004) afirma que: [...] O aumento da homozigose é desejável para alelos de efeito favorável. Entretanto, cada animal contem uma fração (geralmente pequena) de alelos deletérios indesejáveis que, normalmente, se manifestam apenas em homozigose recessiva. A endogamia aumenta a expressão de alelos recessivos indesejáveis. Cabe salientar que estes alelos precisam estar presentes na população, ou seja, a endogamia não cria nenhum alelo com efeito deletério. Se, por exemplo, a frequência de um alelo recessivo é de 2,5%, a probabilidade de um indivíduo não endogâmico ser afetado (homozigoto recessivo) é de aproximadamente 0,06 %. Um individuo com F de 12,5% terá probabilidade em torno de 0,36% de ser afetado. Um aumento considerável. A endogamia, segundo OLIVEIRA et al. (1999), é um processo difícil de ser evitado em populações fechadas, particularmente naquelas onde a seleção é praticada em apenas uma característica. Em estudos sobre endogamia em gado leiteiro, HUDSON e VAN VLECK (1984) mencionaram que sua ação pode reduzir a produção de leite e gordura, aumentar a taxa de mortalidade de bezerros, bem como influenciar adversamente na habilidade reprodutiva de novilhas e vacas. Tal fato também foi observado por SMITH et al. (1998), que relataram diminuições nas produções de leite, gordura e proteína de, respectivamente, 37,2, 1,2 e 1,2 kg para cada acréscimo de 1% de endogamia. Estes mesmos autores constataram aumentos de 5,0 e 3,3 dias, respectivamente, na idade ao primeiro parto e primeiro intervalo de partos, em taxas superiores a 12,5% de endogamia. Outra consequência do aumento da homozigose segundo CARVALHEIRO et al. (2004) é a depressão endogâmica. Segundo este autor, a depressão endogâmica é a manifestação de combinações gênicas desfavoráveis e, portanto, ocorre em características influenciadas por efeitos genéticos não aditivos, por isso, ela normalmente é interpretada como sendo o efeito inverso da heterose (combinações gênicas favoráveis). CARVALHEIRO et al. (2004) também afirma que grosseiramente, a cada aumento de 10% em F ha depressão das características em

5 torno de 2 a 7%, com uma taxa anual de aumento F em torno de 0,2%, taxa observada por SCHENKEL et al. (2002) para algumas raças zebuínas, a depressão endogâmica anual esperada seria em torno de 0,04% a 0,14%. CARVALHEIRO et al. (2004) ainda cita: [...] Programas de melhoramento bem conduzidos, alcançam ganho genético muito superior (pelo menos 10 vezes) a esta perda estimada, o que evidência que a seleção pode ser efetiva em (mais do que) compensar o efeito negativo da depressão endogâmica. De acordo com QUEIROZ et al. (2000), apesar de seus riscos, a endogamia tem sido bastante usada por criadores de animais, principalmente, entre criadores de elite, com o objetivo de assegurar uniformidade racial e fixação de certas características em linhagens cujos produtos têm maior aceitação comercial. Entretanto, a endogamia acima de certos níveis tem sido registrada como deterioradora do rebanho, do vigor e do crescimento dos animais, ocasionando, ainda, diminuição no desempenho reprodutivo (NOWICK, 1963; MI et al., 1965; PIRLEA e ILEA, 1970; e STREWE, 1974 PIRCHNER (1985) salientou que a endogamia não apenas reduz a média em características que apresentam heterose, mas também os animais endogâmicos parecem ser mais sensíveis às influências ambientais. O mesmo autor (PIRCHNER, 1983) sugere que a endogamia enfraquece a homeostase fisiológica, isto é, a habilidade de um indivíduo manter seu modelo fisiológico contra o impacto de influências ambientais. JOHANSSON & RENDEL (1968), mencionam trabalhos norte americanos a respeito da influência da consangüinidade que apontam para perdas em características reprodutivas e de vigor, e que relatam a ocorrência de uma mortalidade embrionária 15% mais alta, no caso de vaca consangüínea, e ainda maiores, quando a vaca consangüínea foi acasalada com touro tendo um certo grau de parentesco com ela própria. A estratégia de combinar endogamia e seleção, visando eliminar alelos recessivos indesejáveis, segundo CARVALHEIRO et al. (2004) é uma estratégia que pode ser muito onerosa, especialmente para animais de grande porte e elevado entervalo entre gerações, e de alto risco, podendo comprometer a manutenção e o desenvolvimento da população em questão. SUBDIVISÃO EM LINHAGENS OU POPULAÇÕES FECHADAS QUEIROZ et al. (2000) afirma que a endogamia constitui-se em um problema mais preocupante para os criadores de elite e, também, para criadores de raças locais ou pouco dispersas, devido à manutenção de rebanhos fechados. De maneira geral, o criador, por conhecer o efeito depressivo da consangüinidade, não a pratica de forma deliberada e, quando o faz, procura fazêlo em níveis e taxas bem suaves. Entretanto, a tecnologia atual de inseminação artificial e transferência de embriões permite a utilização intensiva de animais com os melhores valores genéticos e, por sua vez, propicia o aumento do parentesco dos animais dentro de uma mesma raça, o que, levará ao aumento da endogamia. MAGNABOSCO et al. (1997) estudaram a estrutura genética da raça Nelore do PMGRN por meio de análises de parentesco de uma população referência determinada pelos animais nascidos entre os anos 1980 e 1994, em rebanhos com maior concentração de animais descendentes de reprodutores da última importação realizada entre os anos 1960 e No trabalho foram identificadas seis linhagens responsáveis por 20% dos genes na população referencia e seus principais descendentes. Os touros Karvadi Imp. (11,66%), Taj Mahal Imp. (4,24%), Kurupathy Imp. (1,48%), Godhavari Imp. (1,44%) e Rastã Imp. (1,05%) e seus principais descendentes foram considerados como a base genética da raça Nelore. O termo linhagem, de acordo com PEREIRA (1994) refere-se a um grupo de animais, descendentes de um reprodutor ou uma matriz, que constituem uma família, cujos membros têm, entre si, maior grau de parentesco do que o comumente observado na raça. MAGNABOSCO et al. (1997) afirmaram que a formação de linhagens não implica necessariamente no acasalamento direto de um reprodutor com os seus descendentes, ou seja, o emprego direto da endogamia, mas sim na utilização intensiva na reprodução de vários animais com origem ligada ao ancestral comum, visando a fixação de características desejadas pelo criador e que supõe estarem essociadas a tal reprodutor. Esses autores afirmaram ainda que estudar a existência de linhagens no rebanho zebuíno brasileiro propicia aos selecionadores o conhecimento da estrutura familiar relacionada aos reprodutores que têm sido utilizados de forma mais intensa nos programas de seleção e melhoramento. MARCONDES (2003) avaliou a estrutura de linhagens nos touros TOP 1% para a característica Stayability ( habilidade de permanência no rebanho), a qual expressa a

6 probalilidade de permanência da vaca no rebanho até os seis anos de idade, parindo pelo menos três vezes. Um fato destacado por MARCONDES (2003) é que a maioria dos descendentes de cada linhagem identificadas como importantes para a característica (Karvadi, Godhavari e Rolex) pertencem à variedade mocha (portanto as vacas mochas teriam mais longevidade que as vacas padrão). Para VOZZI (2004) a identificação da performance para cada característica por linhagem e variedade poderia ser um auxilio importante nos acasalamentos tentando complementar características e corrigir defeitos por meio do acasalamento entre linhagens ou inclusive entre diferentes variedaes. Para OLIVEIRA (2009), um problema comum que ocorre com a formação de linhagens é que o mérito do ancestral é geralmente baseado em avaliações subjetivas de algumas características, não necessariamente relacionadas com a produção. Além disso, segundo MAGNABOSCO et al. (1997) mesmo considerando que esse ancestral tenha sido objetivamente avaliado para características de importância econômica, esta forma de seleção, que de fato acaba sendo um tipo de seleção baseado na genealogia, tende a ser menos efetiva que a seleção pelo desempenho do indivíduo. Vários autores que trabalharam com rebanhos consangüíneos e posteriormente cruzaram as diferentes linhagens em gado Holandês, relatam grande baixa de produtividade, e dois deles JOHANSSON & RENDEL (1968), apud RAZOOK (1977), concluem que: [...]A imprevisibilidade da consangüinidade em rebanhos de diferentes origens, a tendência a uma redução da eficiência produtiva e a falta de uniformidade na "performance" de indivíduos consangüíneos desencorajam o desenvolvimento de linhagens consangüíneas como meio geral para melhoramento do gado leiteiro. De acordo com OLIVEIRA et al. (2002), é possível que grupos de animais, pertencentes a diferentes linhagens, estejam constituindo a cada dia, um material genético distinto. OLIVEIRA (2009) afirma que acasalamentos entre linhagens poderão propiciar a manifestação de heterose que, consequentemente, poderá restaurar a perda de vigor adaptativo ocorrida com a endogamia, contribuindo dessa forma para o aumento do desempenho dos animais. No entanto, o mesmo autor afirma que é indispensável considerar durante a escolha de um touro para a reprodução, o mérito genético individual e não apenas o simples fato desse touro pertencer a uma linhagem distinta. CONCLUSÃO Foi verificado um aumento do coeficiente de endogamia na raça Nelore, resultando em baixos valores de variabilidade genética, causado principalmente pelo uso de seleção, prolongada permanência de poucos touros em reprodução, e uso intensivo de tecnologias de reprodução o que pode trazer, caso a endogamia não seja usada corretamente, consequências negativas futuras para se atingir progressos genéticos em características de importância econômica. Na criação de linhagens da raça Nelore, verificou-se contínuo incremento de endogamia ao longo dos anos, alta porcentagem de indivíduos endogâmicos e reduzido tamanho efetivo da população. O importante é estar atento para o desenvolvimento do rebanho, tendo senso crítico para utilizar a endogamia como ferramenta de desenvolvimento da raça zebuínas, mas com cautela para evitar seus efeitos adversos. REFERENCIAS CARDOSO, V.; QUEIROZ, S. A.; BRITO, F. V.; FRIES, L. A. Evidence of heterotic and epistatic effects on postweaning weight gain of Nelore calves. 7 th World Congress on Genetics Applied to Livestock Production, Montpellier, França, CARVALHEIRO, R.; PIMENTEL, E. da C. G. Endogamia: possíveis consequencias e formas de controle em programas de melhoramento de bovinos de corte. Anais. II GEMPEC Workshop em genética e Melhoramento na Pecuária de Corte, FARIA, F.J.C., VERCESI FILHO, A.E., MADALENA, F.E., JOSAHKIAN, L.A. Endogamia na raça nelore In. XXXVIII Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Anais 2001, Piracicaba SP. FARIA, F.J.C., VERCESI FILHO, A.E., MADALENA, F.E., JOSAHKIAN, L.A. Pedigree analysis in the Brazilian Zebu, Journal compilation a 2009 Blackwell Verlag GmbH J. Anim. Breed. Genet , (2009).

7 HILL W.G. Maintenance of quantitative genetic variation in animal breeding programmes. Liv. Prod. Sci., 63, , (2000). HISTÓRIA da raça Nelore. Zebu para o mundo. Disponível em: hp?option=com_content&task=view&id=357&i temid=75. Disponibilizado em: 30 jul HUDSON, G. F. S., VAN VLECK, L. D. Effects of inbreeding on milk and fat production, stayability, and calving internaval of registered Ayshire catlle in the northeastern United States. J. Dairy Sci., 67(1): , (1984). JOHANSSON, I., RENDEL, J., Genetics and animal breeding. W.H. Freeman and Company 1968, San Francisco. KOURY FILHO, W. Mitos e realidade sobre consangüinidade ou endogamia. Revista ABCZ, ano 2, n10, MARCONDES, C. R. Análise bayesiana da probabilidade de permanência no rebanho como característica de seleção para a raça Nelore. Ribeirão Preto, Tese (Doutorado). Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. USP MAGNABOSCO, C de U; CORDEIRO, C. M. T; TROVO, J. B de F; MARIANTE, A. da S; LOBÔ, R. B; JOSAHKIAN, L. A. Catálogo de linhagens do germoplasma zebuíno: raça Nelore. Brasília. Embrapa CENARGEN, p. (Documento, 23). MEUWISSEN, T. H. E.; LUO, Z. Computing inbreeding coefficients in large populations. Genet. Sel. Evol. 24: , (1992). MI, M. P., CHAPMAN, A. R., TYLER, W. J. Effect of mating system on production traits in dairy cattle. J. Dairy Sci., 48:77-84, (1965). NOWICKI, B. The influence of inbreeding on the utility value of black Pied Lowland cows. Anim. Breed. Abstr., 32:966, (1963). OLIVEIRA, J. H. F. de; MAGNABOSCO, C. de U.; BORGES, A. M. de S.M. Nelore: Base genética e evolução seletiva no Brasil. EMBRAPA Cerrados, Planaltina, DF (Brazil) p. No. 49. OLIVEIRA P. S. Estrutura populacional e tendência genética de características de crescimento e adaptação de bovinos da raça Nelore, linhagem Lemgruber. Pirassununga, 95p. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos. USP ORTIZ PEÑA et al. Comparison of selection criteria for pre-weaning growth traits of Nelore cattle. Livestock Production Science , (2004). PEREIRA, J. C. C. Saiba o valor correto de cada termo usado para o melhoramento genético. DBO - Nelore, Mar., p.19-34, (1994). PIRCHNER, F. Genetic structure of populations.1. Closed populations or matings among related individual. In: CHAPMAN, A.B. General and quantitative genetics. Amsterdam: Elsevier. p , (1985). PIRLEA, T., ILEA, S. Effect of different inbreeding intensities on some production characters in cattle. Anim. Breed. Abstr., 39:3151, (1970). QUEIROZ, S. A. de Efeito da endogamia sobre características de crescimento de bovinos da raça gir no Brasil Vev. Bras. Zootec., 29(4): , (2000). RAZOOK, A.G. Efeito da consanguinidade sobre as características econômicas. In. 2o SIMPÓSIO SOBRE MELHORAMENTO GENÉTICO DE BOVINOS FCAV. Anais Jaboticabal SP. SCHENKEL, f. S., LaGIOIA, D.R., SMITH, L. A.; CASSELL, B. G.; PEARSON, R. E. The effects of inbreeding on the lifetime performance of dairy cattle. J. Dairy Sci., 81(10): , (1998). STREWE, H. Inbreeding as a test of genetic health in cattle. Dairy Sci. Abstr., 36:3572, (1974). VAN DER WERF, J.; KINGHORN, B. Quantitative genetics in animal breeding. Course notes, FCAV - UNESP/Jaboticabal, VOZZI, P. A; BEZERRA, L. A. F; LÔBO, R. B. Contribuição genética dos genearcas nos touros participantes do PMGRN con sêmen disponível nas centrais de inseminação In CD da 40 Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Santa Maria, RS, VOZZI, P. A. Análise da estrutura e variabilidade genética dos rebanhos do Programa de Melhoramento Genético da raça Nelore. Ribeirão Preto, 77 p. Dissertação (Mestrado). Faculcade Medicina Ribeirão Preto. USP WEIGEL, K. A. Controlling inbreeding in modern breeding programs. J. Dairy Sci. 84(E. Suppl.):E177-E184, (2001).

8

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS 1. CONSANGUINIDADE A consangüinidade

Leia mais

Unidade: Sistemas de Reprodução Animal. Revisor Textual: Profa. Ms. Alessandra Fabiana Cavalcante

Unidade: Sistemas de Reprodução Animal. Revisor Textual: Profa. Ms. Alessandra Fabiana Cavalcante Unidade: Sistemas de Reprodução Animal Revisor Textual: Profa. Ms. Alessandra Fabiana Cavalcante Reprodução Natural: Ao acaso Determinada pelo ser humano: Pressão seletiva para características desejáveis

Leia mais

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena Departamento de Zootecnia, Escola de Veterinária da

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Agregar valor ao plantel de fêmeas bovinas este é o objetivo

Leia mais

Genética de Populações

Genética de Populações MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Genética de Populações COMO SE CONSEGUE ATINGIR OS OBJETIVOS DO

Leia mais

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico II Congreso Ganadero Nacional CORFOGA 2008 Prof. Dr. Raysildo B. Lôbo ANCP, USP Crescimento da Pecuária de Corte Brasileira: produção de carne e abate 71,0%

Leia mais

Variabilidade genética da raça Brahman no Brasil detectada por meio de análise de pedigree

Variabilidade genética da raça Brahman no Brasil detectada por meio de análise de pedigree Variabilidade genética da raça Brahman no Brasil detectada por meio de análise de pedigree Lydio Cosac de Faria (1), Sandra Aidar de Queiroz (2), Pedro Alejandro Vozzi (3), Raysildo Barbosa Lôbo (3), Cláudio

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO 7 INTRODUÇÃO Vimos no capítulo anterior a utilização da seleção no melhoramento de espécies autógamas. O requisito básico para utilizarmos essa técnica

Leia mais

O sucesso do Gir Leiteiro

O sucesso do Gir Leiteiro O sucesso do Gir Leiteiro The success of Dairy Gir Por/Text Silvio Pinheiro Queiroz 50_Animal Business-Brasil Sumário Fruto de rigoroso e persistente trabalho de seleção genética, o Gir Leiteiro vem alcançando

Leia mais

Programas de Melhoramento Genético da ANCP. Prof. Raysildo B. Lôbo USP, ANCP

Programas de Melhoramento Genético da ANCP. Prof. Raysildo B. Lôbo USP, ANCP Programas de Melhoramento Genético da ANCP Prof. Raysildo B. Lôbo USP, ANCP Política da Qualidade: Atender, com eficiência e eficácia ao cliente. Missão: Aumentar a produtividade da pecuária de corte por

Leia mais

Fatores usados para determinar o nível de ameaça de extinção de uma raça

Fatores usados para determinar o nível de ameaça de extinção de uma raça INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on line em animal.unb.br em 29/09/2010 Fatores usados para determinar o nível de ameaça de extinção de uma raça

Leia mais

Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal

Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal Equipe de pesquisadores MGA/ CNPGL: Maria Gabriela C.D. Peixoto Rui da Silva Verneque João Cláudio do Carmo Panetto Frank Ângelo Tomita Bruneli

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Princípios e Resultados de Pesquisas Científicas do Programa Nelore Brasil

Princípios e Resultados de Pesquisas Científicas do Programa Nelore Brasil 1 Princípios e Resultados de Pesquisas Científicas do Programa Nelore Brasil PROGRAMA DE MELHORAMENTO PRINCÍPIOS E RESULTADOS GENÉTICO DA RAÇA NELORE DE PESQUISAS CIENTÍFICAS DO PROGRAMA NELORE BRASIL

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

Parâmetros Genéticos

Parâmetros Genéticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Parâmetros Genéticos 1. INTRODUÇÃO Os parâmetros genéticos são

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DE ZEBUÍNOS - PMGZ

PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DE ZEBUÍNOS - PMGZ PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DE ZEBUÍNOS - PMGZ Avaliação Genética - Gado de Corte As avaliações genéticas das Raças Zebuínas de Corte são desenvolvidas pela ABCZ em convênio com a Embrapa. Com base

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE Fábio Dias 1 ; Joanir P. Eler 2 ; José Bento S. Ferraz 2 ; Josineudson A. II de V. Silva 3 1 Zootecnista, MSc. Agro Pecuária CFM Ltda, Av. Feliciano

Leia mais

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP Núcleo de Apoio à Pesquisa em Melhoramento Animal,

Leia mais

Diferenças Esperadas na Progênie

Diferenças Esperadas na Progênie Manual do Criador Diferenças Esperadas na Progênie Definições, Cálculos, Interpretações e Usos DEP do Touro DEP da Vaca Resposta na Progênie James S. Brinks SOBRE O AUTOR 1 Jim Brinks foi criado em uma

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG 1Elmer Ferreira Luiz de Almeida; 2José Alberto de Àvila Pires 1 Coordenador Técnico Bovinocultura de Leite da EMATER-MG 2Coordenador Técnico Bovinocultura de

Leia mais

Conheça a primeira central de inseminação do mundo.

Conheça a primeira central de inseminação do mundo. Conheça a primeira central de inseminação do mundo. A primeira central de inseminação do mundo nasceu nos Estados Unidos e veste verde e amarelo há mais de 40 anos. A C.R.I. Genética é uma cooperativa

Leia mais

Parâmetros Populacionais do Rebanho Sindi Registrado no Brasil. Population Parameters of the Registered Red Sindi in Brazil

Parâmetros Populacionais do Rebanho Sindi Registrado no Brasil. Population Parameters of the Registered Red Sindi in Brazil Parâmetros Populacionais do Rebanho Sindi Registrado no Brasil Fábio José Carvalho Faria 1, Anibal Eugênio Vercesi Filho 1, Fernando Enrique Madalena 2, Luiz Antônio Josahkian 3 RESUMO - O objetivo deste

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

SSD - Single Seed Descent

SSD - Single Seed Descent SSD - Single Seed Descent Método dos descendentes de uma semente (SSD - Single Seed Descent) Proposta: reduzir o tempo requerido para se atingir uma alta proporção de locos em homozigose Como? Avanço das

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL NO BRASIL: UNDAMENTOS, HISTÓRIA E IMPORTÂNCIA. Keppler Euclides (CNPGC-EMBRAPA)

MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL NO BRASIL: UNDAMENTOS, HISTÓRIA E IMPORTÂNCIA. Keppler Euclides (CNPGC-EMBRAPA) MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL NO BRASIL: UNDAMENTOS, HISTÓRIA E IMPORTÂNCIA Keppler Euclides (CNPGC-EMBRAPA) 1 - INTRODUÇÃO A utilização de animais domésticos tem precedentes históricos que fazem destes

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações...

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... Classificação Genética Heterogênicos = outbred Isogênicos = Inbred Acasalamento Aleatório Não-Consangüíneos Acasalamento

Leia mais

TEORIAS E MÉTODOS MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL

TEORIAS E MÉTODOS MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL TEORIAS E MÉTODOS EM MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL I - BASES DO MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL Joanir Pereira Eler* Médico Veterinário, Doutor em Ciências * PROFESSOR TITULAR DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

Associação de Criadores de Bovinos da Raça Preta

Associação de Criadores de Bovinos da Raça Preta Associação de Criadores de Bovinos da Raça Preta Benavente, 18 de Abril de 2013 1 - Resultados produtivos e reprodutivos 1.1 - Indicadores da evolução do efetivo 1.2 - Indicadores de produtividade 2 -

Leia mais

MESA REDONDA: PROGRAMAS DE MELHORAMENTO DE BOVINOS DE CORTE. Moderador: Prof. Raysildo Barbosa Lôbo USP-FMRP

MESA REDONDA: PROGRAMAS DE MELHORAMENTO DE BOVINOS DE CORTE. Moderador: Prof. Raysildo Barbosa Lôbo USP-FMRP MESA REDONDA: PROGRAMAS DE MELHORAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Moderador: Prof. Raysildo Barbosa Lôbo USP-FMRP PROGRAMAS DE MELHORAMENTO DE RAÇAS TAURINAS NO BRASIL Flávio Schramm Schenkel Departamento de

Leia mais

Primeira Lei de Mendel e Heredograma

Primeira Lei de Mendel e Heredograma Primeira Lei de Mendel e Heredograma 1. (UFC-2006) Leia o texto a seguir. A Doença de Alzheimer (D.A.) (...) é uma afecção neurodegenerativa progressiva e irreversível, que acarreta perda de memória e

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=581>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Herdabilidade para idade a primeira parição em éguas Mangalarga Raul Sampaio de Almeida

Leia mais

DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM UMA POPULAÇÃO DE MILHO DENOMINADA MPA

DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM UMA POPULAÇÃO DE MILHO DENOMINADA MPA DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM UMA POPULAÇÃO DE MILHO DENOMINADA MPA Udenys Cabral Mendes (1), Stênio Bruno Sousa (2),Rodolfo Fernandes Schindler (2), Jefferson Fernando Naves Pinto (3), Edésio Fialho dos

Leia mais

Melhoramento Genético de Gado de Leite no Brasil 1

Melhoramento Genético de Gado de Leite no Brasil 1 Melhoramento Genético de Gado de Leite no Brasil 1 Rui da Silva Verneque 2,3, Maria Gabriela Campolina Diniz Peixoto 2, Marcio Cinachi Pereira 4, Marco Antônio Machado 2,3, Marta Fonseca Martins Guimarães

Leia mais

Lei da Segregação. Experimentos de Mendel

Lei da Segregação. Experimentos de Mendel Lei da Segregação Os trabalhos do monge Agostinho Gregor Mendel, realizados há mais de um século, estabeleceram os princípios básicos da herança, que, até hoje, são aplicados nos estudos da Genética. A

Leia mais

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte:

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Leonardo Campos 1 e Gabriel Campos 2 O professor e pesquisador norte-americano R.A. Bob Long, colunista da revista Angus Journal e autor do Sistema

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BOVINOS DE CORTE COMPOSTOS NO BRASIL O DESAFIO DO PROJETO MONTANA TROPICAL. José Bento Sterman Ferraz, Joanir Pereira Eler

DESENVOLVIMENTO DE BOVINOS DE CORTE COMPOSTOS NO BRASIL O DESAFIO DO PROJETO MONTANA TROPICAL. José Bento Sterman Ferraz, Joanir Pereira Eler DESENVOLVIMENTO DE BOVINOS DE CORTE COMPOSTOS NO BRASIL O DESAFIO DO PROJETO MONTANA TROPICAL José Bento Sterman Ferraz, Joanir Pereira Eler Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP USP-FZEA

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

PROGRAMAS EM RAÇAS SINTÉTICAS. Kepler Euclides Filho

PROGRAMAS EM RAÇAS SINTÉTICAS. Kepler Euclides Filho PROGRAMAS EM RAÇAS SINTÉTICAS Kepler Euclides Filho Embrapa Gado de Corte Caixa Postal 154 79002-970, Campo Grande, MS E-mail: kepler@cnpgc.embrapa.br. INTRODUÇÃO O termo raça sintética, no contexto de

Leia mais

O uso de genes principais no incremento da prolificidade e produtividade dos ovinos

O uso de genes principais no incremento da prolificidade e produtividade dos ovinos O uso de genes principais no incremento da prolificidade e produtividade dos ovinos Valor econômico de características produtivas em ovinos criados no Bioma Pampa Lampert et al., 2013 Foco da produção

Leia mais

Evoluir é democratizar o conhecimento. Melhoramento genético: investimento com retorno garantido

Evoluir é democratizar o conhecimento. Melhoramento genético: investimento com retorno garantido Evoluir é democratizar o conhecimento Uma das características mais marcantes do ser humano é a de registrar o conhecimento. Isso nos diferenciou e proporcionou nossa rápida evolução em relação a outras

Leia mais

PESQUISA EM CRUZAMENTOS DE GADO DE LEITE: RESULTADOS ECONÔMICOS

PESQUISA EM CRUZAMENTOS DE GADO DE LEITE: RESULTADOS ECONÔMICOS Cad. Téc. Esc. Vet. UFMG, n.18, p.19-27, 1996. 19 PESQUISA EM CRUZAMENTOS DE GADO DE LEITE: RESULTADOS ECONÔMICOS SUMÁRIO 1. Introdução, 19 2. Função de lucro, 19 3. Superioridade do cruzamento F 1, 21

Leia mais

INDEX ASBIA MERCADO 2014

INDEX ASBIA MERCADO 2014 INDEX ASBIA MERCADO 2014 INDEX ASBIA Mercado de sêmen 2014. O relatório do INDEX ASBIA 2014 representa aproximadamente 92% do mercado de sêmen no Brasil, incluindo as raças de corte e leite e é composto

Leia mais

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Aula 04 Medidas Descritivas de Variáveis Quantitativas Parte 2 Medidas de Dispersão Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 São medidas que fornecem informação com relação a dispersão dos dados (heterogeneidade).

Leia mais

Capítulo 2 Endogamia. Acasalamentos Preferenciais. Introdução

Capítulo 2 Endogamia. Acasalamentos Preferenciais. Introdução Capítulo 2 Endogamia Acasalamentos Preferenciais Introdução No capítulo anterior foi demonstrado que se os acasalamentos forem aleatórios, as populações têm proporções genotípicas equivalentes às calculadas

Leia mais

Estrutura populacional e depressão endogâmica em bovinos da raça Holandesa no Brasil

Estrutura populacional e depressão endogâmica em bovinos da raça Holandesa no Brasil Estrutura populacional e depressão endogâmica em bovinos da raça Holandesa no Brasil Mário Henrique Magalhães Araújo da Silva 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel Mendel, o pai da genética - Parte I Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel 5 minutos para cada áudio. Avaliar se o

Leia mais

Endogamia: possíveis conseqüências e formas de controle em programas de melhoramento de bovinos de corte 1.

Endogamia: possíveis conseqüências e formas de controle em programas de melhoramento de bovinos de corte 1. Endogamia: possíveis conseqüências e formas de controle em programas de melhoramento de bovinos de corte 1. Roberto Carvalheiro (Consultor, GenSys Consultores Associados S/C Ltda) Eduardo da Cruz Gouveia

Leia mais

estratégias para melhorar seu rebanho

estratégias para melhorar seu rebanho Texto adaptado pela CRI Genética Brasil Fonte: Associação Americana de Angus CRI Genética Brasil estratégias para melhorar seu rebanho O que é Relatório de Avaliação de Touro? A Associação Americana de

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA GUSTAVO JOSÉ MARTINS DE PAULA SILVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PROGRESSO GENETICO, FATORES QUE DETERMINAM SUA

Leia mais

CAPÍTULO 5 Identificação de tendência de família na. raça Nelore para permanência no rebanho

CAPÍTULO 5 Identificação de tendência de família na. raça Nelore para permanência no rebanho CAPÍTULO 5 Identificação de tendência de família na raça Nelore para permanência no rebanho 85 INTRODUÇÃO O acasalamento em linha é muito utilizado para a formação de linhagens diferentes dentro das raças,

Leia mais

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 1 ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 2 Capitulo 1 - Parceiros e Principal Fornecedor. Parceiros do projeto In Vitro Brasil

Leia mais

José Ferreira Pankowski

José Ferreira Pankowski José Ferreira Pankowski O conselheiro técnico da Associação dos Criadores de Nelore de Mato Grosso, José Ferreira Pankowski, é o entrevistado da semana do site da Nelore MT. Ele fala sobre o desenvolvimento

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça

Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça Claudino A. P. Matos Carlos M. V. Bettencourt Centro de Experimentação do Baixo Alentejo (CEBA) Herdade da Abóbada Vila Nova de S. Bento Resumo A erosão

Leia mais

Seleção Natural e adaptação AULA 6

Seleção Natural e adaptação AULA 6 Seleção Natural e adaptação AULA 6 A teoria da seleção natural! Provavelmente uma das mais importantes ideiasna história da humanidade! Explicação para o surgimento das adaptações dos organismos e para

Leia mais

POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB

POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB PRODUÇÃO DE CARNE E LEITE: SUSTENTÁVEL POR NATUREZA O brasileiro elegeu a carne bovina como um dos seus alimentos preferidos nas refeições diárias. O consumo per capita é um dos

Leia mais

INTERAÇÃO GÊNICA: E DUPLO-HOMOZIGOTOS. Na edição anterior expusemos os conceitos básicos de A EPISTASIA NOS PAINTS HOMOZIGOTOS GENÉTICA

INTERAÇÃO GÊNICA: E DUPLO-HOMOZIGOTOS. Na edição anterior expusemos os conceitos básicos de A EPISTASIA NOS PAINTS HOMOZIGOTOS GENÉTICA PH GENÉTICA INTERAÇÃO GÊNICA: A EPISTASIA NOS PAINTS HOMOZIGOTOS E DUPLO-HOMOZIGOTOS Na edição anterior expusemos os conceitos básicos de genética para o entendimento de como o genótipo determina a cor

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I Leia o texto abaixo com atenção. Considere que, nos pombos, a ausência de s é condicionada geneticamente. Nos cruzamentos que um criador realizava, ele observou

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS

INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 14 INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS Prof. Rodrigo de Almeida Entendendo as Provas de Touros Canadenses Informações de Produção Provas de produção Baseado

Leia mais

Avaliação de Carcaça por Ultrassom e sua Aplicação Prática.

Avaliação de Carcaça por Ultrassom e sua Aplicação Prática. ISSN 1983-0475 Avaliação de Carcaça por Ultrassom e sua Aplicação Prática. Qual é a Importância desta Tecnologia para o Produtor. 48 O Circular Técnica Bagé, RS Agosto, 015 Autores Marcos Jun-Iti Yokoo

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Genética clássica: mono, di e polihibridismo, alelismo múltiplo. A PRIMEIRA LEI DE MENDEL OU PRINCÍPIO DA

Leia mais

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética.

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Atividade extra Questão 1 A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Falar em biodiversidade e em tempo significa, necessariamente, falar de: a. Degeneração. b. Conservação. c. Evolução. d.

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL 1. A RAÇA ABERDEEN ANGUS Originária da Escócia, a raça foi selecionada em função de suas características superiores de precocidade, fertilidade, rusticidade,

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

QUALIDADE VERDANA 2014

QUALIDADE VERDANA 2014 ano 2 MAIO 2014 EDIÇão 02 www.verdanaagropecuaria.com.br camapuã/ms INFORMATIVO Mais valor para você Editorial QUALIDADE VERDANA 2014 1 1 A QUALIDADE QUE FEZ A DIFERENÇA em 2013 ENCONTRO 2013 Vinte e seis

Leia mais

Genética Conceitos Básicos

Genética Conceitos Básicos Genética Conceitos Básicos O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É dividida em: Genética Clássica Mendel (1856 1865) Genética Moderna Watson e Crick (1953).

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL. Prof. Dr. Eduardo Brum Schwengber

MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL. Prof. Dr. Eduardo Brum Schwengber MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL Prof. Dr. Eduardo Brum Schwengber Produção Animal A produção animal baseia-se prioritariamente em três pilares de sustentação: a nutrição, o manejo e o melhoramento genético.

Leia mais

Análise de Decisão considerando potencial de crescimento como critério de seleção em um rebanho da raça Nelore no Cerrado

Análise de Decisão considerando potencial de crescimento como critério de seleção em um rebanho da raça Nelore no Cerrado Análise de Decisão considerando potencial de crescimento como critério de seleção em um rebanho da raça Nelore no Cerrado PAULA, Edson Júnior Heitor de 1 ; MAGNABOSCO, Cláudio de Ulhôa 2 1 Zootecnista,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DIVERGÊNCIA GENÉTICA DE PROGÊNIES DE MEIOS-IRMÃOS DE AÇAIZEIRO COM BASE EM VALORES GENÉTICOS DE CARACTERES AGRONÔMICOS E DE CACHO DAVI HENRIQUE LIMA TEIXEIRA 1, MARIA DO SOCORRO PADILHA DE OLIVEIRA ; FLÁVIA

Leia mais

ALTA GENETICS BATE NOVO RECORDE COM 3 MILHÕES DE SÊMEN BOVINO VENDIDOS EM 2011

ALTA GENETICS BATE NOVO RECORDE COM 3 MILHÕES DE SÊMEN BOVINO VENDIDOS EM 2011 São Paulo, dezembro de 2011 ALTA GENETICS BATE NOVO RECORDE COM 3 MILHÕES DE SÊMEN BOVINO VENDIDOS EM 2011 Faturamento no Brasil deve crescer 20% em 2011, alcançando R$60milhões A Alta Genetics bate novo

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

BASE GENÉTICA BRASILEIRA PARA SER MULTIPLICADA

BASE GENÉTICA BRASILEIRA PARA SER MULTIPLICADA NELSON PINEDA 9 BASE GENÉTICA BRASILEIRA PARA SER MULTIPLICADA Nelson Pineda Diretor da ABCZ Vice-presidente internacional do SIC. pineda@terra.com.br INTRODUÇÃO A reprodução consciente e ética do material

Leia mais

DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM DOENÇAS FOLIARES DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM DOENÇAS FOLIARES DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA EM DOENÇAS FOLIARES DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Eder Jorge de Oliveira 1, Saulo Alves Santos de Oliveira 1, Vanderlei da Silva Santos 1, Juan Paulo Xavier de Freitas

Leia mais

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário que a mutação esteja em homozigose (doença autossômica

Leia mais

ANEXO. Avaliação do estatuto de risco de extinção das Raças Autóctones Portuguesas PDR2020

ANEXO. Avaliação do estatuto de risco de extinção das Raças Autóctones Portuguesas PDR2020 ANEXO Avaliação do estatuto de risco de extinção das Raças Autóctones Portuguesas PDR2020 Nuno Carolino (INIAV); Filomena Afonso (DGAV); Sónia Calção (GPP) 1 Âmbito Na regulamentação referente ao apoio

Leia mais

13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. RREE, RrEE, RrEe, RREe

13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. RREE, RrEE, RrEe, RREe BIO 5E aula 13 13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. 13.02. FENÓTIPOS Rosa Ervilha Noz Simples GENÓTIPOS RRee, Rree rree, rree

Leia mais

Lista de Exercícios Herança Sexual

Lista de Exercícios Herança Sexual Meus queridos alunos, preparei para vocês uma lista de atividades abordando o conteúdo estudado por nós esta semana. Espero que vocês aproveitem o final de semana para resolver esses exercícios segundo

Leia mais

Eficiência Reprodutiva e Produtiva em Rebanhos Leiteiros Comerciais Monitorados por Sistema Informatizado 1

Eficiência Reprodutiva e Produtiva em Rebanhos Leiteiros Comerciais Monitorados por Sistema Informatizado 1 Eficiência Reprodutiva e Produtiva em Rebanhos Leiteiros Comerciais Monitorados por Sistema Informatizado 1 Selma de Fátima Grossi 2, Maria Armênia Ramalho de Freitas 3 RESUMO - O estudo foi conduzido

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Avaliação do desempenho de animais da raça Canchim durante a fase de cria, no estado do Paraná, Brasil

Avaliação do desempenho de animais da raça Canchim durante a fase de cria, no estado do Paraná, Brasil Avaliação do desempenho de animais da raça Canchim durante a fase de cria, no estado do Paraná, Brasil J. de Souza 1, E. Pereira, D. Perotto 2, J. Moletta 2, A. Miyagi, J. de Freitas Universidade Federal

Leia mais

Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético

Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético Belmira Ferreira dos Santos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ANDRADE, A., PINTO, SC., and OLIVEIRA, RS., orgs. Animais de

Leia mais

Leis de Mendel. Genética Biologia III

Leis de Mendel. Genética Biologia III Leis de Mendel Genética Biologia III Mendel (1822-1884) Por que ervilhas? Variedades com características bem definidas, sem formas intermediárias; Fácil cultivo; Ciclo reprodutivo curto; Grande número

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA GENEALOGIA PARA A CONSERVAÇÃO ANIMAL

CONTRIBUIÇÃO DA GENEALOGIA PARA A CONSERVAÇÃO ANIMAL i UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Disciplina: SEMINÁRIOS APLICADOS CONTRIBUIÇÃO DA GENEALOGIA PARA A CONSERVAÇÃO ANIMAL Bruna

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) A DISTÂNCIA BOVINOCULTURA LEITEIRA: MANEJO, MERCADO E TECNOLOGIAS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) A DISTÂNCIA BOVINOCULTURA LEITEIRA: MANEJO, MERCADO E TECNOLOGIAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) A DISTÂNCIA BOVINOCULTURA LEITEIRA: MANEJO, MERCADO E TECNOLOGIAS MELHORAMENTO GENÉTICO EM GADO LEITEIRO CLÁUDIO ARAGON Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

Componentes de variância para o período de gestação em bovinos de corte

Componentes de variância para o período de gestação em bovinos de corte Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.57, n.6, p.784-791, 2005 Componentes de variância para o período de gestação em bovinos de corte [Genetic parameters estimates for gestation length in beef cattle] J.C.M.C.

Leia mais